...

JICA Mozambique O

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

JICA Mozambique O
1
JICA MOZAMBIQUE NEWSLETTER | Vol. 5
JICA Mozambique
Newsletter
EDIÇÃO DE: JANEIRO DE 2015
INCLUSIVE AND DYNAMIC DEVELOPMENT
“Para o presente ano,
em que para
Moçambique, foram
alocadas 30 vagas,
mais de 90 candidatos
aderiram ao programa.
Estes candidatos serão
sujeitos a um processo
de selecção que
compreende 4 fases”
Vol. 5
Dezembro 2013
Os candidatos fazendo o exame escrito de matemática e Inglês na primeira selecção.
Segundo ano do Programa de
Desenvolvimento de Recursos Humanos
através da ABE Initiative - African Business Education
O
governo Japonês, através do primeiroministro, o senhor Shinzo ABE comprometeu-se a receber
cerca de 1 000 jovens africanos para obterem o grau de
Mestrado com enfoque nas áreas de recursos minerais e
energéticos, durante a Conferência Internacional de Tóquio
para o Desenvolvimento Africano (TICAD V) *.
Nesse âmbito, sendo Moçambique, um país bastante
rico em recursos minerais e energéticos, beneficia-se, neste
programa, de uma oportunidade para criar condições para que
os jovens dos sectores público, privado e instituições
académicas estejam dotados de conhecimentos sólidos
teóricos e práticos num período de cerca de dois anos e meio,
(dois anos de formação para o grau de mestrado e estágio de
até 06 meses em empresas Japonesas) para fazer face à
escassez de recursos humanos no pais, (qualidade e
quantidade), necessários para a exploração dos recursos
acima referenciados.
Este programa também se destina às áreas de
agricultura, comércio, turismo, saúde, ciências marinhas,
gestão e administração, etc. E tem como objectivo, não só
impulsionar o desenvolvimento, mas também fortalecer a
relação entre as instituições governamentais moçambicanas e
as empresas japonesas.
Este programa de formação a longo-prazo, terá a
duração de 5 (cinco) anos (2013-2017), sendo que de momento
está em curso, a segunda fase da sua implementação, isto é, o
seu segundo ano.
Para o primeiro ano do programa, num universo de 25
vagas alocadas para Moçambique, 21 candidatos foram
seleccionados, contudo, apenas 17 pertencentes aos sectores
de Energia, Recursos Minerais, Agricultura, Transportes e
Comunicações e instituições académicas puderam viajar,
sendo que já se encontraram no Japão desde Setembro de
2014.
Para o presente ano, em que para Moçambique, foram
alocadas 30 vagas, mais de 90 candidatos aderiram ao
programa. Estes candidatos serão sujeitos a um processo de
selecção que compreende 4 fases, nomeadamente:
1.
2.
3.
4.
Primeira selecção: Exame escrito de matemática e Inglês
Segunda selecção: Entrevistas pelos membros do Comité
de selecção (Inglês oral).
Terceira selecção: Submissão das propostas junto às
universidades Japonesas e,
Quarta selecção: Entrevistas pelos professores das
despectivas universidades
Não obstante, a submissão de candidaturas para o terceiro
ano iniciará em Agosto de 2015, pelo que todos os
interessados (instituições públicas, privadas e singulares) em
aderir ao programa podem contactar a JICA e ou visitar os
sites abaixo mencionados para mais informação.
http://www.jica.go.jp/english/countries/africa/internship.html
http://education-japan.org/africa/
(FIM)
*TICAD V ….TICAD significa "Conferência Internacional de Tóquio sobre o Desenvolvimento Africano". TICAD tornou-se a maior estrutura global para Ásia e África para
colaborar na promoção do desenvolvimento de África. A primeira Conferência de Tóquio foi realizada em 1993, marcando o início de um processo contínuo de apoio
para a África e de construção de consensos em torno de prioridades para o desenvolvimento de África. Esse processo foi reforçado com uma segunda conferência de
Tóquio, em 1998.
2
JICA MOZAMBIQUE NEWSLETTER | Vol. 5
A Electricidade de Moçambique (EDM) e a Tokyo Electric Power
Services Co., Ltd (TEPSCO) assinam Contrato de Fornecimento
de Serviços de Consultoria para o Projecto de Desenvolvimento
da Central Térmica a Gás de Ciclo Combinado de Maputo
N
o começo deste ano, a JICA
assinou um acordo de empréstimo com o
Governo da República de Moçambique
para
fornecer
um
empréstimo
concessional de até ¥17,269,000,000,
(equivalente a 166 milhões de USD) para
o Projecto de Desenvolvimento da
Central Térmica de Ciclo Combinado a
Gás em Maputo.
