...

Caderno Charles Chaplin - CESPE / UnB

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Caderno Charles Chaplin - CESPE / UnB
Caderno
VESTIBULAR
2.º - 2009
OBSERVAÇÕES
! Informações relativas ao vestibular
poderão ser obtidas pelo telefone
0(XX) 61 3448-0100 ou pela
Internet — www.cespe.unb.br.
! É permitida a reprodução deste
material apenas para fins didáticos,
desde que citada a fonte.
Universidade de Brasília
haplin
C H A R L E S
Prova Objetiva – Parte I (Língua Estrangeira)
Prova Objetiva – Parte II
Prova de Redação em Língua Portuguesa
L E I A C O M AT E N Ç Ã O A S I N S T R U Ç Õ E S A B A I X O .
1
Ao receber este caderno, confira atentamente se o tipo de caderno — CHARLES CHAPLIN —
coincide com o que está registrado no cabeçalho de sua folha de respostas e no rodapé de
cada página numerada deste caderno.
2
Quando autorizado pelo chefe de sala, no momento da identificação, escreva, no espaço
apropriado da folha de respostas, com a sua caligrafia usual, a seguinte frase:
O cineasta deve ser um artista comprometido com os grandes
problemas de seu tempo.
3
Este caderno é constituído das provas objetivas Parte I – Língua Estrangeira — incluindo as
opções de Língua Espanhola, Língua Francesa e Língua Inglesa — e Parte II, e da prova de
Redação em Língua Portuguesa, acompanhada de espaço para rascunho, de uso opcional.
4
Caso o caderno esteja incompleto, tenha qualquer defeito ou apresente discordância quanto ao
tipo, conforme o item 1, solicite ao fiscal de sala mais próximo que tome as providências cabíveis.
5
Na folha de respostas, marque as respostas relativas aos itens da prova objetiva Parte I – Língua
Estrangeira de acordo com a sua opção, pois não serão consideradas reclamações posteriores.
6
Nos itens do tipo A, de acordo com o comando agrupador de cada um deles, marque, para cada
item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com
o código E, caso julgue o item ERRADO. Nesses itens, recomenda-se não marcar ao acaso: a
cada item cuja resposta marcada divirja do gabarito oficial definitivo, o candidato recebe
pontuação negativa, conforme consta no Guia do Vestibulando. Para as devidas marcações, use
a folha de respostas, único documento válido para a correção das suas provas objetivas.
7
Não utilize lápis, lapiseira (grafite), borracha, calculadora e(ou) qualquer material de consulta que
não seja fornecido pelo CESPE/UnB; não se comunique com outros candidatos nem se levante
sem autorização do chefe de sala.
8
Na duração das provas está incluído o tempo destinado à identificação — que será feita no
decorrer das provas —, ao preenchimento da folha de respostas e à transcrição do texto definitivo
da prova de Redação em Língua Portuguesa para a respectiva folha, no local apropriado.
9
A desobediência a qualquer uma das determinações constantes nas presentes instruções, na
folha de respostas ou na folha de texto definitivo da prova de redação poderá implicar a anulação
das suas provas.
PARTE I – LÍNGUA ESPANHOLA
En el texto,
Texto para los ítems de 1 a 9
6
El cine y el movimiento
el significado de la expresión “ensartarlas” (R.18) puede
ser expresado a través de la expresión hilvanarlas.
1
4
7
10
13
16
19
22
25
28
En 1907, en La Evolución Creadora, Bergson nos
ofrece una de sus tesis sobre el cine y su relación con el
movimiento. El cine procede, en efecto, con dos datos
complementarios: cortes instantáneos llamados imágenes; un
movimiento o un tiempo impersonal, uniforme, abstracto,
invisible o imperceptible, que está “en” el aparato y “con” el cual
se hace desfilar las imágenes. El cine nos presenta, pues, un falso
movimiento, es el ejemplo típico del falso movimiento. Pero es
curioso que Bergson imponga un nombre tan moderno y reciente
— cinematográfica — a la más vieja de las ilusiones. En efecto,
dice Bergson, cuando el cine reconstruye el movimiento con
cortes inmóviles, no hace sino lo que hacía ya el pensamiento más
antiguo — las paradojas de Zenón —, o lo que hace la percepción
natural. En este aspecto, Bergson se distingue de la
fenomenología, para la cual el cine rompería más bien con las
condiciones de la percepción natural. “Tomamos vistas casi
instantáneas sobre la realidad que pasa, y, como ellas son
características de esa realidad, nos basta con ensartarlas a lo largo
de un devenir abstracto, uniforme, invisible, situado al fondo del
aparato del conocimiento... La percepción, la intelección, el
lenguaje proceden en general así. Se trate de pensar el devenir, o
de expresarlo, o incluso de percibirlo, no hacemos otra cosa que
accionar una especie de cinematógrafo interior.” ¿Deberá
entenderse que, según Bergson, el cine sería tan sólo la
proyección, la reproducción de una ilusión constante, universal?
¿Como si siempre se hubiese hecho cine sin saberlo? Pero
entonces son muchos los problemas que se plantean, y ante todo,
la reproducción de la ilusión, ¿no es también, en cierta manera, su
corrección? ¿Se puede concluir de la artificialidad de los medios
la artificialidad del resultado?
7
el vocablo “Deberá” (R.23) es utilizado para expresar
una acción futura.
8
el elemento “Como” (R.26) actúa en el texto como
pronombre interrogativo.
9
el vocablo “procede” (R.3) es sustituible por proviene
sin que se produzcan alteraciones semánticas o
gramaticales en el texto.
Tiempos modernos
Es considerado el mayor comediante de los tiempos
Gilles Deleuze. La imagen-movimiento. Estudios sobre cine, 1990 (con adaptaciones).
modernos. No hay nadie en la faz de la tierra que sea capaz
de hacerte reír o tocarte tan profundamente el corazón como
Basándose en el texto de arriba, juzgue los ítems siguientes.
1
En relación a la percepción del cine y su relación con la
percepción humana no podemos afirmar que Bergson perteneciese
a la fenomenología.
2
Según Bergson, la percepción, la intelección, el lenguaje y el cine
operan hasta cierto punto de forma similar.
3
Se puede inferir del texto que su autor coloca en tela de juicio que
se pueda considerar que la reproducción de la ilusión y su
corrección sean exactamente lo mismo.
4
Según Bergson, el cine se fundamenta en un movimiento falso.
5
Se puede inferir del texto que, según la opinión de Bergson, en la
antigüedad ya se hacían películas.
él. El mundo entero se ríe, llora y se estremece al ver este
genio impagable.
Basándose en el texto y en la imagen de arriba, juzgue los
ítems siguientes.
10
Nadie en los tiempos modernos fue jamás tan gran
comediante como Chaplin.
11
La imagen hace referencia a la revolución industrial en
los tiempos modernos.
12
Se puede inferir del texto que Chaplin fue un genio de
la tragicomedia.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–1–
13
Ciudad de Dios
1
4
7
10
13
16
19
22
25
28
31
34
37
40
43
Ciudad de Dios resulta un fresco social, un film de iniciación
y también un film apocalíptico. La durísima realidad de las favelas y los
barrios más carenciados de Brasil ha sido llevada al cine en varias
ocasiones, tal vez la más célebre haya sido Orfeo Negro, en clave
romántica. Algo de ese romanticismo subsiste bajo la cruda violencia
de Ciudad de Dios, que relata la trayectoria de varios chicos habitantes
del barrio llamado así ¿paradójica, irónicamente? y situado en las
afueras de Río de Janeiro. En este caso no se trata de estrechas calles
colgadas de los morros sino de una urbanización construida en los años
‘60 con el propósito de albergar familias sin vivienda, y que en poco
tiempo devino ciudad marginal regida por sus propias leyes e
impenetrable a quienes no fueren sus residentes. Los chicos de Ciudad
de Dios juegan al fútbol como todos los chicos brasileños, pero el
tiempo les enseñará que es muy difícil transitar cualquier camino que
no pase por el delito: la película nos muestra a través de dos décadas por
qué muchos eligen el tráfico de droga, el robo y el asesinato mientras
unos pocos intentan alejarse de ese mundo cerrado.
Narrado en primera persona desde el punto de vista de
Buscapé, uno de los jóvenes habitantes del barrio, el film tiene la
estructura de un relato enmarcado: las imágenes iniciales, en un montaje
agilísimo de impresionantes tomas de muerte y cacería en la Ciudad de
Dios anuncian el nivel de barbarie de lo que vendrá. Sigue con la
prehistoria del barrio en los ‘60 y la creciente criminalidad de los niños
comandados por un precoz muchachito, quien en los ‘70 se ha
transformado en el jefe de una banda. Comparten el barrio con otra
pandilla, en sorda convivencia competitiva. Paulatinamente, el crimen
se hace más implacable, el tráfico más pesado, los mafiosos son cada
vez más jóvenes. Cuando uno de los jefes se enamora e intenta eludir
su destino trágico, colapsa una paz forzosa y frágil, y sobreviene una
ola de muertes sangrientas, infames, vengativas.
El tratamiento de la imagen, de la violencia está en este caso
al servicio de la puesta en escena de la dura realidad de la marginación
en Latinoamérica. Lo que más impacta del film de Fernando Meirelles
es el testimonio de toda una nueva generación familiarizada con el
crimen, de chicos que matan a la edad de empezar a leer, de bandas de
mocosos que instalan una ola de terror y quedan como amos
despiadados de ese microcosmos. El protagonista vive su destino
permanentemente cruzado con el de sus vecinos. Si éstos decidieron
disparar las armas, Buscapé eligió disparar una cámara de fotos, y si
demuestra ser un inepto total para el crimen, su condición de oriundo de
la favela lo coloca en una posición inmejorable para registrar como
fotógrafo las luchas en esos barrios herméticos. Meirelles presenta una
sutil observación de los diferentes grupos, tratando a sus personajes
como tipologías representantes de un ámbito social.
Internet: <www.cineismo.com> (con adaptaciones).
Con respecto a las ideas y estructuras lingüísticas del texto, juzgue los
ítems de 13 a 22.
En el texto el vocablo “fresco” (R.1) puede ser
sustituido por desvergonzado sin alterar el
sentido ni la corrección gramatical.
14
Es correcto inferir del texto que la utilización de
imágenes de violencia en Ciudad de Dios tiene
una finalidad puramente estética.
15
Se puede inferir del texto que en Ciudad de Dios
la convivencia con un contexto tan hostil y
violento no le es del todo perjudicial al
protagonista Buscapé.
16
Las construcciones “una sutil observación”
(R.42-43) y “a sus personajes” (R.43) desempeñan
en el texto la función de complementos directos.
17
De acuerdo con el texto las películas brasileñas
Orfeo Negro y Ciudad de Dios coinciden en dar
destaque al tratamiento romanticista de la vida en
las favelas.
18
En el texto la forma verbal “devino” (R.11) puede
ser reemplazada por la forma fue transformada
en sin que se produzcan alteraciones semánticas
o en el marco sintáctico.
