...

ENTRE OS CHOUPOS DA ESTRADA

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

ENTRE OS CHOUPOS DA ESTRADA
^
EX-LÍBRIS
RTJBEJÍS BORBA s s j '
IJèfALVgs DEMORAESI
-ygjN—iiy
I
RONALD DE CARVALHQ
Poemas e Sonetos
(Obra premiada pela Academia cje I*efrat)
Editores — Leite Ribeiro &Mpurillo
1919
RIO
P©<enrai> <e Somei©!
R Rlberto âe Dliueira
RONALD DE CARVALHO
Poemas e Sonetos
(Obra premiada pela Academia de Letras)
Editores — Leite Ribeiro & Mourillo
1919
RIO
=J
POEMAS E SONETOS
f i Rlberto âe Oliueira
POEMAS E SONETOS
Vida
Para um destino incerto caminhamos,
Tontos de luz, dentro de um sonho vão;
E finalmente, a gloria que alcançamos
Nem chega a ser uma desillusão!
Levanta-se da sombra, entre altos ramos,
Como um fumo a subir, lento, do chão,
A distancia que tanto procuramos,
E os nossos braços nunca attingirão.
Mas um dia, perdidos, hesitante,
A alma vencida e farta, as mãos tacteantes,
De repente, paramos de lutar;
E ao nosso olhar, cansado de amargura,
As montanhas têm muito mais altura,
O céo mais astros, e mais água o mar!
-HH-
POEMAS DE AMOR
NOCTURNOS
POEMAS E SONETOS
11
Anoitece...
Venho soffrer comtigo a hora dolente que erra,
Sob a lâmpada amiga, entre um vaso com rosas,
Um festão de jasmins, e a penumbra que desce...
Hora em que ha mais distancia e magua pela terra;
Quando, sobre os chorões e as águas silenciosas,
Redonda, a lua calma e subtil, apparece...
12
POEMAS E SONETOS
O rumor de uma voz sobe no espaço, ecoando,
Mais um dia se foi, menos uma illusão!
E assim corre, igualmente, a ampulheta da vida.
Senhor! depois de mim, como folhas em bando,
Num crepúsculo triste, outros homens virão
Para recomeçar a rota interrompida,
E a amargura sem fim de um mesmo sonho vão...
Nos dormentes jardins bolem azas incautas,
Sobre os campos a bruma ondeia, devagar.
Estremecem no céo estreitas somnolentas,
E os rebanhos, que vão na neblina lunar,
Agitam mollemente, ao longe, as curvas lentas
Das estradas de esmalte, ao rudo som das frautas.
Anoitece...
Tremula ainda, no poente, a luz de alguns clarões,
E, emquanto sobre o meu teu olhar adormece,
Entre o perfil sombrio e vago dos chorões,
Redonda, a lua calma e distante, apparece...
-+**+-
POEMAS E SONETOS
13
II
Sobre o rio tranquillo espelha-se um pomar.
Brilham nas sombras, entre as arvores, ao luar,
A torre de granito, o pesado quadrante,
E os dourados delfins de teu parque distante.
Em redor dos rosaes correm, cantando, as fontes,
Solitários lampeões adormecem nas pontes.
Sob a névoa de azues, que envolve todo o espaço,.
A paisagem parece uma gravura de aço.
14
POEMAS E SONETOS
Tudo está quieto; no ar apenas estremece,
Com um longinquo rumor de lagrima ou de prece,
A pluma de um repuxo! E como a água relumbra
No cofre de velludo espesso da penumbra!
E como a água, a subir e a descer, levemente,
Lembra o teu coração gelado e indifferente!...
-+**+-
POEMAS E SONETOS
III
Vens, no perfume do ar, como a tranquilla imagem
Que adestrado pincel, depois de lide insana,
Fixou neste jarrão de bronze e porcellana,
Entre ibis e dragões, num trecho de paisagem.
Na areia da alameda o luar quasi se apaga,
Num vôo de pavões dourados, de repente!
E entre a cinza lilaz, que desce, mansamente,
A hora faz-se mais triste, e a penumbra mais vaga.
15
16
POEMAS E SONETOS
Ao rythmo do teu passo o silencio estremece,
As fontes velam mais as vozes socegadas,
E a avena dos zagaes, na curva das estradas,
Entre a folhagem calma e orvalhada, emmudece.
De que cidade estranha, onde as torres são de ouro,
As muralhas de ferro, e os rios de amethysta,
Trouxeste a fôrma ideal que não modela o artista.
E o mysterioso olhar de berylo e âmbar louro ?
Teu reflexo oscillante, é diverso e hallucina !
Ora lembra um chorão sobre lagos immotos,
Ora uma flor de lis, ora uma flor de lotus,
Ora uma palma, a abrir, no azul de uma coluna.
Ao calor do teu corpo, a noite é como o ambiente
De um triclinio, depois das taças emborcadas,
Quando sobre o mozaico ha rosas desfolhadas,
E ha beijos pela sombra, e a sombra é um beijo ardente.
Dentro de teu olhar ha legendas distantes;
Faunos tocando frauta, á beira de lagoas,
Rondas e pastoraes, entre aegipans e leoas,
Bosques por onde vão, cambaleando, bacchantes.
Têm o aroma subtil, teus cabéllos desnastros,
Dos cravos do Hindostão, e dos lirios do Egypto,
E a suave ondulação de um mar calmo e infinito,
Coalhado de trophéos, de galeras, e de astros.
POEMAS E SONETOS
E, emquanto vens assim, no ar tranquillo e dolente,
Cheio do teu calor, sonoro do teu passo,
Como um pássaro real de prata viva e de aço,
A noite abre no céo as azas, lentamente.
-*-33H
17
POEMAS E SONETOS
19
IV
Pelo velho jardim, que ti noite enche de bruma,
As flores vão dormir, na doce paz do outono.
Como a penumbra augmenta, em nós, esse abandono
Que ha nos tanques de opala, e nos jasmins de espuma.
Pousa sobre o meu hombroa tua ingênua face.
Vê como tudo é vão, como o silencio é nobre
Na sombra, após um beijo, ou no ar, depois de um dobre,
Numa palpitação transitória e fugace.
20
POEMAS E SONETOS
Longe sobe um rumor, como de um poço fundo.
Não lhe dês attenção, fecha tua alma lassa,
Apaga teu olhar, pois é a vida que passa,
E' o desejo que vem, são os homens, é o mundo.
Pelo velho jardim, que a noite enche de bruma,
Pousa sobre o meu hombro a tua ingênua face,
Apaga teu olhar, deixa que a vida passe.
Que a vida é uma canção transitória e fugace,
Um ligeiro tremor numa bolha de espuma...
-*s*<-
POEMAS E SONETOS
Ao luar, os violoncellos, entre os choupos,
Cessaram de chorar. A noite é magua
Tombando, em folhas tremulas, dos topos,
Nos repuxossubindo, em plumas de água.
E assim, as mãos nas minhas mãos, errando
Pelos rosaes da estrada, num scenario
De saudades, de sombras, e de magua,
Vamos o velho tempo recordando.
21
22
POEMAS E SONETOS
E os violoncellos choram novamente,
Ao luar que banha o espaço solitário,
Emquanto as folhas tombam no ar dormente,
E o céo se estrélla de ouro e plumas de água
-nv*-
POEMAS E SONETOS
23
VI
A lâmpada abre, no ar, como um lirio vermelho,
No ar que se afasta mais, por melhor acolhel-a.
E o clarão que estremeça ao fundo de um espelho
Lembra, na água de um tanque a sombra de uma estrella.
Entra pela janela um perfume indistincto;
E pallida, e subtil, de dentro da memória,
Como um vinho pagão num vaso de Corintho,
Exsurge, ainda uma vez, tua fôrma illusoria!
24
POEMAS E S U N ü i u s
Por que não vieste mais, na noite socegada,
Encher as leves mãos com o luar que fere e offusca,
E, de novo, sorver a áurea espuma gelada
De um cântaro romano, ou de uma taça etrusca?
Esqueceste a afflição das manhães de promessa
E das tardes de horror, quando a alma é uma grilheta.
Ah! Tudo foi em vão, tudo passou depressa,
Como o sói no céo calmo, e a areia na ampulheta...
Ficaste, pela vida, esquecida e distante,
Como fica esquecido e distante o passado!
Foste a hora mais feliz que parou no quadrante,
O poente mais lilaz de um dia mais dourado...
Nos parques de velludo, onde as arvores bolem,
Sobe um leve rumor de repuxos e ramos,
JHa mais astros no azul, nas flores ha mais pollen,
Por que não vieste mais? Como nós nos amamos.
-*íf<-
POEMAS E SONETOS
VII
INo alto dos morros boia a lua de ouro,
O céo, visto de dentro de uma frança,
Parece uma cratera de faiança,
Cheia de vinho espumarento e louro.
Choram as fontes no jardim deserto.
A água, entre os juncos, lembra uma gravura
Com arabescos subtis de illuminura,
'£. ha sombras vaporosas no ar incerto.
25
26
POEMAS E
SONETOS
E tudo estava assim, quando partiste.
No céo distante, o mesmo vinho louro»
As errantes estrellas embriagava,
E sobre os morros, tremula, boiava,
Como uma grande rosa, leve e triste,
A mesma lua de ouro, indifferente.. -
-**K-
ELEGIAS
POEMAS E SONETOS
Teu vulto leve, ao fundo do passado,
Volve-me, ás vezes, um olhar maguado
Que lembra o luar, por entre névoas finas..
Ainda tenho no espelho das retinas
O parque familiar, e os velhos bancos
Entre tanques azues e jasmins brancos
Onde a vida juntou, em dias vãos,
A's tuas lindas mãos ás minhas mãos.
29
30
POEMAS E
SONETOS
Onde estás, minha doce companheira?
Como a rosa, que tomba da roseira,
A hora tomba no espaço, sem rumor...
Longe murmura a trompa de um pastor,
Pela tarde que morre, lentamente.
E o poente é como aquelle mesmo poente
Que a terra toda encheu de um sonho triste
Quando sombra, entre sombras, me fugiste!
Ficaste numa curva do passado,
Como dóe recordar o tempo andado
Nas manhãs de illusão, nas noites calmas!
Uma lagrima a abrir dentro das almas
Como um pallido sol num céo de outono,
Um gesto, um longo gesto de abandono,
Um desconsolo, um pouco de saudade,
E nisso está toda a felicidade...
