...

Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
ARTIGO
Terræ
Didatica
Geodiversidade e análise da paisagem: uma
abordagem teórico-metodológica
Geodiversity and landscape analysis: a theoretical and methodological approach
Marcelo Eduardo Dantas1,*, Regina Célia Gimenez Armesto1, Cássio Roberto da Silva1 e Edgar Shinzato1
1 Serviço Geológico do Brasil, CPRM, Depto. Gestão Territorial, DEGET. Av. Pasteur, 404, Urca, 22290-240 Rio de Janeiro RJ. * [email protected]
Manuscrito
Recebido: 5/7/2012
Corrigido: 30/9/2014
Aceito: 9/10/2014
Citation: Dantas M.E., Armesto R.C.G., Silva C.R.,
Shinzato E. 2015. Geodiversidade e análise da
paisagem: uma abordagem teórico-metodológica.
Terræ Didatica, 11(1):04-13. <http://www.ige.
unicamp.br/terraedidatica/>.
Keywords: Geodiversity, Landscape Analysis, Environmental Geology, Epistemology.
ABSTRACT: Geodiversity consists of a new brunch of geosciences. It is derived from the environmental geology and it aims to proceed a whole study of
the abiotic system that includes rocks, saprolite, landforms and soils. The
research development in geodiversity starts in the last decade of twentieth
century. It has generated encouraging results in geoconservation and territorial
management studies in Brazil and all over the world. However, towards the
consolidation of the landscape concept, so important to geography science,
it is necessary to improve the geodiversity studies and techniques based on
a multidisciplinary approach. This article proceeds to an epistemological
evaluation of the concept of landscape and its theoretical and methodological
importance for developing environmental geology and geodiversity studies.
These guidelines accomplish the mission of CPRM – the Brazilian Geological
Survey for geodiversity mapping of the whole Brazilian territory.
Paisagem: definição e formalização de um
conceito
As paisagens que são reconhecidas pelo observador em qualquer porção do Espaço Geográfico
congregam um conjunto de elementos do meio
geobiofísico (rochas, minerais, relevo, solos, biota)
em dinâmica transformação por processos geológicos, hidrológicos e atmosféricos. Do mesmo modo,
essas paisagens são continuamente transformadas
pela ação humana no Espaço Geográfico, atividade
essa cada vez mais intensa à medida que a Sociedade se torna mais tecnificada (Santos 2000). Deste
modo, não se pode mais preconizar a existência de
paisagens naturais, pois todas apresentam, em maior
ou menor grau, a interferência antropogênica.
A origem das paisagens, por sua vez, pode ser
analisada, com relação ao seu substrato (ou meio
abiótico) pela atuação combinada de processos
endógenos (tectônica; vulcanismo; sismicidade)
que promovem a geração de massa rochosa e relevos positivos ou negativos; e processos exógenos
(intemperismo; erosão; sedimentação) que pro4
movem a esculturação e o arrasamento das massas
rochosas anteriormente geradas.
No entanto, o conceito de Paisagem é usualmente aplicado de forma bastante ampla e vaga
pelos mais diversos campos do conhecimento
geocientífico ou por distintas atividades profissionais não diretamente relacionadas ao campo das
Geociências, tais como o Turismo, a Arquitetura, as
Artes e a Biologia, dentre muitas outras. Este conceito é também vastamente utilizado por um amplo
espectro de profissionais que estudam as questões
vinculadas à gestão ambiental ou ao planejamento
territorial em seus diversos níveis, escalas e recortes
temáticos de análise.
Portanto, é bastante compreensível que o
conceito de Paisagem seja bastante fluido com
interpretações até mesmo díspares, conforme sua
aplicação e a formação teórico-acadêmica de quem
o utiliza. Neste sentido é necessário, em primeiro
lugar, definir e formalizar este conceito para que, a
partir de então, este possa ser analisado, sem querelas de ordem etimológica ou epistemológica, no
contexto da Geodiversidade.
ISSN 1980-4407
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Dantas M E, Armesto R C G, Silva C R, Shinzato E.
Sendo assim, o conceito de Paisagem consiste
numa das categorias de análise mais relevantes no
âmbito da ciência geográfica (em conjunto com os
termos Espaço, Região, Território e Lugar) (Corrêa 1995). Trata-se, portanto, de um conceito caro
à Geografia e que vem sendo sistematicamente
discutido e aprimorado desde o século XIX. Desta
forma, opta-se por formalizar e consolidar este
conceito com base no rico e duradouro debate
praticado durante muitas décadas no seio da ciência geográfica.
Etimologicamente, o conceito de Paisagem deriva do vocábulo paysage, de origem francesa. Similar e
contemporâneo ao termo alemão landschaft , o vocábulo paysage originou-se nos séculos XV e XVI, em
fins da Idade Média e tinha claro significado espacial
e delimitado, representando um recorte geográfico de
uma determinada área ocupada por restritas aglomerações humanas e seus arredores (Maximiano 2004).
Este vocábulo tem sua gênese fortemente associada
ao Modo-de-Produção Feudal com uma sociedade
rural, tradicional e estática e com uma estrutura
espacial pulverizada em burgos e feudos, onde cada
feudo é politicamente autônomo e economicamente
auto-suficiente1. O termo alemão landschaft, por sua
vez, está mais diretamente associado ao conceito
de paisagem natural, diferenciando-se do conceito
de paisagem geográfica ou paisagem cultural, pois não é
considerado o processo de transformação social da
paisagem natural pela atividade humana.
Apenas no século XIX, o conceito de Paisagem
é formalmente estabelecido, ainda que sem a devida solidez, nos primórdios da ciência geográfica.
Assim, a Paisagem foi modernamente definida
como a dimensão perceptível (panorama) de um
determinado Espaço Geográfico abarcando, de
forma entrelaçada, os aspectos naturais e culturais
(Sauer 1998, dentre muitos outros). Neste sentido,
o conceito de Paisagem apresenta uma marcante
conotação empírica, resultante da observação de
um determinado pesquisador sobre a fisionomia
de uma região a partir dos aspectos visíveis. Posteriormente, o conceito é aprimorado adicionando a
este, a análise dos processos naturais e das relações
sócio-econômicas (não-visíveis) conferindo, assim,
uma dinamicidade ao conceito de Paisagem.
