...

Articulo Completo - Estudios históricos

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Articulo Completo - Estudios históricos
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
A PRECISÃO E A DISTORÇÃO: DIÁLOGOS ENTRE DIEGO
VELÁZQUEZ E FRANCIS BACON.
Prof. Antonio Gasparetto Júnior
Resumo: O presente artigo é uma análise do diálogo entre dois pintores bem separados no tempo, Diego
Velázquez e Francis Bacon. Nesse sentido pretende-se apresentar e discutir as releituras feitas por Bacon
do quadro Inocêncio X de Velázquez.
Palavras-chaves: Diego Velázquez; Francis Bacon; Inocêncio X.
Abstract: This article anilyzes the dialog between two painters so separeted by time, Diego Velázquez
and Francis Bacon. By this way, we want to show and debate about the rereading made by Bacon of
Velázquez’s Innocent X.
Keywords: Diego Velázquez; Francis Bacon; Innocent X.
Introdução
O pintor espanhol Diego Velázquez viveu no século XVII e foi o pintor da
realeza, destacou-se desde cedo pela precisão em suas pinturas. Com reconhecido dom e
incansável nos estudos das Belas Artes não tardou para que conquistasse a fama como
artista. Muitos consideram seu quadro de Inocêncio X como o primeiro retrato da
história.
Já o pintor irlandês Francis Bacon viveu no século XX e foi muito influenciado
pela beleza das obras de Velázquez, porém sua característica nunca foi a precisão
apresentada pelo espanhol. Muito pelo contrário, Bacon aposta na distorção e angústias
de suas imagens, suas pinceladas não possuem a suavidade quase real de Velázquez,
mas causam traços de impacto e desconforto no observador que fica aflito com o tipo de
agressão que o irlandês oferece ao sistema nervoso. Exatamente três séculos após
Velázquez pintar o retrato de Inocêncio X, Bacon arrisca-se pelos caminhos da releitura
e oferece perspectivas de um novo tempo para a obra prima de 1650.
Neste artigo procura-se apresentar um pouco do diálogo existente entre Diego
Velázquez e Francis Bacon, a partir da discrição de suas obras, que envolvem Inocêncio
X como retratado, e de uma breve compreensão do ambiente cultura e social ao qual
cada um dos pintores foi submetido em suas vidas é possível notar como cada tempo
traz suas características e que ficam evidentes através da arte. É importante
compreender o homem associando, inicialmente, dois fatores: o seu tempo e espaço de
vida. Partindo dessas duas premissas é que se pode compreender a beleza de obras que
são tão contrastantes, como neste caso, mas que carregam em si toda uma série de
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
significados ou sentimentos de um pintor ou uma sociedade, que aqui se separam por
300 anos, e ainda permitem gerar resultados tão significativos para a História da Arte.
1. A precisão de Velázquez
Auto-retrato de Diego Velázquez, disponível em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Diego_Vel%C3%A1zquez
Dom Diego Velázquez de Silva nasceu no dia 6 de junho de 1599 em Sevilha,
filho de um nobre advogado de ascendência portuguesa, Juan Rodríguez de Silva, e uma
sevilhana, Dona Jeroníma Velázquez. Sua família percebeu sua vocação logo cedo e em
1610 foi levado para estudar com Francisco Herrera, um pintor naturalista apaixonado
pela arte de Caravaggio. Entrou como aprendiz no estúdio de Francisco Pacheco em
dezembro do mesmo ano, já no começo do ano seguinte seu pai assinou um contrato em
nome de Velázquez para um aprendizado ao longo de seis anos com Pacheco. Assim o
jovem pintor se dedicou ao estudo das Belas Artes inclinando-se para um capricho
singular e notável, iniciando com pinturas de animais em geral onde demonstrava
grande capacidade nas representações que pareciam naturais. Incansável nos estudos,
exercitava-se com as lições gravadas na história da pintura de vários autores, como as
técnicas de simetria do corpo humano, em Alberto Duvero; de anatomia, em André
Bexalia; de fisionomia, em Juan Batista Porto; de perspectiva, em Daniel Bárbaro; de
geometria, em Euclides; de aritmética, em Moya; e de arquitetura, em Vitrubio e
Vênola1.
