...

Boas Práticas de Manejo

by user

on
Category: Documents
5

views

Report

Comments

Transcript

Boas Práticas de Manejo
Boas Práticas de Manejo
Anita Schmidek
Hugo Durán
Mateus J. R. Paranhos da Costa
Boas Práticas de Manejo
Boas Práticas de Manejo
Anita Schmidek
APTA – Pólo Regional Alta Mogiana
Colina-SP
Hugo Durán
Allflex Identificação Animal
Mateus J. R. Paranhos da Costa
Departamento de Zootecnia, FCAV-UNESP,
Jaboticabal-SP
Jaboticabal-SP
Funep
2009
Ficha catalográfica elaborada pela Seção Técnica de Aquisição e Tratamento
da Informação – Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação - UNESP,
Câmpus de Jaboticabal.
S348b
Boas Práticas de Manejo, Identificação / Anita
Schmidek, Hugo Durán, Mateus J. R. Paranhos da CostaJaboticabal : Funep, 2009
39 p.: il. ; 19 cm
Não Inclui Bibliografia
ISBN 978-85-7805-032-0
1. Identificação - bovinos. 2. Bovinos de corte. 3.
Manejo racional - bovinos. I. Durán, Hugo. II. Paranhos da
Costa, Mateus J. R.. III. Título.
CDU 636.2
Desenho de Capa: Paulo Tosta
Diagramação e projeto gráfico: fielder.com.br
Partes deste manual foram redigidas com a colaboração dos Médicos Veterinários
Cleber Souza Silva (integrante da equipe técnica da Fort Dodge Saúde Animal) e
Renato dos Santos (consultor em manejo racional de bovinos, Paranavaí-PR)
Distribuição gratuita
www.grupoetco.org.br - www.fortdodge.com.br - www.beckhauser.com.br - www.allflex.com.br
Todos os direitos reservados.
Via de acesso Professor Paulo Donato Castellane, s/nº - Campus da Unesp - Bairro Rural - CEP: 14884-900,
Jaboticabal/SP, PABX: 16 3209-1300, www.funep.org.br
Desenvolvimento e validação deste manual
...........................................
06
A identificação de bovinos
...........................................
07
Métodos de identificação
...........................................
09
A tatuagem
...........................................
10
ÍNDICE
Os brincos de identificação
Equipamentos e materiais para a tatuagem
Planejando e organizando a tatuagem
Aplicação da tatuagem
...........................................
16
Planejamento e organização para a aplicação de brincos
Instalações e equipamentos
Animais e equipe de trabalho
A aplicação dos brincos
O processo de cicatrização e o risco de bicheiras
Cuidados após a aplicação de brincos
A marcação a fogo
...........................................
29
O planejamento da marcação a fogo
Realizando a marcação a fogo
A identificação passo a passo
...........................................
36
Considerações finais
...........................................
38
Agradecimentos
...........................................
39
Desenvolvimento e validação
deste manual
Este manual foi desenvolvido com base nos resultados de pesquisas realizadas pelo Grupo ETCO e na experiência de
várias pessoas que contribuíram para a sua elaboração. Foram cinco anos de estudos e de trabalho sobre a identificação
de bovinos, criando muitas oportunidades para a troca de experiências com técnicos, pecuaristas e vaqueiros.
As recomendações apresentadas neste manual
foram validadas em várias fazendas de bovinos de
corte, com destaque para a Estação Experimental
de Zootecnia de Sertãozinho e a Agropecuária
Jacarezinho.
Ainda assim, é provável que existam informações
a serem incluídas ou pontos a serem detalhados,
por isso solicitamos aos leitores que enviem suas
opiniões e sugestões, pelas quais agradecemos
antecipadamente.
6
A identificação de bovinos
Manter registros sobre as condições de criação e
sobre o desempenho dos rebanhos é uma importante
ferramenta de manejo e pode ser usada para aumentar
a eficiência na atividade pecuária. O monitoramento
de informações sobre ganho de peso, reprodução
e mortalidade, bem como sobre o uso de produtos
(vacinas, medicamentos, alimentos, etc.) e sobre as
condições das instalações e dos equipamentos
permite aos produtores avaliar o desempenho
de seus rebanhos, controlar os procedimentos de
manejo e identificar os pontos críticos que precisam
ser controlados. Dessa forma, fica mais fácil identificar
e resolver os problemas que ocorrem no dia-a-dia de trabalho em uma fazenda de bovinos de corte.
A identificação individual dos bovinos é um passo importante para qualquer sistema de registro de informações.
O ideal é que a identificação seja realizada o quanto antes, preferencialmente nos primeiros dias de vida do
bezerro ou logo após a chegada de um animal na propriedade.
