...

Dolly - ICB - Universidade Federal de Minas Gerais

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Dolly - ICB - Universidade Federal de Minas Gerais
MEMÓRIA
HÁ 50 ANOS ERA FEITA A PRIMEIRA CLONAGEM COM TRANSFERÊNCIA DE NÚCLEO
Primeiro passo rumo à Dolly
A primeira clonagem com transferência
de núcleo animal não é, como se poderia
imaginar, um feito dos tempos atuais:
aconteceu há exatamente 50 anos.
Em março de 1952, a Academia Nacional
de Ciências dos Estados Unidos recebia
para publicação em seus anais o manuscrito
‘Transplante de núcleos vivos de células
de blástula para óvulos de sapos enucleados’,
em que Robert W. Briggs e Thomas J. King Jr.
(ver ‘Dupla dinâmica’) apresentavam
os resultados dos primeiros experimentos
de clonagem de animais por meio da técnica
de transferência de núcleo – a mesma utilizada
pelo embriologista escocês Ian Wilmut
Há 50 anos
para obter, em 1997, a famosa ovelha Dolly.
Página inicial
do artigo em que
Briggs & King
anunciaram a
primeira clonagem
com transferência
de núcleo
o início da década de 1950, uma das muitas
preocupações dos biólogos era saber se, durante o processo de diferenciação (especialização) das
células – que ocorre principalmente no desenvolvimento embrionário – havia mudanças irreversíveis
no núcleo. A idéia, então, era observar como se desenvolveria um organismo a partir de uma célulaovo (célula inicial, que resulta normalmente da fecundação do óvulo pelo espermatozóide, também
chamada zigoto) que tivesse o núcleo de uma célula
já diferenciada. Para tanto, era preciso criar uma
metodologia de transferência de núcleos.
No método de transferência nuclear que desenvolveram, Briggs e King utilizaram núcleos de células do estágio inicial do embrião (blastômeros). Essas células foram escolhidas por serem pequenas –
portanto semelhantes a células de indivíduos adultos (o óvulo que dá origem ao zigoto é, ao contrário,
uma célula grande) –, mas ainda completamente
indiferenciadas, ou seja, capazes de gerar indivíduos completos.
De fato, embora os primeiros clones animais tenham sido feitos, no final do século 19 e início do
século 20, a partir da separação de células de embriões de duas células por agitação ou com o auxílio
de fios de cabelo, outros foram obtidos a partir da
separação de blastômeros após um número maior
de divisões celulares.
É importante lembrar que o conceito de clone
está associado à reprodução assexuada – sem envolvimento de células sexuais. Todo mundo que
alguma vez fez um plantio usando um ramo vegetal
clonou – sem saber – uma planta. Em animais, a
retirada de uma parte do organismo em geral não
permite a reconstrução do corpo; mas gêmeos
univitelinos (idênticos) são exemplos de clones naturais, já que têm origem na separação de células
derivadas das primeiras divisões do zigoto.
A criação da técnica de transferência de núcleos se valeu de toda a tecnologia desenvolvida
pelos embriologistas da primeira metade do século 20 para realizar ‘cirurgias’ de óvulos e embriões. Essa tecnologia era conhecida também
no Brasil, tendo sido difundida pelo professor
Giorgio Schreiber (1905-1976), que publicou
em 1946 um trabalho intitulado ‘A cirurgia
do ovo e do embrião’, em que resume uma
série de conferências sobre o tema apresentadas no Instituto Biológico de São Paulo.
N
74 • CIÊNCIA HOJE • vol. 31 • nº 185
memoria.p65
74
14/08/02, 17:45
1
Alterações genéticas
3
O sucesso na geração de embriões
já diferenciados após a transferência de núcleos embrionários
para óvulos estabeleceu a metodologia necessária para que núcleos de células diferenciadas fossem
5
testados. A eficiência do processo,
entretanto, era baixa: apenas cerca de
12% dos óvulos injetados com núcleos davam origem a embriões normais. Como a preocupação maior dos pesquisadores era averiguar a existência de alterações genéticas durante a diferenciação, o sucesso das transferências era medido pela formação de embriões em estágios mais avançados de desenvolvimento. Não havia até esse momento preocupação em obter animais adultos.
