...

Questão Social e Políticas Sociais em Debate

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Questão Social e Políticas Sociais em Debate
Questão Social e Políticas Sociais
em Debate
Lúcia Cortes da Costa1
Resumo: Neste artigo se propõe uma análise sobre a questão social e
suas implicações na sociedade atual. A partir de um enfoque histórico
discute a relação entre a questão social, cidadania e a emergência das
políticas sociais. Discute a controvérsia atual entre a focalização e
universalização das políticas sociais no Brasil.
Palavras-chave: Questão social; política social; cidadania.
1. Questão social: conceito e transformações históricas
Para iniciar nossa reflexão vamos retomar alguns pontos
centrais na discussão sobre a questão social que já tem um grau
de consenso entre os pesquisadores sociais. Primeiro ponto de
consenso é a emergência do fenômeno denominado como
questão social no desenvolvimento da sociedade capitalista. A
questão social como problema relacionado às condições de vida
do proletariado urbano emerge no século XIX, na Europa, com o
processo de industrialização. Este fenômeno social traduziu para
a esfera pública as demandas por melhorias das condições de
vida dos trabalhadores assalariados. Este é o segundo ponto de
consenso, a questão social está intimamente relacionada ao
assalariamento da força de trabalho. Dada a dominação política
e econômica dos burgueses na sociedade européia do século
XIX, a luta por melhores condições de vida dos trabalhadores se
tornou uma luta por poder político, forjando a expansão dos
direitos políticos como forma de alcançar os direitos sociais. Este
1
Doutora em Serviço Social pela PUC de São Paulo, docente da Universidade
Estadual de Ponta Grossa no curso de graduação em Serviço Social e no
mestrado em Ciências Sociais Aplicadas.
Lúcia Cortes da Costa
é o terceiro ponto de consenso, a questão social expressa uma
correlação de forças sociais que se traduz numa disputa por poder
político, busca inserir na agenda do Estado os interesses das
classes trabalhadoras.
Assim, a questão social pode ser analisada como sendo o
conflito social que expressa a organização da sociedade em
classes, onde o trabalho assalariado é subordinado ao capital,
enfrentando as crises cíclicas da economia em que ocorrem
desemprego e redução dos salários, afetando de forma negativa
as condições de vida dos trabalhadores. A insegurança e os riscos
sociais são inerentes à questão social. O conflito social se traduz
em conflito político, expresso na atuação do Estado em cada
contexto histórico.
A concepção de Estado que orienta nossa análise o
coloca como um campo de forças, onde o conflito que surge na
sociedade civil dá a dinâmica de sua atuação, definindo suas
funções e seu papel em cada contexto histórico. O Estado não é
um árbitro neutro, o caráter de classe perpassa toda a dinâmica da
esfera pública, sua função central dentro da sociedade capitalista
é criar as condições necessárias para o desenvolvimento da
economia de mercado. No entanto, o Estado do século XXI não é
apenas o comitê da burguesia, há na dinâmica política pólos de
tensão, onde as classes sociais buscam colocar seus interesses.
A dinâmica social moderna é perpassada pela
contradição entre interesses privados e interesses coletivos. Na
sociedade capitalista o interesse privado não coincide com o
interesse coletivo. Devido à lógica de concorrência que estrutura
as relações capitalistas, dentro de uma mesma classe os interesses
colidem trazendo maior complexidade à dinâmica das lutas
políticas.
Após apontarmos os pontos de consenso nas análises
sobre a questão social, devemos agora analisar as controvérsias
que surgem quando se coloca em questão a possibilidade de
solução dos conflitos sociais. Dois argumentos centrais se
colocam no debate político desde o século XIX. Do ponto de
vista liberal, a questão social é um fenômeno natural do
62
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
desenvolvimento da sociedade. Considerando as diferentes
capacidades e aptidões dos indivíduos, a desigualdade surge em
decorrência do sistema de méritos sociais. A desigualdade não é
apenas justa como também desejável, pois estimula o
desenvolvimento individual e coletivo. Cada um fazendo o
melhor por si mesmo ajuda a melhorar a sociedade como um
todo. Esta é a máxima liberal atribuída a Adam Smith, onde o
egoísmo individual leva ao bem estar coletivo.