7
A identificação é, geralmente, composta por um código, definido pela combinação de letras, números ou de
ambos, e é dado a um determinado animal. Este código deve garantir uma identificação única e positiva para cada
indivíduo, tornando possível diferenciá-lo dos outros animais do rebanho. O rebanho em questão pode ser aquele
que represente os animais de uma propriedade, ou a população de bovinos de uma determinada região ou até
mesmo de um país, como por exemplo, o rebanho brasileiro.
Uma identificação única significa que não haverá outro animal com o mesmo código de identificação dentro do
grupo considerado. Em outras palavras, não há códigos repetidos.
Uma situação clara de identificação não-positiva é quando o número de identificação de um animal não é lido ou
registrado corretamente, como, por exemplo, quando é registrado um número 2305, e o correto seria 2306.
O procedimento para identificação de bovinos, apesar de simples, requer que a equipe responsável pelo manejo
esteja bem treinada, que o trabalho seja realizado em instalações adequadas, usando equipamentos e materiais de
boa qualidade, que estejam em boas condições de uso e que o trabalho seja realizado com atenção e organização.
Importante: o manejo de identificação deve ser feito com segurança e tranquilidade, sem causar estresse e nem
sofrimento desnecessário aos animais.
8
Métodos de identificação
Os métodos de identificação mais comuns para bovinos
são: tatuagem, brinco (visual ou eletrônico) e marcação
a fogo. Existem outros métodos menos utilizados como,
por exemplo: o bolus intra-ruminal, marcação a frio,
cortes nas orelhas, colares de identificação e marcas nos
chifres. Neste manual serão apresentados os métodos de
tatuagem, brincos e marcação a fogo.
É importante reconhecer que todos estes métodos
têm limitações em seu uso e que a eficiência de cada
um é diretamente relacionada à forma pela qual são
aplicados na identificação de animais. Quanto melhor realizado o processo de identificação, menores serão os riscos
de perda e de duplicidade na identificação
9
A tatuagem
A tatuagem é um método de identificação permanente e
de fácil realização. Sua principal limitação é a dificuldade
para visualização do código, sendo necessária a contenção
dos animais para que a leitura seja feita com a precisão e a
segurança necessárias para um bom trabalho.
Em geral, este tipo de identificação é aplicado nos primeiros
dias de vida do bezerro, combinando-a, posteriormente, com
outro método, mais fácil de visualizar, em geral com os brincos
ou com a marcação a fogo.
NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO POR MEIO DE TATUAGEM
Equipamentos e materiais para a tatuagem
Existem basicamente dois tipos de equipamentos para realizar a tatuagem, que são muito parecidos com alicates. O alicate
de tatuagem mais comum tem uma almofada de borracha em um dos lados e uma estrutura na forma de trilho no outro,
onde são fixados os números, as letras ou os símbolos removíveis, gerando o código de identificação. Estes identificadores
(números, letras e símbolos) são formados pela combinação de agulhas metálicas. Uma das extremidades das agulhas fica
presa em um pequeno bloco de metal e a outra, mais fina, fica livre para furar a orelha do animal.
10
No outro tipo de alicate de tatuagem, o trilho é
substituído por uma estrutura rotativa. Nesse caso
os identificadores ficam presos, girando de forma
independente para compor o código de identificação
desejado. Neste tipo de alicate, o risco de perda dos
dígitos de identificação é menor, mas é mais difícil
substituí-los quando danificados.
Em ambos os casos, o código de identificação deve
ser trocado a cada animal tatuado. Essa troca deve ser
feita com muita atenção, sendo recomendado sempre
usar uma folha de papel para checar se o código está
correto, antes de furar a orelha do animal.
ALICATE DE TATUAGEM ROTATIVO
Não improvise, use apenas as tintas próprias para
tatuagem e de boa qualidade. Para animais com a
pele clara use tinta (ou pasta de tatuagem) de cor
preta e no caso de animais de pele escura, use tinta
de cor verde.
ALICATE DE TATUAGEM CONVENCIONAL
11
Planejando e organizando a tatuagem
Mantenha os equipamentos de tatuagem limpos e bem guardados. Se possível, guarde-os em um estojo com tampa,
colocando os códigos (números e letras) sempre em ordem crescente. Fazendo assim será mais fácil preparar o alicate
para fazer a tatuagem.
Antes de iniciar o manejo, verifique se os
equipamentos e os materiais estão em boas
condições de uso. Certifique-se de que o conjunto
de identificadores está completo. O alicate de
tatuagem deve estar limpo, alinhado e lubrificado.
Os códigos devem estar limpos, sem ferrugem, sem
outros resíduos e sem agulhas quebradas ou tortas. A tinta (ou a pasta de tatuagem) deve estar em boas condições
para fazer as tatuagens e ser suficiente para realizar o trabalho planejado.
O tamanho dos identificadores deve ser compatível com o tamanho da orelha dos animais. Use identificadores
pequenos para tatuar os bezerros, com isto os pontos da tatuagem não ficarão muito espaçados entre si quando o
animal se tornar adulto.
