...

lucrécio e virgílio as várias faces de vênus: musa, genitora e vulgívaga

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

lucrécio e virgílio as várias faces de vênus: musa, genitora e vulgívaga
LUCRÉCIO E VIRGÍLIO
AS VÁRIAS FACES DE VÊNUS:
MUSA, GENITORA E VULGÍVAGA
LUCRETIUS AND VIRGIL
THE MANY FACES OF VENUS: MUSE, MOTHER AND PROSTITUTE
MIGUEL SPINELLI*
Resumo: Este estudo se concentra em dois significativos poemas da literatura
romana: De rerum natura de Lucrécio (99-55 a.C.) e Eneida de Virgílio (70-19
a.C.). O artigo traça alguns paralelos entre ambos, particularmente no que
diz respeito à figura de Vênus e às várias significações que lhe atribuem. O
estudo se concentra mais em Lucrécio que em Virgílio, na medida em que
põe em destaque a recepção, por parte de Lucrécio, em Roma, da doutrina
de Epicuro.
Palavras-chave: Virgilio, Epicuro, éros, philía.
Abstract: This study concentrates on two significant poems of Roman literature:
De rerum natura of Lucretius (99-55 B.C.) and the Aeneid of Virgil (70-19 B.C.).
The article brings out some parallels between both texts, particularly in what
concerns the figure of Venus and the several significations that the poems attribute to her. We concentrate more on Lucretius than Virgil, emphasizing the
reception, on the part of Lucretius in Rome, of Epicurean doctrine.
Keywords: Virgil, Epicurus, Nature, éros, philía.
O De rerum natura de Lucrécio tem sido em geral traduzido por “Sobre
a natureza das coisas”, porém, a questão fundamental de que efetivamente
trata diz respeito às “coisas naturais”, ou seja, do que é ou do que não é,
do que deve ou do que não deve ser acatado como natural. Portanto, não é
propriamente a natureza das coisas (dentro de uma perspectiva aristotélica) o
que nele está posto em questão, e, sim, por um ponto de vista bem próprio
de Epicuro e do epicurismo, o que é e o que não é natural nas coisas que
existem. Essa, sim, é a questão primordial, em que se inclui sob o termo
natureza o que é ser das coisas, ou seja, o que é relativo à sua constituição,
Miguel Spinelli é professor da Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. E-mail:
[email protected]
*
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
Lucrécio inicia o seu poema invocando a “Enéadas genitora” dos romanos,
a alma Venus: a Vênus fertilizadora da vida2. Enéadas é o nome com o qual
os romanos designavam a si próprios; deriva de Enéias3, um personagem
supostamente lendário, ou, se quiser, literário, “inventado” pela literatura de
Homero, que o concebeu na Ilíada, como filho de Afrodite, a Vênus dos
romanos: “Aos Dárdanos comanda o valoroso filho de Anquises, Enéias, que
a divina Afrodite na Ida pariu...”4. Por ser um valoroso guerreiro, de todos o
mais valente, veio a ser o chefe da batalha (de Tróia); a sua bravura e valentia
era tanta, que, montado em seu magnífico cavalo, com a lança na mão e o
escudo no peito, marchava à frente do esquadrão, “feito um leão feroz ciente
de sua força”5. Mas, além de impetuoso e valente, Homero o descreve como
um indivíduo franco, magnânimo, generoso, enfim, como um ser sublime6.
A lenda do herói troiano tornou-se muito popular e tradicional. Os poetas
da épica clássica romana, Nevius e Ennius expuseram as aventuras de Enéias.
Vários outros literatos e poetas (como Attius, Portius Cato, Varro) fizeram o
mesmo. No entanto, foi Virgílio (Publius Virgilius Maro) quem cantou, na
Eneida, a saga de Enéias, não mais exatamente como um troiano, e, sim,
como um troiano de ascendência romana, como um herói que trouxe para
a genus romana as qualidades guerreiras e as virtudes humanas e cívicas
testadas nas mais adversas situações e de diferentes maneiras. Lutando e se
debatendo pelos destinos de Tróia e pela manutenção da vida de um povo,
Enéias por duas vezes careceu de celestial ajuda. A sua mãe Vênus, sabendo
BAILEY, Cyril. “Comentary”. In: TITI LUCRETI CARI. De rerum natura. Libri Sex. Edited with
Prolegomena, Critical Apparatus, Translation and Commentary by Cyril Bailey. II. Oxford:
Clarendon Press, 1986, p. 583.
2
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, vv. 1-2 – Fonte: LUCRETI. De rerum natura. Edited by Cyril
Bailey. cf. nota 1. Consultamos também: De la nature. Texte établi et traduit par Alfred Ernout.
Paris: Les Belles Lettres, v. 1: 1985; v. 2: 1990.
3
Eneías para os gregos, porém os latinos o denominaram de Eneas, donde o nome consuetudinário de “enéadas” (que ora acentuamos ora não).
4
HOMERO. Ilíada, II, vv. 1095-1097; V, v. 323; XIII, v.115 – Fonte: HOMÈRE. Iliade. Texte
établi et traduit par Paul Mazon. 5 t. Paris: Les Belles Lettres, 1987.
5
HOMERO. Ilíada, V, vv. 390-392; XVI, vv. 855-856 e 870-873; XX, vv. 197-200.
6
HOMERO. Ilíada, XX, vv. 214, 314 e 389, 354, 392.
1
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
259
Miguel Spinelli
geração e perecimento (termo que, particularmente em Lucrécio, tem o
sentido de renovação). Como observa, entretanto, Bailey: “Natura no título
tem um sentido muito amplo e significa algo como ‘tudo sobre as coisas’
incluindo seu material, estrutura, crescimento e comportamento”1.
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
260
de seu destino, o salvou (libertou) em duas ocasiões das armas dos gregos7.
Mesmo protegido por Vênus, e, portanto, independentemente da vontade
dos deuses, Tróia pereceu; Enéias, porém, um herói testado em sua força e
bravura, tanto quanto em sua piedade e virtude, sobreviveu8.
Tendo tudo o que um bom romano poderia ou deveria ter, pressionado
por sua mãe, parte para o seu destino. Enéias abandonou Tróia, para a qual
deixou a nobreza de seus gestos e a bravura de caráter e de seus feitos. Ele
agora parte para a terra de Dárdano, para a Itália, de onde o mesmo Dárdano,
o filho de Júpiter (Zeus), saiu para fundar Tróia e se tornar o ancestral dos
troianos. Enéias, agora, faz o caminho inverso: “Sou o piedoso Enéias (se
identifica pelos caminhos)... Procuro a Itália, pátria dos meus ancestrais, descendentes do grande Júpiter”9. Enéias não parte sozinho, mas acompanhado
de seu filho Ascânio (Lulo para os gregos) e com Creusa, a sua mulher. Ele
se move por terra e por mar. Além das bocas humanas, é Vênus quem lhe
facilita a direção: “com a deusa, minha mãe, mostrando o caminho, saí em
busca de meu destino (data fata secutus)”, ou seja, segui a minha própria
sorte, em busca do que a vida me decretou10.
Estando Enéias a caminho, em algum momento por terra, avançando
entusiasmado à frente, por morros e estradas tortuosas, com a mente na
direção do destino assinalado, pensando o quê com sua esposa lá fariam,
eis que se desgarrou de Creusa:
“enquanto, correndo, eu me embrenho por caminhos tortuosos fora das
marcas habituais, eia, que desgraça, a minha esposa Creusa, ao ficar atrás,
escapou-se de mim. Será que ela se perdeu pelo caminho, ou foi abatida
pelo cansaço? Não sei!”11.
