...

universidade de brasília

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

universidade de brasília
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
INSTITUTO DE PSICOLOGIA
GREGÓRIO DE SORDI GREGÓRIO*
LUIZ AUGUSTO M. CELES**
Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a respeito dos hooligans
Brasília
2011
*
Mestrando em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB); ex-membro do Grupo
de Intervenção Precoce nas Primeiras Crises do Tipo Psicótica (GIPSI); Realiza
psicodiagnósticos e atende, com orientação psicanalítica, adolescentes e adultos em
consultório particular localizado em Brasília-DF. Nas horas vagas escreve reflexões no
blog Por Que Será? [email protected]
**
Psicanalista; especializado em Psicologia Clínica (CFP); doutor em Psicologia
Clínica (PUC-Rio, 1991), pós-doutorados (UCL, Bélgica, 1996; PUC-SP, 2003; PUCRio, 2010). Professor titular aposentado do Departamento de Psicologia Clínica da
Universidade de Brasília; Pesquisador colaborador da Universidade de Brasília; bolsista
do CNPq; membro do Conselho Editorial de revistas especializadas, como, Revista
Tempo Psicanalítico, Revista Psicologia Clínica e Revista Ágora. Tem experiência na
área da Psicanálise, e se debruça principalmente sobre os temas da clínica psicanalítica,
sexualidade, pulsão, Freud e processos de subjetivação. Atende em consultório
particular. [email protected]
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Resumo
O presente artigo utiliza a semiologia psicanalítica para explicar o
comportamento dos hooligans, tendo como base os documentários The real football
factories (2006) e The real football factories international (2006). São abordados os
conceitos de pulsão de morte, pulsão de vida (Eros), identificação, sublimação, ego
ideal e ideal de ego. Uma vez que esses se referem, prioritariamente, ao âmbito
individual, foi demonstrado, a partir do texto de Freud Psicologia de Grupo e análise do
ego (1921), que um grupo organizado pode ser considerado um catalisador para que as
pulsões possam encontrar vazão mais facilmente. Conclui-se que não há prejuízo
significativo ao analisar os grupos denominados hooligans por explicações que, em seu
sentido original, são do âmbito individual.
Palavras chave: hooligans, torcidas organizadas, futebol, violência, psicanálise.
Abstract
The present article uses the psychoanalitic semiology the behavior of the
hooligans, based on the documentaries The real football factories (2006) and The real
football factories international (2006). Death drive, life drive (Eros), identification,
sublimation, ideal ego and ego ideal. Once those they refer, priorly, to the individual
ambit, it was demonstrated, starting from Freud's text Group Psychology and analysis of
the ego (1921), that an organized group can be considered a catalyst so that the drives
can find flow more easily. It is concluded that there is no loss when analyzing the
groups denominated hooligans based on explanations that, in its original sense, refer to
individual extent.
Keywords: hooligans, firms, football, violence, psychoanalysis.
1
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Hooligans é o nome dado a grupos de torcedores de eventos esportivos, em
especial o futebol, que freqüentemente entram em confronto com torcedores de outro
time. Seu comportamento ganhou tamanha reputação que filmes e documentários foram
realizados visando retratar os aspectos referentes aos hooligans. Peter Day é o criador
do documentário intitulado The Real Football Factories (2006), onde, em seis
episódios, retrata a realidade dos hooligans no país em que ganharam maior reputação: a
Inglaterra. Em seguida, o documentário se estendeu a nove outros países: Turquia,
Argentina, Itália, Croácia, Sérvia, Holanda, Brasil, Polônia e Rússia. Na Argentina, o
termo utilizado para denominá-los é Barra Brava. De acordo com um de seus
integrantes, “quando se é um Barra Brava, você não sente medo, você se acostuma com
as brigas” (Day, 2006b). Na Itália, eles denominam-se Ultras, que significa além do
limite. “Um Ultra deve sempre ir além do limite, ter uma paixão insana. Se você não for
insano, não é Ultra” (Day, 2006b). Esses torcedores se juntam com outros que
compartilham o mesmo sentimento perante um time e formam uma entidade, que na
Inglaterra é denominada de firms, enquanto no Brasil utiliza-se a expressão “torcida
organizada”. Tratam-se de torcedores exaltados, em que a paixão pelo time é
semelhante, ou até maior, à paixão pela família e os amigos: “O sentimento que a gente
tem pelo Flamengo é o mesmo que a gente tem por uma família nossa ou por um
parente nosso. É um sentimento de amor muito grande” e “O Grêmio é minha religião,
minha vida. Sem o Grêmio não sou ninguém” (Day, 2006b). Esses são exemplos de
discursos que reforçam a importância que o time possui na vida desses torcedores.
Assim, o time chega a constituir a razão de ser do sujeito, podendo esta ser diretamente
comparada à razão religiosa.
Todas as torcidas organizadas possuem um representante, situado no cargo de
presidente e que é trocado de acordo com as normas de cada firma. Além deste, há
possivelmente outros cargos (depende do tamanho da torcida organizada) tais como
vice-presidente, diretor de bandeiras, tesoureiro, secretário, diretor de bateria, diretor de
eventos ou até tatuador oficial do clube (Day, 2006b; Toledo, 1996).
