...

DESEMPENHO DE ESPÉCIES DE Trichogramma WEST

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

DESEMPENHO DE ESPÉCIES DE Trichogramma WEST
PARASITISMO E SUPERPARASITISMO DE Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) EM OVOS DE Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE)
por
MARCIENE DANTAS MOREIRA
(Sob Orientação de Jorge Braz Torres e Raul Porfírio de Almeida)
RESUMO
Durante o processo de parasitismo diversos fatores podem levar à rejeição do hospedeiro
pelo parasitóide. Dessa forma, avaliou-se aspectos comportamentais e biológicos de
Trichogramma pretiosum Riley (Hym.: Trichogrammatidae) parasitando ovos de Sitotroga
cerealella Oliver (Lep.: Gelechiidae). O estudo foi conduzido com chance de escolha, alternandose ovos parasitados e não parasitados, e sem chance de escolha, utilizando-se apenas ovos
parasitados. Para o parasitismo, foram utilizadas fêmeas acasaladas de T. pretiosum de 12 a 24h
de idade. Foram utilizados ovos de S. cerealella com 24, 72 e 120h de parasitados. Para a
avaliação das características biológicas em situação de parasitismo e superparasitismo, ovos de S.
cerealella foram submetidos a uma ou mais fêmeas de T. pretiosum, possibilitando a oviposição
de 1 a 2 ovos do parasitóide por hospedeiro. A porcentagem de rejeição de ovos de S. cerealella
com 72 e 120h de parasitados foi de aproximadamente 100% em relação aos ovos com apenas 24h
de parasitados (71,3%). Em contrapartida, o tempo de contato da fêmea sobre ovos de 24h de
parasitados foi, aproximadamente, duas vezes maior que em ovos com 72 e 120h de parasitados.
Os descendentes originados de um único ovo do parasitóide/hospedeiro apresentaram-se todos
sem deformações, maiores e com maior capacidade de parasitismo, ao contrário dos descendentes
i
emergidos de dois ovos do parasitóide/hospedeiro. Dessa forma, conclui-se que T. pretiosum
apresentou habilidade em reconhecer ovos previamente parasitados e que o superparasitismo
resultou em redução do sucesso reprodutivo do parasitóide.
PALAVRAS-CHAVE: Bioecologia, parasitóide, reconhecimento de ovo hospedeiro
ii
PARASITISM AND SUPERPARASITISM OF Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) ON Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) EGGS
by
MARCIENE DANTAS MOREIRA
(Under the Direction of Jorge Braz Torres and Raul Porfirio de Almeida)
ABSTRACT
During the parasitism process many factors can lead to host rejection by the parasitoid.
Thus, it was evaluated bio-ecological aspects of Trichogramma pretiosum Riley (Hym.:
Trichogrammatidae) parasiting Sitotroga cerealella Oliver (Lep.: Gelechiidae) eggs. The study
was conducted in free-choice test, alternating parasitized and unparasitized eggs, and no-choice
test, using only parasitized eggs. For the parasitism study, mated females of T. pretiosum 12 to
24h-old were used. And, parasitized eggs of S. cerealella 24, 72 and 120h-old were used as host.
To evaluate the biological characteristics of T. pretiosum superparasitism, S. cerealella eggs were
exposed to the parasitism by one or more parasitoid females aiming oviposition of one or two
eggs of the parasitoid per host. The parasitism rejection on 72 e 120h previously parasitized S.
cerealella eggs was approximately 100% in relation to the 24h-parasitized eggs (ca. 71.3%). On
the other hand, the contact time of the female on 24h-parasitized eggs was around twice longer
than on 72 and 120h-parasitized eggs. The offspring produced from single egg laid per host were
larger, exhibited no deformation and greater capacity of parasitism, and in contrast of those
produced from two eggs laid per host. We concluded that T. pretiosum exhibited ability in
iii
recognizing eggs previously parasitized and that the superparasitism resulted in reduction of
reproductive success of the parasitoid.
KEY WORDS: Bioecology, parasitoid, host egg recognition
iv
PARASITISMO E SUPERPARASITISMO DE Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) EM OVOS DE Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE)
por
MARCIENE DANTAS MOREIRA
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Entomologia Agrícola, da
Universidade Federal Rural de Pernambuco, como parte dos requisitos para obtenção do grau de
Mestre em Entomologia Agrícola.
RECIFE - PE
Julho - 2007
v
PARASITISMO E SUPERPARASITISMO DE Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) EM OVOS DE Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE)
por
MARCIENE DANTAS MOREIRA
Orientador:
Jorge Braz Torres - UFRPE
Co-orientadores:
Raul Porfirio de Almeida – Embrapa Algodão
Eduardo Barbosa Beserra – UEPB
Examinador:
José Vargas de Oliveira – UFRPE
vi
DEDICATÓRIA
À minha mãe, Anaisa Azevedo Dantas e aos meus irmãos, Hércules Dantas Moreira e Maísa
Dantas Moreira, que sempre acreditaram no meu crescimento intelectual e pessoal, me apoiando
nos momentos difíceis.
Ao meu pai, Martim Vicente Moreira (in memoriam), pois acredito que, esteja onde estiver,
de alguma forma me ajuda a superar certos obstáculos da vida.
Ao meu marido, Eduly Lucena Nóbrega, pelo companheirismo, paciência e incentivo.
Ao meu filho, Gabriel Dantas Nóbrega, pelo amor que fez crescer dentro de mim.
vii
AGRADECIMENTOS
À Universidade Federal Rural de Pernambuco, pela oportunidade dada a minha formação
profissional;
À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pela concessão
da bolsa de estudo;
À Embrapa Algodão, pela concessão do Laboratório de Entomologia para o desenvolvimento
dos experimentos;
Ao Dr. Raul Porfírio de Almeida pela orientação e amizade, pelos conselhos e conversas
construtivas, pelas lições e exemplos de vida.
Ao Prof. Jorge Braz Torres pela orientação e amizade, sempre com grande disposição e
ânimo.
Ao Prof. Eduardo Barbosa Beserra, pela co-orientação e sugestões no manuscrito;
Ao Prof. José Vargas de Oliveira, da Universidade Federal Rural de Pernambuco, pela
contribuição neste trabalho;
Ao Prof. Manoel Guedes Corrêa Gondim Jr., pela prontidão em solucionar eventuais
problemas durante o curso;
A todos os Professores do Programa de Pós-Graduação em Entomologia Agrícola da
UFRPE, que me ajudaram no cumprimento de mais uma etapa profissional de minha vida;
À estagiária de Entomologia da Embrapa Algodão, Maria Cecília Farias dos Santos, pelo
auxílio na condução dos experimentos;
À Darcy, da secretaria do Curso de Pós-Graduação em Entomologia Agrícola;
viii
Aos Colegas do Curso de Pós-Graduação em Entomologia Agrícola: Aguaraci, Ana
Elizabeth, Cléia, Franklin, Gilberto e Marta Câmara;
À todos os amigos do Programa da Fitossanidade da UFRPE;
Aos colegas, Iane, Djair Júnior, Roberta e Vanessa, pelo incentivo;
À Deus pela alegria de viver, por me presentear dando a oportunidade de conviver com
pessoas maravilhosas (familiares, amigos, colegas de trabalho...), pela ajuda na superação dos
obstáculos. Enfim, pela vida maravilhosa que nos concede a cada segundo.
ix
SUMÁRIO
Páginas
DEDICATÓRIA .......................................................................................................................... vii
AGRADECIMENTOS ............................................................................................................... viii
CAPÍTULOS
1
INTRODUÇÃO...... ....................................................................................................01
LITERATURA CITADA.......................................................................................04
2
PARASITISMO E SUPERPARASITISMO DE Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) EM OVOS DE Sitotroga
cerealella OLIVER (LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) .....................................09
RESUMO ................................................................................................................10
ABSTRACT ............................................................................................................11
INTRODUÇÃO ......................................................................................................12
MATERIAL E MÉTODOS ....................................................................................14
RESULTADOS E DISCUSSÃO ............................................................................17
AGRADECIMENTOS............................................................................................22
LITERATURA CITADA........................................................................................22
x
CAPÍTULO 1
Introdução
Os parasitóides de ovos do gênero Trichogramma são um dos principais agentes de controle
biológico, frequentemente usado em programas de controle de insetos-praga (Parra 1997,
Gonçalves et al. 2003). Seu amplo uso deve-se ao fato de que as espécies desse gênero têm uma
grande distribuição geográfica, parasitando um grande número de hospedeiros, principalmente da
ordem Lepidoptera, e por serem altamente especializados e eficientes (Pratissoli 1995, Parra
1997).