VIRGÍLIO. Eneida, IV, v. 328 - Fonte: VIRGILE. L’Énéide. Nouvelle édition revue et augmentée par Maurice Rat. Tome I, Livre I-VI. Paris: Garnier, 1955; Consultamos também a tradução
de David Virgílio Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d). Obs.: a numeração é contada
a partir de “Arma viruque cano”, com 4 versos de defasagem, de modo que, o verso 380 nas
edições em que se inclui os primeiros 4 versos introdutórios (“Ille ego... horrentia Martis”),
pularia para 384, e assim sucessivamente.
8
HOMERO. Ilíada, XVVII, vv. 405-407.
9
VIRGÍLIO. Eneida, I, vv. 378 e 380.
10
VIRGÍLIO. Eneida, I, v. 382). Data fata secutus tem o sentido de seguir o que é decretado
por sorte ou em nome da fortuna, sem que isso contenha a idéia de determinismo fatalista ou
providencialista. Também não é pura causalidade, mas um consórcio de circunstâncias que
vão assinalando, como que impondo direções a seguir, e forjando, decisiva e lentamente, o
traçado de uma história.
11
VIRGÍLIO. Eneida, II, vv. 736-740.
7
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
Canto as armas e o varão13, que, por primeiro, chegou à Itália e aos litorais
lavínios, proveniente das praias de Tróia, e em fuga de seu destino. Por
muito tempo, foi um joguete por terras diversas e no mar, à mercê da superior força dos deuses e da severa ira da Juno memorável. Muitos males
também sofreu na guerra, até que construísse uma cidade, e que transferisse
os seus deuses, para o Lácio: berço da estirpe latina, dos antepassados
albanos e das muralhas da altiva Roma. Musa (Virgílio, refere-se a Vênus),
ajude-me a rememorar as causas de tantos acontecimentos; diga-me qual foi
a ferida em sua divindade, ou que outra injúria levou a rainha dos deuses
a mover um extraordinário varão, tão insigne em sua piedade, a aderir e
se confrontar com tantas provas? Há tanta ira nos ânimos celestes?14.
Virgílio (70-19 a.C.) foi praticamente contemporâneo de Lucrécio
(99-55 a.C.). Quando Virgílio nasceu, Lucrécio estava com vinte e nove anos;
e quando Lucrécio morreu, Virgílio tinha vinte e cinco. Tanto o De rerum
quanto o Eneida são, cada um a seu modo, poemas de cunho nacional e
patriótico. O Eneida louva os dotes extraordinários de um troiano, fautor da
grandeza do Latium, fundada em seu brio guerreiro, em seus sentimentos
de piedade e em suas virtudes cívicas; o De rerum canta os nobres feitos de
um grego, fautor da grandeza humana, apoiada na disposição de levar os
homens a se assumirem como homens, a conhecerem a sua própria natureza,
e por ela viverem a vida do modo como mais importa: com paz na alma e
com um coração feliz. O De rerum também nasceu e se impôs orientado
VIRGÍLIO. Eneida, II, vv. 769 e 772.
Arma virumque cano... É impossível não pensar aqui na introdução de Os Lusíadas de
Camões: “As armas e os barões assinalados...” (I,1). A Eneida de Virgílio se orientou pela
Ilíada e pela Odisséia de Homero, e, ambas, incluindo agora a Eneida, orientaram as epopéias
renascentistas, como as de Camões e de Dante Alighieri.
14
VIRGÍLIO. Eneida, I, vv. 1-11.
12
13
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
261
Miguel Spinelli
Decidiu então retornar, “encher as estradas com os seus gritos (implevi
clamore vias)”, chamando Creusa, que, para ele agora havia se transformado “num infeliz simulacro, numa sombra (infelix simulacrum atque ipsius
umbra)”12. Depois de se convencer que era inútil retornar, de sair inquirindo
por infindáveis casas pelas cidades (tectis urbis), com o coração cheio de dor,
retornou a seu destino, até à Itália. Enéias, enfim, foi ao encontro da loba,
para ali concretizar o ancestral desejo romano de ter uma ilustre ascendência. Mas, eis como Virgílio iniciou a Eneida, como ele cantou nos primeiros
versos a saga do herói da Ilíada, por ele transformado em herói romano.
Tal transformação, porém, é feita sem usurpar, sem promover qualquer
constrangimento para os romanos. Afinal, Enéias era da genus de Dárdano:
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
262
por um objetivo igualmente cívico e patriótico: ajudar, mediante a doutrina
de Epicuro, a restabelecer, num tempo de profunda crise, o ânimo nacional.
Do fato de Epicuro ser um grego, e, Enéias, um troiano, isso não desmerecia o espírito latino; ao contrário, fortificava o seu desejo de universalidade.
Mas, afinal, o que, por volta dessa mesma época, se propôs fazer Cícero
(106-43 a.C.)? Alimentar o ideal de fundir o espírito grego com a alma romana. Ao mesmo empenho se dedicou Lucrécio. Virgílio, na prática, intentou
fazer a mesma coisa: fundir o lendário, as conquistas de Enéias, com o real,
com os triunfos de César e seu filho adotivo Augusto (Gaius Iulius Caesar
Octavianus Augustus) para o qual o poema fora dedicado; e mais: unir duas
grandes histórias, a de Tróia, que mereceu de Homero duas grandes obras, a
Ilíada e a Odisséia, e a de Roma, da qual a Eneida queria ser o nobre canto
de sua grandiosidade, de suas virtudes e de seus heroísmos.
Vênus, de ambos os poemas, foi a musa: a deusa invocada para fertilizar
e frutificar as palavras. A figura mítica de Vênus sempre foi muito cultuada
entre os romanos. Por ter sido Enéias filho de Vênus, todos os romanos dela
se julgavam descendentes, e, claro, cada imperador queria ser reconhecido
como o outro filho, ou, quando não, queria ter ascendência troiana. Virgílio,
na Eneida, concede a Júlio César, ao pai de Augusto, ascendência troiana:
“Vai nascer um César, troiano de bela origem”15. Não foi, pois, sem razão que
Lucrécio iniciou o seu poema invocando a Aeneadum genetrix, a genitora
dos enéadas. E, logo no início, ele encarecidamente solicita (“nesta época
terrível para a pátria”) que implore a Marte, “ao senhor regente das armas e
dos ferozes trabalhos da guerra”, que faça com “que se aquietem, adormecidas, por terra e por mar, as ferozes batalhas”; nesse sentido implora também
a Vênus que “solte de seus lábios doces palavras”, a fim de que os romanos,
obedecendo-a, se recolham numa plácida paz. Ele também suplica em favor
de seu canto, porque sem ela “nada emerge das trevas para a luz”, nada se
gera, e nada do que se põe ao sol pode vivenciar encantos e desejos. E o
mesmo que suplica para o seu poema, Lucrécio pede para Mêmio, a fim de
que ele, encantado, cheio de desejos, se deixe possuir pela grande luz, que
Epicuro, na Filosofia, com doçura e sabedoria acendeu16.
