...

Danillo Luiz De Magalhães Ferraz - Sigaa

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Danillo Luiz De Magalhães Ferraz - Sigaa
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE TECNOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA
DANILLO LUIZ DE MAGALHÃES FERRAZ
EFICIÊNCIA DE UMA ETE EM ESCALA REAL
COMPOSTA POR REATOR UASB SEGUIDO DE
LODO ATIVADO
Natal
2014
DANILLO LUIZ DE MAGALHÃES FERRAZ
EFICIÊNCIA DE UMA ETE EM ESCALA REAL
COMPOSTA POR REATOR UASB SEGUIDO DE
LODO ATIVADO
Dissertação apresentada ao Programa de
Pós-graduação em Engenharia Sanitária
da Universidade Federal do Rio Grande
do
Norte,
obtenção
como requisito
do
título
de
parcial
Mestre
à
em
Engenharia Sanitária.
Orientador: Prof. Dr. André Luís Calado
Araújo
Natal
2014
Catalogação da Publicação na Fonte / Bibliotecário Raimundo Muniz de Oliveira
CRB15-429
Ferraz, Danillo Luiz de Magalhães.
Eficiência de uma ETE em escala real composta por reator UASB seguido de
lodo ativado / Danillo Luiz de Magalhães Ferraz. – Natal, RN, 2014.
78 f.
DANILLO LUIZ DE MAGALHÃES FERRAZ
Orientador: André Luís Calado Araújo.
Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária) – Universidade Federal do
Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Programa de Pós-Graduação em
Engenharia Sanitária
.
1. Estação de tratamento de esgoto – Dissertação. 2. Lodos ativados Dissertação. 3. Biodiscos - Dissertação. 4. Remoção biológica de nitrogênio Dissertação. 5. UASB – Dissertação. 6. Matéria orgânica – Dissertação. I. Araujo,
André Luís Calado. II. Título.
RN/UF
CDU 628.32
EFICIÊNCIA DE UMA ETE EM ESCALA REAL
COMPOSTA POR REATOR UASB SEGUIDO DE
LODO ATIVADO
Dissertação apresentada ao Programa de
Pós-graduação em Engenharia Sanitária
da Universidade Federal do Rio Grande
do
Norte,
obtenção
como
do
requisito
título
de
parcial
Mestre
à
em
Engenharia Sanitária.
BANCA EXAMINADORA
______________________________________________________
Dr. André Luís Calado Araújo – Orientador
______________________________________________________
Dr. Hélio Rodrigues dos Santos – Examinador Interno UFRN
____________________________________________________________
Dr. Paulo Eduardo Vieira Cunha – Examinador Externo CAERN
Natal, 07 de março de 2014.
Aos meus queridos pais, Luiz e Ziza
Aos meus irmãos, Diogo e Igor
Á minha amada esposa, Flaviane
Á minha linda filhinha, Maria Luiza
AGRADECIMENTOS
Agradeço a Deus pela força e saúde concedidas nos momentos durante toda a vida.
Aos meus pais Luiz e Ziza, que através de seus ensinamentos, gestos e ações,
sempre pautados no respeito e amor ao próximo, souberam da melhor maneira
possível cativar um filho, de forma a se tornarem meta a ser atingida como pessoa.
Á minha esposa Flaviane que sempre esteve ao meu lado, dando o amor, a força e
a motivação necessária para que esse trabalho chegasse a sua conclusão.
À minha filha Maria Luiza, que mesmo tão pequena, tendo passado por uma longa e
difícil caminhada, maior até do que a do próprio pai, já ensina como um sorriso pode
mudar o mundo.
Obrigado Prof. PhD. André Calado, pela amizade, pela paciência, pelos
ensinamentos e por ter me acolhido como seu orientando.
Á CAERN, pela autorização da utilização da ETE do Baldo.
Gostaria de agradecer a toda a equipe da ETE do Baldo, em especial ao Analista
Ambiental da CAERN, engenheiro e amigo Dr. Paulo Cunha pelos ensinamentos e
experiência concedidos durante a pesquisa. Agradeço também aos engenheiros
Cícero Fernandes e Felipe Oliveira, assim como aos operadores Alexsandro,
Cristiano, Diógenes, Ferreira, Josenilson, Paulo, Pereira, Rodrigo, Sergiano, Sérgio,
Weberson e Yuri. Muito obrigado! Vocês foram essenciais!
Aos técnicos de laboratório, responsáveis pelas análises: Raul Peixoto e Jorge, da
CAERN e Ynês Oliveira do IFRN.
Ao LARHISA / UFRN – Laboratório de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental e
a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, assim como todos os professores
do PPGES.
Agradeço aos colegas de curso, pelos momentos de descontração e conhecimento,
espero que todos alcancem os seus objetivos profissionais.
A todos o meu sincero agradecimento!
RESUMO
FERRAZ, D. L. M. Eficiência de uma ETE em escala real composta por reator
UASB seguido de lodo ativado. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária) –
Universidade Federal de do Rio Grande do Norte, 78 p, 2014.
No Rio Grande do Norte (RN), Brasil existe cerca de 80 sistemas de tratamento de
esgotos sendo a tecnologia das lagoas de estabilização a predominantemente
utilizada. A ETE do Baldo, devido a sua localização e disponibilidade de área foi
concebida como um sistema convencional híbrido (UASB – lodos ativados com
biodiscos) em nível terciário, sendo a ETE mais avançada do Estado e com maior
capacidade de tratamento (1620 m3/h). O trabalho apresenta os resultados do seu
monitoramento, através de coletas realizadas semanalmente no período de junho a
dezembro de 2012, com base em amostras compostas coletadas a cada 4 horas,
durante 24 horas, do efluente da caixa de areia, reatores UASB, câmaras anóxicas,
tanques de aeração e efluente tratado. Os resultados mostraram que a ETE
apresentou efluentes com temperaturas, pH e OD adequados, entretanto eficiências
abaixo do projetado para os parâmetros DBO e SST. Os reatores UASB também
apresentaram remoções de DBO e SST abaixo do esperado, devido ao acúmulo de
lodo nos reatores, uma vez que, este era expelido no efluente. O processo de
nitrificação não foi satisfatório, pelas baixas concentrações de nitrato encontradas
nos efluentes dos tanques de aeração, provavelmente por problemas no sistema de
aeração. As remoções de amônia e NTK foram altas, provavelmente pelo processo
de assimilação.
Palavras–chaves: Estação de tratamento de esgoto, UASB, lodos ativados,
biodiscos, matéria orgânica, remoção biológica de nitrogênio.
ABSTRACT
FERRAZ, D. L. M. Efficiency of a full-scale WWTP consists of UASB reactor
followed by activated sludge. Master Science Dissertation – Federal University of
Rio Grande do Norte, 78 p, 2014.
In the state of Rio Grande do Norte (RN), Brazil, there are about 80 sewage
treatment systems being the predominant technology waste stabilization ponds. The
Baldo’s WWTP , due to its location and low availability of area, was designed as a
hybrid conventional system (UASB reactor followed by activated sludge with
biodiscs) at a tertiary level, being the most advanced WWTP in the State and also
with the larger treatment capacity (1620 m3/h) .The paper presents the results of its
performance based on samples collections from May to December 2012. Composite
samples of the effluent of the grit chamber, UASB reactors, anoxic chambers,
aeration tanks and treated effluent were collected weekly, every 4 hours for 24 hours.
The results showed that the WWTP effluent presented adequate ranges of
temperatures, pH and DO, however removal efficiencies of BOD and TSS were
below the predicted by design. The UASB reactors also showed removals of BOD
and TSS less than expected, due to the accumulation of sludge in the reactors, which
eventually, was washed out in the effluent. The nitrification process was not
satisfactory mainly due to problems in the oxygen distribution in the aeration tanks.
The removal of ammonia and TKN were high, probably by the assimilation process.
Keywords: Waste water treatment plant, UASB, activated sludge, biodiscs, organic
matter, biological nitrogen removal.
LISTA DE FIGURAS
Figura 1: Conversão biológica nos sistemas anaeróbios .......................................... 15
Figura 2: Representação esquemática das etapas de conversão de substratos no
processo de digestão anaeróbia de esgoto sanitário (substrato complexo). ............. 16
Figura 3: Esquema de um reator UASB .................................................................... 21
Figura 4: Parâmetros importantes para a digestão anaeróbia................................... 22
Figura 5: Ciclo simplificado do nitrogênio (METCALF & EDDY, 2003). ..................... 24
Figura 6: Processo Ludzack-Ettinger modificado (MLE) ........................................... 30
Figura 7: Principais mecanismos envolvidos no transporte e conversão de amônia
em biofilmes (FLORÊNCIO et al, 2009). ................................................................... 33
Figura 8: Fluxograma e planta da ETE do Baldo ....................................................... 35
Figura 9: Vista aérea da ETE (Foto: Ronaldo Diniz) ................................................. 36
Figura 10: Gradeamento grosseiro mecanizado ....................................................... 36
Figura 11: Gradeamento fino mecanizado ................................................................ 37
Figura 12: Caixa de areia .......................................................................................... 37
Figura 13: Parte interna e vista superior dos reatores UASB .................................... 38
Figura 14: Tanque de aeração com Biodisco ............................................................ 40
Figura 15: Material suporte dos biodiscos ................................................................. 40
Figura 16: Decantador secundário ............................................................................ 41
Figura 17: Variação temporal da vazão diária durante o período de monitoramento.
.................................................................................................................................. 44
Figura 18: Médias horárias das vazões ao longo dos dias da semana ..................... 45
Figura 19: Variações horárias médias ....................................................................... 46
Figura 20: Comportamento das temperaturas médias no decorrer da ETE. ............. 48
Figura 21: Variação média do pH na ETE ................................................................. 50
Figura 22: Comportamento dos valores médios horários dos efluentes dos UASBs. 51
Figura 23: Comportamento dos valores médios horários de pH dos efluentes das
CAs ........................................................................................................................... 52
Figura 24: Comportamento dos valores médios horários de pH dos efluentes dos
TAs ............................................................................................................................ 52
Figura 25: Comportamento de OD nas CAs .............................................................. 54
Figura 26: Comportamento do OD nos TAs .............................................................. 55
Figura 27: Comportamento de OD (sonda no interior do tanque) ............................. 55
Figura 28: Comportamento de OD no efluente tratado ............................................. 56
Figura 29: Concentrações de DBO afluente e efluente a ETE .................................. 58
Figura 30: Concentrações afluente e efluente de SST .............................................. 58
Figura 31: Concentrações afluente e efluente de DBO ............................................. 59
Figura 32: Concentrações afluentes e efluentes de SST .......................................... 60
Figura 33: Comportamento de SST e SSV................................................................ 62
Figura 34: Relações de médias de SSV/SST ............................................................ 62
Figura 35: Eficiências de remoção de DBO .............................................................. 64
Figura 36: Eficiências de remoção de SST ............................................................... 64
Figura 37: Eficiências de remoção de DBO nos reatores UASB ............................... 65
Figura 38: Eficiências de remoção de SST nos UASB’s ........................................... 65
Figura 39: Concentrações médias de NH4, Norg e NO3 ............................................. 67
Figura 40: Comportamento da Alcalinidade .............................................................. 68
Figura 41: Médias das concentrações de NTK ao longo do processo ...................... 69
Figura 42: Eficiências de remoção de nitrogênio amoniacal ..................................... 70
Figura 43: Eficiências de remoção de NTK ............................................................... 70
LISTA DE TABELAS
Tabela 1: Contribuições e concentrações de nitrogênio no esgoto bruto..................24
Tabela 2: Estatística descritiva dos resultados de temperatura ................................ 47
Tabela 3: estatística descritiva dos resultados de pH ............................................... 49
Tabela 5: Estatística descritiva dos resultados de OD .............................................. 53
Tabela 6: Estatística descritiva DBO, SST e SSV ..................................................... 57
Tabela 7: Eficiências de remoção de DBO e SST ..................................................... 63
Tabela 8: Estatística descritiva das formas de nitrogênio ......................................... 66
Tabela 4: Estatistica descritiva dos resultados de Alcalinidade................................. 68
Tabela 9: Estatística descritiva das eficiências de remoção de NTK e N-NH4 .......... 69
Tabela 10: Padrões de lançamento e eficiência de atendimento .............................. 72
LISTA DE QUADROS
Quadro 1: Formas predominantes de nitrogênio ....................................................... 23
Quadro 2: Tecnologias para remoção biológica de nitrogênio .................................. 29
Quadro 3: Parâmetros e métodos analíticos ............................................................. 43
LISTA DE SIGLAS
CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente
DBO – Demanda Bioquímica de Oxigênio
DQO – Demanda Química de Oxigênio
CA – Câmara Anóxica
CA 01 – Efluente da Câmara Anóxica 01
CA 02 - Efluente da Câmara Anóxica 02
EB-CX – Efluente da caixa de areia
ET – Efluente Tratado
ETE – Estação de Tratamento de Esgoto
IFAS – Integrated fixed film activated sludge (Lodo Ativado com biofilme integrado)
LR 01 – Lodo de recirculação 01
LR 02 – Lodo de recirculação 02
MLE – Modified Ludzack-Ettinger (Ludzack-Ettinger Modificado)
Norg – Nitrogênio Orgânico
NH3 – Nitrogênio Amoniacal
N2 – Nitrogênio gasoso
NO3 - Nitrato
NO2 - Nitrito
NTK – Nitrogênio Total Kjeldahl
OD – Oxigênio Dissolvido
RN – Estado do Rio Grande do Norte
SS – Sólidos em Suspensão
SST – Sólidos Suspensos Totais
STV – Sólidos Totais Voláteis
TA – Tanque de Aeração
TA 01 – Efluente do Tanque de Aeração 01
TA 02 – Efluente do Tanque de Aeração 02
TDH – Tempo de Detenção Hidráulica
UASB – Upflow Anaerobic Sludge Blanket (Reator Anaeróbio Fluxo Ascendente e
Manta de Lodo)
UASB 01 – Efluente do Reator anaeróbio de manta de lodo 01
UASB 02 – Efluente do Reator anaeróbio de manta de lodo 02
SUMÁRIO
1.
INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 12
2.
OBJETIVOS ................................................................................................................. 14
3.
REVISÃO DE LITERATURA ........................................................................................ 15
3.1.
Digestão Anaeróbia................................................................................................. 15
3.1.1. Etapas de conversão de substratos ........................................................................... 16
3.1.2. Fatores ambientais que afetam a digestão anaeróbia ................................................ 18
3.1.3. Reator anaeróbio de manta de lodo (UASB) .............................................................. 20
3.2.
Nitrogênio ................................................................................................................ 23
3.2.1. Remoção Biológica de Nitrogênio .............................................................................. 25
3.2.2. Nitrificação ................................................................................................................. 26
3.2.3. Desnitrificação ........................................................................................................... 27
3.3.
Lodos Ativados ....................................................................................................... 27
3.4.
Biodiscos ................................................................................................................. 31
4.
MATERIAL E MÉTODOS ............................................................................................. 34
4.1.
Apresentação do Sistema....................................................................................... 34
4.1.1. Tratamento Preliminar................................................................................................ 36
4.1.2. Reatores Anaeróbios de Manta de Lodo (UASB) ....................................................... 38
4.1.3. Câmaras Anóxicas (CA) ............................................................................................. 39
4.1.4. Tanques de aeração com Biodiscos (TA)................................................................... 39
4.1.5. Decantadores Secundários ........................................................................................ 41
4.1.6. Desinfecção por raios Ultravioleta (UVs) .................................................................... 41
4.2.
5.
Monitoramento do sistema ..................................................................................... 42
RESULTADOS E DISCUSSÃO .................................................................................... 44
5.1.
Caracterização da vazão afluente .......................................................................... 44
5.2.
Comportamento das Temperaturas ....................................................................... 47
5.3.
