...

. - Tiros de Guerra

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

. - Tiros de Guerra
PPB 5 PREPARAÇÃO DO COMBATENTE BÁSICO DE FORÇA
TERRITORIAL
SEM OBJETIVOS
BEM DEFINIDOS,
SOMENTE POR ACASO,
CHEGAREMOS A
ALGUM LUGAR
1.00
ÍNDICE
Página
I. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................................................................................................4.00
01. Finalidade .......................................................................................................................................................................................................................5.00
02. Objetivos do Programa-Padrão ......................................................................................................................................................................................5.00
03. Estrutura da Instrução.....................................................................................................................................................................................................5.00
04. Direção e Condução da Instrução...................................................................................................................................................................................7.00
05. Execução da Instrução....................................................................................................................................................................................................8.00
06. Avaliação ........................................................................................................................................................................................................................8.00
07. Tempo Disponível ..........................................................................................................................................................................................................9.00
08. Validação ........................................................................................................................................................................................................................9.00
09. Normas Complementares ...............................................................................................................................................................................................9.00
II. MODELOS DE FICHAS DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO .................................................................................................................................10.00
III. PROPOSTA PARA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO ...................................................................................................................................................12.00
IV. ATRIBUTOS DA ÁREA AFETIVA ..............................................................................................................................................................................14.00
V. INSTRUÇÃO COMUM - ATIRADOR . .......................................................................................................................................................................17.00
01. Ação Comunitária e Defesa Civil .................................................................................................................................................................................18.00
02. Armamento, Munição e Tiro .........................................................................................................................................................................................19.00
03. Camuflagem ..................................................................................................................................................................................................................21.00
04. Comunicações ...............................................................................................................................................................................................................22.00
05. Defesa Antiaérea e Anticarro ........................................................................................................................................................................................23.00
06. Defesa do Aquartelamento ............................................................................................................................................................................................24.00
07. Defesa Territorial e Integrada ........................................................................................................................................................................................25.00
08. Exército e Estado Brasileiro ..........................................................................................................................................................................................27.00
09. Fardamento ...................................................................................................................................................................................................................29.00
10. Fortificações ..................................................................................................................................................................................................................30.00
11. Guerra Química, Biológica e Nuclear ...........................................................................................................................................................................31.00
12. Higiene e Primeiros Socorros ........................................................................................................................................................................................32.00
13. Justiça, Hierarquia e Disciplina ....................................................................................................................................................................................34.00
14. Manutenção do Material ...............................................................................................................................................................................................38.00
15. Marchas e Estacionamentos .........................................................................................................................................................................................39.00
16. Meio Ambiente ..............................................................................................................................................................................................................41.00
17. Observação, Orientação e Vigilância ............................................................................................................................................................................42.00
18. Ordem Unida .................................................................................................................................................................................................................43.00
19. Patrulha .........................................................................................................................................................................................................................45.00
20. Prevenção e Combate a Incêndios ................................................................................................................................................................................47.00
21. Regras e Condutas ........................................................................................................................................................................................................48.00
22. Serviços Internos e Externos ........................................................................................................................................................................................49.00
23. Técnicas Especiais ........................................................................................................................................................................................................50.00
24. Tecnologias Sociais .......................................................................................................................................................................................................51.00
25. Treinamento Físico Militar ............................................................................................................................................................................................52.00
26. Utilização do Terreno ....................................................................................................................................................................................................53.00
VI. INSTRUÇÃO PECULIAR DO MONITOR - CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS (CFC) .............................................................................54.00
01. Armamento, Munição e Tiro ........................................................................................................................................................................................56.00
02. Defesa Territorial e Integrada .......................................................................................................................................................................................57.00
03. Informática ...................................................................................................................................................................................................................59.00
04. Instrução Geral .............................................................................................................................................................................................................60.00
05. Ordem Unida ................................................................................................................................................................................................................62.00
06. Patrulhas .......................................................................................................................................................................................................................63.00
07. Topografia .....................................................................................................................................................................................................................65.00
08. Treinamento Físico Militar ...........................................................................................................................................................................................67.00
3.00
Em razão do Sistema de Validação que manterá este
documento permanentemente atualizado (SIVALI-PP), o
presente exemplar deve ser distribuído, com vinculação
funcional, e mantido sob controle das Regiões Militares
por meio de suas seções de Tiro-de-Guerra ou Seções do
Serviço Militar e de seus TG ou organizações de instrução
semelhantes.
As páginas que se seguem contêm uma série de
informações, cuja leitura é considerada indispensável aos
usuários do presente Programa-Padrão de Instrução.
I. INTRODUÇÃO
4.00
1. FINALIDADE
Este Programa-Padrão regula as atividades de instrução dos Tiros-de-Guerra
e de Organizações semelhantes e define objetivos que permitem padronizar o
treinamento necessário para preparar o Combatente Básico de Força Territorial.
2. OBJETIVOS DO PROGRAMA-PADRÃO
a. Objetivos Gerais
1) Formar o reservista de 2ª Categoria (Combatente Básico Territorial)
2) Preparar munícipes esclarecidos dos problemas locais, interessados
nas aspirações e realizações de sua comunidade, e cidadãos interessados na
realidade nacional.
3) Preparar reservistas aptos a desempenhar tarefas limitadas, nos quadros
de Defesa Territorial e Integrada e de Ação Comunitária e Defesa Civil;
b. Objetivos Parciais
1) Iniciar a formação de caráter militar.
2) Iniciar a criação de hábitos adequados à vida militar.
3) Obter determinados padrões de desempenho.
4) Adquirir conhecimentos básicos indispensáveis ao atirador.
5) Obter determinados padrões de ordem unida.
6) Iniciar o desenvolvimento da capacidade física.
3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO
a. Características
1) O programa de treinamento constante deste PP baseia-se na perspectiva de instrução militar voltada para o desempenho. Tendo em vista, portanto,
habilitar os atiradores ao desempenho de todas as atividades básicas de um
combate básico territorial.
2) A preocupação fundamental do instrutor há de ser, em consequência, a
de desenvolver atividades de instrução militar no sentido de o atirador atingir
os diversos objetivos previstos no presente PP.
b. Constituição
A instrução militar do Tiro-de-Guerra compreende:
1) Atributos da Área Afetiva
- Definidos por meio de Coletivos de Instrução Individual relacionados à área de atitudes. Os OII da Área Afetiva correspondem aos atributos a
serem exibidos pelos instruendos, independentemente da matéria ou assunto
ministrado. Cada OII da Área Afetiva compreende três elementos:
a) o nome do atributo a ser exibido e sua definição;
b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo poderá ser
observado; e
c) o padrão-evidência do atributo
- O instrutor apreciará o comportamento do instruendo em relação
ao atributo considerado, ao longo de toda a instrução. O padrão terá sido atingido se, durante as atividades, o instrutor julgar que o instruendo evidenciou
o atributo em questão.
2) Instrução comum de preparação do Combatente Básico Territorial
compreendendo:
a) um conjunto de matérias
- As matérias constituem a área de conhecimento das habilidades
necessárias à Preparação do Combatente Básico Territorial.
b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria
- Os assuntos integrantes de cada Matéria são apresentados de
forma sequencial constituindo os programas das matérias.
c) um conjunto de sugestões de Objetivos Intermediários
(1) Os objetivos intermediários são sugeridos como um elemento
auxiliar para o trabalho do instrutor.
(2) A um assunto pode corresponder um ou vários objetivos intermediários.
(3) O instrutor, levando em conta a sua experiência, as disponibilidades materiais e as características do instruendo poderá reformular ou
estabelecer novos objetivos intermediários.
d) um conjunto de Objetivos de Instrução Individual (OII)
5.00
(1) Os OII da Instrução Comum compreendem conhecimentos e habilidades que o instruendo deve exibir sob forma de comportamentos como
resultado das atividades de instrução militar.
(2) Uma matéria compreende um ou mais OII.
(3) Um Objetivo de Instrução Individual de matéria fundamental (referente, portanto, a conhecimentos e habilidades) compreende:
- a tarefa a realizar que consiste na ação que o instruendo deve
executar como prova de domínio do OII;
- a(s) condição(ões) de execução, que define(m) as circunstâncias
ou situações que são oferecidas ao instruendo para que ele execute a tarefa
proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) considerar as diferenças regionais e
as características do instruendo; e
- o(s) padrão(ões) mínimo(s) a atingir, que caracteriza(m) para o
instruendo o nível de aceitabilidade na execução da tarefa.
3) Instrução Peculiar do Monitor é complementar à preparação do
Combatente Básico Territorial. Para tanto, a execução da instrução é voltada para a formação dos auxiliares dos instrutores dos TG, da mesma forma
o curso de formação de cabos (CFC) existentes nas OM de corpo de tropa.
O CFC tem por objetivo habilitar pessoal para auxiliar os Instrutores
do TG no desempenho das funções correspondentes às de cabo, tanto no que
diz respeito ao enquadramento da tropa como à execução do serviço de cabo
de dia, comandante de patrulha, monitor de Ordem Unida e de Treinamento
Físico e outras funções correspondentes.
c. Relacionamento entre a Instrução e os Objetivos Parciais
1) Iniciar a formação do caráter militar (FC)
A Composição do caráter militar inclui fatores inatos e fatores adquiridos que se apresentam como atitudes de aceitação de valores julgados
importantes para o Exército Brasileiro; esses fatores, portanto, devem ser consolidados ou desenvolvidos sob a influência do ambiente do Tiro-de-Guerra,
bem como do correto relacionamento entre companheiros e entre superior e
subordinados.
Os instrutores devem obter a conscientização necessária para iniciar a
formação e o desenvolvimento do caráter militar do aluno, de vital importância
para própria Organização. Os OII da área afetiva (atributos) estão diretamente
relacionados com este objetivo.
2) Iniciar a criação de hábitos (CH)
a) Deve ser iniciada nos alunos a criação de dispositivos permanentes
por via da repetição de determinados hábitos, adequados à vida militar. Este
Programa-Padrão define OII destinados à criação de hábitos importantes: cada
aluno deverá apresentar um índice satisfatório de absorção de cada um dos
hábitos.
b) A consolidação desses hábitos e a criação de novos deverão representar preocupação permanente do Instrutor do TG.
3) Obtenção de padrões de desempenho (OP)
- Os corretos padrões de desempenho devem ser definidos pelo conjunto de ações e reações do aluno em face de determinadas situações vivenciadas
como militar. Os OII exigidos neste Programa-Padrão caracterizam uma perfeita
integração do aluno às atividades da vida do TG.
4) Aquisição de conhecimento (AC)
- A aquisição de conhecimento deve ser entendida como a retenção
de dados, conceitos, ideias, nomes, designação etc, considerados importantes na
formação do combatente básico territorial. Corresponde, dessa forma, a simples
memorização orientada por um esforço inicial do instrutor e consolidada pela
aplicação e estudo que cada aluno terá dos objetivos de instrução individual
indicados neste Programa-Padrão.
5) Obtenção de padrões de Ordem Unida (OU)
a) A Ordem Unida identifica uma disposição individual e consciente
altamente motivada, para a obtenção de determinados padrões coletivos de
uniformidade, de sincronização e de garbo militar. Deve ser considerada por
todos os participantes( instrutores e instruendos ,comandantes e executantes)
como um significativo e veemente esforço para demonstrar a própria disciplina
militar, isto é, a situação de ordem e obediência que se estabelece voluntariamente
entre militares, como decorrência da convicção de cada um da necessidade de
eficiência na guerra.
b) Os Objetivos de Instrução Individual relacionados à OU deverão ser
cuidadosamente preparados pelo Instrutor do TG e consolidados em duas Fichas
6.00
de Demonstração, contendo, da melhor forma, toda a escola de alunos com e
sem arma. Essas fichas servirão à organização e à orientação da instrução de
Ordem Unida. O padrão mínimo terá de ser atingido pelo atirador, com tantas
recuperações quantas forem necessárias.
6) Desenvolvimento da capacidade física (CF)
a) O desenvolvimento da capacidade física visa a habilitar especialmente
o combatente básico territorial para o desempenho de missões no Exército.
b) O desenvolvimento da capacidade física do combatente deve ser
alcançado com a realização do treinamento físico de forma contínua e rigorosamente acompanhada pelo instrutor.
4. DIREÇÃO E CONDUTA DA INSTRUÇÃO
a. Responsabilidade
1) Região Militar
a) A 3ª Seção do Estado-Maior Geral da RM supervisionará a instrução
nos Tiros-de-Guerra existentes na área da RM.
b) O responsável pela Direção de Instrução dos Tiros-de-Guerra é o
Chefe da seção Tiro-de-Guerra da RM, cabendo-lhe planejar, orientar e fiscalizar as ações que permitirão aos instrutores dos TG elaborar e executar a
programação semanal de atividades.
c) A RM poderá modificar ou estabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos, tendo em vista atender às caracteristicas dos instruendos e às peculiaridades dos TG.
2) Chefes da instrução dos TG
a) Organizar as Turmas de Instrução de acordo com as diretrizes da
RM.
b) Conduzir a instrução planejada pela RM.
c) Avaliar os instruendos e controlar essa avaliação por intermédio da
Ficha de Instrução Individual Básica Territorial (FIBT) e da Ficha de Atributos
(FAAT).
d) O chefe da Instrução do TG é o instrutor mais antigo do TG e representa o líder militar e o educador que, por intermédio da ação contínua, do
exemplo constante e do devotamento à instrução, envidará todos os esforços
necessários para que os instruendos cumpram os padrões mínimos exigidos
nos OII e nos objetivos da Área Afetiva.
b. Métodos e Processos de Instrução
1) Os elementos básicos que constituem o PP são a matéria, os assuntos,
os objetivos intermediários e os OII.
2) Os métodos e processos de instrução, preconizados no T 21-250 e nos
demais documentos de instrução, deverão ser criteriosamente selecionados e
combinados, a fim de que os OII, relacionados a conhecimentos e habilidades
e definidos sob forma de “ tarefa”, “ condições de execução “ e “padrões mínimos”, sejam atingidos pelos instruendos.
3) Durante as sessões de instrução, o aluno deve ser colocado, tanto quanto
possível, em contato direto com situações semelhantes às que devam ocorrer
no exercício de suas atividades. A instrução que não observar o princípio do
realismo (T 21-250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para
os objetivos que os instruendos têm de alcançar.
Os meios auxiliares e os exercícios simulados devem dar uma visão
bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, uma situação
de combate.
4) Em relação a cada uma das matérias, o instrutor deverá adotar os seguintes procedimentos:
a) analisar os assuntos e as sugestões de objetivos intermediários,
procurando identificar a relação existente entre eles. Os assuntos e as sugestões
de objetivos intermediários são poderosos auxiliares da instrução. O objetivo
intermediário fornece uma orientação segura sobre como conduzir o instruendo
para o domínio dos OII; são, portanto pré-requisitos para esses OII;
b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução
e padrões mínimos. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser
executado(s) pelos instruendos, individualmente ou em equipe.
c) analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las realmente aplicáveis na fase de avaliação.
5) Todas as questões levantadas quanto às “condições de execução” e
aos “padrões mínimos” deverão ser levadas ao Chefe da Seção de Tiros-deGuerra ou da Seção de Serviço Militar da RM, a fim de que ele decida sobre
as modificações, se a introdução for encaminhada ao COTER para aprovação/
7.00
atualização no plano original.
6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante toda a
duração da instrução e não estão, necessariamente, relacionados a um assunto
ou matéria, mas são alcançados em consequência de situações criadas pelo
instrutor no decorrer da instrução, bem como de todas as experiências que o
instruendo adquire no ambiente militar. O desenvolvimento de atitudes depende,
basicamente, dos exemplos de conduta oferecidos aos instruendos pelo instrutor
e pelos companheiros do ambiente global em que ocorre a instrução.