Alfred Ernout, na sua tradução francesa do De rerum natura, deixa subentendido que essa invocação de Lucrécio a Vênus foi como um modo de
ele agradar a Mêmio, a quem o poema fora dedicado. A “nobre descendência
dos Mêmios, a Memmi clara propago” fazia figurar em seu brasão “a imagem
15
16
“Nascetur pulchra Trojanus origine Caesar...” (VIRGÍLIO. Eneida, I, v. 286).
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, Intróito.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
*
O poema, no seu conjunto, descreve um ciclo de nascimento ou geração,
e de morte ou renovação. O nascer, crescer e perecer com o Mundo – esse
foi o fenômeno, aparentemente trivial, corriqueiro, porém, extraordinário a
ponto de despertar os primeiros filósofos da antiguidade grega a fazerem dele
o tema fundamental da investigação e reflexão filosófica sobre a phýsis. A
mensagem poético-filosófica de Lucrécio também o contempla, porém, numa
perspectiva distinta: a do nascer, crescer e de se renovar com o Mundo. Justo
por isso, o poema, no livro primeiro, se ocupa da geração, e, no último, no
livro sexto, da “deterioração”: da morte.
Lucrécio deu ao seu poema o nome de De rerum natura porque esse
título queria dizer o mesmo que o Perì phýseôs dos gregos. Perì phýseôs
não é traduzido por Lucrécio apenas por De natura, e, sim, por De “rerum
natura”, ou seja, A respeito “das coisas naturais”. É diferente, por exemplo,
de De “natura rerum”, Sobre “a natureza das coisas”, em que se questiona
ou pergunta pela natureza de algo. O de rerum natura, ao contrário, se
pergunta, antes, pela coisa, pelo (como já foi dito) “o que é” ou “o que não
é” natural. Na expressão filosófica latina res ou rerum vem sempre contida
a pergunta pelo ser, e isto quer dizer pelo que é real, melhor ainda, pelo
que, na medida em que “é”, que existe, de ser real, é verdadeiro. Os termos
ser, real e verdadeiro são sinônimos: se unem para, juntos, dizer a mesma
coisa: que “o que é” (que existe) existe por si mesmo, é algo real, ou seja,
verdadeiro, perceptível. “Tudo o que vem a ser, diz Lucrécio, deve ser algo
por si só”19. O que vem a ser jamais é um mero amontoado ou aglomerado
de elementos, e, sim, algo harmonioso, ordenado de tal modo a ponto de
ser reconhecido como sendo ele mesmo, “algo” que existe por si só, e não
por outro e sem, evidentemente, ser outra coisa que não a si mesmo.
17
18
19
ERNOUT, A. Introduction: Vie de Lucrèce. In: LUCRÈCE. De la nature. t. I, p. X.
Da Natureza, I, nota 1.
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, v. 433.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
263
Miguel Spinelli
da Vênus protetora”17. Agostinho da Silva, em sua tradução brasileira, foi bem
mais longe, na medida em que deixa supor que a dedicatória de Lucrécio
pode ter sido fruto uma atitude mesquinha: “a invocação a Vênus (observou
Agostinho) explica-se facilmente pelo fato de a deusa aparecer como uma
das divindades protetoras da família dos Mêmios”18. Ora, seria muito injusto
conjeturar que Lucrécio invocou a Vênus movido por um sentimento de pura
bajulação ou de mesquinharia.
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
264
Ainda relativo à questão do ser e da phýsis, Lucrécio, seguindo os passos
de Epicuro (ego ingressus vestigia20), promoveu com o mestre uma inversão:
antes de perguntar pelo “o que é ser”, no sentido de real, verdadeiro (empírica e racionalmente manifesto), repetiu a mesma questão, porém, num outro
sentido: do que é ou não é natural enquanto ser. “Enquanto ser”, porque do
que não é, nada é possível ser dito (o não-ser, como, aliás, dissesse Parmênides, não se deixa acolher e ser referido pelo lógos. Ele é imperscrutável:
não se pode “conhecer aquilo que não é – isso é impossível – nem trazê-lo
ao fraseado <oýte phrásais>21). Lucrécio, do mesmo modo, supõe que do
nada, nada é gerado: “nada pode se produzir do nada – nil posse creari de
nihilo”. Se é gerado, ou seja, se vem a se fazer (creari) é feito ou gerado de
algo, de alguma semente, elemento ou matéria concreta originária.
Este é o princípio ou tese fundamental da phýsis, ou melhor, da rerum
natura suposta por Lucrécio: tudo o que vem a ser nasce a partir de algo; e,
visto que é assim que nasce (e levando-se em conta o processo de geração
e de deterioração), então é absolutamente impossível que retorne ao nada, a
uma deterioração absoluta; portanto, nada volta ao nada. Quer dizer: “assim
como já ensinei (rememora Lucrécio) que algo não pode se fazer do nada,
do mesmo modo, o que foi gerado, ao nada não pode regressar”22. O “algo”
pressuposto por Lucrécio como archê das coisas que são, por ser eterno,
ele mesmo não nasceu e é imperecível, e, como tal, não tem limites na sua
capacidade de gerar sempre.
O título mais corriqueiro e comum é De rerum natura, mas, por vezes,
encontramos De natura rerum. Não se trata de mero descuido de algum investigador ou de simples engano. Dá-se que, em torno do poema de Lucrécio,
foram criadas duas tradições a partir das quais o poema tem sido, nos últimos
tempos, editado: a) uma, a partir de dois manuscritos hoje conservados na
biblioteca da Universidade de Leyden, na Holanda, entre Amsterdam e La
Haye. Devido à forma desses manuscritos, um é chamado de Oblongus (O)
e, o outro, de Quadratus (Q). O Oblongus é uma cópia derivada, pelo que
a crítica especializada supõe, de um códice da biblioteca de Alcuíno em
York23. Ela foi feita provavelmente por um librarius do mosteiro de Tours,
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, v. 55.
PROCLO. Comentário dobre o ‘Timeu’ de Platão, I, 345, 18 – DK 28 B 2, 7-8 – Fonte: DIELS,
Herman & KRANZ, Walther. Die Fragmente der Vorsokratiker. l8ª ed. Zürich-Hildesheim: Weidmann, 1989.
22
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, vv. 155-156 e 265-266; I, vv. 159-160; II, vv. 857-858.
23
Todos os prefácios ao De rerum natura trazem alguma informação nesse sentido, em
particular, Munro, Diels, Bailey. Existe, porém, alguns estudos que se tornaram fontes impres-
20
21
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
cindíveis nesse sentido: PASQUALI. Giorgio. Storia della tradizione e critica del testo. [1ª ed.,
1934]. Firenze: Le Lettere, 1988; PIZZANI, Ubaldo. Il problema del testo e della composizione
del Rerum Natura di Lucrezio. Presentazione de Ettore Paratore. Roma: Ateneo, 1959, p. 50-89.
24
Existem dois trabalhos relativos à edição do poema de Lucrécio que se tornaram fontes para
os demais: o do filólogo alemão Karl Lachmann e o do italiano Camillo Giussani. O trabalho
de Lachmann (Lucretius Carus. De rerum natura libri sex, Berlim, 1850) se tornou importante
em função do estabelecimento do texto; o de Giussiani (1896-1898) pelo trabalho filológico
que realizou. Temos também a edição de Hugh A. J. Munro (Cambridge, 1864), a de Alfred
Ernout (Paris, em 1920), de Hermann Diels (Berlin, 1923) e de Cyril Bailey (Oxford, 1947).