No Brasil, várias espécies de Trichogramma são importantes no controle de pragas
agrícolas e florestais, a exemplo de Trichogramma pretiosum Riley (Hymenoptera:
Trichogrammatidae), para o controle de Heliothis virescens (Fabr.), Alabama argillacea (Hübner)
(Lep.: Noctuidae), Plutella xylostella (L.) (Lep.: Plutellidae) e Tuta absoluta (Meyrick) (Lep.:
Gelechiidae) (Almeida 2000 e 2001, Parra & Zucchi 2004, Pereira et al. 2004, Pratissoli et al.
2005). Uma das grandes vantagens desse parasitóide de ovos é a possibilidade de ser criado em
hospedeiros alternativos, como a Anagasta kuehniella (Zeller) (Lep.: Pyralidae), Sitotroga
cerealella (Oliver) (Lep.: Gelechiidae), Antheraea pernyi (Guerin-Meneville) (Lep.: Anthelidae),
Corcyra cephalonica (Stainton) (Lep.: Pyralidae), Philosamia cynthia ricini (Donovan) (Lep.:
Saturniidae), tornando o custo de produção bem menor em relação a uma criação utilizando-se o
hospedeiro natural (Almeida 1996, Parra 1997, Alencar et al. 2000, Pratissoli et al. 2004 e 2005).
O gênero Trichogramma foi descrito por Westwood em 1833, sendo a espécie-tipo
Trichogramma evanescens Westwood (Hym.: Trichogrammatidae) coletada em Carvalho, na
floresta do Epping, na Inglaterra (Flanders 1930). É um inseto de tamanho bastante reduzido, com
1
menos de um milímetro de comprimento, com período de desenvolvimento de ovo a adulto de
oito dias, em média, podendo reproduzir-se por arrenotoquia, na qual ovos não fertilizados
produzem machos e ovos fertilizados produzem fêmeas, ou por partenogênese telítoca, na qual
são produzidas apenas fêmeas (Almeida 1996, Almeida et al. 2001, Ciociola Jr. et al. 2001).
A reprodução telítoca pode ser governada por um caráter genético ou decorrente de uma
infecção no sistema reprodutivo por bactérias do gênero Wolbachia (Stouthamer et al. 1990, Pinto
1997, Almeida & Stouthamer 2003). Esse microrganismo tem capacidade de alterar a razão
sexual, revertendo assim, o tipo de reprodução do parasitóide (Almeida et al. 2001, Ciociola Jr. et
al. 2001). De acordo com Stouthamer & Werren (1993), este tipo de reprodução é de grande
importância em programas de controle biológico por apresentar algumas vantagens como o
crescimento mais rápido da população telítoca, a redução dos custos de produção, pois não há
produção de machos, fácil estabelecimento no campo, pois não há necessidade de cópula, e, além
da população poder reproduzir-se eficientemente em baixa densidade do hospedeiro. Entretanto,
em alguns casos esta bactéria poderá causar outros tipos de alterações nos insetos como à redução
na fecundidade e baixa dispersão (Meer 1999, Silva et al. 2000).
O estabelecimento e a manutenção de criações de inimigos naturais em laboratório
requerem, muitas vezes, habilidades e técnicas especializadas para se manter a qualidade desses
indivíduos após sucessivas gerações (Mcewen 1997). Pois, de acordo com Gonçalves et al.
(2003), a colonização de populações de laboratório pode favorecer uma maior produção de
indivíduos homozigotos, em relação às populações no campo. Para minimizar os problemas
decorrentes dessa endogamia, segundo Bartlett (1984) e (Gusev & Lebdev 1988) apud Gonçalves
et al. (2003), realiza-se a obtenção de grandes populações desses indivíduos e introdução de
material silvestre, para que a variação genética, o vigor e a agressividade dos mesmos sejam
mantidos.
2
A qualidade e o desempenho de espécies de Trichogramma podem ser influenciados por
vários fatores, tais como o hospedeiro alternativo empregado na criação, a temperatura e os
inseticidas aplicados juntamente com o controle biológico. A qualidade do Trichogramma pode
ser avaliada ao longo das gerações em laboratório, por meio de suas características biológicas
como a taxa de parasitismo e a viabilidade. A habilidade e qualidade do parasitóide podem
também ser medidas para analisar aplicações ecológicas do controle biológico (Navarro 1998).
Para Roitberg et al. (2001) e Prezotti et al. (2002), tamanho do corpo do parasitóide,
sobrevivência da prole, taxa de desenvolvimento, longevidade, fecundidade e capacidade de vôo
são as medidas mais utilizadas no estudo de qualidade do parasitóide.
O número de ovos depositados por hospedeiro pelo Trichogramma é variável em função do
volume deste (Pratissoli 1995, Vinson 1997). Na realização do parasitismo, o parasitóide faz uma
análise criteriosa da quantidade de nutrientes existente no hospedeiro em função do seu tamanho,
capaz de suportar uma determinada quantidade de descendentes (Cônsoli & Parra 2002). Outra
observação que deve ser ressaltada na análise do parasitóide está relacionada com a idade do
hospedeiro, a qual também interfere em outros parâmetros biológicos, como capacidade de
parasitismo, porcentagem de parasitismo, viabilidade, fecundidade, duração do ciclo, capacidade
de dispersão e localização do hospedeiro (Ruberson & Kring 1993, Pratissoli & Oliveira 1999,
Honda & Luck 2000, Faria et al. 2000).
Assim, para a utilização de Trichogramma spp. em programas de controle biológico, o
entendimento do comportamento e biologia, são necessários, bem como a compreensão dos
mecanismos e fatores que interferem no comportamento de parasitismo para que possam ser
identificadas as situações onde a liberação do parasitóide terá impacto sobre a população da praga
(Thomson & Stinner 1990). Dessa forma, o reconhecimento do hospedeiro pelo parasitóide é de
grande importância, não apenas para identificá-lo como hospedeiro potencial, mas também para
3
determinar sua qualidade. Eventos comportamentais como caminhamento da fêmea sobre a
superfície do ovo hospedeiro e contato das antenas são imprescindíveis, já que o formato e a
textura do ovo, bem como a percepção de substâncias químicas pelas sensilas, localizadas
estrategicamente nas antenas, auxiliam o parasitismo (Vinson 1997).
Segundo Van Lanteren (2003), o controle de qualidade deve ser avaliado de forma regular
em populações de laboratório, utilizando-se de critérios adequados para analisar o desempenho do
parasitóide antes de serem liberados em campo. Entretanto, esta preocupação deve ser estendida
para pós-liberação em condições de campo, onde se espera efeito prolongado dos agentes
liberados. De acordo com Bigler et al. (1997), a forma de liberação é muito importante, pois pode
influenciar a eficiência do parasitóide e sua capacidade de localização do hospedeiro. Segundo
Kfir (1981 e 1988), em criações massais de Trichogramma, nas quais esses insetos são mantidos
em altas densidades, é comum serem observados alguns efeitos deletérios nas progênies
decorrentes do superparasitismo, como a presença de deformações, redução da capacidade de
busca, decréscimo na fecundidade e na razão sexual.
