...

Imprimir artigo - Revista Entrepalavras

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Imprimir artigo - Revista Entrepalavras
344
Entrepalavras - ISSN 2237-6321
RESENHA
VARGENS, J. B. de M. Léxico português de origem árabe: subsídios para
os estudos de filologia. Rio Bonito: Almádena, 2007. 272 p.
Samantha MARANHÃO1
Palavras-chave: Arabismos Portugueses; Português Brasileiro; Lexicografia.
Keywords: Portuguese Arabisms; Brazilian Portuguese; Lexicography.
Verificou-se, na Linguística brasileira, a retomada dos estudos
histórico-diacrônicos a partir da década de 1980, após 30 anos de
predominância de estudos sincrônicos, tornando-se, hoje, a constituição
e a configuração atual do português brasileiro objetos de numerosos
estudos (MATTOS E SILVA, 1999, p. 147-148), dentre os quais o da
contribuição lexical de línguas africanas à variedade americana da língua
portuguesa (PESSOA DE CASTRO, 2005; BONVINI, 2009). No campo
da Sociologia, a presença do elemento árabe na formação do povo
brasileiro e as causas da relativamente rápida integração do imigrante
sírio ou libanês à sociedade receptora também são alvos de investigação
(AL-MOOR, 2010, p. XX). Desta forma, pode-se afirmar que o tema dos
arabismos portugueses, considerando-se novas abordagens teóricometodológicas e a revisão do entorno sócio-histórico do contato entre
a língua corânica e a língua portuguesa, não se esgotou, cabendo,
ainda, novas pesquisas, como ilustra a obra Léxico Português de Origem
Árabe: Subsídios para os estudos de Filologia (VARGENS, 2007).
Publicada em 2007 pela editora Almádena, de Rio Bonito (Rio de
Janeiro), o Léxico Português de Origem Árabe é um importante produto
lexicográfico na área da Filologia Árabo-Românica, tanto por tratar-se
de obra especializada quanto pela formação do seu autor, o professor
João Baptista de Medeiros Vargens, cuja vida profissional foi dedicada
ao estudo da língua árabe e de culturas arabófonas. Ele foi professor
do Setor de Estudos Árabes da Universidade Federal do Rio de Janeiro
(1975-2006), onde se graduou em Letras Árabe/Português (19711974) e também se especializou em língua árabe (1976-1977). Na
Universidade de Damasco, na Síria, especializou-se em poesia palestina
contemporânea (1978-1979), e, na Universidade Abdul Malik Assuad,
1
Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará, professora adjunta de Filologia
Latina e Portuguesa do Departamento de Letras da Universidade Federal do Piauí. Teresina-PI.
[email protected]
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
345
Samantha MARANHÃO
no Marrocos, foi professor visitante de língua portuguesa e de cultura
brasileira (1992-1994). Realizou pesquisa de doutoramento sobre
arabismos portugueses na Universidade de Lisboa, trabalho do qual
resulta o seu “dicionário de arabismos”. Sua experiência no âmbito da
Lexicografia se estende à colaboração no Dicionário Árabe-Português/
Português-Árabe publicado por Nagib Sabbagh pela editora Ao Livro
Técnico em 1988, e no Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, obra
por cujos verbetes de arabismos é o responsável. Em 2007, fundou a
Editora Almádena, com o objetivo de divulgar culturas árabe-islâmicas
e culturas lusófonas.
No que respeita ao seu plano geral, o Léxico Português de Origem
Árabe se divide em 03 partes, a primeira das quais apresentando
informações gerais sobre a presença de arabismos na língua portuguesa
e informações teórico-metodológicas para consulta à obra (p. 27 a 77);
a segunda traz arabismos portugueses (p. 79 a 220) e a terceira, os
principais campos semânticos em que se organizam, a par de uma
análise quantitativa dos termos ali dicionarizados, um índice geral
destes e referências bibliográficas (p. 221 a 272).
Já na primeira parte, o Léxico Português de Origem Árabe
informa a necessidade de se revisarem os arabismos portugueses, o
que justificou a sua tese de doutoramento, (VARGENS, 2007, p. 27) e
cita a via brasileira de introdução de arabismos na língua portuguesa,
inaugurada quando da importação de afro-muçulmanos como mão-deobra escrava do Oeste Africano, a que se seguiu a imigração árabe,
inicialmente síria e libanesa (VARGENS, 2007, p. 29 a 41).
