...

Conceitos básicos sobre aterramentos

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Conceitos básicos sobre aterramentos
Conceitos básicos sobre
aterramentos
(Estudo Técnico 2: Aterramento de cercas e currais.)
José Osvaldo S. Paulino
1
Aspecto físico de aterramento
industrial
PROGRAMA:
◆
Conceitos básicos sobre aterramento.
◆
Segurança pessoal.
◆
Aterramento de torres
◆
Proteção de cercas e currais contra raios.
José Osvaldo S. Paulino
2
FINALIDADE DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO
Segurança ou Proteção: partes metálicas não energizadas
•Limitar potenciais produzidos:
Segurança dos seres vivos
Proteção de equipamentos
Serviço ou Funcional: parte integrante dos circuitos
•Ponto neutro de transformadores 3 φ (Y)
•Neutro das redes de distribuição
•Eletrodo de retorno de circuitos elétricos CA (MRT)
•Eletrodo de retorno em sistemas CC
•Plano de terra de sistemas de comunicação
•Contra descargas eletrostáticas
•Contra interferência eletromagnética
DEFINIÇÕES
Terra: Massa condutora de solo que envolve o eletrodo
de aterramento
Eletrodo de aterramento: elemento condutor metálico
ou conjunto de elementos condutores interligados, em
contato direto com a terra de modo a garantir ligação com
o solo
Condutor de ligação: condutor empregado para
conectar o objeto a ser aterrado ao eletrodo de
aterramento ou para efetuar a ligação de dois ou mais
eletrodos
Eletrodos de aterramento isolados: eletrodos de
aterramento suficientemente distantes uns dos outros para
que a corrente máxinma susceptível de ser escoada por um
deles não modifique sensivelmente o potencial do outro
Eletrodos de aterramento interligados: eletrodos de
aterramento que possuam ligação (intencional ou não) e que
interagem eletricamente
Sistema de aterramento: sistema formado por um ou mais
eletrodos de aterramento, isolados ou não, visando atender
necessidades funcionais ou de proteção
Terra remoto: massa condutora de solo distante o
suficiente de qualquer eletrodo de aterramento para que
seu potencial elétrico seja sempre igual a zero
Elevação de potencial de terra (EPT): diferença de
potencial entre o eletrodo de aterramento e o terra
remoto quando por este eletrodo flui corrente para a
terra, ou seja, é a tensão produzida no eletrodo de
aterramento quando este dispersa corrente à terra em
relação ao terra remoto
Resistência equivalente de aterramento (Req): relação
entre a elevação de potencial de terra de um eletrodo e a
corrente por este injetada no solo
Aterramentos elétricos
Porque os sistemas eletricos são
aterrados?
José Osvaldo S. Paulino
3
Aterramentos elétricos
Controle de sobretensões.
Segurança pessoal.
Proteção contra descargas
atmosféricas.
José Osvaldo S. Paulino
4
Aterramentos elétricos
Conceito de referencial:
V
José Osvaldo S. Paulino
5
Conceito de referencial
V
V
José Osvaldo S. Paulino
6
Controle das sobretensões
VFN
VFF
VFF = 3 .VFN
José Osvaldo S. Paulino
7
Controle das sobretensões
VFN
VFF
VFF
VFF
José Osvaldo S. Paulino
8
Controle das sobretensões
VFN
VFF
VFN
I
José Osvaldo S. Paulino
VFN
9
Segurança Pessoal
José Osvaldo S. Paulino
10
CHOQUE ELÉTRICO
Corrente alternada (60 Hz).
Tempo de circulação maior que três segundos.
Corrente passando pelo:
torax (pulmão e coração)
ou pelo cérebro.
José Osvaldo S. Paulino
11
CHOQUE ELÉTRICO
1 mA - Limiar de sensibilidade - Formigamento
5 a 15 mA - Contração muscular - Dor
15 a 25 mA - Contrações violentas - Impossibilidade de soltar
o objeto (fio) - Morte aparente - Asfixia
Respiração artificial
25 - 80 mA - Morte aparente - Asfixia - Fibrilação ventricular
Respiração artificial - Massagem cardíaca
Maior que 80 mA - Desfibrilação elétrica.
Corrente de ampères - Queimaduras e morte.