Dessa forma, este estudo objetivou avaliar aspectos comportamentais e biológicos de T.
pretiosum utilizando-se como hospedeiro S. cerealella.
Literatura Citada
Alencar, J.A., F.N.P. Haji, J.V. Oliveira & A.N. Moreira. 2000. Biologia de Trichogramma
pretiosum Riley em ovos de Sitotroga cerealella (Olivier). Pesq. Agropec. Bras. 35: 16691674.
Almeida, R.P. 1996. Biotecnologia de produção massal de Trichogramma spp. através do
hospedeiro alternativo Sitotroga cerealella. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 36p.
4
Almeida, R.P. 2000. Distribuition of parasitism by Trichogramma pretiosum on the cotton
leafworm. Proc. Exp. Appl. Entomol. 11: 27-31.
Almeida, R.P. 2001. Cotton insect pest control on a small farm: an approach of successful
biological control using Trichogramma. Proc. Exp. Appl. Entomol. 12: 81-84.
Almeida, R.P., Ciociola Jr., A.I., Stouthamer, R. 2001. Wolbachia-induced parthenogenesis:
the first report in a Brazilian Trichogramma pretiosum population. In Annual Meeting of
Entomologists in the Netherlands. Proc. Exp. Appl. Entomol. 12: 41-44.
Almeida, R.P. & R. Stouthamer. 2003. Molecular Identification of Trichogramma cacoeciae
Marchal (Hymenoptera: Trichogrammatidae): a new record for Peru. Neotrop. Entomol. 32:
269-272.
Bigler, F., B.P. Suverkropp & F. Cerutti. 1997. Host searching by Trichogramma and its
implications for quality control and release techniques, p. 240-253. In D.A. Andow, D.W.
Ragsdale & R.F. Nyvall (eds.), Ecological interactions and biological control. Boulder,
Westview Press, 333p.
Ciociola Jr., A.C., R.P. Almeida, R.A. Zucchi & R. Stouthamer. 2001. Detecção de Wolbachia
em uma população telítoca de Trichogramma atopovirilia Oatman & Platner (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) via PCR com o Primer específico wsp. Neotrop. Entomol. 30: 489491.
Cônsoli, F.L. & J.R.P. Parra. 2002. Criação in vitro de parasitóides e predadores, p. 239-276. In
Parra, J.R.P., P.S.M. Botelho, B.S. Corrêa-Ferreira & J.M.S. Bento (eds.), Controle
biológico no Brasil: parasitóides e predadores. São Paulo, Manole, 609p.
Faria, C.A., J.B. Torres & A.M. Farias. 2000. Resposta funcional de Trichogramma pretiosum
Riley (Hymenoptera: Trichogrammatidae) parasitando ovos de Tuta absoluta (Meryrick)
5
(Lepidoptera: Gelechiidae): Efeito da idade do hospedeiro. An. Soc. Entomol. Brasil. 29:
85-93.
Flanders, S.E. 1930. Mass production of eggs parasites of the genus Trichogramma. Hilgardia. 4:
465-501.
Gonçalves, J.R., A.M. Holtz, D. Pratissoli & R.N.C. Guedes. 2003. Avaliação da qualidade de
Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae) em ovos de Sitotroga
cerealella (Lepidoptera: Gelechiidae). Acta Scient. - Agron. 25: 485-489.
Honda, J.Y. & R.F. Luck. 2000. Age and suitability of Amorbia cuneana (Lepidoptera:
Tortricidae) and Sabulodes aegrotata (Lepidoptera: Geometridae) eggs for Trichogramma
platneri (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Biol. Control 18: 79-85.
Kfir, R. 1981. Effect of hosts parasite density on the egg parasite Trichogramma pretiosum.
Entomophaga. 26: 445-451.
Kfir. R. 1988. Funtional response to hosts density by the egg parasite Trichogramma pretiosum.
Entomophaga 28:345-353.
Mcewen, P. 1997. Sampling, handling and rearing insects, p. 5-26. In Dent, D.R. & M.P. Walton
(eds.), Methods in ecological and agricultural entomology. Wallingford: CABI
International, 387p.
Meer, M.M.M. 1999. Phylogeny and host interactions of thelytoky inducing Wolbachia in
Hymenoptera. Thesis (PhD), Wageningen Agricultural University, Wageningen, 118p.
Navarro, M.A. 1998. Trichogramma spp.: producción, uso y manejo en Colombia. Guadalajara
de Buga, Impretec Ltda., 176p.
Parra, J.R.P. 1997. Técnicas de criação de Anagasta kuehniella, hospedeiro alternativo para
produção de Trichogramma, p. 121-150. In J.R.P. Parra & R.A. Zucchi. (eds.),
Trichogramma e o controle biológico aplicado. Piracicaba, FEALQ, 324p.
6
Parra, J.R.P. & R. Zucchi. 2004. Trichogramma in Brazil: feasibility of use after twenty years
of research. Neotrop. Entomol. 33: 271-281.
Pereira, F.P., R. Barros, D. Pratissoli & J.R.P. Parra. 2004. Biologia e exigências térmicas de
Trichogramma pretiosum Riley e T. exiguum Pinto & Platner (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) criados em ovos de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae).
Neotrop. Entomol. 33: 231-236.
Pinto, J.D. 1997. Taxonomia de Trichogrammatodae (Hymenoptera) com ênfase nos gêneros que
parasitam Lepidoptera, p. 13-40. In J.R.P. Parra & R.A. Zucchi (eds.), Trichogramma e o
controle biológico aplicado. Piracicaba, FEALQ, 324p.
Pratissoli, D. 1995. Bioecologia de Trichogramma pretiosum Riley, 1978, nas traças
Scrobipalpuloides absoluta e Phthorimaea operculella (Zeller, 1873), em tomateiro. Tese
de Doutorado, ESALQ/USP, Piracicaba, 135p
Pratissoli, D. & H.N. Oliveira. 1999. Influência da idade dos ovos de Helicoverpa zea (Boddie)
no parasitismo de Trichogramma pretiosum Riley. Pesq. Agropec. Bras. 34: 891-896.
Pratissoli, D., A.M. Holtz, J.R. Gonçalves, R.C. Oliveira & U.R. Vianna. 2004. Características
biológicas de linhagens de Trichogramma pretiosum criados em ovos de Sitotroga
cerealella e Anagasta kuehniella. Hortic. Bras. 22: 562-565.
Pratissoli, D., R.T. Thuler, G.S. Andrade, L.C.M. Zanotti & A.F. Silva. 2005. Estimativa de
Trichogramma pretiosum para o controle de Tuta absoluta em tomateiro estaqueado. Pesq.
Agropec. Bras. 40: 715-718.
Prezotti, L., J.R.P. Parra, R. Vencovski et al. 2002. Flight Test as Evaluation Criterion for the
Quality of Trichogramma pretiosum Riley (Hymenoptera: Trichogrammatidae): Adaptation
of the Methodology. Neotrop. Entomol. 31: 411-417.
7
Roitberg, B.D., G. Boivin & L.E.M. Vet. 2001. Fitness, parasitoids, and biological control: an
opinion. Can. Entomol. 133: 429-438.
Ruberson, J.R. & T.J. Kring. 1993. Parasitism of developing eggs by Trichogramma pretiosum
(Hymenoptera: Trichogrammatidae): Host age preference and suitability. Biol. Control 3:
39-46.
Silva, I.M.M.S., M.M.M. Meer, M.M. Roskam, A. Hoogenboom, G. Gort & R. Stouthamer.
