...

Tropa de Elite e o discurso da mídia: fascismo ou crítica

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Tropa de Elite e o discurso da mídia: fascismo ou crítica
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA – UNICEUB
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
HABILITAÇÃO EM JORNALISMO
DISCIPLINA: MONOGRAFIA
PROFESSOR ORIENTADOR: SEVERINO FRANCISCO
AREA: JORNALISMO SOCIAL
Tropa de Elite e o discurso da mídia: fascismo ou crítica
social
Lucas Rebelo Nasser
2051323/8
Brasília, junho de 2009
Lucas Rebelo Nasser
Tropa de Elite e o discurso da mídia: fascismo ou crítica
social
Trabalho apresentado à Faculdade de
Tecnologia
e
Ciências
Sociais
Aplicadas, como requisito parcial para
a obtenção do grau de Bacharel em
Comunicação Social com habilitação
em Jornalismo, no Centro Universitário
de Brasília – Uniceub.
Professor orientador: Severino
Francisco
Brasília, junho de 2009
Lucas Rebelo Nasser
Tropa de Elite e o discurso da mídia: fascismo ou crítica
social
Trabalho apresentado à Faculdade de
Tecnologia
e
Ciências
Sociais
Aplicadas, como requisito parcial para
a obtenção do grau de Bacharel em
Comunicação Social com habilitação
em Jornalismo, no Centro Universitário
de Brasília – Uniceub.
Banca Examinadora
---------------------------------------Prof. Severino Francisco
Orientador
-----------------------------------------------Prof. Paulo Paniago
---------------------------------------------Profª. Maíra Carvalho
Brasília, junho de 2009
Dedico este trabalho aos
meus pais: Ieda Rebelo
Nasser e Lúcio Flávio
Castro Nasser.
Agradecimentos
Agradeço imensamente a paciência e colaboração de todas as pessoas que
me querem bem e torcem por mim, porém não poderia deixar de mencionar
algumas especiais: Marina Nasser, Maíra Nasser, Rener Kelher, José Duílio,
Gabriela Macedo de Oliveira e, é claro, Seu Lúcio e Dona Ieda.
Agradeço também aos professores Severino Francisco, Claudia Busato,
Paulo Paniago, Sidney Volkmann e Maíra Carvalho.
“Homem de preto, o que é que você faz?
Eu faço coisas que assustam o Satanás.
Homem de preto, qual é sua missão?
Entrar pela favela e jogar corpo no chão.”
(Canto de guerra entoado pelos soldados
do BOPE)
Resumo
A estreia do filme Tropa de Elite, do diretor José Padilha, no ano de 2007,
provocou intenso debate na mídia nacional, com repercussão, inclusive, em outros
países, quando de seu lançamento em festivais internacionais.
O relato do cotidiano de policiais do Batalhão de Operações Policiais
Especiais (BOPE), da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, a partir do
personagem Capitão Nascimento suscitou, por parte da crítica midiática, opiniões
polêmicas claramente determinadas por posicionamentos de ataques e defesas ao
filme, polarizadas entre as classificações de fascista ou de crítica / denúncia
social.
O presente trabalho pretendeu analisar os discursos da mídia, remontando
a história de sua relação com as coberturas jornalísticas de questões relacionadas
à violência, criminalidade e segurança pública.
Dadas as reações das plateias ao filme, que vieram a se constituir em um
dos pontos centrais dos debates, necessária se fez a ampliação do presente
estudo, com a introdução de dados e pesquisas sobre a “cabeça do brasileiro”, no
intuito de trazer para a discussão elementos que permitam contribuir para a
reflexão sobre os valores e comportamentos que compõem as cenas da violência
nas cidades brasileiras.
Palavras-chave: Mídia impressa e eletrônica, violência, criminalidade,
segurança pública, sociedade, Tropa de Elite
Sumário
1 Introdução........................................................................................................................ 9
2 Referencial teórico ........................................................................................................ 12
3 Procedimentos metodológicos..................................................................................... 16
4 Análise de discurso....................................................................................................... 18
4.1 Fascismo ou crítica social......................................................................................... 18
4.2 Narração em off ......................................................................................................... 24
4.3 A Reação da Platéia.................................................................................................. 25
4.4 A representação do herói.......................................................................................... 30
5 Considerações Finais ................................................................................................... 33
Referências bibliográficas ............................................................................................... 36
9
1 Introdução
O projeto pretende discutir questões que envolvem a repercussão na mídia
impressa e eletrônica do filme Tropa de Elite, do diretor José Padilha, lançado no
ano de 2007.
A cobertura jornalística dividiu-se, claramente, entre aqueles que reagiram
classificando o filme de fascista e os que o consideraram uma contundente crítica
à realidade social brasileira, mais especificamente ao sistema de segurança
pública.
Tais embates revelam faces de um tema que envolve a relação da mídia
com a violência e as suas distintas compreensões de como as forças policiais
devem atuar no exercício do combate à criminalidade.
O filme é inspirado no livro Elite da tropa (Objetiva, 2006), de Luiz Eduardo
Soares, André Batista e Rodrigo Pimentel -os dois últimos foram policiais - e relata
um momento de crise na vida do capitão Nascimento, do Batalhão de Operações
Policiais Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro, que deseja deixar a
corporação e tenta encontrar um substituto para o seu posto.
O filme se passa no Rio de Janeiro, no ano de 1997, por ocasião da visita
do papa João Paulo II. Favelas, tráfico de drogas, corrupção policial e a atuação
do BOPE constituem o cenário de representação de um drama com episódios
marcantes do contexto social.
Tropa de elite é um termo normalmente utilizado para designar unidades
destinadas a agir de forma decisiva em ações militares.
O BOPE, uma das corporações de elite, é a unidade especializada que atua
em operações de risco extremo, seja em patrulhamentos em locais de alto risco,
combates em locais de difícil acesso, ocorrências com reféns, incursões em
favelas e situações de confronto com traficantes de drogas.
Uma síntese das questões tratadas no filme é apresentada por Contardo
Calligaris (2007):
10
Além do combate entre as forças da ordem e os bandidos do tráfico, há
quatro eixos de tensão: a oposição entre o Bope (um pequeno corpo de
incorruptíveis treinados para a guerra) e um sistema policial inepto e
corrupto; o conflito entre a vida de família do capitão, que vai ser pai, e,
do outro lado, a brutalidade de sua tarefa; a luta do capitão contra o
desgaste e os efeitos traumáticos de seu dia-a-dia; o embate entre a
polícia e os próprios cidadãos de quem ela deveria defender a vida, a
tranquilidade e as posses.
O filme Tropa de Elite foi escolhido como objeto de análise do projeto tendo
em vista a expressiva repercussão obtida nos meios de comunicação, inclusive
com alcance internacional, suscitando intensas polêmicas. E como afirma Luis
Eduardo Soares, em seu artigo “Filme perturba até os caveiras1 de carteirinha”,
Tropa de Elite mobilizou o imaginário coletivo, sem limites de classe, cor, sexo,
idade ou gênero (Soares, 2007).
Qual tem sido a relação da mídia com a questão da segurança pública? Em
que medida as posições críticas defendidas na mídia representam as percepções
da sociedade a respeito da atuação das forças de segurança pública? O que faz
com que o Capitão Nascimento tenha sido visto como um herói nacional? Afinal,
que fenômeno ocorre em nossa sociedade para que parte dela celebre alguém,
integrante de um aparato policial do Estado, que tortura e mata?