Comportamento do pH ........................................................................................... 49
5.4.
Comportamento do OD ........................................................................................... 53
5.5.
Resultados do monitoramento de Matéria Orgânica e Sólidos ........................... 57
5.6.
Reatores UASB ........................................................................................................ 59
5.7.
Câmaras Anóxicas e Tanques de Aeração ............................................................ 61
5.8.
Eficiências de Remoção de DBO e SST................................................................. 63
5.9.
Comportamento das formas de Nitrogênio ........................................................... 66
5.10.
6.
Atendimento aos Padrões de Lançamento ........................................................ 72
CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES ....................................................................... 73
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................................... 75
12
1. INTRODUÇÃO
Cada vez mais, as questões relacionadas ao saneamento ocupam lugar de destaque
na esfera social, econômica, política e ambiental. Tal preocupação decorre de serem
os indicadores de qualidade de vida reflexos do índice de cobertura e qualidade na
prestação dos serviços de saneamento básico, sejam eles, abastecimento de água,
esgotamento sanitário, drenagem e manejo de águas pluviais e resíduos sólidos.
Além disso, o advento da Política Nacional de Saneamento e o aumento da
exigência do cumprimento da legislação ambiental, principalmente, no que se refere
ao lançamento de efluentes nos corpos aquáticos, têm contribuído para o avanço no
setor. Nesse contexto, no Brasil tem-se às resoluções 357/2005 e 430/2011 do
Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). A primeira estabelece os critérios
de enquadramento dos corpos aquáticos de acordo com a suas características,
enquanto que a segunda estabelece os padrões de lançamento.
É crescente o número de estações de tratamento de esgotos projetadas e postas em
operação que unem as características dos tratamentos anaeróbio e aeróbio, com
vistas à melhoria da qualidade dos efluentes finais lançados no meio ambiente. Os
sistemas anaeróbios têm como principais características a reduzida utilização de
energia elétrica e a facilidade de operação em regiões de clima tropical, pois as altas
temperaturas favorecem o processo de digestão da matéria orgânica. Os sistemas
aeróbios são amplamente utilizados, principalmente, pelo seu alto poder de redução
de cargas orgânicas. Somando-se essas formas de tratamento, pode-se conceber
estações de tratamento com menores requisitos de área para implantação, fato de
extrema importância frente ao rápido crescimento dos centros urbanos
Entretanto, a qualidade dos efluentes não está relacionada somente com carga
orgânica, os nutrientes também podem ser extremamente danosos ao meio
ambiente, principalmente, em meio aquático. Diante disso, é necessária a
preocupação com a remoção desses nutrientes. Para isso, são projetados reatores
que promovam ambientes anóxicos a fim de promover o processo de desnitrificação.
A Estação de Tratamento de Esgotos do Baldo (ETE do Baldo) é composta,
principalmente, por esses três dispositivos de tratamento. Entrou em operação em
junho de 2011, porém ainda não havia passado por uma avaliação ampla de seu
desempenho. Dessa forma, o presente trabalho se propõe a apresentar o
13
monitoramento e avaliação desse sistema de tratamento realizado no período de
junho a outubro de 2012.
14
2. OBJETIVOS
O presente trabalho tem o objetivo de avaliar o desempenho da ETE do Baldo, por
meio do monitoramento de suas etapas de tratamento. Primeiramente pretendeu-se
avaliar a remoção global de matéria orgânica, sólidos suspensos, nitrogênio
amoniacal e NTK.
Além da remoção global, objetivou-se avaliar as remoções de matéria orgânica e
sólidos suspensos dos reatores UASB, bem como a existência de correlações entre
esses parâmetros.
A ETE do Baldo é composta por sistema de lodos ativados para a remoção biológica
de nutrientes por meio dos processos de nitrificação e desnitrificação, diante disso
objetivou-se avaliar a ocorrência desses processos, por meio do monitoramento das
concentrações das formas de nitrogênio.
Existem duas linhas de tratamento na ETE do Baldo, elas são semelhantes e
operam em paralelo, de forma que também foi objetivo verificar a ocorrência de
diferenças significativas, dos parâmetros analisados, entre essas linhas.
15
3. REVISÃO DE LITERATURA
3.1. Digestão Anaeróbia
A digestão anaeróbia é um processo muito complexo que transforma substâncias
orgânicas em biomassa bacteriana e compostos inorgânicos como, por exemplo,
CO2, NH3, H2S, N2 e CH4. Dentre esses compostos, o metano é o principal
subproduto da remoção de matéria orgânica, de forma que, quanto maior for a sua
produção, maior será a eficiência do processo (ANDRADE NETO, 2004).
Nos sistemas anaeróbios, verifica-se que a maior parte do material orgânico
biodegradável removido é convertido em biogás (cerca de 70 a 90%), que é
removido da fase líquida e deixa o reator na forma gasosa. Apenas uma pequena
parcela do material orgânico é convertida em biomassa microbiana (cerca de 5 a
15%), vindo a se constituir no lodo excedente do sistema. Além da pequena
quantidade produzida, o lodo excedente apresenta-se, via de regra, mais
concentrado e com melhores características de desidratação. O material não
convertido em biogás, ou em biomassa, deixa o reator como material não degradado
(10 a 30%) (CHERNICHARO, 2001). A Figura 1 apresenta o esquema do processo
relatado.
Figura 1: Conversão biológica nos sistemas anaeróbios
Fonte: CHERNICHARO, 2001.
16
3.1.1. Etapas de conversão de substratos
O processo de digestão anaeróbia é regido por quatro etapas distintas: a hidrólise, a
acidogênese, a acetogênese e a metanogênese, conforme apresentado na Figura 2.
Figura 2: Representação esquemática das etapas de conversão de substratos no processo de
digestão anaeróbia de esgoto sanitário (substrato complexo).
Fonte: ANDRADE NETO, 2004.
A
hidrólise
se
caracteriza
pela
conversão
de
substâncias
complexas
(polissacarídeos, proteínas e lipídios) em substancias dissolvidas mais simples
(açúcares simples, ácidos graxos e fenóis), pela ação de exo-enzimas excretadas
17
por bactérias fermentativas. A hidrólise pode ser o processo limitante no processo de
conversão, dependendo da velocidade em que ocorre. Além disso, a velocidade do
processo de hidrólise está muito ligada ao pH e a temperatura do meio (FORESTI et
al., 1999, ANDRADE NETO, 2004).
O próximo passo das etapas de conversão é a Acidogênese, quando os produtos
resultantes da hidrólise são transformados em ácidos graxos de cadeia mais curta
como álcoois, CO2, H2, NH3 e H2S (ANDRADE NETO, 2004). Um grupo diversificado
de bactérias atua no processo de acidogênese, principalmente, as chamadas
anaeróbias estritas, entretanto algumas bactérias facultativas também atuam no
processo de forma oxidativa, tornando-se de grande importância, pois removem o
oxigênio que porventura possa estar no meio e ser tóxico para as bactérias
metanogênicas (FORESTI et al., 1999).
Os produtos resultantes da acidogênese são degradados através do processo de
acetogênese, produzindo ácido acético, CO2 e hidrogênio. Esses compostos são os
principais substratos utilizados no processo de metanogênese (ANDRADE NETO,
2004).
A metanogênese se caracteriza pela formação de gás metano. Esse processo pode
acontecer de duas formas: a primeira é a chamada metanogênese hidrogenofílica,
que ocorre a partir da redução de CO2 e H2, e a segunda é a metanogênese
acetoclástica, que ocorre através da oxiredução do acetado. Na presença de
grandes concentrações de substrato orgânico, cerca de dois terços da produção do
metano se dá através da metanogênese acetoclástica e um terço a partir da
metanogênese hidrogenofílica, pela redução de CO2 (ANDRADE NETO, 2004).
Além dos processos fermentativos de conversão dos substratos, outros processos
podem ocorrer devido à presença de oxidantes alternativos como o nitrato e o
sulfato. O nitrato pode ser reduzido para nitrogênio molecular através do processo
de desnitrificação, mas como as concentrações de nitrato são muito baixas nos
esgotos sanitários esse processo, na prática, não ocorre dentro do contexto da
digestão anaeróbia. Já a redução de sulfato para sulfeto tem importância mais
prática, uma vez que, as concentrações de sulfato podem ser consideráveis.
Entretanto, o processo de redução do sulfato é considerado indesejável, pois, oxida
material orgânico que deixa de ser transformado em metano, e gera gás sulfídrico,
18
corrosivo, de odor desagradável e tóxico para as bactérias metanogênicas
(FORESTI et al., 1999, ANDRADE NETO, 2004).
Em um reator estável, que funcione em condições ótimas, as etapas de
acidogênese, acetogênese e metanogênese serão processadas em passos
similares, gerando equilíbrio na produção e consumo de produtos intermediários.
Essa condição dificilmente é encontrada em estações de tratamento de esgoto, uma
vez que existe uma grande variação de fatores importantes nos processos
anaeróbios, como temperatura, ausência temporária de nutrientes ou presença
temporária de compostos tóxicos (AQUINO e CHERNICHARO, 2005).
3.1.2. Fatores ambientais que afetam a digestão anaeróbia
Temperatura
A temperatura, nos processos biológicos anaeróbios, afeta o metabolismo
bacteriano, o equilíbrio iônico, a solubilidade dos substratos, principalmente lipídios
(FORESTI et al., 1999). Assim, a temperatura tem também influencia sobre todas as
reações de conversão de substratos (ANDRADE NETO, 2004).
Nos reatores anaeróbios, existe uma grande variedade de bactérias, que atingem
sua atividade máxima em diferentes temperaturas ótimas, ou seja, cada espécie de
bactéria tem resposta metabólica diferente de acordo com a temperatura do meio.
Existem as bactérias termófilas (> 42oC), mesófilas (20oC a 42oC) ou psicrófilas (<
20oC). É comum encontrar bactérias mesófilas e termófilas coabitando um mesmo
reator, se a faixa de temperatura do meio for aceitável para ambas. Também podem
ser encontradas bactérias mesófilas em reatores com temperaturas acima de 45 oC
(ANDRADE NETO, 2004).
A temperatura dos esgotos é, na maioria das vezes, mais baixa do que a
temperatura ótima para a digestão anaeróbia, uma vez que, em temperaturas
superiores a 30oC, os esgotos tendem a apresentar temperaturas inferiores às do
ambiente. Ademais, as variações de temperatura nos esgotos são menores que as
do ambiente. Normalmente, as temperaturas dos esgotos variam entre 20 e 30oC,
em regiões de clima quente (ANDRADE NETO, 2004).
19
Ainda de acordo com Andrade Neto (2004), um aumento gradual da temperatura de
20 para 30oC pode chegar a dobrar a taxa de atividade microbiana, afetando a
utilização de substrato. Essa utilização de substrato depende também da
concentração de microrganismos.
pH e Alcalinidade
Devido à predominância do sistema carbônico (H2CO3; HCO3-; CO32-) nos efluentes
sanitários, uma faixa adequada de pH é conseguida no reator (6,5 – 7,5), mesmo se
o esgoto afluente apresentar valores abaixo de 6,5. Desse modo, reatores de alta
taxa, dificilmente terão a necessidade de cuidados na manutenção do pH (FORESTI
et al., 1999).
Nutrientes
Os principais nutrientes que influenciam nos processos biológicos são o nitrogênio
(N) e o fósforo (P).
De acordo com Speece (1996) apud FORESTI et al. (1999), admite-se que para
atender às necessidades de macronutrientes dos microrganismos anaeróbios a
relação DQO : N : P deve ser de 500 : 5 : 1.
Além do N e P, o enxofre (S) também é considerado um dos nutrientes essenciais
para a metanogênese, sendo que a proporção deste deve ser de mesma grandeza
ou um pouco maior que a de P. A assimilação do enxofre se dá na forma de sulfetos,
a partir da redução biológica dos sulfatos. Devido a grande quantidade de nutrientes
que naturalmente existe nos esgotos sanitários, dificilmente é diagnosticada
deficiência nutricional. Essa deficiência é mais frequente quando se trata de
efluentes industriais (FORESTI et al., 1999).
Substâncias Tóxicas ou inibidoras
Substâncias tóxicas são aquelas que prejudicam o processo metabólico das
bactérias, podendo chegar a matá-las. Qualquer substância pode ser tóxica em
grandes quantidades, entretanto, somente são consideradas tóxicas as substâncias
20
que geram efeito nocivo ao metabolismo em pequenas quantidades. A toxicidade de
uma substância depende das quantidades (concentrações) e do tipo de prejuízo que
ela causa (ANDRADE NETO, 2004).
A substância tóxica pode ser letal ou não. Quando não letal, ela prejudica a atividade
bacteriana, sendo assim é chamada de substância inibidora. Neste caso, o dano
causado pela substância é reversível, pois quando retirada do meio, os
microrganismos voltam a desempenhar suas atividades de forma normal ou
reduzida. Entretanto, quando a substância tóxica obtiver impacto letal é necessário o
restabelecimento da população bacteriana, uma vez que o processo se torna
irreversível (ANDRADE NETO, 2004).
De acordo com Foresti et al. (1999), quanto maior o tempo de retenção celular,
maior a capacidade de um reator assimilar cargas tóxicas. É aconselhável um tempo
de retenção celular de aproximadamente 50 dias para reatores que trabalham na
faixa de temperatura ambiente de 20 a 30oC.
Ainda de acordo com Foresti et al. (1999), reatores com leito fixo, como filtros
anaeróbios são mais resistentes à cargas tóxicas do que reatores de crescimento
disperso.
3.1.3. Reator anaeróbio de manta de lodo (UASB)
O reator UASB (Figura 3) consiste em duas partes: uma coluna cilíndrica ou
retangular e um separador fases (LETTINGA e HULSHOFF Pol, 1991 apud CHONG
et al, 2012).
21
Figura 3: Esquema de um reator UASB
Os reatores UASB se caracterizam pela simplicidade e eficiência no tratamento de
esgotos, uma vez que apresentam altas concentrações de biomassa, estruturas
multicelulares agregadas em grânulos ou lodo denso, baixa exigência de nutrientes
e excesso de lodo, boa estabilidade em mudanças de composição e concentração
afluente e capacidade de absorver altas cargas orgânicas volumétricas. Nos
reatores UASB, o esgoto é distribuído uniformemente no fundo do reator, de forma a
gerar fluxo ascendente. Em seu fluxo, o esgoto mantém contato com a manta de
lodo formada através da grande capacidade de retenção de sólidos do reator. O
efluente é coletado na parte superior do reator, depois de passar pela zona de
decantação, na qual os sólidos em suspensão voltam a câmara de digestão. O gás
gerado é encaminhado para saída no topo do reator (FORESTI, 2002).
Como vantagens dos reatores anaeróbios pode-se citar a necessidade de pouca
área, pequena produção de lodo, não dependem de fonte de energia externa e
equipamentos eletro-mecânicos, assim como são de simples construção e operação
(ANDRADE NETO, 2004).
Na Figura 4, estão alguns parâmetros que afetam a digestão anaeróbia do esgoto.
Dentre eles estão o ambiente, a operação do reator, inóculo e substrato. A boa
22
interação entre esses fatores leva ao aumento da qualidade dos produtos, como o
biogás, o biossólido e dos efluentes. Mesmo assim, a qualidade final dos efluentes
de reatores anaeróbios geralmente não atende às legislações, sendo necessária a
existência de um pós-tratamento (CHONG et al., 2012)
Figura 4: Parâmetros importantes para a digestão anaeróbia
Centenas de unidade de tratamento anaeróbio estão em operação ou projetadas no
Brasil. Dentre essas unidades, destacam-se os reatores anaeróbios de manta de
lodo (UASB) de diversos tamanhos, tratando esgotos de pequenas e grandes
populações, com tempos de detenção hidráulicas (TDH) variando entre 6 e 10 h
(VAN HAANDEL et al., 2006).
A implementação da tecnologia anaeróbia no Brasil foi embasada nas condições
ambientais favoráveis, no déficit nas estruturas de saneamento básico e
necessidade de sistemas de baixo custo, uma vez que, existem restrições
financeiras (FORESTI, 2002).
Foresti et al. (2006) apresenta a ideia de tratamento de esgotos sustentável,
baseada em três questões: proteção da saúde pública, proteção ambiental e
recuperação de recursos. Neste contexto, se encaixam perfeitamente as tecnologias
de tratamento anaeróbio, uma vez que podem chegar a eficiências satisfatórias com
baixo custo de implantação.
23
Mesmo com o reconhecido sucesso do reator UASB, como mais eficiente para
tratamento de esgoto bruto, algumas limitações ainda são evidentes e merecem
atenção. Como exemplo, tem-se a formação de escuma no separador de fases e
perdas elevadas de sólidos em suspensão voláteis (FORESTI et al., 2006).
3.2. Nitrogênio
O nitrogênio pode estar presente nos esgotos de diferentes formas, sendo elas,
nitrogênio orgânico, amônia, nitrito, nitrato ou gás nitrogênio, e em distintos estados
de oxidação (JORDÃO e PESSOA, 2009); (VON SPERLING, 2002); (VON
SPERLING et al, 2009). O Quadro 1 mostra as formas predominantes do nitrogênio
e suas respectivas fórmulas e estados de oxidação.
Quadro 1: Formas predominantes de nitrogênio
FÓRMULA
ESTADO DE
OXIDAÇÃO
Nitrogênio molecular
N2
0
Nitrogênio orgânico
variável
variável
Amônia livre
NH3
-3
Íon amônio
NH4
-3
Íon nitrito
NO2-
+3
Íon nitrato
NO3-
+5
FORMA
Fonte: Von Sperling et al, 2009.
O nitrogênio orgânico e amoniacal são as principais formas de nitrogênio afluentes a
uma estação de tratamento, provenientes de esgoto de residências, atividades
agrícolas e industriais. A matéria nitrogenada inorgânica afluente, representada pelo
Na (nitrogênio amoniacal), pode ser encontrada na forma gasosa (NH 3) ou ionizada
(NH4+); a predominância de uma ou de outra forma depende do pH (SANTOS,
2009).
Segundo Von Sperling et al. (2009), distribuição relativa das formas de nitrogênio é
seguinte, em função dos valores de pH:

