...

as ações do Padre Ibiapina nos sertões do Nordeste.

by user

on
Category: Documents
15

views

Report

Comments

Transcript

as ações do Padre Ibiapina nos sertões do Nordeste.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
GRUPO DE PESQUISA: CULTURA, POLÍTICA E EDUCAÇÃO.
Trabalho, pobreza e caridade:
as ações do Padre Ibiapina nos sertões do Nordeste.
OSICLEIDE DE LIMA BEZERRA
NATAL
2010
1
OSICLEIDE DE LIMA BEZERRA
Trabalho, pobreza e caridade:
as ações do Padre Ibiapina nos sertões do Nordeste.
Tese apresentada ao Programa de PósGraduação em Ciências Sociais, da Universidade
Federal do Rio Grande do Norte, como requisito
parcial para obtenção do título de Doutor em
Ciências Sociais.
Área de concentração: Dinâmicas Sociais,
Práticas Culturais e Representações.
Orientador: Prof. Dr. José Willington Germano.
NATAL
2010
2
OSICLEIDE DE LIMA BEZERRA
A tese intitulada Trabalho, pobreza e caridade: as ações do Padre Ibiapina nos sertões
do Nordeste, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, da
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na Área de concentração Dinâmicas
Sociais, Práticas Culturais e Representações, foi____________________________
no dia ___________de ____________________de 2010.
BANCA EXAMINADORA
________________________________________________________________
Prof. Dr. José Willington Germano
(Orientador / Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
_________________________________________________________________
Prof. Dr. José Antonio Spinelli Lindoso
(Examinador / Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
_________________________________________________________________
Prof. Dr. Orivaldo Pimentel Lopes Júnior
(Examinador / Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
_________________________________________________________________
Prof. Dr. Hermano Machado Ferreira Lima
(Examinador / Universidade Estadual do Ceará)
_________________________________________________________________
Profa. Dra. Josineide Silveira de Oliveira
(Examinadora / Universidade Estadual do Rio Grande do Norte)
_________________________________________________________________
Profa. Dra. Brasília Carlos Ferreira
(Suplente / Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
_________________________________________________________________
Prof. Dr. Lemuel Rodrigues da Silva
(Suplente / Universidade Estadual do Rio Grande do Norte)
NATAL, 2010.
3
Para Gabriel e Alexandre, meus amores.
Para Maria Eduarda; para meus pais e irmãos, pelo apoio incondicional.
4
AGRADECIMENTOS
“(...) É preciso partir/é preciso chegar/é preciso partir, é preciso chegar...
Ah, como esta vida é urgente!” (Mário Quintana – Poema Transitório)
Nunca estamos sozinhos na tarefa artesanal da escrita, no pensamento.
Estamos sempre em sintonia com leituras que fizemos, com idéias dos outros,
com o apoio dos outros. Tomando o trecho acima da poesia de Mário Quintana,
gostaria de registrar que para começar a escrever este trabalho muitas coisas e
pessoas foram necessárias. E para terminá-lo também. Mas considero que
estamos sempre “chegando” cada vez que nos sentamos para escrever, pois
nenhum trabalho acadêmico, de fato, acaba; nem mesmo poderia.
Toda
atividade acadêmica de reflexão e pesquisa é permanente. E chegamos neste
momento a uma etapa “urgente”, já que era preciso terminar a tese. E agora cabe
registrar os nomes dos que tornaram possível esta caminhada.
Devo enorme gratidão ao meu orientador, professor José Willington
Germano. Pude contar com seu apoio e confiança desde antes desta jornada ter
tido partida; e continuei contando com ele em momentos nevrálgicos. Meu
registro, neste caso, não se deve somente ao apoio acadêmico e intelectual. Devo
também fazer um registro do afeto que pude encontrar no intercâmbio da
orientação acadêmica. Ao lado da professora Raimunda Medeiros Germano,
ambos foram sempre exemplos de humanidade, serenidade e competência e
tiveram papel fundamental em minha trajetória acadêmica e para além dela. Serei
sempre grata a estas pessoas queridas e admiradas.
Também sou grata aos professores que formaram a banca de avaliação
para o exame de qualificação da tese: os professores Orivaldo Pimentel Lopes
Júnior e José Antonio Spinelli Lindoso apreciaram o texto com enorme acuidade e
rigor. Os comentários feitos foram iluminadores; tornaram possíveis a organização
das idéias, o deslocamento do meu pensamento para questões fundamentais que
não haviam sido contempladas até aquela etapa de produção da pesquisa. Mas,
além disso, também tiveram papel fundamental em minha formação, nos cursos
de graduação e pós-graduação; sustento grande admiração e carinho pelos dois.
5
Agradeço ainda aos funcionários do Programa de Pós-Graduação em
Ciências Sociais, sempre cordiais, dedicados e prestativos, e em especial à
Otânio Revoredo Costa. Pude contar ainda com a amabilidade da freira Maria
Candeia e com o apoio do Padre José Floren; ambos me receberam no Santuário
de Santa Fé (Solânea-PB) e o Padre José, sendo o responsável pelo acervo de
informações existente sobre o Padre Ibiapina em Solânea, disponibilizou acesso e
consulta a toda documentação lá reunida.
Aos amigos, algumas vezes distantes fisicamente, mas sempre dispostos a
ajudar; assim foi com Lenina Lopes Soares Silva; muitas vezes lhe escrevi
pedindo favores, muitas vezes ela se adiantou para resolvê-los, sempre com
boa vontade. Em vários momentos contei com seu apoio e afabilidade. E
também ao professor Pablo Andrada, da Universidade Federal da Paraíba.
Devo
gratidão
e
reconhecimento
também
a
vários
colegas,
instituições e familiares que aqui não estão nomeados, mas que fizeram
parte direta ou indiretamente da construção deste trabalho.
6
RESUMO
Trabalho, pobreza e caridade: as ações do Padre Ibiapina nos sertões do
Nordeste.
O estudo partiu de uma investigação acerca do processo de educação,
moralização e disciplinamento dos pobres dos sertões do Nordeste na segunda
metade do século XIX, através da incorporação dos valores do trabalho produtivo.
Para isso tomamos como campo de estudo as missões do Padre José Antônio
Pereira Ibiapina (1806-1883), através das quais foi empreendida uma obra
extensa que inclui desde a construção de vinte e duas (22) Casas de Caridade
nos Estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Ceará e Piauí até a
construção de açudes, igrejas, cemitérios, hospitais, etc. Dado o caráter sóciohistórico da pesquisa, adotamos métodos qualitativos de análise e os seguintes
procedimentos: levantamento e análise de documentos, do estatuto e regimento
que ordenavam o funcionamento das Casas de Caridade, biografias escritas
sobre o Padre Ibiapina e os relatos das missões, além de variadas publicações
sobre o missionário. Nosso período de estudo volta-se para os seus 27 anos de
atuação missionário-religiosa (1856 a 1883). Buscamos ao longo do trabalho
empreender uma análise sobre o tema da pobreza, a qual foi observada a partir
do olhar religioso cristão medieval até a modernidade, quando deixa de
representar um valor e se torna um problema a ser resolvido através do trabalho.
O contexto sócio-político em que viveu o Padre Ibiapina no Nordeste foi marcado
pelas conseqüências das secas e das crises e oscilações econômicas vividas
pela região. As análises dos documentos pesquisados indicam que, numa
conjuntura de fraqueza política e de desinteresse por parte da política nacional e
local com as demandas regionais, suas ações missionárias produziam forte eco.
Partindo de uma ética de valorização do trabalho, que condensava elementos
modernos e tradicionais, suas ações instituíram práticas de disciplinamento,
moralização e educação civil das classes pobres, fundando, simultaneamente,
uma experiência religiosa pragmática voltada para a resolução dos problemas
causados pela pobreza. Desta forma, constatamos que tais ações se conectam
ao amplo processo de educação e moralização dos pobres, mas sua análise
revela ainda como se inscreveram na ordem social articulando aspectos
avançados para a época com aspectos de conservação do sistema vigente.
Palavras-chaves: Padre Ibiapina; Trabalho; Pobreza; Ações Missionárias.
Nordeste.
7
ABSTRACT
Work, poverty and charity: Father Ibiapina‟s actions in the Northeastern
Backlands.
This work started from an investigation concerning the process of education,
moralization and disciplining of the poor in the backlands of the Brazilian Northeast
region, in the second half of the 19th century, through the incorporation of the
values of productive work. In order to do so, we took as our field of investigation
the missions of Father José Antônio Pereira Ibiapina (1806-1883), in which an
extensive work was developed, including the construction of twenty two (22)
“charity houses” in the States of Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco,
Ceará e Piauí, but also of weirs, churches, graveyards, hospitals and so forth.
Given the socio-historical character of the research, we adopted qualitative
methods of analysis and the following procedures: survey and analysis of
documents, statute and internal rules that ordered the workings of the charity
houses; biographies on Father Ibiapina and the missions‟ reports, as well as
various sorts of publications on the missionary. Our study comprises his 27 yearperiod of missionary-religious activity (1856-1883), and undertakes an analysis on
the topic of poverty, since the medieval Christian take on it until modernity, when it
stops representing a value and becomes a problem to be solved through work.
The socio-political context in which Ibiapina lived in the Northeast was marked by
the consequence of droughts and economic crises in the region. The analysis of
the documents indicates that, in the circumstances of political weakness and lack
of interest for regional demands by the national political agenda, his missionary
actions produced strong effects. Starting from an ethics of valorization of work,
which combined modern and traditional elements, his actions set up disciplinary,
moralizing and civil educational practices of the poor, founding, simultaneously, a
pragmatic religious experience directed at the resolution of the problems caused
by poverty. In that sense, we observe that such actions are connected to the
broader process of moralization and education of the poor, but the analysis also
suggests that their inscription into the social order articulated both forward as well
as conservative aspects of the established system.
Key-words: Father Ibiapina; Work; Poverty; Missionary actions; Northeast.
8
RESUMEN
Trabajo, pobreza y caridad: las acciones del Padre Ibiapina en los
sertones del Nordeste brasileño.
El estudio partió de una investigación acerca del proceso de educación,
moralización e instauración disciplinar de los pobres de los sertones del Nordeste
brasileño en la segunda mitad del siglo XIX a través de la incorporación de los
valores del trabajo productivo. Para eso, tomamos como campo de estudio las
misiones del Padre José Antônio Pereira Ibiapina (1806-1883), a través de las
cuales fue emprendida una obra extensa que incluye desde la construcción de
veintidós (22) Casas de Caridad en los Estados de Rio Grande do Norte, Paraíba,
Pernambuco, Ceará y Piauí, hasta la construcción de embalses, iglesias,
cementerios, hospitales, etc. Dado el carácter socio-histórico de la investigación,
adoptamos métodos cualitativos de análisis y los siguientes procedimientos:
levantamiento y análisis de documentos, del estatuto y régimen que ordenaba el
funcionamiento de las Casas de Caridad, biografías sobre el Padre Ibiapina y los
relatos de las misiones, además de varias publicaciones sobre el misionario.
Nuestro período de estudio se fundamenta en sus 27 años de actuación
misionario-religiosa (de 1856 a 1883). Buscamos a lo largo del trabajo emprender
un análisis sobre el tema de la pobreza observada a partir de una mirada
religiosa, desde lo cristiano medieval hasta llegada la modernidad cuando deja de
representar un valor y se vuelve un problema a ser resuelto a través del trabajo.
El contexto socio-político en que vivió el Padre Ibiapina en el Nordeste brasileño
estuvo marcado por las consecuencias de las sequías y de las crisis y
oscilaciones económicas vividas en la región. Los análisis de los documentos
investigados indican que en una coyuntura de debilidad política y de desinterés
por parte de la política nacional y local para con las demandas regionales, sus
acciones misionarias terminaron produciendo un fuerte eco. Al partir de una ética
de la valorización del trabajo que condensaba elementos modernos con los
tradicionales, sus acciones instituyeron prácticas disciplinares, de moralización y
de educación civil de las clases pobres fundando, simultáneamente, una
experiencia religiosa pragmática orientada hacia la resolución de los problemas
causados por la pobreza. De esta forma, constatamos que tales acciones se
conectan al amplio proceso de educación y moralización de los pobres, aunque su
análisis revela también cómo éstos se inscribieron en el orden social articulando
aspectos avanzados para la época con aspectos de conservación del sistema
vigente.
Palabras-llave: Padre Ibiapina; Trabajo; Pobreza; Acciones Misionarias; Nordeste
Brasileño.
9
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Foto 01 – Trabalho no campo (pintura em azulejo)...............................................34
Gravuras 01, 02 e 03 – Mendigos com muletas....................................................46
Gravuras 04, 05 e 06 – Mendigos com muletas e deficiências nas pernas...........47
Gravuras 07, 08 e 09 – Mulheres com crianças....................................................47
Gravuras 10 e 11 – Mendigo e mendiga com rosário............................................48
Gravuras 12, 13 e 14 – Mendigos à espera da caridade......................................48.
Foto 02 – Irmã servindo alimentos (pintura em azulejo)........................................70
Fotos 03, 04 - Santuário Padre Ibiapina – Santa Fé (Solânea/PB).....................113
Fotos 05, 06 e 07 – Casa de Caridade de Santa Fé (Solânea/PB).....................113
Fotos 08 e 09 – Casa do Padre Ibiapina..............................................................114
Fotos 10 e 11 – Casa dos Milagres.....................................................................114
Foto 12 – Trabalho de fiação (Pintura em azulejo)..............................................140
Foto 13 – Irmãs e internas trabalhando (Pintura em azulejo)..............................141
Foto 14 – Órfãos estudando (Pintura em azulejo)...............................................142
Foto 15 – Padre Ibiapina em celebração religiosa (Pintura em azulejo)..............151
Foto 16 – Padre Ibiapina observando a rotina na Casa de Caridade (Pintura em
azulejo).................................................................................................................163
Fotos 17 e 18 – Santuário de Santa Fé em 19 de fevereiro de 2010..................196
Fotos de algumas Casas de Caridade.................................................................198
10
LISTA DE QUADROS E TABELAS
Quadro 01-Principais publicações sobre o Padre Ibiapina................................... 28
Quadro 02-Produção acadêmica que trata da vida e/ou obra do Padre Ibiapina..31
Quadro 03-Casas de Caridade, por ano de construção......................................117
Quadro 04-Missões do Padre Ibiapina, por localização e data............................197
Tabela 01 – Número de ocupados em 1875......................................................... 76
11
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO......................................................................................................12
Trilhas metodológicas............................................................................................24
Estrutura da tese....................................................................................................31
PARTE I: POBREZA, CARIDADE E TRABALHO..................................................35
Capítulo 01: A Pobreza consentida e a pobreza a ser remediada: as mudanças
nos discursos da idade média para a moderna.....................................................35
1.1 O pobre e a pobreza na idade média...............................................................37
1.2 A pobreza remediada por uma categoria moderna e ambivalente: o
trabalho..................................................................................................................51
1.3 Questões contemporâneas relativas ao tema..................................................62
Capítulo 02: A pobreza no Brasil e no Nordeste de Ibiapina...............................70
2.1 Pobreza no Brasil do século XIX......................................................................75
2.2 As secas nos sertões de Ibiapina....................................................................82
PARTE II: O PADRE IBIAPINA, AS MISSÕES E A EXPERIÊNCIA RELIGIOSA.98
Capítulo 03: Contra a Pobreza, pela oração e pelo trabalho: a vida do Padre
Ibiapina e suas missões.........................................................................................98
3.1 Traços biográficos de um peregrino esquecido.............................................100
3.2 A morte e a viva lembrança do Padre Ibiapina na memória popular através do
Santuário de Santa Fé.........................................................................................111
3.3 A ação missionária do Padre Ibiapina...........................................................116
3.4 Trabalho, oração e caridade nas Casas do Padre Ibiapina...........................134
Capítulo 04: O Padre Ibiapina e a Igreja Católica oficial no período..................151
Capítulo 05: Ética e religiosidade para uma vida prática....................................163
CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................................179
Referências bibliográficas....................................................................................187
Referências e documentos sobre o Padre Ibiapina.............................................193
APÊNDICE A - Construções e obras do Padre Ibiapina por ano.........................195
APÊNDICE B - Imagens do Padre Ibiapina e fotos do Santuário de Santa Fé
(Solânea-PB)........................................................................................................198
ANEXO A – Fotos de algumas Casas de Caridade.............................................199
ANEXO B – Mapa das missões com indicação das Casas de Caridade.............202
12
“Deus – amor; Jesus – caridade; trabalho – alegria; sofrer – gozar;
silêncio – prudência; humildade – juízo”.
(Escritos nas portas das Casas de Caridade)
Introdução
“Padre Ibiapina: advogado, pastor e... Pai dos órfãos”. Este é o título de um
cordel de Manoel Monteiro, produzido em Campina Grande (PB) em 2006. José
Antônio de Maria Ibiapina1, o Padre Ibiapina (1806-1883), nasceu na cidade
cearense de Sobral, foi deputado, advogado, juiz de direito. Aos 47 anos decide
abandonar a vida civil e se torna padre indo posteriormente peregrinar pelos
sertões do Nordeste brasileiro a fim de construir “uma obra de assistência e
educação, a fim de curar o operário e preparar para fins domésticos a mulher
pobre dos sertões” (MARIZ, Celso, 1997, p.114). Ele teria sido, conforme um de
seus principais biógrafos, um homem “profundamente preocupado em combater a
ociosidade, a negligência, os vícios e os crimes” (MARIZ, Celso, 1997, p.116). O
cordel de Manoel Monteiro conta:
Aos 26 anos tinha
Anel de doutor na mão
E u‟a moça bonita
Plantada no coração,
Só que a bela Carolina
Envolveu Ibiapina
Com os laços da traição
Juntando a decepção
Desse amor desventurado,
O pai condenado à morte
E o irmão degredado
1
Este é o nome de batismo do Padre Ibiapina; no entanto ele adotou o nome Maria em
substituição ao Pereira quando se tornou religioso, ficando conhecido então como José Antônio de
Maria Ibiapina; a adoção do “Maria” é uma referência à Maria, mãe de Jesus. Iremos nos referir ao
Padre, daqui para frente, como Padre Ibiapina ou José Antônio de Maria Ibiapina.
13
Pra Fernando de Noronha
Essa lembrança medonha
Esteve sempre ao seu lado.
A mãe morta logo cedo
Talvez por tanta amargura;
Ao fechar seu coração
Para o amor carnal jura
Que estava optando ali
Em vez de amar só para si
Amar toda criatura.
Contava 47 anos quando iniciou a vida sacerdotal
E o Nordeste ganhou
Um grande obreiro e um Santo
Fato provado como tanto de obras que semeou.
Naqueles tempos difíceis
De medicina precária
Alguns morriam de cólera
Outros de tifo e malária
Até o reles sarampo
Atacava vila e campo
Com fúria extraordinária.
O Padre Ibiapina peregrinou por cinco Estados da região Nordeste
construindo açudes, cemitérios, capelas, cacimbas, igrejas e Casas de Caridade.
Suas obras, suas missões por vilas e cidades, e a lembrança de sua presença
permanecem na memória popular e podem ser observadas através de uma visita
ao Santuário de Santa Fé, localizado no brejo paraibano, no município de
Solânea. O Santuário reúne a antiga Casa de Caridade de Santa Fé, a casa onde
o Padre Ibiapina morou seus últimos anos de vida e onde ele morreu, além de
uma igreja, um museu, uma pequena capela que guarda seus restos mortais, a
casa
que
abrigava
as
beatas2
e
outros
prédios
anexos
construídos
posteriormente. Também conhecido como Santuário do Padre Ibiapina – o lugar
2
Segundo Hoornaert (1991, p.170, grifos do autor), Beato ou Beata é o “tipo de cristão engajado
na “via peregrina” ou no cristianismo itinerante. É também chamado “devoto” ou “romeiro”. Foi
marginalizado pela romanização.” É neste sentido que usamos o termo no texto, referindo-nos aos
seguidores devotos do Padre Ibiapina.
14
recebe devotos vindos de vários Estados do país e das cidades e arredores
vizinhos. Os romeiros vão até o local agradecer por curas supostamente obtidas
graças à fé no Padre Ibiapina, pagar promessas e orar pelo missionário que é
considerado um santo pelas populações locais.3
As Casas de Caridade figuram como suas principais obras e totalizam vinte
e duas. As idéias iniciais do projeto de pesquisa desta tese tiveram início ainda
durante nossos estudos para a dissertação do mestrado4, no momento em que
tomamos conhecimento da existência destas instituições.
O pouco que
conhecíamos delas bem como deste “peregrino da caridade”, como é chamado
pelo Cônego F. Sadoc de Araújo, outro importante biógrafo, restringia-se a
algumas indicações obtidas a partir de um trabalho acadêmico produzido no
Estado da Paraíba5.
Imediatamente chamou nossa atenção o modelo empregado nestas
instituições, de orientação, regulação, moralização dos acolhidos através do
trabalho – categoria que assumia um valor positivo, no contexto de uma
sociedade ainda escravocrata; num tempo em que parecia muito incipiente pensar
uma educação para o trabalho.
3
A Organização da Sociedade Civil e de Interesse Público (OSCIP) Para‟iwa juntamente com a
PBTur e o SEBRAE, com a colaboração do governo do Estado criaram em 2004 um projeto
intitulado “Os caminhos do Padre Ibiapina”. O roteiro ecológico e religioso de peregrinação,
inspirado no espanhol Caminho de Santiago de Compostela, passa por localidades como
Guarabira (PB) e Bananeiras (PB) e outros municípios e leva ao Santuário de Santa Fé. O roteiro
turístico tem servido para muitos romeiros visitarem e conhecerem a história do Padre Ibiapina.
4
BEZERRA, Osicleide de L. “Vai trabalhar, vagabundo”: valores e representações sobre o
trabalho. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do
Norte, Natal, 2006. A dissertação teve como objeto de estudo a ética do trabalho, compreendida
enquanto expressão de um padrão de conduta que se manifesta no imaginário social tornava-se
elemento capaz de regular moralmente as relações e valores, produzindo códigos definidores de
comportamentos aceitos.
5
DINIZ, Ariosvaldo da Silva. A maldição do trabalho: homens pobres, mendigos, ladrões no
imaginário das elites nordestinas: 1850-1930. 174 p. Dissertação de Mestrado em Ciências
Sociais, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1988.
15
Este modelo nos levou a considerar inicialmente que a mobilização popular
que o missionário provocava por onde passava, bem como suas ações de
moralização, orientadas pelos preceitos religiosos cristãos, possuíam um caráter
moderno e eram marcadas por uma valorização do trabalho e pela construção de
um modelo de ordenação social ancorado nas noções de civilidade, regularidade,
disciplina, moralidade e utilidade social. Dentro das suas instituições o trabalho
era considerado um elemento disciplinador e purificador, capaz de atalhar a
ociosidade, “perigosa inimiga da alma”.
Partindo da prerrogativa acima buscamos investigar o processo de
educação, moralização e disciplinamento dos pobres dos sertões do Nordeste, na
segunda metade do século XIX, através da incorporação dos valores do trabalho
produtivo. Para tanto, tomamos as missões do Padre Ibiapina e todo conjunto de
sua obra, destacadamente as Casas de Caridade, como campo de pesquisa já
que nos parecia exemplo deste processo. Partimos neste momento do argumento
central de que as Casas de Caridade bem como as ações do missionário de
modo geral, aproximavam-se dos preceitos de uma moderna ética do trabalho, e
se articulariam ao processo mais geral de aprendizagem das relações sociais de
produção, na medida em que se apresentaram na história como agentes de
transformação dos pobres e miseráveis, potenciais ameaças ao tecido social, em
trabalhadores ordeiros e produtivos. Tais instituições e ações que representam a
vida e obra do missionário Ibiapina, na medida em que foram idealizadas e
geridas como espaços de supressão da pobreza, do ócio, da imoralidade e da
desocupação, teriam também promovido a disseminação deste conjunto de
valores.
16
Ao longo da construção deste trabalho muitas questões surgiram e outras
se tornaram mais complexas. Embora as ações do Padre Ibiapina tenham tido
sua participação no processo de educação, moralização e disciplinamento dos
pobres dos sertões do Nordeste e possam ser caracterizadas também como
ações modernas para a época, elas não podem ser analisadas somente a partir
destas prerrogativas assim como a ética do trabalho executada nas instituições do
missionário e apregoada em suas missões.
Além disto, o conceito de
modernidade não pode ser considerado aqui de forma totalizante. Nossas
análises das ações de Ibiapina não são redutíveis a este conceito. Afinal, a
modernidade não havia chegado por aqui rompendo com referenciais tradicionais,
substituindo-os por modelos impessoais e racionalizados. A chegada das idéias
modernas e liberais econômicas no país não significou a adoção de um novo
modelo ou estilo de vida conforme o que se estabelecia na Europa desde o século
XVII (Giddens, 1991). Apesar disto, o próprio termo modernidade é usado de
forma recorrente, sempre fazendo referência aos ecos que a modernidade
capitalista já havia provocado por aqui.
A ética do trabalho que conduzia as ações do Padre Ibiapina partia, de fato,
de uma valorização desta categoria. A função do trabalho e a centralidade que
alcançou na pedagogia de educação e moralização empregada nas Casas de
Caridade e vista na obra do missionário como um todo, se aproxima em alguns
aspectos dos preceitos modernos de valorização do trabalho produtivo. Mas, o
desenvolvimento da pesquisa nos permitiu perceber que, para além de nossas
idéias iniciais, esta ética se inscreveu historicamente num contexto sócioeconômico nacional marcado por uma ordem paradoxal, que continha ao mesmo
17
tempo elementos modernos e tradicionais. Conflitos econômicos, sociais, políticos
e ideológicos decorriam das tensões existentes entre um liberalismo econômico e
um conservadorismo colonial escravista. As reflexões de Alfredo Bosi (1992),
desenvolvidas na Dialética da colonização nos ajudam a pensar estas questões,
que desenvolvemos mais a frente.
Enquanto nas áreas mais dinâmicas economicamente do país respiravamse os anseios deste liberalismo e da modernidade a qual nos referimos, nos
sertões da região Nordeste, onde atuou o Padre Ibiapina, se alastravam as
doenças e crescia a pobreza causada pelas secas. Neste ínterim, configurou-se
uma ética do trabalho com práticas de organização e funcionamento
racionalizadas, que se aproximava da ética produtivista moderna, mas que,
simultaneamente, também exprimia motivações cristãs tradicionais, se voltava
para a pobreza a fim de remediá-la.
A consideração do cenário nacional e local nos leva a destacar ainda que,
diferentemente do que começava a ocorrer nesta época, a pobreza era
considerada pelo missionário um problema a ser remediado não por ser uma
ameaça ao sistema, portanto, não por ser um problema da modernidade –
enquanto ameaça à ordem social. Mas, principalmente, por ser considerada
geradora de flagelo e de indignidade. Deste modo, ele empreendeu ações sobre a
pobreza através do trabalho, as quais deveriam também se constituir como ações
oriundas dos pobres (orientados pelas pregações, pela educação moral), no
sentido de se produzir uma existência material e social dentro dos parâmetros que
o “pai espiritual” Ibiapina considerava razoável.
18
Os temas da pobreza e do trabalho, “palavras-chaves” que fizeram parte da
história de vida e da obra do Padre Ibiapina, têm destaque em função de uma
prerrogativa importante: a partir do que se convencionou chamar de modernidade,
a pobreza torna-se um imbróglio a ser resolvido através do trabalho. A questão
sai da órbita da Igreja Católica e se torna questão pública. Tendo chegado a ser
considerada um valor espiritual na idade média cristã, torna-se então, um estado
indigno, que remete ao ócio, à vagabundagem e à improdutividade. Daí a corrida
para ocupar todos os pobres considerados capazes em trabalhadores úteis, o que
ocorreu em todo o mundo conforme se instaurava a dinâmica econômica
produtivista.
Mas, além disso, demos destaque ao que pode configurar um “dado” novo
ao conhecimento: quem foi o Padre Ibiapina, o que significou a sua obra, o que
ficou dela. Senão podemos falar em dado “novo”, podemos ao menos dizer, com
certeza, um dado ainda a ser desvelado, esmiuçado cautelosamente, e,
sobretudo, organizado. Isto porque o que se conhece, de fato, documentalmente,
a respeito do missionário, deriva principalmente de esforços isolados de alguns
investigadores, muitas vezes religiosos, dedicados à história do Padre, a qual tem
sobrevivido nas notas de rodapé de um Nordeste antigo, ou na mitificação e
santificação popular ainda viva através da oralidade6. Na medida em que nos
voltamos para o estudo da vida e obra do Padre Ibiapina, algumas problemáticas
relacionadas à sua atuação e ao seu pensamento se apresentaram; nem todas,
infelizmente, pudemos responder categoricamente. Nossas aproximações são
limitadas pela condição historiográfica e temporal da pesquisa; mas também
6
Nos últimos anos tem crescido o interesse por parte da academia. Mais a frente, faremos
referência à produção acadêmica dedicada ao assunto.
19
porque toda leitura não deixa de ser uma interpretação autoral. Embora tenhamos
tentado nos cercar das mediações necessárias para construir as questões e
tentar
respondê-las,
não
deixamos
de
ter
em
mente
os
obstáculos
epistemológicos e empíricos existentes.
Entendemos como a obra deste missionário desde o conjunto de suas
ações de atenção aos pobres, aos miseráveis, e aos órfãos, a construção dos
açudes, igrejas, cemitérios, hospitais, etc., até a construção das vinte e duas (22)
Casas de Caridade, erguidas durante suas missões por cinco Estados da atual
região do Nordeste: Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba e Pernambuco.
Atribui-se ainda, ao peregrino, a fundação do jornal A Voz da Religião no Cariri 7 e
a fundação de vários municípios, que contam em suas histórias de fundação com
a mobilização promovida pelo Padre Ibiapina durante suas missões populares.
As missões do Padre Ibiapina pelas vilas e cidades eram eventos de forte
mobilização das populações através dos rituais religiosos e dos mutirões de
trabalho organizados para a execução das inúmeras construções. Suas ações se
caracterizam por uma religiosidade popular e erudita ao mesmo tempo. Ele
socorria através da caridade cristã os sertanejos do Nordeste, ao mesmo tempo
em que executava ideais de civismo e produtividade. O período em que atuou o
Padre Ibiapina, de 1856 até 1883, cerca de 27 anos, remete à miserabilidade e ao
flagelo social ocasionados pelas sucessivas secas ocorridas nos sertões, que
provocavam movimentos migratórios em direção às províncias. O afluxo de
miseráveis que começava a se concentrar nas cidades passava a significar uma
ameaça à ordem social. O contexto demandava a fundação de um novo estado
7
O Jornal publicou suas edições dentre os anos de 1868 e 1870.
20
de valores civilizadores e reguladores, que deveria ser aplicado às camadas mais
pobres, evitando-se assim a improdutividade, a ineficiência, a inutilidade, a
indisciplina, a imoralidade – adjetivos associados aos desocupados e ociosos e
àqueles que não trabalhavam. Além disso, tornava-se urgente o atendimento das
necessidades mais básicas das populações atingidas pelas secas e pela miséria:
fome, pobreza extrema, abandono das autoridades públicas. Neste contexto
começava a se ensejar a elaboração e execução por parte das autoridades de
todo um conjunto de práticas de confinamento e perseguição de pessoas pobres
e a observação dos considerados incapazes para o trabalho. Deste movimento
farão parte em maior ou menor escala de participação, não só os poderes
públicos, mas também, posteriormente, a igreja católica, que já não dava conta de
atender a pobreza crescente em nome da caridade cristã.
O século XIX representou a fase de consolidação do modelo capitalista, o
qual, impulsionado pela revolução industrial, provocou transformações profundas
na economia e na sociedade. Deste movimento de caráter histórico, social,
político e, sobretudo econômico, resultou a transferência de muitos miseráveis
dos campos para as províncias em busca de trabalho. A pobreza crescente nos
campos e nas cidades, bem como o grande número de pobres desocupados que
começavam a se aglomerar nas províncias passavam a representar um risco para
a ordem social. Governantes e donos de capital passaram a manifestar suas
preocupações com a necessidade de se criar mecanismos de coação da massa
dos desocupados. Essa preocupação se traduziu numa re-significação da
categoria trabalho, a qual já não era mais somente uma relação do homem com a
natureza a fim de produzir a subsistência; nem era mais a ação qualificada dos
21
Mestres e aprendizes de ofícios. Ela passava a ser uma ação produtiva numa
sociedade de acumulação e de produção de mercadorias. E já era tempo de
ocupar a massa dos desocupados e fazê-los adotar um novo modo de vida.
Decorre também desta fase a premente constituição de mercados de
trabalho na Europa através dos quais os então chamados livres, poderiam se
inserir no modelo capitalista da sociedade salarial. Isto exigia, contudo, a
disseminação dos valores do trabalho como modeladores das condutas dos
indivíduos. No caso do Brasil, os livres e libertos recém-saídos da sociedade
escravista no final do século XIX compunham grupos sociais considerados na
época como potenciais “vagabundos”, sujeitos entregues aos vícios. Era
necessário difundir os ideais do trabalho e educar civilmente os homens e
mulheres. Essa difusão era necessária porque a modernidade capitalista
precisava contar com braços capazes de atender as demandas produtivas da
sociedade. Capazes não só pela disponibilidade real, mas também mental e
ideológica8. Envolver fisicamente, moralmente e ideologicamente produzindo-se
uma educação para o trabalho foi uma demanda da nova ordem produtiva; o que
8
O que chamamos aqui de uma disponibilidade real, mental e ideológica se traduz melhor pelos
vários ângulos estreitamente interdependentes pelos quais podemos examinar a categoria
trabalho, conforme apresentada por Georges Friedmann no clássico Tratado de Sociologia do
Trabalho (1978). São eles: o técnico, o fisiológico, o moral e psicológico, e social. Sob o ângulo
técnico considera-se que o trabalho uma categoria que depende da competência técnica, do
conhecimento que o trabalhador detém para executar uma tarefa dada. Mas não é só isso: “este
compreende a força motriz que a alimenta, a disposição intrínseca dos órgãos, a sua relação com
as máquinas vizinhas, o sistema de alimentação, as intervenções que se exigem do operador, etc.
Notemos que o posto de trabalho está mais ou menos adaptado ao operador” (FRIEDMANN,
1978, p.26). Do ponto de vista fisiológico, a execução de uma tarefa apresenta relação com o
corpo do operário, com certa constituição física, com as condições do ambiente (luz, cores,
umidade, ventilação, ruído). “Trata-se aqui do grau de adaptação do homem ao posto de trabalho
e ao se meio físico” (FRIEDMANN, 1978, p.26). Também se deve considerar o aspecto moral e
psicológico, visto que toda atividade humana supõe atividades psíquicas; pergunta-se aqui, por
exemplo, quais as reações mentais de um trabalhador à tarefa cotidiana, quais as suas
motivações para executá-la, qual o grau de consciência, de satisfação profissional a que ele pode
chegar? Trata-se aqui da interação entre a atividade do trabalho e a personalidade do trabalhador,
suas atitudes mentais, morais. E ainda, sob o ângulo social, deve-se considerar que o trabalho
moderno é executado em coletividade. O trabalhador está ligado a vários grupos – desde a equipe
de trabalho até, fora deste ambiente, os vínculos sociais e públicos – bairro, família, classe, etc.
22
foi feito no século XIX especialmente através da transformação das classes
pobres em classes trabalhadoras. A pobreza, o ócio, a mendicância, a
vagabundagem são mal vistos pela sociedade moderna9.
Os últimos dois a três séculos da história do capitalismo foram
fundamentais para a afirmação desta ética moderna do trabalho, à qual se liga
uma moral disciplinadora do corpo social, capaz de conduzir e modelar
comportamentos, adequando-os às demandas do modelo capitalista de produção,
e produzindo uma sociedade do trabalho e propiciando a sedimentação dos
princípios produtivistas.
Dentre os diversos mecanismos adotados ao longo da história do
capitalismo moderno para se disciplinar e moralizar os homens pobres, podemos
citar: perseguição, ocupação em frentes de trabalho, regulamentação da vida dos
mais pobres ou mesmo a criação de instituições que funcionaram como escolas
de aprendizes, e difundiram os valores da emergente ordem produtiva. Homens e
mulheres tiveram que se adequar à nova ordem. Forjar corpos adestrados para o
trabalho, usando aqui uma expressão „foucaultiana‟, ou seja, fabricar sujeitos
ideologicamente submetidos à ordem produtiva representava uma tarefa
fundamental para a criação de uma nova moral, fundadora de um modelo de
organização salarial da sociedade. O processo de aprendizagem de ofícios,
dentro da lógica produtivista, e o disciplinamento dos corpos e espíritos para
trabalhar, permitiram a aceitação e o compartilhamento coletivo da idéia de que o
9
Nos discurso religioso também verificamos transformações no tratamento dispensado ao tema
do trabalho. Se antes, pelo menos até o fim da chamada idade média, a pobreza e a mendicância
eram considerados valores nobres, na modernidade passam a ser considerados potenciais
ameaças à ordem. Voltaremos a tais questões nos dois primeiros capítulos.
23
trabalho era um bem comum, um valor supremo, capaz de produzir qualificações
sociais, a ponto distinguir socialmente os que trabalhavam, considerados úteis,
honrados, dignos, daqueles que não trabalhavam, considerados vagabundos,
perigosos à ordem social, inúteis. A aceitação de tais idéias, convertidas em
valores sociais, funcionava como elemento regulador da vida coletiva.
A oposição entre a imagem que se fixava no imaginário coletivo do
trabalhador versus o vagabundo começa a ser cravada através da perseguição
aos transviados, aos errantes e imorais, por meio da polícia, das leis que regiam a
vida dos pobres. N‟O Capital de Marx (1978), por exemplo, há referências sobre a
Lei dos Pobres, uma legislação criada para controlar, vigiar e punir os
expropriados, tidos como perigosos, que eram sobrantes de um mercado de
trabalho que não absorvia a todos.
Embora o processo de disseminação dos valores do trabalho tenha
transcorrido de maneiras diferentes na Europa e em todo o mundo, também
observamos no cenário nacional e local reflexos deste empreendimento
ideológico capitalista, que se traduziu na implementação de variadas práticas.
Aqui, além das leis e dos vários mecanismos de perseguição e controle da vida
dos pobres, as chamadas frentes de trabalho constituíram um instrumento
fundamental, servindo para ocupar os miseráveis desocupados que se
aglomeravam nas províncias. Exemplos locais podem ser citados: na província
do Rio Grande – atual Estado do Rio Grande do Norte – em 1831, uma lei
provincial criou a Companhia dos Jornaleiros, que tinha como funções o
recrutamento obrigatório de braços para a agricultura e a imposição de um modo
de vida “aos muitos vadios que formigavam por toda a província” (Relatório de
24
Presidentes de Província, de 7 de setembro de 1839, p.16, e de 3 de maio de
1849, p.17, apud MONTEIRO, 2002, p.185).
Em 1852, o recrutamento militar virou um negócio lucrativo quando uma
nova lei promovia a recompensa dos recrutadores por cada “cabeça” conseguida.
A medida transformou-se numa estratégia de perseguição política, visto que
“indivíduos indesejáveis” que circulavam na província eram obrigados ao
recrutamento. Em 1863, o presidente da província propôs à assembléia provincial
do Rio Grande que criassem uma polícia rural para obrigar ao trabalho. As leis, a
perseguição, a imposição de um rigor disciplinar, a “higienização” da rua através
da internação de pobres e desvalidos em instituições de caridade tinham como
propósito enquadrar a parcela da população que historicamente não estava
integrada ao sistema (MONTEIRO, 2002).
No caso das instituições do Padre Ibiapina certamente não se pode perder
de vista que cumpriram funções primordiais, as quais se revelaram em grande
relevo ao longo da pesquisa. Como escolas de aprendizes para crianças pobres,
abandonadas e órfãs, desempenharam papel importante através do recolhimento
e internação10. Mas, além disto, elas também representaram lugares onde se
ocupavam e se disciplinavam pobres; se moralizava para uma vida ordeira, a fim
de se salvar do “perigo” do ócio as “almas vagantes”. As Casas lembram, no que
diz respeito à ordenação do funcionamento, ao controle da rotina, dos horários e
comportamentos dos internos, as casas de correção ou casas de trabalho
(workhouses11) da Europa criadas a partir do século XVIII. Estas últimas, por sua
10
Conforme Diniz (1988, p.90): “A escola para os pobres era idealizada como lugar onde a criança
abandonada adquiriria bons hábitos de obediência e trabalho morigerado, formando assim futuros
trabalhadores dóceis e disciplinados”.
11
Tais instituições começam a surgir no século XVIII e no século XIX é adotada na Inglaterra a
famosa Lei dos Pobres de 1834, que se assentava em quatro princípios: obrigação de socorro aos
25
vez, se inserem neste contexto descrito acima de criação de aparatos
institucionais demandados pelas transformações que vinham ocorrendo na época.
TRILHAS METODOLÓGICAS
Nossa pesquisa demandou naturalmente um esforço de busca e
investigação sobre documentos, além de visitas ao principal local de recebimento
de devotos do padre Ibiapina – o Santuário de Santa Fé, entrevistas com o reitor
do santuário e com uma das freiras lá residente e conversas informais com fiéis.
Quanto às fontes bibliográficas e documentais, todas as publicações sobre o
tema, de vários autores, interessados e curiosos, religiosos ou não, que
escreveram sobre a ação missionária do Padre Ibiapina, constituíram para nós
verdadeiros dados de pesquisa, dada a dificuldade para reuni-los e as muitas
lacunas percebidas no que diz respeito ao registro oficial da história que
buscamos.
Utilizamos métodos qualitativos de análise diante da natureza sóciohistórica da pesquisa. Privilegiamos a análise documental dos relatos das
missões, do Estatuto e do Regimento que ordenavam o funcionamento das Casas
de Caridade e as principais biografias escritas sobre o Padre Ibiapina. Nosso
período de estudo foi definido conforme o período de instituição e funcionamento
necessitados; assistência pelo trabalho; cobrança de taxa para o socorro aos pobres e
responsabilização das paróquias pela assistência de socorro e de trabalho. As regras deveriam
ser cumpridas a fim de reprimir a pobreza e a mendicância, sob pena do envio dos pobres para as
workhouses. O alojamento em casas de trabalho possuía um regime prisional; a vigilância
estendia-se a todos os movimentos dos internos, num controle rígido do tempo e do espaço. Um
esquema semelhante de controle, através da disciplina, é posto em prática pelo Padre Ibiapina
dentro das Casas de Caridade; todos obedeciam a um esquema de organização da rotina que
associava o trabalho, a educação (uma educação profissional, de aprendizagem de ofícios) e a
oração.
26
das Casas de Caridade, de 1856 a 1883, fase que concentra o período de 27
anos de atuação do missionário.
Inicialmente pressupomos a existência de um campo vasto de informações
nos institutos históricos, Casas Paroquiais e Dioceses. Infelizmente nos damos
conta dos poucos registros existentes; e, o que é mais complicado, da dispersão
dos registros. Após a morte do Padre Ibiapina, em 1883, sua obra não teve
continuação. A maioria das instituições por ele criada foi mantida ainda por alguns
anos, mas não resistiram ao tempo12. Poucos documentos também foram
preservados. O que existe de publicação biográfica sobre o Padre teve como
referência os mesmos registros existentes, produzidos por beatos e beatas que
conviveram com o missionário e as diferenças ficam por conta das publicações e
edições dos textos. Além disso, nos deparamos com outro problema lamentável:
os livros e documentos publicados ao longo do século XX que atestam esse
pedaço de história dos sertões do Nordeste não voltaram a ser publicados nos
últimos anos. As edições encontradas, tendo muitas obras importantes já quase
trinta anos, não são facilmente localizadas e se tornaram, por si só, documentos
de pesquisa.
O lugar que hoje concentra as informações sobre o missionário é o
Santuário de Santa Fé. O Padre Josephus Floren, 67 anos, conhecido como
Padre José, é hoje o Reitor do Santuário; ele celebra as missas e é o responsável
12
Podemos citar exceções como é o caso da Fundação Padre Ibiapina, localizada no Crato (CE).
Esta instituição foi fundada em 1868 sob o nome de Casa de Caridade do Crato, pelo missionário
Ibiapina. A partir de 1966 ela assumiu nova designação e hoje é uma entidade sócio-educacional
ligada à Diocese do Crato. A Casa de Caridade de Santa Fé (PB), local onde o Padre viveu e
morreu, também resiste ao tempo, hoje funciona o Santuário de Santa Fé no local em sua
homenagem. Outras foram transformadas em escolas e funcionam com novas denominações e
muitas foram derrubadas e deram lugar a outras construções. Seguirão nos anexos da tese
algumas imagens de Casas de Caridade ainda de pé. O levantamento foi realizado pelo Padre
Josephus Floren, Reitor do Santuário de Santa Fé e ainda está incompleto.
