...

Questões de 37 a 48

by user

on
Category: Documents
13

views

Report

Comments

Transcript

Questões de 37 a 48
PORTUGUÊS
Texto para as questões 37 a 40.
AS COUSAS DO MUNDO
Neste mundo é mais rico o que mais rapa:
Quem mais limpo se faz, tem mais carepa;
Com sua língua, ao nobre o vil decepa:
O velhaco maior sempre tem capa.
Mostra o patife da nobreza o mapa:
Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa;
Quem menos falar pode, mais increpa:
Quem dinheiro tiver, pode ser Papa.
A flor baixa se inculca por tulipa;
Bengala hoje na mão, ontem garlopa,
Mais isento se mostra o que mais chupa.
Para a tropa do trapo vazo a tripa
E mais não digo, porque a Musa topa
Em apa, epa, ipa, opa, upa.
(Gregório de Matos Guerra,
Seleção de Obras Poéticas)
37 e (teste defeituoso)
Fica claro, no poema acima, que a principal crítica do
autor à sociedade de sua época é feita por meio da
a) denúncia da proteção que o mundo de então dava
àqueles que agiam de modo condenável, embora
sob a capa das leis da Igreja.
b) enumeração de certos tipos que, por seus comportamentos, revelam um roteiro que identifica e recomenda a ascensão social.
c) elaboração de uma lista de atitudes que deviam ser
evitadas, por não condizerem com as práticas morais encontradas na alta sociedade.
d) comparação de valores e comportamentos da faixa
mais humilde daquela sociedade com os da faixa
mais nobre e aristocrática.
e) caracterização de comportamentos que, embora sejam moralmente condenáveis, são dissimulados em
seus opostos.
Resolução
A única alternativa que, de forma geral, é aplicável ao
soneto de Gregório de Matos é a e. Não obstante,
trata-se de uma alternativa bastante defeituosa, já que
nem sempre os comportamentos descritos no poema
“são dissimulados em seus opostos”. Se isso ocorre
nos comportamentos considerados nos versos 2, 4(?),
5, 9 e 11, o mesmo não se dá nos versos 1, 3, 6, 7, 8
e 10.
38 sem resposta (gabarito oficial: a)
OBJETIVO
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
A alternativa que melhor exprime as características da
poesia de Gregório de Matos, encontradas no poema
transcrito, é a que destaca a presença de
a) inversões da sintaxe corrente, como em “Com sua
língua, ao nobre o vil decepa” e “Quem menos falar
pode”.
b) conflito entre os universos do profano e do sagrado,
como se vê na oposição “Quem dinheiro tiver” e
“pode ser Papa”.
c) metáforas raras e desusadas, como no verso experimental “a Musa topa / Em apa, epa, ipa, opa, upa”.
d) contraste entre os pólos de antíteses violentas, como “língua” X “decepa” e “menos falar” X “mais
increpa”.
e) imagens que exploram os elementos mais efêmeros e diáfanos da natureza, como “flor” e “tulipa”.
Resolução
Não é possível aceitar nenhuma das alternativas propostas como caracterização da poesia de Gregório de
Matos, nem em geral, nem ao que respeita ao poema
apresentado. Senão, vejamos:
a) “inversões da sintaxe corrente” são comuns na
poesia da era dita clássica, que se estende do século XVI ao XVIII. Mesmo no século XIX não é raro encontrarem-se hipérbatos na poesia. Portanto, tal
traço lingüístico não é, de forma alguma, característico do autor ou do poema em questão;
b) no verso transcrito – “Quem dinheiro tiver, pode ser
Papa” – nem há, a rigor, “conflito entre os universos
do profano e do sagrado”, nem se trata de oposição
entre os dois sintagmas que compõem a frase,
como se postula nesta alternativa. O sentido da
frase não implica a contraposição profano x sagrado,
pois se trata apenas de um exemplo da força do
dinheiro. O mesmo sentido estaria presente se a
frase fosse “Quem dinheiro tiver pode ser rei”;
c) alternativa absurda, pois os exemplos apresentados
não constituem metáforas, mas sim um paradigma
de rimas;
d) embora antíteses ocorram abundantemente, tanto
no Barroco em geral, quanto na poesia de Gregório
de Matos (inclusive no poema apresentado), esta
alternativa não é aceitável, pois “língua x decepa”
não é um exemplo de antítese;
e) embora ocorram, em alguns poemas de Gregório de
Matos (notadamente nos do carpe diem), metáforas
que se utilizam de elementos efêmeros (mas não
diáfanos) da natureza, o mesmo não ocorre neste
poema, no qual as imagens de “flor” e “tulipa” têm
outros sentidos: “flor baixa” = coisa de pouco valor
x “tulipa” = coisa rara e preciosa.