José Osvaldo S. Paulino
12
Efeitos fisiológicos da corrente
alternada (15Hz a 100Hz) pessoas com mais de 50kg
‹
‹
‹
‹
‹
0,1 a 0,5mA – Leve percepção superficial
0,5 a 10mA – Ligeira tetanização do braço
10 a 30mA – Não perigosa se interrompida em
menos de 5 segundos
30 a 500mA – Paralisia estendida dos músculos do
tórax, com sensação de falta de ar e tontura.
Possibilidade de fibrilação ventricular se a
descarga se mantiver por mais de 200 ms
Acima de 500mA – Parada cardíaca, salvo
intervenção imediata de pessoal especializado.
Resistência do corpo humano
Medida entre duas mãos.
Mãos secas:
R = 5000 Ω
Mãos úmidas:
R = 2500 Ω
Mãos molhadas:
R = 1000 Ω
Mãos imersas na água: R = 500 Ω
José Osvaldo S. Paulino
13
Proteção contra choques elétricos
‹
Contatos diretos – contato com partes metálicas
normalmente sob tensão (partes vivas)
‹ Contatos indiretos – contato de pessoas ou
animais com partes metálicas normalmente não
energizadas (massas), mas que podem ficar
energizadas devido a uma falha de isolamento.
Medidas de proteção
Proteção
Tipo de
medida
Total
Passiva Isolação das partes vivas sem
possibilidade de remoção
Comum
Passiva Invólucros ou barreiras removíveis
apenas com ferrramenta
Comum
Sistema
Parcial Passiva Obstáculos removíveis sem
ferramenta
Complem.
Tipo de
pessoa
Advertida
qualificada
Passiva Distanciamento das partes vivas
acessíveis
Advertida
qualificada
Ativa
Qualquer
Circuito protegido por dispositivo
DR de alta sensibilidade
Proteção contra contatos indiretos
1. Proteção por dupla isolação
2. Proteção por locais não condutores
3. Proteção por ligação equipotencial
4. Proteção por separação elétrica
CHOQUE ELÉTRICO
Corrente “perigosa”: I = 20 mA
V=RxI
Mãos secas:
V = 100 V
Mãos úmidas:
V = 50 V
Mãos molhadas:
V = 20 V
Mãos imersas na água: V = 10 V
José Osvaldo S. Paulino
14
Aterramento dos equipamentos elétricos.
Fio terra
José Osvaldo S. Paulino
Tomada de
três pinos
15
Aterramento dos equipamentos
elétricos: curto-circuito para a carcaça.
Curto circuito
Terra
Fase
Neutro
José Osvaldo S. Paulino
16
Equipamento sem fio terra.
Carcaça do
equipamento
Resistência
da lâmpada
Fase
Resistência
da pessoa
127 V
Neutro
Aterramento
do Neutro
José Osvaldo S. Paulino
17
Equipamento sem fio terra.
Resistência
da lâmpada
Resistência
da pessoa
Fase
I
127 V
Neutro
José Osvaldo S. Paulino
18
Equipamento com fio terra.
Carcaça do
equipamento
Resistência
da lâmpada
Fase
Resistência
da pessoa
127 V
Neutro
Fio terra
José Osvaldo S. Paulino
Aterramento
do Neutro
19
Equipamento com fio terra.
Resistência
da lâmpada
Resistência
da pessoa
Fase
I
127 V
I
Neutro
Fio terra
José Osvaldo S. Paulino
20
Aterramento dos equipamentos
elétricos: curto-circuito para a carcaça.
Com o fio terra:
A corrente do circuito aumenta muito
e a proteção (disjuntor/fusível) irá desligar
o circuito;
A corrente que circula pelo corpo da pessoa
é muito pequena porque ela ficou em
paralelo com o fio terra.
José Osvaldo S. Paulino
21
Aterramento dos equipamentos
elétricos: curto-circuito para a carcaça.
Sem o fio terra:
A corrente do circuito não aumenta
e a proteção (disjuntor/fusível) não irá desligar
o circuito;
A corrente que circula pelo corpo da pessoa
pode ser elevada.
José Osvaldo S. Paulino
22
Aterramento dos equipamentos elétricos
A grande dúvida é:
Em instalações que não tem tomada de três
pinos, onde ligar o fio terra?
