...

Publicidades da Rebeldia: esporte e consumo no ritmo do Punk rock

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Publicidades da Rebeldia: esporte e consumo no ritmo do Punk rock
Publicidades da Rebeldia:
Esporte e consumo no ritmo do Punk rock
Leonardo Brandão1
RESUMO
Este artigo visa articular dois temas aparentemente contraditórios, o esporte e o movimento punk, tomando
como centro de investigação a publicidade. O objetivo é demonstrar como, a partir da análise de uma
imagem publicitária veiculada em uma revista de skate no ano de 1986, diversos signos do movimento
punk foram apropriados, de forma paradoxal, por uma indústria cultural ligada a esta atividade.
Palavras-chave: Publicidade; Imagem; Punk; Skate.
Publicity of Rebellion:
Sport and consumption in rhythm of the Punk rock
ABSTRACT
This article aims to articulate two apparently contradictory themes, sports and punk, taking as a research
center the publicity. The goal is to demonstrate how, through the analysis of a publicity image carried in
a skateboard magazine in 1986, several signs of the punk movement were appropriate, paradoxically, by
a cultural industry related to this activity.
Keywords: Publicity; Image; Punk; Skateboard.
124
1
Doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Bolsista CAPES
Segundo dados estatísticos do IBGE,
o skate é um dos esportes mais praticados na
contemporaneidade, com mais de 2,7 milhões de
adeptos2. Na cidade de São Paulo, por exemplo,
sua popularidade levou até a existência do dia do
skate (03 de agosto), conforme lei proposta pelo
Deputado Estadual Alberto Hiar3. No transcurso
do século XXI, o skate foi alvo de uma exposição
midiática como em poucos momentos havia
conhecido em sua história recente4. Programas
de grande Ibope na televisão, como o Esporte
Espetacular, o Altas Horas5 ou o Programa do Jô6,
da Rede Globo, passaram a realizar entrevistas
com skatistas ou exibi-los em “manobras radicais”,
evidenciando esta prática cultural. Também a Rede
Globo – a maior emissora de televisão do país –
chegou a eleger o skate como assunto central nas
Figura 1: Capa da Revista Yeah! Número 1 de 1986.
tramas da novela Malhação durante o ano de 2007.
O que teria acontecido com aquele esporte que até bem pouco tempo atrás era odiado por pais e avós,
proibido7 por Jânio Quadros, alvo de xingamentos na rua e de variados tipos de coibição e censura, como
demonstram diversas reportagens em revistas8 publicadas ao longo das últimas décadas do século XX ?
Se aparentemente o skate mudou, não foi, como assegura Bob Burnquist, um dos maiores ídolos
dos esportes radicais, de forma integral. Entrevistado pela revista Trip9 em sua edição de fevereiro de
2009, Bob compara o skate a um polvo, pois o skate “tem vários tentáculos”, afirma o skatista. O
fato é que, através dessa metáfora, Bob Burnquist consegue expressar um dado curioso no universo
deste esporte: há um lado marginal do skate, que não foi embora com seu passado de transgressões e
contracultura, mas agora há um lado mais comercial em evidência na mídia, que cumpre a função de
espetáculo para as massas e movimenta uma enorme indústria ao fazer girar a roda do capitalismo.
2
Folha de São Paulo (Folhinha) – 15/06/2003
3
Revista 100%Skate, nº 79, 2004, p. 86.
4
Ver, entre outros, o Programa Planeta ESPN, apresentado por Vivian Mesquita ou Programa
Zona de Impacto, na SPORTV, apresentado por Diana Bouth e Marcos Bocayuva.
5
Como exemplo, ver a entrevista com o skatista brasileiro Bob Burnquist no dia 04/01/2009.
6
Como exemplo, ver a entrevista com a skatista Karen Jones, no dia 26/09/2008.
7
Revista Overall, n. 10, 1988, p. 68
8
Um exemplo do que se está afirmando pode ser visto na revista Manchete, edição 1.227, de 25 de outubro
de 1975, que traz uma matéria intitulada “A guerra do skate”, demonstrando como, durante a Ditadura Militar,
um grupo armado da PM cercou, na Rua Queirós Guimarães, no Morumbi, um grupo de mais de 100 skatistas,
colocando todos sob a mira de metralhadoras.