A segunda parte do Léxico Português de Origem Árabe é
formada por 769 verbetes que trazem a lexia que lhes serve de entrada,
informações gramaticais, etimologia, acepções, variantes, variantes
arcaicas, datação, abonação datada, e, como subentradas, formas
derivadas para as quais se apresentam informações gramaticais e
acepção. Quando necessário, incluem-se observações sobre a evolução
semântica do arabismo, sobre particularidades no uso atestado pela
abonação textual ou sobre a área geográfica em que o vocábulo ocorre.
A terceira parte do Léxico Português de Origem Árabe
apresenta 17 campos semânticos e categorias gramaticais em que os
arabismos portugueses se organizam, com a cronologia da aquisição:
a administração pública (justiça, penas, impostos, tarifas, títulos de
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
346
Entrepalavras - ISSN 2237-6321
nobreza e honoríficos); a guerra (o exército, a marinha, as armas, a
náutica); a vida social e as relações sociais (religião, mitos, filosofia,
profissões, doenças, medicamentos, língua); a vida privada (corpo,
mobiliário, vestuário, alimentação e utensílios); nomenclatura rural
e urbana (casa, transportes, acidentes geográficos, astronomia,
astrologia, fenômenos da natureza, meses do ano); a flora; os recursos
naturais, a química; a fauna, a pesca, a pecuária; a agricultura; os
pesos e medidas, a moeda, a matemática; o comércio e a indústria; as
dinastias, as etnias, os gentílicos; as cores; os adjetivos; os instrumentos
gramaticais; os verbos e, enfim, as saudações (VARGENS, 2007, p. 221225). Esta parte traz, ainda, um quadro com a quantificação de itens
dicionarizados por campo e por século (datação do primeiro registro
na língua) (VARGENS, 2007, p. 226) e do índice geral dos vocábulos
dicionarizados, com tipos gráficos específicos para identificação daqueles
que constituem entrada principal (VERSALETE), variantes (itálico) ou
palavras e expressões variadas (redondo) (VARGENS, 2007, p. 227260).
Nas referências indicam-se 281 títulos, 272 em línguas ocidentais
e 09 em árabe,2 das áreas da Linguística, da Filologia, da Literatura, da
História e da Sociologia. Dentre elas, figuram conceituados dicionários
de língua e de etimologia e as principais obras, clássicas ou modernas,
sobre arabismos (VARGENS, 2007, p. 261-272).
A importância do Léxico Português de Origem Árabe para a
Filologia Árabo-Românica em geral e para os estudos lexicológicos e
lexicográficos no Brasil está na dicionarização de arabismos ibéricos
introduzidos no país com a colonização, para os quais aponta usos
próprios do português brasileiro, de diferentes variedades e normas
linguísticas, de cunho morfológico ou semântico, demonstrando a
produtividade que comprova a sua efetiva integração ao sistema
lexical português. Vejam-se os exemplos a seguir (os arabismos estão
sublinhados):
Tradução da bibliografia em árabe, fornecida pelo autor: AL-BUSTANI, B. Oceano do oceano.
Beirute: Editora do Líbano, 1983; Al - BUSTANI, F. A. Guia dos estudantes. Beirute: Casa
do Oriente, 1975; AL-JARR, K. Dicionário árabe moderno Larousse. Paris: Larousse, 1973;
AS-SAFRUSNI, I. Introdução aos fonemas. Casablanca: Casa Tuqal, 1987; AL-IASUAAI, R.
N. Tesouros da Língua Árabe. Beirute: Casa do Oriente, 1983; HASSAN, T. Os fonemas.
Casablanca: Casa da Cultura, 1981; SIBAUAIH. Livro de Sibauaih. Beirute: Mundo dos Livros,
1975; FLAICH, H. O árabe clássico. Beirute: Casa do Oriente, 1986; KAMAL, M. B. Estudo
Geral da língua: os fonemas. Cairo: Casa do Conhecimento, 1980. VARGENS, J. B. de O.
Tradução da bibliografia em árabe [e-mail]. Mensagem recebida por: <[email protected]
bol.com.br> em: 16 mar. 2009.