De outro lado temos a crítica socialista a questão social,
vista como expressão da dominação burguesa. Para Marx2 a
racionalidade operante na firma individual, a busca de maximizar
o interesse individual leva a irracionalidade geral do sistema
produtor de mercadorias. Ao buscar maximizar a taxa de lucros,
cada firma se comporta reduzindo seus custos, elevando a
produtividade do trabalho na busca de expandir sua participação
no mercado. A concorrência abre o conflito entre os agentes
privados onde a classe trabalhadora é exposta a níveis elevados
de exploração. No contexto onde há recessão na economia cresce
o risco de desemprego e o rebaixamento dos salários. Quando há
expansão da atividade produtiva ocorre a intensificação do
trabalho e a concorrência entre os trabalhadores na busca de
ocupar os melhores postos de trabalho. Para Marx a questão
social é insolúvel na ordem do capital.
Ao afirmar que a questão social é inerente ao
desenvolvimento da sociedade capitalista, não podemos supor
que suas expressões atuais são as mesmas do século XIX. A
dinâmica da sociedade capitalista do século XXI é
qualitativamente diferente daquela analisada por Marx.
A sociedade ainda é dividida em classes sociais, no
entanto, a identificação dos indivíduos dentro da sociedade não é
imediatamente dada pela sua condição de classe. Com o processo
de individualização ocorrido na modernidade, novos fatores
interferem na formação da consciência coletiva dentro da
complexa sociedade de mercado.
2
Especialmente na obra O Capital (1867).
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
63
Lúcia Cortes da Costa
Conforme Elias (1994) o aumento da interdependência
dentro da sociedade atual leva ao processo de individualização.
Ao mesmo tempo em que se modernizam as relações sociais,
superando o poder dos grupos tradicionais na definição da
personalidade do indivíduo, há um tensionamento entre a busca
de individualização e a necessidade de pertencimento. Ser
diferente e ser igual é o dilema do indivíduo dentro da dinâmica
social moderna. Ter autonomia e estilo próprio de vida e
pertencer ao grupo, emergir da massa e inserir-se no coletivo
fazem parte dos desejos do homem moderno. Neste contexto
emerge tanto as relações tribais (as igrejas, o fundamentalismo, a
tribo) como o egoísmo individual e a solidão do indivíduo no
mundo. Isolado na multidão o indivíduo se sente esmagado pela
dinâmica do mundo moderno.
Recriar os vínculos surge como necessidade de
pertencimento num mundo onde tudo se transforma. Conforme
Marx (2000), tudo que é sólido se desmancha no ar, como
Rousseau, tudo é absurdo, mas todos se acostumam com tudo.
Conforme Giddens (1991) a reflexividade é a marca da sociedade
moderna em que ocorre o desencaixe tempo e espaço. A
supressão do tempo anula as diferenças do lugar, o espaço é o
mundo, a pressa é a regra e a inovação sua obsessão. A
destradicionalização da vida moderna afeta o sistema de
referências dos indivíduos, incidindo também na tradição das
organizações criadas a partir da classe.
A classe é apenas um dos elementos definidores da
consciência dos indivíduos. Embora sua centralidade na esfera da
estrutura das relações sociais ainda seja decisiva, ela não assume
essa mesma centralidade na formação da personalidade do
sujeito. Não me penso imediatamente a partir da minha situação
de classe. Não organizo minhas referências de valores e de
anseios a partir da classe e de seus organismos de representação,
tais como o sindicato, a fábrica e os partidos trabalhistas.
Os conflitos oriundos da divisão da sociedade em classes
persistem, embora num contexto de maior complexidade das
demandas sociais, eles convivem com temas emergentes,
64
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
conforme coloca a análise da diversidade humana. Os homens
não se dividem apenas em classes, mas também entre homo e
heterossexuais, entre homens e mulheres, entre jovens e idosos,
entre brancos, negros e amarelos. Assim, chamamos a atenção
para o conjunto de demandas colocadas na sociedade atual que se
articula com as demandas tradicionais dadas pela situação de
exploração do trabalho pelo capital.