39 c
Em “Para a tropa do trapo vazo a tripa”, pode-se constatar que o poeta teve grande cuidado com a seleção
e disposição das palavras que compõem a sonoridade
do verso, para salientar certos fonemas que se repetem (principalmente os “pês” e os “tês”), utilizando,
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
ao mesmo tempo, palavras que se diferenciam por
mudanças fonéticas mínimas (tropa/trapo/tripa).
Os recursos estilísticos empregados aí foram
a) personificação e alusão.
b) paralelismo e comparação.
c) aliteração e paronomásia.
d) assonância e preterição.
e) metáfora e metonímia.
Resolução
No verso “Para a tropa do trapo vazo a tripa”, existe
repetição dos fonemas consonantais /p/, /t/ e /r/. Esse
procedimento chama-se aliteração.
Os vocábulos tropa/trapo/tripa apresentam semelhança de sons e diferença de sentido, constituindo,
portanto, paronomásia.
40 b
Devido quer aos hábitos lingüísticos quer às preferências literárias de sua época, o autor vale-se de algumas
palavras e expressões que poderiam ser “traduzidas”
para uma forma contemporânea e mais corrente. Assinale a alternativa em que aparece o equivalente de
sentido adequado ao contexto:
a) “[...] ao nobre o vil decepa”= o nobre corta o mal
pela raiz.
b) “[...] é mais rico o que mais rapa” = é tanto mais
rico aquele que rouba mais.
c) “Quem mais limpo se faz, tem mais carepa” =
quem mais se limpa, mais perde cabelos.
d) “O velhaco maior sempre tem capa” = idosos têm
mais necessidade de agasalho.
e) “A flor baixa se inculca por tulipa” = a flor rasteira
teima em crescer mais alto.
Resolução
Rapar, no sentido de “roubar”, devia ser corrente na
linguagem coloquial da época.
Textos I e II, para as questões de 41 a 44.
TEXTO I
Então Macunaíma pôs reparo numa criadinha
com um vestido de linho amarelo pintado com extrato
de tatajuba. Ela já ia atravessando o corgo pelo pau.
Depois dela passar o herói gritou pra pinguela:
— Viu alguma coisa, pau?
— Via a graça dela!
— Quá! quá! quá quaquá!...
Macunaíma deu uma grande gargalhada. Então seguiu
atrás do par. Eles já tinham brincado e descansavam
na beira da lagoa. A moça estava sentada na borda
duma igarité encalhada na praia. Toda nua inda do
banho comia tambiús vivos, se rindo pro rapaz. Ele deitara de bruços na água rente dos pés da moça e tirava
os lambarizinhos da lagoa pra ela comer. A crilada das
ondas amontoava nas costas dele porém escorregando no corpo nu molhado caía de novo na lagoa com
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
risadinhas de pingos. A moça batia com os pés n’água
e era feito um repuxo roubado da Luna espirrando jeitoso, cegando o rapaz. Então ele enfiava a cabeça na
lagoa e trazia a boca cheia de água. A moça apertava
com os pés as bochechas dele e recebia o jato em
cheio na barriga, assim. A brisa fiava a cabeleira da
moça esticando de um em um os fios lisos na cara
dela. O moço pôs reparo nisso. Firmando o queixo no
joelho da companheira ergueu o busto da água, estirou
o braço pro alto e principiou tirando os cabelos da cara
da moça pra que ela pudesse comer sossegada os
tambiús. Então pra agradecer ela enfiou três lambarizinhos na boca dele e rindo muito fastou o joelho
depressa. O busto do rapaz não teve apoio mais e ele
no sufragante focinhou n’água até o fundo, a moça
inda forçando o pescoço dele com os pés. Ele ia escorregando sem perceber de tanta graça que achava na
vida. Ia escorregando e afinal a canoa virou. Pois deixai
ela virar! A moça levou um tombo engraçado por cima
do rapaz e ele enrolou-se nela talqualmente um apuizeiro carinhoso. Todos os tambiús fugiram enquanto
os dois brincavam n’água outra vez.
(Mário de Andrade, Macunaíma.
