...

PES.014 - Forma, Armadura e Concretagem

by user

on
Category: Documents
4

views

Report

Comments

Transcript

PES.014 - Forma, Armadura e Concretagem
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 1 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
1. EQUIPAMENTOS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Esquadro metálico;
Martelo e serrote;
Serra de bancada com proteção para disco;
Corda;
Chave de dobra;
Policorte;
Tesoura manual;
Gerica e carrinho de mão;
Desempenadeira de madeira;
Vibrador de imersão;
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Desformador ou pé de cabra;
Nível de mangueira ou laser;
Prumo de face;
Tensores e barra de ancoragem;
Torquês;
Trena metálica;
Guincho, grua ou bomba para concreto;
Pá e enxada;
Régua de alumínio.
2. CONDIÇÕES DE INÍCIO
2.1.
FÔRMA E ARMADURA
•
•
•
•
Os projetos de estrutura devem estar disponíveis;
A central de fôrmas deve estar montada e equipada;
Os equipamentos e/ou ferramentas de produção devem estar em condições adequadas de uso.
Os eixos principais do edifício e o nível de referência devem estar transferidos e definidos sobre a
laje de trabalho;
• Os gastalhos devem estar fixados;
• Após a primeira utilização, passar desmoldante nas faces internas das fôrmas antes de cada
montagem.
• Caso a laje seja apoiada diretamente sobre alvenaria, esta deve estar concluída com seu respaldo
executado.
2.2.
•
•
•
•
CONCRETAGEM
Para estruturas de edifícios, o concreto do pavimento inferior deve estar liberado;
Os projetos de estrutura devem estar disponíveis;
Os equipamentos e /ou ferramentas de produção devem estar em condições adequadas de uso;
As fôrmas devem estar executadas e limpas, com desmoldante aplicado e conferidas, as armaduras,
instalações elétricas e hidráulicas precisam estar posicionadas e conferidas;
• As equipes e as áreas que serão concretadas devem estar preparadas de modo que seja respeitado
o tempo limite de 2 horas e 30 minutos entre a saída do caminhão da usina ou a produção do
concreto em obra e o seu lançamento;
• As caixas de elétrica devem estar protegidas com papel amassado e as fôrmas devem ser molhadas
antes do início da concretagem.
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 2 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
3. MÉTODO EXECUTIVO
3.1.
FABRICAÇÃO DE FÔRMAS
• Toda a montagem da estrutura de fôrmas e escoramento deve ser executada mediante a utilização
de um projeto específico de fôrmas e escoramento;
• No caso do emprego de fôrmas e/ou escoramentos industrializados, devem ser seguidas as
instruções do fornecedor do sistema;
• Os painéis devem ser executados pensando no seu tamanho e peso, de forma a facilitar o seu
transporte, montagem e desforma;
• Todas as peças devem ser medidas e os painéis devem ser estruturados;
• As superfícies de corte devem ser planas e lisas, sem apresentar serrilhas;
• Selar os topos de chapas com tinta a óleo ou selante à base de borracha clorada, tão logo as peças
sejam serradas na bancada;
• Identificar os painéis com uma numeração ou código para facilitar na montagem;
• Eventuais furos nos painéis devem ser executados sempre da face interna da fôrma em direção à
face externa, com broca de aço rápido para madeira;
• Marcar com tinta, nas fôrmas, as posições onde serão colocados os seus elementos de sustentação
como garfos simples, garfos com mão-francesa, escoramento e reescoramento;
• A central de fôrmas deve ser mantida limpa e organizada, removendo as sobras de material.
3.2.
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
MONTAGEM DE FÔRMAS
a) Pilares
Apicoar o concreto da base dos pilares, removendo a nata de cimento depositada na superfície;
Fixar dois pontaletes no gastalho que servirão de guia e permitirão o travamento dos pés dos
painéis das faces do pilar;
Definir a altura do topo do pilar para fixação dos painéis nos pontaletes-guia.
Quando agentes destinados a facilitar a desmoldagem forem necessários, devem ser aplicados
exclusivamente na fôrma antes da colocação da armadura e de madeira a não prejudicar a
superfície do concreto;
Montar as faces laterais menores e as de fundo dos pilares, pregando-as no pontalete-guia.
Conferir o encontro das faces no topo do pilar com um esquadro metálico, de forma a garantir a
perpendicularidade entre elas;
Nivelar as faces montadas, verificando a necessidade de colocação de mosquitos para fechar as
aberturas causadas por problemas de nivelamento da laje já concretada na base do pilar;