Devido aos crimes cometidos pelas torcidas organizadas, o termo gangue é
comumente usado para representá-las. Contudo, torcidas organizadas não são gangues.
2
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Seus membros querem mais o sangue do inimigo do que praticar crimes. Estes são
somente conseqüências do ato em si, mas não são o objetivo. O intuito é bater na outra
torcida organizada, afrontá-la, denegri-la da maneira mais humilhante possível,
realizando atos que uma torcida organizada possa contar e rir sobre, dos quais seus
membros gozam de maneira unificada. A recompensa para esses atos é a reputação que
eles trazem consigo. Todas as torcidas organizadas se referem como sendo a maior e
mais valente torcida organizada e, nesse relato, realizam a fruição de seu gozo. Os
representantes da Mancha Alvi-Verde relatam que é difícil encontrar no mundo outra
torcida que seja tão valente quanto a deles. O presidente de seus arquirrivais, os Gaviões
da Fiel, refere-se a sua torcida como “a maior torcida organizada da América latina”.
Entretanto, o presidente da La Doce, torcida organizada que representa o Boca Juniors
da Argentina, informa que a La Doceé reconhecida por ser a maior torcida organizada
do mundo (Day, 2006b). A congruência entre os discursos das torcidas organizadas
aponta para o entendimento de que estas constituem um exemplo do narcisismo
postulado por Freud — na forma de um narcisismo compartilhado.
Freud (1914) conceitua o narcisismo primário como um investimento pulsional
amoroso que o sujeito realiza em si mesmo a partir do espelho dos pais. Esse se
constitui como um protetor do psiquismo, promovendo o sentimento de ideal, perfeição
e completude. Neste momento, o ego real coincide com o ego ideal e o ideal de ego.
Porém, a partir da castração, a criança passa a ter noção de que não goza de completude
e, no decorrer de sua vida, essa afirmação é reforçada pelos argumentos de terceiros
(educadores, por exemplo) e pelo seu próprio julgamento. No entanto, como acontece
sempre que a libido está envolvida, para o sujeito torna-se difícil abrir mão de uma
satisfação que outrora desfrutou. Não disposto a renunciar à perfeição narcisista de sua
infância, procura recuperá-la sob a nova forma de um ego ideal. Assim, “o que ele
projeta diante de si como sendo seu ideal é o substituto do narcisismo perdido de sua
infância na qual ele era o seu próprio ideal” (Freud, 1914, p. 101).
Neste sentido, ao atribuir a si o atributo de melhor, ou seja, ao igualar este ideal
ao ego real, os participantes das torcidas organizadas estão buscando combater a sua
representação de sujeito enquanto falta. Aliás, parece adequado afirmar que buscam
3
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
suprir a falta que, justamente, caracteriza cada um como sujeito. A falta que se busca
suprir numa tentativa vã, nesse sentido, seria aquela que funda o sujeito barrado no
inconsciente, não se tratando simplesmente de uma falta imaginária (embora possa ser
imaginária a tentativa de sua supressão). Podemos sugerir que o imaginário da
completude em grupo (segundo o processo da identificação já anunciado por Freud,
1921) tem por objetivo blindar, por assim dizer, o sujeito de sua castração, do
barramento mais fundamental que o constitui como tal sujeito. Abusando de termos
lacanianos, o objetivo pode ser expresso como a tentativa de fazer coincidir o simbólico
com o imaginário pela supressão do real, isto é, da castração. Busca-se a onipotência,
que jamais efetivamente se alcança, se não imaginariamente, que dizer, como
sentimento de onipotência.
Entretanto, a formação de um ideal aumenta as exigências ao ego, necessitando
constantemente de uma reafirmação narcísica. Freud (1921) aponta que há sempre uma
sensação de triunfo quando algo no ego coincide com o ideal do ego, e um sentimento
de culpa ou inferioridade quando isto não ocorre. Tal sentimento de inferioridade é
insuportável para os integrantes das torcidas organizadas, como mostra um torcedor do
Vasco integrante da Força Jovem, relatando que “não importa o jogo, ganhar do
Flamengo é essencial. Se não ganha no jogo, ganha lá fora” (Day, 2006b).
Neste sentido, a necessidade de satisfazer o ideal do ego é, em um primeiro
momento, o que faz as torcidas organizadas brigarem entre si. Portanto, pode-se
considerar que as outras torcidas organizadas constituem o objeto de satisfação do ideal
de ego, mas cuja satisfação se alcança no confronto que reduz o objeto a objeto a ser
suplantado e, virtualmente, eliminado. Por outro lado, é uma satisfação narcísica que
não garante a permanência da situação de superioridade, a satisfação é imediata. As
superações que proporcionam a satisfação são de momento, ao sabor de cada vitória ou
derrota do time “amado”, não envolve a superação definitiva do outro time. Pode-se
dizer, vitória e derrota da própria torcida organizada; o time ele mesmo permanece num
outro plano, objeto de devoção (mesmo no caso de um ou outro jogador — e por vezes
o próprio time — ser vaiado). “Lá fora”, vai-se à revanche com a outra torcida
organizada. Uma torcida organizada é, portanto, necessária para a outra, uma vez que
4
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
para que o “eu” coletivo aí implicado possa ser o melhor, precisa ter alguém que o faça
se sentir assim. Se o outro não existir, serei melhor que quem? No entanto, não se trata
certamente da existência de um outro simbólico, capturado na rede das simbolizações
que dão sentido à existência e à perspectiva de futuro. A outra torcida organizada,
mesmo que oponente, é complementar. Como no testemunho em uma situação de
análise, “uma super mãe completa-se com um infra filho!”