Com efeito, em 10 de Outubro,
teve lugar a cerimónia de assinatura do
contrato de consultoria e fiscalização
entre a Electricidade de Moçambique
(EDM) e o consórcio das duas empresas
Tokyo Electric Power Services Co., Ltd
(TEPSCO) e Oriental Consultants Co.,
Ltd, na presença do Embaixador do
Japão em Moçambique, o Sr. Akira
Mizutani, do Secretário Permanente do
Ministério da Energia, Dr. Júlio
Mahumane, do PCA da EDM, o Eng.
Gildo Abílio Sibumbe, do Presidente da
Associação
de
Economia
e
Desenvolvimento África Japão (AFRECO),
o Sr. Tetsuro Yano e ainda do
representante
residente
da
JICA
Mozambique, o Sr. Katsuyoshi Sudo.
A assinatura entre a EDM e a TEPSCO
Com base neste contrato,
engenheiros experientes vão começar
com os trabalhos de revisão do programa
de implementação do projecto, realizar
o respectivo estudo de viabilidade e
desenhar o projecto de engenharia,
entre
outras
actividades
correlacionadas.
À luz do projecto, uma nova
central térmica de gás de ciclo
combinado com capacidade de produção
de 100MW será construído em Maputo,
tendo em vista melhorar e estabilizar o
fornecimento de energia eléctrica na
região Sul de Moçambique, onde a
demanda tem sido cada vez maior,
devido ao forte crescimento económico
que se regista nos últimos anos,
contribuindo assim para o bem-estar dos
residentes locais e estimular actividades
económicas na região, a partir do gás
natural produzido no país.
2º Concurso de Canto e Dança entre Escolas
Secundárias de Gaza sobre HIV/SIDA
N
o dia 30 de
Novembro passado na
Sede
do
Posto
Administrativo
de
Messano,
Distrito
de
Apresentação da Macuaela pela ES de
Chicualacuala
Bilene, teve lugar a Fase
Provincial da 2ª Edição do Concurso Inter - Escolas
Secundárias sobre HIV-SIDA idealizado e apoiado pelo
“Projecto de Fortalecimento das Capacidades do Núcleo
Provincial de Combate ao HIV/SIDA (NPCS) para a Resposta
do HIV na Província de Gaza”. O concurso aconteceu no seio
da comunidade animadamente e com muita técnica, envoltos
por uma moldura humana constituída maioritariamente de
crianças e jovens da comunidade que abrilhantaram toda a
festa.
Este evento teve como objectivos envolver os
adolescentes e jovens das Escolas Secundárias e Técnicoprofissionais na disseminação de mensagens educativas sobre
prevenção e combate ao HIV/SIDA no seio das comunidades
usando a cultura como meio de transmissão de valores,
capitalizar o uso da cultura para mudança de
comportamentos e atitudes sobre doenças sexualmente
transmissíveis e ocupar os adolescentes e jovens estudantes
com actividades que promovem comportamentos, atitudes e
práticas saudáveis. Neste sentido, as temáticas foram
definidas assim como a tradicional dança Macuaela.
Esta já é a segunda edição do concurso e a grande
diferença em comparação ao ano passado é que esta
actividade foi assumida pela Direcção Provincial de Educação
e Cultura (DPEC) como actividade prioritária em coordenação
com o NPCS. Foram utilizados os dados do orçamentos e
plano de actividades do ano anterior como base para
organizarem esta segunda edição já com fundos alocados no
Plano Económico e Social, e ao invés de contratar-se uma
empresa para servir a refeição, foram utilizados recursos do
Internato do Centro de Referência de Educação Inclusiva
Eduardo Mondlane para não só alojarem as delegações, mas
prepararem as refeições, reduzindo assim os custos da
actividade. Desta maneira, em coordenação com as
contrapartes foi possível optimizar e utilizar os recursos
humanos e materiais de maneira eficiente e eficaz, pensando
na sustentabilidade das acções futuras.
3
JICA MOZAMBIQUE NEWSLETTER | Vol. 5
“Nenhuma Experiência de Vida é Inútil“
- Actividade de Limpeza da Cidade de Nacala-Porto
A
cidade de
Nacala-Porto
na
província
de
Nampula, conhecida
como
portal
de
entrada
para
o
Corredor de Nacala, é
uma Zona Económica
Especial e a JICA está
Trabalhadores de limpeza com
publicidade dos patrocinadores nas costas
a
implementar
os
projectos
de
reabilitação, ampliação e melhoramento do porto através de
donativo, apesar de esta região apresentar um notável
crescimento económico, o aumento da quantidade de lixo
urbano tem-se tornado um problema.