Sobre os campos, em seu vestido louro,
A primavera ri nos botões de ouro;
Entre as ondas vermelhas das espigas
Voltam cantando, em bando, raparigas,
E, dentre a púrpura que envolve o ambiente,
"Vai surgindo aos meus olhos lentamente,
Como um rolo de incenso, no ar lavado,
Teu vulto leve ao fundo do passado. .-
->*««-
POEMAS E SONETOS
II
Pela névoa a ondular, como um acorde lento,
Os pés brancos ao luar, e os cabellos ao vento,
Estendeste-me as mãos esguias e nervosas,
Numa ronda aromai de cravos e de rosas.
Que lâmpada flamenga o teu olhar desvenda ?
E's longa como um lirio aberto numa taça,
E nas águas de um lago a tua forma lassa
Tem gumes de punhal, e escumilhas de renda.
31
3 2
POEMAS E SONETOS.
Serias Colombina? Ah! se eu fosse Pierrot,
No jardim silencioso, á margem dessa estrada:
Por onde vieste, a rir, e onde sonhando vou,
Dar-te-ia o coração no fim de uma bailada!
Ha theorbas a chorar num bosque de jasmins,
Sobre as fontes, em torno, entre violetas boia
O plenilúnio como uma pallida jóia,
E estremece na sombra a cauda dos golfins...
Mas apenas beijei as tuas mãos nervosas,
Como um flamingo de ouro o teu vulto passou
Numa ronda aromai de cravos e de rosas.
Se fosses Colombina, e se eu fosse Pierrot!...
>-3H
POEMAS E SONETOS
33
III
Em teu olhar, que guarda as florações estranhas
Que o verão incendeia, ou que adormece o outono,
E ora mostra um tropel de mares e montanhas,
Ora um trecho de céo, com aves tontas de somno :
Quando fui procurar, num inquieto alvoroço,
A paisagem de sol, de águas crespas, e ninhos,
Que um dia nos abriu as frondes nas estradas,
Somente pude ver, como ao fundo de um poço,
Jardins cheios de treva, entre arvores geladas,
E a noite, a noite immensa, em todos os caminhos.
POEMAS E SONETOS
IV
(Paraphrase de Samain)
No deserto jardim, que a bruma envolve, pelas
Arvores, de onde tomba, em punhados de estrellas,
O adeus das flores de ouro e das folhas errantes;
Sob um leve docel de copas verdejantes,
Nós iremos, até que a tarde abra no poente
As azas de cristal e de prata silente.
35
36
POEMAS E SONETOS
Caminharemos, entre as sebes, nas estradas r
E o perfume subtil que ha nas hervas pisadas,
E o silencio, e esse amargo encanto mysterioso
Que deixa, no ar, o outono inquieto e doloroso,
E que sáe dos chorões, dos ninhos e das fraguas,
Das kanangas azues e das tranquillas águas,
Encherão nosso olhar de sonho e de esplendor,
Como um aroma antigo enche a noite de amor..
->***-
POEMAS E SONETOS
Na paz do outono,
Grave, profunda,
Teu vulto de ave
Leve ligeira,
Sobre a alameda
Crieia de rosas
Que o luar inunda;
37
38
POEMAS E
SONETOS
(Sombra de seda.
Pluma ligeira)
Teu vulto suave
Sobre a alameda,
E' uma roseira
Cheia de rosas,
Na paz do outono.
-K**-
POEMAS E SONETOS
39
VI
Vê como a sombra é suave, e o céo como está perto !
Tens estreitas nas mãos, e o luar, no chão deserto,
Entre flores de esmalte e de opala dolente,
Abre, agora, um jardim fabuloso do Oriente;
Um jardim onde houvesse, em maceeiras de prata,
Pomos de ouro e marfim, e onde, em leve cascata,
Sobre a relva macia e a areia fulva e ardente,
Jorrassem jogos de água inquieta e transparente.
40
POEMAS E
SONETOS
Tudo adormece no ar: os ramos e as collinas,
Os pássaros e os soes. Anda nas hervas finas
Um perfume que hesita entre a vida e a chimera,
Leve como teu beijo e como a primavera!
Sobre a tua cabeça uma arvore balança
As folhas de cristal e velludo da frança;
Pelas estradas passa um rumor de harpas eólias,
E ha noivados pagãos no seio das magnolias,
Risos de fonte, sons abafados de viola,
Soluços de guitarra insomne, de onde rola
Uma velha canção que, aos poucos, se mistura
A' tua voz, ao nosso amor, e a toda a Altura...
-*S**-
ROMANCE E BALLADA
POEMAS E SONETOS
Romance
Na névoa da manhã, tranquilla e suave
Vieste do fundo incerto do passado ;
Ainda tinhas o mesmo passo de ave,
E o mesmo olhar maguado...
Entre os rosaes vermelhos tua boca
Era a rosa mais linda e mais vemelha;
E como, em torno delia, inquieta e louca,
Ia e vinha uma abelha !
43
44
POEMAS E SONETOS
Mas não paraste, como antigamente,
Nem me estendeste a leve mão dolente,
A leve mão de irmã.
Passaste... E, pelos campos, que alegria!
Pássaros, águas, plantas, tudo ria
Na névoa da manhã...
-*â*«-
POEMAS E SONETOS
Bailada
Amei as torres medievaes,
De pedra escura e burilada,
Os plenilúnios e os choupaes ;
Porém, ó Flor triste e fanada,
Desque surgiste em minha estrada,
Abandonei formas banaes.
Pois junto á vossa face amada,
A vida é sombra, e nada mais.
45.
-46
POEMAS E SONETOS
Jardins dormindo entre rosaes,
Hora a tombar, fria e calada;
Beijos que são como punhaes,
Não têm a graça fina e alada,
Nem a volúpia demorada
Que ao coração silente daes;
Pois junto á vossa face amada
A vida é sombra, e nada mais:
Tudo que eu vi: Castellos reaes,
Galeras de prata armoriada
Arredondando-se nos cães;
Quilhas ferindo a onda encurvada,
Olhos chorando na amurada,
Tudo passou, venturas e ais,
Pois junto á vossa face amada
A vida é sombra, e nada mais.
Perdoai Senhora, esta bailada,
E os versos trêmulos, mortaes;
Pois junto á vossa face amada
J\ vida é sombra, e nada mais..,
-+SÍ*-
POEMAS DA NATUREZA
FJ Tristão âa Tunhá
POEMAS E SONETOS
Allegoria da manhã
Terra cheia de luz, para o teu esplendor
Ergo as mãos, num tremor de desejo e de gloria !
E na paz de um jardim mysterioso e pagão,
Onde passeia o sol como um velho pintor,
Numa ingênua canção dou-te a minha memória,
E num beijo aromai, dou-te o meu coração.
4
Q
50
POEMAS E SONETOS
Coroada de jasmins, de pampanos e rosas,
Coberta de trigaes maduros, sobre os rios
A tua imagem real veste-se de cristaes;
E em teus braços, que são as estradas gloriosas,
Cantam fontes rolando entre juncos esguios,
Estremecem bambus e verdes laranjaes.
Entre as latadas de uva, e as framboezas vermelhas,
Ha brilhos de rubis, e reflexos de prata;
E no tremulo véo velludoso das parras
Um bando transparente e sonoro de abelhas,
Como um fio de mel, ondula e se desata
Sobre a folhagem de ouro, os cravos e as cigarras.
Range no poço antigo a polilha da corda,
Sobre os tanques de opala as arvores recuryas
Boiam, no espelho azul da água fresca e parada.
Cortam pássaros o ar; pelas granjas, accorda
O moinho que volteia as grandes azas curvas,
E em cada face, o olhar que esvoaça, é uma bailada
Terra cheia de luz, nos pomares o outono
Incendeia e arredonda a vinha hospitaleiro,
As amphoras que vão no hombro das raparigas
Têm perfumes que dão volúpia e que dão somno;
Nas bilhas, espumando, o leite morno cheira,
E a campina é um clarão de papoulas e espigas.
POEMAS E SONETOS
Na dourada manhã, sobre a paz infinita
Das collinas azues, e dos jardins pagãos,
Para o teu esplendor, terra nobre e bemdita,
Ao sol que se levanta, ergo-te as minhas mãos!
-*-9S«-
51
POEMAS E SONETOS
Allegoria da tarde
Sobre os leves rosaes e as finas trepadeiras
As nuvens levam seda e nacar para o poente.
Os parques vão sonhar,
Numa irisada poalha, entre aves e palmeiras;
E ha torres pelo céo, e flechas de onix ardente,
E galeras de bronze arfando, em chammas, no ar.
53
54
POEMAS E SONETOS
Nas alamedas que o crepúsculo adormece,
Um dolente torpor crispa os troncos, as ramas,
E as ágathas do chão;
E no longe, que foge, a distancia parece,
Dentro de um turbilhão de palmas e auriflamas,
Uma cascata de ouro, a rolar de um vulcão!
Lembra o occaso um clarão de estandartes divinos
A ondular sobre o sol, como ao fim da batalha
Ondulam plumas reaes,
Entre o nobre esplendor das taças e dos hymnos,
Das trompas, dos clarins, e da luz que se espalha
Sobre fulgurações de espelhos e cristaes.
Tudo salta para o ar num brazeiro glorioso !
Entre scintillações de incêndios rubros arde
A selva secular;
E com a lava que accende o espaço tumultuoso,
Crescem ondas de luz no silencio da tarde,
Como se a tarde fosse um grande e estranho mar !
Mas quando a sombra vem, lentamente, descendo
Com uma suave expressão de abandono e doçura,.
De chimera e illusão,
Todo o passado vae, em ronda, apparecendo,
Emquanto o sol se esconde entre nevoas, na altura,
E a tristeza do mundo enche o meu coração...
-+S8+-
POEMAS E SONETOS
55
Ailegoria da Noite
A noite é suave como um beijo sobre a face.
Nas frondes quietas ronda o luar, e o luar accende
Figuras de marfim, suspensas entre a bruma.
Pelo céo de cristal, luminosa e fugace,
Brilha uma estrella, e foge; e todo o espaço esplende,
Num tremulo clarão de alabastro e de espuma.
56
POEMAS E SONETOS
A paisagem parece um aquário gelado.
