...

Resumo: Kant e e Hegel não parecem ter sido indiferentes ou até

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Resumo: Kant e e Hegel não parecem ter sido indiferentes ou até
HEGEL VERSUS KANT: IMAGEM, CONCEITO E TEMPO NA
IDEIA DE UMA HISTÓRIA FILOSÓFICA DA FILOSOFIA
HEGEL VERSUS KANT: IMAGE, CONVEPT AND TIME ON THE
IDEA OF A PHILOSOPHICAL HISTORY OF PHILOSOPHY
Rodrigo Andia Araújo
Resumo: Kant e e Hegel não parecem ter sido indiferentes ou até mesmo insensíveis ao
tema da história da filosofia. Ambos procuraram inseri-la, por meio do uso das
metáforas da razão, no sistema racional do conhecimento, de modo que pudessem
recuperar, por assim dizer, a sua dignidade filosófica. Mesmo se tratando de épocas bem
distintas uma da outra, cujo método filosófico kantiano da Crítica muito se opõe com a
dialética hegeliana da razão, ambos não parecem entrar em desacordo com a idéia de
uma história racional da filosofia, de que ela parte de um ideal filosófico ou tenha um
propósito teleológico, arraigada inteiramente numa concepção orgânica da razão.
Ambos farão uso, no entanto, dos mesmos esquemas ou imagens relacionados à
linguagem da vida, da mesma idéia assaz aceita de uma história não erudita ou
rapsódica da filosofia, mas não na determinação filosófica que cada um deles fazem na
relação entre tempo e conceito, mesmo que esta integração, no fim, seja concebida ou
integrada no sistema do conhecimento como ciência filosófica.
Palavras-chave: Organismo. Sistema. Filosofia. História filosófica. Germes
Abstract: Kant and Hegel not seems has ben indifferents or even insensitives about
theme of the philosophy`s history. Both to look for insert it, across of use for the
metafhores of reason, in the rational system of the Knowledge, of way so can to recover,
so to speak, the your philosophical dignity. Even to treat of epochs very differents
another, whose philosophical method kantian of Critic very if opposed with a hegelian
dialectic of reason, both not seems to entry in disagreement with a concept of the a
history rational of philosophy, of that it arise from of a philosophical ideal or has a
purpose teleologic deep-rooted entirely in a organic conception of reason. Both will
make use, however, of the sames schemes or images relacioned the life`s language, of
the same concept enough acept of a history not learned or rapisodic of the philosophy,
but not in the philosophical determination that each one them make in the ralation
between time and concept, even that this integration, in the end, to be conceived or
intergrated in the konowledge of system how philosophical science.
Key-words: Organism. System. Philosophy. Philosophical history. Germs
Como compreenderíamos a história se ela mesma não tivesse um ideal mais
racional ou até mesmo ideológico? Será que ela, não só no sentido cosmopolita ou até

Mestre formado pela Unesp – Faculdade de Filosofia e Ciências, Campus de Marília. E-mail:
[email protected]
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
mesmo da própria filosofia, não teria um propósito maior do que simplesmente relatar
alguma coisa que ficou e permaneceu no passado? Kant e Hegel, neste sentido, talvez
sejam os primeiros pensadores a introduzirem esta noção numa concepção inteiramente
iluminista e ideológica da razão, pois já é uma noção comum e geralmente aceita na
filosofia de que a história humana se forma ou se ergue dos fatos construídos
sucessivamente no tempo, de que ela, segundo Hegel, não passa de uma enorme “galeria
de ideias”, amontoadas uma em cima da outra, ou constituída dos escombros de uma
filosofia antecedente. De certa forma, muitos autores que fazem ou trabalham com
história da filosofia compartilham dessa mesma opinião, não enxergando nesta
disciplina, mais do que meras erudições ou sistemas alheios. Entretanto, é a partir de
Kant ou mais sucessivamente com Hegel, que este tema torna-se eminentemente um
problema filosófico, isto é, de integrar a filosofia no tempo e na história, não como
coisas disparatadas ou distintas uma da outra, mas como parte mesma no sistema
arquitetônico, dialético ou ideológico da razão. Kant não foi e nem quis ser um
historiador da filosofia, mas afirmou na letra que (1995, p. 129) “uma representação
histórica da filosofia conta, pois, como e em que ordem se filosofou até agora”. Hegel,
ao propor uma identificação entre tempo e conceito na relação dialética entre ser e
pensar, nos dirá que “a história que nos propomos fazer é a história do pensamento que
a si próprio se encontra”. (HEGEL, 1980, p. 323). A dimensão conceitual ou filosófica
que cada um dos filósofos nos apresenta na determinação de uma história (universal ou
pertencente a filosofia), que ora podem se complementar na estrutura metafórica da
razão, ou ora se separam, dada a amplitude estrutural e conceitual dos respectivos
autores, eis o propósito que procuraremos investigar neste artigo, seja ela pertencente na
estrutura conceitual em detrimento de uma crítica da razão, isto é, segundo os
pressupostos da filosofia kantiana, ou de um propósito fenomenológico imposto pela
dialética hegeliana da razão.
Todavia, é digno de nota que muito se discutiu entre os filósofos sobre a
natureza ou origem da história da filosofia, se ela não passa de pura cronologia
cumulativa ou acontecimentos acidentais, ou se ela integra um sistema racional e até
ideológico da própria filosofia. Mas, ao tratarmos de dois filósofos ilustres, ainda que
nos apresentem dois sistemas inteiramente diversos, tocam num tema duplamente
ancorado entre si, cuja história da filosofia parece ter o mesmo sentido e significado
para ambos. Saber a relevância ou o valor significativo dessa história, que ora se mostra
de maneira factual, ou às vezes como produto do próprio ato filosófico, constitui desde
176
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
já o ponto culminante dessa problemática. Pois, se a verdade é una ou imutável, então
como pode haver uma história da filosofia se cada filósofo nos apresenta uma ideia
diversa ou até mesmo diferente da verdade, ou como pode ela mesma persistir idêntica a
si mesma se ela só pode subsistir num determinado momento do tempo? Como, ou de
que maneira essa história, que é a do homem real e universal, pode se afastar da
filosofia? Foi com o intuito de resolver este problema, isto é, o da multiplicidade
inserido na unidade, que Kant e Hegel não se colocam indiferente ou insensível ao tema
da história da filosofia, querendo antes inseri-la no sistema da razão ou compreendê-la
propriamente como ciência do conhecimento. É sobre tal pressuposto que procuraremos
elucidar a questão, seja ela no sistema da filosofia kantiana, onde conceito e tempo se
relacionam entre si, ou na da dialética imanente do sistema hegeliano, que não só
concebe a história integrada na ciência objetiva do conhecimento, mas como parte
mesma da própria filosofia.
Mas, uma história da filosofia que apenas nos mostrasse o desencadeamento e a
sucessão de fatos isolados, que nos desse um conteúdo mais ou menos particular ou
individual da narrativa, não teria um impacto mais significativo no sistema do
conhecimento. Ela tanto pode, neste sentido, ser concebida do ponto de vista
transcendental, ou seja, segundo os critérios da filosofia crítica de Kant, cuja história,
para alcançar o seu eterno amadurecimento racional, necessita antes passar pelos
estágios do dogmatismo e do ceticismo, já que tal propósito está fundado essencialmente
na natureza da razão pura, ou estar arraigada na dialética imanente da filosofia
hegeliana. Contudo, do ponto de vista do discurso, ou seja, das palavras
imagéticasmuitas das ideias ou analogias apresentadas por esses filósofos, das imagens
ou esquemas que se prescrevem na razão, não entram em desacordo com a noção que
ambos faziam da história da filosofia, sempre nos apresentando como teleoformidade do
conhecimento ou moldada segundo os princípios da linguagem da vida, isto é, em
germes, compreendido aqui como princípio constitutivo da geração, ou, essencialmente
como disposições, que geram, neste caso, o impulso para o seu devido desenvolvimento.