19
El filme Ciudad de Dios, de Fernando Meirelles,
muestra que a los jóvenes de la favela no les es
posible encontrar un futuro que no pase por el
mundo de la criminalidad y las drogas.
20
Es
correcto
deducir
del
texto
que
los
acontecimientos retratados en Ciudad de Dios
son presentados desde la perspectiva del
personaje que los vivió.
21
En el texto las palabras “banda” (R.25) y
“pandilla” (R.26) son sinónimas.
22
Los acontecimientos del filme Ciudad de Dios
no son presentados totalmente en orden
cronológico.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–2–
El cine de Pedro Almodóvar
1
El cine de Almodóvar cultiva un naturalismo que destruye el usual costumbrismo burgués del cine español. Suele
representar, por el contrario, una realidad marginal o del subproletariado urbano y abunda en elementos escandalosos y
provocadores: policías corruptos, consumo de drogas, maltrato, prostitución, niños precoces, paletos filosóficos, marujas
4
desesperadas, homosexualidad desgarrada, etc., todo ello sin renunciar a su humor irreverente y sin dejar de provocar con
heterodoxas escenas. Este material escandaloso podría pretender, como en el caso de los surrealistas, épater les bourgeois
(perturbar a los burgueses). Con el tiempo, sin embargo, va puliendo su escritura y desarrollando guiones cada vez más
7
sofisticados y coloristas, muy cercanos al melodrama clásico.
En películas posteriores como ¡Átame!, clasificada inicialmente como en Estados Unidos — a raíz de esta película, nació
la clasificación americana NC-17, también adjudicada a La Mala Educación —, una mujer llega a enamorarse de su secuestrador
10
y en Kika llega incluso a trivializar la violación. También abundan, entre sus fuentes de inspiración, casi siempre autobiográficas,
los elementos buñuelescos y anticlericales, como el humor negro o el cura pederasta de La Mala Educación, o pertenecientes
a la cultura “cañí” de masas y el arte de vanguardia.
13
Almodóvar mezcla en sus películas lo tradicional y lo transgresor. Es característica su afición a los boleros, a Chavela
Vargas, a Caetano Veloso, y en general a la estética más punk y transgresora, basada en la utilización de colores muy vivos y
fuertemente contrastados, exteriores vulgares y degradados y las desproporciones violentas entre los intérpretes humanos y los
16
entornos físicos de los edificios. Su experiencia como actor y cantante lo ha hecho transformarse en un importante director de
actores y como guionista pergeña especialmente bien los personajes femeninos y las historias cargadas de dramatismo.
En opinión de Lynn Hirschberg, “Almodóvar preside sobre sus cambiantes personajes como un cura benevolente: acepta
19
y perdona prácticamente a todos ellos, no importa lo terrible de sus pecados. Un secuestrador, un violador o un pedófilo pueden
tener un corazón puro; por supuesto, los aparentemente inocentes también pueden ser culpables”.
Internet: <es.wikipedia.org> (con adaptaciones).
Con respecto a las ideas y estructuras lingüísticas del texto, juzgue los siguientes ítems.
23
El elemento “lo” desempeña la misma función gramatical en “lo tradicional” (R.13) y en “lo ha hecho” (R.16).
24
Es correcto inferir del texto que Almodóvar aúna en sus películas elementos de naturaleza estética dispar.
25
Según Lynn Hirschberg, Almodóvar dirige a sus actores como si fuese un párroco benevolente.
26
El cine de Almodóvar ofrece siempre un retrato naturalista de la condición de vida de los estratos más desfavorecidos de la
sociedad urbana.
27
La forma verbal “podría pretender” (R.5) puede ser sustituida por había pretendido sin producir alteraciones semánticas o
gramaticales.
28
Se puede inferir del texto que Pedro Almodóvar es director de cine y guionista.
29
Según el texto, las primeras películas de Almodóvar se caracterizaban por poseer un guión muy simple.
30
En el texto el vocablo “coloristas” (R.7) hace referencia al uso de muchos colores como forma expresiva.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–3–
PARTE I – LÍNGUA FRANCESA
Synopsis
1
4
7
10
13
Eadweard Muybridge. Le cheval au galop.
16
Expérimentations avant le cinématographe
Commentaire
Le phénomène physiologique de la persistance
rétinienne n’est observé qu’au XVIe siècle et XVIIe siècle par le
Chevalier d’Arcy et Isaac Newton. Cette particularité de l’œil et
la capacité du cerveau de lier plusieurs images séparées,
permettent la création d’un artifice reconstituant le mouvement.
La première démonstration scientifique est la roue de Faraday en
1830; depuis, différents objets sont créés. Leur exploitation
commerciale sous forme de jouets devient courante à partir de
1850. Le général Franz von Uchatius les améliore et en 1853 il
crée un système de projection inspiré de la lanterne magique qui
existe depuis le XVIe siècle. La photographie, quant à elle, naît en
1839 sous l’impulsion de Jacques Daguerre. Reste à combiner les
appareils reconstituant le mouvement avec la photographie.
Eadweard Muybridge a précisément l’idée en 1878
d’aligner vingt-quatre appareils photographiques pour
décomposer le mouvement d’un cheval lancé au galop. Les
photographies sont par la suite intégrées dans un dispositif de son
invention, le zoopraxiscope, qui permet de voir s’animer la course
du cheval. Étienne-Jules Marey qui travaille également sur le
mouvement des animaux crée en 1882 un fusil photographique
qu’il dote ensuite d’une pellicule: le chronophotographe.
18
21
24
27
30
33
36
39
Internet: <fr.wikipedia.org> (adapté).
En considérant le texte présenté, jugez les propositions suivantes.
1
D’après le texte, on peut conclure que Jacques Daguerre a eu
un rôle majeur dans la naissance de la photographie.
2
C’est grâce au zoopraxiscope que Eadweard Muybridge a
réussi dans une machine à animer le galop d’un cheval
en 1878.
3
Selon le texte, la roue de Faraday est un jouet créé en 1830
pour prendre de la photo.
4
Le texte fait référence à plusieurs objets qui ont été inventés
avant le cinématographe.
5
D’après le texte, il y a plus de 1.600 ans que l’homme
connaît le phénomène de la persistance rétinienne.
6
Le texte affirme que la découverte du mouvement a été faite
par Isaac Newton.
7
Selon le texte, la lanterne magique a été inventée en
1853 par Franz von Uchatius.
À Rio de Janeiro, Josué,
un jeune garçon d’une dizaine
d’années, se retrouve sans famille,
après la mort de sa mère qui a été
victime d’un accident de la
circulation. Dora, une institutrice à
la retraite, exerçant le
métierd’écrivain public dans le hall
de la gare, va l’aider à retrouver
son père dans l’aride région du
nord-est brésilien. Au cours de ce
voyage initiatique aux multiples
conséquences, les deux
personnages vont se découvrir progressivement l’un l’autre.
Un film extrêmement émouvant qui retrace pour l’enfant, le
dur apprentissage de la vie, et pour Dora, la douloureuse
découverte de soi-même.
Sans être un documentaire-fiction, Central do
Brasil ne perd jamais une occasion de nous renseigner sur
certains aspects d’une réalité sociale assez sombre: écrivains
publics, enfants vagabonds, trafic d’organes, trains pleins,
alcoolisme, violence, loteries... Mais l’image du Sertão que
nous propose Central do Brasil est très différente de celle
donnée par les grands films du Cinéma Novo dans les années
1960. La rudesse et la dureté de la terre y sont ici effacées,
presque abolies; alors le cinéaste présente un regard qui
accentue en permanence la beauté et l’immensité des
paysages sauvages. L’enfant du film représente l’espoir de la
génération montante. Il est “l’ange-transformateur” de la
fatalité, exigeant des adultes qu’ils prennent leurs
responsabilités. Le personnage de Dora finira par redécouvrir
les valeurs morales et les qualités humaines qu’elle avait
oubliées. Central do Brasil laisse peu à peu apparaître l’idée
d’un monde dans lequel l’action va vaincre la passivité, la
solidarité va triompher de l’individualisme et la confiance
dominera l’indifférence. Dans cette espérance, le cinéma a
un rôle à jouer comme le montre symboliquement les images
finales.
C’est grâce à ses qualités que ce film a reçu, au
festival de Berlin, deux prix importants: l’Ours d’Or et le
prix de la meilleure actrice pour Fernanda Montenegro.
Internet: <fr.wikipedia.org> (adapté).
En considérant le texte et la figure présentés, jugez les
propositions de 8 à 16.
8
Pour l’institutrice retraitée, la découverte de soi-même ne se
fait pas sans une certaine dose de douleur.
9
Le texte affirme que Central do Brasil est un pur
documentaire de la réalité brésilienne.
10 La réalité sociale brésilienne qui apparaît dans la péllicule
Central do Brasil est très dynamique et pleine de richesse,
différente de celle donnée par les films du Cinéma Novo, qui
nous montrent une réalité sociale assez éclatante.
11 On peut dégager du texte et de la figure que, dans le film
Central do Brasil, les deux personnages principaux se
découvrent graduellement l’un l’autre pendant un voyage.
12 D’après le texte, dans Central do Brasil, comme Dora
connaît le père de Josué, elle se propose d’aider le jeune
garçon à chercher son père.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–4–
13
Il est correct d’affirmer que Dora représente dans Central
do Brasil l’espoir de la nouvelle génération.
14
Le film Central do Brasil montre de graves problèmes
sociaux, tels que l’alcoolisme et la violence.
15
D’après le texte, Central do Brasil présente un message
d’espérance et d’optimisme.
16
Dans la phrase “qui a été victime d’un accident de la
circulation” (R.4-6), le pronom “qui” remplace le mot
“mort” (R.4).
Le cinéma en France
1
4
7
10
13
16
19
22
La France exerce depuis plus d’un siècle une
influence majeure sur le cinéma européen et même mondial;
en outre, c’est la nation qui produit le plus de films par
habitants. Le cinéma français est à la fois un des plus anciens
et un des rares cinémas encore autonomes au début du
XXIe siècle. Le volume de films produits chaque année ainsi
que la présence des productions nationales en salle de
cinéma ou à la télévision font que le cinéma français existe
toujours en tant qu’industrie.
Confronté à la forte concurrence de Hollywood à
partir des années 1980, il s’est spécialisé sur deux segments
moins concurrentiels: la comédie française d’une part et le
cinéma d’auteur d’autre part. L’exceptionnelle qualité du
réseau de salles d’art et d’essai fait de la France un pays
particulièrement cinéphile; cette réalité devient visible
surtout à Paris, où la concentration des ciné-clubs et des
salles spécialisées dans le film artistique et expérimental est
la plus grande; en outre, c’est à Paris que la diversité de
programmation cinématographique est une des plus
importantes au monde, comparable à celle de New York et
de Tokyo. Certains spécialistes considèrent que Paris est la
capitale mondiale du cinéma d’art et d’essai.
Les temps modernes
Il est le plus grand
comédien des temps
modernes. Sur la face de la
terre, il n’y a personne
comme lui capable de vous
faire rire ou habile à toucher
si profondement le cœur. Tout
le monde meurt de rire ou
pleure ou se surprend devant
ce génie d’une singularité
extraordinaire et très
comique.