A análise marxista é determinante para a compreensão da
sociedade capitalista, porém insuficiente para analisar toda a
complexidade das demandas sociais no atual contexto histórico.
O mundo no século XXI é mais complexo, o número de
habitantes do planeta é maior, a vida humana nunca foi tão longa,
o volume de produção e a dinâmica tecnológica nunca foram tão
intensos, a vida humana nunca foi tão interdependente embora o
homem nunca tenha sentido tamanho isolamento.
Embora a brilhante análise de Marx sobre o fetichismo
da mercadoria seja essencial para compreender a dinâmica do
mercado capitalista e da reificação das relações sociais, há
elementos que não foram abordados pela sua análise, tais como
os impactos ambientais da ação humana no planeta, o risco da
guerra biológica e nuclear, o fundamentalismo, a indústria bélica,
o terrorismo e a generalização do crime organizado e do crime de
massa, as drogas e seu impacto na vida social, etc. Podemos citar
o próprio Marx (1983) para defender nossa argumentação, pois
conforme seu texto de 1857, os problemas humanos são
históricos, assim como também o são as suas soluções.
É por isso que a humanidade só levanta os problemas que
é capaz de resolver e assim, numa observação atenta,
descobrir-se-à que o próprio problema só surgiu quando
as condições materiais para o resolver já existiam ou
estavam, pelo menos, em vias de aparecer (1983,p.25).
Dentro do contexto de um mundo dividido entre ricos e
pobres, capitalistas e trabalhadores, países centrais e periféricos,
emergem novos conflitos sociais que exigem a atuação do
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
65
Lúcia Cortes da Costa
Estado. Podemos dizer que a formulação das políticas sociais
nunca foi tão importante para a vida social como no momento
atual. Pensar a dinâmica social e dar respostas aos seus
problemas exige capacidade de atuação do Estado através das
políticas sociais.
O Brasil enfrenta o desafio de encontrar mecanismos de
atender as demandas sociais num contexto onde as políticas
sociais são questionadas sob o ponto de vista da sua efetividade.
A polêmica atual no debate sobre o papel do Estado se coloca
sob duas perspectivas, de um lado a luta pela ampliação do
conceito de cidadania vinculado a exigência da democracia
substantiva (que vai além da esfera da escolha política e da
formalização dos direitos) e da atuação do Estado na
operacionalização dos serviços socais; de outro, a busca de
reduzir o poder de regulação do Estado na vida social ampliando
o espaço para o mercado, inclusive na oferta de serviços sociais.
O cidadão reduzido à cliente num mercado onde, para certos
grupos, o acesso se dá a partir de subsídios dos fundos públicos.
O poder de Estado seria de coordenação e regulação, mas não de
oferta ou prestação direta dos serviços. Nesta vertente se colocou
a proposta de Bresser Pereira (1996) sobre a reforma do Estado
no Brasil.
Desta polêmica sobre o papel do Estado nas políticas
sociais decorre outra questão: o acesso aos serviços e programas
sociais deve ser universalizado ou focalizado? No Brasil o grave
quadro social num contexto de restrições orçamentárias coloca o
conflito entre atender a todos indistintamente ou priorizar os
segmentos mais pobres. Esta é uma questão central no debate
atual sobre as políticas socais no Brasil e sua relação com as
expressões da questão social. Quem é sujeito de direitos não é
apenas o indivíduo em condição de pobreza, mas o cidadão por
que é parte do povo brasileiro e tem sua cidadania como garantia
jurídica de pertencimento ao Estado nacional. Ao focalizar o
atendimento nos segmentos mais pobres não se concretiza a
promessa democrática de relacionar direitos à cidadania, a reduz
a um sistema meritocrático e fragmentado.
66
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
As políticas sociais estão inseridas num contexto onde a
problemática social é mais complexa, exigindo criatividade e
inovação na formulação e desenho dos serviços, programas e
ações para poder dar respostas efetivas frente às demandas
tradicionais e as emergentes e ainda enfrentar o debate político
no que se refere ao acesso universal ou focalizado.
2. Políticas Sociais e cidadania: o pacto democrático
Podemos analisar que a década de 1980 no Brasil, foi
marcada pela emergência do anseio democrático, pela
mobilização de diferentes segmentos da sociedade civil e pela
luta por direitos (sociais, políticos e civis) contra a ditadura.
