...

Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de
INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA
ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE
LISBOA
O IMPACTO DO RUÍDO NA QUALIDADE
DE VIDA DOS ENFERMEIROS DE
CUIDADOS INTENSIVOS
AUTORA: CRISTINA ESMÁLIA GOUVEIA ALVES
ORIENTADORA: PROF. DOUTORA MARGARIDA SANTOS
Mestrado em Segurança e Higiene do Trabalho – Edição Especial
Lisboa, 2012
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA
ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE
LISBOA
O IMPACTO DO RUÍDO NA QUALIDADE
DE VIDA DOS ENFERMEIROS DE
CUIDADOS INTENSIVOS
AUTORA: CRISTINA ESMÁLIA GOUVEIA ALVES
ORIENTADORA: PROF. DOUTORA MARGARIDA SANTOS
JÚRI:
Doutor Florentino Serranheira
Doutor Nelson Costa
Mestrado em Segurança e Higiene do Trabalho – Edição Especial
Lisboa, 2012
2
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
"O ruído faz pouco bem, o bem faz pouco ruído"
(São Francisco de Sales, 1946)
3i
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
AGRADECIMENTOS
Acima de tudo e todos ao Pedro, pela paciência, compreensão, apoio
incondicional e acima de tudo por não me deixar desistir!
A todos os meus amigos, principalmente à Luzia, Elsa, Isa e
Margarida…
À professora Margarida Santos, pela orientação e disponibilidade
dispensada ao longo de todos estes meses.
A todos os enfermeiros que se mostraram disponíveis e motivados a
participar neste estudo.
Um Muito Obrigado a todos!
ii4
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
RESUMO
O presente estudo foi desenvolvido a partir da problemática do ruído, de forma a tentar
perceber o impacto deste na qualidade de vida dos enfermeiros de Cuidados
Intensivos (CI). A população composta por 40 enfermeiros, pertencia a duas unidades
distintas de CI da região de Lisboa.
Baseou-se num estudo quantitativo, exploratório e descritivo, que procurou identificar
se haveria impacto na qualidade de vida dos enfermeiros devido ao ruído que
vivenciavam no seu local de trabalho.
Utilizou-se um questionário como instrumento de recolha de dados, dividido em duas
grandes partes, uma sobre qualidade de vida através do WHOQOL-Bref e outra sobre
o ruído e sua influência na experiência individual e profissional dos enfermeiros de CI.
Para o tratamento dos dados utilizou-se o programa estatístico SPSS versão 17.0.
A amostra revelou-se maioritariamente do sexo feminino (74,4%). A totalidade dos
inquiridos considera haver ruído no seu local de trabalho, argumentando 64,1% que a
presença desse mesmo ruído é excessiva, e portanto reconhecendo a importância do
ruído na saúde e bem-estar bem como as suas repercussões a nível da sua qualidade
de vida. É de relevar que mais de metade dos indivíduos (61,6%) referiu sonhar com
alarmes e ficar mais stressado/irritado com a presença do ruído. Os valores obtidos
nos domínios do WHOQOL-Bref, mostram que estão acima da faixa de neutralidade,
com tendências à valorização positiva, traduzindo qualidade de vida satisfatória, ou
seja, pouco impacto negativo ou ausência de impacto negativo dos domínios na
qualidade de vida. No entanto, a correlação dos domínios com o ruído foi evidenciado
que os enfermeiros na presença de ruído têm uma diminuição da sua qualidade de
vida.
Palavras-Chave: Unidade de Cuidados Intensivos; Ruído; Qualidade de Vida;
Enfermagem
5iii
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ABSTRACT
The current study, based on the problem of noise was developed with the intent to
understand its impact in the quality of life of Intensive Care Units staff. For the purpose
of this study, was used a sample population of 40 nurses from two different Intensive
Care Units in Lisbon area.
The project was based on a quantitative, descriptive and exploratory study and had the
goal of determining whether there was an impact in the quality of life of the nurses due
to the exposure to high levels of noise in their work place.
A survey, divided in two main parts, was used as an instrument for data collection. One
part about the quality of life using the WHOQOL-Bref method and a second part related
to the noise and its influence in the individual and professional experience of the
Intensive Care nurses. SPSS version 17.0 was the selected tool for data analysis.
The sample consisted in its majority of population of the feminine sex (74,4%). All the
surveyed individuals reported some level of noise in their workplace, with the large
majority considering these noise levels excessive (64,1%), thus recognising the
importance of this factor in their health and well-being as well as the direct impact in
their quality of life. It is worth noting that 61,4% of the people alluded to the presence of
alarms in their dreams and the fact they experienced increased levels of stress and
anxiety in the presence of noise. The results obtained using the WHOQOL-Bref method
show levels beyond the neutral point with a tendency to positive valuation resulting in a
satisfactory quality of life, ie, litle or no negative impact in terms of quality of life.
However, in the correlation of the domains with the noise was evident that nurses have
a reduction in their quality of life when the noise is present.
Key-words: Intensive Care Units; Noise; Quality of Life; Nursing
6
iv
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ÍNDICE GERAL
1. INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------- 12
2. ENQUADRAMENTO TEÓRICO ---------------------------------------------------------- 15
2.1 Som e Ruído ------------------------------------------------------------------------------ 15
2.2 Qualidade de Vida ----------------------------------------------------------------------- 19
2.2.1 Instrumentos de Avaliação da Qualidade de Vida ------------------- 23
2.3 Enfermagem de Cuidados Intensivos ---------------------------------------------- 25
2.4 Ruído em Cuidados Intensivos ------------------------------------------------------- 27
2.5 Relação entre Ruído e Qualidade de Vida ---------------------------------------- 32
2.6 O Ruído e a Qualidade de Vida para a Higiene e Segurança do Trabalho -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 34
3. OBJECTIVOS -------------------------------------------------------------------------------- 36
4. METODOLOGIA ----------------------------------------------------------------------------- 37
4.1 Tipo de estudo --------------------------------------------------------------------------- 37
4.2 População e Amostra ------------------------------------------------------------------ 37
4.3 Local onde se implementou o estudo ---------------------------------------------- 38
4.4 Instrumento de recolha de dados ---------------------------------------------------- 40
4.4.1 Pré-teste ----------------------------------------------------------------------- 41
4.5 Procedimento ---------------------------------------------------------------------------- 42
5. ANÁLISE DE DADOS ---------------------------------------------------------------------- 43
6. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ---------------------------------------------- 45
6.1 Caracterização da amostra ----------------------------------------------------------- 45
6.2 Resultados relativos ao objectivo “Determinar a percepção dos enfermeiros
que constituíram a amostra em relação a: existência de ruído;
consequências do ruído e fontes de ruído” ---------------------------------------- 46
6.3 Resultados relativos ao objectivo “Determinar a percepção dos enfermeiros
que constituíram a amostra, acerca da influência do ruído em contexto
profissional na sua qualidade de vida” --------------------------------------------- 50
6.4 Resultados relativos ao objectivo “Correlacionar o grupo etário e a
experiencia profissional (nº de anos) com as diferentes “vivências
individuais
dos
enfermeiros”
em
contexto
profissional
e
com
as
classificações atribuídas às diferentes fontes de ruído” ----------------------- 51
v7
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
6.5 Resultados relativos ao objectivo “Avaliar a Qualidade de Vida dos
enfermeiros que constituem a amostra” ------------------------------------------- 54
6.6 Resultados relativos ao objectivo “Correlacionar a Qualidade de Vida dos
enfermeiros com as variáveis demográficas, com a percepção das
consequências do ruído e com a caracterização do mesmo em UCI´s” --- 55
6.7 Resultados relativos ao objectivo “Identificar estratégias de redução do
ruído nas UCI’s utilizadas pelos enfermeiros da amostra em estudo”------ 59
7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS ----------------------------------------------------- 60
8. CONCLUSÕES ------------------------------------------------------------------------------ 67
9. SUGESTÃO DE ESTRATÉGIAS PARA REDUZIR O RUÍDO NAS UCI´S COM
VISTA À PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA DOS PROFISSIONAIS ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 68
10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ---------------------------------------------------- 70
11. ANEXOS --------------------------------------------------------------------------------------- 79
ANEXO I – Domínios da Qualidade de Vida ------------------------------------------- 80
ANEXO II – Consentimento para uso do WHOQOL-Bref --------------------------- 83
ANEXO III – Questionário aplicado aos Enfermeiros -------------------------------- 85
ANEXO IV – Pedido de autorização de aplicação de questionários às Direcções
e chefias dos serviços ------------------------------------------------------ 96
8
vi
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ÍNDICE DE TABELAS
Tabela 6.1 – Características sócio-demográficas da amostra ------------------------------ 45
Tabela 6.2 – Características da experiência profissional em UCI da amostra ---------- 46
Tabela 6.3 – Percepção dos enfermeiros quanto ao ruído na UCI ------------------------ 47
Tabela 6.4 – Percepção dos enfermeiros quanto às consequências do ruído ---------- 47
Tabela 6.5 – Caracterização do ruído pelos enfermeiros ------------------------------------ 48
Tabela 6.6 – Classificação dos enfermeiros quanto à intensidade das fontes de ruído
na UCI ----------------------------------------------------------------------------------- 48
Tabela 6.7 – Avaliação de Qualidade de Vida e nível de audição pelos enfermeiros ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 50
Tabela 6.8 – Vivências individuais dos enfermeiros em casa e em contexto de trabalho
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 51
Tabela 6.9 – Correlação entre “grupo etário” e “experiencia profissional” (nº de anos) e
as diferentes “vivências individuais dos enfermeiros” ------------------------ 52
Tabela 6.10 – Correlação entre “experiência profissional”, “grupo etário” e
“classificações atribuídas às diferentes fontes de ruído” -------------------- 52
Tabela 6.11 – Análise descritiva dos domínios WHOQOL-Bref ---------------------------- 55
Tabela 6.12 – Modelo de regressão entre as variáveis “sócio-demográficas” e
“intensidade do ruído” e os domínios do WHOQOL-Bref ------------------- 55
Tabela 6.13 – Comparação de médias dos domínios tendo em conta o género ------- 56
Tabela 6.14 – Correlação entre as consequências do ruído assinaladas pelos
enfermeiros e a sua Qualidade de Vida ----------------------------------------- 57
Tabela 6.15 – Correlação entre a caracterização do ruído feita pelos enfermeiros e a
sua Qualidade de Vida -------------------------------------------------------------- 58
Tabela 6.16 – Medidas para reduzir o ruído enumeradas pelos enfermeiros ----------- 59
9
vii
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ÍNDICE DE IMAGENS
Imagem 2.1 - Frequências sonoras (Instituto do Ambiente, 2004) ------------------------ 15
Imagem 2.2 - Limiar de Audição (Instituto do Ambiente, 2004) ---------------------------- 16
Imagem 2.3 - Limiar da audição humana (Instituto do Ambiente, 2004) ---------------- 16
Imagem 4.1 - Fotografia da UCIP do Hospital Cuf Descobertas --------------------------- 39
Imagem 4.2 - Fotografia da Unidade do doente de Cuidados Intensivos do HCD ----- 40
10
viii
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
GLOSSÁRIO DE ABREVIATURAS
ACT
Autoridade para as condições de trabalho
CI
Cuidados Intensivos
dB(A)
Décibel A (com ponderação do filtro A)
dB
Décibel
HCD
Hospital Cuf Descobertas
HCIS
Hospital Cuf Infante Santo
LA,eq
Nível sonoro contínuo equivalente ponderado A
OMS
Organização Mundial de Saúde
OSHA
Occupational safety and Health Administration
Pa
Pascal
QV
Qualidade de Vida
REM
Rapid Eye Movement
SPL
Sound Pressure Level (nível de pressão sonora)
SPSS
Statistical Package for Social Sciences
UCI
Unidade de Cuidados Intensivos
UCI’s
Unidades de Cuidados Intensivos
UCIP
Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente
EU
União Europeia
EUA
Estados Unidos da América
ix
11
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
1. INTRODUÇÃO
Na actual globalização, a competitividade gerada na procura de novos mercados
visando o crescimento da produtividade, e consequentemente, dos lucros, implica a
redefinição dos processos produtivos e novas formas de organização do trabalho.
Segundo a Organização Mundial da Saúde e a Organização Internacional do Trabalho,
a globalização é um factor que pode contribuir para o aumento da incidência de
doenças e acidentes de trabalho (OMS, 1998).
Devido ao desenvolvimento tecnológico que ocorre concomitantemente com esta
globalização e como resposta a mercados exigentes, há um aumento do número de
máquinas nos locais de trabalho, grande parte a substituir o Homem, como corrobora
Faria (2010) quando afirma que os avanços da tecnologia mudaram profundamente os
hábitos da sociedade e as relações de trabalho. Os trabalhadores, são fortemente
substituídos deste processo, e quando não excluídos, precisam estar sempre em
actualização para conseguir acompanhar o ritmo do mercado que, cada vez mais,
aumenta de exigência. Além disto, as máquinas vêm dar respostas mais rápidas e
possuem especializações que podem salvar vidas, sendo um importante contributo
para a diminuição da mortalidade, no entanto, são também fonte importante de ruído,
factor que poderá contribuir como um aspecto negativo decorrente da evolução
tecnológica. Assim, um dos riscos recorrentes nos locais de trabalho é a exposição ao
ruído, definido por “um som indesejado, cuja intensidade é medida em decibéis (dB). A
escala de decibéis é logarítmica, de modo que o aumento do som de 3dB representa
um aumento do ruído para o dobro (…) também o tempo de exposição ao ruído
aumenta a sua perigosidade.” (OSHA, 2011), que em grande parte provém de
máquinas existentes que o produzem. Ora qualquer coisa indesejada, é algo que não
é bem-vindo, a avaliação do ruído é, deste modo medível de forma física mas
igualmente depende de aspectos subjectivos e por isso psicológicos do indivíduo que
o avalia (Castro e Bornholdt, 2004). O ruído pode afectar os profissionais a nível físico,
psicológico e mental, comprometendo a sua qualidade de vida, esta última definida
como “percepção do indivíduo sobre a sua posição na vida, no contexto da cultura e
dos sistemas de valores nos quais ele vive, e em relação aos seus objectivos,
expectativas, padrões e preocupações” (OMS, 1998).
No âmbito do Mestrado em Segurança e Higiene do Trabalho (edição especial),
desenvolveu-se esta dissertação sob o tema: Impacto do Ruído na qualidade de vida
dos Enfermeiros de Cuidados Intensivos. As motivações que me levaram à escolha
12
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
deste tema prendem-se com o facto de, na minha experiência profissional, em
conversas informais com colegas e pela observação directa, me fui apercebendo que
os enfermeiros relatam maior irritabilidade quando expostos a ruídos constantes
(bombas, seringas infusoras, ventiladores, etc.), levando a distúrbios do sono, e a
perturbações do ciclo circadiano. Além disso, noto também que na minha unidade não
há uma preocupação na manutenção dos aparelhos em termos de volume de alarmes
e do ruído inerente aos mesmos, e nunca houve preocupação em elaborar nenhum
estudo sobre o ruído. Mesmo em pesquisa exaustiva sobre estudos portugueses, não
encontrei nenhum estudo elaborado em Portugal direccionado para o Ruído em
Cuidados Intensivos e seus impactos nos profissionais mais directos, neste caso os
enfermeiros, mas sim apenas investigações direccionadas para os malefícios deste,
nos doentes. Ora, sendo esta dissertação subordinada ao Mestrado de Segurança e
Saúde do Trabalho, é fulcral direccioná-la para o trabalhador, alvo premente de riscos
no seu local de trabalho.
Podendo os níveis de ruído chegar a provocar malefícios na saúde e segurança dos
profissionais e também dos doentes, é importante o conhecimento e a caracterização
do seu impacto, de modo a ser possível alterar acções e procedimentos, minimizando
a sua influência.
Da pesquisa bibliográfica efectuada, escassos são os estudos encontrados, mas
alguns indicam níveis elevados de ruído em UCI´s, condicionando alterações físicas,
mentais e sociais nos profissionais “(…)às vezes sonho com a bomba a apitar e com
uma paragem a chegar(…)” e “(…) acordo a meio da noite com o som das bombas.”
(Leitão et al., 2006). Outros estudos referem níveis de ruído nas UCI´s acima do
estipulado pela OMS, “OMS recomenda que os níveis de ruído não excedam os
30dB(A) (…) frequentemente em UCI´s o ruído apresenta picos de 90dB(A)”
(Wenham, 2009). O ruído é assim em factor de risco importante na alteração dos
processos psicológicos, quebra da comunicação interpessoal e consequentemente na
ocorrência de erros, na prática de enfermagem de Cuidados Intensivos, “(…)o ruído
diminui a performance, aumenta atitudes de irritabilidade e causa uma quebra na
comunicação com os pacientes e outros profissionais podendo dar origem a erros.”
(Pugh, 2007). Considerando o referido colocam-se as questões:
- “Terão, os profissionais de enfermagem, noção da influência do ruído no seu
quotidiano e qualidade de vida? E estarão os enfermeiros sensibilizados para
estratégias de diminuição do ruído com vista à promoção da sua saúde e segurança
no trabalho, na sua UCI?”
13
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Desta forma, tomei como questão de partida para este estudo: Terá o Ruído impacto
na qualidade de vida dos Enfermeiros de Cuidados Intensivos?
14
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
2. ENQUADRAMENTO TEÓRICO
2.1 Som e Ruído
Pode definir-se som como qualquer variação da pressão atmosférica que o ouvido
humano pode detectar, seja no ar, na água ou em qualquer outro meio de propagação
(OSHA, 2011).
O som apresenta três características fundamentais: frequência, amplitude, e timbre,
características da fonte sonora. A frequência refere-se ao número de ciclos que as
partículas materiais realizam num segundo, ou o número de vibrações por unidade de
tempo. É medida pela unidade Hertz, é a altura do som e permite classificá-lo numa
escala que varia de grave a agudo. A amplitude pode ser definida como a energia que
atravessa uma área num intervalo de tempo, ou a força exercida pelas partículas
materiais sobre a superfície na qual incidem. A amplitude relaciona-se com a
intensidade sonora, sendo um processo físico utilizado na sua medição. A amplitude
juntamente com a pressão efectiva e a energia transportada, permite classificar o som
numa escala que vai do fraco até forte. O timbre permite diferenciar, por exemplo, a
mesma nota musical emitida por instrumentos diferentes, através de diversas
frequências harmónicas que compõem um determinado som complexo (Instituto do
Ambiente, 2004).
O Ruído é definido como um som desagradável ou indesejável para o ser humano e a
sua caracterização pode ser efectuada através da sua frequência (baixa – sons
graves, média, alta – sons agudos) e da sua amplitude medida em termos do “Nível de
Pressão Sonora” (OSHA, 2011). A pressão sonora não é mais do que a diferença
entre a pressão ambiente instantânea relativamente à pressão atmosférica a partir da
qual o ouvido humano é sensível.
15
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Imagem 2.1 - Frequências sonoras (Instituto do Ambiente, 2004)
O ouvido humano possui uma sensibilidade muito elevada uma vez que a relação
entre a pressão sonora característica de um som que cause dor e de um som que seja
audível é da ordem de 1 000 000.
Imagem 2.2 - Limiar de Audição (Instituto do Ambiente, 2004)
A gama de pressões sonoras a que o ouvido humano é sensível é, como se referiu,
muito alargada, tornando-se portanto pouco prática quando utilizada na sua unidade
de referência – o Pascal (Pa). É pois vantajoso recorrer a um artifício matemático,
convertendo a escala linear de pressão sonora em Pascal (Pa), numa escala
logarítmica de nível de pressão sonora em decibel (dB). Nesta nova escala, a relação
entre um som correspondente ao limiar da audição humana e um som doloroso,
abrange apenas 120 unidades (Instituto do Ambiente, 2004).
16
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Imagem 2.3 – Limiar da audição humana (Instituto do Ambiente, 2004)
Como já se abordou, sendo a escala de decibéis logarítmica, um aumento no nível de
som de três decibéis representa um aumento da intensidade de ruído para o dobro.
Por exemplo, uma conversa normal pode atingir cerca de 65 dB e o nível atingido por
alguém a gritar será de cerca de 80 dB. A diferença em dB é apenas de 15 valores,
mas a pessoa que grita atinge uma intensidade 30 vezes superior. A sensibilidade do
ouvido humano em relação a diferentes frequências também varia; por conseguinte, o
volume ou intensidade do ruído são normalmente medidos em decibéis com
ponderação A (dB(A)). A intensidade de um ruído não constitui o único factor que
determina a sua perigosidade; a duração da exposição é também muito importante.
