...

Criação e CrítiCa: reflexões sobre o papel do CrítiCo literário

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Criação e CrítiCa: reflexões sobre o papel do CrítiCo literário
Criação e crítica:
reflexões sobre
o papel do
crítico literário
EDUARDO F. COUTINHO
[Professor titular de Literatura Comparada da UFRJ
e pesquisador bolsista do CNPq]
Ao se referir à Semiologia, em sua famosa Leçon, pronunciada como
Aula Inaugural da cadeira de Semiologia do Colégio de França, em 7
de janeiro de 1977, Roland Barthes afirma que o semiólogo seria um
“artista” e, após fazer a ressalva “essa palavra não é aqui nem gloriosa,
nem desdenhosa: refere-se somente a uma tipologia”, complementa:
“ele joga com os signos como um logro consciente, cuja fascinação
saboreia, quer fazer saborear e compreender”.1 A Semiologia, como
todo estudo sobre os signos e, portanto, sobre a linguagem humana,
que é um sistema de signos, é evidentemente uma metalinguagem,
como o são todos os demais discursos que falam sobre a Literatura,
expressão esta que o autor, aliás, define não como “um corpo ou uma
seqüência de obras, nem mesmo um setor do comércio ou de ensi­
no, mas o grafo complexo das pegadas de uma prática: a prática de
escrever”;2 assim, podemos estender sua observação a esses discursos, como o da “crítica literária”, que Barthes vê também, em outros
de seus textos, como uma atividade fundamentalmente criativa. Se a
Literatura é, como bem diz o estudioso, um trabalho de encenação
da linguagem ou de deslocamento que o autor opera sobre a língua,
levando o leitor a romper com toda e qualquer estrutura fixa de pensa­
mento, a “crítica literária” só pode ser um trabalho de re-encenação,
que, longe de apenas avaliar ou meramente chamar atenção sobre a
obra, encete também um diálogo com ela, levando adiante o processo
de reflexão desencadeado.
1. Roland Barthes. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. 13a ed. São Paulo: Cultrix, 2007, p. 38.
2. Ibidem, p. 16.
135
CRIAÇÃO E CRÍTICA
O termo “crítica”, do grego “julgar”, “discriminar”, encerra
em si a noção de “avaliação”; assim, a crítica literária seria um processo de avaliação de uma obra ou de obras literárias, e o “crítico”
alguém que enuncia juízos críticos ou exerce a crítica literária.3
É nesse sentido que o termo vem sendo empregado desde o Renascimento, embora o que ele representa já se conheça desde a Antigüidade Clássica. Julgar uma obra é lhe avaliar o mérito à luz do
gosto do crítico, ou de um corpo de critérios estabelecidos por ele
mesmo ou pela época em que este viveu. No entanto, como o gosto
implica alta dose de subjetividade, e os critérios estabelecidos variam de acordo com o momento – é uma questão fundamentalmente
histórica –, o problema da avaliação crítica é dos mais graves no âmbito dos estudos literários. Como julgar o mérito de uma obra ou de
obras é uma pergunta que se fazem os estudiosos de Literatura e de
Artes em geral desde épocas remotas, e, ainda que já se tenham tentado diversas respostas para a questão – a noção da “literariedade”,
por exemplo, dos formalistas russos – nenhuma delas apresentou
sequer a estabilidade almejada. As obras de arte têm sido avaliadas
desde a Antigüidade à luz de critérios vários, que oscilam de acordo
com a época, e todas as tentativas de generalização ou universalização de parâmetros têm-se desde então revelado falaciosas, se não
mais pela impossibilidade de mensurá-los com objetividade. É possí­
vel intuir-se até certo ponto a qualidade de uma obra, mas não se
estabelecerem critérios objetivos de avaliação.
De maneira geral, a “crítica literária” tem sido vista como
uma atividade reflexiva, composta de três etapas, que podem ocorrer sucessiva ou concomitantemente. A primeira seria uma resposta
intui­tiva à obra ou uma impressão provocada pelo contato com esta; a
3. Ver neste sentido, Afrânio Coutinho. Da crítica e da nova crítica. 2a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975 (1a ed.: 1957), ___. Crítica & críticos. Rio de Janeiro: Org. Simões, 1969, e ___ e,
J. Galante de Sousa. Enciclopédia de Literatura Brasileira. 2a ed., 2 vols. São Paulo: Global, 2001.
136
Criação e crítica: reflexões sobre o papel do crítico literário
segunda, uma análise detalhada da obra, marcada pela sua descrição
e interpretação; e a terceira, uma avaliação com base na exe­gese rea­
lizada e calcada em um código de valores e critérios estabelecidos
pelo crítico e retirados da tradição ou da observação de novos padrões introduzidos pela obra. A segunda etapa, sem dúvida a mais
complexa, exige a utilização de um método ou de métodos determinados, e é devido ao exercício desse ou daquele método de abordagem do fenômeno literário que têm surgido diversos tipos de crítica.
