...

A Síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

A Síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que
1
A Síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que causam
disfuncionalidades na cintura escapular e o impacto socioeconômico desses
distúrbios.
Roberlane de Souza Picanço Barbosa
Orientadora: Dayana Priscila Maia Mejia
[email protected]
Pós-Graduação em Reabilitação em ortopedia e traumatologia com ênfase
Em terapias manuais- Faculdade Ávila
Resumo
A síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que causam disfuncionalidades na
cintura escapular e o impacto socioeconômico desses distúrbios são as fontes dessa pesquisa.
Problema: Por ser uma articulação com hipermobilidade é um grande vetor de doenças e de
incapacitações funcionais observadas nos centros de reabilitação clínica motora, pergunta-se
qual o verdadeiro impacto socioeconômico desse distúrbio articular? Objetivo geral: É
mostrar as principias patologias que causam disfuncionalidade da articulação glenoumeral
assim como da cintura escapular, pois, ambas funcionam como uma unidade motora de
estabilização do movimento. Objetivo especifico: É diferenciar as doenças que mais estão
presentes nesta síndrome como: A bursite, rupturas parcial e total dos tendões do bíceps
braquial, luxação e subluxação da articulação glenoumeral, tendinite da cabeça longa do
bíceps, tendinopatia calcária, capsulite adesiva, e síndrome do impacto do ombro também
denominada como tendinite do manguito rotador e os respectivos tratamento. Justificativa: O
impacto patológico causado na função articular pode ser incapacitante e uma grande parte
da população é afetada por essa síndrome, é necessário que os especialistas saibam a
sintomatologia individual e as causas, para evitar falsos diagnósticos. Protocolos de
tratamentos foram descritos de forma individualizada a fim de esclarecer tais diferenças.
Palavras-Chave: Patologias; ombro Doloroso; Disfuncionalidade articular.
1-Introdução
A síndrome do ombro doloroso está relacionada com algumas disfunções patológicas,
que causam deficiência na cintura escapular. Muitas são as causas que levam a essas
disfunções entre elas serão relatadas as mais frequentes como: Bursite, rupturas parcial e total
dos tendões do bíceps braquial, luxação e subluxação da articulação glenoumeral, tendinite da
cabeça longa do bíceps, tendinopatia calcária, capsulite adesiva, e síndrome do impacto do
ombro. Os impactos dessas alterações patológicas levam a disfunções biomecânicas dos
movimentos fisiológicos normais, como diminuição de amplitude articular, perda gradual de
força muscular, atrofia muscular, dor de origem inflamatória e mecânica, entre outras
deficiências. Problema: Por ser uma articulação com hipermobilidade é um grande vetor de
doenças e de incapacitações funcionais observadas nos centros de reabilitação clínica motora,
pergunta-se qual o verdadeiro impacto socioeconômico desse distúrbio articular? Objetivo
geral: É mostrar as principias patologias que causam disfuncionalidade da articulação
glenoumeral assim como da cintura escapular, pois, ambas funcionam como uma unidade
2
motora de estabilização do movimento. Objetivo especifico: É diferenciar as doenças que
mais estão presentes nesta síndrome como: A bursite, rupturas parcial e total dos tendões do
bíceps braquial, luxação e subluxação da articulação glenoumeral, tendinite da cabeça longa
do bíceps, tendinopatia calcária, capsulite adesiva e síndrome do impacto do ombro também
denominada como tendinite do manguito rotador e os respectivos tratamento. Justificativa: O
impacto patológico causado na função articular pode ser incapacitante e uma grande parte da
população é afetada por essa síndrome, é necessário que os especialistas saibam a
sintomatologia individual e as causas, para evitar falsos diagnósticos. Protocolos de
tratamentos foram descritos de forma individualizada a fim de esclarecer tais diferenças. Há
um grande número de pessoas afetadas por essa síndrome dolorosa, com graus variados de
disfunção, levando a ausência no trabalho e dificuldade de realizar as atividades básicas de
vida diárias (ABVDS), laborativas e recreativas. Essas patologias causam dor glenoumeral e
levam a disfunção na unidade de movimento da cintura escapular. Há características
diferentes nestas doenças que atingem articulações com sinais sintomas parecidos, mas, que
tem suas peculiaridades e que devem ser tradadas de forma especificas e não com protocolo
de tratamento único.
2-Revisão Anatômica
Para se compreender a síndrome do ombro doloroso, é preciso conceituar a anatômia da
cintura escapular assim como da articulação gleno-umeral e suas cinemáticas. A
funcionalidade do ombro envolve associadamente a articulação gleno-umeral e
escapulotorácica, que juntas realizam um terço da mobilidade de abdução do membro
superior. A cintura escapular deve estar estável e alinhada assim como todas as articulações
envolvidas e interfaces bursais, para manter uma completa amplitude de movimento do ombro
essa estruturas devem estar livres de quaisquer restrições. A Cintura escapular é responsável
pela mobilidade do membro superior, com isso à mão pode ser posicionada em qualquer lugar
dentro da fisiologia normal do movimento, sendo apenas limitada primeiramente pelo
comprimento do braço e do espaço ocupado pelo corpo. A biomecânica combinada de suas
articulações e músculos proporcionam e controlam essa mobilidade. Comparado com o
quadril que é uma articulação estável com um receptáculo profundo o acetábulo, comparado
ao ombro que tem um receptáculo raso, a fossa glenóide (THOMPSON, 2001).
3-Estabilizadores Articulares
São responsáveis para manter a articulação estável e alinhada para que os membros
superiores possam manter sua fisiologia normal do movimento, podem ser classificado em
estabilizadores estáticos e dinâmicos (SERRA, 2001).
3.1 Estabilizadores Estáticos
A cápsula articular, a fossa glenóide, o lábio glenoidal, os ligamentos glenoumerais e o
intervalo dos rotadores (espaço entre a margem anterior do músculo Supra-espinhoso e a
margem superior do músculo subescapular, contendo no seu interior o tendão da cabeça longa
do bíceps, ligamento coracoumeral e o ligamento glenoumeral superior). Os principais entre
os citados são: a cápsula glenoumeral e o ligamento coracoacromial (SERRA, 2001).