O herói sem nenhum caráter)
TEXTO II
De outras e muitas grandezas vos poderíamos
ilustrar, senhoras Amazonas, não fora persignar demasiado esta epístola; todavia, com afirmar-vos que esta
é, por sem dúvida, a mais bela cidade terráquea, muito
hemos feito em favor destes homens de prol. Mas
cair-nos-iam as faces, si ocultáramos no silêncio, uma
curiosidade original deste povo. Ora sabereis que a
sua riqueza de expressão intelectual é tão prodigiosa,
que falam numa língua e escrevem noutra. Assim chegado a estas plagas hospitalares, nos demos ao trabalho de bem nos inteirarmos da etnologia da terra, e
dentre muita surpresa e assombro que se nos deparou, por certo não foi das menores tal originalidade lingüística. Nas conversas utilizam-se os paulistanos dum
linguajar bárbaro e multifário, crasso de feição e impuro na vernaculidade, mas que não deixa de ter o seu
sabor e força nas apóstrofes, e também nas vozes do
brincar. Destas e daquelas nos inteiramos, solícito; e
nos será grata empresa vo-las ensinarmos aí chegado.
Mas si de tal desprezível língua se utilizam na conversação os naturais desta terra, logo que tomam da
pena, se despojam de tanta asperidade, e surge o
Homem Latino, de Lineu, exprimindo-se numa outra
linguagem, mui próxima da vergiliana, no dizer dum
panegirista, meigo idioma, que, com imperecível
galhardia, se intitula: língua de Camões! De tal originalidade e riqueza vos há-de ser grato ter ciência, e mais
ainda vos espantareis com saberdes, que à grande e
quase total maioria, nem essas duas línguas bastam,
senão que se enriquecem do mais lídimo italiano, por
mais musical e gracioso, e que por todos os recantos
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
da urbs é versado.
(Mário de Andrade, Macunaíma.
O herói sem nenhum caráter)
41 a
A leitura do Texto I torna possível afirmar que essa
passagem
a) caracteriza-se como descrição de ações, enfocando
o encontro amoroso de um moço e uma criada, ressaltando a sensualidade de seu comportamento
(“Eles já tinham brincado”) .
b) narra a exuberância da fauna e da flora brasileiras
(“Tirava os lambarizinhos da lagoa” e “A crilada das
ondas”), afirmando antropofagicamente os valores
nacionais.
c) deve ser entendida de uma perspectiva psicanalítica, muito utilizada por Mário de Andrade, fazendo
entrever na água da igarité um símbolo da sexualidade da cena descrita.
d) explora oposições amorosas, em que gentilezas são
retribuídas com grosserias (“Ele [...] tirava os lambarizinhos [...] pra ela comer” e “A moça batia com
os pés n’água [...] cegando o rapaz”).
e) insinua a futilidade das necessidades humanas mais
elementares, tais como procriar, comer e repousar,
resgatando influências do realismo-naturalismo, que
precedeu o modernismo.
Resolução
Não obstante a expressão imprópria – “descrição de
ações”, realmente o fulcro do excerto transcrito é o
encontro amoroso do protagonista, revestido da sensualidade que é peculiar ao seu comportamento.
Ações são habitualmente narradas. Não se entende o
que pretende o examinador com “descrição de
ações”. Seja o que for, não compromete a eleição
desta alternativa como a única que não labora em
erros grosseiros, como as demais.
42 c
Assinale a alternativa que transcreve e converte, correta e respectivamente, a frase do registro coloquial da
linguagem, extraída do Texto I, em seu correspondente na modalidade culta.
a) “Pois deixai ela virar” / “Pois deixa-a virar”.
b) “Ele deitara de bruços na água” / “Ele tinha deitado
de bruços na água”.
c) “Depois dela passar” / “Depois de ela passar”.
d) “ele enrolou-se nela talqualmente um apuizeiro carinhoso” / “ele enrolou-se nela mesmo sendo um
apuizeiro carinhoso”.
e) “Ia escorregando e afinal a canoa virou” / “Ia escorregando e até que enfim a canoa virou”.
Resolução
Embora seja considerado condenável o preposicionamento do sujeito de verbo no infinitivo (“depois dela
passar”), tal construção é corrente em Portugal e aparece na obra de grandes escritores, como, por exemFATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
plo, Cesário Verde (“Por causa dum jornal me rejeitar...”, no poema “Contrariedades”).