Antes, porém, de mencionarmos esses possíveis caminhos ou métodos, observe-se que o fato de ater-se a apenas uma dessas etapas
tem levado pesquisadores da literatura a simplificações altamente
questionáveis, como a chamada “crítica impressionista”, baseada na
pura doxa, e resultante do apego excessivo à primeira ou à terceira
dessas etapas, ou a crítica meramente descritivista, praticada pelos
seguidores de um estruturalismo mal assimilado, que se atinham
apenas a uma parte da segunda etapa, a esfera da simples descrição,
desprezando inclusive o sentido de avaliação, inerente a toda crítica.
Foi o apego exclusivo à primeira e à terceira fases, por exemplo, que
levou muitas vezes ao sentido pejorativo que a crítica adquiriu no
universo leigo, ligado à idéia de uma avaliação negativa.
A idéia do crítico como um intérprete da obra, ou como um
mero avaliador, está bastante associada a um tipo de crítica que se
desenvolveu a partir do advento do Jornalismo, no século XVIII, e
que visava à divulgação, à informação e à orientação do público em
relação ao movimento editorial. A princípio de caráter mais técnico,
esse tipo de crítica foi-se reduzindo, pelas imposições do próprio
jornal, ao mero noticiário, ao comentário ligeiro, a uma espécie de
recensão leve, o book review, e ficou muito marcado pelo seu cunho
apologético ou restritivo. No século XX, com o desenvolvimento das
universidades e o conseqüente deslocamento do meio intelectual
para o contexto acadêmico, este tipo de crítica passou a ser exercido
137
CRIAÇÃO E CRÍTICA
por especialistas, que, em lugar dos rodapés de jornais, utilizaram
como veículo revistas especializadas. Entretanto, a crítica jornalística
nunca desapareceu totalmente, permanecendo nos suplementos de
jornais, e continuou tendo um papel importante no mercado edito­
rial. Ela se sofisticou pelo fato de ser agora praticada por especia­
listas e por absorver um forte teor acadêmico. Mas continua sendo
a ela que se deve muitas vezes o sucesso ou fracasso de público de
uma obra, e é a ela que reage freqüentemente o escritor, divulgando,
por meio da própria produção literária, a sua ars poetica.
Num olhar retrospectivo à tradição ocidental e tomando
a Grécia clássica como referência, podemos observar que se costumam dividir grosso modo as tendências da “crítica literária” em duas
grandes linhagens, uma relacionada a Platão e a outra a Aristóteles.
No primeiro caso, temos um tipo de “crítica” baseado na idéia de que
a obra é um meio para se atingir um fim extraliterário, é um veículo
de mensagens filosóficas, políticas, religiosas, morais, etc., ou é um
documento de uma época, uma sociedade ou uma personalidade.
Esta linhagem está bastante voltada para a formação do indivíduo e
encontrou grande expressão em figuras como Horácio, com a sua
fórmula docere cum delectare, e nos famosos tratados de poética, ou
manuais de preceptística, que abundaram a partir do Renascimento,
tendo talvez atingido seu momento mais significativo com a famosa
Poética de Boileau, no século XVII. No segundo caso, temos um tipo
de Crítica que encara a Literatura como uma arte, a arte da palavra,
e, portanto, com valor em si mesma. A “crítica”, nessa perspectiva, é
a análise e a avaliação da obra de arte, nos seus aspectos intrínsecos,
e calcada em princípios estéticos e em métodos indutivos. É uma
crítica de caráter predominantemente formalista, que atravessou os
séculos, muitas vezes num plano secundário, ou até mesmo abafada,
mas encontrou na era romântica forte expressão com a noção de que
a Literatura, em vez de ser regida por regras imutáveis estabelecidas
138
Criação e crítica: reflexões sobre o papel do crítico literário
pelos clássicos greco-romanos, é, ao contrário, sempre nova, de acordo com o gênio individual e com o gênio nacional (genus loci), e chegou aos finais do século XIX, tendo encontrado um grande impulso
a partir, sobretudo, de Benedetto Croce.