1
HARRIS, Enriqueta. Velázquez. Madrid: Akal Ediciones, 2003.
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Velázquez casou-se com a filha de seu professor, Juana, com quem teve
Francisca. A personalidade de seu mestre e sogro o forneceu uma sólida formação
técnica e acesso a um meio valioso para sua profissão, Pacheco o encarregou de ir a
Madrid em 1622 e pintar o retrato do poeta Luís de Góngora, nesta viagem foi
apresentado ao conde-duque de Olivares e passou a ter acesso às coleções reais. Em
1623 o rei da Espanha, Felipe IV, já encantado com o trabalho de Velázquez,
encomenda seu retrato e termina o nomeando como pintor real em substituição a
Rodrigo de Villandrano, o qual havia falecido no ano anterior. Infelizmente o paradeiro
dessa obra, retrato eqüestre do rei, é desconhecido.
O pintor espanhol foi muito influenciado no início pelas técnicas do contraste
entre zonas escuras e zonas iluminadas por um único foco de luz usadas por
Caravaggio, as quais são conhecidas como tenebrismo, buscava nelas mostrar os
detalhes de cada modelo. Ao conhecer o pintor barroco Rubens despertou o desejo de
conhecer a Itália, onde iria passar algum tempo em duas oportunidades. Conseguiu a
liberação do rei em 1629 e foi para Veneza, onde ficou encantado com tudo que viu.
Segundo Henriqueta Harris, o pintor fez uma cópia de um quadro de Tintoretto, que
representa Cristo dando comunhão aos discípulos, e estudou em obras de Michelangelo
e Rafael em Roma2. Como seus serviços faziam falta ao rei espanhol decidiu retornar
depois de um ano e meio de ausência, em 1631, e foi muito bem recebido.
Somente muitos anos mais tarde Velázquez consegue retornar à Itália, na
ocasião o rei espanhol desejava montar uma galeria adornada por grandes pinturas e
Diego Velázquez se ofereceu para ir até Roma e Veneza escolher e buscar as melhores
obras de Tiziano, Pablo Veronés, Bassano, Rafael Urbino, Parmesano, entre outros. De
acordo com Julián Gállego, a embaixada real saiu de Málaga em 21 de janeiro de 1649 e
chegaram em Génova no dia 11 de março3. Velázquez levava ainda consigo um
presente para o papa, que encontraria em Roma, em função das comemorações de seu
jubileu. Até chegar em Roma o pintor passou por outras cidades nas quais recebeu
várias encomendas e teve contato com outras diversas obras e pintores. Ao longo dessa
segunda viagem à Itália teve contato, em especial, com Cartona, Sacchi, Cerquozzi,
Salvador Rosa4, Poussin e Claude Lorrain5. No tocante de sua missão incumbida pelo
rei espanhol, Boschini, veneziano pintor e poeta aluno de Palmo, relata que Velázquez
2
HARRIS, Enriqueta. Velázquez. Madrid: Akal Ediciones, 2003. P. 202-203
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 104
4
Salvador Rosa era também músico, poeta, ator e desenhista.
5
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 109
3
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
comprou pelo menos cinco quadros, entre eles dois de Tiziano, um de Tintoretto e dois
de Veronés. Adquirindo ainda um conjunto de pinturas de Tintoretto também antes do
regresso6.
Em Roma foi muito bem recebido e tratado especialmente pelo sobrinho adotivo
do papa Inocêncio X. Como retratista na corte papal tudo indica que Velázquez não teve
inimigos, pois era amigo dos grandes mestres do retrato, os escultores Gianlorenzo
Bernini e Alessandro Algardi. Inclusive, os retratos feitos por Velázquez excederam em
muito as obras dos mesmos, retratando desde seu ajudante até o papa, o que dificulta até
mesmo uma cronologia das obras7.
Sem dúvida seu trabalho mais importante seria o retrato de Inocêncio X.