3.2 Estabilizadores Dinâmicos
Os quatros músculos do manguito rotador (supra-espinhoso, infra-espinhoso,
subescapular e redondo menor) possuem sua inserção tendinosa no úmero, os músculos
Escapuloumerais são estabilizadores mecânicos desta articulação. A biomecânica e a
3
localização desses músculos proporcionam equilíbrio, estabilidade e mobilidade da
articulação ombro (SERRA, 2001).
4-Considerações anatômicas da cintura escapular e glenoumeral
 Ossos: Parte óssea da articulação glenoumeral compreende três ossos: escápula,
clavícula e úmero.
 Ossos: cintura escapular compreende dois ossos: escápula e clavícula (SERRA, 2001).
5-Músculo da Cintura Escapular:
São cinco os músculos envolvidos mais primariamente nos movimentos da cintura
escapular e todos possuem sua origem no esqueleto axial com inserção localizada na escápula
e/ou na clavícula, são eles: peitoral menor, serrátil anterior, trapézio e rombóides e elevador
da escapula. Para evitar confusão, com vem agrupá-los separadamente dos da articulação do
ombro. O músculo subclávio também está incluído neste grupo, mas, não é considerado o
motor primário em nenhuma ação da cintura escapular. Os músculos da cintura escapular não
se fixam no úmero nem causam as ações da articulação do ombro. Eles têm um papel
importante, pois, fornecem estabilidades dinâmicasa escápula (THOMPISON, 2001).
6-Cinesiologia Estrutural (Anterior- abdução e depressão da escápula)
 Peitoral menor:
Origem: superfícies anteriores da terceira à quinta costela.
Inserção: processo coracóide da escápula
Ação: abdução (protração): traciona a escápula pra gente, e tende a inclina o bordo
inferior, afastando-o das costelas.
Rotação para baixo: ao abduzir-se, raciona a escápula para baixo.
Depressão: quando a escápula é girada para cima, contribuindo para depressão.
Inervação: nervo peitoral medial
 Serrátil anterior
Origem: superfícies das nove costelas superiores do lido do tórax.
Inserção: Aspecto anterior do comprimento total do bordo medial da escápula.
Ação: Abdução (protração) traciona o bordo medial da escápula, afastando-a a
vertebra.
Rotação par cima: as fibras mais compridas e inferiores tendem a tracionar o angulo
inferior da escapula para longe das vertebras, girando-a assim ligeiramente para cima.
Inervação: nervo torácico longo.
 Subclávio
Origem: aspecto superior da primeira costela, na junção de sua cartilagem costal.
Inserção: sulco inferior na porção média da clavícula.
Ação: estabilização e proteção da articulação esternoclavicular.
Depressão.
Inervação: fibras nervosas de c5 e c6 (THOMPISON, 2001).
Posterior (adução e elevação da escapula)
 Trapézio
Origem: fibras superiores na base do crânio, protuberância occipital e ligamentos
posteriores do pescoço.
Fibras médias processos espinhosos da sétima vértebra cervical e das três vértebras
torácicas superiores.
4
Fibras inferiores: processos espinhosos que vão da quarta à décima segunda vértebra
torácica.
Inserção: fibras superiores: aspecto posterior do terço lateral da clavícula.Fibras
médias: bordo medial do processo acromial e bordo superior da espinha escapular.
Fibras inferiores: espaço triangular da base da espinha escapular.
Ação: fibras superiores: elevação da escápula; extensão da cabeça no pescoço.
Fibras médias: elevação, rotação pra cima e adução da escápula.
Fibras inferiores: depressão, adução e rotação para cima da escápula.
Inervação: nervo acessório (nono nervo craniano) e ramificações de C3, C4
(THOMPISON, 2001).
 Romboide
Origem: processos espinhosos da última vértebra cervical e as primeiras cinco
vértebras torácicas.
Inserção: bordo medial da escápula, abaixo da espinha.
Ação:os músculos rombóides maiores e menores trabalham juntos.
Adução (retração): forçam a escápula em direção à coluna vertebral.
Rotação para baixo: a partir da posição girada para cima. Forçam a escápula para a
rotação para baixo.
Elevação: leve movimento para cima, que acompanha a adução.
Inervação: nervo escapular dorsal (C5)
 Elevador da escápula
Origem: processo transverso das quatro vértebras cervicais superiores.
Inserção: bordo medial da escápula acima da baseda espinha escapular.
Ação: eleva a margem medial da escápula
Inervação: nervo C5 e ramificações de C3 e C4 da escápula dorsal
(THOMPISON, 2001).
7-Músculos da glenoumeral
Serão agrupados de acordo com sua localização e função. Todos os músculos que se
originam na escápula e clavícula podem ser pensados como músculos gleno-umerais
intrínsecos, como deltóide, Coracobraquial, o redondo maior, o grupo do manguito rotador,
constituído pelo subescapular, supra-espinhoso, infra-espinhoso e redondo menor. Os
músculos glenoumerais extrínsecos são os músculos: grande dorsal, o peitoral maior
(THOMPISON, 2001).
8-Músculos da articulação do ombro e sua localização. (Anterior)
 Peitoral maior:
Origem: Fibras superiores (cabeça clavicular) metade medial da superfície anterior da
clavícula.
Fibras inferiores (cabeça esternal) superfícies anteriores da cartilagem costal das seis
primeiras costelas e porção adjacente do esterno.
Inserção: tendão plano com largura de 5 a 8 cm no lábio externo do sulco
intertubercular do úmero.
Ação: Fibras superiores (cabeça clavicular) rotação interna adução horizontal, flexão,
abdução (uma vez que o braço seja abduzido a 90 graus, as fibras superiores auxiliam
na continuação da abdução) e adução (com o braço em abdução abaixo de 90 graus) da
articulação glenoumeral.
Fibras inferiores: (cabeça esternal): rotação interna, adução horizontal, extensão e
adução da articulação glenoumeral.
5
Inervação: Fibras superiores: nervo peitoral lateral.
Fibras inferiores: nervo peitoral medial (THOMPISON, 2001).
 Coracobraquial:
Origem: Processo coracóide da escápula
Inserção: Meio do bordo medial do eixo umeral
Ação: Flexão, adução e adução horizontal da articulação glenoumeral
Inervação: Nervo músculo cutâneo.
 Subescapular
Origem: Toda superfície anterior da fossa subescapular.
Inserção: tubérculo menor do úmero.