pH < 8: praticamente toda a amônia na forma de NH4+

pH = 9,5: aproximadamente 50% NH3 e 50% NH4+
24

pH > 11: praticamente toda a amônia na forma de NH3
Na Tabela 1 estão apresentados os teores típicos de nitrogênio no esgoto bruto.
Tabela 1: Contribuições e concentrações de nitrogênio no esgoto bruto
Parâmetro
Contribuição per capita (g/hab.d)
Concentração
Faixa
Típico
Unidade
Faixa
Típico
6,0 - 12,0
8
mgN/l
35 - 70
50
2,5 - 5,0
3,5
mgN/l
15 - 30
20
3,5 - 7,0
4,5
mgNH4+ - N/l
20 - 40
30
Nitrito
≈0
≈0
mgNO2+ - N/l
≈0
≈0
Nitrato
0,0 - 0,5
≈0
mgNO3- - N/l
0-2
≈0
NITROGÊNIO
TOTAL
Nitrogênio orgânico
Amônia
Fonte: Von Sperling (2002)
As bactérias no processo de oxidação biológica transformam o nitrogênio
primeiramente em amônia, depois em nitritos e depois em nitratos. As concentrações
de nitrogênio sob estas várias formas indicam a idade do esgoto ou sua
estabilização em relação à demanda de oxigênio (JORDÃO e PESSOA, 2009). A
Figura 5 mostra as principais transformações do nitrogênio na natureza.
Figura 5: Ciclo simplificado do nitrogênio (METCALF & EDDY, 2003).
25
3.2.1. Remoção Biológica de Nitrogênio
A remoção biológica de nitrogênio em sistemas de tratamento é possível através da
sequência dos processos de nitrificação e desnitrificação. O resultado desses
processos é a conversão de nitrogênio amoniacal em nitrogênio molecular, que se
desprende como gás na fase líquida. (VAN HAANDEL et al, 2009).
A remoção biológica de nitrogênio no tratamento de esgotos ocorre por dois
mecanismos principais. O primeiro deles é a síntese da biomassa (assimilação do
nitrogênio) com posterior descarte no lodo. O segundo mecanismo é a partir dos
processos da nitrificação e desnitrificação, capaz de atingir altos níveis de remoção
de nitrogênio. A nitrificação é um processo composto por duas etapas com atuação
de espécies de bactérias aeróbias que oxidam a amônia (NH3‐N) para nitrito
(NO2‐N), e outras espécies que oxidam o nitrito para nitrato (NO3‐N). Em certas
condições, como por exemplo, concentração inadequada de oxigênio dissolvido, o
processo pode ser interrompido na formação do nitrato. Na desnitrificação, uma
fonte de carbono é oxidada utilizando como aceptor de elétrons o nitrato e/ou nitrito
na reação oxi-redução para reduzir o nitrogênio oxidado (NO 3‐N ou NO2‐N) para
nitrogênio gasoso (N2) (USEPA, 2010).
As equações químicas envolvidas na conversão de do nitrogênio estão
apresentadas a seguir (USEPA, 2008).
1. Formação de amônia a partir do nitrogênio orgânico pela ação de microrganismos:
NH4+ (Amonificação)
Nitrogênio orgânico
2. Nitrificação para nitrito pela ação de bactérias da espécie Nitrosomonas e outras
bactérias autótrofas:
NH4+ + 3/2 O2 + 2HCO3-
NO2- + 2H2CO3 + H2O
3. Nitrificação para nitrato pela ação de bactérias da espécie Nitrobacter e outras
bactérias autótrofas
NO2- + ½ O2
NO3-
4. Desnitrificação pela ação de microrganismos desnitrificantes sem presença de
oxigênio:
NO3- + carbono orgânico
N2 (g) + CO2 (g) + H2O + OH
26
De acordo com a USEPA (2008), os principais fatores que incidem na remoção de
nitrogênio são: a fonte de carbono, quantidade de zonas anóxicas, temperatura,
alcalinidade, tempo de detenção dos sólidos, tempo de detenção hidráulica e
oxigênio dissolvido.
3.2.2. Nitrificação
Na nitrificação, bactérias autotróficas são as responsáveis pela oxidação da amônia
para nitrito e, principalmente, nitrato. Para a ocorrência do processo de nitrificação, é
necessária a presença oxigênio dissolvido, em geral uma concentração de 2 mg/l
(VAN HAANDEL et al., 2009).
No processo de nitrificação, os microorganismos envolvidos são autotróficos
quimiossintetizantes (quimioautotófricos), para os quais o gás carbônico é a principal
fonte de carbono, sendo a energia obtida através da oxidação de um substrato
inorgânico, como amônia, a formas mineralizadas. A transformação da amônia em
nitritos (nitritação) é efetivada através de bactérias, como as do gênero
Nitrossomonas, enquanto que a oxidação dos nitritos a nitratos (nitratação) é
realizada principalmente pelas bactérias do gênero Nitrobacter (VON SPERLING,
2002; JORDÃO E PESSOA, 2009).
Florêncio et al. (2009) explicita ainda que na nitritação ocorre a atuação dos gêneros
Nitrossococus, Nitrosospira,Nitrosovibrio e Nitrosolobulus. Além disso, na nitratação
através de técnicas de biologia molecular foi verificado que em reatores nitrificantes,
devido às baixas concentrações de nitrito existe o predomínio do gênero Nitrospira.
A velocidade máxima de nitrificação ocorre em concentrações de OD acima de 2 mg
O2/L. O aumento da concentração de biomassa nitrificante também aumenta a taxa
de nitrificação. Fatores ambientais como pH, temperatura, concentração de oxigênio
dissolvido, substâncias tóxicas ou inibidoras influenciam a taxa de crescimento dos
organismos nitrificantes e, como consequência, a taxa de oxidação da amônia
(SANTOS, 2009).
A taxa da oxidação da amônia decai rapidamente com a diminuição do pH abaixo de
6,8, e a faixa ótima está entre 7,5 e 8,0 (TCHOBANOGLOUS et al., 2003 apud
USEPA, 2010). Esse decaimento do pH pode ser atribuído a diminuição na
27
concentração de amônia livre, pois nesse caso é o principal substrato para as
bactérias (SUZUKI et al.,1974 apud USEPA, 2010). Um pH de operação de 7,0 a 7,2
é amplamente utilizado para a concepção e funcionamento, assegurando taxas de
nitrificação confiáveis e, em alguns casos, é necessária a adição de alcalinidade
para manter o pH (USEPA, 2010).
Assim como valores de pH, concentrações de amônia livre (NH3) e ácido nitroso
(HNO2) também podem inibir a ação das bactérias nitrificantes. Peng & Zhu (2006)
apud USEPA (2010) indicam que a NH3 inibe mais a ação das bactérias oxidadoras
de nitrito, enquanto que o HNO2 inibe principalmente a ação das bactérias
oxidadoras da amônia.
3.2.3. Desnitrificação
A desnitrificação é a redução biológica do nitrato/nitrito podendo ser assimilatória
e/ou dissimilatória. A desnitrificação assimilatória envolve a redução de nitrato ou
nitrito para NH4-N para uso na síntese da biomassa quando NH4-N não está
disponível (USEPA, 2010).
Em condições anóxicas, os nitratos são utilizados como o aceptor de elétrons pelos
microrganismos heterotróficos. Neste processo, denominado desnitrificação, o
nitrato é reduzido a nitrogênio gasoso, segundo a reação abaixo: (VON SPERLING,
2002).

2NO3- - N + 2H+
N2 + 2,5O2 + H2O
3.3. Lodos Ativados
O sistema de Lodos Ativados é um processo biológico no qual o esgoto afluente é
aerado e agitado, ocasionando a formação de flocos a partir do crescimento das
bactérias aeróbias presentes no sistema. Para complementação do processo, o
excesso de lodo formado é separado por meio de decantação. A maior parcela do
28
lodo decantado retorna ao processo (recirculação do lodo), enquanto que a menor é
descartada para um posterior tratamento ou descarte (JORDAO e PESSOA, 2009).
A partir das reações bioquímicas, com a biomassa utilizando o substrato presente no
esgoto, dá-se a remoção da matéria orgânica e, em determinadas condições, da
oxidação da matéria nitrogenada. No decantador secundário, ocorre a sedimentação
dos sólidos (biomassa), para clarificação do efluente. Os sólidos sedimentados no
fundo do decantador são recirculados para o reator, aumentando a concentração de
biomassa no mesmo, o que é responsável pela elevada eficiência do sistema (VON
SPERLING, 2002).
No processo de lodos ativados, poderá ou não ocorrer o processo de nitrificação. As
condições para a ocorrência da nitrificação são favoráveis no Brasil, devido ao clima
quente, sendo interessante a utilização desse sistema provendo a quantidade de
oxigênio necessária para atender a demanda nitrogenada, no tanque de aeração.
(JORDÃO e PESSOA, 2009).
Nos sistemas de lodos ativados o tempo de detenção do liquido é baixo, entretanto o
lodo, através da recirculação permanece por mais tempo dentro do sistema, esse
tempo de retenção dos sólidos é denominado “idade do lodo” (VON SPERLING,
2002).
De acordo com Von Sperling (2002), lodos ativados utilizados como pós-tratamento
de efluentes anaeróbios não são tão eficientes na remoção de nitrogênio, já que
parte da matéria orgânica necessária aos organismos que realizam a desnitrificação
foi removida no reator UASB. Assim, uma forma de fornecer matéria orgânica
necessária nesses casos é através de um by-pass, injetando esgoto bruto
diretamente na a zona anóxica do tanque de aeração.
Sistemas de lodo ativado não convencionais, constituídos de reatores anóxicos e
aeróbios, cujo afluente apresenta relação N/DQO<0,08, comum em esgoto
doméstico bruto ou mesmo decantado, exibem excelente remoção de nitrogênio,
podendo atingir eficiência superior a 90% (SILVA FILHO, 2009).
Van Haadel et al. (2009), adaptaram critérios de projeto para a remoção biológica
para os diversos tipos de sistemas para remoção biológica de nitrogênio (prédesnitrificação, pós desnitrificação e Bardenpho de quatro estágios). Para o sistema
de pré-desnitrificação foram apresetadas faixas de variação de recirculação para a
29
câmara anóxica, sendo de 60 a 100% de recirculação de lodo dos decantadores
secundários, e 100 a 400 % a recirculação interna dos tanques da aeração para as
zonas anóxicas (efluente nitrificado).
O Quadro 2 apresenta as várias configurações de reatores para remoção biológica
de nitrogênio (USEPA, 2010).
Quadro 2: Tecnologias para remoção biológica de nitrogênio
CONFIGURAÇÃO
Unidade de processo
único
TIPO
Crescimento
Disperso
TECNOLOGIA
Ludzack-Ettinger (MLE) modificado
Bardenpho - 4 estágios
MLE ou Bardenpho - 4 estágios com Bioreator de
Membrana
Reator em Batelada Sequencial (SBR)
Valo de oxidação com zona anóxica
Reator com alimentação passo a passo
Nitrificação e Desnitrificação Simultâneas (SNdN)
Crescimento
aderido ou
hibrido
Lodo Ativado com biofilme integrado (IFAS)
Reator com biofilme em leito móvel (MBBR)
Estágio Separado Nitrificação
Estágio Separado Desnitrificação
Crescimento
Disperso
Nitrificação
Crescimento
aderido ou
hibrido
Filtro Biológico aerado (FBA)
Crescimento
Disperso
Reator de crescimento disperso (não comum)
Crescimento
aderido
Filtros de desnitrificação
- Fluxo descendente
- Fluxo ascendente
O processo de remoção de nitrogênio por meio da desnitrificação mais usado em
ETE’s, é o chamado MLE (Modified Ludzack-Ettinger). Essa configuração é
composta por uma zona anóxica seguida por uma zona aeróbia. Na zona anóxica, o
nitrato produzido na zona aeróbia é reduzido a nitrogênio gasoso utilizando a
matéria orgânica do esgoto afluente como fonte de carbono para o processo de
30
desnitrificação. A nitrificação ocorre na zona aeróbia, juntamente com a remoção de
matéria orgânica, então, por meio de bombeamento o efluente nitrificado é
recirculado até a zona anóxica (Figura 6).
Figura 6: Processo Ludzack-Ettinger modificado (MLE)
De acordo com Von Sperling (2002), as vantagens e desvantagens do sistema de
pré-desnitrificação são:

