...

Síndrome hipóxico-isquêmica

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

Síndrome hipóxico-isquêmica
Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1 , 2001 S63
0021-7557/01/77-Supl.1/S63
Jornal de Pediatria
Copyright © 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria
ARTIGO DE REVISÃO
Síndrome hipóxico-isquêmica
Hypoxic-ischemic syndrome
Renato S. Procianoy1, Rita de Cássia Silveira2
Resumo
Abstract
Objetivo: realizar revisão sobre a síndrome hipóxico-isquêmica, salientando aspectos da fisiopatologia, da clínica e do tratamento.
Fonte de dados: busca eletrônica nos bancos de dados do
Medline e LILACS de artigos publicados sobre o assunto, selecionando-se aqueles mais pertinentes.
Resultados: a síndrome hipóxico-isquêmica é uma doença multissistêmica com acometimento generalizado. A fisiopatologia é
baseada na lesão hipóxia-isquemia e reperfusão com lesão celular
decorrente da falta de produção de ATP pela isquemia, seguida de
lesão por acúmulo de substâncias oxidantes pela reperfusão. Ocorrem manifestações neurológicas, cardiovasculares, respiratórias,
metabólicas, gastrintestinais, renais e hematológicas. O tratamento
é complexo, voltando-se para várias manifestações. O enfoque de
neuroproteção é ainda experimental. O prognóstico para os pacientes
que apresentam encefalopatia hipóxico-isquêmica grave é reservado.
Conclusões: o manejo da síndrome hipóxico-isquêmica representa um desafio para o pediatra. Seu tratamento requer intervenção
multissistêmica.
Objective: to review the literature on the hypoxic-ischemic
syndrome, emphasizing its physiopathology, clinical manifestations, and treatment.
Sources: electronic search in the Medline and LILACS databases, with selection of the most relevant articles.
Summary of the findings: the hypoxic-ischemic syndrome is a
multisystem disease with generalized manifestations. The physiopathology is based on hypoxic-ischemic brain injury and reperfusion
with cellular injury caused by failure of ATP production secondary
to ischemia, and overproduction of oxidative substances caused by
reperfusion. Neurological, cardiovascular, respiratory, metabolic,
gastrointestinal, renal, and hematological manifestations are frequent. Multisystem clinical management is complex; the
neuroprotective approach is still experimental; and the prognosis is
not good for those patients with severe hypoxic-ischemic encephalopathy.
Conclusions: the management of the hypoxic-ischemic syndrome is a great challenge to pediatricians., since treatment requires
multisystem intervention.
J Pediatr (Rio J) 2001; 77 (Supl.1):S63-S70: síndrome hipóxico-isquêmica, encefalopatia hipóxico-isquêmica, asfixia, neuroproteção.
J Pediatr (Rio J) 2001; 77 (Supl.1): S63-S70: hypoxic-ischemic
syndrome, hypoxic-ischemic encephalopathy, asphyxia, neuroprotection.
Conceito
A síndrome hipóxico-isquêmica (SHI) se desenvolve
quando há hipoperfusão tecidual significativa e diminuição
da oferta de oxigênio decorrentes das mais diversas etiologias.
A oferta adequada de oxigênio aos tecidos é fundamental para que as células mantenham o metabolismo aeróbico
e as funções vitais. Quando a pressão de perfusão é insuficiente para suportar as necessidades mínimas de oxigênio,
ou seja, a pressão arterial média é baixa ou a pressão venosa
é excessiva, há a mudança do metabolismo aeróbico para
anaeróbico, com conseqüentes disfunções orgânicas.
Etiologia
A causa mais freqüente de SHI no período neonatal é a
asfixia perinatal, que pode ser causada por:
1. interrupção do fluxo sangüíneo umbilical (ex.: compressão de cordão umbilical);
2. insuficiente troca de gases pela placenta (ex.: descolamento de placenta);
3. perfusão placentária inadequada do lado materno (ex.:
hipotensão materna);
4. feto comprometido que não tolera o estresse do trabalho
de parto (ex.: retardo do crescimento intra-uterino);
5. falha de inflar o pulmão logo após o nascimento.
1. Professor Titular de Pediatria da UFRGS. Chefe do Serviço de Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.
2. Mestre em Pediatria, UFRGS. Médica Neonatologista do Hospital de
Clínicas de P. Alegre e do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas.
Entretanto, todas as situações patológicas que levem à
hipóxia e à hipoperfusão teciduais pré-natais, perinatais ou
pós-natais são fatores etiológicos da SHI. O choque de
S63
S64 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1, 2001
qualquer etiologia é um exemplo de doença pós-natal que
causa SHI.
Diagnóstico de asfixia perinatal
Vários estudos têm demonstrado que o escore de Apgar
é falho, como critério único, para diagnosticar asfixia
perinatal. Recém-nascidos prematuros têm escores de
Apgar baixos, sem apresentar acidemia fetal. Há uma
correlação significativa entre idade gestacional e escores de
Apgar no primeiro e no quinto minutos de vida. Quanto
mais prematuro for o recém-nascido, maior a probabilidade
de apresentar escores de Apgar baixos com pH arterial de
sangue de cordão dentro de uma faixa de normalidade1.
Em recém-nascidos de termo, o escore de Apgar também não é um dado fidedigno para o diagnóstico de asfixia
perinatal. Thorp e colaboradores mostraram uma freqüência de 77,8% de pH arterial umbilical >7,10 entre recémnascidos de termo deprimidos (escores de Apgar no 1° ou
no 5° minutos de vida <7)2. Dados do nosso serviço
mostraram que 56,25% dos recém-nascidos de termo que
tiveram escores de Apgar no 1° ou no 5° minutos de vida <7,
tiveram pH de sangue de cordão umbilical >7,10 3.