Ação: rotação interna, adução, extensão da articulação glenoumeral.
Estabilização da cabeça do umeral na fossa glenóide.
Inervação: nervo subescapular superior e inferior (THOMPISON, 2001).
9-Músculos da articulação do ombro e sua localização. (Superior)
 Deltóide
Origem: fibras anteriores: terço lateral anterior da clavícula.
Fibras médias: aspecto lateral do acrômio.
Fibras posteriores: borda inferior da espinha da escápula.
Inserção: Tuberosidade deltoide no úmero lateral.
Ação: Fibras anteriores: abdução, flexão, adução horizontal e rotação interna da
articulação glenoumeral.
Fibras médias: abduçãoda articulação glenoumeral.
Fibras posteriores: abdução, extensão, abdução horizontal e rotação externa da
articulação glenoumeral.
Inervação: Nervo axilar (THOMPISON, 2001).
 Supra- espinhoso
Origem: dois terços mediais da fossa supraespinhal.
Inserção: superiormente no tubérculo maior do úmero.
Ação: abdução fraca e estabilização d cabeça do úmero na fossa glenóide.
Inervação: nervo supra- escapular (THOMPISON, 2001).
10-Músculos da articulação do ombro e sua localização. (Posterior)
 Grande dorsal
Origem: crista posterior do ílio, costa do acro e processos espinhosos das vertebras
lombares e seis vertebras torácica, ramifica-se nas três costelas inferiores.
Inserção: lado medial do sulco intertubercular do úmero.
Ação: abdução, extensão, rotação interna e abdução horizontal da articulação
glenoumeral.
Inervação: nervo toraco-dorsal.
 Redondo maior:
Origem: posteriormente no terço inferior do bordo lateral da escápula, logo acima o
ângulo inferior.
Inserção: lábio medial do sulco intertubercular do úmero.
Ação: extensão da articulação glenoumeral, principalmente da posição flexionada para
posição estendida posteriormente.
Rotação interna
Aduçãoda articulação glenoumeral, principalmente na posição abduzida para baixo, de
lado, e na direção da linha média do corpo.
6
Inervação: nervo subescapular inferior.
 Infra-espinhoso:
Origem: aspecto medial da fossa infra- espinhosa logo abaixo da escápula.
Inserção: posteriormente no tubérculo maior do úmero.
Ação: rotação externa abdução horizontal, extensão e estabilização da cabeça do
úmero na fossa glenóide da articulação glenoumeral
Inervação: nervo supra-escapular
 Redondo menor
Origem: posteriormente nos aspectos superior e médio do bordo lateral da escápula.
Inserção: posteriormente no tubérculomaior do úmero.
Ação: rotação externa, abdução horizontal, extensão da articulação gleno-umeral.
Estabilização da caça umeral na fossa glenóide
Inervação: nervo axilar glenóide (THOMPISON, 2001).
11-Articulações:
Ao analisar os movimentos escapulotorácica, observa-se que a escápula se move na
caixa torácica porque o movimento articular na verdade ocorre na articulação
esternoclavicular e, em menor amplitudena articulação acrômio clavicular.
 Esterno-clavicular (EC): articulação artrodial (deslizante), caracterizada por duas
superfícies ósseas planas que se confrontam diretamente, permitindo movimento de
deslizamento limitado. Move-se a 15 graus anteriormente com protração e 15 graus
posteriormente com retração, além de mover-se 45 graus superiormente com elevação
e 5 graus inferiormente com depressão. É suportada anteriormente pelo ligamento
esternoclavicular anterior e, posteriormente, pelo ligamento posterior. Os ligamentos
costoclavicular e interclavicular proporcionam estabilidade contra o deslocamento
superior.
 Acrômio-clavicular (AC): articulação artrodial, possui um deslizamento e um
movimento rotacional totalde 20 a 30 graus, que acompanha os outros movimentos da
cintura escapular e da articulação do ombro. Possuem fortes ligamentos
coracoclaviculares (trapezóide e conóide), os ligamentos acromioclaviculares superior
e inferiorque dão suporte articular, porém bastante venerável às lesões. A articulação
coracoclavicular, classificada como articulação do tipo sindesmótica, que se mantém
junta por meio de estruturas ligamentares fortes, permitindo movimento mínimo entre
os ossos, aumenta intensamente, por meio de seus ligamentos, a estabilidade da
articulação acromioclavicular.
 Escápulo-torácico: (espaço de deslizamento) Não é uma articulação sinovial
verdadeira, por não possuir características sinoviais regulares e seu movimento é
totalmente dependente das articulações esternoclavicular e acromioclavicular e espaço
de deslizamento acrômio-troquiteriano. A escápula pode ser descrita como tendo uma
amplitude total de 25 graus de movimento de abdução-adução, de 60 graus de rotação
para cima e para baixo e de 35 graus de elevação-depressão, divide-se em corpo,
acrômio e glenóide, o nível superior corresponde à segunda costela e o inferior à
sétima costela, mantendo-se lateralmente afastada da coluna vertebral cerca de 25 cm
(do processo espinhoso da vértebra T3, na altura da espinha escapular). A escapula
ésuportada dinamicamente por seus músculos e não possui suporte ligamentar
(THOMPISON, 2001).
7
12-Articulação glenoumeral
Articulação do tipo enartrodial (bola e soquete) articulação que permite movimento em
todos os planos. Sua estabilidade é ligeiramente reforçada pelo labro glenóide, um anel
cartilaginoso que envolve a fossa glenóide no interior de sua periferia, e pelos ligamentos
glenoumerais, de modo especial anterior e inferiormente. Os ligamentos glenoumerais
anteriores se tornam retesados quando ocorre rotação externa, extensão, abdução e adução
horizontal, os delgados ligamentos capsulares posteriores são tensionados na rotação interna,
flexão e adução horizontal, o ligamento glenoumeral inferior é importante para proporcionar
estabilidade anterior e posterior. A pesar da grande amplitude de movimento dessa articulação
seus ligamentos conservam-se bastante frouxos, a estabilidade é sacrificada pelo ganho de
mobilidade. Determinar a amplitudede cada movimento da articulação glenoumeral é difícil
em virtude do movimento da cintura escapular que os acompanha. Acredita-se que os
movimentos situam-se dentro das seguintes faixas: 90 graus de abdução, zero grau de adução
(impedida pelo tronco) ou 75 graus anteriormente ao tronco, 40 a 60 graus de extensão, 90 a
100 graus de flexão, 70 a 90 graus de rotação interna e externa, 45 graus de abdução
horizontal e 135 graus de adução horizontal (THOMPISON, 2001).
