...

Educação Ambiental - A Criança Como Um Agente Multiplicador

by user

on
Category: Documents
13

views

Report

Comments

Transcript

Educação Ambiental - A Criança Como Um Agente Multiplicador
Cássia Maria Vieira Martins da Cunha Menezes
Educação Ambiental: a criança como um agente multiplicador
São Caetano do Sul
2012
Cássia Maria Vieira Martins da Cunha Menezes
Educação Ambiental: a criança como um agente multiplicador
Monografia apresentada ao curso MBA em Gestão
Ambiental e Práticas de Sustentabilidade, da Escola
de Engenharia Mauá do Centro Universitário do
Instituto Mauá de Tecnologia, para obtenção do
título de Especialista.
Orientador: Prof. Dr. Mauro Silva Ruiz
São Caetano do Sul
2012
MENEZES, Cássia Maria Vieira Martins da Cunha
Educação Ambiental: a criança como um agente multiplicador/
Cássia Maria Vieira Martins da Cunha Menezes - São Paulo, 2012.
46 p.
Monografia — MBA em Gestão Estratégica em Meio Ambiente.
Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, São Caetano
do Sul, SP, 2012.
Orientador: Prof.º Dr.º Mauro Silva Ruiz
1. Educação ambiental 2. Escola I Centro Universitário do Instituto
Mauá de Tecnologia II. Título.
DEDICATÓRIA
Com carinho dedico este trabalho às pessoas mais importantes
da minha vida...
Ao meu pai, Jaime Martins (in memoriam), por sua visão
eclética sempre voltada para a busca do conhecimento.
À minha mãe, Nelly M. V. Martins, pelo exemplo de esforço
diário como profissional focada.
Ao meu esposo, Aleixo L. C. Menezes por me incentivar a
continuar estudando e ter caminhado junto comigo não apenas
como companheiro de vida, mas também como colega de classe
nesta etapa de pós-graduação.
Aos nossos três filhos: Isabella, Carolina e Linneu que sempre
estiveram presentes compreendendo a necessária dedicação a
este estudo, assim como o apoio em momentos de reflexão sobre
o que é a Educação Ambiental na visão de uma criança ou um
adolescente, fato divisor de águas, pois nem sempre a minha
visão de adulto estava correta sobre o que eles, enquanto jovens
estudantes esperam de um educador e da transmissão deste
conhecimento!
AGRADECIMENTOS
A Deus, pois este trabalho foi pensado, desenvolvido e
fundamentado no intuito de servir ao progresso continuo e
sustentável da vida em nosso planeta!
Ao Instituto Mauá de Tecnologia, pela oportunidade de aprender
com consciência e conhecimento através de seus valorosos
profissionais, sempre prestativos, oferecendo todo o suporte para
a realização e conclusão deste trabalho ao longo dos caminhos
da Gestão Ambiental e das Práticas de Sustentabilidade.
Em especial ao meu orientador, Prof. Dr. Mauro Silva Ruiz,
coordenador do curso, que com sua dedicação à questão da
educação e o incentivo na busca de possibilidades para um
futuro melhor, abriu várias oportunidades, não apenas de
conhecimento acadêmico, mas de vivências profissionais onde
obtive a certeza do quanto quero me dedicar como profissional a
continuidade e a aplicação desta pesquisa em nossa sociedade.
E ao Prof. Roberto Domenico Lajolo, também coordenador do
curso, por sua constante participação e disponibilidade em
acompanhar e orientar no desenvolvimento de nossas atividades
acadêmicas.
Meu agradecimento à direção das escolas visitadas pela
permissão em conhecer seu importante trabalho educacional
voltado ao cuidado com o meio ambiente e a seus profissionais
por sua dedicação a arte de educar com a consciência focada
para um mundo melhor. Por fim, aos bibliotecários que tanto
contribuíram na localização das informações necessárias a este
trabalho.
RESUMO
A questão ambiental, nos últimos anos, tem estado mais presente no cotidiano das pessoas,
propiciando uma nova visão do mundo em que vivemos. Essa conscientização vem sendo
despertada cada vez mais cedo, no ambiente escolar, via ações de educação ambiental.
Atualmente as escolas estão começando a dar uma crescente importância ao assunto, com
destaque para o incentivo de dirigentes e educadores em algumas iniciativas. O objetivo deste
estudo é avaliar como a educação ambiental vem sendo tratada no ensino infantil e
fundamental ante a perspectiva dos alunos se tornarem futuros agentes multiplicadores nesta
área. Para a consecução deste objetivo, efetuou-se uma revisão da literatura sobre o assunto e
conduziu-se entrevistas e observações diretas em duas escolas. A partir desse entendimento,
destaca-se neste estudo a importância da escola na divulgação de conhecimento via ações de
Educação Ambiental, geralmente abordando assuntos envolvendo a interação homem–
natureza de forma transversal entre as disciplinas existentes. Observou-se que os educadores
das duas escolas estudadas são conscientes da importância do assunto, dedicando atenção
especial em atividades que envolvem conscientização e respeito ao meio ambiente.
Palavras-chave: Educação Ambiental. Desenvolvimento Sustentável. Meio Ambiente.
Educação Infantil.
ABSTRACT
The environmental issue in recent years has been present in everyday life of our society,
providing new elements for awareness of mankind as it regards respect to nature. As an
example, some kindergarten and elementary schools are providing the basics of
environmental education to their students via some practices and experiments. Presently, this
issue has been growing up in importance as it has been deserving more attention from both
elementary schools´ heads and professors. It seems that some schools are beginning to explore
the subject due to the encouragement of both their heads and educators. The objective of this
study is to make a preliminary assessment of how environmental education is being treated in
kindergarten and elementary education taking into perspective that these kids will be the
future multipliers in this area. This assessment was supported by a literature review on the
subject and also on both interviews and observations carried out in two different schools.
Based on this preliminary understanding, this study highlights the importance of school in
disseminating knowledge through Environmental Education practices, usually addressing
issues involving the interaction man - nature transversely in the existing disciplines. It was
observed that the teachers of the two schools analyzed are aware of the importance of the
subject, devoting special attention to activities that involve awareness and respect for the
environment.
Keywords: Environmental Education. Sustainability. Environmental Management. Childhood
Education.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
FIGURA 1 -
QUADRO 1 QUADRO 2QUADRO 3 QUADRO 4 -
Esquema ilustrativo dos elementos-chave da EA
28
Síntese dos aspectos relevantes em EA destacados por autor quanto
às práticas cognitivas e observações dos estímulos que as crianças 25
recebem.
Síntese de alguns aspectos destacados por autores sobre o papel da
escola e do ambiente escolar na formação da criança como agente 27
multiplicador.
30
Ações de EA da Escola A
32
Ações de EA da Escola B
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
CEAM
Coordenadoria de Educação Ambiental
CEDES
Centro de Estudos Educação e Sociedade
CNE
Coordenadoria Nacional de Educação
CEPAM
Centro de Estudos e Pesquisa de Administração Municipal
CETESB
Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental
CNUMAD
Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente
CONAMA
Conselho Nacional do Meio Ambiente
EA
Educação Ambiental
EE
Environmental Education
EMEB
Escola Municipal de Educação Básica
EUA
Estados Unidos da América
IBAMA Ins Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis
IMT
Instituto Mauá de Tecnologia
ISO
International Organization for Standardization
MEC
Ministério da Educação e Cultura
MMA
Ministério do Meio Ambiente
ONU
Organização das Nações Unidas
PCN
Parâmetros Curriculares Nacionais
PNEA
Política Nacional de Educação Ambiental
PNUMA
Projeto das Nações Unidas para o Meio Ambiente
PROPACC
Proposta de Participação-Ação para a Construção do Conhecimento
ROW
River of Words
SEE
Society for Environmental Education
SEF
Secretaria de Educação Fundamental
SGA
Sistema de Gestão Ambiental
UNESCO
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
SUMÁRIO
1
INTRODUÇÃO
11
1.1
OBJETIVO
12
1.2
METODOLOGIA
12
2
A EMERGÊNCIA DA QUESTÃO AMBIENTAL
O SURGIMENTO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA
3
NA EDUCAÇÃO
OBRAS
REFERENCIAIS PARA A APLICAÇÃO PRÁTICA DA
4
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO INFANTIL E
5
FUNDAMENTAL
A CRIANÇA COMO AGENTE MULTIPLICADOR DO
6
CONHECIMENTO
QUATRO ELEMENTOS-CHAVE PARA A INSERÇÃO DA EA NO
7
ENSINO INFANTIL E FUNDAMENTAL
7.1
PRIMEIRO ELEMENTO-CHAVE: A ESCOLA
7.1.1 A “Escola A” e suas atividades
13
15
19
22
25
28
29
29
7.1.2 A “Escola B” e suas atividades
31
7.2
SEGUNDO ELEMENTO-CHAVE: A PEDAGOGIA
34
7.3
TERCEIRO ELEMENTO-CHAVE: OS ESTÍMULOS
34
7.4
QUARTO ELEMENTO-CHAVE: A CASA DO ALUNO
35
7.5
ANÁLISE DAS ATIVIDADES DAS ESCOLAS “A” E “B”
36
8
CONSIDERAÇÕES FINAIS
38
REFERÊNCIAS
40
11
1
INTRODUÇÃO
Nas últimas décadas as questões ambientais ganharam uma maior relevância na nossa
sociedade, inclusive nos meios estudantis, onde, principalmente o educador, teve de
atualizar-se através da obtenção de informações e aprendizado que o qualificasse a
desempenhar, da melhor forma possível, o seu papel nessa nova realidade da educação.
Esta educação que busca estimular o aluno, a olhar ao seu redor, também ensina que ele é
parte integrante do meio, e é neste ponto que a educação ambiental entra na vida escolar
desta criança, oferecendo a ela a possibilidade de entender e interagir com o meio em que
habita, com respeito e consciência.
A batalha da formação do homem pode ser definida como vencida ou vencedora
na Educação Infantil e, também, no Ensino Fundamental. É nesse mundo, cujas
lembranças carregamos num lugar especial de nossos corações, que se travou a
mais bela batalha para se erguer e afirmar o que somos hoje (BRANCO, 2007,
p.5).
