...

do tradicional ao moderno: distribuição dos restaurantes italianos

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

do tradicional ao moderno: distribuição dos restaurantes italianos
1
Vol 5, Nº 12 (junio/junho 2012)
DO TRADICIONAL AO MODERNO: DISTRIBUIÇÃO DOS
RESTAURANTES ITALIANOS NA CIDADE DE SÃO PAULO E SEU
POTENCIAL TURÍSTICO
Camila de Meirelles Landi
[email protected]
Hotec / UAM
Sênia Bastos
UAM
Resumo: Este artigo tem por objetivo discutir a atual localização dos restaurantes italianos,
suas principais características e o seu potencial turístico. De caráter qualitativo, a metodologia
apoia-se na pesquisa exploratória de caráter documental, tendo por resultados a caracterização
da cozinha e da gastronomia italiana nos restaurantes paulistanos. As cantinas mais antigas
não acompanharam a modernização da gastronomia mantêm a administração familiar ou
realizada por funcionários antigos que cresceram e acompanharam a história da casa; seus
cardápios conservam as tradicionais massas regadas com muitos molhos e se destacam
interferências externas de pratos que não fazem parte da culinária italiana. Os restaurantes
mais recentes apresentam uma cozinha inovadora e, ao mesmo tempo, tradicional no que diz
respeito à fidelidade aos produtos italianos e às tradições, contam com a presença do chef de
cozinha e têm seu cardápio propagado sob seu nome, sob suas criações; acompanham o
movimento de valorização urbana e se localizam nos bairros de maior movimento e de poder
aquisitivo alto, os chamados bairros nobres.
Palavras-chave: Cozinha. Gastronomia. Restaurante. Imigração italiana. São Paulo/SP.
2
Introdução
A comida gera representações em distintos planos que se entrelaçam para dar
consistência ao comer. Por ser um elemento maleável, torna-se possível adaptá-la a novos
ambientes, trabalhá-la em novos contextos e em novas tecnologias.
A comida e a cozinha estão relacionadas com a identidade, são o patrimônio cultural
de um povo, porém as tradições alimentares não são estáticas. Podem ser recriadas,
redefinidas, a partir das interferências externas.
O processo de transformação ocorrido da cozinha à gastronomia acontece de uma
forma bastante sutil, fácil de confundi-las, pois atualmente a palavra gastronomia tem sido
amplamente discutida e abordada sendo que, na maioria das vezes, sem as devidas distinções
aos termos alimentação e culinária, é utilizada de forma imprecisa.
A gastronomia não se apoia em uma única receita, não apresenta um modelo único, e
sim movimentos, tendências e momentos, que determinam seu resultado e define, até mesmo,
qual é o tipo de gastronomia existente ou predominante em uma região ou em um
determinado momento. Como afirmado por Revel (1996), a partir do momento em que a
gastronomia nasce, com ela nascem as opiniões de quem as cria.
Portanto, a gastronomia nada mais é do que o reino de opiniões de grandes chefs e sua
brigada, que a criam das mais diferentes formas, uma vez que cada um deles ilustra sua mais
precisa opinião sobre a gastronomia, tendo suas criações como resultado. Revel (1996, p. 152
– tradução livre) argumenta que tais criações são feitas pela direção do chef, sobre seu
patrocínio, o que “mostra a formação de uma gastronomia progressiva capaz de promover o
espírito de pesquisa”. Avança ao apontar que existe gastronomia quando há um público capaz,
pela sua competência e riqueza, para julgá-la.
Como expressão cultural de uma localidade, a comida e a gastronomia constituem um
atrativo turístico. A interação possibilita ao turista acesso tanto à cultura alimentar, o que
inclui pratos regionais e locais, como também às edificações onde se encontram
disponibilizadas, além de formas tradicionais de elaboração dos alimentos, ou seja, a cozinha
também é portadora da história e dos costumes.
Para experimentá-la o turista vale-se dos restaurantes disponíveis e alguns destinos
notabilizam-se pela diversidade de opções e qualidade ofertada. Nesse sentido torna-se
necessário salientar a importância da gastronomia ofertada nos restaurantes enquanto atrativo
turístico cultural, uma vez que ela não apenas visa saciar a fome, mas, também estreitar o
turista à cultura e aos hábitos do destino em questão.
3
A cozinha e a gastronomia italiana na cidade de São Paulo: a metodologia da pesquisa
No caso da imigração italiana, no início da adaptação à cidade de São Paulo, como a
dos imigrantes de outras nacionalidades, ainda não era perceptível a italianidade presente
nesse espaço urbano. A alimentação italiana foi inserida aos poucos, assim como outras
comidas, resultado proveniente da extensa diversidade de grupos étnicos que a cidade recebeu
desde a abertura dos portos às nações amigas em 1808.
Como forma de adaptação, resgate da memória, renda adicional, e alternativa para
manter seus laços com a terra natal, surgiram cantinas e após restaurantes de imigrantes que
apresentavam sua cozinha para sua nova terra. Com o passar dos anos a culinária italiana
ganhou espaço na cidade, e conquistou as famílias paulistanas.
Com a chegada da gastronomia, restaurantes novos inauguram na cidade novas
perspectivas, novas administrações, e em novos endereços, deixando de se fixar apenas nos
bairros étnicos.
Com base na metodologia de pesquisa exploratória com caráter documental, propôs-se
um mapeamento da localização dos restaurantes italianos na cidade, diferenciados por bairros,
tipo de cardápio ofertado, e, quando possível, ano de inauguração.
A revista Prazeres da mesa (agosto de 2011) realizou uma matéria especial sobre a
“Paixão pela Itália: entre a tradição e a modernidade, um panorama da cozinha mais repetida
do mundo”. Apresentou as características regionais das cozinhas da Itália, os restaurantes do
exterior com seus chefs estrelados que reproduzem receitas italianas em suas casas, e trouxe à
tona a discussão da velha cozinha italiana com a nova cozinha italiana. Tendo como
referência essa matéria, foi feito um levantamento dos restaurantes italianos em
funcionamento na cidade de São Paulo, a partir da pesquisa exploratória de caráter qualitativo
documental, realizada no site da web – Guia da Folha de São Paulo online. O referido site
cataloga os restaurantes da cidade de São Paulo por bairros, tipos de cozinha, valores e, por
meio de simbologia, os avalia em cinco categorias: ótimo, muito bom, bom, regular e ruim.
Após a identificação dos restaurantes, o segundo passo da pesquisa foi o de localizar o
endereço eletrônico de cada restaurante por meio do site de busca Google. Com o endereço
eletrônico do estabelecimento foi possível pesquisar as informações relevantes que
contribuíssem para a análise: o cardápio ofertado, tipo de cozinha, história do restaurante,
entre outras informações.
4
Identificou-se um total de 147 restaurantes italianos distribuídos pela cidade, dos quais
não foram contabilizadas as filiais, por se entender que são casas com o mesmo nome e
cardápio, portanto, uma outra unidade do mesmo restaurante. Dentro desse total, os
estabelecimentos pertencentes a um mesmo grupo empresarial foram somados como um outro
restaurante, por possuírem tipologias distintas, como exemplo o grupo Fasano, que contempla
cinco casas com nomes e cardápios distintos. Dentre os 147, encontram-se restaurantes novos
e restaurantes antigos que hoje reproduzem e criam cozinhas italianas, exceto os
estabelecimentos que não conseguiram sobreviver diante desse cenário gastronômico
existente em São Paulo e fecharam as suas portas.
Torna-se importante salientar que a pesquisa foi fiel apenas aos estabelecimentos
apresentados no site de busca, mesmo com a consciência da existência de outros
estabelecimentos que também reproduzem a cozinha italiana na cidade.
Os restaurantes italianos em funcionamento na cidade de São Paulo
No site Guia da folha.com (http://guia.folha.com.br/) foi encontrado um total de 147
restaurantes classificados pela tipologia italiana. Do total de restaurantes encontrados, 19 não
possuem endereços eletrônicos, ou seja, uma média de 13% deles. Portanto, a análise
qualitativa tomará como base um total de 128 restaurantes que possuem páginas eletrônicas
para o acesso das informações necessárias a essa pesquisa.