13-Biomecânica
Os movimentos da cintura escapular estão envolvidos dois ossos, a escápula e a
clavícula, movendo-se como uma unidade. Sua única ligação óssea com o esqueleto axial
consiste na articulação da clavícula com o esterno. Ao analisar os movimentos
escapulotorácica, observa-se que a escápula se move na caixa torácica, porque o movimento
escapular, na verdade, ocorre na articulação esternoclavicular e, em menor amplitude, na
articulação acrômio clavicular.Os movimentos da cintura escapular podem ser descritos como
movimentos da escápula são:
 Abdução (protração): movimento da escapula de afastar-se lateralmente da coluna
vertebral.
 Adução (retração): movimento da escapula de avançar medialmente em direção à
coluna vertebral
 Rotação para cima: girar a fossa glenóide para cima e afastar, superiormente e
lateralmente. O ângulo inferior em relação à coluna vertebral.
 Rotação para baixo: retornar o ângulo inferior a sua posição normal, movendo-o
medial e inferiormente em direção à coluna vertebral e a fossa glenóide.
 Elevação: Movimento para cima ou superior, como quando se encolhe o ombro.
 Depressão: movimento para baixo ou inferior, como quando se retorna à posição
normal (THOMPISON, 2001).
14-Movimento da articulação do ombro.
 Abdução: movimento lateral e para cima do úmero, que se abre lateralmente,
afastando se do corpo.
 Adução: movimento par baixo do úmero, medialmente em direção do corpo a partir d
abdução.
 Flexão: movimento do úmero anteriormente.
 Extensão: movimento do úmero posteriormente, referido algumas vezes como
hiperextensão.
 Adução horizontal: movimento do úmero no plano horizontal ou transverso em
direção ao tórax, cruzando-o.
8
 Abdução horizontal (extensão): movimento de afastamento do úmero em relação ao
tórax, num plano horizontal u transverso.
 Rotação externa: movimento de afastamento lateral do úmero em relação à linha
média, ao redor de seu eixo longo.
 Rotação interna: movimento medial do úmero em torno de seu eixo longo, em
direção à linha média.
 Abdução diagonal: movimento de afastamento do úmero, em relação à linha média
do corpo, num plano diagonal.
 Adução diagonal: movimento do úmero em direção à linha média do corpo, num
plano diagonal (THOMPISON, 2001).
15-Síndrome do Ombro Doloroso
A palavra síndrome vem identificar que vários são os fatores que ocasionam o
aparecimento dessas patologias, ou seja, o ombro doloroso não é uma doença propriamente
dita, e sim um Sintomas de vários comprometimentos e que podem levar a essas
disfuncionalidades do ombro doloroso (SERRA, 2000).
15.1Os sintomas da forma aguda são:
Dor intensa na região da articulação escápulo-umeral agravada pelos movimentos do
ombro, irradiação da dor para o pescoço às vezes para o braço, na inserção do deltoide e nas
pontas dos dedos; limitação dos movimentos com dor extrema a ligeira abdução ou rotação,
hiperalgesia na região do troquiter, apófise coracóide e sulco bicipital. Os sinais radiológicos
são encontrados em 50% dos casos (SERRA, 2002).
15.2Na forma crônica encontramos os seguintes sintomas:
Pode ocorrer atrofia do Deltóide e do Supra-espinhoso, Incapacidade de movimentos
articulares éscápulo-umeral (abdução-rotação), Dor localizada ou irradiada de pouca
intensidade, Hiperalgesia em nível do troquiter. Os sinais radiológicos são de atrofia da
grande tuberosidade do úmero e calcificações (SERRA, 2002).
15.2 Clínica/métodos e avaliação As formas clínicas mais encontradas no ombro doloroso se
classificam da seguinte forma: Quanto à intensidade dos sintomas, o tempo do início da
doença eao exame radiológico (LAGO, 2002).
15-3 E quanto ao aparecimento de sintomas como:
Agudas, Subagudas, Crônicas com ou sem calcificações (LAGO, 2002).
15.4 Exame físico:
Localizam-se pontos de maior sensibilidade à simples pressão digital (inserção Supraespinhoso, longa porção do bíceps, articulação acrômio-clavicular, apófise coracóide, bolsa
subacromial) O arco doloroso de Simmonds é frequente. A abdução é dificultada na passagem
da grande tuberosidade do úmero sob o acrômio.A manobra de Yergason é positiva para
alteração a longa porção do bíceps quando o braço estiver em abdução e o antebraço
flexionado em 90 graus. A supinação e a contra resistência despertam dor na corrediça
biciptal.Importante é o exame em nível do tendão do Supra-espinhoso, em que se instalam
lesões mais graves.Elas se localizam em áreas correspondentes ao assoalho da bolsa
subacromial, na qual o tendão do supra-espinhoso se adere totalmente à cápsula articular
(LAGO, 2002).
9
15.5 Testes Específicos








Teste de força dos diferentes músculos
Teste de sensibilidade;
Teste de Neer,Hawkins, Yokun é direcionado as afecções do impacto subacromial;
Teste do supra-espinhal e de Jobe são para: o tendão do supra-espinhal
Teste de Patte e o teste da cancela são: lesão do infraespinhal
Teste de Gerber é para lesão do subescapular
Teste do bíceps(Speed)
Teste de instabilidade posterior (LAGO, 2002).
15-6 Exames complementares
Servem para avaliar o grau de retração tendinea, o grau de degeneração muscular e lesões
associadas.
 Radiografia- fornecem informações sobre alterações ósseas com: artrose
glenoumeral, esporão acromial e Ascenção da cabeça umeral em relação à cavidade
glenóide.
 Ultrassonografia- mostra lesões completas (conta com a experiência do radiologista).
 RessonânciaNuclear Magnética- É o melhor método de imagem para avaliar as
lesões do manguito rotador podendo ser realizado com ou sem contraste.