Em Kant, esta ideia se apresenta inicialmente na Crítica da razão pura (1781), sempre
sob a égide de uma arquitetônica do conhecimento, ou, se quisermos, da noção que nos
é dada de uma história filosofante da filosofia 1 (philosophirende Geschichte der
Philosophie) anunciada posteriormente nos Progressos da metafísica (1793). Não
1
Cf. KANT, I. Os progressos da metafísica. Esta idéia é apresentada por Kant mas sempre sob a forma
interrogativa situada nas Lose Blatter F3 e F5.
177
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
querendo muito se distanciar desta concepção, Hegel parecerá fazer o mesmo caminho
na sua Introdução à história da filosofia (1816), mas se desviará necessariamente do
propósito crítico da razão, impondo à história uma nova maneira de compreendê-la, isto
é, de integrá-la na teleoformidade racional e dialética do real, ou seja, de uma realidade
engendrada pela luta e pela ação dos homens na história 2 , de uma verdade que não
subsiste em si mesma, mas somente como discurso revelado pelo homem 3.
Nesse sentido, veremos logo de início que a evocação das metáforas biológicas
sempre é muito corrente nas obras desses filósofos, não apenas no sentido da faculdade
imaginativa da alma – (como se elas fossem meramente representações parciais) – mas
dos esquemas ou imagens que fazem parte da própria constituição estrutural e teórica do
conceito, em suma, de uma razão antes de tudo orgânica, que tanto pode desenvolver-se
no sistema arquitetônico da crítica kantiana, ou de maneira gradativa e fenomenológica,
antes ideológica, na filosofia imanente e dialética de Hegel. Mas o que mais irá nos
interessar aqui será verificar, nos respectivos sistemas kantiano ou hegeliano, a
atribuição de uma validade essencialmente objetiva da metáfora, ou seja, se ela
corresponde a íntima ligação do pensamento com a univocidade da verdade, que
estabelece não só a ligação da ideia com o conceito, como significa também ter agudeza
filosófica. Pois, se há algum valor significativo nessas metáforas, se elas próprias
desempenham um papel eficaz nos sistemas kantiano ou hegeliano, veremos então que
elas não são, como nos afirma Leonel (1994, p.366), “[...] blocos erráticos perdidos no
2
Em detrimento desta concepção, cujo teor discursivo da dialética hegeliana só pode ser compreendido
diante de uma realidade essencialmente histórica, ou seja, de uma consciência temporal que se desdobra,
se nega ou se aliena, Hegel (1980, p. 355) ainda dirá que a filosofia, que é o devir do Espírito por
excelência, é também ela “[...] a flor excelsa, o conceito do espírito na sua totalidade, a consciência e
essência espiritual de todo o conjunto, o espírito do tempo como espírito presente e que se pensa a si
próprio”. Este devir, que é o ser que se nega e se revela no tempo, só pode ser compreendido
dialéticamente na estrutura hegeliana do discurso, cujo resultado outra coisa não é do que a própria
história. Se assim é, segundo Kojève, “o Ser real concreto (revelado) é ao mesmo tempo identidade e
negatividade. Logo, ele não é apenas Ser-estático-dado (Sein), espaço e natureza, mas também devir
(Werden), tempo e história. Noutros termos, ele é não apenas existência-empírica (Dasein) e necessidade
(Notwendigkeit), mas também ação (Tat, Tun, Handeln) e liberdade (Freiheit)”. Portanto, é sob este
pressuposto, dialético antropogênico e fenomenológico do Espírito, que conduziremos as nossas
investigações acerca da filosofia hegeliana da história.
3
Na apreciação kantiana e hegeliana acerca das teses ou da ideia que ambos fazem da história da
filosofia, algumas semelhanças não podem ser deixadas de lado, muito menos ignoradas no interior de
suas respectivas argumentações. Ambos, por exemplo, concordam em parte que esta história não passa de
“um campo de batalha”, isto é, de uma guerra, seja a princípio porque ela não tenha conseguido, no
combate simulado, conquistar para si uma posse duradoura (Cf. Kant, CRP, Prefácio à segunda edição,
XV, 1983), ou pelo fato dela ser, conforme Hegel já dizia (1980, p. 333), “[...] um reino não só de
indivíduos mortos, fisicamente finados, mas também de sistemas refutados, e por conseguinte
espiritualmente finados, - pois, nesta ordem - cada um dos quais matou e sepultou o procedente”. No
entanto, o fim proposto para cada sistema filosófico desvia da intenção que cada um deles faziam da
história da filosofia, mesmo empregando uma linguagem metafórica, como veremos, semelhante entre si.
178
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
turbilhão das idéias ou do pensamento, de que estes deitam mão ocasionalmente, a título
de instrumentos, mas são elas mesmas corpos orgânicos, com autonomia e plasticidade
próprias, articulando entre si e tecendo as fibras complexas de um todo
plurissignificativo”.
Conciliar esta idéia no interior e na estrutura filosófica de Hegel é uma tarefa
ainda mais difícil, já que é o conceito para ele quem desempenha um papel dominante e
fundamental tanto na filosofia como na história. É uma relação, contudo, puramente
dialética onde o conceito, muito longe de ser uma entidade eterna ou a-temporal
(conceito-categoria) como afirmava Kant, será, para Hegel, o próprio tempo, que se
realiza ou se revela na história. Hegel nos parece bastante objetivo quando afirma na
introdução da Fenomenologia o seguinte: “was die Zeit betrifft [...], so ist sie der
daseinde Begriff selbst”. No destrinchamento desta frase, o conceito não é meramente
uma entidade estática que se relaciona de forma paralela com o tempo, mas, no sentido
mais usual e filosófico, podemos dizer que é o próprio tempo, ou seja, de uma história
que é a do discurso humano que se desdobra dialéticamento no mundo. Entretanto, de
qual história estamos aqui nos referindo? Numa só expressão, na do homem histórico e
universal, que transforma o mundo e a si mesmo por meio da ação e do desejo, de uma
consciência que ainda não está satisfeita consigo mesma, mas que procura se revelar no
próprio tempo. Esta afirmação nos leva a crer – e nisso ao menos nos parece ser assim –
na mesma idéia já expressa ou aceita por Kojève, ou seja, de que a história universal do
homem, ou da erudição humana em geral é, sem rodeios, a própria história da filosofia 4.