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
265
Miguel Spinelli
onde Alcuíno veio a ser abade. No século XV essa cópia foi encontrada no
mosteiro de São Martinho da cidade alemã de Mainz (Magúncia), e com o
tempo foi parar na biblioteca particular de Gerhard Johann Vossius (15771649), e mais tarde foi adquirida pela Universidade de Leyden (onde Vossius
também fora professor). O Quadratus foi encontrado no século XVI no
mosteiro de Saint-Bertin (ao lado da catedral de Thérouanne, à Saint-Omer).
Ele foi passado à La Sorbonne, depois chegou às mãos de um colecionador,
e, na mesma época, Denis Lambin (1516-1572) se encarregou de elaborar
(em 1564) a primeira edição do poema de Lucrécio. Assim como o Oblongus, o Quadratus também foi parar, primeiro, na biblioteca de Vossius, e
logo depois foi adquirido pela Universidade de Leyden; b) a outra tradição
deriva dos códices chamados de Itali. Eles têm como base uma cópia feita,
em 1418, por Gian Francesco Poggio Bracciolini (1380-1459) em viagem à
Suiça, Alemanha e França. Bracciolini, considerado humanista e historiador,
fez ele mesmo essa cópia, um pouco por amor às letras, outro pouco por
interesses mercenários. Supõe-se que a sua cópia, feita sem muito cuidado
e apressadamente, se deu a partir do Oblongus, depositada no mosteiro
de Mainz. A cópia original de Bracciolini se perdeu, mas ela gerou outras
cópias, sobre as quais foi entretanto construída uma longa tradição italiana
de estudos filológicos do poema24. O curioso é que por caminhos mais ou
menos obscuros, todos os códices do poema de Lucrécio acabaram tendo
sempre as mesmas fontes. A tradição do Oblongus conservou o título De
rerum natura, que o Quadratus substituiu por De physica rerum origine vel
effectu. A única explicação para essa inusitada mudança tem a ver apenas
com uma estratégia: desorientar a censura monacal, a fim de publicar o poema de Lucrécio; pelo que consta, a estratégia deu certo. Sendo que foi em
conseqüência dessa inusitada mudança que o De rerum natura passou a ser
chamado, de modo impreciso quanto ao seu conteúdo interno e significação
originária, de De natura rerum.
O De rerum natura de Lucrécio limitou-se a uma exposição sistemática
da física de Epicuro. Visto que ele estava ciente de que só as palavras não
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
266
logram uma boa explicação sobre a natureza, entremeou em seu poema fatos
a conceitos, ou vice-versa. O intróito do primeiro livro no qual invoca a Vênus
criadora se mostra aparentemente em flagrante contradição com a mensagem
que o poema quer demonstrar: que no mundo não houve e não há criação,
mas apenas geração (ou arranjos), degeneração (ou desarranjos) e renovação
(ou rearranjo). Trata-se, todavia, de um único movimento ou de um mesmo
processo contínuo ao qual a ordem cósmica está, desde sempre, por um tempo
infinito, submetida, qual seja: arranjar, desarranjar e rearranjar. O nascer, no
que concerne ao processo do gerar, diz respeito a uma coesão de elementos,
que, unindo-se entre si, dão forma ao que vem a ser; morrer, também não é
um ato, mas um processo, mediante o qual se realiza uma paulatina “ruptura
em nós dos liames da vida – in nobis vitai claustra resolvat”25.
No mesmo livro V, no qual Lucrécio descreve como se organizou a genus
humanum, ou seja, a descendência ou ordenamento social da vida humana,
ele também se dedicou um pouco antes a pôr em ordem (ex ordine ponam)
de que modo se deu o arranjo da matéria primordial (quibus ille modis
coniectus materiai) da qual tudo lentamente se formou26. Não existe, com
efeito, uma matéria única, e, sim, inumeráveis elementos materiais, ou seja,
os átomos (por Lucrécio denominados ora de materiai, ora de primordia,
ora de elementis) que, unindo-se entre si, arranjando-se, estão na origem (na
archê) de tudo o que existe:
Com certeza (expõe) não foi por um acordo e nem por uma inteligência
sagaz que os primeiros elementos das coisas se colocaram em sua ordem,
nem entre eles combinaram os seus movimentos recíprocos. Mas, dado que
são inumeráveis, e tendo sido num tempo infinito abalados por choques
constantes e arrastados pelo próprio peso, jamais cessaram de se mover, e
de criar, entre si, arranjos nas mais diferentes formas que puderam ensaiar.
Disso resultou que, errantes, por um tempo indeterminado, tendo ensaiado
os mais convenientes arranjos e movimentos, de repente acertaram o que,
uma vez arranjado, está na origem destas grandes coisas, da terra, do mar,
do céu e da geração dos viventes.27
A tese cosmológica de Lucrécio, relativa ao processo generativo do Cosmos, se põe nestes termos: no princípio havia apenas um amontoado informe,
uma massa de elementos de toda espécie chocando-se entre si. Devido a um
movimento como que enlouquecido, com grande “diversidade de formas e
25
26
27
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, v. 415.
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, vv. 416-418.
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, vv. 419-431.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
28
29
30
31
32
LUCRÉCIO. De rerum natura,
LUCRÉCIO. De rerum natura,
LUCRÉCIO. De rerum natura,
LUCRÉCIO. De rerum natura,
VIRGÍLIO. Eneida, I, 11.
V, vv. 439-441.
V, vv. 449-456.
I, v. 158; V, v. 81; II, v. 646.
II, v. 646.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
267
Miguel Spinelli
variedade de figuras”28 os elementos aleatoriamente se uniam. Debatendo-se
entre si, se misturavam (proelia miscens), formavam aglomerados, sem que
nada pudesse individualmente ser distinguido em sua realidade própria: nada
conseguia manter-se em algo por si só coeso e formar um todo harmonioso.
Foi tão-somente na medida em que o movimento se tornou apropriado, que
deixou de ser “enlouquecido”, que partes desse amontoado começaram a se
separar. Os elementos iguais passaram a se unir aos iguais, a se prenderem
uns nos outros, e a dar existência a algo perceptível e acabado em si mesmo.
Os corpos (corpora) mais pesados ocuparam as regiões mais baixas, os mais
leves as mais altas, e os que mais se entrelaçaram, juntando-se num máximo
de coesão (quanto magis inter se perplexa coibant) deram origem à água.
Tudo isso se deu a partir de sementes lisas e redondas (levibus atque rutundis
seminibus) que são os elementos (sunt elementis)29 constitutivos das coisas.
Toda essa obra se fez sem qualquer intervenção dos deuses (fiant opera sine
divon); de modo que, é o que propõe Lucrécio, não podemos supor para
ela qualquer motivação derivada de algum querer divino, segundo as suas
palavras: neve aliqua divom volvi ratione putemus30.
A característica própria do ser divino, segundo Lucrécio, a sua natureza,
é ser eterno e imortal. Ele goza de uma perpétua e profunda paz, vive retirado e distante, e não se ocupa nem com a geração e o fazer-se do mundo,
nem com as necessidades e as ambições humanas. Eles em nada interferem:
não nos ditam o que devemos fazer e, tampouco, não nos auxiliam; assim
também como não nos atrapalham desviando-nos do que queremos ou nos
propomos a fazer. Os deuses deixam ao nosso encargo a gerência de nossos
interesses, de nossos afazeres ou de nossas preocupações31. O divino nada dá,
não faz trocas, e nada vende, de modo que é em favor de nós mesmos e não
em função dele, ou para ele, que devemos trabalhar. Lucrécio com essa idéia
inspirou a Renascença de cabe a nós edificar o melhor dos mundos possíveis.