Após o trabalho inicial de 1952, Briggs e King
deram prosseguimento às investigações sobre transferência de núcleos, passando a usar como doadoras
células embrionárias em estágios mais avançados
de desenvolvimento. Como o sucesso dos transplantes nesses experimentos era ainda menor do que o
Dupla dinâmica
Thomas King nasceu em Nova York
em 1921. Bacharelou-se em medicina pela Fordham University e obteve os graus de mestre e doutor na
Universidade de Nova York. No início da carreira, deu aulas no curso
de formação de técnicos em medicina na Escola Militar e, durante a
Segunda Guerra, foi oficial do Serviço Médico Norte-americano no
Pacífico. Sua tese de doutorado foi
desenvolvida no laboratório de
Robert Briggs no Instituto de Pesquisas sobre o Câncer, na Filadélfia.
Em 1967, King se transferiu para a
Universidade de Georgetown, em
Washington. Dirigiu o Instituto Nacional do Câncer de 1974 a 1980 e,
em seguida, retornou à Universidade de Georgetown, onde trabalhou
até aposentar-se em 1990. Foi também diretor do Instituto Kennedy
de Ética e membro da diretoria do
Centro Lombardi de Pesquisa sobre
o Câncer, em Georgetown.
Robert Briggs nasceu em Watertown, Massachusetts, em 1911. De
2
MEMÓRIA
O diagrama ilustra o método
usado por Briggs & King
para transplantar núcleos
de células de blástula em óvulos
enucleados. A célula doadora
de núcleo é sugada
com uma micropipeta de vidro
de diâmetro ligeiramente menor
que o da célula (1). Para uma transferência
bem-sucedida, é preciso romper a superfície
da célula sem dispersar seu conteúdo (2).
O núcleo é então introduzido
no óvulo enucleado (3) e, quando a micropipeta
é retirada, forma-se um canal (4) que é fechado por agulhas
de vidro (5) para evitar perda significativa de citoplasma
4
obtido anteriormente, eles passaram a modificar as
condições experimentais de modo a provocar menos lesões nos núcleos transferidos. Embora a adoção dos novos protocolos tenham dobrado a porcentagem de óvulos injetados com núcleos que deram
origem a embriões, quando se usavam núcleos de
células um pouco mais diferenciadas os embriões
resultantes tinham seu desenvolvimento interrompido em estágios anteriores à formação do girino.
família de origem simples, perdeu a
mãe muito pequeno e foi criado pelos avós em Epping, New Hampshire. Muito cedo manifestou gosto
por duas coisas que o acompanhariam por toda a vida: ciência, que
descobriu por influência de um professor do ensino médio, e música,
que começou a aprender na infância,
com uma tia. Aos 14 anos passou a
trabalhar em uma fábrica de sapatos durante o verão; no inverno,
tocava banjo em bailes de cidadezinhas de New Hampshire. Mais tarde foi para Boston, onde se graduou
em ciências, em 1934, e deu início
ao seu doutorado na Universidade
de Harvard. Nesse período fez uma
detalhada análise das mudanças
metabólicas no desenvolvimento do
sapo. Em 1938, obteve seu PhD e se
tornou professor da Universidade
de McGill, no Canadá. De volta aos
Estados Unidos em 1942, foi para
o Instituto de Pesquisas sobre o
Câncer, na Filadélfia, dando início
às pesquisas sobre o papel do núcleo no desenvolvimento. Em 1956,
tornou-se professor de zoologia na
Universidade de Indiana, onde se aposentou
em 1982 e recebeu o título de professor emérito.
Foi no Instituto de
Pesquisas sobre o Câncer que ele e Thomas
King desenvolveriam as
Thomas
pesquisas que redunKing
daram na primeira experiência bem-sucedida
de clonagem de sapos com transferência de núcleo. Por esse feito
espetacular, Briggs e King foram os
primeiros norte-americanos agraciados com o prêmio Charles-Leopold Mayer, da Academia de Ciências do Institut de France, a maior
honraria concedida pela Academia Francesa.