 Artroscopia- É um dos melhores métodos para visualizar a lesão do manguito rotador
(LAGO, 2002)
15-7 Exame radiológico
Frequentemente os exames radiológicos convencionais se apresentam normais
(valoriza-se o exame físico). Os achados são:Depósitos calcários, bursite calcária, osteoporose
difusa ou localizada, Condensação óssea, tumores, lesões líticas, lesões degenerativas, artrose,
Redução do estreito acrômio-tuberositário e desgaste-desnutrição do manguito tendinoso
(LAGO, 2002).
15-8 Tratamento
A aplicação precoce do tratamento fisioterapêutico será um fator importante na rápida
resolução do processo, assim, quanto mais tardio for o início, mais sessões e mais técnicas
serão necessária para resolução do quadro, já que limitações articulares e atrofias musculares
já terão se instalado (LAGO, 2002).
16-Bursite
É uma inflamação ou irritação de uma bursa, bursa é um pequeno saco localizado entre
o osso e outras estruturas móveis, como músculos, pele ou tendões. Ela permite e facilita um
melhor deslizamento entre as estruturas. As bursas estão localizadas próximasàs articulações,
qualquer processo inflamatório nos tecidos moles será percebido frequentemente por
pacientes como dor na articulação e, equivocadamente como artrite, os sintomas são
semelhantes. Temos a bolsa subacromiodeltóidea que esta situada anatomicamente entre o
manguito rotador e o acrômio. Em relação às causas de bursite subdeltoidiana ou subacromial,
temos: Atividade excessiva, Hiperabdução prolongada, ruptura do supra-espinhoso,infraespinhoso ou porção longa do bíceps, luxação acromioclavicular, fratura do troquiter, irritação
por osteófitos, aderência, paciente crônico no leito, alterações e inflamações. Dor e rigidez,
10
agravados por movimentos. Dor principalmente noturno e edema local podem acontecer
(LAGO, 2002).
16.1 Bursite subdeltoidiana aguda: É a causa mais frequente da limitação da mobilidade
articular que não respeitoàs proporções capsulares. Esta doença tem inicio súbito, atingindo
seu apogeu em apena três dias. O paciente refere dores de intensidade progressiva,
inicialmente localizada no ombro e projetando–se em seguida até o punho. O exame revela
acentuada limitação da mobilidade. Esta afecção difere do padrão capsular pela limitação
predominante da abdução, enquanto a rotação externa se revela praticamente normal. As
dores costumam ser muito intensa durante os primeiros dez dias, a cura espontânea leva cerca
de seis semanas.É perfeitamente possível que ocorra uma recidiva dentro dos cincos anos
seguintes, seja no mesmo ombro, seja no lado oposto acalcificação no tendão do musculo
supra-espinhal é capa de provocar a bursite aguda, quanto os sais de cálcio se distribuem
derrepente na luz da bolsa subdeltoidiana. A bursite aguada pode também ser primeira
manifestação de um processo reumático (LAGO, 2002).
16.2 Bursite subdeltoidiana crônica: Pode ser primária ou secundária, em analogia ou que
ocorre com afecções da articulação acrômio-clavicular. Todavia, cumpre assinalar que a
bursite crônica não apresenta a continuação ou sequela tardia da bursite aguda. Essa última é
uma doença inteiramente a parte. A bursite crônica primária pode ocorrer em qualquer
período entre 15 a 65 anos. Parecem ser secundarias a algumas outras afecções do ombro,
geralmente de natureza degenerativa, a qual por si só não provoca sintomas. A bursite crônica
secundaria é muito mais frequente que a forma primária. Trata-se sempre de sequela de
alguma afecção do manguito, de alguma patologia da articulação acrômio-clavicular ou da
presença de irregularidades no acrômio e ou no grande tubérculo exemplo da após fratura
(LAGO, 2002).
16.3 Bursite Subcoracóide: Manifesta-se sobre a rotação dolorosa da rotação interna e a
abdução permanece normal, a rotação externa é completa quando executadapassivamente, no
ombro mantido e abdução de 90 graus. Nessa afecção, a dor é mais intensa durante a abdução
passiva horizontal, praticada adiante do corpo (LAGO, 2002).
16.4 Clínica
A dor origem inflamatória que não sede nem com o repouso articular e com maior
intensidade no horário noturno levando alimitação articular da mobilidade ativa em todos os
sentidos, assim como mobilidade passiva, ocorrendo limitação dos movimentos de abdução e
rotação externa, causada pela inflamação da bolsa, produzindo uma adesão de suas paredes
que dificulta os seus deslizamentos sob o acrômio. Na Prova de força será negativa para todos
os movimentos, descartando-se assim a possibilidade de comprometimento tendinoso
(LAGO, 2002).
16.5 Tratamento
Fase aguda: compreende dos 5 a 7 primeiros dias. O Tratamento fisioterapêutico consiste de
intervenção antiinflamatória, como eletroterapia de alta frequência (micro-ondas, ondas curtas
e ultrassom pulsátil em baixas doses), Massagem com gelo de 5 a 7 minutos de duas a três
vezes ao dia. Repouso do paciente, colocando o braço em uma tipóia.
Fase crônica: é a resolução da dor até a resolução completa do processo. Serão mantidas as
condutas antiinflamatórias da fase anterior, Também serão iniciadas mobilizações passivas e
11
ativo-assistidas, terapia manual, facilitação neuromuscular proprioceptiva e exercícios
resistidos de fortalecimento muscular (LAGO, 2002).
17-Patologias do Manguito Rotador
17.1Tendinite
Pode afetar somente uma porção do manguito, ou todo o tendão. Existem tipos de
localização da síndrome, no primeiro caso, fala-se de tendinite do supra-espinhosoou redondo
menor, evolui bem com o tratamento conservadoro segundo é anterior também é benigno é do
tendo do subescapular,a síndrome superior é mais resistente ao tratamento conservador é o
tendão do supra-espinhoso. É denominada tendinite do manguito rotador por não ser possível
a identificação da porção afetada e por haver um comprometimento difuso de todo o tendão
(SERRA, 2001).
17.2 Clínica
Dor inflamatória (repouso) e mecânica, (movimento) e se localizará no próprio tendão,
em sua inserçãodeltóidea. Arco doloroso de 60 e os 100 graus de abduçãodevido à passagem
o tendão sob o acrômio. Mobilidade ativa estará afetada devida à dor, e a mobilidade passiva
será comprometida com a realização do arco doloroso com o movimento em abdução. A
contração isométrica contra resistência será dolorosa à abdução se o supra-espinhoso estiver
afetado, à rotação externa se estiver afetado o infra-espinhoso e rotação interna, se estiver
afetado o subescapular (SERRA, 2001).