Esses são alguns questionamentos que a discussão do tema permite e que
são abordadas nesse trabalho e têm-se constituído em assunto de meu especial
interesse, particularmente provocado quando dos lançamentos dos filmes Cidade
de Deus, do diretor Fernando Meirelles e Ônibus 174, do diretor José Padilha,
ambos em 2002, por abordarem a criminalidade, a violência urbana, o mundo das
periferias, das favelas, os frutos da desigualdade social, o preparo/despreparo da
polícia, enfim, questões identificadas com um jornalismo mais voltado à vida social
coletiva.
Tropa de Elite segue a mesma trilha desses filmes, daí decorrendo o
interesse em tê-lo como referência para a análise dos discursos da mídia.
1
Designação popular para os membros do BOPE.
11
E, por identificação, transcrevo o seguinte depoimento:
Por isso, aqui estou eu, mesclando jornalismo e ciências sociais. Esse
era o plano, desde o início. E se a universidade forma técnicos em
comunicação, paciência, eu quero ser jornalista e fundamentar o meu
trabalho na editoria social... Tenho a necessidade involuntária de um
saber que dialogue comigo mesma, que me faça refletir, mudar, sentir.
Um saber inebriante, que me tire da burocracia apática de ensinamentos
voltados para a técnica em detrimento da humanística e me faça sentir
viva, em contato com a realidade”. (LOPES, 2007)
12
2 Referencial teórico
A análise do discurso da mídia sobre o filme Tropa de Elite remete à
relação dos meios de comunicação, em suas coberturas jornalísticas, com as
questões da criminalidade.
O tema tem sido objeto de estudo de vários pesquisadores, como Luis
Eduardo Soares, Muniz Sodré e Nancy Cardia, dentre outros, além de congregar,
em várias organizações não-governamentais, institutos, núcleos e centros de
estudos, especialistas e professores que desenvolvem pesquisas relacionadas às
areas da violência, criminalidade, segurança pública, direitos humanos.
As referências teóricas dessa monografia tiveram por base as produções
desses estudiosos com enfoque específico nas questões sobre a violência urbana,
segurança pública, criminalidade e mídia, bem como as contribuições da análise
de discurso para a obtenção das categorias de análise do discurso da mídia.
Especificamente quanto à relação mídia e violência e o seu papel no debate
público sobre o tema, cabe citar as pesquisas realizadas em 2004 e em 2006 pelo
Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes CESeC (RJ) – Mídia e Violência – como os jornais retratam a violência e a
segurança pública no Brasil.
Embora tais pesquisas não tenham tido o foco de analisar o discurso das
notícias ou seu impacto sobre o leitor, mas as tendências da cobertura por meio
de uma análise quantitativa da produção jornalística sobre violência e segurança
pública, será apropriado utilizarmo-nos de algumas de suas reflexões sobre a
trajetória histórica da inserção de pautas sobre segurança pública nas páginas dos
jornais e o diagnóstico sobre a cobertura jornalística da violência no Brasil.
O distanciamento da mídia e dos círculos acadêmicos em relação a esses
assuntos deveu-se fortemente à identificação das forças policiais como órgãos
meramente repressores, especialmente no período da ditadura militar (19641985). Somente a partir dos anos 1990, com o processo de redemocratização e a
expansão da violência na sociedade brasileira, é que o tema voltou a despertar
13
atenção da mídia, já em sintonia com uma nova percepção dessa problemática,
que vinha sendo objeto de estudos pelos meios acadêmicos e também pelo
surgimento de movimentos da sociedade civil organizados em torno do combate e
da busca de soluções para a violência nas cidades e nas favelas.
A pesquisa realizada pelo CESeC em 2004 analisou 2.514 textos
jornalísticos veiculados em 35 dias ao longo de cinco meses por nove jornais
brasileiros: três jornais paulistas, três fluminenses e três mineiros, e a de 2006
analisou 2. 651 textos da produção de oito jornais do Rio de Janeiro.
Os resultados obtidos apontaram para mudanças que reforçam a
importância do papel da mídia, e aqui estamos nos referindo especialmente à
mídia impressa, no debate público sobre o tema.
Algumas de suas conclusões tratadas a seguir demonstram que, apesar
dos avanços, ainda são tímidas as iniciativas da cobertura jornalística frente à
capacidade que a mídia tem de influenciar a opinião da sociedade e de motivar e
fiscalizar a implantação de políticas públicas de segurança pública. Senão,
vejamos.
O volume de notícias sobre violência urbana e segurança pública tem-se
tornado mais frequente, o que sinaliza o reconhecimento da relevância do
assunto. Porém, a cobertura compõe-se, em sua maior parte, de histórias
individuais, isto é, matérias motivadas por fatos cotidianos - assaltos, homicídios,
acidentes; é pouco contextualizada, ou seja, não oferece análises e críticas;
contém baixa diversificação de opiniões, recorre poucas vezes a dados
estatísticos, estudos, opiniões vindas da sociedade civil - centrando sua fonte de
informações na polícia, além da reduzida iniciativa de abordarem o assunto por
meio da realização de entrevistas, de editoriais e reportagens especiais.
A
maioria
dos
jornais
analisados
deixou
de
realizar
coberturas
sensacionalistas ou mesmo o apelo ao endurecimento de medidas contra o crime.
São raras as notícias sugerindo mais rigor no tratamento aos criminosos ou a
restrição de direitos como soluções para o problema da violência, e mesmo que
seria legítimo fazer justiça com as próprias mãos, denotando uma preocupação de
14
respeito aos personagens envolvidos, de não assumir posturas autoritárias e
desrespeitadoras de direitos humanos.
Poucos textos usam palavras ou expressões características de visões
estigmatizantes (ex: menor, menino de rua), o que indicaria que a imprensa não
vem funcionando como reprodutora e propagadora de estereótipos normalmente
associados à violência urbana.
Esse é particularmente um ponto polêmico, pois o olhar da mídia sobre os
pobres é visivelmente diferenciado em relação à classe média.
É a visão de Souza e Silva, que afirma que a mídia contribui, mais do que
qualquer outra instituição, para a consolidação e a difusão de conceitos
estereotipados. Tudo o que é vinculado ao pobre é considerado menor. O morador
de favela é percebido como negro analfabeto e miserável. As favelas e as
periferias são designadas como espaços à margem da sociedade – territórios
inimigos, dominados pelos conflitos e alvos da intervenção armada da polícia. É
uma visão homogeneizadora que não permite o registro da variedade das
situações sociais, culturais e econômicas, pois nas favelas moram desde famílias
muito pobres até aquelas com padrão financeiro e cultural condizentes com os de
classe média.
O pobre, nas fotografias, é sempre apresentado nas piores condições –
malvestido, despenteado, cercado de crianças com aspecto de malcuidadas.
Não se tira fotografia de uma pessoa de classe média sem camisa.
Quando um criminoso da classe média é preso, a imprensa se ocupa em
questionar os motivos que o levaram ao crime. Se o criminoso é pobre, isto nunca
é feito. (SILVA, 2007, p. 92-96).
Exemplo recente ocorreu no mês de abril em Brasília quando um servidor
do Banco Central, classe média alta, foi preso por ter matado dois mendigos na
Asa Sul. Os motivos que o levaram a tirar a vida dos moradores de rua tiveram
destaque. As possíveis justificativas foram apresentadas: irritação, surto,
problemas psiquiátricos.