As gramas são coraes sombrios, e as raízes
Lembram aranhas de ouro, a fugir na penumbra.
O casario, sobre as curvas de nm montado,
Deita espectros no chão, e ha lagrimas felizes
Nos ramos, de onde o orvalho escorre, e me deslumbra.
Na doçura do ambiente a solidão é um poema
Que a alma diz, devagar, num leve choro de harpas;
E o silencio é uma voz que emmudeceu na sombra...
A lua abre, no azul, como a flor de um diadema,
E no céo de cristal, aprumando as escarpas,
Num tropel de alcantis o horisonte se escombra.
Noite, irmã da illusão, quanto sonho glorioso
Semeiam tuas mãos, onde ardem, num chuveiro,
Astros, constellações, nebulosas distantes,
E toda a flora ideal de um paiz maravilhoso !
Quanto desejo vão, inquieto e passageiro,
Tomba de tuas mãos, como a hora dos quadrantes...
Nas sombras do jardim sobe um rumor de chuva
Da água dos vasos, que um Tritão indifferente
Na fonte senhoreal deixa rolar, num salto.
E os faunos, em redor da vinha aberta em uva,
Descerram, num clarão, os olhos de repente,
E movem quasi, a rir, os cornos de bazalto.
Pelo céo de cristal, luminosa e fugace,
Brilha uma estrella, e foge. O espaço claro esplende.
Nas frondes quietas ronda o luar que a terra accende.
A noite é suave como um beijo sobre a face...
POEMAS E SONETOS
Manhã de inverno
E' tarde, e o sol não vem ; sobre as collinas
Volteiam rolos pardos de neblinas.
O orvalho escorre pelas folhas; tudo,
Nos ares e nas selvas, está mudo.
No beirai dos casebres, quando a quando,
Andam pombos, aos pares, esvoaçando;
E, ao dormente frescor dos laranjaes,
Tremem de frio, unidos, os pardaes.
57
58
POEMAS E SONETOS
Nos campos cheios de água e de humidade
Erra um cheiro de lírios. Que saudade
Ha nas arvores quietas, nos relvados,
Nas serras, nos caminhos encharcados,
Nos mangues silenciosos, na espessura
Dos grotões, e nas massas de verdura.
Que saudade ha no gesto com que a mão
Aperta, desolada, o coração!
Mas, de repente, o céo todo estremece,
O horisonte se alarga, a terra cresce
Em grandes labaredas voluptuosas.
As aves cantam, desabrocham rosas...
Num mar de fogo ferve, toda acceza,
Em faixas de ouro vivo a Natureza;
E a alma fica a sorrir, á flor do olhar,
Ao sol, que a abelha e os mundos move no ar!
->4S-<-
POEMAS E SONETOS
Maio Ridente
Agora que as manhãs são mais leves e finas,
Que o céo é mais azul, e a água mais transparente,
Estrangeiro! vem ver estas serras divinas,
De contornos de seda e pedraria ardente.
Vem a musica ouvir das aves e dos ninhos,
Das fontes de ouro, a rir, por entre verdes relvas,
Quando se alonga, sobre a areia dos caminhos,
A sombra irregular dos morros e das selvas.
59
60
POEMAS E SONETOS
Cada canto de terra, onde vão, rumorosas,
As abelhas de braza, é um jardim! Cada galho
Uma festa aromai de cravos e de rosas,
E em cada flor reluz uma jóia de orvalho!
Rola, solta no espaço, uma tremula poeira
De luz suave e tranquilla, e ha no chão e na altura,
Na montanha pesada, e na folha rasteira,
Um gesto fraternal de graça e de doçura!
Estrangeiro! vem ver estas florestas densas,
Onde, pelos grotões e pelas crespas mattas,
Ha columnas de bronze e cupolas immensas,
E um continuo tropel sonoro de cascatas.
Estrangeiro ! vem ver estas serras divinas
De contornos de seda e pedraria ardente,
Agora que as manhãs são mais leves e finas,
Que o céo é mais azul e a água mais transparente.
->-»*<-
POEMAS E SONETOS
Crepúsculo
No parque silencioso as abelhas douradas,
Entre a folhagem calma, abrem as azas finas;
Sobem leves canções do fundo das estradas,
E uma indecisa luz veste, ao longe, as colunas.
Hora serena e irreal. Por que, quando entardece,
A alma inquieta tem mais saudade, e tem mais dor?
Por que o passado assim, na memória, apparece,
E põe no lábio triste um immenso amargor?...
61
62
POEMAS E SONETOS
Emquanto as formas vão morrendo pelo ambiente
Um perfume subtil e doce envolve o espaço;
A sombra desce no ar e, como á flor de um lago,
Entre a noite, ainda vaga, e o dia, ainda mais vago,
Desabrocham no céo, distante e transparente,
A lua de cristal, e os soes de opala de aço...
POEMAS E SONETOS
Primavera
Escuta! E' a Primavera! anda nos ramos
Um divino esplendor de pedrarias.
Na água tranquilla das ribeiras frias
Molham as plumas de ouro os gaturamos.
Que doçura ha no campo, onde as carretas
Passam lentas, pesadas! Que doçura
Derrama sobre a terra o azul da altura,
E como se alam no ar as borboletas!
63
64
POEMAS E SONETOS
Ouve: Sobem dos bosques vozes francas,
Risos de fonte, cantos de esperança.
Que serena alegria enche os espaços!
Da-me a cesta de amoras, loura creança;
Levanta os senhoris, os lindos braços,
E, como a sombra de uma nympha, dança,
Leve e subtil, por entre as rosas brancas !..
-*»*-
POEMAS E SONETOS
Serenidade
Choveu. A tarde desce; rota,
Uma palma pende, no poente.
Das folhas tomba, lentamente,
Um resto de água, gota a gota.
O campo, ao longe, em fumos brilha;
Sobe do fundo das estradas
Um perfume de hervas molhadas,
De canella, cravo e baunilha.
65
66
POEMAS E
SONETOS
No ar transparente, as andorinhas
Voam, revoam; dentre as vinhas
Tremem redondos cachos de uva
Emquanto o sol, pallido e louro,
Vai misturando os raios de ouro
Aos pingos de prata da chuva.
->**«-
POEMAS E SONETOS
Noite de Junho no Campo
A' beira d'agua, os caniços
Tremem, com brilhos mortiços;
Ha tons de prata gelada
Na areia branca da estrada.
Nos campos humidos anda
Um perfume de lavanda,
De folhas virgens e agrestes
E de Magnolias silvestres.
67
68
POEMAS E SONETOS
Trilam os grilos nas relvas,
E os galhos rangem nas selvas.
No céo, desolado e algente,
Curvo, resplende e crescente;
E, sobre a água, entre os caniços,
Em leves brilhos mortiços,
Na sombra azul, que estremece,
Um novo céo apparece..
-Hê«
POEMAS E SONETOS
Manha de pedrarias
O dia acorda, vem! Por todo espaço
O sol scintilla, em pontas de ouro e de aço;
Ha rumores sonoros entre as rosas,
E na copa das arvores frondosas,
As águas correm crespas, em cascata,
Num tremor de esmeraldas e de prata;
Nas espigas douradas e vermelhas,
Em cachos vivos, zumbem as abelhas;
69
70
POEMAS E
SONETOS
Pelos troncos escorrem, purpurinas,
Como quentes granadas, as rezinas;
Que volúpia de cores, que doçura
Ha nos campos cobertos de verdura !
Nas colunas, nas relvas, no ar incerto,
Tudo fulgura, como um cofre aberto;
Nos rios rolam pérolas dermentes,
E ha nas pedras carbúnculos ardentes ;
A poeira tem irisações estranhas,
E é de safira o flanco das montanhas !
Vê como teu cabello se mistura
A' morna irradiação que vem da altura;
Vê como tua boca se parece
A's polpudas romãs que o sol aquece !
Banha-te nesta luz ! Bebe este vinho
Que ferve sobre a areia do caminho;
Que espumeja na taça das corollas;
E no louro fulgor das carambolas;
Que dardeja nas várzeas enfloradas,
E na tapeçaria das estradas ;
Que vibra na palheta das parreiras,
E no incêndio aromai das laranjeiras.
POEMAS E SONETOS
Bebe este vinho nobre ! Que vertigem
De alegria encherá tua alma virgem !
Vê como esta alegria o sêr te irmana
A' belleza divina mais que á humana !
Vê como a vida é boa, assim vivida,
Assim amada ! Como é boa a vida !..
-*3H-
71
POEMAS E SONETOS
Tarde de chuva
Sobre os jardins, fina, insistente,
A chuva cáe, tranquillamente,
Porque uma voz antiga, chora
Dentro de mim, occulta agora ?...
Das folhas tomba, lentamente,
A água da chuva transparente.
A' hora em que os seres adormecem,
Por que meus olhos se entristecem ?
73
74
POEMAS E SONETOS
No escuro céo, tremulamente,
A sombra estende a aza silente.
Que solidão nos ares erra!
Que solidão em toda a terra !
Sobe, e se espalha, suavemente,
Um cheiro de hervas pelo ambiente.
Por que, lá fora, tanta calma,
Etanta magua na minha alma?...
Sobre os jardins, fina, insistente
A chuva cáe tranquillamente...
-•3S+-
POEMAS E SONETOS
A sombra que passa.
Ao sol que os espaços banha
Num mar de purpura quente,
E de ouro fino,
Rebrilha em cada corrente,
Reluz em cada montanha
Um pensamento divino!
75
76
POEMAS E SONETOS
Suspensa de leve galho,
— Breve taça de alabastro,
Ou de coral—
Na folha cheia de orvalho,
Como no seio de um astro,
Bebe, chilreando, o cardeal.
Numa subtil poeira de azas
Bailam, em ronda os insectos,
Ágeis e esquivos ;
No chão accendem-se brazas,
E ha nos caminhos discretos
Súbitos clarões furtivos.
E, emquanto o sói incendeia
Vallos e morros pesados,
E emquanto, no ar,
A aranha constróe a teia,
E a terra, com os seus arados,
O Homem feliz vai lavrar;
Emquanto os rios murmuram,
E a folhagem buliçosa,
Sonha e estremce
Nos relvados, que fulguram,
Uma sombra silenciosa
No claro espaço apparece.
Uma infinita amargura
Desce do azul, sobre a calma
Da Natureza,
E ha como por toda a altura,
Uma alma que soffre, urra alma
Cheia de humana tristeza!