2000. Biological control potencial of Wolbachia infected (unisexual) versus uninfected
(sexual) wasps: laboratory and greenhouse evaluation of Trichogramma cordubensis and T.
deion strains. Biol. Control 10: 223-238.
Stouthamer, R., R.F. Luck & W.D. Hamilton. 1990. Antibiotics cause parthenogenetic
Trichogramma to revert to sex. Proc. Natl. Acad. Sci. 87: 2424-2427.
Stouthamer, R. & J.H. Werren. 1993. Microbes associated with parthenogenesis in wasps of the
genus Trichogramma. J. Invert. Pathol. 61: 6-9.
Thomson, M.S. & R.E. Stinner. 1990. The scale response of Trichogramma (Hymenoptera:
Trichogrammatidae): variation among species in host specificity and the effect of
conditioning. Entomophaga. 35: 7-21.
Van Lanteren, J.C. 2003. Quality control and production of biological control agents: theory and
testing procedures. Wallingford, CABI Publishing, 327p.
Vinson, S.B. 1997. Comportamento de seleção hospedeira de parasitóides de ovos, com ênfase na
família Trichogrammatidae, p. 67-120. In J.R.P. Parra & R.A. Zucchi (eds.), Trichogramma
e o controle biológico aplicado. Piracicaba, FEALQ, 324p.
8
CAPÍTULO 2
PARASITISMO E SUPERPARASITISMO DE Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) EM OVOS DE Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE)
MARCIENE D. MOREIRA1,2, JORGE B. TORRES1 E RAUL P. ALMEIDA2
1
Departamento de Agronomia – Entomologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco,
Av. Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, 52171-900 Recife, PE.
2
Unidade de Bioecologia e Taxonomia, Laboratório de Entomologia, Embrapa Algodão
R. Oswaldo Cruz, 1143, Centenário, 58107-720, Campina Grande, PB.
1
Moreira, M.D., J.B. Torres & R. P. Almeida. Parasitismo e superparasitismo de Trichogramma
pretiosum Riley (Lepidoptera: Trichogrammatidae) em ovos de Sitotroga cerealella Oliver
(Lepidoptera: Gelechiidae). Neotropical Entomology.
9
RESUMO – Parasitóídes Trichogramma vem sendo utilizado em todo o mundo como agente de
controle biológico devido a sua ampla distribuição geográfica, alta especialização e eficiência no
controle de muitas espécies de lepidópteros. Para o entendimento dos fatores que interferem sobre
o parasitismo e superparasitismo, estudou-se aspectos comportamentais e biológicos de
Trichogramma pretiosum Riley (Hym.: Trichogrammatidae) utilizando-se ovos de Sitotroga
cerealella Oliver (Lep.: Gelechiidae). As variáveis investigadas foram: rejeição de parasitismo e
tempo de contato de T. pretiosum com o hospedeiro parasitado e não parasitado, porcentagem de
emergência, porcentagem de indivíduos deformados, duração ovo-adulto, razão sexual, tamanho e
longevidade de T. pretiosum e número de ovos de S. cerealella parasitados por descendente
fêmea. Observou-se rejeição de parasitismo em ovos de S. cerealella previamente parasitados com
24, 72 e 120h de idade. Esta rejeição foi superior para ovos com 72 e 120h de parasitados, quando
comparadas aos de 24h. Ovos previamente parasitados com idade de 24h apresentaram maior
tempo de contato por T. pretiosum comparados aos de 72 e 120h. Os descendentes oriundos de
um único ovo do parasitóide por hospedeiro apresentaram-se todos sem deformações, maiores e
com maior capacidade de parasitismo, ao contrário dos indivíduos descendentes de dois ovos do
parasitóide por hospedeiro. Entretanto, a longevidade de fêmeas descendentes não diferiu entre
parasitóides oriundos de um ou dois ovos por hospedeiro. Em função dos resultados, pode-se
concluir que T. pretiosum reconhece ovos previamente parasitados e que o superparasitismo
resultou em menor sucesso reprodutivo do parasitóide na geração subseqüente.
PALAVRAS-CHAVE: Controle biológico, parasitóide de ovos, compatibilidade do hospedeiro
10
PARASITISM AND SUPERPARASITISM OF Trichogramma pretiosum RILEY
(HYMENOPTERA: TRICHOGRAMMATIDAE) ON Sitotroga cerealella OLIVER
(LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) EGGS
ABSTRACT – The parasitoid Trichogramma has been used worldwide as biological control agent
due to wide geographic distribution, high specialization and efficacy against many lepidopteran
species. Bio-ecological aspects of Trichogramma pretiosum Riley (Hym.: Trichogrammatidae)
was studied, using Sitotroga cerealella Oliver (Lep.: Gelechiidae) as a host, aiming a better
understanding of
the factors that interfere on the parasistism and the superparasitism. The
following variables were investigated: parasitism rejection and contact time by T. pretiosum on
the parasitized and non-parasitized host, percentage of parasitoid emergence by host parasitized,
number of deformed individuals produced, egg-adult period, sex ratio, T. pretiosum body size and
adult longevity and number of S. cerealella eggs parasitized/female. Parasitism rejection was
observed for 24, 72 and 120h-parasitized S. cerealella eggs. The rejection was higher for 72 and
120h-parasitized eggs compared to the 24h ones. T. pretiosum contact time on 24h-parasitized
eggs was greater than on 72 and 120h-parasitized eggs. The offspring produced from single egg
laid per host were larger, exhibited no deformation and greater capacity of parasitism different
from those produced by two eggs laid per host. Offspring longevity, however, was similar for
females from one or two parasitoid egg laid per host. According to the results, it can conclude that
T. pretiosum was able to recognize previously parasitized eggs. And, superparasitism resulted in
reduction reproductive success of the parasitoid in the next generation.
KEY WORDS: Biological control, egg parasitoids, host compatibility
11
Introdução
Dentre os parasitóides, o gênero Trichogramma tem sido o mais estudado e utilizado em
programas de controle biológico, devido a sua eficiência, ampla distribuição geográfica e
facilidade de criação em laboratório. Em todo o mundo, são conhecidas aproximadamente 190
espécies de Trichogramma (Almeida 2004), destas, 38 espécies ocorrem na América do Sul,
sendo o Brasil, o país com o maior número de registros (i.e., 28 espécies) (Silva 2002). No Brasil,
Trichogramma pretiosum Riley (Hym.: Trichogrammatidae) está associado a diversos
hospedeiros e destaca-se como parasitóide de maior freqüência, sendo comumente encontrado
parasitando ovos de Heliothis virescens (Fabr.) (Zucchi et al. 1989), Alabama argillacea (Hueb.),
em algodoeiro (Almeida 2000), Spodoptera frugiperda (J.E. Smith), em milho (Beserra & Parra
2003), além de outros lepidópteros como Plutella xylostella (L.), em repolho (Pereira et al. 2004a)
e Tuta absoluta (Meyrick), em tomateiro (Pratissoli et al. 2005). T. pretiosum é encontrada em
diversas partes do mundo. Na América do Sul, T. pretiosum além de ser amplamente distribuída, é
considerada a mais polífaga (Zucchi & Monteiro 1997, Silva 2002).
O comportamento de procura e o parasitismo de um parasitóide pode ser inato, como
conseqüência da genética da espécie, ou apresentar uma flexibilidade e desenvolver padrões que
podem ser aprendidos, como resultado da experiência adquirida (Beserra & Parra 2003). O tempo
que a fêmea leva para encontrar o seu hospedeiro também tem sido relacionado como um fator
que interfere na sua capacidade reprodutiva (Oliveira et al. 2000). Segundo Almeida (2004),
durante o comportamento de oviposição, as fêmeas de Trichogramma atopovirilia Oatman &
Platner gastam mais tempo na introdução do ovipositor e oviposição, seguido da avaliação do
hospedeiro através do contato com as antenas e o caminhamento durante a avaliação do
hospedeiro. Este mesmo autor, também, determinou que quando liberadas na arena – área de
estudo – as fêmeas de Trichogramma imediatamente iniciam a procura pelos ovos hospedeiros, e
12
após encontrá-los, realizam a avaliação, seguida da introdução do ovipositor no ovo hospedeiro.