Redução do tempo de detenção na zona anóxica, se comparado aos sistemas
de pós-desnitrificação;

Redução do consumo de oxigênio pela estabilização da matéria orgânica no
processo de nitrificação;

Redução do volume do reator aeróbio, já que parte da DBO será estabilizada na
zona anóxica;

Sem necessidade de existência de tanque de aeração separado como no
arranjo de pós-desnitrificação.
Como desvantagem, tem-se a necessidade de implantação de elevadas razões de
recirculação interna para alcançar altas eficiências de desnitrificação.
Dentre as tecnologias apresentadas para a remoção biológica de nitrogênio, uma
das mais novas é o Integrated fixed film activated sludge (IFAS) ou Lodo Ativado
31
com biofilme fixo integrado, o qual se caracteriza pela incorporação de meio suporte
para desenvolvimento de biofilme em reator de crescimento suspenso, podendo
esse meio suporte estar tanto na zona aeróbia como na anóxica (USEPA, 2010).
Os IFAS apresentam algumas vantagens sobre os reatores com crescimento
disperso (WEF e ASCE, 2006), são elas:
 Aumento da biomassa sem aumentar a carga de sólidos no decantador
secundário;
 Lodo com melhores características de sedimentação;
 Pode melhorar a nitrificação em temperaturas frias, pelo maior tempo de
residência do lodo no reator, se comparado aos reatores de crescimento
suspenso;
 A nitrificação se torna mais eficiente a substâncias tóxicas;
 Baixos custos operacionais adicionais
3.4. Biodiscos
Os biodiscos são estruturas de forma circular, geralmente construídos com material
plástico tipo polietileno ou poliestireno e que têm por função servir de material
suporte à formação de biofilme. A aeração desse tipo de tratamento é realizada pelo
contato com o ar atmosférico, através do movimento de rotação. A submersão dos
biodiscos é em média de 40 %.
Na década de 70, a aplicação de biodiscos foi ampliada, devido ao desenvolvimento
de novos meios suportes e pelos baixos requisitos de energia, se comparados aos
lodos ativados. Entretanto, pela ocorrência de problemas estruturais (eixos e meios
suporte), além de excessivo crescimento de biomassa aderida, rotações irregulares,
houve rejeição por parte de alguns projetistas em décadas posteriores.
Recentemente, avanços em pesquisas e novos materiais de meio suporte (tipo
Biodrum) tornaram a sua aplicação viável, principalmente em pequenos sistemas.
Nos últimos anos vem sendo implantadas ETE’s associando reatores UASB e
biodiscos para o tratamento de esgotos sanitários de pequenas e médias
aglomerações urbanas (GONÇALVES et al., 2001).
32
Uma variante dos biodiscos é composta de rodas com tubos corrugados, que
funcionam com imersão de cerca de 90%. Com o movimento giratório, ocorre a
entrada de esgoto e ar nos tubos. O movimento é induzido pela aplicação de ar que
também complementa a necessidade de oxigênio do processo. Nesse sistema tipo
de sistema, ocorre o desprendimento de parte do biofilme quando este apresenta
espessura excessiva. Bem projetados, os Biodiscos podem alcançar tratamento a
nível secundário, nitrificação e desnitrificação (GONÇALVES et al., 2001).
Essas variantes dos biodiscos convencionais podem ser chamadas de Biodrum,
que, além de eletrodutos corrugados, podem ter outros tipos de material de
enchimento, como por exemplo, esferas de polipropileno apresentado por
Sirianuntapiboon (2000). Outra denominação para esse tipo de disco rotativo é o
“Packed Cage RBC”, no qual Sirianuntapiboon (2000) obteve remoções de DQO
entre 77 e 92% para diversas taxas de aplicação e TDH.
Sirianuntapiboon e Tondee (2000) utilizaram o sistema de “Packed Cage RBC” para
tratamento de esgoto doméstico com altas concentrações de nitrogênio, chegando a
remoções de 98,97% e 67,07% de nitrogênio amoniacal e nitrogênio total,
respectivamente.
Além do tipo de material aderente para crescimento de biofilme, existe também a
variação em decorrência da submersão do biodisco. Os biodiscos que operam com
70-90% de submersão, são chamados de Submerged biological contactors (SBCs)
(SCHWINGLE et al 2005 apud PRASHANT e RAO, 2012).
A espessura total de biofilme e a espessura ativa são duas características que
devem ser distinguidas. Dependendo das condições hidrodinâmicas, a espessura
total do biofilme varia entre 0,07 a 4,0 mm, sendo que a parte do biofilme que
efetivamente contribui para a remoção de substrato foi estimada entre 20 a 600 µm
(biofilme ativo) (GONÇALVES et al., 2001).
É possível ocorrer desnitrificação heterotrófica em regiões anóxicas do biofilme,
onde há disponibilidade de carbono e nitrato (Figura 7). Esse processo pode ocorrer
mesmo quando a concentração de oxigênio dissolvido na fase líquida encontra-se
superior a 5 mgO2.L-1 (BIESTERFELD et al., 2003 apud FLORÊNCIO et al., 2009).
33
Figura 7: Principais mecanismos envolvidos no transporte e conversão de amônia em
biofilmes (FLORÊNCIO et al, 2009).
Tawfic et al. (2005) verificaram a boa eficiência de biodiscos no pós-tratamento de
efluentes de alta qualidade de reatores UASB, a uma temperatura de 30 oC, carga
orgânica de 10g DQO/m2.dia e TDH de 2,5 h, atingindo valores de DQO abaixo de
72mg/l e concentrações de amônia de 18 mg/l. Entretanto, o mesmo estudo não
chegou a resultados satisfatórios quanto a adição de uma etapa anóxica para
tratamento do efluente nitrificado do biodisco pois houve a formação de amônia
devido a baixa fração biodegradável da DQO.
Kargi & Eker (2001) compararam dois sistemas de biodiscos distintos, o primeiro
com “tubos perfurados rotativos” e o segundo um biodisco tradicional. Ambos
trataram esgotos com as mesmas características. O reator de “tubos perfurados
rotativos” apresentou-se mais eficiente que o biodisco tradicional em termos de
remoção de DQO.
Salles (2001) avaliou dados existentes sobre as operações dos principais sistemas
de tratamento de esgotos do estado do Mato Grosso do Sul, dentre esses sistemas
está a ETE Miranda, que utiliza sistema Biodrum em seu reator aerado. Essa ETE
apresentou eficiências de remoção de 94,9% de DBO, 90,7%, de DQO, de 98,9%,
do SS.
34
4. MATERIAL E MÉTODOS
4.1. Apresentação do Sistema
A ETE do Baldo situa-se na Rua Governador Rafael Fernandes, entre a Rua Capitão
Silveira Barreto e a Av. Monsenhor Walfredo Gurgel, sendo operada pela
Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte – CAERN.
A ETE foi projetada para tratar uma vazão média de esgotos domésticos de 1620
m3/h (final de plano no ano de 2024), provenientes das bacias de esgotamento As,
Bs, Cs, Ds, Gs, Hs e Is. Essas bacias abrangem os seguintes bairros no município
do Natal: Alecrim, Areia Preta, Barro Vermelho, parte do bairro Nordeste, Candelária,
Cidade Alta, Cidade da Esperança, parte do bairro Dix-Sept Rosado, Lagoa Nova,
Lagoa Seca, Mãe Luiza, Morro Branco, Nazaré, Nova Descoberta, Petrópolis, Praia
do Meio, parte das Quintas, Ribeira, Rocas, Santo Reis e Tirol.
O projeto estabeleceu a divisão da ETE em 3 módulos, cada um com capacidade
para tratar 810 m3/h. Dois desses módulos já se encontram construídos e em
operação (Linha 01 e 02). O terceiro módulo ainda não foi construído.
O sistema é composto por duas linhas de tratamento que trabalham em paralelo
com tratamento preliminar, reatores UASB (Reator anaeróbio de manta de lodo),
câmara anóxica seguida de processo aeróbio misto com crescimento disperso e
aderido por meio biodiscos e posterior decantação e, por fim, a desinfecção por raios
ultravioletas (Figura 8 e Figura 9).
A ETE também dispõe de tratamento da fase sólida, mas como não é o foco do
presente trabalho, não será abordada com maiores detalhes.
35
Figura 8: Fluxograma e planta da ETE do Baldo
36
Figura 9: Vista aérea da ETE (Foto: Ronaldo Diniz)
4.1.1. Tratamento Preliminar
No tratamento preliminar, o esgoto bruto passa por gradeamento grosseiro
constituído por barras verticais de limpeza mecânica, com espaçamento de 20 mm.
Os resíduos retirados são descarregados em uma correia transportadora que os leva
para acumulação em caçambas estacionárias, para posterior disposição final (Figura
10).
Figura 10: Gradeamento grosseiro mecanizado
37
O gradeamento fino é realizado por peneiras finas mecanizadas do tipo de barras de
placas paralelas, com espaçamento entre barras de 3 mm (Figura 11). O material
retirado das peneiras é transportado através de um parafuso com rosca sem fim até
as caçambas, para posterior disposição final.
Figura 11: Gradeamento fino mecanizado
Com o gradeamento realizado, o esgoto passa pelo processo de desarenação,
através de caixas de areia quadradas, de fluxo horizontal e limpeza mecanizada
(Figura 12).
Figura 12: Caixa de areia
38
4.1.2. Reatores Anaeróbios de Manta de Lodo (UASB)
O esgoto após passar pelo tratamento preliminar tem como destino os reatores
UASB (Figura 13), entretanto, 25% da vazão afluente é destinada diretamente as
câmaras anóxicas para complementar a necessidade de carbono durante o
processo de desnitrificação.
Figura 13: Parte interna e vista superior dos reatores UASB
Nesta etapa, a digestão anaeróbia é realizada em oito reatores UASB (Linha 1 –
UASB 1, 2, 3 e 4; e a Linha 2 – UASB 5, 6, 7, 8) operando em paralelo, cada um
com as seguintes características:

Largura:............................................. 14,80 m;

Comprimento: ................................... 15,60 m;

Altura útil: ..............................................6,3 m;

Altura total: ............................................7,0 m;

Volume útil: ................................. 1419,60 m3.
39
4.1.3. Câmaras Anóxicas (CA)
Os efluentes dos 8 reatores anaeróbios são reunidos e seguem para as câmaras
anóxicas 1 (Linha 1) e 2 (Linha 2), juntamente com as vazões de recirculação dos
tanques de aeração (130 L/s de cada TA), uma parcela do esgoto bruto desarenado
(25 %) e a recirculação de lodo dos decantadores secundários (225 l/s para cada
linha de tratamento). O volume total das câmaras anóxicas é de 2.596 m3, sendo
duas câmaras de 1298 m3. Cada câmara é equipada como dois misturadores do tipo
submersível para homogeneizar o conteúdo dos tanques e evitar pontos mortos e
curtos circuitos hidráulicos.
4.1.4. Tanques de aeração com Biodiscos (TA)
A ETE dispõe de 2 (dois) reatores aerados (Linhas 1 e 2) cada um com 16 biodiscos
(Figura 14) que recebem os efluentes das câmaras anóxicas 1 e 2, respectivamente.
Os biodiscos, diferentemente das formas tradicionais, têm como material suporte
eletrodutos corrugados, apresentando uma área superficial de 10.400 m2/biodisco,
para a formação do biofilme (Figura 15).
O sistema de aeração é realizado por 6 (seis) sopradores tipo deslocamento
positivo, para introdução de bolhas finas e grossas. A efetiva aeração do sistema é
exercida, principalmente, pelas bolhas finas, uma vez que as bolhas grossas tem a
função principal de promover o movimento rotacional dos biodiscos.
Parte do efluente dos TAs é recirculado até as câmaras anóxicas através de
bombeamento, na qual a vazão pode variar entre 130 e 225 l/s para cada linha de
tratamento. No período de monitoramento, as bombas estavam operando em sua
vazão mínima (130 l/s), entretanto a adoção desta vazão não tem relação com a
eficiência do processo de desnitrificação, uma vez que, não havia resultados que
justificassem a sua adoção. A seguir estão apresentadas as características das
câmaras aeradas com biodiscos:
- Características Dimensionais:

Profundidade útil (m) ................................. 3,25;

Comprimento (m) ..........................................19;
40

Largura (m) .............................................. 24,50;

