...

NEGA DO CABELO DURO, QUAL É O PENTE QUE TE PENTEIA

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

NEGA DO CABELO DURO, QUAL É O PENTE QUE TE PENTEIA
NEGA DO CABELO DURO, QUAL É O PENTE QUE TE PENTEIA?
Maria de Lourdes Bertoni Araújo1
Wylliane Estelaide Paixão de Santana2
Cairo Mohamad Ibrahim Katrib (orientador) 3
RESUMO
Este trabalho consiste em um levantamento de dados sobre as denominações pejorativas ou
não, referentes aos cabelos afro, crespo, Black Power e cacheado, utilizadas por alunos,
professores, técnicos e pessoal de apoio da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal
(FACIP) UFU, oriundos de diversos estados do Brasil. O referencial teórico se baseou em
estudos do entendimento do papel do cabelo na formação identitária do negro e do
afrodescendente e na percepção de si próprio (Gomes, 2003; Hall, 2003, 2006; Munanga,
2009). Foram analisadas as nomenclaturas utilizadas pelos participantes da pesquisa em todos
os setores da universidade, levando em consideração o estado de origem e as diferentes
grafias e sentidos. As abordagens metodológicas foram categorizadas em pesquisa qualitativa
e quantitativa (Godoy, 1995; Neves, 1996). Os resultados parciais indicaram a enorme
variedade de denominações, em sua maioria com teor depreciativo, relacionadas à textura do
cabelo do negro ou do afrodescendente, em que foi observada também a dificuldade com
relação à utilização de um nome específico ou descrição do cabelo sem que estes afetem de
maneira negativa diretamente na negritude e na identidade da pessoa. O estudo contribuiu
para entendermos a inerência do racismo e do preconceito com relação à textura do cabelo,
alvo de nomenclaturas racistas, sempre com analogias depreciativas. A pesquisa também
permitiu uma reflexão mais positiva na abordagem e trabalho com as características físicas de
negros e afrodescendentes, principalmente no que diz respeito ao ambiente escolar, palco para
a quebra de paradigmas com relação à máxima que “cabelo crespo é cabelo ruim”.
PALAVRAS CHAVE: Cabelo. Negro. Identidade. Preconceito. Negritude.
INTRODUÇÃO
O presente artigo faz parte das discussões iniciais sobre cabelo, identidade e racismo
que estamos realizando na pesquisa intitulada NEGA DO CABELO DURO no grupo de
Educação Tutorial – Pet (Re) conectando saberes, fazeres e práticas, voltadas para a temática
etnicorracial na tentativa de compreender os aspectos históricos e sociais que fomentam o
racismo com relação ao cabelo do negro e do afrodescendente.
1
Graduanda do curso de História, bolsista Pet (Re) Conectando Saberes FACIP/UFU MEC/SESU/SECAD
[email protected]
2
Graduanda do curso de História, bolsista Pet (Re) Conectando Saberes FACIP/UFU - MEC/SESU/SECAD
[email protected]
3
Prof. Dr. Docente no curso de História da FACIP/UFU, tutor Pet (Re) Conectando Saberes
/MEC/SESU/SECAD
[email protected]
1
O interesse por esta pesquisa surgiu após análise e trabalhos que realizamos,
principalmente na escola e sala de aula, nos quais pudemos notar que um dos principais
vetores para discriminação racial além da cor da pele, era o cabelo da criança negra e/ou
afrodescendente. Paralelamente a isso, observamos que se tornava cada vez maior o número
de estudantes de ambos os sexos que aderiam ao uso do cabelo natural dentro da universidade,
seja devido ao aumento de negros na universidade após as políticas de cotas, seja pelo
reconhecimento identitário negro ou ainda, pela maior e melhor conscientização que os
ingressantes em universidades públicas possuem, principalmente em relação ao estudante de
nível fundamental e médio de escolas públicas.
Segundo Hildegardes Viana (1979) citado por Franco (2012, p. 11) “o cabelo crespo é
o que mais incomoda a alguns brancos no aspecto físico dos negros”. Sendo assim, o
alisamento químico vem como uma resposta aos ataques sofridos (cabelo de bombril, pixaim,
cabelo duro) e mais ainda, como uma tentativa de apagamento de características físicas que
exaltem a negritude. Esse ato de "branqueamento" na desqualificação do crespo é uma
resposta/defesa de quem tem ser "como os outros", uma tentativa de adequação ao gosto
comum e ao que é exemplo a ser seguido, uma forma de pertencer ao que é "bom", no lugar
do que é "ruim".