José Osvaldo S. Paulino
23
“Sistema de terra”
‹
‹
‹
‹
‹
‹
‹
‹
‹
Eletrodo de aterramento – condutor ou conjunto de
condutores em contato elétrico com o solo
Condutor de proteção (PE) – massas, 3o. Pino das tomadas
Condutor PEN – proteção e neutro da rede de BT externa
Terminal ou barra de aterramento principal (TAP)
Resistência de aterramento total – do TAP à terra
Condutor de aterramento – liga TAP ao eletrodo de terra
Ligação equipotencial – principal, suplementar, e isolada
Condutor de equipotencialidade – da ligação equipotencial
Condutor de proteção principal – liga PE ao TAP
Tensão de contato e de passo
‹
Tensão de contato - Tensão que uma pessoa possa ser
submetida ao tocar simultaneamente, em um objeto
sob tensão e em outro elemento que se encontra num
potencial diferente
‹ Tensão de passo – Parte da tensão de um eletrodo de
aterramento à qual poderá ser submetida uma pessoa
nas proximidades do eletrodo, cujos pés estejam
separados pela distância equivalente a um passo
Tensão limite (UL):
50 V (secc. rápido)
25 V (secc. lento)
Aterramento dos equipamentos
elétricos.
Conector
Neutro
Fase
Resistência
Terra
“fio verde”
?
José Osvaldo S. Paulino
24
Aterramento dos equipamentos
elétricos.
Neutro
Fase
Terra
Neutro
Neutro
Fase
Fase
Terra
Terra
José Osvaldo S. Paulino
25
Esquemas TN
‹
Ideais para instalações com
subestação ou gerador
próprio
‹ No esquema TN-C:
Fase – 220V
Zero V
• há economia de um condutor
220V
Rompimento do
PEN
• utiliza o condutor PEN
• Somente pode ser usado
quando S≥10mm2 em cobre
e S≥16mm2 em alumínio que
não utilizem cabos flexíveis
• Não se admite o uso de
dispositivos DR
220V
Zero V
Malhas de aterramento simples
Hastes na vertical.
Cabos na horizontal.
José Osvaldo S. Paulino
26
Materiais para aterramento
Haste de aterramento
2,4 e 3,0 m de comprimento.
Cobreadas ou zincadas (galvanizadas)
José Osvaldo S. Paulino
27
ELETRODOS ELEMENTARES
Eletrodo Hemisférico na Superfície do Solo
Eletrodo hemisférico metálico
Superfície do solo
DENSIDADE DE CORRENTE NO SOLO
I (A)
J (A/m2)
U=0V
(terra remoto)
x (m)
I (A)
Tensão medida na superfície
do solo a partir do eletrodo
U (V)
EPT (V)
U=0V
(terra remoto)
x (m)
I (A)
Conceito de resistência
de aterramento
U (V)
EPT (V)
EPT (V )
R (Ω ) =
I ( A)
U=0V
(terra remoto)
x (m)
A superfície esférica
z Do
ponto de vista matemático, a esfera no
espaço R³ é confundida com o sólido
geométrico (disco esférico) envolvido pela
mesma, razão pela qual muitas pessoas
calculam o volume da esfera. Na maioria
dos livros elementares sobre Geometria, a
esfera é tratada como se fosse um sólido,
herança da Geometria Euclidiana.
A superfície esférica
z
A esfera no espaço R³ é o conjunto de todos os pontos do
espaço que estão localizados a uma mesma distância
denominada raio de um ponto fixo chamado centro. Uma
notação para a esfera com raio unitário centrada na origem
de R³ é:
z
S² = { (x,y,z) em R³: x² + y² + z² = 1 }
z
Do ponto de vista prático, a esfera pode ser pensada como
a película fina que envolve um sólido esférico. Em um
limão esférico, a esfera poderia ser considerada a película
verde (casca) que envolve a fruta.
A superfície esférica
z
Quando indicamos o raio da esfera pela letra R e o centro
da esfera pelo ponto (0,0,0), a equação da esfera é dada
por:
z
x² + y² + z² = R²
z
z
A área total da Esfera é dada por:
Sesférico = 4 π R²
z
Logo em um Eletrodo hemisférico tem-se:
z
Shemisférico = 2 π R²
Esfera de influência de um
Eletrodo Simples
Gradientes de Potencial
Determinação analítica da Raterramento:
Ex.: Aterramento realizado por semi - esfera metálica de raio
“a”. Considera - se o “TERRA” ideal como sendo uma casca
semi - esférica metálica de raio “b”.