27
pelo acervo de informações. Em uma de nossas visitas ao local, o Padre José nos
recebeu e nos colocou a disposição todo o arquivo documental disponível. É
importante registrar o empenho do Padre José, que juntamente com outras
pessoas, vem reunindo e guardando todos os tipos de documentos, publicações,
livros, artigos, teses, dissertações, monografias, recortes de jornais, e muitos
outros tipos de documentos que façam referência ao padre Ibiapina. Um trabalho
começado por outros religiosos, como Dom Antônio Muniz (1952)13, Dom Marcelo
Pinto Carvalheira (1928)14, e continuado pelo Padre José, sem nenhum tipo de
recurso ou apoio público local. Todo o acervo documental infelizmente não pôde
ainda ser organizado e acondicionado adequadamente, por vários motivos: falta
de um espaço adequado, falta de material, falta de pessoal capacitado para
organizar os documentos, falta de recursos, etc., apesar da dedicação constante
do Padre José. No Santuário de Santa Fé fomos conduzidos pela Irmã Maria
Candeia, residente no local juntamente com outras irmãs. Uma senhora
igualmente dedicada à preservação do Santuário, que nos apresentou todo o
local, mostrando-nos pacientemente e cuidadosamente todos os prédios,
explicando histórias sobre o missionário, contando histórias dos devotos.
Sobre o Padre e sua obra, há algumas publicações importantes que
merecem ser destacadas e que tentamos organizar no quadro a seguir:
13
Atual arcebispo de Maceió. Foi ordenado Bispo na cidade de Olinda (PE) em 1988; foi Bispo de
Guarabira (PB) de 1998 a 2006, vice-presidente da CNBB (2003 - 2007).
14
Arcebispo emérito da Paraíba. Importante figura da Igreja Católica regional, Dom Marcelo Pinto
Carvalheira foi perseguido durante a ditadura militar por defender líderes católicos; chegou a ser
preso e torturado na época. Foi um importante colaborador de Dom Hélder Câmara.
28
Quadro 01 – Principais publicações sobre o Padre Ibiapina.
Ano
1888
19131914
1915
1913,
1914,
1915
1942
1981
1996
2008
Título
O Padre Ibiapina
Publicação
Revista
do
Instituto
Histórico do Ceará, RCI,
n.2, 1888, p. 157-220.
Padre
Ibiapina:
traços Jornal “A imprensa”15
biográficos encontrados no
arquivo da Casa de Caridade
de Santa Fé, em Arara.
O Padre Ibiapina, notas Tipografia
sobre a sua vida, extraídas Pernambucana, Paraíba
do arquivo da casa de do Norte.
caridade de Santa Fé.
Padre Ibiapina, notas sobre a Revista
do
Instituto
sua vida, extraídas do Histórico do Ceará – RCI,
arquivo da casa de Caridade 1913 (p.188-202), 1914
de Santa Fé.
(p.93-98), 1915 (p.90142).
Ibiapina: um apóstolo do Edição facsimilada
Nordeste16.
Crônica das Casas de São Paulo: Ed. Loyola.
caridade
fundadas
pelo
17
Padre Ibiapina .
Padre Ibiapina: Peregrino da São Paulo: Paulinas
Caridade
Coleção
testemunhas;
Série heróis.
A missão Ibiapina: a crônica Passo Fundo: Gráfica
do século XIX escrita por
Editora Berthier.
colaboradores e amigos do
Padre Mestre atualizada com
notas e comentários.
Autor
Paulino
Nogueira
Paulino
Duarte
Paulino
Duarte
Paulino
Duarte
Celso Mariz
Eduardo
Hoornaert
F. Sadoc de
Araújo
Ernando
Luiz Teixeira
de Carvalho.
O quadro acima fornece indicações das publicações mais importantes que
serviram e ainda servem como referência para posteriores biógrafos do Padre
15
Jornal católico paraibano fundado em 1897, pelo primeiro bispo e arcebispo da Paraíba, Dom
Adauto Aurélio de Miranda Henriques. Circulou na capital do Estado até 1968, tendo enfrentado
várias crises e interrupções.
16
A edição que tivemos disponível para estudo foi a de 1997, publicada pela Editora Universitária
da UFPB em conjunto com o Conselho Estadual de Cultura.
17
Esta com nova edição em 2006.
29
Ibiapina e para estudiosos em geral de sua obra. Pode-se considerar Paulino
Nogueira18 como o seu primeiro biógrafo19. Paulino Duarte20, que veio a publicar
em seguida, foi editor dos textos que encontrou na Casa de Caridade de Santa
Fé, local aonde o Padre Ibiapina veio a falecer.
A obra de Celso Mariz21, de 1942, constitui um documento importantíssimo
a respeito do Padre Ibiapina e foi referência importante para muitos estudiosos
brasileiros, tais como Gilberto Freyre, que o cita em Sobrados e Mocambos. Já o
texto publicado por Eduardo Hoornaert22, tem origem num manuscrito recebido
pelo autor em 1962 de uma Senhora chamada Amália Xavier de Oliveira, de
Juazeiro do Norte. Esta teria recebido o manuscrito do Senhor José Marrocos,
oriundo do Crato (CE) e residente em Juazeiro na primeira década do século XX.
Esses autores manusearam documentos escritos pelos beatos, chamados
também de irmãos e irmãs, que conviveram com o Padre Ibiapina; deles
pouquíssimo se tem conhecimento. Há ainda, uns poucos textos supostamente
escritos pelo próprio Padre Ibiapina sobre a Igreja, a seca de 1877 no Nordeste e
algumas outras reflexões reunidas numa publicação organizada por José Comblin
(1984)23. O Cônego F. Sadoc de Araújo é autor desta importante biografia citada
acima (Quadro 01), que merece atenção especial pelo zelo e cuidado com todas
as informações históricas sobre a vida e a obra do Padre Ibiapina. Sadoc, como
18
Paulino Nogueira Borges da Fonseca (1841-1908) foi desembargador, escritor e deputado do
Estado do Ceará.
19
Paulino Nogueira é considerado consensualmente o primeiro biógrafo. Ele foi o primeiro a
publicar sobre o Padre Ibiapina. Contudo, deve-se pontuar que seus escritos baseiam-se nos
relatos produzidos pelo Beato Bernardino Gomes de Araújo.
20
José Paulino Duarte da Silva (1847-1936) foi Cônego e exerceu o ministério sacerdotal em
paróquias do seu Estado de nascimento, o Rio Grande do Norte e também na Paraíba.
21
O paraibano Celso Marques Mariz (1885-1982) foi escritor, historiador, deputado, jornalista,
dentre outras funções e atividades que exerceu.
22
Historiador e Teólogo, autor de inúmeras obras sobre a história do cristianismo.
23
Alguns destes textos foram também disponibilizados nos anexos do livro Padre Ibiapina e a
Igreja dos pobres, organizado por Hoonaert e Desrochers (1984).
30
grande conhecedor da história da igreja no Nordeste, é uma das principais
referências sobre o missionário, juntamente com Celso Mariz.
Sem dúvida, os principais documentos existentes são provenientes da
Casa de Caridade de Santa Fé. A Publicação recente e ainda pouco conhecida
pelo público em geral – acadêmico e não acadêmico – “A Missão Ibiapina: a
crônica do século XIX escrita por colaboradores e amigos do Padre Mestre
atualizada com notas e comentários”, de autoria do Padre Ernando Teixeira de
Carvalho24 (CARVALHO, 2008), também representa uma preciosidade diante da
ausência de registro e de cuidado e atenção pública com documentos e
patrimônios históricos materiais ou imateriais que contam a história do nosso país.
Neste livro, o Padre Ernando Carvalho faz uma leitura minuciosa dos
principais documentos existentes sobre a atuação do Padre Ibiapina. Trata-se de
um trabalho de cunho filológico e histórico, que tomou para comparação duas
redações de um documento perdido que narrava a vida e a ação missionária do
Padre Ibiapina. Este documento, encontrado no Santuário de Santa Fé, teria sido
escrito por contemporâneos, beatos e colaboradores mais diretos do Padre
Ibiapina e seriam originalmente dois textos independentes que teriam se tornado
um só provavelmente pelas mãos de Paulino Duarte. O Padre Ernando
acrescentou-lhes várias notas explicativas, comentários e atualizações da língua
portuguesa para determinar melhor o contexto histórico e geográfico das viagens
do missionário pelos sertões.
No meio acadêmico conseguimos identificar oito trabalhos de pesquisa
com diferentes enfoques, através do banco de teses e dissertações da CAPES, e
também de pesquisas nos sites de alguns Programas de Pós-Graduação na área
24
O Padre Ernando Luiz Teixeira de Carvalho (1948), natural de João Pessoa, é doutor em
Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma.
31
das Ciências Sociais e História. Esta produção acadêmica está organizada no
quadro abaixo:
Quadro 02 – Produção acadêmica que trata da vida e/ou obra do Padre Ibiapina.
Ano Título
1995 Ibiapina e os donos da memória
2003 As beatas de Ibiapina: do mito à
narrativa histórica: uma análise
histórica usando a abordagem de
gênero sobre o papel feminino nas
Casas de Caridade do Padre
Ibiapina (1860-1883)
2003 Entre a penitência do corpo e o
corpo em festa: uma análise das
missões do Padre Ibiapina no
Ceará (1860-1883)
2003 Entre orações, letras e agulhas: a
pedagogia feminina das Casas de
Caridade de Padre Ibiapina sertão cearense (1855-1883)
2007 Da fé à promoção social: a
atividade missionária do Padre
Ibiapina
2007 Padre Ibiapina: a construção de
um santo
2009 Filhas e irmãs do Padre Ibiapina:
educação e devoção na Paraíba
(1860-1883)
2009 O “Echo das maravilhas”: o Jornal
A Voz da Religião no Cariri e as
missões do Padre Ibiapina no
Ceará (1860-1870).
Origem
Dissertação
de
mestrado
pela
Universidade Federal
de Pernambuco
Dissertação
de
mestrado
pela
Universidade Federal
de Pernambuco
Autor
Plinio
Victor
Dissertação
de
mestrado
pela
Universidade Federal
do Ceará
Tese de doutorado
pela
Universidade
Federal do Ceará
Josiane Maria
de
Castro
Ribeiro.
Dissertação
de
mestrado
pela
Universidade
Católica
de
Pernambuco
Dissertação
de
mestrado
pela
Universidade Federal
da Paraíba
Dissertação
de
Mestrado
pela
Universidade Federal
da Paraíba
Dissertação
de
Mestrado
pela
Pontifícia
Universidade
Católica
de
São
Paulo
Alberto
Rodrigues
Oliveira
Araújo
Andréa
Bandeira Silva
Maria
das
Graças
de
Loiola Madeira
de
Claudio Sousa
de Carvalho
Maria
Célia
Marinho
do
Nascimento
Elias Ferreira
Veras
32
Nosso trabalho de análise documental pôde contar, portanto, com todos os
documentos/publicações citados, além de outros também importantes que
indicamos ao final numa listagem própria de referências25.
ESTRUTURA DA TESE
A tese apresenta cinco capítulos organizados em duas partes. A parte I
trata dos temas da Pobreza, caridade e trabalho e comporta o primeiro e o
segundo capitulo.
No capítulo 01 analisamos discursos e atitudes sobre o pobre e a pobreza
na idade média (a pobreza sob a óptica do discurso religioso – o discurso da
caridade; a caridade para com os pobres como meio de salvação), chegando à
análise de como o trabalho tornou-se na modernidade capitalista uma categoria
moralizadora e o principal meio para se resolver e prevenir os problemas
causados pelo estado da pobreza de numero crescente da população. Esta
solução para a pobreza baseada na ética do trabalho foi a base das ações do
Padre Ibiapina. Na última sessão deste capítulo analisamos brevemente como o
tema se apresenta no século XX, a partir da relação com o conceito de exclusão,
indicamos nossa compreensão sobre o conceito e terminamos buscando refletir
sobre o modo como o Padre Ibiapina concebia a pobreza.
O capitulo 02 descreve o contexto nacional e local na segunda metade do
século XIX, um país ainda estruturado sob a ordem colonial escravista e com
anseios liberais. E o sertão nordestino marcado pelas secas, por uma dinâmica
social, econômica e política diferente e distante das principais províncias e do
império brasileiro na época. Neste capítulo apontamos que a ordem social
25
Ver, a partir da página 191, listagem indicando referências bibliográficas e documentais sobre o
Padre Ibiapina.
33
constituía-se, do ponto de vista econômico, político e social sob princípios
paradoxais: entre um conservadorismo tradicional e o liberalismo moderno (com
aspectos conservadores). A ética do trabalho posta em prática pelo Padre
Ibiapina se inscreve nesta ordem de tensões.
A parte II é composta pelo terceiro, quarto e quinto capítulo e intitula-se O
Padre Ibiapina, as Missões e a experiência religiosa. No capítulo 03 analisamos
as missões do Padre Ibiapina e apresentamos importantes traços biográficos do
missionário.
Destacamos neste capitulo sua obra, a história registrada nos
poucos documentos existentes que relatam como foram construídas as vinte e
duas Casas de Caridade, como eram as peregrinações do Padre Ibiapina pelos
Estados, como conseguia mobilizar recursos, e, sobretudo, como ele almejava
educar e moralizar os miseráveis dos sertões, que não contavam com qualquer
assistência pública, com quaisquer mobilizações políticas de peso no período. A
análise do conjunto de sua obra indica como sua ação missionária esteve
profundamente arraigada na ética do trabalho, a qual se espraiava moralmente
em seus discursos e orientava a organização e funcionamento de suas
instituições.
O capítulo 04 aborda a relação entre o Padre Ibiapina e a Igreja Católica
Oficial no período. Esta relação merecia uma análise, pois era precondição para
respondermos às seguintes perguntas: Por que a igreja não deu continuidade ao
projeto empreendido pelo missionário? O que aconteceu após sua morte e como
ficaram as Casas de Caridade e as beatas? A Igreja católica, ocupada na virada
do século XIX para o século XX com o combate ao catolicismo de feições
populares e não oficial, e preocupada com o asseguramento de um modelo
hegemônico, deixou para o esquecimento a obra do Padre Ibiapina, a qual se
34
aproximava de um projeto de catolicismo popular, já que se voltava para a
realidade das populações pobres e iletradas, que percebiam a muita distância as
práticas da Igreja Católica oficial no período. Esta postura de omissão, por parte
da Igreja Católica românica, frente às ações do missionário, revela o potencial de
conflito, mesmo que latente, entre estes dois tipos de catolicismo.
Por fim, capitulo 05 é dedicado ao sentido da experiência religiosa
produzida pela atuação do missionário; tentamos abordar como ele conseguiu
reunir, em seu pensamento e em suas práticas, os resquícios de uma moral e de
uma ética cristã medieval, de apego aos pobres, à caridade, ao sofrimento, com
um moderno modelo de resolução dos problemas urgentes da população
sertaneja miserável que ele atendia e de organização do cotidiano em suas Casas
de Caridade. Ao lado do sentido religioso, constituiu-se uma experiência social
pragmática de organização da vida. Estas questões são refletidas à luz dos
escritos do clássico Max Weber (2004; 1982; 2009), referência fundamental e
indispensável para este trabalho que se soma a outras indicações bibliográficas
importantes acerca da religião e da religiosidade.
Referências basilares fundamentaram a construção desta tese. Buscamos
os estudiosos do trabalho, da pobreza, da religião, das secas e do Nordeste,
conforme referências bibliográficas consultadas. A propósito do caráter sóciohistórico da pesquisa, tentamos adotar a seguinte postura: não se trata aqui de
reescrever nem de rever a história, mas de a reler, “isto é, produzir, com dados
pelos quais se é inteiramente devedor aos historiadores, um outro texto”
(CASTEL, Robert, 2001, p.29).
35
PARTE I: Pobreza, caridade e trabalho.
CAPÍTULO 01:
A Pobreza consentida e a pobreza a ser remediada
pelo trabalho.
26
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo . Trabalho no campo.
Foto 01: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
26
Autor desconhecido. Infelizmente, mesmo o Padre José, Reitor do Santuário de Santa Fé, não
soube nos informar a autoria destas pinturas que se encontram no Refeitório da Casa de Caridade
de Santa Fé e que reproduzimos no nosso trabalho através destas fotos que fizemos.
36
A condição da pobreza sempre inspirou os sentimentos mais diversos:
repulsa, compaixão, horror, piedade. Facilmente encontraremos registros de
ações das autoridades e instituições que variam de práticas filantrópicas
caritativas às atitudes punitivas, coercitivas, corretivas, cerceadoras da liberdade
e controladoras da vida dos pobres.
Nesta sessão tentamos apresentar resumidamente alguns discursos e
atitudes sobre o pobre e a pobreza. Obviamente, dar conta das estruturas de
valores e as mudanças nos comportamentos nos levaria a profundas incursões
por épocas históricas distintas, e essa não é a tarefa a que nos propomos, dada a
dificuldade de se produzir enquadramentos destas estruturas comportamentais
coletivas como pertencentes a uma ou outra época demarcada. Mesmo a análise
de um período determinado deve observar o fato de que os arranjos culturais de
valores coletivos são construções herdeiras do passado; sendo assim, estruturas
do presente sempre convivem de par com resquícios de tempos e ordens
anteriores.
Para construção deste texto, adotamos a seguinte orientação: inicialmente
analisamos a pobreza no contexto da idade média para a moderna (a pobreza
sob a óptica do discurso religioso – o discurso da caridade; a caridade para com
os pobres como meio de salvação). Analisar a forma como a pobreza aparece na
idade média nos serve para uma apresentação histórica de idéias e do
pensamento cristão. Em seguida analisamos como a pobreza na modernidade
torna-se um problema a ser resolvido através do trabalho, uma categoria que
carrega ambivalências.
37
Dada a consolidação do sistema capitalista, cai uma estrutura de
organização social e econômica mais ou menos fixa, além de uma rede de
relações de auxílios e proteções que fazia com que a miséria possuísse uma
funcionalidade dentro sistema social vigente. Mas a concepção da pobreza e da
riqueza, bem como da caridade, e mesmo a resignação diante de um mundo que
concebe tais estruturas influenciaria fortemente o pensamento religioso cristão
para muito além da idade média, apesar das transformações que a sociedade
vivenciaria a partir da modernidade. Os dois fenômenos nos servem para
compreender as ações do Padre Ibiapina.
1.1 O pobre e a pobreza na idade média
A idade média representa um período da história em que o olhar sobre a
pobreza esteve eivado dos sentimentos religiosos cristãos e as práticas
filantrópicas se orientaram por tais sentimentos. Recorremos aqui ao estudo do
historiador polonês Bronislaw Geremek (1932-2008), A piedade e a forca: história
da miséria e da caridade na Europa autor de vários outros trabalhos, dedicados
aos temas da pobreza, dos miseráveis, dos vagabundos e mendigos.
As disputas e debates contemporâneos acerca da assistência à pobreza
foram construídos em torno de coordenadas somente perceptíveis quando as
relacionamos com as situações históricas vividas no Ocidente Cristão desde a
Idade Média (CASTEL, Robert, 2001). A sociedade européia deste período, sob
os auspícios do cristianismo, concebia que a pobreza enquanto escolha voluntária
era um caminho para a perfeição e para a salvação. Diversas doutrinas nasceram
em torno desta noção de pobreza da civilização cristã medieval. Com relação aos
38
mendigos, estes sempre desempenharam uma função útil e necessária, ainda
mais enquanto a pobreza foi considerada um valor espiritual.
Existe uma farta e variável literatura sobre os mendigos, assim como sobre
os vagabundos, os malandros e os errantes27. E o uso, na literatura, de termos
como “burguês”, “mendigo”, “pobre”, “vagabundo”, “malandro”, não deixa de
representar construções imaginárias e mesmo teóricas que expressam um
ordenamento de fatos e penetram nas divisões e nas estruturas da sociedade a
que eles se referem.
A civilização cristã medieval tomou como referência para todos os seus
programas ideológicos a sagrada escritura. Outras diferentes doutrinas religiosas
resultam ainda, segundo Geremek (1986), também dessa interpretação das
escrituras religiosas. A pobreza, neste programa, além de ter sido representada
como valor espiritual foi exaltada no evangelho e na literatura patrística28. Valores,
atitudes, comportamentos e programas sociais são fundados no quadro de
domínio da religião católica cristã durante a idade média, orientados pela sagrada
escritura. O cristianismo antigo se afirmou originalmente e se difundiu como a
religião dos pobres e oprimidos, penetrou nos meios aristocráticos, deslocou-se
pelo meio urbano e rural, predominando sobre as estruturas da economia
medieval, assentado nos domínios senhoriais e posteriormente sobre a economia
de troca monetária.
27
Muitas categorias de pobres e mendigos são retratadas em vários estudos medievalistas. A
pobreza e a indigência muitas vezes se confundiam com o grotesco, com o universo popular do
riso, dos rituais carnavalescos, com manifestações populares – os artistas de ruas, das feiras,
gozavam do mesmo estatuto dos vagabundos. Isso porque, conforme nos diz Bakhtin (2008), as
manifestações do riso, do escárnio, através das festas públicas carnavalescas, dos ritos e cultos
cômicos especiais, dos bufões e tolos, representações de gigantes, anões, monstros e palhaços,
opunham-se à cultura oficial, ao tom sério e religioso no período feudal.
28
Do latim patristica (subentendendo-se theologia): ciência que tem por objeto a doutrina dos
Santos Padres e a história literária dessa doutrina (LEMAÎTRE, Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse,
SOT, Véronique, 1999).
39
Neste modelo de organização social, política e econômica, fundado nos
preceitos cristãos, “a economia da salvação estriba-se na humildade e na
abnegação.” (GEREMEK, 1986, p.28; grifo do autor). A pauperitas é assimilada à
humilitas: a humildade e a fraqueza determinam a conotação do elogio da
pobreza nos alvores do cristianismo. A imagem de Jesus Cristo como homem
pobre e de vida simples era uma referência para este o modelo da pobreza como
virtude e se expressava através de alguns sinais exteriores da abnegação: vestes
pobres, vida austera (rigidez de caráter e de costumes; severidade; gravidade),
estatuto social precário, padecimentos e mortificações, penúria.
Ao lado do elogio da pobreza constitui-se o elogio da caridade, considerada
então como dever geral. A dádiva passa a representar um instrumento para o
estreitamento das relações e aproximação entre os homens: “A esmola
apresenta-se então como um instrumento que permite a remissão dos pecados e,
nessa óptica, a presença dos pobres na sociedade cristã inscreve-se
naturalmente no plano da salvação.” (GEREMEK, B. 1986, p.29)
A caridade se transforma num dever e a igreja em gestora da misericórdia
e procuradora dos pobres, o que passa a determinar os comportamentos
individuais dos cristãos. De tal modo a valorização do conceito de pobreza seguia
em paralelo com a expansão das práticas de caridade. Os pobres, neste universo
de práticas caritativas ocupavam um lugar e um papel central na ordem social,
pois além de objeto da caridade, também representavam, para os não pobres, o
meio de “ganhar” a salvação.
Veja-se que esse ethos da pobreza guarda um paradoxo, pois é orientada
por dois preceitos incompatíveis: o gesto heróico da renúncia à riqueza e à vida
mundana, por parte daqueles que a escolhem e o dever dos ricos de socorrer aos
40
pobres; isso acaba concebendo a necessária coexistência da riqueza e da
pobreza. Na medida em que o elogio da esmola permite aos ricos a possibilidade
de obter a salvação, a riqueza é sancionada e justificada como o outro pólo
natural relativamente ao pólo da pobreza. Os ricos vão então procurar a salvação
por diversos modos: apoio à igreja, fundação de templos, doações a favor de
instituições de misericórdia.
Essa “economia da salvação” que se estabeleceu na idade média
pressupôs uma distribuição de funções, uma repartição de tarefas no seio da
sociedade cristã. Cabia à Igreja se empenhar nesse ideal de vida, encaminhando
as almas para a salvação. A sociedade ficava divida em três grupos: os que oram,
os que fazem a guerra e os que laboram. Às massas competia o dever de
trabalhar.
O trabalho enquanto valor em si é colocado ora num degrau
altíssimo, ora muito baixo na axiologia cristã ao longo dos séculos,
mas nunca perde o caráter de uma obrigação imposta por Deus, a
que o homem deve sujeitar-se no quadro do sistema social
vigente. (GEREMEK, B. 1986, p.30)
Sendo a pobreza vista como valor espiritual e o pobre tratado como objeto
e não como sujeito dentro dessa realidade, definiu-se uma estrutura ideológica de
valores que tendia a perpetuar e legitimar a divisão entre ricos e pobres. Na
prática, o pobre era apenas o portador de uma condição humilhante, objeto da
filantropia. E no plano moral, a doutrina cristã estava mais preocupada com a
figura do doador.
Entretanto, apesar do predomínio de uma visão sobre a pobreza que a
considerava um valor espiritual, já na idade média a questão da caridade e da
postura a se adotar face aos pobres havia sido colocada sob debate (inicialmente
nas cidades bizantinas): de um lado tem-se o dever da caridade e de outro a
41
necessidade de se adotar medidas coercitivas. Especialmente na fase agrária da
alta idade média29, escolher subsistir de esmolas incomodava. Considerava-se
ser a ajuda aos pobres uma incumbência da igreja, que devia destinar para isto
1/3 ou 1/4 dos seus proventos.
Além disso, também já era possível encontrar a preocupação de muitos
teólogos medievais e de padres da igreja com a necessidade de se estabelecer
distinções entre os grupos carentes que realmente precisavam de assistência e
aqueles que poderiam trabalhar. A vagabundagem em si sempre foi condenada
pelas autoridades eclesiásticas, pela literatura jurídica e social e “o dever de
trabalhar com humildade [sempre foi] um preceito recorrente na doutrina social da
igreja.” (GEREMEK, B. 1986, p.26).
Embora possamos falar de uma visão predominante sobre a pobreza
durante a idade média cristã no ocidente, deve-se frisar que alguns
questionamentos começaram a ser expressos durante nos séculos XI e XII,
através dos Padres gregos e da atividade monástica oriental. Estes consideravam
que era da vontade divina a existência dos fracos e miseráveis e daqueles
providos de riqueza e os todos os Homens deveriam aceitar humildemente tal
condição.
Contudo, diante das transformações nas estruturas sociais, os grupos
providos de riqueza começam a se confrontar com o alargamento de uma
pobreza que passava a representar um fenômeno social. Ficava então mais difícil
justificar a riqueza pela vontade divina.
É neste contexto que se desenvolve a actividade das instituições
caritativas e das Ordens Mendicantes. Naturalmente inspirada, em
grande parte, por sentimentos de compaixão e caridade, esta
beneficência nem por isso está menos isenta de premeditação: ela
29
A chamada “alta idade média” refere-se ao período que vai do século V ao século X.
42
constitui, em primeiro lugar, o meio mais seguro de obter a
salvação e, em segundo, uma ocasião para o doador ostentar as
suas riquezas e manifestar publicamente os seus sentimentos
piedosos. (GEREMEK, B. 1986, p.25)
As
reformas
que
viriam
posteriormente,
das
igrejas
católicas
e
protestantes, desaprovariam a caridade medieval por defenderem que ela podia
engendrar uma situação perigosa para a ordem social, já que a mendicidade
poderia se tornar uma situação atraente. Assim, em contraposição à ajuda social
praticada pela idade média, novos programas de assistência passam a ser
reclamados.
As críticas ao sistema anterior de caridade, praticado na idade média,
serão assim apresentadas: primeiramente, o sistema apoiava-se numa excessiva
profusão de esmolas; outro problema era a ausência de critérios de destrinça
entre os diferentes grupos de pobres de acordo com as suas reais necessidades;
além disso, passou-se a defender que a assistência aos pobres deveria ser
confiada às autoridades civis, eximindo as instituições caritativas da igreja da
obrigação exclusiva de organizar a ajuda aos necessitados. O sistema vigente na
idade média seria responsável por um elogio da pobreza e da esmola o que
acabaria esvaziando, senão contestando, a noção do trabalho como dever e
princípio fundamental da vida das camadas pobres.
Embora o preceito de atendimento aos pobres e a prática da caridade
fossem um eixo importante das práticas religiosas cristãs durante a idade média,
é importante considerar que as estruturas de valores e comportamentos relativos
à pobreza sempre variaram conforme a ordem correspondente, a época e a
sociedade. Daí os sentimentos mais variados de desprezo, admiração, compaixão
ou escárnio.
43
Se é verdade que em todas as civilizações encontramos lado a
lado o elogio da pobreza e a sua condenação, a apoteose da
guerra e do pacifismo, a exaltação – ou a denegação – ora da
reflexão intelectual ora do trabalho físico, não é menos verdade
que a hierarquia desses valores muda momento a momento; ela é
constantemente
refundida
pelos
programas
ideológicos
concebidos para fornecer uma justificação racional da situação
social vigente, ou seja, para sancionar ou condenar estruturas
sociais e governos promovendo certos modelos éticos em
detrimento de outros. (GEREMEK, B. 1986, p.28)
Durante o primeiro milênio o cristianismo se refundiu adaptando-se a um
modelo de organização social e político que sancionava uma estrutura rígida de
dominação e onde predominavam relações de dependência fundadas na
propriedade fundiária. Nos séculos XI e XII, com a economia mercantil em
desenvolvimento, novas configurações na estrutura da social passaram a alterar
significativamente o ethos da pobreza. A partir de então, a riqueza não podia ser
mais associada tão somente aos privilégios da terra, aos poderes e conquistas
guerreiras, porque ela passava a se exprimir através de relações mediadas pelo
dinheiro. Novas questões morais surgiram e trouxera à tona a necessidade de se
estabelecer novos preceitos que possibilitassem a salvação. E surgiu daí uma
nova antinomia: aprovava-se a riqueza e por outro lado a renúncia ao dinheiro. A
consagração mágico-religiosa da riqueza e sua conseqüente ocupação de lugar
na estrutura social realizaram-se historicamente através dos processos de
contínua adaptação dos modelos de vida cristã à realidade. E a outra face desse
processo foi a paralela adaptação do ethos da pobreza dentro da estrutura dos
valores.
A partir dos séculos XII e XIII assistiu-se a um florescimento no Ocidente
das obras assistenciais. A maior parte das instituições hospitalares da região
parisiense foi fundada entre 1175 e 1300, constituindo-se na principal forma de
44
atividade caritativa (GEREMEK, 1986). A caridade, através das esmolas e das
doações em favor das instituições da Igreja, se transformou na melhor forma de
se redimir dos pecados temporais, da usura e dos pecados que as atividades
lucrativas e consideradas duvidosas do ponto de vista moral podiam acarretar.
Embora o pobre fosse considerado, de modo geral, como objeto de
caridade, como dissemos antes, não faltaram debates e controvérsias sobre a
necessidade de se criar distinções entre os que solicitavam a assistência. Os
debates teológicos existiam desde o século XII. E, com a complexificação da
estrutura social, que vai pondo em cheque o esquema tripartite tradicional da
sociedade cristã medieval – clero, guerreiros e trabalhadores – dando lugar a uma
diversificação de ofícios e funções no interior dos grupos sociais, ocorrem
mutações que levam à constituição de novas relações de força e a clivagens entre
as classes dominantes. Daí decorrerá distinções fundamentais entre a
“assistência social” e a caridade. Essa distinção, obra medieval encabeçada por
hospitais-hospícios, será retomada com força na idade moderna pela reforma da
assistência. Em tese,
A misericórdia deveria atender a todos os mendigos, os das ruas e
os que andavam de porta em porta; no entanto, as dúvidas que
pairavam sobre a sua “honestidade” e as suas qualidades morais
acabavam por minar também a crença na validade de tais
sentimentos de compaixão e na eficácia, para os benfeitores, das
suas preces e intercessões junto de Deus. (GEREMEK, B. 1986,
p.37).
Outras questões importantes se apresentaram ainda nesta fase: nem o
absoluto estado da pobreza garantiria automaticamente a salvação. O pobre que
cometesse pecados seria condenado como qualquer outro. Sobre isso, os
escritos do teólogo do século X, o beneditino Ratério de Verona, citado por
45
Geremek (1986), afirmam que os pobres deveriam se mostrar úteis e caridosos e
deveriam se esforçar para, pelo menos, assegurar a subsistência dos seus, o que
implicaria evitar famílias numerosas, mais expostas que estariam à miséria. O
Papa Inocêncio III (1160-1216), eleito Papa em 1198 (LEMAÎTRE, Nicole,
QUINSON, Marie-Thérèse, SOT, Véronique, 1999), opunha-se à mendicidade,
que considerava um estado indigno. Um estado considerado vergonhoso tanto
para o praticante quanto para o grupo social que ele representava.
Além disso, outra problemática apontada dizia respeito à relação do estado
da pobreza com a geração de pecados. No caso dos pobres, o pecado da inveja;
seriam os pobres tomados pela cobiça, pelo ciúme e pela revolta, o que os
levariam a não aceitar humildemente sua condição. Associa-se a essa imagem
costumes e práticas que seriam específicos aos meios pobres: preguiça,
relaxamento, embuste, embriaguez. O papel que a pobreza assume enquanto
modelo de vida deveria ser observado, vigiado e controlado; sobre o
comportamento dos pobres decorre uma vasta literatura moralizante, que
encontramos tanto no período medieval quanto no moderno.
As distinções por parte dos teólogos, religiosos e posteriormente as
distinções empreendidas pelas autoridades de várias cidades que tomaram a
assistência aos pobres como tarefa, orientavam-se quase sempre por um mesmo
princípio: a separação entre os pobres capazes e os pobres incapazes. Os
incapazes seriam aqueles impossibilitados por doenças, pela idade ou por outros
fatores, de trabalhar: crianças órfãs, velhos, doentes, loucos, deficientes.
Estes grupos estão entre os eleitos pelo Padre Ibiapina para seu
atendimento. Orientado pelos ecos do discurso religioso da caridade e da piedade
para com os pobres, ele se sensibilizou pela miséria dos órfãos, dos
46
abandonados, dos enjeitados, das mulheres entregues ao que se considerava
desvirtuamento moral. Observe-se a passagem abaixo, do relato produzido pelo
Beato Bernardino Gomes de Araújo, editado por Paulino Duarte, ainda no século
XIX:
Ele tinha entrado no âmago de nossa sociedade; tinha visto em
todas as suas faces, em toda sua hediondez, a miséria em que se
debatem as classes menos favorecidas da fortuna. Ele tinha visto
milhares de infelizes órfãos arrastando os andrajos da miséria, a
tiritar de frio e de fome, que embrutecidos pela falta de alimento
espiritual, aviltados e esquecidos no meio da sociedade, acabam
por se lançarem na mais negra e vergonhosa prostituição, em
prejuízo da moral, da Religião e do Estado. Jovens donzelas, que,
apesar de terem no coração a semente da virtude e do
conhecimento de Deus, abandonadas às suas próprias forças e
expostas às vicissitudes da sorte, caem vítimas de sua fragilidade
nas unhas de um perverso desalmado que lhes estende traiçoeira
mão!
Tantas mulheres infelizes que desejando mudar de vida, reformar
os costumes e fazer penitência de seus pecados, não o podem
conseguir, por lhes faltar um asilo, um lugar abrigado do contato
com o vício, onde possam em segurança levantar seus olhos ao
céu e entregar-se às práticas de penitência sob a direção de boas
mestras.
Tantos recém nascidos cujas mães, para ocultar seus crimes, os
lançam desnaturadamente nas esquinas das ruas, nos fundos dos
quintais e muitas vezes até nos poços e nos rios! Tantos enfermos
abandonados e em insignificantes mocambos ou no olho das ruas
e das estradas! Tantos inválidos, enfim, a quem a idade ou as
moléstias privaram do uso da força para ganharem o pão de cada
dia, que desfalecem pelos alpendres dos ricos. (CARVALHO,
2008, p.36-37, grifos nossos).30
Por outro lado, todos aqueles capazes de trabalhar deveriam buscar
ocupação e não deveriam ter qualquer prioridade no recebimento de auxílios e
assistência, seja por parte da igreja, seja por parte das autoridades públicas. Os
pobres capazes foram alvo de perseguição, repressão, punições e repulsa em
várias cidades européias a partir dos alvores da idade moderna, mas também
aqui no Brasil.
30
Apresentamos na citação o relato atualizado por Carvalho (2008).
47
As gravuras do francês Jacques Callot (1592-1635), que fazem parte de
uma série intitulada “Gueux” (Vagabundo), retratam mendigos e pobres da virada
do século XVI, e os ilustram junto aos seus “motivos” de inspiração de caridade.
Observem-se as vestes, que denotam miserabilidade, e a necessidade de auxílio
para se locomover; o aspecto de precariedade inspira piedade e compaixão:
Gravuras 01, 02 e 03 – Mendigos com muletas.
Fonte: Reproductions de Gravures de Jacques Callot, 2010.
Gravuras 04, 05 e 06 – Mendigos com muletas e deficiências nas pernas
Fonte: Reproductions de Gravures de Jacques Callot, 2010.
48
Nas figuras acima, o motivo físico legitima a condição de miserabilidade e a
necessidade de auxílio.
Gravuras 07, 08 e 09 – Mulheres com crianças
Fonte: Reproductions de Gravures de Jacques Callot, 2010.
As crianças, nas gravuras acima, são os instrumentos para inspirar compaixão. A
condição de miserabilidade que põe em risco a vida dos pequenos legitima a
necessidade de mendicância.
Gravuras 10 e 11 – Mendigo e mendiga com rosário.
Fonte: Reproductions de Gravures de Jacques Callot, 2010.
49
O rosário (nas gravuras 10 e 11) traz a promessa da oração e fidelidade aos
preceitos religiosos para incentivar a ajuda.
Gravuras 12, 13 e 14 – Mendigos à espera da caridade.
Fonte: Reproductions de Gravures de Jacques Callot, 2010.
Às portas das igrejas, das instituições de caridade (gravuras 12 e 13 e 14),
espera-se auxílio e compaixão.
Fazendo um breve resumo, podemos dizer que no Ocidente medieval a
pobreza possuiu uma funcionalidade dentro do sistema social. A existência dos
pobres tornava possível a salvação dos ricos, através da prática da caridade. “Os
padres da Igreja, que nos primeiros séculos sistematizaram a doutrina cristã,
filtraram as noções pagãs de humanidade e adaptaram-nas ao princípio da
caridade, dando origem aos conceitos medievais de pobreza e misericórdia.”
(REZENDE FILHO, 2009, p.7). Até o século XI, pelo menos, a funcionalidade da
pobreza dentro do sistema medieval era garantida pela própria Igreja católica, que
a assegurava no campo das idéias e também na prática, através das esmolas, do
50
atendimento dos pobres nos hospitais (hospitale pauperum), elaboração de listas
de pobres pelas paróquias para prestar assistência, etc.
A partir dos séculos XII e XIII, em função do renascimento comercial e
crescimento urbano, as estruturas da sociedade medieval começam a mudar. A
funcionalidade se perde diante de uma pobreza crescente, dos novos valores
produzidos por relações mediadas pelo dinheiro e pelo trabalho não mais servil. A
partir daí, a igreja já não consegue dar conta sozinha do atendimento aos pobres
e o sentido da condição começa a mudar radicalmente. A pobreza passa a ser
associada à preguiça, fracasso, tornando-se uma condição indigna, e passa a ser
vista como castigo divino. Esta nova maneira de concebê-la será refletida no
surgimento e crescimento das instituições assistenciais, leprosários, hospitais,
casas de caridade, dentre outros, que deveriam “limpar” a pobreza degradante
que começava a incomodar nas cidades. Já nos séculos XIV e XV têm início os
primeiros movimentos de revolta nos campos e cidades. A partir de então, a
pobreza já significa desconforto, injustiça e vergonha.
Ora predomina nos discursos a piedade para com os pobres, ora
predomina a aversão, e a forca. Conforme as transformações ideológicas,
religiosas e laicas sobre o tema, sempre houve oscilações no tratamento que a
sociedade dispensou aos seus miseráveis; tais oscilações em vários momentos
históricos relacionaram-se com a necessidade de classificação dos tipos de
pobres: os válidos e os inválidos. Sendo, obviamente, os válidos, considerados
sujeitos preguiçosos, inúteis, vagabundos, não merecedores da piedade.
Enquanto o discurso medieval, que primeiramente concebia a pobreza
como um valor e já a certa altura propunha-se a reconhecer e determinar os
pobres verdadeiramente meritórios, isto é, dignos, a fim de poder socorrê-los
51
através das obras assistenciais e da caridade, o pensamento moderno
compreenderá a pobreza sob uma óptica predominantemente negativa:
Existe como que uma correspondência entre o seu papel
degradante no plano material e o desprezo – assim como o
ínfimo lugar na hierarquia dos valores – que a sociedade lhe
reserva. (GEREMEK, B. 1986, p.12).
As mudanças sentidas da idade média para a moderna são significativas.
O legado do pensamento e da interpretação medievalista sobre a pobreza e a
mendicância produziu idéias e concepções que muitas vezes determinaram as
práticas de religiosos, que se orientaram pelos sentimentos de caridade,
compaixão e piedade.
1.2 A pobreza remediada por uma categoria moderna e ambivalente: o
trabalho.
A partir da idade moderna, novas questões se tornaram centrais. Muitos
“primitivos do pensamento econômico” (GEREMEK, B. 1986, p.05) se
interrogavam sobre os meios de suprimir a mendicidade e a forma de coibi-la
relacionava-se com a aplicação de medidas de coerção sobre a ociosidade e
sobre a pobreza e conseqüentemente, sobre as possibilidades de se assegurar
trabalho aos pobres. Essa preocupação aponta diretamente para o fato de que,
com a entrada na vida moderna, que significou a definitiva instauração do modelo
capitalista, se estabeleceu também a mentalidade produtivista 31. Passou-se a
31
Essa noção de produtividade é importante. De fato, noutras épocas históricas a sociedade
sempre esteve “ocupada”. Mas na era moderna isso passa a ser sinônimo de uma diferente
capacidade de produção: uma capacidade concernente ao modelo capitalista, em que os
trabalhadores passam a fazer parte de um sistema complexo de divisão do trabalho voltado à
produção de mercadorias em larga escala, como nunca se tinha visto noutros tempos. Se o
52
demandar da sociedade sujeitos não ociosos, produtivos, ocupados, úteis ao
sistema social.
Historicamente o capitalismo teve que inventar maneiras de lidar com a
miséria, até porque, contraditoriamente, mesmo sendo ele um sistema gerador de
miséria e flagelo, por causa da forma como a riqueza se concentra, ele não pode
triunfar sobre a miséria. A transformação do pobre miserável em trabalhador foi
um passo fundamental neste sentido. Uma transformação que elevaria a condição
sócio-econômica do indivíduo, e também seu status social, já que através do
trabalho ele passa a ser produtivo e deixa de ser um fracassado do sistema.
A questão da pobreza também está relacionada aos processos de divisão
da sociedade em grupos, o que se mostrou com muito mais violência no modelo
capitalista. O entendimento moderno sobre a pobreza é, inclusive, muito ancorado
nesta prerrogativa. Embora a modernidade, por um lado, tenha significado uma
onda de otimismo, de esperança no futuro, nas tecnologias, na “sociedade da
abundância”, por outro, ela tem sido lida também de modo sombrio. O sistema
econômico capitalista da modernidade foi denunciado por Karl Marx no século XIX
como um sistema que carrega em sua gênese a produção da desigualdade social,
a dominação de classes, a exploração do trabalho. As relações entre as classes
são de opressão, conflito, antagonismo, dado que os trabalhadores, classe
operária ou proletariado, que constituem a grande massa da população, têm
pouco ou nenhum controle sobre o produto do seu trabalho. Deste ponto de vista
a pobreza está associada quase exclusivamente à condição do trabalho;
sistema passa a demandar tal participação dos sujeitos no seio de uma sociedade produtora de
mercadorias, a ociosidade torna-se perigosa para o sistema.
53
poderíamos falar ainda, no contexto da nascente sociedade de trabalhadores, à
pauperização do trabalho.
É a partir da modernidade que iremos observar o seguinte fenômeno: os
pobres que estavam fora dos sistemas produtivos, os que estiveram à margem da
sociedade (no caso do Brasil, os ex-escravos e libertos, os marginais livres, os
destituídos de qualquer poder econômico e social, os miseráveis que na região
Nordeste fugiram da seca em direção às províncias), todos estes, viriam a se
tornar, com a lenta constituição dos mercados de trabalho, os livres trabalhadores
assalariados, explorados, e ainda pobres, da nascente sociedade capitalista.