Segmentos da sociedade civil, a partir das experiências de
conselhos comunitários, associações e sindicatos, propuseram
uma inovação na prática política do país ao reclamar o direito à
participação na gestão das políticas públicas. A cidadania foi
concebida como o direito a ter direitos e reclamar pela sua
efetividade.
Após a consagração constitucional do direito à
participação popular e da descentralização políticoadministrativa, a sociedade civil passou a compor os conselhos
deliberativos das políticas sociais, em espaços paritários com o
poder público. Iniciou-se no país o desafio de transformar as
experiências de participação popular nos conselhos comunitários
em ações propositivas junto aos conselhos paritários e
deliberativos. Os espaços públicos foram alargados, conforme
Raichelis (1998, p.37):
A Constituição de 1988, ao reafirmar a legalidade dos
condutos clássicos da democracia representativa, abriu novas
possibilidades de exercício da democracia participativa por meio
dos instrumentos que integram aquilo que Benevides (1990)
denominou de cidadania ativa.
As expectativas democráticas passaram a conviver com o
ajuste estrutural da economia e com as limitações dos gastos
públicos, além da necessidade de preparo dos conselheiros e
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
67
Lúcia Cortes da Costa
gestores para a prática da gestão democrática e participativa. A
divisão de poder entre as esferas de governo transformou o
município em ente federado, dando força para o processo de
municipalização das políticas sociais, sem, no entanto rever a
concentração dos recursos fiscais na esfera federal.
Apesar de o pacto federativo prever a coresponsabilidade da União, Estados e Municípios, o fato é que a
partir da década de 1990 o município passou a ser o principal
responsável pela oferta dos serviços sociais (saúde, educação,
assistência social), o que ampliou a complexidade da gestão das
políticas sociais no nível local.
Assim, o município teve que criar uma série de
mecanismos para efetivar as exigências constitucionais referentes
à gestão democrática e participativa das políticas sociais.
Surgiram os Conselhos de Políticas Publicas na área da criança e
do adolescente, da Assistência Social, do idoso, da Educação, do
desenvolvimento urbano, etc.
A democracia participativa enfrenta o desafio da
histórica apropriação do Estado pelas elites locais e pela ausência
de tradição na prestação de contas ao cidadão dos atos do poder
público. A privatização do Estado e o clientelismo criaram uma
cultura política centrada no mando e não no direito. Estas
práticas tradicionais passaram a ser contestadas devido a
exigência legal da participação popular, embora no plano da
efetividade, os Conselhos ainda estejam aprendendo a ser
deliberativos.
As políticas sociais podem ser mecanismos eficientes
para a democratização do acesso a bens e serviços para a
população e também atuam como condições necessárias ao
desenvolvimento econômico e social. Conforme Pochmann
(2005, p.25):
Nas sociedades democráticas, os serviços e
equipamentos públicos tornaram-se essenciais para conceder
igual oportunidade a todos, uma vez que sem isso, somente parte
reduzida da população tem condições de desenvolver plenamente
suas aptidões.
68
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
Avançar na construção de um patamar de igualdade
social no Brasil exige a realização da promessa emancipatória da
universalização dos direitos (civis, políticos, sociais). A questão
da desigualdade social aponta para sérios desafios, pois ao lado
do discurso reformista liberal que buscou reduzir a
responsabilidade do Estado na área social, surge no Brasil um
debate centrado na defesa da focalização das políticas sociais
para os "realmente pobres"3.
O discurso da eqüidade que reduz os problemas sociais a
uma questão entre ricos e pobres, buscando mecanismos para
"medir" a pobreza, na medida em que despolitiza as relações
sociais e o debate sobre a reprodução do capital, esvazia o
conteúdo revolucionário da democracia. A bem intencionada
proposta de se "adotar uma clara opção pelos mais pobres"
(Barros e Carvalho. 2003,p.I) retira o potencial universalizador
dos direitos da cidadania.
Na medida em que se estabelece o debate sobre quem são
"os realmente pobres", se coloca as políticas sociais voltadas para
o passado, com medidas compensatórias e focalizadas, sem
ampliar as possibilidades de construção de mecanismos efetivos
de integração social e sem atender as demandas emergentes de
uma sociedade mais complexa e desigual.