Mesmo que esta hipótese não seja ainda conclusiva, a centelha mediadora que
envolve toda essa discussão, estará inteiramente apoiada na ideia ou na noção que os
filósofos fazem da palavra sistema, pois, sendo ela a que mais nos auxilia na
compreensão de uma história filosófica, só é e será efetivamente expressa – se assim
podemos dizer – na metáfora do organismo, nos elementos e na linguagem biológica da
vida, podendo nos fornecer inclusive os elementos mais essenciais na atribuição de uma
4
Para Kojève (2002, p. 346), esta idéia, embora ainda não muito elucidativa, se coloca da seguinte
maneira: “[...] identificar o tempo com o conceito equivale a compreender a história como história do
discurso humano que revela o Ser. Sabemos que de fato, para Hegel, o tempo real, isto é, a história
universal, é no fim de contas a história da filosofia”. Ao considerar esta análise, o destrinchamento desta
afirmação parte unicamente da maneira ou do modo como se coloca o discurso hegeliano sobre o próprio
tema, pois como ainda nos diz o nosso comentador, “Na Fenomenologia, Hegel é muito radical: afirma
que a natureza é o espaço, e que o tempo é a história. Ou seja: não há tempo natural, cósmico; só há
tempo na medida em que há história, isto é, existência humana, existência que fala. O homem que, no
decurso da história, revela o Ser por seu discurso é o „conceito existente-empiricamente‟ (der daseiende
Begriff), e o tempo nada mais é que esse conceito. Sem o homem, a natureza seria espaço, e somente
espaço”.
179
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
história a priori da filosofia, ou seja, de uma razão que é antes de tudo histórica ou
filosófica. Mas o uso das metáforas em questão, principalmente aquelas das quais Kant
e Hegel se utilizam, talvez sejam as imagens que mais representam a concepção
orgânica da razão. Cada uma delas contém as suas respectivas peculiaridades no sistema
da filosofia, que ora nos apresenta uma arquitetônica metafórica na moradia segura da
razão, nos proporcionando conforto e segurança, ou da imagem unicamente aceitável do
organismo, ou seja, do analogon da vida5, o esquema mais representativo da lógica do
vivo. Na acepção de Antônio Marques 6 (1986, p. 31), por exemplo, todo e qualquer
aspecto da filosofia kantiana pode se apoiar unicamente nesta imagem, pois, conforme
ele, “é o organismo que se oferece à razão como um símbolo natural onde a própria
razão projeta o seu procedimento (Verfahren) arquitetônico e que ela descobre como a
exemplificação material e objetiva desse mesmo procedimento”. Mas, no dizer de Hegel
(1980, p.336), ao nos explicitar o conceito de desenvolvimento, nos dirá que, “o germe
quer apenas produzir-se a si próprio e extrinsecar o que contém, para depois voltar a si
mesmo e recolher-se de novo na unidade donde saíra”. A função estrutural e sistemática
dessas metáforas7, dentre elas principalmente a do organismo, exercerá uma influência
considerável na viragem filosófica nos sistemas kantiano e hegeliano, propondo-nos,
neste caso, não só um sistema de fins determinados na filosofia e na história, mas do
valor significativo que ambas possuem na elaboração sistemática do conhecimento, ou
seja, de uma razão não cumulativa e rapsódica, mas que possa ser integrada numa
ciência histórica e filosófica 8.
5
Cf. Kant, KU B 293.
Cf. Marques, A. Organismo e sistema na terceira crítica de Kant. Lisboa, p. 19-33, 1986.
7
Será no entanto muito curioso observar o fato de que, segundo Leonel Ribeiro dos Santos (1994, p. 37),
“[...] a atitude de Hegel em relação à metáfora e, em especial, no tocante à presença da metáfora no
discurso filosófico, é negativa. A metáfora é abordada, juntamente com outras manifestações com elas
aparentadas – a imagem (Bild), a comparação (Gleichnis), a alegoria -, no âmbito da teoria da arte
simbólica. E esta localização sistemática, à qual, de resto, corresponde uma perspectiva histórica, leva-o a
considerá-la como uma forma imperfeita de expressão, que não consegue realizar a unidade entre o
espiritual e o sensível, entre o ideal e o real, o interior e o exterior, devendo, por isso, ser superada”.
Contudo, mesmo o autor nos dando uma apreciação negativa da metáfora, da sua total inadequação no
discurso sóbrio da filosofia, explicita ainda Leonel (1994, p. 38) que, apesar de tudo, “[...] a filosofia
hegeliana, como aliás a de muitos dos seus contemporâneos, é profundamente modelada pela metafórica
orgânica e pela linguagem da vida, o que mostra até que ponto o pensar do absoluto é construído,
porventura sem que o filósofo disso se aperceba completamente, sobre as bases de uma linguagem epocal,
sobre a linguagem da sensibilidade e da finitude”.
8
O interesse de Hegel pelo estudo da natureza, ou mesmo da observação propriamente dita dos elementos
que compõem ou formam a vida, encontram-se já na época da sua juventude, muito antes dele estruturar o
sistema da sua filosofia. Para justificar esse interesse, assaz importante para o nosso tema, podemos citar
parte de um texto perdido escrito por Hegel no ano de 1800, quando ele ainda nem havia publicado a
Fenomenologia do espírito, mas cujo conteúdo já nos expressa uma relação persistente entre natureza e
espírito. Este texto intitula-se, segundo Nohl, Fragmento de sistema, e lá encontra-se muitas passagem
6
180
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
Em Hegel, constatamos que a determinação de uma história da filosofia não
pode ser dada ou estabelecida como ciência filosófica sem a pura efetivação do
conceito. Entretanto, para o filósofo, este conceito não será meramente estático, como se
fosse um produto de caráter kantiano ou de um juízo determinante na ação do
entendimento sobre o múltiplo das intuições, mas segundo o devir que nele está
essencialmente correspondido. Diz então o filósofo que é o conceito quem propriamente
se efetiva, ou seja, que se desenvolve na mesma medida que se produz. Como se diz,
este conceito “[...] não é estátua de pedra, mas é viva, e continuamente se vai
enriquecendo com novas contribuições, à maneira de rio que engrossa o caudal à
medida que se afasta da nascente” (HEGEL, 1980, p. 322). Contudo, noutras palavras, o
que necessariamente representa ou significa este devir? Talvez, a própria efetivação do
Espírito (Geist) no alcance da consciência de si (Selbstbewusstsein), ou seja, da
profunda transformação do Espírito em ciência absoluta. Esta acepção, cujo elemento
mediador e determinante encontra-se no discurso humano sobre o real, que projeta na
ação um futuro esperado, faz com que o tempo seja essencialmente tempo histórico, isto
é, de uma razão que no decurso do caminho dialético, se desdobra, se aliena e se efetiva
essencialmente na história. Portanto, não poderíamos falar em devir se não houvesse
história, isto é, se não houvesse existência humana, pois, para Kojève (2002, p. 369), “o
devir do Espírito que é a história ou o devir histórico da humanidade nada mais é que o
devir da ciência que é o Espírito absoluto ou o Espírito que se tornou, isto é, concluído e
perfeito e revelado a si mesmo por si mesmo”.