43 a
A “Carta pras Icamiabas” (Texto II) contrasta, pelo estilo, com os demais capítulos de Macunaíma. Com base
no excerto, afirma-se que a carta escrita pelo herói a
suas súditas, no contexto do romance,
I. parodia o estilo parnasiano, o que se constata pela
escolha de vocabulário preciosista, pelo tratamento
em 2ª pessoa do plural e pelo emprego da ordem
indireta na frase.
II. ironiza o artificialismo parnasiano, cuja poesia desprezava soluções coloquiais, próprias da língua falada.
III.expressa, pela ironia, a tese modernista da incorporação de contribuições do linguajar do imigrante,
integrado à população nacional.
IV. representa o antimodernismo, pois traz soluções de
linguagem e de estilo que o Modernismo negou,
em nome da nacionalização da língua literária.
São corretas as afirmações
a) I, II, III e IV.
b) I e IV apenas.
c) I, II e III apenas.
d) II e IV apenas.
e) II, III e IV apenas.
Resolução
Todas as afirmações apresentadas são verdadeiras em
relação ao capítulo de Macunaíma intitulado “Cartas
pras Icambiabas”. Trata-se, de fato, de texto irônico,
paródico em relação ao Parnasianismo e às demais
tendências conservadoras e “puristas” da literatura
brasileira de fins do século XIX e início do XX.
44 d
As palavras “epístola”, “terráquea” e “etnologia” , extraídas do Texto II, associam-se pelo sentido, respectivamente, a
a) arma, terra e humanidade.
b) carta, terra e civilização.
c) instrumento, planeta e raça.
d) carta, Terra e povo.
e) escrita, planeta e raça.
Resolução
Epístola é sinônimo de carta; terráquea designa pessoa ou coisa (no caso, cidade) do planeta Terra; etnologia é o estudo de povos e suas culturas.
As questões 45 e 46 baseiam-se nos quadrinhos a
seguir.
OBJETIVO
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
45 e
Considere as seguintes interpretações dos quadrinhos.
I. Há coerência entre as perguntas formuladas e as
respostas dadas.
II. A pergunta contida no segundo quadrinho é respondida de maneira vaga e incompleta; para ser
compreensível, a resposta deveria ser “Casei-me
por companheirismo”.
III.As duas respostas dadas contêm apreciação depreciativa dos valores associados ao casamento.
IV. O significado de “companheirismo” contradiz os
princípios expostos pela mesma personagem, no
primeiro quadrinho.
V. O efeito de humor dos quadrinhos nasce da exploração da incoerência de sentido das manifestações
da personagem que responde às perguntas que lhe
são dirigidas.
Dentre essas afirmações, estão corretas apenas
a) II, III e IV.
b) II, III e V.
c) I, II, IV e V.
d) I, II e IV.
e) I, IV e V.
Resolução
Atendo-nos às interpretações improcedentes: em II, a
resposta da personagem é clara e explícita: a velha
senhora tem como segredo da longevidade do casamento o exacerbado individualismo dos cônjuges; em
III, não há depreciação dos valores matrimoniais nas
respostas; há o efeito humorístico que decorre da contradição entre a intenção que levou ao casamento
(“companheirismo”) e o “segredo” da paz conjugal (o
individualismo contido nos preceitos “seja você mesma... tenha seus próprios interesses”).
OBJETIVO
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
46 c
Assinale a alternativa em que o diálogo do primeiro
quadrinho tem expressão adequada em discurso indireto, dando seqüência à frase abaixo.
Indagada sobre o segredo de um casamento duradouro, a velha senhora respondeu à jovem secretária
a) isso: fosse você mesma, tivesse seus próprios interesses, desse espaço ao outro e ficando fora do
caminho.
b) o seguinte: seja você mesma, tivesse seus próprios
interesses, desse espaço ao outro e fique fora do
caminho.
c) que fosse ela mesma, tivesse seus próprios interesses, desse espaço ao outro e ficasse fora do
caminho.
d) que: seja você mesma, tenha seus próprios interesses, dê espaço ao outro e fique fora do caminho.
e) que fora ela mesma, tenha seus próprios interesses, desse espaço ao outro e ficasse fora do caminho.
Resolução
O verbo da oração principal respondeu encontra-se no
pretérito perfeito do indicativo. Devido a isso, os verbos das orações subordinadas passam a ser empregados no pretérito imperfeito do subjuntivo (fosse, tivesse, desse, ficasse).
Além dessa correlação verbal, ocorre também a
mudança do pronome você (empregado como referência ao interlocutor) para o pronome ela (usado para
referir-se à pessoa de quem se fala).