9
Revista Trip, nº 174, 2009.
125
Figura 2: Em 1975,
durante a Ditadura
Militar, um grupo
de 100 skatistas foi
cercado por policiais
militares em São
Paulo.
Tais tentáculos, aparentemente contraditórios, fazem parte de uma mesma prática,
que como demonstra a crescente quantidade de estudos acadêmicos sobre o tema10,
vêm mobilizando profissionais de diversas áreas, como historiadores, antropólogos, educadores físicos,
sociólogos etc. Como compreender esta atividade movediça, ambivalente, contraditória? Diante dessas
questões, este artigo pretende colaborar com um olhar sobre a complexa trajetória do skate, demonstrando
como, na década de 1980, a fusão entre publicidade, consumo e punk-rock mostrou-se profícua e agregou
valor a um dos “tentáculos” hoje considerados marginais do skate.
Notas sobre a popularização do skate durante a década de 80
126
Introduzido no Brasil durante o início da Ditadura Militar, a prática do skate, após ser
preponderantemente praticada no Rio de Janeiro - em função das articulações históricas entre surf e
skate, como podem ser notadas através da leitura das revistas Brasil Skate (1978) e Esqueite (1977) acabou por ter em São Paulo seu maior contingente de praticantes durante a década de 1980. Assim,
a cidade de São Paulo progressivamente passou a reivindicar para si o status de “cidade do skate”,
gerando uma transição do eixo econômico e cultural, antes mais associado ao Rio, agora para essa
cidade. (BRANDÃO, 2007).
Durante a década de 1980, portanto, São Paulo se transformou numa verdadeira referência para
o skate no país, e esse fato se deu, entre outros motivos, tanto pelo desenvolvimento tecnológico do
10
Através do site: http://cienciadoskate.com/referencias.htm, acesso em 10/02/2008. É possível notar uma
quantidade significativa de trabalhos universitários ligados à prática e à cultura do skate.
skate, que passou a contar com mais fábricas situadas nesta cidade, quanto pelo aparecimento do street11
e sua associação com o movimento punk, ambos fenômenos urbanos que retiraram o skate do domínio
do surf - como verificado no Rio de Janeiro - e o colocaram, mais do que antes, em contato com as ruas e
com a rebeldia estilizada dos movimentos sociais juvenis. O jornalista Fábio Bolota, que viveu o período
em questão, em cima de um skate, relata o que aconteceu:
O que fez o skate se tornar popular de verdade foi a roupagem do punk-rock que se
incrustava nos praticantes de todo o mundo. No Brasil não foi diferente. Sai o estilo
freak-heavymetal-cabeleira-surf e entra o estilo agressivo eu-quebro-tudo-mesmo do
punk-rock. Quem virou a mesa de fato, ninguém arrisca dizer, mas a mesa foi totalmente
virada. Calça descolorida e rasgada, com a camiseta da banda preferida e um bracelete
de pontas. Skate or Die! Skate and Destroy! Go Skate or Go Home, ou qualquer frase
de efeito estavam ecoando em cada quarteirão. Marcando muito bem essa atitude, o
2º Campeonato Brasileiro de Guaratinguetá foi um desfile de punks e simpatizantes.
A cidade foi invadida por alfinetes e penteados que iam do moicano ao espigado ou
pintado. Essa atitude começou a incomodar os moradores da pacata cidade, e logo após
eles entraram em guerra contra os skatistas (BOLOTA, 2000).