Assim sendo, como parte do conjunto de esforços para a formação de pessoas para um novo
modelo de sociedade, a Educação Ambiental tem a sua relevância, atribuída por diversos
autores, no sentido de conscientizar as pessoas, principalmente as futuras gerações, da
importância de garantir a sustentabilidade do planeta, através da preservação ambiental.
No Brasil, esse aspecto pôde ser observado em dois documentos. O primeiro feito em 1992,
a Carta Brasileira para a EA, formalizada na Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e
Desenvolvimento, realizado na cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 03 e 14 de junho de
1992, intitulada Rio-92, ou cúpula da terra (O GLOBO, 2012), onde uma das considerações
é descrita da seguinte forma: “(...) a EA é componente imprescindível do desenvolvimento
sustentável”, (DIAS, 2004, p.50). O segundo documento é de 1999 e trata-se da Lei
9.795/99 - Política Nacional de EA, a partir desta Lei houve o desenvolvimento do
Programa de EA dos Ministérios do Meio Ambiente e da Educação.
No entendimento de Dias (2006), a educação ambiental é um processo permanente, através
do qual os indivíduos e a comunidade se conscientizam do seu meio ambiente, adquirindo
valores, conhecimento, experiências e determinação que os capacitam a atuar de forma
individual e coletiva, no sentido de solucionar problemas ambientais do presente e do futuro.
A partir deste entendimento, no transcorrer do presente trabalho será estudada, através da
utilização da pesquisa bibliográfica e da observação não participativa, de que forma a EA é
compreendida por professores e alunos do ensino infantil e fundamental e quais são algumas
das metodologias aplicadas para conscientizar o aluno e torná-lo um agente multiplicador
12
dessa informação, buscando responder à questão da criança como um possível agente
multiplicador deste conhecimento.
1.1 OBJETIVOS
O presente trabalho procura investigar preliminarmente, via pesquisa bibliográfica e análise
exploratória, como a Educação Ambiental é atualmente aplicada para alunos do ensino
infantil e fundamental e, à luz dos resultados obtidos, fazer algumas considerações sobre
como a partir desses aprendizados esses alunos poderão, eventualmente, se transformar em
agentes multiplicadores de EA no futuro.
1.2 METODOLOGIA
Para o desenvolvimento do trabalho foram definidas duas etapas, quais sejam, documental e
bibliográfica; e exploratória, descritas como segue:
(i) Revisão bibliográfica e documental – revisão de publicações que abordam a educação em
relação ao meio ambiente, onde podemos destacar alguns autores como: Almeida (2007),
Barbieri (2011), Berna (2008), Branco (2007), Capra (2006), Dias (2002, 2004, e 2006),
Freire (1980 e 1996) e Gadotti (2000), dentre outros. Esta etapa possibilitou a construção da
base necessária para um entendimento histórico da educação ambiental e o que há de
estudos dirigidos ao objetivo desta monografia, que é a criança como possível multiplicador
do conhecimento.
(ii) Exploratória – visitas programadas às duas instituições de ensino, infantil e fundamental
(uma pública e outra privada), em que a autora utilizou um questionário aberto para a
condução de entrevistas e um roteiro de observação não participante. A observação não
participante foi utilizada como uma técnica complementar de pesquisa às entrevistas.
A observação é uma técnica de coleta de dados para conseguir informações e
utiliza os sentidos na observação de determinados aspectos da realidade. Não
consiste apenas em ver e ouvir, mas também examinar fatos e fenômenos que se
desejam estudar. (...) A observação ajuda o pesquisador a identificar e a obter
provas a respeito de objetivos sobre os quais os indivíduos não têm consciência,
mas que orientam seu comportamento (MARCONI e LAKATOS, 2005, p. 192193).
Ambos os instrumentos de pesquisa foram elaborados com o propósito de avaliar
preliminarmente como a educação ambiental vem sendo abordada nas escolas, já que se
partiu do pressuposto que os alunos das escolas do ensino infantil e fundamental serão
eventuais agentes multiplicadores de EA no futuro.
13
2
A EMERGÊNCIA DA QUESTÃO AMBIENTAL
Desde o início da formação das primeiras sociedades, o homem tem privilegiado o princípio
utilitarista na sua abordagem em relação ao meio ambiente, tendo este como um mero
fornecedor de recursos.
A partir da Revolução Industrial, ocorrida na segunda metade do século XVIII, na
Inglaterra, iniciou-se um período de industrialização inédito para a humanidade (BORGES e
TACHIBANA, 2005, p. 2), que além da extração de matérias primas, obtidas junto à
natureza, também iniciava o processo de produção e consumo de combustíveis fósseis.
Destaca-se também a geração de resíduos provenientes desta industrialização, que
aprofundou a preocupação com a questão ambiental.
Já no século XX, de acordo com Hawken et al. (1999 apud BORGES e TACHIBANA,
2005, p. 2), mais precisamente na sua primeira metade, a humanidade presenciou uma
deterioração ambiental nunca vista anteriormente, com o povoamento das cidades e a
mecanização da produção agrícola, onde a mata nativa e o seu ecossistema, davam lugar à
expansão da mancha urbana e à atividade agropecuária.
Em função dessa deterioração do meio ambiente, ocorreram acidentes ambientais em alguns
países, como no Japão, em 1954, com a contaminação causada pelo mercúrio na baía de
Minamata; nos Estados Unidos, em 1979, na usina nuclear de Three Miles Island e também
no Brasil, em Cubatão, cujo complexo petroquímico gerava uma intensa poluição que
causava sérios problemas de saúde à população (RIZZO, 2012).
Estes eventos alertaram o mundo para a necessidade da conservação ambiental, já previsto
há alguns anos pela Organização das Nações Unidas – ONU, através da realização da
Conferência Científica da ONU sobre a Conservação e Utilização de Recursos, em 1949, e
com a Conferência sobre a Biosfera, realizada em Paris, em 1968. Também a publicação do
Relatório Limites do Crescimento, elaborado pelo Clube de Roma e a Conferência de
Estocolmo, em 1972 (I CNUMAD – I Conferência das Nações Unidas para o Meio
Ambiente e Desenvolvimento) foram importantes eventos para a deflagração de uma
consciência ecológica em nível mundial (ANDRADE et al., 2000 apud BORGES e
TACHIBANA, 2005, p. 3).
Diante dessa preocupação dos organismos internacionais e devido ao agravamento dos
problemas ambientais em âmbito global, regional e local, tem-se demandado ações técnicas,
políticas e educacionais por parte de países, governos e autoridades em diversos níveis,
dentre elas, ações de educação aos cidadãos, empresas e órgãos públicos, dentre outros.
14
A situação atual determina uma sociedade mais participativa e crítica no âmbito das políticas
públicas, para tanto é importante o fortalecimento do fator educacional como ferramenta
para o desenvolvimento da conscientização das questões ambientais.
Neste contexto, a Educação Ambiental (EA), um tema recente e que tem como objetivo
formar cidadãos cientes das suas responsabilidades na relação com o meio ambiente
constitui uma importante ferramenta para o ensino e a conscientização das novas gerações.
15
3
O SURGIMENTO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA
EDUCAÇÃO
De modo à melhor explicar o surgimento e a evolução da educação ambiental, será
apresentado, a seguir, um panorama cronológico de fatos importantes neste contexto e que
contribuíram, de forma decisiva, para a sua consolidação.
Segundo Dias (2004), Patrick Geddes, considerado o pai da Educação Ambiental, defendeu,
em 1889, que “(...) uma criança em contato com a realidade do seu ambiente não só
aprenderia melhor, mas também desenvolveria atitudes criativas em relação ao mundo em
sua volta” (DIAS, 2004, p. 29).
No ano de 1945 a expressão Environmental Studies
(Estudos Ambientais) entra para o vocabulário dos profissionais do ensino na Grã-Bretanha,
mas é durante a Conferência em Educação na Universidade de Keele, Grã-Bretanha, em
1968, que surge o termo Environmental Education (Educação Ambiental), sendo que, ao
longo dessa conferência é também recomendada a fundação da Society for Environmental
Education – SEE (Sociedade para a Educação Ambiental). No mesmo ano, Albert Schwitzer
ganha o Prêmio Nobel da Paz, por seu trabalho sobre ética ambiental, enquanto o Brasil, por
sua vez, se achava imerso no regime ditatorial e ainda distante da preocupação internacional
com o meio ambiente (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2012). Nesse mesmo ano a
UNESCO desenvolveu um programa pioneiro, que está em vigor até hoje, intitulado
“Homem e Biosfera”, onde é discutida a relação da EA afinada com o movimento pelo
desenvolvimento sustentável (BARBIERI E SILVA, 2011, p. 19).
Ainda no ano de 1968, também teve lugar o “O Clube de Roma”, onde um grupo de trinta
pessoas entre humanistas, economistas, biólogos, cientistas, educadores e políticos de
diferentes países se reuniram, na cidade de Roma, Itália, para discutir os dilemas atuais e o
futuro do homem. Como resultado do encontro foi produzido, em 1972, através de um grupo
de pesquisadores liderado por Dennis L. Meadows, o primeiro relatório denominado The
limits to growth (Os limites do crescimento). Este relatório apresentou uma perspectiva do
que poderia ocorrer se a sociedade, em franca expansão e sem critérios, continuasse a usar
sem cautela, os recursos naturais (CÂMARA MULTIDISCIPLINAR DE QUALIDADE DE
VIDA, 2012). Por ter uma abordagem, de certa forma catastrófica, este trabalho causou um
impacto internacional e o início de uma conscientização em relação ao meio ambiente
(MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2012).
No ano de 1972, também ocorreu a Conferência de Estocolmo ou Conferência da ONU
sobre Ambiente Humano, que apresentava como objetivo: “(...) estabelecer uma visão global
16
e princípios comuns que servissem de inspiração e orientação à humanidade para a
preservação e melhoria do ambiente humano” (INSTITUTO EMBRATEL, 2012, p.1).
Destacando a importância da Educação Ambiental, em 1975, a Organização das Nações
Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), através da Conferência de
Belgrado, Iugoslávia, promoveu um encontro internacional de EA, com os seguintes
objetivos que, segundo Dias (2004), foram:
• Elevar a conscientização e sensibilidade em relação ao meio ambiente;
• Propiciar uma compreensão básica, principalmente com relação às influências do ser
humano e de suas atitudes;
• Propiciar mudança nas atitudes;
• Proporcionar condições para que os indivíduos e grupos sociais adquiram as
habilidades necessárias a esta participação ativa;
• Estimular a avaliação das providências efetivamente tomadas em relação ao MA e os
programas de EA;
• Desenvolver o senso de responsabilidade nas questões ambientais.