É fundamental o Brasil se pensar, centrado numa visão
de futuro, que sociedade quer ser. As políticas sociais devem
ofertar serviços para os cidadãos, a educação pública deve ser
para o cidadão e não para o pobre!!! No entanto, considerando a
gravidade do quadro social é necessário articular mecanismos
voltados para os segmentos mais empobrecidos, com medidas
emergenciais de transferência de renda, articulados a ampliação
da capacidade de atendimento das políticas sociais básicas,
especialmente educação, saúde, assistência social e previdência
social.
3
Expressão usada no texto para discussão nº 985, do IPEA. "Desafios para a
política social brasileira". Ricardo Paes de Barros, Mirela de Carvalho. Rio
de Janeiro, outubro de 2003. Disponível em www.ipea.gov.br
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
69
Lúcia Cortes da Costa
A Assistência Social como política de proteção social
deve atuar de forma inter-setorial junto às demais políticas para
garantir a inclusão nos serviços básicos e promover ações e
serviços que garantam a efetividade dos direitos para os cidadãos
em situação de risco social e vulnerabilidade.
Na busca de uma sociedade democrática cresce o debate
sobre a necessidade de medidas voltadas para reduzir o grau de
desigualdade social4, pois esperar que apenas o crescimento
econômico consiga reverter o quadro de pobreza que afeta parte
da população do país se mostra pouco provável dado o baixo
crescimento do PIB nos últimos anos.
A efetivação das políticas sociais exige uma mudança
nas prioridades colocadas na agenda pública, o pacto
democrático para ser efetivo deve considerar os interesses
coletivos. A discussão sobre a apropriação dos fundos públicos e
da efetivação de um pacto contributivo que permita a criação de
canais de transferência de rendas afeta o centro do debate sobre o
Estado.
Neste sentido a compreensão sobre os entraves colocados
ao Brasil no cenário atual exige considerar duas dimensões: as
possibilidades dadas no cenário externo e a articulação de forças
políticas internas. A tarefa de alterar o grau de desigualdade
social só pode ser levada adiante se os segmentos voltados para a
transformação social forem capazes de articularem esforços no
sentido do gestar um novo consenso.
Elaborar uma contra-hegemonia, conforme Gramsci, que
afete o poder das elites locais e busque uma inserção do país no
cenário internacional a partir de alianças favoráveis aos países
em desenvolvimento. Este processo de construção de um projeto
ético-político para a sociedade brasileira não se restringe à esfera
4
Para ilustrar indicamos o debate dentro do IPEA, ver Texto para Discussão nº
984 "Os ricos e a formulação de políticas de combate à desigualdade e à
pobreza no Brasil" Marcelo Medeiros, Brasília, 2003. Texto para Discussão
nº 971. Iniqüidade social no Brasil: uma aproximação e uma tentativa de
dimensionamento". Ronaldo Coutinho Garcia, Brasília, 2003.
70
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
governamental, senão, nasce do debate forjado na sociedade
civil. A articulação dos interesses nacionais numa agenda global
voltada para o aprofundamento da democracia, exige uma
sociedade civil mais politizada e pluralista. Nesta tarefa cabe
papel importante para a formulação de uma interpretação teóricocrítica da realidade social, capaz de confrontar as "verdades"
divulgadas pelos ideólogos do mercado, que subverta as certezas
do "ajuste econômico", advogando pela urgência do "ajuste
social".
A emancipação humana só pode ser realizada como uma
tarefa coletiva. Assim como o capitalismo criou as bases
materiais necessárias para a construção da história universal, já
que expandiu sua lógica para o mundo, o movimento
revolucionário deve apropriar-se dessa base material para
expandir uma nova racionalidade, centrada na defesa dos
interesses humanos e não na lógica da reprodução ampliada do
capital.
Como trabalhar essa tarefa histórica no Brasil?
Acreditamos que a radicalização da democracia, na medida em
que confronta a lógica da subalternidade e reivindica a efetiva
participação do cidadão na vida social, é um caminho para a luta
revolucionária. Pensar na luta revolucionária exige considerar
que a história não acabou com o capitalismo, apenas tornou
consciente a existência de suas contradições.