Para Marston & Ertle (1969), os parasitóides podem aceitar ou rejeitar um hospedeiro em
potencial antes ou durante o ataque, ou algumas características do hospedeiro podem impedir a
oviposição ou podem inibir, subseqüentemente, o desenvolvimento do parasitóide.
Durante o processo de parasitismo diversos fatores podem interferir no sucesso do agente de
controle biológico. Para Vinson (1997), os fatores mais comumente relatados no processo de
rejeição em relação ao hospedeiro são a idade e o contato prévio com um hospedeiro já
parasitado. Pratissoli & Oliveira (1999) observaram que o número de descendentes de T.
pretiosum por ovo de Helicoverpa zea Boddie reduziu com o avanço na idade da praga. Também,
o estado do ovo estando parasitado ou não pode interferir. De acordo com Vinson (1997), Salt
(1938) foi o primeiro a propor que Trichogramma poderia rejeitar ovos parasitados e essa rejeição
poderia ocorrer durante um ataque.
Embora fatores tenham sido relatados no processo de rejeição do parasitóide em relação ao
hospedeiro, através da marcação deste com substâncias de oviposição e/ou aspectos morfológicos,
pode ocorrer o superparasitismo, mesmo que não apresentem recursos suficientes para uma
progênie adicional (Vinson 1997). Quando poucos ovos são depositados em cada hospedeiro, o
número total de descendentes potenciais pode ser reduzido se o parasitóide encontrar hospedeiros
insuficientes para dispor sua prole completamente (Klomp & Teerink 1967). Além disso, se
poucas larvas estão presentes no ovo hospedeiro, o excesso do material deste pode permanecer
após a alimentação da larva ser completada, resultando em altos níveis de umidade e crescimento
bacteriano o que pode ser deletério para a sobrevivência da larva do parasitóide (Hoffman et al.
1975).
De acordo com Pratissoli et al. (2005), estudos realizados com T. pretiosum para controle de
Tuta absoluta em tomateiro estaqueado, a proporção de 16 parasitóides por ovo da praga é a mais
13
próxima da ideal para a liberação em plantios comerciais de tomateiro estaqueado, no manejo da
traça T. absoluta. Coincidentemente, Knipling (1979), afirmou que acima de 16 parasitóides há
uma tendência de redução na eficiência do parasitóide, decorrente da menor probabilidade de um
indivíduo encontrar ovos não parasitados, podendo ocorrer, em muitos casos, superparasitismo,
cujas implicações e efeitos devem ser mais bem estudados. Assim, este trabalho avaliou aspectos
comportamentais e biológicos de T. pretiosum utilizando-se como hospedeiro S. cerealella.
Material e Métodos
O experimento foi conduzido na Unidade de Bioecologia e Taxonomia do Laboratório de
Entomologia da Embrapa Algodão, Campina Grande, PB, sob condições de laboratório
monitoradas e obtendo médias de 25 ± 2 °C, 70 ± 5% de U.R. e 12 horas de luz.
Criação de Sitotroga cerealella. O hospedeiro alternativo, S. cerealella, foi criado em dieta a
base de trigo em grãos em unidades de produção (UP), segundo metodologia descrita por Almeida
(1996). Foram utilizadas quatro bandejas/UP com capacidade para 4Kg de trigo cada, dispostas
horizontalmente e cruzadas entre si, contendo 5,2g de ovos da traça, que foram acondicionados
em recipientes de plástico e colocados no centro de cada bandeja. As UP’s, compostas de um
cilindro de ferro, apresentam suporte para sustentação das bandejas contendo trigo e alças laterais
para transporte. A emergência dos adultos de S. cerealella ocorreu aproximadamente 28 dias após
a instalação das unidades de produção (Almeida et al. 1998). Após a primeira coleta, a qual foi
realizada em uma “câmara de coleta”, os recipientes contendo as mariposas foram retirados das
UP’s e transferidos para a sala de postura, onde foram procedidas coletas subseqüentes durante
quatro dias, permitindo o aproveitamento máximo dos ovos postos.
14
Os ovos foram coletados diariamente e armazenados em refrigerador a temperatura variando
de 5°C a 8°C e, posteriormente, utilizados na preparação dos cartões destinados a criação e
multiplicação dos parasitóides.
Obtenção, criação e multiplicação de Trichogramma pretiosum. A criação de T. pretiosum foi
iniciada a partir da coleta de ovos parasitados de A. argillacea no município de Patos, PB.
Durante a criação de T. pretiosum, os ovos de S. cerealella foram aderidos em cartelas
(7,8cm de comprimento x 0,6cm de largura), através de fita dupla-face em duas áreas de 1,14 cm2
(1,9cm de comprimento x 0,6cm de largura). Essas cartelas foram devidamente identificadas com
a geração e data do início do parasitismo. Em seguida, as cartelas foram introduzidas em tubos de
ensaio (10cm de comprimento x 1,2cm de diâmetro), vedados com algodão hidrófilo. Na parede
interna dos tubos de ensaio foram depositadas três gotas de mel (100%) com auxílio de um
estilete, para alimentação dos adultos de T. pretiosum. Quando da emergência dos primeiros
adultos, as cartelas contendo ovos de S. cerealella foram introduzidas nos tubos e submetidas ao
parasitismo.
Reconhecimento do hospedeiro parasitado. Para o reconhecimento do ovo parasitado, foram
utilizadas fêmeas acasaladas de T. pretiosum com 12 a 24 horas após emergência em duas
situações: 1) com chance de escolha, alternando-se ovos parasitados e não parasitados, e 2) sem
chance de escolha, ofertando-se apenas ovos parasitados. Os ovos de S. cerealella foram
distribuídos em linha reta, distanciados a 0,6 cm, aderidos em cartelas de cartolina (7,0 cm de
comprimento x 0,9 cm de largura) e, posteriormente, inseridos em tubos de ensaios (10,0 cm de
comprimento x 1,2 cm de diâmetro) contendo a fêmea do parasitóide. Ovos não parasitados foram
sempre ofertados com 24h de idade, enquanto os parasitados foram ofertados com 24, 72 e 120h,
após o parasitismo. O tempo máximo de observação para realização do parasitismo e/ou
superparasitismo foi de 30 minutos para cada fêmea.
15
A partir dos dados obtidos foram determinados: (1) porcentagem de rejeição de ovos
parasitados e não parasitados, obtida a partir do abandono do ovo hospedeiro pelo parasitóide,
sem ocorrência do parasitismo; (2) tempo de contato com o hospedeiro parasitado e; (3) tempo de
contato com hospedeiro não parasitado, medidos a partir do contato do parasitóide com ovo até o
abandono do mesmo, ocorrendo ou não parasitismo. Para a condição com chance de escolha,
utilizaram-se dois tratamentos (ovo parasitado e não parasitado) e 10 repetições cada. Os dados
obtidos foram, então, analisados mediante teste de Wilcoxon. Na condição de sem chance de
escolha, utilizou-se três tratamentos (24, 72 e 120h) e 10 repetições, sendo os dados submetidos à
Análise de Variância de Friedman. Todas as análises foram conduzidas utilizando o programa de
análise estatística SPSS (versão 13.0).