2
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
347
Samantha MARANHÃO
jasmim-de-cachorro. s.m. Bras. S.P. Fezes caninas secas; jasmim-do-campo
(VARGENS, 2007, p. 175);
jasmim-do-campo s.m. Bras. NE e M.G. Jasmim-de-cachorro (VARGENS, 2007, p.
175);
ter lacraia no bolso Bras. fam. Ser avarento, miserável (VARGENS, 2007, p. 177);
matraca s.f. 4. Bras. Tagarela. 6. Bras. Gír. Metralhadora. 7. Bras. Gír. Qualquer tipo
de arma de fogo (VARGENS, 2007, p. 184-185);
matraquear v. intr. 3. Bras. Conversar fiado (VARGENS, 2007, p. 185);
tarado adj. 4. Bras. Que é sexualmente devassado. 5. Bras. Gír. Fascinado;
apaixonado (VARGENS, 2007, p. 209);
tarar v.i. 3. Bras. Apaixonar-se. 4. int. Bras. Gír. Agir como tarado (3 ‘anormal,
desequilibrado’ e 4) (VARGENS, 2007, p. 209);
tarimba s.f. 4. Bras. Larga experiência; grande prática (VARGENS, 2007, p. 210);
tarimbado adj. Bras. Que tem experiência (VARGENS, 2007, p. 210);
tripa s.f. 2. Bras. NE pop. Linguiça (VARGENS, 2007, p. 211);
Xaropada s.f. 3. Bras. Coisa enfadonha (VARGENS, 2007, p. 218);
Zero-quilômetro Bras. adj.2g e 2n. 1. Diz-se do veículo novo. 2. Por. ext. Diz-se de
alguma coisa ainda não usada (VARGENS, 2007, p. 220).
Os exemplos apresentados são vocábulos de diferentes classes
gramaticais (substantivos, adjetivos, verbos), com composições variadas
(formas básicas, como tripa, tarimba e matraca; formas derivadas,
a exemplo de matraquear, tarado, tarar, tarimbada e xaropada;
formas compostas, como ilustram jasmim-de-cachorro, jasmim-docampo e zero-quilômetro), bem como unidades fraseológicas,(ter
lacraia no bolso) de uso generalizado no país (Bras.) ou próprio de
uma região (NE, MG, SP), integrantes de uso diferenciado também
quanto ao contexto de comunicação (familiar, gíria, popular). Desta
forma, o Léxico Português de Origem Árabe se torna obra de referência
obrigatória no estudo da vitalidade dos arabismos ibéricos no português
brasileiro e complementa o Diccionario de arabismos y voces afines
en iberorromance (CORRIENTE, 2003), cujo objeto são arabismos
ibéricos e, por isso, apresenta menor número de informações acerca de
arabismos em variedades latino-americanas das línguas peninsulares.
O Léxico Português de Origem Árabe documenta maior número
de arabismos introduzidos no português brasileiro por escravos
islamizados, os quais foram numerosos, sobretudo na cidade de
Salvador e arredores, no século XIX (PESSOA DE CASTRO, 2005, p. 47).
Com efeito, comparando-se o registro de tais arabismos do português
brasileiro no Léxico Português de Origem Árabe, nos dicionários gerais
Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (FERREIRA, 2010), no Dicionário
Houaiss da Língua Portuguesa (HOUAISS & VILLAR, 2001) e no DICMAXI
Michaëlis Português: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa (da
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
348
Entrepalavras - ISSN 2237-6321
Editora Michaëlis, 1998),3 observou-se que: o Léxico Português de
Origem Árabe é a obra que registra o maior número de itens léxicos. São
24 vocábulos (entre parênteses figura(m) variante(s)), a saber: açubá
(açuaba, açuba), adixá (adiçá, lixá), aiassari (aiá-sari, ay-á-sári, ay-asary), ailá (ai-lá, ali-alá, ali-lá), alicali (ali-calá, ali-cali, ali-cáli, alikali,
alikaly), aligenum (ali-enu, eligenu), alimangariba (alimangári, alumagariba, magáriba, mangariba), alufá, amim (al-amin, al-min), assumi
(açáummi, açúmi, assumy), azaca (az-zaca), barica da subá, bissimilai
(bi-si-mi-lai), djema, fazer sala, jihad (jihád, jihêd), lemano (limano,
lemane, lamane, almámy, el-imámy, imã), maçalassi (massalassi, maça-la-si), malê, maneco iassalama, mussurumim, sacá (saká, sara),
salamaleco e tecebá (tessebá, teçubá, tessubá).