Número de Biodiscos por TA .......................16 (duas séries de 8 ).
Figura 14: Tanque de aeração com Biodisco
Figura 15: Material suporte dos biodiscos
41
4.1.5. Decantadores Secundários
A ETE dispõe de dois decantadores secundários (Linha 1 e Linha 2) do tipo circular
equipados
com
raspador
mecânico
de
lodo
e
escuma
que
recebem,
respectivamente, os efluentes dos tanques aerados com biodiscos 1 e 2. Cada
decantador tem 32 m de diâmetro e uma profundidade útil de 3,5 m, totalizando um
volume de 3.216 m3 (Figura 16).
Figura 16: Decantador secundário
O lodo depositado no rebaixo do fundo de cada decantador é removido diretamente
pelas bombas da elevatória de lodo. A escuma coletada, é destinado ao tanque de
lodo digerido do sistema de desidratação.
4.1.6. Desinfecção por raios Ultravioleta (UVs)
A desinfecção do esgoto é realizada por um sistema de emissão de raios
ultravioletas, composto por 180 lâmpadas, instaladas em canal com regime livre de
escoamento. No período de monitoramento do presente trabalho, o referido sistema
encontrava-se fora de operação, devido ao não funcionamento de um componente
essencial ao funcionamento do equipamento.
42
4.2. Monitoramento do sistema
O monitoramento do sistema deu-se no período compreendido entre os meses de
junho e outubro de 2012. As análises foram realizadas nos laboratórios do Instituto
Federal de Educação Tecnológica do RN (IFRN) e na ETE do Baldo. As coletas
foram realizadas segundo amostras compostas ponderadas pela vazão afluente,
coletadas a cada quatro horas, entre as 4h00 e 24h00, com frequência de
amostragem semanal.
Foram escolhidos os seguintes pontos para as coletas:

EB-CX – Efluente da caixa de areia

UASB 01 – Efluente UASB 1, 2, 3 e 4 (Linha 1)

UASB 02 – Efluente UASB 5, 6, 7, 8 (Linha 2)

CA 01 – Efluente da Câmara anóxica 01 (Linha 1)

CA 02 – Efluente da Câmara anóxica 02 (Linha 2)

TA 01 – Efluente do Tanque de aeração com biodisco 01 (Linha 01)

TA 02 – Efluente do Tanque de aeração com biodisco 02 – (Linha 2)

ET – Efluente Tratado

LR 01 – Lodo de recirculação 01 (Linha 1)