Monsenhor Giovanni Battista Pamphili, nascido em 6 de maio de 1574, havia se tornado
o supremo pontífice em 15 de setembro de 1644 assumindo abertamente uma postura
contra os franceses, como demonstra Eamon Duffy8. Inocêncio era inimigo do partido
francês e chegou a expulsar alguns franceses de Roma, outros para se adaptar adotaram
o traje espanhol. Madrid aplaudiu sua eleição, já que no papado anterior Urbano VIII
havia dirigido sua política toda em função da França e deixou de lado totalmente a
Espanha. Entretanto, Inocêncio X não deixava muito claro seus sentimentos, era de
caráter difícil, era reservado e caprichoso, ora cortês e ora frio 9. No lado artístico é um
papa de luxo, Bonamini, Rainaldi e Algardi ganham muito com o novo pontífice.
Velázquez também dará um grande passo rumo a solidificação e glória de seu nome
como pintor ao produzir o retrato do papa, Julián Gállego comenta que antes dele
Bernini e Algardi também fariam retratos do papa, onde expressariam a imperiosa
autoridade de Inocêncio10, mas nenhuma obra superaria a maestria do trabalho do
espanhol. Segundo Jonathan Brown, Inocêncio conheceu Velázquez quando esteve em
Madri, entre 1626 e 1630, na ocasião como núncio e desde então admirava o trabalho do
pintor da corte espanhola11.
6
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 105
HARRIS, Enriqueta. Velázquez. Madrid: Akal Ediciones, 2003.
8
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores: história dos papas. São Paulo: Cosac e Naify, 1998.
9
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 108
10
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 108
11
BROWN, Jonathan. Velázquez. Paris: Fayard, 1988. P. 47
7
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Diego Velázquez, Inocêncio X. Disponível em
http://cajondesastre.juegos.free.fr/Images/ejercicios/cultura/pintores/inocencioX.
jpg
Foi no ano 1650 que Velázquez pintou o retrato de Inocêncio X, mas antes de
fazê-lo o espanhol preparou-se para a missão retratando o busto de seu escravo e
ajudante mouro Juan de Pareja, que o acompanhava em sua viagem. Julián Gállego
destaca que Velázquez foi eleito para a Congregazione dei Virtuosi, pouco depois de
sua eleição para a Academia de São Lucas, e o quadro figurou com destaque na festa de
San José em Roma12. Finalmente Velázquez começaria a pintar o seu modelo mais
proeminente, pintado por ocasião do jubileu de Inocêncio X, além disso, acabara de
12
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 111
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
completar 76 anos de idade. Mesmo velho o papa ainda tinha a vitalidade de um jovem,
mas sua feiúra o desqualificava como papa para alguns, no quadro de Velázquez essa
questão é atenuada, mas em dois outros desenhos atribuídos ao mesmo essa
característica se impunha13. O espanhol exprime toda sua técnica e familiaridade com a
interpretação da psicologia dos poderosos amenizando os traços negativos, de acordo
com Maurizio Marini o papa concedeu apenas uma instalação para se desenvolver a
pintura, mas apesar de não ter gostado inicialmente do resultado final o papo
reconheceu o empenho e os resultados positivos adquiridos14. Enrico Castelnuovo
define o quadro dizendo que:
O papa está sentado, imponente, numa grande poltrona, a figura não é
representada de meio corpo, mas talhada imediatamente abaixo dos joelhos,
uma forma de enquadramento até então reservada aos assuntos religiosos e
que provavelmente destes provinha. 15
De fato Castelnuovo tem razão, o retrato faz parte de uma série de efígies
preliminares que Julián Gállego destaca indo de Júlio II de Rafael ou Paulo III de
Tiziano até Alessandro VII de Baccicia ou a Clemente IX de Maratta, passando ainda
pelo cardeal Spada de Guido Reni ou o cardeal Agucchi de Domeniquino. Entretanto
Velázquez revoluciona essa série com a precisão do modelado e o uso da luz 16.