Portanto, pode-se ressaltar que a paisagem é
um conceito de abrangência multidisciplinar e uma
poderosa ferramenta de análise espacial.
1
A origem etimológica do vocábulo paysage deriva, portanto, de seu contexto
histórico de uma sociedade feudal, onde um feudo estaria associado a um
pequeno país – pays e sua abrangência espacial, ou o panorama visível
ao observador, seria denominado de paysage.
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Origem e desenvolvimento do conceito de
paisagem: breve discussão
O conceito de Paisagem é sistematizado entre
fins do século XVIII e início do século XIX pelo
naturalista alemão Alexander von Humboldt, considerado também o sistematizador da Geografia,
enquanto campo autônomo do conhecimento
científico. Humboldt foi um dos mais relevantes
sábios naturalistas de seu tempo, sendo dotado de
vasto espectro de conhecimento que abarcava desde a Geologia até a Botânica e utilizou o conceito
de Paisagem Natural – landschaft – como elemento
integrador de todas as variáveis naturais que compunham o meio geobiofísico. A Escola Naturalista
Alemã, sob uma ótica estética e romântica, relatava
uma sensação de prazer estético proporcionado pela
percepção da fisionomia da paisagem, seu objeto de
estudo (Salgueiro 2001). Em termos de método,
Humboldt calcou seus estudos na observação integrada dos elementos da paisagem natural, aplicada
em sua famosa viagem pela América Espanhola2,
tendo sido denominada de “Empirismo Raciocinado” (Moraes 1984). Assim, o emprego científico
do conceito de Paisagem, na condição de categoria
de análise espacial, nasce simultaneamente com a
própria ciência geográfica.
Todavia, a Escola Francesa de Geografia, posterior à Escola Alemã, tendo sido consolidada
apenas a partir de 1870, desenvolve sua vertente
Possibilista consagrada por Paul Vidal de La Blache
e apresenta uma análise diferenciada do conceito
de Paisagem – paysage – na qual se destaca uma
visão integrada não apenas dos aspectos naturais,
mas de uma correlação espacial entre os elementos
naturais e humanos sobre o terreno - a paisagem
geográfica, seguindo uma abordagem já iniciada
por Karl Ritter na Alemanha de meados do século
XIX. Desta forma, a Geografia Francesa humanizou o conceito de Paisagem, atribuindo-lhe uma
forte carga histórica, ou seja, a paisagem geográfica,
objeto de estudo das análises empíricas, é resultante
histórica do trabalho que diferentes sociedades e
2
Alexander von Humboldt, com permissão da Coroa Espanhola, empreendeu
uma importante viagem à América do Sul e Central entre 1799 e 1804.
Este naturalista descreveu e coletou um valioso acervo de amostras de
plantas e minerais; assim como revelou a interconexão entre as bacias dos
rios Negro e Orenoco, na Venezuela; escalou o pico Chimborazo nos Andes
Equatorianos, promovendo estudos de zonação bioclimática; destacou
o papel das correntes marítimas, sendo que a corrente fria do Pacífico
Oriental recebeu seu nome (corrente de Humboldt); analisou o sistema
escravocrata de produção de açúcar em Cuba, dentre as mais importantes
pesquisas. O conjunto de seus estudos foi reunido na monumental obra
“Kosmos”, publicação que norteou o desenvolvimento da Geografia e das
Ciências Naturais durante todo o século XIX.
ISSN 1980-4407
5
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
“gêneros de vida” desenvolveram sobre o Espaço
Geográfico. Neste sentido, o conceito de Paisagem-Região, refere-se a cada porção do Espaço Geográfico produzida por uma peculiar interação entre
as características intrínsecas da paisagem natural
e atuação transformadora decorrente das atividades humanas. O conceito de Paisagem-Região
consagrou a abordagem empírica na Geografia e
consiste num instrumento teórico-metodológico
de reconhecimento e exploração de todas as regiões do Mundo até meados do século XX, porém
tornou-se um conceito-obstáculo na avaliação de
Lacoste (1976), pois confinou o conceito de Paisagem a uma abordagem excessivamente empírica
e naturalista que, por um lado, mascarava as contradições sociais inerentes ao Espaço Geográfico
produzido no Modo-de-Produção Capitalista, e por
outro, revelava-se num instrumento ineficaz para
o planejamento territorial. A título de ilustração,
interessantes compêndios sobre os estudos das paisagens produzidos sob o signo da Geografia Francesa podem ser encontrados em La Blache (apud
Lacoste 1976), Monbeig (1984) e Rougerie (1971)
que representam algumas gerações de geógrafos
que realizaram exaustivas e minuciosas descrições
dos aspectos físicos e humanos das paisagens da
França, do Brasil e de todo o Mundo.
O conceito de paisagem como instrumento
de planejamento territorial
A partir da constatação do esgotamento teórico-metodológico da Geografia Tradicional sob a
égide do Positivismo Clássico, após o desfecho da
2ª Guerra Mundial e com a emergência da Teoria
dos Sistemas nos anos 50 pelos diversos campos do
conhecimento científico, o conceito de paisagem
deixa de ser abordado exclusivamente pelo método
empírico e passa a ser apreendido como um sistema
natural, ou um Geossistema sob a égide do Positivismo Lógico. Deriva-se desta ruptura epistemológica, três escolas de análise sistêmica da paisagem:
as vertentes Russo-Soviética; Francesa; e Alemã.
A vertente russo-soviética, sob influência filosófica do Materialismo Dialético, buscou proceder
a uma análise integrada em sua totalidade da paisagem natural calcada na concepção de Unidade
Natural Territorial proposta por Dokoutchaev
(Rodriguez e Silva 2002, Maximiano 2004). Este
esforço metodológico coadunava com a necessidade
premente do Estado Soviético de empreender os
projetos de planejamento territorial articulados a
6
sua economia planificada e centralizada. Todavia,
desastres ambientais decorrentes de planejamentos
ambientais equivocados foram produzidos, em
especial, os projetos de irrigação na Ásia Central,
mais especificamente nas bacias endorreicas dos
rios Amur-Daria e Sir-Daria, que promoveram
o desaparecimento de grande parte do espelho
d´água do Mar Aral (Haesbaert 1998).