Neste contexto, a Sra. Makiko Nakayama, uma
voluntária japonesa da JICA está a trabalhar em Moçambique
desde Outubro de 2013 no escritório do SDPI, Serviços
Distritais de Planificação e Infra-estrutura em Nacala-Porto.
Após sua chegada a Moçambique ela tem ajudado nas tarefas
rotineiras do escritório, bem como na organização do evento
de conservação marinha. Ciente do problema ambiental que
piora a cada dia, ela questionou-se sobre a possibilidade de
implementar alguma actividade de forma a incluir a
comunidade local e, ao mesmo tempo, melhorar o meio
ambiente. Inúmeras perguntas surgiram na sua mente: “De
que maneira se poderia incluir a comunidade quando a vida
cotidiana da população em geral já não é fácil? Como se
poderia conciliar a melhoria da qualidade de vida com a
actividade de limpeza urbana? Efectuar a limpeza da cidade
com a utilização da mão-de-obra das pessoas desempregadas
seria uma alternativa, entretanto, quem pagaria os seus
salários?”
Após apresentar as dúvidas junto ao Representante
Residente e ao RR-adjunto do escritório da JICA Mozambique,
foi idealizada a alternativa de solicitar o patrocínio das
empresas locais, e em troca, efectuar o serviço de limpeza
da cidade usando um colete similar aos dos vendedores de
crédito para telemóvel, mas neste caso, com material
publicitário da empresa patrocinadora. Assim, a Sra. Makiko
encomendou junto a um alfaiate local os coletes de capulana
com algibeira transparente nas costas, o qual permite inserir
o material publicitário das empresas patrocinadoras. Depois,
respirando fundo e criando coragem, ela começou a bater de
porta em porta dos restaurantes e hotéis locais e, tendo
conseguido dois patrocinadores, criou a equipe inicial com
dois indivíduos para iniciar a actividade, o qual foi
denominado “GMA- Guarda do Meio-Ambiente”.
A equipe actual da GMA é uma dupla, formada por
Sr. Silvestre Pilale de 64 anos e Sr. Rutuane José Amade de
16 anos. Com uma jornada diária de 5 horas e folga aos
domingos, a missão deles é colectar o lixo dos locais
determinados da avenida que segue em direcção ao porto e
também na frente das casas dos patrocinadores, além da
conscientização dos pedestres que deitam lixo na rua,
aconselhando-os a deitar em locais apropriados. O Sr.
Silvestre já é conhecedor do assunto, pois no passado ele
trabalhava no Conselho Municipal neste ramo. Agora vestindo
o colete de capulana como GMA, Sr. Silvestre comenta: “Eu
faço o meu trabalho do projecto da Maki (Sra. Makiko) com
muito orgulho. Ela não só procura patrocinadores, mas às
vezes chega a fazer a limpeza connosco. Espero que esta
actividade continue para sempre.”
As
actividades
efectuadas
pelo
GMA
”…no Japão, sempre
gradualmente
estão
a
achei que estava a
despertar a atenção do povo.
fazer coisas que não
Os pedestres escutam os
têm nada a ver com
aconselhamentos,
e
até
projectos de
agora, muitas pessoas já
desenvolvimento,
mostraram interesse para
mas…chego à conclusão
que nenhuma
tornarem-se o terceiro e o
experiência
de vida é
quarto membro do GMA. Para
inútil.”
a Sra. Makiko que deseja
aumentar o número de
activistas, é uma notícia bastante empolgante.
Entretanto, para viabilizar o aumento do número de
membros da equipe GMA, é fundamental que o número dos
patrocinadores também cresça, pois os salários dos GMA
provêm do valor que os patrocinadores pagam. Para este fim,
a Sra. Makiko continua batendo as portas das empresas
locais, explicando sobre a actividade GMA. Antes da sua
vinda a Moçambique, a Sra. Makiko trabalhava como
vendedora
de
flats/apartamentos
em Tokyo, a capital
japonesa.
A
Sra.
Makiko relata que
”Como vendedora
lá no Japão, eu
criava
materiais
publicitários
e
batia as portas das
A missão cumprida pelo Sr. Rutuane,
casas em busca de
membro da GMA.
eventuais clientes.
Sempre achei que estava a fazer coisas que não têm nada a
4
JICA MOZAMBIQUE NEWSLETTER | Vol. 5
ver com projectos de desenvolvimento, mas hoje sinto que
aquela experiência deu-me a coragem de, mesmo estando só,
angariar novos patrocinadores para seguir adiante com o meu
projecto de limpeza. Agora, estou à procura de uma
estratégia para aumentar (para a página 4)
(da página 3) o número de patrocinadores. Chego à conclusão
que nenhuma experiência de vida é inútil.”