Nesse sentido, pesquisar os nomes dados ao cabelo dos sujeitos negros vai muito além
de uma pesquisa quantitativa, já que diz respeito ao reforço de entender o lugar do negro na
sociedade atual, pois “desde a escravidão ele tem sido usado como um dos elementos
definidores do lugar do sujeito dentro do sistema de classificação racial brasileiro” (GOMES,
2002, p. 43).
Sendo assim percebemos a força subjetiva que as denominações do cabelo têm na vida
das pessoas negras, reforçando sempre os estereótipos que os objetifica e não raras vezes,
animaliza o negro por conta de suas características físicas, no caso estudado: o cabelo duro.
Para, além disso, Gomes (2002) diz sobre outra especificidade relacionada ao ter
cabelo crespo nas sociedades contemporâneas ocidentais, em que, principalmente as mães, ou
outra figura que a represente (tia, irmã, avó), “arrumam” o cabelo da criança negra, especial
das mulheres, na tentativa de romper com o estereótipo de negro sujo e descabelado.
Porém, esses processos são, na maioria das vezes, dolorosos, pois, de acordo com a
autora, as tranças que são a primeira tentativa de manipulação do cabelo crespo antes mesmo
do alisamento, envolviam muitos “puxões e pressões do pente” (GOMES, 2002, p. 43). Então,
o que deveria ser uma característica admirável e esteticamente interessante - o cabelo crespo 2
passa a ser algo que requer contenção, repressão, força e dominação, pois afinal, alguém
precisa dar jeito naquele "cabelo bravo".
Por entendermos que o cabelo é um dos principais agentes na aparência física que
condiciona ou não a aprovação estética para a sociedade, sentimo-nos instigados a saber quais
são as denominações destinadas a ele e referente à qual estado pertencem os participantes da
pesquisa, como um modo de identificar as denominações racistas às quais o sujeito negro está
exposto e pelas quais, é marcado em toda sua trajetória de vida, subjetividade e relação com o
cabelo.
Entendemos identidades, como o conjunto de experiências histórica, social, cultural,
familiar e também individual, construída de maneira mutável e a partir dos processos
significação e resignificação da trajetória de vida pessoal. Nesse contexto,
A identidade negra é entendida, aqui, como uma construção social, histórica,
cultural e plural. Implica a construção do olhar de um grupo étnico/racial ou de
sujeitos que pertencem a um mesmo grupo étnico/racial sobre si mesmos, a partir da
relação com o outro. Construir uma identidade negra positiva em uma sociedade
que, historicamente, ensina ao negro, desde muito cedo, que para ser aceito é preciso
negar-se a si mesmo, é um desafio enfrentado pelos negros brasileiros. (GOMES,
2003. P. 171)
Desse modo, é possível associar a textura do cabelo ao pertencimento identitário do
negro, estreitando suas relações culturais e de pertencimento, trazendo o sujeito para o cerne
do debate, em que,
As velhas identidades, que por tanto tempo estabilizaram o mundo social, estão em
declínio, fazendo surgir novas identidades e fragmentando o indivíduo moderno, até
aqui visto como um sujeito unificado. A assim chamada "crise de identidade" é vista
como parte de um processo mais amplo de mudança, que está deslocando as
estruturas e processos centrais das sociedades modernas e abalando os quadros de
referência que davam aos indivíduos uma ancoragem estável no mundo social
(HALL, 2006).
Assim percebemos que há uma modificação no modo em que o sujeito e suas relações
são percebidos na história. O sujeito passa a ocupar lugar e suas identidades fragmentadas são
valorizadas tanto quanto as estruturas e os processos que movem a sociedade. É nessa
perspectiva que esse estudo se insere, objetivando compreender a valorização do cabelo
crespo enquanto um dos principais componentes da pertença identitária do negro.
METODOLOGIA
3
Essa pesquisa está sendo constituída a partir de um levantamento/pesquisa online de
denominações dadas ao cabelo crespo, bem como do estado de origem dos participantes. É
permitida e convidada a participar, toda a população da FACIP-UFU (técnicos
administrativos, professores, alunos), bem como pessoas da comunidade e região.