Esse caminho, dialético e ao mesmo tempo histórico da razão, nos conduz a uma
reflexão por si só curiosa se consideramos o proceder dinâmico da existência humana
sobre a história. Ela não é apenas uma característica da razão especulativa, ou seja, de
uma razão que procede de maneira conceitual que determina a natureza e sistematiza o
conhecimento, mas de uma história que implica também uma ação moral e ética do
homem sobre o mundo. De um sujeito que se determina através da vontade e do desejo
de transformar a realidade, isto é, de uma racionalidade que é, segundo Hegel, um
processo dialético que determina o real, mas de uma razão que não é somente a
que assemelham o “espírito” com os produtos organizados da natureza. Nesses termos e de acordo com a
apreciação de Hegel (2004, p. 278), “o espírito é lei vivificante em união com o múltiplo, o qual é então
um vivificado” – mas esta relação só é assim expressa – “[...] pois espírito é a unidade viva do múltiplo
em oposição ao mesmo como sua forma, a qual constitui a multiplicidade encontrada no conceito da vida
[...]”. Talvez seja por essa determinada influência, percebida desde cedo no interesse de Hegel pela
linguagem da vida e do seu analogon com os produtos da natureza, que faz o filósofo tanto se aproximar
de Kant quando estabelece uma história filosófica da filosofia, ou de uma razão que nasce em germes,
muito semelhante ao desenvolvimento de um corpo organizado, ou simplesmente como substância viva.
181
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
experiência de uma consciência que se desdobra dialeticamente na história e no tempo,
contudo, de um espírito que totaliza a existência humana e social do homem. De uma
consciência que se identifica com o tempo, pois a sua completude, concebida ainda de
maneira unilateral, é alcançar o absoluto. Em suma, se podemos falar de uma razão
essencialmente histórica, para Hegel (1980, p.46), “[...] a consciência é o seu conceito
para si mesma e é, pois, imediatamente o ato de passar além do limitado e, uma vez que
esse limitado lhe pertence, é o ato de passar além de si mesma”. Portanto, o que aqui se
mostra, não é a concepção de uma racionalidade bipartida entre duas realidades
diferentes entre fenômeno e noumeno, ou seja, entre aquilo que essencialmente nos
aparece e aquilo que situa-se além dos limites de toda a consciência, como outrora Kant
nos adivertira, mas de uma razão que procura conhecer a totalidade do real através do
processo histórico e dialético da razão.
Mas mesmo que a história da filosofia tenha o mesmo escopo na determinação
das partes e do todo, o mesmo ideal filosófico ou metafórico arraigado numa concepção
biológica da razão, ou seja, de uma atividade organicamente compreendida no sistema
da filosofia e da história, mas cujo fruto encontra-se no conceito, logo nos
aperceberemos de que esta tese, isto é, a hegeliana, não pode ser confundida ou
estabelecida da mesma forma posta por Kant, na qual nesta se estabelece não só uma
concepção orgânica mas também arquitetônica da razão. Porém, o aspecto mais
eminente dessa diferença não estará apenas apoiado na maneira ou no modo como o
tempo se relaciona com o real, mas também estará apoiado na idéia ou na amplitude que
ambos faziam do conceito de filosofia, isto é, no real valor empreendido pelas metáforas
ou linguagem da vida, que ora se apresentam como meras imagens ou símbolos, ou
como algo inteiramente constitutivo na elaboração sistemática da razão 9.
Porém, não se descarta a ideia, assaz aceita pela maioria dos filósofos, sobre a
sucessão cronológica ou narrativa que é
atribuída necessariamente na história da
filosofia, cada uma delas apresentando-nos um critério multiforme da verdade. Para
9
Este problema é mais visível na filosofia hegeliana, cuja gênese fenomenológica da consciência parece
excluir qualquer imagem metafórica na apreensão da verdade, ou seja, na apreensão da ideia
propriamente dita, manifestação esta que só é alcançada no estabelecimento do conceito. Na Estética, por
exemplo, em a ideia e o ideal, Hegel nos declara (1980, p. 165): “A missão do filósofo consiste em
considerar a verdade à luz deste conceito. Ora, se a filosofia tudo considera à luz dos conceitos, o que
qualifica como o único modo compreensivo e verdadeiro de pensar, uma coisa, no entanto, é o conceito, a
verdade em si e outra, a existência que lhe corresponde ou não”. Este problema nos parece constituir um
imenso paradoxo, pois como poderá Hegel nos falar do conceito e ao mesmo tempo não dispensar, na
atribuição do mesmo, o uso metafórico da razão?
182
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
Hegel, esta é a questão na qual se constitui toda a problemática 10, seja ela na filosofia –
sempre querendo nos dizer a respeito da unidade do pensamento – ou da história em
geral, que não faz outra coisa a não ser nos dar a multiplicidade. Pois, para ele, ainda
“[...] poder-se-ia perguntar por que motivo a filosofia, que é doutrina da verdade
absoluta, aparece limitada a um número relativamente exíguo de personalidades e só em
determinados povos e em particulares períodos do tempo”. (HEGEL, 1980, p. 328).
Kant aceita naturalmente essa mesma contradição, aliás, muito evidente e fatídica que
persiste entre a filosofia e a história, ou de que ela é empírica ou exponha a narração dos
acontecimentos, mas ele também admite que algo de fundamental existe nela, ou de que
ela necessariamente não deve ter continuado na via empírica.
Esta hipótese parece ser evidente entre os dois filósofos, mas ao considerar o
ponto no qual entram em comum acordo, ao mesmo tempo parece se distanciarem do
propósito e do fim que cada um destina a filosofia. Em Kant, trata-se de descobrir ou ao
menos fundamentar uma história a priori da filosofia, que não apenas exponha os fatos
da razão, mas que ela seja vista como arqueologia filosófica. Neste caso, de uma
história que mostre como deve ter sido “[...] imperioso ter nascido o dogmatismo, a
partir deste o ceticismo, e de ambos o criticismo”. 11 (KANT, 1995, p. 131). Este
princípio, que desde sempre existiu em germes na razão, integra a história no sistema e
oferece a Kant o escopo de que mais precisava, o da síntese, unindo a especulação
filosófica com a interpretação assaz diversa da filosofia. Esta interpretação pode
decorrer de um propósito significativo e
inevitável da razão, mas essencial na
completude sistemática da história, que é propor, de maneira bem pretenciosa, o fim da
filosofia. Esta idéia, segundo Yovel (1981, p. 30), “[...] rappelle la fameuse sentence
hégélienne selon laquelle il est temps pour la philosophie de renoncer à son nom
d`amour de la connaissance (philo-sophia) et de devenir connaissance actualle ou
sagesse (sophia)”. Embora esta ideia seja mais elucidativa na filosofia hegeliana, ela
também não escapa do escopo crítico da filosofia kantiana, pois ainda conforme o nosso
10
Cf. HEGEL, Conceito da história da filosofia. In: Introdução à história da filosofia. São Paulo: Abril
Cultural, p. 328.
11
Há pois, como se diz nos Progressos, três estágios dos quais a metafísica busca no alcance da razão,
mas a Crítica, sendo ela uma propedêutica do conhecimento, que torna o juízo amadurecido depois da
realização de uma analítica dos princípios, não teria a sua supremacia devida se antes ela não tivesse
percorrido os respectivos estágios do dogmatismo e do ceticismo. Se é uma necessidade da razão
completar esta tarefa, ou seja, este caminho, então algo de fundamental nos poderá ser oferecido para a
ideia de uma história filosófica da filosofia, pois se a Crítica contém de fato este valor, diz Kant, “[...]
colocar-se-ia ela num estado consistente, não só no exterior, mas também internamente, não precisando,
além disso, ou mesmo já nem sequer sendo capaz, de uma extensão ou de uma restrição”.
183
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
comentador, “[...] tout comme Kant a anticipé Hegel em historicisant le concept
platonicien d`amour de la sagesse, il a aussi devancé Hegel (et Marx) em proposant
l`idée hardie de fin de la philosophie”. (YOVEL, 1981, p. 30).