Mas por que tanta violência? Possíveis explicações podem ser derivadas das
concepções de Freud sobre as pulsões que movem o ser humano. Em 1915, em Os
instintos e suas vicissitudes, Freud expôs sua teoria das pulsões, em que esta seria um
conceito situado entre o psíquico e o somático. Neste sentido, a energia do ser humano
não vem de fora, mas de dentro, cabendo ao psiquismo dar vazão a esta energia. Freud
(1905) conceitua a fome e a sede como representantes da pulsão de nutrição. Devido à
falta, uma estimulação proveniente do somático atinge o psíquico, impulsionando o
sujeito a satisfazer esta pulsão. A pulsão sexual é análoga a pulsão de nutrição, se
constituindo como uma fonte endossomática de estimulação que flui continuamente. Ela
é regida pelo princípio do prazer, sendo este da ordem da homeostase. A recuperação do
equilibro resulta no prazer, assim como o aumento de excitação e sua diminuição
(relaxamento). Há, assim, uma necessidade de voltar ao estado original.
Como a pulsão sexual não se esgota, muitas vezes o psiquismo não consegue dar
vazão a esta energia. Freud (1915) aponta quatro vicissitudes para quando uma pulsão
encontra uma barreira a sua satisfação, que constituem defesas colocadas pelo aparelho
psíquico para que a pulsão se satisfaça mesmo que parcialmente: a reversão no oposto, o
retorno ao próprio eu, a repressão e a sublimação. O destino de retorno ao eu pode se
apreender das sugestões já feitas sobre a conquista do ideal do ego, numa forma de
narcisismo absoluto, embora continuamente em crise pela presença do outro
complementar (a outra torcida organizada) ou do outro cuja ação violenta da torcida
organizada o torna complementar. Esta hipótese de retorno ao eu em busca do ideal do
eu (para se alcançar talvez um estado de eu ideal) elimina por incompatibilidade o
destino da repressão acompanhado do retorno do reprimido. A identificação de grupo
elimina (ou pretende eliminar) toda repressão, e visa o alcance imediato da satisfação
5
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
pulsional. A violência e a agressão poderiam ser entendidas como reversão no oposto do
vínculo de amor. No entanto esse entendimento requer mais elaboração que será
retomada à frente. Resta pensar o destino sublimação, embora pareça absurdo no caso.
Entretanto, a se considerar o mecanismo, o processo envolvido na sublimação, certa
proximidade pode ser verificada entre a sublimação e a atuação das torcidas
organizadas, melhor dizendo, semelhança de certo processo pulsional presente nas duas
situações. O ideal do eu empresta igualmente sua função à sublimação e à ação violenta
e agressiva das torcidas organizadas, como se discute a seguir.
Freud (1914) coloca que “a sublimação é um processo que diz respeito à libido
objetal e consiste no fato de a pulsão sexual se dirigir no sentido de uma finalidade
diferente e afastada da finalidade da satisfação sexual” (p. 101). Há, portanto, uma
deflexão (alteração ou desvio da posição natural) da sexualidade. Segundo Nasio
(1988), a sublimação designa a capacidade plástica da pulsão. Ela é uma passagem de
uma satisfação a outra, em que o ego primeiro retira a libido do objeto sexual, depois a
faz retornar a si e, por fim, destina essa libido a um novo alvo não-sexual. Porém, a
libido sublimada nunca perde sua origem sexual. Somente o objetivo é dessexualizado.
A violência praticada pelos hooligans poderia ser um exemplo da sublimação da
pulsão sexual, em seu processo: retirada da libido do objeto, retorno ao eu, seguido de
investimento em outro objeto não-sexual (outra torcida organizada) com objetivo em
nada semelhante ao sexual, como o são a agressão e a violência. Mesmo o gozo suposto
nessa ação é um gozo de ego, de ideal que pode se afastar, e efetivamente se afasta, da
satisfação dita sexual. Mesmo se considerando a origem sexual do narcisismo, a
constituição do ideal do eu se faz sobre a dessexualização do amor próprio: como se
sabe, o ideal do eu é herdeiro do complexo de Édipo, que submerge justamente na
identificação com o pai. No entanto a semelhança de processo, se é justo o argumento
que se fez, uma das características da sublimação é a utilização da energia
dessexualizada em seu fim para atividades socialmente reconhecidas. Assim, é no
processo de sublimação que se libera a força para as realizações culturais. Nesse
sentido, se levarmos em conta somente o mecanismo da sublimação quanto aos
deslocamentos e transferências da libido, embora pareça fácil compreender a ação das
6
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
torcidas organizadas como sublimação, devido ainda a aparente ausência da
sexualidade, melhor dizendo, do fim sexual, não se pode ignorar que o prazer e a
agressividade presentes na ação dos hooligans se coadunam à sexualidade. É o que se
pode inferir já a partir das primeiras formulações freudianas sobre a sexualidade e a
perversão: o sadismo parece fazer aqui certa presença.