Dos 128 restaurantes, 11 deles, apesar de terem uma página na web, não possuem
informação alguma, pois a página encontra-se ou em construção (3), ou apresenta apenas a
tela inicial com o nome e endereço do estabelecimento (7), e registra-se um cujo site não abre.
Para esses, foram consideradas, portanto, apenas as informações existentes no site do Guia da
folha.
Dos restaurantes, apenas 64 indicam a data de inauguração no site. O mais antigo
ainda em funcionamento, o Carlino, foi inaugurado em 1881, e em 1907 entrou em
funcionamento o Capuano. Para melhor visualização, o gráfico a seguir reúne os demais 62
restaurantes, organizados por década, entre os anos de 1930 e 2010:
5
Gráfico 1: Década de inauguração dos restaurantes italianos em funcionamento na cidade de São Paulo
em 2011 (1930 a 2010).
Dos restaurantes catalogados, 86 apresentam em suas páginas eletrônicas seus
cardápios na íntegra, e seis o apresentam parcialmente, ou seja, alguns pratos ou apenas seu
cardápio delivery, o que torna difícil compreender o estilo da cozinha desses restaurantes.
Dos 128 restaurantes, 96 identificam suas cozinhas como uma representação da
“clássica cozinha italiana”, e, desses 96, apenas 11 se apresentam como “cozinha regional”,
sendo dois da região setentrional (Bolonha – província da Emilia-Romagna, Piemonte), três
da região central (Toscana), cinco da região meridional (um de Basilicata, dois de Nápoles, e
dois se intitulam apenas como “região sul”), e um apenas se identifica como “um restaurante
de cozinha regional”. Dos 128, 11 se intitulam contemporâneos, e os demais não informam
seu estilo de cozinha.
A análise dos cardápios permite identificar a imprecisão dos conceitos concebidos
como clássico e como contemporâneo. Na realidade, partindo do princípio de que o termo
contemporâneo deva ser empregado a tudo que se refere à época atual, ao tempo atual, podese dizer que a maioria desses estabelecimentos adota hoje um cardápio contemporâneo de
cozinha italiana, pois todos, por mais antigos que possam ser, sofreram mudanças e
adaptações para continuar sobrevivendo. Existe um conflito entre os dois termos, porém
torna-se fácil compreender que os que utilizam o termo “clássico” tentam manter o seu
cardápio o mais fiel possível, enquanto os “contemporâneos” abusam da criação e da
modernização.
6
Os restaurantes que se intitulam “contemporâneos” o fazem por utilizar técnicas de
fusão de ingredientes italianos com os de outras regiões, por modificarem, adaptarem, ou
criarem alguns molhos e massas em seus cardápios, e até mesmo no estilo da apresentação de
seus pratos. Como exemplo, cita-se o Allegro Cucina, localizado na Rua Sônia Ribeiro,
Campo Belo – sem data de inauguração no site – que inclui em seu criativo cardápio
carpaccio de polvo, penne com lascas de bacalhau do porto, spaghettine negro, ragús, entre
outros itens contrastantes, além da apresentação dos pratos que identificam claramente a
modernização da cozinha.
Pelo fato de mais de a metade dos estabelecimentos hoje contarem com um chef de
cozinha no comando, identifica-se a modernização e a adaptação das casas à realidade
gastronômica mundial, que pede mais do que comida boa em si, mas que também pede o
glamour, o diferente, o inusitado, itens que contribuam não só para as estrelas atribuídas, mas
para a sobrevivência em uma realidade de ruas e mais ruas tomadas por restaurantes, bares,
cantinas e pizzarias.
Ainda assim, munido desse conceito, dever-se-ia então considerar que as cantinas mais
antigas seriam as mais clássicas, pois, por terem sido as primeiras, contemplariam em seus
cardápios muitas opções de massas e molhos das mammas, as carnes típicas italianas –
bracciolas, polpettones e almôndegas – antepastos e sopas. Ao analisar, aleatoriamente, o
cardápio1 de um restaurante por década, partindo da década de 1930 até os anos 2000, para
verificar a evolução ocorrida nos restaurantes da cidade, identificou-se que os restaurantes
mais antigos foram os que mais adaptaram e interferiram em seus cardápios, incluindo itens
inexistentes nas cozinhas clássicas italianas, como carnes, guarnições, tipos de molhos,
saladas e, principalmente as sobremesas, para a sobrevivência de seus restaurantes, bem como
para atender a um público que já não está mais preso às raízes e às tradições. Os restaurantes
mais novos, que surgiram principalmente após a década de 1990, localizados em bairros mais
nobres, apresentam cardápios contemporâneos, ainda com base nos ingredientes italianos,
com poucas interferências de produtos que fogem a essa região, com exceção das sobremesas,
que aparecem mais modernizadas e com influências principalmente de origem francesa.
Tomar-se-ão como base de análise os oito restaurantes da pesquisa para este fim,
sendo eles: Restaurante Di Cunto (1935), Jardim de Napoli (1949), O Gato que Ri (1951),
Villa Tavola (1963), Cantina Gigio (1971), Tomatto (1983), Innominato Osteria (1992) e Duo
Cuochi Cucina (2005).
1
Os nomes dos pratos foram grafados de acordo com os cardápios disponibilizados nos sites dos restaurantes
analisados.
7
O restaurante Di Cunto mantém uma tradição familiar, preserva as características dos
produtos ofertados e ainda defende a tese de que seus produtos “são elaborados
artesanalmente, com alto padrão de qualidade, com base nas receitas desenvolvidas ao longo
do tempo”. Seu cardápio é repleto de massas e molhos variados, e mantém pratos clássicos
como Lasagna alla Bolognesa, Spaguetti al Sugo, Gnocchi al Sugo, Farfalle ai Quattro
Formaggi, Filetto alla Parmiggiana, porém já apresenta interferências da modernização com
pratos como salmão grelhado guarnecido de legumes, bufê de feijoada completo e bacalhau
ao forno.
A cantina Jardim de Napoli, conforme o próprio nome indica, tem origem napolitana,
e foi criada por Francesco Buonerba, o marceneiro que perdeu sua ocupação econômica com a
vinda da industrialização e começou a vender pizza com sua mulher em uma “cantina de
fundo de quintal”, conforme definido pelos proprietários, origem das primeiras cantinas.
Inicialmente, a cantina Jardim de Napoli tinha a pizza como seu prato principal, mas incluiu
massas e carnes em seu cardápio, com antepastos clássicos como Melanzane all´Olio
(berinjela no azeite de oliva), Zucchini all´Olio (abobrinhas no azeite de oliva), Pomodori
Secchi all´Olio (tomates secos no azeite de oliva), com massas clássicas como Spaguetti Alla
Napoletana, Fusili com Polpette, Fusili com Bracciola, e mantém sobremesas clássicas
italianas como Pastiera de Grano. O cardápio é todo no idioma italiano, e também apresenta
influências modernas e de adaptações, como Penne integrale al sugo. Independente dessa
modernização em alguns pratos, seu cardápio deve ser considerado como clássico, além de
preservar a cozinha italiana estabelecida na cidade de São Paulo pelos primeiros imigrantes.
Torna-se importante dizer que a cantina permanece com a família na administração, em sua
terceira geração.
Um dos restaurantes mais tradicionais de São Paulo, O Gato que Ri (1951), ainda
emprega funcionários com mais de 30 anos de casa. Mesmo com sua estrutura modernizada,
mantém pratos que seguem os padrões de produção desde sua criação. Criado em um período
que coincide com a chegada dos novos italianos (segunda leva do Pós-Segunda Guerra),
disponibiliza em seu cardápio um couvert clássico de pão italiano e torradas de pesto, salada
caprese, sopas como capeleti em brodo, carnes como bracciola, massas simples e recheadas,
com diversos molhos, risotos e peixes, que contracenam com um número significativo de
pratos modernos, porém não da cozinha italiana moderna, como: salada tropical, creme de
espinafre, frango a passarinho, picanha grelhada, filet mignon ao molho madeira, bacalhau,
salmão, diversas guarnições como farofa de ovo e batatas fritas. Até mesmo o cardápio de
pizza oferecido contempla pizzas de sabores contemporâneos, intituladas de “Bauru”,
8
“Mexicana”, “Peruana”, entre outras. Classificado como um dos mais tradicionais restaurantes
italianos da cidade, O Gato que Ri apresenta uma grande interferência da modernização em
seu cardápio, que foge da modernização trazida pelos novos italianos, e coincide com a
modernização da cidade como polo gastronômico.