18-Tendinopatia calcaria
Ocorre formação de deposito de cálcio no interior do tendão do manguito rotador,
sendo que o tendão do supra-espinhal é mais acometido. A Classificação é conforme o
tamanho da calcificação, pequena-menor que 0,5mm, médio - entre 0,5 a 1,5mm; grandemaior que 1,5mm; possuem três estágios (SERRA, 2001).
18.1 Clínica
Mesmo da tendinite, porém em calcificações de tamanho consideráveis, há uma
limitação articular à abdução que pode ser corrigida efetuando-se este movimento em rotação
externa, não ficando assim o tendão pinçado entre a cabeça umeral e o acrômio. Outro sinal
característico são as crepitações no movimento de abdução, palpáveis ao se colocar a mão na
região do ombro (SERRA, 2001).
18.2 Tratamento
 Fase aguda: eletroterapia de alta frequência.
 Fase crônica: mobilizações passivas com objetivo de prevenir limitações articulares,
ao mesmo tempo em que se iniciará a tonificação muscular(especialmente do deltóide
para se evitar possíveis atrofias) se a calcificação persistir e ocasionarem desconforto
importante serãosugeridos a retirada cirurgicamente (SERRA, 2001).
19-Tratamento em ruptura total /cirúrgico e fisioterapêutico
Neste caso é necessária intervenção cirúrgica, porém, o tratamento fisioterapêutico
subsequente será o mesmo mencionado no paragrafo anterior (SERRA, 2001).
12
20-Calcificações
A presença de calcificações no manguito rotador pode ser devida a um traumatismo
prévio no qual se produziu a ruptura de algumas fibras do tendão que, ao cicatrizarem, deram
lugar às calcificações ou ainda pode ser consequência do próprio processo degenerativo
fisiológico. Umas complicações das calcificações é a sua migração por estarem perto da bolsa
serosa subacromiodeltóidea, provocando uma bursite aguda (SERRA, 2001).
21-Ruptura dos tendões
Produzida como consequência de um traumatismo prévio ou pelo mesmo processo
degenerativo do tendão, podendo ser parcial ou total. Neste caso é necessáriointervenção
cirúrgica, porém o tratamento fisioterapêutico subsequente será o mesmo mencionado no
parágrafo anterior (SERRA, 2001).
21.1 Clinica
Na ruptura completa a dor será intensa e de início brusco; mobilidade articular passiva
será normal, existindo impotência funcional da mobilidade ativa e hematoma subcutâneo
(SERRA, 2001).
21.2 Tratamento
Poderá ser conservador, quando se indicará a imobilização durante certo tempo, ou
cirúrgico. O tratamento fisioterapêutico se iniciará quando existir indicação facultativa de
retirada progressiva da imobilização, objetivando aumenta a mobilidade articular e a força
muscular assim como diminuir a dor secundária a imobilização. Será aplicada Termoterapia
por condução ou Crioterapia com finalidade de facilitar a execução dos exercícios, exercícios
isométricos e pendulares, mobilizações passivas suaves e autopassivas e exercício resistidos
com bandagem elástica e pesos (SERRA, 2001).
21-Tratamento ruptura parcial
É a bandagem compressiva, elevação da extremidade, crioterapia local, Eletroterapia
(microondas, ultrassom) Antiinflamatórios, analgésicos e laserterapia por favorecer a
cicatrização das fibras (SERRA, 2001).
Tratamento em ruptura total
Cirúrgico e fisioterapêutico
22-Patologia do tendão da porção longa do bíceps
O músculo bíceps braquial tem- dois ventres musculares (porção longa e porção curta)
com seus tendões correspondentes que se inserem na articulação escapuloumeral. Deles
unicamente o tendão da porção longa apresenta patologia. Anatomicamente, este tendão passa
pela corredeira bicipital do úmero, onde se torna intra-articular para acabar inserindo-se no
labrum glenóide (SERRA, 2001).
22.1 Tendinite da cabeça longa do bíceps
Pode produzir-se por sobre carga, microtraumatismo de repetição ou ter uma origem
traumática (SERRA, 2001).
13
22.2 Clínica
Dor de origem inflamatória que não cederá com repouso, localizada na face anterior do
ombro e terço superior do braço. Mobilidade passiva normal e a ativa estarão limitadas pela
dor, podendo chega a gerar impotência funcional. E positividade para manobra de Yergason
que é a contração isométrica contra resistência (SERRA, 2001).
22.3 Tratamento
O tratamento fisioterapêutico será o geral das tendinites, mas realizando o repouso na
fase aguada com um baço em uma tipóia (SERRA, 2001).
23-Luxação da cabeça longa do bíceps
A luxação da porção do tendão da porção longa do bíceps é pouco frequente e,
etiologicamente, pode ser dividida a alterações anatômicas na corredeira bicipital que pode,
inclusive, não existir, ou à degeneração e ruptura das fibras que vão da pequena à grande
tuberosidade, protegendo a corredeira (SERRA, 2001).
23.1 Clínica
A dor aparece de forma súbita e se localiza no ventre muscular do bíceps. Há uma
sensação de mola que se produz ao realizar abdução associada à rotação externa (posição de
máximo alongamento do tendão), essas luxações costumam terrecidivas e reduzir-se
espontaneamente (SERRA, 2001).
23.2 Tratamento
Fortalecimento muscular do bíceps com objetivo d fixar o tendão na corredeira. Em
caos de recidivas frequentes, estará indicada a reconstrução cirúrgica da corredeira biciptal
(SERRA, 2001).
23.3 Ruptura
Costuma ser de etiologia degenerativa ou está associada uma artropatia inflamatória ou
ter uma causa iatrogênica uso prolongado de corticosteróides (SERRA, 2001).
23.4Clínica
Ocorre dor de inicio brusco, hematoma subcutâneo, Mobilidade passiva normal,
Mobilidade ativa com déficit de flexão do cotovelo e do ombro. O bíceps continua
funcionando emvirtude da porção curta, no terço médio do braço se observa os ventres
musculares da porção longa retraído por causa as rupturas. Classificações são: a pequena,
menor que um cm, a média de 1 a 3 cm, grande de 3 a 5 cm e acentuada maior que 5 cm
(SERRA, 2001).