No século XX, essas duas linhagens da “crítica literária”
continuaram a se fazer presentes, tendo inclusive, com o desenvolvi­
mento dos estudos literários, ocasionado sérias divergências e inten­
sas polêmicas, pelo radicalismo a que muitas vezes chegaram os defensores de uma ou de outra posição. Assim, se formos traçar um
quadro das principais tendências que nortearam o Ocidente ao longo
desse período, podemos situar, na linha mais próxima de Aristóteles,
correntes como o formalismo eslavo, a estilística espanhola e a teutosuíça, a explicação de textos francesa, o new criticism anglo-americano
e o estruturalismo, que viam a obra literária como um conjunto harmonioso dos elementos que a compunham, sem vinculá-la a fatores
de ordem extratextual. E na linha mais próxima a Platão, situaríamos todas aquelas correntes que enxergavam a obra apenas como
um reflexo do contexto histórico-cultural em que haviam surgido:
as correntes sociológicas, dentre as quais o marxismo, as de cunho
psicológico ou psicanalítico, baseadas nas teorias de Freud ou Lacan,
as filosóficas de um Sartre ou Gabriel Marcel, as biográficas, voltadas para a figura do autor, as religiosas ou éticas, etc. Todas essas
correntes prestaram valiosa contribuição para os estudos literários,
ao trazer à tona aspectos importantes no processo de abordagem da
obra, mas falharam, a nosso ver, por não notarem as primeiras que a
obra não existia isoladamente, em uma espécie de torre de marfim, à
margem do contexto histórico-cultural em que havia surgido, e as segundas por não admitirem que a obra tivesse uma realidade própria
que se constituía pela harmonia de seus elementos componentes.
Na segunda metade do século XX, contudo, com o advento da episteme pós-moderna, adversa a todo tipo de binarismo, os
139
CRIAÇÃO E CRÍTICA
estudiosos da Literatura começaram a ver que tais correntes, longe
de serem excludentes, complementavam-se umas às outras, e que
uma abordagem verdadeiramente eficaz da obra literária deveria ser
feita por uma perspectiva que abarcasse essas duas tendências tradicionais, a intrínseca e a extrínseca, para empregar a denominação de
René Wellek, em seu famoso Theory of literature.4 Assim, se era aceito
que a obra constituía um conjunto harmonioso dos elementos que
a compunham, era também acertado que ela surgia num contexto
histórico-cultural determinado, e que tais fatores, tanto os de ordem
intrínseca quanto os de natureza extrínseca, tinham de ser levados
em conta no processo de sua abordagem. Essa mudança constituiu
um marco fundamental no âmbito dos estudos literários, por focalizar a obra por uma perspectiva muito mais abrangente que passou a
levar em conta a relação texto-contexto, e afetou todos os discursos sobre a Literatura, mas no âmbito mais específico da “crítica” a grande
transformação se deu no que concerne à ruptura de uma preocupação científica com a construção de modelos universais, e a aceitação
da relatividade, máxime no processo de construção dos cânones.
Inspirada por uma preocupação universalizante, de cunho
científico, e apoiada na aura do discurso estético que se havia instituído
através dos tempos, a “crítica” tinha-se voltado para o estabelecimento
de padrões de avaliação das obras literárias com base em noções flui­das
e não mensuráveis, como as de “literariedade” e “permanência”, e se
havia utilizado desses parâmetros na construção dos cânones, tanto os
nacionais quanto o denominado impropriamente “cânone ocidental”.
Com as indagações surgidas na era pós-moderna sobre esses ele­mentos,
a “crítica” perde seus referenciais e mergulha em terreno pantanoso,
sem parâmetros definidos. O resultado é que o etnocentrismo que a
dominava em fases anteriores – os modelos eram sempre oriundos
4. René Wellek & Austin Warren. Theory of literature. New York: Harcourt, Brace & Co., 1949.
140
Criação e crítica: reflexões sobre o papel do crítico literário
de contextos que detinham o poder, ou, melhor, das culturas mais
prestigiosas do Ocidente – cede lugar a uma espécie de relativização
segundo a qual os critérios de avaliação passam a oscilar de acordo
com o olhar adotado e o locus de enunciação do estudioso. Deixando
de lado qualquer visão absoluta das obras, a “crítica”, desse modo, se
historiciza, tornando-se muito mais rica e complexa, e os cânones perdem a sua rigidez, passando, conseqüentemente, a se constituírem
como modelos provisórios e flexíveis. Agora, ela passa a oscilar em
função do ponto de vista do observador e os cânones se multiplicam,
lançando por terra toda e qualquer visão monolítica da questão.5
Essa questão do etnocentrismo da “crítica” e a reação que
desen­cadeou foi particularmente relevante nos contextos que passa­
ram por processos de colonização, como é o caso do Brasil e de toda a
América Latina, onde desde o período romântico, que correspondeu
no plano político ao da Independência, se desenvolveu uma forte preocupação com o elemento nacional, ou, melhor, com o estabelecimento
das diferenças que caracterizariam a nova nação em oposição à metrópole européia. No caso brasileiro, chame-se atenção, por exemplo, para
o veio nativista, de exaltação da natureza tropical e da figura do índio,
para a valorização de uma língua brasileira, marcada por um léxico e
uma sintaxe com traços muito próprios, e para aquilo a que Machado
de Assis se referiu como um “instinto de nacionalidade”. Essa preocupação com o elemento nacional, em oposição ao forâneo, não só
serviu de base para a formação do cânone literário, como chegou a
ser critério de avaliação das obras em um crítico como Sílvio Romero,
dos mais expressivos do século XIX. Além disso, a questão penetrou
no século XX, tendo sido altamente valorizada pelo movimento mo­
dernista, ainda que por uma ótica distinta, mas nunca chegou a
5. Ver Eduardo F. Coutinho. Literatura comparada na América Latina: ensaios. Rio de Janeiro:
EdUERJ, 2003.