Para considerar este factor, são empregues níveis médios de som ponderados em
função da sua duração. No caso do ruído no trabalho, esta duração é geralmente de
um dia de trabalho de oito horas (Instituto do Ambiente, 2004).
Segundo a OSHA (2011) citando Eurostat (2002) diariamente, há milhões de
trabalhadores europeus expostos ao ruído e a todos os riscos inerentes a essa
exposição nos seus locais de trabalho. Um em cada cinco trabalhadores europeus tem
de falar alto durante pelo menos metade das suas horas de trabalho e 7% sofre de
problemas auditivos relacionados com o trabalho. De acordo com os dados
disponíveis, a perda de audição provocada pelo ruído é a doença ocupacional mais
comum na União Europeia (OSHA,2011).
O espectro do som no ambiente de trabalho oscila entre moderadamente indesejado
até ao indesejado irritante e pode ser descrito em períodos curtos até contínuos,
previsíveis ou não. Assim, o ruído no local de trabalho pode incluir vozes de pessoas,
música, sons de máquinas e equipamentos inerentes ao trabalho, e o mesmo som
pode ter efeitos diferentes consoante quem o ouve, dependendo da perspectiva
individual e da situação em si, sendo que alguns sons podem afectar o desempenho e
a satisfação no trabalho (Bechtel e Churchman, 2002).
Não é preciso um ruído excessivamente elevado para gerar problemas no local de
trabalho. O ruído pode interagir com outros perigos no local de trabalho e aumentar os
riscos para os trabalhadores, por exemplo, aumentando o risco de acidente ao impedir
que sinais de aviso sejam ouvidos ou sendo um factor causal no stress relacionado
com o trabalho.
A exposição ao ruído pode colocar os trabalhadores perante uma série de riscos para
a sua segurança e saúde:
17
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”

Perda de audição: o ruído excessivo prejudica as células ciliadas da cóclea,
parte do ouvido interno, conduzindo à perda de audição. "Em muitos países, a
perda de audição induzida pelo ruído é a doença profissional irreversível de
maior prevalência" (OSHA, 2011 citando OMS, 1997). De acordo com um
grupo de estudo da Universidade de Maastricht (1999) citado pela OSHA
(2011), estimativas apontam para uma taxa de pessoas na UE afectada por
problemas auditivos superior à população total de França.

Efeitos fisiológicos: existem provas de que a exposição ao ruído tem efeitos
sobre o sistema cardiovascular provocando a libertação de catecolaminas e o
aumento da pressão arterial. Os níveis de catecolaminas no sangue (incluindo
epinefrina (adrenalina) estão associados ao stress.

Stress relacionado com o trabalho: o stress relacionado com o trabalho só
muito raramente advém de uma só causa, sendo geralmente provocado pela
interacção de vários factores de risco. O ruído no ambiente de trabalho pode
ser stressante, mesmo em níveis bastante baixos (OSHA, 2011).

Risco acrescido de acidentes: os elevados níveis de ruído dificultam a audição
e a comunicação dos trabalhadores entre si e aumentam, por conseguinte, a
probabilidade de ocorrência de acidentes. Este problema pode ser agravado
devido ao stress relacionado com o trabalho (no qual o ruído pode constituir um
factor) (OSHA, 2011).
O Ruído varia ao longo do tempo sendo que, quando se pretende por exemplo,
caracterizar o ruído numa determinada sala de trabalho, uma medição instantânea do
seu valor não é suficiente. Apenas uma média, obtida após um tempo de medição
adequado, será efectivamente representativa.
Actualmente, o equipamento mais utilizado na caracterização de um ruído é o
Sonómetro com análise em frequência. O Sonómetro mede o nível de pressão sonora
ponderado A, permitindo assim a obtenção de um valor que corresponde à sensação
com que o Ser Humano percebeu o ruído em análise. Quando o sonómetro possibilita
a realização de análises em frequência, a avaliação do ruído é ainda mais precisa, já
que para além da respectiva amplitude, também a sua “qualidade” fica determinada
(Arezes, 2002).
O sonómetro permite a obtenção de diversos indicadores de ruído:
- instantâneos (SPL);
- médios (LAeq);
18
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
- estatísticos ou níveis percentis representado por LN, que é o nível de pressão sonora
que foi excedido em N% do tempo de medição (por exemplo: L95, L50, L10);
- máximos, mínimos (Lmax, Lmin) (Arezes, 2002).
O ruído diminui com a distância do receptor à fonte sonora, propagando-se até atingir
um obstáculo. Perto de um solo absorvente (por exemplo: solo cultivado, floresta) o
ruído propaga-se com dificuldade; pelo contrário um solo reflector (por exemplo:
calçada, piso asfaltado) facilita a propagação. Quando o ruído atinge um obstáculo,
uma parte é reflectida e a restante é absorvida, dissipando-se sob a forma de calor,
sendo, eventualmente, transmitida através do obstáculo. Para que um ruído não seja
audível é necessário impedir a sua propagação. Tal pode ser conseguido através da
colocação de obstáculos (os já existentes e/ou os especialmente construídos para o
efeito) entre a fonte e o receptor, ou então controlar a fonte emissora desse mesmo
ruído (Instituto do Ambiente, 2004).
Assim, qualquer pessoa exposta ao ruído está potencialmente em risco. Quanto mais
elevado for o nível do ruído e mais prolongada a exposição, maior é o risco de se
sofrer danos por causa do ruído.
2.2 Qualidade de vida
Nos finais do século XX, houve um aumento substancial da investigação relacionada
com a qualidade de vida, daí este ser considerado um conceito recente, na sua
vertente mais genérica, por ser utilizado nas mais variadas áreas como a Economia,
Psicologia, Medicina, Política e a Saúde (Ribeiro, 1994).
Definir qualidade de vida não é tarefa simples. O contexto é extremamente complexo,
ambíguo, lato, volúvel e difere de cultura para cultura, de época para época, de
indivíduo para indivíduo e até num mesmo indivíduo se modifica com o decorrer do
tempo, o que hoje é boa qualidade de vida pode não ter sido ontem e poderá não o ser
daqui a algum tempo (Campos e Neto, 2008).
A expressão qualidade de vida foi utilizada pela primeira vez associada à economia
por Lyndon Johnson, em 1964, data em que começou o seu mandato de presidente
dos EUA, ao afirmar que os objectivos da economia não podiam ser medidos através
do balanço dos bancos, mas através da qualidade de vida que proporcionam às
pessoas (Ribeiro, 2005). A novidade do discurso do Presidente assentava numa visão
inovadora para a avaliação da variável, qualidade de vida, já que apontava como
19
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
indicador principal os aspectos que só se podiam avaliar com base na opinião das
pessoas em detrimento dos respectivos objectivos.
Mais tarde, em 1976, Augus Campbell considerava que a qualidade de vida é “… uma
vaga e etérea entidade, algo sobre a qual muita gente fala, mas que ninguém sabe
claramente o que é.”.
Com o passar dos tempos a qualidade de vida passou a ser cada vez mais alvo de
estudo e reflexão, e a partir dos anos 80 começou a ser encarada numa perspectiva
multidimensional: biológica, psicológica, económica e cultural, uma vez que
a qualidade de vida depende destes factores e é subjectiva (Canavarro et al., 2006).
Calman (1984), por sua vez, define a qualidade de vida como um ponto em que as
esperanças e as ambições são igualadas pela esperança, enquanto Ferrans e Powers
(1985) definem-na como as percepções de bem-estar do indivíduo, que resultam da
satisfação ou insatisfação com dimensões da vida que são importantes para o mesmo.
Já em 1994, Gil et al. debruçaram-se sobre este tema no âmbito da saúde, e
concluíram que tanto a nível da definição do conceito de qualidade de vida, como a
nível dos instrumentos de avaliação da mesma, existe pouca clareza e consistência,
apesar de cada vez existirem mais definições e instrumentos, o que é comprovado por
Costa Neto, que em 1998 identificou quase 450 instrumentos de avaliação da
qualidade de vida, dos quais 322 só começam a aparecer em bibliografia depois dos
anos 80, verificando-se que a reflexão sobre esta temática tem vindo a aumentar. De
acordo com Ribeiro (1994), este afirmou que a qualidade de vida é “um termo que
surgiu como conceito de condições de vida no trabalho, como um conjunto de
aspectos de bem-estar, saúde e segurança física, mental e social, capacidade de
desempenhar actividades com segurança e com máximo aproveitamento possível da
energia de cada trabalhador (produtividade).”
A qualidade de vida, está directamente relacionada com a percepção que cada um
tem de si e dos outros, do mundo que o rodeia e pode ser avaliada mediante critérios
apropriados tais como, a educação, a formação de base, a actividade profissional, as
competências adquiridas, a resiliência pessoal, o optimismo, as necessidades
pessoais e a saúde (Pires, 1998). Estes critérios são valorizados de forma diferente
por cada indivíduo consoante as circunstâncias físicas, psicologias, sociais, culturais,
espirituais e económicas em que este se encontra, o que levou a que vários autores se
tenham empenhado a criarem escalas de avaliação de qualidade de vida específicas,
dando origem a diversos conceitos de qualidade de vida (Leal, 2008).
20
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
De acordo com Pires (1998), a qualidade de vida tem a ver com a forma como as
pessoas vivem, sentem e compreendem o seu quotidiano. Compreende aspectos
como a saúde, a educação, o transporte, a moradia, o trabalho e a participação nas
decisões, em situações muito variadas como o atendimento digno em caso de doença
e de acidente, o nível de escolaridade, o conforto e a pontualidade nas deslocações, a
alimentação em quantidade suficiente e em qualidade e até a posse de
electrodomésticos.
Barbosa e Ribeiro (2000), consideram a qualidade de vida como “(…) uma das
dimensões da vida humana, desejada e perseguida por todos os indivíduos desde a
infância até à velhice”.
Conforme afirma Meneses (2005) a proliferação de definições sobre qualidade de vida
demonstra o interesse que a comunidade científica tem demonstrado nesta área, por
este facto, e na ausência de uma definição operacional amplamente aceite, considera
que não é descabido esperar-se que os investigadores delineiem claramente o que
entendem por qualidade de vida e que identifiquem componentes específicos a
considerar e a medir.
Schipper, Clinch e Power (1990) citados por Ribeiro (2005) propõem quatro
características operacionais associadas ao paradigma da qualidade de vida, e que
devem ser consideradas na sua avaliação: multifactorialidade, auto-administração,
variação temporal e subjectividade. Explica Ribeiro (2005) que a multifactorialidade
significa que os parâmetros deste conceito abrangem mais que um único aspecto ou
domínio, representando uma larga variedade de experiências pessoais, e da maneira
como são percepcionadas e relacionadas, tendo em conta, nomeadamente,
dimensões físicas, psicológicas, económicas e do ambiente político.
A auto-administração significa segundo Ribeiro (2005), que “a qualidade de vida da
pessoa que está a ser avaliada só pode ser interpretada por ela”, já que a
concordância desta entre o indivíduo avaliado, os profissionais de saúde e os que lhe
estão próximos, é modesta de acordo com a investigação. A variação temporal
significa para o mesmo autor que a qualidade de vida varia com o tempo e que por sua
vez a subjectividade se baseia na percepção pessoal da pessoa avaliada porque
depende dos valores, crenças, julgamentos, preferências, expectativas e percepções
pessoais. No entanto, o autor alerta que a qualidade de vida, tal como qualquer outra
medida, não pode ser subjectiva do ponto de vista métrico, dado que tem de satisfazer
critérios de validade, de fidelidade, entre outros, que permitam caracterizá-la como
medida.
21
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Deste modo, o conceito de qualidade de vida implícito neste trabalho vai ao encontro
da definição sugerida pela OMS em 1993, e da qual decorre a construção do
instrumento de avaliação WHOQOL-100, que refere que qualidade de vida é a
percepção que o indivíduo tem do seu lugar na vida, do contexto da cultura e sistema
de valores nos quais vive, em relação aos seus objectivos, desejos, normas e
inquietudes, sendo um conceito muito amplo que pode ser influenciado de maneira
complexa pela saúde física do individuo, estado psicológico, nível de independência,
relações sociais e as suas relações com os elementos essenciais do seu meio.
Assim, trata-se de um conceito amplo e complexo, que reflecte a percepção que os
indivíduos têm de que as suas necessidades estão a ser satisfeitas ou ainda, se lhe
estão a ser negadas oportunidades de alcançar a felicidade e a auto-realização,
independentemente do seu estado de saúde físico ou das condições sociais e
económicas (OMS, 1998).
Verifica-se assim, que o conceito de qualidade de vida evoluiu ao longo do tempo
tendo sido avaliado em diferentes perspectivas, como por exemplo numa perspectiva
biológica, a qualidade de vida é frequentemente associada à saúde, relativamente a
determinadas patologias ou intervenções, de forma a indicar os efeitos que
determinada medicação ou tratamento tem sobre a qualidade de vida dos pacientes a
ele sujeitos, o que pressupõe um estudo prévio do seu nível de qualidade de vida,
para ver se haverá ou não alterações (Ribeiro, 2002).
Quando a qualidade de vida é relacionada a intervenções de saúde específicas, é
utilizada como indicador nas avaliações clínicas de doenças específicas, o que
segundo Seidl e Zannon (2004) se trata “da avaliação do impacto físico e psicossocial
que as enfermidades, disfunções ou incapacidades podem acarretar para as pessoas
acometidas, permitindo um melhor conhecimento do paciente e da sua adaptação à
condição”.
Numa perspectiva cultural, a qualidade de vida é um conceito intimamente ligado com
a educação na infância, pois nesta fase da vida os pais transmitem aos filhos hábitos e
valores próprios inerentes ao meio cultural onde estão inseridos, assim há a formação
de exigências, hábitos e valores do meio social onde vivem, factores estes que irão
determinar o conceito pessoal de qualidade de vida, no sentido de estabelecer
necessidades quanto ao vestuário, à alimentação, relacionamentos, entre outros
(Ávila, 2007). Já numa perspectiva económica, a qualidade de vida parece estar
intimamente ligada ao suporte financeiro e bens materiais que o indivíduo possui, bem
como aos sentimentos que a eles se encontram associados. Assim, nesta perspectiva
22
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
apesar de cada vez mais indivíduos referirem que é importante possuir o suficiente e
não estar preocupado com o acumular de bens materiais, Navarro, 2007 refere que
“gostamos daquilo que pode ser considerado exclusivo ou que nos diferencia dos
demais à nossa volta”, outros pontos de vista existem como o de Belinky (2010) que
defende que “o importante é planejar-se para o suficiente, sem consumir com
exageros e desperdício”.
Por fim numa perspectiva psicológica, a qualidade de vida depende da perspectiva
pessoal, por isso a sua definição segundo uma perspectiva psicológica é quase
impossível, no sentido de falta de concordância quanto ao seu significado, sendo
muitas vezes associada à felicidade ou satisfação. Como concluiu Ribeiro (2005) a
partir do trabalho efectuado em 1976, por Campbell, Converse e Rodgers, intitulado
The Quality of American Life, um dos primeiros grandes estudos elaborados neste
campo, as relações entre as condições objectivas e os estados psicológicos são muito
imperfeitas e, assim, de modo a conhecer a experiência de qualidade de vida, será
necessário ir directamente ao próprio individuo para que ele descreva como sente a
sua vida. Contudo, pode dizer-se que a qualidade de vida, numa perspectiva
psicológica, baseia-se no respeito mútuo, na capacidade de ultrapassar os problemas
da vida, na felicidade, na promoção da saúde mental, na conservação de relações,
no pensamento positivo, e no gostar de si próprio e dos outros, o que implica ser ético,
pelo que a qualidade de vida depende do indivíduo, dos seus valores e da relação que
estabelece com os que o rodeiam. Em consonância com esta ideia, a OMS (1995),
declara que “qualidade de vida é a percepção que o indivíduo tem da sua posição na
vida, no contexto da cultura e do sistema de valores nas quais ele vive e em relação
aos seus objectivos, expectativas, padrões e preocupações.”
Na perspectiva psicológica, os critérios de avaliação da qualidade de vida estão
relacionados com a imagem corporal, a profissão, a capacidade de desempenho das
actividades diárias, a motricidade, a capacidade de manutenção de relações, a saúde,
e outros aspectos pessoais que cada um acha fundamental, estando estes
relacionados com a perspectiva de cada individuo. A definição de qualidade de vida
assim como os critérios para a sua avaliação são então subjectivos e dependem de
indivíduo para indivíduo (Ribeiro, 2005).
Actualmente, a qualidade de vida é definida segundo a perspectiva de determinados
grupos de pessoas, por exemplo em função da idade ou de determinada doença, e
têm-se criado instrumentos de avaliação para casos específicos.
23
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
2.2.1
Instrumentos de Avaliação da Qualidade de Vida
O conceito de qualidade de vida evoluiu ao longo do tempo, tornou-se
progressivamente mais complexo e passou a ser avaliado segundo diferentes
perspectivas, como sendo, biológica, cultural, económica e psicológica.
Existem dois tipos de instrumentos de avaliação da qualidade de vida: os genéricos e
os específicos (Campos e Neto, 2008). Os genéricos podem ser aplicados a vários
tipos de doenças, tratamentos ou intervenções médicas e em diferentes culturas e
avaliam as perturbações a nível da saúde percebidos pelo doente. Como exemplos
gerais de instrumentos de avaliação da qualidade de vida, tem-se:
- SHORT-FORM 36 – um instrumento de avaliação utilizado por culturas diferentes em
diferentes situações: para avaliação da população em geral, para avaliação de práticas
e investigações na área da saúde e para avaliação de políticas de saúde. Avalia o
domínio físico, psicológico, das relações sociais e o independente. Foi criado na
década de 80 por Anita Stewart; Ron Hays e John Ware.
- WHOQOL-100 – avalia a qualidade de vida numa perspectiva transcultural,
epidemiológica, possibilitando o desenvolvimento de pesquisas que pretendam
desenvolver medidas mais fidedignas. É composto por 100 perguntas, com o objectivo
de caracterizar a qualidade de vida de diferentes culturas o melhor possível. Este
instrumento surgiu através de um grupo de investigação associado à OMS, na
segunda metade dos anos 90, que pretendia criar um conceito de qualidade de vida e
avaliá-la perante uma perspectiva transcultural. É um instrumento mais especifico que
o anterior uma vez que avalia 6 domínios: físico, psicológico, de relações sociais, de
independência, do ambiente e o espiritual.
- WHOQOL Bref – foi criado como alternativa ao WHOQOL-100, devido à extensão
deste, sendo que o WHOQOL Bref contém apenas 26 questões, 2 de carácter geral e
24 de domínios específicos, sendo eles: Físico, Psicológico, Relações Sociais e Meio
Ambiente (ANEXO I) (Canavarro, 2006).
Os instrumentos de avaliação específicos avaliam uma patologia distinta e quantificam
os ganhos em saúde depois de determinado tratamento, como exemplos tem-se:
- THE (THE QUALITY OF LIFE – CORE 30) – é um questionário transcultural
da qualidade de vida, criado pela organização europeia de investigação dos
tratamentos para o cancro. Avalia sintomas específicos relativos ao cancro, o
sofrimento psicológico, a interacção social, a dor física, os efeitos colaterais dos
tratamentos, a saúde global, e a satisfação da prestação de cuidados. Avalia o
24
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
domínio físico, psicológico, de independência, de relações sociais e do ambiente. Este
instrumento é composto por 30 questões, mas a sua utilização é complementada com
outro instrumento THE QUALITY OF LIFE – BR23, que avalia sintomas específicos
do cancro, imagem corporal, a sexualidade e as preocupações com o futuro.
Cada vez mais surgem instrumentos de avaliação da qualidade de vida, esta
preocupação com a qualidade de vida e com a sua avaliação é um passo importante,
visto que contribui para a procura de soluções que visem uma melhoria da mesma .
Podemos então dizer que qualidade de vida, além de ser a percepção individual sobre
a vida de cada um, é o sistema de valores pelo qual o indivíduo se rege, mas também
o desenvolvimentos social, no trabalho, com a família, assim como o desenvolvimento
económico e o desenvolvimento humano, sendo que a qualidade de vida é um
processo que está em constante mudança, assim como a evolução técnico-científica,
que acompanha as necessidades individuais (Campos e Neto, 2008).
Concluindo, é importante referir que a reflexão sobre a qualidade de vida como a
busca por instrumentos que a possam avaliar é cada vez mais importante no sentido
em que traduz uma preocupação pelo bem-estar humano e pela sua dignificação,
indispensável à promoção da saúde.