5. EXECUÇÃO DA INSTRUÇÃO
a. Atiradores
1) Logo após a incorporação, os atiradores serão organizados em turmas
de instrução que, por sua vez, serão distribuídas em turnos (manhã ou tarde).
2) Em princípio, cada Instrutor será o responsável pela instrução de uma
Turma de Instrução em cada turno.
3) O planejamento de instrução deverá prever as semanas em que os OII
deverão ser atingidos. Nesse planejamento, deverão ser previstos, inicialmente,
os OII relativos às matérias que se relacionam com a adaptação do convocado
à vida militar. Progressivamente deverão ser programados os OII relativos às
matérias que visam à preparação do combatente individual e, finalmente, os
OII que buscam a formação das frações constituídas (GC).
b. Monitores
1) A seleção dos candidatos a monitor (CFC) será feita até a 4ª semana
de Instrução, por meio de testes rápidos e objetivos, entre os convocados de
melhor nível intelectual, para verificar o desembaraço e a capacidade de liderança destes.
2) O CFC deverá ter inicio na 5ª semana de instrução e se desenvolverá
paralelamente à preparação do atirador.
3) O número de candidatos matriculados será proporcional ao efetivo do
TG, na base de um monitor para cada oito atiradores, podendo esse total ser
acrescido de 20% para possibilitar uma melhor seleção ao longo do CFC.
4) Os atiradores matriculados no CFC deverão cumprir os OII específicos
da instrução peculiar, além dos OII normais da instrução comum. Como alguns
dos OII para os monitores estão vinculados a OII para atiradores, deverá haver
coordenação por ocasião da programação da instrução.
6. AVALIAÇÃO
a. Atiradores
1) Dos OII relacionados a conhecimento e habilidades
a) A avaliação da Instrução será feita tendo em vista os OII.
b) O instrutor avaliará a eficiência de sua ação considerando o
desempenho do instruendo na execução das tarefas, dentro das condições
estipuladas e tendo em vista a consecução do padrão mínimo requerido.
c) O êxito da instrução evidencia-se quando todos os instruendos
atingirem, plenamente, todos os OII previstos.
(1) Para isso, o instrutor deve acompanhar o desempenho do aluno
nos OII de cada matéria. Durante o desenvolvimento da instrução, utilizará,
para avaliar a aprendizagem do instruendo, a Ficha de Controle de Instrução
Individual Básica Territorial (FIBT).
(2) Nessa ficha, serão registrados pelo instrutor os resultados da
avaliação do desempenho do instruendo em relação aos OII indicados no
programa para cada matéria.
(3) O instruendo alcançará a situação de “Combatente Básico
Territorial” se atingir todos os OII constantes da FIBT.
2) Dos OII da Área Afetiva
a) A avaliação dos OII da área afetiva implica a observação contínua
do atirador, no decorrer da instrução, e resultará no preenchimento da Ficha de
Avaliação de Atributos (FAAT).
b) Os instruendos que não atingirem o padrão mínimo estabelecido
para cada atributo serão objeto de atenção especial por parte do Chefe de
Instrução do TG.
b. Monitores (CFC)
1) Os matriculados no CFC terão sua avaliação realizada do mesmo
modo previsto para os atiradores, acrescentando-se, à FIBT, os OII relativos
ao CFC. Essa avaliação será complementada, apenas para fins de classificação,
com uma Verificação Final (VF) ao final do CFC. Essa VF será preparada pela
RM e terá, preferencialmente, um caráter prático.
2) O instruendo, matriculado no CFC, alcançará a situação de “Apto à
promoção a graduação de Cabo da Reserva” se atingir os OII relativos ao CFC
constantes da FIBT.
8.00
7. TEMPO DISPONÍVEL
a. São previstas 440 horas para a preparação do Combatente Básico Territorial,
e 488 horas para preparação do Cabo da reserva de 2ª Categoria.
Os matriculados no CFC cumprirão a programação normal, prevista para
o Combatente Básico Territórial, além de uma programação específica com
duração de 48 horas.
b. Cada matéria apresenta uma estimativa de carga horária, cabendo à RM
distribuir a carga horária estimada pelos diversos assuntos que constituem a
matéria.
c. As cargas horárias das matérias discriminadas neste PP poderão ser
alteradas pela RM ao considerar os recursos disponíveis no TG, as características
e o nível de instrução dos instruendos e outros fatores que porventura possam
interferir no desenvolvimento da instrução.
8. VALIDAÇÃO
- O presente Programa-Padrão de Instrução pretende constituir-se em
um sistema autorregulado de Treinamento Militar, isto é, será reajustado em
decorrência das observações realizadas durante sua execução. Para isso, o
COTER manterá o Sistema de Validação dos Programas-Padrão de Instrução
(SIVALI-PP) com objetivos de:
1) coletar dados junto aos TG, relativos à aplicação do PP;
2) diagnosticar a necessidade de instrução imediata de correções no PP; e
3) determinar o nível de eficiência e de eficácia da instrução militar.
9. NORMAS COMPLEMENTARES
- As normas fixadas neste PP serão complementadas:
1) pelo Sistema de Instrução Militar do Exército Brasileiro (SIMEB);
2) pelas diretrizes de instrução baixadas pela Diretoria de Serviço Militar; e
3) pelas diretrizes, planos e programas de instrução baixados pelos Grandes
Comandos e Regiões Militares.
9.00
Não há instrução individual que possa ser conduzida, satisfatoriamente,
sem controle individual.
Deverão ser registradas pelo instrutor dois tipos de observações
que dizem respeito aos instruendos relacionadas à:
a. aquisição de conhecimento e habilidades (OII das Matérias
Fundamentais) - na FIBT; e
b. evidenciação dos atributos (OII da Área Afetiva), na FAAT.
A folha que se segue mostra os dois modelos a serem utilizados
pelo Instrutor. O atingimento do OII pelo instruendo será registrado
na Ficha correspondente:
- FIBT, para OII referente a uma Matéria Fundamental; e
- FAAT, para OII referente a um Atributo da Área Afetiva.
II. MODELO DE FICHAS DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO
10.00
FICHA DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA (FIBT)
Nº
OM:
NOME:
Incorporação:
FICHA DE AVALIAÇÃO DE ATRIBUTOS (FAAT)
OII
Turma:
PADRÃO EVIDENCIADO
B/5 - 101
B/5 - 602
B/5 - 1202
B/5 - 1601
B/5 - 2402
B/5 - 102
B/5 - 701
B/5 - 1203
B/5 - 1602
B/5 - 2403
B/5 - 103
B/5 - 702
B/5 - 1204
B/5 - 1603
B/5 - 2501
B/5 - 001
B/5 - 104
B/5 - 703
B/5 - 1205
B/5 - 1604
B/5 - 2601
B/5 - 002
B/5 - 105
B/5 - 704
B/5 - 1301
B/5 - 1605
B/5 - 2602
B/5 - 106
B/5 - 705
B/5 - 1302
B/5 - 1606
B/5 - 2604
B/5 - 201
B/5 - 706
B/5 - 1303
B/5 - 1607
B/5 - 2605
B/5 - 202
B/5 - 707
B/5 - 1304
B/5 - 1608
B/5 - 203
B/5 - 708
B/5 - 1305
B/5 - 1702
B/5 - 006
B/5 - 204
B/5 - 801
B/5 - 1306
B/5 - 1703
B/5 - 007
B/5 - 205
B/5 - 802
B/5 - 1307
B/5 - 1801
B/5 - 008
B/5 - 206
B/5 - 803
B/5 - 1308
B/5 - 1802
B/5 - 207
B/5 - 804
B/5 - 1309
B/5 - 1901
B/5 - 208
B/5 - 805
B/5 - 1401
B/5 - 1902
B/5 - 301
B/5 - 806
B/5 - 1501
B/5 - 1903
B/5 - 302
B/5 - 807
B/5 - 1502
B/5 - 2001
B/5 - 401
B/5 - 808
B/5 - 1503
B/5 - 2101
B/5 - 402
B/5 - 809
B/5 - 1504
B/5 - 2201
B/5 - 501
B/5 - 901
B/5 - 1505
B/5 - 2202
B/5 - 502
B/5 - 1001
B/5 - 1506
B/5 - 2301
B/5 - 503
B/5 - 1101
B/5 - 1507
B/5 - 2302
B/5 - 601
B/5 - 1201
B/5 - 1508
B/5 - 2401
Data de término da Fase de Instrução:_______/_________/________
Responsável pelo preenchimento:____________________________
Instrutor TG
Identificação
Sim
Não
NÃO
OBSERVADO
OBERVAÇÕES
COMPLEMENTARES
B/5 - 003
B/5 - 004
B/5 - 005
APRECIAÇÃO FINAL DA FASE
AVALIAÇÃO
GLOBAL
SUBJETIVA
MB
B
R
I
Data: _____/_____/______ (a) Ch Instr TG:________________
Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma
proposta de distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa à Preparação do Combatente Básico Territorial em dois níveis:
Atirador e Cabo da Reserva de 2ª Categoria.
A Região Militar poderá, em função dos recursos
disponíveis, das características dos instruendos e de
outros fatores conjunturais, alterar as cargas horárias
das matérias discriminadas na distribuição sugerida.
III. PROPOSTA PARA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
12.00
PREPARAÇÃO DO COMBATENTE BÁSICO TERRITORIAL
QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
INSTRUÇÃO COMUM
MATÉRIAS FUNDAMENTAIS
Atributo da Área Afetiva
1. Ação Comunitária e Defesa Civil
2. Armamento, Munição e Tiro
3. Camuflagem
4. Comunicações
5. Defesa Antiaérea e Anticarro
6. Defesa do Aquartelamento
7. Defesa Territorial e Integrada
8. Exército e Estado Brasileiro
9. Fardamento
10. Fortificações
11. Guerra Química, Biológica e Nuclear
12. Higiene e Primeiros Socorros
13. Justiça, Hierarquia e Disciplina
14. Manutenção do Material
15. Marchas e Estacionamentos
16. Meio Ambiente
17. Observação, Orientação e Vigilância
18. Ordem Unida
19. Patrulha
20. Prevenção e Combate a Incêndios
21. Regras e condutas
22. Serviços Internos e Externos
23. Técnicas Especiais
24. Tecnologias Sociais
25. Treinamento Físico Militar
26. Utilização do Terreno
Total de Tempos de Instrução
À Disposição do Instrutor (Verificações e feriados)
TEMPO ESTIMADO
DIURNO
NOTURNO
12
24
38
2
4
4
4
4
24
16
4
6
4
12
20
10
12
12
16
58
12
6
4
10
12
12
74
12
426
40
6
2
2
2
14
Carga Horária
440
480
A seguir, você encontrará a série de Objetivos Individuais de Instrução que estão, especificamente, relacionados aos Atributos da Área Afetiva.
O fato de haverem sido destinadas 08 horas para
os OII dessa área não significa, absolutamente, que esse
seja o único tempo disponível para o desenvolvimento
de atitudes desejáveis.
Além da carga horária básica, é imprescindível a
paticipação do instrutor do TG no sentido de observar,
orientar e estimular o instruendo, em todas as oportunidades, ao longo do seu Seviço Militar Inicial.
IV. ATRIBUTOS DA ÁREA AFETIVA
14.00
ATRIBUTOS DA ÁREA AFETIVA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
(OII) OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO
NOME E DEFINIÇÃO
DO ATRIBUTO
CONDIÇÃO
B5-001
(FC)
Atitude contrária a vícios (toxicomania, alcoolismo, jogos de azar,
tabagismo): capacidade de resistir
a vícios.
Na vida diária da OM, sem a preocupação de
obter-se o abandono do fumo, o instruendo
deverá ser conscientizado dos malefícios do
fumo para a saúde e para os esforços físicos
prolongados ou intensos. Deve ser provocada
uma emulação em busca do menor consumo
possível de cigarros. Considerar as seguintes
faixas: fumar pouco (até 10 cigarros diários);
fumar moderadamente (até 20 cigarros diários); e fumar muito (mais de 20 cigarros
diários).
B5-002
(FC)
Camaradagem: capacidade de
compreender e auxiliar os companheiros em qualquer situação.
No relacionamento com os companheiros.
PADRÃO EVIDÊNCIA
O instruendo evidencia o atributo nas
condições especificadas.
B5-003
(FC)
Espírito de Corpo: capacidade
de integrar-se no caráter coletivo
do grupo.
Na vida diária da OM e no relacionamento com os companheiros quando estiver
atuando numa equipe ou participando de
competições.
B5-004
(FC)
Lealdade: capacidade de demonstrar fidelidade a pessoas, grupos ou
instituições em função dos valores
que defendem ou representam.
No relacionamento com os companheiros e
com os superiores.
B5-005
(FC)
Responsabilidade: capacidade de
desenvolver todas as atividades
sob sua incumbência.
Durante o cumprimento das missões que lhes
forem atribuídas.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
A Carga horária prevista para os OII relacionados à área de atitudes destina-se
à projeção de audiovisuais e(ou) filmes relacionados com os atributos a serem
desenvolvidos.
15.00
ATRIBUTOS DA ÁREA AFETIVA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
(OII) OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO
NOME E DEFINIÇÃO
DO ATRIBUTO
B5-006
(FC)
Valorização do Serviço Militar:
reconhecimento da importância
do Serviço Militar inicial na realização do reservista, no plano
individual.
CONDIÇÃO
PADRÃO EVIDÊNCIA
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
Durante a observação de AV, participação
em grupos de debate, com palestras e no
desenvolvimento de matérias que favoreçam
discussões sobre o tema.
B5-007
(FC)
Valorização do Serviço Militar:
reconhecimento da importância
do Serviço Militar inicial, como
forma de contribuir para a vida
do reservista, no âmbito do povo
brasileiro.
Durante a observação de AV, participação
em grupos de debate, com palestras e no O instruendo evidencia o atributo nas
desenvolvimento de matérias que favoreçam condições especificadas.
discussões sobre o tema.
B5-008
(FC)
Valorização do Serviço Militar:
reconhecimento da importância
do Serviço Militar no desenvolvimento brasileiro.
Durante a observação de AV, participação
em grupos de debate, com palestras, e no
desenvolvimento de matérias que favoreçam
discussões sobre o tema.
A Carga horária prevista para os OII relacionados à área de atitudes destina-se
à projeção de audiovisuais e(ou) filmes relacionados com os atributos a serem
desenvolvidos.
16.00
Instruções Comuns são aquelas cujos OII estão
predominantemente relacionados a conhecimentos e
habilidades considerados indispensáveis à Preparação do
Combatente Básico Territorial. Para que o Atirador possa
alcançar a situação de “ Combatente Básico Territorial ’’,
é necessário que ele atinja todos os Oll discriminados nas
folhas que se seguem.
Lembre-se de que o êxito da instrução se
evidencia quando todos os instruendos atingem,
plenamente, todos os OII relacionados às matérias
fundamentais.
V. INSTRUÇÃO COMUM - ATIRADOR
17.00
1. AÇÃO COMUNITÁRIA E DEFESA CIVIL
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
– Conhecer a estrutura administrativa do
Município.
1. Ação Comunitária:
a. caracterização:
1) finalidade; e
2) necessidade de coordenação
e controle.
– Visitar instalações de serviços públicos
essenciais da comunidade.
– Reconhecer um dispositivo de controle
e funcionamento de serviços públicos
essenciais.