D’après le texte et la figure présentés, jugez les propositions
suivantes.
24
Dans les temps modernes, personne n’a été un aussi génial
comédien que Chaplin.
25
La gravure du film Les Temps Modernes présentée montre
certains aspects de la révolution industrielle.
26
Les films de Chaplin ne suscitent qu’un type d’émotion.
Cinema suisse
1
4
7
Internet: <fr.wikipedia.org> (adapté).
10
D’après le texte, jugez les affirmations suivantes.
17
Le texte affirme que, en étant la capitale mondiale du cinéma
d’art et d’essai, la France ne fait que des films pour la
télévision.
18
Paris offre une programmation de films aussi variée que
celle de New York et de Tokio.
19
Dans la ligne 16, le pronom “où” a comme antécédent le mot
“Paris”.
20
L’influence française sur le cinéma mondial se fait sentir
depuis une centaine d’années.
21
Proportionnellement à sa population, la France est le pays
qui tourne le plus de films.
22
Actuellement le cinéma français perd son autonomie.
23
Le texte affirme que l’industrie cinématographique française
éprouve aujourd’hui une très forte concurrence du cinéma
nord-américain, surtout au niveau des films artistiques et
expérimentaux.
13
16
Le cinéma suisse est la production
cinématographique dont les moyens tant humains que
matériels sont suisses pour l’essentiel. Il englobe également
les moyens de promotion, notamment par les festivals suisses
de cinéma.
Quand on fait la présentation de l’histoire du cinéma
suisse, il faut prendre en compte la coexistence de plusieurs
zones linguistiques dans le pays, où il y a quatre langues
officielles, parmi lesquelles le français. Cette situation
conduit nécessairement à une grande diversité au niveau des
auteurs, des œuvres et des sources d’information.
Actuellement en Suisse, coexistent différents genres
de films. La part de documentaires est importante avec, par
exemple, War Photographer de Christian Frei nommé aux
Oscar 2002. De plus, la Suisse sert de cadre au tournage de
nombreux films indiens de Bollywood.
Internet: <fr.wikipedia.org> (adapté).
En considérant le texte, jugez les propositions suivantes.
27
Le texte affirme que la production cinématographique suisse
est uniforme et que cette uniformité se doit essentiellement
à l’histoire de ce pays.
28
Beaucoup de films indiens sont tournés en Suisse, à cause
de son environnement.
29
Dans le texte, l’adverbe “notamment” (R.4) a le sens de
généralement.
30
Comme on parle quatre langues en Suisse, cette diversité
rend son cinéma restreint au genre documentaire.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–5–
PARTE I – LÍNGUA INGLESA
Subliminal messages — good versus evil
This text refers to items from 1 through 8.
1
4
7
10
13
16
19
22
25
28
31
Moving images are so pervasive in our lives today
that it is hard to imagine a time when people did without
them. They’ve become an essential element in the way we
communicate, the way we think. They’ve certainly
influenced every other form of art in some way.
When photography was invented in 1839, many
artists were repulsed by the new phenomenon. The visual
arts of painting and sculpture had reigned for millennia. A
painting wasn’t just a reproduction — it transformed the
objective reality which it portrayed into something new, a
result which contained a mysterious quality that, for lack of
a better phrase, was a part of the artist’s soul. The new
invention, which reflected reality back to us through a
mechanical device, seemed cold and frightening.
People have always remembered, and tried to
preserve and transmit their memories through time. History
was recorded through the written word. The wisdom of the
past was transmitted through the myth, the story, and later
the epic poem, drama and novel.
I doubt if I am the only person who, while
watching an old movie, has had the morbid thought occur
to him that “Everyone in the film is dead now”. Yet, they
are still on the screen, moving, laughing, dancing, just as
they did when alive.
The Lumieres began to show their short films in
1895. They were a sensation. Imagine if you can the
astonishment experienced by the audiences, to see a
projected moving image on a large screen. One effect was
fright. It is said that when the Lumieres showed their film of
the arrival of a train at a station, the audience jumped back
from the screen as if they were going to be run over by the
oncoming train.
Internet: <www.cinescene.com> (adapted).
Based on the text above, judge the following items.
1
Since the beginning of human history, there has been a need
to remember the past.
2
The author of the text believes he is the only person who
thinks that people shown in old films are already dead.
Superman is one of the good guys, right? Or how about
Spiderman? Sure he’s one of the nicest guys you will find
fighting crime. If you agree with the above, you have been the
victim of subliminal messages.
For years we have been slowly influenced by all manner
of messages through a variety of media, and it has often shaped
our perception of money, wealth and success.
Children have been programmed to believe that it is a sin to have
money, rich guys are the evil ones and it is nobler to be poor. I
mean, look at the two examples in the first paragraph. Superman,
an orphan raised by the hardworking but certainly not wealthy,
Kents. His archenemy is Lex Luther of Luther Corp, rich,
powerful and totally evil! The same for old Peter Parker (aka
Spiderman) raised by an aunt and uncle who can’t even raise the
rent money, and he battles it out against rogues like Harry Osborn
— again, filthy rich and rotten too!
Many of our so-called superheroes are painted in this
way, just look at Batman, Wonderwoman, Harry Potter… all
orphans. It’s little wonder then, that as we have watched these
characters, even emulated them, the subliminal messages about
good versus evil, poverty versus wealth and right over wrong
have been firmly embedded in our minds.
Then, of course, we have the flip side — subliminal
messages that can be used effectively to plant positive messages
directly into our sub-conscious mind. These types of messages
work so well because they by-pass our conscious mind, the part
that applies rational thinking, judges things, decides if we are
going to believe something or not.
Now if a message by-passes this step — it is accepted by
the sub-conscious mind ‘as it is’, no bias, no judgment, no second
guess — WYSIWYG (what you see, is what you get) to coin a
phrase!
Imagine the potential if we could plant the seeds of some
very powerful, positive, life changing suggestions directly to our
‘hard drive’ — we would soon start to replace all of those old
school negative beliefs with some shiny new systems for success.
From: blog archive, 2007 (adapted).
Considering the text above, judge the items below.
3
People were taken aback when they saw the Lumieres’ short
movie showing the arrival of a train at a station being
projected on a big screen.
9
It can be inferred from the text that subliminal messages are
those which may affect you even though you do not notice
or think about them.
4
In the first half of the eighteenth century, when photography
was first invented, the visual artists welcome it as a new
phenomenon.
10
For the author of the text, subliminal messages have always
a positive connotation.
5
For a long time, painting and sculpture played the role of
photography, as they reproduced the objective reality in a
very precise way, with nothing further added.
11
For the author of the text, poverty must be praised, while
wealth should be avoided.
12
The way we face our earnings, perceive wealth, and deal
with success are seldom affected by the way mass media
approach these topics.
13
Every hero mentioned in the text has no parents.
14
Once one watches the heroic figures mentioned in the text,
one may go to the length of following their examples.
15
Harry Osborn, mentioned in the text, is an unspoiled and
pleasant character.
6
When it appeared, photography was thought to be unfriendly
and fearsome.
In the text,
7
“run over” (R.31) is the same as hit and drive over the top.
8
the expression “epic poem” (R.19) refers to a poem which
contains a lot of action and deals with everyday subjects.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–6–
This text refers to items from 16 through 27.
1
4
7
10
13
16
19
22
25
28
31
34
37
40
43
46
49
52
55
In the minds of many, the words Brazil and culture
conjure up images of beaches, footballers and dancers in
vivid carnival costumes. Filmmaking and cinema, on the
other hand, haven’t always figured amongst Brazil’s cultural
staples.
Repressed and censored by a military dictatorship
throughout much of the 1970s and 1980s, Brazilian
filmmakers struggled to make an impact on audiences abroad.
Shortly after the country’s return to democracy, the Ministry
of Culture was closed and the state-supported film industry
crumbled almost overnight. The consequent lack of funding
caused Brazilian cinema to reach a low point in the early
1990s. Today, less than two decades after the collapse of the
industry, Brazilian cinema is enjoying a renaissance, wowing
audiences and critics alike.
So, why all the excitement over Brazilian cinema now?
Since the start of 2008 Brazilian films have gone from
strength to strength on the festival circuit.
In February 2008, director Jose Padilha’s controversial
drama about police violence and corruption, Elite Squad, took
Berlin Film Festival’s top award, the Golden Bear.
Another triumph followed at Cannes Film Festival
in April. Sandra Corvelloni won the best actress award for
her role in Walter Salles’ Linha de Passe. She plays a
heavily pregnant, chain-smoking mother of four boys who
are all in their own ways attempting to transcend their
working-class lives.
Salles’ film was also nominated for the prestigious
Palme d’Or, as was Blindness, the latest offering from
fellow Brazilian and director of City of God, Fernando Meirelles.
Brazilian films are all about favelas and violence, then?
Indeed, one of the most celebrated Brazilian releases of the
past years, 2003’s City of God, as well as this year’s Elite
Squad, feature ultra-violent narratives set mainly in slums,
or favelas, as they are known in Brazil. Both of these films,
incidentally, were scripted by screenwriter Braulio Mantovani.
Both films were widely acclaimed for their honesty and
gripping storytelling, but condemned by certain critics for
excessive depictions of violence.
At the time of its release, City of God — which has
inspired a whole genre of imitators with its fast-paced editing
and bright colors — was accused of glamorizing cruelty.
Similarly, Elite Squad has been said to promote
fascism, as it depicts the often-brutal methods employed by
Brazil’s special police force in the ongoing battle with drug
gangs in the favelas. Variety magazine even dubbed
Padilha’s oeuvre “a recruitment film for fascist thugs”, with
Rambo style heroes.
But Padilha defends the film’s violent tone, insisting
that it was necessary in order to drive home its message.
“The bottom line is we are trying to say that the whole
violence that goes on in Rio is mainly caused by ourselves
and we can possibly undo that”, he told CNN.
Other Brazilian directors are taking a less bloody
approach in telling the stories, of the working classes. Lucia
Murat’s Mare, Nossa História de Amor, for example, is a
musical adaptation of Romeo and Juliet set in one of Rio’s
hillside shantytowns — a novelty in Brazilian cinema.
17
Since the beginning of 2008, Brazilian films have gradually
become remarkably successful in the festival circuit.
18
Some people equate Elite Squad with fascist ideas.
19
Padilha said that the most important aspect in the situations
presented in Elite Squad was to raise people’s
consciousness about the responsibility they have for the
continuing violence.
20
Murat directed a lighter story than Padilha’s, in
a wealthier setting.
21
Elite Squad was bitterly criticized by most critics for
showing police violence and corruption.
22
Linha de Passe, a Walter Salles’ film, won the Palm d’Or.
23
City of God and Elite Squad, both written by Mantovani,
became a success by accident.
24
The movies City of God and Elite Squad were regarded for
their earnestness and for keeping people’s close attention,
notwithstanding the violence they presented.
25
City of God became a success due to its slow motion editing
and its pale colors.
In the text,
26
“thugs” (R.47) is the same as criminals.
27
“latest” (R.29) means last.