Ainda no cenário internacional, organizada pela UNESCO em colaboração com o PNUMA
– Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em 1977, foi realizada a I
Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental, em Tbilisi, estabelecendo
alguns objetivos para que fosse sustentável o real engajamento do cidadão e suas percepções
sobre os problemas ambientais locais.
No Brasil, a influência da Conferência de Tbilisi se fez presente com a promulgação da Lei
Nº 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, suas finalidades e
mecanismos de formulação e execução, esta Lei refere-se, em seus princípios, à “Educação
Ambiental em todos os níveis de ensino, inclusive a educação da comunidade, objetivando
capacitá-la para a participação ativa na defesa do meio ambiente”, assim como o Artigo 225
da Constituição Federal que estabelece a “promoção da Educação Ambiental em todos os
níveis de ensino e a conscientização pública”. Em outra esfera, o Ministério da Educação e
do Desporto desenvolveu os “Parâmetros Curriculares Nacionais – Convívio Social e Ética –
Meio Ambiente”, onde é proposta a abordagem da dimensão ambiental de modo transversal
no ensino fundamental (INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS, 1998).
Em 1984 o CONAMA estabelece as diretrizes para a EA no Brasil, em 1987 o MEC
considera necessária a inclusão da EA dentre os conteúdos a serem explorados nas propostas
17
curriculares das escolas de 1° e 2° graus e em 1988, por força das articulações
ambientalistas, a Constituição brasileira traz no capítulo VI, Artigo 255, parágrafo 1, item
VI a seguinte citação sobre o papel do Poder Público: “promulgar a educação ambiental em
todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente”
(CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988, Artigo 255º).
Em Maio de 1991, o MEC cria a Portaria 678 (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE,
2012) onde resolve que os sistemas de ensino, em todas as instâncias contemplem conteúdos
referentes à EA.
Segundo o artigo de Cordani et al. (1997, p. 1), no final da Conferência das Nações Unidas
sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano, a Rio-92, realizada no Rio de Janeiro
em 1992, “(...) foram assinados os mais importantes acordos ambientais globais da história
da humanidade: as Convenções do Clima e da Biodiversidade, a Agenda 21, a Declaração
do Rio para Meio Ambiente e Desenvolvimento, e a Declaração de Princípios para
Florestas.”.
Dias (2004) menciona que a Rio-92 “(...) corrobora com as premissas de Tbilisi e, através da
Agenda 21, seção IV, Cap. 4, define as áreas de programas para EA, reorientando a
educação para o desenvolvimento sustentável.” (DIAS, 2004, p. 50).
Ainda no Brasil, em 1999, o Congresso Nacional Brasileiro decreta e o Presidente da
República sanciona a Lei 9.795/99, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental
(PNEA). Esta Lei estabelece nos seus Capítulos I e II, a questão da educação ambiental
como um direito de todos, incumbindo as instituições de ensino a oferecerem a EA como
parte integrante do currículo educacional. A referida Lei apoia profissionais interessados na
participação deste plano de desenvolvimento e cria oportunidades de estudos, pesquisas e
experimentos, ampliando assim, as possibilidades de ações continuadas em diferentes
matérias do ensino regular com o objetivo do ensino da educação ambiental. O referido
diploma estabelece que:
Art. 1º Entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o
indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades,
atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de
uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade
(BRASIL, Lei 9795/99, 27 de abril de 1999).
Art. 2º A educação ambiental é um componente essencial e permanente da
educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis
e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal (BRASIL,
Lei 9795/99, 27 de abril de 1999).
18
Art. 10º A educação ambiental será desenvolvida como uma prática educativa
integrada, contínua e permanente em todos os níveis e modalidades do ensino
formal (BRASIL, Lei 9795/99, 27 de abril de 1999).
Em Março de 2000, o MEC, Ministério da Educação e Cultura e a Secretaria de Educação
Fundamental (SEF) organizaram a oficina de trabalho “Panorama da Educação Ambiental
no Ensino Fundamental”, tendo enfoque no Ensino Fundamental e baseado na formação dos
professores e na Educação Ambiental da escola à comunidade. A proposta de utilização do
PROPACC – Proposta de Participação-Ação para a Construção do Conhecimento vem ao
encontro da incorporação da Educação Ambiental como meio de criar uma nova interação
criadora, que redefinirá o tipo de pessoa que se necessita formar e os cenários futuros que se
deseja construir para a humanidade, em função do desenvolvimento de uma nova
racionalidade ambiental (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA, 2001).
Dois anos depois, o Decreto nº. 4.281/2002, que regulamenta a Política Nacional de
Educação Ambiental, definiu os princípios relativos à EA a serem aplicados em todo o
Brasil, ficando estabelecido que todos têm direito à educação ambiental e apresentando a EA
como um “componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar
presente em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não
formal” (MARCATTO, 2002, p. 36), devendo ser tratada como um tema transversal em
todos os níveis de ensino.
Dessa maneira, a educação ambiental acha-se inserida transversalmente no processo de
educação, de acordo com o Ministério da Educação (2001)
(...) tem adquirido importância nos sistemas de ensino por dois motivos que se
articulam: a reorientação curricular produzida pelo MEC/SEF por meio dos
Parâmetros Curriculares Nacionais, nos quais o tema Meio Ambiente foi incluído
como um dos temas transversais; e a promulgação da Política Nacional de
Educação Ambiental (Lei nº- 9.795, de 27 de abril de 1999) que, entre outras
coisas, dispõe sobre a introdução da Educação Ambiental no ensino formal.
(MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SECRETARIA
EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL, 2001, p. 13).
DE
Sua importância reside na aproximação da questão ambiental e do conhecimento escolar à
realidade social, cuidando de questões do cotidiano do aluno, além de estimular os
professores em suas práticas didáticas a se envolverem com questões da vida como um todo.
19
4
OBRAS REFERENCIAIS PARA A APLICAÇÃO PRÁTICA DA EDUCAÇÃO
AMBIENTAL
Diversos autores têm contribuído com elementos para a construção da Educação Ambiental,
oferecendo, em suas obras, importantes referenciais teóricos. Berna (2010) publicou um
livro intitulado “Como fazer educação ambiental” que oferece elementos teóricos, técnicas e
atividades para educação e mobilização dos alunos, por meio do ensino de educação
ambiental nas escolas. Em entrevista à Revista eletrônica “Educação Ambiental em Ação”, o
autor explica que a proposta de seu livro, em relação às escolas e às comunidades, na frase:
“Fazendo de cada escola um ‘clube’, e de cada ‘clube’ uma ação concreta em benefício do
meio ambiente adjacente, num trabalho que procure envolver toda a comunidade e contribuir
para formar cidadãos críticos participativos” (BERNA, 2010, p. 105).
Branco (2007) propõe uma série de atividades, onde a ideia é a de mudar-se o referencial:
“não mais olhar a natureza como de domínio do ser humano, mas, sim, olhar a natureza
como parte do ser humano. (...) Trata-se de olhar o universo com outros olhos: olhos de
congregação entre o universo social, ambiental e individual” (BRANCO, 2007, p. 5).
Dias (2006) apresenta em seu livro “Atividades interdisciplinares de educação ambiental”,
diversas opções de atividades que vão além da participação em aula por parte do aluno. O
autor estimula e enfatiza que “o processo educativo é eminentemente prático. Não se pode
alcançar a plenitude da consciência analítica e crítica apenas com teorias. O fazer, o
observar, o sentir são essenciais” (DIAS, 2006, p. 37). O autor propõe atividades como
observar fenômenos naturais, o comportamento das árvores, sentir a Terra e medir
parâmetros ambientais dentre outras.
As autoras Bombana e Czapski (2011), têm uma proposta de integração da escola com a
comunidade e a casa do aluno, baseada no desenvolvimento de hortas, uma prática de ensino
que demonstrou que as dicas e sugestões oferecidas por elas, no livro “Hortas na educação
ambiental” vão além das instituições de ensino, pois fazem sucesso no desenvolvimento de
hortas comunitárias ou caseiras, com a participação das crianças. As autoras fazem
sugestões de atividades complementares, para a primeira e a segunda fase da educação
infantil e terceira da primeira fase do ensino infantil ou primeira do ensino fundamental.
Já Capra (2006), ao citar Michael (2006), destaca o Programa River of Words (ROW) da
série K nos EUA, sobre as normas e programas de educação, que trata das relações entre
membros da comunidade escolar. O programa propõe como prática, o meio em que a criança
vive e elas utilizarão as artes para explorar e expressar o que entendem por seus verdadeiros
20
lugares, trabalhando a ideia da sensibilização, sentir e entender, ensinando a criança a
conhecer e ter respeito pelo seu lugar, por esta razão a missão do ROW é “(...) ajudar as
crianças a se apaixonar pelo planeta Terra”, esta sentença também é parte do título do
capítulo escrito por Michael (2006), “Ajudando as crianças a se apaixonar pelo planeta
Terra: Educação ambiental e artística”, no livro de Capra et al. (2006, p. 142). Michael
(2006, p. 142) explica que a combinação da emoção no processo da educação, de modo
geral, é crucial no método da aprendizagem. Propostas de estudos cognitivos são levadas aos
alunos por seus professores através de atividades, que podem acontecer na cozinha da escola
ou no jardim, estimulando estes alunos a pensarem de forma global, inter-relacionando os
conhecimentos adquiridos em outras matérias e transportando para o cotidiano. “O
importante é incluir nas atividades de educação ambiental a temática próxima ou distante
(geograficamente) relacionada com o cotidiano das pessoas” (REIGOTA, 2009, p.48).
A importância da prática na educação é apresentado por Margolin (1978), em seu livro
“Pedagogia Indígena: Um olhar sobre as técnicas tradicionais de educação dos índios
californianos”. Ele discorre sobre técnicas de educação dos índios, onde as crianças
aprendiam, simplesmente acompanhando os pais, ou seja, via conhecimento por imitação e
absorção. Existia uma pedagogia indígena onde não havia o registro escrito, mas a clara
dedicação de toda uma tribo em, estrategicamente, passar a sua cultura através das gerações,
com cuidado, para garantir que o conhecimento fosse assimilado de maneira profunda e
exata na mente dos jovens.