Neste contexto, foi Victor Sotchava que formulou, pela primeira vez, a Teoria dos Geossistemas
(Sotchava 1960), já sob influência direta da Teoria
Geral dos Sistemas, que consistiu numa análise
estrutural, hierarquizada e sistêmica da paisagem
por meio da superposição e interação das diversas “layers” que compõem o sistema geobiofísico.
Tendo em vista que a área de estudo de Sotchava
consistia nas imensas planícies siberianas, a análise geossistêmica russa ressaltava um zoneamento
biogeográfico.
A vertente francesa, paralelamente à escola
soviética, também gerou uma metodologia de
análise e classificação de paisagens em base geossistêmica (Bertrand 1972). Todavia, ao contrário
do desenvolvimento dos Geossistemas na Rússia,
a área de estudo sob enfoque de George Bertrand
eram os terrenos acidentados dos Pirineus Franceses, o que motivou uma análise dos Geossistemas
priorizando uma compartimentação geológico-geomorfológica.
A abordagem dos Geossistemas na França
calcava-se, entretanto, num tripé que abrangia os
elementos físicos ou abióticos; os elementos bióticos e elementos antrópicos. Segundo Bertrand, a
paisagem deve ser compreendida como interação
dinâmica e instável entre esses três elementos do
tripé, estando em contínua evolução (Fig. 1). Desta
forma, a vertente francesa busca não privilegiar
a esfera natural em detrimento da esfera social
(Schier 2003).
Uma importante variante da Escola francesa
Figura 1. Esquema teórico da abordagem geossistêmica,
segundo o modelo em tripé proposto por Bertrand
(1972).
ISSN 1980-4407
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Dantas M E, Armesto R C G, Silva C R, Shinzato E.
foi desenvolvida por Tricart (1977) com os Estudos
de Ecodinâmica e Ecogeografia que enfatizava uma
análise da estrutura da paisagem em sua morfodinâmica sem preocupação em delimitar unidades
territoriais singulares. Assim, numa abordagem
claramente geomorfológica, Jean Tricart classificava distintas paisagens conforme sua fragilidade
ambiental enfatizando sua vulnerabilidade aos
processos erosivo-deposicionais e destacando áreas
onde predominam a morfogênese ou áreas onde
predomina a pedogênese.
A vertente alemã, herdeira direta da Escola
Naturalista de Humboldt, apóia-se no conceito de
paisagem natural (landschaft) acoplados aos Estudos
de Ecologia e no conceito de Ecossistema. Deste
modo, desenvolve-se uma proposta de análise
sistêmica da paisagem e das atividades humanas
por meio de uma dinâmica de fluxos e redes de
matéria e energia. Esta vertente, inaugurada por
Karl Troll desde 1939 (Troll 1966) foi denominada
de Geoecologia. Esta vertente alemã foi, posteriormente, desenvolvida por geógrafos americanos
e holandeses (destacando as obras fundamentais
de Klink 1974, Forman 1995 e Zonneveld 1989,
dentre outros) que forjaram o termo – Landscape Ecology – (Ecologia da Paisagem) e reforçaram o
caráter naturalista do estudo da Paisagem. Neste
contexto, a paisagem natural era entendida como
um produto de integrado das variáveis ambientais
(geologia; geomorfologia; pedologia; climatologia;
biogeografia) e a resultante espacial e mapeável
dessa análise integrada seria o Ecótono ou a Unidade
de Paisagem (Land Unit).
Neste sentido, a Unidade de Paisagem consiste
de uma unidade espacial que apresenta características singulares (tanto no meio geobiofísico, quanto
no meio sócio-econômico) que a definem, a delimitam e a distinguem das outras unidades que, por
sua vez, estaria em constante dinâmica promovida
pela atuação de processos naturais do próprio sistema geobiofísico e pela ação transformadora das
atividades sócio-econômicas (Zonneveld 1989).
Desta forma, os estudos de impactos ambientais
e de gestão territorial poderiam se apropriar desta
nova ferramenta de análise que irá depender bastante do desenvolvimento metodológico que evolui, de
um lado, segundo ao progresso da sua componente
técnica e, do outro, de acordo com os avanços dos
estudos do espaço geográfico.
Coelho Netto (1992), seguindo a vertente
geoecológica, ressalta a importância dos estudos de
Hidrologia na análise integrada do meio geobiofísiTERRÆ DIDATICA 11-1,2015
co onde, em ambiente tropical úmido, a água seria
“o motor do Geoecossistema”, pois promove o
intemperismo das rochas; a pedogênese e a erosão
dos solos; a esculturação do relevo; e condiciona a
distribuição espacial dos distintos biomas.
A Escola Crítica da Geografia de inspiração
marxista, vigente a partir dos anos 70, teceu críticas
ácidas a respeito da visão naturalista de paisagem
desenvolvida pelos estudos de Geoecologia e dos
Geossistemas, na qual a ação humana estaria reduzida a um mero “efeito antrópico”, menosprezando
assim, a importância das atividades humanas e das
relações sociais na constituição da paisagem geográfica. Segundo esses autores, dos quais se destaca
Milton Santos, a dinâmica sócio-econômica em sua
lógica contraditória de uma sociedade de classes
deve ser o principal foco de análise do geógrafo.
Monteiro (2001), em sua primorosa autobiografia acadêmica com especial ênfase sobre
os Geossistemas, forja o conceito de “Derivações
Antropogênicas” para aproximar às análises do meio
geobiofísico, as implicações de natureza sócio-econômica impostas à paisagem geográfica. Neste sentido, este autor busca dirimir os problemas
causados pela insolúvel dicotomia entre Geografia
Física e Humana no contexto dos estudos de avaliações de impacto ambiental e de gestão territorial.
O conceito de paisagem aplicado a estudos
de geodiversidade
A comunidade geológica ingressa neste rico
debate a partir da década de 80 com a necessidade
de aproximar a Geologia às demandas da sociedade,
com a emergência dos estudos vinculados à Geologia Ambiental. A partir desse momento, o conceito
de paisagem passa a ser utilizado nas análises geológicas voltadas para estudos ambientais, incorporando conceitos fundamentais como os de Exaustão
dos Recursos Naturais e de Ética e Sustentabilidade
Ambiental (Keller 1996, Cordani 2000).