Por último, embora a relação da mídia e violência permaneça uma questão
em discussão, na qual identificam-se avanços convivendo com velhas práticas
15
condenadas pelos próprios jornalistas, a importância do papel da imprensa no
agendamento público do tema é consensual entre os estudiosos do assunto,
inclusive pela mobilização de respostas do governo, da justiça e da própria
sociedade civil, sendo citados como exemplos que tiveram tal repercussão os
casos Carandiru, Candelária e da chacina de Vigário Geral.
16
3 Procedimentos metodológicos
O caminho metodológico percorrido inicialmente ateve-se à realização de
pesquisa bibliográfica sobre temas correlatos ao presente estudo, quais sejam:
mídia, violência, segurança pública, análise de discurso, fascismo, cinema e crítica
social, além de estudos sobre percepção e efeitos da violência na sociedade
brasileira.
Em sequência à pesquisa documental, e com a finalidade de identificar a
repercussão na mídia do filme Tropa de Elite, foram selecionadas matérias
publicadas em jornais, além de artigos veiculados em meio eletrônico, sendo que
o critério de escolha teve por base a identificação de dois posicionamentos
distintos: os que classificaram o filme como fascista e os que o consideraram uma
crítica ou denúncia social, uma vez que os artigos se concentraram em “ataques”
e “defesas” em torno dessa discussão.
Para subsidiar a análise das matérias buscou-se o aporte dos fundamentos
da análise de discurso, tendo por referências a escola francesa e as discussões
trazidas sobre o tema por Michel Foucault.
A análise de discurso teve início no ano de 1969, na França, com a
publicação do livro Análise Automática do Discurso, de Michel Pêcheux, que
colocou - desta forma - em cena o discurso como objeto de análise.
De acordo com Pêcheux (1990), o nascimento da análise de discurso foi
presidido por uma tríplice aliança. Uma teoria da história, para explicar os
fenômenos das formações sociais; uma teoria da linguística, para explicar os
processos de enunciação e uma teoria do sujeito, para explicar a subjetividade e a
relação do sujeito com o simbólico.
Na ótica da análise de discurso, a linguagem não é um simples instrumento
de comunicação ou de transmissão de informação apenas, pois as relações da
linguagem são relações de sujeitos e de sentidos afetados pela língua e pela
história e seus efeitos são múltiplos e variados. A linguagem é o lugar dos conflitos
e dos confrontos. E o discurso é uma prática, uma ação do sujeito sobre o mundo.
17
O discurso não é a língua, nem o texto, nem a fala. O discurso encontra-se no
social e envolve aspectos sociais e ideologias que estão impregnados nas
palavras.
Segundo a perspectiva de Foucault, para a análise dos discursos é
necessário antes de tudo recusar as fáceis interpretações e igualmente a busca
insistente do sentido último ou do sentido oculto das coisas – práticas bastante
comuns quando se fala em fazer o estudo de um discurso.
Para Michel Foucault, é preciso ficar (ou tentar ficar) simplesmente no nível
de existência das palavras, das coisas ditas. Isso significa que é preciso trabalhar
arduamente com o próprio discurso, deixando-o aparecer na complexidade que
lhe é peculiar. E a primeira tarefa para chegar a isso é tentar desprender-se de um
longo e eficaz aprendizado que ainda nos faz olhar os discursos apenas como um
conjunto de signos, como significantes que se referem a determinados conteúdos,
carregando tal ou qual significado, quase sempre oculto, dissimulado, distorcido,
intencionalmente
deturpado,
cheio
de
reais
intenções,
conteúdos
e
representações, escondidos nos e pelos textos, não imediatamente visíveis. É
como se no interior de cada discurso, ou num tempo anterior a ele, se pudesse
encontrar, intocada, a verdade, despertada então pelo estudioso.
Para Foucault, nada há por trás das cortinas, nem sob o chão que pisamos.
Há enunciados e relações, que o próprio discurso põe em funcionamento.
18
4 Análise de discurso
Para a identificação dos discursos empregados para as críticas ao filme
Tropa de Elite foram selecionadas matérias publicadas ou divulgadas na mídia
impressa e eletrônica no período de outubro de 2007 a fevereiro de 2008, tempo
transcorrido entre o lançamento nacional e o internacional do filme,quando ocorreu
maior quantidade de artigos, com prevalência de textos que traziam opiniões em
torno do debate sobre ser o filme fascista ou o de trazer a representação de uma
situação social em forma de denúncia.
Como já dito no capítulo anterior, a adoção do método análise de discurso
teve por finalidade a apreensão do discurso da mídia considerando o contexto
social e histórico dos sujeitos que a produzem e que interpretam.
Deste modo, buscou-se, inicialmente, a explicitação dos vocábulos e
conceitos que diferenciam os discursos na análise da crítica ao filme, quais sejam,
fascismo e cinema como crítica social. Em seguida, são destacadas as
abordagens predominantes constitutivas dos discursos da mídia: a narração em
off, a reação da plateia e a representação do herói, tendo-se buscado nesses
conteúdos sua relação com o contexto histórico e social.
4.1 Fascismo ou crítica social
Para a compreensão do termo fascismo, buscou-se a definição contida no
Dicionário de Política (BOBBIO; MATTEUCCI; PASQUINO, 1991):
Em geral, se entende por fascismo um sistema autoritário de dominação
que é caracterizado: pela monopolização da representação política por
parte de um partido único de massa, hierarquicamente organizado; por
uma ideologia fundada no culto do chefe, na exaltação da coletividade
nacional, no desprezo dos valores do individualismo liberal e no ideal da
colaboração de classes, em oposição frontal ao socialismo e ao
19
comunismo, dentro de um sistema de tipo corporativo; por objetivos de
expansão imperialista, a alcançar em nome da luta das nações pobres
contra as potências plutocráticas; pela mobilização das massas e pelo
seu enquadramento em organizações tendentes a uma socialização
política planificada, funcional ao regime; pelo aniquilamento das
oposições, mediante o uso da violência e do terror; por um aparelho de
propaganda baseado no controle das informações e dos meios de
comunicação de massa; por um crescente dirigismo estatal no âmbito de
uma economia que continua a ser, fundamentalmente, de tipo privado;
pela tentativa de integrar nas estruturas de controle do partido ou do
Estado, de acordo com uma lógica totalitária, a totalidade das relações
econômicas, sociais, políticas e culturais.
Para fins deste trabalho, com base no que foi apreendido nas matérias,
entende-se que o termo fascista tenha sido utilizado como sinônimo de
autoritarismo, adesão ao uso da força, ausência de diálogo, intolerância, e não
como referência direta ao movimento surgido no após a Primeira Guerra como
uma reação da extrema direita ao comunismo. Ou seja, embora o fascismo não
exista mais como sistema político, elementos seus podem continuar ainda
presentes mesmo nas sociedades democráticas, o que deriva no uso de
determinadas palavras para a identificação de fatos e comportamentos sociais.
Quais são os argumentos apresentados para classificá-lo de fascista?
● O filme silencia sobre os graves problemas sociais do capitalismo, como a
fome e o desemprego, e poupa os governos e suas políticas;
● Legitima a violência policial e a violência contra as favelas;
● As favelas são resumidas ao tráfico, sendo ignorada a grande maioria de
homens e mulheres trabalhadores, jovens e crianças, moradores destas
comunidades;
● Incorpora o discurso dos policiais de que “não há saída, tem mesmo é
que matar!”;
● Responsabiliza os consumidores de drogas pela violência, por
financiarem o tráfico.