Os hooligans, em geral, não utilizam armas de fogo. A violência é praticada com
as próprias mãos, pedras, paus e rojões; como descreve um membro da gaviões da fiel:
“rojão a gente leva no busão. Pedra e pau a gente pega no caminho” (Day, 2006b). O
líder da Mancha Alvi-Verde relata: “A gente é contra armas de fogo. A gente gosta é de
bater, não de atirar”. Um gremista utiliza o mesmo discurso: “Eu não uso armas, nós
não usamos armas. Nossas armas são essas (apontando para o antebraço)”. Em uma
partida de juniores, disputada por São Paulo e Palmeiras, em 1994, ocorreu uma das
maiores brigas da história das torcidas organizadas. Cem torcedores e 22 policiais
ficaram feridos e uma pessoa morreu (Day, 2006b), número que talvez fosse inesperado
tendo em vista a violência dessas ações. O objetivo não é matar, e sim bater. Matar é
somente uma conseqüência da agressão. No sadismo, um campo da pulsão se destaca.
Não lhe parece ser adequada uma interpretação, ele não está no lugar de algo, não é um
signo. Caracteriza-se, segundo uma compreensão inicial de Freud (1905), pelo destaque
de um dos componentes da pulsão sexual: a agressividade. O objeto da agressividade,
entretanto, é deslocado de seu alvo original para os integrantes das torcidas organizadas
rivais. Se entenderia a ação das torcidas organizadas como sexual, embora destacada
como agressividade. Os testemunhos colhidos não permitem estabelecer com firmeza o
aspecto do prazer sexual na ação dos hooligans. Mas na hipótese aqui tomada do
sadismo, tal prazer estaria ele implicado no gozo de bater. Aliás, não há no bater, na
maioria das vezes, vencedores reconhecidos que justificasse um gozo puramente ideal,
de eu, sendo que fica salientado nos testemunhos o gostar bater, o prazer em bater,
melhor dizendo, o gozo em bater. Se pode reconhecer em tal gosto o prazer sexual, ou o
prazer mal-disfarçadamente sexual. Em qualquer hipótese, inegavelmente se apreende
uma satisfação pulsional num modo, por assim dizer, direto, pouco mediada.
7
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Há uma grande diferença econômica (quantidade de energia desprendida) entre o
bater e o atirar. Em alguns casos, o atirar pode ser considerado uma manifestação da
sexualidade, como em algumas práticas de tiros, onde o atirador dispara diversos tiros
em um determinado alvo. Entretanto, o ato de bater envolve o contato físico, a luta
corporal e as sensações decorrentes destes, constituindo um processo muito mais
complexo do que o atirar, um processo mais fisicamente dispendioso. Há aqui um
dispêndio de energia pelo ato e não através da protelação da ação que o pensamento
promove, nem a instantaneidade do apertar um gatilho. Se neste último caso se pode
verificar grande mobilização de energia, será pela angustia que o antecede, ou a
ansiedade da consciência do ato a ser praticado. Dessa forma, existe uma grande
diferença entre matar alguém com um tiro ou matar com os próprios punhos. De acordo
com o líder da Mancha Alvi-Verde, “é muito fácil atirar de 100, 200, 300 metros de um
adversário e matar ele. Agora, trocar porrada com ele 5, 10 minutos é muito
complicado. E é isso que a gente gosta”. A dificuldade no processo envolve mais
energia e evidencia intenções diferentes: no bater dos hooligans está evidenciada a
busca do prazer. Observa-se nessa fala que o atirar está ligado ao matar, enquanto no
bater não existe necessariamente esta relação, embora um fim de submissão do
adversário e enaltecimento do si próprio esteja presente. Também se espera um
compromisso entre os hooligans que se chocam, que devem adotar uma mesma norma,
uma mesma regra para os lados opostos, e que seja respeitada: conta-se com isso!
A valorização do bater em detrimento do atirar é reforçada pelo caráter
pejorativo do uso de armas de fogo nas brigas. Considerando que o intuito é obter uma
reputação por mostrar valentia e coragem, o uso de armas de fogo não se justifica, uma
vez que a arma desvirtua a luta. “Lá (no Rio de Janeiro), eles não tem muita coragem de
brigar na mão” e “mesmo com armas eles correram” são exemplos do discurso adotado
pelas torcidas organizadas, que corrobora a idéia de que o uso de armas de fogo não é aí
socialmente valorizado. Sendo assim, a arma pode proporcionar ao seu portador um
poder soberano e um sentimento de onipotência, mas carrega consigo a reputação de
covardia e fraqueza: usa arma de fogo aquele que não é capaz de brigar com os punhos.
8
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
O discurso do torcedor do Palmeiras solidifica a ideia, até então, apresentada:
"Eu acredito no hooliganismo e nas brigas, você sabe, brigas violentas. Mas nós
odiamos armas de fogo, nós as odiamos. (...) Sonho em lutar como hooligans, como os
ingleses, mas no Brasil é o fim”. Essa última queixa refere-se ao grande aumento do uso
de armas de fogo nas brigas no Brasil, o que não é evidenciado da mesma forma nos
outros países e, principalmente, na prática dos hooligans em seus primórdios (Day,
2006b). O que é uma queixa dos hooligans quanto à quebra da regra nas disputas.