Entretanto, o uso da gasometria de sangue de cordão
umbilical como único critério para o diagnóstico de asfixia
perinatal também não é confiável. King e colaboradores
compararam dois grupos de recém-nascidos de termo ou
próximos do termo (acidêmicos com pH < 7,0 e controles
com pH > 7,20), com escores de Apgar >7 no quinto minuto
de vida. Não houve diferenças entre os dois grupos quanto
à presença de alterações clínicas no período neonatal 4.
Dados de nosso serviço, comparando dois grupos de recémnascidos de termo (um, com pH de sangue de cordão
umbilical <7,0 e outro, com pH entre >7,0 e <7,20), mostraram que 16,7% e 53,8% dos pacientes do primeiro e
segundo grupos, respectivamente, não apresentaram qualquer alteração clínica, no período neonatal, compatível
com quadro de asfixia perinatal5.
Baseada nesses achados, a Academia Americana de
Pediatria reserva o termo asfixia para pacientes que preencham os seguintes critérios6:
1. acidemia metabólica ou mista profunda (pH<7,0) em
sangue arterial de cordão umbilical;
2. escore de Apgar de 0-3 por mais de 5 minutos;
3. manifestações neurológicas neonatais (ex.: convulsões,
coma ou hipotonia);
4. disfunção orgânica multissistêmica (ex.: sistemas cardiovascular, gastrintestinal, hematológico, pulmonar
ou renal).
Fisiopatologia
As alterações fisiopatológicas decorrentes da SHI são
enfocadas nos aspectos sistêmicos e celulares.
As modificações sistêmicas são conseqüência de uma
adaptação circulatória que acontece nos pacientes acome-
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
tidos da SHI. O processo de asfixia causa uma redistribuição do débito cardíaco com o objetivo de preservar a
perfusão do Sistema Nervoso Central, do coração e das
glândulas adrenais. Os tecidos periféricos, as vísceras abdominais e os pulmões se tornam hipoperfundidos, em
detrimento dos órgãos mais nobres citados anteriormente.
Essa é a forma que o organismo encontra para preservar a
função dos órgãos considerados mais nobres. Entretanto,
quando o processo hipóxico-isquêmico se torna muito
intenso e extremamente grave, o Sistema Nervoso Central,
o coração e as glândulas adrenais também são acometidos,
surgindo manifestações clínicas decorrentes de suas disfunções7.
Em nível celular, ocorre um aporte insuficiente de
oxigênio. As células precisam sintetizar continuamente
ATP para manter a sua integridade e função. A síntese de
ATP está na dependência das reações de oxi-redução que
acontecem em nível mitocondrial. A falta de aporte de
oxigênio causa uma diminuição na síntese do ATP celular.
A energia disponível não é mais capaz de manter a bomba
da membrana celular, que é crítica para a manutenção do
gradiente normal de íons. Posteriormente, com o restabelecimento da chegada de oxigênio à mitocôndria, há a formação excessiva de substâncias oxidantes, que também acarretam lesão tecidual. O aumento das substâncias oxidantes
causa peroxidação dos ácidos graxos poliinsaturados da
membrana celular, alteração de todos os aminoácidos intracelulares, particularmente, tirosina, histidina, fenilalanina,
metionina e cisteína, e oxidação de ácidos nucléicos celulares8.
A morte da célula nervosa pode desenvolver-se de duas
formas morfológicas distintas: necrose e apoptose. Na
necrose há edema, fratura das membranas celulares e reação inflamatória intensa, determinada por insulto intenso e
de curta duração. Já na apoptose a célula agoniza, a morte
é lenta e progressiva, caracterizada pela redução do núcleo
e do citoplasma, condensação da cromatina e fragmentação
do ácido desoxir-ribonucléico (DNA), todo esse mecanismo ativado por endonucleases. Insultos menores, mas de
longa duração causam apoptose. Portanto, a apoptose pode
ocorrer nas formas mais leves de dano isquêmico, enquanto
a necrose predomina nas formas mais intensas9,10.
Durante a hipóxia-isquemia, inicialmente, ocorre uma
inativação sináptica como resposta adaptativa. É reversível
e precede uma significativa redução do aporte cerebral de
fosfatos de alta energia. Quando a lesão se torna irreversível, por falta de energia para manter as bombas ATPase
dependentes, há a liberação de neurotransmissores, incluindo glutamato11.
Aminoácidos excitatórios têm sido implicados no dano
neuronal e na hipóxia-isquemia. O ácido glutâmico, maior
aminoácido excitatório no cérebro, é citotóxico em células
neuronais. Os neurônios que liberam glutamato são ativados durante evento hipóxico pela entrada de cálcio para
dentro da célula e pela própria despolarização dessas células12. Paralelamente, ocorre redução de ATPase-glutamato
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
dependente na membrana pré-sináptica, contribuindo para
a manutenção de concentrações elevadas do glutamato
extracelular, mantendo um estímulo prolongado deste receptor. A ação dos aminoácidos excitatórios como glutamato e aspartato é mediada por vários subtipos de receptores, principalmente, N-metil-D-aspartato (NMDA) e amino-3-hidroxi-5-metil-4-isoxazole ácido propiônico
(AMPA). O receptor NMDA parece ser essencial para os
mecanismos de lesão cerebral hipóxico-isquêmica; apresenta sítios modulatórios para exercer um influxo altamente
regulado de cálcio pelos canais iônicos11,12. É necessária a
ativação simultânea de NMDA e receptores da glicina, um
co-agonista, além da liberação do bloqueio de canais iônicos magnésio-dependente para o cálcio passar através do
canal13.