Porém não nos limitamos unicamente à análise dos dados levantados, tomamos
também como objeto de estudo, outras atividades de pesquisa, ensino ou extensão realizadas
pelo PET (RE) Conectando Saberes, das quais participamos e que tinham como caráter o
pertencimento identitário étnicorracial e/ou o cabelo crespo e o racismo por notarmos a forte
relação entre o preconceito racial e associado a essa característica física.
A metodologia adotada foi de Pesquisa Quantitativa e Qualitativa, nas quais, os
conceitos de identidade e cultura permearam todo o trabalho, já que entendemos as
respectivas denominações regionais dadas ao cabelo crespo como fruto do processo racista de
tentativa de embraquecimento e higienização do negro, decorrente desde as teorias racistas do
médico Raimundo Nina Rodrigues até a teoria do “paraíso racial” de Gilberto Freyre em Casa
Grande e Senzala (1933).
Entendemos que a Pesquisa Qualitativa é também uma forma de abordagem de estudo
para as denominações acerca do cabelo do negro e do afrodescendente, por possibilitar a
interpretação, estudo e criticidade dos pesquisadores acerca dos objetos estudados, além de
implicar de acordo com Chizzotti (2003, p. 221) em,
Uma partilha densa com pessoas, fatos e locais que constituem objetos de pesquisa
para extrair desse convívio os significados visíveis e latentes que somente são
perceptíveis a uma atenção sensível e, após este tirocínio, o autor interpreta e traduz
em um texto, zelosamente escrito, com perspicácia e competência científicas, os
significados patentes ou ocultos do seu objeto de pesquisa.
Sendo assim, além da quantitativa que inicialmente mensura os resultados, a
abordagem qualitativa permite, no estudo das denominações do cabelo do negro e
afrodescendente, para além da análise propriamente dita dos “apelidos” dados ao cabelo, um
olhar que mescla a historicidade do negro e suas relações sociais no Brasil. Aliado a isso, a
premência de análise da relação do ser negro com a tentativa de apagamento e
embranquecimento de suas características físicas, em decorrência da negatividade atribuída a
características próprias do negro, como no caso do cabelo crespo.
INTEGRANTES DA PESQUISA
4
Os participantes da pesquisa foram alunos, professores, técnicos administrativos e a
comunidade geral da FACIP/UFU, além de pessoas da comunidade, que enviaram as
denominações utilizadas por eles para referência ao cabelo crespo. Por não se tratar de
entrevista nem questionário, não há sujeitos específicos da pesquisa, sendo esta, constituída
por todo o público da universidade em questão.
O espaço da universidade foi escolhido a princípio por ser palco para debates acerca
de conscientização sobre o negro e a cultura afro-brasileira, além de ser um espaço que reúne
pessoas de diversos níveis de conhecimento e cultura, decorrentes da constante migração
estudantil e profissional para novos campi, como é o caso da FACIP/UFU. Paralelamente a
isso, a inclusão de pessoas da comunidade na pesquisa foi em função da resposta positiva que
tivemos ao convidarmos a comunidade para participar da mesma e por entendermos que
poderíamos ter contribuições diversas daquelas do ambiente universitário.
A universidade tem fomentado muitos estudos, debates e pesquisas com o objetivo de
fazer cumprir a Lei 10.639/03 que torna obrigatório a inclusão do ensino de "História e
Cultura Afro-Brasileira" no currículo oficial da Rede de Ensino. Sendo assim, entendemos a
universidade pública e seus agentes constitutivos como um dos principais responsáveis por
ações que visam o combate ao racismo, além da valorização da cultura negra e afro-brasileira.
Portanto, o trabalho de pesquisa com esse público específico assume o caráter também de
avaliativo, mediante o avanço no campo da educação na conscientização que este proporciona
aos graduandos.
NEGA DO CABELO DURO?
Durante o desenvolvimento da pesquisa foram observadas a quantidade de
denominações surgidas em referência ao cabelo crespo que o ligava à falta de higiene,
objetificando e até mesmo animalizando não somente o cabelo como a própria pessoa com
características físicas do negro.