No que tange à demarcação do campo de atuação da denominada Geologia Ambiental, esta congrega todas as aplicações da ciência geológica, num
enfoque sistêmico (o Sistema Terra), aos estudos de
gestão ambiental e planejamento territorial (CPRM
1994, Dorothy 1997, Cordani 2000, CPRM 2007,
Silva e Dantas 2010). Neste sentido, a Geologia
revelou-se uma ciência profícua e de múltiplas
aplicações, principalmente no que concerne ao
desenvolvimento de alguns campos específicos
do conhecimento geológico tais como a Geologia
ISSN 1980-4407
7
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
de Engenharia, a Hidrogeologia, a Geoquímica
Ambiental e Geologia Médica, a Geologia do Quaternário e a Neotectônica, dentre outros.
Portanto, dentre as múltiplas contribuições
do profissional em Geologia nas esferas social,
econômica e ambiental, destacam-se as seguintes: a análise de desastres naturais (deslizamentos,
inundações, abalos sísmicos, colapso de terrenos
etc.) em áreas de risco geológico; disponibilização e preservação de água subterrânea oriunda de
aquíferos livres e confinados para abastecimento
humano, industrial e irrigação; a investigação de
fatores que comprometem a saúde pública decorrentes do excesso ou carência de determinados
elementos químicos seja devido a causas naturais
(intemperismo do substrato rochoso), seja devido
a razões antrópicas (poluição doméstica ou industrial); e, por fim, a aplicação dos estudos do meio
físico “latu sensu” para subsidiar políticas de uso e
ordenamento do território (Keller 1996, Bennett
e Doyle 1997, Corrêa e Ramos 1995, Dantas et al.
2000, CPRM 2007).
Todavia, a Geologia demonstrou um interesse
especial numa análise segmentada da paisagem
geográfica que desembocaria no estudo da paisagem
do meio físico ou, segundo alguns autores, da paisagem geomorfológica. Este fato aproximou geólogos,
geomorfólogos, pedólogos e “geógrafos físicos”
em busca de uma análise integrada do meio físico
incorporando, inclusive, metodologias já desenvolvidas nas análises de Geoecologia e de Geossistemas.
A paisagem geomorfológica foi definida por
Coelho Netto (1992) e Dantas e Coelho Netto
(1995) como a resultante espacial da interação das
diversas variáveis do meio geobiofísico (relevo-rocha-solo-vegetação-fauna-uso) que regula a
distribuição das águas pluviais no domínio das
encostas e, consequentemente, a dinâmica dos processos geomorfológicos (intemperismo, erosão e
deposição) em diferentes escalas espaço-temporais.
Estes autores, inspirados numa abordagem geoecológica, analisaram as mudanças de usos decorrentes
da substituição da Mata Atlântica pelo incremento da pressão urbana no Maciço da Tijuca e pela
introdução da monocultura cafeeira no Vale do
Paraíba do Sul e destacaram a análise da paisagem
geomorfológica como um instrumento de gestão
ambiental e planejamento territorial.
Apesar da configuração morfológica dos terrenos ser resultante de um balanço entre os processos endógenos (estes comandados pela dinâmica
8
do geodínamo no Planeta – Press et al. 2006) e
os processos exógenos (estes comandados pela
dinâmica climática, por intermédio da ação dos
diversos agentes erosivos – Selby 1985, dentre
muitos outros), a Geologia destacou o estudo dos
processos endógenos na constituição da paisagem
geomorfológica, conforme muito bem sintetizado
por Penha (1994).
Neste sentido, a ciência geológica ressaltou a
importância do substrato rochoso na constituição
do relevo graças ao papel exercido pela Tectônica
de Placas, via processos de orogênese e epirogênese, gerando sismos e vulcanismo ou oriunda dos
condicionantes litoestruturais. Os condicionantes
litoestruturais podem ser expressos de forma ativa
ou passiva. Os condicionantes litoestruturais ativos
estariam representados pela ação da Neotectônica.
Já os condicionantes litoestruturais passivos estariam representados pela resistência diferencial dos
materiais constituintes das rochas e ocorrência
de planos de fraqueza (diáclases, falhas, planos
de foliação) do substrato rochoso na esculturação
diferencial do relevo.
Todavia, a partir da elaboração do conceito de
Geodiversidade, as Geociências desenvolveram um
novo e eficaz instrumento de análise da paisagem de
forma integral utilizando o conhecimento do meio
físico a serviço da preservação do meio natural e do
planejamento territorial, podendo assim, avaliar os
impactos decorrentes da implantação das distintas
atividades econômicas sobre o espaço geográfico.
O conceito de Geodiversidade é relativamente
novo, tendo sido formulado a partir da década de
1990 e consolidado apenas nos últimos anos. Na
literatura internacional, a Geodiversidade tem sido
aplicada com maior ênfase aos estudos de Geoconservação. Neste sentido, destacam-se os estudos
destinados à preservação do patrimônio natural, tais
como: monumentos geológicos, paisagens naturais,
sítios paleontológicos, geossítios e geoparques etc.
Inicialmente, pesquisadores ingleses e australianos, tais como Sharples (1993), Duff (1994) e
Eberhard (1997) introduzem o conceito de Geodiversidade com este viés, intrinsecamente associado
à Geologia e à Conservação Natural, restringindo
assim, o conceito Geodiversidade à diversidade
geológica dos terrenos.
Gray (2004, 2005) consagra o conceito de Geodiversidade abrangendo o sistema abiótico em sua
integridade, caracterizando-o como “a diversidade
natural entre aspectos geológicos, do relevo e dos solos”.