Contudo, as convenções dos retratos pontifícios não ditavam somente as poses, mas
também a harmonia cromática17. O papa usa o barrete vermelho, o capelo e sobrepeliz
branca, a cortina vermelha também figura frequentemente nos retratos dos grandes
eclesiásticos e como se todo esse vermelho não fosse suficiente Velázquez ainda exibe
uma pele rosácea e tudo isso se junta aos toques de ouro da poltrona e do anel. Todo o
vestuário papal está presente na tela. Todavia Maurizio Marini lembra que a visão de
Velázquez é original e dinâmica, fazendo com que Inocêncio assuma uma métrica
instantânea, o que o torna não somente um grande retrato, mas a síntese da época
barroca e da concepção do mundo que ele deriva18. Já Julián Gállego destaca que há um
feliz equilíbrio entre o psicológico e o puramente pictórico que se deve ao interesse do
modelo. O papa se impõe, com seu olhar desconfiado que nos segue, uma sinfonia de
13
BROWN, Jonathan. Velázquez. Paris: Fayard, 1988. P 214-215
MARINI, Maurizio. Velázquez. Milano: Electo, 1997. P. 29
15
CASTELNUOVO, Enrico. Retrato e Sociedade na Arte Italiana: ensaios de história social da arte. São
Paulo: Companhia das Letras, 2006. P. 54
16
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 111-112
17
BROWN, Jonathan. Velázquez. Paris: Fayard, 1988. P. 216
18
MARINI, Maurizio. Velázquez. Milano: Electo, 1997. P. 30
14
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
vermelhos contrastada apenas pelo branco de sua vestimenta e da carta que segura em
sua mão esquerda19.
O retrato final constitui uma demonstração da genialidade de Velázquez que
uniu os elementos da tradição artística a uma técnica original, produziu um retrato
definitivamente bem estimado20. O pintor parece ter recebido vida nova com um
renomado estudo de Tiziano, o retrato é uma das mais poderosas evocações de uma
pessoa e sua personalidade. De acordo com Henriqueta Harris nenhuma reprodução
pode transmitir o impacto quase físico do quadro original, de um homem severo, feio e
velho ou dar a idéia das brilhantes combinações das cores e suas nuanças. E que ‘no
original é difícil de ver como o forte modelado da cabeça foi terminado com pinceladas
quase invisíveis’21, dando fama imediata e duradoura a Velázquez.
O sucesso do quadro não está somente no número de cópias feitas, mas também
no número de encomendas recebidas após. De Inocêncio o pintor recebeu uma medalha
de ouro com a efígie de Sua Santidade, de médio relevo, em uma corrente, além do
auxílio para realizar uma de suas maiores ambições que era se tornar membro de uma
ordem militar espanhola. Levou ainda consigo uma cópia do quadro para a Espanha.
O papa retratado foi pontífice até o dia primeiro de janeiro de 1655, já Diego
Velázquez faleceu cinco anos depois, em 6 de agosto de 1660. Sua fama estendeu-se
após sua morte e afetou artistas bem mais a frente no tempo como Edouard Manet,
Pablo Picasso e Salvador Dali22.
2. As interpretações de Inocêncio X por Francis Bacon
19
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988. P. 111
BROWN, Jonathan. Velázquez. Paris: Fayard, 1988. P. 215
21
HARRIS, Enriqueta. Velázquez. Madrid: Akal Ediciones, 2003. P. 150
22
Entre outras obras de destaque de Velázquez referidas ao longo da bibliografia estão por exemplo: As
Meninas (1656), Vênus ao Espelho (1644-48), Retrato de Felipe IV, Retrato do Conde-Duque de
Olivares, Infanta Margarida da Áustria, Cristo na Casa de Marta e Maria (1619), A Forja de Vulcano
(1630), A Rendição de Breda (1634), A Coroação da Virgem, Os Bebedores (1628), As Fiandeiras e
Santa Rufina.
20
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Francis Bacon, disponível em: http://geometricasnet.files.wordpress.com/2009/04/bacon1.jpg
Francis Bacon nasceu em Dublin, Irlanda, no dia 28 de outubro de 1909 e
faleceu em Madrid, Espanha, no dia 28 de abril de 1992 aos 83 anos de idade. Filho de
pais ingleses e amigo de Lucien Freud, o neto pintor de Sigmund Freud, sua vida foi
marcada pelo nazismo na Alemanha, pelo homossexualismo, pela asma e pelo
alcoolismo. Era um pintor autodidata e foi considerado durante muito tempo ‘como um
artista marginal e maldito, por ser provocador, obsceno e anticonformista’23, diz Beatriz
Siqueira. Em 1925 vai para Londres onde começa a trabalhar como decorador de
interiores, no ano seguinte começa a fazer desenhos e aquarelas, os primeiros óleos
datam apenas de 1929. Realiza suas primeiras exposições entre 1933 e 1937 em parceria
com outros pintores, mas acaba destruindo a maior parte de suas obras e se afasta do
público até 1945, quando volta a expor e obter reconhecimento. Foi muito influenciado
por Picasso e Van Gogh, mas buscava inspiração em Velázquez e Rembrandt.