2. Serviços públicos essenciais:
a. atividades:
1) água e saneamento;
2) energia;
3) telefonia;
4) combustíveis;
5) transporte;
6) saúde; e
7) outros.
b. funcionamento e controle:
1) períodos normais; e
2) períodos de emergência.
Identificar a necessidade de
cooperação com autoridades
civis.
Fornecidas ao instruendo informações
básicas sobre diferentes situações possíveis
de ocorrerem na comunidade.
O instruendo deverá dar, pelo menos, 4
(quatro) exemplos que caracterizem a
necessidade da cooperação.
B/5-102
(OP)
Identificar as atividades essenciais
à comunidade em que se localiza
o TG.
Fornecidas ao instruendo informações básicas
sobre atividades gerais da comunidade.
O instruendo deverá identificar 4 (quatro)
exemplos de atividades essenciais à sua
comunidade.
B/5-104
(AC)
B/5-105
(OP)
Identificar os procedimentos:
funcionamento e controle em
períodos normais.
Identificar os procedimentos
de controle em períodos de
emergência.
Identificar os casos de participação
nos órgãos municipais de Defesa
Civil.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
B/5-101
(AC)
B/5-103
(AC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 24h
Fornecidas ao instruendo informações básicas
sobre funcionamento e controle nas próprias
instalações dos serviços públicos.
Fornecidas ao instruendo informações básicas
sobre os desastres possíveis de ocorrerem
na região.
O instruendo deverá ter conhecimento
absoluto dos procedimentos adequados
às situações de normalidade e de
emergência.
O instruendo deverá citar, pelo menos,
quatto casos de desastres em que seja
necessária a sua participação.
– Conceituar Defesa Civil.
– Citar os objetivos da Defesa Civil.
– Citar as principais atribuições do COMDEC e do NUDEC.
– Citar os desastres mais frequentes na
região e no município.
ASSUNTOS
3. Conceitos Doutrinários:
a. Defesa Civil;
1) Conceito;
2) Objetivos.
b. Sistema Nacional de Defesa
Civil.
- A Comissão Municipal de
Defesa Civil (COMDEC) e o Núcleo Comunitário de Defesa Civil
(NUDEC).
c. Atuação da Defesa Civil;
d. Estudo dos desastres;
e. Desastres mais frequentes na
região e no município.
18.00
1. AÇÃO COMUNITÁRIA E DEFESA CIVIL
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-106
(OP)
B/5-107
(OP)
Participar da execução de um plano
para uma determinada situação de
emergência.
Participar de uma evacuação.
CONDIÇÃO
Simulada uma situação de emergência na
comunidade.
Simulada uma situação que exija a evacuação
de uma comunidade.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá adotar as mediadas
adequadas para minorar os efeitos do
desastre.
O instruendo deverá adotar as medidas
adequadas a uma evacuação ordenada.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 24h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
– Avaliar a necessidade do conhecimento sobre os desastres para prevení-los,
combatê-los e reduzir seus efeitos.
– Citar as medidas preventivas aos desastres.
– Citar as medidas de combate aos desastres.
– Citar as medidas para atender as consequências dos desastres.
– Reconhecer a necessidade de participação
da comunidade.
4. Prevenção e atenuação das consequências dos desastres:
a. desastres de possível ocorrência
na região;
- Efeitos e riscos;
b. medidas preventivas aos desastres;
c. Medidas de combate aos desastres;
d. Medidas de atenuação às consequências dos desastres;
e. Participação da comunidade.
1) Experiências passadas;
2) Conhecimento sobre os
desastres;
3) Formação de comitês de
famílias;
4) Visitas às áreas de riscos;
5) Planos de emergência;
6) Exercícios de treinamento
para situação de emergência.
– Justificar a necessidade de uma evacuação.
– Descrever as medidas adotadas numa
evacuação.
– Citar os cuidados a se ter com os doentes
e outras pessoas vulneráveis.
– Avaliar a importância da atuação dos
órgãos municipais e comunitários na
evacuação.
5. Evacuação das áreas de desastres:
a. Necessidade de evacuação;
b. Rotas de evacuação e rotas
alternativas;
c. Organização de grupamentos de
evacuação;
d. Utilização dos meios de transporte;
e. Características do local de
destino.
f. Cuidados com os doentes e outras
pessoas vulneráveis;
g. Atuação da Comissão Municipal
e do Núcleo Comunitário de Defesa
Civil.
19.00
1. AÇÃO COMUNITÁRIA E DEFESA CIVIL
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
B/5-108
(OP)
TAREFA
CONDIÇÃO
Interpretar as medições de chuva.
Simulada uma situação de chuvas intensas.
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 24h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
O instruendo deverá interpretar corretamente as medições realizadas.
B/5-109
(OP)
Participar da execução de um plano
para prevenir e minorar os efeitos
das enchentes.
Fornecidas as informações básicas do estudo
da área da comunidade.
O instruendo deverá adotar as medidas que
lhe correspondem no plano.
B/5-110
(OP)
Participar de um dispositivo
de atendimento à população da
comunidade (ACISO)
Mediante a realização de um exercício
baseado em dados concretos.
O instruendo deverá definir a função que
cabe a ele e a seu grupo, no dispositivo de
que faz parte.
– Descrever procedimento para a medição
de níveis pluviométricos bem como sua
leitura.
– Citar as áreas municipais sujeitas a
enchentes.
– Descrever um sistema de alerta para
enchentes.
6. Previsão e prevenção de enchentes:
a. medição de níveis pluviométricos;
b. leitura de medições de chuvas;
c. Áreas sujeitas a enchentes no
município;
d. Medidas a adotar para prevenir
e minorar os efeitos das enchentes;
e. Sistema de alerta.
– Caracterizar situações de carência a
que a população pode estar exposta.
– Reconhecer um dispositivo de
atendimento à população da comunidade.
7. Atendimento à população:
a.fornecimento de água,
alimentação e abrigo;
b. assistência médica-hospitalar; e
c. deslocamento de refugiados.
20.00
2. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-201
(AC)
Identificar o armamento do
Exército Brasileiro.
B/5-202
(OP)
Desmontar e montar o fuzil (ou
mosquetão)
B/5-203
(AC)
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Sendo apresentados diversos tipos de armamentos existentes no Exército Brasileiro, por
intermédio de fotos e videos.
O instruendo deverá identificar as principais armas em uso no Exército Brasileiro
e suas características:
Dado um fuzil ou mosquetão, a tarefa deverá
ser realizada em obscuridade.
O instruendo deverá:
- fazer a desmontagem em 60 segundos
(1º Escalão);
- identificar as peças em 50 segundos (10
segundos para cada peça);
- fazer a montagem em 70 segundos (1º
Escalão); e
- após a montagem, o armamento deverá
estar em perfeitas condições de funcionamento.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 38h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 02h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Identificar pelo nome os principais armamentos em uso no Exército Brasileiro.
– Descrever o emprego dos armamentos.
– Citar as principais características do
armamento existente no TG.
– Identificar as características do fuzil ou
mosquetão.
– Descrever o funcionamento e o manejo do
fuzil ou mosquetão.
– Descrever a desmontagem e montagem do
fuzil ou mosquetão.
– Descrever a manutenção do fuzil ou
mosquetão.
– Identificar os acessórios do fuzil ou
mosquetão.
– Descrever as etapas necessárias ao tiro.
ASSUNTOS
1. Apresentação do armamento do Exército Brasileiro:
a. designação;
b. calibre;
c. emprego; e
d. principais características do Fuzil
ou mosquetão 7,62 mm.
2. Realização de demonstração de tiro.
3. Fuzil ou mosquetão:
a. generalidades ;
b. características;
c. funcionamento;
d. manejo;
e. desmontagem e montagem;
f. manutenção ;
g. acessórios;
h. fundamentos da pontaria;
i. posição de tiro; e
j. fundamentos de tiro.
Identificar, pelo nome, as peças do
fuzil (mosquetão).
21.00
2. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
B/5-204
(TE)
Executar a Instrução Preparatória
para o Tiro.
Conforme o previsto no C 23-1.
O instruendo deverá atingir o conceito de
aprovação previsto no C 23-1.
B/5-205
(TE)
Executar o Tiro de Instrução
Básico (TIB).
Conforme o previsto nas IG 80-01
(IGTAEx).
O instruendo deverá atingir o conceito de
aprovação previsto no IG 20-03.
B/5-206
(HT)
Solucionar incidentes de tiro do
fuzil ou mosquetão.
Deverão ser preparados 4 (quatro) incidentes
de tiro comum em armas diferentes.
O instruendo deverá solucionar cada
incidente de tiro, no máximo, em 60
segundos.
B/5-207
(HT)
B/5-208
(TE)
Preparar granadas de mão para
lançamento.
Lançar granadas de mão de
exercício.
Ação deverá ser iniciada com todos os
componentes sobre uma mesa.
Conforme previsto para o TIP de granada de
mão, na IG 80-01 (IGTAEx).
Utilização da granada de Instrução.
O instruendo deverá:
- identificar os componentes de todas granadas de mão disponíveis na OM;
- manusear os componentes, corretamente, na
montagem das granadas; e
- preparar duas granadas inertes para o
lançamento, com empunhadura correta
e retirada do dispositivo inicial de segurança.
O instruendo deverá obter:
- três impactos no alvo a 15 metros nos
lançamentos na posicção J, A e D.
- dois impactos no alvo a 25 metros nos
lançamentos na posição P.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 38h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 02h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Descrever as etapas necessárias ao tiro.
– Familiarizar-se com o desempenho da
arma durante o tiro.
– Realizar exercício de tiro com segurança
e eficiência.
– Tomar as diversas posições de tiro.
– Descrever as principais medidas de segurança a serem adotadas no estande.
– Descrever as ações necessárias à remoção
de incidente de tiro.
– Identificar os tipos de granadas de
mão.
– Identificar os componentes da granada
de mão.
– Citar as principais características da
granada de mão.
– Descrever os procedimentos adotados
em caso de granada falhada.
– Manusear granadas de mão.
ASSUNTOS
k. Fundamentos da pontaria;
l. Posição de tiro;
m. Fundamentos de tiro;
n. Detalhe para a execução do tiro;
o. Instrução preparatória do tiro
(IPT);
p. Teste de instrução preparatória
(TIP); e
q. Normas para execução do tiro.
4. Segurança no estande.
5. Incidentes de tiro.
6. Granadas de mão:
a. tipos;
b. cargas;
c. componentes;
d. características;
e. manuseio;
f. procedimento em caso de granadas falhadas;
g. posição de lançamento;
h. técnica de lançamento; e
i. normas de segurança do Manuseio.
22.00
3. CAMUFLAGEM
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-301
(TE)
B/5-302
(TE)
Executar a camuflagem individual.
Executar a camuflagem de um
abrigo para dois homens.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Dada a missão ao instruendo para proceder
a sua dissimulação, em face de observação
a olho nu do inimigo terrestre, localizado a
cerca de 400 metros.
O instruendo deverá trajar o uniforme 4º A1
e estar armado com fuzil (mosquetão).
Após a conclusão da atividade de dissimulação individual, com o emprego de materiais
encontrados num raio de 50 metros do ponto
A, o instruendo deverá fazer um deslocamento
para um ponto B, situado a 20 metros de distância e na perpendicular à linha do inimigo;
no ponto B, permanecerá deitado.
O instruendo executará a correta camuflagem para as operações diurnas e
noturnas.
O instruendo, visto do observatório
inimigo, deverá apresentar-se nas três
situações:
- ponto A, após o término do trabalho de
camuflagem individual;
- no deslocamento AB; e
- no ponto B.
O local da instrução é o acampamento.
O abrigo, para dois homens, deverá ser dissimulado para a observação aérea e terrestre,
situada a 400 metros - (olho nu).
O trabalho deverá ser executado por dois
homens.
O abrigo deverá estar perfeitamente dissimulado para a observação aérea e terrestre
a olho nu, a uma distância aproximada de
400 metros.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Definir a camuflagem.
– Descrever os processos de camuflagem
diurna e noturna.
– Identificar o material empregado na
camuflagem.
– Citar as regras gerais de camuflagem.
– Descrever os processos de camuflagem
individual.
– Citar os problemas decorrentes do
terreno, dos materiais disponíveis e da
observação inimiga terrestre e aérea.
ASSUNTOS
1. Camuflagem:
a. definição;
b. processo;
c. material empregado; e
d. regras de camuflagem.
2. Camuflagem individual:
a. dissimulação; e
b. problemas decorrentes do
terreno, materiais disponíveis e da
observação inimiga terrestre e área.
3. Disciplina de camuflagem e manutenção de camuflagem.
4. Dissimulação da posição de um
abrigo para 2 homens com os meios
materiais disponíveis.
23.00
4. COMUNICAÇÕES
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-401
(OP)
B/5-402
(OP)
Receber e transmitir, verbalmente,
uma mensagem simples, utilizando
a fraseologia correta e o alfabeto
internacional.
(Este OII será integrado à matéria
utilização do terreno).
Tr a n s m i t i r m e n s a g e m p o r
telefone.
CONDIÇÃO
Apresentada ao instruendo uma mensagem
com três idéias simples que forcem uma
mensagem de retorno com duas idéias simples.
Apresentada ao instruendo uma mensagem e
um circuito telefônico.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá cumprir a tarefa,
mantendo a fidelidade das cinco idéias
simples.
O instruendo deverá transmitir a mensagem
pelo telefone, segundo as regras de
exploração telefônica.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Identificar os meios de comunicação.
– Identificar as características dos meios
de comunicação.
– Identificar as classes de mensagens.
– Receber e transmitir mensagens.
– Citar os deveres do mensageiro.
– Utilizar o alfabeto internacional.
– Descrever o modo de atuação do
mensageiro.
– Identificar os meios de comunicação civis.
– Citar os cuidados a observar na utilização
dos meios de comunicação.
–Indicar as medidas de segurança das
comunicações.
ASSUNTOS
1. Meios de Comunicação:
a. apresentação; e
b. características gerais.
2. Mensagens:
a. noções básicas;
b. classificações quanto à segurança
e à procedência;
c. Mensagens Escritas e Verbais; e
d. Alfabeto Internacional.
3. Mensageiro:
a. deveres; e
b. modo de atuação.
4. Meios de Comunicação Civis:
a. meios disponíveis;
b. utilização; e
c. cuidados a observar.
5. Segurança das Comunicações.
24.00
5. DEFESA ANTIAÉREA E ANTICARRO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá executar as seguintes
ações:
- ocupar abrigo existente (árvores, paralama de viatura, etc);
- Apoiar o braço e o fuzil;
- Apontar ligeiramente acima do nariz
do avião;
- Atirar o mais rápido possivel
- Atirar quando o avião passar sobre sua
cabeça.
B/5-501
(AC)
Empregar o fuzil contra aeronave
atacante.
CI 20/1:
Aeronave, figurada ou não, em aproximação
direita (rota zero) ataque diurno; posição de
tiro ajoelhada. Deve haver difusão do alerta
antes do ataque.
Empregar munição de festim.
B/5-502
(AC)
Identificar as medidas passivas de
Defesa Anticarro.
Apresentada ao instruendo uma relação de
medidas diversas, entre as quais 5 (cinco)
relacionadas à Defesa Anticarro.
O instruendo deverá identificar,
corretamente, as 5 (cinco) medidas passivas
de Defesa Anticarro.
Apresentados diversos armamentos, entre
os quais 3 (três) utilizados na Defesa
Anticarro.
O instruendo deverá identificar, corretamente, os 3 (três) armamentos utilizados
na Defesa Anticarro.
B/5-503
(AC)
Identificar os principais
armamentos utilizados na Defesa
Anticarro.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Descrever o modo de atuação dos aviões.