Características biológicas de Trichogramma pretiosum em situação de parasitismo e
superparasitismo do hospedeiro. Ovos de S. cerealella foram submetidos ao parasitismo por
uma ou mais fêmeas de T. pretiosum visando induzir o superparasitismo. O experimento foi
conduzido de forma a obter a oviposição de um a dois ovos de T. pretiosum por hospedeiro (ovo
de S. cerealella). Para isto, foi utilizada a técnica desenvolvida por Suzuki et al. (1984), em que,
através dos movimentos da genitália da fêmea, ao introduzir o ovipositor, se reconhece o
momento exato da oviposição, podendo, com isto, quantificar o número de ovos depositados por
hospedeiro.
Neste estudo foram determinadas as seguintes características: (1) porcentagem de
emergência/ovo parasitado; (2) número de indivíduos deformados (%); (3) duração ovo-adulto
(dias); (4) razão sexual da descendência (♀/♀ + ♂) (Pratissoli et al. 2006); e (5) tamanho da
descendência (comprimento da tíbia da fêmea, em mm). A deposição de um e dois ovos de
Trichogramma por hospedeiro foram os tratamentos possuindo 10 repetições cada. Os resultados
das características avaliadas foram analisados pelo teste de Wilcoxon.
16
Após a emergência, 10 fêmeas previamente acasaladas e alimentadas com mel, oriundas
de um e dois descendentes por hospedeiro foram individualizadas e transferidas para placas de
Petri (6,5 cm de diâmetro), para avaliar a capacidade de parasitismo. As observações foram feitas
ofertando 20 ovos de S. cerealella. Os ovos foram aderidos com água em cartelas (cartolina) de
mesmo diâmetro da placa, distribuídos equidistantemente (0,6 cm). O tempo para a realização do
parasitismo foi de 30 minutos/repetição. As características determinadas foram longevidade das
fêmeas (dias) e número de ovos de S. cerealella parasitados/fêmea. Essas características foram
comparadas entre um ou dois descendentes por hospedeiro mediante o teste de Wilcoxon,
utilizando o programa de análise estatística SPSS (versão 13.0).
Resultados e Discussão
Reconhecimento do hospedeiro parasitado por T. pretiosum, com chance de escolha. A
rejeição do parasitismo, em ovos de S. cerealella não parasitados (0%) e parasitados (83%) foi
estatisticamente significativa (P = 0,005) para ovos com 24h de idade. Este mesmo
comportamento foi observado para os ovos com 72 e 120h (Tabela 1). O tempo de contato da
fêmea de T. pretiosum em ovos não parasitados foi superior em relação ao observado em ovos
parasitados, em todas as idades dos ovos avaliados (Fig. 1). O parasitóide ao introduzir o
ovipositor nos ovos previamente parasitados quase não efetuou postura, demonstrando
comportamento de reconhecimento do hospedeiro parasitado pela fêmea do parasitóide.
Reconhecimento do hospedeiro parasitado por T. pretiosum, sem chance de escolha. A
rejeição de parasitismo em ovos parasitados com 72h (95,7%) e 120h (95,4%) foi estatisticamente
superior aos ovos parasitados com 24h (71,3%) (Tabela 2). Esta situação foi inversa para o tempo
de contato do parasitóide sobre o hospedeiro. O tempo de contato com os ovos de 24h foi
aproximadamente, duas vezes maior que ovos de 72 e 120h (Fig. 2).
17
No processo de observação foi possível constatar que o Trichogramma realizou uma série
de eventos comportamentais que foi desde o caminhamento (deslocamento do parasitóide à
procura do hospedeiro), avaliação do hospedeiro (caminhamento do parasitóide sobre o
hospedeiro, fazendo contato com as antenas), repouso (o parasitóide permanece imóvel sobre o
hospedeiro ou no caminho a procura deste), introdução do ovipositor (inserção do ovipositor pelo
parasitóide no ovo do hospedeiro, antes da oviposição propriamente dita), oviposição (o
parasitóide permanece realizando a postura). Estes eventos foram, também, observados por
Almeida (2004). Na avaliação do Trichogramma em relação ao hospedeiro, a fêmea do
parasitóide inicia o processo com o caminhamento à procura do hospedeiro, seguido do
caminhamento sobre o ovo hospedeiro fazendo contato com as antenas. Após tal avaliação,
observou-se que o parasitóide rejeitou o ovo de S. cerealella parasitado ou iniciou a oviposição
como descrito por Schmidt & Smith (1985). Assim, a rejeição de T. pretiosum em relação aos
ovos já parasitados foi determinada quando a fêmea após examinar externamente o ovo
previamente parasitado, realizou movimentos abdominais que caracterizam a penetração do
ovipositor, bem como o reconhecimento interno, sem apresentar movimentos que caracterizam a
oviposição. Dessa forma, esta rejeição pode ser explicada pela habilidade da fêmea de
Trichogramma em reconhecer ovos já parasitados através da avaliação com as antenas ou mesmo
com o próprio ovipositor, principalmente em relação aos ovos com 72 e 120h de desenvolvimento
após o parasitismo. Este comportamento de rejeição foi também observado para T. atopovirilia e
T. pretiosum (Beserra e Parra 2003) em estudo do comportamento de parasitismo destas espécies
em posturas de S. frugiperda.
Na maioria das vezes foi observado que as fêmeas de Triochogramma introduziram o
ovipositor no ovo hospedeiro embora o rejeitasse quando estava parasitado. Este fato ocorreu com
maior freqüência em ovos parasitados com 72 e 120h. Tal mecanismo possivelmente representou
18
a necessidade do parasitóide em perpetuar sua espécie, realizando tentativas de oviposição. Além
disso, foram observadas várias tentativas de parasitismo da fêmea em um mesmo ovo já
parasitado, visando garantir o sucesso reprodutivo da espécie, como defesa de sua prole.
De acordo com os resultados verifica-se que T. pretiosum reconhece ovos de S. cerealella
previamente parasitados e evita fazer posturas, indo à procura de ovos ainda não parasitados, o
que pode resultar em maior taxa de parasitismo e descendentes produzidos.
Porcentagem de emergência por hospedeiro parasitado e indivíduos deformados. Nos ovos
em que foi permitida apenas a oviposição de um único ovo do parasitóide por hospedeiro, houve
emergência de 100% dos parasitóides. Pouco diferente dos ovos onde as fêmeas ovipositaram dois
ovos por hospedeiro, em que emergiram, em média, 90% dos parasitóides. Entretanto, os
descendentes de um único ovo do parasitóide por hospedeiro foram todos morfologicamente
normais, ao contrário do que ocorreu com alguns descendentes de dois ovos por hospedeiro, que
apresentaram deformações nas asas (Tabela 3).
A relação de um parasitóide emergido para um ovo parasitado não sofreu efeito negativo
proveniente do superparasitismo por T. pretiosum. No entanto, diversos fatores podem estar
relacionados a esta redução, entre elas a disponibilidade de recursos (tamanho do hospedeiro),
acarretando competição entre as larvas dos parasitóides. Resultados semelhantes foram
encontrados para T. pretiosum parasitando ovos de P. xylostella (Pereira et al. 2004b). Embora
estes autores não tenham se certificado que as fêmeas estavam realizando mais de uma postura
por hospedeiro, eles encontraram a predominância de um parasitóide emergido para um ovo
parasitado. Foi constatada também a ocorrência de mais de um parasitóide por ovo previamente
parasitado nas relações de quatro parasitóides para 15 ovos ofertados, demonstrando a ocorrência
do superparasitismo.
19
Segundo Schmidt & Smith (1985), muitas larvas em um hospedeiro resulta em competição,
levando a uma descendência com baixa fecundidade e alta mortalidade. Schmitdt (1994) também
verificou que uma grande produção de indivíduos por hospedeiro parasitado pode resultar em
descendentes menores, deformados e, consequentemente, de baixa performance.