POEMAS E SONETOS
Silencio
Ninguém... A noite dorme, silenciosa.
Pela encosta dos morros sobe a lua.
Que exquisita saudade se insinua
Na noite silenciosa!
As arvores, nos ermos, estão quietas ;
E, ao luar, que inunda as calmas alamedas,
Ha um brilho de vidrilhos e de sedas
Entre as arvores quietas.
77
78
POEMAS E SONETOS
Que mão subtil nas relvas orvalhadas
Derramou tanta jóia e pedraria?
Parece até que vai nascer o dia
Nas relvas orvalhadas !
Rola um perfume de jasmins no ambiente.
E, entre a sombra que envolve toda a altura,
Um repuxo finissimo murmura
No desolado ambiente..
->5H-
NA DOÇURA DA TARDE
R riauòio Ganns
POEMAS E SONETOS
No céo purpureo ferve a luz do poente
Como a cratera acceza de um vulcão;
E os astros vão abrindo, suavemente,
A sua floração.
Quando a penumbra desce pelo ambiente,
Porque fica mais velho o coração ?
Porque o silencio é muito mais dolente,
Porque tudo é mais vão?..
81
82
POEMAS E SONETOS
Quando a tarde adormece a natureza,
Porque a sombra insinua essa tristeza
Dentro do nosso olhar ?
Porque a memória vai, de quando em quando,
Todo o passado, aos poucos, desfolhando,
Como uma rosa no a r ? , . .
-+3S«-
POEMAS DA VIDA
R ÍDario 5imon5en
POEMAS E SONETOS
Deante da vida
Entre ondas voluptuosas de verdura
A floresta levanta os braços fortes,
Braços que estão, vergados, rebentando
Em flores vivas, em plumagens fartas,
E em frutos saborosos, que são como
Os pensamentos amadurecidos
Que sobem da humildade das raizes
Para o esplendor das frondes constelladas!
85
86
POEMAS E SONETOS
Tudo se move num rumor confuso:
Folhas e caules, sebes, trepadeiras;
Rios que o sol escalda, e onde fulguram,
Entre rubros clarões de labaredas,
Jóias, punhaes de fogo e espadas de aço;
Campos, que o vento agita, e a luz transforma
Em mares empolados, onde rolam
Vagalhões de esmeraldas e safiras.
Tudo se move! até das penhas rudes
A rocha millenar estala, e tomba!
A Terra tem palpitações profundas,
E tanto o largo seio empina e abaixa,
E tanto se revolve, que parece
Não supportar o peso das montanhas,
Dos serros brutos, dos pedrouços duros,
Que lhe apertam de mais o agreste flanco.
POEMAS E SONETOS
Num brilho de metaes em braza fervem
Os atalhos de ardente areia acceza,
O curvo espaço, a cúpula das arvores,
A água das fontes recamada de ouro;
E como em copas onde o vinho espuma,
Nas corollas abertas se embebedam
As lustrosas abelhas de velludo,
E os pelludos bezouros rumorosos.
Cada tronco de bronze é uma columna,
E cada umbella um capitei luxuoso;
E ha nas pedras estatuas modeladas
Por mãos desconhecidas, mysteriosas;
Mãos que arrancam da magua e da alegria,
Do terror, da tristeza e da amargura
Que a lagrima das coisas vai deixando,
As mascaras eternas da Belleza.
87
POEMAS E SONETOS
II
Dentro desse tumulto luminoso
O Poeta, um dia, despertou. «Caminha!,
Alguém lhe segredou; «Caminha», os olhos
Tontos de amor, lhe dizem deslumbrados.
«Vai em busca da vida que te chama»!
E elle vendo no olhar, e na alma vendo
Um sonho novo de felicidade,
Abrio as mãos anciosas para a vida!
O crepúsculo pallido descera
Com o silencio e a penumbra sobre a terra,
Numa poeira de fôrmas indecisas
Todas as fôrmas no ar se confundiam.
A selva, agora, em sombra mergulhada,
Com a folhagem serena adormecida,
Tinha o tranquillo aspecto das madréporas
E dos coraes nas landes submarinas.
gQ
90
POEMAS E SONETOS
Dos encruzados ramos caprichosos
O orvalho em claras gotas escorria;
E ao tibio luar nascente as folhas calmas
Eram conchas finíssimas suspensas;
O musgo era um tapete de algas humidas,
E os luzentes arroios imitavam
Peixes de fria escama scintillante,
Nadando num tremor de espumas leves.
Tacteante, embora, o Poeta caminhava
Ebrio das maravilhas que seus olhos
Iam na noite immensa descobrindo:
Quando uma voz de estranha resonancia,
Ferindo os fundos boqueirões remotos,
Varando a repousada somnolencia,
E a espessura dos bosques silenciosos,
De súbito accordou o espaço mudo!
POEMAS E SONETOS
Que voz, ao mesmo tempo, doce e horrível
Assim o allucinava e o seduzia?
Que tentáculos frios, movediços,
Vinham prendel-o, assim ? Que inviso polvo
Seus hesitantes passos arrastava ?
E implacável, teimosa, tentadora,
Dentro da noite solitária e immensa,
A voz lhe segredou : «Caminha, é a vida!»
«Caminha, que verás um céo mais alto,
«Recoberto de estrellas palpitantes;
«Caminha, e beberás a água mais pura
«Que poderá provar a tua boca !
«Entrarás em jardins nunca sonhados,
«Onde receberá teu lábio virgem,
«Num chuveiro de pétalas macias,
«Um baptismo de beijos deliciosos.»
91
92
POEMAS E SONETOS
«Foge das tuas furnas desoladas,
«O' Pássaro nocturno da floresta!
«Vai para a vida que te espera, soffrega!
E elle, seguindo a voz que abria como
Um caminho sonoro pelos ares,
E que, de instante a instante, mais crescia,
A uma região de agudas cordilheiras,
Lento, levou os fatigados passos.
-»SK-
POEMAS E SONETOS
III
Por todo o ambiente, em véos de opala, ondeante,
Um nevoeiro subtil se derramava.
O contorno das coisas era feito
De bruma e de cristal; e a luz que, trêmula,
Descia na atmosphera vaporosa
Entre florões de floculos prateados,
Misturava no seu mortiço fluido
Ao tom do marfim velho a cor das pérolas.
Mal os olhos do Poeta se afizeram
A' nevoa circumstante, um arrepio
Correu-lhe a face, e pertubou-lhe a vista!
Estava em frente delle um alto monte
De refranjada escarpa multiforme,
Recortado de dentes e de agulhas,
Por onde uma caudal vertiginosa
Com raivoso fragor se despenhava.
93
94
POEMAS E SONETOS
Fervendo sobre os blocos de granito,
Martellando nas rocas recurvadas,
Rugindo na aspereza dos penhascos,
A torrente saltava, em crespos jorros !
De cada aresta lisa e penetrante
Repontava uma lamina desnuda,
E em cada pedregulho rebatido
Um clamor de bigornas se escutava.
Logo, o Poeta parou. Não era de água
A torrente que os ecos abalava;
E a voz que em seus ouvidos rebramia
Eram gritos de angustia e desespero,
Queixas, supplicas, ais, gemidos longos,
Brados convulsos de ódio e de tortura,
Uivos de maldição, ululos cavos
De quem sentisse rotas as entranhas 1
POEMAS E SONETOS
Era a vida que, em turbilhões, rolava
Num continuo tropel de ossos partidos
E laceradas carnes esmagadas;
Eram corpos que, em vão, se debatiam,
Eram bocas que, em vão, se procuravm,
Era toda a afflição que os mundos move,
Era todo o infinito da amargura
Apenas revelado num segundo!
Não era de água, mas de sangue escuro
A torrente que os ecos sacudia:
Sangue de corações que rebentavam,
Sangue de mil batalhas inclementes !
E o monte infindo, que se desdobrava
Pelo infindo horisonte sem limites,
Era como o Destino, mudo e immovel,
Dentro da vida inquieta e passageira.
95
96
POEMAS E SONETOS
Emquanto o Poeta, insomne, contemplava
Tanta miséria, a alma lhe disse: «Foge!
«Na tua agreste furna ha mais doçura
«Que no mais lindo e cristallino còllo,
«O silencio da selva é mais humano
«Que a voz da dolorosa vida humana.
«Na aza das borboletas e nos brutos
•Ha mais sabedoria que nos homens».
«Vai para os teus abysmos, onde a noite
«Tem mais encanto e mais deslumbramentos,
«E onde a tua cabeça resplandece,
«No pincaro das serras solitárias!
«Deixa a vida bater de encontro a vida
«Como as ondas se chocam contra as ondas.
•Homem-divino, Poeta ! Volta á selva,
«Volta á Belleza eterna e silenciosa...»
A UM ADOLESCENTE
POEMAS E SONETOS
Faze do instante que passa
Toda a tua aspiração;
Que o mundo cheio de graça
Caberá na tua mão !
Sê sóbrio: com um copo de água,
Um fructo, e um pouco de pão.
Nem sombra de leve magua
Cortará teu coração.
99
100
POEMAS E SONETOS
Ama a rude terra virgem,
Com todo o teu rude amor;
Pois colherás na vertigem
De cada sonho, uma flor.
Soffre em silencio, sozinho,
Porque os soffrimentos são
O mais saboroso vinho
Para a sombra e a solidão...
E quando, um dia, o cansaço
Descer ao teu coração,
Une á terra o peito lasso,
E morre beijando o chão ;
Morre assim como indeciso
Fumo, que nos ares vai,
Morre num breve sorriso,
Como uma folha que cai...
K:H-
POEMAS E SONETOS
II
Amei a vida, primeiro,
Pelos olhos, e o que vi
Era suave e passageiro:
Amei a vida, e sorri.
Amei-a, com a alma, em seguida,
Mas, onde os passos levei,
Comigo chorou a vida,
E, com ella, triste, chorei..
101
POEMAS E SONETOS
III
Não desejes: é amargo desejares.
Guarda o que tens, fechado em tua mão,
Pois só ha desenganos e pesares
Na sombra triste deste mundo vão...