Chaplin stands alone as the greatest entertainer of
modern times. There is nobody in the world capable of making
you laugh, cry and thrill with his priceless genius.
Based on the picture and the text above, judge the following
items.
28
In the twentieth century, nobody was as great a comedian as
Chaplin.
According to the text, judge the items from 16 through 25.
29
The picture reminds us of the Industrial Revolution.
16
30
Chaplin’s gift to arise different states of mind was known all
around the world.
58
Internet: <www.cnn.com> (adapted).
Military dictatorship repression and censorship in Brazil
lasted for more than ten years.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–7–
PARTE II
Texto IV
Texto I
1
4
7
10
A primeira sessão paga de cinema aconteceu no dia
28 de dezembro de 1895, em uma sala nos fundos do Grand
Café, no Boulevard des Capucines, em Paris. Assombrada,
a plateia viu imagens de trabalhadores saindo de uma fábrica
e de um trem chegando à estação. Para os padrões atuais, as
imagens seriam banais, mas, para um mundo acostumado
apenas com os slides estáticos, eram uma revelação. Com a
projeção das imagens em movimento, Louis e Auguste
Lumière realizavam o sonho de muitos inventores — naquela
noite, nascia o cinema.
1.000 que fizeram 100 anos de cinema. In: The
Times/IstoÉ. São Paulo: Ed. Três (com adaptações).
Texto II
A Chegada do Trem à Estação (Lumière, 1895), com
duração de 50 segundos, narra a chegada de uma locomotiva à
plataforma de uma ferrovia repleta de passageiros que a
aguardavam. Ao ser projetado, o filme causou espanto diante do
público. Como a câmera englobou a totalidade da ação no
momento em que o trem chega e para ao lado esquerdo da tela, o
público pensou que o trem realmente estava lá, e tamanho foi o
medo, que muitos fugiram da sala de exibição, e alguns que
permaneceram se esconderam sob as cadeiras.
A teoria de Flaubert sobre o realismo como norma
estética evidenciava preocupação apenas com os processos
profissionais do romancista. Ele idealizou uma indiferença
científica, uma frieza e cuidado na observação dos materiais. Fez
uma viagem ao Egito para estudar o cenário da sua novela
Salammbô. Mas não se pode dizer que as novelas de Flaubert
sejam uma servil tradução dos objetos naturais. “As pessoas
creem que estou preso ao real”, disse ele, “quando, na realidade,
o detesto”. Esse realismo rapidamente se intensificou na
passagem para a fase chamada naturalismo, de que Zola foi o
expoente máximo na França.
Wimsatt e Brooks. Crítica literária. Lisboa:
Fundação Gulbenkian, 1971, p. 547 (com adaptações).
Texto V
Se tivéssemos de fazer uma trilha sonora para a chegada
do trem à estação utilizando como fonte sonora os sons do
ambiente da estação, poderíamos planejar a seguinte estrutura
musical: som do trem freando lentamente, diminuindo sua
velocidade, enquanto se ouve um apito agudo que se repete três
vezes; ritmo do movimento da locomotiva ficando mais lento;
som do trem diminuindo, e vozes das pessoas na plataforma
crescendo de intensidade, de piano para forte; o trem dá seu
último suspiro e silêncio. Na plataforma da estação, ouvem-se
vozes, choros, pregões de vendedores, sons de carrinhos de
carregar bagagem e passos lentos e apressados.
Tendo como referência os fragmentos de textos de I a V
apresentados, julgue os itens de 1 a 17.
1
Registra-se, nos textos I e II, o aparecimento do cinema em
fins do século XIX, período que, sob o ponto de vista de
parte das elites, correspondeu à belle époque, quando se
acreditava na marcha irreversível do progresso e na força
vigorosa da ciência e da tecnologia. Para a maioria da
população, todavia, eram graves os efeitos da crise
econômica iniciada nos anos 70 do século XIX, entre os
quais se incluía a ampliação das correntes migratórias
europeias em direção à América.
2
Cronologicamente, o surgimento do cinema, referido nos
textos I e II, ocorre no contexto da segunda etapa da
revolução industrial, assinalada pela descentralização de
empresas e capitais, pelo fim dos monopólios e pela redução
do papel do capital financeiro na condução da economia
capitalista.
3
O conteúdo do texto III contradiz o que é afirmado no
texto IV.
4
No texto I, o valor semântico da preposição em “Com a
projeção” (R.7-8) corresponde ao valor que a locução por
meio de pode exercer na oração, o que permite que Por
meio da substitua a expressão “Com a”.
5
No texto I, o sinal de travessão após a palavra “inventores”
(R.9), devido à função que exerce no período, pode ser
substituído pelo sinal de dois-pontos, sem prejuízo da
correção gramatical do texto.
Fernando Mendonça. A filosofia no cinema.
In: Spectrum, p. 103 (com adaptações).
Texto III
Nada nos impede de afirmar que, comparada com a
realidade, a aparência da arte seja ilusória; mas, com idêntica
razão, se pode dizer que a chamada realidade é uma ilusão ainda
mais forte, uma aparência ainda mais enganadora que a aparência
da arte. Na vida empírica e sensitiva, chamamos realidade e
consideramos como tal o conjunto dos objetos exteriores e das
sensações por eles provocadas. No entanto, todo esse conjunto de
objetos e sensações é, não um mundo verdade, mas um mundo
ilusões. Sabemos como a verídica realidade existe para lá da
sensação imediata dos objetos que percebemos diretamente.
Antes, pois, ao mundo exterior do que à aparência da arte se
aplicará o qualificativo de ilusório. (...) As obras de arte não são,
em referência à realidade concreta, simples aparências e ilusões,
mas, sim, possuem uma realidade mais alta e uma existência
verídica. Caso se queira marcar um fim último à arte, será ele o
de revelar a verdade, o de representar, de modo concreto e
figurado, aquilo que agita a alma humana.
F. Hegel. In: Obras completas, H. G., vol. X.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–8–
6
De acordo com o texto III, a realidade e a verdade da obra de
arte não se encontram naquilo que é figurado, mas na
possibilidade de representarem, pela figuração, estados
psicológicos humanos verdadeiros.
7
Considerando-se que a realidade humana, seja ela
psicológica, seja ela social, está em constante mudança, a
representação do homem no teatro também deve
transformar-se. Com base nesse pressuposto, o realismo no
teatro evita formas canônicas de representação.
8
No texto V, com o emprego do termo piano, utilizado na
descrição da sonoplastia da chegada do trem à estação,
indica-se que, naquele momento, ouve-se o som do
instrumento musical piano.
9
No texto V, na descrição sonora da chegada do trem à
estação, são referidos, implicitamente, os seguintes
parâmetros do som: altura, intensidade, duração e timbre.
10
Sabendo-se que Platão considerava o mundo das ideias como
absolutamente real, sendo o mundo em que vivemos uma
cópia imperfeita daquele, e que, para ele, o conhecimento
adquirido por meio de uma cópia era sempre inferior ao
obtido por acessos mais diretos ao mundo das ideias, é
correto concluir que, de acordo com a filosofia platônica,
o cinema, como reprodução do mundo em que vivemos,
permite o acesso direto ao mundo das ideias.
11
A música, como arte, ao expressar emoções humanas, pode
revelar a “verdade” referida no texto III.
12
A física postula que a verdade é expressa por leis
matematicamente formuláveis, que podem conflitar com
estados psicológicos particulares. Nessa ótica,
diferentemente do que propõe o texto III, as sensações e as
percepções humanas não poderiam representar a verdade
última do mundo.
13
Na literatura, o realismo e o naturalismo, movimentos
estéticos citados no texto IV, centraram-se no romance.
14
O romancista do naturalismo considerava-se um psicólogo
científico e, como tal, camuflava a realidade que o rodeava.
Tal característica pode, com base na descrição apresentada
no texto IV, ser corretamente atribuída a Gustave Flaubert.
15
O naturalismo, movimento estético citado no texto IV, teve
orientação social ao abordar a situação das classes
trabalhadoras.
16
Deduz-se do texto IV que a literatura do realismo e a do
naturalismo são um simples registro do objeto real, à
semelhança da imagem fotográfica.
17
Na abordagem do realismo aplicado ao teatro, busca-se
explicitar a realidade por meio da cena. No entanto, por mais
que as cenas remetam à realidade, elas serão sempre a
realidade construída no palco, a partir da escolha e da
organização dos elementos teatrais que as compõem.
O mundo conheceu a América através do cinema e,
para muitos, a América foi apenas o cinema. Em uma sala
escura dedicada à narração de um longo sonho, o cowboy, o
mocinho, o cidadão honesto e a moça pobre sempre venciam
o índio, o bandido, o desonesto e a moça rica. Hollywood
criou essa América, onde o bem derrotava o mal, o amor se
realizava e as pessoas de vida pequena sonhavam com a
grande vida. E, quando essa máquina de fabricar mitos se
voltou contra o Eixo, foram mobilizados milhões de almas
simples contra os novos vilões da história.
Nosso século. v.3, São Paulo: Abril
Cultural, 1980, p. 243 (com adaptações).
Para o marxismo moderno, em sua filosofia política, todas as
ações estão perpassadas por ideologia, não existindo ação
ideologicamente neutra. Tendo essa afirmação e o texto
apresentado como referências, julgue os itens que se seguem.
18
A copiosa produção cinematográfica hollywoodiana
desempenhou importante papel político na divulgação de
valores e costumes que caracterizariam o modo de vida
americano, contribuindo para a então crescente afirmação
do prestígio internacional dos Estados Unidos da
América (EUA).
19 Infere-se do texto que, a despeito da enorme carga emocional
suscitada por um conflito como a Segunda Guerra Mundial, a
indústria cinematográfica norte-americana eximiu-se de fazer
juízo de valor em relação aos inimigos, provavelmente para não
perder futuros mercados exibidores de seus filmes.
20 A figura do cowboy remete à colonização inglesa da
América do Norte, marcada pela conquista integral do
território e pela similitude com o processo de colonização
da América ibérica.
21 Na perspectiva do fundamento marxista mencionado, toda
realização cinematográfica está necessariamente vinculada
a determinada ideologia. Nessa ótica, propositadamente ou
não, uma obra cinematográfica é sempre, entre outras coisas,
uma propaganda, ideia que é corroborada no texto, na
menção ao cinema de Hollywood.
A publicidade organiza toda sorte de livros, filmes e outros
produtos culturais, em escala mundial. Se há uniformização
parcial, há mestiçagem cultural. O crescimento de viagens ao
estrangeiro, turísticas ou profissionais, e a presença de
comunidades de imigrantes reforçam os contatos entre pessoas
pertencentes a culturas diferentes. A partir dessas informações,
julgue os itens que se seguem.
22
Conceitos como fronteira, Estado-nação, livre-comércio,
capitalismo liberal, nascidos no espaço europeu e exportados
para o mundo, são considerados inadequados no contexto
atual, diante da intensa fragmentação e diversidade cultural
e econômica dos países.
23 Expressões dramáticas populares brasileiras como o bumbameu-boi e o maracatu são exemplos da mestiçagem cultural,
pois, nelas, estão fundidos elementos da cultura europeia,
africana e indígena.