Contudo, a ideia centralizadora da qual parte os ilustres filósofos é unir o
conceito - que desde já subsiste na eternidade ou se relaciona com o que é eterno - com
a realidade temporal e fenomênica do mundo empírico. Saber a relação que há entre
ambos ou de que maneira o conhecimento evolui na história de forma racional ou
teleológica, depende exclusivamente desta determinação. Segundo Kojève (2002, p.
341), em Kant devemos saber apenas o seguinte, ou seja, de que o “[...] nosso saber
está não só no tempo, mas, o que é mais grave, é temporal: precisamos de tempo para
pensar”. Mas esta relação, embora seja atribuída no âmbito da dedução transcendental,
ou seja, do conceito determinante e da síntese que ele realiza no múltiplo (realidade
temporal), nos cabe também colocá-la num sistema de uma filosofia que tenha
necessariamente validade ou rigor filosófico, pois a questão que procuramos
exclusivamente pensar na determinação que há entre conceito, tempo e verdade, ainda
continua sendo essencialmente a mesma problemática determinante: como é possível a
história da filosofia ser ela própria, uma história filosofante? Mas esta idéia, ou
problema, não é o único que resolveria a completude sistemática deste tema, isto é, de
consiliar o processo sistemático da filosofia como se ela, históricamente, tivesse ou não
um fim determinado. Mas tanto na variante criticista do pensamento kantiano, cuja
história nada mais é do que a efetivação de uma arqueologia filosófica que se
movimenta entre dogmatismo, ceticismo e criticismo, como na variante hegeliana que
incute na razão todo um processo dialético do pensar, parece claro ou evidente de que a
história possua um fim determinado, seja ela – se considerarmos do ponto de vista
crítico – mediante os esquemas da razão ou em virtude de um princípio teleológico
reflexivo, ou, do ponto de vista puramente dialético hegeliano da razão que busca o
absoluto. Mesmo assim, essa não é exatamente a ideia que o nosso comentador, já
citado neste artigo, procura defender pois, “[...] em todo caso – diz Kojève – se na
variante kantiana ou „criticista‟ pode-se falar a rigor de uma evolução histórica infinita,
é impossível chegar a um saber absoluto referente à história e, portanto, ao homem
histórico”.
Contudo, em Hegel, as imagens representativas de germes ou sistema, não são
termos que se excluem concomitantemente, ambos necessários ou presentes na natureza
da razão. Pois aqui, a história da qual ele nos propõe fazer não é aquela de tipo erudito,
184
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
mas a do pensamento, que a si próprio se encontra. O espírito efetiva-se neste ideal, e
como se fosse a representação de um círculo, se desenvolve na mesma medida que ele
se produz. Esta determinação é essencial para o filósofo, já que nos mostrará em
particular que “[...] a história da filosofia é, também ela, científica, e converte-se, pelo
que lhe é essencial, em ciência da filosofia”. (HEGEL, 1980, p. 324). Se ambos
pretendem estabelecer um ponto em comum entre a história e o pensamento, isto é, se a
determinam como ciência ou como parte integrante da própria filosofia, então o que a
faz diferenciar da crítica da razão se os filósofos compartilham do mesmo vocabulário
na determinação de uma história filosófica da filosofia? Como pode Hegel se afastar
tanto do ideal kantiano, da validade crítica da razão, se neste ponto da investigação ele
pareça se aproximar muito de Kant? Como já dissemos, o discurso imagético ou
metafórico, seja ele kantiano ou hegeliano, pode até parecer o mesmo na amplitude
significativa de uma razão orgânica ou biológica, mas é na dimensão estrutural e
sistemática de suas respectivas teorias que os filósofos se distanciam completamente,
onde “tempo” e “conceito” não possuem a mesma relevância representativa que cada
um deles destinam na determinação histórica ou temporal da razão. Portanto, quando
tratamos do projeto crítico em geral, da propedêutica da razão e de todo o esboço
arquitetônico e sistemático que Kant essencialmente nos fala na Crítica da razão pura,
“tempo” e “conceito” só podem se relacionar entre duas faculdades antagônicas entre si,
quais sejam, entendimento e sensibilidade, até mesmo quando queremos nos referir a
um outro tipo de tempo, ou seja, a do tempo histórico, que curiosamente, segundo o
filósofo, também necessita de uma determinada síntese (embate entre intelectualistas e
sensualistas) para progredir e se desenvolver historicamente. Para Hegel, contudo, a
síntese kantiana não é necessariamente a característica fundamental que explicaria este
procedimento, mesmo porque não é dessa maneira que a dialética se realiza na história,
pois o que ela faz e procura realizar, é conhecer a si mesma. Para Angelica Nuzzo, se é
esta a metodologia que podemos introduzir para compreender a história no sentido
hegeliando, cuja historicidade na busca pela eternidade não exclui necessariamente o
tempo como forma essencial, então, o que se diz é que:
Sotto questo profilo la filosofia risulterebbe dunque sottratta al piano
dell`accadere fenomenico, e potrebbe, tutt`al più, presentare soltanto
una storia “sterna” ed esteriore che rigarderebbe gli individui e le
vicissitudine contingenti della loro attività razionale, non l`essenza
stessa del pensiero nella sua verità universale. La storia della filosofia
185
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
sarebbe in tal modo non Geschichte, ma mera Historie. (NUZZO,
1997, p. 12).
Essas questões são essenciais no julgamento que ambos faziam da história da
filosofia, isto é, da tentativa ou da possibilidade de se recuperar a dignidade filosófica
dos acontecimentos que sucederam na história. Se esta hipótese não constituísse desde
já um problema filosófico, como ideia válida ou essencial no sistema da história, qual
seria então a utilidade da filosofia no tempo? Qual seria a sua verdadeira identidade se
apenas tivéssemos aquilo que nos é contingente ou particular? No entanto, os autores
sabem que a filosofia não está excluída da história, de que ela existe no tempo e nos
pretende dizer a verdade. Mas, se o propósito dela tem como finalidade a apreensão do
conhecimento, ou seja, daquilo que é uno e verdadeiro, então a sua história não pode e
nem deve estar separada deste ideal, mesmo que ela nos apresente uma gama diversa de
sistemas filosóficos.
Muito natural ou cômodo seria afirmar de que esta história, a da razão, não passa
de uma galeria de opiniões, isto é, de um cemitério de idéias, onde os vivos sepultam os
mortos e assim sucessivamente, como Hegel outrora nos advertiu. Mas ele nos dirá, sem
prerrogativas, que o espírito nada têm de estático, de que ele é dinâmico e nunca se
encontra em repouso. A princípio é assim que ocorre na Fenomenologia, isto é, como se
fosse momentos de uma consciência que, quando se põe-a-si-mesma, se torna ela
própria pura efetividade no estabelecimento do concreto. Pois, neste mesmo
movimento, se muda a consciência, também muda o real. “Por isso – diz Kojève – toda
filosofia que é „verdadeira‟ é também essencialmente „falsa‟: é falsa na medida em que
se apresenta não como o reflexo ou a descrição de um elemento constitutivo ou de um
movimento dialético do real, mas como a revelação do real em sua totalidade”.