Aprumar o pilar por meio de ajustes nas escoras laterais dos painéis, nas duas direções;
Posicionar as mangueiras ou tubos de PVC com chupetas plásticas ou amarris;
Fechar o painel da última face, travando todas as laterais com agulhas (barras roscadas) ou
tensores e castanhas.
b) Vigas
• Lançar os fundos de viga a partir dos topos das formas dos pilares, apoiando-os diretamente em
alguns garfos posicionados no vão abaixo da viga;
• Prever mosquitos para facilitar a desforma;
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 3 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
• Nivelar os fundos de viga com cunhas de madeira aplicadas na base dos garfos;
• Posicionar os demais garfos, travando-os com um sarrafo-guia pregado a meia altura dos garfos já
fixados;
• Levantar os demais garfos com o auxílio de cunhas até o nível correto encostando-os no fundo da
viga;
• Aprumar e alinhar todos os garfos;
• Quando agentes destinados a facilitar a desmoldagem forem necessários, devem ser aplicados
exclusivamente na fôrma antes da colocação da armadura e de madeira a não prejudicar a
superfície do concreto;
• Posicionar os painéis laterais, encostando-os na borda do painel de fundo.
•
•
•
•
•
•
•
c) Lajes
Escorar as longarinas em pontaletes sobre cunhas ou escoras metálicas e apoiar as extremidades
das longarinas próximas às vigas em sarrafos pregados nos garfos;
Lançar o assoalho da laje do andar superior sobre as longarinas, seguindo a identificação do
projeto. Pode-se pintar a posição das paredes no assoalho da laje, a fim de facilitar o trabalho e
evitar erros na locação de tubulações de elétrica e hidráulica e gabaritos de furação ou rebaixo;
Pregar o assoalho nos sarrafos laterais dos painéis das laterais das vigas. Este encontro de peças
deve ser perfeito, sem folga;
Pregar o restante do assoalho nas longarinas;
Quando agentes destinados a facilitar a desmoldagem forem necessários, devem ser aplicados
exclusivamente na fôrma antes da colocação da armadura e de madeira a não prejudicar a
superfície do concreto;
Nivelar os panos de laje ajustando-se a altura das escoras de apoio da fôrma por meio de cunhas e
caso haja, verificar a contra flecha;
Conferir o nivelamento utilizando nível de mangueira ou laser, e linha de náilon posicionada na face
inferior ou superior da fôrma.
3.3.
ARMADURA
• Cortar os fios e as barras de aço de acordo com as dimensões definidas em projeto e atentando
para comprimentos, transpasses e arranques mínimos de vigas e pilares;
• Dobrar as pontas em “L” ou em forma de gancho sempre de acordo com as orientações e
dimensões de projeto evitando curvas muito acentuadas, pois elas podem causar a quebra ou
enfraquecimento das regiões da dobra;
• Organizar as armaduras em forma de kits (devidamente identificados) para cada peça a ser
montada (área de laje, pilar, viga, etc.).
•
•
•
•
•
a) Pilares e Vigas
Posicionar duas barras de aço e fixar os estribos das extremidades;
Posicionar as demais barras e amarrá-las aos estribos das extremidades;
No caso de pilares, colocar um estribo auxiliar no topo dos arranques e outro na altura da laje;
Posicionar os demais estribos, conferindo os espaçamentos, o número de barras longitudinais e de
estribos;
Amarrar firmemente o conjunto em todos os pontos de contato e posicionar os espaçadores;
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 4 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
•
•
•
•
•
•
b) Laje
Posicionar e fixar os elementos metálicos auxiliares e gabaritos (“caixinhas”) para passagem das
instalações elétricas e hidráulicas;
Posicionar as barras da armadura principal e as barras da armadura secundária;
Amarrar os nós alternadamente, isto é, ferro-sim-ferro-não;
Posicionar as barras da armadura negativa, amarrando-as à armadura das vigas;
Após o término do serviço de montagem, limpar as fôrmas retirando as pontas de arames e outras
sujeiras, através de imã ou jato d´água;
Não permitir que a armadura tenha contato com as fôrmas e garantir o cobrimento mínimo
utilizando espaçadores plásticos ou moldados em obra.
3.4.
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
CONCRETAGEM
a) Pilares e Vigas
Lançar o concreto em camadas com espessura compatível com o comprimento da agulha do
vibrador (aproximadamente igual a três quartos do comprimento da agulha);
Acompanhar durante o lançamento, se não ocorrem deslocamentos da ferragem e outros
elementos;
Aberturas e orifícios usados pra trabalhos temporários devem ser preenchidos e acabados com um