O director do SDPI em Nacala-porto, Dr. Engº
Americo Arnaldo comenta: “Quando ela chegou, falava muito
pouco em português, mas agora ela já consegue comunicar
com todos os colegas, e até consegue ter os patrocinadores
para apoiar na actividade de limpeza. Mostrou-nos que tem
muita vontade de aprender e de trabalhar. Ela tem muita
criatividade. Um dos grandes problemas que temos tido na
cidade é a limpeza. Então, motivamos que ela avançasse com
esse projecto. Hoje estamos a sentir que este projecto está a
ser um sucesso. Nós temos problemas financeiros, mas ela
está a encontrar parcerias com alguns agentes económicos.
Antes tínhamos 2 parceiros mas agora estamos a falar de uma
perspectiva de 4 a 6 parceiros, então, isto significa que os
próprios agentes económicos estão preocupados com a
limpeza da cidade. E não só, a sensibilização que ela faz nos
locais onde fazem a limpeza, vai criar uma certa motivação
naquilo que é a consciência das comunidades em manter a
cidade limpa.“
Este ideal, de manter a cidade limpa através do GMA
apenas começou. Mesmo após o retorno dela ao Japão, talvez
não estejamos muito longe do dia em que a cidade de Nacala
se mantenha limpa com a continuidade dessa iniciativa pelos
próprios esforços da população local.
Sra. Makiko, Voluntária Japonesa da JICA
+.
O que eu aprendi no Japão
-A voz de um dos participantes da formação através da JICA
O
s programas de Formação e diálogo da JICA são formas de cooperação técnica que esta instituição realiza no Japão para
participantes de vários países. Alguns dos conhecimentos que a sociedade japonesa tem acumulado, incluindo a sua experiência nas
áreas do know-how organizacional e dos sistemas sociais, só podem ser compreendidos através da experiência em primeira mão.
Os programas são meios importantes de cooperação técnica, que apoiam no desenvolvimento de recursos humanos e na
resolução de problemas nos países em vias de desenvolvimento.
Desde 1998, mais de 400 participantes de Moçambique tomaram parte dos programas de formação no Japão, em sectores tais
como agricultura, saúde, combate a corrupção, desenvolvimento rural, entre outros.
Nesta edição, apresentamos a voz de um dos participantes, a Dra. Aleny Mahomed Couto da Direcção Nacional Assistência
Médica ( Programa Nacional de Controle de ITS, HIV/SIDA) que participou num curso, no Japão, de Novembro a Dezembro de 2013.
1. Que cargo desempenha na instituição?
4. Como aplicar a experiência do curso em Moçambique?
Chefe do Programa Nacional de Controle de
ITS, HIV/SIDA, MISAU
2. Em que curso que participou?
Medidas de Prevenção e Controle do HIV
para os próximos 10 anos
3. O que aprendeu no curso?
Dra. Aleny
Mahomed Couto
O curso foi bastante interessante pois aprendi que a
prevenção é necessária para diminuir os casos de
HIV/SIDA e que no Japão a medida de controle principal
é através do monitoramento dos produtos de sangue.
Acima de tudo que o futuro para a cura de HIV serão as
vacinas.
Apesar de várias tecnologias implantadas no Japão, o
curso tem sempre grande valia no que concerne aos
aspectos organizacionais e gestão de programas de
sangue. Para além da sensibilização para realização de
planos de acção e pesquisas que encontrem soluções para
o problema encontrado no seu pais em relação ao HIV.
5. Que impressão teve da estádia na JICA?
A estadia foi muito boa, o povo japonês é bastante acolhedor e
tenta fazer o possível de forma a conhecermos a sua cultura.
O que é a JICA?
A JICA é uma instituição do Governo Japonês responsável pela implementação da
Assistência Oficial para o Desenvolvimento (ODA) que apoia o crescimento e a estabilidade
socio-económica dos países em desenvolvimento com o objectivo de contribuir para a paz
e o desenvolvimento harmonioso da sociedade internacional. A JICA presta assistência a
mais de 150 países, tendo aberto o escritório em Moçambique em 2003.
Publicado pela JICA MozambiqueAgência Japonesa de Cooperação Internacional
Escritório de Moçambique
Prédio CIMPOR, Av. 24 de Julho, Nº 7, Edifício da Polana Shopping
Centre, 11º andar, Maputo, Moçambique
TEL: +258 21 486357/8
Email: [email protected]
http://www.jica.go.jp/mozambique/portuguese/index.html
Fly UP