O acúmulo do cálcio citosólico é o principal fator dentre
as múltiplas lesões e cascata de eventos irreversíveis que
causam a morte celular induzida pela hipóxia-isquemia e
reperfusão. O cálcio ativa enzimas degradativas tais como
endonucleases, proteases e fosoflipases11,13.
O cálcio aumentado no espaço intracelular pode iniciar
vários eventos bioquímicos com geração de radicais livres:
1. ativação de fosfolipase A2, causando uma maior geração de radicais livres pelas vias da cicloxigenase e
lipoxigenase;
2. ativação da enzima óxido nítrico sintetase (NOS), que
promove formação de peroxinitrito e geração de radicais livres;
3. ativação de proteases, que convertem xantina dehidrogenase em xantina oxidase, gerando redicais livres;
4. ativação de fosfolipase C, que resulta no aumento dos
estoques de cálcio intracelular.
A geração de radicais livres pode acionar a liberação de
quantias adicionais de aminoácidos neurotransmissores
excitatórios, e pode influenciar também a ativação do
receptor NMDA13.
Manifestações clínicas
Segundo os critérios da Academia Americana de Pediatria para se estabelecer o diagnóstico de asfixia perinatal, é
necessário haver manifestações neurológicas e de disfunção multissistêmica6. Sendo a SHI uma situação que causa
diminuição significativa do aporte de oxigênio a todos os
tecidos do organismo, aumento do metabolismo anaeróbico, isquemia, acidose e hipercapnia com conseqüente lesão
celular difusa, é esperado que haja manifestações clínicas
envolvendo os mais diversos sistemas do organismo.
Sistema nervoso central
A extensão e a distribuição da lesão isquêmica cerebral
é determinada pela maturidade cerebral e pela gravidade e
duração do insulto. No recém-nascido prematuro, a identificação clínica da asfixia é mais difícil do que no recémnascido a termo, devido à imaturidade cerebral, ou seja,
Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1 , 2001 S65
alguns achados normais e comuns ao prematuro indicam
depressão do sistema nervoso central no recém-nascido a
termo.
A encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) é a manifestação clínica da asfixia perinatal mais estudada e descrita na
literatura. Os achados clínicos são inespecíficos; portanto,
para distinguir de outras causas de lesão cerebral, é importante a história perinatal. Sarnat e Sarnat estabeleceram
critérios para a classificação da EHI, resumidos na Tabela
114.
O quadro clínico agrava-se durante os primeiros 3 dias
de vida, o óbito é comum entre 24 e 72 horas de vida.
As convulsões podem estar presentes como única manifestação neurológica após insulto asfíxico, geralmente se
iniciam durante as primeiras 24 horas de vida do recémnascido, são prolongadas e resistentes ao tratamento anticonvulsivante.
O edema cerebral pode ser um achado precoce da EHI
grave, resultando em áreas de necrose cerebral irreversível,
principalmente lobo temporal, e conseqüente paralisia cerebral. Clinicamente, o aumento da pressão intracraniana
do recém-nascido manifesta-se muito tardiamente na evolução do edema cerebral, observando-se fontanela abaulada e tensa, hipertermia de origem central, convulsões e
demais manifestações neurológicas semelhantes às observadas na encefalopatia hipóxico-isquêmica. Nestes casos,
já existe necrose cerebral extensa 15.
Sistema cardiovascular
A resposta circulatória inicial após a lesão hipóxicoisquêmica envolve redistribuição do débito cardíaco aos
tecidos do organismo, com maior trabalho da fibra miocárdica já sob efeito de isquemia, podendo ocorrer infarto
agudo do miocárdio, insuficiência miocárdica de gravidade
variável, inclusive com miocardiopatia e necrose do músculo papilar da válvula tricúspide. O ventrículo direito do
recém-nascido é o mais sujeito a lesão isquêmica porque a
pressão vascular pulmonar se eleva como decorrência da
hipóxia e da acidose. Esse fato hemodinâmico leva a um
sofrimento da circulação do ventrículo direito com conseqüente isquemia ou necrose. Laboratorialmente, se manifesta por aumento da CK-MB, no eletrocardiograma haverá
alterações compatíveis com lesão isquêmica ou necrose
miocárdica e na cintilografia miocárdica haverá manifestações isquêmicas16-18.
Inicialmente, ocorre taquicardia sinusal, seguida de
bradicardia e insuficiência cardíaca. O recém-nascido apresenta hiperatividade precordial, pulsos amplos ou diminuídos com déficit de perfusão periférica e edema generalizado. É possível também a presença de sopro cardíaco, pela
necrose do músculo papilar, e arritmias.