A consciência ecológica somente surgirá quando aliarmos ao nosso conhecimento
racional uma intuição da natureza não linear de nosso ambiente. Tal sabedoria
intuitiva é característica das culturas tradicionais não letradas, especialmente as
culturas dos índios americanos, em que a vida foi organizada em torno de uma
consciência altamente refinada do meio ambiente (CAPRA,
2006, p. 39).
Como exemplo de aplicação prática de atividades de Educação Ambiental na escola, a
autora considera relevante destacar aquelas praticadas junto à natureza, como pode ser
ilustrado através dos seguintes exemplos de projetos de hortas, desenvolvidos para
diferentes faixas etárias:
• Primeira fase da Educação Infantil (crianças de 3 a 4 anos)
Com o solo: o professor orienta a observação visual e tátil do solo. Complementando este
entendimento com a dramatização desta experiência. “Fazer de conta que cada criança é um
torrãozinho de terra”, juntando todas as crianças, sentadas ou deitadas para sentir a
horizontalidade do chão. Depois explicar sobre a preparação do solo para semear e separar
21
as crianças em grupos, onde umas representam a areia, outras a terra e outras o esterco.
Fazê-las se movimentarem, com a ideia de afofar e misturar o solo. Posteriormente as
crianças se misturarão e ficarão agachadas em forma de canteiro que vai receber as sementes
aguardando a rega de faz de conta.
Ainda nesta atividade, o professor aproveita para ensinar práticas de higiene, como lavar as
mãos, e não colocá-las no rosto quando estiverem trabalhando na horta. Além de alertá-los
para não por na boca terra, esterco ou areia (BOMBANA e CZAPSKI, 2011, p.51).
• Segunda fase da Educação Infantil (crianças de 5 anos)
Crescimento das plantas e dos bichinhos: o professor chama a atenção dos alunos para as
folhinhas da horta que estão ficando maiores, às vezes mudam de cor, aumenta o número de
folhas e alguns bichinhos aparecem, como a lagarta e a joaninha.
Observar que a lagarta aparece principalmente na couve, que ela come folhas e que é a única
variedade de lagarta que não queima a pele humana. O educador deve ensinar que a lagarta é
a parte intermediária do ciclo da borboleta, envolvendo os alunos e contando sobre este
ciclo. Esta história deve ser acompanhada pela observação deste episódio na própria
natureza, incentivando a criança a procurar os vestígios da história e celebrar quando ver
surgir uma borboleta, marcando o evento no calendário da horta, demonstrando a
importância de cada acontecimento (BOMBANA e CZAPSKI, 2011, p.64)
Esta atividade pode ser comparada, na questão da importância do surgimento da borboleta,
com o aniversário dos alunos, para que correlacionem os momentos importantes de sua vida
e entendem que a natureza também tem seus momentos importantes.
• Terceira fase da Educação Infantil ou Primeira do Ensino Fundamental (crianças de 6
a 7 anos)
Semeadura: o condutor desta atividade deve pegar amostras de sementes para serem
semeadas na horta (milho, feijão, arroz e outras). Provocar a observação das diferenças de
tamanho, forma e cor. Instigar as crianças a desenhar as sementes com detalhes, usar as
sementes para fazer contas de soma e subtração concretamente. “Explicar o que é a
semeadura e como ela vai se transformar numa planta.” Desenvolver um calendário de
observação. Relembrar as crianças sobre hábitos de higiene. “Estimular as crianças a
observar e resolver certas situações da horta, como “a semente não germinou”, algumas
possíveis causas a serem discutidas: problema de água (falta ou excesso), o canteiro foi
pisoteado, a semente estava velha e a semente foi semeada muito fundo” (BOMBANA e
CZAPSKI, 2011, p.80 e 81).
22
5
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO INFANTIL E FUNDAMENTAL
Na educação fundamental tem início o processo de educar o indivíduo para tomar o seu
lugar na sociedade. Após décadas de debates, a educação tradicional absorveu a questão
ambiental que trouxe para o seu currículo a adoção de novas práticas didáticas, utilizando
novas ferramentas pedagógicas para sensibilizar o estudante e prepará-lo para participar da
construção de uma sociedade melhor adaptada aos preceitos da sustentabilidade, com uma
visão ampla dos seus problemas gerais e reais e dos recursos que permitam mudar a
situação, significando uma maior atenção aos currículos escolares em ciências humanas e
sociais.
Segundo Vieira (2008), na Conferência de Estocolmo, em 1972, onde houve uma ampliação
do conceito de EA e na Conferência Intergovernamental de Tbilisi, em 1977, foi
reconhecido em nível internacional que:
A educação ambiental é um processo de reconhecimento de valores e clarificações
de conceitos, objetivando o desenvolvimento das habilidades e modificando as
atitudes em relação ao meio, para entender e apreciar as inter-relações entre os
seres humanos, suas culturas e seus meios biofísicos. A educação ambiental
também está relacionada com a prática das tomadas de decisões e a ética que
conduzem para a melhora da qualidade de vida (SATO, 2002, p. 23-24 apud
VIEIRA, 2008)
No governo de Fernando Henrique Cardoso (1994 – 2002), o Ministério da Educação
elaborou o Projeto Parâmetros Curriculares Nacionais, conhecido como PCN para a escola
fundamental, sendo o meio ambiente considerado um tema transversal (sinônimo de
interdisciplinaridade) com conceitos diversos e que implicam em práticas pedagógicas com
características distintas.
(...) numa breve explicação podemos dizer que uma prática pedagógica
interdisciplinar trabalha com o diálogo de conhecimentos disciplinares e que a
transversalidade, pelo menos como foi definida pelos precursores, entre ele Félix
Guatarri, não desconsidera a importância de nenhum conhecimento, mas rompe
com a ideia de que os conhecimentos sejam disciplinares e que são válidos apenas
os conhecimentos científicos (REIGOTA, 2009, p.42).
Objetiva-se a aplicação de programas de capacitação dos educadores e o acesso das escolas
às informações ambientais, assim como organizando eventos como oficinas de trabalho e
atividades de educação ambiental para crianças e adolescentes, que incentivam as práticas de
conscientização ambiental e produzem a formação natural de agentes multiplicadores das
experiências
vivenciadas
AMBIENTAL, 2011).
nestes
eventos
(COORDENADORIA
DE
EDUCAÇÃO
23
Vieira (2008) menciona que um currículo escolar é uma construção social, ligado a um
momento histórico, a sociedade e as relações que esta sociedade estabelece com o
conhecimento. Ainda, de acordo com esta autora, quando uma escola propõe o
desenvolvimento de seu currículo escolar, este deve estar voltado para as questões
ambientais, com seus conteúdos revistos, onde as disciplinas tenham a EA na forma
interdisciplinar e que todos participem desta construção, onde o aluno é o sujeito do
processo.
A Lei 9795/99, estabelece as seguintes disposições:
Artigo 10. A educação ambiental será desenvolvida como uma prática educativa
integrada, contínua e permanente em todos os níveis e modalidades do ensino
normal (BRASIL, Lei 9795/99, 27 de abril de 1999).
Artigo 11. A dimensão ambiental deve constar dos currículos de formação de
professores, em todos os níveis e em todas as disciplinas.
Parágrafo único. Os professores em atividade devem receber formação
complementar em suas áreas de atuação, com o propósito de atender
adequadamente ao cumprimento dos princípios e objetivos da Política Nacional de
Educação Ambiental (BRASIL, Lei 9795/99, 27 de abril de 1999).
Artigo 12. A autorização e supervisão do funcionamento de instituições de ensino
e de seus cursos, na rede pública e privada, observarão o cumprimento do disposto
nos artigos 10 e 11 desta Lei (BRASIL, Lei 9795/99, 27 de abril de
1999).
Estas leis e decretos são guias para que as instituições de ensino pautem a elaboração de
seus currículos escolares, tanto para o ensino infantil, como para o ensino fundamental.
Entretanto, há uma ótica institucional que é baseada, também, na compreensão e no
acompanhamento do meio onde esta escola está estabelecida, suas condições políticas,
econômicas e sociais.
A autora, deste trabalho, com a intenção de conhecer o que acontece atualmente no âmbito
escolar, selecionou duas escolas que aceitaram ser observadas de forma direta, mas sem a
interferência ou envolvimento da autora nas atividades escolares. Também foi permitido
que os dirigentes e educadores fossem entrevistados em suas atividades ligadas à EA no
ensino infantil e fundamental.
Com uma ressalva de que estas escolas, seus educadores e alunos não seriam identificados
por uma questão de privacidade das instituições de ensino, assim como, de seu corpo
docente, colaboradores e alunos. Sendo assim, neste trabalho, as escolas tiveram seus nomes
suprimidos, passando, doravante, a serem denominadas de “Escola A” e “Escola B”.
24
As escolas observadas buscam integrar a comunidade local às suas atividades pedagógicas,
objetivando a continuidade do ensino para fora do perímetro físico das instituições. Este
trabalho, de integração escola-comunidade é observado nos processos de educação a partir
do envolvimento dos alunos em seus estudos investigativos, como a coleta de lixo seletivo
na escola, atividade que é também incentivada a ser realizada em casa.
Observou-se, também, que o Governo vem desenvolvendo iniciativas no sentido de se
apresentar como um parceiro neste processo, via fomento de ações, como, por exemplo, no
caso do Conselho Nacional de Educação (CENTRO DE ESTUDOS EDUCAÇÃO E
SOCIEDADE, 2001). Este Centro desenvolveu um programa chamado “Mobilização
Nacional pela Nova Educação Básica - Uma consulta à sociedade”, onde é apresentado que
o trabalho de implementar as diretrizes está apenas começando, de forma gradativa,
entendendo-se que este processo terá ajustes e valorizando a prática dos professores e a
colaboração das comunidades escolares.
Há que se reconhecer, porém, que o alcance dessas iniciativas governamentais em EA tem
se revelado limitado, de modo que ações isoladas de escolas, como as estudadas, pelo que
deu para ser observado, via este estudo de escopo muito preliminar, é que têm prevalecido e,
às vezes, ganhado algum destaque.