A alma que arrastas, andes onde andares,
Terá mais sol, terá mais illusão,
Se fores sempre assim, se não tentares
Accrescentar um pouco ao teu quinhão :
103
104
POEMAS E SONETOS
Vive no teu jardim de frondes mansas,
Sem ambições nem cóleras pueris:
Quem tem desejos, tem desesperanças,
Quem não deseja é muito mais feliz...
-*•?*«-
POEMAS E SONETOS
105
IV
De um poeta russo
Um vôo de ibis corta o. céo de ouro e marfim.
Pelo céo de marfim arde a braza do poente;
Doçura irreal da luz nos lagos do jardim,
Doçura do jardim sobre a água transparente!
A tarde desce, lenta, e a sombra augmenta no ar.
Ah! quando a sombra vem, minha alma tonta esvoaça;
E, pela hora mortal, meus olhos vão chorar
A belleza que foge, e o momento que passa...
POEMAS E SONETOS
107
Gesticulas em vão ! Para que te cansares ?
A vida passará por tuas mãos anciosas
Como uma abelha num jardim cheio de rosas,
Como a estrella no céo, como a espuma nos mares.
Tua alma é uma grilheta, uma estranha prisão
Que augmenta, sem cessar. Mas, se um dia a quebrares,
Comprehenderás. então, coberto de pesares,
O amargor que ha no fim de todas as estradas,
10S
POEMAS E SONETOS
E o gesto de pavor das mãos acorrentadas
Que tentaram tocar, uma vez, a illusão...
->•»<
POEMAS E SONETOS
VI
Tentaste dominar a vida passageira
Como um raio de sol que, entre arvores, se some;
Mas tuas mãos febris resvalaram na poeira,
E, num grito, apagou-se o rumor do teu nome !
Lutas num aranhol, onde a tenaz vencida
Quanto mais nós rebenta, ainda mais nós descerra!
Lutas inutilmente, homem cego, que a vida
E' nuvem leve do ar, sombra triste da terra..
\ryg
POEMAS E SONETOS
VII
Os dias passam num segundo,
Os annos voam num momento.
Homem, que fazes neste mundo,
Que faz teu leve pensamento ?
Ao teu olhar a terra acceza
E' como um riso aberto em flor !
O riso é a luz da natureza!
Que fazes tu com a tua dor ?
11 1
112
POEMAS E SONETOS
Porque tua alma é sempre fria,
E o passo teu vago e indeciso ?
A gloria nasce da alegria,
Os deuses morrem num sorriso...
Riem-se as pedras, quando a aurora,
Inunda o céo de ouro e de anil;
Ri-se no espaço a ave canora,
No lodo ascoso o sapo vil!
Porque só tu, por esse mundo,
Trazes dorido o pensamento ?
Olha que és sonho de um segundo,
Olha que és sombra de um momento.
-*4H-
POEMAS E SONETOS
Destino
Ainda menino, disse-me, um dia,
A voz occulta do coração:
«Terás da terra toda a alegria
Na tua mão»
Ah ! duro engano, quem o diria !
Louco de espanto, de inquietação,
Só vi tortura, melancolia,
No mundo vão...
U3
114
POEMAS E SONETOS
Ouve, creatura de alma innocente,
Ouve, e medita, porque não mente
Quem isto diz:
Na vida cheia de falsidade,
Só quem deseja a felicidade
Não é feliz.,,
»*K-
POEMAS E SONETOS
Onda
A porta das cavernas, silenciosos,
Sobre os joelhos pousando os pulsos de aço,
Os homens olham, mudos, para o espaço,
Onde os astros afloram, vagarosos...
Tudo é gloria e esplendor! um sonho intenso,
Um sonho primitivo, ainda selvagem,
Envolve os ramos fartos da paisagem,
Tremula no horisonte calmo e immenso.
1J5
116
POEMAS E SONETOS
Na solidão dos prados e das mattas
Rebôa, num tropel, e atrôa os ares,
Batendo nos penhascos seculares,
A vóz rouca e ululante das cascatas.
E os homens ficam pallidos, olhando,
Na curva onde o céo foge e desfalece,
O claro dia que desapparece,
E a noite que, entre sombras, vem chegando.
-»*:-<
POEMAS E SONETOS
II
As cúpolas de prata e de ouro virgem
Chispam, á luz do sol, como geleiras,
Os mares fervem", tombam cordilheiras,
E a terra toda é uma onda de vertigem!
Da pedra sobe o templo, o ferro forte
Vibra na espada, canta no broquel;
E do bronze, e do mármore revel
Os deuses nascem para o amor e a morte
E e a vida vae passando, e vão as dores
Apparecendo, lentamente, emquanto
A alma vacilla e cáe, de pranto em pranto,
Sob o aguilhão de eternos dissabores.
Em luminosa névoa anseia a vista,
As mãos tacteiam sobre rochas duras;
E as torturas augmentam as torturas,
£ após uma conquista, outra conquista j
H7
118
POEMAS E SONETOS
III
E os homens lutam sempre; indifferente,
A hora que passa não lhes traz doçura.
Depois do abysmo fundo, a ingrime altura!
E' preciso vencer continuamente..
As idéas renovam-se com as chagas;
E a cada golpe rude, de repente,
Succede-se um mais largo, e mais dolente,
Como a vaga succede ás outras vagas.
Uma sede indomável os arrasta.
Dentro de um turbilhão de ódios e sanhas,
Varando oceanos, selvas e montanhas,
Os homens seguem na amplitude vasta!
E as cidades alastram-se, e as florestas
De altos troncos, folhudos e pesados,
Rolam no embate bruto dos machados,
Ao impulso das mãos rudes e lestas.
POEMAS E SONETOS
Entre muralhas rijas de castellos
Choram as fontes, os arroios gemem;
Emquanto os ares e os pedrouços tremem
Num barulho sonoro de martellos.
Das forjas saltam labaredas vivas,
O fogo, pela sombra, em linguas, pula,
E ruge, na bigorna que estridula,
A cólera das forças primitivas!
-•!**-
119
12Q
POEMAS E SONETOS
IV
Mas não basta! E' mister lutar ainda.
Surgem dos elementos dominados
Outros mais raros, mais ambicionados,
Numa constante progressão infinda.
Os homens querem ver, na lide insana,
Maior, a alma pequena e desprezível;
E, sonhando a distancia inattingivel,
Esquecer na divina a essência humana,
E a vida corre, cega; eo tempo avança.
Em vão! tudo lhes foge como dantes,
Nessa guerra de todos os instantes,
Feita de desespero e de esperança!
POEMAS E SONETOS
E um dia, tudo cessa : angustias, ais,
Risos de amor, rugidos de metralha.
E, onde antes houve gritos de batalha,
Ha somente silencio, e nada mais...
Dos céos a tteva desce, lentamente ;
E o sol, o louro sol, de outras idades,
Morre sobre destroços de cidades
Como um vulcão cheio de cinza ardente.
Entre estatuas de deuses, e entre a ruina
De basílicas, templos e mesquitas,
Rola o mundo nas brumas infinitas,
Para a fatalidade que o fascina !
Pelos mares gelados apodrecem
Restos de barcos rotos ; nas collinas
Corôam-se os pinheiros de neblinas,
E os longes fumegantes escurecem.
121
122
POEMAS E SONETOS
VI
Sob a neve subtil, fina, insistente,
Nem uma vóz nos ares se desata,
Nem um rumor longínquo de cascata
Perturba a estranha solidão do ambiente.
Tudo é magua, em redor! Um sonho intenso,
Um sonho doloroso, e já selvagem,
Cobre os galhos despidos da paisagem,
Tremula no horizonte escuro e immenso.
E á porta das cavernas, silenciosos,
Sobre os joelhos pousando os pulsos lassos,
Os homens olham, mudos, os espaços,
De onde os astros se afastam, vagarosos.
POEMAS E SONETOS
A estrada sem fim
Dentre uma leve espuma, em rondas suaves,
A madrugada rompe. Um canto de ânsia
Sobe da selva funda e socegada,
E agita as frondes no ar sonoro de aves.
O homem levanta as mãos para a distancia
Que surge, lentamente, em sua estrada;
E o passo audaz, sereno, a alma confiante,
Sobre pedras e espinhos caminhando,
O tempo que floresce no quadrante
Vai, solitário e alegre, desfolhando...
123
124
POEMAS E SONETOS
Ao sol do meio dia, quando o espaço
Toma os contornos de um castello mouro,
E o céo em chammas, lembra um rio de aço
Entre escarpas de braza e vulcões de ouro,
O homem pára, abre os olhos, e medita
Na solidão das landes, infinita !
Depois, a tarde cobre todo o ambiente
Com as imagens somnambulas, estranhas,
De uma renda de cinza transparente;
E, emquanto, pouco e pouco, tremulando,
Num chuveiro de soes a noite desce,
O homem, erguendo as mãos inutilmente
A' distancia, que vai sempre augmentando,
Entre abysmos, torrentes e montanhas,
Pela estrada sem fim desapparece...
-***<-
ENTRE OS CHOUPOS DA ESTRADA
(Epitaphio)
R Rluaro fDoreyra
POEMAS E SONETOS
Entre os choupos da estrada
(Epitaphio)
Entre os faunos, que são ingênuos, junto á fonte
Que a vóz calava no ar, somente por ouviko,
A harpa suave nas mãos, a coroa na fronte,
EHe riu e cantou no azul do céo tranquillo!
Pára um pouco, Viajor Ergue de pedra fria
Os teus olhos, e vê: Tudo o que, em roda, existe,
Já passou, já voltou, riso ou melancolia...
Quem foi alegre, um dia, um dia ha de ser triste !
127
128
POEMAS E SONETOS
Mas antes de, outra vez, seguires para a vida,
Em frente aos bosques, onde ha frautas mysteriosas,;
Na penumbra que envolve a terra adormecida,
Recorda como é vão o teu destino breve,
Como passam no mundo os pássaros e as rosas,
Como a sombra do poeta, entre os homens, é leve...
-Hr*-
SONETOS
manâa-me amor que cante docemente.
Camões- Canção U l l .
R lorge "Jobim
POEMAS E SONETOS
133
Velhas imagens
Mulher! bolha de espuma, incenso leve
Que rola no ar, arroio que deslisa;
Folha de outono, cinza errante, brisa,
Rosa fresca de um dia, sonho breve!
Fôrma subtil que a penna não descreve,
Sombra das sombras, tremula, imprecisa;
Luar, que as pedras brutas idealisa,
Plúmula ondeante, flóculo de neve..