24-Capsulite retrátil ou ombro congelado
É produzida quando há uma retração da capsula da articulação do ombro e constitui o
processo final para o qual pode evoluir qualquer lesão de partes moles do ombro, pode ser
secundaria a diferentes processos patológicos como cardiopatia isquêmica, mastectomia,
acidente vascular encefálico ou afecções pleurais. Em algumas situações a causa não pode ser
determinada, mas, existem vários fatores que estão associados ao um risco aumentado do
14
desenvolvimento da capsulite adesiva, como o diabete, doenças cardíacas e um perfil
psicológicocaracterístico com tendência a ansiedade e depressão (SERRA, 2001).
24.1 Clínica
A dor é inflamatória, continua e noturna, não cede com o repouso, verifica-se limitação
de todos os movimentos passivos e ativos, principalmente a abdução e rotação externa. A
cápsula articular escapuloumeral é frouxa e, em posição de repouso apresenta um fundo-desaco em sua porção inferior que permite a abdução, mas na capsulite retrátil esse fundo-desaco desaparece, adotando a postura típica de braço aderido no corpo. Observa-se contratura
da musculatura periarticular (trapézio, deltóide, peitoral, infra-espinhoso e grande dorsal) e
atrofia por desuso dos músculos deltóide trapézio superior e infra-espinhal (SERRA, 2001).
25-Discursão
O afastamento laboral é refletindo um problema de saúde com consequências
socioeconômicas. No Brasil, os dados oficiais sobre a prevalência de distúrbios músculosesqueléticos não apresentam estratificação segundo a região acometida, mas mostram um
aumento significativo da concessão de benefícios por lesão por esforço repetitivo no membro
superior. Além disso, os trabalhadores acreditam que o afastamento é a única possibilidade de
evitar as dores e o agravamento das lesões (JOSIANE, 2008). Alguns autores afirmam a dor
no ombro como indicativo de distúrbios; para outros foi necessária à presença de lesão do
manguito rotador (MENDONÇA, 2005). Bosworth realizou uma pesquisa em trabalhadores
de uma companhia de seguro de vida, onde 35% dos pacientes haviam apresentado sintomas
anteriormente de dor no ombro. É possível a presença de calcificações em pessoas
assintomáticas, em conclusão semelhante à dos estudos de Welflinget al e Sandstrom e
Wahlgreen, que encontraram 7,5% e 20%, respectivamente. Muito se tem publicado sobre a
utilização da artroscopia no tratamento das lesões do ombro. Essa técnica já conquistou seu
espaço, tendo se mostrado eficiente no tratamento da tendinite calcária do ombro, refratária à
conduta conservadora, apresentando menor morbidade e possibilitando ao paciente retorno
mais precoce às suas atividades diárias. Por sua vez, a cirurgia aberta apresenta problemas
com a inserção do músculo deltoide, infecção, maior rigidez articular e dificuldade de
visualização articular (FERNANDES DE 2010). A sensibilidade da Ultra Sonografia em
diagnosticar rupturas tendinea do manguito rotador é alta, todavia, altassensibilidades podem
estar associadas à menor especificidade, implicando em maiores índices de falso-positivos e,
portanto, diagnósticos equivocados de tendinites. Wallnyet al. mostraram que a especificidade
da US nestas condições é de apenas 42,9%, revelando falsa-positividade substancial (valor
preditivo-positivo de apenas 63,6%). Outros autores apresentam resultados ainda mais
pessimistas, apontando uma acurácia diagnóstica da US de apenas 38% e especificidade de
61%, considerando tais valores "não acurados e muito pobres" (SIENA, 2009). Segundo
Godinho et al, Arket al e Ruppet al, a ressecção parcial ou total da calcificação não influencia
os resultados satisfatórios do tratamento artroscópico. Pensamos sempre que a ressecção deva
ser a mais completa possível, o que concorda com Checchiaetal e Jeroschet al, apesar de nem
sempre ser fácil essa avaliação no intra-operatórios. Porcelliniet al observaram que a presença
de resíduos calcários no pós-operatório diminuiu significativamente o escore "dor" do índice
de Constant-Murley, em relação àqueles com remoção completa (FERNANDES, 2010).
Gartsmanet al observaram aumento na gravidade das lesões labiais durante a Artroscopia em
pacientes com mais de três episódios de luxação; contudo, isso não influiu de maneira
negativa nos resultados da cirurgia, inclusive nos índices de recidiva pós-operatória. Boileauet
al, em seu trabalho de 2006, observaram que os fatores que predispõem à recidiva pósoperatória são perda óssea substancial, seja no úmero ou na cavidade glenoidal, e distensão
15
capsular provocada por repetidos episódios de luxação. Outros autores também têm
demonstrado que a erosão na borda anteroinferior da cavidade glenoidal é um fator importante
no aumento da taxa de recidiva dos pacientes operados por luxação recidivante traumática
anterior do ombro (Ikemoto, 2009).
26-CONCLUSÃO
Há uma tendência médica à valorização exagerada nos diagnósticos de doenças que
afetam articulação ombro. Estudos mostram erros grosseiros relacionados à falta de
conhecimento clínico das patologias que causam a síndrome dolorosa do ombro, podendo
levar a falsos diagnósticos eaumentando assim a procura por serviços de saúde pelos
pacientes com essa síndrome dolorosa, ocorrendo também solicitação excessiva de exames
complementares e aposentadorias baseadas em diagnósticos equivocados. Diagnósticos
clínicos totalmente improváveis têm sido feitos, tais como o de múltiplas tendinites crônicas e
refratárias aos tratamentos, sem bases objetivas sólidas na literatura atual.
Apesar da elevada sensibilidade e especificidade diagnóstica das tendinites. Usando-se
somente métodos clínicos, observa-se uma demasiada solicitação de exames complementares
para essas condições, aumentando a chance matemática de falsos resultados e acentuando a
falsa-positividade diagnóstica de doenças não existentes naqueles pacientes. O Ultrassom é o
exame mais solicitado, com altos índices falso-positivos para tendinites, principalmente as
dos membros superiores, regiões comumente dolorosas.