Se antes a pobreza estava inscrita num modelo cujo sistema de relações
de auxílios, proteções e sociabilidade davam vazão inclusive à prática da caridade
e da compaixão dos cristãos em busca de salvação, isso já não será mais
possível dentro de um contexto em que a miséria atinge milhares, e as práticas
caritativas e filantrópicas não dão conta de resolver o problema. O processo de
pauperização que a transforma em fenômeno de massa é parte integrante do
sistema capitalista desde sua formação, ainda durante a fase mercantil32. Esse
processo foi o preço a ser pago pela instauração dos alicerces do novo sistema e
nele os pobres são transformados em uma massa proletarizada alimentada por
salários. Essa massa, como bem sabemos, constituiu-se fundamentalmente, na
Europa Ocidental, dos miseráveis oriundos dos campos, que, chegando às
cidades tinham ou que procurar trabalho, ou viver à margem do sistema,
oscilando entre a mendicidade e a delinqüência.
32
Devemos ter em mente que os processos de empobrecimento, assim como os de
enriquecimento, não são particulares e exclusivos ao modo de produção capitalista. Por outro
lado, é inegável que a tendência à pauperização como fenômeno de massa é um problema que se
agrava no modelo capitalista moderno.
54
A partir dos séculos XV e XVI, em algumas cidades da Europa Ocidental,
tiveram início as reformas da assistência aos pobres. As pioneiras políticas de
assistência empreendidas por cidades como Paris, Veneza, Ypres, dentre outras,
serão marcadas principalmente pela repressão à mendicância, a vigilância aos
pobres, ao controle e distinção entre os sujeitos aptos a trabalhar e àqueles
considerados inválidos, a repressão à vagabundagem e à ociosidade (GEREMEK,
1986).
Os desenraizados, pobres e camponeses, passaram a se dirigir às cidades
e lá encontraram mecanismos de repressão e controle, e, além disso, se
depararam com um novo tipo de “solidariedade” face às mazelas da sua condição
de miserabilidade. Diferentemente do campo, onde o sistema de proteções e
auxílios aos pobres era certo e os postos de trabalho eram fixos, nas cidades as
possibilidades de emprego eram flutuantes, ocasionais, de acordo com as
demandas produtivas; as relações sociais são marcadas pelo anonimato e a
solidariedade para com os pobres passa a se exprimir principalmente através de
formas institucionais. Os pobres miseráveis, os delinqüentes e vagabundos
tornam-se problemas unicamente das autoridades públicas locais, que devem
prevenir-se de um caos que ponha em risco a ordem social. Pobre passa a
despertar medo e receio de explosões de revolta social.
A pobreza rural é fruto da desagregação das antigas relações de
produção: as massas que se tornam inúteis no campo (residual
population) passam a constituir uma reserva potencial de mão-deobra proletarizada com destino à cidade. Nesta, pelo contrário, a
pobreza resulta sobretudo do novo sistema de relações: os pobres
urbanos são a massa da “miséria laboriosa”. (GEREMEK, 1986,
p.139. Grifos do autor).
55
Já no século XVIII na Europa as inquietações com o fenômeno da pobreza
voltam-se para a busca de meios de se debelar o flagelo da mendicidade e da
vagabundagem. As preocupações teóricas formuladas são motivadas pela
realidade social e a partir daí tratava-se de analisar e compreender as causas do
fenômeno do pauperismo enquanto fenômeno de massa, buscando definir o seu
lugar dentro do sistema econômico.
Considerando os laços entre o processo de pauperização e o nascimento
do capitalismo, Marx (2003) afirmou que nesse sistema o “meio pobre” serve
como o hospital do exército ativo do trabalho e o peso morto do exército de
reserva da indústria. O pauperismo constitui uma condição necessária ao sistema.
Suas análises considerando o país mais industrializado da época, a Inglaterra, o
levam a afirmar que a acumulação de riqueza num pólo corresponde à
acumulação de pobreza, exploração, ignorância e degradação moral noutro pólo.
Mas o fenômeno da pobreza também é pensado nos séculos XVIII e XIX,
por outros observadores, como mal necessário. Geremek faz algumas
referências: na Dissertation on the Poor Laws, de 1786, escrito pelo pastor
anglicano Joseph Townsend, este afirma ser a miséria a melhor forma de garantir
um afluxo regular de mão-de-obra para os trabalhos mais pesados, pois a fome
seria uma motivação natural, a exercer uma pressão branda, silenciosa, mas
incessante, que tornaria as pessoas mais dispostas ao trabalho. E ainda, mais
conhecida, a Fábula das abelhas, de Bernard de Mandeville, onde se defende que
só a miséria garante a oferta de mão-de-obra, pois ninguém suportaria qualquer
fadário do trabalho se não houvesse a necessidade premente de comer e beber,
se agasalhar do frio e se abrigar.
56
Além das reflexões que apresentam a pobreza como conseqüência natural
e imutável, também ela é evocada noutro eixo de raciocínio marcado pela
preocupação com a ordem pública: a pobreza considerada como ameaça ao
sistema. O pauperismo é pensado, seguindo a linha malthusiana, como resultado
do excedente da população operária. Com o crescimento demográfico quase
incontrolável na época, o perigo ameaçaria o equilíbrio social.
Aí já estão fundidas nas representações imaginárias da época, as massas
da população operária com o estado supostamente ameaçador da pobreza. O
operário assimilado ao pobre, gozando de um mesmo estatuto, por gozarem de
uma mesma situação característica: condições de vida e alojamento precárias,
estado de saúde deficiente, numerosas famílias, comportamentos sociais
estigmatizados, aspecto exterior de indigência.
A associação do estatuto de operário ao de pobre irá perdurar no século
XIX e ainda, alguns resquícios, no século XX. Essa associação tenderá a se
transformar dadas as mudanças nos rendimentos reais dos trabalhadores, nas
conquistas por melhores condições de trabalho, na negociação do tempo da
jornada, etc. E, mais ainda, quando a condição de trabalhador torna-se sinônimo
de direitos e quando se consagra no imaginário popular os qualificativos positivos
desta condição: trabalhador como homem de bem, sujeito digno, útil. Tal
mudança no quadro dos valores se deu lentamente e foi obra da modernidade.
O passo fundamental neste sentido foi a transformação da categoria
trabalho em dispositivo de redenção da pobreza. Na modernidade assistimos ao
esvaziamento do discurso religioso-caritativo sobre o fenômeno e sua
conseqüente entrega às responsabilidades públicas, através da formulação de
políticas sociais e reformas dos modelos de assistência à pobreza. Neste ínterim,
57
o trabalho se tornou dever dos pobres, tornando-se central na literatura européia
moderna, nas preocupações com as reformas da ordem social, como panacéia
contra a miséria e contra a delinqüência e a vagabundagem. A partir daí surgirá
de forma recorrente nos programas sociais como atividade obrigatória, como o
método mais eficiente para intervenção do Estado no sistema de assistência.
As reformas religiosas tiveram papel importante no processo em que o
trabalho é re-significado. Católicos e protestantes passam a desaprovar a
caridade e a considerá-la como motivadora da mendicidade. O elogio da pobreza
e da esmola esvaziaria a noção do trabalho como dever e como princípio,
necessário à vida das camadas populares. Tais idéias não encontraram qualquer
resistência, visto que o dever de trabalhar sempre foi um preceito importante na
doutrina social cristã, apesar das mudanças que sofreu ao longo do tempo. Um
preceito fundamental dentro da Teologia cristã a respeito do trabalho é o “Ora et
Labora”, regra fundamental da ordem de São Bento33. Conforme esta regra, a
vida dos monges beneditinos organiza-se em torno da oração e do ofício divino
(trabalho).
Tendo sido concebido como uma pena, nas tradições religiosas judaicocristãs, o trabalho foi aos poucos sofrendo um longo processo de reinterpretação
e revalorização através de uma cadeia que vai de Lutero (para quem o trabalho
era uma vocação divina), passa por Calvino (que afirmava que, através do
33
São Bento (480-550) nasceu em Núrcia, na Umbria e foi educado em Roma. “Por volta do ano
500 foi viver como eremita, nos desfiladeiros inóspitos do Subiaco, a leste de Roma” (LEMAÎTRE,
Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse, SOT, Véronique, 1999, p. 52). Fundou doze comunidades de
monges e, por volta do ano 525 instalou-se com alguns deles no monte Cassino, onde redigiu a
Regra que tem seu nome. Certamente os princípios teológicos da Ordem de São Bento tiveram
alguma influência sobre o pensamento do Padre Ibiapina, o que se revela através de sua
valorização a estes dois princípios centrais: a oração e o trabalho. Esta influência também pode
ser conjecturada a partir do fato de que Ibiapina viveu num Convento Beneditino, em Pernambuco.
58
trabalho, deveria ser demonstrado amor à coletividade), até sofrer profundas
modificações no século XIX, como resultado da revolução industrial.
A exaltação do trabalho mostrou-se presente sob diversas formas. Ao
longo do século XX, a glorificação do trabalho como um bem, como um norteador
de condutas e do comportamento foi uma das marcas dos regimes de governo
totalitários. Dentro dos regimes nazi-fascistas34 e ditatoriais do século XX, ele foi
considerado como um mecanismo disciplinador, de condicionamento moral, físico
e mental35.
Mas a categoria trabalho carrega muitas ambivalências. Georges
Friedmann em seu clássico tratado dedicado à Sociologia do trabalho afirma que
“se tudo o que se refere ao trabalho exige um estudo tão atento, é porque ele
merece ser considerado como traço específico da espécie humana” (1973, p.19).
O trabalho é, sem dúvida, um denominador comum e uma condição de toda vida
humana em sociedade. Com base nisso, as formulações de muitos pensadores
34
O termo nazi-facismo refere-se aos regimes de governo nazista e fascista. O Nazismo ou o
Nacional Socialismo designa a política ditatorial e totalitária que governou a Alemanha no período
de 1933 a 1945. O Fascismo, também um regime totalitário, é considerada uma doutrina de
extrema-direita desenvolvida por Benito Mussolini na Itália, a partir de 1919, e durante seu
governo 1922-1943 e 1943-1945.
35
No sistema nazista alemão, os operários, que eram considerados “soldados no front”, foram
militarizados através do trabalho, num sistema disciplinar de ordem obtido através de um controle
físico e mental rigoroso. A intenção era produzir a imagem de um operário nacional forte, saudável
e viril. De acordo com Carmo (1992, p.26), “a ideologia nazi-fascista cercou-se de toda uma
parafernália de idéias e técnicas a fim de compelir o trabalhador a produzir para o enriquecimento
da nação”. Ao final do regime, na entrada do campo de concentração de Auschwitz, pôde-se ler a
frase: “Só o trabalho liberta”. Na União Soviética, durante o regime stalinista (1928-1953), também
houve forte preocupação no sentido de incrementar a produtividade e a eficiência produtiva
através do trabalho. Num período de escassez de alimentos, imperava o lema: “Quem não
trabalha não come.”. Lênin, personagem importante da revolução socialista, foi um incentivador do
trabalho voluntário e chegou a procurar Taylor, mentor da técnica de racionalização do trabalho
através do controle do tempo e dos movimentos, a fim de adotar as novas técnicas para eficiência
e melhor aproveitamento do trabalho. O modelo “científico” de organização do trabalho criado por
Taylor visava evitar desperdício e aumentar a produtividade. Para Lênin, a disciplina do
proletariado era um componente fundamental para o triunfo do socialismo. No período Stalinista,
difundiu-se a idéia de que a dedicação ao trabalho demonstrava prova de fidelidade ao regime
soviético. Resultado: trabalho compulsório e campos de trabalho forçado, utilizados, inclusive,
como formas de condenação, comparados ao de Auschwitz, na Alemanha.
59
ao longo do tempo se orientaram pela relação dinâmica entre homem e natureza
para definir a categoria. A conhecida formulação de Karl Marx, que aparece no
Capital, define que o trabalho é um ato que se passa entre o homem e a natureza.
Neste sentido, a definição de trabalho corresponde à definição genérica de um
homo faber. Friedmann acrescenta em seu tratado que o homem ao mesmo
tempo em que age sobre a natureza modificando-a, também se modifica. Se o
trabalho, como uma relação fundamental entre homem e natureza comporta uma
finalidade básica – a produção da vida – essa finalidade não pode, contudo, ser
considerada como um fim em si. Isso porque não existe uma finalidade universal,
e não se pode refletir sobre a categoria separando-a dos grupos sociais, étnicos e
os contextos culturais a que ela se refere.
Portanto, o trabalho, enquanto categoria central de nossa sociedade, não
deve ser pensada conceitualmente restrita à esfera econômica. Não é apenas
produção material da vida36. O trabalho é um fragmento de nossa cultura, no que
a caracteriza enquanto moderna sociedade produtora de mercadorias, sociedade
de acumulação. Acreditamos que é preciso considerar o trabalho conforme
pensou Robert Castel (2001): não como uma relação técnica de produção, mas
36
Nas sociedades capitalistas os marcadores das relações entre os indivíduos são
incontestavelmente materiais. Mas seria simplista encerrar o entendimento acerca das relações
capital-trabalho apenas no campo econômico, sem considerar possíveis problemáticas mais
complexas que envolvem diferentes sujeitos numa trama social cindida por diferenças sociais,
econômicas e também culturais. Não se pode operar uma simples separação entre a produção da
vida, no sentido material e a produção da vida no sentido ideal, tal qual nos lembraria Godelier
(1981). O funcionamento da esfera econômica não está desvinculado das esferas política, social e
simbólica. O modo de produção de cada sociedade está inscrito dentro da história e da cultura.
Mesmo as relações que intermedeiam homem e natureza na produção material da vida – e aqui
estaríamos considerando o trabalho em sua acepção mais genérica, estão eivadas por um
conjunto complexo de idéias, representações, significados e esquemas de pensamento que
atribuem sentido às ações humanas.
60
como suporte privilegiado de inscrição na estrutura social. Somente assim é
possível compreender o sentido dramático das mudanças nas relações de
trabalho, nas redes de sociabilidade e na forma como emergem rupturas em
relação ao status social de cada trabalhador.
Friedmann se pergunta se não seria razoável distinguir, por exemplo, o
trabalho da atividade humana em geral. Desenvolvendo sua análise ele afirma
que na medida em que supõe coação, o trabalho se diferencia da ação. A ação
humana livre da coação pressupõe alguma liberdade. “O trabalho é ação quando
se alimenta de uma disciplina livremente aceita, como, às vezes, a do artista que
realiza uma obra de fôlego, sem ser premido pela necessidade.” (1973, p.23).
Mas, obviamente, nem sempre é esse o caso. Até mesmo o artista, escrevendo,
pintando, compondo sua obra, pode o estar fazendo oprimido.
Enquanto ação, o trabalho pode exprimir os anseios humanos e promover
a realização individual e satisfação. A questão se complexifica quando
consideramos o lugar do trabalho na sociedade moderna, já que este lugar é
caracterizado por paradoxos. Talvez o maior deles consista no fato de que na
sociedade capitalista ele consiste numa experiência quase sempre alienada e de
exploração; ao mesmo tempo, na medida em que ele se tornou o meio de
inscrição e participação na sociedade de consumo, ele também produz estados
subjetivos de satisfação e auto-realização37.
37
Essa experiência é, portanto, tão paradoxal, que se podem encontrar trabalhadores insatisfeitos,
tristes e deprimidos, ou ainda, trabalhadores satisfeitos, realizados e até viciados em trabalho –
como prevê a expressão americana workaholics – originada da palavra alcoholic. O resultado
imediato do lugar que a modernidade reservou para o trabalho resguarda de forma eficiente tal
paradoxo, e ele é sustentado pela não percepção, hoje mais que nunca, do elemento de coação.
Os trabalhadores das sociedades salariais vivem experiências dramáticas quando se encontram
61
No caso do Brasil, qualquer esforço para se compreender a constituição
moral dos valores do trabalho deve passa por uma análise histórica cuidadosa do
passado colonial escravista. Devemos ter em mente que, mal comparando, da
mesma forma que vemos conviver sobrepostos os resquícios de um passado
colonial de exploração, das relações patriarcalistas, familiares e personalistas
com um Brasil moderno e rico, também vemos sobrepostas ordens de valores
paradoxais no que diz respeito ao trabalho.
Até o final do século XIX ainda estávamos falando de uma sociedade de
senhores e escravos. Apenas cem anos depois, verificamos uma nova ordem
moral de valores atrelada ao trabalho. Mas foi ainda em meio a uma sociedade
escravocrata que atuou o Padre Ibiapina. Num contexto em que até a igreja
possuía escravos, ele acolhia em suas Casas de Caridade órfãos nascidos das
relações forçadas entre senhores e suas escravas. Todos os internos
trabalhavam indistintamente, orientados por valores morais que deveriam ser
compartilhados por todos, num esforço para se produzir um tipo de ordenamento
cívico da vida social, através desta categoria ambivalente, a qual servia para
moralizar os pobres e ao mesmo tempo fazê-los agir buscando a saída do estado
indigno e aviltante da pobreza, que também inspirava no Padre Ibiapina os
sentimentos de caridade e piedade cristãs.
fora do mercado de trabalho formal. No nosso país isso se deve ao fato de que o trabalho se
instituiu historicamente atrelado à esfera do direito; ser trabalhador se tornou no século XX
sinônimo de acesso a seguridades, garantias e direitos. Conseqüentemente, permanecer à
margem desse sistema, no qual a ética de prover se realiza (especialmente para os homens e
mulheres chefes de famílias), é sinônimo da negação de prover a vida, materialmente e
simbolicamente. Em síntese, podemos afirmar que o trabalho, apesar de seu caráter alienante,
disciplinador e penoso, se instituiu como categoria central. A conseqüência deste processo foi a
constituição de um sistema de valores e de uma moral ligadas ao produtivismo moderno que
ratificam uma percepção reificada da realidade social.
62
1.3 Pobreza, trabalho e exclusão no século XX.
Nesta sessão, que encerra este capítulo, destacamos duas questões:
primeiro, a relação confusa que se estabeleceu entre os conceitos de exclusão e
pobreza. Desta, faz parte, transversalmente, o tema do trabalho. A outra, que
tratamos em seguida, é o tratamento dado ao tema da pobreza no século XX.
Finalizamos esta sessão apresentando uma forma de pensar o conceito a partir
do pensamento de Amartya Sen (2000).
No quadro contemporâneo de relações sociais marcadas pelas noções de
produtivismo, eficiência e individualismo, o estado da pobreza é restritivamente
associado à condição de não participação no sistema produtivo e ocupacional, ou
seja, à condição do não-trabalho. Os pobres são os desqualificados e inaptos
para o trabalho – os “supranumeráveis” de Robert Castel (2001). Desta
vinculação entre pobreza e trabalho decorrem muitos problemas. Um deles diz
respeito à confusão entre pobreza e exclusão.
Contudo, pobre e excluído são dois conceitos distintos, embora este último
venha sendo usado indiscriminadamente nos últimos anos. Segundo dados de
2008 da Organização Internacional do Trabalho38, cerca de 633 milhões de
trabalhadores e suas famílias vivem com menos de 1,25 dólar por dia. Mas este
trabalhador pobre não é necessariamente um excluído, se estivermos
considerando este conceito a partir da sua inserção ou não no mercado de
trabalho. Ele participa, mesmo que precariamente, de redes de sociabilidade,
possui vínculos sociais e econômicos, que o integra na sociedade. Por outro lado,
38
Tendências
Mundiais
de
Emprego
da
OIT,
2010.
Disponível
em:
http://www.oitbrasil.org.br/topic/employment/news/news_131.php, acesso em: 20 de fevereiro de
2010.
63
também existe exclusão causada por situações como segregação social,
estratificação social, exílio, estigmatização, não reconhecimento social. E estas
situações não necessariamente remetem a situações de pobreza.
O termo exclusão merece análise cuidadosa, porque pode se referir a uma
complexidade de situações e caracterizações quase sempre deixadas de lado.
Robert Castel (2001), afirma que “a moda da noção de exclusão [...] vem recobrir
uma infinidade de situações infelizes sem tornar inteligível seu pertencimento a
um gênero comum” (p.32). Para ele, as situações, por exemplo, dos órfãos, (onde
houve o rompimento da assistência familiar), do enfermo ou acidentado (que pode
tornar o individuo provisória ou permanentemente incapacitado de manter seu
lugar no sistema regulado de trocas), ou ainda o caso do indigente, são
entendidas a partir do rompimento da relação do indivíduo com relação às redes
de integração primária na sociedade. Por isso ele vai falar de desfiliação: “Há
risco de desfiliação quando o conjunto das relações de proximidade que um
indivíduo mantém a partir de sua inscrição territorial, que é também sua inscrição
familiar e social, é insuficiente para reproduzir sua existência e para assegurar
sua proteção.” (2001, p.51, grifos nossos).
Sujeitos considerados pela literatura corrente como “excluídos”, como os
desempregados, por exemplo, chegaram, portanto, a ser “incluídos”, na medida
em que fizeram parte da sociedade salarial. Contudo, devemos observar que há
os que nunca chegaram a ser incluídos, ou seja, nunca chegaram a se integrar no
sistema de produção e trocas econômicas. Contudo, mesmo considerando os
dois casos, deve-se ter em mente que não há ninguém fora da sociedade. Por
isso a qualificação exclusão é ineficiente. Castel, tratando a questão a partir do
conceito de desfiliação, afirma que estes indivíduos estão desligados do centro do
64
movimento que engendra a dinâmica econômica e social, mas continuam
dependendo deste centro. Para ele, não existe linha divisória clara entre os
vulneráveis que vivem situações de trabalho precário e fragilidade dos suportes
de proximidade, os estáveis, caso daqueles que gozam do trabalho estável e de
uma inserção relacional sólida e os desfiliados que vivem a ausência de
participação em qualquer atividade produtiva e isolamento relacional. O que há é
um conjunto de posições cujas relações com seu centro são mais ou menos
distendidas. Diz ele:
Os “excluídos são, na maioria das vezes, vulneráveis que estavam
“por um fio” e que caíram. Mas também existe uma circulação
entre essa zona de vulnerabilidade e a da integração, uma
desestabilização dos estáveis, dos trabalhadores qualificados que
se tornam precários, dos quadros bem considerados que podem
ficar desempregados. É do centro que parte a onda de choque
que atravessa a estrutura social. (CASTEL, Robert, 2001, p.569).
A utilização indiscriminada de termos como exclusão talvez esteja
relacionada, também, como a associação comumente feita entre trabalhador e
pobre. Aliás, não se identifica os trabalhadores de algumas profissões a partir da
designação de trabalhadores. Este termo é mais usualmente aplicado quando a
referência são os trabalhadores braçais ou assalariados pobres. E tal associação
também é resultado da forma como estes temas irão se embaralhar na
modernidade capitalista.
Outra questão importante é o debate que vai ocorrer no século XX a
respeito do tema da pobreza. Nos anos 50 e 60 do século XX o interesse pelo
assunto esteve fortemente presente e os termos “pobreza” e “miséria” fizeram
parte da linguagem econômica e sociológica no mundo todo. O fato coincidia com
um momento de otimismo com o capitalismo contemporâneo, consagrado pela
65
publicação da obra “A sociedade da Abundância” (The Affluent Society) de John
K. Galbraith, publicada em 195839. Nos anos seguintes o otimismo começa a
declinar: as pesquisas e as experiências de política social apontavam a
permanência do problema mesmo nos países ricos e industrializados. Daí uma
nova mudança no pensamento:
A gravidade da pobreza à escala mundial surge como um facto
incontestável e fora de discussão. Os debates dos investigadores
centram-se sobretudo em torno de outra questão: a do “limiar da
pobreza”, ou seja, do estabelecimento e escolha dos critérios que
permitiriam definir os traços distintivos da pobreza do ponto de
vista quantitativo e estatístico (GEREMEK, B. 1986, p.07).
As dificuldades tornam-se outras: os critérios para se definir a pobreza.
Investigadores americanos propõem o índice de rendimento econômico familiar
nacional como medida, o qual se revela pouco eficiente, mesmo para a sociedade
americana, em função da diversidade de situações locais, onde se observam
fatores variados na caracterização das situações dos considerados pobres:
fatores sociais, culturais, geográficos, etc. Essa medida é menos eficaz ainda no
caso dos países menos desenvolvidos. O que, aliás, é um problema permanente
para os estudiosos em geral, para as ciências sociais como campo de reflexão e
para a definição de políticas publicas.
Há variadas técnicas e medidas de avaliação conforme as teses e os
objetivos das definições produzidas. Segundo Geremek, há obviamente um
critério absoluto “um ponto limite vital em que é a própria sobrevivência que se vê
39
Nessa obra, Galbraith expõe possibilidades de supressão da pobreza na sociedade americana;
a pobreza não seria uma calamidade pública, mas sim uma calamidade que atingia determinados
indivíduos (casos especiais de pobreza – case poverty) ou determinados grupos e regiões (ilhas
de pobreza – insular poverty); deste ponto de vista, a pobreza não seria auto-reprodutora de
pobreza, e ela poderia ser eliminada pela “sociedade da abundância”.
66
ameaçada”. Ainda assim, “como definir os traços distintivos de uma pobreza
“relativa”, determinada por convenções sociais e modelos de existência em
constante evolução?” (GEREMEK, B. 1986, p.07, grifo do autor). A própria
definição de um mínimo vital também é problemática. Neste caso, a definição
relaciona-se com as normas alimentares, as quais variam conforme as condições
geográficas, os hábitos culturais e os modelos de consumo de cada grupo social.
Mas o problema teórico-empírico, presente na literatura medieval, na
modernidade e na contemporaneidade permanece: a dificuldade de se
estabelecer distinções claras e precisas sobre o estigma social da pobreza40.
Quais seriam os grupos de pobres estigmatizados, alvos do desprezo e não da
piedade? Geremek chega a apontar alguns estudos dedicados à problemática,
como o do sociólogo norte-americano David Matza41.
Uma idéia que parece consensual nos dias de hoje é que a análise restrita
a índices quantitativos é insuficiente. As condições da pobreza e da
miserabilidade produzem implicações não só materiais. Suas características não
deixam de ser evidentes aos olhos, mas ao mesmo tempo há dificuldades para se
determinar critérios, meios e medidas para avaliação. Como os critérios
40
Mesmo no campo acadêmico o tratamento teórico do assunto é multifacetado e daí decorre o
distanciamento de muitos estudiosos do risco que representa utilizar conceitos como “pobre” e
“pobreza”. A alegação de que é melhor evitar o uso do termo, dada a sua carga semântica
negativa, muitas vezes se torna a justificativa para o distanciamento do tema. Outro problema é a
dificuldade de definição precisa sobre quais são os grupos de pobres referenciados, em quais
faixas de renda econômica, localizados em quais lugares, atendidos ou não por quais programas
sociais.
41
Matza produção uma distinção de três níveis de pobreza: o maior seria composto por todos
aqueles qualificados como pobres por terem nível de rendimento baixo; um segundo grupo,
intermediário, seria representado por aqueles que se beneficiam da assistência social
governamental; e um terceiro grupo, composto por trabalhadores precários e desempregados,
seria fonte de comportamentos desviantes. Este último seria subdividido por subcategorias
compostas por indivíduos ou famílias de desenraizados, imigrantes, sujeitos degradados pelo
alcoolismo, drogas ou comportamentos pervertidos e ainda pelos pobres “aceitáveis”,
representados pelos doentes crônicos, inválidos, crianças órfãs, etc. Há ainda os disreputable poor
– considerados indivíduos desprezíveis. São estes indivíduos que recebem da sociedade o
estigma de infames – disrepute-stigma.Tais distinções são importantes a fim de que se possam
compreender as doutrinas da caridade – que distinguem entre os pobres meritórios e os indignos.
67
econômicos não bastam para definir a pobreza, procura-se avaliar o fenômeno
em sua multiplicidade de aspectos. A pobreza passa a significar “um modo de
vida
onde
psicológicos,
diversos
elementos
fisiológicos
e
(sócio-culturais,
ecológicos)
interagem
econômicos,
de
forma
políticos,
complexa”
(GEREMEK, 1986, p.09)42.
Podemos destacar aqui uma definição contemporânea para a pobreza a
partir dos escritos de Amartya Sen, economista premiado com o Nobel de
Economia em 1998 por seus estudos sobre fome e pobreza. Para Sen (2000),
que foge do tratamento comum dado ao termo, muitas vezes excessivamente
economicista, a pobreza não é simplesmente a falta ou a pouca quantidade de
rendimentos, mas sim a privação das potencialidades. Por sua vez, estas
privações dependem de vários fatores como: idade, papéis sociais, localização da
moradia, condições sanitárias e epidemiológicas, etc. Não se pode simplesmente
estabelecer uma linha imaginária e abstrata de pobreza e aplicá-la mundialmente.
Na medida em que se devem considerar as potencialidades a serem
desenvolvidas pelos seres humanos, fatores sociais, biológicos e geográficos
devem ser observados; mas não há “culturalização”. O pensamento de Sen tenta
acomodar melhor uma definição entre uma perspectiva econômica, o que
42
Há ainda duas linhas de estudos importantes apontadas por Geremek sobre os comportamentos
dos meios pobres, que desenvolveram duas teorias explicativas importantes: a primeira, tese da
“subcultura dos pobres”, e, a segunda, a tese da gênese “situacional”. A primeira, cujos
defensores principais são Oscar Lewis e Michael Harrington (que aplicaram a tese à realidade
norte americana) debruçando-se sobre os meios pobres urbanos afirmam que o caráter desviante
dos pobres, relativo às normas vigentes deve-se ao fato desses grupos terem desenvolvido
modelos culturais e uma hierarquia própria de valores diferentes dos reconhecidos pela maioria;
“transmitidos de geração para geração, esses modelos surgem como determinantes subculturais
do estatuto socioeconômico inferior dos pobres” (GEREMEK, B. 1986, p.10). A segunda teoria
nega a existência de causas internas dos comportamentos característicos da subcultura dos
pobres. Para os defensores desta tese tais comportamentos seriam resultantes inevitáveis do
estatuto e do lugar atribuídos aos pobres na estrutura social. Geremek não aponta expoentes
defensores desta segunda teoria. As duas, bastante distintas ideologicamente, possuem o mérito
de apontarem a importância de fatores internos e externos para se compreender e explicar os
comportamentos nos meios pobres.
68
equivale à ausência objetiva de meios de se manter e uma perspectiva social e
individual-subjetiva, na medida em que incorpora a capacidade de um indivíduo
de viver conforme os padrões da sociedade a que pertence. Além disso, sua
concepção põe em questão o combate a pobreza através das medidas
compensatórias e de subsídio, considerando mais importante não a ação externa
paliativa, mas uma ação pensada a partir do próprio indivíduo. Isso não significa
descolar a esfera individual da esfera coletiva. Mas pensar o coletivo também a
partir das possibilidades oferecidas para cada um.
Encerramos este capítulo, após esta incursão histórica breve acerca do
olhar sobre a pobreza, tentando pensar quais elementos históricos e sociais
estiveram presentes, em alguma medida, no pensamento de Ibiapina sobre o
tema. Suas ações contra a pobreza possuíram diversas facetas; tiveram um
caráter educativo e assistencial; religioso e laico. Embora, por um lado, ele
concebesse o estado da pobreza como um dado, isto é, deveria ser aceito com
resignação, como uma determinação divina, o que se definia também a partir de
uma rejeição a qualquer sentimento de avareza, de cobiça e ambição, por outro
lado, concebendo o trabalho e também a educação e a oração como meios de
ocupação da alma, e como ferramentas para salvação moral e material, ele fazia
com que os pobres por ele atendidos e seus órfãos das Casas de Caridade,
pudessem lidar, através de suas potencialidades, com a pobreza na época. Este
entendimento deve estar circunscrito à época, às limitações do contexto sóciohistórico, e ainda, ser compreendida dentro de um feixe de elementos paradoxais
que caracterizaram as ações do missionário.
Assim como contemporaneamente o trabalho será apresentado como
ferramenta de combate à pobreza, num processo que teve início a partir da
69
modernidade, o Padre Ibiapina também o elege como instrumento de ação e
transformação da pobreza. Mais até, esta categoria funcionava como referência
para seu discurso moralizador e disciplinador.
Neste sentido, a pobreza para o missionário situou-se entre os dois pólos
de sentimentos distintos profundamente, que dão título à obra de Geremek
(1986): a piedade, de inspiração cristã, que representa a pobreza consentida,
especialmente quando se tratou dos “incapazes” para o trabalho (crianças,
enfermos, velhos, loucos). E a forca, representada pelas ações de combate à
pobreza através do trabalho – neste caso, a pobreza a ser remediada era aquela
que atingia a população, mas que podia ser solucionada, na medida em que esta
população fosse educada, orientada, conduzida para tal fim.
70
PARTE I: Pobreza, caridade e trabalho.
CAPÍTULO 02:
A pobreza no Brasil e no Nordeste de Ibiapina.
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB).
Pintura sobre azulejo. Irma servindo alimentos.
Foto 02: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
71
Seja considerando referências e cenários nacionais ou internacionais sobre
o tema, podemos afirmar que o problema da miséria, suas causas e os meios
para eliminá-la sempre estiveram no centro das atenções das Ciências Sociais –
ainda quando essas ciências davam seus primeiros passos. No campo da
Sociologia, o tema sempre esteve presente, vinculado muitas vezes ao problema
moderno da pauperização do trabalho.
No caso do Brasil, contudo, o tema da pobreza não aparece imediatamente
sob este termo. Outros dominaram os debates no nosso pensamento social
clássico: raça, povo, mestiçagem e organização nacional (SPRANDEL, 2004),
embora, obviamente, as problemáticas relacionadas ao tema já estivessem
presentes. Os estudiosos estavam preocupados em saber se com a configuração
étnica que tínhamos seria possível construir uma nação organizada. Um país com
mistura de raças poderia ser considerado uma nação? Teríamos aqui um “povo”?
Como poderíamos, sem organização, entrar na modernidade? A miscigenação
representava um defeito a ser corrigido por um processo de “branqueamento” da
população, possibilitado pela importação de imigrantes europeus.
As poucas referências às “classes baixas” detinham-se sobre a potencial
ameaça que os pobres ofereciam à ordem social - isso no caso dos pobres
habitantes das províncias; os moradores das regiões do interior do país eram
considerados apáticos e doentes. A pobreza, até então, era considerada resultado
ora da mestiçagem, ora da escravidão, como uma conseqüência do clima, da
doença ou da desorganização social. As questões de raça encobriam as de
classe.
O pensamento predominante no Brasil, no período que vai das três últimas
décadas do século XIX até pelo menos as três primeiras décadas do século XX,
72
acabou por ocultar e justificar a pobreza através das problemáticas suscitadas
pelas questões raciais. A mestiçagem estaria apagando as melhores qualidades
de negros, índios e brancos e produzindo uma sociedade de degenerados.
Porém, já no século XIX contava-se com algumas vozes dissonantes, como a dos
abolicionistas e a de pensadores como Manoel Bomfim (1868-1932) que
acreditava que a miséria nacional resultava da relação de exploração
estabelecida com a metrópole. Manoel Bomfim viveu a passagem do século XIX
para o século XX, e foi autor de importantes formulações que denunciaram as
teses evolucionistas então em voga, as quais eram defendidas por pensadores
como Sílvio Romero e Nina Rodrigues, para explicar o “atraso” do Brasil. Para
Bomfim (2005), as origens do nosso atraso tinham relação com a dominação e a
exploração colonial e não com questões de raça. Idéias avançadas para o período
em que ele viveu e escreveu, desenvolvidas em A América Latina: males de
origem43.
No
entanto,
predominavam
as
teses
racistas,
evolucionistas,
o
determinismo físico e geográfico e o etnocentrismo para explicação e análise da
sociedade brasileira. Com isto, nem de longe a pobreza era considerada um
problema social, com origens nas dinâmicas sócio-econômicas e históricas de um
país recém saído de um regime de escravidão e ainda profundamente ligado ao
passado colonial.
O processo de “descoberta” de um país que se constituía também de
miseráveis, doentes e abandonados começou somente no início da segunda
década do século XX. No ano de 1916 a opinião pública tomou conhecimento da
publicação tardia de um relatório produzido pelo Instituto Oswaldo Cruz. A
43
Publicada pela primeira vez em 1905.
73
instituição encabeçou uma Comissão Científica de Exploração pelo interior de
vários Estados da atual região Nordeste (Norte da Bahia, Sudoeste de
Pernambuco, Sul do Piauí, e de Norte ao Sul de Goiás) e o documento produzido
a partir do trabalho da comissão apregoava a idéia de que o povo brasileiro não
era preguiçoso ou degenerado em função da raça ou do clima, mas por estar
doente. Tais idéias se inserem num contexto de produção da medicina erigida sob
as teorias higienistas: tratava-se, na verdade de “curar” as raças (SPRANDEL,
2004).
Sob influência do pensamento do sociólogo pernambucano Gilberto Freyre,
a partir da publicação de Casa Grande e Senzala, no ano de 1933, algumas
idéias predominantes na época passam a ser questionadas. A raça e o clima não
seriam causadores de uma “degeneração” do brasileiro. Embora o próprio Freyre
seja acusado de ter sido racista, em função da forma como descreve as relações
entre o patriarcado, a escravidão e a sociedade brasileira geral, suas teorias
serviram como aportes de justificação da miscigenação, que em seus escritos não
transparece como necessariamente negativa, mas como uma característica
própria do país. Freyre preconizava que éramos uma nação de várias raças que
conviviam harmonicamente, e compreendia a miscigenação como um fenômeno
positivo à formação nacional44.
44
Muitos aspectos da obra de Freyre (2006) já foram exaustivamente mostrados por diversos
estudiosos. Destacamos como um aspecto crucial o equilíbrio de contradições e antagonismos,
característicos da história de construção social, política e cultural do Brasil, que aparecem tão bem
descritos em Casa Grande e Senzala, aos quais Freyre se mostrou simpático. Talvez por isso não
esteja presente qualquer análise acerca dos conflitos entre negros e brancos, entre senhores e
escravos; algo que, por outro lado, tem relação direta com o fato de que o “lócus” de estudo de
Freyre não foi exatamente a senzala, mas, muito mais fortemente, a Casa Grande, onde as
relações entre senhores e escravos certamente eram menos conflituosas que fora dela, no seu
entorno. Os antagonismos, então, para Freyre, acabam aparecendo de forma harmonizada, ou ao
menos, tais relações encontrariam certo equilíbrio, baseado num esquema de
complementaridades. Noutras palavras: o clima da cultura patriarcal é visto com simpatia por
Freyre. Com isto ele acabou sendo alvo de muitas críticas severas, dentre elas a de que ele teria
74
Deslocado o foco das questões do tema das raças, crescem os estudos
sobre hierarquia social e classes, com importantíssimos estudos de Costa Pinto e
Florestan Fernandes, e esta tônica permanece até pelo menos as décadas de 60
e 70 do século XX. Podemos dizer que nesta fase a equação muda e a questão
racial passa a ser ocultada pela questão de classe.
A partir da década de 80, a pobreza começa a figurar dentre os problemas
que ocupavam os estudiosos. Com a nova constituição de 1988, o problema
aparece reformulado e passa a ser objetivo do país erradicá-la. E, finalmente, a
partir da década de 90 – contexto de mobilização através da Campanha contra a
Fome (Ação da Cidadania contra a Miséria e pela Vida)45, a pobreza se torna um
tema central.
Resumidamente, podemos dizer que o tema foi tratado inicialmente de
forma “naturalizada”, no pensamento social brasileiro clássico, e passou, no
pensamento contemporâneo, a ser tratado de forma “focalizada”. Esta focalização
exprime o tratamento novo oferecido ao tema, permeado por indicadores
numéricos, pela linguagem dos tecnocratas, preocupados com os índices
mundiais reveladores de miséria. Uma linguagem ávida por encontrar parâmetros
de classificação dos níveis de miséria social existente.
Voltando para o quadro temporal que nos interessa, a segunda metade do
século XIX na região Nordeste, apresentamos a seguir uma breve caracterização
da pobreza no período, mostrando como se configuravam as classes pobres e
feito certas confusões entre raça e cultura; de que sua obra sofre de certo ecletismo metodológico;
a ausência do reconhecimento de conflitos entre grupos socialmente distintos teriam-no levado a
pensar através de um mito da democracia racial; conseqüentemente, teria Freyre pensado
equivocadamente uma idéia de “cultura brasileira”. Apesar das críticas que possam ser feitas ao
Sociólogo, é inegável a importância que o legado de sua obra deixou para uma nova interpretação
das questões raciais no país.
45
Campanha lançada em 1993, pelo Sociólogo Herbert de Souza.
75
quais relações mantinham para sobrevivência. Em seguida, nos detemos sobre os
sertões atingidos pelas secas no período, fenômeno produtor de muita miséria na
região.
2.1 Pobreza no Brasil do século XIX
Uma questão absolutamente fundamental quando fazemos qualquer
referência ao Brasil do século XIX, tratando de temas como pobreza, é considerar
a estrutura social da época. Embora o mundo já conhecesse as idéias liberais e
relações de trabalho baseadas no assalariamento, que ocupavam já a esta altura
grande numero de operários pobres na Europa, não tínhamos aqui uma
população de proletários em busca de trabalho, não observamos a destruição de
um campesinato forte, posto que aqui possuíamos no campo uma estrutura social
defina pelas relações entre os senhores e os escravos. Também não tínhamos
aqui um artesanato consolidado. O sistema econômico girava em torno da
produção monocultora açucareira e a organização dos estratos que compunham a
sociedade da época assegurava a rígida hierarquia social e as desigualdades.
A estrutura social era formada pelos senhores, pelos escravos, pela
burocracia civil e militar; quem não se enquadrava nestes estratos fazia parte de
uma imensa camada denominada a massa dos desenraizados (Kowarick, 1994)46:
livres, libertos, mestiços, advindos de várias origens. Boa parte destes sujeitos
vivia da atividade de subsistência. Dentre estes, havia ainda os mendigos, que
sobreviviam das esmolas, perambulavam pelas ruas e não tinham local fixo de
moradia;
46
eram
sujeitos
de
diversas
matizes
sociais,
considerados
KOWARICK, Lúcio. Trabalho e Vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. 2. ed. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1994.
76
desclassificados, vadios. Não sendo senhores, nem escravos, essa população de
miseráveis sobrevivia de trabalhos ocasionais.
A tabela 01, logo abaixo, referente ao ano de 1875, nos fornece
estatísticas sobre essa massa de desenraizados desocupados no país:
Tabela 01 – Número de ocupados em 1875.
Minas Gerais
Ceará (antes da
seca)
São Paulo
Bahia
Pernambuco
Rio de Janeiro
Total
Braços livres
empregados na
lavoura
Braços escravos
empregados na
lavoura
278.588
174.482
288.767
7.767
Braços livres
desocupados (de
13 a 45 anos de
idade)
1.032.314
227.139
252.579
376.548
229.769
131.204
1.434.179
60.612
82.957
38.714
141.723
650.540
308.581
526.528
400.583
327.438
2.822.583
Fonte: Guimarães, 1982.47
Note-se que em todas as províncias, o número de desocupados é bastante
superior ao número de ocupados – escravos ou não. Essa massa da população,
que flutuava na sociedade sem lugar social e econômico, era considerada
preguiçosa e avessa ao trabalho.
O rótulo da vadiagem era atribuído aos sujeitos que não se integravam de
alguma forma à ordem do trabalho ou que resistiam a essa ordem. E havia forte
preocupação por parte das autoridades locais com esses sujeitos, que poderiam
se tornar ameaça à ordem social; os vagabundos eram associados a uma vida
desregrada, imoral e de vícios. Por outro lado, dadas as condições aviltantes às
47
Citado por Alberto Passos Guimarães. As classes perigosas - banditismo rural e urbano. Rio de
Janeiro, RJ: Graal; 1982, p. 139.
77
quais estava submetido o escravo, a vida regrada pelo trabalho representava,
sobretudo, degradação e aprisionamento. O referencial da vida de trabalho,
através do cativeiro, expressava a forma mais mortificante de existência. Daí a
dubiedade do que significava ser trabalhador, já que o trabalho era atribuição dos
escravos.
Ao longo da segunda metade do século XIX essa estrutura ambígua de
valores relativos ao trabalho teria que sofrer profundas mudanças em função do
colapso do sistema escravista. O fim da escravidão tornou os ex-escravos libertos
e o sistema capitalista que começava a delinear as relações modernas de
trabalho por aqui demandava urgentemente a formação de mercados de trabalho;
contudo, essa não era uma tarefa simples numa sociedade recém- saída de um
modelo econômico e social escravista, que desconhecia o valor liberal moderno,
propagado pelas idéias européias, do trabalho livre. O sistema de dominação
pessoal e de exploração da relação senhor - escravo tinha que ser substituído por
uma relação impessoal, também de exploração, entre empregador-empregado. A
massa que potencialmente poderia ser convertida em mão-de-obra para os
mercados de trabalho deveria aprender os valores do trabalho e almejar a
redenção da pobreza e da condição de miséria por ele.