2.3 A Enfermagem de Cuidados Intensivos
Neste estudo torna-se fundamental contextualizar a enfermagem de cuidados
intensivos. Definir enfermagem e o seu papel em qualquer ambiente de cuidados de
saúde não é de todo uma tarefa fácil. Partilhando da opinião de Hesbeen (1998) nem
sempre é fácil precisar características da enfermagem de tal modo elas são vastas, às
vezes pouco nítidas e, sobretudo, pouco sistemáticas e despretensiosas. Qualquer
tentativa de descrição exaustiva da enfermagem é, pela sua própria natureza, votada
ao insucesso. A área de trabalho dos enfermeiros é muito vasta, estes trabalham com
pessoas ao longo do ciclo de vida, saudáveis e doentes, em ambientes de alta
tecnologia, como as unidades de cuidados intensivos, onde existe um controlo mais
rigoroso e restrito, ou no domicílio mais pobre de qualquer zona do país, onde a
principal “arma terapêutica” é o próprio enfermeiro e a relação que é estabelecida. Em
concordância com Vieira (2007), independente das mudanças ocorridas e da sua
evolução ao longo dos tempos, a Enfermagem continua a ser uma profissão exigente,
para a qual é necessária uma forma de ser compassiva, um saber teórico especifico,
25
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
um fazer técnico próprio, e capacidade para tomar decisões em situações de grande
complexidade ética, na relação permanente com outras pessoas.
A Enfermagem de Cuidados Intensivos visa a prevenção, diagnóstico e tratamento de
situações de doença aguda potencialmente reversíveis, em doentes que apresentam
falência de uma ou mais funções vitais, eminentes ou estabelecidas e em que o
objectivo primordial é suportar e recuperar estas funções vitais de modo a criar
condições para tratar a doença subjacente e, por essa via, proporcionar oportunidades
para uma vida com qualidade. Este serviço conta na sua orgânica com uma equipa de
enfermagem constituída basicamente por Enfermeiros Generalistas, Enfermeiros
Especialistas em Médico-Cirúrgica e Enfermeiros Especialistas em Reabilitação
denotando-se portanto uma preocupação em assegurar competências técnicas nos
cuidados imediatos, fundamentais para assegurar as funções vitais. Também é
claramente presente o ambiente altamente tecnológico e rico em maquinaria diversa
indispensável à rápida actuação do enfermeiro, precisão e manutenção das funções
vitais dos vários doentes em detrimento da diminuição das taxas de mortalidade.
No entanto uma unidade de cuidados intensivos não é só tecnologia, por um lado é
alguém com a sua vida e saúde em risco de morte eminente, e por outro, é muito mais
que isso, é a relação que é estabelecida com o doente que nem sempre está sob
efeito de sedação e nessa altura exprime emoções e sentimentos que necessitam de
ser atendidos, com a sua família/pessoa significativa que vive muitas vezes situações
de luto antecipado e que necessita também ela de cuidados especiais; são as relações
entre os diferentes grupos de profissionais que têm de permitir o funcionamento da
equipa e para que esta funcione eficazmente prestando cuidados com qualidade,
também os seus elementos têm de estar em equilíbrio nas diferentes vertentes da
condição humana (bio-psico-social-espiritual) e entre si. A este respeito Rôxo (2004),
no seu estudo sobre a prática de enfermagem de cuidados intensivos, concluiu que
estas unidades intensivas representam uma atmosfera muito particular e reúnem
recursos humanos e materiais sofisticados para fazer face às necessidades dos
doentes, frequentemente em estado crítico, privados da presença de familiares e
amigos e dependentes dos enfermeiros para satisfazer a quase totalidade das suas
necessidades como Pessoa.
Resumindo, o enfermeiro de cuidados intensivos, não só tem no seu ambiente de
trabalho maquinaria diversa, complexa e sofisticada (bombas infusoras, seringas
infusoras, ventiladores, monitores cardíacos, etc.) como também com o aspecto
emocional, lidando com vários doentes sedados ou não, com as suas respectivas
26
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
famílias e potencialmente com processos luto. Também as relações pessoais estão
fortemente presentes, tanto com médicos, como com colegas enfermeiros, auxiliares e
restantes profissionais implícitos no processo cura dos doentes. A literatura tem
demonstrado que o trabalho de enfermagem e suas decorrências do ponto de vista
psicológico tem efeitos percebidos pelos profissionais em termos de sobrecarga física
e mental, sendo classificada pela Health Education Authority como a quarta profissão
mais stressante, devido à responsabilidade pela vida das pessoas e à proximidade
com os clientes em que o sofrimento é quase inevitável (Britto e Carvalho 2004).
Em suma e de acordo com o Decreto-Lei n.º 248/2009 de 22 de Setembro, cabe ao
Enfermeiro organizar e planejar a assistência a ser prestada; disponibilizar recursos
humanos, materiais e equipamentos, coordenar e distribuir a equipa, garantir a
qualidade e segurança do atendimento à equipa e doentes, estabelecer prioridades,
atender aos objectivos da Instituição no que tange a rotinas, fluxos e normas, e
interagir com as equipas multidisciplinares.
2.4 O Ruído nos Cuidados Intensivos
O ruído em unidades de cuidados intensivos é um importante factor pela crescente
utilização de equipamentos com alarmes sonoros como bombas e seringas infusoras,
ventiladores, monitores, entre outros, todos usados para a monitorização de
parâmetros vitais de doentes em situação grave e crítica, trazendo assim, um
acréscimo sonoro ao ambiente. Além de todo este ambiente, também o ritmo de
trabalho por vezes traduz maior ruído, como seja em situações de emergência, em
que há necessidade de uma comunicação entre profissionais com tom de voz mais
audível, o abrir e fechar portas, gavetas, caixotes do lixo, entre outros.
A padronização de níveis de ruído é feita através de normas para o conforto acústico
admitidos em edifícios hospitalares, escolares ou similares, consagrado na legislação
portuguesa e que não devem ultrapassar os 55 dB, como é apresentado no
regulamento geral sobre o ruído, pelo Decreto-lei nº 9/2007, de 17 de Janeiro.
O ruído pode ultrapassar altos níveis durante o funcionamento de vários aparelhos em
conjunto, ou actividades diárias das pessoas, principalmente em determinados
períodos do dia. A falta de controlo da poluição sonora nos ambientes hospitalares,
principalmente nas zonas com doentes de alto risco e em estado de saúde grave pode
27
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ser um factor negativo na recuperação dos doentes e no desempenho dos
profissionais (OSHA, 2011).
Este ambiente tecnicista, com pouco tempo para o “calor humano” e repleto de
maquinaria é um ambiente gerador de “stress” e um provável responsável pelo
aumento do ruído, os quais não somente atingem o doente como também os
profissionais de saúde (OMS, 1998). Existem variadíssimos factores que podem
desencadear “stress”, como sejam, a própria gravidade do doente, o excesso de
trabalho, o conflito interpessoal e profissional, as visitas do doente, as novas
tecnologias, o número do “staff” e da equipa multiprofissional, e mesmo a própria
morte (OMS, 1998).
Segundo a OSHA (2011) as pessoas submetidas de forma prolongada a situações
como as anteriormente descritas (ruídos que a tenham perturbado e frustrado os
estados de atenção, concentração ou comunicação, ou que tenham sido afectadas na
sua tranquilidade, descanso ou no sono), apresentam alguns dos seguintes aspectos:
 Distúrbios da comunicação, como também refere Syder (1997) que nos
ambientes barulhentos, a comunicação verbal torna-se impossível, sendo difícil dar
avisos e informações de perigo iminente a trabalhadores da área, aumentando a
probabilidade de erros e acidentes ocupacionais.
 Distúrbios
do
sono.
Segundo
Seligman
(1993),
pesquisas
eletroencefalográficas apresentam alterações, demonstrando que ruídos, mesmo de
fraca intensidade, provocam a passagem temporária de um estado de sono profundo
para outro mais leve. Sabe-se também que o barulho perturba o sono REM
(movimentos rápidos dos olhos), sem acordar o indivíduo, mas causando irritabilidade,
cansaço e dificuldade de concentração. No sono REM ocorre elevada ativação cortical
contrapondo-se atonia muscular, além da variação da freqüência cardíaca e da
pressão arterial (Reimão, 1996). Como o ruído tem interferência direta na qualidade do
sono, vai agir indiretamente nos efeitos do dia-a-dia do trabalhador; é incontestável a
importância de uma noite “bem dormida”, para o bom desempenho do indivíduo nas
suas tarefas, principalmente as que exijam concentração e habilidade, refletindo num
melhor rendimento no seu trabalho e na sua vida social (Seligman,1997).
 Distúrbios comportamentais. São relatados pela maioria dos autores, uma
extensa série de sintomas comportamentais. São eles: mudanças na conduta e no
humor, falta de atenção e concentração; inapetência; cefaleias; redução da potência
sexual; ansiedade; depressão; cansaço; fadiga; alteração na memória e stresse.
Acredita-se que estes sintomas podem aparecer isolados ou mesmo juntamente
28
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
(Pimentel-Souza, 1997). Gerges (1995), acrescenta ainda: nervosismo, fadiga mental,
frustração, irritabilidade, mau ajustamento em situações novas, e conflitos sociais
entre operários expostos ao ruído. Alguns psiquiátras e psicólogos crêem que níveis
extremamente fortes de ruído podem desencadear agressividade e violência. Afirmam
que pessoas expostas ao ruído prolongado mostram maior sensibilidade e propensão
para se envolver em discussões (Gerges, 1995). O Homem que retorna a casa, após
um dia em ambiente ruidoso, tende a irritar-se com maior facilidade (PimentelSouza,1997). É um facto incontestável que os factores individuais têm importância
muito acentuada; alguns indivíduos são mais suscetíveis que outros, os efeitos
relacionam-se directamente com a reacção individual e algumas pessoas têm uma
tolerância maior a sons fortes (Gerges, 1995).
 Distúrbios Neurológicos. Costa (1994) referiu algumas prováveis alterações
como resposta a acção do ruído, que se manifestam como: o aparecimento de
tremores nas mãos, redução da reacção a estímulos visuais, dilatação das pupilas,
tremores dos olhos, mudança na percepção visual das cores e desencadeamento ou
piora de crises de epilepsia.
 Distúrbios Cardiovasculares. Como referido por Lacerda (1976) podem ocorrer
respostas cardiovasculares semelhantes às que ocorrem no stresse agudo, com o
aumento de pressão arterial e alterações hormonais e bioquímicas. Inclusivé segundo
Quik & Lapertosa (1981), um mecanismo também citado como envolvido na gênese da
hipertensão arterial induzida pelo ruído, é o de que este elemento pode provocar uma
variação da pressão arterial, através de uma adaptação estrutural dos vasos
sanguíneos, em resposta aos repetidos picos de variação da pressão arterial. Também
a OSHA (2011) refere que o risco de ataques de coração em pessoas submetidas a
valores de ruído superiores a 65 dB(A) no período diurno, aumenta entre os 20 a 30%.
 Distúrbios circulatórios. Segundo Joachim (1983) são relatadas pela maioria
dos estudiosos alterações circulatórias; o ruído age diretamente sobre o aparelho
circulatório, produzindo vasoconstrição, sendo descrito também mudanças no ritmo da
pulsação, aumento da viscosidade do sangue, e má oxigenação das células, podendo
ocorrer problemas a nível tecidual.
 Alterações da concentração. O ruído como um som indesejável, apresenta a
característica de irritar e, com isso, diminuir a capacidade de concentração mental,
afectando o desempenho na habilidade de realizar tarefas, assim trabalhadores que
utilizam habilidades manuais, por exemplo, podem ser muito prejudicados, tendo em
vista que sua capacidade está diminuída, aumentando a probabilidade de erros e
29
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
acidentes ocupacionais, e comprometendo a execução de tarefas que exijam atenção
e concentração mental (Lacerda, 1976).
 Alterações no rendimento de trabalho. A exposição a níveis elevados de ruído
por um período de tempo interfere na concentração e nas habilidades, tendo como
conseqüência a redução da performance e do rendimento de trabalho; o indivíduo
fadiga mais rápido, apresentando cansaço, prejudicando o desempenho das suas
actividades (Kitamura e Costa, 1995). Os mesmos autores acreditam que os níveis
elevados, embora não influenciem a produção como um todo, originam uma variação
na produtividade. Observou-se que, após uma pausa à exposição ao barulho, há um
aumento da produtividade.
É certo que a médio ou longo prazo o organismo se habitua ao ruído, empregando
para eles dois mecanismos diferentes para cada um dos quais se paga um preço
diferente. O primeiro mecanismo é a diminuição da sensibilidade do ouvido e o seu
preço é a surdez temporária ou permanente. O segundo mecanismo é o cérebro que
se habitua, isto é, ouvimos o ruído mas não nos damos conta. Durante o sono os
sinais chegam ao nosso sistema nervoso, não nos desperta mas desencadeiam
consequências fisiológicas, tais como: frequência cardíaca, fluxo sanguíneo ou
actividade eléctrica cerebral aumentados. É a chamada síndroma de adaptação
(AMDE, 2007).
Nas UCI’s os níveis de ruído situam-se frequentemente acima daqueles considerados
de conforto acústico e é a equipa de saúde geralmente a maior responsável pelo
excesso sonoro na Unidade, “nas Unidades de tratamento intensivo, constatou-se o
crescente emprego de equipamentos com alarmes sonoros usados para a
monitorização de parâmetros fisiológicos de doentes graves trazendo um acréscimo
de ruído sonoro ao ambiente” (Braz, 1996). Raramente a equipa profissional se dá
conta do quanto poderá ser ruidosa numa UCI (rádio, TV, conversa, risos, etc.), os
quais podem causar alterações fisiológicas e psicológicas, (taquicardia, hipertensão,
irritabilidade, stress, alteração da personalidade, angustia, etc.). Além de ser uma
fonte de “stress” o ruído desencadeia uma série de reacções físicas, debilitando o
estado geral de cada pessoa. “A estrutura física de uma Unidade de Cuidados
Intensivos (UCI), e o uso de aparelhos de tecnologia avançada podem resultar num
ambiente inóspito não só para o doente e família como para toda a equipa assistencial
e, ao mesmo tempo os níveis de ruído situarem-se acima daqueles considerados de
conforto acústico” (Braz, 1996). Também no estudo de Leitão et al. (2006) são
30
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
referidas as consequências desagradáveis do ruído para com a equipa de
enfermagem de cuidados intensivos, referindo a perda de audição como uma
possibilidade que ocorre sem dar conta e que de futuro condiciona a segurança na
actuação do enfermeiro e a sua ascensão profissional, além dos riscos de acidente de
trabalhos serem maiores. Neste estudo a equipa pronunciou-se várias vezes sobre o
distúrbio do sono, referindo que “(…) às vezes sonho com a bomba a apitar e com
uma paragem a chegar (…)”, e “por vezes acordo a meio da noite em casa e penso
estar a ouvir bombas infusoras (…)”. A própria equipa referiu neste estudo aumento da
irritabilidade com consequente aumento da frequência cardíaca e tensão arterial,
assim como dificuldade na comunicação entre os profissionais. Também no estudo de
Nishide e Benatti (2004) é abordado o ruído como risco ocupacional no seio dos
enfermeiros de cuidados intensivos. Este apesar de frequente e contínuo no ambiente
de UCI, é pouco percebido pelos trabalhadores como risco para a sua saúde, mas
claramente visto por todos como fonte de stresse.
Abordando um pouco a perspectiva nefasta do ruído para o doente, este é um factor
perturbador do sono. De acordo com a literatura pesquisada, vários estudos apontam
para o facto de o sono dos doentes internados em meio hospitalar, ser perturbado pelo
ruído, principalmente porque a doença provoca maior sensibilidade ao ruído. O
ambiente hospitalar deverá ser propício à recuperação da saúde do doente internado,
porém se houver factores que afectem o seu bem-estar como o desconforto acústico,
a falta de higiene e cuidados especiais, o doente poderá aumentar o tempo de
internamento ou até mesmo agravar o seu quadro clínico.
O hospital é um ambiente stressante, movimentado e ruidoso e aqui o ruído provoca
efeitos psicológicos e fisiológicos, além de danos à audição, não só no doente mas
também nos profissionais que diariamente trabalham nesse ambiente (Corrêa, 2005).
Mas os efeitos mais graves da exposição ao ruído têm a ver com a alteração da
acuidade auditiva. Neste sentido Ichisato (2004) considera importante diferenciar
diminuição da acuidade auditiva da perda permanente de audição. A primeira
denomina-se de mudança temporária de limiar. Imaginando que um indivíduo sofre
uma mudança temporária de limiar de 25dB, é necessário que o som seja de pelo
menos 25dB para que ele possa ouvi-lo. À segunda situação deram o nome de
mudança permanente de limiar por ruído. Estes conceitos estão ligados a situações
provocadas por exposição prolongada (geralmente diárias, por períodos de anos) ao
ruído. Na mudança permanente de limiar por ruído ocorre perda auditiva
neurosensorial bilateral, lesando as células ciliadas do ouvido interno. Não são apenas
31
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
as exposições prolongadas ao ruído que afectam a audição. Um ruído súbito e
extremamente elevado pode provocar o rompimento do tímpano, onde um pequeno
orifício é suficiente para provocar uma diminuição auditiva de 5dB.
Os profissionais de saúde, também manifestam frequentemente alterações que eram
consideradas de carácter fisiológico, mas que, com este novo enfoque no qual o ruído
é uma causa de “stress”, puderam ser abordadas de uma outra forma. De acordo com
a Organização Mundial de Saúde, (1980): “O ruído pode perturbar o trabalho, o
descanso, o sono e a comunicação nos seres humanos … pode prejudicar ou
provocar reacções psicológicas, fisiológicas e ao mesmo tempo patológicas.” Muitos
estudos revelam que o indivíduo aceita bem o ruído quando ele tem frequência,
duração e níveis relativamente baixos, assim o referiu Torreira (1997) citado por
Ichisato (2004).
Existem evidências de que o nervo auditivo quando estimulado por sons
excessivamente intensos cria uma situação de stress, promovendo doenças
cardiovasculares, insónia, depressão, irritabilidade e agressividade. Estes efeitos
podem ser perturbadores da comunicação verbal e diminuir o desempenho no trabalho
tal como refere Ichisato (2004).
Também Seligman (1993) no seu estudo relata que os factores não auditivos mais
frequentemente ligados ao ruído são: agitação, tensão, fadiga, irritabilidade, labilidade
emocional, stress, isolamento, solidão, tristeza, depressão e baixa auto-estima.
2.5 Relação entre Ruído e Qualidade de Vida
O Decreto-Lei n.º 9/2007 de 17 de Janeiro, claramente refere que a prevenção do
ruído é, em primeiro lugar, uma obrigação legal do Estado mas também é uma
obrigação moral e cívica de todos os cidadãos. A prevenção do ruído e o controlo da
poluição sonora que visa a salvaguarda da saúde humana e o bem-estar das
populações constitui tarefa fundamental do Estado, nos termos da Constituição da
República Portuguesa e da Lei de Bases do Ambiente.
No estudo descrito por Lopes et al. (2007) a qualidade de vida é um dos pilares das
políticas sociais das empresas, numa busca constante pelo equilíbrio psíquico, físico e
social dos sujeitos dentro de uma organização. A excelência dos produtos e serviços,
assim como as suas inovações contínuas, somente se tornam possíveis se cada
funcionário desfrutar de boa saúde, condições de trabalho, incentivos, turnos de
32
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
trabalho regulares e jornada de trabalho adequada. O ruído acarreta alterações
auditivas além de problemas na saúde física e mental, tais como: distúrbios de sono,
transtorno cardiovascular, stresse, fadiga e tensão psicológica (Lopes et al., 2007).
Ora se a Qualidade de vida, segundo a OMS (1998) é "a percepção do indivíduo de
sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e
em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações", é também
considerado um conceito abstrato, subjetivo e multidimensional por envolver vários
aspectos da vida humana tais como: relações sociais, saúde, família, trabalho, meioambiente, dentre outros. É dinâmico e pode ser influenciado por aspectos culturais,
religiosos, éticos e valores pessoais (Canavarro et al., 2006).
A dinâmica da qualidade de vida pode assim ser afectada fortemente pelo ruído como
corrobora Syder (1997) no seu estudo, no qual refere que nos ambientes barulhentos,
a comunicação verbal torna-se impossível, podendo causar transtornos de
comunicação como distorção da voz, prejudicando a compreensão da fala, levando o
indivíduo ao isolamento social, já que não consegue participar efectivamente da
conversação, trazendo dificuldades de interação, tanto no meio familiar, nos ambientes
de lazer e no seu ambiente profissional. Também Pimentel-Souza (1997) relatou que o
ruído em intensidade elevada pode desencadear alguns distúrbios comportamentais
tais como stresse, causando até perda de memória. Por fim foi demonstrado também
no estudo de Ávila (2007) sobre a qualidade de vida dos trabalhadores expostos ao
ruído que, 44% dos trabalhadores pesquisados relataram que as pessoas os
consideram mal-humorados, e 66% disseram ser considerados nervosos pelos seus
familiares e/ou amigos. Conforme Pimentel-Souza (1997), existe uma série de factores
de comportamento, como, por exemplo, alteração de humor, ansiedade, nervosismo e
stresse, que estão relacionados com o ruído.