Cada cenário da diversidade natural (ou paisagem
ISSN 1980-4407
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Dantas M E, Armesto R C G, Silva C R, Shinzato E.
natural) estaria em constante dinâmica através da
atuação de processos de natureza geológica, biológica, hidrológica e atmosférica. Um expressivo
número de autores (dentre os quais, Sharples 2002,
Kozlowski 2004, Brilha 2005, Serrano e Ruiz-Flano
2007, Petrisor e Sarbu 2010), sob diferentes olhares,
estendem sua aplicação aos estudos de planejamento territorial, ainda que com uma ênfase destinada
a Geoconservação, além de abranger, em certa
medida, também sua componente biótica, ou seja,
a biodiversidade.
Outros autores, tais como Panizza (2001),
Pereira (2005) e Claudino-Sales (2010) enfatizam a
correlação entre paisagem e geoconservação na análise do patrimônio geomorfológico e na definição
dos geomorfossítios, como elementos integrantes
de programas de Geoparques.
Stanley (2001), por sua vez, apresenta uma concepção mais ampla para o termo Geodiversidade,
onde as paisagens naturais, entendidas aqui como a
variedade de ambientes e processos geológicos, estariam relacionadas com seu povo e sua cultura. Deste
modo, este autor estabelece uma interação entre a
diversidade natural dos terrenos (compreendida
como uma combinação de rochas, minerais, relevo
e solos) e a sociedade, numa aproximação com o
clássico conceito LaBlacheano de “gênero de vida”.
Veiga (1999), por sua vez, enfatiza o estudo das
águas superficiais e subterrâneas nos estudos de
Geodiversidade. Para este autor, a Geodiversidade
“expressa as particularidades do meio físico, compreendendo
as rochas, o relevo, o clima, os solos e as águas, subterrâneas e superficiais e condiciona a morfologia da paisagem
e a diversidade biológica e cultural”. Brilha (2005) ressalta que ressalta que a Geodiversidade constitui
o suporte essencial para o desenvolvimento da
Biodiversidade. O estudo da Geodiversidade é, na
visão destes autores, uma ferramenta imprescindível de gestão ambiental e norteadora das atividades
econômicas.
No Brasil, o conceito de Geodiversidade é
desenvolvido praticamente de forma simultânea,
porém ressaltando um caráter mais aplicado ao planejamento territorial, ainda que os estudos voltados
para a Geoconservação não sejam desconsiderados.
Xavier da Silva e Carvalho Filho (2001) definem
Geodiversidade a partir da “variabilidade das características ambientais de uma determinada área geográfica”
cabendo ao pesquisador, com base em um estudo
sistemático de enorme massa de dados ambientais
disponíveis em Base de Dados Georreferenciada,
a seleção das variáveis que melhor determinam a
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Geodiversidade em cada local.
Com base nas proposições apresentadas anteriormente, a CPRM – Serviço Geológico do Brasil
define a Geodiversidade como “o estudo da natureza
abiótica (meio físico) constituída por uma variedade de
ambientes, fenômenos e processos geológicos que dão origem
às paisagens, rochas, minerais, fósseis, solos, águas e outros
depósitos superficiais que propiciam o desenvolvimento da
vida na Terra, tendo como valores intrínsecos a cultura, o
estético, o econômico, o científico, o educativo e o turístico”
(Silva et al. 2008a).
Em síntese, pode-se considerar que o conceito
de Geodiversidade abrange a porção abiótica do
Geossistema3. Esse reducionismo permite, entretanto, ressaltar os fenômenos geológicos em estudos integrados de gestão ambiental e planejamento
territorial. Um notável exemplo da aplicação dos
estudos de Geodiversidade pode ser encontrado
em CPRM (2007) e em trabalhos posteriores dedicados ao estudo da Geodiversidade de cada estado
brasileiro, citando como exemplo, Maia e Marmos
(2010), dentre outros.
A paisagem e a geodiversidade brasileira:
nova abordagem proposta pelo Serviço
Geológico do Brasil
De acordo com a proposição metodológica
formulada pelo Serviço Geológico do Brasil, ao
se proceder a um estudo de Geodiversidade, as
diversas variáveis do meio abiótico que constituem
a paisagem do meio físico devem ser analisadas de
acordo com um conjunto de parâmetros, conforme
relacionados a seguir:
- a Geologia deve ser analisada de acordo com:
a gênese das rochas; a similaridade das unidades
litológicas; a composição mineralógica das rochas
(grau de vulnerabilidade ao intemperismo físico,
químico e biológico); a caracterização das formações superficiais; e o condicionamento estrutural
das rochas (fraturas; dobras e falhas).
- a Geomorfologia, por sua vez, deve ser analisada de acordo com: a gênese das formas do relevo;
o grau de dissecação do relevo; a amplitude de relevo; a geometria das vertentes e topos; a declividade;
e a vulnerabilidade frente aos processos erosivo-deposicionais (Dantas et al. 2008).
- a Pedologia deve ser analisada de acordo com:
3
Compreende-se aqui como “Geossistema”, sua concepção mais completa
desenvolvida por Bertrand (1972), onde a paisagem geográfica consistiria
de um tripé que envolvia uma análise integrada de fatores abióticos,
bióticos e antrópicos, conforme já discutido anteriormente.
ISSN 1980-4407
9
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
a gênese dos solos e processos pedogenéticos (classes
-temática, ainda não representadas espacialmente,
de solos); química dos solos (fertilidade); física dos
como a compartimentação de relevo. Em escalas de
solos (profundidade, textura, densidade, condições
detalhe (maiores que 1:50.000), a metodologia de
de drenagem, erodibilidade); morfologia dos solos
mapeamento é similar, contudo, a quantidade de
(estrutura e arranjo das partículas) e aptidão ou
feições mapeáveis será cada vez maior, na medida
capacidade de uso das terras.
em que a escala de mapeamento e as bases temáticas
- a Hidrologia e a Climatologia devem ser analitornam-se mais detalhadas.
sadas de acordo com: a dinâmica atmosférica regioOs resultados alcançados no Brasil baseados na
nal (classificação climática); a distribuição espacial
incorporação da variável ambiental ao processo de
da pluviosidade e temperatura; o balanço hídrico;
ordenação territorial e a incorporação da sustentabia infiltração e o escoamento
da água no solo; a água subterrânea.
Após a percepção das
inter-relações entre as diversas componentes e condicionantes acima citados (Figs.