É verdade que não há uma submissão gratuita, não se verifica uma certa
compreensão difundida da complementaridade entre o agressor e o agredido, entre o
sadismo e o masoquismo. Tal ideia está em acordo com a proposta de Deleuze (2009)
que justifica por esse meio um entendimento em separado do masoquismo. Este,
segundo o citado autor, caracterizar-se-ia por uma atitude “educadora” do masoquista
em relação à sua vitima, sendo esta conduzida ou seduzida a submeter-se às regras
(quase um contrato) estabelecidas pelo masoquista. O agressor não é obrigado, mas
“conduzido a”. No caso, a vitima do contrato não é o masoquista, mas o suposto
agressor. A frieza e crueldade estariam presentes na passividade masoquista. Nesse
sentido, a ação dos hooligans seria mais “professoral”, caráter do sadismo, impositiva.
No entanto, embora se encontre na intenção das torcidas organizadas e seus membros
uma expectativa de regras, que se resume no uso dos punhos, no bater e apanhar, na
espera da briga, identifica-se certa complementaridade, na forma de oposição entre as
torcidas organizadas: elas estão, por princípio, em igualdade de condições. A
subjulgabilidade não se efetiva nem pela condição apassivada do agredido nem pela
condição igualmente submissa do agressor que atenderia a um contrato. A violenta briga
é que decidirá o subjugado, como também o prazer do vencedor, se é que o há nessas
condições de violência, no limite, sem regra. Se pode-se continuar falando de satisfação,
ela se encontra também no ato da briga, não somente na suposta vitória de um grupo
sobre o outro. Muito mais parece se situar na destrutividade ou intenção de
destrutividade. Sequer se pode dizer que haja grupo vencedor. As brigas são tão
disseminadas num corpo a corpo sem contenção, muitas vezes covarde, que “vitórias
parciais” de grupos terão vinganças próximas, e por vezes, sobre outro grupo, outra
9
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
torcida organizada, sendo todas igualmente rivais, embora algumas alianças sejam
possíveis como estratégias de defesa. A se levar em consideração os testemunhos, podese delimitar prazeres individuais socializados, por assim dizer, pela narrativa. A
narrativa do feito, agora socializado, parece guardar parte da satisfação, do prazer da
destrutividade cometida. De qualquer maneira parece difícil caracterizar o prazer e a
satisfação que obtêm os membros das torcidas organizadas nesses violentíssimos e
desregrados embates, que se resumem no propósito da briga e do sentimento de
fortalecimento do vinculo entre os membros do grupo pouco diferenciados, senão como
testemunhos do que se deu (como os são as narrativas retiradas dos documentários aqui
referidos para análise).
O ódio é observado em muitos discursos dos torcedores. Principalmente porque
a violência traz infelizes conseqüências. Devido a um incidente ocorrido em uma
partida entre Liverpool e Juventus, em que italianos inocentes morreram, um dos líderes
da Drugui, principal torcida organizada da Juventos, relata que seu ódio perpetua até
hoje como se fosse no dia do incidente (Day, 2006a). Um torcedor do Grêmio, em seu
relato, afirma que o ódio é o que os move em direção ao inimigo (Day, 2006b). Falando
do ódio, Freud (1915) descreve que os verdadeiros protótipos da relação de ódio
derivam não da vida sexual, mas da luta do eu por sua conservação, e que se o objeto for
fonte de sentimentos de desprazer, haverá uma tendência a aumentar a distância entre
ele e o eu. Porém, no que concerne aos hooligans, o contrário ocorre: o ódio os move
em direção ao objeto. Assim, faz-se necessária a introdução de um termo elaborado
posteriormente por Freud: a pulsão de morte.
Na obra Além do princípio do prazer, publicada em 1920, Freud defendeu a
ideia de que toda pulsão seria uma tendência ao restabelecimento de um estado anterior.
Essa afirmação não é nova, mas é o alicerce para a explicação da pulsão de morte. Neste
sentido, como o estado anterior à própria vida é o estado inorgânico, as pulsões
buscariam a volta a este estado. Logo, a pulsão de morte busca chegar ao zero de
excitação, se satisfazendo caso consiga se acabar, esgotar-se, ou seja, ela busca a
eliminação de todas as tensões do corpo, um esvaziamento total. A pulsão sexual é
quem impede a pulsão de morte de se realizar em sua finalidade. Por fim, Freud propõe
10
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
um dualismo entre pulsão de morte e pulsão de vida (Eros), esta última representada
pela pulsão sexual e pulsão de auto-conservação.
A pulsão de morte é silenciosa, não se mostrando à percepção interna. Uma de
suas manifestações, de forma deslocada, é na destrutividade. Nesta, a destruição do
outro seria buscada no lugar da própria morte (Freud, 1920). Destruir, nesse caso, é
equivalente a eliminar. O que contradiz a perspectiva adotada até aqui, já que nela se
considera que o objeto é importante para a satisfação da pulsão. Como a pulsão de
morte não visa a conservação do objeto, ela de forma isolada não explica o
comportamento dos hooligans. Há, portanto, a necessidade de interligá-la a Eros.