Esta colocação de Fábio Bolota é bastante rica em informações e pode fornecer algumas pistas
para se compreender, de modo mais efetivo, o que significou a identificação do skate com o movimento
punk. Historicamente, a prática do skate, desde o seu início, esteve ligada a diversos fatores que, embora
aparentemente desconexos, estão bastante implicados entre si: a nova fase flexível do capitalismo,
o surgimento dos jovens como um agente social e independente, os movimentos de contestação da
juventude que explodiram durante as décadas de 1960 e 1970 com a chamada contracultura e que
desembocaram em grande parte no movimento punk, fizeram, paradoxalmente, com que muitos jovens
se confrontassem com o que eles denominavam “sistema”, ou seja, os valores tradicionais da família,
da religião, do capitalismo etc., mas que, nesse confronto, como explica o historiador Eric Hobsbawm
(1995), movimentassem grande parte de um novo mercado que se desenhava para eles, como a indústria
fonográfica ou as fábricas de roupas especializadas neste segmento juvenil; as quais fabricavam, por
exemplo, as citadas camisetas estampadas com bandas de rock, como argumenta Fábio Bolota. Pode-se
concluir, neste sentido, que a própria contracultura acabou criando um mercado alternativo, em diálogo
com outros mercados, mas sem se constituir, necessariamente, em uma linha de transmissão das grandes
corporações da indústria cultural.
Aparentemente, a estética trazida por esse movimento ajudou o desenrolar do mercado do
skate nos anos 80 no Brasil, pois essa atividade, que abandonava cada vez mais sua associação com as
praias, sendo não mais somente praticada por surfistas no Rio de Janeiro, começava a se envolver com o
movimento punk tanto por uma jogada de mercado, quanto por uma identificação simbólica e discursiva.
No entanto, antes de entrar nesse mérito, é importante conferir, como uma breve revisão bibliográfica,
o que escreve Antonio Bivar (BIVAR, 1982) num dos poucos livros editados no Brasil acerca desse
movimento juvenil.
11
Entende-se por street (ou streetskate) uma modalidade na qual o skatista realiza manobras no espaço
urbano, saltando sobre escadas ou deslizando, por exemplo, sobre bancos e corrimãos.
127
O punk, como expressão cultural, surgiu de forma direta e indireta de vários movimentos,
correntes de pensamento e manifestações musicais. Bivar aponta uma série de acontecimentos do
século XX que podem ter associações com o movimento punk. A lista é longa e por vezes desconexa: a
Segunda Guerra Mundial, os existencialistas (Sartre, Simone de Beavoir, Albert Camus), James Dean
e sua “Juventude Transviada”, a explosão do rock and roll, os beatniks como Jack Kerouac e Allen
Ginsberg, a pintura abstrata de Jackson Pollock, a Guerra do Vietnã e a contracultura, os festivais de
música, Monterey (1967), Woodstock (1969), os músicos Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison,
Marc Bolan, Bryan Ferry e a grande circulação de drogas e alucinógenos que passaram a circular por
este período, como o LSD e a cocaína, fizeram parte de alguns nomes e fatores, para não citar todos, que
o autor mistura no caldeirão cultural, social, econômico e político do século passado, e que acredita terem
influenciado, mesmo de forma tortuosa, o surgimento do punk como um grito de revolta e menosprezo
pelo mundo na segunda metade da década de 1970 e durante os anos de 1980 na Europa, Estados Unidos
e também no Brasil.
Figura 3: Fotografia
retratando um grupo de
punk’s na Inglaterra.
128
Além disso, o termo punk, que muitos acreditam ter surgido com a banda Sex Pistols na Inglaterra
em 1976, já existia há muito tempo. Conforme coloca Bivar, no próprio filme estrelado por James Dean
em 1955, “Juventude Transviada”, essa expressão já aparece saindo da boca do ator para xingar uma
gangue inimiga: “seus punks!”. Outro fato curioso que o autor afirma é que o famoso dramaturgo inglês,
William Shakespeare, já havia registrado essa mesma expressão uns 400 anos antes dos Sex Pistols,
numa peça chamada “Medida por Medida”. Nela, uma das falas seria a seguinte: “casar com um punk,
meu senhor, é apressar a morte”. No universo da música, o termo teria aparecido primeiramente em 1973
com a banda inglesa Mott the Hoople, onde em certa altura da música “Wizz Kid”, ouve-se: “o pai dela
era um punk das ruas e a mãe uma bêbada”.