Restaurante de 1963, o Villa Tavola segue os mesmos moldes de modernização que O
Gato que Ri, porém prioriza em seu cardápio itens tradicionais italianos, como seu couvert
com pão italiano, torrada com alho, caponatta, sardela, e outros não tradicionais, como pasta
de atum, manteiga, queijo fresco e azeitonas. Suas entradas contêm, além de saladas,
bruschettas, berinjela em bracciola, polenta, capelleti em brodo e minestrone; no cardápio de
massas conta com diversas opções, sendo elas: agnolotti, capelleti de carne, conchiglione,
fuzili, nhoque verde, pene, ravióli de carne, ravióli de ricota, richitelli, rigatone, espaguete,
talharine e talharine verde. No item de carnes, oferece cabrito, carne muito consumida na
Itália. Como pratos classificados pratos modernos, de interferência, cita-se a picanha, que é
servida de diversas formas, salmão e bacalhau. Chama a atenção seu cardápio de sobremesa,
que não contém nenhuma sobremesa italiana. São oferecidas frutas flambadas com creme
chantilly, pudim de leite, creme papaya, petit gateau e quindim.
Referência do bairro do Brás, a Cantina Gigio nasceu em 1971, e mantém hoje uma
filial em Pinheiros. A cantina ainda hoje preserva seu método artesanal de preparo, a
generosidade e a fartura em seus pratos, algo que segundo eles “é feito com dedicação e
carinho”. Por meio de sua decoração e música ao vivo, propõe o resgate da memória de
alguns imigrantes. Já em relação ao seu cardápio, a cantina preserva seus pratos clássicos e
antigos, porém também apresenta incorporações e sinais de contemporaneidade. Separa seu
cardápio entre entradas, cremes, risotos, acompanhamentos, pastas e molhos, frangos, carnes,
peixes e sobremesas. Em todos os tópicos citados encontra-se ao menos um elemento que
identifica a incorporação de novos hábitos. Como exemplo: risoto de bacalhau, fritas a
portuguesa, estrogonofe, espetos gaúchos, filé châteaubriant, entre outros, mas ainda assim
mantém e preserva suas pastas como o capellini, cappelletti, fettucine, fusilli, gnocchi,
linguini, penne, ravioli, richiteli e spaguetti, o cabrito e o saltimboca alla romana.
O restaurante Tomatto, desde 1983 localizado na região de Santo Amaro, conta ainda
com a mesma equipe original de vinte colaboradores. Recentemente modernizou sua
arquitetura, com a proposta de atender à exigência de seus clientes. Com um trato
hospitaleiro, nomeia seus clientes como “hóspedes”. Dentre os restaurantes apresentados até
agora, é o que possui o cardápio mais tradicional italiano. Só foge da italianidade em suas
sobremesas, ao incorporar petit gateau, mousses, profiteroles, folhados, pudim de leite, cheese
9
cake, entre outros. Todos os demais ingredientes apresentados no cardápio são típicos das
regiões da Itália, como as massas, seus recheios, molhos, antepastos e carnes. O toque
contemporâneo se estabelece pela apresentação dos pratos – o site disponibiliza fotos – e pela
harmonização de alguns ingredientes típicos.
Inaugurado em 1992, na Vila Mariana, Innominato Osteria é um restaurante com estilo
contemporâneo. Não disponibiliza informações de sua história, apenas a data de inauguração,
e seu fundador. Diferente dos demais, não apresenta um longo repertório de massas e molhos,
e nem um cardápio extenso. Centraliza suas opções nos risotos e nas carnes. Com cardápio
tradicional, também apresenta adaptações, como polpetone grelhado, e pratos de fusão com
outras identidades, como Oswaldo Aranha – prato tradicional carioca – e escalopes ao poivre
vert – molho francês. Oferece, ainda, pratos executivos ao longo da semana, que apresentam
origens distintas, porém, pratos que se tornaram populares no dia a dia paulistano, como o
estrogonofe de filé, spaguetti com bracciola, filé à brasileira, lazanha de berinjela, gnocchi a
napolitana e polpetas, filé de pescada com penne, e o mais contemporâneo: spaguetti com
mini saltimboca de palmito.
Já o restaurante Due Cuochi Cucina, fundado em 2005, ostenta duas estrelas no Guia 4
Rodas, foi eleito o melhor restaurante italiano da cidade de São Paulo pela revista Veja em
2006, 2007, 2008 e 2009, pela revista Gula em 2007 e 2008, pela revista Go Where
Gastronomia em 2008, e pela revista Prazeres da mesa em 2009. Diferente dos demais,
informa que a casa é comandada por uma restauratrice. Originalmente localizada no Itaim, a
casa possui uma filial no Shopping Cidade Jardim, e, diferente dos demais, conta com quatro
chefs de cozinha: um executivo, responsável pelos dois restaurantes, um para a unidade Itaim,
e dois para a unidade do Shopping Cidade Jardim. Cada casa possui um cardápio próprio e
somente os pratos considerados como sucesso aparecem nas duas casas, e durante todo o ano.
No site apenas os pratos em comum são apresentados. Todos os ingredientes utilizados são
regionais italianos, destoando apenas a presença do bacalhau. Seus pratos são
contemporâneos, e a criatividade dos chefs aparece a cada toque de modernidade e de
harmonia entre os itens do cardápio. Criações como “Ravioli de taleggio com compota de figo
fresco na manteiga, sálvia e amêndoas”, “salada mix de champignon fresco, pinole, grana
padano, e fatias de presunto cru” entre outros pratos que unem elementos da cozinha regional
italiana em um prato anteriormente desconhecido. As sobremesas seguem o mesmo processo,
porém entre elas os nomes e alguns elementos são característicos de outras regiões, como o
“petit gateau de limão siciliano com sorvete de baunilha” e o “sorvete de coco caseiro com
baba de moça e gengibre confit”.
10
Conclui-se, então, que todos os estabelecimentos, desde os mais conservadores das
comidas dos imigrantes até os mais contemporâneos, de alguma forma, se modernizaram,
adaptaram e acompanham hoje o processo de globalização.
Outro dado importante, verificado em análise dos documentos disponibilizados nos
sites na web, é a presença dos chefs de cozinha, que só é notada a partir da década de 1990.
Nas apresentações de suas casas, muitas reúnem, antes de seu cardápio, o chef estrelado que
possui cursos no exterior e no Brasil, com passagens por outras casas famosas, que assina o
cardápio do estabelecimento. Muitos até falam da criação do cardápio com base no
conhecimento desse chef, o que os diferencia do passado, quando a comida reproduzida nas
cantinas era resultado de uma história, de hábitos antigos da família e de seu país de origem.
Nota-se, porém, que a cidade incorporou, sim, a comida italiana no seu dia a dia, até mesmo
por sua aceitação.
A análise de dois cardápios2 italianos, um da região de Firenze, outro da região de
Milão, trazidos da Itália em setembro de 2011, permite identificar similaridade com os
cardápios dos restaurantes mais recentes: massas como tortellini, tagliatelle, ravioli, penne,
spaguetti, lasagne, acompanhadas de molhos e carnes; carnes como a bresaolas, otoletta,
paillard, pettodi pólo, entre outros itens semelhantes ao que tem sido servido em São Paulo. A
única diferença recai nas sobremesas, pois não oferecem sobremesas de outros países,
mantendo-se fiéis ao Tiramissù, Zuppa, gelati e Tartufo.
Atualmente, o tempo de existência da casa não está associado à tradição e à
originalidade, comprovado pelo selo Ospitalità Italiana3, conferido pela União das Câmaras
de Comércio Italianas, que foi atribuído a diversos restaurantes antigos e novos na cidade. “30
cantinas ganham em SP selo de 'as legítimas'”, selo que tem como intenção avaliar a
hospitalidade e a tradição italiana, e não sua gastronomia (VEIGA; BURGARELLI, 2011).