Mas essa mudança se deu lentamente. O que ocorreu imediatamente após
o colapso do sistema escravista foi a substituição dos negros escravos por
brancos que foram submetidos a um sistema semelhante ao escravista nas
fazendas de café – os imigrantes europeus. E o chamado elemento nacional –
branco, negro, mulato, cafuzo, mameluco – a massa de libertos (ex-escravos),
miseráveis e desenraizados não foram integrados nas áreas produtivas que
demandavam braços para o trabalho. Esses sujeitos eram rejeitados pelas
78
lavouras cafeeiras, em ascensão no fim do século XIX no Sudeste do país,
porque eram considerados “inaptos” para o trabalho, incapazes e resistentes ao
trabalho disciplinado. Daí a importação, pelos grandes proprietários cafeicultores
da mão-de-obra estrangeira. No início, o próprio colono subsidiava a vinda do
imigrante. Ao chegar ao Brasil ele já tinha contraído uma dívida (com a viagem, a
hospedagem,
a
alimentação,
etc.).
Essa
dívida,
que
passava
a
ser
responsabilidade de toda a família do imigrante, deveria ser paga com juros e o
imigrante não poderia deixar a fazenda enquanto ela perdurasse – o que o
submetia a condições de exploração semelhantes ao observado no modelo
escravista.
Contudo, no Nordeste brasileiro, alguns elementos apontam diferenças
fundamentais no que concerne ao processo de formação do trabalhador urbano.
Nesse período, diferentemente do ocorrido no Sudeste, a região não assistiu à
vinda de estrangeiros imigrantes. Aqui foi aproveitado o homem livre e pobre,
visto noutras regiões do país (onde a imigração era forte) sob a alcunha de
vagabundo48. Eram aqueles que “flutuavam” na estrutura da sociedade, que
estavam à margem.
O grande número de homens pobres e ociosos nas províncias
representava para o pensamento das autoridades locais um risco para a ordem
pública, da mesma tal como se pensava em âmbito nacional. Principalmente os
proprietários da região manifestavam preocupações em criar mecanismos de
48
Apesar das diferenças entre Sudeste e Nordeste e da absorção do trabalhador nacional nesta
região, Diniz (1988) afirma que também aqui houve desprezo pela mão-de-obra nacional livre, que
foi vista como vadia e inútil para o trabalho: “os proprietários reclamavam com freqüência da
qualidade dos trabalhadores livres que, segundo eles, eram preguiçosos, instáveis, resistentes ao
trabalho constante e disciplinado” (DINIZ, 1988, p.67). Em conseqüência disso surgiram nas
províncias leis de repressão e regulação da vida dos pobres e daqueles considerados vadios e
ociosos.
79
coação da massa dos desocupados. Essa preocupação se associou à criação
progressiva de uma nova significação da categoria trabalho. Necessitava-se criar
um modo de vida regular, disciplinado, produtivo, especialmente destinado à
população pobre e aos sem trabalho. Diniz (1988, p.72, grifos do autor) relata as
medidas tomadas pelo então presidente da província da Paraíba, Henrique
Beaupaire Rohan, para resolver o problema da falta de braços:
Ele entendia que a questão da “vadiagem” do nacional pobre
poderia ser resolvida mediante a criação de uma situação de
autonomia ilusória, articulada a mecanismos institucionais que
ministrassem diuturnamente ao pobre uma educação
moralizadora. O essencial, em sua opinião, era habituar o homem
pobre ao trabalho voluntário desde a mais tenra infância, razão
pela qual propunha a criação de escolas especializadas em
educação industrial.
Henrique Beaupaire Rohan, que assumiu a presidência da província da
Paraíba em 1857, tinha como uma de suas preocupações a formação de um
mercado de trabalho livre que substituísse o escravo. Para ele, em vez de ficar
em casa, ocupando-se com jogos, submetido a um “tempo da natureza”, o
trabalhador “deveria construir o seu próprio tempo, um tempo de ocupações úteis,
produtivas, evidentemente segundo a noção capitalista do termo” (DINIZ, 1988,
p.73). Ele demonstrava uma clara preocupação em criar uma conduta moral a ser
aprendida pelos homens livres e pobres, que estavam “entregues à vida fácil”, ou
que, pelo menos, não estavam submetidos ao rigor da disciplina do trabalho.
Contudo, a introdução de imigrantes estrangeiros no Sudeste, ao mesmo tempo
em que outras regiões como o Nordeste e o Norte – este através do processo de
imigração interna ocorrida no país nesse período – absorviam esse contingente,
80
demonstrou que a constituição dos mercados de trabalho nacionais sucedeu de
várias maneiras.
Manuel Correia de Andrade (1973) no livro A Terra e o Homem no
Nordeste fornece vários indicadores acerca de como se constituíam as relações
de trabalho na segunda metade do século XIX, as quais ocupavam precariamente
a massa pobre, representada pelos “livres”. Em Pernambuco, na Paraíba e no Rio
Grande do Norte, muitos foram absorvidos na dinâmica sócio-econômica local,
embora sob condições miseráveis de sobrevivência e inserção social. Isto se deu
em função do alto custo de um escravo. Mas outro fator foi fundamental: a
migração da população que fugia das secas em direção às regiões produtivas,
pois esta formaria uma massa disponível para ocupação no trabalho.
Andrade (1973) afirma que no Norte de Recife eram raros os senhores de
engenho ricos que possuíam numerosa escravaria. Ao lado dos escravos que já
possuíam, costumava-se “contratar” trabalhadores – sendo estes “índios
semicivilizados, mulatos e negros livres” (p.104). Para não ter que adquirir
escravos a alto custo, os senhores facilitavam o estabelecimento de moradores
em suas terras em troca da obrigação de trabalhar para a fazenda – num tipo de
relação que se denominou “moradores de condição”. Estes moradores viviam em
absoluta pobreza, em choupanas de barro ou de palha.
Neste período o país já vivia as conseqüências das restrições impostas ao
tráfico de escravos, e, posteriormente, com a lei do Ventre Livre e a abolição da
escravidão, grande parte da população escrava foi sendo vendida para os
cafezais do Sul que estavam em plena expansão. Andrade, recorrendo aos
escritos de Câmara Cascudo sobre a história do Rio Grande do Norte, assinala:
81
O avanço da cultura do algodão e a grande seca de 1877
arruinando muitos proprietários, determinou a venda de
grande quantidade de escravos para o Sul, a ponto de em
1884 restarem apenas 7.623 cativos em toda a província.
(ANDRADE, M. C., 1973, p.106).
No final do século XIX já não era grande a percentagem de escravos na
população dos Estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e mesmo de
Pernambuco. Desta forma ia aumentando o número de trabalhadores, os quais
viviam miseravelmente: “Certos ofícios como os de pedreiro, carpina, oleiro,
tanoeiro, etc., ao Norte do Recife, eram exercidos por homens livres que muitas
vezes residiam em vilas, cidades e povoações.” (ANDRADE, M. C., 1973, p.106).
Comparando dados da província do Rio Grande com a Bahia, temos o seguinte
quadro: na Bahia, em 1854 havia cerca de 1.200 engenhos com 70.000 escravos,
isto é, cerca de 58 escravos para cada engenho; enquanto no Rio Grande havia
apenas 144 engenhos com 1.508 escravos, isto é, cerca de 10 escravos para
cada engenho.
Nos meados do século era comum haver senhores-de-engenho,
de pequenos engenhos, é claro, que mantinham sua propriedade
com 4 ou 5 escravos, e 20 ou 30 trabalhadores livres. Estes, além
de ficarem na mais rigorosa dependência do senhor, ganhavam
salários já então baixíssimos, em torno de 400 réis diários.
(ANDRADE, M. C., 1973, p.106).
As lavouras de algodão e mais da metade da lavoura da cana-de-açúcar
eram feitas por “moradores de condição”, plantadores livres e trabalhadores no
sistema de parceria. Portanto, enquanto na região Sudeste do país as lavouras de
café eram cultivadas por imigrantes, aqui, dispunha-se de uma reserva de mãode-obra: representada pela população livre e pobre, constituída por ex-escravos,
mestiços, sertanejos fugidos das secas, que “devido às suas ínfimas condições de
82
vida, à sua ignorância e às condições de trabalho então existentes, facilmente
seria absorvida, como o foi pela agro-indústria do açúcar.” (ANDRADE, M. C.,
1973, p.107). No caso dos escravos, a partir do momento em que se viram livres,
também se descobriram sem ajuda, sem terras, sem assistência governamental;
tiveram esta liberdade transformada apenas no direito de trocar de senhor:
“transformou-se em “morador de condição”, continuando a habitar em choupanas
de palha ou senzalas, a comer carne seca com farinha de mandioca e a trabalhar
no eito de sol a sol” (ANDRADE, M. C., 1973, p.108).
Ao mesmo tempo em que a população pobre vinda dos sertões em direção
às províncias significava mão de obra barata para a economia litorânea, também
representava a concentração da pobreza nas cidades, já que se somava aos exescravos, e à massa de miseráveis que transitava fora de quaisquer circuitos da
economia local. O período que compreende a segunda metade do século XIX na
região não pode ser compreendido sem que observemos de perto a configuração
das relações de trabalho descritas, o quadro de pobreza que caracteriza o
período e a região e as conseqüências das secas, descritas a seguir. As ações
missionárias do Padre Ibiapina se inscrevem neste contexto histórico e foram ao
encontro desta população que se encontrava fora do sistema econômico, vitimada
pelas doenças, pelas secas, desprotegida de quaisquer redes de proteção social.
2.2 As secas nos sertões de Ibiapina.
O problema das secas na região mais árida do país não é um problema
novo. Pelo contrário, a ausência de chuvas, que é um fenômeno natural tem seus
83
primeiros registros ainda em 1552, nos documentos portugueses49. O fenômeno,
juntamente com a disputa por terras, na época, provavelmente eram responsáveis
pela movimentação espacial dos indígenas na região. Villa (2000) afirma que foi
um jesuíta, Fernão Cardim50, o primeiro cronista a descrever com detalhes o
efeito de uma seca, que ocorria no século XVI, no ano de 1583, atingindo o litoral
de Pernambuco.
Durante o século XVI, o sertão da região Nordeste permaneceu
praticamente isolado. O domínio dos portugueses restringia-se à faixa litorânea,
em função das atividades econômicas; não parecia haver nada atrativo
comercialmente no interior. Foi somente a partir de meados do século XVII, então,
com a chegada dos holandeses, que teve início mais efetivamente a ocupação do
sertão nordestino através da pecuária. E o século XVII contou com seis grandes
secas ocorridas nos anos de 1603, 1605-1607, 1614, 1652, 1692, as quais
afetaram principalmente os atuais Estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e
Ceará. Nesse período, intensificaram-se os conflitos entre conquistadores e
indígenas e houve prejuízos aos rebanhos e às populações dos interiores. Já no
século XVIII, outras sete grandes secas, com efeitos mais devastadores que as
do século anterior voltaram a ocorrer nos anos de 1710-1711, 1721, 1723-1727,
1736-1737, 1745-1746, 1777-1778, 1791-1793 e atingiram todo o Nordeste,
(VILLA, 2000). As secas prejudicavam gravemente a única atividade econômica
49
Os problemas causados pelas secas, que ocorrem em função de condições naturais, estão
ligados não ao fenômeno em si, o que lhe imputaria uma caracterização determinista. A análise
deste contexto indica como estes problemas estiveram ligados à dinâmica política de interesses
econômicos e sociais na época.
50
Fernão Cardim foi um jesuíta português, nascido provavelmente em 1549. Teria ele ingressado
ainda menino na Companhia de Jesus e já em 1584 estava no Brasil. Seus manuscritos, reunidos
e publicados somente no século XX, graças aos esforços de Capistrano de Abreu no final do
século XIX de atribuir-lhe autoria, foram chamados Tratados da terra e gente do Brasil (1980). Os
manuscritos registram etnograficamente a vida dos indígenas e aspectos naturais e geográficos da
colônia.
84
da região, a pecuária. A pior delas foi a de 1791-1793 e atingiu os Estados do
Ceará, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba e
Piauí. Matou o gado, vaqueiros, fazendeiros, animais; famílias inteiras morreram
de forme e sede pelas estradas e o interior ficou deserto. Os retirantes se
encaminhavam para as capitanias vizinhas, esmolando ou furtando para
sobreviver. Relata Villa (2000, p.20):
As estradas juncadas de cadáveres, famílias inteiras mortas de
fome e sede, e envolvidas no pó dos campos; o interior deserto; a
população esfaimada e dizimada pela peste nos povoados do
litoral; atulhadas de retirantes as capitanias vizinhas, esmolando
uns, furtando outros, trabalhando poucos.
Num livro que se tornou um importante documento de registro narrativo
sobre as secas na região, Phelippe Guerra e Theophillo Guerra (1980)
disponibilizaram cartas e manuscritos que detalham a situação de fome, as
dificuldades enfrentadas pelos sertanejos, desde o século XVIII até os primeiros
anos do século XX. Referente ao século XVIII é a descrição abaixo:
A fome no povo foi considerável de sorte que meninos que já
andavam tornaram ao estado de engatinhar (...). Acabados os
mezes de inverno sem nenhuma chuva, acabados os
mantimentos e o gado juntamente foi um geral clamor. Ver
famílias inteiras a pé, em busca dos agrestes da beira-mar,
distantes 50 léguas, morrendo à fome pela estrada, enternando
se pelos mattos com filhinhos e trem ás costas; isso por decurso
de mezes (...). Chegou a fome a tanto extremo que foi visto um
viajante cosinhando os nervos duros do gado que havia morrido
para comer, de tanto que era a necessidade que padecia.
(GUERRA, P., GUERRA, T. 1980, p.17).
Referente à década de 70 do século XIX, à seca de 1870, é a descrição
abaixo:
Continua a secca geral e tormentosa nos sertões apresentou-se
crise apertada, escassez para a população, que achou-se em
85
graves apuros, podendo somente prover-sea custo nos portos
marítimos de Assú e Mossoró, onde a carestia chegou ao
extremo (...). Pouco faltou para que morresse tudo á fome e de
miséria. Os gados de toda espécie pereceram quase por metade.
(GUERRA, P., GUERRA, T. 1980, p.35).
E a seguir, as passagens abaixo descrevem a grande seca de 1877, a qual
chega a ser referida algumas vezes pelo Padre Ibiapina em suas cartas escritas
às Superioras que comandavam as Casas de Caridade. Nos anos de seca
algumas instituições também enfrentavam dificuldades para se manter.
Este anno de 77 jamais apagar-se-á da memória dos sertanejos,
pela sua grande seca, que foi considerada pior do que a de 45
(...). Estava tudo na maior consternação e calamidade com a
sêcca, que vai devorando gados e gentes (...). Tudo está sendo
reduzido à pobreza, à miseria, à fome, à desolação. Pelo meiado
deste mez apareceram ainda algumas chuvas, quase geraes, que
se tivessem continuado, ou se as águas tivessem sido captadas
em resevatorios e açudes, muito alliviariam os males e as
afflições da terrível calamidade. Em junho está acentuada a
sêcca, e já há muitos retirantes para o littoral. Está dando o
allarma por todo o paiz. Organizam-se comissões de socorros, e
o poder central principia a mover-se enviando socorros. Onde há
um nortista é organisada uma commissão.
Para Mossoró e outros pontos do littoral retiram se as famílias
acossadas pela sêcca; todos andrajosos, famintos e na maior
miséria vão perecendo pelas estradas.
Dessa população adventícia, rara era a pessoa que vestia uma
camisa sã, ou vestido sem remendos; muitos, que antes eram
possuidores de media abastança, estavam agora alli esmolando
de porta em porta, por haverem attingido a máxima miséria; e vão
cahindo mortos em seus casebres improvisados, ou pelas ruas e
calçadas, d‟onde são levados para o cemitério, para a valla
commum, por homens pagos para o transporte, e que com o
cadáver atado a uma vara, sobre o hombro de dous
carregadores, seguem a cantarolar no desempenho da lúgubre
missão.
O desregramento de costumes, o despreso pelos soffrimentos, a
improbidade, o avanço da lascívia, batem-se vantajosamente
contra os sentimentos contrários que tentam refreá-los.
A sêcca foi devastadora em todas as quatro províncias: Piauy,
Ceará, Rio Grande do Norte e Parayba. Em todas elas ficou a
população reduzida a miséria, a ruínas e a pobreza; o quadro foi
horrível, só apreciável por quem sabe o por experiência.
(GUERRA, P., GUERRA, T. 1980, p.38-39).
86
Os autores prosseguem na descrição dos anos seguintes até o ano de
1907. As descrições revelam a alternância do sofrimento da população com as
secas nos sertões e os anos de bom inverno, nos quais se plantava e se colhia
com abundância. Os anos seguintes ao de 1877 ainda foram marcados pelas
conseqüências da grande seca. A passagem abaixo se refere aos anos de 1878 e
1879:
A pouca confiança nos recursos do inverno, a falta de medidas
administrativas regularmente empregadas, o afrouxamento de
costumes e de hábitos de trabalho, o desanimo da população que
havia passado o anno anterior errante, fora de seus lares, onde
nada restava, tudo isso e outras circunstâncias mais,
occasionaram o recrudescimento da catastrophe que no presente
anno ainda pesa sobre os sertões.
A população manteve-se pelo litoral morrendo.
Em Mossoró a mortandade duplicou, com o crescimento da
população forasteira e mizeravel. Quem de outros pontos ia a
Mossoró, ao approximar-se do perímetro urbano, tinha o olfacto
vivamente impressionado pelo máo hálito que da população
pesteada e immunda exhalava-se.
A população tem-se internado para seus lares; sem recursos para
iniciar o trabalho, desorganizado durante dous annos, é
impossível esperar grande esperança de safra. A população foi
muito desfalcada, quer pela cifra da mortandade, quer pela
emigração, que principiou no anno de 77. (GUERRA, P.,
GUERRA, T. 1980, p.40).
As sucessivas secas, as dificuldades de comunicação com a região, a
pouca importância econômica que lhe era atribuída pelo domínio português,
determinaram o isolamento da região, dificultou o processo de ocupação e,
conforme Villa (2000) acabou fundando uma sociedade com características
peculiares em relação àquela do litoral. A miséria e o abandono a que foram
submetidos os sertanejos durante todos esses séculos, tem revelado como o
drama provocado pelo fenômeno tem sido permanente já há vários séculos.
Contudo, os registros da época, através de jornais, documentos de cronistas e até
mesmo da literatura, como considerou Marco Antônio Villa, destacando obras
87
como Luzia-Homem, de Domingos Olímpio, Os Retirantes, de José do Patrocínio,
A Fome, de Rodolfo Teófilo, O Quinze, de Rachel de Queiroz, O Sertanejo, de
José de Alencar, Vidas Secas, de Graciliano ramos, demonstram o descaso
político, o desinteresse para com o problema e com a região de modo geral.
No primeiro momento da ocupação e do domínio português, as atenções e
interesses estiveram voltados para a faixa litorânea, em função da produção do
açúcar e posteriormente, com a derrocada das atividades comerciais dessa faixa
da região Nordeste, as atenções políticas e econômicas iriam se voltar
completamente para a região produtora de café, o Sudeste. O drama da
população que sofria com as secas nunca chegou a ocupar efetivamente as
preocupações do poder central; e as ações empreendidas para minimizar a
miséria dos sertanejos nesses períodos, através do envio de parcos auxílios,
movimentaram, como se sabe, o que muitos estudiosos denominam como uma
indústria das secas. Padres, colonos, políticos, chefes de abarracamentos (como
eram chamados os campos para onde eram enviados os retirantes no Ceará),
comissários de socorro (responsáveis pela distribuição de alimentos nas
províncias), eram chamados pelos jornais da época de donatários da seca;
beneficiavam-se das poucas ajudas enviadas pelo governo central, desviando
alimentos para venderem ilegalmente, construindo açudes privados com verbas
públicas, favorecendo proprietários de terras, incluindo-se os nomes de
proprietários de padarias, corretores de escravos, de colégios, funcionários
públicos, partidários do governo, nas listas dos nomes de indigentes que
deveriam receber a ajuda. Além disso, pela imprensa foram denunciados vários
casos de jovens abusadas pelos dirigentes responsáveis pela distribuição de
88
víveres e emprego dos retirantes em obras públicas e muitas meninas de 12 e 13
anos se prostituiam pelas ruas em troca de alimentos (VILLA, 2000).
Foi somente no século XIX, no ano de 1859 que, por iniciativa do Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, durante o governo de D. Pedro II, foi criada uma
comissão, chamada Comissão Científica de Exploração, como parte de uma
política de conhecimento do território nacional, que a região Nordeste, designada
nesse período de “Norte” (como era chamada toda a região ao norte de Minas
Gerais), passou a ser mais conhecida. A Comissão era composta por Guilherme
de Capanema, Giácomo Gabaglia, e pelo poeta, diplomata e historiador Antônio
Gonçalves Dias, a quem coube a seção etnográfica e narrativa da viagem. Mas a
expedição da Comissão ficou mais conhecida pelos escândalos noticiados na
Corte: realização de festas com a participação de prostitutas, embriaguez, etc. “A
fama da Comissão Científica de exploração - logo chamada de Comissão
Defloradora – alcançou sertão: quando os “cientistas” chegavam, os pais
imediatamente colocavam suas filhas sob um regime de prisão domiciliar.”
(VILLA, 2000, p.26). Ao final dos trabalhos controvertidos da Comissão, seus
membros produziram um relatório no qual imputavam ao sertanejo a
responsabilidade pela miséria da seca. O texto julgava que os sertanejos
trabalhavam pouco, e como conseqüência das secas tinham adquirido o hábito de
esmolar; os sertanejos seriam ineficientes na agricultura, indisciplinados para o
trabalho.
Apesar das secas, a atenção da Corte permanecia voltada para outras
questões:
Como no sertão nordestino o número de escravos era pequeno, e
não cessava de diminuir devido ao tráfico interprovincial, a região
89
acabou ficando relegada a um plano secundário nas discussões
políticas e nos entreveros entre os partidos. Nesses anos [1871],
o grande assunto da elite política, em sua maioria sulista, foi
como manter em funcionamento as fazendas, especialmente as
destinadas ao cultivo do café, sem o braço escravo. Os temas
referentes à convivência com as secas – açudes, poços, canal do
Rio São Francisco, entre outros – foram ignorados no
parlamento, nas deliberações governamentais e na imprensa:
sobre o sertão pairou a mais absoluta indiferença. (VILLA, 2000,
p.39).
Com a imigração provocada pela seca de 1877 que obrigou a população
rural a buscar as cidades, as autoridades tiveram que tomar algumas iniciativas.
Surgem então, em várias cidades, asilos para abrigar mendigos e doentes. Obras
começam a ser organizadas a fim de ocupar emergencialmente as centenas de
retirantes. A passagem abaixo foi escrita por um leitor sobralense do jornal O
Retirante do Ceará, referente à década de 70 do século XIX::
Pavorosa é a nossa atual situação!Longos anos serão precisos
para a reparação de tamanhos estragos. Impossível é contar-se
as caravanas de emigrantes que aqui chegam vindo de diversos
pontos da província, descalços, andrajosos, imundos, macilentos,
desenhados na fisionomia os horrendos sintomas da miséria!
(VILLA, Marco Antonio, 2000, p.48).
Do Jornal O Cearense são as notícias abaixo, referentes à seca de 1877:
(...) Há família distintas, moças brancas cobertas de andrajos,
pés ensangüentados, a pele requeimada por um sol abrasador e
quase inanidas. Pobres homens conduzindo duas e três crianças
aos ombros e em tipóias, num percurso de 80 a 100 léguas.
(VILLA, Marco Antonio, 2000, p.48).
Nos sertões:
Aspecto sombrio de vastos cemitérios. Tudo deserto e silencioso,
as casas abandonadas servindo de morada às aves e às feras
que aí vão procurar abrigo aos ardores de um sol de fogo. As
estradas estavam intransitáveis, não somente pela falta absoluta
d‟água, como pela quantidade incalculável de cadáveres de
animais em putrefação, que exalam fétido insuportável (VILLA,
Marco Antonio, 2000, p.48-49).
90
Dos retirantes que conseguiam chegar às cidades, muitos cegavam devido
à exposição prolongada ao sol e muitas doenças os acompanhavam: cólera, febre
amarela, varíola. No Rio Grande do Norte, em 1877, a província contava com
enorme aglomeração de emigrantes, vindos dos sertões. Em Alagoas, segundo
informe publicado em O Monitor, de Salvador, de 9 de outubro, citado por Villa
(2000, p.50), “é tal a penúria, que alguns especuladores retalham uma rapadura
em 80 pedaços e vendem-se a 20 réis cada um...”.
Na Paraíba, o presidente da Província teve que dar ocupação aos milhares
de retirantes através da criação de frentes de trabalho para construção de obras
públicas; nesta época, então, foi construída a igreja matriz da capital. Uma
comunicação vinda do atual município de Bananeiras relatava que “a emigração
de famintos dos sertões vai crescendo muito para esta comarca; a maior parte
desses infelizes, homens, mulheres e meninos, cobertos de trapos e em bandos,
andam esmolando de porta em porta” (VILLA, 2000, p.52). Do atual município de
Cajazeiras, no sertão paraibano, relatou-se através dos jornais que “em todas as
ruas vêem-se cadáveres ambulantes e nus, sem forças para implorarem uma
esmola; e a morte tem arrebatado muitas vítimas da seca. Tudo é consternação,
miséria e desespero.” O Jornal O Publicador, de 24 de abril do ano seguinte,
chegou a registrar o seguinte caso de antropofagia: “Dionísia dos Anjos, uma
retirante, no mercado da cidade de Pombal encontrou Maria, de apenas 5 anos de
idade. Levou-a para casa, decapitou-a e comeu a carne da menina.” (VILLA,
2000, p.69). Também a literatura de Rodolfo Teófilo, em A Fome e José do
Patrocínio em Os Retirantes, relatam casos de antropofagia.
Nos Estados da Bahia e de Pernambuco a situação era a mesma nos
sertões. Contudo, segundo Villa, os barões do açúcar, no litoral de Pernambuco,
91
teriam se beneficiado da chegada dos sertanejos ao litoral, porque puderam
dispor de uma força de trabalho disposta a receber quaisquer salários. Os barões
lucraram com a venda de escravos para as províncias cafeeiras, exploravam a
mão de obra barata dos flagelados da seca e ainda posavam como filantropos por
receberem os retirantes. Este aproveitamento da mão-de-obra que se tornava
disponível para os senhores de engenho situados na região litorânea, também é
apontado por Manuel Correia de Andrade (1973), como dissemos antes, o que
configurou desde então, uma massa de trabalhadores miseráveis que eram
absorvidos precariamente em regiões produtivas. Eram os flagelados das secas
que não tinham onde morar, onde plantar, o que comer, o que vestir. Aceitavam,
portanto, quaisquer condições de trabalho e salários baixíssimos. Também a
ocupação dos retirantes em obras figura como medida adotada pelo presidente da
província na época:
Não havia nenhum planejamento nas obras públicas de
emergência a não ser ocupar os milhares de retirantes algumas
horas por dia em algum tipo de trabalho. Estavam sendo
construídas na província três pontes, três cadeias e nove açudes,
além de cinco cemitérios e dez igrejas matrizes. Em maio [de
1877] já eram 70 mil retirantes só na capital e nos seus arredores.
(VILLA, 2000, p.55).
No Piauí o cenário também não era diferente, e a província recebia
milhares de cearenses fugidos da seca. Lá o governo adotou medidas enérgicas
para expulsão dos retirantes. “Levas de retirantes eram conduzidos pelo rio até a
foz do Parnaíba e lá despachados em vapores para a Amazônia.” No Ceará,
conforme correspondência vinda de Sobral, publicada no jornal O Cearense, em
18 de março de 1877, também se defendia a criação de correntes migratórias dos
flagelados da seca em direção ao norte, para os Estados do Amazonas e Pará.
92
Governo, Igreja e grandes proprietários não aceitavam bem a idéia de socorrer
milhares de retirantes com seus recursos. Na época, a região amazônica estava
com a economia em expansão graças à produção da borracha. Muitos vapores
levaram os retirantes para o Norte. Neles registraram-se casos de estupro,
escassez de alimentos, doenças epidêmicas (tifo, varíola, cólera), em função das
condições de higiene; muitos morreram durante as viagens e seus corpos eram
jogados ao mar. Outros milhares eram reunidos na província de Fortaleza em
campos de abarracamentos sob péssimas condições de higiene e moradia, com
água contaminada e péssima alimentação.
Enquanto as províncias buscavam adotar medidas emergenciais, os
interesses nacionais se voltavam para a imigração internacional de europeus
vindos para o Brasil e a ampliação da infra-estrutura no Rio de Janeiro, em Minas
Gerais e em São Paulo, a fim de favorecer a economia cafeeira. Além destas
questões, outras também compunham a pauta nacional durante a segunda
metade do século XIX: abolicionismo, federalismo, monarquia ou república.
O isolamento da região nas discussões que antecederam a
queda do império refletiu, de um lado, a falta de um projeto
nacional por parte da classe dominante nordestina, que restringia
seu interesse de classe às questões locais e, de outro, a
dificuldade de esboçar uma intervenção mais efetiva na cena
política nacional após ter saído muito enfraquecida
economicamente da seca de 1877-1879, enquanto o Sul vivia o
boom do café, especialmente com a chegada deste às terras do
Oeste paulista. (VILLA, 2000, p.83).
Resumindo, somavam-se
às secas as conseqüências das crises
econômicas vividas pela região; do que resultou sua colocação em segundo plano
na dinâmica econômico-produtiva nacional. Luitgarde Barros (2008) descreve que
vivia-se na época uma longa agonia resultante das crises econômicas que se
93
arrastavam desde o século XVIII. As camadas econômica e intelectualmente
privilegiadas da região ainda tentavam resistir ao deslocamento dos pólos
decisórios da economia e da administração para o Centro-Sul. Num contexto de
fraqueza política e econômica e sem reações fortes, o Nordeste passou a ser
identificado como região problema, símbolo de atraso, e as próprias elites da
região restringiram-se a apoiar grupos do Sul que estavam em franca luta pelo
poder nacional.
Considerando esta paisagem econômica e política compreende-se o eco
causado por figuras como o Padre Ibiapina. Suas pregações preconizavam a
pacificação de inimizades, fustigava a avareza dos ricos, a preguiça, a violência, a
prostituição e a miséria (BARROS, Luitgdarde de Araújo, 2007). Para isso ele
fundava uma ética de trabalho particular, que não correspondia nem à ética
escravista nem às relações precárias e também de exploração surgidas nas
províncias.
Este é um aspecto a ser destacado e que nos faz voltar a questões
importantes das análises do pensamento social brasileiro. A sociedade da época,
de estrutura social rígida, composta ainda por senhores e escravos, mas também
por “livres”, mestiços, pequenos artesãos, pequenos comerciantes, etc, atingida
pela pobreza e pelas secas, assistiu ao surgimento de relações de trabalho não
escravas na região, conforme descritas por Andrade (1973). Contudo, isto não
implicou no surgimento de uma ética de trabalho não escravista. Primeiro porque
elas surgiram em função de atenderem melhor os interesses e demandas locais.
Não foi, portanto, um processo que tinha como intenção a gradual eliminação do
trabalho escravo. Além disso, as relações de trabalho não escravas mantiveram a
94
degradação do trabalho, a precariedade e a miserabilidade, como marcas
fundamentais das novas relações. Nada muito diferente do trabalho escravo.
Vários estudos indispensáveis analisaram a passagem do século XIX para
o século XX no país indicando a convivência paradoxal de ordens tradicionais e
modernas, escravismo e relações de trabalho assalariadas.
O estudo de Maria Silvia de Carvalho Franco (1983), Homens livres na
ordem escravocrata, aborda o trabalho escravo na produção colonial moderna
brasileira e a situação, neste sistema paradoxal, do chamado homem livre (os ex escravos, os mulatos ou brancos). Ela destaca as dificuldades de se conceituar
um modo de produção supostamente moderno considerando a presença do
escravo, e ao mesmo tempo indica a existência de conflitos nas relações sociais e
econômicas, no contexto de pleno desenvolvimento do capital. O livro revela
ainda, a partir da análise das relações estatais no Brasil moderno e escravocrata,
como o sistema público nacional encontra-se arraigado no patriarcalismo e nas
relações indistintas entre o público e o privado. Franco (1983) logo na introdução
apresenta discordâncias de um trabalho clássico e polêmico igualmente
importante que também tratou do escravismo: O escravismo colonial, de Jacob
Gorender. Neste livro, Gorender (1992) defendeu a tese de que a escravidão
colonial brasileira constituiu um modo de produção autônomo, baseado num
sistema de leis próprias.
Alfredo Bosi (2009) indica que o sistema colonial, “como realidade histórica
de longa duração”, foi objeto de análises fundamentais e ele cita algumas
referências importantes além de Franco (1983) e Gorender (1992): Caio Prado
Júnior (Formação do Brasil Contemporâneo), Nelson Werneck Sodré (Formação
da Sociedade Brasileira), Celso Furtado (Formação Econômica do Brasil) e
95
Fernando Novais (Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial). Além
destes, tem-se ainda o próprio Gilberto Freyre, ao qual já fizemos referência e o
outro clássico do nosso pensamento social, Sérgio Buarque de Holanda, que,
conforme assinalou Bosi (2009), tratou a condição colonial sugerindo uma
interpretação psicocultural do passado brasileiro em Raízes do Brasil. Sérgio
Buarque (1995) procurou não apenas compreender os resquícios da ordem
patrimonialista e personalista, mas também explicar o Brasil e o brasileiro em seu
modo de ser, e a nossa estrutura social e política daí derivada.
Em quase todas essas referências um tema permanente: a imbricação de
ordens econômicas, políticas e sociais distintas, convivendo paradoxalmente. O
Brasil moderno de par com o Brasil escravocrata-colonial. Assim se constituiu a
sociedade brasileira. Em Dialética da Colonização, Bosi (2009) apresentou uma
idéia síntese deste fenômeno: no Brasil, o liberalismo estava acomodado à ordem
escravocrata. Diz Bosi: “O par, formalmente dissonante, escravismo-liberalismo,
foi, no caso brasileiro pelo menos, apenas um paradoxo verbal.” (2009, p.195).
Nosso liberalismo esteve adequado ao nosso contexto, aos interesses dos grupos
dominantes, ao jogo político de forças que conciliavam uma aliança entre as
oligarquias do açúcar nordestino, os cafeicultores do Vale do Paraíba, firmas
exportadoras, traficantes de escravos e parlamentares. Nosso liberalismo,
resumiu Bosi (2009), significou, do ponto de vista semântico-histórico: conservar a
liberdade de produzir, vender e comprar das classes dominantes; liberdade de
representar-se politicamente, a partir do direito de eleger e ser eleito; “conservar a
liberdade” de submeter “o trabalhador escravo mediante coação jurídica” (2009,
p.200); liberdade, enfim, de possuir novas terras num regime de livre concorrência
(a partir do ajuste do estatuto fundiário da colônia ao espírito capitalista da Lei de
96
Terras de 1850). Uma nova face deste liberalismo só viria se manifestar nas
vésperas da proclamação da república. O liberalismo visto a partir da fundação do
regime imperial no país determinou por várias décadas suas prerrogativas:
comércio, produção escravista e compra de terras; eleições indiretas e
censitárias.
A convivência paradoxal de ordens tradicionais e modernas, acomodadas
num modelo peculiar de organização sócio-econômica, já se enunciava na região
Nordeste ainda nas primeiras décadas da segunda metade do século XIX, como
indicam os dados da época, e obras que trataram da realidade local. A mão-deobra escrava existia, mas não era predominante e contava-se aqui com uma
reserva oriunda dos sertões. Com isso, a região viveu uma realidade distinta da
descrita nos cafezais paulistas: o trabalho escravo convivia ao lado do trabalho
livre. Mas tal distinção se deu no que diz respeito às formas das relações, não ao
conteúdo. Ou seja, permaneceram nas novas relações de trabalho, que
ocupavam os livres através do pagamento de salários (miseráveis), as
características perversas da condição escrava.
Na região Nordeste, observamos como, apesar da dinâmica local ter se
vinculado às dinâmicas políticas e econômicas nacionais, afinal os interesses
nacionais se expressaram na determinação das prioridades para o governo na
época, os processos, por exemplo, de formação do trabalhador urbano, de
produção da miséria, de convivência entre o paradoxal Brasil moderno com o
Brasil escravocrata, tiveram aqui algumas características distintas: enquanto o
Centro-Sul cafeeiro rejeitava a mão-de-obra nacional, a região Nordeste a
absorvia, embora reproduzindo ainda a ética escravista do trabalho, e
97
reproduzindo conseqüentemente, já noutro modelo, a miséria e a precariedade
das condições sociais de existência.
Considerando, portanto, o quadro sócio-histórico do Nordeste de Ibiapina
descrito neste capítulo podemos afirmar que a pedagogia do trabalho praticada
em suas instituições, possuiu um caráter diferente da ética escravista e da ética
de exploração do trabalho livre que vinha começando a se assentar na época,
particularmente nas províncias. O trabalho, orientado por uma racionalidade
econômica, e praticado num sistema próximo do que se conheceu nas fábricas
modernas51, funcionava como categoria moral de educação e disciplinamento,
mas também deveria servir fundamentalmente como um meio para se retirar da
pobreza, das condições hostis da miséria, a população fugida das secas, as
mulheres pobres, os órfãos que precisavam ser acolhidos. Este foi um ideário
bastante insigne diante dos modelos de trabalho, do pensamento predominante e
das condições da época na região, afinal, embora contivesse também outros
paradoxos52, seu objetivo maior era remediar a miséria. Não podemos, por outro
lado, manifestar a expectativa de que o trabalho livre e assalariado moderno
tivesse este mesmo objetivo. Contudo, não podemos deixar de entender que o
caráter moderno do “trabalho livre” no âmbito local, bem como no país, tendia
muito mais a perpetuar, sob novas roupagens, a condição aviltante e pobre a que
estava submetido o escravo.
51
Resguardadas as diferenças obviamente entre o sistema fabril e o sistema instituído nas Casas
de Caridade. A analogia se dá em função dos aspectos organizacionais do trabalho, disciplinar e
produtivo observado nas instituições do missionário. Estes aspectos serão analisados nos
próximos capítulos.
52
Voltamos a tais paradoxos no capitulo cinco, quando retomamos o tema da ética do trabalho.
98
PARTE II: O PADRE IBIAPINA, AS MISSÕES E A
EXPERIÊNCIA RELIGIOSA.
CAPÍTULO 03:
Contra a Pobreza, pela oração e pelo trabalho: a vida do
Padre Ibiapina e suas missões.
*SOBRAL NA MISSÃO/ PE. IBIAPINA
As Casas de Caridade
Ponto de apoio da missão
Pois em redor povo cristão
Força viva e lealdade
Era sinal de uma cidade
Tenacidade e mobilização
Presença da missão
Do social, - a espiritualidade.
As irmãs de destaque um papel
Educadoras enfermeiras
Evangelizadoras por inteiras
Trabalho acirrado e fiel
Os escritos chegaram até nós
Cartas, regras, instrução.
De Sobral a iniciação
Do mestre, missão da voz.
Eminente na fé cristã
Irmãs, obras edificadas.
Uma missão abreviada
Doutrina livre e sã
São poucos os documentos
Mas, de testemunho eloqüente.
Bastante e o suficiente
De um nordeste em andamento
Ibiapina, como missionário
Um verdadeiro educador
Para o pobre do interior
Um grande visionário
Cortou laços com cidades
Buscou locais abandonados
Aos camponeses organizados
Difusor da espiritualidade
Ibiapina, trabalho do povo feliz
Teve grandes desafios,
Foi bacharel, juiz,
Deputado, vigário,
Professor de seminário
Para o sertão, não foi tolamente,
Mas um estudo calculado
Dos pobres abandonados
Sem ilusão, ao povo nordestino.
Provou que todos
Podem viver sua espiritualidade
Fundou as Casas de Caridade
Luz de construção!
“Do nosso próprio destino.”
Luiz Domingos de Luna
99
Embora pouco lembrado pelas instâncias públicas oficiais, o Padre Ibiapina
faz parte de um importante capítulo da história da Igreja Católica brasileira. Não
somente por se tratar de um personagem interessante que se dedicou aos
sertanejos de uma região estigmatizada. Mas sim pela abrangência da obra que ele
conseguiu erguer sob condições austeras.
O sacerdote preconizou um modelo de sociedade civilizada para uma
população atingida pelas secas, pela desorganização social, pela dinâmica de uma
vida dada à subsistência. Seus desígnios de organização social e “salvamento das
almas” através do trabalho e da oração continham códigos modernos de uma
racionalidade econômica, enquanto resguardava certo conformismo com a condição
da pobreza. Sua atuação significou intervenção social num meio completamente
abandonado das vistas das autoridades públicas da época, que não estavam
ocupados com a miséria e a pobreza dos sertões; ainda mais porque, a pobreza no
Brasil do século XIX era considerada por vários segmentos dominantes na
sociedade como resultado da degeneração das raças que aqui conviviam.
A seguir ensejamos alguns dados biográficos sobre o missionário, mas nos
adiantamos em destacar que todas as construções e reconstruções biográficas são
dadas a falhas, erros e imperfeições produzidas por quem escreve, porque também
resultam de produções históricas, de releituras, de interpretações cindidas pela visão
de mundo do tempo a que pertencem. A lente que manuseamos para escrever os
parágrafos seguintes é, neste caso, devedora de outras lentes, no que diz respeito à
reunião das informações. Por isso mesmo é imperfeita; e exatamente por isso nos
obrigamos a cruzar informações e consultar fontes variadas para produzir a
reconstrução que segue e não incorrer em muitos erros.
100
3.1 Traços biográficos de um peregrino esquecido53
Optamos por construir um resumo biográfico considerando os vários textos e
documentos aos quais tivemos acesso, mas priorizamos um relato escrito
supostamente por Bernardino Gomes de Araújo, um de seus beatos seguidores
durante as missões pelo Nordeste54.
A grande maioria das publicações a respeito do Padre constitui produções
exegéticas, salvo algumas poucas exceções. Os interessados em conhecer a
história do Padre Ibiapina e sua obra são quase sempre religiosos dispostos a
ressaltar suas qualidades pessoais, suas benfeitorias e contribuição para o
Nordeste, o que tem sido feito principalmente pela produção intelectual construída
dentro do campo religioso. Aqui, organizamos nossas reflexões orientando-nos pelos
objetivos de nossa pesquisa.
O Padre Ibiapina nasceu em Sobral, no Estado do Ceará, no dia 06 de Agosto
de 180655. Recebeu, no batismo, o nome de José Antônio Pereira Ibiapina. Ele foi o
terceiro filho do casal Francisco Miguel Pereira e Thereza Maria de Jesus 56. Celso
Mariz (1997) e outros biógrafos contam em seus trabalhos que o pai de Ibiapina teria
raptado sua mãe e casado com ela em seguida a contragosto das famílias. Isso
supostamente explicaria a pobreza em que teria vivido o casal, já que D. Thereza
teria sido o motivo do desvio do Sr. Francisco Miguel da vida religiosa, desejada
pelos seus pais. Diante do ato de afronta às intenções familiares, Francisco Miguel e
53
Segue em anexo algumas imagens do Missionário (Apêndice B).
Já fizemos referência antes aos principais documentos e biografias existentes a respeito do padre
Ibiapina. Este relato que citamos foi publicado pela Revista do Instituto Histórico do Ceará em três
partes, nos anos de 1913, 1914 e 1915. Antes desta publicação, em 1888, Paulino Nogueira também
já havia publicado “O Padre Ibiapina”, certamente também amparado neste mesmo relato encontrado
na Casa de Caridade de Santa Fé (PB).
55
Esta informação acerca do local de nascimento é digna de controvérsias, embora seja a que consta
na certidão de batismo do Padre.
56
A família teve oito filhos: Alexandre Raimundo Pereira Ibiapina; Francisca Maria da Penha; José
Antônio Pereira Ibiapina (Pe. Ibiapina); Rita Tereza Ibiapina; Félix Ibiapina; Maria José Ibiapina; Ana
Ibiapina (LOPES, 2004).
54
101
Thereza de Jesus teriam ido morar noutra cidade e viver com dificuldades
financeiras. Conta Mariz (1997, p.7):
Apesar de pertencerem estes a boas famílias cearenses,
domiciliadas em Sobral, não tiveram nunca uma existência segura e
desafogada. Casado contra a opinião dos seus maiores, o pai de
Ibiapina, logo após construir o lar, teve de sair de sua cidade para um
lugarejo menor do município.
O rapto teria ocorrido nas vésperas do pai de Ibiapina ser destinado ao
sacerdócio. Consta ainda, no relato atribuído a Bernardino Gomes de Araújo57:
Quando, porém devia seguir para o Seminário de Olinda, raptou e
desposou-se com D. Thereza Maria de Jesus, jovem e virtuosa
donzela, também de boa família, mas que, sendo a causa imediata
da preterição da ordenação de Francisco Miguel, ficou odiada e
desprezada dos sogros. Francisco Miguel, vendo o desgosto de sua
querida esposa e não tendo meios de vida em Sobral, porque seus
pais lhe negavam os recursos de sua fortuna, mudou-se para a
povoação de Ibiapina, cujo nome juntou depois ao seu, e ali residiu
alguns anos, ensinando meninos para viver. (CARVALHO, 2008,
p.23)58.