Deste modo, como se observa, o termo punk foi significado, no decorrer da história, como algo
“marginal”, “rebelde”, chegando até mesmo a indicar alguém que não teria “futuro”. Ser taxado de punk
era pertencer à escória da sociedade. Mas para os punks que vieram à tona durante o período abordado,
as coisas se invertiam, pois para eles a sociedade é que era escória do mundo.
O punk, como movimento cultural, expressou-se sobretudo pela música e por um visual
“agressivo”, caracterizado por roupas rasgadas, cabelos moicanos e descoloridos, tatuagens, coturnos,
correntes e diversos outros adornos pelo corpo. Como um movimento musical eles negavam o virtuosismo
do rock produzido até então e promoviam a anarquia e o mundo sem regras como bandeiras centrais de
suas manifestações. Na cena da música, Célia Maria Antonacci Ramos (RAMOS, 2001) afirma que os
punks apresentavam seus concertos em locais pequenos, misturavam-se aos fãs na platéia e vestiam-se
de forma ultrajante para os padrões da época.
Este movimento, surgido primeiramente em países como a Inglaterra e Estados Unidos,
espalhou-se pelo mundo afora e também encontrou uma grande ressonância no Brasil. Muitos dos
skatistas brasileiros, durante a década de 1980, foram pouco a pouco abandonando o visual de surfista:
cabelos compridos, shorts, roupas mais alegres e descontraídas, e começaram a se envolver com diversos
aspectos do universo conturbador do punk.
Para refletir melhor sobre esta associação, o próximo tópico traz a análise de uma publicidade
veiculada pela revista Yeah! Tal iniciativa compreende a fonte visual como um importante registro a
ser utilizado na pesquisa em História. Lembrando os escritos de Ana Cristina Teodoro da Silva: “As
imagens, assim como qualquer fonte de pesquisa, terão o que falar à medida em que forem devidamente
questionadas”, pois, observa a historiadora: “A amplitude das respostas está relacionada à criatividade
das perguntas”.
Análise de uma imagem publicitária de skate (1986)
É a partir da apropriação desta característica da mercadoria-signo que a publicidade
opera com mais proeminência. Explorando possibilidades, fixando imagens, atribuindo
valores e significados a publicidade atua nesta constante produção e disseminação de
bens simbólicos. (CARVALHO, 2008)
Não existe um único e seguro método que seja infalível para a análise das imagens. Mas isto
não quer dizer que os estudos nessa área sejam pouco desenvolvidos ou careçam de substância; pelo
contrário, pois, como assegura Lucia Santaella (SANTAELLA, 2004), o estudo das linguagens e dos
signos é bastante antigo, sendo que diversas preocupações com os problemas da linguagem podem ser
encontradas já no mundo grego.
Não há aqui a intenção de adequar-se a roteiros pré-estabelecidos ou fazer uso acorrentado de
conceitos e análises, no entanto, acredita-se que não se pode desprezar os conhecimentos já arrolados por
outros estudiosos. Assim, não faz sentido partir do zero quando muitos já trilharam longas caminhadas
ou mesmo dedicaram boa parte de seus estudos a problematizar e analisar determinados assuntos ligados
à produção e à veiculação de imagens. Dessa forma, foram bastante úteis os escritos de Martine Joly
(JOLY, 1996), a qual trabalhou pontos relevantes nesta área de pesquisa.
129
130
A imagem reproduzida abaixo
faz parte de uma campanha publicitária
veiculada por uma marca de skate na
década de 80 do século passado. Conforme
diz Joly, “entre as imagens mais propícias
à análise estão as de publicidade” (JOLY,
1996). Mas não se utiliza esta imagem
somente por esse motivo, pois o que se
quer entender diz respeito à forma como a
publicidade utilizou a associação entre o
skate e o punk nos anos de 1980. De fato,
geralmente mais do que outra imagem
qualquer, a publicidade possibilita uma
melhor compreensão entre o sujeito e
seus desejos.