O questionamento feito por Virgílio a Vênus – “Há tanta ira nos ânimos
celestes?”32 – pôs igualmente em dúvida a possibilidade de se atribuir um
ânimo irado aos deuses. Lucrécio, antes de Virgílio, louvou apenas nos deuses um ânimo sereno e despreocupado. É bem verdade que nós carecemos
dos deuses, mas eles, afastados na própria paz, não se movem com isso!
Os deuses, “efetivamente, privados de toda dor e perigos, fortificados por
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
268
seus próprios recursos, de nada carecem de nós, não se rendem às nossas
súplicas, e não são atingidos pela nossa ira”33. E não adianta insistir; é inútil
importunar os deuses com os nossos oráculos, colocar sob a vontade ou
deliberação deles quer a condução de nosso próprio destino (que cabe a nós
tomar a aceleração e o freio) quer a resolução de nossos problemas (sobre
os quais cabe a nós nos instruir: buscar a solução e a causa). Referindo-se,
por exemplo, à infertilidade, eis o que diz Lucrécio:
Não advém do poder dos deuses a negação a quem quer que seja de
fertilizar a semente, nem a privação de ouvir da prole o doce nome de
pai, nem que se passe a vida feito uma Vênus estéril. Isso é crença muito
difundida, pois vemos muitos homens, chorando, banhar os altares com
copioso sangue, queimar as suas oferendas, a fim de obter abundantes
sementes que fertilizem as suas esposas. Em vão eles importunam o poder
dos deuses e de seus oráculos. A esterilidade se dá em razão da semente
ser muito densa, ou muito líquida, mais do que é devido... não sendo capaz
de se transpor para o lugar que deveria, ou, quando pode, não é capaz de
se misturar com a semente da mulher.34
Supondo, pois, o que Lucrécio, enquanto epicurista admitia a respeito
dos deuses, é claro que a sua invocação a Vênus, o seu apelo ao auxílio de
um deus, soa obviamente inusitado. Alguns motivos, no entanto, haveria de
ter: um deles, com certeza, dar-se-ia efetivamente em razão de Mêmio, e de
sua família, cultuarem Vênus. Nesse caso, levando-se em conta os padrões da
época, longe de ser uma reles bajulação, foi, sim, uma elegante e respeitosa
mesura; coisa que o próprio Império romano, perante os povos sob seus
domínios, requeria.
O Estado romano, ao invadir e controlar politicamente um determinado
território, não se importava se aquele povo era religioso ou não, mas, tampouco, lhe impunha a exclusividade das crenças romanas. O Império era tolerante
e exigia reciprocidade. Os povos, sob o seu domínio, eram obrigados a, por
lei, respeitar os deuses romanos, a oferecer-lhes esporadicamente sacrifícios,
mas não estavam obrigados a submeter-se à Religião romana. O que o Império exigia, e reclamava, era o pagamento de impostos, e, quanto a isso, não
havia tolerância. Daí, inclusive, a grande razão pela qual o Estado passou
a requerer das instituições e dos cidadãos uma identidade jurídica: porque
era através dela que ele poderia controlá-los e, inclusive, responsabilizá-los
oficialmente. Quer dizer: a costumeira observação, a partir de Gilson, de que
33
34
LUCRÉCIO. De rerum natura, II, vv. 649-651.
LUCRÉCIO. De rerum natura, IV, vv. 1233-1241.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
Dos povos invadidos o Império não requeria que cultuassem os seus
deuses padroeiros, porém, nas ocasiões festivas tinham ao menos de prestarlhes respeito e manter o resguardo. Os romanos não eram assim tão tolerantes
como se supõe! A religião e as crenças regionais dos súditos se constituíam
em problemas deles; bom exemplo é o de Pilatos lavando as mãos perante
as discórdias dos judeus com Jesus Cristo. Os romanos eram tolerantes até
o momento em que a religiosidade dos “colonizados” não interferia nos
interesses do Estado. Tudo ficava tranqüilo quando se deixava o abelheiro
quieto! Mas, enfim, o que bastava mesmo era pagar em dia, e na quantia
certa, os impostos devidos.
*
Lucrécio, perante Mêmio, pode ter agido de modo semelhante ao Estado
romano com os seus súditos ou vice-versa. Com efeito, não há qualquer indício que nos leve a supor que Mêmio fosse tutor ou mecenas de Lucrécio.
Lucrécio, perante Mêmio, é sempre muito altivo: ele fala de igual para igual,
e não como um subordinado. Na recorrência à Vênus, Lucrécio também o
faz de modo semelhante aos súditos do Império: não por devoção “sincera”,
e, sim, por respeito àquela que os romanos reverenciavam como a Aeneadum genetrix, “a genitora dos Enéadas”. A sua invocação a Vênus é feita,
em primeiro lugar, em honra e reverência aos romanos, aos enéadas, e não
a Mêmio. Na medida em que ele se dirige a Mêmio, o faz, prioritariamente,
a fim de falar com os romanos, para os quais Vênus representava a personificação das forças criadoras da Natureza. Nela, em segundo lugar, e em
vista de seus propósitos (que não são, a rigor, propósitos subjetivos) para
com Mêmio, busca socorro; mais ou menos nestes termos: assim como a
Vênus criadora e governanta do Cosmos se associou a Cupido (para ativar os
desejos e encantar os corações) e a Ceres (para com ela fertilizar as sementes e polinizar a vida), Lucrécio gostaria de fazer o mesmo, ou seja, com o
socorro de Vênus fazer de Mêmio um dos seus, e, com ele, conquistar para
a mesma causa os romanos.
GILSON, É. A Filosofia na Idade Média. Trad. de E. Brandão, São Paulo: Martins Fontes,
1995, p. 2.
36
VIRGÍLIO. Eneida, I, 5-6.
35
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
269
Miguel Spinelli
o Estado romano se constituía “num império oficialmente pagão”35, carece
de reparo: o Império era oficialmente religioso e não “pagão”. Virgílio, por
exemplo, ao dizer que Enéias muito sofreu até “que transferisse os seus
deuses ao Lácio”36 mostra o quanto era ancestral a reverência romana para
com os seus deuses.
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
270
Lucrécio queria fazer de Mêmio um sócio: despertar-lhe na mente uma
incondicional adesão às verdades do epicurismo, e, com ele, desfazer os
nós de todos os temores que murchavam o ânimo do coração dos romanos. Claro que é de se supor que esse Mêmio, ao qual Lucrécio se refere,
deveria ser uma figura romana por muitos admirada, ouvida com atenção
e estimada. Mêmio, por certo, não era um desafeto do povo romano. Daí o
apelo a Vênus no confronto a Mêmio: “agrada-me associar a ti (diz Lucrécio,
como quem louva), a fim de escrever estes versos sobre as coisas naturais,
que empreendo fixar em nosso Mêmio...”37. Amparado por ela, pela deusa da
criação e dos encantos, Lucrécio queria construir com Mêmio uma parceria:
primeiro, uma “suave” e duradoura amizade; depois, estabelecida entre eles
esta comunidade, unidos pela doutrina de Epicuro, juntos promoverem nos
demais, e, claro, usufruírem eles mesmos da paz e do gosto de viver, que,
nesta vida, todos almejam.