A aplicação do conhecimento clínico específicos com testes ortopédicos, achados
clínicos, e uma anamnese minuciosa poderão superar os diagnósticos certas lesões tendinea
desde que se tenha conhecimento real de cada doença apresentada de forma incisiva na
literatura poderão ter grande êxito no diagnóstico, isso de modo algum elimina ou diminui a
importância dos exames complementares, ao contrário acrescenta para um tratamento eficaz e
especifico. Na Síndrome do ombro doloroso e as principais patologias que causa
disfuncionalidade cintura escapular, podemos observar no levantamento bibliográfico que são
patologias diferentes, com causas diferentes e por tanto, se bem tratadas podem ter grande
eficácia no tratamento.
A Conclusão é de que além da síndrome dolorosa do ombro ser um vetor de distúrbios
funcionais, pode levar um impacto socioeconômico significativo, aumentando do tempo de
tratamentoe sendo responsável também por um grande número de afastamento trabalho, um
falso diagnóstico aumenta ainda mais esse impacto econômico ocorrido por desconhecimento
clínico e uma avaliação equivocada. O fato é que, um bom diagnóstico dependerá de vários
fatores para boa avaliação, uma anamnese minuciosa, achados clínicos compatível a síndrome
e exames complementares para confirmar o diagnóstico se necessário.
27-Referencias:
ANDRÉ, Wajnsztejn;Tamaokl, Marcel junior. Estudo transversal dos diferentes métodos de
tratamento das luxações traumática glenoumerais. Rev. Bras. Ortop. 2009; 44 (5): 391-6.
CESAR SIENA; MILTON HELFENSTEIN JR.Equívocos diagnósticos envolvendo as
tendinites: impacto médico, social, jurídico e econômico.Rev. Bras. Reumatol. vol. 49 no.
06 São Paulo nov./dez. 2009 http://dx.doi.org/10. 1590/S0482-50042009000600008
GONÇALVES ARLIANI, Gustavo; COSTA ASTUR, Diego et al. Tratamento após primeiro
episódio de luxação traumática do ombro: revisão da literatura.
16
JOSIANE ALMEIDA; GUARACY, FILHO.Afecção do tendão supra-espinal e afastamento
laboral. Ciênc. saúde coletiva v.13 n.2 Rio de Janeiro mar./abr. 2008 http://dx.doi.org/10.
1590/S1413-81232008000200027.
LAGO, Orlando.O método de Codman na Síndrome do ombro doloroso.
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/alternativa/codman/metodo_
codman.htm
M. A.L. FERNANDES; G.E.S. ALVES; J.C.A. SOUZA Efeito do ultra-som terapêutico em
tendinite experimental de equinos: estudo clínico, ultra-sonográfico e histopatológico de
dois protocolos. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. v.55 n.1 Belo Horizonte fev. 2003http://dx.
doi.org/10.1590/S0102-09352003000100005.
MARCOS RASSI, FERNANDES; RUI JOSÉ, FERNANDES. Artroscopia no tratamento da
tendinite calcária refratária do ombro. Rev. bras. ortop. vol.45 no. 01 São Paulo 2010
http://dx.doi.org/10. 1590/S0102-36162010000100010.
PINHIRO JÜNIOR, José; DIAS LEITE, José et al. Propriedades biomecânicas da banda
interior do ligamento glenoumeral inferior submetido ao estresse. ACTA Ortopedia
Bras11(2)- abr/jun 2003.
REIS Mauricio Moreira; MARINHO, Karina Oliveira et al. Estruturas estabilizadoras ativas
da articulação glenoumeral uma revisão da literatura.
REIS, Mauricio Moreira; MARTINHO, Karina Oliveira. Estruturas estabilizadoras ativas da
articulação glenoumeral uma revisao da literatura. XI Encontro latino Americano de
iniciação científica e VII encontro latino Americano de pós- Gradução- Universidade do Vale
do Pariba.
SERRA, Maria; DIAS, José; CARRIL, Maria. Fisioterapia em traumatologia ortopedia e
reumatologia. Rio de Janeiro: REVINTER, 2001.
THOMPSON, Clem; FLOYD,Ed. Manual de Cinesiologia Estrutural. São Paulo. Barueri,
2001.
ULHÔA RODRIGUES, Alessandro; CASTRO, Marco Antonio. Ombro flutuante associado
à luxação escapuloumeral posterior: relato de caso. Rev. bras. ortop. v.42 n.10 São
Paulo out. 2000. http://dx.doi.org/10. 1590/S0102-36162007001000005
WOSVANDRÉ, Lech; FREITAS, José Renato. Luxacao recidivante do ombro: do
papiro de edwin smith acapsuloplastia térmica.Rev. Bras. Ortop. 2005;40(11/12): 625-37.
WOSVANDRÉ, Lech; JÚNIOR, Sérgio Correa Pinto.Uso de ancora no reparo aberto da
luxacao anterior recidivante do ombro. Rev. Bras. Ortop. 2003; 38 (11/12): 6544-66.
WOSVANDRÉ, Lech; Plluskl, Paulo. Integridade do músculo subescapular após a cirurgia
aberta para tratamento da luxação recidivante glenoumeral: Avaliação clínica e
radiológica. Rev.Bras.Ortop. 2009; 44(5):420-6
YUKIO IKEMOTO, Roberto; NASCIMENTO, Luís Gustavo. Mensuração da erosão da
borda anterior da glenóide através do exame radiográfico: uma forma simples de realizar a
incidência
de
Bernageau.
Gest.
Prod,
São
Paulo.
Rev.
bras.
ortop. vol.45 no.6 2010http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162010000600005.
17
YUKIO IKEMOTO, Roberto; MURACHOVSKY et al, Joel. Luxação recidivante do ombro:
aspecto do período entre o primeiro episódio e o tratamento cirúrgico. Ver Brás ortop.
Vol.44 no. 6 São Paulo 2009http://dx.doi.org/10.1590/SO102-36162009000600012.
MENDONÇA, HÉLIO; ASSUNÇÃO, ADA.Associação entre distúrbios do ombro e
trabalho:Ver. Bra. Epidemiologia vol. 8 No. 02 São Paulo Jun. 2005HTTP://DX.DOI.ORG/10.
1590/S1415-790X2005000200009.
,
Fly UP