2, 3 e 4), os procedimentos
técnicos adotados para o
mapeamento da Geodiversidade consistiu de uma
sequência de ações como:
levantamento e compilação
de dados, análise temática
(compartimentação geológica e de relevo), consolidação Figura 2. Perfil esquemático entre as cidades de Correntes e Venturosa, em Pernambuco.
Transição entre o agreste úmido, com vegetação de Mata Atlântica, para o sertão
dos dados, sínteses intersemiárido, com vegetação de caatinga, onde os processos morfogenéticos estão
-temáticas, geração e análise
diretamente relacionados com o efeito orográfico promovido pelo Planalto da
de dados complementares
Borborema. Fonte: Ferreira et al. (2013)
(atividade de campo), correlação das variáveis, síntese
integrativa e geração das
unidades da geodiversidade.
Em escalas continentais
(1:2.500.000 ou 1:1.000.000),
os mapeamentos de geodiversidade devem se resumir a uma mega-compartimentação geológica ou
geológico-geomorfológica
dos grandes conjuntos de
paisagens do meio físico. Em
escalas regionais (1:100.000 a
1:250.000), os mapeamentos Figura 3. Modelo esquemático da configuração geoecológica do Planalto Dissecado
de geodiversidade devem,
Gurupi-Grajaú, no Maranhão, embasado por arenitos arcoseanos de idade
cretácica da formação Itapecuru (Kit): Topos de platôs sustentados por crostas
forçosamente, ser acrescidos
lateríticas (ENd) e o desenvolvimento de solos profundos e bem drenados de informações pedológicas,
Latossolos Amarelos distróficos (LAd). Intensa dissecação em vales entalhados,
hidrológicas e climatológicas,
exibindo vertentes declivosas e processos de erosão, em área de solos menos
apesar de estas informações já
espessos - Argissolos Vermelhos eutróficos (PVe). Fundos de vale apresentam
expressiva sedimentação aluvionar e solos de boa fertilidade natural, com
estarem contidas na macropredomínio de Neossolos Flúvicos eutróficos e vérticos (RYve). Fonte: Dantas
escala (1:1.000.000) como
et al. (2014)
variáveis de análise inter10
ISSN 1980-4407
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Dantas M E, Armesto R C G, Silva C R, Shinzato E.
geológico-geomorfológica do território brasileiro) que consistiu na delimitação das grandes unidades de paisagem naturais (ou geossistemas articulados) a um conjunto distinto
de aspectos, dentre os quais, destacam-se:
1. zonas de interesse especial para estudos
de Geodiversidade (áreas de arenização e
desertificação; riscos geológicos; disponibilidade hídrica; obras civis; disposição
de resíduos sólidos; áreas de interesse
para Geoturismo e Geoconservação)
Figura 4. Modelo esquemático da configuração geoecológica do
Leste do Acre. As superfícies mais elevadas são representadas
pelos baixos platôs lateríticos (R2b1) que atestam uma
antiga superfície de aplainamento Plio-Pleistocênica, sendo
sustentada por crostas e coberturas detrítico-lateríticas.
Desenvolvem-se solos profundos, bem drenados e lixiviados
(Latossolos e Argissolos). Esses baixos platôs são bruscamente
delimitados por rebordos erosivos (R4e) de 30 a 50 metros
de desnivelamento. Com a denudação, recuo erosivo e
remoção do pacote sedimentar dos baixos platôs lateríticos,
são exumados os argilitos esmectíticos, siltitos e arenitos finos
das fácies lacustre ou fluviodeltaica da Formação Solimões.
Essas litologias são esculpidas num relevo de colinas amplas
(R4a1) com o desenvolvimento de solos pouco profundos e
boa fertilidade natural (Luvissolos e Vertissolos). Fonte: Dantas
et al. (2014).
lidade ambiental aos modelos de desenvolvimento
valorizou a concepção de ambiente com uma especial preocupação em produzir um mapeamento do
meio físico que não seja desarticulado da realidade
sócio-econômica.
Todavia, tais estudos, por vezes, abordam a
dinâmica sócio-econômica no contexto da questão
ambiental de forma superficial denominando-a,
genericamente, de “fator antrópico”, fato este bastante comum em obras produzidas por geólogos
ou “geógrafos físicos”.
No “reverso da medalha”, a mesma crítica pode
ser aplicada aos mapeamentos de infraestrutura
e logística executados por “geógrafos humanos”
assentados em uma base cartográfica em branco,
abstraindo-se por completo das informações do
meio físico (assemelhando-se com o conceito de
espaço topológico engendrado pelos geógrafos
neopositivistas).
2. zonas de restrição legal (áreas de preservação ambiental; terras indígenas; terras
quilombolas) e
3. um conjunto de intervenções econômicas (rede urbana; malha viária; malha de
gasodutos e oleodutos; rede de linhas de
transmissão elétrica; áreas de produção
mineral nos seus diversos segmentos;
arranjos produtivos locais do setor
mineral) que consistiram nos elementos humanos das paisagens geográficas
(Silva et al. 2008b).
A identificação e a caracterização da estrutura espacial fornecem um referencial técnico
que possibilita a incorporação da variável do meio
físico ao processo de ordenamento do território.
A estrutura espacial é representada por unidades
territoriais, sendo calcada em primeiro plano na
geologia e geomorfologia seguida de contribuições
temáticas afins. Desta forma, o Mapa de Geodiversidade consiste, efetivamente, num instrumento
de grande aplicabilidade para a Gestão Ambiental
e para o Planejamento Territorial.
Em síntese, a paisagem natural ou a paisagem
geomorfológica é uma fração da paisagem geográfica e,
portanto, o objeto de estudo, por excelência, dos
estudos de Geodiversidade.
Referências
Bennett M.R., Doyle P. 1997. Environmental Geology: Geology and the Human Environment.
New York: John Wiley & Sons. 512p.
Bertrand
G. 1972. Paisagem e Geografia Física
Considerações Finais
Global: ensaio metodológico. São Paulo. Inst.