Sistema respiratório
É freqüente a associação entre asfixia e hipertensão
pulmonar persistente do recém-nascido (HPP). Na asfixia
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
S66 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1, 2001
Tabela 1 - Estágios da encefalopatia-hipóxico isquêmica
Estágio
Estágio 1 (branda)
Estágio 2 (moderada)
Estágio 3 (grave)
Nível de consciência
Hiperalerta
Letargia
Torpor, coma
Controle neuromuscular
Super-reativo
Movimentos espontâneos diminuídos
Movimentos espontâneos diminuídos ou
ausentes
Tônus muscular
Normal
Hipotonia branda
Flácido
Postura
Flexão distal suave
Forte flexão distal
Descerebração
intermitente
Reflexos tendinosos
Aumentados
Aumentados
Diminuídos ou ausentes
Mioclonia
Presente
Presente
Ausente
Convulsões
Ausentes
Freqüentes
Freqüentes
Reflexos complexos
Normais
Suprimidos
Ausentes
Ativa ou pouco fraca
Exacerbado
Normal
Leve
Fraca ou ausente
Incompleto
Exagerado
Forte
Ausente
Ausente
Fraco ou ausente
Ausente
Simpáticas
generalizadas
Parassimpáticas
generalizadas
Ambos os sistemas
deprimidos
Pupilas
Dilatadas, reativas
Miose, reativas
Respirações
Ritmo cardíaco
Secreções de vias aéreas
Motilidade gastrintestinal
Espontâneas, regulares
Normal ou taquicardia
Escassa
Normal ou diminuída
Periódicas
Bradicardia
Profusa
Aumentada
Médias, pouco reativas,
anisocoria
Periódicas, apnéias
Variável, bradicardia
Variável
Variável
Normal
Baixa voltagem,
padrão periódico
(desperto)
Periódico ou isoelétrico
Duração dos sintomas
< 24 horas
2 a 14 dias
Horas a semanas
Seguimento
100% normal
80% normal, anormal
se sintomas por mais
de 5 a 7 dias
50% óbito,
os demais,
seqüelas graves
Sucção
Moro
Oculovestibular
Tônico do pescoço
Funções autonômicas
EEG
Fonte: Sarnat HB, Sarnat MS. Neoanatal encephalopaty following fetal distress: a clinical and eletroencephalographic study.
Arch Neurol 1976; 33:696-705.
pode ocorrer necrose dos músculos papilares da válvula
tricúspide, promovendo regurgitação valvar tricúspide e
aumento da pressão no átrio direito, causando shunt direitaesquerda durante a sístole ventricular. Além disso, a redistribuição do fluxo sangüíneo no organismo, após um evento
hipóxico-isquêmico, e a acidose metabólica promovem
aumento da resistência vascular pulmonar e conseqüente
elevação da pressão na artéria pulmonar. O shunt direitaesquerda de sangue não oxigenado pelo forame oval e pelo
canal arterial patente é responsável pela hipoxemia sistêmica grave. Dessa forma, há um somatório de efeitos clínicos
de uma isquemia tecidual generalizada. É uma situação
muito grave que requer suporte intensivo e manejo imediato
na tentativa de reverter o quadro clínico19.
Atualmente, o ecocardiograma bidirecional com mapeamento a cores permite a visualização do jato de regurgitação tricúspide e do jato no forame oval, além da aferição da
pressão na artéria pulmonar e da avaliação da função
ventricular direita. No caso de não dispor de ecocardiografia e se o shunt for pedominantemente pelo canal arterial, a
constatação da PaO2 ou da saturação arterial de oxigênio
pré-ductal (artéria radial direita) e pós-ductal (aorta descendente ou membros inferiores), mostrando diferença de
oxigenação, faz o diagnóstico de HPP.
A síndrome de aspiração de mecônio é um achado
freqüente concomitante com a SHI e com a HPP.
Distúrbios metabólicos
Inicialmente há uma hiperglicemia por aumento na
liberação de catecolaminas e cortisol20,21, seguida de hipoglicemia causada pelo consumo excessivo dos depósitos de
glicogênio hepático e, em alguns casos, por hiperinsulinismo tardio22.
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1 , 2001 S67
A hipocalcemia precoce (cálcio sérico total <7mg/dl ou
cálcio iônico <4mg/dl, nas primeiras 72 horas de vida) é
secundária à insuficiência renal e à redução transitória da
secreção de hormônio paratireóideo23.
Distúrbios hidroeletrolíticos acontecem secundariamente à insuficiência renal aguda ou à secreção inapropriada do
hormônio antidiurético (SIHAD)24. Hiponatremia e natriúria ocorrem na fase de recuperação da necrose tubular
aguda, e hipercalemia na insuficiêcia renal mais prolongada.
Aparelho gastrintestinal
Aumento dos níveis séricos de amônia podem ser detectados por insuficiência hepática 24,25. A lesão hepática pode
evoluir para necrose.
A insuficiente perfusão sangüínea visceral pode causar
isquemia das alças intestinais, predispondo o recém-nascido, principalmente, se for prematuro, a desenvolver um
quadro de enterocolite necrosante.
Aparelho renal
Oligúria (diurese inferior a 1 ml/kg/hora) ou anúria é
comum no recém-nascido que sofreu de SHI. SIHAD,
necrose tubular aguda (NTA) ou desidratação são causas de
oligúria e merecem um diagnóstico diferencial, uma vez
que ocorrem com alguma freqüência em recém-nascidos
asfixiados.
A SIHAD ocorre por disfunção hipofisária secundária à
agressão isquêmica23. Os pacientes com SIHAD reabsorvem grande quantidade de água livre ao nível de túbulo
distal e desenvolvem oligúria, edema e hiponatremia.
A NTA conseqüente da lesão isquêmica renal cursa com
redução do débito urinário e insuficiência renal aguda, que
persiste por vários dias ou semanas27,28.
O diagnóstico diferencial dessas situações patológicas
que causam oligúria encontra-se na Tabela 2.