Porém, isso não se restringe apenas as denominações recebidas durante o
desenvolvimento da pesquisa. Observamos que algumas dessas denominações direcionadas ao
cabelo do negro estão em um patamar que vai além de um simples apelido, constituindo um
significado e dialeto regional, isso fica explicito ao pesquisarmos o significado da palavra
Cabelo.
Observamos ainda, que além do substantivo masculino cabelo, há outras
denominações referentes ao cabelo crespo, que ficam subentendidas como se a textura do
5
cabelo do negro necessitasse de um conjunto específico de significações para defini-lo. Isso
seria plausível se tais significações o remetessem à sua história de exclusão, à ancestralidade,
à autoafirmação e empoderamento do uso do cabelo crespo, porém não é o que ocorre, os
nomes são apenas citados, como variações aos significados da palavra Cabelo.
Segundo o dicionário Houaiss a palavra Cabelo significa,
1 Conjunto de pelos que cobrem a cabeça dos humanos. 2 cada um desses
pelos 2 pelo que cresce em qualquer outra parte do corpo humano. [...] c. agastado
infrm. carapinha, pixaim . c. bom B infrm. cabelo liso, fácil de pentear [...] c. de
cupim B carapinha, pixaim . c. de fuá B cabelo pixaim rebelde . c. lambido B infrm.
cabelo muito liso, escorrido . c. ruim B infrm.cabelo muito crespo, encarapinhado
como o dos negros [...]. (HOUAISS, 2009, p. 347)
É possível encontrar no próprio dicionário Houaiss, significados especificamente
direcionados ao cabelo do negro, como por exemplo, cabelo de fuá, cabelo agastado e cabelo
ruim apelidos utilizados para designar o cabelo do negro.
O fato de possuir significado para as denominações pejorativas em referência ao
cabelo no negro não quer dizer que esses apelidos devem ser normalizados, pelo contrário,
abre uma lacuna para a problematização de até que ponto a inclusão de tais nomes populares
devem aparecer no dicionário, apesar de significar um avanço por um lado, por valorizar as
especificidades locais, por outro, representa um retrocesso e fere a história e características
étnicas dos negros.
Pesquisamos também, o significado de alguns outros nomes até então desconhecidos
para o desígnio ao cabelo crespo, os quais são: Aranzel e Carapinha.
O nome Aranzel é um dialeto regional utilizado para designar o cabelo crespo no
Triângulo Mineiro, porém sua utilização não condiz com a do dicionário formal, que
significa,
Aranzel s.m. 1 ant. instruções sobre determinado assunto; formulário, lista,
regulamento 2 inform. pej. discurso carregado de detalhes dispensáveis,
prolixo e enfadonho; arenga 3 B C.-O. Inform. discussão generalizada,
confusa e estéril; barulho, briga, rolo [...] (HOUAISS, 2009, p. 172).
“CARAPINHA - (carapinho) - s.f. Cabelo semelhante à lã, muito crespo e denso,
próprio da gente de raça negra; cabelo agastado, carrapicho, lã, pixaim 2 p. ext.qualquer coisa
que se assemelhe à esse cabelo [...].” (HOUAISS, 2009, p. 401)
Pudemos observar também que, na pesquisa, nomes do tipo: “Cabelo de mendigo”,
“Crespão”, “Cabelo duro”, “Biscoito torrado” aparecem com uma conotação que remete à
falta de higiene do ser negro, em que se fazem mais latentes os apelidos “desarrumado” e
6
“descabelado”, os quais afirmam e associam a forma do cabelo crespo com o fato de não estar
"arrumado".
Além da animalização sofrida pelo negro e afrodescendente percebida em apelidos
como “Juba”, “Leão”, “Ninho de guacho”, “Mickey mouse” e “Pelo de macaco”, há também
as denominações que associam o cabelo crespo a algo ruim, feio, indesejado tais como:
“Cabelo ruim”, “Cabelo de nego”, “Cabelo duro”, “Cabelo feio”, “Cabelo de neguinha” e
“Cabelo de bruxa”.
Tais denominações têm um caráter muito perceptível de associação do cabelo à cor da
pele e a algo negativo, em que “Cabelo de nego”, por exemplo, é uma expressão que designa
um cabelo ruim, feio. Bem como “nego”, “neguinha” e “bruxa” o associa novamente ao feio,
ruim e indesejado. Desse modo, as associações negativas de cabelo ao negro reforçam a
imagem que pertencer ou ter características étnicas de negro é ruim e nocivo, e contribuem
para a baixa autoestima de alguém que pertence à esse grupo étnico.