O futuro é um campo de possibilidades, inclui inclusive a
possibilidade da barbárie, da cronificação das desigualdades e do
terror, porém é essencialmente o espaço para a construção de um
novo patamar de civilização onde nenhum ser humano seja usado
como instrumento. O pensamento revolucionário acredita na
possibilidade de estabelecer uma relação ético-moral que
considere a diversidade das expressões humanas e a
universalidade do gênero humano, realizando as promessas
iluministas.
O Brasil demonstrou na sua história recente um grande
dinamismo, fomos capazes de mudar a estrutura produtiva e o
conjunto das condições sociais em 50 anos (1930-80), lutamos
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
71
Lúcia Cortes da Costa
contra uma ditadura militar e estamos construindo novas formas
de participação social que alargam o espaço público, assim, não
podemos permanecer com as graves desigualdades sociais, sob
pena de regressão no pacto democrático. A trajetória que se
coloca como perspectiva para o futuro não é reproduzir o
passado, mas construir uma nova sociedade, plural e igualitária.
Nas palavras de Rousseau, devemos ser forçados a ser livres!
3. O Serviço Social e a defesa pela democracia
Com o presente texto buscamos elencar algumas das
questões que perpassam o debate dentro do Serviço Social. A
questão da democracia, a cidadania e as possibilidades da
emancipação humana são temas recorrentes dentro do Serviço
Social e orienta o projeto ético-político da categoria, expresso no
Código de Ética Profissional. A busca de conhecer a realidade
social, com ênfase na particularidade da sociedade brasileira
consta nas diretrizes curriculares da ABEPSS, no sentido de
ampliar a pesquisa e o debate acadêmico, fomentando novas
práticas sociais e profissionais que sejam capazes de ampliar o
protagonismo político dos segmentos populares.
A complexidade da sociedade atual exige um repensar
constante do saber teórico que guia a reflexão, mantendo, no
entanto, o eixo do projeto emancipador como guia para a razão
crítica. A produção do conhecimento sobre a organização da vida
social deve considerar o caráter político da ação humana, o
homem é um ser dotado de razão e vontade, capaz de deliberar,
de escolher caminhos; a realidade social tem um caráter
dinâmico que articula tempo e espaço, perspectivas de passado,
presente e futuro numa práxis histórica; existem limites objetivos
à ação humana, as condições materiais são as bases para a
construção das possibilidades de autonomia que se articula com
as condições subjetivas, as escolhas dentro do quadro de
possibilidades.
O Serviço Social enquanto sujeito coletivo tem uma
história, marcada pelas suas contradições de origem e suas
72
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
escolhas de futuro. Nascido sob o signo da alienação, conforme
Martinelli (1989) foi capaz de transpor os limites de sua
consciência histórica, pactuar com o movimento progressista que
carrega o germe do "novo" ainda que preso ao velho mundo.
Assim, a categoria profissional atua com os movimentos voltados
para a construção do pacto democrático no Brasil, com a
ampliação da cidadania, militando por políticas sociais
includentes.
No entanto, dentro da divisão sócio-técnica do trabalho o
Serviço Social ainda tem sua atuação mediada pela oferta das
políticas sociais, seus aparatos profissionais dependem dos
aparatos institucionais, tornando sua prática profissional
delimitada pelo conjunto de condições objetivas necessárias à
garantia dos direitos dos cidadãos. Neste sentido, para o Serviço
Social a luta pela efetividade das políticas sociais é também a
luta pela efetividade das condições necessárias a sua
prática/intervenção profissional.
O conjunto de habilidades e competências do Serviço
Social, legalmente reconhecidas, foram ampliadas com a
complexidade das questões que envolvem a gestão das políticas
sociais e a gestão da vida moderna.
O indivíduo moderno tornou-se mais complexo,
perpassado por um conjunto de necessidades que exige uma
capacidade de apreensão da dinâmica moderna. Os conjuntos de
demandas que se colocam ao Serviço Social incluem as
necessidades geradas pela situação de pobreza e abandono de
amplos segmentos sociais e as necessidades de autonomia, pela
ampliação dos campos de possibilidades criados na vida
moderna.