Alguns recém-nascidos com SHI desenvolvem bexiga
neurogênica; a retenção urinária conseqüente não é relacionada à doença parenquimatosa renal. É importante, no
diagnóstico diferencial de oligúria e anúria no recémnascido com SHI, realizar a palpação da bexiga, para
constatar se há distensão vesical secundária à bexiga neurogênica.
Manifestações hematológicas
A coagulação intravascular disseminada (CIVD) no
recém-nascido está associada a situações de hipóxia-isquemia tecidual; é freqüente após parada cardíaca, asfixia
perinatal, hipotensão sistêmica (comum no choque séptico).
A CIVD manifesta-se, clinicamente, com sangramento
em locais de veno-punção, equimoses, hematomas, petéquias, hematúria, hemorragia digestiva, melena. Estes achados são acompanhados pelas manifestações clínicas de
choque hipovolêmico, variáveis com a gravidade. O diagnóstico laboratorial revela prolongamento dos tempos de
tromboplastina parcial ativada (TTPA), protrombina (TP)
e trombina (TT). A contagem de plaquetas pode ser normal
ou reduzida. Quando a CIVD está associada à enterocolite
necrosante ou sepse, a trombocitopenia é mais importante,
e os fatores de coagulação (TP, TTPA) podem ser normais
ou pouco alterados29.
Tratamento
O recém-nascido com SHI apresenta um quadro multissistêmico com acometimento de vários sistemas e diferentes graus de gravidade. Dessa forma, o enfoque terapêutico
do recém-nascido doente se torna complexo, necessitando
atenção para inúmeras manifestações distintas. Em determinadas circunstâncias, pode ocorrer indicações de manejos terapêuticos opostos para tratar situações clínicas distintas. Nessas ocasiões, é necessário pesar riscos e benefícios de cada conduta para tomar a decisão mais adequada ao
momento.
Cuidados gerais
A SHI causa alterações nas funções cardíacas e respiratórias. É necessário fazer monitorização contínua de freqüência respiratória, freqüência cardíaca, saturação arterial
de oxigênio e pressão arterial. A apnéia é uma manifestação
clínica freqüente nos recém-nascidos com SHI por lesão do
SNC, havendo indicação, nessas situações, de ventilação
mecânica. Alterações de freqüência cardíaca podem acontecer por lesão de SNC ou por acometimento direto do
músculo cardíaco. Por acometimento do músculo cardíaco,
acontece uma diminuição da contratilidade cardíaca, ocorrendo um quadro de hipotensão arterial30.
Tabela 2 - Diagnóstico diferencial da oligúria
Densidade
Urinária
Uréia e
Creatinina
Sódio
sérico
FENA
Peso
Exame
urina
SIHAD
-
N
¯
< 2,5
-
N
NTA
¯
-
N/¯
> 2,5
-
A
Desidratação
-
N/-
N/-
< 2,5
¯
N
N = normal
A = alterado
FENA (excreção fracionada de sódio) = [(Na urinário/Na sérico)/(uréia urinária/uréia sérica)] x 100
S68 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1, 2001
Recém-nascidos com SHI costumam apresentar oligúria. A monitorização da diurese de 24 horas e o controle das
densidades urinárias se tornam fundamentais para o estabelecimento do diagnóstico da lesão e o planejamento do
tratamento hídrico futuro do paciente.
A dosagem sérica de eletrólitos (sódio e potássio) nas
primeiras 24 horas de vida é fundamental para se estabelecer planos terapêuticos, assim como um teste de rastreamento da glicose sangüínea e da dosagem do cálcio iônico,
de preferência, ou do cálcio sérico total, na falta do anterior.
Um exame radiológico de tórax no momento da internação serve para afastar problemas respiratórios que necessitem de tratamento imediato, ex.: pneumotórax, e ajuda no
estabelecimento do diagnóstico de doenças pulmonares
que possam ter sido fatores de desencadeamento do processo de hipóxia-isquemia, ex.: pneumonia congênita, ou possam ser conseqüência desse mesmo processo, ex: síndrome
de aspiração de mecônio. Uma gasometria arterial é fundamental para analisar a pressão parcial dos gases sangüíneos
e detectar alterações do equilíbrio ácido-básico.
Tratamento da hipotensão
A hipotensão arterial no paciente com SHI pode se
dever à perda de volume circulante (diminuição da précarga), no caso de hemorragias agudas, ou a lesão miocárdica com comprometimento da contratilidade cardíaca. O
uso de expansores de volume (solução salina ou sangue
total) só está indicado quando houver diminuição da précarga. Nestes casos, infunde-se 10 ml/kg em 30 minutos de
solução salina, podendo repetir essa infusão até três vezes,
enquanto a pressão arterial não normaliza 31.
Para melhorar a contratilidade cardíaca, há indicação do
uso de drogas vasoativas. A droga vasoativa mais estudada
no recém-nascido é a dopamina e, por isso, é a mais
utilizada. Em dose superior a 5 mg/kg/min, aumenta a
freqüência, a contratilidade e o débito cardíaco 32. Apesar
da ação da dobutamina no recém-nascido ser pouco estudada, também tem sido usada em dose de 5 a 15 mg/kg/min,
aumentando a contratilidade e o débito cardíaco.
Tratamento dos distúrbios metabólicos
A hipoglicemia é tratada com uma infusão endovenosa
de 200 mg/kg de glicose (2 ml/kg de solução glicosada) em
1 minuto, seguida de uma infusão contínua de glicose de 8
mg/kg/min33.