24 Na América colonizada por Portugal e Espanha, os fluxos de
mercadorias estavam subordinados, em geral, às práticas
mercantilistas vigentes na Europa moderna, voltadas
essencialmente para o fortalecimento dos Estados nacionais
e para o enriquecimento da burguesia.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
–9–
1
4
7
10
13
16
19
O Sétimo Selo (1956), de Ingmar Bergman, trata da
volta ao castelo de origem de um cavaleiro e de seu
escudeiro que haviam participado do movimento das
Cruzadas. O cavaleiro é abordado pela morte (personificada
em um homem todo vestido de preto) e, antes que ele seja
por ela levado, eles disputam uma partida de xadrez. Como
o cavaleiro vence, são-lhe permitidos mais alguns dias de
vida até uma nova disputa. (...)
De Mario Monicelli, O Incrível Exército de
Brancaleone é, em tom de sátira, narrativa da crise do
feudalismo europeu, em que, com o aumento do número de
servos desocupados e nobres sem terra, os valores
cavalheirescos se tornam, nessas circunstâncias, anacrônicos
e cômicos. (...)
De Jean Jacques Annaud, O Nome da Rosa,
embasado no livro de Umberto Eco, ao focalizar a vida
dentro de um mosteiro, revela correntes de pensamento da
Igreja medieval e práticas da Inquisição, cenário em que um
monge franciscano representa o intelectual renascentista,
humanista e racional.
José Jobson Arruda. Nova história moderna e contemporânea. Bauru:
EDUSC; São Paulo: Bandeirantes Gráfica, 2004, p. 20 (com adaptações).
Tendo esses fragmentos de texto como referência, julgue os itens
a seguir.
25
26
A filosofia, na Idade Média, foi desenvolvida em escritos
em que, a despeito de terem sido produzidos por pensadores
cristãos, entre os quais se incluíam diversos padres da Igreja
Católica, havia a separação entre os âmbitos filosófico e
religioso.
Na Europa medieval, o teatro foi utilizado como importante
veículo de divulgação dos dogmas da Igreja. Nessa época, a
música religiosa desenvolveu-se, principalmente, nos
mosteiros da Igreja Católica, tendo a palavra cantada
definido o ritmo melódico, como se verifica no canto
gregoriano.
27
Humanismo e racionalismo, marcas do movimento
renascentista, que inaugurou a modernidade europeia,
constituíam os pilares sobre os quais se assentava a Igreja
Católica medieval, provável razão de sua ascendência
espiritual e temporal naquele contexto histórico.
28
O verbo haver foi empregado, na linha 3, como verbo
auxiliar na formação do tempo verbal; por isso, está
flexionado no plural para concordar com os núcleos do
sujeito “cavaleiro” (R.2) e “escudeiro” (R.3).
29
Presença central no filme de Bergmam citado no primeiro
fragmento de texto, as Cruzadas podem ser definidas
como movimento de expansão da Europa feudal em crise e,
como tal, desprovidas de motivação religiosa e de sentido
social.
30
Na referência ao filme de Monicelli, o texto sugere que o
processo de esgotamento do feudalismo foi relativamente
rápido e atingiu, sobremaneira, a massa camponesa servil,
mas poupou, ao máximo, a nobreza senhorial, com seus
valores e suas práticas.
31
O período final da Idade Média, aludido no segundo
fragmento de texto, foi marcado por fomes, pestes e
religiosidade extremada.
Nélson Pereira dos Santos. Rio 40 Graus. Internet: <www.ufmg.br>.
1
4
7
10
13
No final da década de 50 do século passado, Rio 40
Graus, de Nélson Pereira dos Santos, e O Grande Momento, de
Roberto Santos, indicavam o caminho por onde seguiria o novo
cinema brasileiro. “Câmara na mão, trata-se de construir” —
eram as palavras de ordem. Mas não só o cineasta construía:
críticos cinematográficos, estudantes, empresários e público
ajudaram a criar o Cinema Novo dos anos 60. Glauber Rocha,
então feroz polemista da imprensa baiana, proclamava: “É da
independência cultural que nasce o filme brasileiro”. O Cinema
Novo desenvolvia-se em torno de uma estética acentuadamente
politizada, cujos carros-chefes eram o anti-imperialismo, o
anticapitalismo, a denúncia do subdesenvolvimento e a defesa da
justiça social e do nacionalismo.
Nosso século. São Paulo: Abril Cultural, 1980, v.5, p. 50 (com adaptações).
Tendo como referência o texto e a figura apresentada, que ilustra
uma cena do filme Rio 40 Graus, de Nélson Pereira dos Santos,
julgue os itens que se seguem.
32
33
34
35
36
37
38
No século XX, a passagem dos anos 50 aos 60 foi de
acentuada efervescência política e de radicalização
ideológica, notadamente nas áreas definidas como Terceiro
Mundo, tendo-se destacado as independências afro-asiáticas
e o impacto causado pela Revolução Cubana.
No Brasil, o Cinema Novo insere-se em um contexto mais
amplo de transformação, que também atinge a música
popular, com o surgimento da bossa-nova. Nesse contexto de
transformação, impulsionado ou estimulado pelo governo
JK, inclui-se a construção da nova capital, Brasília.
A “estética acentuadamente politizada” (R.10-11) do
“Cinema Novo dos anos 60” (R.7) desenvolve-se em meio ao
colapso do regime liberal que, instaurado com o fim do
Estado Novo de Vargas, teve nos governos Jânio e Jango sua
derradeira e dramática expressão.
No texto, o tempo verbal empregado na forma “seguiria”
(R.3) indica, no desenvolvimento da argumentação, dúvida e
pouca confiança do autor quanto ao julgamento de ter
“o novo cinema brasileiro” (R.3-4) seguido “uma estética
acentuadamente politizada” (R.10-11).
A denúncia do subdesenvolvimento, presente na temática do
“Cinema Novo dos anos 60” (R.7), perdeu lugar no contexto
socioeconômico brasileiro atual devido às transformações
pelas quais o país passou, como a de ter superado os
problemas sociais e econômicos que o colocavam ao lado
dos países mais pobres do mundo.
Considerando-se a organização dos argumentos no texto,
verifica-se que a inserção da palavra também antes de
“críticos cinematográficos” (R.6) preservaria a coerência das
ideias e a correção gramatical do texto.
Deduz-se da cena ilustrada na figura apresentada que, no filme
Rio 40 Graus, a estética da fotografia e as personagens
contradizem o que se afirma no texto, no que concerne ao
caminho seguido pelo “Cinema Novo dos anos 60” (R.7).
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 10 –
A arte retrata a vida
1
4
7
10
13
16
Cidade de Deus mescla entretenimento e realidade
brasileira. Logo de início, o filme apresenta sons e imagens
de uma faca sendo amolada. Em seguida, surgem rápidas
cenas que mostram um animado churrasco, com muita
música, carne e alegria. Em um canto, estão presas várias
galinhas, que, aos poucos, vão sendo depenadas e mortas.
Uma delas assiste a tudo com olhar atônito. “Não quero
morrer”, deve pensar consigo mesma, “preciso sair daqui”.
A galinha consegue se soltar e foge, o mais rápido que pode,
pelas estreitas ruas do local onde se encontra. Esse insólito
início causa espanto em quem conhece um pouco da história
de Cidade de Deus, filme dirigido por Fernando Meirelles.
Não seria este o filme a mostrar e debater a questão da
violência nas favelas brasileiras? Mas esta surpresa não dura
muito tempo. Em meio à tentativa de se capturar novamente
a galinha fugitiva, alguém grita para atirar nela.
42
A designação da China como “neocapitalista” (R.11) diz
respeito ao fato de esse país ter-se tornado um polo de
atração de indústrias e de capitais estrangeiros bem como ao
fato de ter promovido rápida integração, por meio de seu
litoral, com os mercados estrangeiros.
43
Um dos fatores responsáveis pela alta incidência de AIDS no
continente africano é a baixa densidade demográfica, que
caracteriza os países periféricos da África subsaariana,
região de difícil acesso para o controle e prevenção
da doença.
44
Embora com alcance geográfico limitado, é marcante, nas
relações de poder estabelecidas atualmente, a participação
das organizações supranacionais dominadas pelos chamados
países desenvolvidos, entre as quais se incluem a
Organização de Cooperação e de Desenvolvimento
Econômico (OCDE), a Organização Mundial do Comércio
(OMC) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
45
O texto apresentado remete a um processo que, associado à
difusão do capitalismo, estabelece, crescentemente, fluxos
materiais e imateriais e se caracteriza pela localização das
unidades de produção prioritariamente nos países
tecnológica e economicamente desenvolvidos do globo.
46
A preposição “por” (R.14) introduz um agente para ação
verbal expressa em oração de estrutura sintática de voz
passiva.
47
A menção, no texto, a um “desastre ecológico irreversível”
(R.18) se justifica pelos crescentes níveis de poluição e pela
consequente degradação ambiental causados pela
intervenção humana, situação que atingiu escala mundial e
é capaz de alterar ciclos biogeoquímicos, como, por
exemplo, o da água e o do carbono.
48
Em substituição ao período da Guerra Fria, assiste-se, hoje,
à construção de uma ordem econômica com base na
regionalização, o que obriga alguns países a abdicarem de
sua soberania e da proteção de suas fronteiras, em favor de
um controle político central.
49
O texto reafirma, ainda que indiretamente, o continuísmo dos
diversos governos da URSS, de Lenin a Gorbatchev, sem
que rupturas mais pronunciadas tivessem demarcado
diferenças entre cada um dos períodos desses governos.
50
Totalmente calcado na experiência soviética, o modelo de
socialismo adotado pela China seguiu os padrões teóricos
marxistas clássicos, a começar pela primazia tanto da cidade
em relação ao campo quanto do proletariado urbano em
relação ao campesinato, e se manteve relativamente intacto
até o dias atuais, conforme mencionado no texto.
51
Em geral, as ditaduras latino-americanas, às quais o texto
alude, surgiram em contexto de extremismo ideológico
próprio da Guerra Fria, expandiram-se entre os anos 60 e 70
e entraram em franco declínio na década seguinte, em meio
à crise econômica que elevou drasticamente os índices
inflacionários e o peso da dívida externa.
Francisco Russo. Sétima arte (com adaptações).
Considerando o fragmento de texto apresentado, julgue os
seguintes itens.
39
O termo “esta surpresa” (R.14) constitui figura de linguagem,
visto que se atribui à galinha o sentimento de surpresa,
caracterizando-se a personificação.
40
Os temas violência e favelização abordados no filme Cidade
de Deus remetem ao processo de periferização em cidades
brasileiras, alimentado pelo crescimento populacional.