Mulher! Quantos atraz do teu engano
Perderam, com a esperança, as almas quietas,
Então mudadas em raivoso oceano!
Mulher! Vento em canção, nuvem que passa.
Tão serena e constante como os poetas,
As miragens, as ondas, e a fumaça...
!34
POEMAS E SONETOS
Fortuna, por meu mal, me tem mudado
Todo o prazer da vida em dissabor.
Pois, onde ponho meu maior cuidado,
Logo ella põe tristezas e amargor.
Porque será que, em danos, o meu Fado
Vem convertendo sempre? Acaso, Amor
Só traz doçura, quando desolado,
Só tem perfume, quando tem travor?
POEMAS E SONETOS
Mas quem será que um brando e leve crime
Me fez pagar com penas dolorosas ?
Será Fortuna, mesmo, que me opprime
A alma cheia de errores, ou serão
Essas ondas geladas, caprichosas,
Que andam boiando em vosso coração ?
-+55*-
135
136
POEMAS E SONETOS
III
A uma Senhora indifferente
Muda-se o claro dia em noite escura,
A névoa em luz subtil, que resplandece,
E os campos doura, as sebes reverdece,
E enche de azul sereno a immensa altura;
Muda-se em fina poeira a pedra dura,
O botão em corolla, a loura messe
Em trigo, a flor em fruto que apetece,
E a tristeza das horas em ventura.
POEMAS E SONETOS
Muda-se o doce arroio em onda amarga,
O vento em calmarias, a esperança,
De enganos leves, em pesada carga.
Somente vós, por quem vivi penando,
Entre as coisas que sempre vão mudando,
Não conhecestes sombra de mudança!
-*3*<-
137
,38
POEMAS E SONETOS
IV
Junto das águas frescas, suspirosas,
De manso arroio, o louro Almeno inclina
A fronte, em febre, entre um festão de rosas,
Que um raio de ouro, tremulo, illumina.
Inclina a fronte, e pensa nas cheirosas
Manhãs de prata e espuma leve e fina,
Quando vinha das selvas mysteriosas
A musica das frautas, cristallina.
POEMAS E SONETOS
Tudo revê, saudoso; mas apenas
Os olhos põe na fugitiva Nympha
Que as horas lhe amargara tão serenas
Logo um nevoeiro os ares escurece,
Logo se cala a suspirosa lympha,
E o claro sol do céo desapparece...
~+ifr-
139
140
POEMAS E SONETOS
Onde puzerdes vosso Amor,
Logo achareis magua e tortura:
A vida é feita de doçura
E, ao mesmo tempo, de amargor.
Andam, assim, prazer e dor
No mundo vão, tãó de mistura,
Que separal-os é loucura,
Sobre loucura, dissabor.
POEMAS E SONETOS
Mas é costume, infelizmente,
Costume máo, de toda gente,
Querer ventura sem travor,
Tomai, pois, tento, que, em verdade,
Não vereis só felicidade
Onde puzerdes vosso Amor.
141
142
POEMAS E SONETOS
VI
Quem teve á mão o fruto cobiçado
Quem alcançou, bastando desejar,
No lábio triste o beijo demorado,
Na alma, o sonho feliz, o sol no olhar
Quem abysmos transpoz, como um Cruzado,
Entre incêndios de luz, num rebrilhar
De aços polidos, e ouro derramado,
Brandindo a espada chamejante no ar;
POEMAS E SONETOS
E' quem, dolente, e em reverencia, agora,
Todo se curva, pallido, Senhora,
A fronte, e a gorra de velludo ao chão!
E' quem, sob a invencível armadura,
Diante de tão serena formosura,
Sente tremer de medo o coração!
-**H
143
144
POEMAS E SONETOS
VII
A' maneira do Renascimento
(Depois de ler a Vita Nuova)
E's tão leve e gentil, ó minha Dama,
Que, pelas ruas, quando os mais saúdas,
Ficam as bocas, de repente, mudas,
E os olhos ardem numa inquieta chama.
Teu melindroso gesto assim derrama
Tanta doçura sobre as coisas rudas,
Que em milagre do céo a terra mudas,
Tu, milagre maior, que a terra acclama!
POEMAS E SONETOS
Tontos da tua luz sonham, unidos,
Entre supplicas, ais, gritos, gemidos,
Os corações que Amor está movendo.
E em torno ao lábio teu, como alta lira
Que dedos invisíveis vão tanjendo,
Um mundo de almas tremulas suspira.
-+3H-
145
146
POEMAS E SONETOS
VIII
Emquanto a Primavera vai deixando
Os fios de ouro na corola aberta,
A esmeralda nas folhas, e no ar brando
Aquella doce luz, tremula e incerta;
Emquanto os roseiraes se enfloram, quando
O jasmineiro, em cachos, descoberta
Mostra a flor de marfim, e, ao vento, ondeando,
Toda a selva em clarões freme e desperta;
POEMAS E SONETOS
Emquanto o sol dardeja e o azul deslumbra,
Meus olhos andam cheios de penumbra,
E uma pedra me aperta o coração!
E' que, por tudo, sinto, num queixume,
A enganosa illusão do teu perfume,
A tua voz, e o teu contorno vão,
147
148
POEMAS E SONETOS
IX
Longe do teu olhar a terra é escura,
A flor não viça, as águas são pedrentas;
As horas, de saudosas, são mais lentas,
E amarga mais nas almas a amargura.
Longe do teu olhar toda a doçura
Dos campos foge em brumas fumarentas,
E a ventura da vida, que alimentas,
Pouco e pouco se volve em desventura,
POEMAS E SONETOS
Ora, se a Natureza assim castigas,
Eseas coisas amigas e inimigas,
Mergulha tua ausência em prantos e ais;
Que poderei dizer, então, da minha,
Da minha natureza tão mesquinha
Que teu olhar não illumina mais!
-+3Í+-
149
FIGURAS DE CINZA E DE OURO
fi filceu Rmoroso Lima
POEMAS E SONETOS
Pastoral
O carro das vindimas, lentamente,
Com as rodas de ouro e bronze bate p solo
Nos morros arde a purpura do poente,
Na sombra espiam nymphas de alvo collo.
Em derredor faz ronda a rude gente
De rijos cornos, frauta a tiracollo,
Satyros, faunos; e, num bando, á frente,
Ménades brutas roncam contra Apollo!
Dos pampanos virentes rompem bagos,
Nas amphoras o mosto flavo oscilla,
Em reflexos metallicos e vagos.
O ar embebeda as fontes, no caminho,
E pela tarde tepida e tranquilla,
As águas, tontas, sonham que são vinho...
153
154
POEMAS E SONETOS
Pean
Ergue para o céo calmo as leves mãos serenas;
Pede a gloria que embriaga, e a victoria que offusca ;
Antes que a frota real das galeras hellenas
Rompa, num turbilhão, as curvas da onda brusca !
Ferve no mar de opala a espuma das carenas;
E, das terras ideaes, que teu desejo busca,
Vem, no aroma subtil dos cravos e açucenas,
A graça pastoril de uma canção etrusca.
POEMAS E SONETOS
Desenham-se no azul, que a luz accende e escalda,
As serras de cristal, e os campos de esmeralda,
Que teus guerreiros vão, sequiosos, conquistar!
Levanta ao sol dourado as leves mãos radiosas,
E, como quem desfolha um punhado de rosas,
Desamarra, em festões, as bandeiras pelo ar!
-+&*-
155
156
POEMAS E SONETOS
Medalhão
No terraço esculpido, entre alvos alabastros,
Triste, adormeces junto ás amphoras esguias ;
A cabeça inclinada, os cabellos desnastros,
Onde estão refulgindo o âmbar e as pedrarias.
A água, de encontro ao cáes, rola, num cofre de astros,
E, ao fundo, entre clarões, ferindo as ondas frias,
Passam triremes com grinaldas pelos mastros,
Carregadas de sal, de vinho e especiarias.
POEMAS E SONETOS
157
Como um jardim, os teus contornos, lentamente,
Vão florindo, na sombra, em tons de um suave louro,
Com um perfume que lembra as magnolias, ao luar;
E nos longes, que a noite enche de cinza ardente,
Entre palmas, tropheus, flammas e espumas de ouro,
Na trompa dos tritões soluça o velho mar...
-HS+-
158
POEMAS E SONETOS
Festim pagão
Numa ronda de luz, dentro dos bosques mudos,
Ao sonoro bater dos tambores retezos,
Entre taças de bronze, e encurvados escudos,
Correm faunos febris, de olhos fundos, accezos.
Toda a selva estremece, e, nos relvados rudos,
Ha gritos, maldições, promessas e despresos;
Emquanto, mollemente, os satyros cornudos
Dansam, na grama fofa, em pelles finas presos.
POEMAS E SONETOS
159
A tarde desce, longe. Em tropel, as bacchantes,
Ao som das tubas de ouro e das frautas de cana,
Passam, as mãos nas mãos, tremulas, cambaleantes.
E quando a lua vem, de súbito, os compassos
Emmudecem no espaço, e a sombra se engalana
pe grinaldas de soes, de beijos e de abraços !
-*&*-
160
POEMAS E SONETOS
Baixo-Relevo
Sobre os altos cyprestes, rubra e ardente,
Uma tarde triumphal desce, e agonisa;
E Fauno, as mãos pelludas, de repente,
Abre para uma nayade imprecisa.
Embora o olhar o engane, Fauno sente
Uma boca a beijar-lhe a alma indecisa,
E tonto, estende os braços para a frente,
Como se visse espadua nua e lisa.
POEMAS E SONETOS
No crepúsculo triste, uvas e rosas
Tombam feridas de melancolia,
Dentro do bosque, em rondas silenciosas.
E Fauno, ainda uma vez, abre as mãos lassas,
Emquanto a sombra apaga, suave e fria,
Uvas e rosas, pampanos e taças.
-HK
161
162
POEMAS E SONETOS
Vinho amargo
A coroa de louros sobre a fronte,
Erguendo ás mãos a taça, e a palma de ouro,
O poeta vê, na curva do horizonte,
Franjas de céo, pedras de ancoradouro.
Brilham no mar sereno as naus, e a ponte
Que rasga as ondas como um brigue louro.
E tudo boia em sol, águas de fonte,
Tanques de prata, ou leões de pateo mouro.