A hipocalcemia assintomática é tratada com uma infusão endovenosa de 6 ml/kg/dia de gluconato de cálcio 10%,
que possui 9 mg de cálcio elementar/ml. Diminui-se pela
metade a cada 24 horas, até a suspensão completa da
infusão. No caso de hipocalcemia sintomática, usa-se 1 a 2
ml/kg de gluconato de cálcio 10% endovenoso em 5 minutos, monitorizando a freqüência cardíaca, seguido de uma
infusão endovenosa de gluconato de cálcio a 10%, 6 ml/kg/
dia34.
A hipercalemia, que pode ocorrer em decorrência da
insuficiência renal, é tratada com o uso de resinas trocado-
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
ras de íons ou salbutamol em infusão endovenosa ou em
nebulização35.
Hidratação venosa e balanço hídrico
Os recém-nascidos que sofreram SHI não devem ser
alimentados por via oral nas primeiras 48 a 72 horas de vida,
até que haja uma estabilização do quadro hemodinâmico. A
isquemia visceral decorrente do processo hipóxico-isquêmico predispõe o recém-nascido às mais diversas manifestações gastrintestinais, desde uma intolerância à alimentação por via digestiva até enterocolite necrosante e perfuração intestinal.
A retenção hídrica é uma constante nos recém-nascidos
com SHI, seja pela SIHAD, pelo aumento transitório da
aldosterona sérica ou pela NTA24,27,28,36. Inicialmente
inicia-se uma hidratação venosa com 60 ml/kg/dia de solução glicosada sem acréscimo de eletrólitos. Conforme a
evolução do peso, diurese, densidade urinária e dosagens
dos eletrólitos séricos, fazem-se as modificações necessárias quanto a volume a ser infundido e a acréscimo de
eletrólitos.
Tratamento da insuficiência respiratória
A monitorização da saturação arterial de oxigênio e a
gasometria arterial auxiliam na indicação do uso das mais
diversas formas de assistência respiratória: oxigênio por
campânula, CPAP ou ventilação mecânica.
A presença de acidose metabólica acompanhada de uma
boa ventilação autoriza o uso de bicarbonato de sódio
endovenoso diluído em infusão lenta endovenosa para a sua
correção.
Tratamento das crises convulsivas
O diagnóstico etiológico das crises convulsivas deve ser
considerado. Apesar de que a crise convulsiva no recémnascido com SHI costume ser por acometimento do SNC,
conseqüente à hipóxia-isquemia, distúrbios metabólicos
devem ser considerados.
O tratamento de escolha para a crise convulsiva secundária à SHI é o fenobarbital endovenoso. Utiliza-se a dose
de ataque de 20 mg/kg. Não havendo resposta inicial,
administram-se mais duas doses de 10mg/kg, com intervalos de 20 a 30 minutos, até a crise convulsiva cessar. Não se
deve administrar mais doses de ataque de fenobarbital sem
a comprovação prévia do seu nível sérico. A dose de
manutenção é 4 mg/kg/dia em duas doses diárias37.
A fenitoína deve ser associada ao tratamento anticonvulsivante, quando não há boa resposta ao uso de fenobarbital. A dose de ataque é 20 mg/kg, e a dose de manutenção
é 5 mg/kg/dia de 12/12 horas por via endovenosa38.
Hipotermia
A hipotermia seletiva da cabeça iniciada nas primeiras
horas após o insulto hipóxico-isquêmico com uma leve
hipotermia corpórea pode trazer resultados benéficos no
tratamento do recém-nascido com SHI.
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
Gunn e colaboradores, em 1998,demonstraram que
recém-nascidos tratados com hipotermia seletiva da cabeça
e mantidos com uma temperatura retal de 35,7°C, iniciando-se o tratamento nas primeiras 2 a 5 horas de vida, tiveram
melhor evolução do que os grupos que tiveram hipotermia
seletiva e temperatura retal de 37°C e 36,3°C respectivamente39. Ampliando sua casuística para 40 recém-nascidos, o mesmo grupo de pesquisadores insiste em afirmar
que a hipotermia seletiva da cabeça acompanhada de uma
hipotermia corpórea é benéfica para diminuir as seqüelas
neurológicas dos recém-nascidos com SHI40.
Estratégias de neuroproteção
Várias intervenções terapêuticas têm sido utilizadas em
experimentos laboratoriais com o intuito de proteger o SNC
de lesões, quando submetido a um insulto hipóxico-isquêmico11,41.
Na Tabela 3 apresentamos um sumário das diversas
intervenções utilizadas.
A aplicação dessas intervenções na clínica é limitada,
no momento, pois são estratégias que protegem o SNC da
agressão quando utilizadas previamente ao insulto asfíxico.
Se aplicadas após a agressão, tornam-se ineficazes.
Prognóstico
Robertson e colaboradores estudaram 145 crianças que
tiveram EHI (56 leves, 84 moderados e 5 graves) aos 8 anos
de idade e compararam com um grupo controle de 155
crianças. Dos pacientes com EHI, 16% deles apresentaram
acometimento grave, definido por paralisia cerebral, ce-
Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1 , 2001 S69
gueira, atraso de desenvolvimento, doença convulsiva e
déficit auditivo. Os que tiveram encefalopatia moderada e
grave tiveram performance intelectual, integração visualmotora, escores de vocabulário e de aritmética significativamente inferiores aos de encefalopatia leve e aos dos
controles. Foi concluído que pacientes com encefalopatia
leve têm um desempenho escolar semelhante ao do grupo
controle42.