– Citar as medidas de defesa antiaérea
(ativas e passivas).
– Descrever o procedimento em caso de
ataque aéreo.
– Descrever o emprego do fuzil na defesa
contra ataques aéreos.
– Descrever as posições do atirador.
– Citar as normas para escolha do alvo.
–Descrever o modo de atuação dos carros.
–Identificar os pontos de vulnerabilidade
dos carros.
–Citar as medidas passivas de defesa
anticarro.
–Descrever os processos de vigilância
anticarro.
ASSUNTOS
1. Defesa antiaérea:
a. noções sumárias sobre o modo
de atuação dos aviões;
b. medidas de defesa;
c. procedimento em caso de ataque
aéreo; e
d. vigilância antiaérea.
2. Emprego do fuzil na defesa contra
ataques aéreos:
a. como atirar;
b. normas para a escolha do alvo;e
c. abertura do fogo.
3. Defesa anticarro:
a. noções sumárias sobre o modo
de atuação dos carros;
b. vulnerabilidade dos carros;
c. medidas passivas de defesa
anticarro;
d. medidas ativas com emprego
do fuzil; e
e. vigilância anticarro.
25.00
6. DEFESA DO AQUARTELAMENTO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-601
(OP)
B/5-602
(OP)
Participar do plano de defesa
do TG.
Participar do plano de chamada
do TG.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
Em uma situação em que seja acionado o
Plano de Defesa do Quartel.
O instruendo deverá proceder de acordo
com a ordem recebida e as estipulações
contidas no Plano de Defesa.
– Conhecer o Plano de Defesa do
Aquartelamento.
O instruendo deverá obeceder às prescrições
contidas no Plano de Chamada.
– Descrever o procedimento do atirador
quando da emissão dos sinais de reunião
ou alarme.
Serão realizados dois exercícios: um diurno
e outro noturno.
ASSUNTOS
1. Plano de defesa do aquartelamento:
a. missão dos grupos; e
b. pontos sensíveis.
2. Situações extraordinárias:
a. plano de chamada;
b. sinais de reunião ou alarme; e
c. conduta do atirador para armar-se
ou equipar-se.
26.00
7. DEFESA TERRITORIAL E INTEGRADA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Citar os principais conceitos para o
planejamento e a estrutura da Defesa
Territorial no âmbito da Força Terrestre.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 24h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
– Identificar as bases para o planejamento
da Defesa Territorial.
– Identificar a constituição da Guarda
Territorial.
– Apresentar os encargos de Defesa Territorial da OM.
1. A Defesa Territorial:
a. Zonas de Defesa Territorial;
b. Planejamento da Defesa Integrada e Territorial;
2. Organização da Guarda Territorial:
a. a missão;
b. concepção de emprego;
c. estrutura organizacional:
1) Comando do Batalhão de
Guarda Territorial;
2) Companhia de Guarda Territorial; e
3) Pelotão de Guarda Territorial
a 04 grupos.
3. O Exercício de Defesa Territorial.
4. Controle de Distúrbios.
B/5-701
(AC)
Conhecer a Defesa Territorial
(Portaria nº 008-Gab Cmt Ex – Res,
de 2 jul 02)
Palestra aos instruendos sobre o planejamento
e a execução da Defesa Territorial.
B/5-702
(OP)
Participar das diversas formações do
GC para controle de distúrbios.
Mediante comando e enquadramento em
um GC.
O instruendo deverá observar, com
correção, a sua posição na formação
comandada.
– Empregar a arma corretamente nas
diversas formações.
B/5-703
(OP)
Revistar dependência e veículos
Serão simulados diversos incidentes em que
deverão ser feitas a revista de veículos e de
dependências.
O militar, sozinho ou em grupo, deverá
empregar as técnicas corretas para a
revista.
– Descrever os processos para se revistar
dependências e veículos.
5.Processos usados para revista de
dependência e de veículo.
B/5-704
(OP)
Revistar pessoal
Serão simulados diversos incidentes em que
deverão ser feitas a revista de pessoal e (ou)
de grupo.
Demonstrar, na execução da tarefa, uma
atitude impessoal, firme e enérgica sem, no
entanto, infligir maus tratos ao revistado.
– Descrever os processos para se revistar
pessoas.
6. Revista de pessoal:
- processos usados para revista
de pessoal
B/5-705
(OP)
Participar de um controle de
trânsito.
Enquadrado em um GC, a missão deve prever
desvio da corrente de trânsito, isolamento de
áreas e controle do deslocamento de pessoas e
viaturas. Serão criadas, pelo menos, 5 (cinco)
situações incidentes.
O instruendo deverá observar os procedimentos técnicos com absoluta correção,
de modo a solucionar todos os incidentes
criados.
– Descrever os procedimentos a adotar
com os detidos no seu deslocamento para
a retaguarda.
7. Prisão:
a. prisão em flagrante;
b. tratamento do preso e
c. amparo legal.
27.00
7. DEFESA TERRITORIAL E INTEGRADA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-706
(OP)
CONDIÇÃO
Participar de patrulhas em locais de
grande afluência de público.
Serão fornecidos aos instruendos os meios
em armamento, comunicações, transporte,
alimentação e outros, necessários ao cumprimento da missão.
B/5-707
(OP)
B/5-708
(OP)
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo deverá participar de, pelo
menos, duas patrulhas em locais diferentes e descrever a missão especifica que
lhe cabe.
ASSUNTOS
– Identificar os procedimentos da defesa
da localidade.
9. Defesa de Localidade:
a. generalidades;
b. características do terreno; e
c. características táticas.
– Citar as missões do Posto de Segurança
– Estático.
– Citar a constituição do PSE.
– Conhecer as fases do planejamento .
– Conhecer o processo de ocupação de
um PSE.
– Identificar as frações envolvidas no PSE
e suas missões.
10. PSE:
a. a missão;
b. a constituição da tropa;
c. o Planejamento:
1) o Est de Sit inicial;
2) o Quadro-horário;
3) organização da tropa para a
missão; e
4) reconhecimento.
d. A Ocupação:
1) medidas preliminares:
- reconhecimento do Ponto
Sensível;
- ligações com o responsável
pela instalação; e
- confecção do esquema de
defesa do P Sen.
2) adoção de medidas de controle
do pessoal (sistema de identificação)
e material.
3) execução do Patrulhamento.
4) lançamento de obstáculos e
proteções para a tropa.
5) estabelecimento do sistema
de alarme.
6) medidas de segurança.
O instruendo deverá descrever o dispositivo
de que participa e, mais especificamente, a
missão que lhe cabe nesse dispositivo.
Participar da defesa de uma área com
características de localidade.
Estabelecer um Posto de Segurança
Estático (PSE).
(Este OII será executado no
acampamento)
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 24h
O local da instrução é o acampamento.
Fornecidos aos instruendos os meios em
armamento, comunicações, transporte,
alimentação e outros, necessários ao cumprimento da missão.
Criar situações visando ao desencadeamento
oportuno das seguintes ações:
- adoção de medidas de Cmdo e controle
dos Elm;
- fiscalização e emprego das técnicas de guarda
e vigilância por parte das frações;
- desenvolvimento de ações de inteligência;
- identificar as vulnerabilidades e pontos
críticos do P Sen.
- deverá ser feito o rodízio dos grupos/frações
dentro das missões do PSE, permitindo a
prática das respectivas ações, durante o dia
e à noite.
O instruendo deverá executar corretamente
as ações que caracterizam o cumprimento
da Missão:
- ocupar o P Sen e estabelecer o dispositivo
de segurança com oportunidade;
- realizar o vasculhamento e a identificação
dos ocupantes do P Sen;
- cumprir, rigorosamente, as regras de
engajamento estabelecidas, agindo de
acordo com os preceitos legais.
28.00
8. EXÉRCITO E ESTADO BRASILEIRO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-801
(AC)
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Conceituar Pátria, Instituições e Tradições Nacionais.
– Avaliar necessidades das instituições
nacionais.
– Citar os principais fatos históricos
nacionais.
– Explicar o significado dos símbolos
nacionais.
– Descrever o uso correto dos símbolos
nacionais.
ASSUNTOS
1. Pátria, Instituições e Tradições
Nacionais:
a. conceituação;
b. papel e necessidade das instituições nacionais; e
c. principais fatos históricos.
2. Símbolos Nacionais:
a. significado;
b. uso correto;
c. características;
d. apresentação; e
e. respeito devido.
Identificar os simbolos Nacionais
e seus significados.
Apresentados os Simbolos Nacionais e
indagado seus significados e identificação.
B5-802
(AC)
Identificar a importância dos ideais
democráticos para o desenvolvimento da Nação Brasileira.
Relacionar entre as ações apresentadas
Apresentadas ao instruendo diferentes ações aquelas que se constituem partícipes da
político-econômicas e socio-históricas e consecução dos objetivos democráticos
atuais da vida nacional.
da Nação Brasileira.
– Definir Estado Democrático de Direito.
– Citar os princípios fundamentais da
Republica Federativa do Brasil (RFB).
– Exemplificar alguns ideais democráticos
buscados pela nação brasileira.
B5-803
(AC)
Identificar os direitos e deveres Apresentados ao instruendo os direitos e
constitucionais.
deveres constitucionais.
O instruendo deverá identificar 04 (quatro)
a 05 (cinco) direitos e deveres que permitam
atingir o equilíbrio social.
– Identificar os direitos e deveres constitucionais brasileiros.
– Reconhecer a importância do princípio
da igualdade para o equilíbrio social.
4. Direitos e Deveres constitucionais:
a. Direitos Sociais;
b. Igualdade perante a lei;
c. Título I e Cap II do Título V
da Constituição Federal.
O instruendo deverá identificar, com 80%
de acerto, os aspectos que caracterizam a
estrutura democrática no Brasil.
– Conceituar Democracia.
– Citar os princípios e valores da Democracia.
– Avaliar a importância da Democracia
como filosofia de vida.
– Avaliar a importância da liberdade com
responsabilidade.
– Citar as principais características da
Constituição Brasileira.
– Identificar os princípios do regime
representativo.
– Citar as principais realizações da Revolução de 31 de Março 1964.
5. Democracia:
a. conceituação;
b. princípios e valores; e
c. liberdade e igualdade.
6. Democracia brasileira:
a. democracia como filosofia de vida;
b. liberdade com responsabilidade;
c. igualdade de oportunidade; e
d. Constituição Brasileira.
7. Democracia social:
– princípios do regime representativo.
8. A Revolução de 31 de Março de 1964
– principais realizações.
B/5-804
(AC)
Identificar os aspectos da vida
brasileira representativos da estrutura democrática da República
Federativa do Brasil.
Apresentados vinte aspectos da vida brasileira,
entre os quais dez que caracterizem a estrutura democrática da República Federativa
do Brasil.
O instruendo deverá identificar, com 100%
de acerto, os simbolos apresentados.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16h
3. Estado Democrático de Direito:
a. definição;
b. objetivo; e
c. ideais democráticos da nação
brasileira.
29.00
8. EXÉRCITO E ESTADO BRASILEIRO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B5-805
(AC)
Identificar a organização do
Exército Brasileiro e as principais
características das OM.
B5-806
(OP)
Identificar os patronos do Exército, das Armas e dos Serviços,
indicando os nomes de cada um e
os principais dados.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
Durante a visita às OM, serão apresentados
a organização e o armamento da Unidade.
O instruendo deverá reconhecer a organização e os principais armamentos das
OM visitadas.
– Visitar OM do Exército de diferentes
Armas e Serviços.
– Reconhecer os meios básicos de emprego
das diversas Armas e Serviços.
9. Exército Brasileiro:
a. as OM das Armas e Serviços; e
b. organização e emprego das OM
das diversas Armas e Serviços.
Dada uma relação com os nomes dos Patronos
do Exército, das Armas e dos Serviços.
O instruendo deverá identificar o Patrono
do Exército e, pelo menos, de 2 Armas
ou Serviços.
– Citar o nome do Patrono do Exército e
das Armas e Serviços.
– Citar dados biográficos do Patrono
do Exército e dos Patronos das Armas e
Serviços.
10. Patrono do Exército e das Armas:
a. identificação; e
b. biografia.
– Identificar a letra do Hino Nacional.
– Cantar o Hino Nacional.
11. Canto do Hino Nacional.
ASSUNTOS
B5-807
(OP
Cantar o Hino Nacional no âmbito
da turma de instrução.
Em conjunto, de cor, com música e regente,
ao término da 4ª semana de instrução.
O instruendo deverá:
- cantar o hino obedecendo ao ritmo, letra
e melodia; e
- demonstrar atitude de respeito durante
o canto.
B5-808
(OP)
Cantar a Canção do Exército no
âmbito da turma de instrução.
Nas mesmas condições anteriores, mas ao
término da 8ª semana de instrução.
O instruendo deverá:
- cantar a canção obedecendo ao ritmo,
letra e melodia; e
- demonstrar atitude de respeito durante
o canto.
– Identificar a letra da Canção do Exército.
– Cantar a Canção do Exército.
12. Canto da Canção do Exército.
B5-809
(OP)
Cantar a Canção das armas, quadro
e serviços, no âmbito da turma de
instrução.
Nas mesmas condições anteriores, mas nas
semanas de comemoração das datas dos
patronos das armas, quadro e serviços do
Exército Brasileiro..
O instruendo deverá:
- cantar a canção obedecendo ao ritmo e
a melodia; e
- demonstrar atitude de respeito durante
o canto.
– Identificar as letras das canções das armas,
quadro e serviços.
13. Canto da canção das armas, quadro
e serviços.
30.00
9. FARDAMENTO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-901
(OP e CH)
Usar o fardamento.
CONDIÇÃO
Em qualquer situação de rotina ou em solenidades internas ou externas.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá apresentar-se com:
- a cobertura corretamente colocada;
- os calçados limpos;
- as peças metálicas e brilhantes limpas;
- os uniformes passados e limpos;
- os frisos nas calças;
- as peças dos uniformes ajustadas e corretamente colocadas.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Enumerar as peças componentes dos
diversos uniformes do atirador.
– Zelar pela preservação do uniforme.
– Avaliar a importância da boa apresentação individual para o atirador e para o
Exército.
– Citar os principais cuidados a serem
observados na arrumação do armário.
ASSUNTOS
1. Peças componentes dos diversos
uniformes do atirador.
2. Dotação.
3. Tempo de duração previsto para
cada peça.
4. Cuidado.
5. Limpeza.
6. Uso correto dos uniformes.
7. Importância da boa apresentação
para o atirador e para o Exército.
8. Importância da arrumação do armário na boa apresentação do fardamento.
31.00
10. FORTIFICAÇÕES
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 06h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1001
(OP e TE)
Construir um abrigo para dois
homens.
(Este OII será executado no
acampamento)
CONDIÇÃO
A partir de dois setores de tiro definidos e nas
seguintes condições:
– de dia: trabalho executado por dois homens
com a utilização do equipamento do armamento individual como unidade medida;
– o local escolhido para o abrigo deverá
permitir a reunião do material necessário à
preparação completa (revestimento interno
necessário, preparação dos campos de tiro
etc);
– deverá ser empregado o ferramental
portátil; e
– considerar que o contato com o inimigo se
estabelecerá à cerca de 400 metros.
PADRÃO MÍNIMO
A construção deverá estar concluída em
4 horas, (o tempo poderá ser ajustado em
função do solo e das condições climáticas
e meteorológicas).
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Identificar pelo nome o ferramental
portátil para o combatente básico.
– Descrever o emprego do ferramental.
Identificar os principais trabalhos realizados em fortificação de campanha.