Roland Barthes, considerado
um pioneiro nos estudos referentes
à semiologia da imagem, destaca a
Figura 4: Publicidade de uma joelheira para skate
utilização da imagem publicitária como
um importante campo de estudo, pois, segundo ele: “Se a imagem contém signos, é certo que em
publicidade esses signos são plenos, formados com vistas à melhor leitura: a imagem publicitária é franca
ou pelo menos enfática”(BARTHES Apud JOLY, 1996). Assim, seguindo alguns passos sistematizados
por Joly, mas também inventariando outros, esta análise diz respeito às tentativas de se descobrir – para
além da música - como o punk foi parar no universo do skate.
O anúncio é de uma joelheira para skate, poderia ser para patim, patinete ou mesmo bicicleta
(uma vez que a figura do skate não aparece na imagem). No entanto, a publicidade foi retirada de uma
revista de skate, a “Yeah!”, o que já justifica a afirmação de ser um anúncio de skate e não de qualquer
outro esporte. Além disso, como se pode ler na velcro da parte superior do produto, ela pertence a uma
marca chamada “urgh!”, uma das mais importantes fábricas de objetos para skate na década de 80 do
século XX12.
A imagem é aparentemente simples se comparada com os anúncios de skate veiculados pelas
revistas atuais, cheios de técnicas de computação e efeitos de diagramação. Nela, um jovem sem blusa, de
óculos escuros e com um lenço na cabeça exibe, com certa agressividade, uma joelheira azul e branco.
Atrás desse personagem, no entanto, existe uma parede cinzenta com uma pichação onde se lê as
inicias DK dentro de um círculo, sendo possível presumir estar escrito “dead” acima e (...)nn(...) abaixo.
Tal cenário não parece ser proveniente de estúdio, mas provável que seja natural, ou seja, um muro
12
Sobre isso, basta notar nas revistas da década de 1980, que a Urgh! tinha uma das melhores
equipes de skatistas profissionais do período e que ela era uma das maiores anunciantes das revisas especializadas, produzindo não só equipamentos de proteção, mas materiais para skate, roupas e acessórios.
público existente em um canto qualquer da cidade onde foi feito o anúncio, certamente em São Paulo,
haja vista o prefixo do telefone contido na parte inferior e à direita da imagem: (011) 578 – 0272.
Apenas olhando para esta imagem não dá para saber se a pichação já existia no muro ou se
foi feita para o anúncio. No entanto, isso pouco importa, o que realmente interessa é que ela está lá,
como uma mensagem que quer, a todo custo, dialogar com o restante das figuras, com a joelheira e,
principalmente, com o leitor da revista.
No braço esquerdo do indivíduo, provavelmente um skatista de verdade e não um modelo
qualquer, há uma pulseira com pinos de ferro. Ao olhar com atenção, percebe-se uma simbiose entre a
pulseira e o muro pichado; ou mais: entre a pulseira, o muro pichado, a agressividade, o muro cinzento e a
crueza da imagem. Tudo parece falar uma só língua. No meio desse cenário, o conjunto dos significantes
pede por significados, sendo que a própria imagem, antes de ser um conjunto de signos, é ela própria um
signo.
Conforme acentua Joly, “um signo só é signo se exprimir idéias e se provocar na mente daquele
ou daqueles que o percebem uma atitude interpretativa” (JOLY, 1996). Deste modo, parte-se do seguinte
pressuposto: esta é uma imagem publicitária de uma joelheira de skate, veiculada numa publicação
especializada em skate e que tem por objetivo atingir um público que pratica skate. Tal repetição da
palavra “skate”, antes de ser mera redundância, serve para alertar que não se pode dissociar a propagando
de seu público-alvo, portanto, da cultura em que foi gerada e que visa comunicar.
Esta preocupação em entender a publicidade (ou os sistemas de comunicação) mediante a cultura
em que circula e a qual faz circular, remete aos estudos de Francisco Rüdiger (RÜDIGER, 2002). Este
autor, ao traçar a trajetória da pesquisa atual em comunicação, identifica três linhas de força: a economia
política, os estudos culturais e os estudos culturais críticos, sendo sua atenção voltada enfaticamente para
esta última. Nesse sentido, coloca o autor que a produção cultural nunca tem um sentido único, podendo
dar lugar a uma variedade de leituras, no entanto: “as condições de existência do público explicam a
função dos bens simbólicos” (RÜDIGER, 2002).