Com tudo isto, o ruído é claramente um stressor ambiental, como corrobora o estudo
de Menzani e Bianchi (2009) que detectaram que quando existe um ruído inesperado,
este provoca no organismo uma reação de alarme pelo aumento de corticóides,
adrenalina e noradrenalina, levando a uma situação de stresse, originando sintomas
como náuseas, cefaleia, irritabilidade, instabilidade emocional, ansiedade, insônia,
diminuição da produtividade e aumento do número de acidentes.
Assim, o ruído gerado nos locais de trabalho, denominado ruído laboral/ocupacional,
assume um papel importante na vida dos nossos dias, por ser uma das principais
causas de doenças profissionais em Portugal levando a que a surdez profissional seja
uma das doenças profissionais mais frequentes, e surge devido a uma exposição dos
33
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
trabalhadores a elevados níveis de ruído afectando e condicionando as suas
prestações no trabalho ao nível da qualidade, produtividade e da propensão para os
acidentes (OSHA, 2011). No entanto os trabalhadores ficam claramente afectados não
só a nível físico mas também psicológico, pois sendo o ruído uma fonte de stresse
ambiental como foi abordado anteriormente, este altera o modo de agir dos sujeitos
influenciando a sua postura perante a vida. Tal facto é descrito em mais um estudo de
Santos e Castro (1998) “o stresse modifica o comportamento das pessoas perante as
outras (…) as pessoas podem-se tornar menos sociáveis e adoptam uma postura mais
hostil e insensível perante os outros, assim como poderão desenvolver sintomas de
tristeza e solidão”.
2.6 O Ruído e a Qualidade de Vida para a Higiene e Segurança do Trabalho
Torna-se fundamental abordar um pouco os conceitos de higiene, segurança e saúde
do trabalho afim de se entender o ruído como risco laboral e consequente
influenciador na qualidade de vida dos trabalhadores. A higiene do trabalho propõe-se
combater, dum ponto de vista não médico, as doenças profissionais, identificando os
factores que podem afectar o ambiente do trabalho e o trabalhador, visando eliminar
ou reduzir os riscos profissionais ou condições inseguras de trabalho que podem
afectar a saúde, segurança e bem-estar do trabalhador (ACT, 2011).
A segurança do trabalho propõe-se combater, também dum ponto de vista não
médico, os acidentes de trabalho, quer eliminando as condições inseguras do
ambiente, quer educando os trabalhadores a utilizarem medidas preventivas. Para
além disso, as condições de segurança, higiene e saúde no trabalho constituem o
fundamento material de qualquer programa de prevenção de riscos profissionais e
contribuem, na empresa, para o aumento da competitividade com diminuição da
sinistralidade. Já a saúde do trabalho visa a abordagem que integra para além da
vigilância médica, o controlo dos elementos físicos, sociais e mentais que possam
afectar a saúde dos trabalhadores (ACT, 2011).
Os vários tipos de trabalho sempre estiveram associados à vertente humana, mas
nem sempre tratada como a sua componente preponderante. Até meados do século
XX, as condições de trabalho nunca foram levadas em conta, sendo sim importante a
produtividade, mesmo que tal implicasse riscos de doença ou mesmo a morte dos
trabalhadores (AEP, 2004). Para tal contribuíam dois factores, uma mentalidade em
que o valor da vida humana era pouco mais que desprezível e uma total ausência por
34
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
parte dos Estados de leis que protegessem o trabalhador. Apenas a partir da década
de 50/60, surgem as primeiras tentativas sérias de integrar os trabalhadores em
actividades devidamente adequadas às suas capacidades (AEP, 2004).
Actualmente em Portugal existe legislação que permite uma protecção eficaz de quem
integra as diferentes actividades, devendo a sua aplicação ser entendida como o
melhor meio de beneficiar simultaneamente as empresas e os trabalhadores na
salvaguarda dos aspectos relacionados com as condições ambientais e de segurança
de cada posto de trabalho (OSHA, 2011).
Na actualidade, em que certificações de Sistemas de Gestão da Qualidade e
Ambientais ganham tanta importância, as medidas relativas à Higiene e Segurança no
Trabalho tardam em ser implementados pelo que o despertar de consciências é
fundamental.
Já descrito na OSHA (2011) o ruído é visto como um agente físico que pode afectar de
modo significativo a qualidade de vida. Sem medidas de controlo ou protecção, o
excesso de intensidade do ruído, acaba por afectar o cérebro e o sistema nervoso,
sendo que o recomendado para 8 horas diárias de trabalho, o limite máximo de ruído
estabelecido é de 85 decibéis. A OSHA (2011) refere ainda que em condições de
exposição prolongada ao ruído por parte do aparelho auditivo, os efeitos podem não
só resultar na diminuição da acuidade auditiva, como também deixar o trabalhador
com dificuldades para se relacionar com os colegas e família, assim como dificuldades
acrescidas em se aperceber da movimentação de equipamentos móveis ou alarmes
de máquinas, agravando as suas condições de risco por acidente físico, para si ou
para outros.
A Agência Europeia para a Segurança e Saúde do Trabalho foi criada pela União
Europeia com vista a satisfazer as necessidades de informação em matéria de
Segurança e Saúde no trabalho, tendo como principal fim a melhoria da qualidade de
vida da população trabalhadora. Esta refere assim que o ruído poderá afectar em
diferentes níveis, não só a perda de capacidade auditiva mas também pode ter
repercussões na capacidade produtiva das pessoas, assim como pode destruir a sua
vida social, isolando-as da comunidade que as rodeia, decrescendo a sua qualidade
de vida.
Perante toda esta panóplia de estudos e informações encontradas, o presente estudo
foi elaborado tendo como objectivo avaliar o impacto do ruído na qualidade de vida
dos profissionais de enfermagem de cuidados intensivos.
35
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
3. OBJECTIVOS
Define-se como objectivos deste estudo:
a) Objectivo Geral
- Identificar o impacto do ruído na percepção de qualidade de vida dos enfermeiros de
Cuidados Intensivos.
b) Objectivos Específicos
- Determinar a percepção dos enfermeiros que constituíram a amostra, em relação a:
existência de ruído, consequências do ruído e fontes de ruído;
- Determinar a percepção dos enfermeiros, que constituíram a amostra, acerca da
influência do ruído em contexto profissional na sua qualidade de vida;
- Correlacionar o grupo etário e a experiencia profissional com as diferentes “vivências
individuais dos enfermeiros” em contexto profissional e com as classificações
atribuídas às diferentes fontes de ruído;
- Avaliar a Qualidade de Vida dos enfermeiros que compõem a amostra;
- Correlacionar a Qualidade de Vida dos enfermeiros com as variáveis demográficas,
com a percepção das consequências do ruído e com a caracterização do mesmo em
UCI´s;
- Identificar estratégias de redução do ruído nas UCI’s utilizadas pelos enfermeiros da
amostra em estudo.
Pretende-se ainda com este trabalho, tentar apontar estratégias para a redução do
ruído nas UCI´s com vista à promoção da saúde e segurança dos enfermeiros.
36
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
4. METODOLOGIA
4.1 Tipo de estudo
O estudo que se apresenta é definido como quantitativo, porque entende medir de
forma objectiva e com a utilização de questionários e tratamento de dados objectivos,
sendo que o que existe pode ser medido, além de obter resultados susceptíveis de
serem utilizados no plano prático e de fornecerem melhorias em situações particulares
(Fortin, 2009). É um estudo exploratório descritivo pois “descreve um fenómeno mal
conhecido (…) visa compreender a incidência de fenómenos vividos por pessoas,
categorizar uma população ou conceptualizar um situação (…) a descrição precede a
exploração” (Fortin, 2009).
4.2 População e Amostra
A população “conjunto de elementos (indivíduos, espécies, processos) que têm
características comuns” (Fortin, 2009), compreende neste estudo, 40 Enfermeiros da
Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente do Hospital Cuf Descobertas e Hospital
Cuf Infante Santo, todos eles sujeitos a um ambiente físico idêntico. Definiram-se
como critérios de inclusão: os enfermeiros no activo; com mais de um ano de profissão
em unidade de cuidados intensivos. Definiu-se como único critério de exclusão os
enfermeiros com menos de um ano de profissão em UCI.
Quanto à amostra englobou-se a totalidade da população, considerando-se os 40
enfermeiros, uma vez ser uma população pequena e a exequível no tempo disponível.
O método de amostragem é não probabilístico uma vez que se considerou como
amostra o total da população, logo na primeira encontravam-se as características
conhecidas na segunda, ou seja, o total de enfermeiros, femininos e masculinos, a
trabalhar no activo em cuidados intensivos com mais de um ano de profissão, sem
critérios de exclusão de idade, habilitações literárias ou tempo de profissão, apenas
excluindo aqueles que trabalham há menos de 1 ano nas respectivas unidades de
cuidados intensivos em estudo.
37
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
4.3 Local onde se implementou o estudo
Considera-se oportuno fornecer algumas informações sobre o Hospital Cuf
Descobertas (HCD) e o Hospital Cuf Infante Santo (HCIS), nomeadamente das suas
Unidades de Cuidados Intensivos.
Os dois Hospitais envolvidos neste estudo pertencem ao Grupo José de Mello Saúde
SA, e são hospitais de fundos privados, que apostam na componente técnica e
humana dos profissionais envolvidos com vista a um serviço público de elevada
qualidade. Todas as pessoas são possíveis clientes, embora estes hospitais não
possuam acordo com alguns sistemas de saúde, assim, são os possuidores de
seguros e os clientes particulares que se tornam o principal grupo a recorrer a estas
instituições de saúde.
O Hospital Cuf Infante Santo foi inaugurado em 1945, altura em que se designava
Hospital da Cuf, e localiza-se no centro de Lisboa, na zona de Santos. Tem
capacidade para 142 camas de internamento, das quais 12 na UCIP. Em relação aos
recursos humanos, a UCIP do HCIS tem um total de 22 enfermeiros, 7 auxiliares de
acção médica e 6 médicos.
O Hospital Cuf Descobertas teve o seu início de actividade em 2001, comportando
características físicas modernas, localizando-se no Parque das Nações. Tem a
capacidade de 159 camas de internamento, 9 das quais na UCIP. Quanto aos
recursos humanos, a UCIP do HCD tem um total de 18 enfermeiros, 7 auxiliares de
acção médica e 5 médicos.
Estas unidades têm um espaço físico relativamente diferente das enfermarias, uma
vez que todas as camas estão visíveis da bancada central, chamada de bancada de
trabalho, e portanto estão dispostas em espaço totalmente aberto, onde as unidades
dos diferentes doentes estão separadas por cortinas. Possuem ainda várias janelas
para o exterior, no entanto apenas duas no extremo têm possibilidade de abertura.
Fazem também parte da estrutura destas UCI’s, uma sala de sujos, uma sala de
passagem de turno, 2 gabinetes, um médico e outro de enfermagem, que pertencem
às chefias. Existem outras salas anexas a estas unidades, no entanto considerou-se
não referir uma vez que não influenciam directamente no funcionamento das mesmas.
38
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Imagem 4.1 – Fotografia da UCIP do Hospital Cuf Descobertas
Estas unidades de cuidados intensivos polivalentes, como este último nome indica,
não abarcam nenhuma patologia mais comum, apenas tratam doentes em risco de
vida e com necessidade premente de cuidados de enfermagem e médicos intensivos.
Comportam doentes graves e muito graves do foro cirúrgico ou médico, com as mais
diversas patologias, sejam elas cardíacas, respiratórias, infecciosas, oncológicas e
neurológicas, entre outras.
Tanto no HCD como no HCIS por cada turno de trabalho estão sempre presentes 3
enfermeiros, 1 auxiliar de acção médica e 1 médico, excepto no turno da manhã que
ocorre entre as 8h e as 16h, em que o fluxo de trabalhadores está aumentado,
resultando em 4 enfermeiros (sendo um deles a Enfermeira Chefe), 2 auxiliares de
acção médica, 3 médicos e 1 secretária de unidade. Além destes poderão sempre
recorrer à unidade vários técnicos de saúde com vista à intervenção junto dos doentes
graves, como sendo, fisioterapeutas, técnicos de imagiologia, técnicos de cardiologia e
ainda médicos de especialidades que poderão ser chamados a intervir.
As UCIP’s dos hospitais acima referidos, abarcam um vasto leque de materiais de
trabalho que devido ao avanço tecnológico e à gravidade dos doentes internados,
resulta num aumento de maquinaria diversa, tornando as unidades ricas em sons
variados resultantes de camas articuláveis, seringas e bombas infusoras, ventiladores,
aspiradores, bombas de alimentação, monitores cardíacos, todos estes com os seus
sons próprios mas também com sons pontualmente agudos devido a alarmes.
39
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Imagem 4.2 – Fotografia da Unidade do doente de Cuidados Intensivos do HCD
Outros sons comuns e permanentes nestas unidades são os telefones do serviço, a
comunicação entre profissionais, as vozes dos familiares em horário de visita, as
campainhas dos doentes e da porta de entrada, o rádio, entre outros.
4.4 Instrumento de recolha de dados
Como instrumento de colheita de dados, utilizou-se um questionário com questões
fechadas, que no seu total englobou 50 perguntas. Este questionário foi adaptado de
dois já existentes, um elaborado e utilizado num estudo com o intuito de perceber a
“Influência do Ruído na Comunicação Interpessoal” (Sousa, 2006), composto por 27
perguntas, apresentando duas partes distintas, uma primeira sobre a percepção da
influência do ruído como experiência na UCI, na experiência profissional e na
individual dos inquiridos. A segunda engloba sete questões para a caracterização da
amostra, referindo-se a dados pessoais (sexo e idade) e dados profissionais (tempo de
profissão e tempo de trabalho na UCI em questão ou noutra). O outro é o questionário
abreviado, WHOQOL-Bref, versão portuguesa (Canavarro, 2006), sobre qualidade de
vida da Organização Mundial da Saúde, obtida por consentimento pela Universidade
de Coimbra (ANEXO II). Esta é uma versão composta por vinte e seis questões que
obtiveram os melhores desempenhos psicométricos extraídos do WHOQOL-100,
versão não abreviada e validada para a população portuguesa, Canavarro et al.
(2006), e comporta quatro domínios: físico, psicológico, relações sociais e meio
40
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ambiente, que por sua vez integram vários subdomínios ou facetas. Ou seja, o
Domínio Físico é constituído pelas facetas: dor e desconforto; energia e fadiga; sono e
repouso; mobilidade; actividades de vida quotidiana; dependência de medicação ou de
tratamentos e capacidade de trabalho. O Domínio Psicológico é constituído pelas
facetas: sentimentos positivos; pensar, aprender, memória e concentração; autoestima;
imagem
corporal
e
aparência;
sentimentos
negativos
e
espiritualidade/religião/crenças pessoais. Já o Domínio Relações Sociais é constituído
pelas facetas: relações pessoais, suporte social e actividade sexual, enquanto que o
Domínio Meio Ambiente é constituído pelas facetas: segurança física e protecção;
ambiente no lar; recursos financeiros; cuidados de saúde e sociais; oportunidade de
adquirir novas informações e habilidades; oportunidades de lazer; ambiente físico e
transporte. O questionário é ainda constituído por duas questões gerais, uma sobre a
percepção de saúde e outra sobre a percepção de Qualidade de Vida, as quais
perfazem o domínio Geral para o qual é atribuído valores, obtidos a partir das
respostas para se chegar ao resultado final, à semelhança do que é feito com as
questões de cada um dos domínios acima referidos. Cada pergunta de cada domínio é
pontuada numa escala de 1 a 5, em que as pontuações mais elevadas indicam melhor
qualidade de vida.
A escolha do questionário como instrumento de recolha de dados foi feita por
apresentar certas vantagens como, ser uma forma eficaz de recolha de informação
pelo facto do sujeito responder ele próprio às questões formuladas, permitir a
codificação das respostas à maior parte das perguntas e além disso permitir a
quantificação de uma multiplicidade de dados (Quivy e Campenhoudt, 1988).
4.4.1
Pré-teste
Para adaptação do questionário ao presente estudo, foi efectuado um pré-teste a
cerca de 10% da amostra (4 enfermeiros) numa outra Unidade de Cuidados Intensivos
Polivalente (UCIP), do Hospital de Santa Marta. Pois “pré-teste é a prova que consiste
em verificar a eficácia e o valor do questionário junto de uma amostra reduzida da
população alvo” (Fortin, 2009).
Tendo em conta os resultados do pré-teste, o questionário não teve necessidade de
ser reformulado, e portanto, foi distribuído à população em causa (ANEXO III). Para
41
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
facilitar a expressão de resposta convencionou-se que cada inquirido assinalava o
indicador mais adequado à sua opinião.
O pedido de autorização para a realização deste estudo e consequentemente a
aplicação do instrumento de recolha de dados que permitisse a realização do mesmo,
foi feito através de uma carta dirigida à Direcção dos Serviços de Enfermagem do
Hospital Cuf Descobertas e Hospital Cuf Infante Santo e respectivas chefias dos
serviços onde se aplicou o questionário.
4.5 Procedimento
O procedimento do estudo iniciou-se pelo contacto com as instituições, de modo a
explicar o intuito e o que poderia trazer de novo às mesmas, em prol não só do
trabalhador mas também do patronato. De seguida, foi redigida carta com a explicação
do estudo e apresentação do questionário, à Direcção dos hospitais Cuf Descobertas
e Cuf Infante Santo e posteriormente às chefias dos serviços de cuidados intensivos.
Após a sua autorização (ANEXO IV), foram distribuídos os questionários, todos eles
precedidos de uma carta de apresentação e de sensibilização, motivando o inquirido
para a sua colaboração, frizando o anonimato das respostas. O questionário foi então
auto-administrado, uma vez que após a leitura das instruções, o respondente
preencheu o questionário sem qualquer ajuda ou presença.
Os questionários foram deixados ao cuidado das chefias das UCI’s num envelope
devidamente identificado para o efeito, e outro ao lado onde se colocou os
questionários preenchidos. Aquando do preenchimento, os profissionais além de
colocarem no envelope fechado o seu questionário, colocaram um visto no seu nome,
em folha própria, por forma a haver garantia de preenchimento por parte de todos os
enfermeiros da unidade em questão. No final foram recolhidos nos respectivos
envelopes fechados e numerados de 1 a 40 com vista a facilitar o tratamento de
dados. Apesar de não ter sido recusado o preenchimento do questionário por nenhum
elemento da população, houve a necessidade de anular um dos questionários uma
vez que não estava preenchido na sua totalidade, por falta dos dados demográficos.
42
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
5. ANÁLISE DOS DADOS
Tratou-se de um estudo quantitativo, exploratório, descritivo e correlacional, uma vez
que foi através de correlação múltipla e de regressão que se tentou determinar a
influência de uma ou mais variáveis independentes, sobre a variável dependente.
A análise dos dados foi realizada utilizando por base o programa de análise de dados
SPSS versão 17.0.
A análise quantitativa, foi do tipo estatística descritiva e correlacional através da
organização e descrição dos dados de forma numérica, através de tabelas de
frequências e percentagens. Para efectuar correlações utilizou-se o coeficiente de
Spearman e Pearson, e igualmente os valores foram organizados por tabelas e
assinalados na presença de significância.
Quanto aos dados do WHOQOL-Bref foram igualmente tratados pelo programa SPSS
17.0, codificados sob forma numérica, de acordo com o manual de utilizador e sintaxe
fornecidos previamente pela universidade de Coimbra. Depois da respectiva
pontuação do instrumento, o tratamento de dados iniciou-se pela análise estatística
dos resultados WHOQOL – Bref obtidos junto dos enfermeiros. Posteriormente,
explorou-se as médias e desvio-padrão dos diferentes domínios fazendo a sua
interpretação. Utilizou-se para a análise dos dados, como referido anteriormente, o
coeficiente de correlação de Spearman que é uma medida de correlação nãoparamétrica, sendo utilizado para determinar a existência de relações entre 2 variáveis
com dados ordinais, que neste estudo se referia a averiguar se o grupo etário ou a
experiência profissional, número de anos de actividade, ocorriam simultaneamente
com as vivências individuais dos enfermeiros. Também usada foi a correlação de
Pearson pois é um coeficiente de correlação usado para medir o grau de relação entre
duas variáveis quantitativas de intervalos ou proporções (Fortin, 2009), variando o seu
valor ente -1 e +1, e neste caso pretendeu-se analisar se a “experiência profissional
em UCI`s” e as “classificações atribuídas aos ruídos produzidos por diferentes fontes
de ruído” ou o grupo etário se relacionavam entre si.