Agradava-lhe também as figuras nuas de Eadweast Muybridge. Ainda segundo Beatriz
Siqueira, Bacon ‘questiona não só a imagem, mas a própria pintura enquanto arte de
representação, pois considera a imagem como sendo mais importante que a beleza do
quadro’24. É na deformidade e na figuração do disforme que Bacon se torna anticlássico, certamente é um dos mais relevantes artistas pós Segunda Guerra Mundial.
23
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da imagem. In
Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007. P. 52
24
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da imagem. In
Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007. P. 52
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Gilles Deleuze aponta três forças principais que agem nas obras de Bacon:
isolamento, deformação e dissipação. A primeira aparece na figura como corpo
trancado, a segunda na recusa do rosto e da pele orgânica e a terceira no riso histérico da
figura25. Inês Gil comenta que a forma final de suas figuras é descoberta por acidente, o
pintor afasta-se do representativo utilizando-se da abstração, seu ponto de partida é a
sensação que a obra vai causar. Sensação que está ligada à ação de forças invisíveis no
corpo e tornam os corpos de Bacon deformados26. Beatriz Siqueira é mais direta e diz
que ‘suas imagens são uma tentativa de fazer a coisa figurativa atingir o sistema
nervoso de uma maneira mais violenta, mais penetrante’27. E continua:
A estética de Bacon é difícil, porque, nela, algo da verdade se revela, sem
apaziguamento. Bacon atira-nos o real na cara, retrata a brutalidade dos fatos
e a violência íntima das coisas reais. O efeito de suas distorções é o de burlar
a rotina do olhar, capturando inesperadamente o espectador e fazendo do
aversivo algo convidativo ao olhar. 28
É o próprio caos do ateliê de Francis Bacon que lhe inspira imagens e o guia
através do acaso de suas imagens acidentais, que não sofrem modificações do
pensamento consciente. Mas o pintor assume em entrevista a David Sylvester que:
‘Existe sempre um sentimento de morte nas pessoas quando elas vêem meus quadros...
Talvez eu carregue esse sentimento de morte o tempo todo... Sempre me surpreendo
quando acordo de manhã’29. As figuras de Bacon geram nos observadores um misto de
êxtase e angústia por não possuírem tendência ao sublime30, diz Michael Leiris, é quase
insustentável contempla-las. Suas imagens atingem o sistema nervoso com violência e
penetração.
25
DELEUZE, Gilles. Francis Bacon, logique de la sensation. Paris: La Différence, 1981.
GIL, Inês. A Desfiguração da Imagem: os filmes de Bill Morrison e a pintura de Francis Bacon. In:
Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 – 8 Setembro 2007,
Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho). P. 2951
27
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da imagem. In
Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007. P. 52
28
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da imagem. In
Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007. P. 54
29
SYLVESTER, David. Entrevistas com Francis Bacon, a brutalidade dos fatos. Cosac e Naify Edições
LTDA, 1995. P. 78
30
LEIRIS, Michael. Francis Bacon. Ediciones Polígrafa. P. 17.
26
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Francis Bacon, Study after Velazquez II, disponível em
http://silencio.weblog.com.pt/images/eyes/FrancisBaconStudy_after_Velazquez_II_(1950).GIF
A maior das obsessões de Bacon é a imagem do grito, chega a comprar um livro
sobre doenças da boca com imagens coloridas e fica admirado com as cores. O reflexo
desses estudos se dá nos trabalhos feitos sobre o quadro Inocêncio X, de Velázquez.