1
Uma entrevistadora cubana, em Miami, deu uma
verdadeira prensa no ator porto-riquenho Benício del Toro ao
entrevistá-lo durante o lançamento do filme Che. Ela
cobrava e acusava-o de ter feito um filme a favor de Che. O
filme é mesmo a favor, romantiza de novo o personagem,
fundindo o revolucionário, o mártir, o santo. Certas feridas
e ideologias são recidivas. Pareciam estar conversando em
1960. No entanto, 50 anos se passaram. De lá para cá, houve
o desmascaramento de Stalin por Krushev; daí a pouco
acabou a União Soviética, o Muro de Berlim ruiu, a Guerra
Fria ficou congelada, a China virou neocapitalista sem deixar
de ser “velhassocialista”, os EUA se afundaram em uma
crise humilhante, os ditadores militares latino-americanos
saíram de moda e foram substituídos por aqueles que eles
perseguiam, enfim, vieram os terroristas, os homens e as
mulheres-bombas no Oriente Médio, a AIDS, a Internet, e
dizem que o mundo vai acabar daqui a pouco, não pela
bomba atômica, mas em um desastre ecológico irreversível.
4
7
10
13
16
Affonso Romano de Sant’Ana. Que fazer de Che Guevara?
In: Correio Braziliense, 8/2/2009, Caderno C, p. 6 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência e considerando a
multiplicidade de conhecimentos que ele suscita, julgue os
itens de 41 a 51.
41
No trecho “Ela cobrava e acusava-o” (R.3-4), o pronome “o”
refere-se a “Benício del Toro” (R.2) e foi omitido após a
forma verbal “cobrava” para se evitar repetição de palavra.
Portanto, o acréscimo dele, escrevendo-se cobrava-o, não
prejudicaria a correção gramatical do texto nem seu sentido
original.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 11 –
A partir das informações contidas no mapa acima, julgue os itens subsequentes.
52
É correto inferir das informações apresentadas que os EUA ocupam, no mundo, posição favorável em relação ao processo de
difusão e acesso a bens e serviços por meio da Internet.
53
As constantes inovações tecnológicas, das quais a Internet é um dos exemplos, permitem a dinamização das relações econômicas,
favorecendo a intensificação da produção, do consumo e, consequentemente, da circulação de mercadorias e serviços, inclusive
dos produtos culturais.
54
No mapa, a designação “escala no equador” diz respeito ao tipo de projeção utilizado na construção desse mapa, tipo esse que
provoca mais distorções nos valores de área apresentados e nas distâncias na região do equador que em outras partes do globo.
Na cor física, também denominada óptica física, as
principais características de uma fonte luminosa são matiz, brilho
e saturação, como ocorre no cinema, ao passo que o processo de
formação de cores por pigmentação — cor química, também
denominada óptica físico-química — baseia-se na descrição da
palheta do pintor, uma vez que a luz, ao atingir a camada de
pigmentos, sofre processos de reflexão, absorção e transmissão,
como ocorre na pintura e nas artes.
Figura I - Akira Kurosawa. Sonhos. Internet: <www.fotografia-de-cinema.blogspot.com>.
Considerando essas informações e as figuras I e II, que ilustram
imagens, respectivamente, de uma cena do filme Sonhos, de
Akira Kurosawa, e de uma obra de Vincent Van Gogh, julgue os
itens seguintes.
55
É possível observar semelhanças na utilização psicológica e
simbólica das cores nas imagens ilustradas nas figuras I e II:
as cores suaves transmitem a sensação de tranquilidade, e as
sombrias, a sensação de turbulência emocional.
56
Confrontando-se as duas imagens ilustradas nas figuras
I e II, é correto concluir que somente as propriedades da cor
física caracterizam as fontes luminosas associadas a essas
Figura II - Vincent Van Gogh. Internet: <www.3.bp.blogspot.com>.
imagens.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 12 –
Texto I
1
4
7
O consumidor não é rei, como a indústria cultural
gostaria de fazer crer; ele não é o sujeito dessa indústria,
mas, seu objeto. O termo mass media, introduzido para
designar a indústria cultural, desvia, desde logo, a ênfase
para aquilo que é inofensivo. Não se trata nem das massas,
em primeiro lugar, nem das técnicas de comunicação como
tais, mas, do espírito que lhes é insuflado, a saber, a voz de
seu senhor.
62
Afirma-se, no texto II, que a cultura da mídia se constitui em
um tipo de arte que aproxima indivíduos de diferentes
culturas.
63
Os jogos eletrônicos atuais, em que são utilizados códigos e
elementos de sintaxe nas formas visuais e verbais, tais como
linhas, formas, cores, texturas, espaços, planos, movimentos,
músicas, textos, entre outros, podem ser corretamente
considerados exemplos de produto do que o texto II
denomina cultura da mídia, dada a sua capacidade de
submeter indivíduos a um fluxo de imagens e sons, em um
mundo virtual de entretenimento, reordenando percepções de
espaço e tempo e anulando distinções entre realidade e
imagem.
Theodor W. Adorno. Indústria cultural. In: Gabriel Cohn. Comunicação e indústria
cultural. São Paulo: Nacional/EDUSP, 1971, p. 287 (com adaptações).
Texto II
A cultura da mídia é a cultura dominante hoje em dia;
substituiu as formas de cultura elevada como foco da atenção e de
impacto para grande número de pessoas. Além disso, suas formas
visuais e verbais estão suplantando as formas da cultura livresca,
exigindo novos tipos de conhecimentos para decodificá-las.
Ademais, a cultura veiculada pela mídia transformou-se em uma
força dominante de socialização: suas imagens e celebridades
substituem a família, a escola e a igreja como árbitros de gosto,
valor e pensamento, produzindo novos modelos de identidade e
imagens vibrantes de estilo, moda e comportamento. Com o
advento da cultura da mídia, os indivíduos são submetidos a um
fluxo, sem precedentes, de imagens e sons dentro de sua própria
casa, e um novo mundo virtual de entretenimento, informação,
sexo e política está reordenando percepções de espaço e tempo,
anulando distinções entre realidade e imagem, enquanto produz
novos modos de experiência e subjetividade.
A vida de Genivaldo da Silva, agricultor de Inhapi, na
região semiárida de Alagoas, foi marcada por diversas
militâncias. Na maturidade, ele revê suas experiências, que
sacrificaram sua vida familiar e causaram divisões entre seus
filhos, e continua buscando uma forma independente de atuação
na organização de comunidades agrícolas, algumas das quais ele
ajudou a formar.
Internet: <www.epipoca.com.br>.
Com relação aos temas suscitados por esse texto, julgue os
itens seguintes.
64
A concentração de terras no semiárido brasileiro contrasta
com o que ocorre no Centro-Sul do país, onde, com o
processo de modernização, rompeu-se com estruturas
fundiárias arcaicas, logo que se implantou o agronegócio.
65
A pequena agricultura, ao remover a cobertura vegetal e
promover o uso intensivo do solo, contribui para a
degradação ambiental no Brasil. No caso nordestino, esse
tipo de atividade é um dos fatores geradores do processo
de desertificação, com consequências ambientais e
socioeconômicas.
66
O modelo de colonização adotado pelos portugueses, do qual
a agroindústria açucareira e a distribuição de capitanias e de
sesmarias foram grandes símbolos, foi decisivo para o
processo de concentração de terras no Brasil.
67
A região Nordeste do Brasil contrasta com o restante do país
não somente por suas características climáticas, dado o baixo
índice de pluviosidade, mas também por ser considerada
vazio populacional e apresentar o mais baixo índice de
qualidade de vida do país.
68
Pelo menos nas três últimas décadas, a região Norte do
Brasil foi destino de muitos imigrantes nordestinos em busca
de melhores condições de vida e de terras para extração
vegetal e mineral e para agricultura, entre outras atividades,
o que promoveu, de certa forma, a criação e a expansão de
cidades.
Douglas Kellner. A cultura da mídia. São Paulo:
Verbum, 2001, p. 75 (com adaptações).
Considerando os textos apresentados e os temas que eles
suscitam, julgue os itens de 57 a 63.
57
Conclui-se corretamente dos textos I e II que, no mundo
atual, o consumidor age conscientemente ao realizar suas
compras e utiliza a publicidade como meio para economizar
um dos recursos mais escassos de que dispõe, o tempo.
58
Um traço distintivo da indústria cultural no Brasil é a
passagem da cultura oral para a cultura visual, sendo saltada
a cultura letrada.
59
Considere a seguinte tese defendida por cientistas sociais.
Níveis altos de representação da violência no cinema e na
televisão geram padrões diretamente imitativos no público
exposto a programações desse gênero.
É correto concluir que a referida tese não contradiz o que se
menciona no seguinte trecho do texto II: “a cultura veiculada
pela mídia transformou-se em uma força dominante de
socialização (...) produzindo novos modelos de identidade e
imagens vibrantes de estilo, moda e comportamento”.
60
O desenvolvimento das ideias no texto I indica que a flexão
de plural em “tais” (R.7) estabelece a concordância desse
termo tanto com “massas” (R.5) quanto com “técnicas” (R.6).
61
Infere-se do texto I que, para se compreender o papel dos
meios de comunicação de massa, é mais importante analisar
o conteúdo ideológico das mensagens veiculadas que
entender o interesse econômico da indústria cultural.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 13 –
Internet: <www.youtube.com>.
Texto I
1
4
7
10
Reconstruo mentalmente o começo e o final de
Blow Up, o considerável filme de Antonioni: pessoas
existentes reúnem-se para um jogo inexistente, fazem força,
deslocam braços e pernas, perseguem uma bola invisível,
mas não atingem o escopo. Tudo se dissolve no ar, sem
palavras, tudo existe e inexiste. As definições científicas nos
informam que estamos situados no tempo e no espaço. Mas
isto será verdade, ou uma verdade provisória? (...) Retorna,
inevitável, a ideia da morte. (...) Morte: ampliação gigantesca
da fotografia da vida.
Murilo Mendes. Poesia completa e prosa. Rio de
Janeiro: Aguilar, 1994, p. 1.472 (com adaptações).
71
No texto I, as funções textuais do pronome “isto” (R.8) são
retomar e resumir a ideia de que “Tudo se dissolve no ar,
sem palavras, tudo existe e inexiste” (R.5-6).
72
Assumindo-se que a forma branca de maior área no quadro
do filme Rythmus ilustrado na figura seja retangular e um
dos seus lados meça x milímetros, e o outro lado,
(x + 2) milímetros, ao se definir um número imaginário da
forma a + bi, possibilita-se a representação de raízes
não reais para a equação que estabelece a igualdade entre a
área dessa forma retangular e o número !2.
73
Considere que a forma branca de maior área no quadro do
filme Rythmus ilustrado na figura seja quadrada e que, no
filme, esse quadrado tenha seus lados diminuídos à
velocidade de 1 mm/quadro. Nesse caso, se esse quadrado
tem, inicialmente, área igual a 900 mm2, então, a partir das
informações do texto II, conclui-se corretamente que ele
levará 1 minuto para ter área menor ou igual a 100 mm2.
74
A imagem abstrata mostrada na figura apresenta formas
geométricas simples, localizadas em diferentes porções do
plano que contém o quadro. A localização das formas
geométricas e os seus tamanhos variados proporcionam
equilíbrio à imagem.
75
O cinema deve ser considerado uma pan-arte porque pode
incorporar outras artes, como o teatro, a dança, a pintura, a
música e a arquitetura, mas não, o romance e a poesia.