O apelo a Vênus, enfim, tinha uma importância educadora. O que
Lucrécio estava propondo fazer, o fazia em nome de Vênus, e não era uma
aventura qualquer; tampouco o que propunha aos romanos, aos enéadas,
não detinha qualquer impropriedade, insulto ou impiedade. Tratava-se de
algo muito sério que, para dele se apropriar, carecia de reconsiderar muitas
coisas, a começar pelos excessos, pelos medos e temores, pela ruptura com
a humilhação de fugir de si mesmo, atribuindo aos deuses e ao Estado (aos
outros) tudo o que, subjetivamente, é ao ser humano requerido ou devido
fazer. Daí a necessidade de romper com a preguiça, de recolher um tanto
de si ao silêncio, de dispor outra boa parte de si a construir com os demais
uma suave e serena amizade. Lucrécio, afinal, estava certo de que só uma
comunidade de amigos, unida por laços de amizades, seria capaz de construir
um todo harmonioso e feliz.
Por isso, mais uma vez, a sua invocação à Vênus, à deusa do éros e da
philía. E Lucrécio supunha como urgente, com a ajuda de Mêmio, reverter
sem demora o ânimo romano: em geral dado (em tudo) aos excessos e,
mesmo assim, intolerantes para com o epicurismo, como se ser epicurista
fosse algo demasiado. Não, pois, o qualificativo de devasso e desregrado,
atribuído pelos romanos ao epicurista, que, a rigor, movia o distanciamento
do ânimo romano, e, sim, sobretudo, a irreverência aos deuses, o descrédito
em seus poderes, o fazer deles seres frouxos, impotentes, deuses que nada
querem e que nada podem, enfim, seres isolados do mundo e do convício
humano. Isso, sim, atormentava a mente e o imaginário popular. Como é
37
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, vv. 24-26. O itálico foi acrescentado.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
*
Ao valer-se de um interlocutor (no caso Mêmio), que, por certo, entre
muitos, era reconhecido e admirado por alguns méritos, Lucrécio, pois, não
poderia fazê-lo à revelia das crenças romanas, ou bater-se de frente contra
o Estado, em contrapartida também não poderia desqualificar a doutrina
epicurista. Sendo Vênus por todos louvada como a genetrix dos Enéadas,
não podia mesmo Lucrécio (ele próprio um enéada) desvelar aos romanos
o processo generativo do Cosmos sem louvar e apelar para aquela que, para
todos, era a “alma Vênus”: a deusa criadora que a tudo dá vida e vigor. Há,
com efeito, entre alguns comentadores, uma séria preocupação no sentido
de nesse apelo demonstrar uma flagrante contradição, mas isso não faz sentido. Seria preciso atribuir a certos conceitos formulados por Lucrécio (por
exemplo, ao de que Vênus na Natureza tudo governa) significados que tais
conceitos decididamente não têm.
Vênus, na perspectiva de Lucrécio, não governa a Natureza sozinha, e,
sim com Ver (a deusa da aurora juvenil ou da Primavera) e com Ceres (a
deusa da fertilidade agrícola e das fartas colheitas). Assim que “mal se abre
a aparência primaril dos dias”, diz ele, Vênus logo ressurge; ela sai de seu
esconderijo e se expande pela Natureza. Nesse momento, na Primavera,
Vênus se torna muito expansiva, vem a ser espaçosa, e, com a ajuda de
Cupido, seu filho (o deus alado do amor), perambula por todos os cantos
da terra e em tudo ou por tudo (nas florestas e nas plantações), e em todos
(nos animais e nos humanos) promove encantos e desejos. Quer dizer: a
alma Vênus louvada por Lucrécio, antes de ser o deus que tudo cria, que, do
nada, organizou ou deu vida a tudo o que existe, é apenas o deus (a deusa)
que promove, alimenta ou nutre, “por sobre o curso dos astros e com a sua
presença”, a fertilização da vida.
Eis aí a primordial questão. Tanto que, no livro II, verso 992, à “alma
Venus”, Lucrécio contrapõe a alma liquens, dita por ele como sendo a
“umidade do líquido nutriz em gotas”: expressão poética com a qual ele se
refere à chuva que, feito semente, cai sobre a terra e a fecunda. Assim como
Vênus, também a água da chuva é “dadora” de vida, mas nem por isso é a
criadora do Cosmos; porquanto, de certo modo, o seja. Afinal, sem água não
há fertilização reprodutiva da vida, de modo que “o vir à luz, in luminis oras
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
271
Miguel Spinelli
possível deuses que nada podem? Eis a questão. Um deus que não fosse
todo-poderoso, soberano, em todos os aspectos forte, decidido e sábio, não
era, para um romano (comum), um deus. Daí, portanto, o desafio de Lucrécio: como reverter o ânimo romano perante a doutrina do epicurismo sem
desqualificar ou instigar a religiosidade romana?
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
272
exoritur”, expressão recorrente em Lucrécio, não se efetiva. No livro VI, verso
751, Lucrécio faz referência ao “tempo da criadora Palas tritônia, Palladis ad
templum Tritonidis almae”, dando a entender que, dos helenos, é a “alma
Atenas” a genetrix. No livro V, verso 739, Lucrécio também une numa só
expressão, “Ver et Venus”, a Primavera e Vênus, e diz que uma prenuncia a
outra38: a Primavera desperta e estimula Vênus, e, Vênus, a Primavera. Além
de auxiliada por Cupido e Ceres, a alma Vênus contava igualmente com
os bons auspícios da Primavera, e, todos juntos, tinham a nobre função de
ativar o ardor, de unir e festejar a fertilidade dos amantes39, de, por sobre os
campos, “concelebrar as terras produtivas”. Juntas ativavam os enlaces, incitavam a união e a mistura: princípios supremos da fertilização reprodutiva.
Cabia, pois, a Vênus fazer com que os amantes fossem ao encontro um
do outro, e que “se enlaçassem, apaixonados”, por força de seus liames40.
Não só aos homens, mas a todas as espécies de seres animados Vênus movia
a se enlaçarem e a se reproduzirem: “Vênus reconduz à luz da vida todas
as estirpes de animais”41. Mas, além dessa função, lhe cabia outra: uma vez
“semeados os campos femininos”, era dever seu guiar o que nasce, a fim de
que, por seus maternais cuidados, o rebento fertilizado prosperasse em suas
determinações, viesse a nascer e a ver “a luz do sol”42. À Vênus, portanto, à
deusa do amor, Lucrécio atribuiu umas quantas funções, inclusive duplas: por
exemplo, a par da condição de cupido (da função de incendiar a volúpia e o
desejo) ela acumula também a de mãe (de genitora amorosa e nutriz); a par
da Vênus vulgívaga, a volgivagaque vagus Venere43, que sai por aí vagando
e estimulando os ávidos abraços, o ardor e o enleio, ela é igualmente a alma
Venus, a Vênus maternal do cuidado e do refreio: aquela que desmancha a
fúria do prazer desavergonhado, que assopra o furor, a fim de que se instale
no corpo e no coração dos amantes a suavidade calma do amor carinhoso,
planificado e reprodutivo.
A Vênus vulgívaga é a personificação proverbial do desejo amoroso que se
desvia e evita o amor. Referido às mulheres, a Vênus vulgívaga não representa
rigorosamente tão só a meretriz, mas combina com a idéia ancestral da mulher
volúvel, que, de quando sofre da inconstância por seus humores. Eurípedes,
entre os gregos, fez nesse sentido referência ao que denominou de “ápiston...