12
Aplicação da tatuagem
Para conseguir uma tatuagem legível e duradoura, realize os procedimentos com atenção e cuidado. A
facilidade para leitura depende da forma com que a tatuagem é realizada.
Prepare o alicate de tatuagem, com o código de identificação que o animal irá receber. Este procedimento
exige certa experiência, especialmente no caso dos alicates mais comuns, com os números ou letras soltas, pois
há o risco de colocar os identificadores de ponta cabeça ou na sequência errada.
Atenção! Antes de tatuar a orelha do animal faça um teste em um pedaço de papel, certificando-se
de que o código de identificação está correto.
No caso da aplicação de tatuagem em bezerros recém-nascidos, pode-se fazer a contenção manual, realizando
o trabalho no próprio pasto onde o animal se encontra. Para os animais mais velhos, recomenda-se conduzi-los
ao curral e realizar a tatuagem com os animais bem contidos, no tronco de contenção. Em ambos os casos
serão necessárias duas pessoas, para a contenção do animal e aplicação da tatuagem.
A tatuagem precisar estar bem posicionada na orelha. Não aplique-a em áreas com muitos pelos (bordas
das orelhas) e muito irrigada (com veias mais grossas). Em ambos os casos, o risco de tatuagens com baixa
qualidade é grande.
13
A posição ideal para a tatuagem em um bovino é entre as duas
nervuras principais, no centro da orelha. Atenção: esta posição não é
recomendada quando forem utilizados brincos como a segunda forma
de identificação; nesse caso, a tatuagem deve ser posicionada acima da
nervura superior ou abaixo da inferior, escolhendo a área menos irrigada
e com menos pelos.
Limpe bem o local a ser tatuado, pois a cera presente na cartilagem
prejudica a qualidade da tatuagem. Use, de preferência, um pano macio
com álcool. Se isto não for possível, limpe a área a ser tatuada com
os dedos. Após limpar o local da orelha, passe a tinta ou a pasta de
tatuagem, de forma a cobrir uma área um pouco maior que o tamanho
do código a ser tatuado. Com isto a tinta é levada pelas agulhas para
dentro dos furos, garantindo uma boa identificação.
Evite passar a tinta apenas após ter furado a orelha do animal, pois o sangue
que sai nos furos feitos pelas agulhas pode dificultar a penetração da tinta,
causando problemas de identificação.
14
Posicione as agulhas do tatuador sobre a área coberta pela
tinta e aperte, de modo que as agulhas perfurem a orelha.
Abra e retire o alicate com cuidado, para não comprometer a
tatuagem com arranhões ou rasgos.
Após retirar o alicate, passe a tinta novamente sobre a tatuagem.
Use um dedo ou uma pequena escova macia para espalhar a
tinta sobre o local tatuado, fazendo com que os furos fiquem
cheios de tinta. Os riscos de bicheiras e de problemas de
cicatrização na tatuagem são geralmente baixos.
PONTOS DE SANGUE NOS FUROS DA TATUAGEM
Nas primeiras semanas após realizar as tatuagens, mantenha
um monitoramento constante dos animais. Em condições
normais, evite manipular o local da tatuagem durante o
primeiro mês, ou até que esteja bem cicatrizado. No caso
de ocorrência de bicheiras ou inflamações, trate o animais
o quanto antes, seguindo as recomendações do veterinário.
Com a realização de um bom manejo, teremos uma tatuagem
legível e permanente.
BICHEIRA NO LOCAL DA TATUAGEM
15
Os brincos de identificação
A utilização de brincos para a identificação animal é
bastante comum, especialmente por ser um método de fácil
aplicação e de boa visibilidade.
Como para os demais métodos de identificação, é preciso
que os procedimentos para a aplicação dos brincos sejam
realizados de forma correta e segura, minimizando os riscos
de acidentes e de falhas no processo.
O principal ponto crítico da utilização de brincos é a falha
na retenção, resultando na perda da identificação dos animais. Há dois fatores principais que aumentam
os riscos de perdas de brincos: produtos de baixa qualidade e falhas nos procedimentos de aplicação.
Quando são utilizados brincos de boa qualidade, com a adoção de procedimentos corretos para sua
aplicação, espera-se uma retenção de, pelo menos, 97% dos brincos aplicados ao ano, como definido
pelo ICAR, o comitê internacional que avalia os sistemas de identificação para animais. Por exemplo, se
brincos de boa qualidade forem aplicados adequadamente em 100 animais, após um ano deve haver pelo
menos 97 animais com seus brincos.
16
Este resultado nem sempre é alcançado na prática, e as falhas de retenção podem ser muito altas, por
vezes maior que 30%. Isto pela combinação de utilização de produtos de baixa qualidade e de falhas
na execução dos procedimentos de manejo para aplicação dos brincos.