– Citar as principais características que
devem satisfazer:
• as crateras e os acidentes naturais para
que sejam aproveitados como abrigos
sumários;
• um abrigo individual; e
• um abrigo para dois homens.
– Descrever os principais cuidados a serem
observados na construção de um abrigo
individual e de um abrigo para dois homens.
ASSUNTOS
1. Ferramental portátil para o combatente básico:
a. apresentação
b. nomenclatura
c. características do emprego
d. técnicas de emprego do seguinte
ferramental:
1) alicate;
2) facão de mato;
3) machadinha;
4) pá; e
5) picareta.
2. Fortificação de campanha: trabalhos, valor, necessidades e prioridades
3. Crateras, acidentes naturais: aproveitamento para abrigos sumários.
4. Abrigo individual e para dois
homens:
a. características; e
b. técnicas de construção dos
abrigos com emprego do ferramental
portátil
32.00
11. GUERRA QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1101
(AC)
Usar a máscara contra gases.
CONDIÇÃO
Fornecida ao instruendo a máscara contra
gases.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo deverá utilizar a máscara com
a devida correção.
– Descrever as medidas de proteção antes,
durante e após a realização de um ataque
químico.
– Identificar os tipos de máscaras contra
gases.
– Descrever os procedimentos na câmara
de gás.
– Apontar as finalidades de uso de agentes
químicos.
– Apontar as finalidades de uso de gás
lacrimogêneo.
– Descrever as formas de proteção e socorro
a vitimados.
ASSUNTOS
1. Medidas de proteção antes, durante
e após a realização de um ataque
químico.
2. Máscara contra gases:
a. estudo da máscara; e
b. procedimentos na câmara de gás.
3. Agentes químicos:
a. o uso no controle de Tumultos e
Distúrbios Civis; e
b. Gás lacrimogêneo:
1) uso;
2) cuidados; e
3) proteção e socorro a vitimados.
33.00
12. HIGIENE E PRIMEIROS SOCORROS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1201
(CH)
Manter o asseio corporal e a higiene
oral e profilaxia sexual.
CONDIÇÃO
Na vida diária.
PADRÃO MÍNIMO
O instrumento deverá:
- fazer a higiene matinal e noturna;
- demonstrar cuidados com a higiene da
boca e dos dentes;
- tomar banho diariamente; e
- precaver-se contra doenças venéreas.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Descrever os procedimentos para manter
o asseio corporal e a higiene oral.
– Avaliar a necessidade do asseio para
manutenção da saúde.
– Citar as principais doenças causadas por
falta de asseio.
– Avaliar a importância do asseio no
convívio social.
– Citar as principais doenças venéreas.
– Descrever as formas de transmissão das
doenças venéreas.
– Descrever a profilaxia das doenças
venéreas.
– Citar as principais doenças tropicais.
– Descrever os modos de transmissão.
– Apontar as medidas de controle de doenças transmissíveis.
– Descrever as maneiras de se fazer a higiene das áreas e das instalações coletivas.
– Avaliar a importância e a necessidade
de limpeza.
– Citar a responsabilidade individual e do
pessoal de serviço.
– Descrever a utilização correta das instalações sanitárias.
ASSUNTOS
1. Asseio corporal e higiene oral:
a. necessidade do asseio para a manutenção da saúde;
b. principais doenças causadas pela
falta de asseio;
c. importância do asseio no convívio
social; e
d. modo de obter o asseio corporal e
a higiene oral.
2. Higiene sexual:
a. doenças venéreas - modo de
transmissão;
b. tratamento e consequências;
c. profilaxia das doenças venéreas; e
d. programa de combate antivenéreo.
3. Higiene profilática:
a. doenças transmissíveis;
b. noções sobre os tipos mais comuns
de doenças tropicais;
c. modos de transmissões; e
d. medidas de controle.
4. Limpeza e higiene das áreas e instalações coletivas:
a. faxina diária;
b. importância e necessidade de
limpeza; e
c. responsabilidade individual e do
pessoal de serviço.
5. Utilização correta das instalações
sanitárias:
a. áreas de banho;
b. refeitório;
c. cozinhas e áreas de instruções; e
d. exemplos.
34.00
12. HIGIENE E PRIMEIROS SOCORROS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1202
(CH)
Identificar os sintomas das doenças
endêmicas na região. (Dengue,
Malária e Chagas).e
CONDIÇÃO
Citadas as 3 (três) doenças endêmicas.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instrumento deverá relatar seus sintomas
mais característicos.
– Citar as doenças mais comuns na região.
– Enumerar os agentes transmissores das
doenças endêmicas da região.
– Citar os principais sintomas das doenças
endêmicas da região.
– Enumerar as medidas de controle das
doenças endêmicas da região.
ASSUNTOS
6. Doença endêmica do Brasil e da
região.
35.00
12. HIGIENE E PRIMEIROS SOCORROS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1203
(OP)
B/5-1204
(OP)
B/5-1205
(OP)
Aplicar a técnica de primeiros
socorros adequada:
- à fratura exposta e hemorragia;
- às queimaduras graves; e
- à síndrome de calor.
Socorrer vítimas de acidente
com animal peçonhento.
Socorrer vítimas de afogamento.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
O instruendo deverá:
- realizar todas as operações a serem
desenvolvidas de acordo com
as normas e prescrições da técnica
considerada; e
- atender às características dos casos
apresentados.
– Descrever as três medidas salva-vidas.
– Identificar o curativo individual e os
artigos adicionais necessários.
– Descrever a utilização do termômetro.
– Interpretar, corretamente, a leitura de
sua escala.
– Descrever as medidas de prevenção
e socorro em acidentes produzidos pelo
sol e calor.
6. As três medidas salva-vidas:
a. estancar a hemorragia;
b. proteger o ferimento; e
c. prevenir o choque.
7. Pacote de curativo individual e
artigos adicionais necessários.
8. Acidentes produzidos pelo sol e
calor.
Apresentado ao instruendo um paciente
simulado e material para primeiros
socorros.
O instruendo deverá aplicar, corretamente,
o esquema de atendimento
indicado.
– Descrever os princípios de primeiros
socorros às vitimas de acidentes com
animais peçonhentos.
– Identificar os animais peçonhentos.
– Descrever o esquema de atendimento.
– Descrever as medidas de socorro em
caso de fraturas.
9. Acidentes com animais peçonhentos:
a. princípios;
b. animais peçonhentos; e
c. esquema de atendimento.
10. Ferimento e hemorragia.
11 Fraturas.
Apresentado ao instruendo um paciente
simulado.
O instruendo deverá:
- colocar o paciente na posição adequada;
- desobstruir-lhe as vias aéreas; e
- aplicar, corretamente, um dos métodos
de respiração artificial.
– Descrever os princípios de primeiros
socorros às vitimas de afogamento.
– Descrever os métodos de respiração
artificial.
– Descrever o método de pressão no
tórax.
12. Afogamento:
a. princípios;
b. métodos de respiração artificial:
1) boca a boca;
2) boca-conduto de ar; e
3) boca-nariz.
c. pressão no tórax.
Apresentar ao instruendo três casos
simulados de:
- fratura exposta e hemorragia;
- queimaduras graves; e
- síndrome de calor.
36.00
13. JUSTIÇA, HIERARQUIA E DISCIPLINA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1301
(AC)
B5-1302
(AC)
Identificar os principais direitos e
deveres dos atiradores.
Identificar os principais direitos e
deveres do reservista.
CONDIÇÃO
Deverão ser retiradas vinte situações dos
Boletins Internos da OM e de sua vida diária
para Identificação dos direitos e deveres do atirador, sob a forma de teste escrito ou oral.
Deverão ser retiradas situações da Lei do
Serviço Militar que interfirirão na vida do
aluno, após a conclusão do curso.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá responder, corretamente, 80% das questões formuladas.
O instruendo deverá responder, corretamente, 80% da questões formuladas.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Enumerar os principais deveres do
atirador.
– Interpretar os principais deveres do
atirador.
– Enumerar os direitos do atirador.
–Enumerar os principais deveres do
reservista.
– Interpretar as principais orientações da Lei
do Serviço Militar e de seu Regulamento.
ASSUNTOS
1.Deveresedireitos:noçãoecaracterísticas
do dever e do direito.
2. Principais deveres do atirador:
a. dedicação e fidelidade à Pátria e ao
dever militar;
b. culto aos símbolos nacionais;
c. probidade e lealdade em todas as
circunstâncias;
d. disciplina, cumprimento das obrigações e ordens; e
e. obrigações para com os superiores.
3. Direitos do atirador:
a. uso da designação hierárquica;
b. afastamento temporário do serviço;
c. uso de uniformes;
d. uso de insignias;
e. emblemas e condecorações;
f. honras e sinais de respeito assegurados em leis e regulamentos;
g. julgamento em foro especial; e
h. tratamento médico e dentário.
4. Lei do Serviço Militar e seu regulamento:
a. Direitos e Deveres do Reservista; e
b.Exercício de Apresentação da
37.00
13. JUSTIÇA, HIERARQUIA E DISCIPLINA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1303
(AC)
B/5-1304
(AC)
Citar as recompensas a que faz jus
ao atirador.
Identificar as transgressões disciplinares e suas consequências no
comportamento militar.
CONDIÇÃO
Deverão ser retiradas dez situações do TG
e da vida diária dos atiradores e formuladas
perguntas ao instruendo.
Deverão ser retiradas vinte situações dos
Boletins Internos da OM e de sua vida
diária e formuladas questões para teste oral
ou escrito.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá responder, corretamente, 80% das questões formuladas.
O instruendo deverá responder, corretamente, 80% das questões formuladas.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Citar os tipos de recompensa.
– Avaliar o significado das recompensas.
– Identificar a competência para concessão
das recompensas.
– Identificar as situações de transgressão
disciplinar.
– Descrever as condições em que podem
ocorrer a anulação de penas disciplinares.
– Citar os reflexos do comportamento
militar na vida militar e civil.
ASSUNTOS
5. Recompensas:
a. conceituação; e
b. tipos:
1) Elogios;
2) Dispensa do serviço;
3) Dispensa da revista do recolher;
4) Diploma do Mérito;
5) Condecorações;
6) Diploma de “Melhor Atirador
combatente”; e
7) Diploma de Combatente de
“Melhor Aptidão Física”.
c. Competência
6. Transgressões disciplinares:
a. Definição;
b. Classificação;
c. Especificação;
d. Causas da justificação;
e. Circunstâncias atenuantes; e
f. Circunstâncias agravantes.
7. Penas disciplinares:
a. Natureza e amplitude;
b. Graduação;
c. Execução;
d. Anulação;
e. Atenuação;
f. Agravação; e
g. Recursos disciplinares.
8. Comportamento militar:
a. Classificação;
b. Reflexos na vida militar e civil;
c. Diploma de honra; e
d. Melhoria.
38.00
13. JUSTIÇA, HIERARQUIA E DISCIPLINA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1305
(AC)
Identificar os crimes militares e
suas consequências.
B/5-1306
(OP)
Acatar as ações das autoridades
policiais.
B/5-1307
(CH)
B/5-1308
(CH)
Identificar, pelo nome de guerra e
função, os graduados do TG.
Executar, corretamente, sinais de
respeito.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Deverão ser descritas 5 (cinco) situações que
configurem crimes militares e 5 (cinco) outras
situações que correspondam a transgressões
disciplinares.
O instruendo deverá identificar, entre as
situações descritas, 3 que configurem
crimes militares.
– Citar exemplos de crimes militares.
O instruendo deverá acatar, prontamente,
a autoridade policial.
– Citar as atribuições da Polícia do Exército, da Polícia Militar e da Polícia Civil.
– Avaliar a importância do respeito e acatamento à ação das autoridades policiais.
Na vida diária.
Sendo apontado graduado do TG.
Na vida diária.
O instruendo deverá fazer a identificação
correta.
O instruendo deverá demonstrar procedimentos adequados para o relacionamento diário entre companheiro e com
superiores.
– Descrever a Organização Geral de Cmdo
que enquadra o TG.
– Identificar as dependências do TG.
– Identificar, pelo nome de guerra, os Of
Gen e Of do Cmdo que enquadra o TG.
– Identificar e conhecer os graduados
do TG.
– Descrever os procedimentos do atirador
em diversas situações no interior e fora
do quartel.
– Explicar o significado da continência.
– Descrever as formas de continência em
situações diversas.
– Descrever o tratamento a ser observado
entre militares.
ASSUNTOS
9. Crimes Militares:
a. Conceituação;
b. Insubordinação;
c. Deserção; e
d. Penas.
10. Autoridades Policiais:
a. atribuições; e
b. respeito e acatamento à sua ação.
11. Organização do TG e sua subordinação:
a. organização detalhada do TG;
b. identificação de suas dependências; e
c. conhecimento e identificação de
oficiais e graduados:
1) Nome de Guerra e função dos Of
Gen e Of do Cmdo que enquadra o TG; e
2) Identificação e conhecimento
dos graduados do TG, suas funções e
atribuições.
12. Sinais de respeito:
a. procedimento do atirador quando:
1) a cavalo;
2) em bicicleta;
3) conduzindo veículo auto;
4) como passageiro de veículo;
5) acompanhado de um superior;
6) em relação à Bandeira e ao Hino
Nacional;
7) fumando;
8) em relação aos superiores hierárquicos;
9) em relação ao pessoal de serviço;
10) em relação aos companheiros; e
11) em relação aos subordinados.
39.00
13. JUSTIÇA, HIERARQUIA E DISCIPLINA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
b. Continência:
1) significado;
2) continência ao Hino Nacional;
3) à Bandeira;
4) às autoridades;
5) aos superiores;
6) às sentinelas;
7) à Tropa;
8) aos camaradas; e
9) continência individual e suas
diversas formas.
B/5-1309
(OP)
Proceder corretamente, em situações dentro e fora do TG.
Na vida diária.
O instruendo deverá:
- demonstrar procedimentos adequados;
- cumprir, fielmente, os horários;
- proceder de acordo com a NGA do TG;
- tratar com firmeza e urbanidade o público
externo.
– Identificar os postos e graduações do
Exército, da Marinha, da Aeronáutica e das
Polícias Militares.
– Identificar os distintivos dos postos e
graduações.
– Descrever os procedimentos para a apresentação individual e coletiva.
– Descrever o modo de atender ao chamado
dos superiores.
– Descrever o procedimento individual em
relação às principais rotinas internas do TG.
– Descrever a conduta do atirador no meio
civil.
– Descrever o procedimento do atirador em
locais públicos.
– Descrever os comportamentos a serem
observados durante as refeições.
– Descrever as formas de tratamento corretas com o público civil.
– Indicar as atitudes fundamentais no
tratamento com o público.
13. Postos e graduações:
a. No Exército, na Marinha, naAeronáutica e nas Polícias Militares; e
b. distintivos dos postos e graduações.
14. Apresentação individual e coletiva:
a. mecanismo da apresentação; e
b. modo de atender ao chamado dos
superiores.
15. Cumprimento de ordens.
16. Procedimento individual em relação às
principais rotinas internas do TG:
a. horários;
b. formaturas;
c. revistas;
d. leitura de boletim;
e. parada diária; e
f. revista do recolher para o pessoal de
serviço.
17. Situações diversas fora do TG:
– Conduta e procedimentos do atirador
no meio civil e em locais públicos.
18. Tratamento com o público:
a. urbanidade;
b. como tratar as pessoas mais idosas,
senhoras e crianças; e
c. a necessidade da polidez e fineza
no tratamento com o público, durante os
serviços internos e externos.
40.00
14. MANUTENÇÃO DO MATERIAL
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 10h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1401
(HT)
Realizar a manutenção de armamento e equipamento individual.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
Durante as atividades para a manutenção de
armamento e equipamento individual.