141
CRIAÇÃO E CRÍTICA
desaparecer completamente. Ela foi modulada ao largo desse período
e apresentou diversos desdobramentos, como os muitos movimentos de caráter regionalista, cada um deles com faces e preocupações
próprias, mas que apresentam fortes denominadores comuns.
No entanto, se a preocupação com o elemento nacional sempre esteve fortemente presente no contexto brasileiro, a “crítica” praticada no Brasil, principalmente depois de sua institucionalização no
universo acadêmico, apresentou uma contradição de base, uma vez
que as idéias que a norteavam eram diretamente importadas do meio
intelectual europeu. As correntes críticas, surgidas na Europa, chegavam ao Brasil, e eram imediatamente aplicadas ao novo contexto
sem que se levassem em conta as diferenças entre os dois universos
culturais: o contexto de produção e o de recepção. O resultado era a
existência de uma defasagem entre a obra ou obras literárias e o discurso crítico que as interpretava e avaliava. Como os valores em que
se haviam calcado as correntes críticas importadas eram próprios de
outro contexto e haviam sido estabelecidos com base em um corpus
literário oriundo daquele meio, esta produção adquiria um caráter de
exemplaridade, e a brasileira era vista como inferior por nem sempre
corresponder com exatidão ao modelo proposto. Essa visão, presente,
sobretudo, no contexto universitário, mas que também atingiu a crítica jornalística, uma vez que esta passou a ser praticada na maioria
das vezes por scholars, só começou a mudar por influência das transformações sofridas no pensamento ocidental na segunda metade do
século XX, máxime após o advento da desconstrução e dos chamados
“estudos culturais e pós-coloniais”, que voltaram a valorizar o elemento histórico e conseqüentemente as diferenças espaço-temporais.
Com a ampliação do leque de referenciais do discurso crítico
e o resgate de sua condição de historicidade, que veio a reconhecer
que os padrões de avaliação estética sempre oscilaram de um contexto para o outro, tanto no tempo quanto no espaço, a “crítica” volta,
142
Criação e crítica: reflexões sobre o papel do crítico literário
na segunda metade do século XX, a assumir explicitamente a sua
subjetividade, mas sem deixar de admitir as marcas de objetividade
presentes na obra. Assim, o que passa a prevalecer na análise, interpretação e avaliação desta última é a relação que se estabelece entre
o estudioso e o texto, e a célebre questão que inquieta o investigador
quanto ao método a adotar em sua abordagem do fenômeno literário
irá depender exatamente dessa relação. O texto fala, no sentido de
que aponta direções, e é preciso que o analista o escute, e some ao
espectro de possibilidades que ele oferece a experiência proveniente
de sua formação teórico-intelectual. Só assim ele evita incorrer nas
famosas inferências, freqüentes na abordagem crítica, ou na frieza
de uma análise meramente descritivista que se limita à quase paráfrase. Essa visão da “crítica” vem ganhando cada vez mais terreno
ultimamente, em especial no meio universitário, tanto no exterior
quanto em nossas plagas. A leitura crítica, segundo essa perspectiva, será sempre criativa, na medida em que ela re-encena o texto, o
recria, não só chamando atenção para aspectos que poderiam passar
despercebidos, como, sobretudo, indicando novas possibilidades de
assédio, novos caminhos a seguir. É neste sentido que a observação de Barthes, feita no início deste texto, de que o semiólogo seria
um artista aplica-se perfeitamente ao crítico. Este último não é um
simples intérprete, mas um recriador da obra, um “leitor-cúmplice”,
como diria Julio Cortázar, que, ao participar com a sua leitura, do
processo de criação da obra, se converte num co-partícipe ou numa
espécie de “co-autor” da obra.6
6. Ver Julio Cortázar. Rayuela. 12a ed. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1970.
143
Fly UP