38
39
40
41
42
43
“it Ver et Venus... praenuntius” (LUCRÉCIO. De rerum natura, V, v. 739).
LUCRÉCIO V, v. 899, e v. 964; III, v. 779.
LUCRÉCIO. De rerum natura, IV, vv. 1112-1113.
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, vv. 227-228.
LUCRÉCIO. De rerum natura, I, v. 932.
LUCRÉCIO. De rerum natura, IV, v. 1071.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
O fato é que nisto (supôs Lucrécio) está a esperança: que, no próprio corpo,
de onde o ardor se originou, a chama venha a ser extinta. A natureza, no
entanto, rejeita, e impõe totalmente o contrário; e esta (a paixão) é a única
coisa da qual, quanto mais possuímos, tanto mais arde o peito de cruel
desejo. Quanto à comida e à bebida, os membros do corpo as consomem,
e visto que elas podem deter-se em certas partes, isso facilita satisfazer o
EURÍPEDES. Ifigênia em Taurida, 1298 - Fonte: EURIPEDES. Iphigenia in Tauris. Greek
Text, English Translation, Introduction and Commentary by Martin J. Cropp.Warminster: Aris
& Phillips, 2000.
45
VIRGÍLIO. Eneida. IV, vv. 569-570.
44
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
273
Miguel Spinelli
gynaikeîou génos, a inverossímil estirpe das mulheres”44. Virgílio consagrou em
verso o “Varium et mutabile semper femina, A mulher sempre inconstante e
mutável”45, cuja expressão se tornou enfim proverbial na fórmula italiana, “La
donna è mobile”, difundida pela ópera Rigoletto, de Giuseppe Verdi.
Todos os predicados inerentes a Vênus, quer à sua condição de mãe ou
genitora (conceito que incorpora várias qualidades: o da dedicação, do desvelo,
do cuidado, da ternura, da afeição, do mimo, do velar pelo destino de seu
amado filho), quer a de musa (inspiradora do canto, da palavra e da poesia),
quer de cupido (de provocadora da atração e do desejo, móvel das paixões e
dos enlaces), quer de vulgívaga (de amante e de concubina), quer de femina
(da mulher que quer amar e ser amada, acompanhar e ter companhia, receber
e dar prazer, fertilizar e ser fertilizada)... todos esses predicados qualificam, de
Vênus, os atributos de sua representação inquestionável: a do amor. Tanto do
amor calmo, terno, afável e altruísta, quanto do amor efervescente, ou seja, do
amor-paixão, que, ao mesmo tempo, é sábio e desajuizado.
Do ponto de vista de Lucrécio, e, claro, de Epicuro, o amor-paixão,
turbulento, promove mais dor que agrado. Para Lucrécio o amor-paixão é
artimanha de Vênus; para Epicuro, de Afrodite. O amor-paixão, todavia, é
móvel da iniciativa de promover decisões, que, na maioria das vezes, em
sã consciência, por muito pensar, o sujeito agente não as tomaria; bem por
isso que ele é simultaneamente sábio e desajuizado. Foi por certo da doutrina de Epicuro, ou do epicurismo, que se derivou o famoso adágio popular
segundo o qual “quem muito pensa não casa” (e, se não casa, não gera).
Caberia, pois, a Vênus ou a Afrodite dissimular e descontrair, pelo fomento
da paixão, o rigor do pensar, a fim de preservar o móvel da geração. Vênus
promove, isto foi o que assinalou Lucrécio, um desejo ou ardor que ultrapassa
as forças do corpo e da mente, é assim, possuídos, desesperados em sua
insatisfação, que os amantes se vêem constantemente levados a se manter
fixo um no outro. Nem a mente e nem o corpo são capazes de extinguir o
fogo da paixão senão pela manutenção da paixão.
desejo de beber e de comer. Mas, com relação a um rosto humano, a uma
bela aparência, nada vem ao corpo para ser fruído senão tênues simulacros,
uma mísera esperança, que, na maioria das vezes, o vento leva.46
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
274
*
Em conclusão: a Vênus dos latinos (deusa da formosura, do amor e dos
prazeres) é, efetivamente, a Afrodite dos gregos. Em ambas as culturas, a Vênus/Afrodite é tida, em sentido positivo, como vulgígava, como uma espécie
de (feliz) meretriz ou vagabunda errante, que, por aí, abertamente, não às
escondidas, tem bem mais de um só coração para se aquiescer e se aquietar.
A deusa do amor vaga, autônoma e livre, pelos múltiplos corações humanos,
por todas e pelas múltiplas sementes, despertando (sem prostituir, desqualificar
ou corromper) a atração e os prazeres, em duas palavras: o amor é a fertilização da vida. Eis aí por que a Afrodite grega é pándêmos: ela é pándêmos
porque é a deusa de “todos os povos” (pán-dêmos), porque, sem destino e
morada certa, circunda por todos os cantos do orbe, excitando em todos, sem
distinção, o eros do bem querer, ativando as energias do desejo e da libido,
que só se gastam, ou se consomem, nos exercícios da afeição e do amor. A
Vênus/Afrodite encadeia os amantes entre si, aqueles que, um perante o outro,
mesclam, querendo ou sem querer, a alma e o coração, e que, depois, unidos,
se fazem no tempo, isto necessariamente querendo, companheiros da jornada
cotidiana do amor: jornada da humanização do eros animal.
Não há, enfim, contradição alguma entre o intróito e os postulados da
phýsis formulados por Lucrécio. E tais postulados não se condensam ou
contemplam apenas o livro II. Pois, já no livro I, desde os primeiros versos,
Lucrécio deixou bem clara a sua premissa: “O princípio que desde o início
tomaremos por base é este: nenhuma coisa jamais foi gerada por vontade
divina”47. Não foi por um plano e por vontade divina – eis a questão – que o
Cosmos, ou seja, a ordem observável de todas as coisas, se fez. Do fato de
Lucrécio conceber Vênus, a deusa do amor, como genitora do Cosmos, isso
em nada contradiz, como foi visto, a premissa segundo a qual todo o movimento generativo é resultante de causas naturais. É “em razão da ignorância
das causas (diz ele) que se cogita conferir aos deuses o governo das coisas
e concede-lhes os seus domínios”48. “Não podendo explicar as causas do que
acontece, atribuem tudo ao poder divino”49. Nesse ponto, a preocupação de
46
47
48
49
LUCRÉCIO.
LUCRÉCIO.
LUCRÉCIO.
LUCRÉCIO.
De rerum natura,
De rerum natura,
De rerum natura,
De rerum natura,
IV, vv. 1087-1097.
I, vv. 149-150.
VI, vv. 58-60.
VI, v. 9.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
Efetivamente, segundo Lucrécio, tudo o que ocorre na natureza “se
produz segundo razões naturais”50, e não por influência dos deuses ou
por qualquer outra força ou providência miraculosa. Se é mediante causas
naturais que tudo se dá, então é assim que tudo deve ser explicado, e não
por forças alheias. O “curso do Sol e o da Lua”, o giro da Terra, se dão espontaneamente, sem serem “impelidos por qualquer vontade divina”. Dá-se
que “os deuses (ensina Lucrécio, a partir de Epicuro) levam vida sossegada”.