20
A revista americana Variety, um dos veículos mais influentes da indústria
cinematográfica, publicou uma crítica contundente sobre o filme quando de sua
exibição no Festival de Berlim, classificando-o de uma monótona celebração da
violência. Afirma, inclusive, haver uma suposta semelhança entre o uniforme e o
distintivo do BOPE com os da brigada Cabeça da Morte, guarda de elite da SS
nos campos de concentração nazista.
O destaque nacional fica por conta do artigo do articulista Arnaldo Bloch,
“Tropa de Elite é fascista?”, publicado em setembro de 2007, no jornal O Globo,
logo após a estreia do filme no Rio de Janeiro, que fez a crítica de que o diretor
José Padilha “assumiu de forma sistemática, acrítica e quase pedagógica” o ponto
de vista dos torturadores, o que teria deflagrado o intenso debate. Logo em
seguida o jornalista Artur Xexéo publicou o artigo “O chocante é a plateia”, ao qual
fazemos menção adiante.
Outro artigo, publicado no site do Partido Socialista dos Trabalhadores
Unificados – Tropa de Elite é fascista, sim!, vai além da crítica ao filme ao
relacionar sua estreia com o lançamento da nova política nacional de segurança
pública, identificando coincidências entre a mensagem do filme e o intuito do
governo com tal política – maior repressão policial, ao estilo “primeiro mata, depois
pergunta”.
Em contraponto, há os que o reconhecem como um filme crítico da
realidade, mostrando um lado do Brasil de hoje: favelas, tráfico de drogas,
corrupção policial, miséria social, econômica e moral. Ou seja, um retrato do que
foi produzido em matéria de desrespeito à vida e à dignidade das pessoas.
Preliminarmente à análise das notícias, julga-se pertinente uma breve
apresentação sobre dois momentos da história do cinema brasileiro, de forma a
contextualizar a discussão do cinema como crítica ou denúncia social: o Cinema
Novo e a Retomada do cinema brasileiro.
O Cinema Novo surge na década de 1960 trazendo forte crítica ao domínio
do mercado nacional pela indústria estrangeira, principalmente a norte-americana.
Domínio esse que teria grande influência na própria cultura brasileira.
21
A luta do Cinema Novo era contra a alienação do povo, agravada pelo
Golpe Militar de 1964. “Conscientizar o povo, a intenção de revelar os
mecanismos de exploração do trabalho inerentes à estrutura do país e a vontade
de contribuir para a construção de uma cultura nacional popular”, assim Glauber
Rocha, o nome de maior relevância do Cinema Novo, definia esse movimento.
Tratava-se, portanto, de um cinema engajado, de caráter ideológico, de
expressiva crítica social e política, com preocupações culturais em detrimento das
comerciais.
Em 1964, o Cinema Novo teve sua maior expressão, com a realização de
filmes com temáticas ligadas ao campo, à seca, aos retirantes nordestinos, à
fome, como Barravento e Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha;
Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos e Os Fuzis, de Rui Guerra.
Segundo Pedro Simonard, o desenvolvimento do Cinema Novo foi
prejudicado por alguns fatores: o público era formado por estudantes e
intelectuais, que assim como os cinemanovistas pareciam ser os únicos que
compreendiam suas intenções; a burguesia e a classe média não gostavam da
cara do Brasil que lhes era apresentada. O Cinema Novo teria se colocado como
dono da verdade, o grupo que tinha as melhores propostas para o país porque
seriam autenticamente populares e nacionalistas. E o povo, aquele que precisava
ser conduzido, salvo e conscientizado, nem tinha acesso ao cinema. Estabeleceuse, desta forma, um processo de isolamento do grande público. E, se o filme não
agradasse, o problema estava no público que tinha pouca consciência política e
não era culturalmente desenvolvido.
Somente a partir do ano de 1993 é que o cinema reata sua relação com as
questões sociais. É a Retomada do cinema brasileiro, que recupera seu fôlego
após um longo período de baixa produção.
O advento da Lei do Audiovisual e das leis de incentivo possibilitaram a
produção, entre 1993 e 2001, de 167 longas-metragens, contra 30 produzidos na
década anterior.
Assim como no Cinema Novo, os filmes da Retomada fizeram retornar às
telas temáticas como miséria, fome, favelas, periferias.
22
As diferenças com o Cinema Novo dizem respeito à proposta estética
desses dois cinemas.
O Cinema Novo apresentava uma proposição revolucionária na linguagem
cinematográfica, contrariando os padrões dos grandes estúdios. Bastava uma
equipe pequena, nada de aparato técnico, “uma câmara na mão, uma idéia na
cabeça”, na definição de Glauber Rocha.
Já o Cinema da Retomada caracteriza-se pelo bom acabamento técnico,
semelhante aos filmes de ação americanos, um olhar menos reflexivo sobre a
realidade e mais preocupado com o tratamento da imagem, alinhando-se, desta
forma, com o mercado internacional.
Mas se não há a intenção de conscientizar, de levar o povo à revolta contra
a pobreza, permanece a crítica social, a exemplo de filmes como Central do Brasil
(Walter Salles, 1998); Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2002); Amarelo
Manga (Claudio Assis, 2003); Tropa de Elite (José Padilha, 2007).
Retomando a análise das críticas, ganha destaque o artigo de Jurandir
Freire Costa – O ano que daremos férias à Tropa de Elite (2007) – por apresentar
uma análise mais sociológica do filme em termos da crítica que traz à sociedade
brasileira e às nossas elites:
Tropa de Elite poderia ser grafado no plural, sem perda de conteúdo. Na
verdade, as supostas elites retratadas no filme são duas: a policial e a
universitária. O detalhe nada tem de irrelevante. Nele se repete um dos
mais lastimáveis fenômenos da cultura brasileira, qual seja, a
recalcitrante incapacidade de nossa autodeclarada elite de agir, de fato,
como uma legítima elite. Elite - faça-se justiça à tradição linguística – é o
conjunto dos melhores. E os melhores, no credo democráticohumanitário, são os que mais contribuem para fortalecer as ideias de
igualdade, liberdade e fraternidade. Ora, a pretensa elite nacional jamais
se conduziu segundo esses princípios, donde a relação promíscua que
sempre manteve com o que a polícia pode ter de mais abusivo e imoral.
Um dos maiores méritos de Tropa de Elite é deixar claro que a banda
podre da polícia nada mais é do que o espelho da banda podre de elites
que usurparam o direito a portar um nome ao qual jamais fizeram jus.
23
Constata-se que as críticas favoráveis, em sua grande maioria, voltaram-se
mais à apresentação de contra-argumentos àqueles que o consideraram fascista.
Ou seja, o debate ficou claramente polarizado. O que se passou a discutir foi se o
filme é fascista ou não.
Os artigos abaixo são representativos dos posicionamentos defensivos às
críticas de o filme ser fascista.
O filme não é fascista. Tampouco é justo dizer que faça apologia da
tortura. Ele simplesmente mostra que a tortura existe, e que ela é
sistematicamente usada pelas forças de coerção estatais, isto é, a tortura
continua sendo um método sistemático adotado pelas forças policiais no
Brasil. Outra coisa que o filme mostra é que, no Brasil, a pena de morte
existe. Caveira! Morreu. Já era. Execução sumária. Tiro na cara. Sem
julgamento, sem direitos, sem nada. Pena de morte. Isso existe no Brasil.