Bacon assume que quando começou a pintar estava muito influenciado pelo retrato do
papa e depois de ver o filme d’Eisenstein (Lê Cuirassé Potemkine) ficou muito tocado
pela imagem da enfermeira que grita e chora e então passou a pintar um papa que o
instigava a gritar31, como conta Paula André. O pintor realiza uma séria de estudos
trabalhando a partir de modelos fotográficos, preto e banco e coloridos, colecionava
livros com reprodução da pintura de Velázquez, entretanto só foi ver de perto o quadro
original dois anos antes de sua morte, 1990. Começou as pinturas ainda em 1949,
iniciando-se por um estudo da cabeça e seguindo por outros três durante 1950 que
31
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações; citações. In:
Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008. P. 403
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
seriam todos expostos na Galeria Hanôur no mesmo ano, mas Bacon os destruiu antes
da inauguração32.
Francis Bacon, Study for the Head of a Screaming Pope, 1952. Disponível em
http://blog.uncovering.org/archives/2008/06/os_papas.html
Os papas de Bacon estimulam nosso olhar e também nosso ouvido pelo seu
grito, levando-nos para perto de um universo transcendental. Os traços violentos que
representam o papa Inocêncio X projetam o espectador numa atmosfera onde domina a
‘sensação’ da morte causada pela apreensão de ser engolido pelo buraco escuro da boca
do papa. Para Inês Gil ‘a instabilidade formal criada pelas linhas verticais remete o
espectador na sua condição efêmera e no seu pavor da morte’ 33. Para a psicanálise há
também a força do invisível que, em Inocêncio X, diagramam a corporalidade e sua
subjetividade, todo o corpo parece escapar pela boca do papa. Segundo Luiz Gonçalvez
Boggio, Bacon busca fazer visível o invisível através de outras formas de representação
32
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações; citações. In:
Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008. P. 403
33
GIL, Inês. A Desfiguração da Imagem: os filmes de Bill Morrison e a pintura de Francis Bacon. In:
Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 – 8 Setembro 2007,
Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho). P. 2995
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
e movimento34. E Inês Gil completa lembrando que ‘é a iminência da transfiguração que
se exprime a partir da sensação do movimento’35. Tudo se passa num ambiente que
lembra uma caixa que representa o lugar imaginário do observador como se fosse
prolongamento de seu ângulo de perspectiva. São seres solitários, atormentados e
encarcerados. Beatriz Siqueira comenta que ‘a intenção de sua pintura é a distorção do
objeto até um nível muito além da aparência, e, na distorção, voltar a um registro da
aparência’36. As duas imagens abaixo são as mais famosas representações de Bacon
sobre o retrato de Inocêncio X, sobretudo a segunda:
Francis Bacon, Study after Velazquez I, 1950. Disponível em
http://blog.uncovering.org/archives/2008/06/os_papas.html
34
BOGGIO, Luiz Gonçalves. Fazer Visível o Invisível. In: Seminário Diferenças Metodológicas entre a
Análise Reichiana e a Análise Bioenergética.
35
GIL, Inês. A Desfiguração da Imagem: os filmes de Bill Morrison e a pintura de Francis Bacon. In:
Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 – 8 Setembro 2007,
Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho). P. 2957
36
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da imagem. In
Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007. P. 58
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Francis Bacon, Study after Velazquez's Portrait of Pope Innocent X, 1953. Disponível em
http://blog.uncovering.org/archives/2008/06/os_papas.html
Francis Bacon realizou uma série de estudos sobre o retrato do papa, além das
imagens mostradas acima incluem-se ainda representações que unem o papa com a
questão da carne, outra temática muito comum em Bacon. O pintor sentia-se atraído por
sua coloração e eventual deformidade, não perde a oportunidade de ligar tal temática ao
retrato do papa, como se pode ver a seguir:
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Francis Bacon, Figure with Meat, 1954. Disponível em
http://blog.uncovering.org/archives/2008/06/os_papas.html
Francis Bacon, Study for Portrait II. Disponível em
www.elpais.com/recorte/20070208elpepucul_4/LC
Na primeira imagem Bacon envolve o papa, que já é angustiado e aflito, em um
ambiente carniceiro que não é dado de forma aleatória. Temos o choque ao nos
depararmos com a construção da imagem, que submete o personagem enclausurado a
uma sensação de fraqueza maior ainda pela própria fragilidade da matéria. Enquanto
isso, na segunda imagem é a própria matéria orgânica do papa que é exposta, mas o fato
que talvez nos cause menos incômodo seja a típica representação do rosto de forma não
clara, só que desta vez sem nos atordoar com seus gritos silenciosos. Embora haja o
desfavorecimento e a desfiguração do rosto é justamente isso que parece nos amenizar
de seu sofrimento.