De acordo com Freud (1930), a inclinação para a agressão constitui, no homem,
uma disposição pulsional original e auto-subsistente, ou seja, que perpetua sua
existência por si só. Portanto, há uma disposição natural à agressividade. O sadismo
consiste no exercício de violência ou poder sobre outra pessoa como objeto, tirando
disso prazer. Não só humilhar e dominar, como também infligir dor, em um processo
que, concomitantemente, há uma fruição da excitação sexual (Freud, 1915). Essa
proposição baseia-se somente numa concepção da pulsão sexual, já que Freud ainda não
tinha na época elaborado o conceito de pulsão de morte. Neste sentido, é necessário
acrescentar que o ato de humilhar e dominar estaria de acordo com a pulsão de autoconservação associada ao princípio do prazer.
Interligando a pulsão de morte a Eros, Freud (1930) discorre que uma parte da
pulsão de morte é desviada no sentido do mundo externo e vem à luz como uma pulsão
de agressividade e destrutividade. “Dessa maneira, o próprio instinto podia ser
compelido para o serviço de Eros, no caso de o organismo destruir alguma outra coisa,
inanimada ou animada, em vez de destruir o seu próprio eu (self)” (p. 123). Aqui, Eros é
mais bem representado pela pulsão de auto-conservação. O relato de um integrante da
Gaviões da Fiel mostra essa idéia, onde diz não sentir remorso caso mate um inimigo:
“é matar pra não morrer”. Retomando Freud, em seguida ele coloca que, no sadismo, a
pulsão de morte deforma o objetivo erótico em seu próprio sentido, embora satisfazendo
o impulso erótico. Ao mesclar Eros com a pulsão de morte, seus sentidos originais
ficam corrompidos, mas se conservam algumas de suas propriedades. Freud (1930)
11
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
conclui que a pulsão de destruição, moderada e domada por Eros, e, por assim dizer,
inibida em sua finalidade, deve, quando dirigida para objetos, proporcionar ao ego a
satisfação de suas necessidades vitais e o controle sobre a natureza.
Chega-se ao entendimento de que o natural caráter agressivo da pulsão é
exacerbado nos hooligans. Há a satisfação, mesmo que parcial, da pulsão sexual numa
forma sádica. Esse caráter é decorrente da interação da pulsão de morte e Eros, fazendo
com que o objeto de satisfação seja deslocado de seu alvo original para os integrantes
das torcidas organizadas rivais. A pulsão de morte é inibida em sua finalidade,
preservando, assim, o objeto, mas o destruindo no sentido de denegri-lo, rebaixá-lo e
humilhá-lo; satisfazendo-se dessa forma. Satisfação que, segundo Freud (1930), é
acompanhada “por um grau extraordinariamente alto de fruição narcísica, devido ao fato
de presentear o ego com a realização de antigos desejos de onipotência deste último” (p.
125). Observa-se que tal argumento conflui com o apresentado anteriormente,
reforçando a idéia de que a necessidade de satisfazer o ideal do ego constitui um dos
porquês referentes às brigas dos hooligans.
Contudo, ainda há de se considerar a pulsão de morte não deslocada, mas no seu
sentido original, uma vez que o comportamento dos hooligans contraria o princípio da
auto-conservação. Um torcedor do Inter alega que “se tiver que matar a gente mata,
morrer também”. Na Mancha Alvi-Verde, o líder afirma que “todos os membros estão
dispostos a tudo: bater, matar e morrer” (Day, 2006b). É evidenciado, então, que os
torcedores das torcidas organizadas não temem a morte. Entretanto, é no relato de um
ex-hooligan britânico que se encontra uma base sólida para representação da pulsão de
morte no comportamento dos hooligans: “Você vai de carro ou de ônibus para um lugar
que você desconhece. O que você sabe é que terá uma recepção hostil, que pode e,
provavelmente irá, se transformar em violência. A antecipação disto, a adrenalina
gerada é incrível” (Day, 2006a). Portanto, é do conhecimento dos hooligans a grande
possibilidade de ocorrer um evento que pode acarretar em sua morte, mas mesmo assim,
eles se dirigem a ele. Nesse processo, há um aumento de todas as tensões do corpo, em
grande excitação. Ocorre justamente o contrário à satisfaçao da pulsão de morte. Porém,
após o confronto com a outra torcida, o indivíduo é capaz de diminuir
12
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
consideravelmente as tensões sobre seu corpo, em um processo de relaxamento que
busca um estado de esvaziamento. Portanto, não só é a adrenalina em si que é provedora
de prazer no organismo, mas todo o processo: aumenta a tensão para depois aliviar no
sentido do esvaziamento.
Um evento ocorrido no documentário filmado no Brasil contribui para a idéia
apresentada. Nesse, integrantes da Mancha Alvi-Verde viajaram em um ônibus de São
Paulo ao Rio de Janeiro para ver o jogo de seu time. Antes da viagem, torcedores do
botafogo os ameaçaram, informando que se eles fossem ao jogo, tiros iriam ser
disparados em sua direção. Nenhum incidente ocorreu na chegada ou durante o jogo. Na
volta a São Paulo, a polícia escoltou o ônibus somente até a saída do Rio de Janeiro.
Após a saída da polícia, a tensão dos passageiros foi exponencialmente aumentada.