Destes, Aurélio registra 15 itens (62,5% do total levantado):
açubá, adixá, aiassari (ai-a-sari), ailá (ai-lá), alicali, alimangariba,
alufá, jihad, lemano (limano, lemane, lamane), malê, muxurumim
(mussurumim), sacá, salá (açalá, azalá, cela, celá), salamaleco e
tecebá (tessubá); Houaiss dicionariza 16 arabismos afro-muçulmanos
(66,6% daqueles encontrados no Léxico): açubá, adixá, aiaçari (ai-asari), ailá, alicali, alufá, amim, assumi, bismela, jihad, lemano (lemane),
malê, muçurumim (muxurumim), sacá, salá (açalá, azalá, cela, celá)
e tessebá (tecebá, teçubá, tessubá) e Michaëlis documenta apenas
10 destes arabismos (41,6% do total): açumi, ai-a-sari, alimangariba,
alufá, lemano (limano, lemane), malê, muxurumim, sacá, salá, e
tecebá (teçubá, teçuda).
Recentemente, um estudo sobre o legado lexical de afromuçulmanos
à
terminologia
da
religiosidade
afro-brasileira
(MARANHÃO, 2013) identificou algumas formas não documentadas no
Léxico Português de Origem Árabe, como 10 itens lexicais constituídos
por baba, que Michaele (1968, p. 78-79) crê tratar-se de empréstimo
árabe ao iorubá, de onde Lopes (2004, p. 86) informa terem chegado
ao português. São eles: bababorixá, babaçuê, babalorixá, babalaxé,
babalaô, babalossâim, babalôtim, babaloxá, babaojê e baba okê
(CACCIATORE, 1988). Encontraram-se, ainda, outras formas, como
ladano (PESSOA DE CASTRO, 2005, p. 262) e a variante ladane (LOPES,
2004, p. 378) ‘muezim’, tomadas por africanismos (de origem hauçá),
com cujos cognatos ibéricos, o esp. almuédano e o port. almoádão
Estas obras são informalmente citadas apenas como Aurélio, Houaiss e Michaëlis,
respectivamente.
3
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
349
Samantha MARANHÃO
se parecem, além de tira, ‘amuleto maometano’, creditado ao hauçá
ou ao árabe, por meio do iorubá (CACIATTORE, 1988; REIS, 2003, p.
607), e amurê, ‘casamento’, que aparece nas hipóteses etimológicas
levantadas por Houaiss (2001) como arabismo, origem indicada por
Renato Mendonça. A não identificação da origem corânica de alguns
arabismos e a atribuição equivocada de origem africana a arabismos
africanos são alguns dos fatos que atestam a necessidade de ainda
se promoverem estudos acerca dos arabismos portugueses, sobretudo
daqueles introduzidos pela chamada via brasileira.
O mesmo se verifica na dicionarização de arabismos adquiridos
por meio de imigrantes sírios ou libaneses. O Léxico Português de
Origem Árabe registra 12 itens léxicos: Baba hanuche (babarranuje),
beleua (belewa), cafta (kafta), esfiha (esfia, esfirra), falafel, homos
(homus), laban, labna, mijadna, quibe (kibe), tabule e tahine. Destes,
o dicionário Houaiss traz 09 arabismos (75% do total das formas
levantadas): Baba-ghanuji, beleua (baclavá, bileua), cafta, esfiha
(esfirra, sfiha), homos (homus, hamus), mijadra (mejadra, mjadra),
quibe, tabule, tahine; o dicionário Aurélio documenta 06 destes itens
(50% deles): Cafta, esfiha (esfirra, esfia), homos (homus), quibe,
tabule, tahine (taíne) e o dicionário Michaëlis, apenas 05 itens (41,66%
do total): Cafta, esfia (esfirra), quibe, tabule, taíne.