76
A ideia de que tudo se dissolve no ar, como mencionado no
texto I, é semelhante à que foi defendida por Marx e Engels
no Manifesto Comunista: a avassaladora expansão
capitalista destruirá todas as formas antigas de organização
socioeconômica — tudo que é sólido se dissolve no ar.
Texto II
Os primeiros filmes do movimento dadaísta das artes
plásticas eram praticamente uma nova forma de pintura:
utilizando as possibilidades do cinema, pintores ampliavam as
experiências de sua própria arte em filmes que eram basicamente
abstratos, sendo mais uma sinfonia visual do que aquilo que
aprendemos a ver como filme. A figura acima apresenta um
quadro do filme Rhythmus, do artista plástico Hans Richter,
rodado à taxa de 24 quadros/segundo. Nesse filme, formas
geométricas retangulares variam de tamanho e de localização ao
longo do tempo.
Miriam Nogueira Tavares. Cinema digital: novos suportes, mesmas
histórias. In: Revista ARS. São Paulo: USP, p. 38 (com adaptações).
Em matemática, usa-se a ideia de número real para associar um valor
a uma grandeza do mundo real e é comum a utilização de outros
símbolos e ideias para representar grandezas não existentes, como é
o caso do número imaginário
, ou do símbolo 4, para
representar o infinito. Considerando essas informações, bem como os
textos I e II e a figura apresentada, julgue os itens de 69 a 76.
No texto I, como o sentido da palavra “pessoas” (R.2) já inclui a
noção de existir, a supressão do adjetivo “existentes” (R.3)
evitaria redundância e preservaria a coerência e a correção
gramatical do texto.
70 Considere as seguintes informações.
Os sistemas físicos de que trata a mecânica newtoniana
apresentam a propriedade de ser a transição entre estados
sempre reversível. Na física estatística, os sistemas físicos
apresentam irreversibilidade estatística, o que significa que
existe probabilidade não nula, ainda que muito pequena, de uma
transição entre estados ocorrer também em sentido inverso, o
que causa aumento da entropia do sistema.
Com base nessas informações, é correto afirmar que a morte,
tema abordado no texto I e compreendida como um estado
material irreversível, é incompatível com a mecânica
newtoniana e com a física estatística.
69
Fotografia sequencial de Eadweard J. Muybridge.
Na época da invenção da máquina fotográfica por
Eadweard J. Muybridge, que ficou conhecido por seus experimentos
com o uso de múltiplas câmeras para captar o movimento, além de
ter sido o inventor do zoopraxiscópio — dispositivo para projetar os
retratos de movimento —, que seria o precursor da película de
celulóide usada ainda hoje, era muito grande a distância entre fato
científico, percepção visual e representação artística. As implicações
estéticas dessas invenções só seriam manifestadas pelos artistas do
Movimento Futurista, no início do século XX.
Essas informações e a análise da imagem acima permitem
afirmar que
77
as experimentações de Muybridge, ao possibilitarem o
desenvolvimento cinematográfico e a evolução na forma de
representar uma ação, revolucionaram, de modo irreversível,
as artes plásticas no século passado.
78 as invenções de Muybridge permitem aos artistas compreender
melhor o movimento e tornam mais viável o estudo de um
movimento, visto que este pode ser decomposto em uma série
de fotografias, em vez de ser examinado a olho nu e em
tempo real.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 14 –
1
4
7
10
Fechado o Cinema Odeon, na Rua da Bahia.
Fechado para sempre.
Não é possível, minha mocidade
fecha com ele um pouco.
Não amadureci ainda bastante
para aceitar a morte das coisas.
(...) Não aceito, por enquanto, o Cinema Glória,
maior, mais americano, mais isso-e-aquilo.
Quero é o derrotado Cinema Odeon,
o miúdo, fora de moda Cinema Odeon.
(...) Exijo em nome da lei ou fora da lei que se reabram as
portas e volte o passado.
Carlos Drummond de Andrade. O fim das coisas.
In: Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1988, p. 701.
A primeira sala de exibição de cinema de Belo Horizonte foi o
Teatro Paris. Inaugurada em 1906, passou a chamar-se, a partir de
1912, Cinema Odeon. Um dos melhores lugares de diversão da
cidade e muito frequentado pela população, o Cinema Odeon foi
fechado em 1928, e, por causa desse fechamento, Carlos
Drummond de Andrade escreveu o poema O fim das coisas,
reproduzido acima.
A partir dessas informações e da leitura desse poema de
Drummond, julgue os itens seguintes.
79
80
81
A memória das imagens da cidade mistura-se fortemente aos
sonhos e às crenças de Carlos Drummond de Andrade, a
ponto de funcionar como esteio da construção do poema
apresentado.
Com o emprego do particípio “Fechado” (v.1-2), não só se
constrói o ritmo do poema, mas também se enfatiza o estado
resultante de uma ação acabada.
A organização textual do poema apresentado permite inferir,
especialmente a partir do verso “Não amadureci ainda
bastante” (v.5), que o aludido amadurecimento resulta em
aceitação de perda.
82
A importância atribuída aos marcos urbanos, representados,
nesse poema memorialístico, pelo Cinema Odeon, evidencia
a relação entre a estética vanguardista e o movimento de
progresso e urbanização.
83
Considerando-se as ideias defendidas pelos modernistas,
como, por exemplo, Mário e Oswald de Andrade, em textos
como Paulicéia Desvairada e Memórias Sentimentais de
João Miramar, é correto concluir que o poema O fim das
coisas foi escrito antes dessa época.
84
Na época em que ocorreu o fechamento do Cinema Odeon,
fato que o poeta deplora, ganhavam espaço cada vez maior
no mundo os EUA, como iria confirmar o impacto da quebra
da Bolsa de Valores de Nova Iorque.
85
O registro da experiência urbana de uma geração é um dos
elementos de que está composto o poema apresentado.
Texto I
Talvez a única afirmação suficientemente justa a respeito
da função da música no cinema é a de que, de uma maneira ou de
outra, a música existe para “tocar” as pessoas. Ela pode
emocionar, arrancar lágrimas, causar tensão, desconforto,
incomodar, narrar um acontecimento, uma morte, uma
perseguição, uma piada, um diálogo, um alívio, uma festa,
descrever um movimento, criar um clima, acelerar uma situação,
acalmá-la, enfim, de um jeito ou de outro, a boa composição não
existe em vão. Ela está lá por algum motivo, e, ainda que não a
ouçamos, podemos senti-la. O drama e a música são expressões
culturais que obviamente têm valores e efeitos distintos e
independentes (...). Parece haver um consenso entre a maioria dos
compositores no sentido de que a música deve servir ao filme. Ela
deve auxiliar a narrativa, seus personagens, seu ritmo, suas
texturas, sua linguagem, seus requisitos dramáticos.
Tony Berchmans. A música do filme: tudo o que você gostaria de saber sobre a
música de cinema. São Paulo: Escrituras, 2006, p. 20 (com adaptações).
Texto II
A trilha do filme Guerra nas Estrelas, composta por
John Williams, ganhou vários prêmios, inclusive o Oscar de
melhor trilha musical original. Acerca dessa trilha sonora, Tony
Berchmans comenta:
“Quando aparece pela primeira vez o personagem Luke
Skywalker, o tema principal soa em um arranjo leve e específico.
Há vários motivos ao longo do filme, inclusive uma marcha
militar que faz referência às forças militares do Império. O que
Williams adora fazer é rearranjar de diversas maneiras a frase
inicial do tema principal, formada pelas famosas sete notas (...).
Por fim, a música é dramaticamente descritiva e vai-se
intensificando precisamente de acordo com a complicação da
situação dos rebeldes. Até que, enfim, Luke Skywalker consegue
atingir o objetivo, e a música dá um alívio à sua tensão.”
Idem, ibidem, p. 86.
Tendo esses textos como referência, julgue os itens que se
seguem.
86
É correto concluir da descrição apresentada no texto II que
o desenvolvimento da trilha sonora de Guerra nas Estrelas
narra a sequência de ações que se estabelece no filme: a
instalação do conflito, o seu ápice e a sua resolução.
87 A partir das informações dos textos I e II, é correto afirmar
que elementos musicais como dinâmica, andamento e
instrumentação são recursos que podem ser utilizadas para
intensificar a emoção das cenas de um filme.
88 Guerra nas Estrelas foi a denominação dada pelo governo
Reagan ao ambicioso e caro programa militar
norte-americano que, paradoxalmente, acabou por fortalecer
a potência rival no período pós-Segunda Guerra: a
União Soviética.
89
Infere-se do texto II que, na trilha sonora de Guerra nas
Estrelas, John Williams explorou diferentes formas de
organização das notas musicais, caracterizando contornos
melódicos distintos que lembram o tema principal.
90 Assim como ocorre no cinema, a sonoplastia pode ser usada
no teatro para afirmar ou intensificar as ações dos
personagens em cena.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 15 –
1
4
7
10
13
16
19
22
25
O cinema nunca foi totalmente mudo. Só não tinha
fala. Som, sempre teve. É quase que instintivo, natural, do
homem associar som a imagens, e vice-versa. No cinema, só
imagem ou só som causava estranhamento, assim como hoje
causa-nos desconforto assistir a uma projeção muda, a não
ser que seja pelo interesse histórico. (...)
Uma das conquistas do cinema sonoro foi a
descoberta do silêncio — o silêncio de quando se espera ou
se imagina uma coisa. No tempo do silencioso, ignorava-se
o silêncio: havia sempre, nas salas de projeção, o pano de
boca da orquestrinha, como hoje o pano de fundo musical.
Me ocorre tudo isso ao ver Frenesi, o último filme de mestre
Hitchcock, que, Deus o abençoe, não criou mofo com a
velhice. Há, neste filme, uma esquina terrivelmente
silenciosa, sem ninguém. E uma escada deserta, por onde
sente-se que o silêncio vai subindo. Um truque da objetiva,
sim, mas pura magia do mestre. Aliás, o silêncio é que torna
tão impressionante — tão de outro mundo — uma rua numa
tela. Que torna tão encantadoras as crianças daquelas cenas
familiares pintadas pelo velho Renoir. E, mesmo lendo-se
um romance, ouvindo-se um drama, nós o fazemos em um
silêncio de almas desencarnadas, isto é, quando nos vemos
livres de nós mesmos. Esse, o milagre da arte. E, diante
disto, bem se poderia dizer que toda a arte é feita de silêncio
— inclusive a música.
1
4
7
10
13
Luiz Zanin Oricchio. In: O Estado de S.Paulo.
Caderno 2, 5/4/2009 (com adaptações).
A partir das ideias apresentadas nesse texto, julgue os itens
que se seguem.
99
100
101
Mário Quintana. Poesia completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 2005, p. 558.
Tendo como referência o fragmento de texto apresentado, de
Mário Quintana, julgue os próximos itens.
91
92
Para Mário Quintana, o silêncio no cinema sonoro é
elemento de mediação entre momentos e, como tal, se enche
de virtualidade.