Há muita variação de qualidade nos brincos disponíveis no mercado. Assim, no momento da compra dos
brincos para identificar seus animais, escolha os de melhor qualidade, que devem apresentar as seguintes
características:
• Flexibilidade.
• Girarem livremente na orelha do animal.
• Espaçamento adequado (8 mm) entre as partes“macho” e “fêmea” do brinco,
garantindo boa aeração no local da aplicação.
• Formato que diminua o risco de enroscar em cercas e arbustos.
• Resistência à radiação solar.
• Números ou letras com boa impressão, que não apaguem com o tempo.
Assumindo que serão usados brincos de boa qualidade, o elemento chave para minimizar as perdas é a
realização de um bom procedimento de aplicação.
17
Apesar da aplicação de brincos parecer uma tarefa fácil, não se iluda. Para realizá-la com eficiência, é preciso
planejamento e organização. O trabalho deve ser feito por pessoas capacitadas, usando equipamentos e materiais
adequados e realizado de forma organizada e com os devidos cuidados de higiene. Se estas condições não
forem respeitadas há maior risco de falhas na execução dos procedimentos, aumentando também os riscos de
perdas de brincos e de erros na identificação dos animais.
Além disso, quando a aplicação de brincos é realizada sem os cuidados necessários, há maior risco de acidentes com
os trabalhadores e com os animais. Lembre-se! Brincos mal aplicados = brincos perdidos = prejuízos.
Planejamento e organização na aplicação de brincos
Sempre que possível procure aplicar os brincos na época mais seca e fria do ano.
Fazendo isto há menor risco de bicheiras, que
trazem prejuízos para a fazenda, perdas de
brincos e sofrimento aos animais.
Nos casos em que os brincos devem ser
aplicados na época de chuvas, é recomendada
a utilização preventiva de antiparasitários para o controle de bicheiras. Nesses casos deve-se também tomar mais
cuidado no monitoramento dos animais após a aplicação dos brincos.
18
Instalações e equipamentos
Para proceder à aplicação de brincos
em bovinos, não é necessário nenhum
tipo de instalação especial. Quanto
mais jovem for o animal, mais fácil será
sua contenção e, conseqüentemente,
mais simples o manejo para sua
identificação.
No caso da identificação de
bezerros recém-nascidos, a aplicação
CONTENÇÃO DOS BOVINOS PARA A APLICAÇÃO DOS BRINCOS
dos brincos pode ser feita no local
do nascimento, geralmente no pasto;
realizando a contenção manual, restringindo os movimentos do corpo e da cabeça. Para animais mais velhos, faça a
aplicação dos brincos no tronco de contenção. Contenha bem o animal, prendendo o pescoço, com a pescoceira,
o mais próximo da cabeça do animal, ao invés de fazê-lo na base do pescoço, próximo à paleta. No caso de
troncos de contenção com duas pescoceiras, faça o uso de ambas para conter o animal com a finalidade de
colocação de brinco.
19
É recomendado ter mais uma pessoa para conter a cabeça do animal, seja com as mãos ou com o uso de um cabresto
ou uma corda. Faça isto para prevenir os movimentos da cabeça, que dificultam o manejo e que podem resultar em
acidentes.
Atenção! A contenção dos animais deve ser mantida até que o alicate tenha sido retirado da orelha.
Movimentos bruscos nesse momento podem rasgar a orelha.
O mau posicionamento do alicate aplicador de brincos na orelha e a falta ou falhas na contenção dos bovinos
no momento da aplicação de brincos podem causar muitos problemas, dentre eles: fechar o brinco fora da orelha
(brinco perdido), rasgar a orelha do animal (que causa sofrimento desnecessário, aumenta o risco de perda do brinco
e exige cuidado do ferimento) e aplicar o brinco em local não recomendado (maior risco de perda do brinco).
Utilize o alicate aplicador recomendado pelo fabricante dos brincos.
Antes de iniciar a aplicação, certifique-se que os equipamentos estejam em boas condições para o trabalho. O
alicate aplicador deve estar limpo, lubrificado e alinhado (o que facilita o seu uso) e a agulha (onde se coloca a
parte “macho” do brinco) não deve estar solta ou torta (pois estas condições causam danos ao brinco e fazem com
que o mesmo não fique bem fixado).
20
No caso da agulha estar solta, aperte-a com
chave de fenda de tamanho apropriado. Agulhas
tortas devem ser trocadas. Dependendo do
aplicador utilizado, há uma agulha sobressalente
na parte interna do cabo, para substituição em
caso de necessidade.
AGULHA
FIXA RETA
AGULHA DE REPOSIÇÃO.
ENCONTRA-SE NA PARTE
INTERNA DO APLICADOR
Os animais e equipe de trabalho
Um ponto importante para o planejamento e para a organização do manejo de identificação é a definição de
quantos animais serão identificados em cada período de trabalho.