No estado de São Paulo, 75 estabelecimentos passaram pela avaliação, e somente 30 a
concluíram. Foram dez os critérios utilizados para a atribuição do selo, sendo eles: ter ao
menos um funcionário fluente em italiano; ter ao menos um elemento de ambientação que
remeta à Itália; menu no idioma italiano (sem traduções literais); chef com certificado em
culinária italiana ou experiência em restaurantes típicos; na proposta gastronômica (pratos)
50% devem ser tradicionalmente italianos; ao menos cinco receitas devem seguir a tradição da
2
A nomenclatura dos pratos encontra-se redigida corretamente no idioma italiano, retirado e preservado
conforme cardápio.
3
O selo nasceu em 1997, na Itália, para classificar os restaurantes que seguiam fielmente as tradições do país.
Desde 2010, passou a ser distribuído em todo o mundo.
11
alimentação; ao menos 20% da carta de vinho deve ser proveniente da Itália; azeite extra
virgem italiano; assinatura de um termo de compromisso que assegure a origem italiana dos
produtos utilizados. Fotografaram os ingredientes e enviaram para a Itália, onde um comitê de
críticos e enólogos avaliou sua concordância com a tradição.
É possível notar que essas variáveis citadas, necessárias para considerar-se um
restaurante legítimo italiano, tendo a permissão pelo seu consulado para representar a Itália
fora do Brasil, estão intimamente relacionadas com a hospitalidade. A hospitalidade italiana é
uma marca forte da cultura desse povo, e conforme dito anteriormente, referenciado por
Camargo (2003) e Boutaud (2011). Por meio dos comportamentos à mesa é possível
visualizar os sinais identitários de um povo, sendo a refeição passível de identificação cultural
e regional, pois é justamente nessas ocasiões que a cena hospitaleira da alimentação se
institui. Portanto, se o restaurante possuir no mínimo os requisitos relacionados, será
identificado como um restaurante que realmente traduz a hospitalidade italiana, conforme
ordena o protocolo, que exige o conhecimento das regras, das normas, das leis de
hospitalidade italiana.
Ainda, em pesquisa na web, verificou-se que esse selo, ou o Marchio Ospitalitá
Italiana, é realizado na Itália, desde 1997, e agora foi estendido para o exterior. É organizado
pela União das Câmaras de Comércio Italianas no mundo (UNIONCAMERE), sob supervisão
do Istituto Italiano de Pesquisas Turísticas (ISNART), do Ministério do Turismo,
Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais da Itália, com o intuito de verificar
quais são os restaurantes que representam a cozinha italiana fora do país, com fidelidade a
suas tradições.
Em consulta à página da web intitulada Premio Ospitalitá Italiana foi possível notar
que existem dois concursos: o Prêmio Hospitalidade Italiana, que se encontra em sua sexta
edição, restrito aos hotéis e restaurantes do território italiano do qual participam
estabelecimentos que, obrigatoriamente, tenham o Marchio Ospitalitá Italiana; e o Italiano
Hospitality Award, que se encontra em sua primeira edição, onde podem participar apenas os
restaurantes que tenham recebido a “Marca Italiana Hospitality - Restaurante Italiano no
Mundo" para o ano 2010/11. Analisando seu conteúdo, foi possível identificar que os votos
são dados pelos frequentadores dos estabelecimentos.
Dos restaurantes participantes, 30 foram condecorados com o selo (Prêmio
Hospitalidade Italiana) no estado de São Paulo, sendo que desses 30, 29 encontram-se na
capital. São eles: La Risotteria; Osteria Del Pettirosso; Restaurante Piselli; Ristorante
Taormina; Il Fornaio d'Italia; Così; Spadaccino; Vicolo Nostro; Tomatto; Tatini Restaurante;
12
La Pergoletta; Cantina C...Que Sabe; La Tambouille; Magari Restaurante; Dona Carmela;
Emporio Ravioli; Terraço Itália Restaurante; Zena Caffé; Friccò Ristorante; Vinheria
Percussi; Circolo Italiano San Paolo; Pasquale Cantina; Rosmarino Restaurante; Picchi
Restaurante; La Piadina Cucina Italiana; Olea Muzzarella Bar; Pecorino; Il Sogno di
Anarello; Due Cuochi Cucina. Tendo o último deles seu cardápio analisado nesse trabalho.
Dos restaurantes citados, 17 encontram-se no presente trabalho, são eles: Restaurante
Piselli, Così, Spadaccino, VicoloNostro, Tomatto, Tatini Restaurante, La Pergoletta, Magari
Restaurante, Emporio Ravioli, Terraço Itália Restaurante, Friccò Ristorante; Vinheria
Percussi, Circolo Italiano San Paolo, Pasquale Cantina, Rosmarino Restaurante, La Piadina
Cucina Italiana, e Due Cuochi Cucina. Ainda dos restaurantes condecorados, quatro haviam
sido encontrados no site de busca adotado pela pesquisa, mas por não possuírem página na
web foram desconsiderados. São eles: Il Fornaio d'Italia, Il Sogno di Anarello, Picchi
Restaurante e Ristorante Taormina.
Feita a análise do site de três deles, escolhidos em virtude de sua relevância
gastronômica no mercado, (Terraço Itália – 1967, Spadaccino – 1998; Restaurante Piselli 2004), com o objetivo de verificar o perfil dos restaurantes condecorados, observou-se um
grande diferencial, como já havia sido notado no restaurante Due Cuochi Cuccina,
apresentado anteriormente.
O restaurante Terraço Itália, tradicional na cidade, e aberto desde 1967, apresenta em
seu site, além do histórico da casa, uma breve história da imigração italiana e das
transformações urbanas da cidade de São Paulo, bem como a história do prédio em que ele
está localizado. Oferece quatro espaços: piano bar; sala nobre; sala panorama; sala São Paulo.
Seu cardápio não é muito extenso, mas apresenta em sua totalidade pratos modernos da alta
gastronomia italiana, apoiada no conhecimento de um chef de cozinha, pois, de acordo com o
próprio site, o restaurante oferece “o melhor da cozinha italiana, atendendo às novas
tendências da alta gastronomia”. O cardápio como um todo oferece uma gastronomia italiana
moderna, somente com elementos italianos, ao que se incluem as sobremesas.
O Cucina Spadaccino di Bologna mantém a tradição, a paixão e a origem da família
de Bolonha. O restaurante, além de manter uma cozinha que produz massas artesanais em seu
próprio ateliê, oferece festivais temáticos de acordo com as estações e a sazonalidade dos
ingredientes. Mantém ainda a tradição bolonhesa em alguns pratos do cardápio, em especial
aos antepastos, e, conforme informado no site, a proprietária busca oferecer aos seus clientes
uma “viagem para a Itália” e, para isso, além da ambientação - decoração, música -, e dos
13
vinhos, eles pesquisam receitas antigas de outras regiões para reproduzi-las na casa. Seu
cardápio contém na quase totalidade ingredientes italianos, incluindo-se as sobremesas.
O restaurante Piselli, inaugurado no Jardim Paulista em 2004, tem suas receitas criadas
pelo seu dono. Ex-funcionário de casas de referência em São Paulo, dentre elas o grupo
Fasano e o restaurante Gero, o proprietário do Piselli soma essas experiências às viagens para
a Itália para elaborar suas criações. O cardápio, bem como a estrutura, é moderno e condiz
com a alta gastronomia. Apresenta as nomenclaturas de todos os pratos em italiano,
acompanhados de sua tradução e na carta de vinho a maioria dos rótulos tem origem italiana.
A partir desses exemplos, destaca-se que os restaurantes condecorados preservam as
tradições e os elementos italianos em cardápio, com raras interferências de outras origens. Os
cardápios revelam a minuciosa pesquisa de seus chefs e proprietários.