A análise integrada da paisagem constitui um dos
Geografia/USP. Cadernos de Ciências da Terra,
instrumentos metodológicos mais relevantes para os
13:1-27.
estudos de geodiversidade. O Mapa de Geodiversidade
Brilha J. 2005. Patrimônio Geológico e Geoconservação:
a conservação da natureza na sua vertente gedo Brasil desenvolvido pela CPRM nas escalas de
ológica. Braga, Portugal: Palimage Eds. 190p.
1:2.500.000 e 1:1.000.000 visa, portanto, associar o
Claudino-Sales
V. 2010. Paisagens geomorfológicas
substrato do meio físico (uma compartimentação
espetaculares: geomorfossítios do Brasil. ReciTERRÆ DIDATICA 11-1,2015
11
ISSN 1980-4407
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
fe: Revista de Geografia, 3:6-20.
Coelho Netto A.L. 1992. O Geoecossistema da
Floresta da Tijuca. In: Abreu M.A. Ed. 1992.
Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Rio de
Janeiro, Secr. Mun. Cultura/DGDI, Biblioteca
Carioca, 21:104-142.
Cordani U. 2002. The role of the Earth Sciences
in a sustainable world. Episodes, 23(3):155-162.
Correa P.R.S., Ramos V.L.S. 1995. Diagnóstico Geoambiental. In: Rocha A.J.D. org. Projeto Mapas Municipais. Município de Morro do Chapéu (BA). CPRM –
Serviço Geológico do Brasil, Salvador, p. 148-155.
Corrêa R.L. 1995. Espaço: um conceito-chave da Geografia In: Castro I.E. Gomes P.C. Corrêa R.L.
orgs. 1995. Geografia: conceitos e temas. Rio de
Janeiro, Ed. Bertrand Brasil, p. 15-47.
CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 1994. Mapa Geoambiental de Morro do Chapéu, BA: escala
1:200.000, Relatório e Mapa + CD-ROM. Brasília: CPRM - Serviço Geológico do Brasil.
CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 2007. Mapa
de Geodiversidade do Brasil: escala 1:2.500.000, Legenda Expandida + CD-ROM. Brasília: CPRM
- Serviço Geológico do Brasil. 68p.
Dantas M.E., Coelho Netto A.L. 1995. O impacto do
ciclo cafeeiro na evolução da paisagem geomorfológica do Médio Vale do Rio Paraíba do Sul.
IBGE, Cadernos de Geociências, 15:65-72.
Dantas M.E., Shinzato E., Medina A.I., Silva C.R.,
Pimentel J., Carvalho Jr. A., Lumbreras J.F.,
Calderano S. 2005. Diagnóstico Geoambiental
do Estado do Rio de Janeiro. In: CYTED - ����
Oficina Internacional de. Ordenamento Territorial
Mineiro. CPRM - Serviço Geológico do Brasil.
URL: http://www.cprm.gov.br/publique/media/
artigo_geoambientalRJ.pdf. Acesso: 13.04.2012.
Dantas M.E., Armesto R.C.G, Adamy A. 2008. A
Origem das Paisagens. In: Silva C.R. Ed. 2008.
Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para
entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, p.
33-56. (Cap. 3).
Dantas M.E., Shinzato E., Bandeira I.C.N., Souza
L.V., Renk, J.F.C. 2013. Compartimentação geomorfológica do Estado do Maranhão. In: Bandeira I.C.N. Ed. 2013. Geodiversidade do Estado do
Maranhão. Teresina: CPRM – Serviço Geológico
do Brasil, p. 31-62. (Cap. 3).
Dantas M.E., Shinzato E., Adamy A., Bispo I., 2014.
Origem das paisagens do Estado do Acre. In:
Adamy A. Ed. 2014. Geodiversidade do Estado do
Acre. Porto Velho: CPRM – Serviço Geológico
do Brasil, p. 37-54. (Cap. 3).
Dorothy M. 1998. Environmental geology: an Earth System Science approach. New York: Freeman. 452p.
Duff K. 1994. Natural Areas: an holistic approach to
conservation based on Geology. In: O’Halloran
12
D., Green C., Harley M., Stanley M., Knill J. eds.
1994. Geological and Landscape Conservation. London, Geol. Soc., p. 121-126.
Eberhard R. 1997. Pattern and Process: Towards a Regional Approach to National Estate Assessment
of Geodiversity. Canberra: Australian Heritage
Comm., Environ. Forest Taskforce, Environment
Australia. (Technical Series 2).
Ferreira R.V., Dantas M.E., Shinzato E. 2013. ����
Origem das paisagens do Estado de Pernambuco. In:
Torres, F.M.S., Pfaltzgraff, P.A.S. Ed. 2013. Geodiversidade do Estado de Pernambuco. Recife: CPRM
– Serviço Geológico do Brasil, p. 51-71. (Cap. 4).
Forman R.T.T. 1995. Land Mosaics: The Ecology of
Landscapes and Regions. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press. 638p.
Gray M. 2004. Geodiversity: valuing and conserving
abiotic nature. New York: John Wiley & Sons.
434p.
Gray M. 2005. Geodiversity and geoconservation:
what, why, and how? The George Wright Forum,
22(3):4-12.
Haesbaert R. 1998. Globalização e fragmentação do mundo
contemporâneo. Niterói: EdUFF. 308p.
Keller E.A. 1996. Environmental Geology. New Jersey:
Prentice-Hall. 562p.
Klink H.J. 1974. Geoecology and Natural Regionalization: basis for environmental research. Applied
Sciences and Development, 4:48-74.
Kozlowski S. 2004. Geodiversity. The concept
and scope of geodiversity. Przeglad Geologiczny,
52(8/2):833-837.
Lacoste Y. 1976. Geografia: isso serve, em primeiro
lugar, para fazer a guerra. Campinas: Ed. Papirus. 263p.
Maia M.A.M., Marmos J.L. orgs. 2010. Geodiversidade
do Estado do Amazonas. Manaus: CPRM – Serviço Geológico do Brasil 275p. URL: http://www.
cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade_
amazonas.pdf. Acesso 22.05.2012.
Maximiano L.A. 2004. Considerações sobre o conceito de Paisagem. UFPR. RA’E GA, O Espaço
Geográfico em Análise, 8:83-91
Monteiro C.A.F. 2001. Geossistemas: a História de
uma Procura. São Paulo: Ed. Contexto. 127p. (/
GEOUSP Abordagens).