Duração ovo-adulto e razão sexual. A duração do desenvolvimento de ovo-adulto foi, em
média, de 8 e 8,6 dias para os descendentes oriundos de um e dois ovos do parasitóide/hospedeiro,
respectivamente (Tabela 3). O período de ovo-adulto, bem como a biologia de T. pretiosum, varia
em função de diferentes condições como a qualidade e densidade do hospedeiro utilizado. Assim,
a duração obtida nas duas situações acima citadas está dentro dos padrões para esta espécie
parasitando diversos hospedeiros (Goodenough et al. 1983, Cônsoli & Parra 1996, Alencar et al.
2000).
O superparasitismo em ovos de S. cerealella não afetou a razão sexual de T. pretiosum que
foi de 0,60 e 0,61, oriundos de um e dois ovos do parasitóide/hospedeiro, respectivamente. Estes
resultados estão dentro do padrão para a espécie que de acordo com Navarro (1998) é de uma
razão sexual igual ou superior a 0,5.
Tamanho e longevidade de T. pretiosum oriundo de uma ou duas posturas por ovo. Fêmeas
oriundas da oviposição de um ovo por hospedeiro foram maiores que fêmeas emergidas de dois
ovos por hospedeiro (Tabela 4). O tamanho do corpo de Trichogramma, obtido através do
comprimento da tíbia posterior das fêmeas é frequentemente usado como índice de desempenho e
qualidade do agente de controle biológico (Kazmer & Luck 1991). Segundo esses autores existe
uma relação significativa entre o tamanho do Trichogramma com a sua qualidade no que refere a
fecundidade e capacidade de busca.
A longevidade das fêmeas foi, em média, 11,1 dias para descendentes oriundos de um ovo
ou dois ovos por hospedeiro (Tabela 4). Alencar et al. (2000) obtiveram resultados semelhantes
20
para esta característica com variação de 6 a 12 dias, também utilizando S. cerealella como
hospedeiro. Outros autores também mostram resultados similares para a longevidade desta espécie
de parasitóide em A. kuehniella que varia de 11 a 13 dias (Oliveira et al. 2005).
Número de ovos de S. cerealella parasitados. A capacidade de parasitismo foi maior nas fêmeas
descendentes de um ovo por hospedeiro, com média de 8,8 ovos em comparação a 2,7 ovos,
quando oriundas de dois ovos por hospedeiro (Tabela 4).
O superparasitismo é fundamental para a permanência de uma espécie de parasitóide em
baixas densidades do hospedeiro (Schmitdt 1994). Entretanto, nessas mesmas condições, o
superparasitismo pode resultar em baixo sucesso reprodutivo dos descendentes (Schmidt & Smith
1987) como observado neste estudo. Em campo, devido à dinâmica populacional da praga e seu
comportamento biológico, normalmente a localização de hospedeiros viáveis é dificultada, o que
pode acarretar o superparasitismo segundo Schmidt (1994) e, consequentemente, a perda de
qualidade dos descendentes.
Um dos aspectos decisivos para o sucesso de liberações desses insetos em campo é o
conhecimento da proporção adequada de parasitóides liberados em relação à densidade de ovos do
hospedeiro presente em um determinado agroecossistema, pois a eficiência dos mesmos pode ser
reduzida, devido à competição intra-específica, uma vez que à medida que se aumenta a densidade
de parasitóides, decresce a probabilidade de um indivíduo encontrar um ovo não parasitado,
podendo, assim, ocorrer o superparasitismo (Neil & Specht 1990). Assim, outros estudos
relacionados à distribuição do hospedeiro, número e intervalo de liberações de T. pretiosum
devem ser considerados em uma etapa posterior a esta pesquisa para que este parasitóide seja
melhor utilizado no controle de pragas agrícolas em campo.
21
Agradecimentos
Ao Prof. Pedro Cezar Pereira Coelho, da Universidade Estadual da Paraíba, e aos colegas,
Amanda da Silva Lira e Brunno Tenório de Farias, pelo auxílio nas análises estatísticas, à
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pela concessão de
bolsa de estudo e à Embrapa Algodão, pelo apoio logístico.
Literatura Citada
Alencar, J.A., F.N.P. Haji, J.V. Oliveira & A.N. Moreira. 2000. Biologia de Trichogramma
pretiosum Riley em ovos de Sitotroga cerealella (Olivier). Pesq. Agropec. Bras. 35: 16691674.
Almeida, R.P. 1996. Biotecnologia de produção massal de Trichogramma spp. através do
hospedeiro alternativo Sitotroga cerealella. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, Circular
Técnica, 19, 36p.
Almeida, R.P., C.A.D. Silva & M.B. Medeiros. 1998. Biotecnologia de produção massal e
manejo de Trichogramma para o controle biológico de pragas. Campina Grande,
EMBRAPA-CNPA, Documentos, 60, 61p.
Almeida, R.P. 2000. Distribuition of parasitism by Trichogramma pretiosum on the cotton
leafworm. Proc. Exp. Appl. Entomol. 11: 27-31.
Almeida, R.P. 2004. Trichogramma and its relationship with Wolbachia: identification of
Trichogramma species, phylogeny, transfer and costs of Wolbachia symbionts. Tese de
Doutorado, Wageningen University, The Netherlands, 142p.
Beserra, E.B. & J.R.P. Parra. 2003. Comportamento de parasitismo de Trichogramma
atopovirilia Oatman & Platner e Trichogramma pretiosum Riley (Hymenoptera,
22
Trichogrammatidae) em posturas de Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) (Lepidoptera,
Noctuidae). Rev. Bras. Entomol. 47: 205-209.
Cônsoli, F.L. & J.R.P. Parra. 1996. Comparison of hemolymph and holotissues of different
species of insects as diet components for in vitro rearing of Trichogramma galloi Zucchi and
T. pretiosum Riley. Biol. Control. 6: 401-406.
Goodenough, J.L., A.W. Hartstack & E.G. King. 1983. Developmental models for
Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae) reared on four hosts. J. Econ.
Entomol. 76: 1095-1102.
Hoffman, J.D., C.M. Ignoffo & W.A. Dickerson. 1975. In vitro rearing of the endoparasitic
wasp Trichogramma pretiosum. Ann. Entomol. Soc. Am. 68: 335-336.
Kazmer, D.J. & R.F. Luck. 1991. Female body size, fitness and biological control quality: field
experiments with Trichogramma pretiosum. Les Colloques de INRA, Paris, 56.
Knipling, E.F. 1979. Insect population suppression by augmenting the number of parasites and
predators in crop ecossystems, p. 135-197. In E. F. Kinipling, The basic principles of insect
population suppression and management. Washington, USDA, 659p (Agriculture Handbook
no. 512).
Klomp, H & B.J. Teerink. 1967. The significance of oviposition rates in the eggs parasite,
Trichogramma embryophagum Htg. Arch. Neerl. Zool. 17: 350-375.
Marston, N. & L.R. Ertle. 1969. Host age and parasitism by Trichogramma minutum
(Hymenoptera: Trichogrammatidae). Ann. Entomol. Soc. Am. 62: 1476-1482.
Navarro, M.A. 1998. Trichogramma spp.: producción, uso y manejo en Colombia. Guadalajara
de Buga, Impretec Ltda., 176p.
23
Neil, K.A. & H.B. Specht. 1990. Field releases of Trichogramma pretiosum Riley (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) for suppression of corn earworm, Heliothis zea (Boddie) (Lepidoptera:
Noctuidae), egg population on sweet corn in Nova Scotia. Can. Entomol. 22: 1259-1266.
Oliveira, H.N., J.C. Zanuncio, D. Pratissoli & I. Cruz. 2000. Parasitism rate and viability of
Trichogramma maxacalii (Hym.: Trichogrammatidae) parasitoid of the Eucaliptus
defoliator Euselasia apison (Lep.: Riodinidae), on eggs of Anagasta kuehniella (Lep.:
Pyralidae). For. Ecol. Manag. 130: 1-6.