É correto inferir-se do texto que o conceito de silêncio usado
por Mário Quintana, ao falar da arte, remete ao de privação
de falar, de pronunciar qualquer palavra ou som, de
manifestar pensamentos.
94
A recorrência ao uso do pronome se, como marca de
indeterminação do agente da ação verbal, em “se espera”
(R.8), “se imagina” (R.9), “sente-se” (R.16), “lendo-se” (R.20)
e em “se poderia dizer” (R.24), tem o efeito de ressaltar, na
organização textual, que não é relevante identificar-se quem
pratica a ação, mas, sim, que esta é praticada.
95
102
103
Parte da beleza do texto escrito por Mário Quintana reside
no vínculo dialético que o autor estabelece entre silêncio e
som.
93
As formas verbais “havia” (R.10) e “Há” (R.14) concordam,
respectivamente, com as expressões “pano de boca”
(R.10-11) e “uma esquina” (R.14), as quais exercem a função
de sujeito.
96
Seria preservada a coerência entre as ideias do texto, mas
seriam alterados o estilo e o nível de formalidade da
linguagem usada no fragmento se, em lugar de “Me ocorre
tudo isso” (R.12), o autor tivesse escrito Tudo isso me
ocorre.
97
Infere-se do texto que o silêncio, no cinema sonoro, adquire
consistência ao ser usado como recurso da narrativa.
98
Segundo o autor do texto, o silêncio no cinema só se tornou
possível graças ao advento do cinema sonoro.
O livro é melhor que o filme. Quem já não ouviu
esse clichê sobre as adaptações literárias para o cinema? A
frase feita conota o cinema como arte menor, subordinada à
literatura, esta, sim, o modo nobre de expressão por seu
prestígio e antiguidade. No entanto, há quem sustente que foi
Orson Welles quem melhor entendeu a estrutura narrativa de
Dom Quixote. Jack Gold enxergou em Robson Crusoe a
misoginia colonialista que Daniel Defoe não pôde ver. E,
durante a ditadura militar, Joaquim Pedro de Andrade tirou
de Macunaíma uma leitura política com a qual Mário de
Andrade não havia sonhado. Assim, muitas vezes, é o
cinema que ilumina uma obra, ao dialogar com ela sob a
forma de adaptação.
1
4
7
10
13
Mário de Andrade foi não só um poeta, mas também um
teórico do movimento modernista brasileiro.
Com mais de duas décadas de existência, o regime militar
instaurado em 1964, ao qual o texto alude, passou por fases
distintas e, especialmente sob a égide do AI 5, exerceu forte
censura sobre as diversas formas de expressão artística.
Assim como o cinema, o teatro sofreu uma asfixia causada
pela censura e pela repressão durante o regime militar
aludido no texto. Os grupos teatrais Oficina e Arena, que se
dedicaram a criar uma dramaturgia brasileira e propor uma
nova formação do ator, foram vítimas do regime autoritário.
Preservam-se a coerência de argumentação e a correção
gramatical do texto ao se substituir “com a qual” (R.10) por
em que.
O romance Macunaíma, de Mário de Andrade, retrata o
Brasil na sua realidade social e linguística.
Além de ser considerado um dos símbolos e uma
das inovações da modernidade, o cinema tornou-se um meio
extraordinário de circulação de conhecimento, de difusão de
novas experiências e valores culturais. Numa cultura
inteiramente permeada pela expectativa de progresso
científico e inovações tecnológicas, é natural que os meios de
comunicação projetem perspectivas semelhantes. Não apenas
documentários e ficções científicas exprimem os
conhecimentos desejados e os alcançados, mas, até mesmo,
os dramas (profundos ou tolos) e as comédias revelam a
penetração da ciência em nossa cultura. Isso faz dos filmes
um ótimo material para a análise da cultura e também para a
compreensão da história da ciência.
Bernardo Jefferson de Oliveira. Cinema e imaginário científico. História,
ciência, saúde. v. 13 (suplemento), p. 133-50 (com adaptações).
Com relação ao texto acima, julgue os itens a seguir.
104 Segundo o autor do texto, documentários e ficções
científicas retratam melhor que os dramas e as comédias as
características culturais de um povo.
105 A inserção da informação entre parênteses, na linha 10,
também pode, retirando-se os parênteses, ser assinalada por
duas vírgulas ou por dois travessões, sem que a correção e a
coerência do texto sejam prejudicadas.
106 A substituição da preposição de, em “dos filmes” (R.11), por
com que, resultando no segmento com que os filmes,
preservaria a correção e a coerência textuais.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 16 –
Por volta dos anos 40 do século passado, o hábito de ir ao
cinema tornou-se de tal forma popular que, em cidades de grande porte
como Rio de Janeiro ou São Paulo, 80% da população frequentava as
salas de exibição, pelo menos, uma vez por semana. É difícil acreditar
em tal porcentagem sem levar em conta que o vertiginoso crescimento
demográfico das metrópoles brasileiras ocorreu a partir da década de
50 e que, desde a década de 60, a audiência do cinema foi
progressivamente suplantada pela da televisão.
bruto tranca a sete chaves sua bela filha, prometida em
casamento para um brutamontes. Mas ela se apaixona
4
108
109
110
111
e para o estabelecimento das grandes metrópoles brasileiras.
A concentração da população brasileira em grandes cidades
implicou degradação ambiental, que, por sua vez, está relacionada
a epidemias.
A moderna urbanização brasileira está relacionada à
industrialização iniciada na Era Vargas e ao contexto da Segunda
Guerra Mundial, processo que se ampliou ao longo dos anos da
década de 50 do século XX, com a criação da PETROBRAS e o
desenvolvimentismo do período JK.
O crescimento demográfico ocorrido no Brasil, a partir da década
de 50 do século XX, conforme mencionado no texto, deveu-se ao
aumento da natalidade, o qual compensou a mortalidade infantil,
que, ainda hoje, apresenta taxas crescentes.
A tendência de crescimento das maiores cidades brasileiras,
denominadas metrópoles, é uma característica da expansão urbana
do Brasil, que se configura em uma rede de cidades densa e
articulada, na qual se integram todas as regiões brasileiras.
por médico itinerante e tenta fugir. Walter Lima Júnior,
em um de seus melhores filmes, homenageia duas
importantes figuras do cinema nacional, Humberto
Com relação ao tema abordado nesse texto, julgue os seguintes itens.
107 A migração inter-regional concorreu para a urbanização do país
No sertão mineiro do século XIX, fazendeiro
1
7
Mauro e Lima Barreto, ao adaptar o romance clássico
do Visconde de Taunay, já filmado em 1915 e 1949. O
resultado é um filme romântico, bonito e eficiente. Por
10
exigência dos produtores para conter custos, foi rodado
na floresta da Tijuca — e não, no sertão mineiro, como
na primeira adaptação —, mas não se perdeu o clima.
Com relação ao texto acima, aos temas nele abordados e ao
romance Inocência, no qual se baseia o referido filme, de
mesmo título, julgue os itens a seguir.
115 Em Inocência, de Visconde de Taunay, o leitor depara-
se com uma mescla de romantismo e realismo.
Fim da guerra, fim da ditadura estado-novista. Não havia,
ainda, entre nós, a televisão. Para se divertirem, os brasileiros
frequentavam, além dos campos de futebol, os teatros de revista, os
programas de auditório da Rádio Nacional, os cinemas. E os que
podiam gastar mais, os cassinos. Mas, tanto nos palcos como nos
auditórios, nas telas e nos redutos do jogo, desfilava, praticamente, o
mesmo plantel de artistas, cantores e comediantes. Nas telas,
predominavam as chanchadas, desprezadas, por serem consideradas
produtos de ínfima qualidade. Mas, nunca, até aquela data, o cinema
brasileiro lograra atrair, com tal ímpeto e regularidade, a atenção e o
entusiasmo do grande público. Graças às chanchadas, a indústria
brasileira de filmes pôde sobreviver, contra tudo e contra todos, apesar
da maciça concorrência estrangeira.
116 Considerando-se o desenvolvimento da argumentação
Nosso século. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p. 179.
de local de filmagens da referida obra de Walter Lima
Considerando o texto acima como referência, julgue os itens que se
seguem.
112 A participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial como
integrante das forças aliadas contra o eixo nazifascista foi
habilmente utilizada por Vargas em sua estratégia de
financiamento da indústria de base no país, tendo sido também
decisiva para a derrubada de um regime essencialmente
autoritário como era o do Estado Novo.
113 Nos anos 40 e 50 do século passado, o Brasil era um país em
movimento, que se industrializava e, com impressionante rapidez,
se urbanizava. Nesse contexto de transformações, a moderna
linguagem radiofônica uniu o país, e plateias cada vez mais
numerosas ocupavam as salas de cinema para ver filmes não só
estrangeiros, mas também nacionais.
114 O período áureo das chanchadas, ao longo dos anos 50 do século
passado, corresponde à grande efervescência política de um Brasil
que conduzia seu aprendizado democrático convivendo com crises
— como a que culminou no suicídio de Vargas — e com as lições
de otimismo que marcaram os anos JK.
do texto apresentado, a conjunção “e” tem sentido
explicativo em “e eficiente” (R.9) e pode, portanto, ser
substituída pela conjunção porque, sem que se
prejudiquem a coerência e a correção gramatical do
texto.
117 Na argumentação do texto, a partir do emprego da
conjunção “mas” (R.12), depreende-se que a mudança
Júnior poderia ter prejudicado o “clima” (R.12).
118 A obra Inocência, de Visconde de Taunay, é
considerada uma das obras-primas do romance
regionalista brasileiro.
119 O romance Inocência, de Visconde de Taunay,
inaugura uma tendência na narrativa do século XIX no
Brasil: a do narrador onisciente.
120 Áreas do sertão mineiro do século XIX, época em que
transcorre a história do filme referido no texto, são
atualmente áreas de produção agropecuária moderna, o
que demonstra transformações no espaço brasileiro nos
últimos tempos.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 17 –
REDAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA
ATENÇÃO: Nesta prova, faça o que se pede, utilizando, caso deseje, o espaço indicado para rascunho no presente caderno.
Em seguida, transcreva o texto para a folha de texto definitivo da prova de redação em língua portuguesa, no local apropriado,
pois não serão avaliados fragmentos de texto escritos em locais indevidos. Respeite o limite máximo de linhas
disponibilizado. Qualquer fragmento de texto além desse limite será desconsiderado. Na folha de texto definitivo da prova
de redação em língua portuguesa, identifique-se apenas no cabeçalho, pois será atribuída nota zero ao texto que tenha
qualquer assinatura ou marca identificadora fora do local apropriado.
Considerando unicamente como motivadores os textos das provas objetivas e os apresentados acima, elabore um texto constituído de
duas partes. Na primeira parte, narre, de forma sucinta, a história de um filme que tenha contribuído para o desenvolvimento de sua
consciência crítica acerca das relações afetivas ou sociais; na segunda, explicite por que você considerou relevante esse filme.
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 18 –
RASCUNHO
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Caderno Charles Chaplin
2.º Vestibular de 2009
1.º DIA
– 19 –
Fly UP