Para compreender melhor esse anúncio, faz necessário perceber e analisar os diversos signos
que o compõem. Mas primeiramente, deve-se observar o material lingüístico inscrito na imagem. Isto é,
antes de verificar as mensagens visuais, é preciso deter-se no que está expresso literalmente.
Proteção: É isso que se lê num primeiro plano, escrito em amarelo e em letras garrafais.
Exemplos de proteção são também colocados do lado direito e inferior da imagem, como joelheiras,
cotoveleiras e wrist guard (espécie de luva). A propaganda, como já foi dito, é de joelheira. Joelheiras
oferecem proteção aos skatistas que procuram executar manobras radicais. Antes de ter o joelho ralado
ou machucado por eventuais tombos ou quedas, o uso da joelheira fornece uma proteção. No entanto,
existe uma mensagem subliminar e que só pode ser lida no contexto do aparecimento do streetskate na
segunda metade da década de 1980.
Como se pode observar nas muitas fotos e vídeos de skate do período, skatistas de rua pouco
utilizavam proteção, isto é, joelheiras, cotoveleiras ou qualquer outro material do gênero. A radicalidade da
prática do skate parecia ficar menor quando se utilizava qualquer desses equipamentos de segurança.
A questão, portanto, era como vender esses materiais para um público que, a rigor, fazia
131
132
do próprio fator risco um lugar de prazer, ou seja, muito da emoção da prática do skate estava na
possibilidade sempre presente do tombo, da queda, do deslize. Com proteção, isso não teria a menor
graça. Era preciso arrumar um modo de fazer com que os skatistas percebessem na proteção também
uma radicalidade. A partir desse problema, não parece ser difícil compreender por que as mensagens
visuais estão repletas de segundos sentidos e fazem referências a uma estética punk.
Seguramente há três elementos visuais que saltam aos olhos na imagem: a joelheira, o rapaz que
a demonstra e o muro pichado. Os outros elementos, em menor destaque, estão presentes na vestimenta
do indivíduo, como os óculos escuros, o lenço, a luva e a pulseira. Evidentemente existe um signo não
anunciado, pois o fato do rapaz estar sem camiseta parece dizer mais do que se ele estivesse vestido.
Não se pode perder de vista esses elementos invisíveis, ou visíveis dentro da sua inexistência. A falta de
roupa, neste caso, explicita que este jovem musculoso, ou em boa forma, radical, portanto, em sua forma
física, não se importa em usar proteção. Muito pelo contrário, ele está incentivando seu uso, como se
estivesse falando: “os radicais utilizam proteção!”, ou, ainda “até os punks se protegem!”.
Na imagem se encontram alguns símbolos que remetem a uma estética punk. As pulseiras com
pinos de ferro e o muro pichado são exemplos típicos deste movimento social e cultural. No ano de 1986
(data de publicação da imagem), seria difícil o desenho gravado no muro passar sem ser interpretado,
pelo menos, por boa parte dos skatistas/leitores da época. A pichação, mais do que um ato de rebeldia
ou transgressão, faz referência a uma das mais importantes bandas punk´s norte-americanas, os Dead
Kennedys, sendo a inscrição o próprio símbolo da banda, cujo vocalista, Jello Biafra, sujeito engajado
politicamente, chegou a concorrer algumas vezes ao cargo de vereador nos Estados Unidos.
Assim, como se observa, havia um claro intuito, por parte dessa (como de muitas outras
publicidades do período) em associar o skate ao punk. A questão é que a estética trazida por este
movimento ajudou o desenrolar e a propagação desta prática na segunda metade dos anos de 1980 no
Brasil. O skate, que abandonava cada vez mais as praias, sendo não mais praticado somente por surfistas,
mas também por jovens urbanos de cidades como São Paulo, Curitiba, Brasília e outras, envolvia-se com
o movimento punk também por uma jogada de mercado das fábricas que o promoviam no Brasil. Aliar o
skate ao punk, como demonstra a imagem, era uma forma de atingir os jovens de classe média e induzi-los
a comprar diversos produtos de skate que eram fetichizados através desse movimento contracultural.