Todos ficaram apreensivos. Até que a torcida do botafogo cumpriu sua promessa. Em
seguida, um dos passageiros relatou: “Nasci de novo irmão. Eu escutei um zum.Eu tava
sentado inclinado, o bagulho passou atrás de mim. Mano, pego aqui ó (apontando para
sua janela). Eu tava debruçado”. O final desse discurso é acompanhado por um suspiro
de alívio e, em seguida, uma grande risada e o comprimento de um colega. Agora, em
somente uma temporada, a Mancha Alvi-Verde tinha sido alvejada três vezes. Na
viagem seguinte ao Rio de Janeiro, a Mancha Alvi-Verde levou 12 ônibus de
torcedores, em que um dos motoristas levou um tiro no braço e um torcedor, na cabeça
(Day, 2006b). Assim, observa-se que esses torcedores não temem a morte, muito pelo
contrário, se arriscam em aventuras que elevam suas tensões na busca de um prazer
final de extinsão da excitação, tão subta e violenta que parece submetida ao princípio
pulsional da morte, do esvaziamento. A repetição dos eventos corroboram para essa
afirmativa, mostrando que o ocorrido encontrado não é um caso isolado. Contudo, esta
explicação deve ser considerada concomitantemente às outras propostas para se abordar
o comportamento em sua completude. Nesse evento ocorrido, se a Mancha Alvi-Verde
deixasse de ir ao jogo, estaria mostrando medo e, como foi dito anteriormente, mostrar
medo é um sinal de fraqueza que é motivo de gozo por parte da outra torcida
organizada.
13
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
As explicações até então propostas são do âmbito individual. Por isso, faz-se
necessária uma integração com as teorias de grupo. Freud (1921) faz uma leitura da
obra de Gustave Le Bon, The Crowd, e de Willian McDougall, The group mind,
procurando interligar as idéias desses pensadores e adicionar as suas.
Segundo McDougall (1920, citado por Freud, 1921), para uma multidão se
tornar um grupo no sentido psicológico, os indivíduos que o constituem devem ter algo
em comum uns com os outros, um interesse comum em um objeto, uma inclinação
emocional semelhante em uma situação e certo grau de influência recíproca. Em
seguida, o autor enumera cinco condições principais para que a unificação de um grupo
seja melhor constituída. A primeira condição é que haja certo grau de continuidade de
existência no grupo. A segunda é que cada membro tenha definida a natureza, a
composição, as funções e as capacidades do grupo. A terceira é que o grupo deve
interagir, de forma hostil ou amistosa, com outros grupos semelhantes, mas que
possuem outras características diferentes. A quarta é que o grupo possua tradições,
costumes e hábitos. A quinta é que o grupo tenha estrutura definida, diferenciando as
funções de seus constituintes. De acordo com o que foi apresentado, as torcida
organizadas satisfazem todas essas condições, demonstrando que são grupos
solidamente constituídos e que possuem grande poder influenciador entre seus
membros.
Conforme explicita Le Bom (1896, citado por Freud, 1921), os grupos de
pessoas apresentam a peculiaridade de que “o fato de haverem sido transformados num
grupo coloca-os na posse de uma espécie de mente coletiva que os faz sentir, pensar e
agir de maneira muito diferente daquela pela qual cada membro dele, tomado
individualmente, sentiria, pensaria e agiria, caso se encontrasse em estado de
isolamento” (p. 83-84). O grupo é, portanto, uniforme e homogêneo, mas é constituído
por pessoas heterogêneas. Os valores individuais vão gradualmente sucumbindo aos
grupais, tornando seus membros cada vez mais semelhantes. Para isso ocorrer, o que é
característico de um grupo deve constituir o elo entre todos seus integrantes. Nos
hooligans, este elo é justamente o fato de torcerem pelo mesmo time de forma
exacerbada.
14
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Em um grupo, todo sentimento e todo ato são contagiosos em tal grau, que o
indivíduo prontamente sacrifica seu interesse pessoal ao interesse coletivo. A
reciprocidade e a sugestão mútua entre os membros de um grupo contribuem para este
contágio em direção a homogeneidade (Freud, 1921). McDougall (1920, citado por
Freud, 1921) informa que quanto maior for o número de pessoas em que a mesma
emoção possa ser simultaneamente observada, mais intensamente cresce essa
compulsão automática. O indivíduo perde seu poder de crítica e deixa-se deslizar para a
mesma emoção. Na Mancha Alvi-Verde, o entrevistador pergunta a todos quem estaria
disposto a morrer pela torcida organizada. A resposta foi unânime: todos confirmam
com convicção que sim. Isso mostra que não só os valores da torcida organizada são
compartilhados pelos seus membros, mas que estes passam a pensar e agir de forma
semelhante (Day, 2006b). Dessa maneira, Freud discorre que nos grupos, há o
definhamento da personalidade individual consciente e a focalização de pensamentos e
sentimentos numa direção comum, que deve ser explicada pela força do vínculo
emocional partilhado por todos os membros do grupo. Esse vínculo é o alicerce para a
explicação de que o laço mútuo existente entre estes membros é da natureza de uma
identificação que se esforça por moldar o próprio ego de uma pessoa segundo o aspecto
daquele que foi tomado como modelo. Este pode ser um integrante do grupo com quem,
particularmente, há um vínculo emocional mais acentuado ou é representado por aquele
cujas ações e palavras exercem grande influência sobre o pensamento e comportamento
dos demais. Neste sentido, Freud conclui que “o indivíduo abandona seu ideal do ego e
o substitui pelo ideal do grupo, tal como é corporificado no líder” (p. 139).