Isso ocorre em parte, pois em nossa sociedade tem sido uma constante inferiorizar e
deturpar a imagem do que é diferente, de modo a associá-lo sempre a algo negativo. Sobre
isso,
Sabemos que em nossa sociedade de maneira geral, as concepções sobre o negro são
bastante negativas. Elas dizem respeito à estética, morais e intelectuais. São essas
concepções, que ocorrem de maneira difusa em nossa sociedade, que criam todas as
maneiras e formas de evitação, de mal estar, de “antipatia” que teimam por penalizar
aqueles que não possuem um fenótipo evidentemente branco. (MÜLLER;
OLIVEIRA; TEIXEIRA, 2006, p. 14 citado por SANTANA, MÜLLER, 2012).
Sendo assim, o que ocorre quando o negro é alvo de apelidos pejorativos por conta de
suas características físicas é a aversão ao que não é branco, evidenciando e afirmando um
padrão ditado como “certo” a ser seguido em que, o que não se “encaixa” no mesmo, é que
precisa de se readaptar.
Disso decorre a crescente busca, até mesmo de crianças, a tratamentos ditos de beleza,
que envolvem químicas e alisamentos, submetendo os negros e afrodescendentes a uma busca
por aceitação e minimização das diferenças, o que implica diretamente em apagamento dos
traços negros. Essa busca por padronização e adequação do corpo e do cabelo negro aos
espaços sociais geram inúmeras consequências na trajetória de pessoas negras desde a
infância.
Nessa perspectiva, podemos entender o grau de nocividade desses apelidos, como
mais fecundos na infância e na adolescência, pois,
7
Para o/a adolescente negro/a, a insatisfação com a imagem, com o padrão estético,
com a textura do cabelo é mais do que uma experiência comum […] Essas
experiências são acrescidas do aspecto racial, o qual tem na cor da pele e no cabelo
os seus principais representantes […] a rejeição do cabelo, muitas vezes, leva a uma
sensação de inferioridade e de baixa auto-estima (GOMES, 2002, p. 47).
Entendemos ainda que ações antirracismo precisam levar principalmente os alunos,
desde as séries iniciais até ao ensino superior, a uma tomada de consciência sobre o que é ser
negro, e ainda, a desconstrução do padrão eurocêntrico imposto, para assim haver aceitação,
valorização e reconhecimento do negro e da cultura afro-brasileira.
DENOMINAÇÕES POR REGIÃO
Os resultados parciais da pesquisa nos trouxeram 127 (cento e vinte e sete)
participações entre pessoas da Universidade Federal de Uberlândia e da comunidade regional,
com 381 (trezentas e oitenta e uma) denominações para o cabelo crespo, das quais 49
(quarenta e nove) com nomenclaturas diferentes, distribuídas nas cinco regiões brasileiras.
TODAS AS REGIÕES EM COMUM: Afro, Anelado, Armado, Arrepiado, Black, Blackpower, Bombril, Cabelo cacheado, Cabelo crespo, Cabelo duro, Cabelo eriçado, Cabelo feio,
Cabelo de nego, Cabelo de semente de mamão, Desarrumado e Descabelado.
NORDESTE: Cabelo de espeta caju, Cabelo de cupim, Cabelo de bosta de rolinha, Mola de
binga, Pixaim, Palha de aço, Palha de milho, Pêlo de macaco e Vassoura.
CENTRO-OESTE: Biscoito torrado, Cabelo de repolho, Cabelo de samambaia, Espantalho,
Juba e Leão.
NORTE: Cabelo neguinha e Cabelo de bruxa.
SUL: Cabelo de mendigo.
SUDESTE: Arame, Aranzel, Assolan, Cabelinho, Carapinha, Crespão, Demônio, Gafuringa,
Gafurinha, Mickey Mouse, Ninho de Guacho, Pimenta do Reino e Sarará.