Oliveira, H.N., C.A. Colombi, D. Pratissoli, E.P. Pedruzzi & L.P. Dalvi. 2005. Capacidade de
parasitismo de Trichogramma exiguum Pinto & Platner, 1978 (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) criados em dois hospedeiros por diversas gerações. Cienc. Agrotec.
29: 284-288.
Pereira, F.F, R. Barros & D. Pratissoli. 2004a. Desempenho de Trichogramma pretiosum Riley
e T. exiguum Pinto & Platner (Hymenoptera: Trichogrammatidae) submetidos a diferentes
densidades de ovos de Plutella xylostella (Lepidoptera: Plutellidae). Cienc. Rural. 34: 16691674.
Pereira, F.P., R. Barros, D. Pratissoli & J.R.P. Parra. 2004b. Biologia e exigências térmicas
de Trichogramma pretiosum Riley e T. exiguum Pinto & Platner (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) criados em ovos de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae).
Neotrop. Entomol. 33: 231-236.
Pratissoli, D. & H.N. Oliveira. 1999. Influência da idade dos ovos de Helicoverpa zea (Boddie)
no parasitismo de Trichogramma pretiosum Riley. Pesq. Agropec. Bras. 34: 891-896.
Pratissoli, D., R.T. Thuler, G.S. Andrade, L.C.M. Zanotti & A.F. Silva. 2005. Estimativa de
Trichogramma pretiosum para o controle de Tuta absoluta em tomateiro estaqueado. Pesq.
Agropec. Bras. 40: 715-718.
24
Pratissoli, D., E.F. dos Reis, H.B. Zago, P.L. Pastori & T. Tamanhoni. 2006. Biologia e
exigências térmicas de cinco linhagens de Trichohramma pretiosum Riley (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) criadas em ovos de Tuta absouta (Meyrick) (Lepidóptera:
Gelechiidae). Cien. Rural. 36: 1671-1677.
Schmidt, J. M. 1994. Host recognition and acceptance by Trichogramma, p. 165-200. In E.
Wajnberg & S.A. Hassan (eds.), Biological control with egg parasitoids. Wallingford, CABI
Publishing, 286p.
Schmidt, J.M. & J.J.B. Smith. 1985. The mechanism by which the parasitoid wasp
Trichogramma minutum responds to host clusters. Entomol. Exp. Appl. 39: 287-294.
Schmidt, J.M. & J.J.B. Smith. 1987. The measurement of exposed host volume by the parasitoid
wasp Trichogramma minutum and effects of wasp size. Can. J. Zool. 65: 2837-2845.
Silva, R.B.Q. 2002. Taxonomia do gênero Trichogramma Westwood, 1833 (Hymenoptera:
Trichogrammatidae) na América do Sul. Tese de Doutorado, ESALQ/USP, Piracicaba,
214p.
Suzuki, Y., H. Tsuji & M. Sasakawa. 1984. Sex allocation and effects of supertatasitism on
secondary sex ration in the gregarious parasitoid, Trichogramma chilonis (Hymenoptera:
Trichogrammatidae). Anim. Behav. 32: 478-484.
Vinson, S.B. 1997. Comportamento de seleção hospedeira de parasitóides de ovos, com ênfase na
família Trichogrammatidae, p. 67-120. In J.R.P. Parra & R.A. Zucchi (eds.), Trichogramma
e o controle biológico aplicado, FEALQ, Piracicaba, 324p.
Zucchi, O.L.A.D., J.R.P. Parra, S. Silveira Neto & R.A. Zucchi. 1989. Desenvolvimento de
um modelo determinístico compartimental para simular o controle de Heliothis virescens
(Fabr., 1781) através de Trichogramma spp. An. Soc. Entomol. Brasil 2: 357-365.
25
Zucchi, R.A. & R.C. Monteiro. 1997. O gênero Trichogramma na América do Sul, p. 41-66. In
J.R.P. Parra & R.A. Zucchi. (eds.). Trichogramma e o controle biológico aplicado. FEALQ,
Piracicaba, 324p.
26
Tabela 1. Porcentagem (média ± EP) de rejeição por ovos não parasitados e parasitados de S.
cerealella por T. pretiosum. Temp.: 25 ± 2°C; UR: 70 ± 5% e fotofase: 12h.
Idade do Ovo (h)
Tratamentos
Ovos não parasitados1
Ovos parasitados
Estatística – P2
24
72
120
0,0 ± 0,0
2,0 ± 2,0
4,5 ± 3,0
83,0 ± 10,5
100,0 ± 0,0
100,0 ± 0,0
0,005
0,002
0,003
1
Ovos do hospedeiro sempre com idade de até 24h.
2
Valores de significância para o teste de Wilcoxon comparando os tratamentos nas colunas.
27
Tabela 2. Porcentagem (média ± EP) de rejeição de T. pretiosum por ovos de S. cerealella
previamente parasitados sem chance de escolha. Temp.: 25 ± 2°C; UR: 70 ± 5% e fotofase: 12h.
Idade do ovo parasitado
Rejeição (%)
24 h
71,3 ± 1,78
72 h
95,7 ± 4,29
120 h
95,4 ± 3,42
Estatística - P1
1
0,003
Valores de significância para o teste de Friedman.
28
Tabela 3. Valores médios (± EP) de emergência, indivíduos deformados e duração ovoadulto de T. pretiosum. Temp.: 25 ± 2°C; UR: 70 ± 5% e fotofase: 12h.
Tratamentos
Um ovo/hospedeiro
Dois ovos/hospedeiro
Estatística – P1
1
Porcentagem de
emergência/ovo (%)
Indivíduos
deformados (%)
Duração
ovo-adulto (dias)
100 ± 0,00
0,0 ± 0,00
8,0 ± 0,00
90 ± 0,13
10,0 ± 0,13
8,6 ± 0,16
0,157
0,157
0,014
Valores de significância para o teste de Wilcoxon comparando os tratamentos nas respectivas
colunas.
29
Tabela 4. Comprimento da tíbia da fêmea (mm), longevidade das fêmeas descendentes
(dias) e número de ovos parasitados por fêmea de T pretiosum. Temp.: 25 ± 2°C; UR: 70 ± 5% e
fotofase: 12h.
Tratamentos
Comprimento da tíbia
(média ± EP)
Longevidade das
fêmeas descendentes
(média ± EP)
No. ovos
parasitados/fêmea
(média ± EP)
Um ovo/hospedeiro
0,1325 ± 0,0038
11,1 ± 1,32
8,8 ± 1,85
Dois ovos/hospedeiro
0,1150 ± 0,0041
11,1 ± 1,18
2,7 ± 1,13
1,000
0,033
Estatística - P1
1
0,008
Valores de significância para o teste de Wilcoxon comparando os tratamentos nas respectivas
colunas.
30
800
**
**
**
2
72 horas
120 3horas
Tempo (s)
600
400
200
0
1
24 horas
Idade do Ovo
Ovos não parasitados
Ovos parasitados
Fig. 1. Média (± EP) do tempo de contato (s) de T. pretiosum com ovos de S. cerealella não
parasitados e parasitados. Temp.: 25 ± 2 °C; UR: 70 ± 5% e fotofase: 12h. **Médias diferem entre
ovos não parasitados e ovos parasitados por idade do ovo pelo teste de Wilcoxon (P<0,01).
31
1600
a
Tempo (s)
1200
800
b
b
72 horas
120 horas
400
0
24 horas
Idade do ovo
Fig. 2. Média (+ EP) do tempo de contato (segundos) de T. pretiosum com ovos de S. cerealella
previamente parasitados. Temp.: 25 ± 2 °C; UR: 70 ± 5% e fotofase: 12h. Barras sob letras
diferentes, diferem estatisticamente pelo Friedman (P ≤ 0,05).
32
Fly UP