Texto para as questões 47 e 48.
Ler ou não ler, eis a questão
Não existe estudo científico que comprove,
mas há uma percepção disseminada sobre a geração
atual: ela não gosta de ler. A constatação parte dos
professores. Eles se queixam de que só com muito
esforço conseguem obrigar seus alunos a ler os clássicos da literatura. Um dos argumentos mais utilizados
é recorrer à ameaça do vestibular. Os pais endossam a
percepção de repulsa dos jovens pelos livros.
Reclamam freqüentemente que os filhos padecem de
falta de concentração e, por isso, não são capazes de
ler as obras básicas para entender a matéria.
Por que isso acontece? O que faz com que
uma geração leia e outra fuja dos livros? Há diversas
explicações, mas todas acabam convergindo para um
mesmo ponto.
Quando as pessoas recebem a informação
mastigada – na televisão, nos gibis, na internet – , acabam tendo preguiça de ler, um ato que exige esforço e
reflexão. Os canais pelos quais o jovem se informa
nos dias de hoje são múltiplos. O livro é apenas um
deles. E é o mais trabalhoso. Diante desse quadro, os
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
educadores são unânimes num ponto: as armas de
estímulo à leitura precisam ser modernizadas.
(Vivian Whiteman, Veja Jovens setembro,
2001, p. 52-3)
47 b
Assinale a alternativa em que a nova redação das frases abaixo está de acordo com a norma culta.
“Não existe estudo científico” (1º parágrafo) / “Há diversas explicações” (2º parágrafo).
a) Não devem haver estudos científicos / pode existir
diversas explicações.
b) Não devem existir estudos científicos / pode haver
diversas explicações.
c) Não existem estudos científicos / podem haver diversas explicações.
d) Não há estudos científicos / existe diversas explicações.
e) Não pode existir estudos científicos / deve haver
diversas explicações.
Resolução
A locução verbal devem existir concorda com o sujeito
estudos científicos. O verbo haver, na locução verbal
pode haver, é impessoal, isto é, só é empregado na 3ª
pessoa do singular.
48 d
O principal argumento usado para justificar a pouca afinidade do jovem com a leitura de livros está contido na
idéia de que
a) o vestibular é uma ameaça aos jovens.
b) os jovens são desconcentrados.
c) o jovem pertence a uma geração que foge dos
livros.
d) há meios mais facilitados de obter informações.
e) a escola não consegue obrigar os alunos a ler.
Resolução
Segundo o texto, todas explicações a falta de prazer
do jovem na leitura convergem para “a informação
mastigada – na televisão, nos gibis, na internet –”, menos trabalhosa que a obtida nos livros.
REDAÇÃO
Com base na leitura do texto-estímulo reproduzido
abaixo, redija um texto dissertativo-argumentativo que
discuta o tema:
Como lidar com o excesso de informação.
Defenda uma opinião, amparada na organização e na
relação de fatos e argumentos que a sustentem logicamente.
Lembretes:
OBJETIVO
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
1. Empregue a norma culta da língua escrita;
2. Não copie orações, frases e períodos do texto-estímulo;
3. Você pode, entretanto, incorporar algum fato ali
mencionado;
4. Se desejar, dê a seu texto o título que julgar conveniente.
Texto-Estímulo:
O eterno sentimento humano de ansiedade
diante do desconhecido começa a tomar uma forma
óbvia nestes tempos em que a informação vale mais
que qualquer outra coisa. As pessoas hoje parecem
estar sofrendo porque não conseguem assimilar tudo
o que é produzido para aplacar a sede da humanidade
por mais conhecimento. Alguns exemplos dessa síndrome:
•
Uma edição de um jornal como o New York
Times contém mais informação do que uma pessoa
comum poderia receber durante toda a vida na
Inglaterra do século XVII.
•
Todos os anos é produzido 1,5 bilhão de
gigabytes em informação impressa, filme ou arquivos
magnéticos. Isso dá uma média de 250 megabytes de
informação para cada homem, mulher e criança do planeta. Seriam necessários dez computadores pessoais
para cada pessoa guardar apenas a parte que lhe caberia desse arsenal de conteúdo.
•
Atualmente existem mais de 2 bilhões de
páginas disponíveis na internet. Até o fim do ano esse
número estará beirando os 3 bilhões.