Eles vivem tranqüilos e em paz em seus “sagrados templos” ou “sagradas
mansões”, e não têm qualquer necessidade de se desassossegar ocupando-se
conosco51. Afinal: “Que mal haveria para nós em não termos sido criados?”52.
“De modo algum a natureza do mundo foi criada para nós por uma vontade
divina: tanto é o mal que a macula!”. Essa mesma proposição, constante no
livro dois, e Lucrécio igualmente a repete no livro V: “de modo algum a natureza das coisas foi preparada para nós por vontade divina: tanto é o mal
que a mácula!”53. Se tivesse sido, ela seria perfeita, ou, digamos, teria de ser
um paraíso. [É importante aqui ressaltar que, no mito judaico-cristão, Deus
criou o homem inserido no jardim do paraíso, que foi desfeito e perdido
pelo pecado; quer dizer: com o pecado o homem inseriu na natureza (criada
perfeita, ou melhor, concebida sem defeitos) a imperfeição ou os defeitos. A
bem da verdade, na Natureza já estavam dadas, pelo ato criador, “a árvore
do bem e do mal”, ou seja, a imperfeição já estava aí, e coube ao homem
por seu arbítrio desnudá-la, de tal modo que ele mesmo se viu nu].
Lucrécio, pois, não transfere nem aos deuses e nem aos homens qualquer
culpa relativa às imperfeições da natureza quer em geral, quer da natureza
humana em particular. Ele descarta quer a possibilidade de uma providência divina (tema que gerou muita polêmica, primeiro, com os estóicos, e,
depois, com os cristãos) quer de uma suposta reencarnação. Nos termos de
50
51
52
53
LUCRÉCIO. De rerum natura, VI, v. 760.
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, vv. 77-84 e v. 146.
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, v. 175.
LUCRÉCIO. De rerum natura, II, vv. 180-181; V, vv. 196-197.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
275
Miguel Spinelli
Lucrécio é suficientemente clara e sem contradição: o que mais importa é
conhecer as causas reais ou verdadeiras do governo das coisas. Para além
disso, valer-se do mito, por exemplo, atribuir ao mar tudo o que o mito sob
a figura de Netuno representa, ou, então, conceder ao amor (às relações
amorosas) tudo o que o mito de Vênus comporta, à Ceres, a fertilidade...
tudo isso em nada compromete a Ciência, ao contrário, torna as explicações
mais cativantes, dá-lhes beleza e poesia.
Lucrécio e Virgílio. As várias faces de Vênus: musa, genitora e vulgívaga
276
uma providência, inerente a exclui do mesmo modo um “ato divino” criador
do Cosmos: “o Mundo não foi criado para nós (diz ele) por um ato divino,
tantos são os defeitos que ele contém”54. Que a natureza humana é imperfeita, não careceu a Lucrécio em seu tempo dar exemplos, visto que todos,
em especial os estóicos, facilmente reconheciam, e, logo depois, os cristãos
também reconheceram. Agora, relativo aos defeitos da Natureza em geral, a
questão era, e ainda se mantém problemática e causa polêmica.
Lucrécio destaca como defeitos da Natureza (em relação a nós) a condição
inóspita da terra: cheia de montanhas, de florestas, de grandes extensões
de mar que separa uma terra da outra, de brejos e alagados, de desertos,
do excesso de calor ou de frio, etc. Segundo Lucrécio, tudo isso para nós é
um problema, e custa muito labor e fadiga para superá-los. A vida humana
requer muito trabalho: os humanos, a fim de suprirem as suas necessidades,
têm de cultivar a terra, de “preparar o solo para o que vem a nascer”, de “se
habituar a gemer sob o robusto enxadão e a rasgar a terra com a pressão do
arado”55. Ainda, e o que é pior, muitas vezes, depois de tanto trabalho, das
sementes terem germinado, quando tudo está coberto de folhas, fores e frutos,
muitas vezes se espalha pela terra o sol abrasador, os súbitos temporais, as
frias geadas, o flagelo dos ventos, e põem tudo a perder! Além de se debater
com tudo isso para sobreviver, existem ainda as inúmeras feras inimigas do
homem, tudo o que é tipo de pestilência e de doenças que o acometem, “sem
falar” da criança, do nascituro que é lançado à vida sem nenhum auxílio,
“jaz nu sobre o solo”; é “com grande esforço que a mãe natureza (a matris
natura) o lança às praias da luz”56. Enfim, a terra em nada se parece mesmo
com um paraíso57. Nela, os males não são poucos, e são de toda ordem, e se
manifestam largamente em todos os setores da vida humana.
[recebido em agosto 2008; aceito em dezembro 2008]
LUCRÉCIO. De rerum natura, II, vv. 180-181; V, vv. 198-199.
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, vv. 207-209.
56
LUCRÉCIO. De rerum natura, V, vv. 195-226.
57
A idéia de Lucrécio é aproximadamente a mesma, sem, porém, supor o mito judaico-cristão
do paraíso perdito. A diferença está em que ele se recusa a conceder aos deuses quer a criação
do mundo quer a condição de castigadores ou de vigativos... O Deus judaico-cristão criou um
paraíso, mas, subitamente, por uma desobediência humana, esse paraíso se transformou em
algo inóspito...
54
55
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
BIBLIOGRÁFICAS
BAILEY, Cyril. “Comentary”. In: TITI LUCRETI CARI. De rerum natura. Oxford:
Clarendon Press, 1986.
DIELS, Herman & KRANZ, Walther. Die Fragmente der Vorsokratiker. l8ª ed.
Zürich-Hildesheim: Weidmann, l989.
ERNOUT, A. Introduction: Vie de Lucrèce. In: LUCRÈCE. De la nature. Paris: Les
Belles Lettres, 1985 e 1990.
EURIPEDES. Iphigenia in Tauris. Greek Text, English Translation, Introduction
and Commentary by Martin J. Cropp.Warminster: Aris & Phillips, 2000.
GILSON, É. A Filosofia na Idade Média. Trad. de E. Brandão, São Paulo: Martins
Fontes, 1995.
HOMÈRE. Iliade. Texte établi et traduit par Paul Mazon. 5 t. Paris: Les Belles
Lettres, 1987.
LUCRÈCE. De la nature. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Paris: Les Belles
Lettres, v. 1: 1985; v. 2: 1990.
LUCRÉCIO. Da natureza. Tradução e notas de Agostinho da Silva. São Paulo:
Abril Cultural, 1980, p. 21-135.
PASQUALI, Giorgio. Storia della tradizione e critica del testo. Firenze: Le Lettere,
1988.
PIZZANI, Ubaldo. Il problema del testo e della composizione del Rerum Natura di
Lucrezio. Presentazione de Ettore Paratore. Roma: Ateneo, 1959.
SPINELLI, Miguel. Os Caminhos de Epicuro. São Paulo: Loyola, 2009.
TITI LUCRETI CARI. De rerum natura. Libri Sex. Edited with Prolegomena, Critical Apparatus, Translation and Commentary by Cyril Bailey. II. Oxford:
Clarendon Press, 1986.
VIRGILE. L’Énéide. Nouvelle édition revue et augmentée par Maurice Rat. Tome
I, Livre I-VI. Paris: Garnier, 1955. Consultamos também a tradução de David
Virgílio Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d.
HYPNOS, São Paulo, número 23, 2º semestre 2009, p. 258-277
277
Miguel Spinelli
REFERÊNCIAS
Fly UP