E foi isso que o filme do Padilha mostrou. No Brasil, a pena de morte e a
tortura são métodos sistemáticos e preferenciais usados pelas forças de
repressão do Estado. (José Luis dos Santos, CMI Brasil,2007).
Fascista? Não achei nem um pouco. Se há algo a concluir de Tropa de
Elite é que policiais são corruptos, torturadores e assassinos; que quando
querem ser honestos aderem a um grupo de psicopatas; e que os
traficantes são piores ainda.
Classificar um filme de fascista, atualmente, significa dizer que promove a
glorificação da violência, o desprezo à lei e aos direitos humanos. Para o
fascista, se não houvesse as ONGs para atrapalhar, a segurança pública
estaria garantida. A polícia poderia fazer seu serviço de limpeza,
matando quantos bandidos quisesse, e assim todos os cidadãos de bem
poderiam viver tranqüilos. [...] há um aspecto que Tropa de Elite não
apresenta de jeito nenhum. É a ideia de que “assim” as coisas se
resolvem. Com toda a evidência, o filme de José Padilha não faz essa
aposta.
Só concluo dizendo que fascista é o filme que apresenta a violência
social como solução. Tropa de Elite não mostra soluções, só problemas.
E estes, com certeza, são bem fascistas. (Marcelo Coelho,2007).
24
4.2 Narração em off
Um ponto central nessa discussão foi a utilização, pelo diretor, da narração
em “off”, ou seja, o filme é narrado a partir do testemunho, do ponto de vista de um
personagem, o capitão Nascimento.
A narração em off é um recurso estético bastante utilizado na produção
brasileira de documentários até o final dos anos 80.
Segundo Consuelo Lins, o abandono desse elemento ocorreu pela intenção
de os cineastas quererem abolir “a voz de Deus”, isto é, a narração desencarnada
onisciente e onipresente, que tudo vê e tudo sabe a respeito dos personagens...
Considerada uma intervenção excessiva na relação entre filme e
espectador,
dirigindo
sentidos,
fabricando
interpretações,
a
produção
cinematográfica no Brasil praticou uma recusa desse tipo de locução.
A pergunta constante foi em que medida a pretensão de transformar tal
testemunho como a representação da realidade influenciou o público, a ponto de
não permitir que ele próprio pudesse tirar suas próprias conclusões. Ou inibir sua
liberdade de construir sua própria história de maneira mais aberta, menos
direcionado pela voz do narrador.
Alguns analistas apontam que tal recurso estabeleceu um distanciamento
crítico que impediu que o espectador percebesse como a sociedade opera no trato
com aqueles que cometem crime. A voz em off teria provocado uma adesão ao
narrador, tendo, inclusive, facilitado sua identificação como herói.
Destaca-se que alguns artigos trouxeram críticas bastante contundentes
sobre a apresentação do filme a partir do ponto de vista de um policial.
Para ilustrar, reproduzimos o seguinte comentário:
Um torturador – como personagem – pode narrar na primeira pessoa em
qualquer gênero. Mas triste e mal realizada e infeliz é a obra que se
contamina dessa pessoa. Quando o público nos estádios de futebol,
numa espontânea manifestação que deixou José Padilha emocionado,
quando a torcida no Maracanã dá um grito de guerra que veio de Tropa
25
de Elite, o público apenas apreendeu o realizado em seu filme, a saber: o
Capitão Nascimento é um herói, é bom torturar, é justo e ético mandar
crânios de bandidos para o inferno. No mínimo, é maneiro asfixiar
bandidos até o sangue estourar no saco plástico. (MOTA, 2007).
Soares, ao tratar da repercussão em torno dessa voz, assim argumenta:
Por
que
terá
tido
tanto
poder
desestabilizador,
subversivo,
desorganizador, a voz desse protagonista policial, tanto no livro quanto
no filme - voz atravessada por angústias e ambivalências, contradições,
agressividade e insegurança, culpas e hesitações, sob a aparência de
distanciamento irônico e autosuficiente? (SOARES, 2007).
4.3 A Reação da Plateia
A leitura dos artigos permitiu concluir que a polêmica em torno do filme
tomou uma maior dimensão em função da reação das plateias. Os aplausos nas
cenas de agressão, os gritos “caveira”, “caveira” (símbolo do BOPE), os risos
diante das cenas de tortura tiveram grande destaque nas críticas.
Conforme o artigo “O chocante é a plateia” de Artur Xexéo (2007),
“o que vem realmente causando impacto nas primeiras exibições
públicas é o comportamento da plateia. Independentemente das intenções
do diretor, o capitão Nascimento virou um herói. Já foi indicado para
presidente da República por um espectador... Tropa de Elite vem sendo
defendido por sua equipe como um filme que apresenta o ponto de vista
da polícia. Mas isso não é muito diferente do que João Moreira Salles fez
ao dar voz ao capitão Rodrigo Pimentel, no documentário Notícias de uma
guerra particular. A diferença aqui é a reação do público. O público é que
aplaude cada tortura em traficante, cada morte de bandido. Tropa de Elite
está fazendo vir à tona um comportamento até agora silencioso. Não é o
filme que faz a classe média apoiar métodos radicais para combater a
bandidagem. Talvez o filme ajude a catarse. Melhor do que criticá-lo é
refletir sobre o que nos transformou em gente assim”.
26
Identifica-se
que
ocorreu
um
estranhamento,
um
espanto,
uma
perplexidade com essa reação de alguns espectadores não só por parte da mídia,
mas dos próprios autores do livro, do diretor do filme, de seus atores, resultando
em uma profusão de artigos, comentários, de defesas, de interpretações, inclusive
isentando o filme dessa responsabilidade – o filme não pode ser culpabilizado por
isto. A plateia é que se identificou com personagens que expressam suas
emoções e representam os seus valores...
“Mas, de onde vem esse prazer (... o prazer graças ao mal de outrem)? Do
desejo comum aos homens de fazer mal uns aos outros – é a resposta clássica
dada por Hobbes –, na medida em que todos disputam um mesmo objeto, que é o
poder. Como gladiadores, os indivíduos correm para a morte, matando-se
mutuamente. Daí deriva o prazer, muito forte, de assistir ao perigo ou à morte dos
outros, de tornar-se espectador do sofrimento alheio.
Hoje,
é
possível que a
grande
força sedutora
da exibição
de
acontecimentos violentos resida no vislumbre que se possa ter de uma ordem
humana em que as pulsões agressivas ou sado-masoquistas encontrem a sua
descarga e o seu controle reequilibrador, portanto, na contemplação da violência
como uma contrapartida para o medo comunitário.
A exibição do fato violento, de modo dramático ou não, é uma tentativa, às
vezes infantilizada, de se lidar com a banalização do trágico no cotidiano de hoje.
Na atmosfera generalizada de horror show, em que o sofrimento do outro e
o medo coletivo são produzidos como espetáculo, irrompem os discursos
moralistas, as pregações em favor do retorno à velha moralidade, como
instrumentos da gestão burocrática (policial, estatal) dos riscos de catástrofe”
(SODRÉ, 2002, p. 97).
Que sociedade é esta que identifica um policial que tortura e mata como um
herói que salva? Uma sociedade insegura, com medo da violência? Que não
acredita nas instituições, nas leis, no Estado de Direito? Que confere ao mais forte
a legitimidade de eliminar os bandidos?