O manejo de identificação deve ser feito com calma. O objetivo é que a aplicação do brinco fique bem feita e
sem causar estresse desnecessário nos animais.
Quando a aplicação de brincos é realizada em 50 ou mais animais por hora é sinal de que o manejo está corrido,
com isto há aumento no risco de erros de aplicação e de identificação, o que aumenta a chance de perder
brincos.
21
A equipe de trabalho deve contar com pelo
menos quatro pessoas: uma delas deve ser
responsável pela organização e preparação
dos brincos para a aplicação (além de
realizar as anotações necessárias), duas seram
responsáveis pela contenção do animal (sendo
necessário um ajudante quando os animais são
mais agitados) e uma terceira pessoa terá a
responsabilidade de aplicar o brinco.
Outras pessoas podem ajudar na condução
dos animais dos currais até o tronco de
contenção, de forma a sempre manter um
animal pronto para ser identificado. Lembre-se! As pessoas envolvidas com o manejo devem estar bem treinadas,
e tanto o excesso como a falta de pessoas para conduzir o trabalho dificulta a sua realização.
Para a aplicação de dois brincos no mesmo animal, é recomendável contar com duas pessoas para realizar a
aplicação e dois alicates. Fazendo assim o trabalho será realizado sem pressa, além de reduzir o tempo de contenção
do animal, diminuindo o estresse.
22
A aplicação dos brincos
Durante os procedimentos para a aplicação dos brincos lembre-se sempre que o objetivo é estabelecer uma identificação
única e definitiva. Portanto, certifique-se que não há brincos com números repetidos e realize a aplicação da forma
correta. Trabalhe sempre com muita calma e atenção! Esta é a melhor forma para evitar erros.
O brinco deve ser posicionado na parte central da orelha e entre as duas nervuras principais, oferecendo boas
condições de retenção e de visualização. Para definir o local correto da aplicação, considere os dois pontos extremos
da orelha do animal, localizados na borda superior e na inferior, como indicado na figura abaixo. Trace uma linha
imaginária entre esses dois pontos (identificados como 1 e 2 da figura) e encontre nessa linha a posição central entre
as duas nervuras principais (em posição horizontal na orelha dos animais).
LOCAL DE APLICAÇÃO
BRINCO BEM POSICIONADO
23
Esse é o local de aplicação do brinco onde ele fica mais protegido dentro da orelha do animal, pois é o ponto de
maior resistência (com menor probabilidade de perdas) e de menor risco de enroscar em cercas ou arbustos, além
de permitir boas condições para leitura visual dos números.
Esta forma para definir a posição do brinco é válida tanto para animais de orelha pequena (como no gado
europeu) como para os de orelha grande, e mesmo para os de orelha muito grande (zebuínos).
Para a aplicação do brinco, mantenha o alicate
em posição vertical (em pé) em relação ao
solo, fazendo assim será possível aplicá-lo no
local correto da orelha. Quando se utiliza o
alicate aplicador na posição horizontal
(deitado), especialmente em zebuínos
adultos, o brinco é aplicado na ponta e não
no meio da orelha.
Evite problemas! Não aplique brincos nas pontas, nas partes de baixo ou de cima e nem sobre as nervuras
da orelha.
24
O processo de cicatrização e o risco de bicheiras
A completa cicatrização do furo ocorrerá em algumas semanas após a aplicação do brinco. Nesse período, com a
ferida aberta, há maior risco de infecções, inflamações e instalação de bicheiras, que podem fazer com que o brinco
caia ou tenha que ser removido.
Para reduzir esses riscos, aplique os brincos com muito cuidado e higiene. Não trabalhe com equipamentos e brincos
sujos de barro, fezes ou poeira. Utilize pastas repelentes de moscas (unguento) nas bases de ambas as partes
(“macho e fêmea”) dos brincos, mantendo uma camada desse
produto entre o brinco e a orelha do animal. Com isto esperase reduzir a presença de moscas na área lesionada.
Dependendo da incidência de bicheiras (que é muito variável
entre regiões, propriedades e setores de uma mesma propriedade,
e também varia em função da época do ano), será necessário
ampliar as ações preventivas para seu controle. Isto pode ser
feito, por exemplo, aplicando antiparasitário injetável com ação
especifica contra bicheiras de forma preventiva e de longo
efeito.
BICHEIRA NO LOCAL DE APLICAÇÃO DO BRINCO
25
Em situações de extremo risco de infestação, quando a frequência de aparecimento de bicheiras é alta, mesmo com a
adoção dos cuidados para evitá-las, é recomendado fazer furos nas orelhas dos bezerros, aproveitando o momento
do manejo de cura do umbigo.
Estes furos devem ser feitos
exatamente nos locais
onde serão aplicados os
brincos. Para isso, utilize um
furador (que já se encontra
disponível no mercado) ou
mesmo um vazador de couro.