25
6
A CRIANÇA COMO AGENTE MULTIPLICADOR DO CONHECIMENTO
Alguns autores como Branco (2007) e Almeida (2007), no âmbito da EA, consideram a
importância da criança como um agente multiplicador no processo da disseminação dos
conceitos de posturas ambientalmente corretas e de sustentabilidade à sociedade.
Na literatura especializada, há diversos autores que tratam do assunto. O Quadro1 apresenta
uma síntese dos aspectos relevantes destacados por alguns deles no que se refere às práticas
cognitivas e observação dos estímulos que as crianças recebem, seja na escola, em casa ou
através dos meios de comunicação.
Item
Autores*
1
BRANCO (2007)
“Identificação
de
líderes
multiplicadores”
•
•
BRANCO (2007)
“Refletindo sobre o
meio ambiente”
•
•
•
Reflexão sobre as atividades voltadas para o meio ambiente
Perseverança nas atividades individuais
Atividades em grupo
RENNER E NISTI
(2008)
–
Documentário “A
Criança, a Alma do
Negócio”
•
•
•
Desejo de consumo nas crianças incentivado pelo marketing
Comunicação direcionada ao consumo
Comparação entre as atividades das meninas no passado e
agora
Ouvir o que a criança tem a dizer
Plano de ajuste comportamental
A criança reproduzindo o que ela vê e entende, sem filtro
Criança como agente multiplicador
Criança como meio de divulgação de mensagens
Professor como aliado na educação da criança e mudança do
coletivo
Implementação do SGA na escola, ISO 14001
Competição e cooperativismo entre pais e filhos nas
atividades da escola
Alunos passaram a monitorar o dia-a-dia de suas casas para o
não desperdício de produtos e materiais
2
3
•
ALMEIDA (2007)
•
•
•
•
•
•
Escola
italiana
Vittorino Da Feltre
(2011)
•
•
4
5
Aspectos Relevantes Destacados
•
Incentivo à prática de um aluno identificar outro aluno como
agente multiplicador
Estímulo aos alunos a serem agentes multiplicadores
Observação e valorização da divulgação de conceitos para
melhorar a qualidade de vida de todos
QUADRO 1 - Síntese dos aspectos relevantes em EA destacados por autor quanto às
práticas cognitivas e observações dos estímulos que as crianças recebem.
FONTE: A autora.
A análise do Quadro 1 permite compreender alguns elementos como, por exemplo, a
utilização da criança como agente multiplicador, item 1 e 4 (Branco, 2007 e Almeida, 2007).
Outro aspecto presente é a prática de atividades envolvendo o aprendizado da EA, como
26
observado nos itens 2, 3 e 5 (Branco, 2007, Renner e Nisti, 2008 e Escola Italiana da Feltre,
2011).
Estes exemplos também apresentam variações de abordagem, bastante distintas, que vão
desde o jogo de marketing para aquisição de bens, como no caso do documentário “A
Criança, a Alma do negócio” até a amostra contrária, como no caso do projeto do educador
Almeida (2007) que desenvolve um plano de trabalho com a intenção de ter a criança como
vetor da multiplicação de melhores conceitos sobre desperdício.
Além das práticas apresentadas no Quadro 1, outro caso interessante é o Projeto Escola no
Campo, que foi criado em 1991, via parceria entre a Syngenta e o Governo de São Paulo;
que também tem a criança como um agente multiplicador dos conceitos de responsabilidade
social e ambiental.
A Cotrijui Dom Pedrito já esta no seu terceiro ano com o projeto em 3 escolas do
município, mais de 300.000 crianças e adolescentes já participaram do Projeto
Escola no Campo, além de Professores, Técnicos e Agricultores. Os Estados
participantes são: PR, MG, RS, SP, ES, MA, RJ, GO e SC. Enfatiza a
conscientização “desde cedo” sobre importância da preservação do meio ambiente.
Destaca-se a criança como um agente multiplicador dos conceitos de
responsabilidade social e ambiental através de assuntos a serem aplicados em sala
de aula e no campo (CONTRIJUI, 1994).
Os principais objetivos deste programa são a conscientização das crianças de que, antes
delas completarem 18 anos, não devem manejar produtos agrotóxicos. Estas crianças são
incentivadas a serem “vetores do conhecimento” de que os agrotóxicos devem ser
manipulados de forma segura e correta, pois nem sempre os adultos manipulam estes
produtos com o cuidado devido. Elas também aprendem a valorizar o meio ambiente e o
trabalho realizado pelos agricultores.
O Quadro 2 apresenta uma síntese das opiniões de alguns autores sobre a função da escola
na formação da criança como agente multiplicador.
27
Itens
1
Autores*
RUY (2004)
Papel da escola e do ambiente escolar
“se apresenta como o melhor ambiente para implementar a
consciência de preservação do meio”
2
ALMEIDA (2007)
destaca a importância de que o professor é um aliado
fundamental para o sucesso do projeto. “O professor passou a
ser a chave do sucesso, uma vez que é o único profissional do
mundo a ter a força de mudança do comportamento coletivo. É
no professor que trabalha com as crianças de 7 à 14 anos que
reside a maior importância na formação de um ser humano. Ele
é ídolo, é poder é amigo” declarou o especialista.
3
PONTALTI (2005)
“é o espaço social e o local onde o aluno dará sequência ao seu
processo de socialização, iniciado em casa, com seus
familiares".
4
BERNA (2008)
•
Criação do “Clube do amigo” – alunos e a direção da
escola em prol do meio ambiente
•
Projeto “pretende contribuir com a sociedade no esforço de
educar o cidadão crítico e participativo, procurando
envolver toda a comunidade.”
•
Discussões de grupos e trabalhos participativos, nas
escolas.
QUADRO 2 – Síntese de alguns aspectos destacados por autores sobre o papel da escola e
do ambiente escolar na formação da criança como agente multiplicador
FONTE: A autora.
Pode-se observar que os autores destacados nos itens 1 e 3 (RUY, 2004 e PONTALTI,
2005) enfatizam o papel instituição como um todo, enquanto outros autores enfatizam a
participação do professor e da sociedade vide itens 2 e 4 (ALMEIDA, 2007 e BERNA,
2008). De qualquer forma, em todos se verifica a importância da escola na formação da
criança como agente multiplicador.
28
7
QUATRO ELEMENTOS-CHAVE PARA A INSERÇÃO DA EA NO ENSINO
INFANTIL E FUNDAMENTAL
São considerados, para fins deste trabalho, como elementos-chave, aqueles que compõem a
base de uma estrutura funcional pertinente ao processo de educação do indivíduo, tendo
neste caso o enfoque da criança como agente multiplicador dos conceitos da educação
ambiental. Os critérios desenvolvidos na construção da Figura 1 foram construídos a partir
da revisão de literatura específica e da pesquisa baseada na observação não participante da
autora durante as visitas às instituições de ensino.
Os quatro elementos são: a escola, a pedagogia, os estímulos e a casa do indivíduo. A Figura
1 apresenta um esquema das interações entre esses elementos.
FIGURA 1 - Esquema ilustrativo dos elementos-chave da EA.
FONTE: Elaborado pela autora (2012).
29
7.1 PRIMEIRO ELEMENTO-CHAVE: A ESCOLA
O espaço físico da instituição de ensino é o primeiro elemento-chave da inserção da EA no
ensino infantil e fundamental, por oferecer a possibilidade de ser o centro de aprendizado e
replicação desse aprendizado. É nessa instituição onde se “aprende a aprender”, ou seja,
onde, via estímulos, as crianças buscam caminhos para transformar suas ideias em prática.
As duas instituições de Ensino escolhidas foram uma da rede pública de ensino e outra
privada.
Nestas duas escolas foram realizadas entrevistas com educadores que atuam no ensino
infantil e fundamental, com o intuito de identificar se o conteúdo ensinado é
satisfatoriamente absorvido pelos alunos e se permeia através da família e da comunidade
local. As entrevistas foram realizadas, em datas agendadas de acordo com o calendário de
cada escola, no período entre agosto de 2011 e fevereiro de 2012, contando com a
colaboração da direção das instituições e seus colaboradores.
Durante o período de que a autora participou como observadora não participante se
objetivou a observação dos pontos nos quais estas escolas trabalham de maneira semelhante
ou divergente, suas dificuldades, propostas e objetivos. A observação busca conhecer os
esforços dos educadores.
7.1.1 A “Escola A” e suas atividades
A “Escola A” é uma Escola Municipal de Educação Básica (EMEB), cujo perfil
institucional sintético se encontra representado no Quadro 3.
30
O Quadro 3, que segue, apresenta algumas características físicas e pedagógicas da Escola A.
Escola A
Público
Localização
Tipo de Instituição
Nº de alunos por classe
Linha pedagógica
Ensino Infantil
Grande São Paulo
Pública
30*
MEC e SE Municipal
Trabalho de sensibilização
em EA
Com professores, funcionários,
alunos e comunidade
Projetos em EA
Separação de lixo
Horta
Oficina de papel reciclável
Estudo do Meio
Redução de consumo de
recursos naturais, com enfoque
na água
PPP - Plano Político Pedagógico
Matérias curriculares e EA
Obs.: * significa a quantidade aproximada de alunos por classe
QUADRO 3 – Ações de EA da Escola A
FONTE: Elaborado pela autora.
A Escola A tem plano pedagógico próprio direcionado ao ensino infantil, com inserções de
atividades extraclasses, que são realizadas nos jardins da escola. Neste ambiente, as crianças
são expostas ao convívio com a natureza e também promove passeios educativos a parques e
sítios ecológicos, para que as crianças vivenciem a EA fora do ambiente escolar.
Desde 2000, a referida escola trabalha com três objetivos, que segundo a direção, tem o
propósito de apoiar o desenvolvimento sustentável através da educação ambiental via os
3Rs, Reduzir, Reaproveitar e Reciclar, contando inclusive com a participação dos pais dos
alunos. Seus projetos se diferenciam de acordo com a idade das crianças, como, por
exemplo, “A importância do Homem na Natureza”, que é dedicado a crianças da faixa etária
de 3 a 5 anos.
Neste trabalho há a sensibilização sobre o consumo exagerado, exposto em oficinas de
reaproveitamento através da separação do lixo e em visitas às cooperativas de reciclagem e
aos ecopontos. Inclusive há um conjunto, na própria escola, para se trabalhar a separação
destes materiais.