As outras duas representações abaixo se enquadram num grupo diferenciado,
que exploram ainda uma movimentação mais acentuada do personagem em relação ao
quadro original de Velázquez. Na primeira o movimento é mais brando, o papa move
suavemente seus braços de forma com que permita fazer encontrar suas mãos. Das
características de Bacon que marcam as outras representações, apenas a desfiguração do
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
rosto se apresenta na mesma linha. Embora haja marcas de verticalidade na vestimenta
do personagem, elas não são tão marcantes ou impactantes como em outros casos.
Assim como o grito que também não intensifica a dor em tal pintura. Nesse caso
especialmente o que nos chama mais atenção é a proporção da área escura do quadro, o
que nos dá uma sensação de tamanho enclausuramento do papa, como que recolhido a
sua solidão invariável, que não lhe resta força para o grito, parece já ter sido engolido
pelo buraco negro outrora representado por Bacon na boca do mesmo personagem.
Enquanto isso, a segunda representação abaixo já expressa um movimento mais
drástico e desesperado, como se o papa fugisse de algo ou se descontrolasse em
tamanho desespero. Nesta imagem predominam os tons escuros que se confundem entre
o papa e o ambiente, contrastados apenas pelas marcas do ouro e a pelo do indivíduo. O
interessante é notar que muito embora Bacon utilize novamente o recurso da recusa do
rosto, sua distorção, o resultado alcançado ainda nos causa uma sensação de medo no
personagem, como se o mesmo se amedrontasse com algo à sua frente ou mesmo,
voltando às idéias do envolvimento em uma caixa, se perdesse no sofrimento de sua
solidão imposta.
Francis Bacon, Estudo para um Papa IV (1961). Disponível em
http://4.bp.blogspot.com/_pD2gICHepc/SAn8I8dpzXI/AAAAAAAADJE/pT_K7Uz3VAo/s400/Estudo+para+um+Papa+IV
+(1961).jpg
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
Francis Bacon, Study for Portrait VIII, 1953. Disponível em
http://blog.uncovering.org/archives/2008/06/os_papas.html
Mais tarde, Francis Bacon lamentou ter pintado suas versões do quadro de
Velázquez, considerou-se estúpido, pois qualificou a obra original como impecável, mas
assumia que o retrato de Inocêncio lhe causava obsessão37. De toda forma seus estudos
sobre o quadro foram sucesso de crítica pela visão da sociedade contemporânea que se
faz externar nos mesmos, com suas angústias e aflições.
Conclusão
O que podemos observar aqui é um diálogo entre dois pintores separados por
300 anos. Enquanto Diego Velázquez nos encanta com a beleza de seu quadro,
esbanjando suavidade com uma imagem quase real, o contemporâneo Francis Bacon
oferece, nas palavras de Luís Carlos Nogueira, ‘uma realidade sublimada e suja pela
provocação da morte e da deterioração’38.
37
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações; citações. In:
Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008. P. 402
38
NOGUEIRA, Luís Carlos. Francis Bacon: corpos, esgares e silêncios. Recensio – Revista de Recensões
de Comunicação e Cultura, junho 1999. P.2
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
O fio condutor nas obras é o retrato, sobre o qual Enrico Castelnuovo diz:
O retrato não foi conhecido nem praticado em todos os tempos ou todos os
lugares, mas constituiu durante séculos um dos gêneros artísticos mais
difundidos e procurados, quer se tratasse de fazer-se representar, quer se
quisesse ter a imagem de pessoas queridas ou de personagens poderosos.39
De fato o retrato no Renascimento mostrou-se como gênero de pintura muito
marcante e presente e Diego Velázquez soube bem explorar isso. Todavia o que Francis
Bacon faz no século XX é construir uma nova concepção para a idéia de retrato. Através
de suas releituras de Inocêncio X, o pintor não exalta a figura do retratado, poderoso e
imponente como outrora, mas o que podemos ver como retratada na imagem é a figura
da nova sociedade, a qual acabara de passar por duas guerras mundiais e conhecera
novas angústias e aflições que não eram imaginadas. Desta forma, entendemos que o
objeto que é verdadeiramente retratado nas obras de Bacon não se encontra mais na
própria imagem, mas fora dela. Cabe lembrar que o pintor gostava de expor suas telas
sobre lâminas espelhadas para que o observador se visse enquanto vítima também da
aflição de seus papas, reforçando a perspectiva da sensação que foi dita ao longo do
texto de atingir o sistema nervoso. Paula André diz que na opinião de Bacon os retratos,
ou fotografias, ‘podem converter-se não só em ponto de referência, mas também em
disparadores de idéias’40.