POEMAS E SONETOS
De súbito, porém, pallida e nua,
A vida enche-lhe a taça de berylo,
E elle mergulha os lábios, e recua !
Pois no vinho que a vida lhe offerece,
Como num fundo olhar, negro e tranquillo,
Todo o pavor da morte lhe apparece!
-***<-
163
164
POEMAS E SONETOS
Chuva de astros
O céo tranquillo é uma amphora redonda,
Cheia de prata e de ouro, a transbordar;
E nos jardins, ao longe, em lenta ronda,
Os pavões abrem leques para o luar.
Emquanto a bruma desce, de onda em onda,
Sobre as frondes da selva secular,
O vento vai fazendo a estranha monda
Das roseiras que se desfolham no ar.
POEMAS E SONETOS
Nos lagos de esmeralda um canto ardente
Tremula, e sobe, num rumor de liras,
Por entre jorros de água transparente;
E, pelo espaço immenso, que relumbra,
Em turbilhões de opalas e safiras,
Estremecem as azas da penumbra!
-*4tH-
165
166
POEMAS E SONETOS
Festa veneziana
Sobre as águas de purpura abre o poente
Faixas fulvas de luz, franjas esguias
E ondulantes de prata viva e ardente,
Num claro rebrilhar de pedrarias.
Em cada planta aquática, dormente,
Que as raizes distende, e as folhas frias,
Refulge um raio de ouro, levemente.
A tarde cae do alto das pcnedias!
POEMAS E SONETOS
Num florão de grinaldas caprichosas
De violetas, crysanthemos e rosas,
As gondolas baloiçam no canal.
O sol desapparece... Ha um riso de ânsia!,
Emquanto vai subindo, na distancia,
Num céo de espuma, a lua de cristal...
167
168
ruiMvi/\:>
u,
SUAIUUJ
Sombras que voltam
Dentro do nosso olhar, ás vezes, nasce,
Como na água de um lago transparente
Uma indistincta floração fugace,
Todo o passado, em ronda, suavemente.
E o juramento que se fez, e a face
Que se beijou, chorando, docemente,
E volta, pallida, (e antes não voltasse!)
Tudo se ergue na sombra, de repente.
POEMAS E SONETOS
E são verões, outonos, primaveras,
Mares coalhados de astros e galeras,
Tardes de prata, auroras de cristal;
E cidades que, longe, vão surgindo,
A' beira azul de um golpho calmo e lindo,
Entre grinaldas de âmbar e coral!
-*4H-
169
170
POEMAS E SONETOS
Vesperal
A hora veste de cinza toda a altura,
Cinza que os astros vão manchando de ouro;
E o céo é como a boca de um thesouro,
Onde ha brilhos ferindo a névoa escura.
Na solidão, que augmenta ainda a espessura
Dos bosques, como num castello mouro,
Modulam frautas e arrabis, em coro,
Velhos rimances de ódio e de doçura.
POEMAS E SONETOS
Súbito, as vozes calam-se, na sombra.
Uma figura pallida se escombra
Por traz dos ramos, sob a luz do luar;
E na amargura, que adormenta o espaço,
Meu coração, como um violino lasso,
Parte as cordas de tanto soluçar..
171
172
POEMAS E SONETOS
Pomona
Dentre um perfume, que entontece,
De loura manga e de maçã,
Teu leve corpo me apparece
Na claridade da manhã.
Tal uma jóia, resplandece
Nas verdes ramas, a romã;
E, pela relva, humilde, cresce
A crespa folha da hortelã.
POEMAS E SONETOS
Por onde vai teu pé ligeiro,
Atraz do qual o pegureiro
Tonto de amor, se cansa, em vão!
Logo das coisas foge a calma:
Em cada flor palpita uma alma,
E em cada fruto am coração..
->*ft-
173
174
POEMAS E SONETOS
A' espera do luar
Do balcão de ouro, que um rosai incensa,
Pelas arvores calmas, orvalhadas,
Teus olhos, cheios de saudade intensa,
Ainda procuram fôrmas apagadas.
Dentro da sombra velludosa e densa,
Os chorões se debruçam nas estradas ;
E pela noite azul, serena, immensa,
As horas tombam .lentas, socegadas.
POEMAS E SONETOS
175
Emquanto o céo se enche de pedrarias,
Soluçam nos jardins as águas frias
De um tanque, onde ha tritões de humidos flancos.
E, ao fundo, longe, antes que a lua rompa,
Ao som da avena rústica e da trompa,
Descem dos montes os rebanhos brancos.
-5-SS-í—
176
POEMAS E SONETOS
Transfiguração
Quando o silencio vai crescendo, quando
O poente accende os lírios de marfim,
As tuas mãos parecem pombas, voando
Na penumbra macia do jardim.
Como um cristal resoante vaes passando,
Com perfumes nostálgicos, por mim;
E teus braços, de um talhe real e brando,
São dous pavões de espuma e de setim.
POEMAS E SONETOS
Súbito, é um caule ideal teu corpo esguio,
Uma folha que esvoaça, no arrepio
Da ramaria ondeante dos chorões.
Mas, depois, vestes o ar de estranho luxo,
E, numa refulgencia de clarões,
Lembras a chuva de ouro de um repuxo!
-HS+-
177
178
POEMAS E SONETOS
Melancolia
A tarde cáe; no espaço triste
Os astros vêm, as aves vão..
Ah! tudo, tudo quanto existe
É dissabor, desillusão.
Andam, na estrada que seguiste,
Olhos sem luz, bocas sem pão.
Ha quanto tempo tu partiste ?
Nem sabe já meu coração...
POEMAS E SONETOS
A frauta de um pastor remoto,
Por entre as sebes de jasmim,
Chora o amargor de quanto existe ;
E como um grande lirio ignoto,
Laivado de ouro e de marfim,
A tarde cáe no espaço triste.,.
' "^#jP
179
180
POEMAS E SONETOS
Exílio amargo
Ah! toda esta ansiedade e toda esta tortura
Vieram morrer dentro de mim, sem um gemido.
Hora que, em vão, sonhei! A vida fel-a escura.
E, agora, meu desejo é um parque desflorido.
Tudo passou por nós, tudo passou... procura
No meu sombrio olhar aquelle áureo sentido,
E somente verás, como em velha gravura,
A apagada expressão de um perfil esquecido!
POEMAS E SONETOS
E tu foste, depois, para a insomne alegria,
A semear, em clarões, na poeira das estradas,
A gloria do teu canto, o ouro da tua vida,
E eu fiquei para errar, mãos sem sol, alma fria,
Entre abysmos sem fundo, e selvas desoladas,
Na saudade e no horror de uma pátria perdida!
-Mi*-
181
Queata selua seluaggia eâ aspra e forte
Che nel pensier rinnuoua Ia paura—
Oante- (Inferno. Canto I o )
R Renato RImeiàa
POEMAS E SONETOS
185
Florestas irmãs
Olha estas frondes reaes que a lua banha,
Olha, e medita! A selva, aqui, se espelha
Entre pesadas sombras, que a scentelha
Das errantes estrellas acompanha.
Como, em torno, a floresta é espessa e estranha!
Não canta uma ave, nem a leve abelha
Esvoaça, nem, nas relvas, a vermelha
Papoula aos verdes brotos se emmaranha...
Olha, agora, tua alma; olha, e medita!
Que floresta de enganos, infinita,
Lentamente cresceu da tua dor!
Vê como, assim, na sombra mergulhadas,
Têm as duas florestas desoladas
O mesmo desespero, e o mesmo horror!
186
POEMAS E
SONETOS
A eterna pergunta
Deante da eterna dor, do mal insano,
Não é de mais a ventura promettida;
Não é de mais uma vida, além da vida,
Onde será divino o sêr humano!
Dentro da sanha desse amargo oceano
De miséria continua, repetida,
Cada illusão recorda uma ferida,
Cada alegria traz um desengano...
POEMAS E SONETOS
Porque, meu Deus, essa tortura immensa,
Essa noite profunda de descrença
Em que as almas se agitam, com pavor ?
Porque, Senhor, tanta revolta obscura,
Nessa infeliz, humillima creatura,
Que tem medo de crer no seu Creador?.
-rtfr-
187
188
POEMAS E
SONETOS
Noite
No remanso da noite, quem não sente
Uma velha afflição, magoada, immensa?
Quem não abaixa os olhos, de repente,
Cheio de inquietação, e de descrença!
Essa tranquillidade funda, algente,
Feita de desengano e indifferença,
Onde os seres se apagam, lentamente,
Quem ha que dentro da alma insomne a vença?
POEMAS E SONETOS
Nas arvores, nas brumas vaporosas,
Nas pedras rudes, nas planícies erra
A tristeza das coisas silenciosas.
E quanto mais de horror a alma recua,
Mais sombra cáe dos ares sobre a terra,
Mais refulge no céo sereno a lua.
-*S**-
J89
igO
POEMAS E SONETOS
Avatar
Antes, a alma que tenho andou perdida.
Por que mundos rolou, que mão subtil
Poz tão nobre fulgor, e estranha vida,
Nesse bocado de ouro e barro vil ?
De certo, arvore foi: verde jazida
De ninhos, sob o céo de espuma e anil.
E foi grito de horror, na ave ferida,
E, na canção de amor, sonho febril!
POEMAS E SONETOS
Foi desespero, soffrimento mudo,
Ódio, esperança que tortura e inferna;
E, depois de exsurgir, triste, de tudo,
Veio para chorar dentro em meu sêr,
A amarga maldição de ser eterna,
E, a dor de renascer, quando eu morrer!
• * & * -
191
192
POEMAS E SONETOS
Deus
A que terras sombrias e geladas
Fantasma, nos conduzes ? Que florestas
De arvores negras, solidões funestas,
Guardarão nossas almas torturadas ?
Entre vãos desesperos, e entre festas,
Depois de tantas illusões falhadas,
Na successão de noites e alvoradas,
Só tu, fúnebre horror, só tu nos restas!
POEMAS E SONETOS
Só tu, fúnebre horror maravilhoso,
Que não dás um minuto de repouso
Ao nosso humano, estreito coração;
Só tu, figura pensativa e estranha,
No alto da tua trágica montanha,
Onde nem chega a nossa maldição!
-+&+-
193
194
POEMAS E SONETOS
Desejo
Pelo nosso desejo enlouquecemos ;
Pois no bem alcançado um novo engano
Enche de angustia o coração humano,
Com a ventura que não alcançaremos!