31
Às crianças são oferecidas, além das experiências práticas sobre os cuidados com os
recursos naturais, também informações através de recursos audiovisuais, que trabalham o
conceito de redução de consumo de água. Todos os alunos são levados para assistir vídeos
educativos, onde através de brincadeiras, os personagens ensinam sobre desperdício e
higiene. O vídeo “Gota borralheira”, por exemplo, conta o caminho da água e seu ciclo na
natureza, ou o vídeo “Chuva chuá”, para os alunos de 1ª a 4ª série do ensino fundamental.
Através desses vídeos pedagógicos as crianças aprendem sobre a utilização e características
da água, estados físicos e poluição, de onde a água vem e para onde ela vai, além de outras
informações pertinentes ao tema.
Nas dependências da escola há cuidados específicos com o uso da água e uma das medidas
práticas que a escola adotou foi a troca das torneiras de modelo comum, por outras com
utilização de temporizadores (em aderência ao projeto de redução de uso da água nas
escolas, incentivado pela Secretaria de Educação do município).
No que se refere à utilização da energia elétrica, foram descentralizados os interruptores de
luz, de modo a utilizar a iluminação artificial somente nos ambientes desejados. Há também
a coleta de óleo que é levado para uma cooperativa de reciclagem e reaproveitamento.
Nessa unidade escolar, da rede municipal, no caso a Escola A, são oferecidas palestras de
apoio à comunidade, abordando temas como:
• Descarte e coleta seletiva de lixo;
• Horta;
• Oficina de papel reciclado;
• Estudo do meio (explicação para a sensibilização com respeito às árvores e flores);
• Redução de recursos naturais, com enfoque na água.
A direção da Escola A enfatizou que valoriza o trabalho e a formação continuada de seus
professores e que, também estende a todos os seus funcionários os programas de
sensibilização ambiental.
7.1.2 A “Escola B” e suas atividades
A “Escola B” é uma instituição de ensino privada, cujo perfil institucional sintético se acha
representado no Quadro 4.
32
O Quadro 4, que segue, apresenta algumas características físicas e pedagógicas da Escola B.
Escola B
Público
Localização
Tipo de Instituição
Nº de alunos por classe
Linha pedagógica
Trabalho de sensibilização
em EA
Ensino Infantil
São Paulo
Privada
30*
MEC e Pedagogia da instituição
Com professores, funcionários,
alunos e comunidade
Projetos em EA
Horta
Coleta e separação de
materiais recicláveis
Estudo do Meio
Redução de consumo de
recursos naturais, com enfoque
na água
PPP - Plano Político Pedagógico
Público
Localização
Tipo de Instituição
Nº de alunos por classe
Linha pedagógica
Matérias curriculares e EA
Ensino Fundamental
São Paulo
Privada
30*
MEC e Pedagogia da instituição
Trabalho de sensibilização
em EA
Com professores, funcionários,
alunos e comunidade
Projetos em EA
Criação de comitês: do lixo, da água,
da energia e dos materiais.
Reaproveitamento de papel
Reaproveitamento de garrafas pet
Coleta de pilhas e baterias
Reciclagem de lâmpadas fluorescentes
Estudo do Meio
Redução de consumo de
recursos naturais, com enfoque
na água
PPP - Plano Político Pedagógico
Matérias curriculares e EA
Obs.: * significa a quantidade aproximada de alunos por classe
QUADRO 4 – Ações de EA da Escola B
FONTE: Elaborado pela autora.
33
A Escola B tem plano pedagógico próprio direcionado em dois eixos: a excelência
acadêmica e a formação humana, fazendo da sala de aula, de acordo com sua filosofia
institucional, “(...) um espaço de identidades, de conhecimento, de diálogo e de construção
coletiva (...)”.
Nesta instituição, há um plano pedagógico para cada faixa etária, do jardim de infância ao
ensino médio. No seu âmbito, promove-se a integração dos alunos através de atividades
onde estes alunos interagem, como no caso da coleta seletiva de resíduos, utilizando-se de
compartimentos próprios e identificados para o descarte de plástico, papel, latas e resíduos
orgânicos. Alguns alunos são selecionados, de forma voluntária ou através de programas
trabalhados em sala de aula, para serem responsáveis por multiplicar a informação do
descarte correto nas dependências da instituição.
A instituição também faz uso de atividades extraclasses, que têm por objetivo a
conscientização, em relação ao meio ambiente, dos seus alunos. Essas atividades são
conduzidas, desde a pré-escola, onde a questão ecológica é introduzida através de
brincadeiras lúdicas e, também, via cuidado com as hortas cultivadas na escola.
Por exemplo, no primeiro semestre as crianças do ensino infantil aprendem a plantar o
manjericão para colherem no segundo semestre e compartilharem com a família. Eles
também aprendem a entender o valor do cuidado com as plantas e o quanto a água é
importante neste processo.
Além disso, a escola promove passeios educativos a parques e espaços ecológicos para que
as crianças vivenciem a EA fora do ambiente escolar, mas com o acompanhamento
educativo observando os princípios da escola.
No ensino fundamental os alunos trabalham com pesquisas internas, no próprio colégio,
envolvendo, por exemplo, a conscientização sobre a questão da descarga nos vasos
sanitários e as vantagens das válvulas de descarga com o acionamento duplo. Destaca-se que
este dispositivo, objetiva utilizar dois tipos de vazão no seu manuseio, de acordo com a
necessidade, possibilitando a compreensão, na prática, do que é o desperdício e o quanto
isso custa para a escola e para o planeta.
Os alunos trabalham também com a necessidade de diminuir a concentração do sabão e seus
resíduos, desde os canos até os esgotos, da chegada aos rios da cidade e o impacto causado à
natureza.
Na Escola B, professores, alunos e funcionários formaram uma Comissão Interna de
Sustentabilidade, composta por quatro Comitês: Água, Lixo, Energia e Materiais. Essa
34
unidade de ensino também valoriza o trabalho e a formação continuada de seus professores e
os programas de sensibilização para as questões do meio ambiente são extensivos aos
funcionários.
7.2 SEGUNDO ELEMENTO CHAVE: A PEDAGOGIA
A pedagogia é o segundo elemento-chave para a inserção da EA no ensino infantil e
fundamental porque é importância que o aluno tenha uma pedagogia dedicada ao
envolvimento do estudante com a atividade a ser desenvolvida (e educadores que saibam
como dela se utilizar adequadamente).
A Escola A afirmou que pauta sua pedagogia nas diretrizes estipuladas pela Secretaria de
Educação do município, porém não informou explicitamente qual linha pedagógica adota.
Segundo uma das educadoras há uma dedicação espontânea da parte do corpo educacional,
em desenvolver projetos que estimulem os alunos a terem um maior contato com a realidade
sócio-ambiental à sua volta, não apenas como expectadores, mas sim como “(...) atores que
tem seu papel a desenvolver”.
A Escola B segue a pedagogia Inaciana “(...) envolve as dimensões: cognitiva, afetiva, ética,
corporal, espiritual, estética, sociopolítica e comunicativa, buscando a excelência acadêmica,
de maneira integrada, com uma sólida formação humana.” A partir destas dimensões, o
Colégio aplica as disciplinas tradicionais do currículo escolar, de forma a comungar com a
sua iniciativa de educar os seus alunos para a conscientização, respeito e propostas de ações,
voltadas para o meio ambiente. Segundo a direção da escola, os professores aplicam, de
forma transversal, cada qual em sua disciplina, atividades que corroborem com esta diretriz
do Colégio.
Observou-se que, de maneira geral, nas duas escolas, o corpo diretivo e os educadores
trabalham de forma distinta, mas com o mesmo intuito de talhar seu plano pedagógico
criando oportunidades para a inserção da EA. A simples inserção do assunto, a nosso ver, já
se constitui num avanço em relação a outras escolas.
7.3 TERCEIRO ELEMENTO-CHAVE: OS ESTÍMULOS
O terceiro elemento-chave dessa estrutura constitui-se nos estímulos que as crianças
recebem na escola através das atividades pedagógicas, como também aqueles que recebem
dos pais ou responsáveis, por meio das atividades propostas na escola, onde há a interação
familiar. Como exemplo, há na Escola A, as oficinas de finais de semana, onde os pais são
35
convidados a participar de ações comunitárias, na reutilização de latas e papel, em atividades
em conjunto com as crianças.
Na Escola B há a “carona solidária”, que estimula os alunos a buscarem colegas que residam
próximo a eles para que partilhem de uma espécie de “rodízio” no momento dos pais ou
responsáveis levarem os alunos ao colégio ou buscarem após as aulas. Esta ação visa
mostrar que é possível economizar combustível e espaço de mais um veículo circulando para
o mesmo destino nas ruas.
Por outro lado, a iniciativa, aproxima as famílias e responsáveis da realidade da mobilidade
em nossa sociedade, no que se refere à circulação viária em torno de pólos geradores de
tráfego, como escolas em horários de entrada e saída de turnos de aulas, gerando
congestionamentos e poluição.
Observou-se que os recursos pedagógicos utilizados em EA para promover o estímulo nos
alunos, por ambas as instituições pesquisadas, apresentam algumas variações, de acordo
com a faixa etária. Compreendem desde atividades como assistir a vídeos infantis sobre o
tema e depois executar trabalhos que auxiliem na retenção da ideia, como no caso da Escola
A, até projetos mais elaborados que levem esses educandos para fora da escola, como no
caso do Estudo do Meio, realizado pela Escola B.
Neste caso, em certa ocasião os alunos são levados a outra cidade para conhecer in loco, o
que quer dizer parâmetros de coleta de água em diferentes pontos do Aquífero Guarani,
promovendo o entendimento da questão ambiental em disciplinas como biologia e geografia,
além da química e da história.
A EA, nas duas instituições, busca integrar as atividades dos alunos na escola com a sua
continuidade no âmbito da família e da comunidade, através de programas de estímulo e
sensibilização, onde convidam pais e colaboradores da escola a participar de ações, que na
sua maioria, são programadas para que a criança desempenhe o papel de comunicador da
atividade, ou seja, esta criança será a multiplicadora, dentro do seu círculo de
relacionamentos, dos conhecimentos obtidos na escola.