Utilizaram-se ainda modelos de regressão linear múltiplos para analisar o efeito das
variáveis sócio-demográficas (género, grupo-etário, experiência profissional e
experiencia profissional em UCI) e da variável “intensidade do ruído” nos diferentes
domínios do WHOQOL-Bref (Domínio Geral, Domínio Físico, Domínio Psicológico,
Domínio Relações Sociais e Domínio Meio Ambiente – ANEXO I). Na sequência da
análise anterior procedeu-se à comparação das médias dos domínios que constituem
43
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
o WHOQOL-Bref consoante o género, sendo utilizada a estatística ANOVA que
permite analisar dados provenientes de mais do que dois grupos, ou seja, permite
comparar a variância de cada grupo com a variância que existe entre os grupos
(Fortin, 2009).
Por fim, foi feita também a correlação entre as consequências do ruído assinaladas
pelos enfermeiros e a sua Qualidade de Vida através do correlação bisserial-Pearson,
que estima a correlação de Pearson, mas que é usada quando em presença de
variáveis dicotómicas (neste caso, “Sim” e “Não”) versus variáveis quantitativas, neste
caso os scores dos vários domínios do WHOQOL - Bref (Fortin, 2009), afim
de
verificar se as consequências do ruído estavam correlacionadas com a sua qualidade
de vida. Foi feita também a correlação entre a caracterização do ruído feita pelos
enfermeiros e a sua Qualidade de Vida através da correlação de Spearman,
anteriormente explicada, a fim de perceber se a percepção da presença de ruído e a
sua necessidade de controlo interferia na qualidade de vida dos inquiridos.
44
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
6. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS
Os dados referentes aos questionários foram analisados com base no programa SPSS
17.0, como referido anteriormente. Para as variáveis categóricas utilizou-se análise
descritiva a partir do cálculo de frequências, tanto absolutas, como a nível percentual.
Foi empregado ainda, a sintaxe WHOQOL-Bref no SPSS para avaliação dos valores
encontrados para a Qualidade de Vida.
6.1 Caracterização da Amostra
Como se pode observar na tabela 6.1, a amostra do estudo foi constituída por 39
indivíduos, 10 (26%) do género masculino e 20 (74%) do género feminino. A maioria
dos sujeitos (59%) tinha idades inferiores a 40 anos e 57% exerciam a profissão há
menos de 15 anos.
Tabela 6.1 - Características sócio-demográficas da amostra
Género
Grupo Etário (anos)
Experiência Profissional (anos)
N
%
39
100
Masculino
10
25,6
Feminino
29
74,4
23-30
7
17,9
31-40
16
41,0
41-50
10
25,6
≥ 51
6
15,4
1-5
5
12,8
6-10
5
12,8
11-15
12
30,8
16-20
5
12,8
21-25
7
17,9
≥ 26
5
12,8
O exercício profissional até 10 anos em Unidade de Cuidados Intensivos representava
64% dos inquiridos, porém 48,7% dos sujeitos adquiriram ainda experiência
profissional noutras UCI`s.
45
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Tabela 6.2 - Características da experiência profissional em UCI da amostra
Experiência Profissional na UCI (anos)
Exercício Profissional noutra UCI (anos)
N
%
1
6
15,4
1,5
1
2,6
3
1
2,6
4
2
5,1
5
3
7,7
7
1
2,6
8
2
5,1
9
1
2,6
10
8
20,5
11
5
12,8
12
1
2,6
17
1
2,6
18
2
5,1
20
1
2,6
21
2
5,1
22
1
2,6
34
1
2,6
Não
20
51,3
Sim
19
48,7
1
3
7,7
2,5
2
5,1
3
2
5,1
4
2
5,1
5
3
7,7
6
2
5,1
7
1
2,6
8
1
2,6
12
1
2,6
13
1
2,6
14
1
2,6
6.2 Resultados relativos ao objectivo “Determinar a percepção dos enfermeiros que
constituíram a amostra em relação a: existência de ruído; consequências do
ruído e fontes de ruído”
Para dar resposta ao objectivo, como se pode observar na tabela 6.3 a totalidade dos
inquiridos refere a presença de ruído no local de trabalho (100%), argumentando 64%
46
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
dos sujeitos que é “muito” o ruído existente. O ruído parece afetar frequentemente o
desempenho a 46% dos inquiridos.
Tabela 6.3 – Percepção dos enfermeiros quanto ao ruído na UCI
N
%
Existe ruído no seu local de trabalho?
Sim
39
100
Considera o ruído existente?
Muito
25
64,1
Algum
14
35,9
O seu desempenho pode ser afetado pelos efeitos
Sempre
4
10,3
do ruído?
Frequentemente
18
46,2
Ocasionalmente
15
38,5
Raramente
2
5,1
Quanto às consequências mais graves do ruído para o desempenho profissional
assinaladas (Tabela 6.4) foram referidas: a diminuição da concentração dos
profissionais (92,3%); o aumento da irritabilidade entre profissionais (84,6%) e a
dificuldade de comunicação (76,9%), sendo que os sintomas físicos como dores de
cabeça foram também assinalados por mais de metade dos profissionais (53,8%).
Tabela 6.4 – Percepção dos enfermeiros quanto às consequências do ruído
N
%
Diminuição da concentração dos
36
92,3
profissionais
Perturbações de depressão nos profissionais
3
7,7
Dificuldade de comunicação
30
76,9
Aumento da irritabilidade entre profissionais
33
84,6
Diminuição do tempo de presença no serviço
2
5,1
Perturbações sensoriais dos profissionais
6
15,4
Enxaquecas e dores de cabeça dos
21
53,8
5
12,8
profissionais
Outras
47
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Em relação à necessidade de controlar o ruído, considerando a totalidade da amostra,
59% (N=23) indicaram a necessidade de controlar o ruído existente; 56,4% (N=22)
assinalaram que frequentemente existe ruído desnecessário na UCI; 76,9% (N=30)
sentiam-se incomodados na presença de ruído; 66,7% (N=26) consideravam o período
da manhã o mais ruidoso e 59% (N=23) consideravam que na UCI “se fala mais alto
do que o habitual”.
Tabela 6.5 - Caracterização do ruído pelos enfermeiros
Sente necessidade de controlar o ruído
existente ao seu redor?
Considera que existe ruído desnecessário?
Como se sente na presença do ruído?
Período do dia em que o ruído é mais intenso?
No serviço fala-se?
N
%
Sempre
7
17,9
Frequentemente
23
59,0
Ocasionalmente
8
20,5
Raramente
1
2,6
Frequentemente
22
56,4
Ocasionalmente
16
41,0
Raramente
1
2,6
Indiferente
2
5,1
Incomodado
30
76,9
Ansioso
1
2,6
Irritado/Stressado
6
15,4
Manhã
26
66,7
Tarde
11
28,2
Noite
2
5,1
Mais alto que o habitual
23
59,0
Normalmente
16
41,0
As fontes de ruído mais frequentes na UCI segundo os inquiridos, são produzidas
pela: campainha da entrada 89,7% (N=35); telefone 87,1% (N=34); alarmes 84,6%
(N=33); visitas dos doentes 79,5% (N=31); mudanças de turno 76,9% (N=30);
ventiladores 61,5% (N=24) e higienes 53,9% (N=21).
Tabela 6.6 – Classificação dos enfermeiros quanto à intensidade das fontes de ruído na
UCI
Ruído produzido visitas médicas
nada ruidoso
N
%
7
17,9
48
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Ruído produzido mudanças de turno
Ruído produzido actividades profissionais
Ruído produzido conversação e vozes
Ruído produzido higienes
Ruído produzido visitas doentes
Ruído produzido pelos ventiladores
Ruído produzido pelos equipamentos de
perfusão
Ruído produzido pelo ar condicionado
Ruído produzido pela aspiração de
secreções
Ruído produzido pelos alarmes
pouco ruidoso
17
43,6
Ruidoso
11
28,2
muito ruidoso
4
10,3
nada ruidoso
1
2,6
pouco ruidoso
8
20,5
ruidoso
14
35,9
muito ruidoso
16
41,0
pouco ruidoso
21
53,8
ruidoso
16
41,0
muito ruidoso
2
5,1
pouco ruidoso
8
20,5
ruidoso
25
64,1
muito ruidoso
6
15,4
nada ruidoso
3
7,7
pouco ruidoso
15
38,5
ruidoso
20
51,3
muito ruidoso
1
2,6
pouco ruidoso
8
20,5
ruidoso
16
41,0
muito ruidoso
15
38,5
nada ruidoso
5
12,8
pouco ruidoso
10
25,6
ruidoso
17
43,6
muito ruidoso
7
17,9
nada ruidoso
8
20,5
pouco ruidoso
15
38,5
ruidoso
10
25,6
muito ruidoso
6
15,4
nada ruidoso
32
82,1
pouco ruidoso
5
12,8
ruidoso
1
2,6
muito ruidoso
1
2,6
nada ruidoso
8
20,5
pouco ruidoso
25
64,1
ruidoso
5
12,8
muito ruidoso
1
2,6
nada ruidoso
1
2,6
pouco ruidoso
5
12,8
ruidoso
8
20,5
muito ruidoso
25
64,1
49
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Ruído produzido pela campainha entrada
Ruído produzido pela rádio
Ruído produzido pelo telefone
nada ruidoso
2
5,1
pouco ruidoso
2
5,1
ruidoso
11
28,2
muito ruidoso
24
61,5
nada ruidoso
26
66,7
pouco ruidoso
12
30,8
ruidoso
1
2,6
nada ruidoso
2
5,1
pouco ruidoso
3
7,7
ruidoso
13
33,3
muito ruidoso
21
53,8
6.3 Resultados relativos ao objectivo “Determinar a percepção dos enfermeiros que
constituíram a amostra, acerca da influência do ruído em contexto profissional
na sua qualidade de vida”
Na definição do objectivo anteriormente proposto, obtiveram-se os seguintes
resultados:
Frequentemente ou ocasionalmente o ruído interfere na qualidade de vida de 79,5%
(N=31) dos inquiridos. Os enfermeiros consideram ainda que a sua audição
comparativamente com as pessoas da sua idade é “boa” (N=21, 53,8%).
Tabela 6.7 – Avaliação de Qualidade de Vida e nível de audição pelos enfermeiros
O ruído interfere na sua qualidade de vida
Genericamente, considera a sua audição
comparativamente com as pessoas da
sua idade
N
%
Sempre
7
17,9
Frequentemente
13
33,3
Ocasionalmente
18
46,2
Raramente
Muito boa
1
2,6
8
20,5
Boa
21
53,8
Razoável
9
23,1
Medíocre
1
2,6
As experiências individuais mais referidas foram respetivamente: “sonho com alarmes”
61,6% (N=24) e “fico mais irritável e stressado(a)” 61,6% (N=24).
50
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Tabela 6.8 – Vivências individuais dos enfermeiros em casa e em contexto de trabalho
Em casa tenho dificuldade em adormecer
Sonho com alarmes
Se estiver num turno ruidoso, fico mais
irritável e stressado(a)
Com ruído sinto-me incapaz de trabalhar
Sinto necessidade de sair por momentos
N
%
Sempre
1
2,6
Frequentemente
3
7,7
Ocasionalmente
17
43,6
Raramente
18
46,2
Sempre
4
10,3
Frequentemente
20
51,3
Ocasionalmente
12
30,8
Raramente
3
7,7
Sempre
4
10,3
Frequentemente
20
51,3
Ocasionalmente
12
30,8
Raramente
3
7,7
Frequentemente
3
7,7
Ocasionalmente
23
59,0
Raramente
13
33,3
Sempre
1
2,6
Frequentemente
7
17,9
Ocasionalmente
13
33,3
Raramente
18
46,2
6.4 Resultados relativos ao objectivo “Correlacionar o grupo etário e a experiencia
profissional (nº de anos) com as diferentes “vivências individuais dos
enfermeiros” em contexto profissional e com as classificações atribuídas às
diferentes fontes de ruído”
Para se averiguar se o grupo etário ou a experiência profissional (número de anos de
actividade) ocorrem simultaneamente com a vivência individual dos enfermeiros,
recorreu-se ao coeficiente de correlação de Spearman que é uma medida de
correlação não-paramétrica, sendo utlizado para determinar a existência de relações
entre 2 variáveis com dados ordinais. O coeficiente de correlação de Spearman
revelou a existência de uma relação significativa entre a experiência profissional
(número de anos de actividade) e a variável referente à experiência individual dos
inquiridos “sonhar com alarmes” (rs=0,341; α=0,05), isto é, os indivíduos com maior
número de anos de exercício profissional eram os que mais referiam a experiência de
51
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
“sonhar com alarmes”. Para as restantes variáveis não se observaram quaisquer
relações significativas.
Tabela 6.9 - Correlação entre “grupo etário” e “experiencia profissional” (nº de anos) e
as diferentes “vivências individuais dos enfermeiros”
Grupo
Experiência
Etário
Profissional
Em casa, tenho dificuldade em
Correlação Spearman
0,031
0,114
adormecer
P-value
0,852
0,491
Correlação Spearman
0,272
0,341*
P-value
0,094
0,034
Correlação Spearman
0,018
0,080
P-value
0,916
0,629
Com ruído sinto-me incapaz de
Correlação Spearman
0,098
0,233
trabalhar
P-value
0,551
0,153
Sinto necessidade de sair por
Correlação Spearman
0,161
0,235
momentos da UCI
P-value
0,305
0,149
Sonho com alarmes
Se
estiver
num
turno
particularmente ruidoso, fico
mais irritável e stressado
* Correlação significativa (α=0,05)
Para se analisar se a “experiência profissional em UCI`s” e as “classificações
atribuídas aos ruídos produzidos por diferentes fontes de ruído” ou o grupo etário se
relacionavam entre si, utilizou-se a correlação de Pearson pois é um coeficiente de
correlação usado para medir o grau de relação entre duas variáveis quantitativas de
intervalos ou proporções (Fortin, 2009), variando o seu valor ente -1 e +1. Este revelou
a inexistência de uma qualquer relação entre as variáveis.
Tabela 6.10 - Correlação entre “grupo etário” e “experiência profissional” e as
“classificações atribuídas às diferentes fontes de ruído”
Grupo
Experiência
Etário
Profissional em UCI
52
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Correlação Pearson
0,195
0,146
P-value
0,233
0,376
Correlação Pearson
0,120
0,060
P-value
0,469
0,718
Correlação Pearson
0,059
0,148
P-value
0,719
0,367
Correlação Pearson
-0,101
-0,015
P-value
0,541
0,926
Correlação Pearson
-0,012
0,042
P-value
0,441
0,802
Correlação Pearson
0,011
-0,068
P-value
0,946
0,681
Correlação Pearson
-0,059
-0,113
P-value
0,721
0,495
Correlação Pearson
-0,149
-0,211
P-value
0,365
0,196
Correlação Pearson
-0,122
-0,074
P-value
0,459
0,655
Correlação Pearson
-0,230
0,270
P-value
0,160
0,097
Correlação Pearson
-0,031
0,150
P-value
0,853
0,362
Correlação Pearson
0,102
0,190
P-value
0,536
0,362
Correlação Pearson
-0,223
-0,143
P-value
0,172
0,384
Correlação Pearson
0,085
0,159
P-value
0,172
0,333
Visitas médicas
Mudanças de turno
Actividades gerais
Conversação e vozes
Higienes
Visitas dos doentes
Aparelhos de ventilação
Aparelhos de perfusão
Ar condicionado
Aspiradores de secreções
Alarmes
Campainha da porta
Rádio
Telefones de serviço
* Correlação significativa (α=0,05)
53
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
6.5 Resultados relativos ao objectivo “Avaliar a Qualidade de Vida dos enfermeiros
que constituem a amostra”
Para ir ao encontro deste objectivo, recorreu-se à análise descritiva dos domínios do
WHOQOL-Bref, onde foi possível verificar que os domínios que apresentaram as
maiores médias de scores foram o domínio Físico e o domínio Psicológico (83,6±3,4 e
83,2±2,7 respectivamente). Por outro lado, a menor média dos scores observou-se
nas questões que constituíam o domínio Meio Ambiente (73,15±3,5). De um modo
geral, a média dos diferentes domínios foram altas, evidenciando uma boa qualidade
de vida por parte dos enfermeiros inquiridos.
No domínio Físico, os sujeitos posicionaram-se na escala de resposta apresentada tal
que, o somatório das questões (Score) que compõem esse domínio (Q3; Q4; Q10;
Q15; Q16; Q17 e Q18) variou entre um score mínimo de 22 e um score máximo de 35.
A observação do P75 (percentil 75) permite afirmar que neste domínio 25% da amostra
tinha um score superior a 31.
No domínio Meio-Ambiente, os sujeitos posicionaram-se na escala de resposta
apresentada tal que, o somatório das questões que compõem esse domínio variou
entre um score mínimo de 22 e um score máximo de 39, tendo o P50 (percentil 50)
mostrando que 50% da amostra tinha um score inferior a 29.
No domínio Geral o somatório das questões que compõem esse domínio variou entre
5 e 10, revelando o P75 que 25% da amostra tinha um score superior a 9.
No domínio Psicológico os enfermeiros posicionaram-se na escala de resposta
apresentada tal que, o score das questões que compõem este domínio variou entre
um score mínimo de 17 e um score máximo de 29. A observação do P75 (percentil 75)
permite afirmar que neste domínio 25% da amostra tinha um score superior a 27.
O domínio das Relações Sociais apresentou uma média de 82,7, sendo que 25% dos
inquiridos tiveram um score acima de 14, bastante alto tendo em conta que o score
máximo neste domínio é de 15.
54
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Tabela 6.11 – Análise descritiva os domínios WHOQOL-Bref
Domínio
Geral
Domínio
Físico
81,5±1,14
83,6±3,4
83,2±2,7
82,7±1,9
73,15±3,5
Mínimo
5(50)
22(62.8)
17(56,6)
5(33,3)
22(55)
Máximo
10(100)
35(100)
29(96,6)
15(100)
39(97,5)
Percentil 25
8
27
24
12
27
50
8
29
25
12
29
75
9
31
27
14
32
Média ± DP
Domínio
Psicológico
Domínio
Relações
Sociais
Domínio
Meio
Ambiente
6.6 Resultados relativos ao objectivo “Correlacionar a Qualidade de Vida dos
enfermeiros
com
as
variáveis
demográficas,
com
a
percepção
das
consequências do ruído e com a caracterização do mesmo em UCI´s”
Com vista a ir ao encontro deste objectivo, utilizaram-se modelos de regressão linear
múltiplos para analisar o efeito das variáveis sócio-demográficas (género, grupo-etário,
experiência profissional e experiencia profissional em UCI) e da variável “intensidade
do ruído” nos diferentes domínios do WHOQOL-Bref (Domínio Geral, Domínio Físico,
Domínio Psicológico, Domínio Relações Sociais e Domínio Meio Ambiente – ANEXO
I), tendo-se observado que apenas a variável género explicava as variações nos
domínios Geral e Físico.
Tabela 6.12 - Modelo de regressão entre variáveis sócio-demográficas e intensidade do
ruído e os domínios do WHOQOL - Bref
Variáveis independentes do modelo
Género
P-value
Domínio Geral
0,042*
Domínio Físico
0,008*
Domínio Psicológico
0,882
Domínio Relações Sociais
0,463
Domínio Meio Ambiente
0,330
55
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Grupo etário
Experiência Profissional
Experiência Profissional em
UCI
“Intensidade” do Ruído
Domínio Geral
0,715
Domínio Físico
0,223
Domínio Psicológico
0,254
Domínio Relações Sociais
0,509
Domínio Meio Ambiente
0,356
Domínio Geral
0,474
Domínio Físico
0,742
Domínio Psicológico
0,687
Domínio Relações Sociais
0,647
Domínio Meio Ambiente
0,252
Domínio Geral
0,217
Domínio Físico
0,825
Domínio Psicológico
0,501
Domínio Relações Sociais
0,543
Domínio Meio Ambiente
0,382
Domínio Geral
0,817
Domínio Físico
0,196
Domínio Psicológico
0,294
Domínio Relações Sociais
0,147
Domínio Meio Ambiente
0,159
Domínio Geral
0,817
Na sequência da análise anterior procedeu-se à comparação das médias dos
domínios que constituem o WHOQOL-Bref consoante o género, a estatística ANOVA
foi utilizada uma vez que permite analisar dados provenientes de mais do que dois
grupos, ou seja, permite comparar a variância de cada grupo com a variância que
existe entre os grupos (Fortin, 2009). A estatística ANOVA revelou diferenças
estatisticamente significativas nas médias do Domínio Geral, concluindo-se que
existiam scores de qualidade de vida significativamente mais elevados nos indivíduos
do género feminino.