Ambos morreram de
câncer: Briggs em 1983,
em Indianápolis, e King
em 2000, em Baltimore.
Roberto Barros
de Carvalho
Ciência Hoje/MG
Robert
Briggs
agosto de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 75
memoria.p65
75
14/08/02, 17:45
MEMÓRIA
Dolly,
a ovelha
clonada
na Escócia
em 1997
Esses resultados, que mais tarde foram obtidos também por outros pesquisadores, sugeriam que o núcleo de células mais diferenciadas haviam sofrido modificações genéticas durante o processo
de diferenciação.
Entretanto, na década de 1960, foi descrita a clonagem bem-sucedida de sapos
após a microinjeção de núcleos de células
do epitélio intestinal – totalmente diferenciadas, portanto –, reforçando a idéia de que
ao menos a maioria das células diferenciadas
possuíam núcleos sem alterações genéticas irreversíveis. A justificativa para a baixa incidência de
sucesso nas transferências nucleares foi apresentada pela cientista Marie A. Di Berardino, que trabalhou com Briggs e King nos experimentos iniciais.
Em seus trabalhos, Di Berardino descreveu inúmeras alterações cromossômicas nos núcleos transferidos que não eram encontradas nos núcleos das células doadoras. A conclusão é que elas decorriam
dos procedimentos de transferência.
A técnica de microinjeção em óvulos de anfíbios
descrita por Briggs e King foi adotada durante muitas décadas para introduzir material genético nesse
sistema celular, sobretudo DNA purificado, tanto
para estudos de expressão gênica quanto de estrutura de cromatina (estado em que os cromossomos
são invisíveis ao microscópio óptico).
Um aspecto curioso dessa história é que Robert
Briggs e Thomas King trabalhavam no Instituto de
Pesquisa do Câncer da Filadélfia e tinham seu trabalho financiado pelo Instituto Nacional (norte-americano) do Câncer e pela Sociedade Norte-americana de Câncer. O objetivo central do trabalho era
entender o processo de diferenciação celular, sem
perspectiva, portanto, de produzir terapia efetiva
a curto prazo. Mas seus resultados foram cruciais
para que, quase cinco décadas depois, a clonagem
de mamíferos se tornasse possível – técnica importante não só para a preservação de espécies animais
com características genéticas de reprodução difícil
ou dispendiosa (o aspecto mais difundido e discutido da questão), como também para estudos de determinação biológica de longevidade. Será que, com
o imediatismo da sociedade atual, haverá histórias
como esta para serem contadas daqui a 50 anos?
Mônica Bucciarelli Rodriguez
Instituto de Ciências Biológicas,
Universidade Federal de Minas Gerais
Dê um brilho especial
a suas aulas.
Ciência Hoje na Escola é uma série de 12 livros
paradidáticos que abordam temas da atualidade e
abrangem diversas áreas do conhecimento. Cada
volume é composto por ar
tigos escritos por alguns
artigos
dos melhores pesquisadores do país. TTodos
odos os livros
contêm índice por palavra-chave e um caderno
especial para auxiliar o trabalho do professor em sala
de aula. Bem ilustrados, os volumes trazem ainda
experimentos que apóiam as atividades curriculares.
www.ciencia.org.br
7NA
6 • ICNTER
IÊNCIA N
H OET:
JE • vol. 31 • nº 185
memoria.p65
76
P ELO TELEFON E:
AM
ELHOR D
A SAL
A
MELHOR
DA
SALA
Ela não pode faltar
0800-264846
14/08/02, 17:45
CONHEÇA OS TÍTULOS DA COLEÇÃO
Use os livros desta coleção.
Céu e TTerra
erra
Bichos
Corpo Humano e Saúde
Meio Ambiente e Águas
Ver e Ouvir
Química do dia-a-dia
Tempo e espaço
Matemática
Evolução
Geolog
ia
Geologia
Sexualidade
Eletricidade
Fly UP