7.4 QUARTO ELEMENTO-CHAVE: A CASA DO ALUNO
O quarto elemento-chave refere-se aos estímulos à EA oriundos da casa do aluno, via
interações em atividades corriqueiras como separação de resíduos para a coleta seletiva e,
eventualmente, plantação de horta. Tais estímulos geralmente, propiciam que se cultive,
36
desde cedo, nas crianças a responsabilidade na tarefa de educar a si mesmo e de ajudar a
desenvolver a consciência ambiental no próprio meio em que se vive.
A título de exemplo de atividades em casa, Branco (2007), propõe a atividade “Cuidando do
ambiente familiar”. A atividade auxilia na percepção de que nossas atitudes em casa podem
ser iguais às nossas atitudes fora de casa, fortalece a autonomia e a responsabilidade e ajuda
o aluno a se familiarizar com a ideia de que o homem também faz parte do meio ambiente e
é responsável por ele. Os materiais necessários são papel quadriculado, lápis e régua.
Procedimento:
Os alunos serão orientados a escrever um relatório sobre suas atividades dentro de
suas casas conforme abaixo:
Ao levantar arrumo minha cama?
Ao terminar as refeições, recolho meu prato, copo e talheres e os coloco na pia?
O que eu faço com o guardanapo que usei? Jogo no lixo ou deixo na mesa?
O que fazemos em casa com as sobras de comida e com as cascas das frutas e
legumes?
Tenho o hábito de cuidar das plantas e/ou animais que temos em casa?
O professor tendo em mãos estas informações poderá enriquecer sua aula,
ensinando os alunos a montar um gráfico que mostrará a ocorrência das atitudes
questionadas acima;
Ao visualizar os gráficos e comparar suas atitudes com as atitudes de seus colegas,
pode ocorrer que alguns alunos repensem suas ações no cotidiano ou, até mesmo,
que consolidem alguns valores necessários à sua formação (BRANCO, 2007, p.
28).
7.5 ANÁLISE DAS ATIVIDADES DAS ESCOLAS “A” E “B”
As duas escolas têm a linha pedagógica apoiada nas bases e regulamentações do MEC e da
Secretaria de Educação Municipal de São Paulo, com o diferencial de que a Escola “B”
também estabelece algumas ações oriundas de sua filosofia de ensino própria. Em ambas, o
número de alunos em classe é em torno de 25 a 35 e contam com o apoio de um (a)
assistente de professor para auxiliar no cuidado e ensino das crianças que estão na faixa
etária entre 4 e 6 anos. Ambas também transmitem as matérias da base curricular
estabelecidas pelo MEC e tem a EA como uma matéria transversal em seu ensino.
Os professores das duas escolas são estimulados, através de sensibilização e formação em
Educação Continuada, a compreenderem o valor da EA no ensino infantil.
Na Escola B, por ter uma linha um pouco diferenciada de atuação pedagógica, segundo a
coordenadora de cursos, os educadores, dentro de certos limites, tem mais possibilidades de
negociar: (i) o desenvolvimento de atividades extras ao currículo regular; (ii) verba
necessária para projetos onde há custos para o deslocamento da classe; e (iii) a compra de
material para execução de algumas dinâmicas propostas.
37
Esta escola, em relação às crianças, de certa forma, tem a mesma visão de Berna (2008),
pois incentiva e permite que os alunos se pronunciem com suas ideias em favor da escola e
da comunidade. Exemplifica isso, pelo menos em parte as visitas que os alunos do ensino
fundamental fazem às instituições que cuidam de crianças carentes, onde os alunos vão
interagir com essas crianças transmitindo um pouco do seu conhecimento em diversas áreas,
inclusive da EA.
Já no caso dos alunos da Escola A, percebeu-se que possuem a dinâmica da sua interação
com a sociedade, restrita à família e à comunidade.
38
8
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nos últimos anos a Educação Ambiental, através de sua transversalidade em relação às
demais matérias, tem conquistado o seu espaço nas agendas escolares e vem trazendo à tona
algumas discussões sobre a sua importância na conscientização e formação das crianças e a
sua aplicabilidade no ensino infantil e fundamental, através de várias metodologias
existentes.
A metodologia utilizada para este trabalho expôs, num primeiro estágio de estudo, o estado
da arte em relação à teoria e à pratica da EA, através dos textos dos autores pesquisados, nos
quais podemos observar a importância do aprendizado da EA, já nos primeiros anos do
ensino básico, neste estudo referindo-se ao ensino infantil e fundamental, onde a sua
contribuição para a conscientização das causas ambientais e a formação do futuro cidadão
são extremamente importantes. Concordando com Freire (1996), “ensinar não é transferir
conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção”
(FREIRE, 1996, p. 26).
Num segundo momento, a experiência como observadora, nas duas instituições de ensino,
mostraram que os educadores acreditam no valor de ensinar uma criança a compreender o
meio em que vivem, valorizando a própria vida e seu entorno. Eles mostraram, através de
suas ações, fossem com os alunos, pais ou colaboradores da escola, que independente das
condições financeiras ou dos recursos educacionais disponíveis, é possível ser oferecida uma
educação consciente, do meio em que se vive e o que se espera do futuro.
O objetivo deste estudo foi verificar a potencialidade da criança como um possível agente
multiplicador da educação ambiental, tendo a escola como o principal ator na sua formação
e na sua conscientização em relação às questões ambientais.
Sendo assim, através dos textos pesquisados e das experiências observadas nas instituições
de ensino visitadas foi possível detectar que a criança, seja por meio de comunicados das
escolas aos pais, a respeito de alguma atividade, como reciclagem, a ser desenvolvida em
casa, ou questionários que elas são convocadas a realizarem junto à suas famílias ou
comunidade, mostra que, atualmente, a criança de forma direta ou indireta já exerce uma
influencia, junto aos seus familiares e amigos.
Esta influência é devido à sua conduta em relação às questões ambientais em que está
envolvida, tornando-a naturalmente, um agente multiplicador, em resposta à questão inicial
que deu origem a este estudo, que é a possibilidade de ter a criança em sua formação básica
escolar, no ensino infantil e fundamental, como um possível multiplicador da EA.
39
Entretanto, o resultado deste trabalho tem limitações devido ao fato de apenas duas escolas
terem sido o público alvo da pesquisa e do tempo limitado destinado às observações das
práticas de atividades com os alunos.
Por outro lado, sabe-se também que tanto professores como funcionários nem sempre
expressam suas críticas devido a receios de represálias por parte das direções.
Desta forma, a despeito das reservas em relação a resultados, um ponto muito relevante foi o
respeito ao incentivo oferecido pelas escolas a autora em desenvolver este trabalho, pois
estas instituições de ensino acreditam, assim como a autora, que outras escolas, que adotam
práticas de EA também deveriam ser analisadas sob a ótica do presente estudo para propiciar
considerações mais generalizadas.
Levando-se em consideração que um aspecto importante, a destacar, em relação à pesquisa
efetuada nas duas instituições, é que independentemente da diferença observada em relação
ao poder aquisitivo, maior entre o público da Escola B, em relação ao da Escola A, o
interesse e dedicação de professores e alunos, de cada uma das instituições, eram
semelhantes, o que leva a crer que o EA é, por si só, bastante estimulante e instigante,
ministrá-la depende muito mais dos indivíduos envolvidos, do que da estrutura existente.
Portanto, tendo como referência a pesquisa que norteou a condução deste trabalho, concluise que a EA, devido ao seu formato multidisciplinar, à sua característica de aplicabilidade do
seu conhecimento na prática e principalmente através de atitudes, prepara a criança para ser
um agente multiplicador, de forma natural e espontânea, pois, nos exemplos citados e a
observação junto às instituições de ensino, verificou-se que a criança, antes de ser
multiplicadora da informação, ela é um agente ativo na sua própria educação ambiental.
40
REFERÊNCIAS
AGENDA 21. O passo a passo para a ação municípios sustentáveis. Série de
documentos técnicos n. 14. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/index.cfm?id_estrutura=18. Acesso em 24/04/2012.
ALMEIDA, Mauro. Criança é agente multiplicador na luta contra o desperdício. Site
Mercado Ético – sua plataforma global para sustentabilidade. Outubro/2007. Disponível
em: http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/crianca-e-agente-multiplicador-na-luta-contrao-desperdicio/ . Acesso em: 27/06/2012.
ANDRADE, D. F. Implementação da Educação Ambiental em escolas: uma reflexão.
In: Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Revista Eletrônica do Mestrado em
Educação Ambiental, v. 4. out/nov/dez 2000. (apud RUY, 2004).
BARBIERI, José Carlos; SILVA, Dirceu da. Educação Ambiental na formação do
administrador. São Paulo: Cengage Learning, 2011, p.19.
BERNA, Vilmar Sidnei Demamam. Amigos do Planeta – Meio Ambiente e Educação
Ambiental. São Paulo: Editora Paulus, 2008.
_________. Comunicação Ambiental – Reflexões e práticas em educação e
comunicação ambiental. São Paulo: Editora Paulus, 2010.
BOMBANA, Maria Célia B.; CZAPSKI, Silvia. Hortas na educação ambiental: na
escola, na comunidade, em casa. São Paulo: Editora Pierópolis, 2011.
BORGES, Fernando Hagihara; TACHIBANA, Wilson Kendy. A evolução da preocupação
ambiental e seus reflexos no ambiente dos negócios: uma abordagem histórica. XXV
Encontro Nac. de Eng. de Produção – Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de Nov de 2005
ENEGEP 2005 ABEPRO 5235. Disponível em:
http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2005_Enegep1005_1433.pdf . Acesso em:
09/09/2012.
BRANCO, Sandra. Meio ambiente – educação ambiental na Educação Infantil e no
Ensino Fundamental - Oficinas aprender fazendo. São Paulo: Cortez, 2007.
BRASIL. Lei 6938/81, de 31 de Agosto de 1981. Cria a Política Nacional do Meio
Ambiente. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=313
Acesso em: 25/04/2012
41
________. Lei 9795/99, de 27 de Abril de 1999. Estabelece a política Nacional de
Educação Ambiental. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321. Acesso em: 24/04/1012.
BRASIL ESCOLA. Disponível em: http://www.brasilescola.com/oscincosentidos/ . Acesso
em: 05/08/12.
BSI Brasil. ISO 14001 Meio Ambiente Disponível em:
http://www.bsibrasil.com.br/certificacao/sistemas_gestao/normas/iso14001/. Acesso em:
27/06/2012.