De acordo com os manuais técnicos ou
NGA do TG.
– Descrever os procedimentos a serem
realizados na manutenção de armamento
e equipamento individuais.
ASSUNTOS
1. Manutenção do material.
2. Manutenção do equipamento.
3. Manutenção do armamento.
4. Manutenção da Instalação.
41.00
15. MARCHAS E ESTACIONAMENTOS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
B/5-1501
(OP)
Executar a 1ª marcha a pé (OM com
disponibilidade de estradas).
8 km. Diurna. Uniforme 4ºA1. Equipamento
aliviado.
O instruendo deverá chegar em boas
condições físicas, dentro do dispositivo de
marcha, com todo o seu material.
B/5-1502
(OP)
Executar a 2ª marcha a pé (OM com
disponibilidade de estradas).
12 km. Diurna. Uniforme 4ºA1. Equipamento
completo, deslocamento em trilha ou através
do campo.
O instruendo deverá chegar em boas
condições físicas, dentro do dispositivo de
marcha, com todo o seu material.
B/5-1503
(OP)
Executar a 3ª marcha a pé (OM com
disponibilidade de estradas).
Em um trecho de 16km, dentro das seguintes
condições particulares:
- todo o deslocamento será noturno;
- 1 km em trilha através do campo;
- 6 km sem que seja comandado alto;
- Uniforme será o 4ºA1 completamente
equipado e o instruendo deverá portar o
material regulamentar, necessário para a vida
em campanha.
O instruendo deverá terminar a marcha
dentro do dispositivo adotado, sem apresentar sinais de cansaço intenso e com todo
o seu material.
B/5-1504
(OP)
Executar a 1ª marcha a pé (OM sem
disponibilidade de estradas).
2 horas. Diurna. Uniforme 4ºA1 com mochila
ou equipamento correspondente. Percurso
através do campo ou selva.
O instruendo deverá chegar em boas
condições físicas, dentro do dispositivo de
marcha, com todo o seu material.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 6h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Empregar a nomenclatura relativa ao
equipamento.
– Identificar as peças componentes do
equipamento.
– Indicar os cuidados a tomar com o
equipamento.
– Utilizar, adequadamente, o equipamento.
– Equipe a desequipar a mochila.
– Caracterizar marchas a pé e motorizadas
– Citar a constituição geral do destacamento precursor.
– Descrever as medidas de segurança
durante as marchas.
– Descrever as formações para marchas a pé.
– Obedecer a velocidade e a cadência
durante as marchas.
– Interpretar a sinalização.
– Obedecer aos comandos dados durante
uma marcha.
ASSUNTOS
1. Equipamento:
a. nomenclatura;
b. peças componentes;
c. cuidados e conservação;
d. adaptação do homem;
e. utilização; e
f. arrumação da mochila.
2. Marchas:
a. generalidades sobre marchas a
pé e motorizadas;
b. organização;
c. destacamento precursor; e
d. medidas de segurança.
3. Marchas a pé:
a. formação;
b. velocidades;
c. cadências;
d. distância entre os homens;
e. altos;
f. disciplina de marcha;
g. sinalização; e
h. comandos.
42.00
15. MARCHAS E ESTACIONAMENTOS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1505
(OP)
Executar a 2ª marcha a pé (OM sem
disponibilidade de estradas).
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 6h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
3 horas. Diurna. Uniforme 4º A1 com mochila
ou equipamento correspondente . Percurso
através do campo ou selva. Figuração inimiga
terrestre.
O instruendo deverá chegar em boas
condições físicas, dentro do dispositivo de
marcha, com todo o seu material.
B/5-1506
(OP)
Executar a 3ª marcha a pé (OM sem
disponibilidade de estradas).
Durante 4 horas dentro das seguintes condições particulares:
- todo o deslocamento será noturno;
- o percurso da marcha deverá ser através do
campo ou selva;
- o uniforme será o 4ºA1 com mochila ou
equipamento correspondente.
B/5-1507
(OP)
Participar da organização de um
acampamento.
Em terreno limpo e plano, com todas as instalações necessárias a um acampamento.
O instruendo deverá:
- executar as tarefas individuais; e
- participar das tarefas ligadas às instalações
coletivas como mão-de-obra.
B/5-1508
(OP)
Participar da organização de um
bivaque.
Em terreno irregular e com vegetação.
O instruendo deverá:
- executar as tarefas indiviuais;
- participar das tarefas ligadas às instalações
coletivas como mão-de-obra.
– Identificar as peças componentes do
material de acampamento.
– Indicar a finalidade de cada peça.
– Descrever os tipos de barracas.
– Fazer a montagem de barracas e toldos
– Fazer a montagem de abrigos improvisados para o bivaque.
4. Material de acampamento:
a. peças componentes;
b. finalidade de cada peça;
c. tipos de barraca; e
d. toldo.
5. Estacionamento, acompanhamento,
bivaque e acantonamento:
a. conceituação;
b. finalidade;
c. instalações existentes;
d. utilizações e cuidados;
e. procedimento nas diversas áreas; e
f. abrigos improvisados.
43.00
16. MEIO AMBIENTE
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá:
- conhecer o conceito de meio ambiente;
- identificar a biodiversidade da flora e
fauna da sua região; e
- conhecer as ações básicas da educação
ambiental.
B/5-1601
(AC)
Identificar os principais conceitos
ligados ao meio ambiente.
Apresentar documentação e folheto sobre o
meio ambiente na região do TG.
O atirador deverá identificar a importância da
preservação do meio ambiente no contexto
de sua cidade/região.
A instrução poderá contar com o apoio dos
elementos ligados à preservação do meio
ambiente na prefeitura da cidade.
B/5-1602
(AC)
Identificar e diferenciar os principais tipos de solos e espécies
vegetais.
Sendo apresentadas amostras dos diversos
tipos de solos e espécies de vegetais da região.
O instruendo deverá ter um acerto de 80%.
B/5-1603
(AC)
Localizar os parques e reservas
florestais existentes.
Deverão ser mostrados ao instruendo mapas
ou croquis da região.
Poderão ser organizadas visitas de reconhecimento.
O instruendo deverá localizar os principais
recursos naturais do município.
B/5-1604
(AC)
Localizar os principais rios, igarapés, lagos e açudes da região.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
–
–
–
–
O conceito de meio ambiente.
Biodiversidade.
Preservação ambiental.
Educação ambiental.
– Citar os principais recursos naturais do
município.
B/5-1605
(AC)
Conhecer as principais culturas
(perenes e temporárias) adaptáveis
ao solo do município e as preocupações e cuidados a serem tomados
para cada espécie.
Enumeradas as várias espécies vegetais.
O instruendo deverá demonstrar conhecimentos necessários à cultura das principais
espécies vegetais adaptáveis à região.
B/5-1606
(AC)
Conhecer as principais atividades
agropecuárias adaptáveis à região.
Informadas ao instruendo as espécies mais
adaptáveis à região bem como as particularidades e cuidados que se devem dispensar
na região a cada espécie.
O instruendo deverá demonstrar conhecimentos sobre as atividades agropecuárias
mais apropriadas à região.
ASSUNTOS
1. O meio ambiente.
2. A biodiversidade da flora e da
fauna.
3. Percepção ambiental.
4. Básico da educação ambiental.
5. Informações ambientais sobre a
região do TG.
6. As potencialidades do município:
a. Tipos de solo;
b. Recursos vegetais;
c. Recursos hidrográficos;
d. Recursos agropecuários.
44.00
16. MEIO AMBIENTE
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1607
(AC)
B/5-1608
(AC)
Conhecer os prováveis crimes
ambientais passíveis de acontecer
no TG e em áreas sob sua responsabilidade.
Conhecer as ações do Plano Básico
da Gestão Ambiental do TG.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
Palestra dirigida aos atiradores, preferencialmente ministrada por militar ou profissional
civil possuidor de cursos ou estágios na área.
Sendo expostas as necessidade básicas da
região.
O instruendo deverá identificar os prováveis crimes ambientais passíveis de
acontecer no TG e em áreas sob sua
responsabilidade.
O instruendo deverá demonstrar conhecimentos sobre as carências municipais.
– Citar a legislação federal e do Exército,
relativas ao assunto Meio Ambiente.
– Apresentar os crimes ambientais mais
comuns passíveis de ocorrer na OM e em
áreas sob sua responsabilidade.
– Enumerar os principais problemas
ambientais do município.
Palestra dirigida aos atiradores para apresentar
as ações a serem adotadas no TG a fim de
evitar a degradação do meio ambiente e da
qualidade de vida.
O instruendo deverá identificar as principais ações do PBGA/TG.
– Explorar o PBGA do TG, vinculando
ao assunto anterior.
– Apresentar os mecanismos de controle
ambiental existentes no Exército e no TG.
ASSUNTOS
7. Crimes ambientais mais comuns.
8. O prováveis crimes ambientais
passíveis de acontecer no TG e em
áreas sob sua responsabilidade, bem
como sua prevenção, vinculando-os
à legislação ambiental vigente.
9. Problemas do município.
8. Apresentar o PBGA da OM e suas
principais obrigações.
9. Medidas para preservação dos
recursos naturais existentes no TG.
10. Cuidados com a água, solo e áreas
verdes do TG.
11. A legislação ambiental em vigor,
destacando os crimes ambientais
mais comuns.
45.00
17. OBSERVAÇÃO, ORIENTAÇÃO E VIGILÂNCIA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1701
(TA)
Observar um setor.
B/5-1702
(TA)
Executar um circuito básico de
orientação.
B/5-1703
(TA)
Mobilizar um posto de vigilância
CONDIÇÃO
De dia, a olho nu, em condições de visibilidade até 1.200 m, com um setor balizado por
duas direções limites (nítidas); dez incidentes
representando diversas atividades inimigas
com diferentes graus de dificuldade, entre
300 a 800m. De noite, com aproveitamento
integral da escuridão. Incidentes audiovisuais
representando diversas atividades inimigas,
entre 300 a 800 m.
De dia, em terreno variado (movimentado e
matoso), com o emprego do passo duplo e processos expeditos de orientação, o instruendo
recebe no ponto A, os seguintes dados:
1º - deslocar-se X metros (de 150 a 250) na
direção tal (N, S, L ou W);
2º - após deslocar-se Y metros (de 150 a 250) na
direção tal (90º definido pelo ponto cardeal); e
3º - após deslocar-se Z metros (de 150 a
250) na direção tal (90º definido pelo ponto
cardeal), atingindo o ponto B.
- Durante o acampamento deverá mobilizar
um posto de vigilância.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá:
– de dia: identificar sete incidentes; e
– de noite: identificar 50% dos incidentes.
O instruendo deverá, de dia, chegar no
ponto B, com um erro tolerado, dentro de
10 m de raio
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 2h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Descrever as condições de uma boa
posição de observação.
– Descrever os processos de observação.
– Descrever os procedimentos para a
observação em áreas edificadas.
– Citar as medidas de precaução para evitar
as vistas do inimigo.
– Identificar indícios de aproximação do
inimigo.
– Identificar os pontos cardeais.
– Descrever os processos de orientação
durante o dia e à noite.
ASSUNTOS
1. Observação:
a. condições de uma posição de
observação;
b. escolha e ocupação;
c. setor de observação;
d. pontos importantes a vigiar;
e. indicios da presença e observação
inimiga;
f. observação em áreas edificadas;
g. precaução para evitar as vistas
do inimigo;
h. observação à noite: educação da
vista e do ouvido; e
i. indícios da presença e da aproximação do inimigo.
2. Orientação em campanha:
a. Pontos Cardeais;
b. orientação durante o dia e à noite;
c. emprego da bússola;
d. processos expedidos; e
e. passo duplo.
3. Posto de vigilância.
46.00
18. ORDEM UNIDA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 58h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1801
(OU)
Participar da primeira demonstração de OU.
CONDIÇÃO
Por ocasião da demonstração, os instruendos
apresentar-se-ão:
– constituindo grupamentos de valor Pelotão
(Turma de instrução);
– emassado. Em cada uma das situações haverá uma apresentação de 15 minutos segundo
ficha previamente organizada pelo instrutor,
contendo todos os movimentos do atirador,
sem arma. Uniforme: 4º A1.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá participar da demonstração, nela revelando porte militar e correção na execução dos movimentos.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Relacionar os comandos recebidos com
procedimentos a executar na ordem unida
a pé firme.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos de OU a pé firme.
– Relacionar os comandos recebidos com
os procedimentos a executar na OU a
passo ordinário.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos de OU a passo
ordinário.
– Relacionar os comandos recebidos com
os procedimentos a executar durante a
marcha, em passo sem cadência.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos, para os deslocamentos, em passo sem cadência.
– Relacionar comandos recebidos com os
procedimentos a executar durante a marcha,
em passo de estrada.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos, para os deslocamentos, em passos de estrada.
– Relacionar os comandos recebidos com
os procedimentos a executar durante a
marcha, em passo acelerado.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos, para os deslocamentos, em passo acelerado.
ASSUNTOS
1. Instrução individual sem arma.
Posições (militares a pé):
a. sentido;
b. descansar;
c. à vontade;
d. em forma;
e. fora de forma;
f. olhar à direita; e
g. olhar à esquerda.
2. Passos:
a. ordinário;
b. sem cadência;
c.de estrada e acelerado;
3. marcha em passo sem cadência;
a. rompimento;
b. alto; e
c. variações com passo ordinário.
4. Marcha em passo estrada: variações
com o passo sem cadência, alto.
5. Marcha em passo acelerado:
a. rompimento;
b. passar do passo ordinário ao
acelerado; e
c. passar do passo sem cadência
ao acelerado para o passo ordinário.
f. Marche-marche:
6. Voltas: a pé firme e em marcha.
47.00
18. ORDEM UNIDA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 58h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1802
(OU)
Participar da segunda demonstração de OU.
CONDIÇÃO
Para a demonstração, os instruendos apresentar-se-ão por Pelotão (Turma de instrução).
Demonstração de 15 minutos segundo ficha
previamente organizada pelo instrutor, contendo todos os movimentos do Atirador com
arma. Uniforme: 4ºA1, armado com fuzil ou
mosquetão.
PADRÃO MÍNIMO
O instruendo deverá participar da demonstração, nela revelando porte militar e correção na execução dos movimentos.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Relacionar os comandos recebidos com
os procedimentos a executar na tomada
de posições na OU, com armamento
individual.
– Executar, corretamente, as ações correspondentes aos comandos relativos à OU,
com o armamento individual.
– Relacionar os comandos recebidos com
os procedimentos a executar no manejo
da arma.
– Familiarizar-se com o manejo da
baioneta.
ASSUNTOS
7. Instrução individual com arma:
a. Posições (Militar a pé):
1) sentido;
2) descansar;
b. Manejo:
1) ombro-arma (partindo do
sentido);
2) apresentar-arma (partindo
do sentido);
3) descansar-arma (partindo do
ombro-arma);
4) ombro-arma (partindo do
apresentar-arma);
5) em bandoleira-arma;
6) descansar-arma (estando em
bandoleira-arma);
7) arma-suspensa;
8) arma sobre o solo;
9) arma na mão;
10) cruzar-arma (partindo do
sentido);
11) cruzar-arma (partindo do
ombro-arma);
12) descansar-arma (partindo do
cruzar-arma); e
13) ombro-arma (partindo do
cruzar-arma).
c. Armar e desarmar baioneta;
d. Passos e marchas com arma; e
e. Voltas a pé firme e em marcha.
48.00
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 2h
19. PATRULHA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1901
(AC)
B/5-1902
(AC)
Identificar as missões individuais.