Surpreendentemente, nenhum restaurante do grupo Fasano (Fasano, Gero, Gero Caffé,
Parigi e Nonno Ruggero) foi condecorado, bem como outras referências da cidade de alta
gastronomia italiana, como o Mássimo e Famiglia Mancini Cantina. A justificativa para esse
fato poderá ser compreendida apenas pela informação dada na mesma matéria do jornal, visto
que os três estabelecimentos, mesmo apresentando um site do grupo, contendo fotos e
histórico das casas, não oferece maiores informações quanto a cardápios, especialidades e
seus chefs. Subtende-se que, para conhecer as casas em sua totalidade, é necessário ir ao
restaurante. O grupo Fasano apenas apresenta um breve histórico de cada casa e algumas
fotos; o Mássimo informa em sua página que o site está em reconstrução, tendo apenas um
link direto para sua página em um site de relacionamento pessoal; e a Famiglia Mancini
Cantina apresenta um breve histórico e uma breve apresentação do seu cardápio, com quatro
fotos de pratos, e alguns itens do cardápio. Cabe ainda ressaltar que o selo não se pautou pela
gastronomia dos restaurantes, mas, sim, por sua hospitalidade e tradição italianas.
Nota-se ainda na cidade um processo de ramificação de restaurantes em uma tendência
à abertura de filiais e grupos. Do total de restaurantes catalogados, 22 pertencem a algum
grupo de restaurantes, como exemplo os grupos: Sergio Arno, Di Cunto, Don Pepe Di Napoli,
Ravioli, Mancini, Fasano, Le Vin, Sala VIP, Pasta D´autori, Serafina e Transamérica (os
restaurantes citados foram apenas os identificados na pesquisa. Torna-se importante salientar
que muitos grupos possuem outros restaurantes da marca que não fazem parte desse artigo por
não terem aparecido na pesquisa, ou por não serem italianos).
Alguns restaurantes possuem filiais na cidade de São Paulo, e muitas vezes também
fora da própria cidade, o que permite concluir que não são apenas restaurantes italianos de
produção interna, mas grandes redes de fast-food italianas.
14
O restaurante Andiamo possui sete filiais espalhadas pela capital, todas com o mesmo
cardápio. Não apresenta em seu site informações que possibilitem entender a trajetória e a
filosofia do restaurante, apenas disponibiliza seu cardápio, que se mantém fiel às tradições
italianas, com pratos modernos com elementos italianos, e pouca interferência, a não ser nas
sobremesas, que seguem a tendência do setor e apresentam influência internacional.
O restaurante Don Pepe Di Napoli, pertencente ao grupo Don Pepe Di Napoli, conta
com sete casas de especialidades variadas, mantém cinco filiais espalhadas por São Paulo. Seu
cardápio, além de ser único em todas as casas, mantém muitos elementos clássicos, como
carnes, massas e risotos, mas, como a maioria, sofre influências externas em suas guarnições e
principalmente em suas sobremesas.
Comandado por um chef francês, que além de chef é o proprietário, o restaurante Per
Paolo possui quatro unidades na cidade de São Paulo. O site não apresenta seu cardápio, o que
torna difícil uma análise do estabelecimento.
Com cinco unidades em São Paulo, o Santa Pasta, originalmente criado como
franchising a fim de atender às operações da Italian Express Delivery, se especializou na
fabricação de massas e molhos para atender à busca de padronização, controle de estoques e
velocidade na operação. Além de fornecer massas e molhos para outros estabelecimentos de
São Paulo, possui em suas unidades os chamados “cardápios de mesa”, todos igualmente
padronizados, e apenas com massas.
O restaurante Di Cunto, analisado anteriormente, possui três filiais. Em seu site não
fica claro se existe alguma diferença entre as três filiais, apenas informa que o cardápio
apresentado é da unidade Mooca, o que se subentende é que as demais casas possuem
cardápios específicos e serviços individualizados.
A cantina Jardim de Napoli possui duas unidades, a cantina e o Speciale Jardim de
Napoli. As casas apresentam cardápios distintos: a cantina com um cardápio extenso, e o
Speciale com cardápio reduzido, apenas com saladas, massas e carnes.
Com três casas em São Paulo, o La Bucca Romana mantém o mesmo cardápio, com
clássicos italianos, e com elementos de interferências, como as pastas “criativas”, risoto alla
Portugal, e principalmente as sobremesas que não são italianas, e sim de outras
nacionalidades, como brownies, petit gateau, torta holandesa, entre outras.
A Alimentaria Di Sergio Arno possui três unidades em São Paulo. Duas casas no Itaim
Bibi: o Restaurante Alimentaria e a Rosticceria, e, na Vila Beatriz, o Restaurante e
Rosticceria. Cada casa possui o seu próprio cardápio, que não é fiel às tradições italianas, e é
modificado a cada ano. Dentre as tradições, as que mais chamam a atenção são as massas. Em
15
contrapartida, possui opções, como variados pastéis em seu cardápio. Como diferencial, cada
prato tem a indicação de harmonização de vinhos, indicando apenas se a melhor opção é o
branco, tinto, rosé, etc. Como o cardápio não apresenta a carta de vinhos, não foi possível
saber se a casa trabalha somente com vinhos italianos, ou é aberta para outros países.
As duas casas da Cantina Gigio, já apresentada anteriormente, possuem seus
diferenciais, com “distintas características artesanais de origem comum” como eles mesmos
definem. A unidade do Brás é a primogênita, e a que mais preserva as tradições em seu
ambiente, enquanto a unidade de Pinheiros possui “alma própria”, é pautada nas massas
frescas e molhos de tomates.
O Carlino restaurante mantém duas casas em São Paulo. No site apresenta apenas seu
cardápio delivery, mas em seu histórico fica registrado que a casa segue as tradições e muitos
pratos da Vechia Cucina. Não fica claro, mas dá a entender que o cardápio é único para os
dois estabelecimentos.
Conforme apresentada anteriormente, a Duo Cuochi Cucina possui duas unidades na
cidade, com cardápios distintos, porém com alguns pratos comuns nas duas, ao longo do ano
todo.
Com uma unidade na Bela Vista e outra no Jardim Paulista, L´Osteria Del Generale
possui o mesmo cardápio para ambas as casas, e as tradições decorativas em ambas como se
pode visualizar pelo site. A primogênita, no Jardim Paulista, inaugurada em 1980 não
“conseguiu” atender à grande demanda, quando houve a necessidade de uma outra casa,
inaugurada em 2007, na Bela Vista.
Com um espaço e um cardápio modernos, o restaurante Cosí mantém duas unidades, a
primeira na Santa Cecília, sem data de inauguração disponível, e a segunda no Itaim Bibi,
inaugurada em 2010. Com cardápios bem similares, as duas casas apresentam a mesma
proposta de serviço e de pratos.
O restaurante Spaghetti Notte, com duas unidades, não apresenta conteúdo suficiente
para análise em seu site, que está em construção. Apenas informa que sua casa tradicional e
original fica situada no Shopping Anália Franco, mas não disponibiliza maiores informações,
e nem mesmo seu cardápio.
Com duas unidades, o restaurante Vila Conte, além de possuir filiais, faz parte do
grupo Don Pepe de Napoli. Possui cardápio único em suas casas, bastante tradicional, com
poucas interferências estrangeiras. Suas sobremesas também são em sua maioria italianas,
diferente da maioria dos estabelecimentos.
16
A distribuição dos restaurantes italianos em funcionamento na cidade de São Paulo
Por meio da localização de cada estabelecimento, bem como do número de unidades
existentes, pode-se observar a localização dos restaurantes italianos em funcionamento na
cidade, conforme foto de satélite criada no googlemaps, observada na figura 1:
Figura 1: Distribuição dos restaurantes em funcionamento na cidade de São Paulo em 2011.
Fonte: Dados analisados e inseridos na foto de satélite do googlemaps (2011).
Para uma melhor compreensão da distribuição dos restaurantes italianos, reconhecerse-á, por meio de um mapa, a localização e a concentração desses estabelecimentos em zonas
já preestabelecidas com base nos pontos cardeais: sudeste, nordeste, sudoeste e noroeste.