LR 02 – Lodo de recirculação 02 (Linha 2)
Foram analisados os parâmetros destacados no Quadro 3 de acordo com os
procedimentos padrões descritos em APHA et al. (2005).
43
Quadro 3: Parâmetros e métodos analíticos
Parâmetro
Método Analítico
Vazão
Medidor eletromagnético
o
Temperatura ( C )
Termômetro
OD (mg/l)
Eletrométrico
pH
Potenciométrico
DBO5 (mg/L)
Frascos Padrões
Alcalinidade (mg CaCO3/l)
Titulométrico
N – orgânico (mg/l)
Micro-Kejeldal
N-NH4 (mg/l)
+
Micro-Kejeldal
N - NO3 (mg/l)
Rodier
SST e SSV (mg/l)
Gravimétrico
O monitoramento de OD foi realizado de duas formas distintas, a primeira coletando
os efluentes e medindo no interior do frasco, enquanto que, na segunda forma, a
sonda foi colocada diretamente no interior dos tanques aerados (TA). Nos TA, foram
realizadas medições de OD em dois pontos distintos, de forma a verificar a
ocorrência de diferenças de concentração no mesmo reator. Acredita-se que essa
forma seja mais confiável.
As vazões foram medidas a cada 30 segundos através da utilização de um medidor
eletromagnético ENDRESS+HAUSER localizado na tubulação de recalque da
estação elevatória de esgoto bruto, sendo obtidas ao longo de todo o período de
monitoramento da ETE, de 01 de junho a 31 de outubro de 2012, e armazenadas em
sistema supervisório WinCC da SIEMENS.
44
5. RESULTADOS E DISCUSSÃO
5.1. Caracterização da vazão afluente
Primeiramente, com os dados brutos de vazão, foram obtidas as médias horárias
(120 leituras/hora) e, posteriormente, com estes valores médios foram criados
bancos de dados organizando as vazões em função das horas do dia (0 a 23 horas)
e dias da semana (domingo a sábado).
A Figura 16 apresenta a variação temporal da vazão diária durante o período de
monitoramento. É possível observar através da figura que as vazões durante os dois
primeiros meses de monitoramento foram, de maneira geral, inferiores às verificadas
nos meses posteriores, uma vez que neste período a estação ainda se encontrava
em fase testes, e não recebia toda a vazão de esgotos gerada nas bacias de
esgotamento
que
compõe
o
sistema.
Considerando
todo
o
período
de
monitoramento a vazão média foi de 908 m3/h.
Por volta do dia 20 de junho, houve a interligação do coletor geral 01 (CG1) a ETE.
Com o aumento de vazão afluente ocorreu uma pane no sistema de limpeza de uma
das caixas de areia, fato que obrigou a diminuição drástica na vazão afluente. Esse
fato pode ser observado através da Figura 17.
VAZÃO
VAZÃO MÉDIA (908,6 m3/h)
1300
1200
1100
Vazão (m3/h)
1000
900
800
700
600
500
400
Figura 17: Variação temporal da vazão diária durante o período de monitoramento.
Pane da caixa de areia
45
Considerando todo o período, a vazão média diária e máxima diária foram de
respectivamente, 21.805 m3/d e 29.073 m3/d, resultando em um coeficiente do dia de
maior consumo (K1) de 1,33. Entretanto, como foram verificadas grandes diferenças
entre os meses junho e julho e os meses posteriores, considerando apenas os
meses de agosto a outubro, a vazão média aumentou para 24.474 m3/d, resultando
em um valor para K1 de 1,2.
Considerando o comportamento médio de todos os dias da semana, a vazão
máxima horária foi de 1.264 m3/h e a vazão média horária foi de 908 m3/h, resultado
em um coeficiente para a hora de maior consumo (K2) de 1,4. Por outro lado, se for
considerada a vazão horária máxima (1574 m 3/h) do dia de maior consumo (29072
m3/d, Terça Feira – 14 de agosto/2012) o valor de K2 se eleva para 1,7.
Após a verificação do comportamento das vazões em função das variações diárias,
os dados foram analisados para a observação das variações horárias. A Figura 18
apresenta o resumo das vazões médias horárias ao longo dos dias da semana. As
maiores vazões médias horárias foram verificadas entre as segundas e sextas feiras,
as menores no final de semana sendo a menor no domingo. Essa grande diferença
apresentada no domingo pode ser atribuída à diminuição do consumo de água
existente nos locais de contribuição para as bacias de esgotamento, já que nesse
dia não há atividade comercial.
980
Vazão média horária (m3/h))
960
940
920
900
880
860
840
820
800
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
Figura 18: Médias horárias das vazões ao longo dos dias da semana
46
As variações das vazões horárias ao longo dos dias, em todos os dias da semana,
seguiu a tendência normal citada pela literatura com os menores valores ocorrendo
nas primeiras horas do dia (0 a 4 h), aumentando rapidamente ao longo da manhã,
até atingir o pico máximo em torno de 10 – 12 h, para em seguida decrescer
gradualmente até a meia noite (Figura 19). As variações de vazões são bem mais
acentuadas durante os horários de maiores consumo (8 – 16 h) e menores durante a
noite e madrugada. Tais variações são decorrentes dos hábitos de consumo de
água população ao longo de um dia e, de forma geral, são bem mais acentuadas
que as variações diárias.
Vazão horária
1400
1300
Vazão (m3/h)
1200
1100
1000
900
800
700
600
500
400
1
2
3
4
5
6
7
8
9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Hora
Figura 19: Variações horárias médias
A partir do monitoramento da vazão foi possível estabelecer os tempos de detenção
hidráulica (TDH) médios de cada reator, e no caso dos reatores UASB também a
velocidade ascencional. Os reatores UASB apresentaram TDH de 17h e velocidade
ascencional de 0,4 m/h. As câmaras anóxicas e tanques de aeração apresentaram
TDH’s de 2,9 h e 3,2 h, respectivamente.
47
5.2. Comportamento das Temperaturas
As temperaturas variaram entre 27 e 30 oC em todas as etapas do tratamento, com
médias de 28,31 oC para o EB-CX; 27, 89 oC para UASB 01; 27,92 oC para UASB 02;
28,82 oC para CA 01; 28,82 oC para CA 02; 28,83 oC para TA 01; 28,82 oC para TA
02 e 28,69 oC para o ET (Tabela 2).
Tabela 2: Estatística descritiva dos resultados de temperatura
PONTO
EB-CX
UASB 01
UASB 02
CA 01
CA 02
TA 01
TA 02
ET
Estatística
descritiva
Geral
04:00
08:00
12:00
16:00
20:00
00:00
Média
28,31
27,91
28,29
28,64
28,57
28,13
28,07
DP
0,68
0,54
0,83
0,50
0,65
0,64
0,73
Máx.
30,00
29,00
30,00
29,00
30,00
29,00
29,00
Mín.
27,00
27,00
27,00
28,00
28,00
27,00
27,00
Média
27,89
27,36
28,00
28,33
28,13
27,75
27,53
DP
0,74
0,50
0,76
0,72
0,72
0,58
0,64
Máx.
30,00
28,00
29,00
30,00
29,00
29,00
29,00
Mín.
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
Média
27,92
27,36
28,07
28,40
28,13
27,75
27,53
DP
0,79
0,50
0,88
0,91
0,72
0,58
0,64
Máx.
31,00
28,00
30,00
31,00
29,00
29,00
29,00
Mín.
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
27,00
Média
28,82
28,27
29,00
29,13
29,00
28,81
28,60
DP
0,60
0,90
0,65
0,52
0,52
0,54
0,63
Máx.
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
Mín.
27,00
27,00
28,00
28,00
28,00
28,00
28,00
Média
28,82
28,36
29,00
29,13
28,94
28,75
28,67
DP
0,65
0,81
0,53
0,52
0,44
0,58
0,62
Máx.
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
Mín.
27,00
27,00
28,00
28,00
28,00
28,00
28,00
Média
28,83
28,33
28,94
29,13
29,00
28,75
28,63
DP
0,61
0,65
0,57
0,50
0,53
0,58
0,62
Máx.
30,00
29,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
Mín.
27,00
27,00
28,00
28,00
28,00
28,00
28,00
Média
28,82
28,27
28,93
29,14
28,93
28,73
28,60
DP
0,62
0,65
0,62
0,53
0,46
0,59
0,63
Máx.
30,00
29,00
30,00
30,00
30,00
30,00
30,00
Mín.
27,00
27,00
28,00
28,00
28,00
28,00
28,00
Média
28,69
28,18
28,73
29,07
28,94
28,63
28,53
DP
0,65
0,75
0,46
0,59
0,57
0,62
0,64
Máx.
30,00
29,00
29,00
30,00
30,00
30,00
30,00
Mín.
27,00
27,00
28,00
28,00
28,00
28,00
28,00
48
As temperaturas em cada unidade da ETE se comportaram de forma normal,
seguindo as variações de temperatura do ambiente externo. As menores
temperaturas ocorreram às 4h00, aumentando até ás 12h00 e, a partir deste ponto,
decrescendo até a 00h00.
Nota-se a partir das médias horárias de temperatura, que existe uma sensível queda
de temperatura no efluente dos reatores UASB em relação ao esgoto afluente.
Posteriormente, ocorre aumento de temperatura nas CAs e ligeira queda nos TAs e
ET (Figura 20). Não foram observadas diferenças de temperaturas entre as Linhas
01 e 02.
LINHA 01
LINHA 02
29,00
Temperatura (oC)
28,80
28,60
28,40
28,20
28,00
27,80
EB CX
UASB
CA
TA
ET
Figura 20: Comportamento das temperaturas médias no decorrer da ETE.
Essas altas temperaturas observadas favorecem os processos de tratamento, uma
vez que, afetam diretamente o metabolismo bacteriano. Aliado a isso, observou-se
uma pequena amplitude diária das temperaturas, característica de regiões de clima
tropical.
49
5.3. Comportamento do pH
A Tabela 3 mostra a estatística descritiva dos valores de pH.
Tabela 3: estatística descritiva dos resultados de pH
PONTO
EB-CX
UASB
01
UASB
02
CA 01
CA 02
TA 01
TA 02
ET
Estatística
descritiva
Geral
Média
7,14
DP
04:00
08:00
12:00
16:00
20:00
00:00
0,22
7,13
0,15
7,45
0,17
6,96
0,15
6,94
0,09
7,19
0,10
7,10
0,13
Máx.
7,73
7,32
7,73
7,14
7,12
7,38
7,26
Mín.
6,60
6,87
7,16
6,60
6,80
7,02
6,77
Média
6,78
DP
0,13
6,85
0,20
6,76
0,10
6,81
0,14
6,78
0,12
6,78
0,10
6,72
0,11
Máx.
7,32
7,32
6,93
7,13
6,97
6,98
6,95
Mín.
6,40
6,64
6,60
6,57
6,61
6,66
6,40
Média
6,88
DP
0,12
6,96
0,18
6,85
0,09
6,85
0,12
6,86
0,11
6,86
0,10
6,87
0,11
Máx.
7,32
7,32
7,02
7,08
7,05
7,08
7,07
Mín.
6,66
6,78
6,68
6,69
6,68
6,66
6,75
Média
6,84
DP
0,20
6,71
0,19
6,80
0,20
6,84
0,15
6,90
0,21
6,89
0,22
6,85
0,18
Máx.
7,42
6,95
7,15
7,15
7,42
7,42
7,09
Mín.
6,37
6,40
6,37
6,60
6,57
6,49
6,45
Média
6,87
DP
0,19
6,77
0,14
6,88
0,20
6,80
0,17
6,90
0,19
6,88
0,16
6,94
0,25
Máx.
7,64
6,99
7,47
7,05
7,20
7,10
7,64
Mín.
6,47
6,47
6,61
6,47
6,47
6,56
6,48
Média
6,69
DP
0,28
6,59
0,18
6,58
0,25
6,69
0,33
6,77
0,30
6,80
0,25
6,70
0,30
Máx.
7,35
6,82
7,12
7,23
7,35
7,20
7,19
Mín.
6,16
6,31
6,19
6,16
6,26
6,32
6,23
Média
6,68
DP
0,28
6,60
0,20
6,54
0,24
6,65
0,32
6,76
0,31
6,75
0,28
6,71
0,26
Máx.
7,26
6,85
6,95
7,14
7,26
7,22
7,17
Mín.
5,85
6,10
5,85
5,98
5,94
6,17
6,13
Média
6,96
DP
0,20
6,95
0,18
6,89
0,19
6,93
0,18
6,94
0,22
6,99
0,20
7,00
0,21
Máx.
7,42
7,22
7,17
7,25
7,27
7,42
7,23
Mín.
6,42
6,67
6,44
6,62
6,42
6,57
6,52
50
O pH médio no esgoto bruto foi próximo ao neutro (7,14) e decresceu levemente nos
efluentes dos reatores anaeróbios para 6,78 (UASB 01) e 6,88 (UASB 02),
provavelmente, devido a produção de ácidos orgânicos. Nas câmaras anóxicas,
houve pequeno crescimento dos valores na CA 01 (6,84) e decrescimento na CA 02
(6,87) e nos tanques aerados foram observadas novas quedas atingindo nos
efluentes valores de 6,69 (TA 01) e 6,68 (TA 02), provavelmente pelo consumo de
alcalinidade referente ao processo de nitrificação do efluente. O efluente final da
ETE apresentou pH médio de 6,96 (Figura 21).
LINHA 01
LINHA 02
7,20
7,10
pH
7,00
6,90
6,80
6,70
6,60
EB CX
UASB
CA
TA 02
ET
Figura 21: Variação média do pH na ETE
Nos efluentes dos reatores UASB, os valores de pH se apresentaram próximos a
neutralidade, evidenciando a existência de um bom equilíbrio entre as etapas de
conversão dos substratos, de forma a não inibir a metanogênese pela excessiva
produção de ácidos graxos voláteis (Figura 22).
51
UASB 01
UASB 02
7,00
6,95
pH
6,90
6,85
6,80
6,75
6,70
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 22: Comportamento dos valores médios horários dos efluentes dos UASBs.
Existe uma pequena diferença de pH entre os UASB 01 e UASB 02, a qual pode ser
explicada por alguma provável diferença de vazão afluente aos reatores. Verificamse também, para os dois efluentes, suaves quedas entre as 4h00 h e 8h00.
Durante o período de monitoramento, foi realizada a introdução de cal hidratado nos
reatores UASB, através da saída das caixas de areia, uma vez que foram
encontrados baixos valores de pH na manta de lodo.
Carvalho et al (2008) avaliaram o comportamento hidrodinâmico de um reator UASB
(escala piloto), e verificaram o acúmulo de ácidos no efluente com a aplicação das
variações senoidais cíclicas de vazão, principalmente nos períodos de aumento da
vazão média para máxima. Esse aumento das concentrações de ácidos voláteis
pode ter ocorrido devido à maior velocidade ascensional de fluxo, acarretando
menor tempo de contato entre o substrato e a biomassa para a realização da
metanogênese.
52
As Figuras 23 e 24 mostram o comportamento das médias horárias de pH nas CA e
TA, respectivamente.
CA 01
CA 02
7,00
6,95
pH
6,90
6,85
6,80
6,75
6,70
6,65
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 23: Comportamento dos valores médios horários de pH dos efluentes das CAs
TA 01
TA 02
6,85
6,80
pH
6,75
6,70
6,65
6,60
6,55
6,50
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 24: Comportamento dos valores médios horários de pH dos efluentes dos TAs
53
5.4. Comportamento do OD
A Tabela 05 mostra a estatística descritiva dos perfis de OD para as CAs, TAs e ET.
Tabela 4: Estatística descritiva dos resultados de OD
PONTO
CA 01
CA 02
TA 01
TA 02
ET
Estatística
descritiva
Geral
04:00
08:00
12:00
16:00
20:00
00:00
Média
0,8
0,7
0,8
0,9
0,8
0,8
0,8
DP
0,2
0,2
0,2
0,3
0,2
0,1
0,1
Máx.
2,0
1,2
1,2
2,0
1,3
1,1
1,0
Mín.
0,5
0,6
0,5
0,6
0,7
0,7
0,6
Média
0,8
0,7
0,7
0,8
0,8
0,7
0,7
DP
0,2
0,1
0,2
0,1
0,2
0,2
0,2
Máx.
1,3
0,9
1,1
0,9
1,3
1,1
1,1
Mín.
0,5
0,5
0,5
0,7
0,6
0,5
0,6
Média
1,4
1,6
1,3
1,4
1,5
1,4
1,6
DP
0,3
0,5
0,3
0,3
0,2
0,3
0,5
Máx.
2,8
2,6
1,7
1,9
1,9
2,0
2,8
Mín.
0,7
0,9
0,9
1,0
1,0
1,0
0,7
Média
1,3
1,4
1,2
1,2
1,2
1,1
1,4
DP
0,4
0,4
0,3
0,4
0,4
0,2
0,5
Máx.
2,3
2,0
2,0
1,9
2,0
1,5
2,3
Mín.
0,7
0,9
0,8
0,7
0,8
0,7
0,7
Média
5,9
6,2
6,1
5,9
5,5
5,7
5,9
DP
0,8
0,4
0,6
0,7
1,1
0,8
0,7
Máx.
7,5
6,9
7,4
7,2
7,4
7,5
7,5
Mín.
2,7
5,6
5,0
4,9
2,7
3,9
4,7
No período do monitoramento, a ETE operou com no máximo 3 sopradores dos 6
existentes, principalmente durante o dia, período no qual são encontradas as
maiores vazões. Durante a noite, nos momentos de menores vazões a ETE operou
com apenas 2 sopradores. Os tanques de aeração eram dotados de sondas de OD,
entretanto, não estavam funcionando corretamente, de forma que seus resultados
não foram utilizados.
Nas CA’s, foram identificadas concentrações de OD entre 2,0 e 0,5 mg/L e média
geral de 0,8 mg/L. Esse valores são resultados das recirculações existentes no
sistema, uma vez que as CAs, além de terem a contribuição dos efluentes dos
reatores UASB e parte do EB-CX, recebem também uma parcela do efluente dos
54
TAs, o que contribui para a existência de OD no meio. A Figura 25 apresenta o
comportamento das médias das concentrações de OD para cada horário de coleta.
CA 01
CA 02
0,95
OD (mg/L)
0,90
0,85
0,80
0,75
0,70
0,65
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 25: Comportamento de OD nas CAs
Foram encontradas médias de 1,4 mg/L (TA 01) e 1,3 mg/L (TA 02), chegando a
mínimos e máximos de 0,7 a 2,8 (TA 01) e 0,7 a 2,3 (TA 02), respectivamente. As
concentrações de OD não apresentaram grandes variações ao logo dos dias, como
é possível verificar na Figura 26.
As médias horárias tiveram variação de 1,6 mg/L às 4:00 h até 1,3 mg/L às 8:00h
para o TA 01, enquanto que para o TA 02 as variações médias horárias foram de 1,4
mg/L às 0:00h até 1,1 mg/L às 20:00h. Entretanto, verifica-se que o TA 01 recebeu
um pouco mais de aeração no período de estudo.
55
TA 01
TA 02
1,70
OD (mg/L)
1,60
1,50
1,40
1,30
1,20
1,10
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 26: Comportamento do OD nos TAs
Com a introdução da sonda no interior dos TA’s foram encontradas maiores
concentrações de OD em relação a metodologia anterior. O TA 01, apresentou
médias de 1,4 e 2,5 mg/L para os dois pontos de verificação, e médias de 3,4 e 3,2
mg/L para o TA 02. As médias horárias desses pontos mostraram que no TA 01
houve pouca variação, enquanto que no TA 02 a variação foi maior, chegando a