U
a
i
b
ρ=
1
σ
ρ
Aplica - se “U” entre os eletrodos e verifica - se Raterramento entre “a”e
“b” quando “b” tende a infinito.
Verifíca - se que “i” será radial e, do eletromagnetismo,
podemos igualar a tensão “U” com a integral do campo elétrico,
então:
∫
b
∫
bJ
∫
b
i
dr =
U = E.dr =
dr =
2
a
aσ
a 2π .r .σ
2π .σ
U
1 ⎛1 1⎞
∴ Raterramento = =
⎜ − ⎟
I 2π .σ ⎝ a b ⎠
Se " b" → ∞
1
ρ
Raterramento =
=
2π .σ .a 2π .a
i
⎛1 1⎞
⎜ − ⎟
⎝a b⎠
Tipos de Sistemas de Aterramento
Cabos enterrados
0,5 m
L
José Osvaldo S. Paulino
28
Malhas simples
José Osvaldo S. Paulino
29
Parâmetros importantes da malha
Resistência de aterramento.
Equalização de potenciais.
Impedância de aterramento.
José Osvaldo S. Paulino
30
Medição da resistividade do solo
Solo de uma camada
R
a
José Osvaldo S. Paulino
ρ = 2. π. a. R
31
Medidor Universal:
+E~
I
C1
P1
U
P2
C2
b
a
a
a
Método dos Quatro Eletrodos ou
Método de Wenner
Método dos quatro eletrodos de Wenner
ρa =
4πa ⋅ r
1+
2a
a + 4b
2
2
−
2a
4a 2 + 4b 2
[Ωm]
ou
ρ a ≅ 2πa ⋅ r [Ωm]
Método dos dois Pontos
Medição da resistividade do solo
Solo de mais de uma camada: método gráfico
a = 2, 4, 6, 8, 16, 32, 64 e 128 m.
José Osvaldo S. Paulino
ρ1
h1
ρ2
h2
ρ3
32
Medição da resistência de aterramento.
A
V
20 a 40 m
60 m
José Osvaldo S. Paulino
33
Empregando telurímetro (terrômetro)
A
Distância eletrodo-C2
maior que 6D
C1
P1
V
P2
R aterr . =
V
A
Ω
Terrômetro
C2
D-maior dimensão do
eletrodo
Corrente de medição de
5 mA até 40 mA
Terra remoto
Raterramento
x(m)
Malha
P1
P2
P
P3
P4
Zonas de influência dos eletrodos “Malha” e “C”
C
Medição da resistência de aterramento.
(Ω)
R
20 m
José Osvaldo S. Paulino
40 m
60 m
34
Erro mais comum (medida desejada pelo cliente)
distância entre o eletrodo medido e C, insuficiente
R aterr . =
V
Ω
A
Valor medido errado, menor
do que o verdadeiro
Terra remoto
Raterr.
x(m)
Malha
P1
P2
P
P3
P4
Zonas de influência dos eletrodos “Malha” e “C”
C
Ex.:
1 haste :
D ≥ 6⋅l
ρs
4l
⋅ ln
Rh =
2π .l
d
l
(Ω)
d : diâmetro da haste
Malha:
D ≥ 6⋅l
Rm = 0,443
l
ρ solo
A
A = area (m 2 )
+
ρ solo
L
L = ∑ condutores (m)
(Ω )
MTD-20KW
Digital. De 3½ dígitos. Mede resistência
de aterramento, tensões espúrias e
resistividade específica do terreno pelo
método de Wenner. Sistema automático
de controle de corrente injetada no
terreno. Alarme indicador de corrente
insuficiente.
Escala: 0-20/200/2.000/20.000 Ω
Exatidão: 1% do valor lido ±1% do
fundo de escala.