O que se afirma, portanto, é que construir a imagem do skate em cima de adereços punks, acabou
se tornando um ótimo negócio para os fabricantes e empresários do ramo, pois se os skatistas das cidades
não litorâneas precisavam de outros estímulos, e não podia ser o visual do surf, nada melhor do que a
desse movimento. Antes de rotular, portanto, os skatistas da década de 1980 como punks, deve-se estar
aberto para entender os mecanismos de mercado que agiam, muitas vezes, por trás da vontade de praticar
skate. Essa imagem, assim como diversas outras que podem ser encontradas em revistas especializadas
nesta atividade e que circulavam no período, comprova a utilização do punk como elemento de referência
na construção de um imaginário13 e de uma representação acerca do skate.
Assim, para retomar a metáfora do “polvo” sugerida no início deste artigo pelo skatista Bob
13
Conceito este entendido, de acordo com Bronislaw Baczko como os sistemas simbólicos de
idéias e imagens de representação coletiva. (BACZKO, 1984).
Burnquist, nota-se que mesmo nestes tentáculos “mais agressivos” do skate, a publicidade também
produziu seus valores de mercado. Mas se o punk como signo de rebeldia ajudou a vender peças de
skate na década de 1980, por outro lado, isso também ajudou a associar, no senso comum, a imagem do
skatista
à marginalidade. De fato, trata-se de uma associação hoje pouco usual nos grandes meios
de comunicação de massa, que passaram a desconstruí-la a partir da virada do milênio, associando
a figura do skatista à imagem do atleta ou do esportista dedicado aos treinos. Relegar o punk a um
passado obscuro do skate parece ser o mote das grandes empresas no tempo presente. Afinal, trata-se
de disciplinar este “polvo” para que ele esconda seus tentáculos mais agressivos, hoje vistos como de
pouca penetração social e ambivalentes demais para programas “família” como o “Esporte Espetacular”
da Rede Globo.
Fontes Consultadas
Revista Manchete, edição 1.227, de 25 de outubro de 1975.
Revista Yeah!, n.1, 1986.
Revista Overall, n. 10, 1988
Folha de São Paulo (Folhinha) – 15 jun 2003.
Revista 100%Skate, nº 79, 2004
Revista Trip, nº 174, 2009
Referências Bibliográficas
BACZKO, Bronislaw. Les imaginaires sociaux. Paris: Payot, 1984.
BIVAR, Antonio. O que é punk? São Paulo: editora brasiliense, 1982.
BOLOTA, Fábio, Anos 80. In BRITTO, Eduardo (org.). A Onda é Dura: 3 Décadas de Skate no Brasil.
São Paulo: Parada Inglesa, 2000.
BRANDÃO, Leonardo. Corpos deslizantes, corpos desviantes: a prática do skate e suas representações
no espaço urbano (1972-1989). 2007. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da
Grande Dourados, Dourados.
CARVALHO, Camila da Silva. Publicidade e Consumo: A felicidade sob novos signos. In: Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação, 31, 2008, Natal, RN. Anais... Natal, RN: INTERCON/UFRN,
2008.
HOSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914 – 1991. São Paulo: Companhia das
Letras, 1995.
JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.
RAMOS, Célia Maria Antonacci. Teorias da tatuagem: o corpo tatuado. Florianópolis: UDESC,
2001
RÜDIGER, Francisco. Ciência Social crítica e pesquisa em comunicação: trajetória histórica e
elementos de epistemologia. São Leopoldo/RS: Editora UNISINOS, 2002.
133
SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.
SILVA, Ana Cristina Teodoro da. Uma foto que não era para capa, se prepara para dar a cara a tapa.
Mimeografado.
Fonte das Figuras
1. Revista Yeah! Número 1 de 1986.
2. Revista Manchete, edição 1.227, de 25 de outubro de 1975 .
3. Fotógrafo: Getty. Fonte: www.guardian.co.uk/music/musicblog/2008/sep/01/punksnotdeaditjustemigrat
4. Revista Yeah!, n.1, 1986.
134
Fly UP