17
É sabido que as primeiras cantinas e restaurantes italianos se localizavam no Centro
Velho, mais precisamente nos bairros da Barra Funda, Bela Vista, Belém, Bom Retiro, Brás,
Consolação entre outros, que reuniam grande concentração de imigrantes italianos. Collaço
(2010, p. 36) aponta que as primeiras cantinas surgiram nas calçadas das residências dos
imigrantes em seus bairros, ao que Ricupero (2011, p. 20), completa que, além dos sobrados e
cortiços, “as ruas daquelas zonas eram ocupadas por fábricas, armazéns e cantinas”.
No mapa 2, evidencia-se a distribuição dos imigrantes italianos no ano de 1934.
Destacam-se Mooca (12%), Belém (10%), Brás (9%), Bela Vista (9%), Liberdade (5%),
Ipiranga (5%), Cambuci (5%), Santa Cecília (5%), Lapa (5%), Bom Retiro (4%), Consolação
(4%), República (4%), Santana (3%), Vila Mariana (3%), Penha (3%) e Perdizes (2%) como
os de maior concentração imigrante, onde nasceram as primeiras cantinas, os primeiros
restaurantes, enfim, os primeiros estabelecimentos comerciais dos italianos, a difusão da
comida e dos hábitos italianos pela cidade.
A Bela Vista constitui uma particularidade especial para essa análise, dada a grande
concentração de italianos no final do século XIX e primeiras décadas do século XX. Reúne a
segunda casa mais antiga em funcionamento - Capuano, inaugurado em 1907 e restaurantes
que caracterizam cada década, relativa ao período de 1930 a 2000. Em 1938, o Gigetto, em
1942 a Cantina Roperto, na década de 1950 o Il Pastaio, em 1963 o Villa Tavola, nas décadas
de 1970 e 1980, com duas casas cada, La Bucca Romana (1972), Montechiaro (1974),
Famiglia Mancini Cantina (1980) e L´Osteria Del Generale (1980), por fim, na década de
2000 o Luna di Capri (2002), e sem a indicação do ano, Walter Mancini Ristorante.
O Brás, por sua vez, chama a atenção, por apresentar uma única casa, a Cantina Gigio
inaugurada em 1971. Fenômeno também presente no Belém (Santa Pasta), no Cambuci (La
Mamma - 1976) e na Lapa (Cantina Brasiliani - 2003). Na Mooca, destacam-se as cantinas
San Marco (1975), 1020 (1948) e o Di Cunto Restaurante (1935); no distrito da Consolação
existem a Cantina e Pizzaria Piolin (1970), o Tappo Trattoria, Antonietta Culinária Italiana,
Jardim de Napoli (1949), Mamarana (1961) e Roma Ristorante (1954); no distrito de Santa
Cecília, os restaurantes Carlino, Cosí, Accanto, Casa das Massas (1986), Villa Cioè e
Andiamo. Na República, o Carlino (1881), o restaurante do Circolo Italiano, O Gato que Ri
(1951) e o Terraço Itália (1967); no Ipiranga, a Cantina do Magrão e o Santa Pasta não
fornecem dados sobre a época de sua inauguração, e o Nico Pasta & Basta inaugurado em
2009. O Bom Retiro, a Lapa e a Liberdade não apresentam restaurantes.
18
Mapa 1 – Distribuição dos italianos na cidade de São Paulo em 1934
Fonte: Elaborado por Bastos e Back (2009).
A sistematização dos restaurantes por subprefeitura no mapa 3, permite quantificar 11
restaurantes na subprefeitura da Lapa (nº 08), 32 restaurantes na subprefeitura da Sé (nº 09), 5
restaurantes na subprefeitura da Mooca (nº 25), 65 restaurantes na subprefeitura de Pinheiros
(nº 11), 28 restaurantes na subprefeitura da Vila Mariana (nº 12), 4
restaurantes na
subprefeitura do Ipiranga (nº 13), 5 restaurantes na subprefeitura de Santo Amaro (nº 14), 3
restaurantes na subprefeitura do Butantã (nº 10), 2 restaurantes na subprefeitura de
Aricanduva/Formosa/Carrão (nº 26) e 1 restaurante na subprefeitura de Campo Limpo (nº 17).
19
Mapa 2 – Distritos da cidade de São Paulo.
Fonte: PMSP, 2012.
Dos restaurantes analisados, a maioria está localizada em distritos da subprefeitura de
Pinheiros, mais especificamente Itaim Bibi (31), Pinheiros (19) e Jardim Paulista (11),
seguidos pelas subprefeituras da Sé (32) e Vila Mariana (28).
Na figura 1 é possível visualizar a concentração dos restaurantes no quadrante
sudoeste da cidade de São Paulo. O quadrante sudoeste apresenta grande desenvolvimento
urbano e, segundo Villaça (1986) e Santos (1992), desde 1870 a alta burguesia ocupa tal
região. Ao início da ocupação do loteamento de Campos Elíseos, seguiu-se a Vila
Buarque/Santa Cecília; em 1890 o bairro de Higienópolis; em 1891 a Avenida Paulista; em
1922 o Jardim América; nos anos 1930 e 1940 o Jardim Europa, Alto de Pinheiros, Pacaembu
e Alto da Lapa; nos anos 1950 e 1960 o Sumarezinho, Cidade Jardim, Chácara Flora e
Morumbi; nos anos 1970 a Granja Viana.
O quadrante sudoeste, caracterizado por um clima mais ameno, devido ao maior
número de parques e sua arborização, região privilegiada nos transportes públicos,
principalmente no quesito qualidade e disponibilidade, concentra o maior Índice de
Desenvolvimento Humano (IDH) e a maior concentração das classes de alta renda. Como
consequência, os restaurantes acompanham esse processo de crescimento da cidade, e ocupam
tais áreas mais povoadas e frequentadas pelo seu público-alvo, o que ainda corrobora para
lhes conferir charme e agregar mais valor ao estabelecimento. Conforme foi possível notar,
atualmente os novos restaurantes estão, em sua maioria, no distrito do Itaim Bibi e Jardim
20
Paulista, enquanto os restaurantes mais antigos permanecem localizados nos bairros
imigrantes.
Segundo Villaça (1986, p. 90):
O quadrante sudoeste de São Paulo é a região da cidade que vai desde o
trecho sul da linha norte-sul do metrô até o eixo da Av. São João/Av.
Francisco Matarazzo. Ali estão as avenidas 23 de maio, Washington Luiz,
Santo Amaro, 9 de Julho, Ibirapuera, Rebouças, Sumaré, Bandeirantes, etc.
O quadrante sudoeste, partindo do centro, é compreendido pelos bairros de Santa
Cecília, Vila Buarque, Perdizes, Pompeia, Higienópolis, Jardins, Pinheiros, Itaim e Moema.
Partindo do trecho sul do metrô, vai da Vila Mariana ao Jabaquara; compreende, ainda, a
região do Brooklin, Santo Amaro, Morumbi, entre outros, até Cotia/Itapecerica. Pelo
prolongamento da Avenida Paulista estende-se até o Alto da Lapa. Fora do quadrante
sudoeste está toda a cidade além do rio Tietê (zona norte), Freguesia do Ó, Casa Verde,
Brasilândia, Santana e vizinhanças até o Horto Florestal, Vila Maria; toda a zona leste, do
Brás até Mogi das Cruzes (VILLAÇA, 2012)4.
Considera-se, portanto, a concentração dos restaurantes italianos analisados nessa
pesquisa no quadrante sudoeste na cidade de São Paulo, o que equivale a 118 (75%) casas em
funcionamento. A análise dos cardápios, a influência e a interferência do crescimento e do
desenvolvimento gastronômico na cidade, tanto nos pratos ofertados, como nas técnicas de
preparo, apresentações e finalizações dos pratos, permitem concluir que a presença de um
profissional de cozinha, chamado, glamorosamente, de chef de cozinha, com o apoio
incondicional de sua brigada de cozinheiros que fazem da união dos produtos regionais, das
técnicas culinárias, e dos processos internos de uma cozinha, a gastronomia italiana como seu
principal resultado.