•
Até o início dos anos 90, a televisão brasileira
tinha menos de dez canais. Hoje há mais de 100 emissoras no ar, em diversas línguas, com especialidades
diferentes.
•
Os americanos compram uma quantidade
superior a 1 bilhão de livros por ano. Mais de 43% dos
americanos que declaram ser consumidores vorazes
de literatura lêem cinco deles por ano. De acordo com
a mesma pesquisa, 7% dos compradores dizem ler
mais de cinqüenta livros por ano.
Por trás desses elementos, há um fenômeno mais
geral. Países, empresas, escolas, famílias estão se
rearticulando em outros modelos numa velocidade
nunca vista. Mudar é um inferno para a maioria das
pessoas. Mais infernal ainda é a sensação de que o
mundo está girando a muitas rotações a mais do que
nós mesmos. “O mal-estar de nosso tempo é a inadequação, o sentimento opressivo de que as outras pessoas estão fazendo as coisas certas, lendo os livros
que contam e usando os computadores e programas
mais modernos enquanto nós estamos ficando para
trás na carreira ou nos relacionamentos”, diz o americano Wayne Luke, autor de um livro que compara o
ambiente de excesso de informação que existe hoje a
uma “areia movediça”. Luke observa que nas sociedades ocidentais as pessoas se sentem pisando um
chão não muito firme, por não conseguir metabolizar a
carga de informações disponível em livros, na imprenFATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
sa, na televisão e na internet. “Quanto mais sabemos,
menos seguros nos sentimos”, escreveu Luke. [...].
Como toda ansiedade, a angústia típica de
nosso tempo machuca. [...] O problema é mais sério
entre os jovens e as mulheres. Quem foi diagnosticado com a síndrome do excesso de informação tem
dificuldade até para adormecer. O sono não vem,
espantado por uma atitude de alerta anormal da pessoa que sofre. Ela simplesmente não quer dormir para
não perder tempo e continuar consumindo informações. Os médicos ingleses descobriram que as pessoas com quadro agudo dessa síndrome são assoladas por um sentimento constante de obsolescência, a
sensação de que estão se tornando inúteis, imprestáveis, ultrapassadas. A maioria não expressa sintomas
tão sérios. O que as persegue é uma sensação de desconforto – o que já é bastante ruim. [...].
O americano Richard Saul Wurman, autor dos
livros Ansiedade de Informação e Ansiedade de
Informação2, [...] sugere que as pessoas encarem o
mundo como um grande depósito de material de construção. E o que fazer com a matéria-prima? Ora, diz
ele, seja um arquiteto de sua própria catedral de
conhecimento. A arma para isso é a “ignorância programada”, ou seja, a escolha criteriosa do que se quer
absorver [...]. O resto deve ser deixado de lado, como
o compositor que intercala pausas de silêncio entre as
notas para que a música faça sentido aos ouvidos. “A
ansiedade de informação é o buraco negro que existe
entre os dados disponíveis e o conhecimento. É preciso escapar dela”, observa Wurman. Ou, ao menos,
não deixar que ela assuma proporções dolorosas para
quem precisa ultrapassá-la no dia-a-dia.
(Cristiana Baptista. A dor de nunca saber o bastante.
Veja: Comportamento, 5 de setembro de 2001.)
Comentário de Redação
“Como lidar com o excesso de informação”.
Na “era da informação”, não haveria tema mais apropriado para ser proposto como objeto de discussão.
Como texto-estímulo à reflexão do candidato, a Banca
transcreveu artigo da revista Veja, intitulado A dor de
nunca saber o bastante.
O candidato deveria selecionar dessa matéria
as idéias e informações que julgasse relevantes. Por
exemplo, para explicar o fenômeno do “estresse da
informação” caberia destacar não apenas a imensa
quantidade de informação disponível, mas também a
velocidade com que surgem novas informações:
livros, jornais, revistas, filmes, propagandas de TV,
internet, ao contrário de produzirem pessoas bem
informadas, seriam responsáveis pela “síndrome do
excesso de informação”, caracterizada pela sensação
de obsolescência e inutilidade.
Para minimizar os efeitos nocivos desse fenômeno, o candidato poderia sugerir, a exemplo do textoestímulo, que cada cidadão “seja um arquiteto de sua
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
OBJETIVO
própria catedral de conhecimento”, escolhendo criteriosamente aquilo que seja de fato útil, impedindo, assim, que o excesso se equipare à falta.
OBJETIVO
FATEC (2º Dia) Dezembro/2001
Fly UP