Identificar os tipos de patrulhas e
suas missões.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Apresentadas as missões individuais e suas
finalidades.
O militar deverá executar os procedimentos
para cada missão prevista.
Apresentar os tipos de patrulhas e as suas
missões específicas.
Identificar os tipos de patrulha, de acordo
com a missão recebida.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
– Apresentar as missões individuais:
1. o vigia;
2. o esclarecedor; e
3. o homem de ligação.
1. Missões Individuais:
– citar os tipos de missões
individuais.
– Citar as características gerais da
organização das patrulhas.
– Citar os objetivos principais e as
missões mais comuns atribuídas às
patrulhas.
2. Patrulhas:
a. conceituação;
b. tipos;
c. organização;
d. equipamento e armamento;
e. objetivos;
f. missões; e
g. processos de infiltração e
exfiltração.
49.00
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 2h
19. PATRULHA
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-1903
(OP)
Integrar patrulhas de reconhecimento e de combate.
CONDIÇÃO
Organizar os militares em patrulhas e apresentar diversas situações em que deverão agir,
de acordo com as ordens recebidas.
PADRÃO MÍNIMO
O militar deverá identificar os procedimentos a serem adotados por ocasião das
situações apresentadas e dos comandos
emitidos.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Citar a organização das patrulhas.
– Citar as formações das patrulhas durante
o movimento.
– Identificar as características dos pontos
de reunião e os métodos para sua utilização.
– Citar os tipos de contato com o inimigo
e a reação adequada a cada caso.
– Descrever as principais características
das áreas consideradas perigosas e dos
pontos críticos.
– Identificar as medidas de controle das
patrulhas.
– Descrever o modo de emprego dos
esclarecedores.
– Identificar as medidas de segurança das
patrulhas.
– Descrever as características das áreas
de reunião clandestinas e das atividades
nessas áreas.
– Realizar as ações no conjunto de uma
patrulha.
– Citar as características das patrulhas de
reconhecimento.
– Instalar uma base de patrulha.
– Executar as atividades de segurança na
base de patrulha.
– Manter o sigilo no deslocamento e na
instalação da base.
– Utilizar a base secundária.
– Abandonar e retornar à base.
ASSUNTOS
3. Conduta das patrulhas.
4. Patrulhas de reconhecimento.
5. Patrulhas de combate.
6. Bases de patrulha.
50.00
20. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-2001
(AC e OP)
Participar da execução do Plano de
Prevenção e Combate a Incêndio
(PPCI) do TG.
CONDIÇÃO
Simulado um incêndio, disponíveis os meios
necessários de combate a incêndio.
Este OII será executado com apoio do corpo
de bombeiros ou da brigada de incêndio
existentes na cidade do TG.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 6h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo deverá:
– demonstrar pronta ação; es
– utilizar meios adequados para extinção
do fogo.
– Citar as possíveis causas de incêndio.
– Descrever as medidas preventivas.
– Descrever os processos de extinção e
incêndios.
– Citar os agentes extintores de incêndio.
– Identificar os aspectos principais de um
plano de prevenção e combate a incêndios
(PPCI).
– Descrever a atuação da turma de combate
a incêndios (TCI).
ASSUNTOS
1. Incêndios:
a. generalidades;
b. causas;
c. classificação; e
d. medidas preventivas.
2. Extinção de incêndios:
a. processos de extinção; e
b. agentes e extintores.
3. Plano de Prevenção e Combate a
Incêndios (PPCI).
4. Turma de Combate a Incêndios
(TCI): atuação.
51.00
21. REGRAS E CONDUTAS
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B5-2101
(OP)
Identificar as ações das Regras de
Engajamento e as condutas em
diversas situações.
CONDIÇÃO
Apresentadas as principais Regras de
Engajamento, símbolos distintivos e
protetores, em uso no C Mil A.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
Diferenciar o comportamento a ser tomado
em face das Regras de Engajamento e das
condutas previstas pelo C Mil A.
– Descrever as Regras de Engajamento.
– Apresentar os Símbolos distintivos e
protetores.
– Descrever as condutas em diversas
situações.
ASSUNTOS
1. Regras de Engajamento.
2. Símbolos distintivos e protetores.
3. Conduta com:
a. pessoal capturado ;
b. população civil;
c. pessoal ferido; e
d. pessoal doente..
52.00
22. SERVIÇOS INTERNOS E EXTERNOS
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-2201
(OP)
B/5-2202
(OP)
Participar do serviço de Guarda
ao TG.
Participar de uma patrulha externa
(de segurança e de policiamento).
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 10h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo será escalado para o serviço de
Guarda ao TG.
O instruendo deverá obedecer a todos
os preceitos reguladores do Serviço de
Guarda ao TG.
– Identificar o significado da Parada Diária,
formaturas e revistas.
– Identificar os deveres e responsabilidades
do sentinela.
O instruendo será escalado para integrar uma
patrulha externa.
O instruendo deverá:
– demonstrar perfeito conhecimento dos
deveres e responsabilidades relativas ao
atirador integrante da patrulha:
– cumprir, com exatidão e desembaraço,
todas as ordens recebidas;
– comportar-se adequadamente no contato
com o público cívil; e
– demonstrar procedimentos adequados
às diversas situações que ocorram durante
a patrulha.
– Descrever as funções das patrulhas de
segurança e de policiamento.
– Descrever a constituição da patrulha
externa.
– Citar os deveres e responsabilidades dos
integrantes da patrulha externa.
– Descrever os procedimentos da patrulha
externa em situações diversas.
– Descrever os procedimentos do atirador
em contatos com o meio civil, durante a
realização de uma patrulha externa.
ASSUNTOS
1. Serviços existentes no TG:
a. horário das atividades do TG;
b. guarda do TG e reforço:
1) constituição;
2) deveres e responsabilidades;
3) procedimentos em situações
diversas; e
4) passagem de serviço.
2. Patrulha externa:
a. papel das patrulhas de segurança
e policiamento no contexto do serviço
diário;
b. constituição;
c. deveres e responsabilidades;
d. ordens;
e. procedimentos em situações
diversas; e
f. procedimento do atirador em
contato com o meio civil.
53.00
23. TÉCNICAS ESPECIAIS
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-2301
(TE)
B/5-2302
(TE)
Percorrer o circuito da Pista de
Obstáculos.
(Este OII será executado no acampamento).
Percorrer um circuito especial de
progressão individual.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
O local da instrução é o acampamento.
A pista deverá compreender um circuito com
obstáculos em 200, que permita a utilização
de um pequeno curso de água.
A passagem em cada obstáculo será precedida
de uma demonstração por parte da equipe
de instrução.
O militar deverá realizar o percurso armado de
fuzil (mosquetão) e com o uniforme 4º A1.
O instruendo deverá percorrer o circuito
da pista, empregando corretamente as
Técnicas Especiais.
Circuito de 150 metros. O percurso deverá ser
feito no uniforme 4º A1 armado com Fuzil
(Mosquetão).
O instruendo deverá:
- de forma intercalada, aplicar as técnicas
de andar, correr, rastejar e engatinhar,
deitando, rolando e levantando, corretamente; e
- utilizar os diversos processos segundo
uma sequência.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
Transpor obstáculos.
1. Transposição de obstáculos (técnicas especializadas):
a. preguiça;
b. comando crawl simples;
c. cabo submerso;
d. falsa baiana;
e. ponte de três cordas;
f. ponte de tábuas;
g. rappel; e
h. deslize (cabo aéreo).
Realizar progressão no terreno.
2. Progressão em combate (técnicas):
a. andar;
b. correr;
c. rastejar;
d. rolar;
e. engatinhar e levantar;
f. deslocamento por lanço ;
g. marcha rastejante; e
h. obtenção de reflexo.
54.00
24. TECNOLOGIAS SOCIAIS
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-2401
(TA)
Aplicar a Tecnologia Social da área
de Material no TG.
B/5-2402
(TA)
Aplicar a Tecnologia Social da área
de Vegetal no TG.
B/5-2403
(TA)
Aplicar a Tecnologia Social da área
de Animal no TG.
CONDIÇÃO
- Fornecidos aos intruendos, os insumos
básicos a execução das tecnologias sociais,
por intermédio da Prefeitura (sfc), desenvolver
projetos que incentivem o emprego de fontes
alternativas de energia, a conservação de
alimentos, o aproveitamento de materiais e
a construção de instalações de baixo custo.
- Esta matéria deverá estar relacionada com
a instrução de meio ambiente e de ação
comunitária.
- o conteúdo desta matéria consta no Caderno de Instrução CI 10-7/1 Logística de
Subsistência.
- Ver intranet do COTER: Manuais de Instrução - Cadernos de Instrução.
- O Sistema de Lições Aprendidas (SISLA),
possui algumas matérias relacionadas com
o assunto.
- O TG poderá promover parceria com orgãos
não governamentais de assistência social e
desenvolvimento econômico sustentável.
- Os assuntos deverão ser selecionados de
acordo com a realidade regional.
PADRÃO MÍNIMO
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
Conhecer as Tecnologias Social (Material)
de interesse social na área do TG.
Os instruendos deverão demonstrar o
conhecimento das tecnologias sociais
aplicáveis a sua cidade ou comunidade.
Conhecer as Tecnologias Social (Vegetal)
de interesse social na área do TG.
1. Tecnologia social - Área Material:
a. construção sustentável;
b. métodos de construção;
c. construção de cisternas;
d. carneiro hidráulico;
e. defumador;
f. secador de frutas solar; e
g. aquecedor solar.
2.Tecnologia social - Área Vegetal:
a. conserva vegetal;
b. processamento;
c. desidratação de frutas; e
d. horta.
3.Tecnologia social - Área Animal:
a. desidratação de carne;
b. defumação;
c. criação de escargots;
d. minhocultura; e
e. piscicultura.
Conhecer as Tecnologias Social (Animal)
de interesse social na área do TG.
55.00
25. TREINAMENTO FÍSICO MILITAR
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5-2501
(CF)
Executar três Testes de Avaliação
Física (TAF).
CONDIÇÃO
As condições são as previstas no C 20-20. Os
testes deverão ser realizados nas 8ª, 20ª e 32ª
semanas de instrução.
PADRÃO MÍNIMO
Os resultados do 1º TAF orientarão o
treinamento físico das demais semanas.
O Padrão Mínimo do TAF será o conceito
“R” das OM não Operacionais.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 74h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. Aquecimento.
2. Trabalho principal:
a. treinamento em circuito;
b. corridas;
c. ginástica básica; e
d. grandes jogos.
3. Controle fisiológico.
56.00
26. UTILIZAÇÃO DO TERRENO
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h
TEMPO ESTIMADO NOTURNO: 2h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo deverá acertar 80% das
perguntas.
– Empregar, corretamente, a nomenclatura
militar para designação de acidentes do
terreno.
– Identificar o valor militar de um acidente
do terreno.
– Interpretar indícios.
1. Utilização do terreno:
a. conhecimento e nomenclatura;
b. valor militar dos acidentes; e
c. interpretação de indícios.
ASSUNTOS
B/5-2601
(OP)
Identificar acidentes do terreno.
Deverá ser percorrido um circuito em que
possam ser identificados os principais acidentes do terreno. Durante o percurso serão
feitas 5 perguntas (nomeando ou apontando
o acidente).
B/5-2602
(TA)
Avaliar pequenas e médias distâncias.
Em um observatório com boa viabilidade,
num setor com 90º. Os pontos para avaliação de distância deverão ser assinalados por
bandeirolas brancas (acenadas no momento
da avaliação).
O instruendo deverá avaliar cada distância
com erro inferior a 10%.
– Avaliação de distâncias.
2. Avaliar distâncias.
B/5-2603
(TA)
Descobrir e designar os objetivos.
Em setor de 45º, dentro da faixa compreendida entre 400 e 1000m, instaladas armas
automáticas a distâncias variadas, assinaladas
por bandeirolas de cores diferentes.
O instruendo deverá designar a arma indicada pelo instrutor, pelo processo direto.
– Identificar os diferentes processos de
identificação de objetivos.
– Demonstrar os diferentes processos de
designação de objetivos.
3. Descoberta e designação de objetivos.
Utilizar o terreno para progredir
durante o dia.
De acordo com as condições locais será propiciada uma das situações abaixo:
- numa faixa de terreno de mata, com 200m
de profundidade, estabelecidos 4 pontos a
atingir sucessivamente, serão indicadas as
condições de execução para a progressão.
O instruendo deverá empregar, corretamente, as técnicas de progressão.
– Citar as principais características de
um acidente do terreno, para que possa
constituir-se em coberta ou abrigo.
– Descrever os procedimentos para a manutenção da direção e das ligações durante
uma progressão.
O instruendo deverá empregar, corretamente, as técnicas de progressão noturna.
– Descrever os principais aspectos da
disciplina de luz e ruídos durante uma
progressão à noite.
B/5-2604
(TA)
B/5-2605
(TA)
Utilizar o terreno para progredir
durante a noite.
De acordo com as condições locais será propiciada uma das situações abaixo:
- numa faixa de 400 por 50m de terreno variado com a sua maior dimensão na direção
do inimigo, figurado a 600m (200m além da
última linha), o instruendo será observado em
linhas de 80 em 80 metros, por 5 monitores
que indicam o problema tático em cada linha, o
inimigo, terreno e o que deve ser feito na linha
seguinte (progredir para observar, atirar etc).
4. Utilização de cobertas e abrigos;
aproveitamento do terreno para cobrirse, abrigar-se, observar e progredir.
5. Progressão à noite:
a. precaução para evitar ruídos;
b. manutenção da direção e das
ligações; e
c. disciplina de luz.
57.00
Matérias fundamentais são aquelas cujos OII estão predominantemente relacionados a conhecimentos e habilidades considerados
indispensáveis à Preparação do Cabo da Reserva de 2ª Categoria.
Para que o candidato a Cabo possa alcançar a condição de “Apto
à promoção à graduação de Cabo da Reserva”, é necessário que
ele atinja todos os OII discriminados nas folhas que se seguem.
Lembre-se de que o êxito da instrução se evidencia quando todos
os instruendos atingem, plenamente, todos os OII relacionados às
matérias fundamentais.
VI. INSTRUÇÃO PECULIAR DO MONITOR - CURSO DE FORMAÇÃO DE
CABO (CFC)
PREPARAÇÃO DO COMBATENTE BÁSICO TERRITORIAL
QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
MATÉRIAS
INSTRUÇÃO PECULIAR - CFC
TEMPO DIURNO
1. Armamento Munição e Tiro
2. Defesa Territorial e Integrada
3. Informática
4. Instrução Geral
5. Ordem Unida
6. Patrulhas
4
8
4
8
4
6
7. Topografia
8. Treinamento Físico Militar
Totalização
10
4
48
1. ARMAMENTO MUNIÇÃO E TIRO (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 101
(HT)
Participar de atividades de instrução de tiro como monitor.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Condições estabelecidas pela condução dos
diversos tipos de instrutor.
O instruendo deverá se desempenhar
com a eficiência exigida pela função de
monitor.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. Instrução Preparatória do Tiro.
2. Escrituração e registro do tiro.
3. Limpeza e conservação do armamento e das reservas.
60.00
2. DEFESA TERRITORIAL E INTEGRADA (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
B/5 (CFC) - 201
(TA)
Comandar a tomada das diversas
posições para conduzir a arma.
Fornecido ao instruendo um agrupamento
de valor GC, e criadas 6 (seis) situações que
imponham a adoção das diversas posições.
O instruendo deverá exercer o comando
do GC corrigindo as posições tomadas,
exigindo absoluta correção.