Considerações finais
As cantinas mais antigas, existentes ainda hoje, tentam manter suas tradições, como
exemplo o preparo de seus pratos por cozinheiros, comandados por funcionários antigos que
cresceram e acompanharam a história da casa, ou por algum membro da família que mantém
firmemente as tradições de seus anteriores, pela decoração típica do estabelecimento italiano
(toalhas vermelhas e brancas, garrafas penduradas, acepipes, entre outros itens), sua
localização, e principalmente na tradição de suas principais receitas – a comida antiga italiana.
4
Informação fornecida por mensagem eletrônica.
21
Elas foram, segundo as análises, as que mais permitiram interferências externas de pratos que
não fazem parte da culinária italiana em seus cardápios; acredita-se que tal atitude esteja
relacionada com a tentativa da sobrevivência de suas casas em meio a tantos restaurantes
glamorosos existentes.
Seus cardápios mantêm as tradicionais massas, sempre regadas com muitos molhos, e
nesse sentido não acompanham a modernização da gastronomia com apresentação de pratos
individuais, com pequenas porções de comida. Seus pratos continuam exagerados, servem
duas ou até três pessoas. Em sua maioria, mantêm grupos de garçons antigos e uma clientela
fiel. Seus cardápios, porém, apresentam itens não contemplados na cozinha italiana,
interferências de outras culturas e da globalização. Nota-se que seus donos acompanharam o
crescimento da cidade, com seus pratos, com suas interferências culturais, e viram a
necessidade de incorporar novos alimentos dentro de seus cardápios tradicionais. Exemplo da
batata frita, das farofas, de tipos de carnes consumidos na cidade, e principalmente nas
sobremesas: praticamente todos os cardápios comportam o petit gateau e o creme de papaya.
O fato de São Paulo hoje constituir um “polo” gastronômico de realidade imensurável,
em número de restaurantes e de especialidades oferecidas, faz com que os restaurantes antigos
se submetam a outras técnicas, a outras manipulações, para assim acompanhar o crescimento
urbano e manter-se em funcionamento.
Atualmente, os restaurantes novos optam por localizar-se nas regiões mais nobres da
cidade, e não necessitam, e nem sentem a obrigação, de manter em seus cardápios os mesmos
pratos da comida italiana antiga.
Esses novos restaurantes, que contam agora com a presença do chef de cozinha, têm
seu cardápio propagado sob seu nome, sob suas criações. A análise do cardápio possibilitou
visualizar que a presença do chef o enriquece culturalmente, pois com um conhecimento
amplo sobre as técnicas culinárias, somado a sua criatividade e ao conhecimento local de cada
região em aspectos históricos e geográficos, lhe possibilita criar uma cozinha inovadora e, ao
mesmo tempo, tradicional no que diz respeito à fidelidade aos produtos italianos e às
tradições. Fato este comprovado pelo selo Ospitalitá Italiana (2010), que condecorou um
número significativo de restaurantes, entre eles muitos da década de 1990, comandados por
chefs que preservam as tradições e os elementos italianos nos cardápios, com raras
interferências de outras origens.
Como potencial turístico, o selo Ospitalitá Italiana também busca condecorar os
restaurantes aprovados para transmitir a real cultura italiana, suas tradições e sabores,
constituindo um diferencial para os turistas presentes na cidade.
22
Os pratos ditos contemporâneos traduzem a criatividade e o conhecimento dos chefs
de cozinha a cada toque de modernidade e de harmonia entre os itens do cardápio. Suas
criações misturam em um mesmo prato ingredientes dessa cozinha, dão origem a pratos
inovadores que continuam apresentando a Itália e sua cultura. Como exemplo, o Ravioli di
faraona (massa recheada de galinha d´angola, ao molho assado e taleggio) do restaurante Tre
Bicchiere, que une ingredientes típicos da região de Abruzzo (galinha d´angola), e da
Lombardia (queijo taleggio), além de aplicar ao prato técnicas de cozinha que requerem
conhecimento apurado, como o molho “assado”. Ou ainda, o Supplì al telefono (bolinhos de
risotto recheados com queijo e fritos) do restaurante Piselli, que audaciosamente transforma o
risotto em bolinho, o recheia e frita. É incontestável o papel do chef de cozinha na alta
gastronomia, nos dias atuais. Eles dão o toque de modernidade, e enriquecem cardápios,
transformando-os em uma verdadeira obra de arte com alma italiana. Retomando Revel
(1996), conclui-se que com o surgimento da gastronomia a cozinha então deixa de ser
coletiva, e a gastronomia torna-se um aperfeiçoamento dela, onde cada um fica livre para
exercer sua própria criação, pois a gastronomia promove o espírito de pesquisa. Os cardápios
revelam a minuciosa pesquisa de seus chefs e proprietários.
Ainda, como conclusão possibilitada por meio da análise dos cardápios, dos seus
criadores e reprodutores, tem-se que a antiga comida italiana, feita e criada por antigos
italianos e propagada entre os seus, é cozinha italiana antiga, enquanto a cozinha moderna
italiana, servida nos restaurantes mais novos, criada e reproduzida hoje na cidade de São
Paulo por chefs de cozinha não é mais cozinha, e sim a gastronomia italiana na cidade de São
Paulo.
Por fim, os resturantes hoje acompanham o crescimento e os investimentos em
infraestrutura turística da cidade, e se localizam nos bairros de maior movimento e de poder
aquisitivo alto, os chamados bairros nobres, o que foi comprovado pela presente pesquisa,
sendo o Itaim Bibi o distrito que apresenta hoje o maior número: 31 restaurantes italianos.
REFERÊNCIAS
Fontes de pesquisa
A Massaria (Italiana) - http://www.amassaria.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Abruzzi - Restaurante e Rotisserie - http://www.abruzzi.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
23
Accanto - www.accantorestaurante.com.br (acesso em 6 jan. 2012)
AguzzoCucina e Vino - http://www.aguzzo.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Alcachofra Pasta e Vinho - http://www.alcachofrapastaevinho.com.br/2009/ (acesso em 6 jan.
2012)
Alimentaria Di Sergio Arno – Rosticceria - http://www.sergioarno.com.br/alimentaria/
(acesso em 6 jan. 2012)
AllegroCucina - http://www.allegrocucina.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Andiamo - http://andiamo.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Antonietta Culinária Italiana - antoniettarestaurante.com (acesso em 6 jan. 2012)
AprioriCucina Italiana - http://aprioricucina.com.br/index/ (acesso em 6 jan. 2012)
Biondi Restaurante - http://www.biondirestaurante.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Bucatini - http://www.bucatini.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Buttina - http://www.buttina.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Café Toscano - http://www.cafetoscanoonline.com/ordereze/Offline.htm (acesso em 6 jan.