Benedito Silva (2002), escrevendo uma breve biografia sobre o Padre Ibiapina
para a Coleção Terra Bárbara, procurou fazer algumas correções e esclarecimentos
sobre este fato. Ele afirma que na verdade, nunca teria existido rapto, já que o
casamento dos nubentes foi realizado e consta no Livro dos Registros da matriz da
Vila, entre os anos de 1803 a 1811. O rapto, conforme o Código de Direito Canônico
seria motivo legal suficiente para que fosse negado ao raptor direito legal de
matrimônio. Além disso, quando Francisco Miguel casou-se com D. Thereza, seu
pai, Manuel Pereira de Sousa já havia falecido e, portanto, não podia odiar a nora.
57
Bernardino teria sido um dos seguidores de Ibiapina. Ele teria convido com o Padre e produzido o
relato sobre traços biográficos de sua história. Este documento conteria dados como estes que
serviram também como fonte de erro para muitos biógrafos.
58
O relato de Bernardino Gomes de Araújo é reproduzido por Carvalho (2008), como dissemos, com
atualização gramatical e ortográfica. Por isto fazemos referência aqui a este autor.
102
Parece mais verídica a versão que relata que o pai de Ibiapina, Sr. Francisco
Miguel, ficara órfão de pai aos 16 anos e sua mãe Tereza Maria Assunção, teria
assumido a manutenção dos filhos. Os ascendentes mais próximos de D. Tereza
Assunção seriam possuidores de vastas fazendas, dentre elas a chamada Fazenda
Olho D‟água, onde o sacerdote havia passado parte de sua infância. O pai de
Ibiapina teria herdado alguns destes bens que viriam, contudo, a ser confiscados
dada a sua participação na Confederação do Equador. Como podemos verificar nos
relatos sobre a vida do Padre Ibiapina, há muitos floreios, muita idealização e muita
romantização para explicar os fatos mais simples.
Com relação ao seu local de nascimento, conforme publicações de Paulino
Nogueira, o Padre Ibiapina teria nascido em Sobral. Já no relato atribuído a
Bernardino Gomes de Araújo, Ibiapina teria nascido numa pequena povoação de
índios Tabajara, aldeados pelos jesuítas, num terreno fértil localizado numa ponta da
Serra Ibiapaba – daí a adoção do diminutivo Ibiapina ao nome. Segundo Benedito
Silva (2002), Ibiapina não poderia ter nascido aí. Seu pai teria estado na Serra
Ibiapaba em 1816 e teria passado por ali pouco tempo, dedicado à agricultura e à
educação de crianças. A essa altura todos os filhos do casal Francisco Miguel e
Thereza de Jesus já teriam nascido. A caçula da família, chamada Ana, teria nascido
em 1815. A família teria vivido até 1816 na Fazenda Olho D‟água, propriedade da
família do patriarca Francisco Miguel. Já em 1816 o pai de Ibiapina foi nomeado
escrivão da Vila de Icó, pelo ouvidor Dr. João Antônio Rodrigues de Carvalho. A vila
de Icó era nesta época um importante entreposto comercial e a vila mais populosa
do Estado do Ceará. Mas a mudança para cidade de Icó não teria sido planejada. O
pai de Ibiapina esperava ser nomeado para trabalhar em Sobral.
Em 1817 estoura no Ceará a “Revolução Emancipacionista”, como ficou
conhecida. Neste momento o pai de Ibiapina manteve-se fiel aos princípios
103
monarquistas e não se envolve no movimento. Ibiapina, criança, é matriculado
juntamente com seus irmãos mais velhos em Icó, na Escola Primária do professor
José Filipe. Todos os biógrafos afirmam que o menino José Antônio Pereira Ibiapina
destacava-se como uma criança inteligente; de porte físico pequeno, era chamado
na escola de “Pereirinha”. O menino também tinha acompanhamento do Vigário da
Vila, Padre Domingos da Mota Teixeira, que acreditava na sua vocação sacerdotal e
o fazia acompanhar as missas na Igreja do Senhor do Bonfim, onde recebia os
ensinamentos catequéticos. Mas os ensinamentos religiosos seriam interrompidos
com a prisão do padre Domingos, acusado de participar da Revolução
Pernambucana. Ibiapina terminou o curso de primeiras letras e havia começado a
estudar latim quando seu pai, em 1819, foi nomeado tabelião vitalício da comarca do
Crato (CE), recém criada. Com a mudança da família para a nova Vila seus estudos
são interrompidos, já que no Crato não havia escolas. Apenas os estudos
catequéticos continuaram sob os cuidados do pároco José Manuel Felipe
Gonçalves, que o envia à Vila de Jardim para retomar as aulas de latim sob os
cuidados do latinista Joaquim Teotônio Sobreira de Melo em 1820.
Em 1823 a família de Ibiapina muda-se para Fortaleza; seu pai, Francisco
Miguel, havia perdido seu protetor político na Vila, Porbém Barbosa, que havia sido
transferido para compor o governo provisório do Ceará. Neste ano, Ibiapina teria
seguido para o Seminário de Olinda. Ainda em 1823 a mãe de Ibiapina, D. Thereza,
aos 38 anos, havia falecido de modo repentino59. Isso faz com que Ibiapina
interrompa seus estudos no Seminário e retorne ao Ceará a pedido do pai; em
algumas biografias relata-se equivocadamente que ele teria interrompido os estudos
no Seminário de Olinda por causa do clima político efervescente do local.
59
Mais uma controvérsia: alguns relatam parto prematuro como causa da morte, outros, doença
adquirida.
104
O seminário de Olinda gozava de grande prestígio na época e havia passado
por ele figuras respeitadas do clero local como: José Martiniano de Alencar, Padre
Mororó, Thomas Pompeu de Sousa Brasil, dentre outros. Em 1817, o corpo docente
e discente havia aderido à causa emancipacionista; foi também por isso que a
Revolução Pernambucana ficou conhecida como Revolta dos Padres. Dissolvida a
revolução, o Seminário ficou mal quisto por segmentos monarquistas dominantes na
sociedade e chegou a ser fechado durante cinco anos, sendo reaberto somente em
1822.
No ano de 1824 o pai de Ibiapina complica-se com as autoridades públicas
por causa do seu envolvimento político na Confederação do Equador60 e acaba
vítima da Comissão Militar de Combate à Confederação Armada. Com o
envolvimento político do Sr. Francisco Miguel nos movimentos políticos da época, os
bens da família são confiscados. O irmão mais velho de Ibiapina, Alexandre
Raimundo Pereira Ibiapina, também envolvido na Confederação do Equador, é
preso e enviado para a Ilha de Fernando (atual Fernando de Noronha), local onde
viria a morrer, segundo relato de Bernardino Gomes de Araújo “em luta com as
ondas”; segundo Celso Mariz (1997), assassinado. Dada a precária situação da
família, Ibiapina, que havia retomado seus estudos, interrompe-os novamente no
Seminário de Olinda e retorna ao Ceará. Em 1825 seu pai e seu irmão seriam
condenados pela Comissão: o primeiro a fuzilamento, com data marcada para 07 de
maio do mesmo ano, e Alexandre, como dissemos antes, ao degredo em Fernando
de Noronha. Antes de morrer, seu pai ainda é acometido de varíola:
Na prisão é acometido de varíola devido às más condições de
higiene da cadeia. E sem nenhum remédio ou cuidados, tem os pés
60
Movimento anti-monarquista que teve origem no Estado de Pernambuco e depois conseguiu
adesão de vários Estados do Nordeste. Foi motivado principalmente pelos altos tributos cobrados
pela Corte e pelas crises na economia regional.
105
intumescidos, cobertos por bolhas purulentas, causando-lhes
terríveis e incomparáveis sofrimentos. Na manha de 7 de maio, o
condenado é carregado em padiola – a doença que atacou os pés o
impossibilitou de andar – até o local de fuzilamento, sempre
mantendo o tom de serenidade, apesar de vitimado por febre e
muitas dores por todo o corpo devido aos maus-tratos e a
varioliforme. (SILVA, 2002, p.24)
Por causa da situação familiar, Ibiapina interrompe pela segunda vez seus
estudos e volta para o Ceará. Desta vez para amparar os irmãos órfãos, e também
para ser amparado, devido à precariedade familiar, por amigos paternos, sobretudo
por José Martiniano de Alencar61. Somente em 1828 ele se matricula novamente no
Seminário; desta vez ele teria levado consigo para Recife as irmãs mais jovens,
Maria José e Ana. Chegando a Pernambuco, Ibiapina se hospeda no Convento São
Bento e abriga as irmãs na Casa de Caridade Recolhimento Nossa Senhora da
Glória, criada pelo Bispo D. Azeredo Coutinho. A casa tinha como fim receber,
educar e ensinar meninas órfãs, preparando-as em algum ofício. Esse modelo de
casa de caridade certamente teria influenciado bastante o futuro sacerdote.
No Convento São Bento havia sido criado o curso de Direito62. Ibiapina então
se matricula no curso e, por causa da incompatibilidade nos horários entre o
Seminário e o curso de Direito, ele acaba optando pelo Direito. Durante todo o seu
período de estudos, Ibiapina não teria chegado a se envolver com quaisquer
movimentos políticos, mantendo-se afastado e em total dedicação aos estudos.
Muitos biógrafos afirmam que sua postura neste momento era de conservadorismo e
fidelidade aos ideais monarquistas; esta é certamente uma percepção superficial e
rápida dos fatos.
61
José Martiniano de Alencar foi o pai do conhecido romancista, José de Alencar. Foi da sobrinha de
Martiniano, prima, portanto, do escritor, que Ibiapina chegou a ser noivo.
62
Os dois cursos criados no país, um em São Paulo, outro em Olinda, eram denominados Academia
de Ciências Jurídicas e Sociais, e foram inaugurados em 1828, para atender a carência de
especialistas nos serviços públicos.
106
Embora não tenhamos todos os recursos documentais para produzirmos
avaliações tão subjetivas sobre as opções políticas do Padre Ibiapina, vale a pena
destacar que neste momento de sua vida, ele se encontrava sem recursos e com a
família destruída por causa do envolvimento político do pai e do irmão mais velho
nos anos anteriores. Sua pragmática escolha acaba sendo estudar e se inserir
socialmente através da obtenção do diploma de bacharel – que produzia certamente
novas perspectivas para si, que se via também como responsável pelas irmãs
desamparadas. Para isso ele teria contado com apoio moral e financeiro de alguns
amigos como: Manuel Teixeira Peixoto, Padre João Dias, dos irmãos João e
Francisco Bandeira de Melo.
Ibiapina finalmente se forma bacharel aos 26 anos de idade, em solenidade
da primeira turma a ser formar no curso, em 9 de outubro de 1832, em meio a um
clima de agitação política. Teve destaque especial nas cadeiras de Direito Natural,
Direito Eclesiástico e Direito Criminal; sua defesa de “tese” teria sido produzida com
tal afinco que a Comissão Avaliadora solicita sua nomeação para o cargo de lente
substituto de uma das cadeiras para assumir já no semestre seguinte.
Como bacharel em Direito, Ibiapina retorna ao seu Estado de origem
planejando retornar no ano seguinte a Pernambuco para lecionar. Incentivado pelo
então líder do Partido liberal, José Mariano de Albuquerque e Melo, ele acaba se
convencendo a concorrer como deputado às eleições. Nesta época começa a
freqüentar a casa da viúva do líder da Confederação do Equador (Tristão
Gonçalves), D. Ana Tristão de Araripe e acaba ficando noivo de sua filha, Carolina
Clarense. O casamento acaba sendo marcado para o ano seguinte, quando
acabasse o ano letivo de 1833. Ele retorna então para Olinda e de lá fica sabendo
que havia sido eleito como deputado geral mais votado para representar o Ceará na
Assembléia Legislativa Nacional durante o período de 1834-1837. Durante o ano de
107
1833 ele leciona Direito Natural e ao final do curso retorna ao Ceará a fim de
concretizar seus planos de casar com Carolina e viajar em seguida ao Rio de
Janeiro para tomar posse da cadeira legislativa. Contudo, chegando a Fortaleza,
descobre que sua noiva havia fugido para casar com um primo. Este fato, segundo
os biógrafos de Ibiapina, teria lhe causado tal frustração e desilusão que daí por
diante nunca mais se ouvira dele falar de casamento.
Ao chegar ao Rio de Janeiro, Ibiapina teria ficado sabendo de sua nomeação
para o cargo de juiz de direito e chefe de polícia da recém criada Comarca de
Campo Maior (mais tarde município de Quixeramobim / CE), cargo que prometeu
assumir e exercer após os trabalhos legislativos de 1834.
Um título pomposo, um emprego prestigioso e uma comissão
importante punham o jovem Dr. Ibiapina em contato com as grandes
e principais notabilidades do Império. Os seus conhecimentos das
letras humanas e seu talento portentoso, a sua fácil dialética, a sua
dicção florida e poética, eram acessórios que lhe abriam um vasto
horizonte... (NOGUEIRA, 1915.)
Contudo, Ibiapina não permanecerá por muito tempo como político, nem
como juiz ou chefe de polícia. Também não há maiores explicações satisfatórias nas
biografias sobre o Padre Ibiapina acerca de sua rápida passagem pela legislatura.
Para Paulino Duarte: “O Dr. Ibiapina, que prestava culto à verdade, à probidade e à
justiça, saiu da corte desgostoso em fins de 1834 em procura de sua comarca, onde
pretendia viver retirado do grande bulício do mundo”. Ele teria se desencantando
com a política, teria feito oposição ferrenha ao governo na época, e teria se
deparado com enormes dificuldades para desempenhar suas funções como juiz de
direito e chefe de polícia dadas as práticas retrógradas de resolução dos problemas
da justiça onde trabalhou, decorrentes dos desmandos das oligarquias locais, dos
donos de engenhos. O documento escrito por Paulino Duarte no início do século,
108
atualizado pelo Padre Ernando Luiz Teixeira de Carvalho (2008, p.30) descreve o
seguinte acerca desse período de trabalho do Padre Ibiapina:
Chegando à sua comarca, tratou de desempenhar os seus deveres
de magistrados. Abriu a sessão do júri e novos escândalos se lhe
apresentaram. Além das pretensões exageradas que teve de
combater, deu-se um ato que muito o impressionou. Um indivíduo
tinha sido arrancado da cadeia pública da vila do Tauá e assassinado
cruelmente no meio das ruas mais públicas da vila. Instaurou-se o
processo e não houve criminoso; as testemunhas confessaram o
crime, mas não o criminoso! À vista, pois da grande desmoralização
que lavrava nas classes mais elevadas da sociedade, resolveu o Dr.
Ibiapina deixar a vida pública e estabelecer-se na modesta profissão
de advogado. Voltando, portanto, à Assembléia Geral em 1835,
pediu e obteve a demissão do lugar de Juiz de Direito e, concluídos
os trabalhos legislativos, voltou a Pernambuco e estabeleceu banca
de advogado na cidade do Recife. Estabelecida a sua banca e
reconhecida a sua capacidade jurídica e probidade individual, foi logo
convidado para a cidade do Brejo de Areia, da província da Paraíba
do Norte, para tratar de negócios de uma casa importante daquela
cidade. Ali esteve três anos ocupado com os negócios dessa casa e
muitos outros que lhe foram aparecendo. Dali começou a estenderse o seu crédito como advogado e algumas defesas produzidas no
júri, que correm impressas, eram procuradas,lidas com gosto e
admiradas. Concluídos os seus trabalhos na cidade de Areia, voltou
ao Recife, onde ocupou-se na profissão de advogado até 1850. O
credito que conquistou de grande advogado, não só pela vastidão de
seus conhecimentos profissionais, como pela certeza de sua
probidade inconcussa, as vantagens que auferia, a independência,
que mais que tudo prezava, de sua nobre e modesta profissão,
seriam títulos de glória e invejável felicidade para os espíritos vãos,
mas não para o nosso doutor. Ele olhava para o céu e consultando o
povo não encontrava uma tangente que tocasse a morada eterna dos
bem-aventurados. A sua alma desejava ardentemente conversar
assaz com Deus e só pendia para a solidão. Retirou-se, pois, do
mundo no ano de 1850 e procurou a solidão que sua alma desejava
com tanto empenho.
Tomada a decisão de abandonar a advocacia, o padre Ibiapina teria se
desfeito de todos os seus bens e ido morar num sítio nos arredores de Recife. Numa
espécie de retiro que durou três anos, ele passaria a se dedicar à vida espiritual e ao
tratamento da asma, doença que o acompanharia por toda a vida. Em 1853 ele teria
vendido o sítio e ido morar no Centro do Recife, na Rua Santa Rita, com duas de
109
suas irmãs. Nessa época ele freqüentava regularmente o Convento da Penha63, dos
frades Capuchinhos. Essa aproximação teria sido importantíssima para sua
ordenação e opção pela rigorosa vida missionária64. Ele teria permanecido durante
este tempo recolhido, lendo, estudando e meditando65,
Aprofundando-se nas virtudes da humanidade e pobreza voluntária,
cultivando os exercícios de piedade, ruborando-se com a freqüência
dos sacramentos, passou três anos na solidão, até que, purificada a
sua alma e repartidos os seus bens, recebeu, aos 03 de julho de
1853, pelas mãos do seu prelado D. João da Purificação Marques
Perdigão, o sacro Presbiterato" (CARVALHO, 2008, p.33).
Segundo o Padre Ernando L. T. de Carvalho, Ibiapina teria recebido todas as
ordens em menos de um mês, sendo dispensado do processo protocolar vigente.
Recebeu a Tonsura no dia 11 de junho de 1853. No domingo
imediato, dia 12, recebeu as duas primeiras ordens menores,
Ostiarato e Leitorato. Logo no domingo seguinte, dia 18, recebeu as
outras duas ordens menores, Exorcistato e Acolitato. No dia 19, o
Sub-Diaconato. No dia 26 do mesmo mês foi-lhe conferido o
Diaconato e no primeiro domingo de Julho, dia 3, recebeu o
Presbiterato. (CARVALHO, 2008, p.33).
Após sua ordenação, ocorrida em 1853, incentivada pelo amigo Dr. Américo
Magalhães, chegou a ficar por três anos na sede da Diocese, por nomeação do
Bispo de Olinda e atuou como professor do Seminário e Vigário Geral. Em 1855, por
ocasião do primeiro aniversário da proclamação do dogma da Imaculada Conceição
de Maria, Ibiapina substitui seu sobrenome “Pereira” por “Maria”, passando a assinar
como José Antônio de Maria Ibiapina.
63
Localizado na Praça Dom Vital, 169 - São José, Recife.
Desde 1725 os capuchinhos realizavam missões pelo Nordeste. O biógrafo F. Sadoc de Araújo
(1996) afirma que é inegável a influência do modelo missionário da ordem dos capuchinhos sobre
Ibiapina, vista através da espiritualidade franciscana de amor aos pobres.
65
Ibiapina teria levado consigo para leitura, além da Bíblia, o Breviário, um Manual de Teologia, o
Flos Sanctorum e a Imitação de Cristo.
64
110
Pouco depois parte para o interior e dá início às missões percorrendo os
Estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba. Seriam
pouco mais de 27 anos, até sua morte em 1883, dedicados às missões populares.
Durante as missões ele mobilizava a população dos lugares por onde passava para
a construção de igrejas, hospitais, açudes, cemitérios e, sobretudo, suas Casas de
Caridade. Toda sua peregrinação chega a totalizar 601.758 quilômetros, cerca de
7,07% do total do Brasil. É sobre os documentos que relatam tais missões, dentre
outros, que encontramos um fértil campo de estudos para realização de nossa
pesquisa.
3.2 A morte e a viva lembrança do Padre Ibiapina na memória popular através
do Santuário de Santa Fé.
O Padre Ibiapina morreu em sua pequena casa, construída vizinho à Casa de
Caridade de Santa Fé (Solânea - PB), em 19 de Fevereiro de 1883, após sete anos
sofrendo de asma e outras complicações; nos seus dois últimos anos de vida o
Padre Ibiapina já estava preso a uma rústica cadeira de rodas ou ao próprio leito
(ARAÙJO, F. Sadoc, 1996):
Pouco a pouco, os acessos de asma e as crises de pleurisia
aumentavam, deixando-o desfalecido. Febres intermitentes
tornavam-se freqüentes. Sofria também surtos de congestão
cerebral. Passada a fase aguda desses sintomas, voltava a trabalhar.
Apesar de todos os sofrimentos, nunca se ouviu de seus lábios uma
palavra de queixa, nunca perdeu a serenidade. (ARAÚJO, F. Sadoc,
1996, p.542).
Seu estado crítico de doença se agrava nos últimos dois anos de vida. Ao
entrar o mês de fevereiro do ano de 1883 seu estado é de prostração geral. Nos
111
seus últimos momentos de vida, Ibiapina teria tido uma visão de Maria. Este evento
inspira admiradores do missionário a afirmar que isto consagra sua santidade.
Finalmente, após sua última noite, que foi calma, raiou o dia de sua
morte. Padre Ibiapina amanheceu transfigurado. “Às seis horas da
manhã, ficou possuído de uma extrema alegria”. Abriu os olhos,
apontou com o dedo indicador da mão direita para o alto e disse:
“Maria!” E repetiu: “Ali está Maria!” Sorriu e perguntou à superiora,
que estava ao seu lado: “Minha filha, você está vendo Maria?” Ela
respondeu: “Não vejo não, meu pai.” No momento entraram algumas
pessoas no quarto e ele calou-se. E logo que se retiraram, ele tornou
a se encher de prazer e disse, apontando na mesma direção: “Lá
está Maria! Minha filha, olhe! Lá está Maria! Lá está Maria!” Poucas
horas depois, chega o padre José Eufrosino Ramalho, que lhe
administra o sacramento da unção dos enfermos e fica a seu lado até
o último suspiro. Momentos antes de expirar, “cantou baixinho o “O
Salutaris Hostia” e, estendendo os lábio, parecia receber a partícula,
dada por invisíveis mãos”. Minutos após, faleceu sorrindo. Eram três
horas da tarde do dia 19 de fevereiro de 1883, uma segunda-feira da
segunda semana da quaresma. Viveu 76 anos, 6 meses e 13 dias.
(ARAÙJO, F. Sadoc, 1996, p.555).
Embora tenha sempre tentado combater a adoração a si, e quaisquer
manifestações de fanatismo religioso, o lugar onde está seu túmulo, o Santuário de
Santa Fé (Solânea-PB), é local de visitação permanente até hoje, freqüentado por
uma imensa multidão de fiéis, nos dias 19 de cada mês e de modo especial, em
grande número, no dia 19 de fevereiro, aniversário de sua morte.
Infelizmente constatamos através de conversas com o Padre José Floren,
Reitor do Santuário, que o lugar não recebe nenhum tipo de apoio financeiro para se
manter. O santuário é mantido pelos próprios religiosos, por doações, vendas de
pequenos objetos nos dias das missas. Atualmente o Santuário demanda reformas,
acabamento e manutenção, mas não conta com nenhum convênio ou recurso do
Estado ou município.
112
Fotos 03, 04 - Santuário Padre Ibiapina – Santa Fé (Solânea/PB).
Fonte: Santuário de Santa Fé, Solânea (PB). Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/11/2009.
As fotos 03 e 04, acima, ilustram o local onde são celebradas as missas ao ar
livre, todos os dias 19 de cada mês. Logo abaixo, nas fotos 05 e 06 e 07, a Casa de
Caridade erguida pelo missionário no século XIX: a fachada externa, na foto do
meio, e o espaço interno, nas fotos da direita e esquerda. A estrutura de alvenaria é
a mesma, o teto e o chão foram reformados. A parte superior abriga vários quartos
onde ficavam as órfãs.
Fotos 05, 06 e 07 – Casa de Caridade de Santa Fé (Solânea/PB).
Fonte: Santuário de Santa Fé, Solânea (PB). Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/11/2009.
113
Na seqüência (fotos 08 e 09), a casa onde morou o Padre Ibiapina:
Fotos 08 e 09 – Casa do Padre Ibiapina.
Fonte: Santuário de Santa Fé, Solânea (PB). Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/11/2009.
Abaixo (fotos 10 e 11), a Casa dos Milagres. O local abriga enorme
quantidade de fotos de pagadores de promessas que levaram até o santuário o
registro fotográfico de feitos milagrosos, atribuídos ao Padre Ibiapina. Observamos
durante nossa visita ao local que a grande maioria dos agraciados é de crianças.
Uma relação provável com o fato de o Padre Ibiapina ter sido um acolhedor de
crianças órfãs.
114
Fotos 10 e 11 – Casa dos Milagres.
Fonte: Santuário de Santa Fé, Solânea (PB). Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/11/2009.
Durante nossa visita ao santuário pudemos conhecer devotos relatando a
cura de entes queridos através de pedidos de oração feitos ao Padre Ibiapina. É
absolutamente impressionante a forma como o missionário parece esquecido pelas
instâncias oficiais (públicas, institucionais), mas permanece vivo na memória das
comunidades por onde passou. Além disso, a produção acadêmica recente também
tem demonstrado crescente interesse pela história do missionário.
De acordo com o Padre José Floren, Reitor do Santuário, e da Irmã Maria,
freira residente no local, os devotos conheceriam a história do Missionário Ibiapina
provavelmente através da memória oral das populações locais. As últimas gerações
dos sertões e cidades por onde andou o missionário Ibiapina ouviram as histórias
dos feitos e milagres a ele atribuídos. Uma memória transmitida por aqueles que
conviveram com o Padre ou que foram por ele acolhidos, atendidos, remediados,
socorridos. É o caso, por exemplo, dos descendentes dos órfãos asilados nas Casas
de Caridade. Muitas moças educadas nas Casas casaram, tiveram filhos, e
certamente passaram adiante as experiências vividas nas instituições, preservando
viva na lembrança dos seus descendentes a história do Padre Ibiapina 66. Desta
66
Diana Rodrigues Lopes (2004) em seu livro Padre-Mestre Ibiapina e a Casa de Caridade de
Triumpho-PE, recupera histórias de algumas meninas que passaram pela instituição.
115
forma, ele continua vivo na memória popular, ao ponto de reunir, pelo que me
relatou o Padre José Floren e a irmã Maria, cerca de dez mil pessoas no Santuário,
como ocorreu na data de 19 de fevereiro de 2009, última contagem que nos foi
relatada67. Fizemos, então, nova visita ao local em 19 de fevereiro de 2010 e nos
impressionamos com a quantidade de fiéis no local. Seguem no apêndice B algumas
fotos do Santuário feitas durante esta visita.
3.3 A ação missionária do Padre Ibiapina.
Encontrando corpos expostos e jogados nas veredas e às
vezes devorados pelos animais, Padre Ibiapina começou sua
obra construindo cemitérios, capelas, igrejas, aguadas, açudes,
cacimbas, cisternas, barragens, casas de caridade, hospitais,
cruzeiros, estradas e asilos e a levar conforto através da
palavra. (LOPES, 2004).
Dada a extensão da obra e a mobilização que sua memória ainda suscita na
região, que se manifesta na presença dos fiéis ao Santuário de Santa Fé, é
surpreendente a escassez dos registros oficiais e o incipiente destaque dado pelo
Estado da Paraíba à sua existência68. Também vale a pena questionarmos porque
esta ação missionária não teve prosseguimento e não foi resguardada pelos agentes
públicos, questão a qual voltaremos.
67
A irmã Maria Candeia e o Reitor do Santuário, Padre José, esperavam número ainda maior em
2010.
68
A Casa de Caridade de Santa Fé juntamente com as outras construções antigas existentes na
mesma área foi transformada no Santuário de Santa Fé no ano 2000, através de uma parceria da
Diocese de Guarabira (PB) com o governo do Estado. Contudo, alguns acabamentos da obra não
foram entregues e nos anos que se seguiram o Santuário passou a necessitar de manutenção; no
ano de 2009, em 9 de setembro, o jornal A União, órgão do governo estadual, veiculou matéria
anunciando que o Santuário seria recuperado. Neste ano, por ocasião da celebração ocorrida nos
127 anos de morte do missionário, em 19 de fevereiro, o Santuário recebeu além dos fiéis a visita de
uma comitiva formada pelo governador do Estado, José Maranhão, do PMDB, vários prefeitos de
localidades vizinhas, além do Bispo de Guarabira, Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, dentre
outros políticos e religiosos. Nesta visita, a promessa de recuperação do Santuário foi refeita pelo
então governador do Estado. Através de nossas conversas com o Reitor do Santuário e com a Irmã
Maria Candeia, constatamos pouca crença no cumprimento de tais promessas, as quais já teriam
sido feitas noutras ocasiões, geralmente em momentos que antecedem eleições municipais ou
estaduais.
116
Segue abaixo, quadro com a indicação da localização e o ano correspondente
à construção das Casas de Caridade, consideradas sua principal obra69.
Quadro 03 – Casas de Caridade, por ano de construção.
Casa de Caridade (localização)
Ano
Gravatá do Jaburú (Taquaritinga do Norte - PE) 1860
69
Santa Luzia do Mossoró (Mossoró - RN)
1860
Alagoa Nova - PB
1862
Areia - PB
1862
Sobral - CE
1862
Açú - RN
1862
Santana do Acaraú - CE
1862
Santa Luzia do Sabugi - PB
1862
Acarí - RN
1864
Missão Velha - CE
1865
Pocinhos - PB
1866
Parari (Pombas – PB)
1866
Santa Fé (Solânea - PB)
1866
Crato - CE
1868
Barbalha - CE
1869
Milagres - CE
1869
Souza - PB
1869
Cajazeiras - PB
1869
No apêndice A segue outro quadro com indicação do local e ano de todas as outras construções:
cemitérios, capelas, igrejas, hospitais, etc.
117
Bezerros - PE
1870
Baixa Verde (Triumpho – PE)
1871
Cabaceiras - PB
1872
Campina Grande - PB
1872
Fonte: MARIZ, Celso (1997); LOPES, D. Rodrigues (2004).
Segue como anexo B um mapa das missões do Padre Ibiapina, com a
localização das Casas de Caridade. O mapa foi produzido baseado no manuscrito
“Crônica das Casas de Caridade do Padre Ibiapina” e disponibilizado por Eduardo
Hoornaert70 (2006). Para compreender a distribuição espacial e o itinerário do Padre
é necessário saber que não havia planejamento das viagens e o missionário
orientava-se pelos convites que recebia. Olhando atentamente o mapa, contudo,
podemos afirmar que suas “rotas” correspondem à antiga estrutura da formação
espacial do Nordeste, no que diz respeito aos acessos, às estradas, às povoações
visitadas. Hoornaert (2006), afirma que o itinerário de Ibiapina demonstra uma
articulação entre o Cariri Novo (chapada do Araripe) e o Cariri velho (Serra da
Borborema). Ele teria se utilizado de uma antiga estrada, aberta por Teodósio de
Oliveira Ledo71, que em 1869 era “Capitão-mor de Piancó e Piranhas”. Esta estrada
central paraibana era uma estrada estratégica durante a Guerra dos Bárbaros.
A atividade missionária de ibiapina é dividida por Hoornaert72 (2006) em três
períodos: de 1860 a 1864 ele teria atuado no chamado Cariri Velho, fazendo uma
breve excursão posterior para Fortaleza, Sobral e Acaraú (CE). Entre 1865 e 1870,
descritos como os anos mais intensos de sua atividade missionária, ele teria se
70
Desenho original de Adélia Carvalho.
Este teria procedência numa família baiana que teria se estabelecido no curso do Rio Paraíba e a
partir daí teria começado a desbravar a região de Pilar, Ingá, Campina Grande, Soledade, Taperoá,
Descida da Viração, Patos, Pombal, Souza (HOORNAERT, 2006).
72 O autor certamente se valeu do relato do beato Bernardino Gomes de Araújo, corrigido e editado
por Paulino Duarte e publicado pela Revista do Instituto Histórico e geográfico do Ceará nos anos de
1913, 1914 e 1915, para afirmar o ano 1860, como o ano em que se iniciam as missões.
71
118
dividido entre o Cariri Velho, indo de Missão Velha (CE) para a região de Pocinhos
(PB), Bezerros (PE) e de volta para Missão Velha e mais tarde para Milagres (CE).
Daí volta para o alto sertão paraibano e retorna novamente ao Ceará, para o Crato.
Entre 1870 e 1872 ele teria percorrido “os centros do Piauí”. Entre 1872 e 1876, o
missionário dedica-se ao Cariri Velho. Sua última viagem teria sido para Baixa Verde
(atual município de Triumpho-PE), de onde ele teria voltado em 1876 para a “matriz”,
a Casa de Caridade de Santa Fé (Solânea-PB), ficando até sua morte, em 1883.
No relato de Bernardino Gomes de Araújo, atualizado por Carvalho (2008),
temos descritas as primeiras missões a partir do ano de 1860 – data que relata a
chegada do Padre Ibiapina na povoação de Gravatá (PE).
Já tinha o novo missionário apostólico feito até 1860 grandes
conquistas em favor da religião, do estado, da moral e bons
costumes, da paz e harmonia da sociedade; já tinha obrado grandes
conversões e chamado muitas almas para Deus; mas a caridade
para com os infelizes estava muito aquém do que desejava o seu
caridoso coração.
A partir de então, ele daria início a uma fase da vida em que estaria
completamente voltado para o atendimento dos pobres, movido por uma caridade
cristã,
mas
também
impulsionado
pelo
anseio
de
atender
moralmente,
economicamente e socialmente os miseráveis dos sertões, anseio que ultrapassa o
caráter caritativo religioso. Isto porque suas missões significaram a execução de um
conjunto de obras de assistência social, já que elas se orientavam não só pelos
princípios da ética religiosa cristã, mas também porque ela sustentava um ideal de
civismo e de moralidade pública que o Padre Ibiapina construía por onde passava.
Nestas missões, observamos a enorme capacidade de mobilização pública
provocada pelo Padre. Suas obras foram erguidas tendo como base fundamental
esta mobilização pública atestada pelos mutirões concentrados para as construções
das Casas de Caridade, dos hospitais, dos açudes e demais obras – tudo realizado
119
a partir das esmolas e doações obtidas pelo missionário. Sensibilizando através da
sua oratória e do seu grande poder de persuasão, oriundos de seus anos de estudos
e formação erudita, como descreveram seus principais biógrafos, conseguia chamar
atenção para as misérias que encontrava pelo caminho e procurava obter meios de
amenizá-la. Vejamos neste relato de sua passagem pela vila de Missão velha, em
1865:
Chegando à Vila de Missão Velha, abriu missão que foi logo seguida
de muitos proveitos espirituais e notáveis conversões. Mas como o
seu fanal era a caridade e sabendo que o cólera tinha devastado os
arrabaldes daquele lugar, olhou com ternura de mãe carinhosa a
orfandade desamparada; o seu coração condoeu-se e pregou com
todo o entusiasmo a inspiração que teve de fazer ali um Asilo para
abrigar os inocentes órfãozinhos que gemiam, chorando de fome, de
nudez, e expostos ao triste veres do infortúnio.
Falou tão alto sobre o sublime da Caridade que enterneceu até
os mais duros corações. Convidou o povo para fazer ali a nova
empresa, explicou os seus misteres, deu as direções necessárias e à
palavra seguiram-se efeitos rápidos e maravilhosos. O povo, como
que encantado das sublimes virtudes e dos progressos que
continuamente fazia o virtuoso Apóstolo, trazia-lhes esmolas de
todo gênero, para efetuar-se o edifício que subia rapidamente,
de sorte que no dia 2 de fevereiro de 1865 instalou-se a primeira
Casa de Caridade no Cariri Novo, com grande festividade, e
abundante de todo o necessário para a sustentação, tendo por
patrimônio os Sagrados Corações de Jesus e de Maria e os corações
dos fiéis. (CARVALHO, 2008, p.52; grifos nossos).
O padre Ibiapina, embora não tenha atuado politicamente de maneira direta
junto às autoridades públicas durante o período de suas missões, esteve circulando
próximo de grupos sociais distintos economicamente e politicamente. Não somente
os pobres, que seriam atendidos prioritariamente por suas obras, eram mobilizados
em suas missões, mas também famílias ricas. As missões, neste caso, serviam aos
potentados locais como um momento para remissão dos pecados através da prática
da caridade, já que muitos faziam boas doações para as obras. Contudo, esta
articulação não é destacada nos relatos das missões e parece não ter existido forte
proximidade do Padre Ibiapina com as autoridades políticas das províncias e vilas
120
por onde ele pregou missões. Por outro lado, como toda comunidade era mobilizada,
certamente ele deve ter contado com a presença e participação considerável
inclusive dos grupos dominantes. Ele passaria a mobilizar por meio do discurso
religioso, em nome da fé, da salvação das almas, e da boa moral cristã,
comunidades inteiras, que se punham a seu serviço, e sob suas ordens; algo que
ele não tinha conseguido durante seus anos de atuação enquanto chefe de polícia,
juiz ou parlamentar.
Toda sua disposição intelectual é disposta para sua prática religiosa a partir
do momento em que ele se embrenha na vida missionária. Disto resultaria a
construção de uma obra religiosa popular, já que se dava próxima do povo e
conforme suas demandas, suas linguagens, sua cultura. Ao mesmo tempo, sua
erudição se convertia no caráter moderno e avançado empregado na condução do
povo pobre dentro das Casas de Caridade, como atestam seus princípios e
finalidades, orientados pela ética do trabalho, e também fora delas, através da
tentativa constante do Padre Ibiapina de moralizar os miseráveis, ensinando-lhes
bons hábitos de civismo, a busca por virtudes e o afastamento dos vícios, da
preguiça, da imoralidade:
No dia marcado, levantou-se o púlpito na frente da Caridade, e o
fervoroso missionário subiu animado com a luz da graça e o dom da
palavra de converter os pecadores por mais obstinados que fossem,
de reformar os costumes e adiantar na virtude. Ele sabia empregar
todo o jeito e tino conforme as circunstâncias de cada um. Foi então
que tive a fortuna de ver a doutrina e os evangelhos de Nosso senhor
Jesus Cristo bem explicados, com exemplos, e estas palavras:
“Quem tiver olhos de ver, que veja; quem tiver ouvidos de ouvir, que
ouça; quem tiver alma de salvar, que aproveite; porque bem conheço
que quem não é de Deus não há jeito que se lhe dê. (CARVALHO,
2008, p.55).
Nos relatos das construções de suas Casas de Caridade, o fenômeno da
reunião dos fiéis se destaca. Observe-se abaixo no relato:
121
Chegando em Gravatá, tomou por protetores os Sacratíssimos
Corações de Jesus e Maria e começou o primeiro edifício da
Caridade. Se a sua fé era grande, a sua expectativa não foi menor,
quando viu a facilidade e prontidão com que se levantava uma Casa.
E em que lugares? Onde os recursos da vida eram mais difíceis;
onde havia menos probabilidade e mais obstáculos a vencer. À sua
voz, pareciam que se levantam as pedras, se abatiam as árvores
e se punham em seus pontos, tanta era a facilidade e prontidão
com que se moviam e se acomodavam. A facilidade com que se
houve na primeira de suas empresas de caridade animou-o a
empreender outras, e debaixo dos auspícios dos mesmos protetores
tem feito prodígios. É maravilhoso vê-lo lançando os fundamentos de
uma Casa que deve acomodar cem pessoas, sem ter de seu um real,
e se alguém lhe objeta com a deficiência de meios, a sua resposta é
sempre esta: “Não falta nada”, assim tem acontecido. [...] O povo,
que já o conhece, concorre para o pé da obra; são alimentados todos
os pobres que aparecem; a obra marcha rapidamente. (CARVALHO,
2008, P.40. Grifos nossos).
Luitgarde Barros (2008), referindo-se não só ao Padre Ibiapina, mas também
ao Padre Cícero de Juazeiro do Norte (CE) e a Antônio Conselheiro de Canudos
(BA), aponta algumas características importantes destes três personagens que
fizeram com que eles arrebanhassem multidões de devotos: a perfeita identificação
com o povo, a forma de comunicação e a constante preocupação com os
sentimentos de dignidade do sertanejo.
Além do Padre Cícero e de Antônio Conselheiro podemos citar o Beato Zé
Lourenço, menos conhecido. José Lourenço Gomes da Silva foi um seguidor do
padre Cícero e esteve à frente de uma comunidade conhecida como o Caldeirão73.
Todos eles têm em comum uma intervenção ou talvez até se possa dizer de uma refundação da vida social nos lugares onde atuaram. Estes três têm como precursor o
Padre ibiapina, o qual os teria influenciado em sua maneira de atuar junto ao povo,
de solucionar problemas fundamentais da população, embora pouco se reconheça e
73
Ver mais a respeito em: O Discurso religioso no processo migratório para o caldeirão do beato José
Lourenço (SILVA, 2009).
122
pouco se saiba a respeito do alcance desta influência sobre eles. Sabe-se, por
exemplo, em que em 1863 quando Ibiapina realizava missão no Crato (CE), o jovem
Cícero Romão Batista teria tomado conhecimento de suas pregações. Dois anos
depois, em 1865, no dia 2 de fevereiro, o Padre Ibiapina inaugurava solenemente
uma Casa de Caridade na região, e a esta comemoração estava presente Cícero
Romão Batista, que dois meses depois, em 2 de abril, matriculava-se no Seminário
de Fortaleza, aos 21 anos (ARAÚJO, F. Sadoc de,1996). Com relação a Antônio
Conselheiro, sabe-se que ele também esteve presente às missões do Padre Ibiapina
em Sobral (CE). Na época, o futuro Conselheiro, Antônio Vicente Maciel, era
Caixeiro em Sobral e vivia em comunhão com uma sobralense. Segundo F. Sadoc
de Araújo (1996): teria sido “o profundo desgosto por causa da infidelidade da
mulher e as pregações do Padre ibiapina o motivo desencadeador de sua tendência
para o misticismo, que o levou às aventuras de Canudos.” (p.356). Sadoc também
cita o Padre José Tomás de Albuquerque, o fundador da cidade de Tianguá,
missionário dos sertões do Ceará, como mais um religioso influenciado pela figura
do missionário.
A população era chamada por Ibiapina e conduzida pelas orientações morais
e pelas ordens ao trabalho. Os mutirões de trabalho reuniam todos aqueles que
tivessem condição física de se envolver, fossem homens ou mulheres:
Tendo falado do amor de Deus e das grandes vantagens que se
colhem desse amor, quando é sincero e puro, convidou o povo para
fazer o serviço da Matriz. E o povo não faltava ao que dele se
esperava. Dividiu os homens para a pedra, as mulheres para o tijolo,
e foi rápido o movimento; a pedra sobrou e o tijolo esgotou-se. Era
preciso madeira: o povo avançou aos serrotes e montes. A madeira
abundou; vinte ou trinta homens metiam-se debaixo de um Pau
d‟arco, na distância de uma a duas léguas, e o pau parecia uma
charola; vinha cair ao pé da Matriz, onde trinta carpinas o
esperavam. Faltava o alimento para o povo empregado no serviço, e
o alimento caiu em porção tão vantajosa que sobrou e foi recolhido
para a Casa de Caridade. [em Pombas, 1868]. (CARVALHO, 2008,
p.57).
123
Sua chegada nas vilas e províncias significava um rearranjo da vida social e
para isso ele chegava a intervir inclusive nos conflitos locais: exigia sempre que
todos os conflitos existentes fossem solucionados, que os pugnados se
reconciliassem. Além disso, solicitava que todos trabalhassem juntos em suas
missões, desde os “principais senhores e senhoras” da região até o “povo miúdo”,
numa iniciativa que temporariamente colocava em suspenso as distinções sociais e
econômicas existentes numa sociedade marcada por uma estratificação bem
definida, que reservava ainda o lugar dos senhores, dos escravos - dos ricos
proprietários de terra e dos despossuídos. Conflitos locais, disparidades econômicas
e também os problemas morais eram atacados pelo missionário. Aonde chegava, o
Padre Ibiapina condenava a mancebia e ordenava que os “amancebados”
procurassem receber bênçãos e se redimir moralmente. Veja-se, por exemplo, as
passagens que relatam sua passagem por Bananeiras, localizada no Brejo
Paraibano, no ano de 1863:
As pedras e terra vinham cair em montes ao pé da obra pelos
principais senhores e senhoras que, deixando as distinções, se
uniam ao povo miúdo como se fossem irmãos, para obedecerem à
voz poderosa que os mandava. [...].
Tratou sobre o sexto mandamento e, para corrigir o pecado da
mancebia e escândalos públicos, ordenou a todos os proprietários
que, se não quisessem ver a maldição de Deus em suas terras,
desde já retirassem delas as pessoas de má vida. Mais de cem
infelizes concubinados achegaram-se ao tribunal da penitência! E o
povo em geral acorreu ao tribunal para se purificar de suas culpas.