Resolução: 0,01 Ω
Alimentação: 9 pilhas grandes
Tamanho: 290 x 155 x 130mm
Peso: 2,1kg (3,6kg)
EXEMPLO DE TELURÍMETRO COMERCIAL
Limitações
3 terminais
universal
(4 terminais)
Se a resistência (impedância)
das conexões ou dos
aterramentos for muito
grande, apresenta indicação
de OUT OF RANGE
Pode sofrer interferências
de correntes espúrias no solo
Empregando alicate de terra
Cabos de conexão considerados com resistência desprezível
Instrumento alicate de
medição de resistência
de aterramento
RA
Aterramento
a medir
R1
Demais
aterramentos
Rn-1
interligados ao
aterramento a medir
Rn
Equação de definição da resistência de aterramento medida RA
⎛1
1
1 ⎞
+ ⎟⎟
RM = RA + ⎜⎜ + L +
Rn −1 Rn ⎠
⎝ R1
−1
erro do método de medição
RM
RA
R1
Rn-1
Rn
resistência do aterramento medido
resistência do aterramento em análise
resistência do aterramento 1 (qualquer)
resistência do aterramento n-1 (qualquer)
resistência do aterramento n (qualquer)
EXEMPLO DE ALICATE DE ATERRAMENTO
COMERCIAL
Limitações
Só pode ser aplicado em
sistema multi-aterrados
Se a resistência (impedância)
das conexões ou dos
aterramentos for muito
grande, apresenta indicação
de OUT OF RANGE
Cálculo do valor da resistência de aterramento.
ρ
L
4. L
ρ
R=
⋅ (ln
− 1)
2. π. L
a
2a
José Osvaldo S. Paulino
35
Duas equações para a resistência de uma haste
ρs
4l
R4 =
⋅ ln
2π .l
d
2000
(Ω )
1500
R4( ρ)
R5( ρ)
R5 =
ρs ⎛
4l ⎞
log
⎜ e − 1⎟
2πl ⎝
a
⎠
(Ω )
1000
500
0
0
1000
2000
3000
4000
ρ
Diferença inferior a 6 %
5000
Cálculo do valor da resistência de aterramento.
L
a
1
José Osvaldo S. Paulino
2
N
2
3
4
8
3
K
1,16
1,19
1,36
1,68
N
a>L
Req = (R/N).K
36
Resistência de aterramento de sistemas multi hastes
Rtotal = Rhaste x F / Número de hastes
Resistência de uma haste em solo
estratificado em duas camadas
ρ1
2l ∞ n
2nh + l
R=
ln + ∑ K ⋅ ln
2 ⋅ π ⋅ l r n =1
2nh − l
ρ 2 − ρ1
K=
ρ 2 + ρ1
l
r
h
comprimento da haste
raio geométrico da haste
profundidade da primeira camada
Cálculo do valor da resistência de aterramento.
S/2
2.L
4. L
4. L
S
S2
S4
ρ
R=
⋅ (ln
+ ln⋅
−2+
−
2 +
4 ⋅⋅⋅)
4. π. L
a
S
2. L 16. L 512. L
José Osvaldo S. Paulino
37
Cálculo do valor da resistência de aterramento.
Anel: diâmetro do fio = d
S/2
8. D
4. D
ρ
R=
)
⋅ (ln
+ ln
2
2. π . D
d
S
D
José Osvaldo S. Paulino
38
Método Seletivo com uso de
Alicate Amperímetro
Aplicação dos métodos a SPDA
Aplicação dos métodos a SPDA
Aplicação dos métodos a SPDA
O uso dos Dispositivos DR
Lei 8078/90, art. 39-VI11, art. 12, art. 14, e norma ABNT NBR
5410/97. RESPONSABILIDADE CIVIL
z Desde dezembro de 1997, é obrigatório no Brasil, em todas as
instalações elétricas, o uso do dispositivo DR (diferencial residual)
nos circuitos elétricos que atendam aos seguintes locais: banheiros,
cozinhas, copas-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço e áreas
externas.
z O dispositivo DR é um interruptor automático que desliga
correntes elétricas de pequena intensidade (da ordem de
centésimos de ampère), que um disjuntor comum não consegue
detectar, mas que podem ser fatais se percorrerem o corpo
humano.
z Dessa forma, um completo sistema de aterramento, que proteja as
pessoas de uma forma eficaz, deve conter, o dispositivo DR.
Fly UP