O furador deve estar limpo,
sem ferrugem, bem afiado e
sem deformações na área de
corte.
1º Passo
2º Passo
3º Passo
4º Passo
O tamanho do furo é
muito importante, use
furadores com 6 mm de
diâmetro.
FURANDO A ORELHA DO BEZERRO AO NASCIMENTO
26
Furos menores que 5 mm fecham, devido à cicatrização, e os furos maiores (com 7 mm ou mais) aumentam os riscos de
perdas de brincos, pois com o crescimento dos bezerros, eles aumentam de tamanho.
Os brincos serão colocados
mais tarde, após a completa
cicatrização dos furos, de preferência
aproveitando um dos manejos de
rotina, como na vacinação ou na
desmama, por exemplo.
Logo após a colocação do brinco,
com o animal ainda contido, é
recomendada a aplicação de
FUROS APÓS CICATRIZAÇÃO
repelente de moscas em ambas as
partes (“macho” e “fêmea”). Dê preferência para repelente incolor para não manchar o brinco.
Lembre-se! Quando aplicamos brincos nos animais, estamos colocando um “corpo estranho” nas suas orelhas. Por isso
é necessário realizar inspeções periódicas para monitorar eventuais problemas e tomar ações para resolvê-los o quanto
antes. As inspeções devem ser frequentes nos primeiros 15 dias após a aplicação dos brincos (se possível diariamente)
e também quando há maior risco de infestação (quando faz muito calor e a umidade do ar é alta, em locais com alta
ocorrência de moscas e quando o brinco for aplicado muito próximo à cabeça do animal).
27
Identifique os animais com orelha sangrando,
inflamada ou “melada”, e também aqueles que
coçam ou balançam muito a cabeça e que
ficam apartados do rebanho. Leve-os ao
curral para uma inspeção mais cuidadosa.
Procure ovos e larvas de bicheira e, em caso
positivo, retire o brinco, aplique produto
larvicida no local e proceda a limpeza na área
afetada, retirando ovos e larvas. Em casos mais
graves, consulte um veterinário, pois pode
ser necessário o uso de antiinflamatórios e
antibióticos.
ANIMAL COM BICHEIRA NA ORELHA
28
A marcação a fogo
A marcação a fogo é o método mais comum para a identificação de bovinos, sendo usado para identificar a raça, o
proprietário do animal, o indivíduo e também a realização de certas práticas de manejo, como no caso da vacinação
de brucelose, por exemplo.
Do ponto de vista do bem-estar animal, a marcação a
fogo é desaconselhada, principalmente quando realizada
em partes mais sensíveis do corpo do animal, como na
cara, por exemplo. Todavia, seu uso é ainda muito
frequente e muitas vezes obrigatório, como no caso de
controle da brucelose, justificando assim a inclusão desta
metodologia neste manual.
Quando bem feita, a marca a fogo é permanente
e de fácil visualização. Entretanto, é um método que
traz risco para os animais, podendo, quando mal feito,
causar lesões graves por queimadura, resultando em dor
e sofrimento intensos.
29
Isto pode ser facilmente percebido em manejos posteriores, quando os animais são conduzidos novamente para o
local onde foram marcados (geralmente o curral), quando ocorre uma maior frequência de animais que empacam ou
refugam. Além disso, sempre há o risco de ferimentos graves por queimadura tanto para os animais como para as
pessoas envolvidas com o manejo.
O planejamento da marcação a fogo
Antes de realizar a marcação a fogo, esteja certo de que a pessoa responsável tenha experiência, que está bem treinada
em boas práticas de manejo e em condições para executar o trabalho. Os maiores riscos com este tipo de identificação
ocorrem quando realizada por pessoas inexperientes, trêmulas, cansadas ou que não se importam com os animais.
É importante trabalhar com equipamentos (grelhas e ferros de
marcar) de boa qualidade e em boas condições de uso. Assegurese que o grelhas (também conhecida por fogareiro ou queimador)
e os produtos combustíveis (madeira, carvão ou gás) a serem
usados para o aquecimento dos ferros sejam adequados e em
quantidade suficiente para realizar o trabalho.
30
Existem diversos modelos de grelhas para aquecer os ferros. Dê preferência para os modelos que possibilitem ordenar
os ferros em ordem crescente, fazendo com que o trabalho fique mais fácil e diminua os riscos de erros. Recomenda-se
que os ferros de marcar tenham 8 cm de diâmetro, não ultrapassando 11 cm. Devem possuir cantos arredondados e ter
o seu desenho segmentado, com cortes na marca, principalmente nas curvas e cantos.
Antes de iniciar o trabalho verifique se o jogo de ferros de marcar está completo, com todos os números ou letras
necessários para a identificação, e se não há ferros quebrados ou desgastados pelo uso. Ferros desgastados ficam mais
finos e ao serem usados podem cortar a pele dos animais, ferindo-os gravemente.