material de qualidade similar à concreto da estrutura;
Em caso de chuva intensa, proteger a concretagem da chuva direta ou interrompê-la protegendo o
trecho já concretado com lona plástica;
Em nenhuma hipótese deve ser realizado o lançamento do concreto após o início da pega.
Concreto contaminado com solo ou outros materiais não deve ser lançado na estrutura.
b) Lajes
Distribuir as taliscas nivelando suas alturas por meio de um nível de mangueira ou laser;
Iniciar o lançamento do concreto de modo que este acabe próximo à saída do guincho ou poço da
escada;
Aberturas e orifícios usados pra trabalhos temporários devem ser preenchidos e acabados com um
material de qualidade similar à concreto da estrutura;
Em caso de chuva intensa, proteger a concretagem da chuva direta ou interrompê-la protegendo o
trecho já concretado com lona plástica;
Executar as mestras entre taliscas com o próprio concreto da laje;
Espalhar e adensar o concreto com uma enxada nos vazios entre as mestras e vibrar o concreto
evitando o contato da agulha do vibrador com as fôrmas e não vibrando o concreto pela armadura;
Sarrafear o concreto até que o nível atinja o mesmo nível das mestras e realizar o acabamento com
uma desempenadeira de madeira;
Iniciada a pega do concreto (cerca de duas ou três horas), proceder ao acabamento final das
superfícies, através de rodo-float ou helicóptero;
Em nenhuma hipótese deve ser realizado o lançamento do concreto após o início da pega.
Concreto contaminado com solo ou outros materiais não deve ser lançado na estrutura.
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 5 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
c) Cura Úmida
• Tão logo a superfície permita (secagem ao tato), iniciar a cura úmida, ou utilizar retentores de água
como sacos de estopa ou algodão, areia ou serragem saturados durante, no mínimo, 3 dias;
• Em regiões com incidência de sol intenso, recomenda-se cobrir as lajes com uma lona, a fim de
minimizar a perda de água por evaporação.
3.5.
DESFORMA
• Em elementos de concreto é fundamental que a remoção das fôrmas e escoramentos seja efetuada
em conformidade com a programação prevista no projeto estrutural;
• Começar a desforma pelos pilares, soltando-se os tensores;
• Retirar os painéis dos pilares, com cuidado para não danificá-los, desprendendo-os com o
desformador ou por intermédio de cunhas;
• Preservar os painéis de maiores dimensões e de pilares de canto, amarrando-os com cordas para
evitar eventuais choques ou quedas;
• Retirar as chupetas ou mangueiras para reaproveitamento posterior;
• Posicionar as reescoras das vigas, quando necessário, conforme recomendações do projetista;
• Retirar os sarrafos-guia e remover as cunhas laterais e da base dos garfos, para soltá-los;
• Desformar as laterais das vigas usando uma cunha entre o sarrafo de pressão e o assoalho da laje.
Caso não seja possível desse modo, retirar as escoras do terço central do vão, posicionar as
reescoras e, só então, proceder à retirada das escoras;
• Posicionar o reescoramento nas tiras do assoalho da laje, quando necessário, conforme
recomendações do projetista;
• Retirar as escoras e longarinas e desformar os painéis da laje;
• Em vigas e lajes em balanço, efetuar a desforma da borda livre em direção ao apoio, segundo
orientação do mestre ou do engenheiro da obra;
• Para evitar danos às longarinas, aos assoalhos e aos painéis de vigas devido a quedas, podem-se
usar redes, cordas ou cavaletes de apoio sob a laje, de maneira a amortecer os impactos.
4. PROTEÇÃO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS
• Deve-se tomar cuidado para que o escoramento de vigas e lajes não sofram impactos fortes de
maneira a impedir o desnivelamento das formas.
• Colocar pranchas de madeira e chapas de compensado sobre a armadura, no caso da necessidade
de transitar com carrinho sobre a laje armada. No momento da concretagem tomar cuidado para
não mudar as posições da ferragem, principalmente da armação negativa, corrigindo caso
necessário.
• Evitar o trânsito de pessoas ou impactos fortes sobre as peças recém concretadas, pelo menos nas
primeiras 12 horas.
PES - Procedimento de Execução de Serviço
Identificação: PES.014
Revisão: 00 Folha: 6 de 6
FORMA, ARMADURA E CONCRETAGEM
5. NORMAS DE REFERÊNCIAS
NBR 15696 - Fôrmas e escoramentos para estruturas de concreto – Projeto, dimensionamento e
procedimentos executivos;
NBR 14931 – Execução de estruturas de concreto – Procedimento.
Aprovado por:
Renato F. Gurevich
__/__/__
Data
Fly UP