(KOJEVE, 2002, p. 433). Porém, se o espírito tende realizar esta odisséia, inicialmente
em germes na razão, mas agora como puro desenvolvimento, então, parte do problema
estaria resolvido, e nos restaria saber como a história, sendo ela filosófica, estaria
arraigada no sistema da razão. É justamente aí que reside a dificuldade proeminente,
pois não se saberia ainda sobre qual filosofia, por mais sóbria que ela fosse, estaria apta
a ser a detentora da verdade.
É ainda mais irresolúvel saber qual dos filósofos – mesmo considerando o fato
de que ambos, em última instância, propõem um fim para história – estaria com a razão.
Contudo, não se trata de estabelecer um vencedor, pois isto nada responderia a relação
186
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
que há da filosofia com a sua história, nem mesmo nos diria como ela sucede no tempo
ou permanece vívida em diversos lugares. Na polêmica Kant versus Hegel, a mesma
problemática permanece, pois se trata definitivamente da amplitude conceitual e até
mesmo filosófica que cada um deles incutem na compreensão de uma realidade que é
essencialmente histórica. Ambas assumem serem a detentora da verdade, de que a
história também encontra a sua idealidade filosófica, mesmo que na estrutura de seus
respectivos sistemas “tempo” e “conceito” não tenham a mesma amplitude significativa
na efetivação de uma realidade histórica ou filosófica, muito embora eles se utilizem ou
abusam, como de fato é nos textos, dos mesmos termos ou metáforas, que se colocam
todavia como elementos detentores ou dinâmicos na tentativa de esclarecer a
possibilidade dessa mesma história.
Para Hegel, a filosofia é um ser vivente que se produz, que se determina ou se
automovimenta na pura efetivação do espírito, como vários momentos de uma ideia que
abrange o todo, isto é, como totalidade orgânica, na ciência objetiva do conhecimento.
Assim é, segundo o filósofo, “[...] verdadeiramente efetivo somente na medida em que é
o movimento do pôr-se-a-si-mesma, ou é a mediação consigo mesma do tornar-se
outra”. (HEGEL, 1980, p.13). Mas em Kant, cujo propósito é antes a realização de uma
crítica, não se pode dizer o mesmo, pois não é por meio desta efetivação que a razão se
desenvolve, porém, de um edifício constituído arquitetonicamente diante do conflito
sempre ocorrido na história entre intelectualistas e sensualistas. Diz ele então que, “a
idéia originária de uma filosofia da razão pura prescreve ela mesma esta divisão. Esta
última é, pois, arquitetônica em conformidade com os fins essenciais da razão, e não
meramente técnica [...]”. (KANT, 1983, p. 411, grifo do autor). Nos parecerá num
primeiro momento que a diferença substancial entre os dois filósofos não será apenas o
contraste existente entre a crítica e a fenomenologia, mas também no uso que ambos
faziam das metáforas filosóficas, pois mesmo se utilizando dos mesmos conceitos,
possuíam significados diversos, bem diferente do propósito filosófico que cada um deles
pretendiam destinar para a história da filosofia.
Veremos então que é a partir daí que surge a diferença substancial – ao menos
no âmbito da linguagem metafórica – ao resgatar os pressupostos de uma abordagem
inteiramente filosófica da história da filosofia, ou seja, dificuldades que partem das
imagens semelhantes ou idênticas entre si, mas com significados ou perspectivas bem
diferentes. Em Kant, por exemplo, o sistema de sua filosofia não parte da ideia
hegeliana do círculo, mas da imagem arquitetônica da razão, mas que também nasce em
187
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
germes e se desenvolve epigenicamente. A ideia do círculo nos parece então, na
filosofia transcendental, como algo negativo ou redundante, talvez como puro devaneio
da razão, cuja determinação do todo (des ganze) ainda não estaria apreendida na
filosofia. Assim escreve Kant numa carta à Garve em 1783, mas reproduzida aqui por
Micheli, “le fatiche degli uomini si muovono costantemente in circolo e ritornano in un
punto in cui sono già state; per questo materiali che ora giacciono nella polvere
potranno forse essere rilavorati per uno splendido edifício”. (KANT apud MICHELI,
1980, 239). Se assim considerarmos a história em geral ou o processo filosófico que
nela está incutido, antes da Crítica, não poderíamos falar de uma evolução histórica
essencialmente válida na filosofia, pois ela ainda estaria girando, segundo Kant, em
círculo, e não alcançaria o seu escopo mais essencial, ou seja, o ideal propriamente dito
de uma crítica propedêutica da razão.
Mas, para Hegel, a metáfora do círculo adquire um significado maior e
substancial na representação de uma ciência filosófica, até mesmo para uma história que
constantemente tenta resgatar, na dialética imanente da razão, a sua dignidade filosófica.
É assim que o espírito se efetiva, pois “[...] o círculo que pressupõe seu fim como seu
alvo, tem esse fim como princípio e é efetivo somente por meio da sua realização e do
seu fim”. (HEGEL, 1980, p. 13). Reside aí uma diferença substancial e inegável entre o
idealismo crítico de Kant com a fenomenologia dialética de Hegel, cujas metáforas não
parecem coincidir entre si, mas cujo propósito não escapa daquele “todo orgânico” que
ambos procuram abordar nos seus respectivos sistemas, isto é, como substância viva,
mas que também se estabelece na filosofia ou na história, sobretudo se esta estiver
integrada no sistema da razão. Se tudo gira entorno do fim, isto é, da teleoformidade
imanente da razão, poderíamos até acreditar que Hegel, no final das contas, não
passasse de um kantiano às avessas, pois ou essas imagens são para o filósofo meras
metáforas, ou elas são os elementos que constituem ou compõem a própria estrutura da
razão. Saber qual a função dessas imagens, isto é, da real funcionalidade dos esquemas
ou idéias da filosofia hegeliana, serão determinantes na consecução deste tema, ainda
mais quando temos por consideração duas épocas bem diversas uma da outra.
Para Hegel, na história da filosofia não existem opiniões, mas apenas idéias,
universais e necessárias, e das quais em definitivo partem unicamente da reflexão. Mas,
da mesma forma antes advertida por Kant, o filósofo também não aceita que esta
história seja apenas uma coleção romanesca ou rapsódica dos fatos ou opiniões, mas a
da razão, que busca ou trilha o caminho da compreensão filosófica. Este caminho, do
188
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
qual percorre a ciência, é o trabalho que o próprio Espírito realiza sobre si, uma tarefa
que só o homem consciente pode realizar. Contudo, este ideal, cujo propósito só a
filosofia consegue compreender, só alcança a sua efetivação no tempo ou na história,
pois mesmo que esta seja construída por homens não filósofos, ou seja, por indivíduos
não conscientes da realidade que o cerca, somente a filosofia pode tornar o mundo real
em realidade compreendida. Nesta instância, se assim nos permite afirmar, diz Kojève
(2002, p. 376): “[...] a filosofia pressupõe o próprio tempo (Zeit), isto é, o homem-dodesejo-e-da-ação. Logo, não há filosofia sem natureza e sem ação histórica no sentido
forte do termo, efetuada dentro dessa natureza”. É por meio desta idealidade, deste
princípio inteiramente racional, que o problema da multiplicidade parece se resolver.
Assim escreve Hegel (1980, p. 334):
Nesta nossa consideração partimos, antes de mais nada, do conceito
que a filosofia tem a tarefa de captar, pensando e compreendendo, a
verdade, e não de verificar que nada se pode conhecer, ou pelo menos
que não é cognoscível a verdade verdadeira, mas apenas uma verdade
passageira, uma verdade finita (ou seja, uma verdade que ao mesmo
tempo não é verdadeira) [...]