Realizando a marcação a fogo
A marcação a fogo deve ser realizada em locais de fácil
visualização, de menor impacto para o animal (áreas de
menor sensibilidade à dor) e que minimizem os danos ao
couro, sendo seu posicionamento no corpo do animal
definido por lei, pelas associações de criadores ou pelo
Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento
(devendo se usada nos membros anteriores ou posteriores
abaixo da linha do ventre).
31
As marcas de registro genealógico e de vacinação de brucelose são geralmente aplicadas na cara dos
animais, apesar de ser a área de maior concentração de terminações nervosas, resultando em maior sensação
de dor.
Sempre que possível evite fazer marcação a fogo na cara do animal; porém, quando for necessário este
tipo de marcação, proteja o olho do animal no momento de marcar. Preferencialmente, use luvas de couro
e tampe o olho dele.
Lembre-se! A marcação a fogo é uma agressão à pele do animal, portanto deve ser realizada com
muito cuidado e atenção para evitar sofrimento desnecessário e para garantir que a identificação ficará
bem feita.
Não realize a marcação a fogo em dias de chuva, nem em animais com os pelos molhados ou sujos de
lama ou excrementos. Quando o ferro quente é aplicado sobre o pelo úmido ou sujo ele perde calor
rapidamente, o que dificulta a marcação, deixando a marca borrada ou sendo necessário repetir a aplicação
do ferro quente sobre o corpo do animal.
Atenção especial deve ser dada às fêmeas, pois quando estressadas ela urinam mais e com isto molham as
caudas, que, ao serem agitadas, molham também as pernas traseiras, geralmente no local onde a marcação
a fogo será feita.
32
Pelo mesmo motivo é recomendado que a acomodação dos animais no curral se dê com lotes pequenos,
evitando que fiquem muito encostados uns nos outros, se molhando com urina ou se sujando com fezes.
Posicione a grelha em local próximo ao tronco
de contenção (ou do local onde será realizada a
marcação), esteja seguro de não haver riscos de que
pessoas ou animais tropecem ou trombem com a
grelha durante sua movimentação para realizar o
trabalho ou na tentativa de fugir.
Acenda o fogo para esquentar as marcas. Para
saber a temperatura ideal para realizar a marcação,
observe a cor da marca que está no fogo. Enquanto
o ferro estiver preto, é sinal que ainda está frio, nessa
condição o ferro pode estar quente o suficiente para queimar os pelos, mas não para deformar a sua raiz, o
que é essencial para uma marca duradoura. O ferro deve estar em brasa, vermelho, que é o sinal que está
quente o suficiente para produzir uma boa marca, sem necessidade de ser aplicado novamente.
33
Para fazer uma boa marca a ferro, é muito importante que o animal esteja bem imobilizado. Isto deve
ser feito preferencialmente no tronco de contenção.
Na ausência deste, contenha o animal, deitando-o e
amarrando-o.
Para um trabalho mais seguro, após conter o animal
no tronco, com a utilização da pescoceira e vazieira
(ou parede móvel, dependendo do tipo de tronco de
contenção utilizado), dobre a base da cauda do animal
para cima e para frente, formando um arco. Fazendo
isto você terá uma imobilização mais efetiva do animal.
Isto ocorre porque, ao dobrar a cauda, exercemos
uma certa pressão sobre um feixe de nervos que controla os movimentos dos membros posteriores,
reduzindo sua movimentação. Cuidado, não faça força excessiva e nem torça a cauda do animal, pois isto
causa dor e, em casos extremos, pode levar a uma fratura.
34
Com o animal bem contido, pegue o ferro quente com o número desejado, posicione a marca de maneira
firme no local correto e pressione, sem muita força, contra o corpo do animal. Procure distribuir a pressão por
igual, evitando que uma extremidade do ferro fique mais pressionada que outras no corpo do animal.
No caso do animal estar muito agitado, espere um pouco para que ele se acalme antes de posicionar a
marca.
Os movimentos para aplicação da marcação a fogo devem ser firmes e consistentes. Não faça movimentos
bruscos com o braço durante a marcação, pois pode ferir o animal e borrar a marca.
Manter o ferro sobre a pele por muito tempo causa dor desnecessária e queimadura excessiva. Além
disso, vai causar um ferimento no local da marca, que
demora mais tempo para cicatrizar.
Quando o ferro for retirado, a marca no corpo do
animal deve apresentar coloração marrom e não deve
ter feridas abertas (com sangramento).
35
A identificação passo a passo
1- O manejo de identificação deve ser feito com planejamento e organização.
2- Defina previamente o tipo de identificação a ser utilizado, onde o trabalho será realizado, quais animais serão
identificados e quem será o responsável pelo trabalho.