quase 1,0 mg/L, durante o dia. Na Figura 27, é possível visualizar tais resultados.
TA01b
TA01a
TA02a
TA02b
4,00
OD (mg/L)
3,50
3,00
2,50
2,00
1,50
1,00
8:00
12:00
16:00
20:00
0:00
Figura 27: Comportamento de OD (sonda no interior do tanque)
56
Esses resultados denotam a possibilidade de existência de problemas no sistema de
aeração, como registros fechados, obstrução dos difusores, mal funcionamento dos
sopradores, ou mesmo diferença de vazões afluentes aos TAs. Também foi
evidenciada
que
metodologias
diferentes
podem
acarretar
em
diferenças
significativas dos resultados.
O ET mostrou-se com boas concentrações de OD em todo o período de estudo, com
média de 5,9 mg/L, sendo o valor máximo 7,5 mg/L e o mínimo 2,7 mg/L. As médias
horárias evidenciaram maiores concentrações às 4h00 h (6,2 mg/L) decrescendo
até às 16:00h (5,5 mg/L) e a partir desse ponto crescendo até às 4:00 h (Figura 28).
Esses altos valores de OD no ET podem ser explicadas pela reaeração ocasionada
pela queda do efluente através das canaletas existentes nos decantadores
secundários.
ET
6,30
OD (mg/L)
6,05
5,80
5,55
5,30
4:00
8:00
12:00
16:00
20:00
Figura 28: Comportamento de OD no efluente tratado
0:00
57
5.5. Resultados do monitoramento de Matéria Orgânica e Sólidos
Os dados de estatística descritiva das concentrações DBO, SST e SSV são
apresentados na Tabela 06.
Tabela 5: Estatística descritiva DBO, SST e SSV
Parâmetro
DBO
SST
SSV
Estatistica
descritiva
EBCX
UASB
01
UASB
02
Média
310
101
97
CA
01
CA
02
TA
01
TA
02
ET
LR
01
LR
02
-
-
41
DP
29
67
41
Máx.
360
280
190
95
Mín.
270
23
47
17
Média
190
89
81
3633 3441 3605 3032
94
5310 5592
DP
65
59
53
962
76
2274 2218
Máx.
318
204
204
5000 5125 4800 4870 288 7340 7170
Mín.
66
20
20
2130 1780 1270 1260
24
1012
Média
138
56
48
2932 2712 2843 2348
84
4785 4686
DP
76
50
41
803
79
959
Máx.
300
140
122
3990 4250 3820 3120 266 5650 5340
Mín.
10
10
0
-
-
930
657
-
1085
768
-
939
587
1540 1800 1700 1500
6
20
944
782
3300 3500
A DBO afluente variou entre 270 e 360,0 mg/L, tendo como média 310 mg/L. É
importante ressaltar que a ETE do Baldo foi projetada baseada em valores de 250
mg/L de DBO. Esse fato pode ter impactado o dimensionamento das unidades de
tratamento. Após o processo de tratamento, o efluente apresentou média de 41,1
mg/L com valor máximo de 70 mg/L e mínimo de 17 mg/L (Figura 29).
Com relação ao parâmetro SST, a ETE apresentou média afluente de 190,1 mg/L e
variação entre 66 mg/L e 318 mg/L. Após o processo de tratamento, foi obtida média
de 94 mg/L e valores máximos e mínimos de 288 mg/L e 24 mg/L, respectivamente,
conforme apresentado na Figura 30.
58
Afluente
Efluente
400,0
350,0
DBO (mg/L)
300,0
250,0
200,0
150,0
100,0
50,0
0,0
Figura 29: Concentrações de DBO afluente e efluente a ETE
SST afluente
SST Efluente
350
300
(mg/l)
250
200
150
100
50
0
Figura 30: Concentrações afluente e efluente de SST
Oliveira e Von Sperling (2005) avaliaram dados de 166 ETE’s localizadas nos
estados de Minas Gerais e São Paulo, comparando os resultados encontrados com
as faixas de variação apresentadas pela literatura. As ETE’s compostas de reator
UASB com pós-tratamento apresentaram concentrações de DBO na faixa de 13 a 63
mg/L, enquanto que a literatura mostra faixa entre 20 e 80 mg/L. Já para as
concentrações de SST, foram encontrados resultados de concentração entre 17 e 85
mg/L, enquanto que a literatura apresenta faixa entre 10 e 90 mg/L.
59
5.6. Reatores UASB
Durante o período de monitoramento, a vazão média afluente à ETE foi de 908 m3/h,
entretanto os UASB recebem apenas 75% desta vazão, uma vez que, 25% são
encaminhados por meio de by-pass para as CA como fonte de carbono para o
processo de desnitrificação. Visto isso, os UASB apresentaram médias de TDH e
velocidade ascencional de 17 h e 0,4 h, respectivamente. Esses valores são muito
diferentes dos recomendados para os reatores. Contudo, as duas linhas de
tratamento existentes têm capacidade de receber uma vazão média de 1620 m 3/h,
ou
seja,
no
período
do
monitoramento
a
ETE
estava
operando
com
aproximadamente 56 % de sua capacidade.
O reator UASB 01 apresentou DBO efluente com variação de 66,9 a 280 mg/L e
média de 100,7 mg/L. Já o reator UASB 02 obteve efluentes variando entre 47 e 190
mg/L, e média de 97 mg/L. Ficou evidenciada grande semelhança no
comportamento dos dois reatores. Destacam-se os valores da coleta do dia 9 de
outubro, em que ambos os reatores obtiveram os seus piores resultados (Figura 31).
Acredita-se que os altos valores de DBO encontrados nos UASBs 01 e 02 têm
relação com as concentrações de SST, mesmo não havendo resultados para esse
parâmetro neste dia de coleta, foi possível perceber em campo a grande quantidade
de sólidos nas amostras.
Afluente
UASB 01
UASB 02
400,0
350,0
DBO (mg/L)
300,0
250,0
200,0
150,0
100,0
50,0
0,0
6-jun 27-jun 25-jul 31-jul 8-ago 15-ago 29-ago 4-set 18-set 25-set 9-out
Figura 31: Concentrações afluente e efluente de DBO
60
As concentrações de SST nos efluentes dos UASBs 01 e 02 apresentaram grandes
variações, entre 20 e 204 mg/L, com médias gerais de 89 mg/L (UASB 01) e 81
mg/L (UASB 02). A Figura 32 mostra o histórico de concentrações afluentes e
efluentes aos reatores, de forma que se pode perceber a existência de instabilidade
no processo de remoção de SST. Esta instabilidade pode ter relação com as rotinas
de recirculação de lodo dos decantadores secundários promovendo uma alta
concentração de sólidos nos reatores UASB. É importante salientar que a linha de
tratamento de sólidos (lodo) ainda não havia entrado em operação, ou seja, o
descarte de lodo em excesso estava sendo realizado esporadicamente.
Entretanto, esses valores de SST não foram diferentes de pesquisa realizada por
Silva et al (2012), que analisando as concentrações de SST em reator UASB chegou
a média de 88,1 mg/L.
Florêncio et al (2001) monitoraram os reatores UASB da ETE Mangueira, situada na
região metropolitana de recife, e observou concentração média de 80 mg/L de SST.
Oliveira e Von Sperling (2005), avaliando dados de 166 ETE’s, verificaram que os
reatores UASB apresentaram faixas de variação de concentração de SST entre 49 e
137 mg/L, enquanto que a literatura apresenta faixa de 60 a 100 mg/L. Neste mesmo
estudo, os reatores UASB apresentaram concentrações de DBO entre 67 e 129
mg/L, na literatura são mostrados valores de 70 a 100 mg/L.
Afluente
UASB 01
UASB 02
350
300
SST (mg/L)
250
200
150
100
50
0
Figura 32: Concentrações afluentes e efluentes de SST
61
Como as amostras foram compostas proporcionalmente as vazões afluentes, foram
perceptíveis no momento das coletas, que as maiores contribuições de SST se
deram nos períodos de maior vazão, assim como Carvalho et al (2008)
apresentaram em estudo aplicando variações senoidais cíclicas da vazão,
observando maior arraste de sólidos nos períodos de aumento da velocidade
ascensional. Entretanto a velocidade ascencional do esgoto nos reatores foi muito
baixa em média de 0,4 m/h, devido à vazão média afluente ainda estar longe da de
projeto. Assim a variação pode ter relação com as rotinas de recirculação de lodo
dos decantadores secundários para os UASB, bem como o descarte para a linha de
tratamento de lodo. A linha de tratamento de sólidos (lodo) ainda não havia entrado
em operação e haviam impasses quanto a destinação desse lodo, ou seja, o
descarte de lodo em excesso estava sendo realizado esporadicamente promovendo
uma alta concentração de sólidos nos reatores UASB.
5.7. Câmaras Anóxicas e Tanques de Aeração
As CAs apresentaram elevadas concentrações de SST, a CA 01 obteve variação de
2.130 a 5.000 mg/L e a CA 02 de 1.780 a 5.125 mg/L, com médias de 3.633 mg/L e
3441 mg/L, respectivamente. As concentrações de SSV também foram elevadas,
apresentando médias de 2.932 mgL (CA 01) e 2712 mg/L (CA 02) (Figura 33).
Assim como as nas câmaras anóxicas, também foram elevadas as concentrações
médias de SST nos TA 01 (3.605 mg/L) e TA 02 (3.032 mg/L). Entretanto o projeto
apresenta 4.000 mg/L como concentração ideal de SST nos TA. A não obtenção
dessa concentração pode ter relação com problemas existentes no sistema de
aeração. Com relação às concentrações de SSV, o TA 01 apresentou médias de
2.843 mg/L e o TA 02 média de 2.348 mg/L.
62
5592
4686
3000
3032
2348
3441
2712
3605
2843
TA1
4000
3633
2932
5000
CA1
6000
81
48
UASB2
94,15
84,00
190
138
EB-CX
94
84
89
56
UASB1
1000
190
138
2000
EB-CX
Sólidos (mg/L)
SSV
5310
4785
SST
Linha 1
-
LR2
ET
TA2
CA2
LR1
ET
0
Linha 2
Figura 33: Comportamento de SST e SSV
As médias das relações SSV/SST estão apresentadas graficamente na Figura 34 e
apontam o predomínio de sólidos voláteis (biomassa) em detrimento aos fixos
(inerte) em todas as etapas de tratamento.
0,65
0,79
0,76
0,84
LR1
0,89
ET
0,59
0,70
0,72
0,75
0,63
0,80
0,72
SSV/SST
0,85
0,79
0,81
0,90
0,90
0,95
0,89
SSV/SST
0,60
0,55
EB-CX UASB1 CA1
TA1
Linha 1
EB-CX UASB2 CA2
-
TA2
ET
LR2
Linha 2
Figura 34: Relações de médias de SSV/SST
Os dados da SSV/SST mostram que os UASB 01 e 02 apresentaram relações de
0,63 e 0,59 respectivamente, evidenciando uma maior estabilização do lodo efluente
63
ao reator, se comparados às CAs e TAs. Neste caso é importante lembrar que os
reatores UASB também funcionam como digestores de lodo proveniente dos
decantadores secundários.
Os CAs e TAs apresentaram resultados semelhantes, com relações que variaram
entre 0,76 e 0,81. Também foram encontradas relações semelhantes entre ET
(0,89), LR 01 (0,9) e LR 02 (0,84), uma vez que o lodo encontrado nas amostras do
ET é originário dos decantadores secundários.
5.8. Eficiências de Remoção de DBO e SST
A Tabela 07 mostra a estatística descritiva das eficiências de remoção de DBO e
SST.
Tabela 6: Eficiências de remoção de DBO e SST
Eficiência
de remoção
Estatística
descritiva
UASB 01
Média
67,7
68,9
86,5
DP
21,9
12,8
6,3
Máx.
91,8
83,2
94,9
Mín.
6,7
36,7
78,1
Média
59,2
57,2
62,9
DP
25,9
28,5
112,6
Máx.
87,5
87,5
91,6
Mín.
RN – Remoção negativa
6,4
RN
RN
DBO (%)
SST (%)
UASB 02
GERAL
A ETE apresentou remoções de DBO variando entre 78,1% e 94,9%, com média
geral de 86,5%, valor este abaixo dos 90% apresentados no projeto da ETE (Figura
35).
64
100,0
Remoção de DBO (%)
95,0
90,0
85,0
80,0
75,0
6-jun 27-jun 25-jul 31-jul 8-ago 15-ago 29-ago 4-set 25-set 9-out
Figura 35: Eficiências de remoção de DBO
Para a estimativa de remoção de SST foram desconsideradas as remoções
negativas no sistema, de forma que a média foi de 62,9%, bem abaixo do
especificado em projeto (90%), conforme Figura 36.
Remoção de SST (%)
SST
100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
Figura 36: Eficiências de remoção de SST
Os reatores UASB obtiveram remoções médias de DBO de 67,7% (UASB 01) e 68,9
UASB 02, estes valores estão bem próximos aos 70% esperados no projeto da ETE.
Os piores resultados foram observados nas coletas do dia 09 de outubro, muito
provavelmente pela grande presença de sólidos em suspensão (Figura 37).
65
Remoçaõ de DBO (%)
UASB 01
UASB 02
100,0
90,0
80,0
70,0
60,0
50,0
40,0
30,0
20,0
10,0
0,0
Figura 37: Eficiências de remoção de DBO nos reatores UASB
Os resultados de remoção de SST evidenciaram a existência de instabilidade, já que
não houve uniformidade dos dados. Essa instabilidade denota a necessidade de
implementação de um melhor controle dos processos de recirculação do lodo a ser
digerido nos reatores, bem como o seu descarte. O UASB 01 apresentou 59,2%
como média de remoção de SST, enquanto que o UASB 02 obteve eficiência média
de 57,25% (Figura 38).
SST UASB 01
SST UASB 02
100,0
90,0
Remoçaõ de SST (%)
80,0
70,0
60,0
50,0
40,0
30,0
20,0
10,0
0,0
-10,0
Figura 38: Eficiências de remoção de SST nos UASB’s
66
5.9. Comportamento das formas de Nitrogênio
A Tabela 7 apresenta os dados relativos às formas de nitrogênio, com suas
respectivas médias, desvios padrões, máximos e mínimos. O nitrogênio total está
evidenciado através do NTK, uma vez que os valores de nitrato encontrados são, de
forma geral, muito pequenos.
Tabela 7: Estatística descritiva das formas de nitrogênio
Parâmetro Estatistica
(mgL)
descritiva
Média
Norg
NH4
NTK
NO3
-
EB-CX
UASB
01
UASB
02
CA 01
17,8
CA 02 TA 01
16,2
18,1
LR
01
LR
02
TA 02
ET
18,0
3,5
24,1 22,5
14,7 11,9
3,6
3,1
2,9
DP
3,3
1,2
1,3
6,2
7,7
7,5
5,8
3,1
Máx.
14,1
4,5
5,0
28,6
35,3
30,4
29,1
10,1 36,4 31,9
Mín.
0,6
0,8
0,2
7,3
8,3
1,7
7,8
0,8
6,2
6,7
Média
29,8
36,2
35,7
14,8
14,2
6,7
6,5
7,3
5,8
6,7
DP
5,3
8,9
8,3
7,7
7,4
5,6
4,6
6,2
4,1
5,3
Máx.
37,1
47,0
46,6
29,8
25,4
20,8
16,3
21,8 11,8 14,6
Mín.
20,3
16,5
15,4
3,4
3,9
0,8
1,1
1,7
Média
34,6
39,5
38,7
31,9
30,1
24,1
23,8
10,2 30,5 30,0
DP
6,3
10,1
9,5
8,1
11,2
9,6
7,2
7,3
Máx.
49,9
51,0
48,8
50,4
50,4
40,4
37,5
26,3 46,5 44,8
Mín.
26,3
17,4
15,6
21,6
13,7
2,5
14,2
2,7
9,5
9,5
Média
0,7
0,5
1,5
3,1
3,3
2,8
3,7
2,5
1,6
2,0
DP
0,8
0,4
1,6
3,5
3,3
2,3
1,7
2,7
0,6
1,1
Máx.
2,7
1,3
3,9
12,1
10,6
7,5
6,6
8,9
2,1
2,8
Mín.
0,0
0,0
0,0
0,2
0,0
0,1
0,9
0,1
0,9
0,8
1,1
1,0
16,4 14,5
A Figura 39 evidencia o comportamento médio das formas nitrogenadas no decorrer
do processo de tratamento. É possível perceber que as concentrações de nitrogênio
amoniacal apresentaram aumento entre o EB-CX e os UASB 01 e 02, passando de
média 29,8 mg/L para 36,2 e 35,7 mg/L, respectivamente. Esse aumento pode ser
relacionado à utilização dos reatores UASB como digestores de lodo, de forma que
parte do nitrogênio orgânico presente em LR 01 e LR 02 é convertida através do
processo de amonificação, assim como o nitrogênio orgânico presente no esgoto
bruto.
As câmaras anóxicas apresentaram concentrações de nitrogênio amoniacal de 14,8
mg/L (CA 01) e 14,2 mg/L (CA 02), sendo esses valores intermediários em relação a
67
EB-CX (29,8 mg/L) e os efluentes dos tanques de aeração TA 01 (6,7 mg/L) e TA 02
(6,5 mg/L). Esses valores intermediários são possíveis, já que as CA’s recebem
parte dos efluentes dos TA’s e dos UASB’s.
As concentrações de nitrogênio orgânico nos TA’s e CA’s foram semelhantes,
devido a grande concentração de lodo nesses reatores (processo de assimilação). O
efluente das câmaras anóxicas e dos tanques de aeração passam pelo processo de
decantação secundária, onde é realizada a separação do lodo, assim pode-se
verificar no ET a diminuição das concentrações de nitrogênio orgânico e grande
concentração em LR 01 e LR 02.
NH4
Norg
NO3
40,0
35,0
(mg N/L)
30,0
25,0
20,0
15,0
10,0
5,0
0,0
EB-CX UASB1 CA1
TA1
ET
Linha 1
LR1
EB-CX UASB2 CA2
-
TA2
ET
LR2
Linha 2
Figura 39: Concentrações médias de NH4, Norg e NO3
Com base no gráfico da Figura 39, observa-se que não foi obtida nitrificação
satisfatória, tendo sido encontrados valores médios de 2,8 mg/L (TA 01) e 3,7 mg/L
(TA 02) de nitrato. A não ocorrência de nitrificação esperada pode ter relação com
as concentrações de OD nos TA’s.
A alcalinidade presente no sistema tem relação direta com os processos de
nitrificação e desnitrificação. A nitrificação dos efluentes está relacionada ao
consumo de alcalinidade do meio, enquanto que a desnitrificação gera alcalinidade.
É possível perceber menor presença de alcalinidade nos TAs se comparados aos
resultados das CA’s.
68
A estatística descritiva dos resultados de Alcalinidade está disposta na Tabela 8.
Tabela 8: Estatistica descritiva dos resultados de Alcalinidade
Estatística
descritiva
EB-CX UASB-1 UASB-2 CA-1 CA-2 TA-1 TA-2
Média
181,3
ET
247,9
19,3
146,3 148,3 103,2 105,1 96,9
15,9 17,2 23,2 20,9 21,1
LR-1 LR-2
DP
14,3
247,6
21,2
Máximo
200,0
271,0
273,0
164,0 171,0 151,0 142,0 133,0 131,0 141,0
Mínimo
163,0
203,0
210,0
119,0 122,0 74,0
74,0
68,0
115,8 110,3
19,5 22,0
81,0
79,0