B/5 (CFC) - 202
(TA)
Comandar um GC em controle de
distúrbios.
Fornecido ao instruendo um agrupamento de
valor GC, e criadas situações que imponham
a tomada das formações.
O instruendo deverá adotar a formação
ditada pela situação criada a verificar
os detalhes de execução pelos homens
do GC.
A missão deverá prever desvio da corrente
de trânsito, isolamento de áreas e controle
do deslocamento de pessoas e viaturas. Serão criadas, pelo menos, 5 (cinco) situações
incidentes.
O instruendo deverá coordenar a ação do
GC, exigindo a observância dos procedimentos coerentes com as situações criadas,
de modo a solucioná-las.
B/5 (CFC) - 203
(TA)
Comandar um GC em missão de
controle de trânsito.
B/5 (CFC) - 204
(TA)
Participar, como Comandante de
um agrupamento, da defesa de
instalações militares.
B/5 (CFC) - 205
(TA)
Participar, como Comandante de um
agrupamento, da defesa de instalações civis de interesse coletivo.
Serão criadas, pelo menos, 6 (seis) situações
incidentes que imponham a atuação do agrupamento e de seu Comandante.
O instruendo deverá descrever a missão dos
grupos e de cada homem sob seu comando
e solucionar as situações incidentes criadas.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. Controle de distúrbios civis:
a. posição para conduzir a arma:
1) comandos;
2) posições; e
3) emprego.
– Identificar a aplicabilidade das diversas
formações do GC para o controle de
distúrbios.
– Identificar os procedimentos aplicados
no controle de trânsito.
– Identificar os procedimentos de comando
na Defesa de Pontos Sensíveis.
2. formação do GC:
1) em coluna;
2) em linha; e
3) em escalão.
2. Controle de Trânsito:
a. sinais e comandos padronizados
na legislação.
b. controle do deslocamento de
pessoas: revista, guarda e condução
de prisioneiros; e
c. controle do deslocamento de
viaturas: revista.
3. Pontos Sensíveis:
a. defesa de instalações militares; e
b. defesa de instalações civis.
61.00
2. DEFESA TERRITORIAL E INTEGRADA (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Reconhecer a necessidade de coordenação dos homens que integram uma
patrulha.
B/5 (CFC) - 206
(TA)
Participar, como Comandante de
um agrupamento, de uma patrulha
em local de grande afluência de
público.
Serão fornecidos os meios em armamento,
comunicações, transporte, alimentação e
outros necessários ao cumprimento da missão.
Serão criadas, pelo menos, 6 (seis) situações
incidentes.
O instruendo deverá participar de, pelo
menos, duas patrulhas em locais diferentes
e solucionar todos os incidentes criados.
B/5 (CFC) - 207
(TA)
Participar, como Comandante de
um agrupamento, da defesa de
uma área com características de
localidade.
Serão fornecidos os meios em armamento,
comunicações, transporte, alimentação e
outros necessários ao cumprimento da missão.
Serão criadas, pelo menos, 6 (seis) situações
incidentes.
O instruendo deverá resolver todos os
incidentes que serão criados.
ASSUNTOS
4. Patrulhas urbanas:
a. oportunidades de emprego; e
b. técnica de emprego.
5. Defesa de localidade.
62.00
3. INFORMÁTICA (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 301
(TA)
B/5 (CFC) - 302
(TA)
CONDIÇÃO
Identificar as principais noções
de informática e suas aplicações.
Dentro da disponibilidade TG ou da prefeitura, o instruendo deverá demonstrar o uso
do computador.
Poderão ser aproveitados os programas de
inclusão digital.
Redigir uma parte no editor de
texto.
Este objetivo será integrado com a instrução
geral (redação de partes).
Fornecidas ao instruendo as informações
básicas e um computador.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instruendo deverá demonstrar conhecimento e habilidade no uso do computador
e de seus principais acessórios.
– Identificar os conceitos básicos de
informática.
– Identificar as partes
– Diferenciar Software e Hardware
– Conhecer as principais ferramentas dos
sistemas operacionais e do navegador de
internet.
1. Conceitos básicos de informática.
2. Computador e assessórios.
3. Sistemas Operacionais.
4. Software e Hardware.
5. Internet.
– Identificar as principais funcionalidade
do editor de texto.
– Executar a digitação de uma parte no
editor de texto.
6. Editor de texto:
a. inicialização;
b. barras de ferramenta;
c. barra de formatação;
d. digitação;
e. formatação;
f. tabelas; e
g. impressão.
O instruendo deverá empregar corretamente a técnica de confecção de uma parte do
TG no editor de texto e sua impressão.
ASSUNTOS
63.00
4. INSTRUÇÃO GERAL (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
B/5 (CFC) - 401
(AC)
Identificar a subordinação do
TG.
Fornecidas ao instruendo as informações
básicas.
O instruendo deverá proceder à identificação com absoluta correção.
B/5 (CFC) - 402
(AC)
Redigir partes.
Estabelecidas em condições reais da vida
diária do TG.
O instruendo deverá apresentar documentos de acordo com as IG 10-42.
B/5 (CFC) - 403
(TE)
Realizar o controle da carga.
Serão preparadas dez (10) alterações na
carga.
O instruendo deverá apresentar a respectiva parte de conferência, identificando as
alterações existentes.
B/5 (CFC) - 404
(TE)
Realizar a apuração das faltas.
Em condições reais da vida diária do TG.
A tarefa deverá ser realizada com absoluta
correção.
Apresentada ao instruendo uma relação
contendo 30 deveres do monitor nos diversos
serviços internos e externos e 10 deveres que
não se relacionem com o Cabo, mas fazem
parte dos serviços internos e externos.
O instruendo deverá identificar, com
80% de acerto, os deveres do monitor
nos diversos serviços existentes no TG,
especificando a que escala de serviço estes
deveres correspondem (Cb de Dia, Cb da
Gd, Cmt Patr).
B/5 (CFC) - 405
(TE)
Fazer a escala de serviço.
B/5 (CFC) - 406
(AC)
Identificar os deveres do monitor
nos diversos tipos de serviços
internos e externos do TG.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. O TG:
a. finalidade;
b. subordinação; e
c. os TG da Região Militar.
2. Escrituração Militar:
a. redação de partes e correspondência do TG;
b. controle da carga;
c. controle de faltas; e
d. escala de serviço.
– Identificar os deveres do monitor no
Serviço Interno do TG.
– Identificar os deveres do Cb Cmt Patr.
– Descrever os procedimentos do Cb de
serviço, no Quartel e fora dele.
3. Serviços Internos e Externos:
a. deveres do monitor de Serviço
Interno do TG;
b. deveres do Cmt Patrulha;
c. procedimento dentro do TG; e
d. procedimento fora do TG.
64.00
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08h
4. INSTRUÇÃO GERAL (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 407
(AC e FC)
Identificar as bases da liderança
militar: os valores, os deveres e os
preceitos da ética militar.
CONDIÇÃO
Devem ser aproveitadas todas as oportunidades nas quais os atiradores estejam reunidos
com os instruendos (sessões de instrução,
formaturas, TFM, execução de serviços de
escala, tempos à disposição) para abordagem
dos assuntos com monitores.
O desenvolvimento do presente OII tem início
no CFC e deverá ser dada continuidade no
decorrer do Ano de instrução.
PADRÃO MÍNIMO
Durante as atividades diárias do TG, o monitor/CFC deverá desenvolver a liderança
da turma, com base nos valores, deveres
e ética militar.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
– Identificar os valores militares.
– Identificar os deveres militares.
– Identificar os preceitos e ética militar.
– Identificar a importância dos valores,
deveres e da ética militar na liderança
militar.
ASSUNTOS
4. Valores militares:
a. patriotismo;
b. civismo;
c. fé na missão do Exército;
d. amor a profissão;
e. espirito de corpo; e
f. aprimoramento técnico-profissional.
5. Deveres militares:
a. dedicação e fidelidade à patria;
b. respeito aos simbolos nacionais;
c. probidade e lealdade;
d. disciplina e respeito à hierarquia;
e. rigoroso cumprimento dos deveres e ordens; e
f. trato do subordinado com dignidade.
6. Ética militar:
a. Quadro - ética militar; e
b. preceitos da ética militar.
65.00
5. ORDEM UNIDA (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 501
(TA)
Comandar uma fração (Turma de
instrução) do TG na OU.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
A tarefa terá a duração de quinze minutos e o
instruendo emitirá os comandos constantes de
uma relação organizada pelo instrutor em grau
de dificuldade crescente de execução.
O instruendo deverá:
– apresentar o porte militar coerente com
a tarefa que executa;
– posicionar-se corretamente em relação
à tropa;
– emitir a voz-de-comando de maneira
clara, observando o tempo entre a voz de
advertência e a de execução;
– realizar as correções dos erros cometidos
pelos instruendos em forma.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. Comando de OU:
a. apresentação do comandante;
b. posição em relação à tropa;
b. voz de comando; e
c. prática.
66.00
6. PATRULHA (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 06h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 601
(TA)
Comandar uma patrulha de reconhecimento.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O instrutor deverá organizar uma patrulha
escola, em terreno variado, durante o dia, com
atiradores e sob o comando de um monitor
do TG (CFC).
A missão da Patr deverá ser: “realizar um
reconhecimento da área à distância aproximada de 3km”.
Na área deverá existir uma pequena figuração
simulando uma determinada atividade.
O exercício comportará 4 fases, a saber:
1ª) preparação da Patr;
2ª) deslocamento;
3ª) cumprimento da missão;
4ª) retraimento.
O instruendo deverá cumprir, corretamente,
a missão recebida a relatar o que foi reconhecido observando as seguintes etapas:
1ª) estudo da missão;
2ª) organização da Patr;
3ª) transmissão das ordens;
4ª) procedimento e condutas durante as
ações da patrulha;
5ª) retraimento para as linhas amigas;
6ª) relatório.
– Definir patrulha.
– Identificar os diferentes tipos de patrulhas
e seus objetivos.
– Descrever as principais características
das patrulhas de reconhecimento.
– Descrever sucintamente os trabalhos de
preparação, os procedimentos e as missões
das patrulhas de reconhecimento.
– Analisar um relatório de uma patrulha
de reconhecimento.
ASSUNTOS
1. Definição.
2. Classificação quanto à missão.
3. Organização da Patrulha de Reconhecimento.
4. Condutada Patrulha de Reconhecimento.
5. Relatórios.
67.00
6. PATRULHA (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 06h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 602
(TA)
Comandar um GC na pista de
combate em localidade.
CONDIÇÃO
O local deverá permitir a execução segundo
o previsto no Caderno de Instrução de Pista
de Combate em localidade.
Precedendo a execução da pista, os assuntos
a serem avaliados em cada oficina deverão
ser ensinados e/ou revistos em sessões de
instrução específicas, sem prejuizo do tempo
necessário à execução da pista.
Deverá ser realizada a avaliação individual e
coletiva dos executantes.
O uniforme será o 4º A1, com capacete, e o
armamento será o de dotação do GC.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O militar deverá percorrer a pista, desencadeando as ações e adotando os
procedimentos corretos em cada obstáculo,
obedecendo aos comandos emitidos pelos
comandantes de esquadra e de GC, dentro
do menor tempo possível.
– Executar as técnicas de entrada tática e
proceder corretamente com o material e
pessoal inimigo capturado.
– Progredir na localidade, utilizando
as diversas técnicas de progressão e de
transposição de obstáculos.
– Aplicar corretamente as técnicas de
transposição de obstáculos, com rapidez
e segurança.
– Cumprir uma missão em ambiente urbano, integrando um GC.
– Empregar corretamente as Técnicas de
Ação Imediata (TAI) preconizadas para
reagir a uma emboscada.
– Prestar os primeiros socorros a um ferido
amigo, evacuando-o posteriormente a um
lugar determinado.
ASSUNTOS
1. Entrada tática.
2.Deslocamento em ambiente urbano.
3. Transposição de obstáculo horizontais e verticias com auxílio de
cordas.
4. TAI.
5. Busca e apreensão.
6. Primeiros socorros e transporte de
feridos.
68.00
7. TOPOGRAFIA (CFC)
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 10h
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 701
(AC)
Identificar as convenções cartográficas.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Apresentada ao instruendo uma carta topográfica, onde estão assinaladas 10 (dez) convenções cartográficas de emprego mais comum.
O instruendo deverá identificar, corretamente, pelo menos 8 (oito) convenções
cartográficas.
B/5 (CFC) - 702
(TE)
Determinar a distância real entre
dois pontos.
Apresentados, ao instruendo, dois pontos em
uma carta e uma régua graduada.
A distância obtida pelo instruendo deverá
ser igual à calculada pelo instrutor.
B/5 (CFC) - 703
(TE)
Determinar o azimute magnético
do ponto estação para um ponto
nítido no terreno.
Apresentados, ao instruendo, uma bússola e
um ponto nítido no terreno.
O azimute determinado pelo instruendo
deverá estar correto.
B/5 (CFC) - 704
(TE)
Orientar uma carta com o auxílio
da bússola
Apresentadas ao atirador uma bússola em
graus e uma carta topográfica.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
– Identificar, na carta, os acidentes naturais ou artificiais representados por suas
convenções cartográficas.
– Relacionar a escala da carta com as
distâncias reais.
– Determinar a escala de uma carta.
1. Cartas topográficas:
a. símbolos e convenções cartográficas;
b. escalas; e
c. distância gráfica e distância real.
– Identificar direções na carta e no terreno.
– Distinguir Norte Verdadeiro, Norte
Magnético e Norte da Quadrícula.
– Definir ângulo QM.
– Orientar carta topográfica pelo Norte
Magnético.
2. Azimutes e lançamentos:
a. Direções-base:
1) Norte Verdadeiro;
2) Norte Magnético; e
3) Norte da Quadrícula.
b. Diagrama de orientação.
c. Orientação de carta (bússola e
terreno)..
Ao final da operação, a carta deverá estar
devidamente orientada.
69.00
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 10h
7. TOPOGRAFIA (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
CONDIÇÃO
B/5 (CFC) - 705
(AC)
Determinar as coordenadas de
um ponto.
O instrutor, apresentados a carta topográfica
e o material necessário, deverá determinar
ao instruendo que realize a locação de 05
(cinco) pontos.
B/5 (CFC) - 706
(AC)
Identificar pontos sensíveis na
planta da cidade.
Fornecido ao instruendo a planta da cidade.
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
O atirador deverá realizar, corretamente, a
locação dos pontos fornecidos.
– Locar um ponto por coordenadas geográficas.
– Locar um ponto por coordenadas retangulares.
– Locar um ponto por coordenadas polares.
3. Coordenadas:
a. coordenadas geográficas;
b. coordenadas retangulares;e
c. coordenadas polares.
O instruendo deverá revelar desembaraço
na identificação de pontos sensíveis.
– Localizar na planta da cidade o TG e os
pontos sensíveis.
4. Planta da cidade:
a. leitura; e
b. localização de pontos sensíveis.
ASSUNTOS
70.00
8. TREINAMENTO FÍSICO MILITAR (CFC)
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII)
TAREFA
B/5 (CFC) - 801
(TA e OP)
Participar, como guia, de uma
sessão preparatória.
CONDIÇÃO
PADRÃO MÍNIMO
Serão fornecidos ao guia os dados do QTS
com antecedência mínima de uma semana.
O instruendo deverá observar as prescrições do C 20-20.
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04h
ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
OBJETIVOS
INTERMEDIÁRIOS
ASSUNTOS
1. Sessão de Treinamento Físico.
71.00
Mais uma realização da Sala de Editoração Gráfica do COTER
Fly UP