2012)
Cantina 1020 - http://www.cantina1020.com.br/ (acesso em 6 jan. 2012)
Cantina Arancini - http://www.arancini.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina Bella Donna - http://www.cantinabelladonna.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina Brasiliani - http://www.brasiliani.com.br/index.html (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina do Magrão - http://bardomagrao.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina do Piero Il Vero - http://www.cantinadopieroilvero.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina e Pizzaria Piolin - http://www.cantinaepizzariapiolin.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina Gigio - http://www.cantinagigio.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina Roperto - http://cantinaroperto.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina San Marco - http://www.cantinasanmarco.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Cantina Sesto - http://www.cantinasesto.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Capuano - http://www.cantinacapuano.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Carino's - http://www.carinos.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Carlino - http://carlinoperdizes.com.br/historia.htm (acesso em 7 jan. 2012)
Casa das Massas - www.restaurantecasadasmassas.com.br/index.html (acesso em 7 jan. 2012)
Ciao! Vino& Birra - http://www.ciaovinoebirra.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Circolo Italiano - http://www.circoloitaliano.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Dell´ArteRistorante - http://www.dellarteristorante.com.br/index.html (acesso em 7 jan. 2012)
Di Cunto Restaurante - http://www.dicunto.com.br/2010/ (acesso em 7 jan. 2012)
Divina Itália - www.divinaitalia.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Don PepeDiNapoli - http://www.donpepedinapoli.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Doof Gastronomia - http://www.doofgastronomia.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
DueMaestá - http://www.duemaesta.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Duo CuochiCucina - http://www.duecuochi.com.br/site/ (acesso em 7 jan. 2012)
Emillia - http://www.emillia.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Empório Ravioli - http://www.emporioravioli.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Famiglia Mancini Cantina - http://www.famigliamancini.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Fasano - http://www.fasano.com.br/site_gastronomia_br.php (acesso em 7 jan. 2012)
FiguratiRistorante - http://www.figurati.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Friccò - http://www.fricco.com.br/Fricco.aspx (acesso em 7 jan. 2012)
Genova - http://www.restaurantegenova.com.br/index.html (acesso em 7 jan. 2012)
Gero - http://www.fasano.com.br/site_gastronomia_br.php (acesso em 7 jan. 2012)
Gero Caffé - http://www.fasano.com.br/site_gastronomia_br.php (acesso em 7 jan. 2012)
Gigetto - http://www.gigetto.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Grand Caffè - http://www.grandcaffe.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
24
Il Pastaio - http://www.ilpastaio.com.br/homepage_maio2010.asp (acesso em 7 jan. 2012)
InnominatoOsteria - http://innominato.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Italy Restaurante - http://italyrestaurante.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
Jardim de Napoli - http://www.jardimdenapoli.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
L´Osteria Del Generale - http://www.generale.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
La Bucca Romana - http://www.labucaromana.com.br/ (acesso em 7 jan. 2012)
La Fortuna - http://www.restaurantelafortuna.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
La Grassa - http://www.lagrassa.com.br/site/ (acesso em 8 jan. 2012)
La Mamma - http://www.lamammarestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
La Pasta Gialla - http://198.106.103.203/lapastagialla/ (acesso em 8 jan. 2012)
La Pergoletta - http://www.lapergoletta.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
La PiadinaCucina Italiana - http://www.lapiadina.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
La Trattoria - http://www.latrattoria.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Lellis Tratoria - http://www.lellis.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Luna di Capri - http://www.cantinalunadicapri.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Magari - http://www.magari.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Mamarana - http://mamarana.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Mangiare - http://www.mangiaregastronomia.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Manuali - http://www.manuali.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Maremonti - http://www.maremonti.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Marina diVietri - http://www.marinadivietri.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Massimo - http://www.massimo.com.pt/ (acesso em 8 jan. 2012)
Matterello - http://www.matterello.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Mello & Mellão Trattoria - http://www.mellomellao.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Montechiaro - http://www.montechiaro.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Nello's - http://www.nellos.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Nico Pasta & Basta - http://www.nicopastabasta.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Nicota - http://www.restaurantenicota.com/ (acesso em 8 jan. 2012)
NonnoRuggero - http://www.fasano.com.br/site_gastronomia_br.php (acesso em 8 jan. 2012)
O Gato que Ri - http://www.ogatoqueri.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
OggiCucina&Vino - http://www.oggirestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Oliva - http://www.olivarestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Osteria Ritto - http://www.ritto.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Parigi - http://www.fasano.com.br/site_gastronomia_br.php/ (acesso em 8 jan. 2012)
Pasquale - http://www.pasqualecantina.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Pasta D'Autori - http://www.pastadautori.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Pepitto - http://www.donpepedinapoli.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Per Paolo - http://perpaolo.com.br/index.html (acesso em 8 jan. 2012)
Piselli - http://www.piselli.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Pomodori - http://www.pomodori.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Quattrino - http://www.quattrino.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
RavioliCucinaCasalinga - http://www.emporioravioli.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Restaurante Cosí - http://www.restaurantecosi.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Revista Prazeres da mesa. São Paulo – SP, ano 9, nº 96, agosto 2011.
Roma Ristorante - http://www.cantinaroma.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Rosmarino - http://www.rosmarino.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Sallvattore - http://www.sallvattore.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Santa Pasta - http://www.santapasta.com.br/index.htm (acesso em 8 jan. 2012)
Santo Colomba - http://www.santocolomba.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Santo vinoRistorante - http://www.santovinoristorante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
25
Serafina - http://www.serafinarestaurante.com.br/index.aspx (acesso em 8 jan. 2012)
Spadaccino – Cucinadi Bologna - http://www.spadaccino.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
SpaghettiNotte- http://spaghettinotte.net/ (acesso em 8 jan. 2012)
TappoTrattoria - http://www.tappo.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Tatini - http://tatinirestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Ter Bicchieri - http://trebicchieri.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Terraço Itália - http://www.terracoitalia.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Tomatto - http://www.tomatto.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Trattoria do Sargento - http://www.trattoriadosargento.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Trattoria do Tenente - http://www.trattoriadotenente.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Trattoria Peixoto Gomide - http://www.peixotogomide.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Trinitá Gastronomia - http://www.trinitagastronomia.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Tutto Italiano Bar &Cucina - http://www.tuttoitaliano.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Uffizi - http://www.uffizibar.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Vecchio Torino - http://www.vecchiotorino.com.br/Vecchio/Home.html (acesso em 8 jan.
2012)
Verbena - http://www.transamerica.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Vico d'O Scugnizzo - http://www.cantinavico.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
VicoloNostro - http://www.vicolo.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Vila Conte - http://www.donpepedinapoli.com.br/vilaconte/ (acesso em 8 jan. 2012)
Villa Cioè - http://www.villacioe.com.br/Villa_Cioe/Bem-vindos.html (acesso em 8 jan.
2012)
Villa Tavola - http://www.villatavola.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
VinheriaPercussi - http://www.percussi.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Vino! - http://www.lojavino.com/ (acesso em 8 jan. 2012)
Vito - http://www.vitorestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Walter Mancini Ristorante http://www.famigliamancini.com.br/WalterManciniRistorante/tabid/109/Default.aspx (acesso
em 8 jan. 2012)
Zino - http://www.zinoadegaerestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Zucco - http://www.zuccorestaurante.com.br/ (acesso em 8 jan. 2012)
Zzi Luca Pasta e Vino - http://www.zziluca.com.br/. (acesso em 8 jan. 2012)
Ministério da Educação: Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Disponível
em: http://emec.mec.gov.br/ (acesso em 10 jan. 2012)
Premio Ospitalità Italiana. Disponível em: http://www.premiospitalita.it/ (acesso em 20 jan.
2012)
Prefeitura Municipal de São Paulo. Disponível em:
http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/economia_urbana/mapas/mapaindice.pdf
Guia da folha.com. Disponível em: http://guia.folha.com.br/. (acesso em 6 jan. 2012)
Bibliográficas
BOUTAUD, Jean Jacques. Comensalidade. Compartilhar a mesa. In: MONTANDON, Alain
(dir.). O livro da hospitalidade. Acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São
Paulo: Senac, 2011.
CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. Os domínios da hospitalidade. In: DENCKER, Ada de
Freitas Maneti e BUENO, Marielys Siqueira (org.). Hospitalidade: cenários e
oportunidades. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.
COLLAÇO, J. H. L. From mamma's to cosmopolitan restaurant. Anthropology of food, v. 7,
2010. p. 1-180.
26
LANDI, Camila Meirelles. Da cozinha à gastronomia: a comida italiana nos restaurantes
paulistanos. 2012. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Hospitalidade), Universidade
Anhembi Morumbi, 2012.
REVEL, Jean-François. Um banquete de palavras. Uma história da sensibilidade
gastronômica. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
RICUPERO, R. A essência do gesto: vivo na memórias de infância, o dia a dia dos italianos
deixou muitas lembranças com sabor de alegria. In: Revista de História da Biblioteca
Nacional. Rio de Janeiro – RJ, ano 6, nº 72, p. 18-23, setembro 2011.
SANTOS, L. M. Expansão urbana da cidade de São Paulo e a segregação socio-espacial:
1850 a 1992. São Paulo, 1992. Disponível em: http://www.cefetsp.br/edu/eso/saopaulo.html
VEIGA, E.; BURGARELLI, R. 30 cantinas ganham em SP selo de 'as legítimas'.
estadao.com.br, 15 de fevereiro de 2011. Disponível em: http://estadao.br.msn.com/ultimasnoticias/artigo.aspx?cp-documentid=27683907
VILLAÇA, F. O que todo cidadão precisa saber sobre habitação. São Paulo: Global, 1986.
Fly UP