27
Estudo realizado pela pesquisadora Nancy Cardia - “Exposição à violência:
seus efeitos sobre valores e crenças em relação à violência, polícia e direitos
humanos”- apresenta resultados que parecem indicar a disseminação e
consolidação de comportamentos da população baseados em sistemas morais
particularizados em detrimento de princípios éticos válidos para todos, como podese verificar a seguir.
Qual é o impacto da exposição continuada a uma violência que parece
que nunca termina? Pode-se considerar esta experiência um tipo de
socialização negativa, onde paulatinamente vão se perdendo os interditos
morais contra o uso da violência como forma de se reparar danos, de se
fazer justiça, de se proteger, de se prevenir contra ameaças reais ou
imaginadas?
Observamos uma série de indícios de que a experiência de ser vítima
direta e indireta de violência grave não é um fato neutro, sem outras
conseqüências além do trauma físico ou psicológico imediato. Há fortes
indícios de que a exposição à violência pode mudar as pessoas, seus
comportamentos, suas crenças, seus valores, sua maneira de perceber a
vida e talvez até si mesma. Há indícios de que esta experiência não
encoraja uma maior abertura para a vida em comunidade, mas que, ao
contrário, encoraja as pessoas a buscarem meios individuais de proteção
e, neste processo, a se retirarem do espaço público construindo mais e
maiores barreiras, isolando-se ainda mais em um processo que pode ter
o efeito oposto: ao invés de obterem mais proteção, ganharem maior
vulnerabilidade.
Maior a exposição à violência, menor a crença nas forças encarregadas
de aplicar as leis e maior o risco de cinismo em relação às leis, e
paradoxalmente, maior a aceitação do arbítrio e da violência, contanto
que aplicados contra suspeitos da prática de delitos percebidos como
muito graves e sérios e como devendo sempre ser punidos. Maior
também é a aceitação de penas mais duras ou percebidas como
definitivas, como a pena de morte ou a prisão perpétua. O sofrimento que
resulta da maior vitimização não parece estar resultando em maior
tolerância com relação ao outro, em uma maior defesa do estrito respeito
às leis. É possível que a maior intolerância e a punitividade identificada
resultem da falta de proteção que as vítimas sentem, da maior
vulnerabilidade que percebem. Vulnerabilidade esta possivelmente
28
alimentada pelas más imagens que têm das forças policiais; aquelas que
em tese deveriam garantir sua segurança pessoal. (CARDIA, 2003)
Em última análise, depreende-se que a captura, pelas pesquisas, dos
pensamentos e atitudes da população brasileira em relação às questões de
violência, criminalidade e as possíveis soluções estão sujeitas às condições a que
essa população está submetida.
Na perspectiva de elucidar o entorno social em 2007, ano do lançamento do
filme, segundo o documento “Balanço das Incidências Criminais e Administrativas
no Estado do Rio de Janeiro - 1º semestre de 2008”, do Instituto de Segurança
Pública da Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro, eram essas as condições
que se apresentavam em relação à criminalidade:
3.135 vítimas de homicídio doloso, isto é, crime contra a pessoa com a
intenção de matar; 2.152 homicídios provocados por arma de fogo; 818 casos de
roubo à residência; 28.453 ocorrências de roubo a transeunte, tendo sido
constatado um aumento no 1º semestre do ano seguinte para 33.000 ocorrências.
Também veio crescendo o número furtos e de mortes por resistência à prisão: em
2000, registram-se 43.220 furtos contra 69.339 em 2007, sendo que mortes por
resistência tiveram uma variação de 520 casos em 2006; 694, em 2007 e 757, em
2008. Ressalta-se que os dados são semestrais e denotam um aumento dos
índices de criminalidade desde o ano de 2000.
A cobertura da mídia à época ilustra os dados estatísticos com fatos do
cotidiano.
03/02/2007 - Violência Policial
Grupo armado chefiado por Marcelo PQD, do Terceiro Comando, invadiu a
Favela Juaniza (Morro do Barbante), na Ilha do Governador. Essa favela tem a
atuação de uma milícia comandada por um policial chamado Téo. Há dois meses,
quando invadiram a favela e expulsaram os traficantes, o grupo haveria cobrado
taxas de moradores para colocar quatro portões de aço que fechariam as
principais entradas da favela. Neste confronto a polícia (gera a dúvida se apoiando
diretamente ou não as milícias) também estava presente para impedir que os
29
traficantes retomassem o controle da favela. O conflito entre policiais e traficantes
deixou um traficante e um operário mortos (este último passava pelo local) além
de mais duas pessoas feridas (as notícias não dizem se essas duas eram alvo
principal). Entre os policiais, um soldado e um sargento foram mortos. Todos
foram feridos com arma de fogo. A polícia investiga o caso.
Fonte da notícia: Diário de São Paulo, Folha de São Paulo, O Estado de São
Paulo.
22/02/2007 – Execução Sumária
Um assessor do gabinete da Polícia Civil, o inspetor Felix Tostes, foi morto
com mais de 30 tiros quando dirigia o carro de uma amiga no bairro do Recreio
dos Bandeirantes. Cerca de um mês antes ele havia sido afastado dos serviços na
polícia por suspeita de envolvimento em milícias no Rio e a Polícia Civil mantêm a
investigação se o policial chefiava a milícia da Favela Rio das Pedras, em
Jacarepaguá. O policial também era suspeito do envolvimento com a máfia dos
caça-níqueis. Foram recolhidas 72 cápsulas deflagradas no local do crime e 34
atingiram o policial. Segundo testemunhas, três homens teriam saído de um carro,
cercado a picape em que estava o policial e atirado. A polícia investiga diversas
hipóteses.
Uma
mulher
que
passava
pelo
local
ficou
ferida.
Fonte da notícia: Diário de São Paulo, Folha de São Paulo, O Estado de São
Paulo.
07/09/2007– Violência Policial
Líder comunitário que denunciou a presença de uma milícia na favela
Kelson há nove meses foi sequestrado. Segundo testemunhas, a vítima foi
abordada e ferida por cinco homens armados que fizeram vários disparos. Há
informações de que um carro da PM deu cobertura ao veículo usado pelos
criminosos. Dias depois o corpo da vítima foi encontrado carbonizado, sem as
pernas, braços e parte do crânio numa vala em Campo Grande. O líder
comunitário havia sido aliado dos milicianos por cinco meses e após
desentendimentos em interesses econômicos ele passou a denunciar a milícia e
30
há suspeita de que estaria mantendo contato com o Comando Vermelho. Nas
notícias há informações de alguns policiais envolvidos com o crime: Alexandre
Barbosa Batista (PM/soldado), André Luiz Oliveira Lima (PM), Fernando Barcellos
(PM/cabo), Jorge Henrique Alves dos Santos (PM/cabo), Antônio Souza dos
Santos (PM/sargento). Uma notícia de 11/09/2007 relata a prisão dos PMs.
Fonte da notícia: Diário de São Paulo, folha de São Paulo, O Estado de São Paulo
Enfim, só um herói salvador?
4.4 A representação do herói
Por que a sociedade estaria precisando de um herói?
De acordo com o Dicionário da Língua Portuguesa, herói é um homem
extraordinário pelos feitos guerreiros, valor ou magnitude.
Os heróis colocam os interesses e necessidades de outros em primeiro
plano. Para tanto, lutam pelo bem comum, se sacrificam, correm perigos, são
capazes de superar os problemas de forma excepcional.
Em que medida o Capitão Nascimento corresponde a essas definições?