Tabela 6.13 - Comparação de médias dos domínios tendo em conta o género
Média±SD
Domínio Físico
Domínio Psicológico
Masculino
17,31±1,375
Feminino
Masculino
16,53±2,088
17,07±1,546
P-value
0,278
0,900
56
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Domínio Geral
Domínio Relações Sociais
Domínio Meio Ambiente
Feminino
Masculino
17,22±3,665
14,80±2,700
Feminino
Masculino
16,83±1,891
15,20±3,454
Feminino
Masculino
17,01±2,098
13,60±1,713
Feminino
* T. Anova significativo, α=0,01.
14,98±1,666
0,013*
0,055
0,031
Para se averiguar se as consequências mais graves do ruído assinaladas pelos
respondentes se relacionavam com os domínios WHOQOL-Bref, utilizou-se a
correlação bisserial-Pearson, que estima a correlação de Pearson, mas que é usada
quando em presença de variáveis dicotómicas (neste caso, “Sim” e “Não”) versus
variáveis quantitativas, neste caso os scores dos vários domínios (Fortin, 2009). A
estatística calculada revelou a inexistência de qualquer relação entre as variáveis, isto
é, as consequências mais graves do ruído assinaladas parecem não interferir nos
domínios estudados.
Tabela 6.14 – Correlação entre as consequências do ruído assinaladas pelos enfermeiros
Diminuição do
tempo de presença
no serviço
Perturbações
sensoriais dos
profissionais
Enxaquecas e
dores de cabeça
dos profissionais
-0,136
-0,058
0,035
0,016
Pvalue
0,197
0,780
0,071
0,977
0,411
0,724
0,831
0,924
-0,033
-0,053
0,173
0,120
-0,136
-0,058
0,035
0,016
Pvalue
0,842
0,749
0,293
0,465
0,411
0,724
0,831
0,924
D. Geral
D. Físico
Outras
Aumento da
irritabilidade entre
profissionais
-0,005
Dificuldade de
comunicação
0,292
Perturbações de
depressão nos
profissionais
0,046
Diminuição da
concentração
dos profissionais
Correlação
Pearson
0,211
Correlação
Pearson
e a sua Qualidade de Vida
57
Correlação
Pearson
-0,113
-0,071
0,064
0,159
0,002
0,167
-0,304
0,209
Pvalue
0,493
0,669
0,697
0,334
0,989
0,309
0,060
0,202
Correlação
Pearson
0,215
-0,187
-0,064
-0,111
0,132
0,020
-0,043
0,278
Pvalue
0,190
0,254
0,696
0,500
0,423
0,904
0,793
0,087
Correlação
Pearson
D. Meio
Ambiente
D. Social
D. Psicológico
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
0,062
-0,062
0,054
0,128
-0,050
-0,072
-0,050
-0,072
Pvalue
0,709
0,709
0,745
0,436
0,760
0,662
0,763
0,662
Para se averiguar se a caracterização do ruído assinalada pelos profissionais se
relacionava com os domínios WHOQOL-Bref utilizou-se a correlação de Spearman
para as variáveis “sente necessidade controlar o ruido ao seu redor”, “existe ruido
desnecessário” “no serviço fala-se”, a qual revelou uma relação fraca mas significativa
entre as variáveis assinaladas (α=0,01).
“Sente
necessidade de
controlar o
ruído ao seu
redor”
“Existe ruído
desnecessário”
“No
serviço
fala-se”
Correlação
Spearman
0,373*
-0,061
-0,280
0,112
-0,223
P-value
0,019
0,714
0,084
0,496
0,173
Correlação
Spearman
P-value
Correlação
Spearman
0,070
-0,340*
-0,098
0,182
-0,240
0,672
0,034
0,554
0,268
0,141
-0,089
-0,198
-0,077
0,187
-0,087
0,592
0,227
0,641
0,255
0,600
-0,084
-0,209
-0,285
0,249
-0,101
P-value
Correlação
D
.
S
o
ci
a
l
D.
Psicológico
D. Físico
D. Geral
Tabela 6.15 – Correlação entre a caracterização do ruído feita pelos enfermeiros e a sua
Qualidade de Vida
“Como se
sente na
presença
do ruído”
“Período
em que
ruído é
mais
intenso”
58
D. Meio
Ambiente
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Spearman
P-value
Correlação
Spearman
P-value
0,613
0,222
0,201
0,000
0,079
-0,212
0,126
0,212
0,542
-0,278
0,174
1,000
0,196
0,195
0,087
6.7 Resultados relativos ao objectivo “Identificar estratégias de redução do ruído
nas UCI’s utilizadas pelos enfermeiros da amostra em estudo”
Para responder a este objectivo, evidenciou-se que as medidas mais pertinentes
referidas pelos enfermeiros para reduzir o ruído na UCI foram: 89,7% (N=35) manter
portas e janelas fechadas; 79,5% (N=31) uso de dispositivos com alarme luminoso e
69,2% (N=27) utilização de ventiladores pouco ruidosos.
Tabela 6.16 - Medidas para reduzir o ruído enumeradas pelos enfermeiros
Programas de sensibilização para os profissionais
Manter portas e janelas fechadas
Diminuir volume dos alarmes
Uso de dispositivos com alarme luminoso
Utilização de ventiladores pouco ruidosos
Não utilizar telemóveis com sinal sonoro
Medições frequentes dos níveis de ruído
Manutenção do equipamento para diminuir ruído
Outras
N
%
Sim
11
28,2
Não
28
71,8
Sim
35
89,7
Não
4
10,3
Sim
13
33,3
Não
26
66,7
Sim
31
79,5
Não
8
20,5
Sim
27
69,2
Não
12
30,8
Sim
20
51,3
Não
19
48,7
Sim
19
48,7
Não
20
51,3
Sim
13
33,3
Não
26
66,7
Sim
35
89,7
Não
4
10,3
59
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
O questionário aplicado abordou diversos aspectos que podem ser sistematizados em
três dimensões consideradas relevantes para relacionar: uma primeira sobre a
qualidade de vida englobando 26 questões, uma segunda sobre sobre o ruído e a sua
perceção no contexto de trabalho em Cuidados Intensivos, com 13 questões e uma
terceira sobre os efeitos do ruido no quotidiano dos inquiridos, com 5 questões. Como
visto no capitulo anterior, importou também relacionar com os dados demográficos
encontrados junto da amostra.
A análise dos resultados evidenciou que:
A amostra revelou-se maioritariamente do sexo feminino, o que vai ao encontro da
estatística de prevalência por género na profissão de enfermagem. No sector da
saúde, em muitos países, a ocupação da força de trabalho feminino ultrapassa 75%, o
que torna as mulheres indispensáveis à prestação dos serviços de saúde (OMS,
2008). Também como refere Hugman citado por Simões e Amancio (2004) os homens
são minoritários na prática de cuidados de enfermagem, no entanto estão sobre
representados a todos os níveis de gestão e supervisão.
Com vista a ir ao encontro do primeiro objectivo proposto que visava determinar a
percepção dos enfermeiros em relação a: existência de ruído, consequências do ruído
e fontes de ruído, constatou-se que quase a totalidade dos inquiridos considera que
existe ruído desnecessário no seu local de trabalho e mais de metade considera que a
sua presença afeta o seu desempenho profissional, referindo quase a totalidade
diminuição da concentração, aumento da irritabilidade entre profissionais e dificuldade
de comunicação, sendo que metade refere ainda a presença de sintomas físicos como
cefaleias, como corrobora Leitão et al. (2008) em que os enfermeiros referiram
cansaço auditivo, com diminuição da concentração e aumento do stresse profissional
na presença de ruído em cuidados intensivos. A este respeito, também Syder (1997)
referiu que em ambientes com ruído a comunicação verbal se torna impossível, sendo
difícil dar avisos e informações pertinentes, aumentando a probabilidade de erros e
acidentes ocupacionais. Efectivamente, a maioria dos inquiridos referiu dificuldade na
comunicação sendo que quase a totalidade referiu diminuição da concentração na
presença de ruído. Estes dados vão ao encontro do referido por Lacerda (1996), em
que o ruído sendo um som indesejável, apresenta a característica de irritar e, com
60
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
isso, diminuir a capacidade de concentração mental, afectando o desempenho na
habilidade de realizar tarefas, assim trabalhadores que utilizam habilidades manuais,
por exemplo, podem ser muito prejudicados, tendo em vista que sua capacidade está
diminuída, aumentando a probabilidade de erros e acidentes ocupacionais, e
comprometendo a execução de tarefas que exijam atenção e concentração mental.
Também a irritabilidade e as cefaleias, que neste estudo forma fortemente apontadas
respectivamente pelos inquiridos, estão descritas como alterações comportamentais e
físicas em estudos realizados em ambientes ruidosos. Neste sentido, refere PimentelSouza (1997) defendem que o indivíduo que retorna a casa, após um dia em ambiente
ruidoso, tende a irritar-se com maior facilidade, relata este ainda, que estes mesmos
indivíduos podem apresentar vários sintomas físicos isolados ou em simultâneo, sendo
eles: cansaço, irritabilidade, cefaleias, ansiedade e depressão. Também Gerges
(1995) acrescenta ainda que além da irritabilidade também o nervosismo é fortemente
presente em indivíduos que trabalham expostos ao ruído.
Globalmente, poder-se-á admitir que a totalidade dos inquiridos considera haver ruído
no seu local de trabalho, argumentando quase a totalidade, que a presença desse
mesmo ruído é excessiva, e portanto reconhecendo a importância do ruído na saúde e
bem-estar bem como as suas repercussões a nível da sua qualidade de vida.
Foi clara que a maioria dos inquiridos considera como principais fontes de ruído nas
unidades de cuidados intensivos, o som da campainha da entrada, telefones, alarmes,
visitas, mudanças de turno, apontando também os ventiladores e o período das
higienes, sendo o período da manhã considerado o mais ruidoso para mais de metade
dos inquiridos. Estes resultados reforçam o estudo de Muniz e Stroppa (2009) que
referem ter constatado que é no período da manhã que há um maior aumento do ruído
podendo isso dever-se ao facto de serem realizados mais procedimentos na parte da
manhã, como as higienes, a visita médica e do fisioterapeuta, possibilitando maior
fonte de ruído. Também o som da campainha da porta e os telefones foram
referenciados como os maiores produtores de ruído, assim como as mudanças de
turno (que foi referido tanto pelos profissionais como pelos doentes), as visitas, os
alarmes e os ventiladores. Pereira et al. (2003), constatou que o ruído excessivo está
presente nas unidades de cuidados intensivos, sendo o período da manhã aquele que
teve medições (dB) mais elevadas, devido aos banhos dos doentes, visita médica,
visitas de familiares associado ao trabalho dos profissionais, alarmes e telefones do
serviço. Este estudo refere ainda que foram encontradas alterações comportamentais
importantes, como irritabilidade acrescida e distúrbios do sono nos profissionais,
61
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
referindo estes não conseguirem iniciar o período de sono, ou acordarem com
agitação por pensarem estar na unidade.
Quanto aos resultados relativos ao segundo objectivo que visava determinar a
percepção dos enfermeiros que constituíram a amostra, acerca da influência do ruído
em contexto profissional na sua qualidade de vida, é de relevar que mais de metade
dos indivíduos referiu sonhar com alarmes e ficar mais stressado/irritado com a
presença do ruído, no entanto entrando no terceiro objectivo que pretendeu
correlacionar o grupo etário e a experiencia profissional com as diferentes “vivências
individuais dos enfermeiros” em contexto profissional e com as classificações
atribuídas às diferentes fontes de ruído, evidenciou-se que foram os indivíduos com
maior número de anos de exercício profissional os que mais referiram a experiência de
“sonhar com alarmes”, devido talvez a uma constante presença desses mesmos sons
no seu quotidiano por um período de tempo mais longo que nos mais novos. No
estudo de Leitão et al. (2008) a equipa de enfermagem de cuidados intensivos
pronunciou-se várias vezes sobre o distúrbio do sono na presença de ruído, referindo
que era constante a frequência com que referiam sonhar com alarmes, sendo que os
mais velhos diziam acordar várias vezes pensando ouvir alarmes de bombas infusoras
ou monitores, assim como relatando uma constante presença de irritabilidade no seu
comportamento.
Seligman (1993) afirma que os indivíduos expostos ao ruído mesmo, de fraca
intensidade, apresentam alterações no sono, provocando a passagem temporária de
um estado de sono profundo para outro mais leve, causando irritabilidade, cansaço e
dificuldade de concentração; afirma ainda que ruídos escutados durante o dia podem
atrapalhar o sono de horas, causando dificuldade para iniciar o sono, provocando
insônias e despertares frequentes, o que determina cansaço no dia seguinte. Também
no estudo de Nishide e Benatti (2004) é abordado o ruído como risco ocupacional no
seio dos enfermeiros de cuidados intensivos. Este apesar de frequente e contínuo no
ambiente de UCI, é pouco percebido pelos trabalhadores como risco para a sua
saúde, mas claramente visto por todos como fonte de stresse.
Já com vista em perceber se haveria relação na experiencia profissional, grupo etário
e as classificações atribuídas aos ruídos produzidos pelas diferentes fontes de ruído
na unidade, após a realização dos testes estatísticos os resultados demostraram não
ser significante a sua relação.
62
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
A qualidade de vida sugerida pela OMS (1993) é a percepção que o indivíduo tem do
seu lugar na vida, do contexto da cultura e sistema de valores nos quais vive, em
relação aos seus objectivos, desejos, normas e inquietudes, sendo um conceito muito
amplo que pode ser influenciado de maneira complexa pela saúde física do individuo,
estado psicológico, nível de independência, relações sociais e as suas relações com
os elementos essenciais do seu meio. Assim, qualquer alteração ou impedimento de
atingir os seus objectivos, irá influenciar a percepção que o indivíduo tem da sua
qualidade de vida.
Com o intuito de responder ao quarto objectivo específico deste estudo em que se
pretendeu avaliar a Qualidade de Vida dos enfermeiros que compõem a amostra, a
análise dos diferentes domínios do WHOQOL-Bref, constatou que as médias dos
domínios
não
apresentaram
diferenças
significativas,
tendo
obtido
escores
semelhantes entre si.
Foi evidenciado que o domínio Físico que foca como itens principais, a dor, o
desconforto, a satisfação com o sono e capacidade para o trabalho e actividades
diárias, e o domínio Psicológico que avalia, por exemplo, se o entrevistado está
satisfeito consigo próprio e mesmo com a sua aparência ou a frequência de
sentimentos negativos, entre outras, obtiveram as maiores médias de scores.
Observou-se que a menor média dos scores se deu nas questões que constituíam o
domínio Meio Ambiente. Neste domínio estão incluídas questões relacionadas à
segurança, condições do ambiente físico, dinheiro para as necessidades, lazer,
moradia, transporte e acesso aos serviços de saúde, como corrobora o estudo sobre a
qualidade de vida dos enfermeiros de terapia intensiva, de Silveira e Monteiro (2003)
em que os enfermeiros tinham valores mais baixos neste domínio, já que factores
socioeconômicos têm extrema influência na qualidade de vida, e estes sentiam-se mal
remunerados, considerando estes que, dependendo da situação financeira é que o
indivíduo encontra suporte para seu bem-estar, na qualidade de sua habitação, no
acesso à saúde, educação e lazer.
Constatou-se ainda que a maioria dos sujeitos da pesquisa possui uma qualidade de
vida satisfatória tendo em conta as médias dos vários domínios, nomeadamente do
geral, como corrobora Pinho e Kaercher (2007) que refere que apesar do stresse e da
sobrecarga de trabalho ao qual os enfermeiros são submetidos a cada dia, sendo
estes fatores, fortes indicadores para diminuição da qualidade de vida, estes
profissionais relatam ter uma boa qualidade de vida por actuarem com dedicação e
63
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
amor e encontrarem suporte nas relações humanas e auto-estima após o confronto
diário com pessoas em sofrimento e situações de fragilidade.
Tentando ir o encontro do quinto objectivo específico deste estudo, em que se
pretendeu correlacionar a Qualidade de Vida dos enfermeiros com as variáveis
demográficas, com a percepção das consequências do ruído e com a caracterização
do mesmo em UCI´s, de acordo com os resultados encontrados em relação à
qualidade de vida dos enfermeiros, pareceu não haver qualquer relação significativa
entre o grupo etário, experiência profissional e mesmo a intensidade de ruído nos
diferentes domínios do WHOQOL-Bref, apenas a variável género (masculino ou
feminino) explicou as variações nos domínios Geral e Físico. Nesta sequência,
procedeu-se à comparação das médias dos domínios do WHOQOL-Bref consoante o
género, sendo que os testes estatísticos evidenciaram ser as mulheres com scores de
qualidade de vida significativamente mais elevados. No entanto, a variação obtida na
média dos domínios (entre os 13,60 e os 17,31) mostra que esses valores estão acima
da faixa de neutralidade, com tendências à valorização positiva, traduzindo qualidade
de vida satisfatória, ou seja, pouco impacto negativo ou ausência de impacto negativo
dos domínios na qualidade de vida. O que efectivamente se corrobora com estudos
encontrados, por exemplo o apresentado por Silveira e Monteiro (2003) segundo o
qual os enfermeiros viam a sua qualidade de vida como boa. Constatou-se ainda que
as consequências mais graves do ruído assinaladas pelos enfermeiros parecem não
interferir nos domínios estudados, ou seja com a qualidade de vida dos inquiridos.
Enquanto que, em relação à correlação entre a caracterização do ruído assinalada
pelos profissionais e a qualidade de vida dos mesmos, evidenciou-se uma relação
fraca mas significativa entre as variáveis. Isto é, os enfermeiros que sentiam
frequentemente necessidade em controlar o ruído eram aqueles que tinham um score
maior no domínio geral, que aborda directamente o inquirido sobre como vê a sua
qualidade de vida. Sendo o score máximo deste domínio de 10, mais de metade dos
inquiridos tiveram scores superiores a 8. Daqui pode-se constatar que talvez os
enfermeiros que sentiram mais necessidade em controlar o ruído, são talvez os mais
despertos para os seus malefícios e por isso mais interventivos, tornando o ambiente
da UCI menos ruidoso, logo aumentando a sua valoração quanto à qualidade de vida.
Lawson (2011) num estudo referente à avaliação das consequências do ruído em
cuidados intensivos refere que os enfermeiros mais sensibilizados para o controle do
64
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ruído, trabalhavam em turnos menos ruidosos e stressantes, favorecendo o bem-estar
dos profissionais e também dos doentes.
Já os enfermeiros que neste estudo veêm o ruído na UCI frequentemente como
desnecessário, são aqueles que apresentam menor score no domínio Físico. Ora
sendo o domínio Físico aquele que foca como itens principais a presença de
desconforto, a satisfação com o sono, a capacidade para o trabalho e actividades
diárias, mostra assim que estes enfermeiros na presença de ruído têm uma diminuição
da sua qualidade de vida, como refere o estudo de Souto (2003) sobre as experiências
do enfermeiro com os riscos no trabalho que concluiu que os problemas de saúde e
condições de trabalho estão interrelacionados e é impossível isolar causa e efeito, o
ruído está presente como risco ocupacional em enfermeiros e este interfere
directamente na sua qualidade de vida. Nishide e Benatti (2004) concluiram no seu
estudo que o ruído como risco ocupacional nos enfermeiros de UCI´s é pouco
percebido, apesar de fortemente presente, contribuindo para um decréscimo da
satisfação do seu bem-estar. Também Ganime et al. (2010) evidenciou que a
presença contínua de ruído associado a ambientes específicos, como UCI’s, consegue
afetar em muitos aspectos a saúde dos trabalhadores, e consequentemente a sua
qualidade de vida.