Homens velhos que, há 20 ou 30 anos, tinham deixado no
esquecimento este dever sagrado, para só tratarem de satisfazer
suas paixões e caprichos políticos, se dispunham a reparar este
grande erro indo à piscina sagrada, onde seis confessores esperavaos com a maior satisfação, cheios de caridade e amor ao próximo.
(CARVALHO, 2008, P.46).
124
Ainda sobre as reconciliações públicas, mas já na povoação de Pombas 74
(PB), no ano de 1866, a passagem abaixo impressiona:
Tendo falado sobre o amor do próximo, propôs as reconciliações
nessa noite, dizendo: “Ficarei muito mal servido se souber amanhã
que alguém deixou de reconciliar-se esta noite; espero não passar
por esse dissabor”. Às doze horas da noite a música percorria as
ruas, celebrando com vivas e entusiasmo a paz e confraternização.
Inimigos figadais se haviam procurado e perdoado com tanta
facilidade, como se fossem pequenas rixas políticas. Assim no resto
da missão, que durou somente nove dias, sete a oito mil pessoas
que a ela assistiram eram como uma só família, um só rebanho
doméstico, um exercito bem disciplinado; e todos teriam comungado
se os confessores pudessem ouvir a todos, tanto era o desejo que
mostravam. (CARVALHO, 2008, P.57).
A passagem do Padre Ibiapina causava forte impacto principalmente pelo
lastro material visto nas das construções erguidas. Mas, além disso, sua presença e
o que dela ficava chegam a ser representadas metaforicamente nos relatos que
descrevem as missões, pela imagem de uma cena materna: como uma mãe a
educar seu filho, ele apontava o erro, castigava, perdoava e em seguida acalentava.
Assim figura o ritual religioso para o pecador: após a tomada de consciência na
confissão, segue a penitência para a busca do perdão e em seguida o perdoado tem
aliviadas suas culpas e sente-se acalentado pelo amor divino.
Chega o dia marcado para as reconciliações. O santo apóstolo
levanta a voz e às doces inflexões dessa voz sonora, clara e
insinuante, com as palavras que o Espírito Santo colocava na boca
de seu Ministro, o povo aproxima-se como a criança que teme o
castigo, mas que recebido o beijo materno cai em seus braços e
deles não se aparta sem que a mãe carinhosa lhe tenha dado o
perdão. (CARVALHO, 2008, P.46-47).
Há relatos também da destruição de armas, chamadas brancas e de fogo,
incentivadas por Ibiapina em suas missões, com o fim de garantir a paz e a
harmonia:
74
Conhecida como São José das Pombas, passou a ser chamada de Parari; no ano de 1994 foi
transformada em município.
125
...Em Serra talhada [PE, 1870], Ibiapina fez o mesmo que fizera em
Floresta: ordenou que se cavasse um buraco em frente da matriz,
para ali serem enterradas todas as armas brancas e de fogo, que
estivessem em poder de particulares. Com um gesto simbólico,
pretendia levar inimigos políticos à reconciliação e famílias
desavindas à convivência amistosa e à paz doméstica. Com menos
armas disponíveis, também o cangaceirismo, que se alastrava pelo
sertão, haveria de diminuir. A localidade, já nessa época tinha a fama
de acolher coiteiros do banditismo e o missionário desejava colaborar
no trabalho de apaziguar os ânimos. (ARAÚJO, Sadoc de, 1996,
p.309).
Conta ainda Sadoc (ARAÚJO, 1996), que ironicamente, trinta anos após esta
estada do padre e este evento, nasceria na região Virgulino Ferreira da Silva (18981938), o famoso Lampião, “cujo cangaço teve origem exatamente nas sangrentas
rivalidades familiares locais entre os Ferreiras e os Nogueiras.” (p.309).
Os chamados sete pecados capitais75 são avidamente combatidos pelo
Padre, embora não haja nenhuma referência a eles nestes termos. A preocupação
constantemente apresentada pelo missionário era com o combate aos males morais
e a busca pela virtude: nos relatos de suas missões são várias as referências à ira
(através de suas preocupações com os conflitos locais), à preguiça (através de sua
apologia ao trabalho), à luxúria, (em seu combate à mancebia). A avareza tenta ser
combatida em suas críticas aos donos de engenhos que não comparecessem às
missões – críticas convertidas em ameaças de que o pecado se convertesse em
75
Teria sido o monge cristão Evágrio do Ponto (Euagrios Pontikos, 345 – 399), de origem grega,
quem teria primeiro escrito sobre o tema. Numa comunidade monástica no Egito ele teria traçado oito
doenças que afligiriam o espírito humano: soberba, a avareza, a inveja, a ira, a luxúria, a gula, acídia
e tristeza. Posteriormente o Papa Gregório reduziu a lista a sete itens, juntando “vaidade” ao
“orgulho” e trocando “acedia” por “melancolia” e adicionando “inveja”. Mais tarde, outros teólogos,
dentre eles São Tomás de Aquino (1225-1274), em sua Summa Theologica produziu a hierarquia:
orgulho, inveja, cólera ou ira, preguiça, avareza, gula e luxúria. Para ele estes sete pecados são
considerados Capitais porque são poderosos pecados que “chefiam, encabeçam” outros vícios
subordinados (LEMAÎTRE, Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse, SOT, Véronique, 1999).
126
castigo. A vaidade (orgulho) também se destaca por sua preocupação com o
comportamento e a disposição das moças para as virtudes cristãs:
Avareza: (em Barbalha/PB – 1866): O Revmo. Missionário fulminou
do púlpito aqueles que, por motivo de avareza, deixassem de
comparecer à missão, mandando calar todos os engenhos. Alguns
teimaram e foram imediatamente punidos. Dois ou três engenhos
quebraram-se na manha seguinte; uma moenda de ferro embirrou e
não quis dar mais um passo; talvez respeitassem mais o preceito
apostólico do que seu dono; uma casa ardeu em chamas e os seus
proprietários, assim castigados, serviam de exemplo a outros.
Estabeleceu-se então a concorrência e não faltou ninguém; dez ou
doze mil almas ouviram a palavra e se empregaram no seu serviço.
Vaidade (em Bananeiras/PB – 1863): Encontrando-se muitos ossos
dos mortos ali, o Missionário mandou fazer depósitos para guardálos, mas as mulheres, como delicadas, entraram a refugar, e ele
sabendo de tal, disse no púlpito: “Quero fazer um pedido às moças
mais vaidosas e delicadas que houverem aqui, e é para serem as
primeiras que carreguem os ossos e a terra mais putrefata que
houver nos alicerces”. No dia seguinte, as moças atiravam-se ao
ordenado com tanta prontidão como se fossem ricos enfeites.
(CARVALHO, 2008, P.46).
Desta forma e com este discurso, o missionário Ibiapina chegava a converter
até mesmo as moças de famílias abastadas, que decidiam, então, segui-lo:
Com efeito, duas virgens da principal família, que representavam na
sociedade com distinção, foram estimuladas pela graça e penetraram
nas verdades que ouviam, e o resultado foi despirem-se as galas, os
enfeites e as esperanças ilusórias do mundo, para seguirem o
estreito e áspero caminho da Cruz, acompanhando o doce Jesus a
quem se consagraram como esposas amantes... (CARVALHO, 2008,
P.47).
Durante a permanência do missionário todo o povo vivia um estado de
agitação social, de rituais religiosos, de trabalho (nas construções) e oração. Em
suas pregações havia canto, música e festividades. O canto fazia parte inclusive da
rotina das Casas de Caridade. Encontramos relatos de visitas do Padre Ibiapina nas
127
Casas erguidas, nas quais ele era, por vezes, recebido com a cantoria ensaiada
pelas meninas abrigadas nas Casas:
No fim de maio de 1868, apareceu de surpresa na Vila de Missão
Velha, indo logo visitar a Caridade; foi recebido com grande
entusiasmo, com repiques de sino, fogos do ar, seguido pela música.
Enquanto ele fez oração, as órfãs cantavam o hino “Veni Creator”,
findo o qual o extremoso Pai abençoou a todas as suas filhas com
grande regozijo... (CARVALHO, 2008, p.54).
Por outro lado, há relatos de destruição de violas em suas missões por Sobral
(CE). Um tocador de violas era considerado um errante, e era associado quase
sempre à bebida, à ociosidade, aos vícios e à desordem. Erradicar este
comportamento era um dos maiores objetivos do Padre Ibiapina. No entanto, esta
não era uma prática comum em suas missões. O ocorrido em Sobral teria sido um
ato espontâneo da própria população e não um atendimento ao chamado do
missionário Ibiapina. De acordo com F. Sadoc de Araújo (1996) este evento atestaria
um costume do povo herdado do final do século anterior, quando havia passado por
ali o capuchinho Frei Vital da Penha – de mandar juntar e destruir ídolos e fetiches
em público. De qualquer forma, é possível encontrarmos nos relatos passagens
como a que segue abaixo, em que aparece claramente uma rejeição a objetos
seculares, instrumentos musicais, que remetem à festa, à música, e, potencialmente,
a comportamentos considerados desviantes pelo Padre. Além disso, a vaidade
feminina também é atacada num mesmo ritual em Sobral, no ano de 1879
(CARVALHO, 2008, p.40-50, grifos nossos):
...A harmonia arrebatadora da música, os hinos do povo, o crepitar
dos foguetes, o alegre repique dos sinos, o pestanejar das luzes, a
satisfação em todos os semblantes, inclusive no Ministro sagrado,
tornaram a cena tão patética que parecia terem-se combinado céus e
terra, anjos e homens, elementos e sons, para naquele dia
celebrarem o triunfo da Virgem Santíssima, que fazia o objeto da
festa. Depois formou-se uma ala de meninas e cada uma tinha
nas mãos uma salva com as pontas dos vestidos, que o
Missionário tinha pedido às mulheres vaidosas, e outra ala de
128
meninos, com as violas. Dirigiram-se em ordem para o pé do
Cruzeiro, onde fizeram uma fogueira, as meninas atirando as
pontas no fogo e os meninos as violas, e cantavam:
Já morreu o samba
Já venceu Jesus
Ardam pontas e violas
Em honra da Cruz
Todos os sambistas
Querem ter prazer
Venham ao pé da Cruz
Ver violas arder
E ainda, F. Sadoc de Araújo (1996) relata a seguinte passagem, retirada de
um jornal de Fortaleza:
...Foi bem recebido pelos seus patrícios sobralenses e começou a
pregar com muito bom resultado, porque os outros ouvintes
prestaram-lhe muita atenção e respeito e mostraram muita contrição.
Pregou contra todos os vícios e objetos de vaidade e distrações, bem
como contra os balões, biqueiras, violas e guitarras. Esses objetos,
que foram entregues espontaneamente, ele os mandou queimar
publicamente, isto é, 48 violas, 45 guitarras, 5 maxinhos, 4
rebecas, 3 bandolins, 2 violões e um tamborim. Queimaram-se
também 2.543 biqueiras, e 160 balões, que se puderam contar,
porque alguns foram desmanchados antes de serem lançados na
chama e entregaram apenas os arames, e outros foram lançados na
pira antes do incêndio, por isso avalio que podia chegar a 200. Na
povoação de São José e na Meruoca foi queimado igual número de
violas, durante a missão que ali realizou. (ARAÚJO, F. Sadoc, 1996,
p.353, Apud “O Cearense”, 14 de outubro de 1862; grifos nossos).
Estes instrumentos eram considerados “objetos de distração”, capazes de
atrair a prostituição, a ociosidade e a desordem: “ordinariamente, um tocador de
viola é ocioso, ébrio é desordeiro”. Seriam objetos provocadores da imoralidade,
capazes de desviar grande número de pessoas, através das “orgias” que
proporcionavam.
129
Luís da Câmara Cascudo, numa crônica escrita em 9 de junho de 1940, em
sua coluna jornalística “Acta Diurna”, registra sobre o “Padre-mestre”, a respeito de
sua passagem pelo Estado do Rio Grande do Norte:
Pelo sertão ainda se fala no Padre-mestre Ibiapina, o santo
missionário, com mais lendas que passos dados na terra. Uma vida
singular, intensa e alta, foi a sua (...). A pé, a cavalo, carregado em
rede quando aleijado, o pregador das missões, o evangelizador do
sertão, semeou a palavra de Deus erguendo capelas, cemitérios,
casas de caridade, recolhimentos. Atravessou as secas e epidemias
em plena coivara acesa. Caminhou pelas almas dos homens.
Advinha, prevê, abençoa, trabalha. E em quatro províncias imprime o
vestígio de seu nome no coração de todas as lembranças.
Vindo do Ceará, várias vezes varou o Rio Grande do Norte76,
reganhando a Paraíba pelo Seridó. Em 1860 visitou-nos. Em Santa
Luzia de Mossoró fundou uma Casa de Caridade. Em 1862, instalou
no Açú outra casa77. Consegue aí a conversão do irmão Inácio,
depois sua sombra inseparável78. (...)
Em Angicos, de 19 a 26 de agosto de 1862, pregou as missões.
Falava na sombra de uma latada, fazendo intercalar o sermão com
cânticos coletivos, numa inteligente intuição do canto orfeônico.
Construiu o cemitério, que veio a 1900. E consertou o açude,
abandonado sessenta e dois anos depois. Quando deixou Angicos,
as famílias cantavam:
Foi embora o padre-mestre,
Deixou três ervas plantadas,
Salve-Rainha ao meio dia,
O terço à boca da noite,
O ofício, de madrugada.
(CASCUDO, Luís da Câmara, 1989, apud ARAÚJO, F. Sadoc, 1996, p.332)
76
A primeira visita do Padre Ibiapina ao Rio Grande do Norte, então província do Rio Grande, se deu
ainda em 1856 durante a primeira epidemia de cólera na região do Seridó. Esta sua permanência se
estendeu por alguns meses de 1857, conforme como conta F. Sadoc de Araújo (1996), tempo
suficiente para concluir a obra da necrópole, onde foram sepultadas centenas de vítimas da epidemia.
77
A Casa de Caridade de Açú foi transformada em 1948 no Instituto Padre Ibiapina; serviu
inicialmente para abrigar meninos de rua e posteriormente foi transformada em escola e passou a ser
mantida pela paróquia em convênio com os governos estaduais e municipais.
78 O irmão Inácio foi um dos beatos sertanejos mais conhecidos do Padre Ibiapina.Celso Mariz
(1997, p. 165) dedica algumas páginas a esta importante figura intitulada “Um irmão no Rio”, porque
ele chegou a ir ao Rio de Janeiro na época em busca de esmolas e conta ainda que ele conquistou
simpatia e consideração em favor da caridade e das “Casas do Norte” (as Casas de Caridade). Celso
Mariz descreve-o detalhadamente produzindo uma imagem fransciscana de religioso pobre e sujo:
“Ignácio usava um camisão azul, desabotoado no pescoço, descalço, sem chapeo, com uma cruz e
os bentos pendurados. Sujo, o andar mole e compassado, olhos fixos em alucinação melancólica,
andava pelas vilas e cidades, nem sempre merecendo acolhida simpática, sobretudo dos meninos e
moleques das ruas. Não se pode censurar Ibiapina de permitir a criação de tal tipo esquisito e
fisicamente repugnante. Os beatos e mesmo alguns santos teem tradição de sujeira. Ainda hôje, com
os ensinamentos de higiene e a crítica que se tem feito desses hábitos de desleixo e desasseio,
indignos da espécie civilisada, aparecem exemplares de beatos, característicos no gesto, na voz, nas
golas grudentas e no cheiro desagradabilíssimo de quem não toma banho. Assim suado, andrajoso,
encovado, poeirento, Ignacio foi o ideal para representar a seca no Rio de Janeiro. Até lá foi ele em
1878, quando as coisas em Santa Fé e demais Casas do Mestre, apesar dos auxílios recebidos,
ameaçavam perecer”.
130
As missões populares significavam a realização de um grande evento para as
populações sertanejas. O modelo missionário executado pelo Padre Ibiapina seguia
o tradicional parâmetro das “Santas Missões”. Resumidamente, seus objetivos eram:
o afervoramento religioso, ocasião de conversões e regularização da vida,
reconciliação dos ódios, afastamento dos abusos e superstições, volta aos
sacramentos. E a jornada se estendia através dos mutirões de trabalho, que, no
caso, se conectavam com a moralização e o disciplinamento dos fiéis. Com relação
à temática de uma missão, geralmente envolvia sermões sobre o amor de Deus,
“imortalidade da alma, necessidade da salvação e conversão, existência do inferno,
o juízo final, a condenação das vinganças, a luxuria, etc.” (FRAGOSO, 1985, p.209).
O programa geralmente se organizava da seguinte forma: o dia se iniciava com a
missa matinal das 05 ou 06 horas. O povo ouvia o missionário, que, do púlpito,
explicava a doutrina cristã começando pela existência de Deus até o juízo final. Em
seguida ensinava-se o catecismo às crianças e preparação para a primeira
comunhão. Depois, o atendimento para as confissões. Durante a tarde havia ainda
explicação da Doutrina religiosa com base em algum texto evangélico. E, no tempo
intermediário “o missionário mobilizava o povo para os trabalhos da igreja, do
cemitério, de açudes, de cacimbões, de estradas. O povo carregava em procissão,
ao som de hinos e cânticos, madeiras, pedras, tijolos.” (FRAGOSO, 1985, p.210).
Com esta áurea festiva, as missões representavam momentos de expiação,
pregação, mas também de grande festividade.
Outro dado importante é a forma como o Padre Ibiapina agia localmente e sua
capacidade de criar células de atuação popular. Durante as missões ele buscava
pessoas dispostas a permanecer no cuidado e atenção dos pobres e desvalidos
após sua partida. Sua passagem era sempre efêmera e geralmente durava algumas
131
semanas. Após erguer suas construções, através dos mutirões, ele seguia viagem
para outras vilas e províncias. Por isso era fundamental despertar “vocações locais”
(CARVALHO, 2008, p.40). Estas “vocações locais” foram surgindo ao longo dos
anos e acabou constituindo comunidades de Irmãos e Irmãs, beatos e beatas. Nas
Casas de Caridade sempre havia uma beata a frente das outras irmãs, que fazia o
papel de diretora. Ao final dos trabalhos, o Padre deixava organizada uma estrutura
mínima para seu funcionamento que contava com uma equipe interna composta por
uma Superiora, Vice-superiora, Mestra, Enfermeira, Dispenseira e Cozinheira, além
do pessoal externo. A estrutura de algumas Casas de Caridade também é notável;
vejamos a descrição desta, na vila de Missão Velha:
O edifício ficou elegante, com todos os cômodos necessários para as
órfãs; hospital para os doentes internos e externos; uma roda para
expostos79, um jardim de flores, no meio do qual havia uma cisterna
d‟água permanente e um salão destinado para educandas externas.
O pessoal interno compunha-se de Superiora, Vice-superiora,
Mestra, Enfermeira, Dispenseira e Cozinheira; e um pessoal externo
que se compunha de regente, Capelão, Tesoureiro, Procurador e
muitos membros do Conselho. (CARVALHO, 2008, p.52)
É importante ressaltarmos que o Padre Ibiapina nunca teve a intenção de
fundar uma congregação religiosa; seu objetivo era equipar as Casas com pessoas
responsáveis que aceitassem garantir a administração e a manutenção das Casas.
Passamos a analisar estas instituições a seguir, através de seu estatuto e
regulamento interno, redigidos pelo próprio Ibiapina. Nestes documentos e na forma
como o missionário idealizou tais instituições também se observa sua visão de
educador e sua preocupação com a moralização, a disciplina, seu apego a um ideal
de amor ao trabalho e à oração como meios de manter os internos das Casas sob
um regime de vida ordeira, comedida e devotada às tarefas produtivas da instituição.
79
A roda para os expostos era uma espécie de armário feito para acomodar crianças recém-nascidas
abandonadas. Elas poderiam ser colocadas na roda, que girava e dava para a parte interna da
instituição enquanto a pessoa que a deixava poderia sair do local sem ser vista e identificada. O aviso
de que a criança havia sido deixada era dado através de uma sineta.
132
3.4 Trabalho, oração e caridade nas Casas do Padre Ibiapina.
As vinte e duas Casas de Caridade erguidas pelo Padre Ibiapina através dos
mutirões de trabalho, organizados em suas missões pelas vilas e cidades foram
instituições destinadas ao recebimento de órfãos. Quase todas as referências a
estas instituições apontam que elas serviam ao abrigo de moças e meninas pobres.
Contudo, encontramos em F. Sadoc de Araújo (1996, p.533), uma referência ao fato
de que nelas também devem ter sido recebidos meninos. Valendo-se do Livro de
Registros da Casa de Caridade de Santa Fé, um documento redigido pelo Irmão
Ignácio, seguidor do Padre Ibiapina na época, Sadoc reproduz uma descrição da
Casa nestes termos:
Próximo a ela estava o pequeno colégio dos órfãos do sexo
masculino, onde se educavam nas letras e no trabalho, porque o
grande pensamento da instituição é moralizar o homem e a mulher
pela oração, trabalho e constante ocupação, para evitar sócios
perigosos. Nesse colégio se ensinava, aos meninos e moços de fora,
Francês, Latim e Música, e reinava a ordem e a alegria.
Reproduzimos a passagem acima porque este nos parece um dado
importante diante do fato de que quase todas as referências que encontramos às
Casas de Caridade, seja em artigos, livros, etc, registram que estas instituições eram
destinadas ao “abrigo de moças e meninas órfãs” – informação retirada da biografia
mais conhecida do Padre Ibiapina, escrita por Celso Mariz ainda na década de 40 do
século XX. Sabemos que elas foram prioritariamente, ao que nos parece, instituições
destinadas às órfãs meninas. Mas também meninos devem ter sido recebidos e
mantidos separados das meninas; e não há maiores referências ao tratamento dado
aos meninos nas instituições. Portanto, ficamos com análises produzidas a partir dos
documentos que sempre estão tratando das instituições como destinadas às
meninas.
133
O recebimento das mulheres para educação e moralização dentro dos
princípios cristãos da época, é inclusive objeto de estudo de três produções
acadêmicas80. O tema instiga investigadores a analisar a pedagogia de educação do
padre, além do recebimento destas órfãs naquele contexto de ausência de
instituições de assistência social aos carentes ou ainda a própria presença feminina,
através das beatas, diretoras, visitadoras e mestras que estiveram ao lado do Padre
Ibiapina e foram personagens absolutamente fundamentais para a existência e
funcionamento das Casas de Caridade. Embora não seja nosso objetivo analisar o
papel destas mulheres, é indispensável ressaltar sua importância.
O biógrafo Celso Mariz (1997), escrevendo “uma visão de conjunto” (p.271)
sobre a obra do Missionário Ibiapina afirma:
O mais notável na obra de Ibiapina é que ela foi fundada na treva
espessa do analfabetismo e da supertição sertaneja da segunda
metade do século XIX. Êle bateu muito dessa treva, ensinando
noções de letras, prendas domésticas, prática de agricultura, ofícios
e artes, e procurando comunicar uma fé cega e formalística, mas
uniforme, delicada e poética, de bondade cristã. (MARIZ, Celso,
1997, p.271)
As Casas foram os centros fixos de irradiação das idéias do missionário – de
educar através do trabalho, de moralizar, de ensinar virtudes. Nelas, as órfãs
estudavam, aprendiam ofícios próprios à época e ao sexo feminino; além disso,
trabalhavam.
As filhas espirituais de Ibiapina adquiriam prendas domésticas,
noções industriais, letras, musica, tudo de um ruralismo simples,
aplicado com senso a cada região de cada província. Êsse ensino,
dando graça e valor às jovens, visava facilitar o casamento que era
então a chave do problema da mulher. Falando como hoje, se diria
que a aprendizagem nas Casas de Caridade visava abrir as órfãs
profissões e trabalhos remunerados. Não o emprego público, salvo o
de “mestra”, que os quadros eram nulos. Não a técnica da
stenografia e das máquinas Remington e Holerith que esses
instrumentos eram ainda indecisos na indústria americana e
européia. Mas as órfãs de Ibiapina sabiam cosinhar, fiar, tecer,
80
Ver: Nascimento (2009), Madeira (2003) e Silva (2003).
134
costurar, plantar sementes em tempo certo, fazer chapéu de palha,
conforme o tipo, a necessidade, a determinação climática e social de
cada zona. (MARIZ, Celso, 1997, p.274).
O próprio Padre Ibiapina redigiu o estatuto e o regulamento interno que
serviam a todas as vinte e duas instituições. Todo o trabalho das Casas e toda a
rotina de uma maneira geral, de educação, oração, lazer, funcionava dentro de um
regime de controle e vigilância previsto pelo Padre. Sua “sede”, onde ficava sua
casa, foi sempre a Caridade de Santa Fé; de lá ele acompanhava as outras
instituições comunicando-se com as Irmãs Superioras através de cartas81.
O Estatuto compõe-se de seis capítulos. Os dois primeiros tratam dos fins da
instituição. O terceiro trata da Superiora (responsável pela Casa). O quarto e o
quinto tratam do papel da Visitadora (uma superiora das Superioras); o sexto trata
das pensionistas; além das internas órfãs, a instituição também poderia receber para
educar e disciplinar meninas pensionistas. Em seguida temos as “Disposições
Gerais” e “Advertência a Superiora para não se perturbar com as ocorrências dos
primeiros dias entrando a governar a Casa de Caridade”.
Em todo o texto se afirma a necessidade de amor ao trabalho, de disciplina e
cumprimento das tarefas. Os dois primeiros capítulos expõem os eixos fundamentais
da instituição:
CAPÍTULO 1º
Art. 1º - Têm dous fins as Cazas de Caridade desta instituição e
vêm a ser a educação moral e o trabalho.
Art. 2º - Recebem-se nessas Cazas as orphans de 5 a 9 annos
sendo pobres e desvalidas.
Art. 3º - A primeira educação das orphans é doutrina cristã, lêr,
escrever, contar, costurar, bordados, &. Finda essa educação,
entrarão nos trabalhos manuaes de tecer pano, fiar no engenho,
fazer çapatos, e quaesquer gênero de industria que a Caza tem
adoptado.
81
Várias destas cartas foram disponibilizadas por Celso Mariz (1997) em sua biografia sobre o padre
e também por Comblin (1984). Fazemos referências a estas no último capítulo.
135
Art. 4º - Logo que as orphans tenham completado a primeira e
segunda educação, estando em edade conveniente serão casadas á
custa da Caridade.
CAPÍTULO 2º
Art. 5º - Além das orphans a Caza poderá receber algumas mulheres
para o trabalho, havendo na Casa em que empregal-as.
Art. 6º - As mulheres para o trabalho não serão logo definitivamente
aceitas, mas estarão na Caza como em noviciado de seis mêzes
para provarem sua conducta, amor ao trabalho e verdadeira religião.
Art. 7º - Serão tambem ensinadas em doutrina e a ler nas horas
vagas de trabalho.
Art. 8º - Essas mulheres, do trabalho, depois de cinco anos de
estarem na Caza neste exercicio, tendo provado bôa conducta, amôr
ao trabalho e humildade podem ser apresentadas para serem
cazadas como as orphans que não queiram permanecer como Irmãs
de Caridade.
Art. 9º - Além dessas mulheres haverão umas outras denominadas
irmãs de Caridade que terão empregos determinados como mestra
cosinheira e Porteira. (MARIZ, Celso, 1997, p. 284. Grifos nossos).
Apesar de o documento indicar como um dos objetivos a realização do
casamento das órfãs, só encontramos uma referencia ao casamento de uma das
internas. Com relação às tarefas da Superiora, era ela quem deveria governar a
Casa, sendo a responsável pelo cumprimento do Estatuto e do Regulamento
Interno, e todas as outras lhe deveriam prestar obediência total. Pelo que podemos
analisar do documento havia uma organizada divisão do trabalho e o controle de
tudo o que se produzia na instituição. Este controle era tal, que a Superiora deveria
produzir todos os meses um mapa em que estivesse declarado todo o trabalho feito,
constando inclusive a data de produção de cada produto e quem o teria produzido.
Era uma forma de manter controle sobre as internas, sabendo quem se negava ao
trabalho, quem eram as preguiçosas e quem cumpria bem o dever. Embora Celso
Mariz (1997) afirme que os castigos eram brandos nas instituições, a punição era
prevista no estatuto e a Superiora a responsável por sua execução:
Como a Superiora está obrigada a manter a ordem para alcanças os
fins da instituição pelo trabalho e educação, tem direito a empregar
os meios punitivos e correctivos segundo as circumstancias e
136
occorrencias, como será marcado no regulamento interno [Art. 14º,
Cap. 3º]. (MARIZ, Celso, 1997, p. 284).
Além da Superiora, havia um “conselho das mulheres mais prudentes e
discretas” (MARIZ, Celso, 1997, p. 285). Juntamente com a Superiora, o Conselho
deveria deliberar sobre os meios de corrigir os costumes considerados maus, ajudar
no controle do trabalho e no cumprimento das tarefas e corrigir quaisquer problemas
surgidos na instituição. As Casas possuiriam tantos teares quanto fosse possível. O
Estatuto previa que era “o trabalho por hora mais lucrativo e por isso deixão-se todos
os outros que offerecem menos vantagem” [Art. 23º, Cap. 3º]. (MARIZ, Celso, 1997,
p. 285).
A chamada “Visitadora” era responsável por corrigir os defeitos encontrados
nas Casas e até poderia remover Superioras ou admitir conforme a necessidade
constatada: “A Superiora nos casos graves recorrerá ao Inspetor geral ou à
Visitadora reclamando providencia como para mandar Mestra se lhe falta; se a
Superiora está doente e periga a marcha da Caza ou qualquer providência
extraordinária que seja mister para salvar a Caza.” [Art. 27º, Cap. 5º]. (MARIZ,
Celso, 1997, p. 286).
No Regulamento Interno observamos o absoluto comando da rotina de todas
as internas a fim de se garantir o cumprimento dos objetivos da instituição. O
documento prevê desde o horário de acordar, fazer o asseio matinal, tomar café,
dirigir-se às orações e às tarefas do trabalho. O dia começava nas Instituições às 4
horas e meia da madrugada, quando a Irmã do Coro, responsável pela limpeza e
preparação da capela, deveria cumprir tais tarefas. Às 5 horas tocava a campainha
para que as internas se apresentassem à Superiora. Todas as Irmãs – cozinheira,
zeladora, roupeira (zelava a roupa da comunidade), enfermeiras (cuidava dos
doentes), Mestras (professoras), tinham sua atividade prevista no Regulamento,
137
indicando horário de execução e como realizá-la. A Superiora “caso quizer vêr sua
Caza alcançar o fim” não deveria deixar “reinar a preguiça, a ociosidade, a conversa,
mas o trabalho, o amor a Deos, o empenho na santificação dessas almas que não
deve ter outro fim entrando nessas Cazas.” [Art. 4º]. (MARIZ, Celso, 1997, p. 288).
O controle se estabelecia também sobre o comportamento das internas, que
não deveriam conversar ou fazer barulho; não poderiam se comunicar através de
cartas senão fossem estas lidas pelas Superioras:
Hé prohibido na Caza conversa presentes e secretas ou que tenhão
outro objecto que não seja o desempenho das obrigações que a
cada uma cabe. Não é lícito a comunicação de fóra, senão quando
os Paes visitão suas filhas e isso será em hora e logar destinado e
por uma meia hora somente, quando muito. Não é lícito receber
cartas nem escrever para fora sinão quando lidas pela Superiora por
isso a Porteira levará á Superiora todas as cartas para as abrir e ler
assim como serão dadas abertas as que forem para fora e a
Superiora entendendo que convém mandar ou entregar tais cartas
assim o fará. [Art. 4º]. (MARIZ, Celso, 1997, p. 288).
Todas as atividades e refeições na Casa seguiam horários pré-estabelecidos
e rituais de comportamento dos quais faziam parte as orações. Com relação ao
ambiente de trabalho, à divisão e o controle das tarefas, Sadoc (1996) reproduz em
sua biografia a seguinte descrição:
Ao entrarem, os visitantes achavam-se em uma grande sala, quase
quadrada. Trabalhavam mais de trinta engenhos de fiar e as
fiadeiras, com vozes angélicas, cantavam: “Não tenham pena de
mim./ nesta tarefa ocupada, / estou sempre com Jesus/ nesta casa
abandonada.” Nos lados direito e esquerdo havia salas menores, que
se deixavam ver por grade e por grandes arcos, onde á direita se
fabricavam flores e havia outros trabalhos delicados e, à esquerda, a
sapataria, onde trabalhavam várias irmãs em calçados, tanto
bordados nas talagarças como em couro. Ao lado dessas salas,
estavam os teares que, com o movimento natural do trabalho, davam
uma existência doce e agradável. (ARAÙJO, F. Sadoc, 1996, p.534).
A foto abaixo, de uma pintura em azulejo feita no refeitório da Casa de Caridade de Santa
Fé, reproduz o cenário descrito acima:
138
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo. Trabalho de fiação. Foto
12: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
De cima do grande salão de trabalho, local onde ficava o dormitório das órfãs,
irmãs e pensionistas, no púlpito, ficava a inspetora observando todo o trabalho e
tomando nota sobre tudo que acontecia. Havia ainda outro grande salão, da
extensão de toda a casa, que se dividia em três partes. Na primeira parte funcionava
a escola de letras. A escola ensinava a ler, escrever, contar, costurar, bordar, fazer
labirinto, e tudo mais que se julgava necessário na época para a educação completa
de uma mulher. Na segunda parte do salão ficavam os trabalhos de alfaiataria,
bordados e outras tarefas delicadas. Na terceira parte, a fiar no fuso, ficavam as
órfãs que ainda não tinham força suficiente para os engenhos e ainda, as
pequeninas “abrindo pastinhas para preparar o algodão para entrar na obra”
(ARAÚJO, F. Sadoc, 1996, p.535). Vejamos as ilustrações abaixo, que reproduzem
aspectos da educação e do trabalho descritos:
139
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo. Irmãs e internas
trabalhando. Foto 13: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
z
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo. Órfãos estudando.
Foto 14: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
Aos domingos não se trabalhava. Era o dia de reunir as internas e levá-las à
Missa Paroquial. Este passeio era também rigorosamente organizado, saindo o
grupo na seguinte ordem: primeiramente as órfãs, conforme o tamanho, as
pequenas na frente; em seguida as pensionistas, seguidas pelas Mestras; logo após
140
a companhia do trabalho de vestido preto e manto branco; no fim a Superiora e
demais irmãs da Casa. Chegando à igreja deveriam entrar calmamente, com toda
ordem, moderação e modéstia “porque então os olhares de todos esperão
edificarem-se com esta scena magestoza e edificadora” (ARAÚJO, F. Sadoc, 1996,
p.540). Todas deveriam demonstrar modéstia no olhar e recolhimento, portando-se
em silêncio.
O trabalho, a caridade, a oração e as boas virtudes podem ser analisadas não
só a partir do regimento e estatuto das Casas de Caridade, onde aparecem previstos
dentro do funcionamento de uma rotina planejada e organizada. O Documento
intitulado “Livro de máximas espirituais”, encontrado na casa de Caridade erguida
em Campina Grande e publicada posteriormente nos anexos do livro “Padre Ibiapina
e a Igreja dos Pobres”, organizado por Gerogette Desrochers e Eduardo Hoonaert,
de 1984, e publicado também com organização do Padre José Comblin em 1984
sob o título “Instruções Espirituais do Padre Ibiapina”, contém textos produzidos pelo
próprio missionário e assinados por ele.
Neste documento encontram-se várias passagens que fazem referência ao
trabalho, à oração e à caridade. É um dos pouquíssimos documentos em que
aparece o pensamento do Padre Ibiapina, suas reflexões e meditações. No primeiro
capítulo o missionário adverte: “O trabalho útil produz alegria, não só porque
conforta a saúde do corpo, mas ainda por afugentar as nuvens escuras do peccado,
e dar-nos em rezultado os meios lícitos de subzistencia82. (DESROCHERS,
Georgette, HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.141). Ainda sobre o trabalho, ele se
pergunta e responde orientando:
Que meios tem o pai, a mãi d‟familia para conservala em obediência,
afugentar o enredo, a intriga, a mizeria, a fome, a dizordem? Depois,
do temor de Deos; o meio mais poderozo, que tem o Pai, a Mãi de
82
Reproduzimos as passagens conservando a grafia da época.
141
familha para conservar em boa moral na obediência, e ordem regular
He o trabalho constante e forte; porque faltando elle a familha se
entrega a maldita conversa, segue-se as murmurações, e os
enredos, perdem-se o respeito aos superiores, vem com a
occiozidade, a sensualidade, imperão por isso as paixões
dizemfreadas; eis a familha em completa anarquia. (PADRE
IBIAPINA, In: DESROCHERS,
Eduardo, 1984, p.143).
Georgette,
HOORNAERT,
O trabalho forte e constante deveria ser vigiado, como de fato ocorria nas
Casas, a fim de não se perder para a preguiça, para a perda de tempo das
conversas ociosas. Vejamos abaixo:
Não fallo do trabalho em que o preguiçozo se occupa, fingindo
trabalhar para enganar ao observador, e que no correr do dia não
deixa rezultado; por ser elle sempre interrompido com a maldita
convessa e outras maldades da preguiça que actrai poderosamente
ao fingido trabalhador; fallo do trabalho forte, e obrigatório, que se da
conta no fim do dia, e he só esse que afugenta os males da
occiozidade, e faz vir os bens rezultante do trabalho.
Os bens do trabalho e occupação constante, não se limitam a
afugentar o enredo, a intriga e os males da sensualidade, mas traz a
paz da consciência, abundancia do necessário, a boa reputação, a
alegria e a consolação em orar a Deos com proveito d‟onde vem a
esperança que anima tanto a virtude. (PADRE IBIAPINA, In:
DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.144).
Conforme o pensamento do Padre, o apego voluntário e de boa vontade ao
trabalho significava uma aceitação feliz e dedicada a Deus. Nestes termos ele
escreveu ainda que havia dois meios de se orar a Deus com proveito: um seria
levantando o pensamento, ou dirigindo a palavra a deus (a oração em si); e a outra
forma seria trabalhando por amor a Deus e “em dezempenho do dever do próprio
estado” (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT, Eduardo,
1984, p.144). O trabalho seria uma espécie de oração dedicada porque nele não
caberiam quaisquer distrações e ele seria prova material de dedicação e amor. E
seria também uma forma de penitência natural. Assim ele afirma:
142
A primeira oração pode não aproveitar pela distração, tibieza, ou falta
do sincero, e verdadeiro amor de Deos; mas a segunda, que se firma
em provar o amor sincero e verdadeiro Deos pelo trabalho He
sempre proveitoza. Na oração mental ou oral há commodo ou seja
nas cazas ou nas Igrejas, mas o trabalho custa fadigas,
mortificações, e grandes privações. (PADRE IBIAPINA, In:
DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.144).
Mas o trabalho como oração só faria sentido se “consagrado pelo amor de
Deos, em dezempenho dos deveres do próprio estado por ser isto por Deos
ordenado.” (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT,
Eduardo, 1984, p.144). Mais proveitoso ainda seria consagrar-se completamente a
Deus, dedicando-lhes os pensamentos, palavras e ações e fazendo tudo pelo amor
divino, desempenhando tudo o que a religião e a sociedade impõem.
Trabalhar seria o meio ideal de ocupar o pensamento, salvaguardando o
espírito do mal, consertando idéias desvairadas que enfraquecem o cérebro e tiram
a razão do homem. Trabalhar ajudaria ordenar o espírito, que teria uma tendência a
extraviar. (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT,
Eduardo, 1984). Tais instruções serviam para orientação de todos nas Casas de
Caridade e também constituíram linhas gerais de pensamento e conduta do Padre
Ibiapina.
Este rigor e disciplina do trabalho que orientavam o comportamento e o
ensino proporcionado nas Casas de Caridade eram referência na sociedade. As
meninas das Casas eram bem vistas e contam os biógrafos que famílias abastadas
encaminhavam suas filhas como pensionistas para serem educadas. Em suas
máximas espirituais, são enaltecidos os valores da obediência, da humildade, do
amor à pobreza, à caridade e o silêncio:
Hum dos grandes pecados contra a caridade he, o egoísmo, que
vem a ser cuidar só de si, e só para si viver. Quem tem tais
pensamentos he claramente reprovado perante o verdadeiro christão
143
e o pensador. (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette,
HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.140, grifos nossos).
No muito fallar vai muita mentira, vaidade, preguiça e perda de tempo
faltando o dezempenho do dever do próprio estado. (...) O fallar
muito he huma violação das leis da natureza; porque falla-se mais do
que se ouve, e vê quando a natureza nos impõe ouvir duas vêzes,
ver outras tantas (...). Fallar muito é precipitar-se no abismo,
como cego sem guia. (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS,
Georgette, HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.142, grifos nossos).
Não se deixe rogar para socorrer ao necessitado; porque o que se dá
a rogos, custa mais do que comprado. A Caridade em socorrer ao
necessitado deve ser feita com graça para merecer o premio, que
Deos dá aquém por seu amor socorrer ao necessitado. (PADRE
IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT, Eduardo,
1984, p.143, grifos nossos).
A base ou alicerce da vida espiritual para uma freira é o amor de
Deos. Humildade que se pratica na prompta obediência,
castidade inviolável. Para as irmãs de caridade fica fácil a prova do
amor de Deos pela pratica da caridade generosa com os pobres
infermos. Obedecer antes que mandar, e ter tanto zelo em obedecer
que tendo o copo na boca para beber água não beba mais. (PADRE
IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette, HOORNAERT, Eduardo,
1984, p.146, grifos nossos).
He tão sublime a virtude da humildade que só Ella faz chegar todas
as outras. (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette,
HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.146, grifos nossos).
Amar a pobreza e nada usar que se possa dispençar, tratar a todos
com bondade, e amar não se demorando senão no comprimento de
seus deveres. (PADRE IBIAPINA, In: DESROCHERS, Georgette,
HOORNAERT, Eduardo, 1984, p.147, grifos nossos).
A partir desta orientação moral para a vida prática se deve considerar o
projeto educacional do Padre Ibiapina para educação feminina. Uma educação que
se constituiu paradoxalmente do conservadorismo mantenedor de um lugar passivo
destinado à mulher na sociedade – como boa mãe, boa esposa, mulher de hábitos
rigorosos, comedidos, mas ao mesmo tempo imbuída de uma progressista visão
iluminista de educação para as letras e para o trabalho.
Este paradoxo deve ser analisado cuidadosamente. Sua reprodução de uma
moral cristã que previa o modelamento do comportamento feminino baseado numa
144
conduta de tolerância, obediência e sacrifício, inspirado pela imagem da Nossa
Senhora, somava-se a uma expectativa avançada para a época: tornar a mulher
apta para o trabalho, capacitando-a para prover a própria existência. E ainda, dotá-la
de um repertório cultural, no aprendizado das letras e das artes, o que representava
algo absolutamente incomum.
Também é importante destacar algo sobre a “espiritualidade”
83
do Padre
Ibiapina. Suas advertências morais se situam num contexto em que o preço do
pecado era altíssimo, especialmente para os pobres (homens ou mulheres). Um
deslize moral para a moça, uma dívida contraída em jogos ou bebedeiras, um
comportamento socialmente reprovável comprometiam moralmente e socialmente o
futuro. Tratava-se de pessoas cuja vida se passava no limite da subsistência. A
religiosidade neste contexto assumia um caráter prático e realista de condução da
vida. Os seguidores ouviam as palavras do Padre como sentenças a serem tomadas
e seguidas ao longo da vida, o que lhes garantiria ao menos um bom lugar diante do
esperado julgamento divino.
Quanto ao modelo educacional do Padre Ibiapina, pode-se dizer que ele
aliava saberes profissionais, saberes educacionais básicos e uma educação moral,
todos orientados pela noção de utilidade, de disciplina, de regularidade do trabalho.
Na época eram raros ainda os estabelecimentos para a educação masculina e mais
ainda para a educação das mulheres, embora as primeiras tentativas de
organização de um sistema educacional público no Brasil tenham se dado ainda nas
primeiras décadas do império84. Após a proclamação da independência a
Assembléia Constituinte e Legislativa deu início às propostas de criação de uma
83
Utilizamos tal expressão fazendo referência ao termo que é originalmente utilizado por José
Comblin (1984), a respeito do sentimento religioso do padre Ibiapina.
84
Claro que não estamos considerando aqui as iniciativas educacionais empreendidas pelos jesuítas
e por outros religiosos bem antes do século XIX. Tais iniciativas devem ser lembradas, mas nos
referimos ao sistema público de educação organizado pelo Estado.