Recentemente, 178 recém-nascidos com EHI grave
foram estudados. Os achados neonatais que mais se associaram com mal prognóstico futuro foram a idade do início da
respiração espontânea, a necessidade de massagem cardíaca durante a reanimação neonatal e a idade do início das
crises convulsivas. Quanto mais tarde se iniciou a respiração espontânea e quanto mais precocemente iniciaram-se
as crises convulsivas, maior a probabilidade de desenvolver
seqüelas neurológicas futuras43.
Entretanto, é importante salientar que a incidência de
paralisia cerebral em recém-nascidos não tem diminuído.
Com base em dados clínicos, concluiu-se que em 20% dos
casos, a EHI ocorre por insulto anteparto; em 35% dos
casos, há problemas maternos, tais como diabete, retardo de
crescimento intra-uterino e infecção, mas não há sinais
clínicos de sofrimento fetal; em 10% dos casos, a EHI
ocorre por problemas pós-natais; e somente em 35% dos
casos a encefalopatia hipóxico-isquêmica surge em decorrência de problemas reconhecidos durante o trabalho de
parto44,45.
Referências bibliográficas
Tabela 3 - Estratégias de neuroproteção na síndrome hipóxicoisquêmica
1. Prevenção do acúmulo de neurotransmissores
excitatórios nos espaços sinápticos
1.1 prevenção da despolarização retardada da membrana
1.2 inibição da liberação de glutamato
1.3 administração de adenosina
2. Prevenção do acúmulo de cálcio citosólico
2.1 bloqueio dos agonistas dos canais de cálcio
2.2 prevenção da despolarização
2.3 agonistas do GABA
2.4 bloqueio dos canais de cálcio
3. Inibição dos mecanismos que são desencadeados pela
sobrecarga do cálcio citoplasmático
3.1 inibição da ativação enzimática
3.2 inibição da NOS
3.3 inibição da toxicidade dos radicais livres
4. Prevenção da lesão microvascular
4.1 revascularização das lesões vaso-oclusivas
4.2 inibição da lesão de reperfusão
1. Catlin EA, Carpenter MW, Brann BS, Mayfield SR, Shaul PW,
Goldstein M, et al. The Apgar score revisited: Influence of
gestational age. J Pediatr 1986;109:865-8.
2. Thorp JA, Sampson JE, Parisi VM, Creasy RK. Routine umbilical cord blood gas determinations? Am J Obstet Gynecol
1989;161:600-5.
3. Pereira DN, Rocha VLL, Procianoy RS, Azeredo RCM, Kersting
D, Cardozo A, et al. Avaliação do pH de sangue de cordão
umbilical e sua relação com o escore de Apgar em recémnascidos a termo. J Pediatr (Rio J) 1996;72:139-42.
4. King TA, Jackson GL, Josey AS, Vedro DA, Hawkins H, Burton
KM, et al. The effect of profound umbilical artery acidemia in
term neonates admitted to a newborn nursery. J Pediatr
1998;132:624-9.
5. Pereira DN, Procianoy RS, Zatti H, Schlabendorff M. Manifestações clínicas em recém-nascidos a termo com diferentes
graus de acidemia no sangue de cordão umbilical. J Pediatr (Rio
J) 1999;75:195-200.
6. American Academy of Pediatrics. Intrapartum care. In: Guidelines for perinatal care. 4th ed. AAP;1997. p.93-125.
7. Cohn HE, Sacks EJ, Heymann MA, Rudolph AM. Cardiovascular responses to hypoxemia and ischemia in fetal lambs. Am J
Obstet Gynecol 1974;120:817-24.
8. Flowers F, Zimmerman JJ. Reactive oxygen species in the
cellular pathophysiology of shock. New Horiz 1998;6:169-80.
S70 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.1, 2001
9. Stroemer P, Rothwell NJ. Exacerbation of the ischaemic brain
damage by localized striatal injection of interleukin-1b in the rat.
J Cereb Blood Flow Metab 1998;18:833-39.
10. Pulera MR, Adams LM, Liu H, Santos GD, Nishimura RN, Yang
F, et al. Apoptosis in a neonatal rat model of cerebral hypoxiaischemia. Stroke 1998;29:2622-30.
11. Du Plessis AJ, Johnston MV. Hypoxic-ischemic brain injury in
the newborn. Clin Perinatol 1997;24:627-54.
12. Delivoria-Papadopoulus M, Mishra OP. Mechanisms of cerebral
injury in perinatal asphyxia and strategies for prevention. J
Pediatr 1998;132:S30-4.
13. Siesjo BK, Bengtsson F. Calcium fluxes, calcium antagonists,
and calcium-related pathology in brain ischemia, hypoglycemia,
and spreading depression: a unifying hypothesis. J Cereb Blood
Flow Metab 1989;9:127-40.
14. Sarnat HB, Sarnat MS. Neonatal encephalopathy following fetal
distress: A clinical and electroencephalographic study. Arc
Neurol 1976;33:696-705.
15. Lupton BA, Hill A, Roland EH, Whitfield MF, Flodmark O.
Brain swelling in the asphyxiated term newborn: pathogenesis
and outcome. Pediatrics 1988;82:139-46.
16. Bucciarelli RL, Nelson RM, Egan EA, Eitzman DV, Gessner IH.
Transient tricuspid insufficiency of the newborn: A form of
myocardial dysfunction in stressed newborns. Pediatrics
1977;59:330-7.