Dolorosa illusão que não podemos
Supportar, nem vencer, e é mal insano
Que ruge dentro em nós, como um oceano
Onde, aos poucos, chorando, nos perdemos.
POEMAS E SONETOS
Dolorosa illusão, que é a própria vida,
Fugitiva, fallaz, inattingida,
Que as nossas mãos procuram, sem tocar.
Ah! desejo, que, em sendo satisfeito,
Augmenta novamente em nosso peito
Como as ondas augmentam sobre o mar.
-HI+-
195
196
POEMAS E SONETOS
A um Filho Pródigo
Volta! ainda é tempo! Branca, no horizonte,
Tua aldeia sorri sobre a coluna.
Cumpra-se nesses valles tua sina,
Seja teu mundo esse tranquillo monte;
Seja teu mundo essa encurvada ponte
Que sobre o rio, tremula, se inclina,
E esse trecho de céo que te illumina
A larga, franca e pensativa fronte!
POEMAS E SONETOS
A vida, ahi fora, em ondas, tumultua.
Ouve teu rude coração. Recua!
Volta aos humildes, mas felizes, tectos:
Que as estrellas terão mais calmos brilhos
Para velar o somno de teus filhos,
E a terra sorrirá para teus netos!
-HK-
197
198
POEMAS E SONETOS
A Resposta do Homem
A Freitas Valle
"Homem! que queres mais? Dei-te a alegria
Que move os mundos harmoniosamente;
E o céo cheio de estrellas, e a poesia
Da aurora casta, e a lagrima do poente."
"Dei-te a floresta espessa, e a pedraria
Límpida, a água das fontes, transparente,
E o vinho de ouro, a flor tremula e fria,
E o silencio mais sábio que a serpente..."
POEMAS E SONETOS
"Dize, que queres mais ? O amor, a gloria,
A força, ainda mais bella que a Belleza,
A eternidade na hora transitória ?''
"Que queres mais, se as tuas mãos têm tudo,
Se é toda tua a immensa Natureza?''
E o Homem olhou a terra,e ficou mudo..
-•»<-
199
200
POEMAS E SONETOS
Fumo
Todas as fôrmas passam, lentamente,
Por meu desejo, que anda a procural-as.
Mas, se tento attingil-as, de repente,
Mudam-se em fumo, em sombra, em névoas ralas.
Palavras que são como a água dormente
Na clausura de um vaso! Onde encontral-as,
Capazes de exprimir o sonho ardente
Que ha num repuxo, ou num collar de opalas?
POEMAS E SONETOS
201
Palavras que promettem maravilhas,
Como, á distancia, o mar, que se abre em ilhas,
Em pérolas, madréporas, coraes....
Mas, que a um leve tocar das mãos ansiosas,
Quebram no azul as linhas caprichosas,
Como as ondas amargas contra o cães!
-**$+-
202
POEMAS E SONETOS
PÓ
«De onde vens, cavalleiro mysterioso,
No teu ginete de revoltas clinas ?
Que manhãs, e que tardes cristallinas
Atravessaste, inquieto e sem repouso ?»
Olhando, assim, no cimo das collinas,
O vulto pensativo e silencioso,
Os homens clamam, prelibando o goso
Das verdades eternas e divinas.
POEMAS E SONETOS
«Quem é o nosso Deus ? A dor, a gloria,
O sonho, o amor ? Que força transitória,
Para a illusão formou o nosso sêr ?»
E os homens viram, mudos, de repente,
Uma nuvem de pó subir no poente,
E o cavalleiro desapparecer...
«"T*35*^ "
203
204
POEMAS E SONETOS
No alto da montanha
A Rodrigo Octavio Filho
O homem medita... A sombra ondeia, suavemente,
Sobre a planicie, longe. A voz das cousas, lassa,
No ar da tarde, subtil, como um suspiro passa,
Cresce, um pouco, e, depois, cala-se de repente.
O homem pensa: Ser bom! e, ao mesmo tempo, algente,
Um pássaro nocturno as azas espedaça
De um pobre insecto esquivo, e uma alta estreita traça
Uma curva de luz no céo indifferente...
POEMAS E SONETOS
205
O homem escuta: O mundo accorda na sua alma!
E o silencio feliz da Natureza calma
Não lhe ouve o coração, que se abre num só grito !.
E o homem levanta o olhar, e vê que anda por tudo,
Nas montanhas, no chão, no mar, no espaço mudo,
Essa tristeza immensa e vaga do infinito...
-*3*«-
206
POEMAS E S O N E I U S
Fábula
Suspenso ao ramo verde o fruto louro
Entreabre para o sol, como um escudo,
A rosea pelle, toda esfriada de ouro,
Que lembra, na maciez, pluma ou velludo.
Parece, dentre as folhas, um bezouro,
De azas fechadas, reluzente e mudo ;
Emquanto vaes, assim como a um thesouro,
Subindo, pouco e pouco, o tronco rudo.
POEMAS E SONETOS
Cuidado I Não te arraste a lide insana,
Vê melhor! Quasi sempre as amarguras
Já foram sonhos, dentro da alma humana.
Se tens sede, e mais nada, a arvore é boa.
Mas se é felicidade que procuras,
O bezouro se move.,. e o fruto vôa,
•»4S*-
207
208
POEMAS E SONETOS
Caminho eterno
Os homens vão as almas arrastando
Por abysmos sem luz, e por estradas
Onde o sonho mais límpido e mais brando
Logo se volve em sombras desoladas.
As mãos levantam no ar, e é sempre quando
As mãos levantam, tremulas, cansadas,
Que outros caminhos surgem, serpenteando,
No pincaro de serras escarpadas!
POEMAS E SONETOS
Onde a felicidade promettida ?
A insania que nos leva para a vida
Leva-nos, todos, para um bem ausente.
E, depois de andar tanto, que perdura ?
Um punhado de cinzas, e a amargura
De ter andado tanto, inutilmente...
-**s«-
209
ÍNDICE
ÍNDICE
Vid«
POEMAS DE AMOR
Noclium os
Anoitece
Sobre o rio tranquillo espelha-se um pomar
Vens no perfume do ar, como a tranquilla imagem.
Pelo velho jardim, que a noite enche de bruma....
Ao luar. os violoncellos, entre os choupos
A lâmpada abre, no ar, como um lirio vermelho...
No alto dos morros boia a lua de ouro
11
13
\5
19
21
23
25
ELEGIAS
Teu vulto leve, ao fundo do passado
29
Pela nevoa a ondular, como um acorde lento
31
Em teu olhar que guarda as florações extranhas..
33
No deserto jardim, que a bruma envolve, pelas....
35
Napa% do outono
57
Vê.como a sombra ê suave, e o céo como está perto.
59
ROMANCE EBALLADA
Romance
Bailada
*3
45
214
POEMAS E SONETOS
POEMAS DA NATUREZA
Allegoria da manhã.
Allegoria da tarde
Allegoria da noite .*T. . . .
Manhã de inverno
Maio Ridente
Crepúsculo
Primavera
Serenidade
Noite de Junho no Campo
Manhã de pedrarias
Tarde de chuva
A sombra que passa
Silencio
Na doçura da farde
..
....
4953
55
57
59
61
63
65
67
69*
73
75
77
81
POEMAS DA VIDA
Deante da vida
A um adolescente
1
N
III
IV
V
VI
VII
Destino
...
Onda
A estrada sem fim
Entre os choupos da estrada
85
99
101
103
105
107
109
111
113
115
123
127
POEMAS E SONETOS
215
SONETOS
Velhas imagens
. ..
Fortuna, por meu mal, me tem mudado.
A uma Senhora indtffertnte
Junto das águas frescas, suspirosüs....
Onde pu%erdes vosso amor
Quem teve á mão o fruto cobiçado...
A' maneira do Renascimento
Emquanto a Primavera vai deixando. .
Longe do teu olhar a terra é escura..
133
134
136
138
140
142
144
146
148
FIGURAS DE CINZA E OURO
Pastoral
Pean
A' espera do luar..
Transfiguração . . •
Melancolia . . .
Exilio amargo..
153
154
156
158
160
162
164
166
168
170
172
174
176
178
180
Florestas irmãs.
A eterna pergunta.
185
186
Medalhão
Fesfim pagão. . .
Baixo-Relevo...
Vinho amargo.
Chuva de astros..
Festa Veneziana...
Sombras que voltam
Vesperal
Pomona
216
POEMAS E SONETOS
Noite
Avatar
Deus
Desejo.
A um Filho Pródigo
A Resposta do Homem
Fumo
Pó
No alto da montanha
Fábula
Caminho eterno
..
-»**«-
188
.190
192
194
196
198
200
202
204
206
208
aonALDDXACyAlíWf
CLA^BEILLE-ZA
5IL01CI05AF
lâ
BRASILIANA DIGITAL
ORIENTAÇÕES PARA O USO
Esta é uma cópia digital de um documento (ou parte dele) que
pertence a um dos acervos que participam do projeto BRASILIANA
USP. Trata‐se de uma referência, a mais fiel possível, a um
documento original. Neste sentido, procuramos manter a
integridade e a autenticidade da fonte, não realizando alterações no
ambiente digital – com exceção de ajustes de cor, contraste e
definição.
1. Você apenas deve utilizar esta obra para fins não comerciais.
Os livros, textos e imagens que publicamos na Brasiliana Digital são
todos de domínio público, no entanto, é proibido o uso comercial
das nossas imagens.
2. Atribuição. Quando utilizar este documento em outro contexto,
você deve dar crédito ao autor (ou autores), à Brasiliana Digital e ao
acervo original, da forma como aparece na ficha catalográfica
(metadados) do repositório digital. Pedimos que você não
republique este conteúdo na rede mundial de computadores
(internet) sem a nossa expressa autorização.
3. Direitos do autor. No Brasil, os direitos do autor são regulados
pela Lei n.º 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Os direitos do autor
estão também respaldados na Convenção de Berna, de 1971.
Sabemos das dificuldades existentes para a verificação se um obra
realmente encontra‐se em domínio público. Neste sentido, se você
acreditar que algum documento publicado na Brasiliana Digital
esteja violando direitos autorais de tradução, versão, exibição,
reprodução ou quaisquer outros, solicitamos que nos informe
imediatamente ([email protected]).
Fly UP