145
legislação própria para organizar a educação nacional. Já em 1824, com a
constituição outorgada, definia-se que a instrução primária seria gratuita para todos
os cidadãos. No ano de 1827, em 15 de outubro, a Assembléia Legislativa aprovou a
primeira lei sobre a instrução pública nacional do Império do Brasil, propondo que
fossem criadas escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares
populosos. Obviamente, este entusiasmo inicial esbarrou nas reais condições do
país, nos poucos recursos investidos pelo governo, na omissão das autoridades
locais, na ausência de recursos materiais, falta de professores capacitados, baixos
salários e inadequação dos métodos adotados na época (MANFREDI, Silvia Maria,
2002).
Se para os homens a realidade da educação demorou bastante para se
consolidar, para as mulheres, então, ter acesso a escolas parecia algo ainda mais
distante no século XIX. Celso Mariz (1997) afirma que a primeira Escola para o
gênero feminino no Nordeste foi criada somente em 1914 – a Escola Doméstica de
Natal. Por isso, diz ele, não será justo considerar-se atrasada a pedagogia de
Ibiapina: “Ele não pensou em criar nos sertões a mulher culta e elegante” (MARIZ,
1997, p.272), mas sim socorrê-las da miséria, do abandono e da ignorância, através
da educação e do trabalho. Diz ainda Mariz:
A obra de Ibiapina tal qual ele a deixou, beneficiando sobretudo a
mulher sertaneja, ainda não era na maioria de suas linhas uma
criação obsoleta e fácil neste ambiente desbravado. Então, naquelas
décadas do século XIX, na paisagem escura do povo e das
distancias, ela nos aparece formidável, construção de uma vontade
iluminada. (MARIZ, 1997, p.278).
O Monsenhor F. Sadoc de Araújo (1996) reproduziu nos anexos da biografia
que escreveu o texto de um manuscrito avulso encontrado na Casa de Caridade de
Santa Fé, em que o Padre Ibiapina faz um desabafo pessimista sobre o futuro das
Casas de Caridade após sua morte, um sentimento que pressentia a decadência
146
que as instituições viriam de fato a sofrer. Dizia ele, de modo conformista: “É natural
que as Casas sofram violento abalo, não tanto pela falta que lhes farei, mas pela
novidade e incerteza em que ficam os espíritos.” (ARAÙJO, F. Sadoc, 1996, p.537).
Apesar de ter chegado ao final de sua vida deixando para trás uma obra imensa,
que transformou o sentimento religioso popular em ação de assistência social
pública, o Padre Ibiapina, que não almejava construir qualquer tipo de culto à sua
memória, conformava-se com o possível esquecimento e fim das instituições
erguidas.
Ele não deixou quaisquer tipos de prescrição ou direcionamento a serem
seguidos pelas Casas, diante da possível desorientação que estas viriam a sofrer
dada a sua morte. Este mesmo sentimento de conformismo orientava seu
pensamento no que diz respeito à condição da pobreza e à necessidade do trabalho.
Os pobres deveriam viver como pobres, aceitando a condição imposta pelo desejo
divino. Além disso, deveriam viver esta condição com humildade, e honrá-la e
dignificá-la através do trabalho, que ele valorizava como um bem.
Podemos afirmar que sua obra e seu pensamento eram imbuídos de um germe
transformador da realidade, que não encontrava condições plenas de se realizar
dado o sentido de alheamento com relação às reais origens da pobreza e da
miséria. Um sentido de afastamento construído talvez intencionalmente pelo próprio
Padre Ibiapina. Tendo sido ele uma figura pública, que conhecia por dentro o mundo
da política, sua aceitação e conformismo parecem ter sido resultado de um
desencanto e uma descrença generalizada nas instituições e autoridades públicas
enquanto provedores do bem estar público social. Ao mesmo tempo sua obra se
reveste de um forte caráter político e público, num momento em que a república
brasileira estava longe de se ver constituída. Através do exercício de uma
religiosidade popular, encabeçando a execução de tarefas atribuídas aos poderes
147
públicos, o missionário tentou resolver, talvez para si próprio primeiramente, as
frustrações causadas pelas limitações impostas às suas tentativas de atuar por meio
das instâncias institucionais oficiais do país.
PARTE II: O PADRE IBIAPINA E AS MISSÕES: CARIDADE,
TRABALHO COMO ORAÇÃO E POBREZA.
CAPÍTULO 04:
O catolicismo de Ibiapina e o catolicismo
romanizador.
148
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo. Padre Ibiapina em
celebração religiosa. Foto 15: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
O que acontecia na Igreja Católica neste período em que atuou o Padre
Ibiapina? Por que a Igreja não deu continuidade ao projeto empreendido pelo
missionário? Estas são questões importantes porque ao conhecermos sua história e
sua obra nos perguntamos rapidamente sobre o que aconteceu após sua morte e
como ficaram as Casas de Caridade e as beatas? Sabemos, apenas genericamente,
que as instituições não resistiram ao tempo. Como dissemos antes, o missionário,
pessoalmente, não deixou prescrições sobre como deveriam ser conduzidas as
Casas de Caridade após sua morte, embora ele próprio previsse a dificuldade que
estas instituições teriam para se manterem em funcionamento85.
85
Segue em anexo um levantamento fotográfico realizado nos últimos três anos pelo Padre José
(Reitor do Santuário de Santa Fé) de algumas das Casas de Caridade que tem resistido ao tempo.
149
Vamos então a algumas análises importantes. Primeiramente, só é possível
respondermos a estas questões se nos voltarmos para os eventos nacionais e
internacionais que ocupavam a igreja neste período – segunda metade do século
XIX. Antes, vale destacar que o projeto missionário do Padre Ibiapina não reproduzia
o modelo oficial da Igreja nesta fase da sua história. Sua atividade missionária é
lembrada principalmente pela sua proximidade dos problemas da região e do povo
no período: secas, miséria, abandono das autoridades, conflitos locais por questões
políticas, etc.
Com relação às beatas seguidoras, é importante destacar que elas não
formavam uma Congregação oficial, reconhecida pela igreja. E nem o próprio Padre
Ibiapina tinha pretensão de criar uma ordem religiosa, o que pode ter sido uma das
causas do declínio das Casas de Caridade. As comunidades criadas pelo
missionário não possuíam qualquer estatuto jurídico, o que dificultou sua
sobrevivência após a morte de seu mentor, que atuava como um pai centralizador e
orientador de todos os passos dos religiosos.
Outra questão importante e que foi apontada pelo biografo Celso Mariz
(1997), é o desinteresse por parte dos Bispos ou mesmo pelos Vigários. Após a
morte de Ibiapina, cada Casa de Caridade ficou sob os cuidados dos Vigários das
paróquias locais. Mas a relação entre os Vigários e as Irmãs Superioras,
responsáveis pela direção nas Casas também não estava bem definida. O Padre
Ibiapina mantinha uma relação de cooperação com as paróquias e as beatas
seguiam-no em primeiro lugar. Nunca se estabeleceu um papel definido para os
Vigários no que diz respeito à vida religiosa das beatas ou mesmo às instituições
fundadas por Ibiapina. O Frei Hugo Fragoso (1984), num capítulo dedicado às
beatas do Pe. Ibiapina escreve:
150
As diretrizes espirituais deixadas pelo fundador eram como que uma
presença continuada do pai no seio de sua comunidade. Diante da
unicidade desse pai, que continuava “vivo” em suas diretrizes, a
interferência de qualquer outro padre poderia ferir suscetibilidades.
(FRAGOSO, Hugo, 1984, p. 103).
Com relação aos bispos não terem dado continuidade à obra de Ibiapina, a
questão é ainda mais complicada e tem explicação nas transformações pelas quais
passava a Igreja Católica no país. Na segunda metade do século XIX no Brasil
ocorre o movimento que ficou conhecido como ultramontanismo86. Este movimento
foi uma reação da Igreja Católica Romana diante das transformações de cunho
político, econômico e cultural que a Europa vivia e que punha em questão a
hegemonia da igreja em sua relação com os Estados. Dois acontecimentos
fundamentais formam a base destas transformações: a revolução francesa e a
revolução industrial. A primeira assentou as novas bases do pensamento iluminista,
esclarecedor, racionalista, que rejeitava a orientação teleológica e metafísica do
mundo. A segunda transformou radicalmente o modo de produzir e de viver do
homem na modernidade, através da consolidação do sistema de produção
capitalista (GIDDENS, Anthony, 2005).
As crises provocadas por estes dois grandes eventos decorridos nos século
XVIII e XIX produziram a convicção de que os métodos das ciências da natureza
deviam e podiam ser estendidos aos estudos das questões humanas e sociais, e
que os fenômenos sociais podiam ser classificados e medidos. No mundo moderno
o conhecimento científico se tornou o sistema dominante de concepção do mundo e,
aos poucos, os fenômenos sociais também caíram sob seu domínio. Essa
86
Conforme o Dicionário Cultural do Cristianismo (LEMAÎTRE, Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse,
SOT, Véronique, 1999, p.273): “conjunto de doutrinas e atitudes favoráveis à centralização da igreja
romana e opostas à autonomia das igrejas nacionais. Nascido no século XIX, o ultramontanismo foi
defendido por Lamennais (1802-1861) e seus discípulos, e depois por Luís Veuillot (1813-1883).
Reafirmado pelo concílio Vaticano I (1870), permitiu às igrejas nacionais defenderem a sua
independência em relação aos Estados.” O termo tem origem francesa e significa para além dos
Alpes (em direção a Roma).
151
orientação lógico-matemático-naturalista do pensamento questionava as explicações
religiosas sobre o Homem e sobre Deus, ao mesmo tempo em que impugnava o
lugar da igreja católica.
No Brasil o movimento ficou conhecido como Reforma Católica ou ainda
como a Questão religiosa ou A Questão dos Bispos por ter sido encabeçada pelos
bispos brasileiros, particularmente pelo Arcebispo da Bahia, D. Romualdo Seixas, e
por D. Antônio Viçoso, Bispo de Mariana-MG (FRAGOSO, 1985). A partir de 1863
entram no movimento em defesa da autonomia da igreja perante as interferências do
poder civil o Bispo de Belém-PA, D. Macedo Costa, e D. Vital, Bispo de Olinda-PE. O
movimento também pregou a expulsão dos leigos do comando das irmandades e
confrarias, a purificação das práticas religiosas consideradas supersticiosas, o maior
controle e disciplinamento do clero e das ordens religiosas e uma total subordinação
às ordens de Roma.
O conflito entre Igreja e Estado já vinha se desenrolando há várias décadas, e
crescia conforme a igreja reclamava autonomia e independência. Por parte do
Estado, a Questão Religiosa foi a afirmação de suas prerrogativas em face da Igreja.
O conflito foi, conforme Fragoso (1985), a expressão brasileira da luta entre a igreja
e o mundo liberal. Diz ainda:
O que sucedia, principalmente na França e Itália, se projetava como
reflexo no Brasil imperial, todo voltado para os modelos europeus. A
reviravolta de Pio IX em 1848, assumindo uma atitude conservadora
(ultramontana), teve repercussão também nos meios liberais
brasileiros. Vai a partir de então, tardiamente como sucedia, ser
importada a luta que agitava a Europa católica de então: liberalismo
versus ultramontanismo. (FRAGOSO, 1985, p.188).
A população assistia de longe aos conflitos. A questão religiosa retratou o
pensamento da Igreja oficial na época, a qual dava forte acento “as questões
doutrinárias ou de „princípios‟, mas tantas vezes se omitia quanto aos direitos da
152
pessoa humana” (FRAGOSO, 1985, p.192). É famosa a acusação feita pelo
importante abolicionista Joaquim Nabuco (1849-1910) aos bispos na época. Ele
ironizava ao afirmar que os bispos haviam chegado a ser presos e encarcerados
para defenderem seus princípios românicos, mas nenhum bispo pregava do alto do
púlpito contra a escravidão negra (FRAGOSO, 1985). De fato, a alta cúpula da igreja
oficial católica se omitia quanto a questões urgentes e fundamentais do povo. Até
mesmo as ordens religiosas brasileiras “tradicionais” na época - Beneditina,
Carmelita,
Franciscana,
Mercedária,
Capuchinha,
Clarrissas,
Ursulinas,
Concepcionistas, e Carmelitas descalças (as quatro últimas femininas) - eram
acusadas pelos políticos de viverem na ociosidade, sem um verdadeiro objetivo
apostólico. A acusação tinha relação com a rotina de vida dos religiosos, voltada
quase sempre para dentro dos conventos e para o recolhimento. Outras ordens
religiosas – Lazaristas, Dorotéias, Irmãs de Caridade, etc. - viriam para o Brasil a fim
de se dedicar a um ideal missionário e se colocar mais próximo do povo, ao serviço
dos doentes, no atendimento à pobreza (FRAGOSO, 1985).
Outro problema na relação entre Igreja e Estado neste período dizia respeito
aos bens das ordens religiosas. Em 1870 se discute a proposta de Concordata do
Governo Imperial com a Santa Sé para a extinção das ordens e aplicação dos bens
à reforma e melhoramento dos seminários. A questão era ainda mais dificultada
pelas questões jurídicas do Direito Canônico. Os escravos, por exemplo, figuravam
como “bens eclesiásticos”, o que dificultava inclusive o processo de libertação.
Conforme o Relatório do Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, de
1870, as ordens detinham os seguintes bens:
Os beneditinos com 41 religiosos em 11 mosteiros tinham 7
engenhos, mais de 40 fazendas e terrenos, 230 casas, 1.265
escravos (já tinham então libertado uns três mil escravos) e 2 olarias.
Os carmelitas com 49 religiosos em 14 conventos tinham mais de 40
153
fazendas e terrenos, 136 prédios, mais de 1.050 escravos, 4
engenhos, 2 olarias, 910 cabeças de gado. Os franciscanos com 85
religiosos em 25 conventos tinham uns 40 escravos. Os mercedários
com um único religioso restante tinham 200 escravos e 4 fazendas.
As religiosas (clarissas, ursulinas, conceocionistas, carmelitas
descalças) tinham globalmente 94 religiosas, com 405 escravas e
servas, 121 casas. (FRAGOSO, 1985, p.201).
Este não era um problema que envolvia o Padre Ibiapina. Em suas Casas de
Caridade não havia escravos e as poucas posses eram frutos de doação e serviam
para a própria manutenção das instituições. Não encontramos em quaisquer
documentos pesquisados, obras ou biografias referentes ao Padre Ibiapina, menção
a respeito da existência de negros escravos ou indígenas servindo em suas
instituições. Muitos órfãos recebidos nas Casas de Caridade eram inclusive, frutos
de relações forçadas entre senhores e suas escravas na época. Eles eram
recebidos e educados na instituição dentro dos princípios de trabalho e oração.
Numa sessão intitulada “Órfãs, pensionistas e escravas: educadas nas regras
do bem viver” Nascimento (2009) escreve que a preocupação em educar as moças
pobres, especialmente as órfãs, já vinha desde o século XVIII com a criação de
instituições voltadas para educação e proteção das mulheres a fim de evitar que
estas buscassem meios de sobrevivência nas ruas. Na Bahia havia sido criada a
Ordem das Reformadas de Nossa Senhora da Conceição, que tinha por tarefa
educar moralmente as chamadas “mulheres equivocadas”. No Rio de Janeiro a
Irmandade da Misericórdia acolhia e educava meninas através da Casa dos
Expostos e do Recolhimento das Órfãs. Em Recife havia a Casa dos Expostos e o
Colégio das Órfãs, que foram criados já em 1847 juntamente com uma lei que
obrigava o pagamento do dote às expostas, efetuado pela instituição ou pelos cofres
públicos. Assim como as instituições de caridade do Padre Ibiapina, estas Casas
tinham como objetivo acolher mulheres e meninas pobres, expostas e órfãs.
Contudo, Nascimento (2009) destaca que havia diferenças entre elas. O Colégio das
154
Órfãs, por exemplo, só aceitava meninas e moças brancas. Elas eram educadas
para serem “mestras” de colégios. Nas Casas de Caridade do Padre Ibiapina não
constam registros em documentos conhecidos que relatem tratamento diferenciado
ou educação diferenciada considerando a cor ou situação social dos acolhidos; algo
incomum para a época.
Embora não tenha combatido publicamente a escravidão, o Padre Ibiapina
não permitia discriminação de cor em suas instituições. Este é um dado importante
porque na época, o próprio arcebispado da Bahia, que regia a Igreja Católica no
país, definia a raça negra como “raça infecta” e “raça reprovada”. (FRAGOSO,
1984).
Admiradores do Padre Ibiapina afirmam que ele teria preconizado uma ordem
mais igualitária na medida em que ele teria feito uma “opção pelo pobre” (SILVA,
1988, p.75). Suas ações se distanciavam das orientações da alta hierarquia católica
no período. De acordo com Severino Vicente da Silva (1988), projetos populares
representados por figuras como o Padre Ibiapina, Antônio Conselheiro, Cícero
Romão, a experiência do beato Zé Lourenço do Caldeirão e do Pe. Júlio Maria,
estavam mais próximos das necessidades materiais e espirituais das populações
pobres sertanejas. Enquanto isso, a alta cúpula da Igreja Católica, constituída por
bispos e cardeais, assumia um diálogo do qual só participava o poder e a autoridade
do Estado: “Falam sempre para a nação, para os católicos de forma genérica e
sempre em busca de uma posição de privilégio para o catolicismo dentro da
sociedade brasileira” (SILVA, 1988, p.77). Como resultado disto obras como a do
Padre Ibiapina, que eram marginais e que tiveram seu epicentro fora da instituição
eclesiástica não foram assumidas pela Igreja, nem pelo poder público, nem mesmo
pela população pobre, que sequer tinha meios (materiais, políticos, organizacionais)
de mantê-la. Escreve Silva (1988):
155
No final do século XIX e início do século XX, a igreja vive, em
intensidade, uma forte luta para sobreviver em uma sociedade que
se moderniza. A Igreja romana define a América Latina como espaço
católico e o processo de romanização procura utilizar-se das
tendências populares que facilitem e dêem possibilidade de forma
que o poder hierárquico possa complementar e ser complementado
pelo poder civil. (SILVA, 1988, p.81).
É dentro deste contexto descrito que deve ser analisado o destino que tive a
obra do missionário após sua morte. Fragoso (1984) chama atenção para o fato de
que nas Casas de Caridade, as comunidades das beatas haviam surgido e se
desenvolvido exatamente no período em que os bispos propalavam as idéias
ultramontanas e impulsionavam a reforma. A orientação seguida pelo movimento
era: romanização, clericalização, sacramentalismo e tridentismo87 (AZZI, Riolando,
1977). Seguindo esta orientação, era fundamental o controle hierarquico absoluto
sobre a vida religiosa dos fiéis. Para garantir o controle inclusive sobre as ordens
religiosas o bispado brasileiro decide que “a melhor solução era trazer da Europa
novos
institutos
religiosos
que
progressivamente
assumissem
as
tarefas
missionárias e catequéticas, tradicionalmente a cargo dos religiosos” (AZZI,
Riolando, 1977, p.112). Os novos valores e a nova orientação determinavam total
vinculação à Cúria Romana. A isto Fragoso (1984) vai chamar de uma europeização
da vida religiosa; um fenômeno que tenderia a sufocar as expressões religiosas
populares.
Há algumas causas gerais apontadas como propulsoras da romanização no
Brasil (FRAGOSO, 1985): uma tomada de consciência do episcopado e do clero do
sentido universal da igreja e da importância da Santa Sé Pontifícia como vínculo,
centro de unidade e ortodoxia. Além disso, as ações do Papa Pio IX visando maior
87
O tridentismo, no caso, refere-se à aplicação das normas do Concílio de Trento ao Clero oficial. No
Concílio de Trento (1545-1563) foi declarada a Vulgata, texto considerado autêntico para a Teologia
Cristã; definiu-se o “pecado original e o Purgatório, os sete sacramentos e a transubstanciação
eucarística e, finalmente, obriga os bispos e os párocos a fixar residência e a reformar o
clero.”(LEMAÎTRE, Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse, SOT, Véronique, 1999, p.82)
156
vinculação dos bispos católicos com o sumo pontífice. A defesa do princípio de
infalibilidade papal, e, na época, também a invasão dos territórios pontifícios, que fez
com muitos se colocassem ao lado do Pontificado, visto então como vítima de
injustiças. Resultou desta maior vinculação com Roma uma igreja menos nacional88
e mais romana.
Dada a posição do bispado brasileiro pode-se compreender o desinteresse
pela continuação da obra do Padre Ibiapina. Enquanto os bispos priorizavam o
“institucional”, a inserção sob as normas do Direito Canônico e o espírito tridentino, o
padre
Ibiapina
fundava
uma
enquadramentos canônicos;
obra
cuja
vivência
se
realizava
fora
dos
(FRAGOSO, Hugo, 1984). Enquanto o bispado
pregava a necessidade de controle da hierarquia eclesiástica, o Padre Ibiapina em
sua comunidade religiosa permitia uma relativa autonomia na vivência do ideal
religioso de suas beatas. Elas representavam a expressão popular e simples de um
catolicismo “sertanejo” (FRAGOSO, 1984) num momento em que tais expressões
religiosas do catolicismo popular não eram vistas com simpatia pelo clero oficial.
O ultramontanismo previa a “romanização” da igreja católica em todas as
suas manifestações populares. O Estado não deveria ter ingerência sobre as
questões religiosas, e a igreja seria autônoma, pois estaria ligada a Roma e deveria
responder primeiramente ao Papa. Hoornaert (1991), em O Cristianismo moreno no
Brasil, define que a romanização foi um processo de sujeição de igrejas locais à
hegemonia romana. Nacionalmente este processo teria se realizado como um
88
Com relação à estrutura diocesana brasileira neste período, contava-se então com onze, além da
arquidiocese de Salvador. Estas estavam assim distribuídas: Rio de Janeiro, Mariana, São Paulo, Rio
Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso, Pernambuco, Maranhão, Pará, Ceará e Diamantina; estas duas
últimas haviam sido criadas no Segundo Império, já no ano de 1853 (FRAGOSO, 1985).
157
movimento de oposição do catolicismo brasileiro ao sistema do Padroado 89,
centrado em Lisboa, a partir da segunda parte do século XIX.
O movimento de romanização teria se realizado aqui como um projeto elitista,
europeizante, que se chocou com um Brasil luso e popular. O clero e os bispos
neste momento se esforçavam para aproximar ao máximo a igreja nacional da Cúria
Católica Romana (SILVA, 1988).
Tendo se ocupado com questões distintas das questões com as quais se
ocupava a Igreja católica oficial na época, o Padre Ibiapina erigia uma obra de
atendimento à pobreza, baseada nos principios da caridade cristã e de amor aos
pobres. Para as populações assistidas por suas ações, essa obra assumia um
caráter sócio-politico de assistência social. Isso muito antes de se falar em Politica
de Assistencia Social e de Direitos Sociais no pais. A social-assistência é neste caso
análoga, como pensa Robert Castel (2001), a uma sociabilidade primária. Ela
preenchia o vazio existente nas relações comandadas pela sociabilidade (família,
pertencimento comunitário). Mas também assumia o papel de uma sociabilidade
segundária, que deveria ser executada pelo Estado.
A obra do missionário Ibiapina ocupou um espaço deixado pelos poderes
públicos. Uma lacuna material, dado que às populações atendidas nada chegava,
num lugar e num tempo em que a fome e a pobreza absoluta era a regra, mas
também uma lacuna simbólica. O Estado imperial não representava uma instância
responsável ou pelo menos uma instância comprometida com as demandas
urgentes da população miserável. Talvez possamos ir mais além e afirmar que para
estas populações certamente havia pouquíssima expectativa de reconhecimento por
parte dos poderes publicos oficiais, especialmente da distante côrte imperial, dos
89
“Aplicação do princípio „Cuius régio, illius et religio‟ pelos reis católicos de Portugal, França e
Espanha, no sentido de que estes Reis tinham o direito e o dever de organizar a religião católica nos
seus domínios ultramarinos.” (HOORNAERT, Eduardo, 1991, p.172). A expressão „Cuius régio, illius
et religio‟ significa literalmente: o dono das terras é igualmente o dono da religião.
158
problemas que afetavam a região naquele momento. Estes “sertanejos” de então,
compunham uma gente mestiça e iletrada, esquecida nos recantos do territorio
nacional. E também preencheu uma lacuna deixada pela atuação da Igreja Católica
oficial, já que a igreja romanizadora não se ocupou com ações religiosas de feições
populares como as de Ibiapina. Seu projeto de assegurar um modelo hegemônico de
catolicismo, atrelado aos parâmetros de Roma, tendia muito mais a sufocar ou
condenar ao esquecimento expressões religiosas populares.
159
PARTE II: O PADRE IBIAPINA E AS MISSÕES: CARIDADE,
TRABALHO COMO ORAÇÃO E POBREZA.
CAPÍTULO 05:
Ética e religiosidade para uma vida prática.
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB). Pintura sobre azulejo. Padre Ibiapina
observando a rotina na Casa de Caridade. Foto 15: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
160
Além do que esta tese pode dizer sobre temas como pobreza, trabalho e
caridade; sobre o próprio padre Ibiapina, sobre o lastro de suas missões, sobre
textos e contextos que delineiam todo o fundo histórico de nossa pesquisa, há outras
questões fundamentais, das quais tentamos agora nos aproximar. Uma delas é o
sentido da experiência religiosa produzida pela atuação deste missionário; outra
questão é a forma como ele conseguiu reunir, em seu pensamento e em suas
práticas, os resquícios de uma moral e de uma ética cristã medieval, de apego aos
pobres, à caridade, ao sofrimento, com um moderno modelo de resolução dos
problemas urgentes da população sertaneja atingida pela miséria que as secas
provocaram. Neste capítulo nos valemos de alguns textos de cartas escritas pelo
missionário às irmãs Superioras para o direcionamento das instituições de caridade.
Além de outras reflexões atribuídas ao Padre Ibiapina. Estes documentos ilustram o
que para nós constituiu o sentido desta experiência religiosa, que teve um caráter
pragmático.
Tentaremos abordar aspectos importantes destas questões valendo-nos de
um referencial teórico indispensável para este trabalho: Max Weber (2004; 1982;
2000). Este clássico das Ciências Sociais é referência importante para vários temas
caros às humanidades, mas é especialmente lembrado aqui por suas análises sobre
o campo da religião. Tema que, segundo Miranda (2009), teria sido fonte de prazer 90
para Weber. Ele teria encontrado uma fonte de prazer sob uma óptica trágica,
através da construção de uma Sociologia da religião. Diante do processo de
racionalização da vida humana em todas as esferas, analisado por Weber, o que
incluía o próprio terreno religioso, perder-se-ia o próprio sentido para a vida,
orientada pela razão cientificista e iluminista. Desenvolvendo suas análises numa
90
O autor se refere ao prazer no sentido em que aplica Epicuro: nãos os prazeres do sentido,
simplesmente ao gozo dos sentidos, mas ao prazer como a ausência de sofrimentos físicos e de
perturbações da alma.
161
tese recente, Miranda (2009) evoca a idéia de que em Weber está contido o
pensamento de que “mesmo que o sofrimento fosse explicado como algo positivo
para este mundo, como um meio de se purificar para o outro mundo, não era o
sofrimento que se estava buscando em última instância, mas o sentido para a vida e
para a morte” (2009, p.14). Neste sentido, localiza-se em Weber uma fonte de
prazer; ou talvez, de sentido para a vida: a religião.
É possível localizar neste mesmo intento as ações do Padre Ibiapina. Ele
tentou resolver em vida os problemas que encontrou e os deixou para a providência
divina tomar conta após sua morte. Em vida, uniu uma ética religiosa a ações
práticas. Usamos aqui a expressão “ética religiosa” conforme expressa Weber
(1982) em “A Psicologia das Religiões Mundiais”. Não se trata de uma expressão
focalizada nas teorias éticas dos compêndios teológicos, embora ele reconheça a
importância destes compêndios. Mas sim de uma compreensão que se refere aos
“impulsos práticos de ação que se encontram nos contextos psicológicos e
pragmáticos das religiões” (p. 309).
As ações do Padre Ibiapina têm referência na doutrina Católica Cristã, no
ethos religioso caritativo medieval, mas também incorporaram uma práxis avançada
para o período histórico em que se inscrevem. Suas missões elegeram o trabalho
como categoria mobilizadora do corpo social; e não somente. Foi também o trabalho
uma categoria pedagógica de educação e de disciplinamento executado com o fim
não de adestrar, mas de retirar da pobreza os Homens por meio de suas próprias
ações. Em que está o “moderno”? Com relação ao trabalho, encontra-se no lugar
que tal categoria ocupou num modelo de produção e racionalização dos artigos que
se produzia nas Casas de Caridade; o aspecto moderno também se encontra num
racionalismo igualmente empregado na rotina das Casas de Caridade, nos rituais de
comportamento e disciplinamento, todos previstos regimentalmente.
162
Esta ética moderna nos remete necessariamente às mudanças que o
protestantismo vinha operando, no que diz respeito a uma revalorização e uma
reinterpretação dos preceitos do trabalho. Contudo, seria um erro produzir um
enquadramento deste caráter “moderno” das ações e obras do Padre Ibiapina aos
preceitos modernos protestantes. Diríamos que algumas similitudes se revelam, de
fato, como conseqüência da forma como se dá o enfrentamento real de demandas
práticas: diante da necessidade de ordenar, organizar e resolver os problemas
gerados pela miséria, pelas secas, pelas doenças, nos sertões do Nordeste, o Padre
Ibiapina manifestou um comportamento racionalista e metódico; esta disposição foi
fundamental durante a organização dos mutirões de trabalho, para erguer as suas
instituições de caridade, para levantar obras como hospitais, açudes, cemitérios, etc.
Na clássica obra A ética protestante e o Espírito do capitalismo (2004)91. Max
Weber debruçou-se sobre a compreensão de um ethos protestante92, que seria o
portador de um espírito racionalista, metódico, capaz de fornecer o suporte para a
acumulação de capital através de uma relação entre o sujeito e a religião. De acordo
com a ética protestante, o trabalho seria concebido como vocação divina, e os seus
resultados, como bênçãos do senhor, livrando do sentimento de culpa aqueles que
trabalhavam buscando acumular riquezas, praticando uma ascese mundana. Weber
relacionou o papel do protestantismo na formação do comportamento típico do
91
Originalmente a obra foi publicada sob a forma de dois artigos em 1904 e 1905, em alemão: Die
protestantische Ethik und der 'Geist' des Kapitalismus. No Brasil, a primeira publicação foi em 1967.
Uma edição comemorativa de 2004, da editora Companhia das Letras, inclui uma cuidadosa edição
dos textos originais, glossário, correspondência vocabular e índice remissivo.
92
O Protestantismo é a denominação para o conjunto de doutrinas cristãs identificadas com as
teologias que viriam a se desenvolver a partir do século XVI na Europa Ocidental; seu surgimento se
relaciona também com uma tentativa, por parte de alguns teólogos e clérigos, dentre os quais se
destaca Martin Lutero e posteriormente Calvino, de reformar a Igreja Católica Apostólica Romana. Os
conflitos resultantes produziram uma separação entre as emergentes igrejas reformadas e uma
reformulação na Igreja Católica Apostólica Romana.
163
capitalismo, através da análise das condutas dos indivíduos motivados pelos valores
religiosos93.
Mas a ética do trabalho praticada por Ibiapina não tinha a intenção de
acumular riquezas, embora um modelo produtivo tenha sido empregado. A produção
das
Casas
de
Caridade
–
de
tecidos,
chapéus,
sapatos,
etc.,
servia
fundamentalmente para manutenção das instituições. Outro aspecto a ser
ponderado é se esta ética concebia o trabalho como vocação. E ainda, em quê ela
também se manifestou enquanto uma ética tradicional do trabalho.
Weber indica que na ética protestante a idéia do trabalho como vocação
relacionou-se com uma idéia nova, qual seja, a valorização do cumprimento do
dever no seio das profissões, o que provocou mudanças na representação religiosa
do trabalho mundano de todo dia. Sendo assim, tornou-se um meio de agradar a
Deus viver em cumprimento dos deveres terrenos. Do que decorre a compreensão
de que o cumprimento destes deveres é também vontade de Deus, o que por sua
vez, torna lícita toda profissão. Trata-se de uma nova qualificação moral da vida
profissional, de trabalho.
Certamente o aspecto da valorização do “cumprimento do dever”, esteve
presente fortemente na ética do trabalho de Ibiapina, o que não nos permite afirmar
que ele concebia o trabalho enquanto uma vocação, nos moldes do protestantismo.
A forma como ele tratou as obrigações dentro das Casas de Caridade bem como
conduziu por meio de um discurso moralizante os mutirões de trabalho, indicam-nos
que o trabalho também era uma penitência. E a penitência também se revestia de
instrumento de oração. Afinal, a ocupação das mentes ociosas através do trabalho
representava uma maneira de aproximação com Deus.
93
Não custa destacar que weber não está tentando explicar o capitalismo exclusivamente através da
ética protestante; ele analisou a interação entre as idéias religiosas e o comportamento econômico
capitalista, sendo este um dos aspectos importantes.
164
Os aspectos tradicionais e modernos desta ética não são fáceis de analisar,
sobretudo porque não são antagonistas. Ao contrário, se coagulam numa relação
tensionada que acomodava elementos os mais distintos. É tradicional na medida em
que se adequou às possibilidades e determinações da época. Aprender a fiar, tecer,
costurar, plantar sementes, fazer chapéus de palha, etc., constituíam processos de
trabalho tradicionais da época. E esta ética do trabalho reiterava a inserção social
numa ordem escravocrata, a qual não chegou em nenhum momento a ser
questionada por Ibiapina. Além disso, outro aspecto tradicional é que as mulheres
nas instituições eram mantidas rigorosamente como seguidoras de um modelo
conservador de comportamento inspirado na figura de Maria, mãe de Jesus:
deveriam ser resignadas, comedidas, virtuosas.
Mas também é moderna, contém elementos que a caracterizam como uma
ética distinta para o tempo e para a região. O trabalho executado por mulheres,
mesmo dentro de um modelo cristão-conservador, revela um papel ativo que lhes
era destinado, não só na execução das tarefas, mas também no direcionamento das
instituições, já que quem estava à frente das Casas eram as Superioras e acima das
Superioras, as Visitadoras. Possuiu uma profunda racionalidade econômica e esteve
ligada a um ideário de educação através do trabalho, num período em que a ordem
escravocrata era ainda vigente, o que fazia com que o trabalho, sobretudo o trabalho
braçal, fosse visto com tarefa aviltante, destinada aos escravos. Além disso,
produziu um sentido de provimento material orientado por preceitos civis. Neste
sentido, forjou-se uma ética de trabalho, conduzida por sentimentos e práticas
religiosas, e o resultado foi a adoção de direcionamentos pragmáticos de
organização social da vida.
Este sentido pragmático de condução da vida, baseado na resolução dos
problemas enfrentados – fome, doenças, pobreza, secas – que determinava as
165
ações do missionário e orientava os mutirões de trabalho para as construções, está
presente nos documentos que prevêem o ordenamento, a organização e o
funcionamento das instituições de caridade. E ainda, se manifesta através dos
poucos textos escritos pelo missionário. As cartas escritas para as irmãs de caridade
que estavam à frente das instituições, e algumas reflexões do missionário revelam o
caráter da “espiritualidade” do missionário, que segundo Comblin (1984) foi
eminentemente prática e realista. Para Ibiapina, o centro da vida espiritual era “o
trabalho como serviço concreto ao próximo.” (COMBLIN, J., 1984, p.22).
Ibiapina conduzia todas as Casas de Caridade a partir da determinação do
cumprimento do que estava previsto no estatuto e no regimento geral das
instituições. Seu acompanhamento se dava através das cartas escritas às
Superioras, as quais fornecem o sentido de urgência para resolução dos problemas,
objetividade e pragmatismo. Numa delas, uma das cartas sem data, ele chega a
ensinar um modelo de redação às irmãs para que estas tivessem também
objetividade quando noticiassem o andamento das instituições:
Quero dar-lhe lição para escrever-me. Não conte historia, poucas
palavras bastão. Vai um modelo:
Por bondade de Deus vai sem novidade a Caza, apenas tem F.
doente ou falaceu F.
Os trabalhos vão regularmente, etc.
Falta ou não falta, o necessário, e tal coiza nos he necessário.
Nada de extraordinário ocorreo sobre isto ou aquilo.
Todas temos saúde e pedimos abençoar, etc.
É este, pouco mais ou menos o estilo, fazendo-me conhecer o
estado da casa e occorrencia desta. (Carta sem data; MARIZ, C.
1997, p.295).
Pelo texto observamos as preocupações do missionário. Como conduzia
muitas instituições ao mesmo tempo e de longe, já que peregrinava por muitos
lugares e teve que se estabelecer nos últimos anos de vida em Santa Fé, por causa
da paralisia e das doenças que o acometia, interessava-o saber o que acontecia de
166
importante nas instituições, como estavam de provimentos, de saúde – os internos e
as irmãs, e como andavam os trabalhos. As cartas contêm instruções para que as
irmãs se mantivessem sempre rigorosas no cumprimento das instruções já definidas
pelo estatuto e regimento das Casas. O rigor no zelo das virtudes, do
comportamento dos internos é uma tônica permanente. Ele acompanhava através
das cartas a qualidade e a produtividade das instituições e estabelecia até mesmo
comparações entre elas. O trecho abaixo, de uma carta de 14 de fevereiro de 1875,
escrita à irmã de Pocinhos manifesta esta preocupação:
He conveniente que você estabeleça a regra nos engenhos para
fiarem fino, diminuindo as tarefas no pezo para obtermos tecidos que
se vendão e apreciem. He hoje Cabaceiras que melhor trabalha e por
isso seus trabalhos são com empenho procurados e é ainda uma
razão para serem desapreciados os trabalhos de outras Cazas em
comparação que se faz com os daquella. (MARIZ, C. 1997, p.297).
Noutro trecho, ele adverte a Irmã da necessidade de racionalizar o sustento
da instituição, e ainda de melhorar a qualidade da produção:
Faça toda economia no sustento da Caza; porque não há dinheiro,
nem eu posso socorrer.
Corrija os defeitos no fio e tecidos; porque infelizmente não teem
estração os tecidos dahi.
A caza não se ocupa noutra couza, parece que devia fazer bem uma
só empreza. (Carta de 2 de março de 1875; MARIZ, C. 1997, p.298).
As mesmas recomendações aparecem noutra carta do mesmo ano:
Convem que teçam muito, bom panno, redes e panno de cor e eu
receberei tudo isso aqui para ir suprindo o que por outro meio não
puder. (...)
Toda economia em todo tempo he uma virtude, agora he uma
necessidade imperioza; attenda portanto á dispensa, e que haja
economia no azeite e no sabão, veja tudo isso com attenção que he
um dos grandes méritos das Superioras, ver tudo, corrigir faltas,
estabelecer planos de economia, mandando lavar roupa grossa de
barrella e so tendo luz aceza em caza até as 10 horas, como lhe
determinado no regulamento dessas Cazas. (Carta de 28 de março
de 1875; MARIZ, C. 1997, p.298).
167
Da qualidade da produção dependia sua boa venda e, portanto, a economia
das instituições. Com muita clareza com relação a este preceito econômico, o Padre
Ibiapina muitas vezes fazia recomendações às Superioras para que observassem
não somente a quantidade, mas também os atributos da produção:
Recomendo que os tecidos sejam mais finos e de cores quanto
possão ser; (Carta de 07 de abril de 1875; MARIZ, C. 1997, p.298).
A produção deveria ser controlada pelas Irmãs através da elaboração de
mapas, como indicamos em capítulo anterior. Estes mapas deveriam ser informados
ao Padre Ibiapina, que os analisava:
Irmã Superiora quando mandar fazer os mappas analise-os para ver
se estão sertos como também o balancete de receita, e lhe advirto
que encontrei falta nelles portanto os purifique que me venham
regular. (Carta de 18 de junho 1876; MARIZ, C. 1997, p.308).
Através do acompanhamento da produção, ele aconselhava adoção de
diferentes métodos de trabalho e questionava quando percebia pequeno resultado.
Também era constante a orientação às Superioras para que proibissem conversas
desnecessárias que prejudicassem a produção.
Este controle e as advertências para racionalização dos custos se relacionam
com a seca vivida na época, que diminuía consideravelmente o número de víveres
disponíveis para manutenção das Casas. Neste sentido, a produtividade atendia
primordialmente a manutenção básica das instituições.
Seus direcionamentos voltavam-se para a ação e ele não permitia perder
tempo. A religiosidade, a oração, o trabalho uniam-se na transformação desta ação
em “obras úteis” – como definiu Comblin (1984):
Não há tempo a perder: todas as horas são de Deus; por isso sejam
empregadas todas as horas do dia nos trabalhos de casa, que são
de Deus, na oração e em caminhar para a perfeição. (Carta dirigida a
todas as Irmãs de caridade; sem data. COMBLIN, 1984, P. 48).
168
Espiritualidade fundada no trabalho. É assim que Comblin (1984) define a
espiritualidade de Ibiapina. “Forte, realista, austera e dura.” (1984, p.47). Voltada
para “o serviço material aos abandonados” (1984, p.47). As definições de Comblin
nos ajudam a pensar a experiência religiosa empregada por Ibiapina. Uma
experiência que deve ser compreendida num contexto em que a pobreza extrema
atingia a população do interior do Nordeste, portanto “qualquer relaxamento no
trabalho” (1984, p.47) colocava em perigo a própria subsistência.
Este comportamento pragmático religioso que se estendia às ações e à
condução das obras leva-nos a pensar na interação entre os diferentes aspectos da
experiência religiosa produzida pelo missionário Ibiapina. Do ponto de vista
weberiano poderíamos afirmar que não se poderia explicar a economia
exclusivamente através da moral ou da religião, nem a religião através da economia
e da moral; a Sociologia, interessada não na essência do fenômeno religioso, não
em especulações sobre os dogmas, teologias concorrentes ou na legitimidade das
crenças, deve voltar-se para o comportamento ao qual o fenômeno religioso dá
origem, observando experiências particulares e representações e fins determinados.
Neste sentido é que nos cabe pensar a inspiração religiosa do Padre Ibiapina e a
condução prática da vida socialmente e, sobretudo, economicamente.
Não nos deteremos aqui à cautelosa análise de Weber acerca das distinções
entre as diferentes religiões. Nem sobre as tensões naturalmente existentes entre os
campos da economia, política, arte, sexualidade, conhecimento, com o campo
religioso. Interessa-nos destacar uma de suas idéias centrais acerca das relações
entre a religião e a vida prática: primeiro, que não há separação entre elas, já que “a
vida religiosa se move entre o ordinário e o extraordinário” e já que os Homens “não
são somente seres lógicos, ou mesmo psicológicos, porém, sobretudo históricos”
169
(FREUND, J. 2010, p.158). Se uma ética econômica não é simplesmente uma
função de uma forma de organização (WEBER, 1982), pode-se apreender daí que
nenhuma ética econômica foi, jamais, determinada unicamente pela religião: “Frente
à atitude do homem para com o mundo determinada pelos fatores religiosos ou
outros fatores “íntimos” (em nosso sentido) – a ética econômica tem, decerto, uma
grande margem de autonomia” (WEBER, 1982, p. 310).
Embora muitos fatores determinem esta autonomia de que fala Weber, diz ele
ainda que, embora a determinação religiosa seja um dos elementos terminantes da
ética econômica, certamente o modo de vida “determinado religiosamente é, em si,
profundamente influenciado pelos fatores econômicos e políticos que operam dentro
de determinados limites geográficos, políticos, sociais e nacionais. (WEBER, 1982,
p. 310).
Disto isto, podemos pensar que a ética econômica praticada por Ibiapina, que
constituiu um dos aspectos do que consideramos ter sido sua ética de trabalho, já
que compreendemos esta última como uma ética mais ampla que incorpora as
ações de trabalho em si, a condução racional das Casas de Caridade, os mutirões
organizados, a orientação moral do povo, a resolução dos problemas da fome, etc.,
se produziu conforme o contexto social exigiu. E nela estava presente a ética
religiosa, uma ética moral de fundação de preceitos de organização cívica, e, ainda,
portanto, um tipo peculiar de ética social, que atendia às necessidades daquele
povo, daquela região, daquele tempo histórico.
Claro que por mais incisivas que sejam as influências sociais, políticas e
econômicas sobre a ética religiosa, esta “recebe sua marca principalmente das
fontes religiosas e, em primeiro lugar, do conteúdo de sua anunciação e promessa”
(WEBER, 1982, p.312). Contudo, as reinterpretações realizadas do conteúdo destas
anunciações e promessas geralmente adaptam-nas às necessidades da própria
170
comunidade religiosa. Daí também se pode extrair outra análise: a ética pragmática
do Padre Ibiapina, sua espiritualidade “prática e realista” (Comblin, 1984),
representou ação, se consideramos suas obras. Mas, considerando suas “fontes
religiosas”, também representou resignação e conformismo.