Abordando o sexto e último objectivo específico do estudo em que se pretende
identificar estratégias de redução do ruído nas UCI’s utilizadas pelos enfermeiros da
amostra em estudo, salienta-se o claro reconhecimento dos profissionais quanto à
necessidade de estratégias de controlo do ruído em cuidados intensivos apontando
estes, várias medidas apropriadas a fim de o atenuar, no entanto, parece não existir
junto destes profissionais a crença que as acções de sensibilização poderão ser muito
importantes na divulgação do problema. Neste estudo constatou-se que as medidas
mais pertinentes referidas pelos enfermeiros para reduzir o ruído na UCI foram manter
portas e janelas fechadas, o uso de dispositivos com alarme luminoso e a utilização de
ventiladores pouco ruidosos, como corrobora Aurélio e Tochetto (2010) no estudo
sobre o ruído numa unidade de cuidados intensivos, em que os profissionais da saúde
referiram a necessidade de troca dos equipamentos em uso por outros menos ruidosos, nomeadamente ventiladores e aspiradores, ou mesmo Silva et al. (2012) no
estudo sobre a percepção do ruído pela equipa multidisciplinar de cuidados intensivos
em que o manter portas e janelas fechadas, afim de evitar que estas batam e com
vista à redução de sons externos à unidade, foram apontadas como medidas a
implementar, por parte dos enfermeiros. Também neste último estudo foram
65
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
referenciados os alarmes como extremamente ruidosos, e apontados pelos
enfermeiros a possibilidade de se usar dispositivos de alarme luminoso para certos
equipamentos, nomeadamente, monitores cardíacos.
Em suma, as unidades de Cuidados Intensivos, tendo em conta a modernização e o
avanço da tecnologia, são cada vez mais detentoras de equipamentos diversificados,
que comportam alarmes acústicos essenciais para alertar os profissionais de
mudanças nas condições clínicas dos seus doentes, ou de mau funcionamento dos
próprios aparelhos. De facto, com o objectivo de aumentar a eficiência e segurança
monitoriza-se mais parâmetros fisiológicos e mais equipamentos são aplicados na
rotina clínica. Não só este factor como também uma vigilância acentuada 24h sobre
24h dos profissionais sobre os doentes, com procedimentos variados, contribuem para
um ambiente mais ruidoso e menos tranquilo do que seria desejado. Na
caracterização do ambiente de maquinaria usada em cuidados intensivos Mateus et al.
(2006) refere que não nos podemos cingir ao facto do avanço tecnológico trazer mais
ruído, e sim tentar minimizar o problema, iniciando por uma tomada de consciência por
parte dos profissionais, e manutenção e avaliação dos equipamentos utilizados.
Refere ainda que a qualidade dos cuidados fica elevada e assim dar-se-á maior
importância às condições de higiene e segurança dos trabalhadores, visando a sua
integridade física e melhoria da sua qualidade de vida.
Já a Agência Europeia para a Segurança e Saúde do Trabalho que visa satisfazer as
necessidades de informação em matéria de Segurança e Saúde no trabalho, tendo
como principal fim a melhoria da qualidade de vida da população trabalhadora, refere
que o ruído poderá afectar em diferentes níveis, não só a perda de capacidade
auditiva mas também pode ter repercussões na capacidade produtiva das pessoas,
assim como pode destruir a sua vida social, isolando-as da comunidade que as rodeia,
decrescendo a sua qualidade de vida. Um trabalhador satisfeito, é mais motivado e
consequentemente tem maior produção e qualidade no seu trabalho, daí este estudo
mostrar não só a importância para o trabalhador, mas também para o empregador que
tirará proveito de uma mais elevada qualidade de prestação de serviços. Com tudo
isto, se torna claro a importância de se ter estudado o impacto do Ruído na qualidade
de vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos.
66
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
8. CONCLUSÕES
Em suma, foi claramente identificado que neste estudo o ruído é um stressor
ambiental que trará elevados custos de adaptação para os profissionais. É certo que a
médio ou longo prazo o organismo se habitua ao ruído, empregando dois mecanismos
diferentes para cada um dos quais se paga um preço diferente. O primeiro mecanismo
é a diminuição da sensibilidade do ouvido e o seu preço é a surdez temporária ou
permanente, enquanto que no segundo mecanismo é o cérebro que se habitua, isto é,
ouvimos o ruído mas não nos damos conta. Durante o sono os sinais chegam ao
nosso sistema nervoso central, não nos desperta mas desencadeiam consequências
fisiológicas, tais como: aumento da frequência cardíaca, aumento do fluxo sanguíneo
ou aumento da actividade eléctrica cerebral. Este é chamado Síndrome de Adaptação
e foi estudado e descrito por Hans Selye (1932) no seu estudo sobre efeitos de
stressores no Homem.
Os enfermeiros inquiridos neste estudo efectivamente sentem e relatam efeitos físicos
do ruído mas no entanto, indicam poucas medidas para o controlar. Estes vêm a sua
qualidade de vida como satisfatória no global, mas confirmam o ruído como existente e
negativo. Isto prende-se com o facto de a qualidade de vida ser um conceito
extremamente complexo e abrangente, e assim os enfermeiros ao responderem ao
WHOQOL-Bref, acabam por ter em conta não só o ruído, mas sim todas as outras
vertentes avaliadas no questionário de qualidade de vida, como seja, a satisfação com
o ambiente familiar, amigos, lazer, espaço físico, remuneração, etc., acabando por
estas facetas no seu conjunto terem grande ênfase no resultado satisfatório de
qualidade de vida.
Fica clara a premente importância da redução do ruído nos Cuidados Intensivos, com
a necessária tomada de consciência por parte dos profissionais não só nos malefícios
que este poderá trazer para a sua saúde, como também nos malefícios potencias na
prática de enfermagem, como seja, os erros e nas suas consequências para a
recuperação dos respectivos doentes.
Se tudo o descrito em cima for tomado em consideração, sem dúvida que haverá um
aumento de satisfação da qualidade de prestação de serviços, levando a um
empregador, trabalhadores e clientes mais satisfeitos e em segurança.
67
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
9. SUGESTÃO DE ESTRATÉGIAS PARA REDUZIR O RUÍDO NAS UCI´S COM
VISTA À PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA DOS PROFISSIONAIS
Naturalmente este tema complexo não se esgotou, nem foi pretensão fazê-lo. Sentirme-ia recompensada se este trabalho vier a constituir um contributo para ser
reconhecida a necessidade de controlar o ruído em ambientes profissionais,
nomeadamente em Unidades de Cuidados Intensivos; serem encetadas estratégias
concretas e adequadas a cada circunstância com a participação activa de todos os
profissionais e servir de motivação para a continuação de estudos relacionados. No
estudo sobre o ruído como um dos principais riscos ocupacionais, elaborado por
Ganime et al. (2010), ficou claro que o ambiente de trabalho adequado constitui-se
como um dos fatores mais importantes que devem ser investigados nas empresas
visando uma melhoria no ambiente laboral e o desempenho dos trabalhadores, sendo
o ruído um dos riscos ocupacionais que mais aparecem no meio laboral.
Isto vem de encontro a uma das pretenções por mim referidas no capítulo dos
objectivos que visava a sugestão de estratégias com vista à promoção da saúde e
segurança
dos
profissionais
de
cuidados
intensivos.
Assim,
tendo
como
enquadramento alguns dos resultados deste estudo e o enquadramento teórico,
apontam-se algumas estratégias para a redução do ruído nas UCI:

Divulgar a nível hospitalar as recomendações sobre os princípios que devem
ser tomados relativamente ao controlo do ruído e a legislação vigente;

Serem realizadas acções de formação que privilegiem a temática do ruído,
inseridas em programas de sensibilização que atinjam todos os profissionais,
corroborado por vários estudos nomeadamente Leitão et al (2008) que vê a
implementação de programas de prevenção e consciencialização para os
profissionais como imprescindíveis de uma prática segura de cuidados;

Preparar um manual de procedimentos, eventualmente protocolado a nível da
Instituição ou do Serviço, conducentes ao controlo do ruído e, sobretudo, à
prevenção de ruídos incómodos ou desnecessários, mostrando resultados
deste estudo e outros a fim de haver uma maior adesão por parte dos
profissionais. Também referido por Wenham (2009) como medidas de controlo
de ruído, foram as medições periódicas de ruído na unidade e fornecimento
desses
dados
e
métodos
actuação
à
equipe
de
modo
a
haver
consciencialização do controle do mesmo na prática clínica;
68
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”

Elaborar um guia para a consciencialização da necessidade de diminuir o ruído
hospitalar, destinado aos doentes e às respectivas visitas, como Aurélio e
Tochetto (2010) que no seu estudo evidenciaram as visitas como fonte
importante de ruído e daí ser também fundamental a intervenção junto destas;

Proceder a medições, por rotina e inesperadas, dos níveis de ruído nas
unidades de internamento mais susceptíveis, com destaque para os cuidados
intensivos, e proceder à divulgação dessas mesmas medições junto dos
profissionais a fim de haver maior interiorização do problema;

Ter atenção na selecção de novos equipamentos com vista a serem menos
ruidosos ou poderem ser manuseados quanto ao volume dos seus alarmes;

Dar preferência ao uso de alarmes luminosos em vez dos sonoros, por
exemplo quando o toque vem da sala de visitas, este poder ser luminoso;

Uso de som de campainha da porta e telefones de volume reduzido e apenas
com um único toque a fim de reduzir fortemente a prevalência de sons
abruptos e ruidosos nas unidades.
Estes três últimos pontos referenciados são vistos como de extrema importância em
vários estudos nomeadamente no estudo de Mateus et al. (2006) em que na
caracterização acústica dos equipamentos de cuidados intensivos, concluiu que seria
de grande pertinência o uso de equipamentos menos ruidosos, dando preferência a
alarmes luminosos, e uma grande consciencialização por parte dos profissionais numa
chegada rápida junto dos alarmes, telefones e campainhas por forma a diminuir a
predomínio do ruido desnecessário.
69
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AMDE
(2007).
O
Ruído.
Acedido
em
21
de
Março
de
2011,
em:
http://www.amde.pt/pagegen.asp?SYS_PAGE_ID=452227.
Arezes, P. M. F. M. (2002). Percepção do risco de exposição ocupacional ao Ruído.
Tese de Doutouramento em Engenharia de Produção. Universidade do Minho. Braga.
240pp.
Associação Empresarial de Portugal, (2004). Manual de formação de PME. Lisboa.
Acedido
em
10
de
Outubro
de
2011,
em:
http://pme.aeportugal.pt/Aplicacoes/Documentos/Uploads/2004-10-15_16-29-37_AEPHIGIENE-SEGURANCA.pdf.
Aurélio, F. S. e Tochetto T. M. (2010). Ruído numa unidade de terapia intensiva
neonatal: mensuração e percepção dos profissionais e pais. [Versão electrónica]
Revista
Paulista
Pediátrica.
Acedido
a
10
de
Abril
de
2012,
em:
http://www.scielo.br/pdf/rpp/v28n2/v28n2a06.pdf.
Autoridade para as condições do Trabalho. Princípios Gerais de Prevenção. Lisboa.
Acedido
em
13
de
Março
de
2011,
em:
http://www.act.gov.pt/(pt-
PT)/CentroInformacao/PrincipiosGeraisPrevencao/Paginas/default.aspx.
Ávila, D. M. (2007). Avaliação da qualidade de vida dos trabalhadores expostos ao
ruído ocupacional. Graduação em Fonoaudiologia. Universidade de Guarulhos. Brasil.
Barbosa, A. e Ribeiro, J. (2000). Perturbações do medo e da ansiedade: uma
perspectiva evolutiva e desenvolvimental. Psicopatologia do desenvolvimento:
trajectórias adaptativas ao longo da vida. Coimbra: Quarteto.
Bechtel, R. B. e Churchman, A. (2002). Environmental Psychology. [Versão
electrónica]. John Wiley and Sons, Inc. New York. 443-460p.
Belinky, A. (2010). Consumo, Cidadania e a construção da democracia no Brasil
contemporâneo. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo. Acedido em 14 de Novembro
de
2011,
em:
70
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/5374/62080100005.pdf?se
quence=1.
Braz, J. R. C. A. (1996). Anestesiologia – Risco Profissional para o Anestesiologista.
Cap. I, 46-72p.
Britto, S. e Carvalho, A. M. P., (Abril, 2004). Stress, Coping (Enfrentamento) e Saude
geral dos enfermeiros que actuam em unidades de terapia intensiva e problemas
renais. [Versão electrónica]. Enfermeria Global - Revista Electrónica e semestral de
Enfermeria.
n
4.
1-14p.
Acedido
em
10
de
Janeiro
de
2012,
em:
http://www.um.es/eglobal/.
Calman, K. (1984). Quality of life in cancer patients a hypothesis. [Versão electrónica].
Journal of medical Ethics. 124-128p.
Campos, M. O. e Neto, J. F. R. (Maio/Agosto, 2008). Qualidade de Vida: um
instrumento para promoção da Saúde. [Versão electrónica]. Revista Baiana de Saúde
Pública. V.32, n.2, 232-240p.
Canavarro, M. C., Serra, A. V., Pereira, M., Simões, M. R., Quintais, L., Quartilho, M. J.
(2006). Desenvolvimento do instrumento de avaliação da qualidade de vida da
Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-100) para português de Portugal.
Psiquiatria Clínica. Acedido em 15 de Outubro de 2011, em: http://rihuc.huc.minsaude.pt/bitstream/10400.4/713/1/Estudos%20Psicom%C3%A9tricos%20do%20Instru
mento%20de%20Avalia%C3%A7%C3%A3o%20da%20Qualidade%20de%20Vida%20
....pdf.
Canavarro, M.C. (2006). WHOQOL-Bref versão portuguesa. Acedido em 15 de
Outubro
de
2011
em:
http://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/10216/53373/3/WHOQOLBref%20PORTUGAL.pdf.
Castro, E., K. e Bornholdt, E. (2004). Psicologia da saúde versus psicologia hospitalar:
definições e possibilidades de inserção profissional. [Versão electrónica]. Psicologia
ciência e profissão. Brasília. Acedido em 15 de Outubro de 2011, em:
71
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S141498932004000300007&script=sci_arttext.
Conselho Pedagógico da ESAB. (2003). American Psychologic al Association. Normas
para apresentação de referências bibliográficas. Acedido em 14 de Março de 2011,
em: http://www.apastyle.org/.
Corrêa, A. L. (2005). - “Ruído: Níveis de pressão sonora captados no interior e exterior
de incubadora em unidade de cuidados intensivos neonatal”. Dissertação de Mestrado.
São José dos Campos, SP, 130pp.
Costa, V. H. C. (1994). O ruído e suas interferências na saúde e no trabalho. [Versão
electrónica]. Revista da Sobrac. São Paulo.
Decreto-Lei n.º 248/2009 de 22 de Setembro. Diário da República nº 184 – 1ª série.
Ministério
da
Saúde.
Lisboa.
Acedido
em
13
de
Março
de
2011,
em:
http://www.dre.pt/pdf1s/2009/09/18400/0676106765.pdf.
Decreto-Lei nº 9/2007 de 17 de Janeiro. Diário da República nº 12 – 1ª série. Ministério
do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional. Lisboa.
Acedido
em
13
de
Março
de
2011,
em:
http://www.amde.pt/document/447750/454023.pdf.
Directiva 2003/10/CE, de 06 de Fevereiro - prescrições mínimas de segurança e de
saúde em matéria de exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes
físicos (ruído). Jornal Oficial da União Europeia. Lisboa. Acedido em 13 de Março de
2011,
em:
http://eurlex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2003:042:0038:0044:PT:P
DF.
Faria, E. P. (2010). Homem X Máquina. Universidade Metodista de São Paulo.
Acedido a 14 de Abril de 2012, em: http://www.metodista.br/cidadania/numero32/homem-x-maquina.
72
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Ferrans, C. e Power, S. (1985). Quality of life index: development and psychometric
properties. [Versão electrónica]. Advanced Nursing Science. 15-24p.
Fortin, M. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Lusociência.
Loures.
Ganime, J. F., Almeida, L., Robazzi, M. L., Valenzuela, S. S. e Faleiro, S. A.
(Junho/2010). O ruído como um dos riscos ocupacionais. [Versão electrónica]. Revista
enfermeria
global.
Acedido
a
10
de
Abril
de
2012,
em:
http://scielo.isciii.es/pdf/eg/n19/pt_revision1.pdf.
Gerges, Y.N. (1995). Ruído - Fundamentos e controle. Florianópolis, Atheneu.
Hesbeen, W. (2001). Qualidade em Enfermagem: Pensamento e Accao na
Perspectiva do Cuidar (Maria Manuela Martins, trad.). Loures: Lusociencia. (Obra
original publicada em 1998).
Ichisato, S. M.T. (2004). - “Ruído em unidade de cuidado intensivo neonatal de
hospital universitário de Ribeirão Preto - SP”. Tese de doutoramento. Ribeirão Preto –
São Paulo, 190pp.
Instituto do Ambiente (2004). O Ruído e a Cidade. Acedido em 20 de Março de 2011,
em:http://www.apambiente.pt/politicasambiente/Ruido/SomRuidoIncomodidade/Docum
ents/o_ru%C3%ADdo_e_a_cidade.pdf.
Joachim, E. (1983). Poluição sonora industrial. [Versão electrónica]. Revista Brasileira
de Saúde Ocupacional. São Paulo.
Kitamura, S. e Costa, E. A. (1995). Órgão do sentido – Audição. Patologia do
Trabalho. [Versão electrónica]. Revista Mendes. São Paulo.
Lacerda, A.P. (1976). Audiologia Clínica. Rio de Janeiro. Ed. Guanabara.
Lawson, N., Thompson, K., Sounders, G., Saiz, J., Richardson, J., Brown, D., Ince, D.,
Caldwell, M. e Pope, D (2011, 7 de Março). Sound intensity and noise evaluation in a
73
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
critical care unit [Versão electrónica]. American Journal of Critical Care, 19: 88-98.
Acedido
em
12
de
Março
de
2011,
em:
http://www.aacn.org/WD/CETests/Media/A1019064.pdf.
Leal, C. (2008). Reavaliar o conceito de qualidade de vida. Trabalho da Universidade
dos Açores. Açores. 23pp.
Leitão, I.M.T.A., Fernandes, A.L., Ramos, I.C., (2008, Outubro/Dezembro). Saúde
ocupacional: analisando os riscos relacionados à equipe de enfermagem numa
unidade de terapia intensiva [Versão electrónica]. Cienc Cuid Saude, 7: 476-484.
Acedido
em
10
de
Março
de
2011,
em:
http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/6630/3907.
Lopes, G., Russo, I. C. P. e Fiorini, A. C. (2007). Estudo da audição e da qualidade de
vida em motoristas de caminhão. [Versão electrónica]. Revista CEFAC. Acedido em 01
de Julho de 2011, em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151618462007000400014.
Mateus, M., Martinho, N., Afonso, J.L. e Dias, M. (2006). Acoustic characterization of
monitoring equipments in intensive care units. [Versão electrónica]. Sinais Vitais. 65:
16-22p.
Meneses, R. (2005). Promoção da qualidade de vida em doentes crónicos: Contributos
no contexto das epilepsias focais. Porto: Edições Fernando Pessoa.
Menzani, G e Bianchi, E. R. F. (2009). Stress dos enfermeiros de pronto socorro dos
hospitais brasileiros. [Versão electrónica]. Revista electrónica de enfermagem. Acedido
em 15 de Julho de 2011, em: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n2/v11n2a13.htm.
Muniz, L. M. N. e Stroppa, M. A. (Julho/Dezembro, 2009). Desconfortos dos pacientes
internados na unidade de cuidados intensivos, quanto a poluição sonora. [Versão
electrónica]. RAHIS – Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde.
Acedido
em
10
de
janeiro
de
2012,
em:
http://www.face.ufmg.br/revista/index.php/rahis/article/viewFile/808/682.
74
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Navarro, V. L. (Novembro, 2005). Saúde do trabalhador no SUS. Cadernos de Saúde
Pública. V.22, n.11. Rio de Janeiro.
Nishide, V. M. e Benatti, M. C. C. (2004). Riscos Ocupacionais entre trabalhadores de
enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. Acedido a 15 de Junho de 2011,
em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v38n4/06.pdf.
Noção e Conceito de Qualidade de Vida. Acedido em 30 de Junho de 2011, em:
http://vidadequalidade.org/conceito-de-qualidade-de-vida/.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (1980). Critérios de Salud ambiental – El
Ruído, México, 33pp. Acedido em 14 de Novembro de 2011, em: http://www.who.com.
Organização Mundial de Saúde (1993). The health of young people: A challange and a
promisse. Geneva: World Health Organization. Acedido em 14 de Novembro de 2011,
em: http://www.who.com.
Organização Mundial de Saúde. (1998). Versão em português dos instrumentos de
avaliação de qualidade de vida. Acedido em 12 de Março de 2011, em:
http://www.ufrgs.br/psiq/whoqol.html.