A Figura 40 mostra a variação da alcalinidade ao longo do processo de tratamento.
É possivel identificar pela figura aumentos de alcalinidade nos efluentes dos reatores
UASB, em relação ao esgoto bruto, sendo de 181 mg/L para 247,6 mg/L no UASB
01 e para 247,9 no UASB 02. Posteriormente, foram observadas diminuições
contínuas de alcalinidade nos efluentes das câmaras anóxicas (146,3 mg/L e 148,3
mg/L em CA 01 e CA 02, respectivamente) e tanques de aeração (103,2 mg/L e
105,1 mg/L, respectivamente em TA 01 e TA 02), atingindo no efluente final uma
concentração de 96,9 mg/L. Os valores relativos ao lodo dos decantadores foram
semelhantes aos encontrados nos tanques de aeração, 115,8 mg/L (LR 01) e 110,3
(LR 02).
247,9
247,6
Alcalinidade (mg CaCO3/L)
250
200
181,3
181
148,3
146,3
150
103,2 96,9
115,8
105,1 96,9 110,3
100
50
0
EB-CX UASB CA 01 TA 01
01
Linha 1
ET
LR 01
EB-CX UASB CA 02 TA 02
02
-
Linha 2
Figura 40: Comportamento da Alcalinidade
ET
LR 02
69
A partir dos resultados de alcalinidade vê-se que podem estar ocorrendo os
processos de nitrificação e desnitrificação, mas em proporções pequenas, uma vez
que foram verificadas baixas concentrações de nitrato nos TAs.
É perceptível que, ao longo do processo de tratamento, ocorre a diminuição das
concentrações de NTK (Figura 41).
NTK
40,0
35,0
(mg N/L)
30,0
25,0
20,0
15,0
10,0
5,0
Linha 1
-
LR2
ET
TA2
CA2
UASB2
EB-CX
LR1
ET
TA1
CA1
UASB1
EB-CX
0,0
Linha 2
Figura 41: Médias das concentrações de NTK ao longo do processo
As eficiências de remoção de nitrogênio amoniacal e NTK estão representadas na
Tabela 9. Foram encontradas remoções médias de 70,7 % de NTK e 76,9 de N-NH4,
valores estes bem acima dos 50 % de remoção projetada para a ETE.
Tabela 9: Estatística descritiva das eficiências de remoção de NTK e N-NH4
Parâmetro
NTK
N-NH4
Estatística
descritiva
Eficiência de
remoção (%)
Média
70,7
DP
21,3
Máx.
89,7
Mín.
21,8
Média
76,9
DP
19,8
Máx.
94,2
Mín.
27,9
70
A Figura 42 e Figura 43 mostram o histórico de eficiências de remoção de NTK e NNH4 durante o período de monitoramento. Percebe-se que, a partir de meados do
mês de julho, as eficiências começam a decrescer. Esse fato pode ser explicado
através da análise das vazões afluentes, que também nesse período começam a
aumentar, visto que a ETE inicia a operação recebendo 100 % da contribuição
gerada nas bacias de esgotamento da região de forma que no final do período de
monitoramento as eficiências decrescem para valores em torno de 40 %.
Eficiência de Remoção (%)
N-NH4
100,0
90,0
80,0
70,0
60,0
50,0
40,0
30,0
20,0
Figura 42: Eficiências de remoção de nitrogênio amoniacal
Figura 43: Eficiências de remoção de NTK
31-out
10-out
26-set
19-set
29-ago
22-ago
15-ago
8-ago
1-ago
25-jul
18-jul
4-jul
27-jun
20-jun
13-jun
100,0%
90,0%
80,0%
70,0%
60,0%
50,0%
40,0%
30,0%
20,0%
6-jun
Eficiencia de remoção (%)
NTK
71
A remoção biológica de nitrogênio em sistemas pré-desnitrificação é afetada por
diversos fatores operacionais, principalmente as razões de recirculação interna de
esgoto nitrificado, a recirculação do lodo dos decantadores para as câmaras
anóxicas e a disponibilidade de carbono na zona anóxica.
Von Sperling (2002) mostra que para sistemas de pré-desnitrificação a razão de
recirculação interna varia entre 100 e 400%. Diante disso, é muito importante que
ETE’s com configuração semelhante a do presente trabalho, para que possam
conseguir remoções satisfatórias de nitrogênio, apresentem grande flexibilidade
operacional.
No período de monitoramento, a ETE operou com uma razão de recirculação interna
constante de esgoto nitrificado de 936 m 3/h, no total. Nos meses de junho e julho
foram encontradas as menores vazões afluentes de forma que nesse período a
razão de recirculação interna apresentou valores em torno de 128%. Nos meses
posteriores as vazões afluentes foram incrementadas pelas interligações de
coletores do sistema de esgotamento sanitário, de forma que a razão de
recirculação interna decresceu para valores próximos 90%.
Vislumbrando o final de plano da ETE, esta poderá apresentar no máximo razão de
recirculação interna de 100%, evidenciando baixa flexibilidade operacional.
72
5.10. Atendimento aos Padrões de Lançamento
A Resolução CONAMA 430/2011 determina os padrões de lançamento para os itens
analisados no presente trabalho, a Tabela 10 mostra esses padrões e a eficiência da
ETE no atendimento dos mesmos.
Tabela 10: Padrões de lançamento e eficiência de atendimento
Parâmetro
Padrão de
lançamento
(CONAMA 430/11)
% de atendimento
pH
5-9
100%
T (°C)
< 40°
100%
DBO 5
120 mg/L
100%
Nitrogênio
amoniacal
20 mg/L
93,3%
Para os parâmetros pH, temperatura, DBO a ETE apresentou 100% de eficiência no
atendimento a legislação vigente. Entretanto, para o parâmetro nitrogênio amoniacal,
a ETE obteve eficiência de atendimento de 93,3%, em função de apenas uma coleta
em que o resultado foi uma concentração efluente de 21,8 mg/L.
73
6. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES
Os resultados mostraram que, de forma global, a ETE apresentou eficiência média
de remoção de DBO abaixo do estimado em projeto, mesmo operando com vazão
abaixo da projetada para final de plano. Foram encontradas altas remoções de
nitrogênio amoniacal, assim como faixas de pH e temperatura adequadas,
atendendo aos padrões de lançamento adotados pelo CONAMA. Entretanto, é
importante ressaltar que, no período de monitoramento, a vazão afluente a ETE
ainda estava em média de 56 % da vazão apresentada para final de plano.
Os reatores UASB apresentaram eficiências de remoção médias de DBO pouco
abaixo dos 70% esperados em projeto, essas eficiências foram afetadas
principalmente pelas concentrações de SST nos efluentes, mesmo operando com
altos tempos de detenção hidráulica e baixas velocidades ascencionais.
Há uma tendência de que esses resultados estejam relacionados com os
procedimentos de recirculação e descarte de lodo excedente dos decantadores
secundários para digestão nos reatores UASB, principalmente pelo fato de que no
início do monitoramento ainda não havia iniciado a operação das centrífugas. Aliado
a isso, existiam impasses quanto aos locais para destinação final do lodo gerado.
Dessa forma, o descarte do lodo em excesso ficou prejudicado obrigando
excessivas recirculações, tanto para as câmaras anóxicas quanto para os reatores
UASB.
Com relação à remoção de nitrogênio, os resultados mostraram boas eficiências,
entretanto, com tendência de queda durante o monitoramento, provavelmente pelo
ao aumento da vazão e consequentemente diminuição da razão de recirculação
interna dos tanques de aeração para as câmaras anóxicas. Aliado a isso, a remoção
não se deu através dos processos de nitrificação e desnitrificação, já que, foram
encontradas concentrações muito baixas de nitrato no efluente dos tanques de
aeração. A não ocorrência de acentuado processo de nitrificação pode ter relação
com deficiências no sistema de aeração.
Com o monitoramento foi possível verificar que não existiram diferenças
significativas entre as duas linhas de tratamento paralelas, exceto pelos resultados
de OD.
74
Diante disso, algumas recomendações podem ser apontadas. No monitoramento foi
observada média de 310 mg/L de DBO afluente a ETE, entretanto o projeto foi
concebido utilizando-se valor de 250 mg/L. Diante disso, é extremamente importante
que, se possível, na fase de planejamento e concepção de projetos de ETEs, sejam
realizadas pesquisas para avaliar as reais características do esgoto afluente. Ainda
com relação ao projeto de novas ETEs, foi visto que para sistemas de prédesnitrificação é importante a existência de flexibilidade operacional, devido as
recirculações requeridas, e que a ETE do Baldo não apresenta tal flexibilidade.
Recomenda-se avaliar e melhorar a rotina de descarte de lodo digerido nos reatores
UASB, bem como o recebimento de lodo em excesso dos decantadores
secundários, de forma a obter melhorias nas eficiências de remoção de sólidos nos
mesmos. Somado a isso devem-se buscar formas de resolver o impasse quanto ao
destino do lodo em excesso gerado na estação, uma vez que, este pode afetar a
qualidade do efluente final.
Com relação aos tanques de aeração é imprescindível o reparo no sistema de
monitoramento dos níveis de OD (sondas), além de verificação mais aprofundada
sobre a existência ou não de problemas nos sopradores, assim como na distribuição
da vazão de ar aplicada nos dois tanques, já que foram verificadas diferenças de
concentração entre eles.
A remoção de nitrogênio deve ser mais bem estudada, de forma que possa ser
determinada a melhor configuração das vazões de recirculação e descarte de lodo,
bem como a razão de by-pass para a zona anóxica.
75
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDRADE NETO, C O de. Filtro Anaeróbio Aplicado ao Tratamento de Esgoto
Sanitário. Tese (Doutorado em Recursos Naturais) Universidade Federal de
Campina Grande. Campina Grande: UFCG, 2004.
APHA, AWWA, WEF. Standard methods for the examination of water and
wastewater. 21. ed. Washington, DC: APHA, 2005.
AQUINO, S. F., CHERNICHARO, C. A. L. Acúmulo de ácidos graxos voláteis
(AGVs) em reatores anaeróbios sob estresse: causas e estratégias de
controle. Eng. Sanit. Ambient., Jun 2005, vol.10, no.2, p.152-161. ISSN 1413-4152
ARAÚJO, R. F. Nitrificação de Efluentes de Reatores Anaeróbios em Filtros
Biológicos Submersos Aerados (2009). Dissertação de Mestrado. Universidade
Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA. Resolução n° 357, de
17 de março de 2005. ispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes
ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e
padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.
BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA. Resolução n° 430, de
13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de
efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005.
CARVALHO, K., SALGADO, M. T., PASSIG F. H., PIRES E. C. Avaliação
hidrodinâmica de reator UASB submetido à variação cíclica de vazão.
Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 226-235, 2008.
CHERNICHARO, C. A. L.; VAN HAANDEL, A. C.; FORESTI, E.; CYBIS, L. F..
Aplicabilidade da tecnologia anaeróbia para o tratamento de esgotos
domésticos. In: Pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios: aspectos
metodológicos. CHERNICHARO, C. A. L.(coord.). Belo Horizonte: [s.n.], 2001.
CHONG, S., SEN, T. K., KAYAALP, A., ANG, H. M. The performance
enhancements of upflow anaerobic sludge blanket (UASB) reactors for
domestic sludge treatment – a State-of-the-art review. Water Res. 46, (2012),
3434–3470.
76
FLORÊNCIO, L.; ALMEIDA, P. G. S.; MENDONÇA, N. M.; VOLSHAM JR, I.;
ANDRADE NETO, C. O.; PIVELI, R. P.; CHERNICHARO, C. A. L. Nitrificação em
reatores aeróbios com biomassa aderida. In: MOTA, S. B.; VON SPERLING, M
(org). Nutrientes de esgoto sanitário: utilização e remoção. ABES, 2009.
FLORENCIO, L.; KATO, M. T. e MORAIS, J. C. (2001). Domestic sewage
treatment in a full-scale UASB plant at Mangueira, Recife, Pernambuco. Water
Science and Technology, 44, 71-77.
FORESTI, E., ZAIAT, M., VALLERO, M. V. G. Anaerobic processes as the core
technology for sustainable domestic wastewater treatment: consolidated
applications, new trends, perspectives, and challenges. Reviews in
Environmental Science and Bio/Technology, 5 (2006), pp. 3–19
FORESTI, E. Anaerobic treatment of domestic sewage: established
technologies and perspectives. Water Science Technology. Vol.45, No10, p. 181186, 2002.
FORESTI, E.; FLORENCIO, L. VAN HAANDEL, A. ZAIAT, M. CAVALCANTI, F. F.
Fundamentos da digestão anaeróbia. In: Tratamento de esgotos sanitários por
processo anaeróbio e disposição controlada no solo. J.R. Campos (coord.).
Projeto PROSAB. Rio de Janeiro, ABES, 1999.
GONÇALVES. R. F.; CHERNICHARO, C. A. L.; ANDRADE NETO, C. O.; ALEM
SOBRINHO, P.; KATO, M. T.; COSTA, R. H. R.;AISSE, M. M.; ZAIAT, M. PósTratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios por reatores com biofilme.
p.171-278. In: CERNICHARO, C. A. L. (coordenador) Pós-Tratamento de Efluentes
de Reatores Anaeróbios. Belo Horizonte/MG. ABES. 2001.
KARGI, F., EKER, S. Comparison of performances of rotating perforated tubes
and rotating biodiscs biofilm reactors for wastewater treatment. Process
Biochemistry 37 (2002) 1201–1206
LUDIVICE, M. PINTO, M. ETEs Norte e Sul : 5 anos de sucesso operacional.
Brasil. In: 20º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E
AMBIENTAL. Rio de Janeiro, 1999.
METCALF & EDDY. Wastewater Engineering: treatment, disposal and reuse. 4a
ed. McGraw-Hill, New York, USA, 1334p, 2003.
77
OLIVEIRA, S. M. A. C., VON SPERLING, M. Avaliação de 166 ETEs em operação
no país, compreendendo diversas tecnologias. Parte 1: análise de
desempenho. Eng. Sanit. Ambient., Dez 2005, vol.10, no.4, p.347-357. ISSN 14134152.
PRASHANT, K. A., RAO, Y. R. M. Rotating biological contactors : A critical
review. International Journal of Scientific & Engineering Research Volume 3, Issue
9, September-2012
SALLES, Márcia Pereira da Mata. Principais Sistemas de Tratamento de Esgotos
Sanitários em Mato Grosso do Sul, estudo de Caso: ETE – Miranda/Ms. ABES –
Trabalhos Técnicos, 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental,
2001.
SANTOS, E. V. M. (2009) Desnitrificação em Sistemas de Lodo Ativado.
Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Campina Grande, Campina
Grande – PB.
SILVA FILHO, H. A. (2009) Nitrificação em Sistemas de Lodo Ativado (2009).
Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Campina Grande, Campina
Grande – PB.
SILVA, G. G.; NAVAL, L. P.; RIOS, R.F.M.; PEDROZA, M. M. Biofiltro anaeróbio
utilizado no pós-tratamento de efluentes de reator UASB – um estudo em
escala real. Revista Aidis de Ingeniería y Ciencias Ambientales: Investigación,
Desarrollo y Práctica, v. 5, n. 3, p. 39-50, 2012.
SIRIANUNTAPIBOON, S., Some properties of packed Cage RBC system on
treating of Synthetic domestic wastewater. Thammasat International Journal of
Science an Technology 5 (2000). (1), 40-49.
SIRIANUNTAPIBOON, S., TONDEE, T., Application of packed cage RBC system
for treatment of high nitrogen containing wastewater. Thammasat International
Journal of Science and Technology 5 (2000) (1), 28–39.
TAWFIC, A. KLAPWIJK, A. EL-GOHARY, F. LETTINGA, G. Potentials of using a
rotating biological contactor (RBC) for post-treatment of anaerobically pretreated domestic wastewater. Biochemical Engineering Jornal 25 (2005) 89-98.
78
USEPA (2008). Municipal Nutrient Removal Technologies Reference Document.
Office of Wastewater Management, Municipal Support Division. EPA 832‐R‐08‐006.
USEPA (2010). Nutrient Control Design Manual. Washington, D.C: United States
Environmental Protection Agency.
VAN HAANDEL, A., KATO, M., VON SPERLING, M. Remoção biológica de
nitrogênio: Aplicações para o sistema de lodo ativado. In: MOTA, S. B.; VON
SPERLING, M (org). Nutrientes de esgoto sanitário: utilização e remoção. ABES,
2009.
VAN HAANDEL, A., KATO, M., CAVALCANTI, P. F. F., FLORENCIO, L. Anaerobic
reactor design concepts for the treatment of domestic wastewater. Reviews in
Environmental Science and Biotechnology, 5 (1) (2006), pp. 21–38
VON SPERLING M., ANDRADE NETO C. O, VOLSCHAN JR, FLORENCIO, L.
(2009). Impacto dos nutrientes do esgoto lançado em corpos de água. In Mota
F. S. B., Von sperling M. (coordenadores) Nutrientes de esgoto sanitário:
utilização e remoção. Rio de Janeiro: ABES, 2009 Cap. 2, p 26-51.
VON SPERLING M. (2002) Lodos ativados. Belo horizonte: Departamento de
Engenharia Sanitária e Ambiental – Universidade Federal de Minas Gerais.
Fly UP