Para despertar a fé em um grupo, o líder deve possuir vontade forte e imponente,
sendo fascinado pelos valores do grupo e os perpetuando incontestavelmente. Nos
hooligans, o líder tem a incumbência de agregar aos valores da torcida organizada. Caso
o líder se desvirtue de tais valores, ele perderá o respeito de seus companheiros e,
possivelmente, outro líder será nomeado. Deste modo, Freud (1921) elabora que para
ser o líder, é preciso possuir as qualidades típicas dos indivíduos interessados no grupo
sob uma forma pura, clara e particularmente acentuada, fornecendo uma impressão de
maior força e de mais liberdade de libido.
15
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Por fim, Freud (1921) aponta que, em um grupo, o indivíduo é colocado sob
condições que lhe permitem se desprender das repressões de seus impulsos pulsionais
inconscientes. Dessa forma, as características que ele apresenta em um grupo são na
realidade as manifestações do inconsciente que estavam contidas como uma
predisposição. McDougall (1920, citado por Freud, 1921) ressalta que um grupo exalta
ou intensifica a emoção produzida em cada membro dele, de forma que essas raramente
ou nunca atingiriam sob outras condições. Le Bom (1896, citado por Freud, 1921)
demonstra o mesmo entendimento: “Quando indivíduos se reúnem num grupo, todas as
suas inibições individuais caem e todos os instintos cruéis, brutais e destrutivos, que
neles jaziam adormecidos, como relíquias de uma época primitiva, são despertados para
encontrar gratificação livre” (p. 89). Além disso, pelo simples fato de fazer parte de um
grupo organizado, o indivíduo passa a agir de forma menos civilizada e mais primitiva.
Sendo assim, as regras sociais perdem suas forças, abrindo caminho para a os instintos
mais primitivos, que Freud conceitua como pulsões.
Assim, uma resposta para a pergunta do título, “Por que brigar?”, não é simples
e envolve uma perspectiva multicausal. Buscar um determinante é uma procura fadada
ao fracasso. É necessário considerar a forma constituinte das firmas como grupo
organizado e como esta influencia seus membros, assim como os aspectos individuais e
pulsionais aí envolvidos. Acrescentam-se os vetores de força discutidos, quais sejam, a
necessidade de satisfação do ideal do ego, para o que as outras firmas constituem o
objeto de satisfação imediata, sendo ao mesmo tempo oponente e complementar. Nas
atitudes das torcidas organizadas, há referencias a sublimação da pulsão sexual,
proximidades entre os processos de deslocamentos e dessexualização das pulsões,
coexistindo com o prazer em bater e a agressividade. Observa-se que a pulsão de morte
está presente em sua forma original e também interligada a Eros. Todos esses aspectos
contribuem para o fortalecimento do vínculo entre os membros, promovendo a união do
grupo. Após suas aventuras, os membros do grupo gozam, segundo uma fórmula ao
mesmo tempo individual e por identificação, com seus orgulhosos relatos e com a
reputação advinda da anuência do grupo e por ele mesmo ampliada. Chega-se a
constituir pequenos “mitos” de vitórias e gozos muito pouco submetidos às mediações
16
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
simbólicas, permanecendo na forma de gozo narcísico, compartilhado com os membros
do grupo por identificação.
17
GREGÓRIO, G. S. ; CELES, L. A. M. . Por que brigar? Uma perspectiva psicanalítica a
respeito dos hooligans. Em: Terezinha de Camargo Viana. (Org.). Sobre Psicanálise,
subjetivação, arte e cultura. Lisboa: Placebo, 2011, v. , p. 181-194.
Referências:
Day, P. (2006). The Real Football Factories [Filme-Vídeo] Duração: 360 min.
Produção: Zig Zag Productions.
Day, P. (2006). The Real Football Factories International [Filme-Vídeo]
Duração: 480 min. Produção: Zig Zag Productions.
Deleuze, G. (2009). Sacher-Masoch - O Frio E O Cruel (J. Bastos, Trad.). Rio
de Janeiro: Jorge Zahar.
Freud, S. (1905). Três ensaios sobre a teoria da Sexualidade. Em Ed. Standard
das Obras Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 7). Rio de Janeiro:
Imago.
Freud, S. (1914). Sobre o narcisismo: uma introdução. Em Ed. Standard das
Obras Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 14). Rio de Janeiro:
Imago.
Freud, S. (1915). Os instintos e suas vicissitudes. Em Ed. Standard das Obras
Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 14). Rio de Janeiro: Imago.
Freud, S. (1920). Além do princípio do prazer. Em Ed. Standard das Obras
Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago.
Freud, S. (1921). Psicologia de grupo e análise do ego. Em Ed. Standard das
Obras Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 18). Rio de Janeiro:
Imago.
Freud, S. (1930). O Mal-Estar na civilização. Em Ed. Standard das Obras
Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad, Vol. 21). Rio de Janeiro: Imago.
Toledo, L. (1996) Torcidas organizadas de Futebol. Campinas: Autores
Associados.
Nasio, J. D. (1988). Lições sobre os sete conceitos cruciais da psicanálise. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar.
18
Fly UP