Monbeig P. 1984. Pioneiros e fazendeiros em São Paulo. São
Paulo: Ed. Hucitec, 369p.
Moraes A.C.R. 1984. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Ed. Hucitec. 138p.
Panizza M. 2001. Geomorphosites: concepts, methods
and examples of geomorphological survey. Chinese
Sci. Bull., 46(Suppl.):4-6.
Penha H.M. 1994. Processos endógenos de formação do relevo. In: Guerra A.J.T., Cunha S.B. orgs. 1994. Geomorfologia: Uma Atualização de Bases
e Conceitos. Rio de Janeiro, Ed. Bertrand Brasil,
ISSN 1980-4407
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
Dantas M E, Armesto R C G, Silva C R, Shinzato E.
p. 51-92.
Pereira A.R. 1995. Património geomorfológico no
litoral sudoeste de Portugal. Finisterra, Revista
Portuguesa de Geografia, 30(59-60):7-25.
Petrisor A.I., Sarbu C.N. 2010. Dynamics of geodiversity and eco-diversity in territorial systems.
Journal of Urban and Regional Analysis, 2(1):61-70.
Press F., Siever, R., Grotzinger J., Jordan T.H. 2006.
Para Entender a Terra. Trad.: Menegat R., Fernandes P.C.D., Fernandes L.A.D., Porcher C.C.
4 ed. Porto Alegre: Bookman. 656 p.
Rodriguez J., Silva E.V. 2002. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. Mercator, Revista do Depto. de Geografia-UFC. 1(1):
98-115.
Rougerie G. 1971. Geografia das Paisagens. São Paulo:
Ed. DIFEL. 134p.
Salgueiro T.B. 2001. Paisagem e Geografia. Finisterra:
Revista Portuguesa de Geografia, 36(72):37-53.
Santos M. 2000. Por uma outra globalização�����������
: do Pensamento Único à Consciência Universal. Rio de Janeiro:
Ed. Record, 174p.
Serrano E., Ruiz-Flaño P. 2007. Geodiversity. A
�������
theoretical and applied concept. Geographica Helvetica,
62(3):140-147.
Sharples C. 1993. A methodology for the identification of
significant landforms and geological sites for conservation
purposes. Report
�������������������������������������
to forestry commission, Tasmania. URL: http://eprints.utas.edu.au/11747/.
Acesso 08.11.2011.
Sharples C. 2002 Concepts and Principles of Geoconservation. Tasmanian Parks & Wildlife��������������
Service. ����
Austrália, 79p.
Silva C.R., Ramos M.A.B., Pedreira A.J., Dantas M.E.
2008a. Começo de Tudo. In: Silva C.R. ed. 2008.
Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para
entender o presente e prever o futuro. CPRM –
Serviço Geológico do Brasil, Rio de Janeiro, p.
11-20. (Cap. 1).
Silva C.R., Marques V.J., Dantas M.E., Shinzato E.
2008b. Aplicações múltiplas do conhecimen-
to da Geodiversidade. In: Silva C.R. ed. 2008.
Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para
entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro, CPRM – Serviço Geológico do Brasil. p.
181-202. (Cap. 13).
Silva C.R., Dantas M.E. 2010. Mapas Geoambientais
In: Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e
Geoambiental, 7, Maringá/PR. ABGE, 17 p. URL:
<http://www.cprm.gov.br/publique/media/mapas_
geoambientais_SCGG.pdf>. Acesso 08.11.2011.
Sauer C. 1998 A morfologia da Paisagem. ��������
In: Corrêa R.L., Rosendahl Z. orgs. 1998. Paisagem,
Tempo e Cultura. EdUERJ, Rio de Janeiro. p.
12-74.
Schier R.A. 2002. Trajetórias do conceito de Paisagem na Geografia. RA’E GA - O Espaço Geográfico em Análise - UFPR, 7:79-85
Selby M.J. 1985. Earth’s Changing Surface. Oxford,
UK: Clarendon Press. 607p.
Sotchava V. 1960. O Estudo dos Geossistemas. Inst.
Geografia/USP. Métodos em Questão, 16:1-51.
Stanley M. 2001. Welcome to the 21st century, Geodiversity Update,1:1-8.
Tricart J. 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE,
Rec. Nat. e Meio Amb. 91p.
Troll C. 1966. Landscape Ecology. ITC-UNESCO
Centre for Integrated Surveys, Paper S. 4. 23p.
Veiga A.T.C. 1999. ��������������������������������
A geodiversidade e o uso dos recursos minerais da Amazônia. Terra das Águas UnB, 1: 88-102.
Xavier da Silva J., Carvalho Filho L.M. 2001. Índice de
Geodiversidade da Restinga da Marambaia (RJ):
um exemplo do geoprocessamento aplicado à Geografia Física. Recife: Revista de Geografia, 1:57-64.
Zonneveld I.S. 1989. The Land Unit - a fundamental
concept in Landscape Ecology, and its applications. Landscape Ecology, 3:67-86.
RESUMO: A Geodiversidade consiste num novo campo de conhecimento derivado da geologia ambiental que visa proceder a uma abordagem abrangente do sistema abiótico envolvendo uma análise articulada e dinâmica entre rochas, formações superficiais, relevo e solos. O desenvolvimento
de pesquisas em geodiversidade, a partir da década de 1990, gerou resultados promissores em geoconservação e gestão territorial no Brasil
e no mundo. Todavia, é necessário consolidar o conceito de paisagem, tão arraigado na ciência geográfica, aos estudos de geodiversidade, para
que haja um fortalecimento metodológico de tais estudos em base multidisciplinar. Este artigo visa uma avaliação epistemológica do conceito de
paisagem e de sua importância teórica e metodológica para os estudos de geologia ambiental e geodiversidade, advindo da experiência acumulada
pela CPRM – Serviço Geológico do Brasil, em sua missão de mapear a Geodiversidade de todo o território brasileiro.
PALAVRAS-CHAVE: Geodiversidade, Análise da Paisagem, Geologia Ambiental, Epistemologia.
TERRÆ DIDATICA 11-1,2015
ISSN 1980-4407
13
Fly UP