3- Verifique com antecedência se as instalações, equipamentos e materiais estão disponíveis, limpos e em boas
condições de uso. Utilize sempre equipamentos e materiais de boa qualidade.
4- Os responsáveis pelo manejo devem estar bem treinados e orientados sobre os procedimentos para a identificação
dos bovinos.
5- Antes de iniciar o trabalho defina as funções de cada integrante da equipe.
6- Defina um ritmo de trabalho para assegurar que a identificação será bem feita. Não tenha pressa, realize o
trabalho com muita calma e atenção.
7- Com exceção dos bezerros recém-nascidos, todos os animais devem ser conduzidos ao curral para realizar a
identificação; de preferência, utilizando um tronco de contenção. Só realize a identificação com o animal bem
contido!
8- Conduza os animais para o curral com cuidado, sem correr nem gritar.
9- Organize os números (ou códigos) de identificação para facilitar sua utilização.
10- Evite erros! Esteja certo de que o código de identificação é o correto antes de aplicá-lo no animal.
11- Monitore os animais regularmente após a identificação, faça-o de forma mais frequente nas primeiras semanas e
em situações de maior risco de bicheiras.
12- No caso do animal estar muito agitado, espere um pouco para que ele se acalme antes de posicionar a marca.
13- No caso de ocorrência de bicheiras ou inflamações, trate o animal o quanto antes, seguindo as recomendações
do veterinário.
36
A tatuagem
14- Não tatue em cima das nervuras nem em áreas com veias grossas e com muitos pelos.
15- Limpe bem o local da orelha onde será aplicada a tatuagem.
16- Passe a tinta no local que será tatuado. A área coberta pela tinta deve ser maior que a tatuagem.
17- Use tinta preta para animais com a pele clara e verde para os de pele escura.
18- Posicione o alicate tatuador no local correto. Pressione até furar a cartilagem da orelha.
19- Retire o alicate tatuador com cuidado. Passe mais tinta sobre a tatuagem, esfregando suavemente.
A aplicação de brincos
20- É recomendado fazer a aplicação de brincos em meses mais frios e secos.
21- Em períodos de chuva e calor recomenda-se furar a orelha do bezerro antes da aplicação do brinco, o furo
deve ser de 6 mm. Coloque o brinco apenas após a cicatrização do furo.
22- O alicate aplicador deve ficar na posição vertical (“em pé”), evite a posição horizontal (“deitado”).
23- Aplique o brinco na parte central da orelha e entre as duas nervuras principais.
A marcação a fogo
24- Não realize a marcação a fogo em dias de chuva, nem em animais com os pelos molhados ou sujos de lama ou
excrementos.
25- O ferro deve estar bem quente, em brasa (vermelho).
26- Posicione a marca de maneira firme no local correto e pressione, sem muita força, por alguns segundos. Não
faça movimentos bruscos.
37
Considerações finais
Adotando as recomendações aqui sugeridas,
obtém-se uma identificação eficiente e segura,
tanto para obter uma boa retenção da identidade
do animal, como em relação ao menor risco de
acidentes.
Tais recomendações, via de regra, não acarretam
em aumentos de custos nem de tempo para realizar
o manejo. Tenha em conta que quando
o manejo é realizado com pressa há maior risco
de contratempos e de acidentes, que diminuem
a qualidade da identificação e demandam mais
tempo para resolvê-los. Assim, quando o manejo de identificação é realizado com cuidado e sem pressa,
o serviço é de melhor qualidade e realizado em menor tempo. Lembre-se! Prevenir é melhor que
remediar.
38
Agradecimentos
Especial agradecimento a Cleber Silva e Renato dos Santos pela contribuição no conteúdo deste manual e a todos
os integrantes do Grupo ETCO, que colaboraram com este trabalho, ora atuando na coleta de dados ora na
revisão deste manual; demonstrando companheirismo e cooperação sempre. As fotos utilizadas neste manual são de
autoria de integrantes do Grupo ETCO (Anita Schmidek, Mateus J. R. Paranhos da Costa e Murilo Henrique
Quintiliano) e das equipes técnicas da Allflex, Beckhauser e Fort Dodge.
Agradecemos também aos pesquisadores e funcionários da Estação Experimental de Zootecnia de Sertãozinho
onde grande parte de nossas pesquisas sobre a identificação de bovinos foram realizadas.
Muitas das recomendações propostas neste manual foram inspiradas, desenvolvidas ou testadas em propriedades
particulares. Agradecemos aos proprietários e funcionários dessas fazendas (Agropecuária Jacarezinho, Fazenda
Germânia, Fazenda Mariópolis, Fazenda Paredão, Fazenda São Pedro) pela oportunidade e hospitalidade.
Os Frigoríficos Marfrig, Minerva e Estrela d´Oeste abriram suas portas para que realizássemos a avaliação do
posicionamento de brincos em animais comerciais.
39
REALIZAÇÃO:
unesp
Fly UP