Organização Mundial de Saúde (2008). Estatísticas sobre género e força de trabalho
em
saúde.
Acedido
em
14
de
Abril
de
2012,
em:
http://www.who.int/hrh/statistics/Spotlight_2_PO.pdf
OSHA. Noise Section of the European Agency for Safety and Health at Work (EUOSHA).
Acedido
em
11
de
Março
de
2011,
em:
http://osha.europa.eu/pt/topics/noise/index_html.
Paschoa, S. e Whitaker, I. Y. (2007). Qualidade de vida dos trabalhadores de
enfermagem de terapia intensive. Acta paulista de enfermagem. Acedido a 10 de
Outubro
de
2011,
em:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-
21002007000300010&script=sci_arttext.
Pereira, R. P., Toledo, R. N., Amaral, J. L. e Guilherme, A. (Nov./Dez, 2003).
Qualificação e Quantificação da exposição sonora ambiental numa unidade de terapia
75
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
intensiva geral. [Versão electrónica]. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia.
Acedido em 10 de janeiro de 2012, em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003472992003000600007&script=sci_arttext.
Pimentel-Souza, F. (Junho/Julho, 1997). Os riscos ao sono. [Versão electrónica].
Revista Proteção, v.5, nº 23.
Pinho, A. A. S. e Kaercher, A. (2007). Qualidade de Vida dos profissionais de
enfermagem que trabalham em UTI. Bahia. Acedido em 10 de Janeiro de 2012, em:
189.75.118.67/CBCENF/sistemainscricoes/.../I3446.E1.T672.D1.doc
Pires G. L., Matiello E., Gonçalves A., (Setembro,1998). Alguns Olhares sobre
Aplicações do Conceito de Qualidade de Vida em Educação Física/Ciências do
Esporte. [Versão electrónica]. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. V. 20, n. 1,
53-57p.
Pugh, R.J. (2007, Março). The impact of noise in the intensive care unit. Critical &
Emergency care. Acedido em 10 de Março de 2011, em: http://www.iheonline.com/fileadmin/artimg/the-impact-of-noise-in-the-intensive-care-unit.pdf.
Quick, C. T. e Lapertosa, B. J. (1981). Contribuição ao estudo das alterações auditivas
e de ordem neuro-vegetativas atribuíveis ao ruído. [Versão electrónica]. Revista
Brasileira de Saúde Ocupacional. V.36, n 9.
Quivy, R. e Campenhoudt, L. V. (1998). Manual de Investigação em Ciências Sociais.
2ª Ed. Lisboa: Gradiva, 190pp.
Reimão, R. (1996). Sono: estudo abrangente. Rio de Janeiro: Atheneu, 2ªed.
Ribeiro, J. (2005). Introdução à psicologia da saúde. Coimbra: Quarteto.
Ribeiro, J. L. (1994). A importância da qualidade de vida para a psicologia da saúde.
Análise Psicológica. Lisboa. 179-191p.
76
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Ribeiro, J. L. (2002). Qualidade de vida e doença oncológica. Territórios da psicologia
oncológica. Lisboa: Climepsi Editores. 75-98p.
Rôxo, J. R. S. (2004). La Implicación en la Prática de Enfermería en Cuidados
Intensivos: O toque na Prática de Enfermagem em Cuidados Intensivos. Tese da
Universidade da Estremadura. Badajoz. 90p.
Santos, A. M. e Castro, J. J. (1998). O stress. Análise Psicológica. Acedido a 01 de
Julho de 2011, em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n4/v16n4a12.pdf.
Seidl, E. M. F. e Zannon, C. M. L. C. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspectos
conceituais e metodológicos. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro.
Seligman, J. (1993). Considerações a respeito da perda auditiva induzida pelo
ruído. ACTA
AWHO.
Acedido
em
15
de
Junho
de
2011,
em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=5195204&pid=S00347299200200010000800012&lng=en.
Silva, A. C. A., Amorim, N. E., Fonseca, L. M., Fujinaga, C. I., Benutti, D. P. e Scochi,
C. G. (2012). Percepção da equipe multiprofissional sobre o ruído em unidade de
cuidados intermédios. [Versão electrónica]. Acta paulista de Enfermagem. Vol 25.
Acedido a 10 de Abril de 2012, em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010321002012000100013&script=sci_arttext.
Silveira, V. A. e Monteiro, M. I. (2003). Qualidade de vida de trabalhadores de
enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. Acedido em 10 de janeiro de 2012,
em:
http://www.fef.unicamp.br/departamentos/deafa/qvaf/livros/foruns_interdisciplinares_sa
ude/evolucao/evolucao_cap17.pdf.
Simoes, J. e Amancio, L. (2004). Género e enfermagem: um estudo sobre a minoria
masculina. [Versão electrónica]. Sociologia, Problemas e Praticas. n 44. 71-81p.
Acedido em 10 de Janeiro de 2012, em: https://repositorio.iscte.pt/handle/10071/420.
77
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Sousa, F.M.C. (2006). Influência do Ruído na Comunicação Interpessoal. Dissertação
do Mestrado em Comunicação em saúde. Universidade Aberta. Lisboa. 91pp.
Souto, M.C. (2003) As experiências do trabalhador de enfermagem com os riscos,
sofrimento e prazer. Rio de Janeiro. Acedido a 10 de Abril de 2012, em:
http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&
nextAction=lnk&exprSearch=415109&indexSearch=ID
Syder, D. (1997). O efeito de uma deficiência auditiva na comunicação. [Versão
electrónica]. Introdução aos distúrbios de comunicação. Rio de Janeiro: Revinter.
The WHOQOL Group. WHOQOL user manual. Geneva: World Health Organization,
1998b. Acedido a 10 de Novembro de 2011, em: http://www.ufrgs.br/psiq/whoqolpublicacoes.html.
Vieira, M. (2007). Ser Enfermeiro - Da Compaixão à Proficiência. 1ªEdição, Lisboa:
Universidade Católica Editora.
Wenham, T. (2009). Intensive care unit environment. Acedido em 11 de Março de
2011, em: http://www.medscape.com/viewarticle/713277_3.
78
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
11. ANEXOS
79
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ANEXO I – Domínios da Qualidade de Vida
80
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Domínios
Facetas
1. Dor e desconforto
2. Energia e fadiga
3. Sono e repouso
Domínio I – Domínio Físico
4. Mobilidade
5. Atividades da vida quotidiana
6. Dependência de medicação ou de
tratamentos
7. Capacidade de trabalho
8. Sentimentos positivos
9. Pensar, aprender, memória e concentração
Domínio II – Domínio Psicológico
10. Autoestima
11. Imagem corporal e aparência
12. Sentimentos negativos
13. Espiritualidade/religião/crenças pessoais
14. Relações pessoais
Domínio III – Relações Sociais
15. Suporte (Apoio) social
16. Atividade sexual
17. Segurança física e proteção
18. Ambiente no lar
19. Recursos financeiros
20. Cuidados de saúde e sociais:
disponibilidade e qualidade
Domínio IV – Meio Ambiente
21. Oportunidades de adquirir novas
informações e habilidades
22. Participação em, e oportunidades de
recreação/lazer
23. Ambiente físico:
(poluição/ruído/trânsito/clima)
24. Transporte
Quadro 1: Domínios e facetas do WHOQOL-bref (WHO Group, 1998)
Tendo por base os quatro domínios supracitados, as questões que compõem o
WHOQOL-bref, são as seguintes:
81
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Domínios
Domínio I – Domínio Físico
Domínio II – Domínio Psicológico
Domínio III – Relações Sociais
Domínio IV – Meio Ambiente
Qualidade de vida global e perceção geral
da saúde
Questões
Em que medida as suas dores (físicas) o(a)
impedem de fazer o que você precisa?
Tem energia suficiente para a sua vida diária?
Até que ponto está satisfeito(a) com o seu
sono?
Como avaliaria a sua mobilidade (capacidade
para se movimentar e deslocar por si
próprio(a))?
Até que ponto está satisfeito(a) com a sua
capacidade para desempenhar as atividades
do seu dia-a-dia?
Em que medida precisa de cuidados médicos
para fazer a sua vida diária?
Até que ponto está satisfeito(a) com a sua
capacidade de trabalho?
Até que ponto gosta da vida?
Até que ponto se consegue concentrar?
Em que medida sente que a sua vida tem
sentido?
É capaz de aceitar a sua aparência física?
Com que frequência você tem sentimentos
negativos tais como mau humor, desespero,
ansiedade, depressão?
Até que ponto está satisfeito(a) consigo
próprio(a)?
Até que ponto está satisfeito(a) com as suas
relações pessoais?
Até que ponto está satisfeito(a) com o apoio
que recebe dos seus amigos?
Até que ponto está satisfeito(a) com a sua
vida sexual?
Em que medida se sente em segurança no
seu dia-a-dia?
Até que ponto está satisfeito(a) com as
condições do lugar em que vive?
Tem dinheiro suficiente para satisfazer as
suas necessidades?
Até que ponto está satisfeito(a) com o acesso
que tem aos serviços de saúde?
Até que ponto tem fácil acesso às
informações necessárias para organizar a sua
vida diária?
Em que medida tem oportunidade para
realizar atividades de lazer?
Em que medida é saudável o seu ambiente
físico?
Até que ponto está satisfeito(a) com os
transportes que utiliza?
Como avalia sua qualidade de vida?
Até que ponto está satisfeito(a) com a sua
saúde?
Quadro 2: Questões do WHOQOL-Bref (WHO Group, 1998)
82
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ANEXO II – Consentimento para uso do WHOQOL-Bref
83
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Pedido de Autorização á Universidade de Coimbra, ao Grupo Português de Avaliação
da Qualidade de Vida (Email)
Sofia Gameiro
1 attachment (212.0 KB)
WHOQOL-BR...zip
Download(212.0 KB)
Download as zip
Cara Dra. Cristina Alves,
Em anexo envio o material relativo ao WHOQOL-bref, nomeadamente:
- a versão para português de Portugal do instrumento WHOQOL-bref
- manual de aplicação e cotação
- sintaxe para utilização no pacote estatístico SPSS
Na nossa página http://www.fpce.uc.pt/saude/whoqolbref.htm poderá
encontrar indicação de bibliografia sobre a versão portuguesa do
WHOQOL-Bref.
Informação adicional poderá ser encontrada em
http://www.fpce.uc.pt/saude/qv.htm .
O Grupo Português de Avaliação da Qualidade de Vida agradecia se
pudesse, após realização do trabalho/investigação a que se propõe,
disponibilizar um resumo dos resultados obtidos.
Com os melhores cumprimentos,
P´lo Grupo Português de Avaliação da Qualidade de Vida
Sofia Gameiro
-Sofia Gameiro
[email protected]
Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação
Universidade de Coimbra
Rua do Colégio Novo, Apartado 6153
3001-802 COIMBRA
telf. 239 851450 / fax 239 851465
84
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ANEXO III – Questionário aplicado aos Enfermeiros
85
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
QUESTIONÁRIO
No âmbito do Mestrado em Segurança e Saúde do Trabalho, da Escola Superior de
Tecnologia da Saúde de Lisboa, estou a preparar uma dissertação intitulada:
“O Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos Enfermeiros de Cuidados
Intensivos”
Pretendo utilizar um questionário a ser respondido por enfermeiros da Unidade de
Cuidados Intensivos Polivalente deste Hospital e solicito a sua colaboração mediante o
preenchimento. O seu testemunho é muito importante.
Este questionário é composto por 4 partes, uma primeira direccionada para a sua
qualidade de vida, uma segunda para ruído e sua percepção no contexto de trabalho,
a terceira para a sua experiência individual e uma quarta que comporta a abordagem
dos dados demográficos a fim de caracterizar a população envolvida.
As suas respostas são estritamente confidenciais e anónimas não sendo necessário
identificar-se. Responda na totalidade e sinceramente a cada pergunta e depois de ler
cada questão, pondere todas as hipóteses de resposta, para que seja a mais
adequada à sua opinião.
Para qualquer esclarecimento, encontro-me ao seu dispor.
Muito Obrigado.
Cristina Alves
Telm. 938622358
[email protected]
Lisboa, 2012
86
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
QUESTIONÁRIO
1ª Parte
Tenha presente os seus padrões, expectativas, alegrias e preocupações. Peço-lhe que
tenha em conta a sua vida nas últimas duas semanas.
Por favor leia cada pergunta, veja como se sente a respeito dela, e ponha um círculo à
volta do número da escala para cada pergunta que lhe parece que dá a melhor
resposta.
Como avalia a sua
1(G1)
qualidade de vida?
Muito má
Má
1
2
Nem boa nem
má
3
Boa
Muito boa
4
5
Nem
Muito
Insatisfeito
Insatisfeito
satisfeito
nem
Satisfeito
Muito
Satisfeito
insatisfeito
Até
2(G4)
que
ponto
está
satisfeito(a) com a sua
1
2
3
4
5
saúde?
As perguntas seguintes são para ver até que ponto sentiu certas coisas nas duas
últimas semanas.
Nada
Pouco
1
2
1
2
Nem muito
Muito
Muitíssimo
3
4
5
3
4
5
nem pouco
Em que medida as suas
dores
(físicas)
o(a)
3(F1.4)
impedem de fazer o que
precisa de fazer?
Em que medida precisa
4(F11.3)
de cuidados médicos para
fazer a sua vida diária?
87
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Até que ponto gosta da
5(F4.1)
vida?
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
Em que medida sente que
6(F24.2)
a sua vida tem sentido?
Até
7(F5.3)
que
ponto
se
consegue concentrar?
Em que medida se sente
8(F16.1)
em segurança no seu diaa-dia?
Em
9(F22.1)
que
medida
é
saudável o seu ambiente
físico?
As seguintes perguntas são para ver até que ponto experimentou ou foi capaz de fazer
certas coisas nas duas últimas semanas.
Tem
10(F2.1)
energia
Nada
Pouco
Moderadamente
Bastante
Completamente
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
suficiente
para a sua vida diária?
É capaz de aceitar a sua
11(F7.1)
aparência física?
Tem dinheiro suficiente
12(F18.
1)
para satisfazer as suas
necessidades?
Até que ponto tem fácil
acesso
13(F20.
1)
às
informações
necessárias
para
organizar
a
sua
vida
medida
tem
diária?
Em
14(F21.
1)
que
oportunidade para realizar
actividades de lazer?
88
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Muito má
Má
1
2
Nem boa nem
má
Boa
Muito boa
4
5
Como avaliaria a sua
mobilidade
15(F9.1)
(capacidade para se
3
movimentar e deslocar
por si próprio(a))?
As perguntas que se seguem destinam-se a avaliar se se sentiu bem ou satisfeito(a)
em relação a vários aspectos da sua vida nas duas últimas semanas.
Muito
insatisfeito
Até
16(F3.3)
que
ponto
Nem satisfeito
Insatisfeito
nem
Satisfeito
insatisfeito
Muito
Satisfeito
está
satisfeito(a) com o seu
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
sono?
Até
que
ponto
está
satisfeito(a) com a sua
17(F10.
3)
capacidade
para
desempenhar
as
actividades do seu dia-adia?
Até
18(F12.
4)
que
ponto
está
satisfeito(a) com a sua
capacidade de trabalho?
Até
19(F6.3)
que
satisfeito(a)
ponto
está
consigo
próprio(a)?
Até
20(F13.
3)
que
ponto
está
satisfeito(a) com as suas
relações pessoais?
Até
21(F15.
3)
que
ponto
está
satisfeito(a) com a sua
vida sexual?
89
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Até
22(F14.
4)
que
ponto
está
satisfeito(a) com o apoio
que
recebe
dos
seus
ponto
está
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
amigos?
Até
23(F17.
3)
que
satisfeito(a)
com
as
condições do lugar em
que vive?
Até
24(F19.
3)
que
ponto
está
satisfeito(a) com o acesso
que tem aos serviços de
saúde?
Até
25(F23.
3)
que
ponto
satisfeito(a)
está
com
os
transportes que utiliza?
As perguntas que se seguem referem-se à frequência com que sentiu ou
experimentou certas coisas nas duas últimas semanas.
Nunca
Poucas
Algumas
vezes
vezes
2
3
Frequentemente
Sempre
4
5
Com que frequência tem
sentimentos negativos,
26(F8.1)
tais como tristeza,
1
desespero, ansiedade
ou depressão?
2ª Parte
Por favor, leia cada questão com atenção e coloque um X na que lhe parecer a melhor
resposta.
Tenha em conta a sua experiência profissional em Unidades de Cuidados Intensivos e
seleccione a resposta que lhe parecer mais adequada.
2.1 Considera que existe ruído no seu local de trabalho?
90
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Sim
Não
2.1.1
Se respondeu sim, considera o ruído existente:
Extremo
Muito
Algum
Pouco
2.2 Considera que o seu desempenho pode ser afectado pelos efeitos do ruído?
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
2.3 Assinale com um X, quais considera ser as consequências mais graves do
ruído para o desempenho profissional?
Diminuição da concentração dos profissionais
Perturbações de depressão nos profissionais
Dificuldade de comunicação
Aumento da irritabilidade entre os profissionais
Diminuição do tempo de presença no serviço
Perturbações sensoriais (como perturbação da
visão) dos profissionais
Enxaquecas e dores de cabeça dos profissionais
Outras
2.4 Sente necessidade de controlar o ruído existente ao seu redor?
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
91
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
2.5 Considera que existe ruído desnecessário?
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
2.6 Como se sente na presença do ruído?
Tranquilo
Indiferente
Incomodado
Ansioso
Irritado/stressado
2.7 Assinale o período do dia/turno, em que considera que o ruído é mais intenso:
Manhã (8h às 16h)
Tarde (15h30 às 23h)
Noite (23h às 8h)
2.8 Pensa que no serviço se fala:
Mais alto que o
habitual
Normalmente
Baixo
Mais baixo que o
habitual
2.9 De acordo com a sua experiência profissional em UCI´s, e numa escala de 1
(nada ruidoso) a 4 (muito ruidoso), como classificaria o ruído produzido pelas
seguintes fontes:
Visita médica
Mudanças de turno
Actividades dos profissionais em geral
Conversação e vozes
Higienes
Visitas dos doentes
Aparelhos de ventilação
92
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Aparelhos de perfusão
Ar condicionado
Aspiradores de secreções
Alarmes
Campainha da porta de entrada
Rádio
Telefones do serviço
2.10
Assinale, com um X, as medidas que considera pertinentes para
diminuir o ruído nesta UCI:
Programas de sensibilização para os
profissionais
Manter portas e janelas fechadas
Diminuição do volume dos alarmes
Uso de dispositivos com alarme luminoso
e não sonoro
Utilização de ventiladores pouco ruidosos
Não utilizar telemóveis com sinal sonoro
Medições frequentes dos níveis de ruído
Manutenção do equipamento, de forma a
diminuir o ruído
Outras
2.11
Sempre
2.12
Considera que o ruído interfere na sua qualidade de vida?
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
Genericamente, considera a sua audição comparativamente com as
pessoas da sua idade:
93
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
Muito boa
Boa
Razoável
Medíocre
3ª Parte
Seleccione a resposta que melhor corresponde à sua experiência individual, colocando
um X na que lhe parecer mais adequada.
3.1 “Em casa, tenho dificuldade em adormecer”
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
Ocasionalmente
Raramente
3.2 “Sonho com os alarmes”
Sempre
Frequentemente
3.3 “Se estiver num turno particularmente ruidoso, fico mais irritável e stressado(a)”
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
3.4 “Com ruído sinto-me incapaz de trabalhar”
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
3.5 “Sinto necessidade de sair por momentos da unidade (UCI), afim de promover
um período de silêncio e tranquilidade”
Sempre
Frequentemente
Ocasionalmente
Raramente
94
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
4ª Parte
DADOS PESSOAIS E PROFISSIONAIS
Sexo:
Masculino
Feminino
Idade:
Entre 23 e 30 anos
Entre 31 e 40 anos
≥ que 51 anos
Entre 41 e 50 anos
Tempo de profissão:
Entre 1 e 5
Entre 6 e 10
Entre 11 e
Entre 16 e
Entre 21 e
≥ que 26
anos
anos
15 anos
20 anos
25 anos
anos
Tempo de actividade nesta UCI: _____________________ anos
Já trabalhou noutra UCI?
Sim
Não
Se sim, durante quanto tempo? _______________________ anos
Muito Obrigada pela sua colaboração!
95
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
ANEXO IV – Pedido de autorização de aplicação de questionários
às Direcções e chefias dos serviços
96
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
97
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
98
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
99
Dissertação “Impacto do Ruído na Qualidade de Vida dos enfermeiros de Cuidados Intensivos”
100
Fly UP