Assim, é um desafio para o Serviço Social incorporar na
sua formação teórico-crítica e prático-operativa a compreensão
das diferentes dimensões da questão social na complexa vida
moderna. Pensar o conjunto de necessidades sociais que se
colocam como campo potencial para a atuação profissional do
serviço social exige um profissional mais refinado, capaz de
compreender para além da brutalidade da pobreza, da exclusão
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
73
Lúcia Cortes da Costa
social, da violência, as possibilidades emancipatórias dos desejos
e das escolhas significativas.
Democracia não é prática restrita aos sujeitos coletivos,
ela interage com o singular, nas práticas cotidianas, onde o ser se
expressa em sua concretude histórica. É na prática diária e
reiterada da profissão que se coloca o desafio de contribuir para
democratizar as relações socais, interferindo na gestão das
políticas, serviços e programas sociais, interagindo com os
grupos de usuários e identificando suas demandas e os canais de
sua expressão dentro da sociedade.
A produção do conhecimento pelo serviço social, busca
avançar na compreensão da realidade social e de suas
contradições, com um sentido ético-político voltado para
contribuir na luta pela igualdade social, pela cidadania e pela
radicalização da democracia. Conforme Yazbek (2001, p.33) "o
debate acumulado no âmbito do Serviço Social situa a questão
social como elemento central na relação entre profissão e
realidade." Assim, compreender a lógica de formação e
desenvolvimento da sociedade capitalista e os impasses
colocados pelos conflitos sociais, é uma tarefa inerente à
profissão cujo campo de atuação se volta para as expressões da
questão social.
Summary: In this article if it considers an analysis on the social
problems and its implications in the current society. From a historical
approach the relation between the social problems argues, citizenship
and the emergency of the social politics. It argues the current
controversy between the focalization or universalize of the social
politics in Brazil.
Key words: Social problems; social politics; citizenship.
74
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Questão Social e Políticas Sociais em Debate
Referências
BARROS, Ricardo Paes de, CARVALHO, Mirela de. Desafios para a
política social brasileira. IPEA, texto para discussão nº 985. Rio de
Janeiro, 2003. Disponível em www.ipea.gov.br
BERMAN, Marhall. Tudo que é sólido desmancha no ar. A aventura da
modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. Crise econômica e reforma do
estado no Brasil: para uma nova interpretação da América Latina. São
paulo: Ed. 34, 1996.
COSTA, Lucia Cortes da. Os impasses do Estado capitalista: uma
análise da reforma do Estado no Brasil. São Paulo: Cortez; Ponta
Grossa: UEPG, 2006.
COUTINHO, Carlos Nelson. A democracia como valor universal.
Notas sobre a questão democrática no Brasil. São Paulo: Ciências
Humanas, 1980.
COUTINHO, Carlos Nelson. Marxismo e política. A dualidade de
poderes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 1996.
ELIAS, Norbet. A sociedade de indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Ed. 1994.
GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo:
Unesp, 1991.
MARTINELLI, Maria Lúcia. Serviço Social: Identidade e alienação.
São Paulo: Cortez, 1989.
MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Difel, 1984.
MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo:
Martins Fontes, 1983.
MARX, K. e ENGELS, F. O manifesto do partido comunista. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 2000.
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
75
Lúcia Cortes da Costa
POCHMANN, Márcio. A década dos mitos. O novo modelo econômico
e a crise do trabalho no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.
POCHMANN, Márcio. Atlas da exclusão social. Vol. 5: agenda não
liberal de inclusão social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2005.
RAICHELIS, Raquel. Esfera Pública e Conselhos de Assistência
Social. Caminhos da construção democrática. São Paulo: Cortez, 1998.
ROUSSEAU, Jean Jacques. Do Contrato Social. São Paulo: Martin
Claret, 2001.
ROUSSEAU, Jean Jacques. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova
Cultural. 1999.
YAZBEK, Maria Carmelita. Pobreza e exclusão social: expressões da
questão social no Brasil. Revista Temporalis, Ano II, nº 3. Br
76
Sociedade em Debate, Pelotas, 12(2): 61-76, jul-dez/2006
Fly UP