No tocante do diálogo entre os autores é satisfatório notar aqui a potencialidade
retratística de cada um deles em cada época. Concordamos com Paula André quando diz
que a ‘variação artística é uma forma de compreender a pintura de um mestre e
simultaneamente uma forma de libertação através da criação’41. Mas além disso, não se
trata apenas de glorificar mais ainda a obra consagrada de um pintor, e sim entender
novas situações através dela. Bacon sabe bem se libertar da fidelidade dos traços e do
significado exposto na própria obra, foge como pode da pintura de história.
A grandeza da pintura de Diego Velázquez não é duvida para ninguém, seu
nome está escrito em letras maiúsculas na história da arte. Francis Bacon é um artista
recente que mostrou no último século sua concepção de obra de arte, os estudos sobre o
39
CASTELNUOVO, Enrico. Retrato e Sociedade na Arte Italiana: ensaios de história social da arte. São
Paulo: Companhia das Letras, 2006. P. 7
40
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações; citações. In:
Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008. P. 402
41
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações; citações. In:
Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008. P. 403
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
mesmo começam aparecer agora, mas não podemos negar sua personalidade e
importância através de pinceladas tão diferentes da do espanhol, que representam
angústias e aflições de uma nova época.
Bibliografia
ANDRÉ, Paula. A Lição da Pintura Pela Pintura: variações; paráfrases; apropriações;
citações. In: Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, n°40, jul/dez 2008.
BOGGIO, Luiz Gonçalves. Fazer Visível o Invisível. In: Seminário Diferenças
Metodológicas entre a Análise Reichiana e a Análise Bioenergética.
BROWN, Jonathan. Velázquez. Paris: Fayard, 1988.
CASTELNUOVO, Enrico. Retrato e Sociedade na Arte Italiana: ensaios de história
social da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
DELEUZE, Gilles. Francis Bacon, logique de la sensation. Paris: La Différence, 1981.
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores: história dos papas. São Paulo: Cosac e Naify,
1998.
GÁLLEGO, Julián. Diego Velázquez. Barcelona: Anthropos editorial del hombre, 1988.
GIL, Inês. A Desfiguração da Imagem: os filmes de Bill Morrison e a pintura de Francis
Bacon. In: Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da
Comunicação 6 – 8 Setembro 2007, Braga: Centro de Estudos de Comunicação e
Sociedade (Universidade do Minho).
HARRIS, Enriqueta. Velázquez. Madrid: Akal Ediciones, 2003.
LEIRIS, Michael. Francis Bacon. Ediciones Polígrafa.
MARINI, Maurizio. Velázquez. Milano: Electo, 1997.
NOGUEIRA, Luís Carlos. Francis Bacon: corpos, esgares e silêncios. Recensio –
Revista de Recensões de Comunicação e Cultura, junho 1999.
ESTUDIOS HISTORICOS – CDHRP- Año III - Julio 2011 - Nº 6 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay
RODRIGUES, Paulo Simões. Do Sentido das Ecuménides Em Francis Bacon. Boletim
de Estudos Clássicos – 39.
SIQUEIRA, Beatriz Elisa Ferro. Francis Bacon: um grito suspenso na distorção da
imagem. In Psicanálise & Barroco – Revista de Teoria Psicanalítica, v. 07, 06/2007.
SYLVESTER, David. Entrevistas com Francis Bacon, a brutalidade dos fatos. Cosac e
Naify Edições LTDA, 1995.
Fly UP