No imaginário de uma parcela da população, ele é herói porque faz justiça e imediata, com as próprias mãos. Não pode esperar, pois não suporta a
morosidade do sistema. Alguém que se importa com a corrupção, que combate o
uso de drogas e que, ao mesmo tempo, é humano, como um personagem
“olimpiano”.
De acordo com Edgar Morin, as celebridades, os heróis e as estrelas são
figuras apresentadas pela mídia e que acionam mecanismos de projeção e
identificação nos espectadores. São chamados olimpianos por habitarem ”um
novo Olimpo”, um produto da cultura de massa.
Os olimpianos realizam aquilo que os simples mortais desejam e não
conseguem fazer.
31
Têm dupla natureza: divina e humana. Pelas características humanas torna
possível a identificação com os seus semelhantes, e sua natureza divina, sobrehumana, permite a projeção, a idealização. Por meio dessa dualidade, efetuam a
circulação permanente entre o mundo da projeção e o mundo da identificação.
“Conjugando a vida cotidiana e a vida olimpiana, os olimpianos se tornam
modelos de cultura no sentido etnográfico do termo, isto é, modelos de vida. São
heróis modelos. Encarnam os mitos de auto-realização da vida privada.” (Morin,
1997, p-107).
José Padilha assim se pronunciou rebatendo as interpretações de que o
filme teria retratado o Capitão Nascimento como um herói:
É preciso fazer um grande esforço para interpretar o filme tão errado
assim. Quem é o capitão Nascimento no filme? É um sujeito que dedicou
sua vida à tropa de elite. Passou sua vida justificando para si mesmo a
violência que perpetra nas favelas. Ele está vendo que a dedicação que
teve foi equivocada e não se sustenta numa sociedade civilizada. O filme
mostra isso, apresentando o personagem com síndrome de pânico, que
não consegue sustentar a realidade na qual apostou ou conciliar uma
vida em família com a mulher e o filho, é um personagem angustiado.
Um depoimento anônimo postado no blog Militar Legal (outubro 2007) é
bastante elucidativo em relação às controvérsias geradas pelo filme.
Que sociedade é esta que viu no capitão Nascimento um herói salvador?
É uma sociedade classe media que não aguenta mais viver cercada por
favelados e bandidos. É uma sociedade que está de saco cheio dos
politicos vigaristas que apoiam favelas ilegais que abrigam criminosos
fortemente armados.
Essa sociedade quer ver o capitão Nascimento passando fogo nessa
escória que desce o morro para assaltar e aterrorizar aqueles que
estudam, trabalham e pagam impostos. Querem ver o Bope tocando fogo
de napalm naquelas favelas escrotas de onde a m... e o lixo descem
rolando.
Essa sociedade já perdeu a paciência com essa classe de baixa renda
compostas por parideiras e manés irresponsáveis que fazem filho para
jogar na rua e pedir esmola. Essa sociedade paga impostos para fazer
32
escolas, saneamento, posto de saúde, bolsa família e etc., mas isso só
faz multiplicar as favelas e os bandidos.
O Capitão Nascimento transformou-se, portanto, no porta-voz de uma
sociedade amedrontada que assume como solução que não há saída,
tem mesmo é que matar.
A natureza humana do Capitão Nascimento retratada no depoimento do
diretor José Padilha associada à projeção de um salvador, de um justiceiro,de um
porta–voz de uma sociedade amedrontada,parecem apresentar
indícios de
identificação desse personagem com as características de um herói olimpiano.
É interessante observar que a mídia, a qual se atribui a responsabilidade de
eleger e construir mitos, heróis e celebridades, no caso ora em estudo não
fomentou a criação desse herói. Ao contrário, houve uma reação unânime
desfavorável a essa identificação, embora tenham ocorrido divergências quanto ao
fato de que o filme tenha ou não favorecido ou mesmo induzido a plateia a projetar
no Capitão Nascimento seus sonhos de justiça.
“Miserável país aquele que precisa de heróis”.
Bertold Brechet (1898- 1956)
33
5 Considerações Finais
Este trabalho pretendeu abordar a relação da mídia com questões que
envolvem violência, criminalidade e segurança pública, a partir da cobertura
jornalística do filme Tropa de Elite.
Como dito anteriormente, a escolha do filme deu-se pelo fato de retratar a
ação de uma corporação policial – o BOPE, em uma favela do Rio de Janeiro,
trazendo elementos significativos que permitiram reflexões que, além da
compreensão de como a mídia aborda o tema, envolveram pensamentos, atitudes
e valores da sociedade brasileira frente à questão, haja vista que a reação da
plateia ao filme suscitou inúmeros debates.
Ao pensarmos no dilema Tostines – se a sociedade reflete o pensamento
da mídia ou se a mídia reflete o pensamento da sociedade – podemos constatar
que a plateia (sociedade) surpreendeu a mídia.
Houve uma reação de indignação, de surpresa, de espanto com as atitudes
de aprovação às condutas do personagem Capitão Nascimento, dos métodos de
tortura, de suas falas, e na sua identificação como um herói.
É surpreendente como expressões usadas no filme foram incorporadas no
linguajar da população: Pede pra sair; Deus perdoa, mas o Capitão Nascimento,
não; Missão dada, missão cumprida.
Os resultados das pesquisas consultadas para fins desse trabalho com a
intenção de buscar o entendimento da “cabeça do brasileiro”, ou seja, seu
pensamento e comportamento frente a situações como as de segurança, violência
e justiça, não foram conclusivas.
A Lei de Talião – dente por dente, olho por olho, o uso de procedimentos
policiais ilegais (tortura, morte) parece-nos sujeitos a oscilações que dependem
das condições sentidas e vividas pela população em relação à violência.
O que seria percebido como correto em termos de valores, de respeito aos
direitos humanos – o não à violência policial, a necessidade de observância
rigorosa das leis, a confiança na justiça – expressos em algumas pesquisas, são,
34
muitas vezes, revertidos quando da ocorrência de algum distúrbio que constitui
ameaça à população.
Parece-nos que um cotidiano de violência contamina de imediato a
população em prol de medidas mais severas de repressão, o que inclui aquelas
ilegais praticadas por integrantes das corporações policiais.
Daí questiona-se o motivo da surpresa da mídia em relação à reação da
plateia. Isto refletiria uma dissociação entre o pensamento da mídia e o da
sociedade?
Alguns artigos buscaram explicações quanto ao comportamento do público
– uma reação catártica, emocional, portanto pontual, e motivada pelas
circunstâncias de insegurança da população, como se demonstrassem, com tais
justificativas, uma sintonia da mídia com o pensamento da sociedade.
Porém, poucos foram os artigos que se detiveram nessa abordagem.
Outros foram bastante contundentes, chegando a afirmar que fascista foi a
reação da plateia, e não o filme, demonstrando claramente o desacordo com a
aprovação do público às práticas policiais ilegais.
Na análise comparativa entre as críticas da mídia distintas entre filme
fascista ou crítica social, pode-se observar que a utilização da narração em off foi
um dos pontos que mais provocou o acirramento entre as posições.
A história contada do ponto de vista de um policial foi a razão maior para
diversos e diferentes entendimentos, reforçando o antagonismo de opiniões.
Um outro aspecto, provocado pelo fato de o filme ter responsabilizado os
consumidores de drogas, jovens de classe média, de financiarem o tráfico, obteve
atenção restrita àqueles que classificaram o filme de fascista, enfatizando
o
equívoco da mensagem de criminalização dos usuários, além de não ter trazido
para o debate a questão da legalização do consumo das drogas.