CÂMARA MULTIDICIPLINAR DE QUALIDADE DE VIDA. Relatório do Clube de
Roma. Disponível em:
http://www.cmqv.org/website/artigo.asp?cod=1461&idi=1&moe=212&id=17072. Acesso
em: 09/09/2012.
CAPRA, Fritjof; e outros. Alfabetização Ecológica. A educação das crianças para um
mundo sustentável. São Paulo: 2006. Editora Cultrix.
CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação – a Ciência, a Sociedade e a Cultura Emergente.
p. 39. São Paulo: 2006. Editora Cultrix.
CARTA DA TRANSDICIPLINARIDADE. Primeiro Congresso Mundial da
Transdisciplinaridade, Convento de Arrábida. Portugal, 2-6 novembro 1994, p.2.
Disponível em: http://forumeja.org.br/df/files/carta.trans_.pdf. Acesso em: 23/08/2012.
CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL.
Seminário: Compromisso com o futuro – investir na criança. São Paulo, 2009.
Disponível em: http://www.culturainfancia.com.br/docs/cepam.pdf. Acesso: 26/06/2012.
CENTRO DE ESTUDOS EDUCAÇÃO E SOCIEDADE. DOCUMENTO DO CEDES
REFERENTE À CONSULTA "MOBILIZAÇÃO NACIONAL PELA NOVA
EDUCAÇÃO BÁSICA" DO CNE. Educ. Soc. vol.22 no.77 Campinas Dec. 2001.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302001000400013. Acesso em: 12/09/2012.
CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Mobilização nacional pela nova educação
básica – uma consulta à sociedade. p. 2. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Mob.pdf Acesso em: 09/09/2012.
42
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Artigo 205°,
Capítulo III da Educação, da Cultura e do Desporto, Seção I da Educação. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso
em: 18/06/2012.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Artigo 255º,
Capítulo VI do Meio Ambiente. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso:
12/09/2012.
CONTRIJUI, 1994. Projeto escola no campo. Disponível em:
http://www.cotrijuidp.com.br/site/insumos/projetos.php. Acesso em: 22/08/2012.
COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Programa de educação
ambiental. 2011. Disponível em:
http://ambientes.ambientebrasil.com.br/educacao/programas_ambientais/programa_de_educ
acao_ambiental_-_ceam_(sp).html. Acesso em: 23/08/2012.
CORDANI, Umberto G.; MARCOVITCH, Jacques; SALATI, Eneas. Avaliação das ações
brasileiras após a Rio-92. Estud. Av. vol.11.nº 29. São Paulo. Jan./Apr. 1997. Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141997000100019.
Acesso em: 09/09/2012.
DIAS, Genebaldo Freire. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. São Paulo: Editora
Gaia, 2002. Evolução da educação ambiental. Disponível em:
http://www.genebaldo.com.br/livro_eapp.html. Acesso em: 25/04/2012.
________. Educação Ambiental – princípios e práticas. São Paulo: Editora Gaia, 9ª ed.,
2004.
________. Educação e gestão Ambiental. São Paulo: Editora Gaia, 2006.
________. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. 2. ed. rev., apl. e atual. São Paulo: Editora Gaia, 2006.
FREIRE, Paulo. Conscientização. São Paulo, 1980, p. 15.
________. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São
Paulo, SP: Paz e Terra, 1996.
43
GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra. São Paulo: Peirópolis, 2000. Editora Fundação
Peirópolis.
GODINHO, Edna Maria Oliveira; et al., 2008. Educação Ambiental nas Práticas
Escolares Dificuldades e Desafios no Ensino Fundamental. Disponível em:
http://www.webartigos.com/artigos/educacao-ambiental-nas-praticas-escolares-dificuldadese-desafios-no-ensino-fundamental/12416/#ixzz1z20RrSQJ. Acesso em: 27/06/2012.
IBAMA, 1998. Educação Ambiental – As grandes orientações da Conferência de
Tbilisi. Diretoria de Incentivo à Pesquisa e Divulgação - Programa de Educação Ambiental
e Divulgação Científica – Projeto de Divulgação Técnico-Científica. Brasília: Editora
IBAMA, 1998.
_________, 1999. Educação para um futuro sustentável – Uma visão transdisciplinar
para uma ação compartilhada – Conferência Internacional sobre meio Ambiente e
Sociedade: Educação e Conscientização Pública para a Sustentabilidade. Diretoria de
Incentivo à Pesquisa e Divulgação - Programa de Educação Ambiental e Divulgação
Científica – Projeto de Divulgação Técnico-Científica. Brasília: Editora IBAMA, 1999.
INSTITUTO EMBRATEL. Curso Agenda 21 - Declaração dos Princípios da
Conferência de Estocolmo. Disponível em:
http://www.institutoembratel.org.br/projetos/projetoGesac/swf/documentos/cursos/CursoInst
ituto/site/pdf/estocolmo.pdf Acesso em: 09/09/2012.
ISO. International Organization for Standardization. Disponível em: http://iso.org/ .
Acesso em: 18/06/2012.
ISO Online. Escola primária Vittorino Da Feltre. Disponível em:
http://www.iso.org/iso/iso-magazines/iso-focus-plus_index/iso-focusplus_online-bonusarticles/bonus_italian-school-14001.htm. Acesso em: 06/06/12.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia
científica. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2005.
MARCATTO, Celso. Educação Ambiental: Conceitos e Princípios. Belo Horizonte:
FEAM, 2002. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/7028363/Educacao-AmbientalConceitos-Principios. Acesso em: 09/09/2012.
MARGOLIN, Malcolm. Pedagogia indígena: Um olhar sobre as técnicas tradicionais de
educação dos índios californianos. p. 95. (título original em inglês: The Ohlone Way,
44
1978). Capítulo do livro de Fritjof, Capra: Alfabetização Ecológica. A educação das crianças
para um mundo sustentável. São Paulo: 2006. Editora Cultrix.
MICHAEL, Pamela. Ajudando as crianças a se apaixonar pelo planeta Terra: Educação
ambiental e artística. Parte II Tradição/Lugar. p. 142, do livro Alfabetização Ecológica de
Fritjof Capra, 2006.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parâmetros Curriculares. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/coea/panorama.pdf#page=17. Acesso em:
25/11/2011.
_________. Parâmetros Curriculares Nacionais. : terceiro e quarto ciclos:
apresentação dos temas transversais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília :
MEC/SEF, 1998, p.25. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf . Acesso: 22/08/2012.
_________. Um pouco da história da educação ambiental. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/historia.pdf . Acesso em:
09/09/2012.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SECRETARIA DE ENSINO FUNDAMENTAL.
Programa Parâmetros em Ação Meio Ambiente na Escola. 2001. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/coea/CadernoApresentacao.pdf . Acesso em:
09/09/2012.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Histórico Mundial. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-de-educacao-ambiental/historicomundial Acesso em: 27/06/2012.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Histórico Brasileiro. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-de-educacao-ambiental/historicobrasileiro. Acesso em: 12/09/2012.
O GLOBO. O que foi a Rio 92. Publicado em 30/05/12 e atualizado em 01/06/12.
Disponível em http://oglobo.globo.com/rio20/o-que-foi-rio-92-4981033. Acesso em:
09/09/2012.
PONTALTI, Edna Sueli (apud NARCIZO, 2009). Projeto de Educação Ambiental:
Parque Cinturão Verde de Cianorte, 2005. Disponível em: http://www.apromac.org.br.
Acesso em: 20/03/2008.
45
REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: Editora Brasiliense, 2ª. Ed.,
2009.
RENNER, Estela; NISTI, Marcos. Documentário: Criança: A Alma do Negócio.
Produtora Maria Farinha. Brasil, 2008. Disponível em:
http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/Biblioteca.aspx?v=8&pid=40.
Acesso em: 26/05/2012.
RIZZO, Marçal Rogério. Acidentes ambientais em grande escala. Disponível em:
http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_26296/artigo_sobre_acidentes_ambientais_em
_grande_escala. Acesso em: 09/09/2012.
RUY, Rosimari A. Viveiro. A Educação Ambiental na Escola. Revista eletrônica de
ciência nº 26, Maio de 2004. Disponível em:
http://cdcc.sc.usp.br/ciencia/artigos/art_26/eduambiental. Acesso em: 27/06/2012.
SATO, Michele; CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Educação ambiental: pesquisa e
desafios. – Porto Alegre: Artmed, 2005.
http://www.scielo.br/pdf/%0D/ep/v31n2/a12v31n2.pdf. Acesso em: 06/06/12.
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Escola da
Família. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/portal/projetos/escola-dafamilia?tw_p=twt. Acesso em: 30/05/2012.
SÓ PEDAGOGIA. História da Educação. Disponível em:
http://www.pedagogia.com.br/historia.php. Acesso em: 29/05/2012.
TBILISI – Conferência Intergovernamental de Tbilisi. Global Development Research
Center. Disponível em: http://www.gdrc.org/uem/ee/tbilisi.html. Acesso 29/05/2012.
_______ - Conferência de Tbilisi. Disponível em:
http://www.latec.ufrj.br/portaleducacaoambiental/index.php?option=com_content&view=art
icle&id=103:definicao-de-educacao-ambiental&catid=37&Itemid=69. Acesso em:
30/05/2012.
UNESCO. Declaração de Joimtien, 1990. Paris, UNESCO, 1998. Disponível em:
http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em 18/06/12.
46
________. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Paris, UNESCO, 1998.
Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf . Acesso:
18/06/12.
________. Declaração de Tessalônica, 1997. Grécia, UNESCO, 1997. Disponível em:
http://unesdoc.unesco.org/images/0011/001177/117772eo.pdf . Acesso em: 18/06/2012.
________.Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão
Internacional sobre Educação para o século XXI - Capítulo 2 da coesão social à
participação democrática. p.51. Impresso no Brasil em Janeiro de 1998. Disponível em:
http://ftp.infoeuropa.eurocid.pt/database/000046001-000047000/000046258.pdf . Acesso
em: 30/05/2012.
VIEIRA, Suzane da Rocha. A educação ambiental e o currículo escolar. Revista Espaço
Acadêmico nº 83, Ano VII, 2008. Disponível em:
http://www.espacoacademico.com.br/083/83vieira.htm. Acesso em: 09/09/2012.
Fly UP