O sentimento de resignação, neste caso, tem origem na crença religiosa do
Padre de que tudo que pudesse ocorrer na terra seria ação da providência divina.
Esta forma de encarar a realidade é à primeira vista profundamente contraditória se
a colocarmos ao lado da maneira de agir sobre esta mesma realidade que encontrou
o missionário Ibiapina.
Com resignação e conformismo ele encarava a doença, a morte, o pesar da
vida de trabalho. Em um trecho de suas Instruções e máximas espirituais ele dizia:
“Deixemos que o mundo todo venha contra nós, porque nenhum cabelo cairá da
nossa cabeça sem o querer do onipresente.” (COMBLIN, 1984, p.30). Numa das
cartas de 1875, dando notícia sobre os doentes, ele escreveu:
Os doentes são os mais alegres, por morrerem cercados de tantos
favores da Caridade – quem vive para Deus e teme o pecado não
pode ter outros sentimentos. (Carta de 1875 escrita à Superiora de
Pocinhos-PB; MARIZ, C. 1997, p.295).
A necessidade de ocupação do tempo com obras úteis – aos outros, no
sentido de uma prática caritativa – promovia a construção de uma experiência
religiosa voltada para a comunidade, e expressava com clareza a relação entre a
religião, enquanto ritual, doutrina e principio moral, e a vida prática. E da vida faria
parte o pesar e o sofrer:
O nosso Bom Jesus abraze seo coração em seo divino amor, que a
faça achar leves os trabalhos da vida, e sacrificios, esperando do ceo
a recompensa, e deste mundo sofrimentos, lembrando-se do dito de
Sta. Thereza: sofrer, sofrer, e não gozar neste mundo, esperando a
desforra aos pés do trono de Jesus. (Carta de 15 de setembro de
1875; MARIZ, C. 1997, p.303).
171
O que quer que fosse feito, em nome da caridade, para ocupação útil do
tempo, deveria ser dedicado a Deus, sem espera de reconhecimentos ou
recompensas:
Ninguém obre para que o mundo se lembre de si, porque o que
obrou, passou, e o passado é a morte das coisas. Delas se
esquecerão. Mas obrai por amor de Deus, porque, quando o
beneficiado se esquecer do benefício, Deus sempre tem presente o
benfeitor para premiá-lo. (Instruções e máximas espirituais do Padre
Ibiapina. COMBLIN, 1984, p. 32; grifos nossos).
Na mesma esteira, manifesta o Padre Ibiapina sentimentos melancólicos
quanto trata da felicidade terrena. Vejamos abaixo uma preciosa reflexão do
missionário sobre o assunto:
As felicidades deste mundo são mais aparentes e enganadoras
que reais, ou antes são verdadeiras infelicidades. Os que isto
ouvem dizer, julgam ser erro de espíritos desvairados, julgar infeliz o
que goza as felicidades do mundo. Mas o homem observador e
pensador experimentado, que estuda os acontecimentos e a história
do mundo, deve ser atendido em seu juízo. Subido a um alto monte,
onde as influências das paixões soberbas e maldades nos tira a
liberdade de pensar e deixar ver as coisas sem véu, nem o escuro do
vapor maligno das misérias humanas, dirá: achei a verdade: daqui
vejo as coisas, e aprecio pelos seus justos valores. Só do alto se vê
bem o que está baixo; é preciso colocar-nos acima das misérias do
mundo para bem as ver e apreciar.
Então o pensador conhece e claramente vê o que viu Salomão, e
como ele também diz: tudo neste mundo é vaidade e inútil, aflição de
espírito, sacrifícios inúteis e perdidos.
Estudando a marcha da Divina providência, sua sabedoria e
bondade, diz, como Salomão: só é feliz quem serve a Deus e guarda
sua direção e preceitos. E digam os felizes do mundo, se gozaram
como ele das felicidades que há na terra, se há alguém que
soubesse e saiba como ele. Contudo, na idade de mais de 60 anos,
tendo esgotado o cálice de todos os prazeres mundanos, no
empenho de ser feliz com esses gozos, honras e glórias, com tudo...
repassando no seu espírito os gozos e todos os [bens] que pode o
homem gozar, os sucessos da vida e da humanidade, disse
desenganado: Não há felicidade nas felicidades deste mundo, mas
ilusão, verdadeira desgraça no que o homem pensa que gozando
tudo quanto queira, tem no coração um constante vazio, e desgosto
dos mesmos gozos que o seduziram; não pode deixar de conhecer
que viveu enganado, quando tudo é vaidade e aflição de espírito em
pura perda dos sacrifícios que fez para gozar o que não tem o valor
172
que lhe dava, encerrando males que não se conheciam. (Quatro
reflexões sapienciais sobre a felicidade. COMBLIN, 1984, p.75-77;
grifos nossos).94
Comblin (1984), na apresentação destas reflexões, afirma que elas aparecem
como se fossem “o fruto de uma experiência desiludida” (1984, p. 75). Diz ainda que
são alheias à cultura moderna, contém os chavões culturais da época e são um eco
do livro de Eclesiastes. Mas elas suscitam muitas outras questões e análises. Estaria
o Padre Ibiapina analisando seus próprios sentimentos e desilusões com uma falsa
felicidade terrena? Quem seria o “homem observador e pensador experimentado,
que estuda os acontecimentos e a história do mundo”, senão ele mesmo? É ele
mesmo, enquanto um homem que teve parte de sua vida dedicada aos
acontecimentos e à história do mundo, que estudou e observou a realidade, quem
faz tais afirmações sobre a felicidade e a infelicidade. Sua reflexão sobre a felicidade
não é uma reflexão genérica, nem tampouco baseada numa percepção do coletivo
sobre o tema, nem mesmo destinada ao coletivo, mas é, sobretudo, uma reflexão
pessoal. Uma conclusão para si próprio. Seria sim, fruto das desilusões do próprio
missionário com a vida terrena. Na reflexão ele dispensa os gozos até mesmo com
as glórias e honrarias; as quais provavelmente ele vivenciava, no mínimo por parte
da comunidade que o referenciava com o máximo respeito e admiração.
Aqui se encontra o sentido da experiência religiosa para o próprio Ibiapina, a
qual é transposta para a experiência religiosa coletiva que ele produziu. Somente na
esfera do sagrado seria possível encontrar uma justificação para as desilusões deste
mundo e projetar uma felicidade transcendental. Viver neste mundo seria enfrentálo; o enfrentamento se daria pela busca da virtude, pelo trabalho constante dedicado
94
Estas reflexões, que se encontram no livro organizado por Comblin (1984), também fazem parte do
manuscrito encontrado na Casa de Caridade de Campina Grande (PB).
173
à Deus, pela resolução digna, conforme os preceitos morais e éticos de civismo, da
pobreza e da indigência.
A resignação e o conformismo de que falávamos teve origem nas fontes
religiosas, na medida em que foi nesta fonte que ele pôde projetar a felicidade
transcendente, mas também na própria experiência e história de vida do padre. O
que reitera o fenômeno religioso enquanto experiência que torna a vida social,
sobretudo, uma experiência prática, além de simbólica e/ou mística.
174
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Este trabalho de pesquisa trouxe para análise uma experiência de
atendimento à pobreza baseada na caridade cristã, de inspiração medievalista, e
construída sob princípios racionais e metódicos de trabalho. Uma experiência que
conjugou elementos heterogêneos, os quais, diferentemente das soluções por
definição “heterogêneas”, puderam se misturar, já que o imenso laboratório humano,
feito de relações contraditórias, paradoxos e ambivalências, produzem histórias
complexas.
Carlos Drummond de Andrade, no poema O Padre passa na rua (ANDRADE,
2000, p. 184), traduz a deferência e o medo que inspira a figura do sacerdote,
identificado-o como um mediador entre o mundo terreno e as orientações divinas:
“Beijo a mão do padre/ a mão de Deus/ a mão do céu/ beijo a mão do medo/ de ir
para o inferno”. O sacerdote é, contudo, também uma representação da
possibilidade de redenção, de remissão. A deferência vem exatamente da
possibilidade de que este portador da palavra detenha em sua fala, que é investida
de autoridade, a determinação do destino: “o perdão/ de meus pecados passados e
futuros/ a garantia de salvação/ quando o padre passa na rua/ e o meu destino
passa com ele/ negro/ sinistro/ irretratável/ se eu não beijar a sua mão.”
A imagem do poema acima nos remete a uma percepção severa do padre.
Uma severidade que transparece como um traço da imagem de Ibiapina, revelado
em suas ações decisivas e sempre decididas, mas também revelada quando vemos
sua foto antiga. Ibiapina, ao mesmo tempo, era chamado por seus seguidores de
“Pai”. O que nos revela que foi também um sacerdote que possuía mais que o traço
da severidade e da austeridade. Era um “pai” enquanto um orientador, investido de
autoridade paterna, o apontador do destino, e um “pai” enquanto uma figura que traz
175
proteção, que guarda seus filhos. Tendo cumprido seu papel de moralizador, foi
também um “pai” dedicado à educação moral. Mas, sobretudo, sua imagem esteve
vinculada à proteção, o que o torna um padre além do descrito por Drummond, por
também ter se assemelhado a um suposto pai bondoso.
O espectro de suas ações, quando ainda vivo, inspirou na população o
sentimento de adoração e a atribuição a si de milagres. O Jornal cearense “A Voz da
Religião no Cariri”, veiculava na época uma sessão destinada às notícias de “curas”
milagrosas atribuídas ao Padre Ibiapina. Os testemunhos de milagres tiveram inicio
a partir da história de Luzia Pesinho, como ficou conhecida. Esta, paralitica, teria
procurado o Padre Ibiapina e lhe perguntado como curar-se ao que ele teria
respondido que fosse banhar-se na Fonte do Caldas, localizada em Barbalha, no
Ceará. Outra interpretação afirma que ele teria mandado a senhora tomar “banhos
cálidos” em vez de banho no “Caldas”. E ainda, que ele não teria feito a
recomendação tratando-se de uma ordenação com objetivo de obtenção de cura.
Contudo, Luzia Pesinho vai à Fonte, banha-se, sente-se curada e então passa a
relatar o ocorrido como um milagre obtido graças ao Padre Ibiapina. Esta foi a
primeira de muitas histórias que vieram depois e que foram noticiadas pelo Jornal
cearense A Voz da Religião no Cariri.
Uma aura mágica cercava o sacerdote Ibiapina, aos olhos do povo que o
seguia em suas missões. Weber (2000), analisando as distinções, que segundo ele
são fluidas, entre o mago e o sacerdote afirma que o sacerdote é uma função cuja
principal característica é o pertencimento a uma instituição religiosa e o
compromisso deste com a instituição que representa. O sacerdote está vinculado
aos valores e à visão de mundo da instituição que lhe abriga. Já o mago, por sua
vez, é detentor de um poder especial, o carisma. Semelhante ao profeta, o mago
age em função de um carisma pessoal, a despeito de qualquer ligação institucional.
176
O Padre Ibiapina foi um sacerdote, na expressão literal e formal, não apenas por sua
vinculação à Igreja Católica, mas porque foi um propagador dos valores e da moral
religiosa cristã. Ao mesmo tempo era reconhecido como portador de qualidades
especiais que o tornariam capaz de operar milagres.
O missionário talvez possa ser compreendido a partir dos dois tipos: o mago e
o sacerdote. Contudo essa dupla identificação só pode ser feita a partir do
reconhecimento dos sentimentos de fé e adoração emanados do povo. Ele próprio,
pelo que pudemos constatar dos documentos e biografias que conhecemos, não
manifestou em vida qualquer expectativa deste de comportamento. Seu espírito
religioso esteve voltado para execuções pragmáticas de ações de atendimento à
pobreza. O que produziu uma racionalização da vida religiosa, a qual se aliava ao
sentido “mágico” que representava sua presença como milagreiro e “pai” espiritual
da população sertaneja. Mas sua obra ao mesmo tempo em que representa
intervenção, movimentação sobre a realidade, também continha elementos de
estagnação e conformismo. Nisto ele revela seus aspectos conservadores. O projeto
de Ibiapina não era profético, conforme a análise weberiana do que configura um
profeta, em distinção ao mago e ao sacerdote. Neste sentido, o missionário Ibiapina
se distancia de figuras como Antônio Conselheiro e como o Beato Zé Lourenço.
Suas intenções não se voltavam para a instauração de uma nova ordem social, mas
sim para a integração social, conservando a ordem estabelecida, daí a importância
dada a disciplina, obtida através do trabalho. Seu pensamento e sua visão de mundo
emanados da doutrina religiosa cristã, tornava-o plenamente resignado com a
existência da pobreza, com as atribulações terrenas, com as dificuldades sociais,
econômicas e de toda ordem que fossem vividas, por serem atribuídas ao desejo
divino, no fim das contas. No sentimento religioso ele encontrava o conforto para a
aceitação deste mundo.
177
Conforme Antonio Gramsci (1891-1937), em suas reflexões desenvolvidas
nos Cadernos do Cárcere, a religião seria fonte de um pensamento utópico, uma
ideologia capaz de manter as classes populares, orientadas pelos preceitos
religiosos, na ignorância; mantendo-as distante da formação de uma consciência
política. A religião seria capaz de conciliar profundas contradições reais da vida
social e histórica a partir do pressuposto de que todos os Homens seriam filhos de
Deus, portanto iguais, irmãos (PORTELLI, 1984). Esta concepção não permitiria um
profundo questionamento da ordem social.
Germano (1992), em artigo dedicado à Igreja e aos intelectuais, analisa o
papel econômico da Igreja católica no período feudal e afirma que “a Igreja exerceu
seu controle sobre uma série de serviços (...) que correspondem ao desempenho de
três funções específicas: 1) função ideológica; 2) Função repressiva; 3) Função
assistencial. A crítica gramsciana à religião fornece elementos para compreensão de
alguns limites que o pensamento religioso dado à resignação e ao conformismo
pode produzir. A aceitação da idéia de que todos são iguais gera a aceitação de
estados sociais desiguais. Como todos são, aceita-se como todos estão no plano
social. As condições sociais são aceitas como vontade divina. Claro que tais idéias
variam em cada sistema religioso de pensamento, e mesmo no cristianismo católico
teve no passado e no presente lugar de questionamentos. No caso do Padre
Ibiapina estão presentes tais idéias na medida em que ele aceitava a pobreza e as
dificuldades deste mundo como vontades divinas. Esta aceitação não significou puro
imobilismo, posto que ele aceitava este mundo, ao mesmo tempo em que entendia
que era quase uma obrigação também do desejo divino reagir a tais dificuldades, o
que se daria através do trabalho e da oração – que se converteriam em dedicação à
Deus. A ambivalência deste posicionamento torna complexa a resposta a uma
questão fundamental: ele questiona a ordem social vigente? A resposta rápida e
178
simples é não. Mas esta pergunta toma como pressuposto uma definição do que
seria a ordem social vigente, para ele e para as comunidades que ele atendia: a
ordem vigente seria a realidade política, econômica e social que configurava o
tempo em que essas pessoas viveram, a qual era marcada por um alheamento das
ações políticas governamentais. O império brasileiro, como vimos, pouquíssima
atenção dispensava aos sertanejos do Nordeste. A ordem vigente também se definia
pelas marcas do escravismo no cenário nacional, pela pobreza que se acumulava
nas províncias, por um sertão seco e abandonado.
Ibiapina não questionou o escravismo, não contestou o governo. Neste
sentido, ele não questionou a ordem vigente. Ele até se mostrou conformado e
resignado com ela. Ao mesmo tempo, como já dissemos, sua obra constituiu um tipo
de ação sobre esta realidade. Tal como foi complexo este personagem, também é
complexo o caráter desta ação Por isso não podemos encerrar a questão acerca do
questionamento da ordem vigente nos termos postos acima. Fazendo o exercício de
pensar a “ordem social” de forma um pouco mais ampla, voltaremos ao personagem
desta história que não foi um herói moderno, nem foi somente um conservador.
Recuperando sua história de vida, lembremo-nos de que ele recusou a advocacia, a
vida pública, a inserção direta na política institucional da época; posteriormente
também vai renunciar à carreira eclesiástica, pois opta por andar pelos sertões em
vez de permanecer nos quadros da Igreja oficial em Pernambuco.
Ibiapina recusou a ordem moderna do mundo. Suas reflexões sobre a
felicidade são permeadas de advertências com relação aos “gozos” que a
modernidade prometia: cargos, bens, honras e glórias, riquezas, vaidades, o “gozo”
obtido através da própria ação humana, a idéia de que o próprio Homem é senhor
do destino e molda o mundo. Mas a recusa de Ibiapina a “este mundo”, e, portanto
às promessas de felicidade deste mundo foi, sobretudo, uma reação a este mundo.
179
Seu movimento reativo talvez tenha se dado no momento em que ele se isola por
três anos no seu “retiro espiritual”. Mas certamente a anulação e o isolamento não
lhe bastaram. Ele se torna padre e parece encontrar sentido e escape na religião;
encontra outro tipo de promessa de felicidade que lhe cabia porque não se
relacionava somente com o plano terreno, com o qual ele tivera diversos tipos de
desilusões - políticas, econômicas, familiares e amorosas. Após ordenar-se
sacerdote faz novamente uma renúncia e opta por circular num mundo rústico,
próximo de uma gente pobre, iletrada e desassistida. Neste universo suas ações
encontram eco. Ele poderia agir, pregar, orientar, moralizar, educar.
Relacionamos aqui as ações e obras do missionário com sua própria vida,
sua biografia. Pensemos o homem e sua obra. Ele vai peregrinar longe dos centros
de irradiação de modernidade na época, distancia-se das províncias localizadas no
litoral da região. Opta pelos sertões e dá inicio à construção de uma obra que tinha
como uma das marcas principais o trabalho útil, racional, metódico. Vejamos o
tratamento que ele deu para a pobreza. A pobreza, a ser remediada por Ibiapina, era
ao mesmo tempo o motivo da caridade e do sentimento cristão de piedade,
conforme a ética medieval apregoava, ao mesmo tempo em que era concebida
como fenômeno negativo e degradante que deveria ser sanado. E o remédio era o
trabalho, dentro de um modelo de ação racional e metódico. Portanto, os ecos da
nova ordem moderna chegavam ao seu espírito: através da valorização de uma
cultura do trabalho, da negação do ócio e do desperdício do tempo (que poderia ser
convertido em tempo “produtivo”), e da valorização da disciplina. Isto não significa
dizer que as ações de Ibiapina nos Sertões secos do Nordeste significaram células
de implantação do modelo de produção capitalista e produtivista; o que podemos
falar é que há afinidades entre suas ações e uma a ética do trabalho que respirava
os ventos modernos.
180
Podemos afirmar que as ações do Padre Ibiapina se conectam, sob uma
óptica geral, ao amplo processo de educação, moralização e disciplinamento da
população pobre, que começa no Brasil ainda no século XIX, embora de forma muito
incipiente. Já que aqui predominavam relações de trabalho que exprimiam tanto a
ética escravista quanto a ética moderna do trabalho livre, sob os moldes
produtivistas. Para isto, a valorização do trabalho foi fundamental. Mas, a análise da
ética do trabalho presente nas ações do Padre Ibiapina deve considerar que, para
além do aspecto moderno, que identificamos no inicio da pesquisa, ela se inscreve
numa ordem tensionada e se destaca como uma ética que reuniu elementos
distintos e contraditórios à primeira vista. Não era exatamente a ética moderna do
trabalho capitalista, mas também não foi uma ética tradicional pura. Embora no
plano econômico e político nacional a convivência de elementos modernos com
elementos conservadores tradicionais revelassem tensões, no caso particular das
ações de Ibiapina não havia fortes tensões na convivência destes elementos
distintos, portanto, não se revelaram contradições. Constituiu-se o modelo de um
paradoxo estático. Ou seja, adaptaram-se neste modelo, ordens de pensamento e
de ação distintas que se acomodaram. Vicejaram entre os resquícios do
pensamento medieval cristão de atendimento à pobreza e a intervenção sobre a
realidade. Foram ações caracterizadas pela motivação com o sentimento religioso
de resignação e conformismo com os problemas; espera da morte; expectativa de
regozijo noutro mundo, e, simultaneamente, busca de resolução dos problemas;
cuidado com os doentes (nos hospitais), orações pela vida, missões festivas com
músicas e mobilização popular (e, por vezes, contraditoriamente, destruição de
instrumentos musicais nos rituais religiosos) e a busca de condições que
garantissem uma existência considerada razoável, dentro dos parâmetros da época
e conforme o pensamento do missionário, neste mundo.
181
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes.
4. ed., São Paulo: Cortez, 2009.
ANDRADE, Carlos Drummond. Boitempo I. 6ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2001.
ANDRADE, Manuel Correia. Estado, capital e industrialização do Nordeste. Rio de
Janeiro: Zahar Editores, 1981.
______, A terra e o Homem no Nordeste. 3ª ed., São Paulo: Editora Brasiliense,
1973.
ANDRADE, Maristela Oliveira. 500 anos de catolicismos e sincretismos no Brasil.
João Pessoa: Editora Universitária, 2002.
ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação
do trabalho. 5. ed. São Paulo: Boitempo, 2001.
ARAÚJO, Maria Neyára de Oliveira. A Miséria e os dias: história social da
mendicância no Ceará. São Paulo: Editora Hucitec, 2000.
ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 2003.
AZZI, Riolando. O episcopado brasileiro frente ao catolicismo popular. Rio de
Janeiro: Editora Vozes, 1977.
BAKHTIN, Mikail. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de
François Rabelais. 6. ed.Tradução: Yara Frateschi Vieira. São Paulo, Brasília:
Editora Hucitec, Editora UNB. 2008.
BARROS, Luitgarde O. C. Do Ceará, três Santos do Nordeste. Disponível em:
www.portfolium.com.br. Acesso em: 15 de abril de 2008.
BATALHA, Cláudio H. M.; SILVA, Fernando T.; FORTES, Alexandre. (Org.) Culturas
de classe. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2004.
BERGER, Peter Ludwig. O dossel Sagrado: elementos para uma teoria sociológica
da religião. Tradução: José Carlos Barcellos. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.
Coleção Sociologia e Religião, n. 2.
BOURDIEU, Pierre. Economia das Trocas Simbólicas. (Organização: Sérgio Miceli.
Vários tradutores). São Paulo: Perspectiva, 2007. Coleção Estudos, n.20.
______. A Produção da crença. São Paulo: Zouk, 2004.
BOMFIM, Manuel. A América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Topbooks
Editora, 2005.
182
BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. 4ª ed., São Paulo: Companhia das Letras,
1992.
BRESCIANI, Luís Paulo. Flexibilidade e Reestruturação: o trabalho na encruzilhada.
São Paulo em Perspectiva, v.11, n.1, p. 1997.
BRESCIANI, Maria Stella. Lógica e dissonância na sociedade do trabalho: lei,
ciência, disciplina e resistência operária. Revista Brasileira de História, São Paulo,
v.6, n.1, 1985.
CARMO, Paulo Sérgio. A ideologia do Trabalho. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1992.
(Coleção Polêmica).
CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 3.
ed.Rio de Janeiro: Vozes, 2001.
CHALLHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no
Rio de Janeiro da bélle époque. 2. ed. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2001.
CHÂTELLIER, R. A religião dos pobres: as fontes do cristianismo moderno (século
XVI – XIX). Lisboa: Ed. Estampa, 1994.
CUNHA, Euclides da. Os Sertões: campanha de Canudos. São Paulo: Abril Cultural,
1982.
DINIZ, Ariosvaldo da Silva. A maldição do trabalho: homens pobres, mendigos,
ladrões no imaginário das elites nordestinas: 1850-1930. Dissertação (Mestrado em
Ciências Sociais) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1988.
ELIADE, Mircea. O Sagrado e o profano: a essência das religiões. Tradução:
Rogério Fernandes. Lisboa: Coleção Vida e Cultura, Edição “Livros do Brasil”
Lisboa.
ELLIS, Myrian (Et. al.) História da civilização brasileira: declínio e queda do império.
6ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. T. 2, V. 6.
FRAGOSO, H., A Igreja na formação do Estado liberal. In: HAUCK, J. F.,
FRAGOSO, H., BEOZZO, J. O., GRIJP, K. V.D., BROD, B., História da Igreja no
Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo. Segunda época: a igreja no Brasil no
século XIX. 2ª ed., Petrópolis, RJ: Edições Paulinas, 1985.
FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na Ordem escravocrata. 3ª ed.,
São Paulo: Ed. Kairós, 1983.
FREYRE, Gilberto. Casa-Grande e Senzala: formação da família brasileira sob o
regime da economia patriarcal. 51ª ed., São Paulo: Global, 2006. (introdução à
história da sociedade patriarcal no Brasil; 1).
FREUND, Julien. Sociologia de Max Weber. Tradução de Luís Claudio de Castro e
Costa. 5ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
183
FRIEDMANN, Georges, NAVILLE, Pierre. Tratado de Sociologia do Trabalho.
Tradução de Octávio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, Ed. Da Universidade de
São Paulo, 1973. Vol. I e II.
FONSECA, A. F., OLIVEIRA, B.M.J., FRAGOSO, I.S. Fundação Padre Ibiapina:
semente fértil no solo da educação paraibana. João Pessoa: Idéia, 2008.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 15. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal,
2000.
______. Vigiar e punir. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.
GUERRA, Phelippe, GUERRA, Theophilo. Seccas contra a Secca. 3 ed., Rio Grande
do Norte: Escola Superior de Agricultura de Mossoró, Fundação Guimarães Duque.
Coleção Mossoroense, Vol. XXIX.
GAREIS, Maria da Guia Santos. Industrialização no Nordeste (1880-1920). Rio de
Janeiro: Notrya, 1994. Coleção História, Política e Sociedade.
GEREMEK, Bronislaw. Tradução: Maria da Assunção Santos. A piedade e a forca:
história da miséria e da caridade na Europa. Lisboa: Terramar Editores, 1986.
______. Os filhos de Caim: vagabundos e miseráveis na Literatura Européia. 14001700. Tradução do polonês: Henrik Siewierski. São Paulo: Companhia das Letras,
1995.
GERMANO. José Willington. Pobreza e educação: o avesso da cidadania. Revista
Serviço Social e Sociedade. São Paulo, ano 19, n. 57. p. 28-51, 1998.
______. A transformação da questão social e a educação. In: BAGNATO, Maria
Helena S., COCO, M. I. M., SORDI, M. R. L. (Org.). Educação, Saúde e trabalho:
antigos problemas, novos contextos, novos olhares. Campinas: Linear, 1999, p.111132.
______. Gramsci: igreja e intelectuais (acerca da formação do estado burguês na
Itália) Revista Educação em Questão, Natal, 4 (1/2): 123-163, jan-dez, 1992.
GIDDENS, Anthony. Sociologia. 4ª ed., Porto Alegre: Artmed, 2005.
______. As conseqüências da modernidade. Tradução: Raul Fiker. São Paulo:
Editora UNESP, 1991.
GODELIER, MAURICE. Godelier: antropologia. In: CARVALHO, Edgar de Assis
(Org.). Godelier: antropologia. São Paulo: Ática, 1981. (Coleção Grandes Cientistas
Sociais) n. 21.
GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Editora Ática, 1992.
GUIMARÃES, Alberto Passos. As classes perigosas: banditismo rural e urbano. Rio
de Janeiro, RJ: Graal; 1982.
184
HAUCK, J. F., FRAGOSO, H., BEOZZO, J. O., GRIJP, K. V.D., BROD, B., História
da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo. Segunda época: a igreja
no Brasil no século XIX. 2ª ed., Petrópolis, RJ: Edições Paulinas, 1985.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ªed., São Paulo: Companhia
das Letras, 1995.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. História da civilização brasileira: do império à
república. 8ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. T. 2, V. 7.
HOONAERT, Eduardo. História da Igreja na América Latina e no Caribe: 1945-1995.
O debate metodológico. Rio de Janeiro, 1995. CEHILA.
HOONAERT, Eduardo. O Cristianismo moreno no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes,
1990.
KAMPER, Dietmar. O trabalho como vida. São Paulo: Ed. Annablume, 1997.
KEMPIS, Tomás de. Imitação de Cristo. Tradução: Monsenhor Manuel Marinho. São
Paulo: Hedra, 2008.
KOWARICK, Lúcio. Trabalho e vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. 2. ed.,
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.
LAPA, José Roberto da. Os excluídos: contribuição à história da pobreza no Brasil
(1850-1930). Campinas: Editora da UNICAMP; São Paulo: Editora da USP, 2008.
LEMAÎTRE, Nicole, QUINSON, Marie-Thérèse, SOT, Véronique. Dicionário Cultural
do Cristianismo. Tradução: José David Antunes. Lisboa: Publicações Dom Quixote,
1999.
LIMA, Antônia Jesuíta de. As multifaces da pobreza: formas de vida e
representações simbólicas dos pobres urbanos. Teresina: Halley, 2003.
MACHADO, Eduardo Paes; NORONHA, Ceci Vilar. A polícia dos pobres: violência
policial em classes populares urbanas. Sociologias, n.7, p.188-221. Jun, 2002.
MANFREDI, Silvia Maria. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez,
Coleção Docência em formação: formação profissional, 2002.
MARCÍLIO, Maria Luiza (Org.). A mulher pobre na história da igreja LatinoAmericana. São Paulo: Ed.Paulinas, 1984. CEHILA.
MARIZ, Celso. Apanhados Históricos da Paraíba. 2. ed., João Pessoa: Editora
Universitária UFPB, 1980.
MARX, Karl. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. v. 1, livro 1.
______. O Capital: livro I, capítulo VI (inédito). 1. ed. São Paulo: Livraria Editora
Ciências Humanas, 1978.
185
MATTOZO, Jorge Eduardo L. Trabalho sob fogo cruzado. São Paulo em
Perspectiva, v. 8, n.1, p. 13-21, 1994.
MIRANDA, Paulo Henrique Façanha de. Das palavras à vida: o prazer em Max
Weber. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Natal: Universidade Federal do Rio
Grande do Norte, 2009.
MONTEIRO, Denise de Mattos. Introdução à História do Rio Grande do Norte. 2. ed.
Natal: Cooperativa Cultural Universitária, 2002.
OLIVEIRA, Fr. Hermínio B. Formação Histórica da religiosidade popular no Nordeste:
o caso do Juazeiro do Norte. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.
OLIVEIRA, Pedro A. Ribeiro. Religião e dominação de classe: gênese, estrutura e
função do catolicismo romanizado no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.
ORTIZ, Renato. A consciência fragmentada: ensaios de cultura popular e religião.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
OFFE, Claus. Trabalho: a categoria sociológica chave? In: OFFE, C. Problemas
estruturais do capitalismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.
PATROCÍNIO, José do. Os Retirantes I. São Paulo: Editora Três, 1973.
PATROCÍNIO, José do. Os Retirantes II. São Paulo: Editora Três, 1973.
POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. 8. ed. Rio de
Janeiro: Campus, 2000.
Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (Org.). A caridade:
um estudo bíblico-teológico. São Paulo: Paulinas, 2002.
PORTELLI, Hugues. Gramsci e a Questão Religiosa. São Paulo: Ed. Paulinas, 1984.
RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 83 ed,
Record, 2001.
Rio de Janeiro, São Paulo: Editora
REIS, Elisa P. Percepções da elite sobre pobreza e desigualdade. Revista Brasileira
de Ciências Sociais, v.15, n.42, p. 143-152. fev.2002.
REPRODUCTIONS DE GRAVURES DE JACQUES CALLOT. Série “Gueux”.
Disponível em: www.jacquescallot/repros.html; acesso em: 25 de janeiro de 2010.
REZENDE FILHO, Cyro de Barros. Os pobres na idade média: de minoria funcional
a excluídos do paraíso. Revista Ciências Humanas, Universidade de Taubaté,
UNITAU, VOL. 1, N. 1, 2009.
ROLLET, Henri. O trabalho, os trabalhadores e a igreja: sei e creio. Tradução: Illidio
Correa e J. Lamartine Correa. São Paulo: Livraria e Editora Flamboyant, 1963.
186
SANTOS, Aloysio. O pensamento social da igreja e o trabalho humano. Rio de
Janeiro: Shogun Editora, 1983.
SANTOS, Paulo Pereira dos. Evolução econômica do Rio Grande do Norte: do
século XVI ao século XX. Natal: Clima, 1994.
SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras,
2000.
SILVA, Lemuel Rodrigues. O discurso Religioso no processo migratório para o
caldeirão do beato José Lourenço. Tese de Doutorado em Ciências Sociais,
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.
SILVA, Severino Vicente da (Org.). A Igreja e a questão agrária no Nordeste:
subsídios históricos. São Paulo: Edições Paulinas, 1986. Coleção Estudos e debates
Latino-Americanos, n. 16.
SOUZA, Jessé. A Ética Protestante e o atraso brasileiro. Revista Brasileira de
Ciências Sociais, São Paulo. v. 13, n. 38, out. 1998.
SPRANDEL, Marcia Anita. A pobreza no paraíso tropical: interpretações e discursos
sobre o Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. Coleção Antropologia da
Política.
WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. Tradução de José
Marcos Mariani de Macedo. Revisão geral de Antônio Flávio Pierucci. São Paulo:
Companhia das Letras, 2004. (edição comemorativa).
______, Ensaios de Sociologia. 5ª ed., Tradução de Waltensir Dutra. Revisão de
Fernando Henrique Cardoso. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1982.
THOMPSON, E. P. A Formação da Classe Operária Inglesa: a árvore da liberdade.
4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004. (Coleção Oficinas da História, v.1).
______. A Formação da Classe Operária Inglesa: a maldição de adão. 4. ed. São
Paulo: Paz e Terra, 2002. (Coleção Oficinas da História, v.2).
UGÁ, Vivian Domínguez. A categoria "pobreza" nas formulações de política social do
Banco Mundial. Revista Sociologia e Política, n.23, p.55-62, nov.2004.
VILLA, Marco Antonio. Vida e Morte no Sertão: história das secas no Nordeste nos
séculos XIX e XX. São Paulo: editora Ática, 2000.
REFERÊNCIAS
IBIAPINA95
BIBLIOGRÁFICAS
E
DOCUMENTAIS
SOBRE
O
PADRE
ARAÚJO, F. Sadoc de. Padre Ibiapina: peregrino da caridade. São Paulo: Paulinas,
1996. Coleção testemunhas. Série Heróis.
95
Há outras publicações e documentos sobre o missionário. Esta lista informa todo o material que
reunimos e/ou tivemos acesso durante nossa pesquisa.
187
CARVALHO, Ernando Luiz Teixeira de. A Missão Ibiapina: a crônica do século XIC
escrita por colaboradores e amigos do Padre Mestre atualizada com notas e
comentários. Passo Fundo: Berthier, 2008.
COMBLIN, José (Org.). Instruções espirituais do Padre Ibiapina. São Paulo: Edições
Paulinas, 1984. Coleção “Oração dos Pobres”.
DUARTE, Paulino. Padre Ibiapina: traços biográficos encontrados no arquivo da
Casa de Caridade de Santa Fé, em Arara. Jornal “A imprensa”, 1913, 1914.
DUARTE, Paulino. O Padre Ibiapina, notas sobre a sua vida, extraídas do arquivo da
casa de caridade de Santa Fé. Tipografia Pernambucana, Paraíba do Norte, 1915.
DUARTE, Paulino. Padre Ibiapina, notas sobre a sua vida, extraídas do arquivo da
casa de Caridade de Santa Fé. Revista do Instituto Histórico do Ceará – RCI, 1913
(p.188-202), 1914 (p.93-98), 1915 (p.90-142).
HOONAERT, Eduardo. Crônica das Casas de Caridade fundadas pelo Padre
Ibiapina. Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará,
2006.
HOONAERT, Eduardo, DESROCHERS, Georgette. (Orgs.). Padre Ibiapina e a igreja
dos pobres. São Paulo: Edições Paulinas, 1984.
LOPES, Diana Rodrigues. Padre-Mestre Ibiapina e a casa de Triumpho-PE. Santa
Cruz da Baixa Verde: Gráfica Folha do Interior, 2004.
MARIZ, Celso. Ibiapina: um apóstolo do Nordeste. 3 ed., João Pessoa: Editora
Universitária UFPB, Conselho Estadual de Cultura, 1997.
MONTEIRO, Manoel. Padre Ibiapina: advogado, pastor e... Pai dos órfãos. 1 ed.,
Campina Grande, PB: 2006. Literatura de Cordel.
Memória do padre Ibiapina: o santo de Santa Fé. Comemorativo dos 120 anos de
sua morte. Guarabira: Diocese de Guarabira, 2003.
NOGUEIRA, Paulino. O Padre Ibiapina. Revista do Instituto Histórico do Ceará, RCI,
n.2, 1888, p. 157-220.
SILVA, Benedito. Padre Ibiapina. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002.
Coleção Terra Bárbara.
SOBREIRA, João G. Dias. Fundação de Caldas. REVISTA DO INSTITUTO
HISTÓRICO DO CEARÁ. Fortaleza: 18 de maio de 1891. P.227-230.
TÁVORA, M. N. Fernandes. Personalidade moral e cívica do Padre Ibiapina.
REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO DO CEARÁ, 1952, p.241-252.
188
APÊNDICE A – CONSTRUÇÕES E OBRAS DO PADRE IBIAPINA POR ANO 96:
ANO Cemitérios
1856 Soledade
(PB)
1857 Currais
Novos (RN)
1860 Taperoá
(PB)
1862 Alagoa
Grande
(PB)
1863
Igrejas/capelas Açudes/cacimbas
Currais Novos
(RN)
Pilões
(PB);
Gravatá
do
Jaburu
(Taquaritinga do
Norte (PE)
Umburanas
(CE) – iniciou a
igreja
São
Pedro;
Bananeiras
(PB)
reconstrução
1864 Barbalha
(CE)
1866
1867
1868 Porteiras
(CE); São
Pedro (CE);
Missão
Velha (CE);
Abaiara
(CE)
Umburanas
(Itapetim –
PE);
São
José
de
Angicos
(RN);
Canal em Santana
do Acaraí (CE);
Areia
(PB); Açú
(RN)
Alagoa
Nova
(PB)
Açude em Santa
Luzia (PB);
Açude em Santa
Fé (PB); Açude em
Porteiras (CE);
Florânea (RN)
Floresta (PE)
Porteiras (CE);
Goianinha (CE);
Missão
Velha
(CE); Barbalha
(CE);
1869 Barra
do Caldas
(CE);
Jucá (PB
Barra do Jucá
(PB); São Bento
(CE); Brejo do
Cuité (CE);
1870 Caldas
Santa Ana de
(CE)
Leopoldina
(Parnamirim –
96
Hospitais Cruzeiros
Cacimba
em Milagres
Porteiras
(CE); (CE)
Cacimba
em
Goianinha
(CE);
Cacimba em São
Pedro
(CE);
Cacimba
em
Milagres
(CE);
Cacimba
em
Abaiara
(CE);
Cacimba
em
Barbalha (CE);
Cacimba em Serra
de Mãozinha (CE)
Açude em Barra do
Jucá (PB);
Há uma organização destes dados apresentados por Diana Rodrigues Lopes (2004), no livro
Padre-Mestre e a Casa de Caridade de Triumpho – PE. Certamente a autora se baseou na biografia
de Celso Mariz (1997), que relata textualmente as construções, sem que apresente, contudo, um
panorama organizado por data e local.
189
1871 Pio IX (PI);
Picos (PI);
Jaicós (PI);
Flores
(PE); São
Gonçalo
(Araripina –
PE); Pedra
Tapada
(Passira –
PE)
1873 Santa Cruz
do
Capibaribe
(PE); Pedra
Tapada
(Passira –
PE);
1875
?
Umburana
(Itapetim –
PE);
PE);
Santo
Antônio
de
Pádua
(Salgueiro
PE);
Serra
Talhada (PE)reconstrução da
matriz;
Picos
(PI);
Pio
IX
(PI);
Triumpho (PE);
São
Gonçalo
(Araripina
–
PE);
Jaicós
(Patrocínio
–
Pio IX – PI);
Flores
(PE);
Santa Cruz do
Capibaribe
(PE);
Passira
(PE);
Santa Cruz do
Capibaribe (PE)
ampliação;
Barra
de
Santana (PB) –
reforma
da
igreja;
Itaporanga
(PB);
São José97 (PE;
Pedra
(PE);
Passira
(PE);
Florânea (RN);
Itapetim (PE);
Açude em Santa
Cruz do Capibaribe
(PE); Açude em
Mata Virgem (PE);
Cacimba
em
Triumpho
(PE);
Açude do Padre
(Utapetim – PE);
Brocotó
(Santa
Cruz
da
Baixa
Verde
–
Triumpho –
PE); Picos
(PI);
Açude em Arara
(PB); Açude em
Gravatá do Jaburu
(PE);
Triumpho
(PE)
Açude em Fundo Brejo de Santana
do Vale do Espírito Areia
(CE);
Santo (PB); Açude (PB)
Missão
Mogeiro
em
Velha (CE);
Itabaiana
(PB);
Caldas
Açude Maior em
(CE); Vila
Guanabara (PB);
Bella
Açude de Belém
(Serra
do
Arrojado
Talhada –
(Uirauna – PB);
PE);
Açude de Princesa
Izabel (PB);
Fonte: MARIZ, Celso (1997); LOPES, D. Rodrigues (2004).
97
O municio de São José não pôde ser identificado corretamente. O Estado de Pernambuco possui
três municípios com o nome “São José”: São José da Coroa Grande, São José do Belmonte e São
José do Egito. A autora não indica de qual deles se trata.
190
Abaixo indicação das Missões pregadas pelo missionário Ibiapina. Esta
listagem pode estar incompleta; o próprio Mariz (1997) indica em sua biografia que
muitas andanças do Padre deixaram de ser registradas.
Quadro 04 – Missões do Padre Ibiapina, por localização e data.
Local
Ano
Cajazeiras (PB)
1869
Arara (PB)
1857
Barra do Juá (PB)
1869
Umburabas (Itapetim – PE)
1860
Sousa (PB)
1869
São José de Angicos
1862
Picos (PI)
1871
Acaraú (CE)
1862
Umburanas (Itapetim – PE)
1871
Sobral (CE)
1862
Alagoa Nova (PB)
1872
Banabué (Esperança – PB)
1863
Pilões (PB)
1873
Bananeiras (PB)
1863
Bom Fim (Serra da Raiz – PB)
1873
Missão Velha (CE)
1864
Mata Virgem (PE)
1873
Barbalha (CE)
1864
Pedra Tapada (Passira)
1873
Ouricurí (PE)
1865
Umbuzeiro
1873
Desterro (PB)
1866
Barra de Santana (PB)
1873
Catingueira (PB)
1866
Campina Grande (PB)
1873
Santana dos Garrotes (PB)
1866
Santa Luzia do Sabugi
1875
Nova Olinda (PB)
1866
Cajazeiras (PB)
1875
Floresta (PB)
1867
Triumpho (PE)
1875
Goianinha (CE)
1868
Brocotó (Santa Cruz da Baixa
1875
Porteiras (CE)
1868
Verde – PE)
Brejo Santo (CE)
1868
São Pedro (CE)
1868
Milagres (CE)
1868
Crato (CE)
1868
Jamacuru (CE)
1868
Fonte: MARIZ, Celso (1997); LOPES, D. Rodrigues (2004).
APÊNDICE B – IMAGENS DO PADRE IBIAPINA E FOTOS DO SANTUÁRIO DE
SANTA FÉ (SOLÂNEA-PB)
Fotos 10 e 11 – Padre Ibiapina.
Fonte: Casa de Caridade de Santa Fé, Solânea (PB).
Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
Fotos 17 e 18 – Santuário de Santa Fé em 19 de fevereiro de 2010. Fonte: Santuário de
Santa Fé, Solânea (PB). Foto: Osicleide L. Bezerra, 19/02/2010.
192
ANEXO A – FOTOS DE ALGUMAS CASAS DE CARIDADE.
Casa de Caridade de Cabaceiras
(PB), 2007. Foto: Padre Josephus
Floren.
Casa de Caridade de Areia (PB),
2008. Foto: Padre Josephus
Floren.
Casa de Caridade de Bezerros
(PE). Foto: Padre Josephus
Floren.
193
Casa de Caridade de Gravatá
do Ibiapina (PE). Foto: Padre
Josephus Floren.
Casa de Caridade em Parari
(PB), 2007. Foto: Padre
Josephus Floren.
Casa de Caridade em
Pocinhos (PB), 2007. Foto:
Padre Josephus Floren.
194
Casa de Caridade em Santana
do Acaraú (CE), 2008. Foto:
Padre Josephus Floren.
Casa de Caridade em Sobral
(CE), 2008. Foto: Padre Josephus
Floren.
Casa de Caridade de Solânea
(PB). Foto: Padre Josephus
Floren.
195
ANEXO B – MAPA
DAS MISSÕES COM INDICAÇÃO DAS CASAS DE CARIDADE.
Fly UP