Em estudo mais recente, Youssef-Abreu (2005) levantou 207
termos da culinária do mundo árabe, organizados em 11 campos
semânticos, dentre pratos e ingredientes, evidenciando
ser
a
contribuição lexical sírio-libanesa maior, mesmo no que concerne
ao único campo semântico tradicionalmente concebido como seu
depositário, conforme ilustram os termos a seguir: bebidas (áraque);
carnes (auarma, checrie, cheik el mehchi, djêji mahâmara, harira,
merguez, muhâmasa, turdos, umkáli, zanderlárus); condimentos
(zátar, zauba, zhug); doces (ainar, burma, garáib, sambúsik);
frutas (lagmi); gorduras; grãos (basila chiríe, lúbi be záit); laticínios
(chanklich); massas (bastela, chichi, bárake, fatier be jibne, rakakat);
ovos (baid be awarma, ijit hudra) e vegetais (fatuche, full umdamas,
hábis, mufarque, umçaka).
A literatura especializada no tema dos arabismos, quando aborda
a herança lexical árabe no português brasileiro, restringe-a ao campo
da culinária sírio-libanesa. Entretanto, a imigração árabe conheceu
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
350
Entrepalavras - ISSN 2237-6321
uma segunda fase, ainda em curso, caracterizada pela vinda de maior
número de muçulmanos do Oriente Médio. Os hábitos linguísticos destes
imigrantes, na sociedade receptora, ainda não foram analisados, de
modo que não se sabe a extensão e a intensidade do contato entre
as línguas árabe e portuguesa e as inevitáveis interferências dele
advindas (MARANHÃO, 2011). Reitera-se, aqui, portanto, a urgência na
realização de investigações acerca deste contato, para que, como fez
o Léxico Português de Origem Árabe, contribuam para maior acuidade
na dicionarização de arabismos pela Lexicografia brasileira.
Referências
CACCIATORE, O. G. Dicionário de cultos afro-brasileiros: com indicação
da origem das palavras. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1988.
CORRIENTE, F. Diccionario de arabismos y voces afines en iberorromance.
2. ed. ampl. Madrid: Gredos, 2003. [Biblioteca Románica Hispánica, Fundada
por Dámaso Alonso, Diccionarios, 22]
FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua
portuguesa. 3. ed. totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1999.
HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa.
Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
LOPES, N. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. São Paulo: Selo
Negro, 2004.
MARANHÃO, S. de M. Indícios lexicais da presença malê na religiosidade
afro-brasileira. (TCC). Teresina: Universidade Federal do Piauí, 2013.
MARANHÃO, S. de M. O contato luso-árabe no Brasil: um objeto à espera de
investigação. In: Congresso Internacional de Dialetologia e Sociolinguística
(I), 2010. Anais... São Luís: UFMA, 2011.
MICHAËLIS: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo:
Melhoramentos, 1998. (Dicionários Michaëlis)
MONTENEGRO, S. M. Identidades muçulmanas no Brasil: entre o arabismo e
a islamização. Lusotopie, v. 2, p. 59-79, 2002.
NASCENTES, A. Dicionário etimológico resumido. Rio de Janeiro: Instituto
Nacional do Livro/Ministério da Educação e Cultura, 1966.
PESSOA DE CASTRO, Y. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afrobrasileiro. 2.e.d Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.
REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante malê de 1835.
Ed. rev. e ampl. São Paulo: Companhia das letras, 2003.
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
351
Samantha MARANHÃO
VARGENS, J. B. de O. Currículo Lattes. Disponível em: < http://lattes.cnpq.
br/0942235052958932>. Acesso em: 15 mar. 2010.
VARGENS, J. B. de O. Tradução da bibliografia em árabe [e-mail]. Mensagem
recebida por: <[email protected]> em: 16 mar. 2009.
VARGENS, J. B. de M. Léxico português de origem árabe: subsídios para
os estudos de filologia. Rio Bonito: Almádena, 2007.
VARGENS, J. B. de M; LOPES, N. Islamismo e negritude: da África para o
Brasil, da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: UFRJ, 1982.
VASCONCELOS, C. M. de. Lições de filologia portuguesa. Lisboa: Revista
de Portugal, 1956.
VIEIRA, J. D. Dicionário de termos árabes da língua portuguesa.
Florianópolis: EDUFSC, 2006.
YOUSSEF-ABREU, M. Um estudo terminológico monolíngue do
vocabulário da culinária árabe. (Dissertação de Mestrado). Londrina:
Universidade Estadual de Londrina, 2005.
Recebido em 17 de junho de 2013.
Aceito em 07 de outubro de 2013.
Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v. 3, n. 2, p. 344-351, ago/dez 2013
Fly UP