Retomando o debate em torno da relação da mídia com a criminalidade e
com a violência abordada no capítulo 2, constata-se que as críticas
predominantemente voltaram-se a tecer julgamentos e a classificar o filme de
acordo com padrões morais e ideológicos, com ênfase nos valores e crenças
próprios, transformando-se em uma tribuna de ataques e defesas, deixando, desta
35
forma, de pautar um debate consistente e qualificado sobre o problema da
segurança pública no país.
Ou seja, de maneira geral, a imprensa foi mais reativa e menos propositiva,
não aprofundando os temas abordados pelo filme: a polícia que temos e a que a
sociedade deseja ter, a política de controle ao uso de drogas, a questão das
armas, a formação dos policiais.
O excesso de opiniões concentrado na discussão de o filme ser ou não
fascista prejudicou um debate mais concreto em relação à segurança pública.
Por fim, destaca-se que os avanços que se pretende quanto ao papel dos
meios de comunicação na construção de uma nova consciência social sobre
criminalidade e segurança pública no contexto dos Direitos Humanos estão
diretamente relacionados a condição de esses temas tornarem-se definitivamente
centrais no debate público e na preocupação política nas diferentes esferas do
governo e na sociedade civil.
36
Referências bibliográficas
ADORNO, Sergio. Exclusão socioeconômica e violência urbana. Caderno
Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, jul/dez, p. 84-135. 2002.
CALLIARI, Cibele. Cinema Novo, cinema engajado (segundo capítulo da
monografia Central do Brasil: o Novo Cinema e o Resgate do Cinema Novo).
CARDIA, Nancy. Pesquisa sobre atitudes, normas culturais e valores em
relação à violência em dez capitais brasileiras. Relatório de pesquisa. BrasíliaDF: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Direitos Humanos, 1999.
______. Exposição à violência: seus efeitos sobre valores e crenças em relação
à violência, polícia e direitos humanos. São Paulo: Núcleo de Estudos da
Violência, Universidade de São Paulo, 2003.
COTTA, Pery de Araújo. Mídia e Sociedade - aproximações e afastamentos: um
estudo sobre o jornalismo reflexivo. 2001. Tese (Dourado em Comunicação) Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação, Universidade Federal
do Rio de Janeiro, 2001.
FILHO, Aziz. Mídia e segurança pública: uma relação de superficialidade e
incompreensões. [s.l.]: Observatório da Imprensa, 2005.
37
FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação.
Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197-223. 2001.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.
IUNES, Ivan Luis David. O discurso da mídia impressa no caso do ônibus 174.
2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Universidade de Brasília,
Brasília, 2006.
LINS, Consuello. O ensaio no documentário e a questão da narração em off.
Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.
MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro:
Forense Universitária, 1997.
NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA. [Pesquisa] Milícias de policiais no Rio
de Janeiro. Núcleo de Estudos da Violência, Universidade de São Paulo, 2007.
ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. São Paulo Campinas: Pontes, 1999.
PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET; HAK (Org.). Por uma
análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux.
Campinas, Ed. Unicamp, 1990.
38
RAMOS, Silvia; PAIVA, Anabela. Mídia e violência: tendências na cobertura de
criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro, IUPERJ, 2007.
SACCOMANI, Edda. Fascismo. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola;
PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: Ed. Fundação
Universidade de Brasília, 1991.
SILVA, Jailson Souza e. A violência da mídia. In: MÍDIA e Violência: tendências
na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ,
2007.
SIMONARD, Pedro. Origens do Cinema Novo: A Cultura política dos anos 50 até
1964.
SOARES, L. E.; BATISTA, A.; PIMENTEL, R. Elite da tropa. Rio de Janeiro:
Objetiva, 2006.
SODRÉ, Muniz. Sociedade, mídia e violência. Porto Alegre: Sulina, 2002.
39
Sítios da Internet
Calligaris, Contardo. Tropa de Elite. Disponível
em:<http://www.verdestrigos.com.br
Acesso em :13 de maio de 2009
COSTA, Jurandir Freire. O ano em que daremos férias à tropa de elite. O Estado
de São Paulo, São Paulo, 7 out. 2007. Disponível em:
<http://www.estado.com.br/suplementos/ali/2007/10/07/ali1.93.19.20071007.6.1.xml>. Acesso em: 09 maio. 2009.
GASÁRI, Elio. Huck, Ferrez, Capitão Nascimento. Folha online, São Paulo, 10
out. 2007. Disponível em:
<http://www1.folha.uol.com.br/folha/treinamento/ult76u335427.shtml>. Acesso em:
13 abr. 2009.
KHALIP, Andrei. “Tropa de elite” não é elogio à brutalidade. O Globo, Rio de
Janeiro, 19 set. 2007. Disponível em:
<http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2007/09/19/297794270.asp>. Acesso em: 10
jun. 2009.
LIMA, Amauri. Reportagem e retórica: uma análise discursiva sobre o filme Tropa
de Elite. Trabalho apresentado no VIII seminário Nacional de Literatura, História e
Memória. Paraná: UNIOESTE. Disponível em: <http://cacphp.unioeste.br/eventos/seminariolhm/anais/Arquivos/Artigos/Seminario/seminario
_imagem_13.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2009.
LOPES, Suelen. Jornalismo social e angústias. 30 maio 2007. Disponível em:
<http://jornalismosocialeangustias.blogspot.com/2007/09/bendito-seja-o-mstsbado-01-de-setembro.html>. Acesso em: 05 maio. 2009.
40
SOARES, Luiz Eduardo. Filme perturba até os “caveiras” de carteirinha. O Estado
de São Paulo, São Paulo, 7 out. 2007. Disponpivel em:
<http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup61253,0.htm>. Acesso em: 09
abr. 2009.
TEDEIA, Gilberto. Prática radical. Disponível em:
<http://praticaradical.blogspot.com/2007/10/guerra-guerra-dizia-o-torturadortropa.html>. Acesso em: 10 jun. 2009.
TROPA de elite não é fascista. Revista da Semana, São Paulo, 15 out. 2007.
Disponível em:
<http://revistadasemana.abril.com.br/edicoes/5/doquesefala/materia_doquesefala_
255483.shtml>. Acesso em: 15 jun. 2009.
VARIETY aponta fascismo em “Tropa de elite”. G1, São Paulo, 11 fev. 2008.
Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/Cinema/0,,MUL2949327086,00.html>. Acesso em: 10 jun. 2009.
WEISSBERG, Jay. The elite squad. Variety, 25 fev. EUA, 2009. Disponível em:
<http://www.variety.com/index.asp?layout=festivals&jump=review&id=2478&review
id=VE1117936168&cs=1>. Acesso em: 10 jun. 2009.
XÉXEO, Artur. Xéxeo sobre Tropa de Elite: o chocante é a platéia. O Globo, Rio
de Janeiro, 26 set. 2007. Disponível em:
41
<http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2007/09/26/297889226.asp>. Acesso em: 13
maio. 2009.
ZANIN, Luiz. Tropa de elite, filme fascista? Estadão, São Paulo, seção Cinema,
Atualidades, 26 set. 2007. Disponível em:
<http://blog.estadao.com.br/blog/zanin/?title=tropa_de_elite_filme_fascista&more=
1&c=1&tb=1&pb=1>. Acesso em: 20 abr. 2009.
Fly UP