17. Rowe RD, Hoffman T. Transient myocardial ischemia of the
newborn infant: A form of severe cardiorespiratory distress in
full term infants. J Pediatr 1972;81:243-50.
18. Procianoy RS, Lueska SD, Randon M, Haase HB. Necrose de
músculo papilar associado à asfixia neonatal. J Pediatr (Rio J)
1981;51:211-2.
19. Kinsella JP, Abman SH. Recent developments in the pathophysiology and treatment of persistent pulmonary hypertension of the
newborn. J Pediatr 1995;126:853-64.
20. Lagercrantz H, Bistoletti P. Catecholamine release in the newborn infant at birth. Pediatr Res 1973;11:89-93.
21. Procianoy RS, Giacomini CB, Oliveira MLB. Fetal and neonatal
adrenal function in birth asphyxia. Acta Paediatr Scand
1988;77:671-4.
22. Collins JE, Leonard JV. Hyperinsulinism in asphyxiated and
small-for-dates infants with hypoglycaemia. Lancet 1984;
2:311-3.
23. Tsang RC, Chen IW, Hayes W, Atkinson W, Atherton H,
Edwards N. Neonatal hypocalcemia in infants with birth asphyxia. J Pediatr 1974;84:428-33.
24. Speer ME, Gorman WA, Kaplan SL, Rudolph AJ. Elevation of
plasma concentrations of arginine vasopressin following perinatal asphyxia. Acta Paediatr Scand 1984;73:343-52.
25. Goldberg RN, Cabal LA, Sinatra FR, Plajstek CE, Hodgman JE.
Hyperammonemia associated with perinatal asphyxia. Pediatrics 1979;64:336-41.
26. Procianoy RS. Hyperammonemia and perinatal asphyxia. Pediatrics 1981;67:578-9.
27. Dauber IM, Krauss AN, Symchych PS, Auld PAM. Renal failure
following perinatal anoxia. J Pediatr 1976;88:851-5.
28. Procianoy RS, Vieira LL. Insuficiência renal secundária à asfixia perinatal. Rev AMRIGS 1984;28:258-60.
Síndrome hipóxico-isquêmica - Procianoy RS et alii
29. Zipursky A, de Sa D, Hsu E, Johnston M, Milner R. Clinical and
laboratory diagnosis of hemostatic disorders in newborn infants.
Am J Pediatr Hematol Oncol 1979;1:217-26.
30. Cabal LA, Devaskar U, Siassi B, Hodgman J, Emmanouilides G.
Cardiogenic shock associated with perinatal asphyxia in preterm
infants. J Pediatr 1980;96:705-10.
31. So KW, Fok TF, Ng PC, Wong WW, Cheung KL. Randomised
controlled trial of colloid or crystalloid in hypotensive preterm
infants. Arch Dis Child 1997;76: F43-6.
32. Seri I. Cardiovascular, renal, and endocrine actions of dopamine
in neonates and children. J Pediatr 1995;126:333-44.
33. Lilien LD, Pildes RS, Srinivasan G, Voora S, Yeh TF. Treatment
of neonatal hypoglycemia with minibolus and intravenous glucose infusion. J Pediatr 1980;97:295-8.
34. Huttner KM. Hypocalcemia, hypercalcemia and hypermagnesemia. In: Cloherty JP, Stark AR, ed. Manual of Neonatal
Care. 4th ed. Boston: Little, Brown and Co.;1998. p553-62.
35. Mc Clure RJ, Presad VK, Brocklebank JT. Treatment of hyperkalaemia using intravenous and nebulised salbutamol. Arch Dis
Child 1994;70:126-8.
36. Pereira DN, Procianoy RS. Transient elevation of aldosterone
levels in perinatal asphyxia. Acta Paediatr 1997;86:851-3.
37. Gilman JT, Gal P, Duchowny MS, Weaver RL, Ransom JL.
Rapid sequential phenobarbital treatment of neonatal seizures.
Pediatrics 1989;83:674-8.
38. Painter MJ, Pippeenger C, MacDonald H, Pitlick W. Phenobarbital and diphenylhydantoin levels in neonates with seizures. J
Pediatr 1978;92:315-9.
39. Gunn AJ, Gluckman PD, Gunn TR. Selective head cooling in
newborn infants after perinatal asphyxia: a safety study. Pediatrics 1998;102:885-92.
40. Battin MR, Dezoete JA, Gunn TR, Gluckman PD, Gunn AJ.
Neurodevelopmental outcome of infants treated with head cooling and mild hypothermia after perinatal asphyxia. Pediatrics
2001;107:480-4.
41. Vannucci RC, Perlman JM. Interventions for perinatal hypoxicschemic encephalopathy. Pediatrics 1997;100:1004-14.
42. Robertson CMT, Finer NN, Grace MGA. School performance of
survivors of neonatal encephalopathy associated with birth asphyxia at term. J Pediatr 1989;114:753-60.
43. Ekert P, Perlman M, Steinlin M, Hao Y. Predicting the outcome
of postasphyxial hypoxid-ischemic encephalopathy within 4
hours of birth. J Pediatr 1997;131:613-7.
44. Rivkin MJ. Hypoxic-ischemic brain injury in the term newborn.
Clin Perinatol 1997;24:607-25.
45. MacLennan A. A template for defining a causal relation between
acute intrapartum events and cerebral palsy: international consensus statement. Brit Med J 1999;319:1054-9.
Endereço para correspondência:
Dr. Renato S. Procianoy
Rua Tobias da Silva, 99 - conj. 302
CEP 90570-020 – Porto Alegre – RS
Fly UP