Mas, segundo o filósofo, onde se encontraria a diversidade dos sistemas
filosóficos se não fosse pelo desdobramento da experiência (Erfahrung) 12 que a
consciência realiza sobre si? Da sua negação advém a superação e o estabelecimento de
uma outra verdade, da mesma forma que, na metáfora utilizada por Hegel, “o botão
desaparece no desabrochar da flor, e poderia dizer-se que a flor o refuta; do mesmo
modo que o fruto faz a flor parecer um falso ser-aí da planta.” (HEGEL, 2001, p. 22).
Estamos falando, portanto, do desenvolvimento de um espírito que parte dos seus
germes originários, isto é, dos momentos simultâneos da consciência-de-si, que ao
desdobrar na história, aliena-se, mas apenas para voltar a si mesma e adquirir a sua
máxima liberdade.
Do ponto de vista da estrutura imagética ou linguística, até parece estarmos
diante de uma perturbante semelhança entre Kant e Hegel, onde ambos se utilizam das
metáforas biológicas na explicação do conceito de filosofia. Mas embora eles comecem
12
Cf. Hegel, Fenomenologia do espírito. Termo técnico e fundamental da estrutura filosófica de Hegel,
cujo sentido, na sua essencialidade, diz ser o caminho que a consciência realiza na busca efetiva sobre si
mesma, portanto, de uma experiência na qual a própria consciência nos dá, na medida que se desenvolve.
No entanto, este conceito não deve ser confundido ou ter o mesmo significado posto por Kant na Crítica,
cuja intuição, o único meio no qual nos referimos a objetos, nada nos acrescentaria se não fosse as
categorias do entendimento, cf. KrV B 33. Para Hegel, contudo, há somente uma experiência, a do
espírito, que tanto compreende e efetiva o conceito (Begriff) na sua totalidade.
189
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
do mesmo ponto de partida, cuja razão parece surgir dos germes nela implantada, o
resultado final muito se distancia do propósito filosófico que cada um deles procurava
estabelecer, pois ou o caráter sistemático da filosofia se esgota no juízo amadurecido da
crítica, ou ela pode conter um significado ainda maior, talvez fenomenológico ou
dialético no interior da filosofia hegeliana, que procura estabelecer uma compreensão
efetiva do espírito absoluto, ou seja, de um ideal não arraigado no dualismo desmedido
e abstrato da filosofia kantiana, que procura estabelecer uma diferença substancial entre
o ser e o pensar.
Mas Kant, quando nos expõe a ideia de uma história a priori da filosofia e a
coloca sob o ponto de vista de uma natureza racional como “arqueologia filosófica”
(conciliando numa mesma ordem o sistema da razão com o sistema da história) nos
afirma que, “apesar disto, todos possuíam, como um germe originário, o seu esquema na
razão, a qual simplesmente se desenvolve. Consequentemente, não só cada sistema está
por si articulado segundo uma ideia, mas também todos estão por sua vez unidos
finalisticamente entre si, como membros de um todo”. (KANT, 1983, p. 406). É por
meio desses germes, ocultos dentro de nós, que a filosofia, segundo Kant, se origina na
natureza da razão, pois o impulso formativo do seu desenvolvimento, que caracteriza-se
no sistema da epigênese, não se recolhe a si mesma na unidade donde partira, mas
sempre no embate antinômico dos problemas que sempre atormentaram a razão no
conflito ideológico entre intelectualistas e sensualistas.
Neste aspecto, parece mesmo haver uma semelhança incomensurável nas teses
ou metáforas pronunciadas, nas idéias ou esquemas que explicitam o conceito de
filosofia, pois Hegel também não nos descarta a possibilidade dela estar inserida numa
composição orgânica e sistemática, na qual o todo não se exclui da multiplicidade, mas
cujo movimento parte dos germes implantados na razão, que se desenvolve na busca da
sua determinação. Em detrimento desta mesma comparação, esquemática e metafórica
dos quais os nossos autores fazem uso, Hegel assim afirma, “só o ser vivo e espiritual se
move em si mesmo, se desenvolve. Assim, a ideia, como concreta em si mesma e
desenvolvendo-se, é um sistema orgânico, uma totalidade que compreende em si
multidão de graus e de momentos”. (HEGEL, 1980, p. 339). Não é difícil observar que
o aspecto metafórico se faz presente em algumas passagens do texto hegeliano, embora
esta característica seja apenas um invólucro que permeia a superfície de toda uma
concepção histórica da filosofia, isto é, o da exteriorização da idéia no tempo, do seu
desvelamento, ou da autodeterminação do espírito na busca da consciência de si
190
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
(Selbstbewusstsein), que só alcança a sua liberdade por meio da sua necessidade, e não
uma antinomia conceitual no sentido kantiano do termo, cujo confronto procura
estabelecer, por meio da síntese, uma paz duradoura na república da razão.
Mas se ambos partem da ideia de “organismo” ou da noção sistemática que
caracteriza a historicidade da razão no seu desenvolvimento imanente, como os autores
então, no decurso de suas experiências filosóficas, se distanciam um do outro? Trata-se
apenas de um problema metodológico de ordem histórico-filosófica ou apenas uma
diferença conceitual entre ambos? Como a idéia de sistema pode se diferenciar se os
respectivos filósofos partem dos mesmos elementos que a caracteriza? Fato é que,
mesmo partindo de concepções diferentes, ou de idéias diversas, das quais uma
representa a idealidade da filosofia crítica como exercício propedêutico, e a outra, de
uma efetivação fenomenológica do espírito hegeliano, logo perceberemos que esta
diferença será fundamental na distinção entre os dois filósofos. Tratar-se-á muito mais
da dimensão conceitual abordada por cada uma das doutrinas do que meramente um
pano de fundo histórico que cada uma delas expõe na filosofia. Exaltar essas
particularidades ou características, sejam elas no decurso do criticismo kantiano ou da
dialética hegeliana, mas cujo fundamento apóia-se na ideia do “tempo” e de como o
“conceito” se relaciona ou se identifica com ele na determinação de uma história
filosófica, será a marca substancial do nosso trabalho, ou seja, da pesquisa da que nos
propomos fazer.
Nesses termos, a dimensão que primeiramente diferencia a Crítica de Kant com
a Fenomenologia de Hegel, encontrar-se-á no aspecto irreconciliável entre dois
universos diferentes. O primeiro situa-se no âmbito transcendental da razão, na
distinção irrevogável entre fenômeno (Erscheinung) e coisa-em-si (noumenon), ou seja,
entre o objeto que nos aparece e aquele situado fora da intuição, tal como ele é. A
separação desses dois mundos, isto é, do fenômeno, e daquilo que jamais se poderia
apresentar ao entendimento como algo cognoscível, é o ponto culminante do projeto
crítico de Kant, que determina os limites e as possibilidades do conhecimento, daquilo
que o homem pode ou não conhecer, pois, segundo ele, “sem sensibilidade nenhum
objeto nos seria dado, e sem entendimento nenhum seria pensado” 13. (KANT, 1983, p.