CONCLUSÃO
Das 49 (quarenta e nove) denominações diferentes para cabelo crespo, 21 (vinte e
uma) fazem referência à falta de limpeza, higiene, falta de zelo ou descuido. Das mesmas 49
8
(quarenta e nove), 07 (sete) fazem referência a animais como macaco, rato, cupim, leão,
chegando a alusões escatológicas como bosta de pássaro. De todas, 05 (cinco) fazem
referência a materiais como esponjas de aço, ferro, alumínio e arame, numa alusão clara que
justifica o “cabelo duro”. Apenas 06 (seis) não são pejorativas, como anelado, crespo,
ondulado, cacheado, afro e black power. Bombril está presente em quase 90% (noventa por
cento) das participações, aparecendo 114 (cento e quatorze) vezes. Cabelo Duro foi a segunda
colocada, aparecendo 87 (oitenta e sete) vezes. Em terceiro lugar, ficou Cabelo de Nego, com
67 (sessenta e sete) citações.
Assim, no desenvolvimento desta pesquisa, concluímos que muito ainda precisa ser
percorrido em direção a desconstrução da imagem do negro como algo negativo, feio, sujo e
indesejável, num trabalho de ressignificação étnica. Porém, concluímos também que com o
fomento a ações de valorização e discriminação positiva do negro, tal caminho pode ser
traçado de forma satisfatória e possível, com políticas públicas mais efetivas, que visam
apoiar e incluir o negro, em parceria com aquelas que visam pensar na convivência e respeito
das diversidades.
Um dos caminhos possíveis para desconstrução da imagem do cabelo crespo, um dos
principais denunciantes fenotípicos da etnia negra, é a inversão dos valores negativos
atribuídos aos negros. Denominações como “Afro”, “Anelado”, “Cabelo cacheado” e “Cabelo
crespo” são um caminho para valorização da identidade étnica e as características decorrentes
da mesma, já que tais denominações apenas descrevem a percepção gráfica do cabelo, sem a
conotação racista e secularmente preconceituosa.
Concluímos também que o cabelo funciona como uma espécie de “passaporte social”
para o negro e que este depende da aprovação do branco para ser, estar e até mesmo pertencer
a determinadas tribos e locais. Muitas vezes, a condição para se conseguir a aprovação social
e fugir dos olhares e apelidos de caráter pejorativo tem sido o apagamento das raízes étnicas,
ao invés de ser a conscientização e o trabalho com a memória histórica, afetiva, social e
cultural. Isso deveria se dar principalmente no âmbito educacional, envolvendo respeito aos
negros e afrodescendentes, incitando a aceitação e tratamento de igualdade, bem como a
valorização da pessoa e de sua cultura.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRASIL, Lei nº10639 de 9 de janeiro de 2003. Ministério da Educação. Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicos Raciais e para o Ensino de
História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. MEC/SECAD. 2005.
9
CHIZZOTTI, Antonio. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e
desafios. Revista Portuguesa de Educação. Universidade do Minho - Braga/Portugal, V. 16,
n° 002, p. 221 – 236.
FRANCO, Nanci Helena Rebouças. Imagens no espelho: percepção de adolescentes negros
sobre o seu pertencimento étnicorracial. VI Colóquio Internacional “Educação e
Contemporaneidade”, São Cristovão-SE/Brasil, 20 à 22 de setembro de 2012.
GODOY, Arilda Schimidt. Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de
Administração de empresas. São Paulo V. 35, N° 3, Mai./Jun. 1995, p 20 à 29.
GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de
estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro,
set./dez. 2002, n.21, p. 40-51.
GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar
sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, jan./jun.
2003, p. 167-182.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da
Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1. ed. em 1992, 11. ed. em
2006, 102 páginas.
HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais / Stuart Hall; Org. Liv
Sovik; Tradução Adelaine La Guardia Resende.. et al. – Belo Horizonte; Editora UFMG;
Brasilia: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.
HOUAISS, Antônio. VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa,
elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua
Portuguesa S/C Ltda. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.
MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. 3. ed., São Paulo: Autêntica. 2009.
NEVES, José Luis. Pesquisas Qualitativas – Características, usos e possibilidades. Cadernos
de pesquisas em administração. São Paulo, V.1, Nº. 3, 2° SEM./1996.
SANTANA, Malsete Arestides. MÜLLER, Maria Lúca Rodrigues. Relações raciais no
cotidiano escolar: dizeres de alunos de duas escolas públicas municipais de Cuiabá. Revista
Aleph - ISSN 1807-6211, Julho /2012 - ANO VI - Número 17.
10
Fly UP