13
Cf. KrV B 295. Torna-se ainda mais interessante conciliar este aspecto, isto é, o da distinção
irrevogável entre phaenomena e noumena, na metáfora geográfica da razão, também utilizada por Kant na
finalidade de estabelecer os limites do conhecimento. A consecução deste terreno é, segundo ele, “[...] a
terra da verdade – portanto - (um nome sedutor), circundada por um vasto e tempestuoso oceano que é a
verdadeira sede da ilusão, onde nevoeiro espesso e muito gelo, em ponto de liquefazer-se dão a falsa
191
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
57). O segundo situa-se no fundamento dialético do espírito absoluto, cujo pensamento
tudo conhece acerca do objeto na manifestação da consciência, tornando-se, ela própria,
experiência de si mesma. Não há aqui diferença entre o mundo real com a doutrina da
lógica, pois ambas, na filosofia hegeliana, encontram-se unidas na dialética da razão,
como dois aspectos de uma mesma coisa. Como afirma Hartmam (2001, p.17) na longa
introdução que precede A razão na história de Hegel, diz que “o processo dialético é
assim, ao mesmo tempo, lógico, ontológico e cronológico. Tudo o que acontece no
mundo tem não apenas um significado temporal, mas também lógico e ontológico”.
Estamos diante de dois aspectos diferentes que determinam sistematicamente a doutrina
de cada um dos filósofos, mas que nos podem ajudar de alguma maneira, pensar a ideia
que cada um deles faziam da história da filosofia, ou da sua relação com as doutrinas
filosóficas do passado.
Sabemos na letra que não é da atitude dos filósofos fazer da história da filosofia
uma galeria de idéias, mas antes o resultado de um processo que nasce em germes na
razão, como se fosse o desencadeamento de uma metafísica imanente que se desenvolve
progressivamente na razão. Porém, estamos lidando com aspectos diferentes de uma
mesma teoria, presentes num único objeto de investigação, pois, em Kant (1995, p.
132), pode “a idéia de uma metafísica se apresentar inevitavelmente à razão humana e
de esta sentir uma necessidade de a desenvolver”. Mas a metafísica que Hegel resolveu
estabelecer não é a do mesmo tipo que Kant anteriormente determinara, mas a do
espírito do mundo, isto é, de uma estátua viva que nunca se encontra em repouso, pois,
como se diz, “[...] o curso da história mostra, não o devir de coisas a nós estranhas, mas
sim o nosso devir, o devir do nosso saber”. (HEGEL, 1980, p. 322). Temos então, dois
modos diversos de compreender a metafísica, mas sobre qual fundamento ela
necessariamente pertence? Qual é o seu interesse com a história da filosofia? Sabemos,
no entanto, que ela não está exclusa do tema que nos cerca, contudo, seria uma tarefa
muito mais árdua saber o seu verdadeiro significado no sistema filosófico de ambos, ou
seja, sobre qual fundamento ela verdadeiramente repousaria. Este tema, pelo menos
neste momento, não é alvo de nossas discussões.
Mas, se é este o propósito desses filósofos, isto é, de determinar a validade ou o
alcance de uma história filosofante da filosofia, então a finalidade da qual ambos
impressão de novas terras e, enquanto enganam com vãs esperanças o navegador errante a procura de
novas descobertas, envolvem-no em aventuras, das quais não poderá jamais desistir e tampouco levá-las a
termo”.
192
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
pretendiam inserir nesta mesma história, já não é vista simplesmente como algo estático,
mas como se fosse alguma coisa pertencente a natureza própria da razão. De uma
história que não é mais a representação de uma série de acontecimentos acidentais, nem
como pura erudição dos sistemas filosóficos que se produziram, mas do alcance ou
determinação da própria ideia de filosofia, da sua validade ou do propósito mesmo do
qual ela procura atingir. Por isso ser ela para Kant o arquétipo de todas as tentativas de
se filosofar, ou seja, “[...] uma simples idéia de uma ciência possível que não é dada em
parte alguma”. (KANT, 1983, p. 407). Mas mesmo como arquétipo ou como idéia de
uma razão filosófica, das peculiaridades que cada um dos autores nos disseram sobre a
história da filosofia, do seu desígnio ou da sua própria natureza, ela sempre estará
arraigada, para todos os fins, neste ideal racional, seja ela na perspectiva de uma crítica
da razão ou dos limites intransponíveis da dialética hegeliana.
Referências
BECKENKAMP, J. (Org.). Entre Kant e Hegel. Porto Alegre: Edipucrs, 2004. 288 p.
BRAUN, L. L`histoire de la philosophie a l`heure du criticisme. In: Histoire de
l`histoire de la philosophie. Paris: Editions Ophrys, 1973, p. 205-60.
GERRA, A. Introduzione a Kant. Roma: Laterza, 1999.
GUEROULT, M. L`histoire de la philosophie comme système abstrait et a priori de
l`histoire de la raison. In: Histoire de l`histoire de la philosophie. Paris: Aubier, 1988, p.
373-98.
HEGEL, G. W. F. Introdução à história da filosofia. São Paulo, Abril cultural, 1980.
______. Fenomenologia do espírito. São Paulo, Abril cultural, 1980.
KANT, I. Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
______. Dissertação de 1770 seguida de Carta a Marcus Herz. Lisboa: Imprensa
Nacional – Casa da Moeda, 1985.
______. Prolegômenos a toda metafísica futura. Trad. Artur Morão. São Paulo: Abril
Cultural, 1974.
______. Os progressos da metafísica. Lisboa: Edições 70, 1995.
______. Lógica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1992.
______. Primeira introdução à crítica do juízo. São Paulo: Abril Cultural, 1980.
______. Da utilidade de uma nova crítica da razão pura. São Paulo: Hemus, 1975.
______. Crítica da faculdade do juízo. Porto Alegre: Forense Universitária, 1995.
KOJÈVE, A. Introdução a leitura de Hegel. Rio de Janeiro: Contraponto EDUERJ,
2002.
LEBRUN, G. Kant e o fim da metafísica. São Paulo: Martins Fontes, 1993
______. A paciência do conceito: ensaio sobre o discurso hegeliano. São Paulo: Editora
Unesp, 2006.
MICHELI, G. Kant storico della filosofia. Padova: Antenore, 1980
______. Kant e la storia della filosofia, in "Studies on Voltaire and the Eighteenth
Century". (Norwich), 1980, 191, pp. 587-595. ______. La svolta kantiana. In: Storia
delle storie generali della filosofia. Padova: Antenore, 1988, pp. 879-957.
MARKET, O. Recepção da Crítica da Razão Pura. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1992.
193
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia…
MARQUES, A. Organismo e sistema na terceira Crítica de Kant. Filosofia. Lisboa, n.3,
p. 19-33, 1986.
NUZZO, A. Per una metodologia della storia della storia della filosofia secondo Hegel.
In: Il cannocchiale. Napoli: La Buona Stampa, 1997, pp. 5-32.
RIBEIRO, L dos SANTOS. Kant e a idéia de uma história filosófica da filosofia. In:
ENCONTRO DE PROFESSORES E PESQUISADORES DE FILOSOFIA
BRASILEIRA, I., 2005, Rio de Janeiro.
______. Metáforas da razão ou economia poética do pensar kantiano. Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.
YOVEL, Y. Kant et l`hitoire de la philosophie. Jerusalém: Archives de Philosophie,
1981, 44, pp. 19-41.
Artigo recebido em: 06/01/10
Aceito em: 01/04/10
194
Kínesis, Vol. II, n° 03, Abril-2010, p. 175 – 194
Fly UP