...

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA
Ailton José Morelli
(ORGANIZADOR)
INTRODUÇÃO AO
ESTUDO DE HISTÓRIA
FORMAÇÃO DE
PROFESSORES
EAD
N° 27
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
EAD
CAPÍTULO 6
Utilização de Documentos
Imagéticos na Pesquisa em
História
CAPíTULO 6
UTILIZAÇÃO DE DOCUMENTOS IMAGÉTICOS NA
PESQUISA EM HISTÓRIA
André Porto Ancona Lopez
o documento imagético ou não está inserido na trama das relações da
sociedade da qual faz parte. Desta maneira, sua compreensão não pode se dar
isoladamente do contexto histórico cultural do qual ele é tanto um produto quanto
um dos inúmeros fatores constituintes. De acordo com Paola Carucci (1987, p.14):
Um romance ou um filme são prioritariamente objeto da crítica
estética, mas se os considerarmos como documentos, eles
requerem, para a história, um método de análise e verificação
que, na sua substância, não se distancia muito ao menos sob
certos aspectos daquele utilizado para os documentos de
arquivo. A representação de uma época requer ainda a
imaginação, que é algo diverso da fantasia: como a história
deve saber identificar a realidade política, humana e social que
se cristalizou nas formas abstratas e burocráticas da ação
formal, do mesmo modo, dever saber encontrar nas
representações imaginárias dos acontecimentos, individuais ou
coletivos, o reflexo das estruturas polít icas e econômicas, das
correntes de pensamento, das atitudes, dos prejuízos, dos
mitos, dos sentimentos.
Neste sentido, os documentos também podem ser entendidos como
fontes de acesso a essas representações imaginárias referidas por Carucci.
Elementos da imaginação e do imaginário da sociedade encontram-se, de alguma
maneira, incluídos nos documentos por ela produzidos. As imagens fixadas em
um suporte, em oposição às imagens mentais, são documentos portadores
de uma força emocional muito intensa nessa mediação entre
a
l
realidade social e a imaginária. A anedota do imperador chinês que tinha seu sono
afetado pelo barulho de uma cascata pintada em seu palácio é um exemplo
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
bastante ilustrativo do poder simbólico que as imagens podem representar nessa
mediação com o real (DEBRA Y, 1994, p.13).
Do mesmo modo que o imaginário pode transformar a sociedade, ele
produz relações, memória formas de registro e memória social, como, por exemplo,
Introdução ao
Estudo de
História
representações pictóricas, registros fotográficos etc., e essas formas de registro,
por sua vez, também serão transformadoras. Sob a ótica das representações
sociais, tais registros não podem mais ser considerados como uma totalidade
passível de l eituras universalizantes; ao contrário, devem ser entendidos na sua
relação com os elementos simbólicos da sociedade que os produziu.
Maria Lígia Prado (1999) mostra como concepções semelhantes acerca da
relação entre o homem e a natureza desembocam em projetos políticos
diferenciados. Os artistas da Escola do Rio Hudson enfatizarão a grandiosidade
dos elementos naturais, ajudando na formulação de um projeto otimista. Por outro
lado, no mesmo período, a produção artística argentina não apresentará tanto
ímpeto à grandiosidade natural e impulsionará projetos políticos opostos. Os
mesmos temas "a natureza selvagem, a solidão das planícies, as grandes
extensões de terras vazias em que o homem entra em contato com a natureza"
(PRADO, 1999, p. 215) e suas correspondentes representações pictóricas
redundarão em interpretações diversas sobre a sociedade:
Enquanto o norte-americano retira desse encontro a esperança
de um futuro radioso, [...] o argentino entende esse contato
como produtor do despotismo, da ausência da res publica e da
transformação do gaúcho em bárbaro (PRADO, 1999, p. 215,
grifo do autor).
O famoso quadro do cachimbo de Magritte (1929) ajuda-nos a exemplificar
como tais registros documentais configuram-se tanto como produto, mas também
como veto r de articulações simbólicas da sociedade. Magritte, a partir de um
cachimbo real seja como um modelo concreto, seja como um modelo mental,
obtido a partir de sua experiência com cachimbos reais constrói uma imagem de
um cachimbo, com uma legenda ("Isto não é um cachimbo") que nega a
materialidade desse objeto e reafirma a condição de representação da imagem,
justificando o sugestivo título da pintura: A traição das imagens. Afinal, é difícil
entender que não há cachimbo algum quando, segundo Foucault (1993).
[...]
toda função de um desenho tão esquemático, tão escolar como
este, radica em fazer-se reconhecer, em deixar aparecer sem
equívocos nem vacilações aquilo que representa (FOUCAUL T, 1993,
p. 32).
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
CAPÍTULO 6
Utilização de Documentos
Imagéticos na Pesquisa em
História
Réne Magritte. La trahison des images (1929)
É interessante notarmos que o quadro dentro de uma ambígua relação de
mediação, que, por um lado, é reflexo de uma articulação entre o real (cachimbo) e
sua representação (a idéia do autor, o conceito de cachimbo), enquanto que, por
outro, nega essa articulação (e nega também o objeto real, por extensão) torna-se
vetor da própria configuração do real. O não-cachimbo de Magritte impõe uma
rediscussão do conceito de cachimbo. Propõe uma ressignificação do real, desde
suas representações, e por fim, das mediações entre eles. A aparente contradição
entre a legenda e a imagem do quadro de Magritte pode servir de estopim para u
ma profunda reflexão das articulações entre o texto e a imagem, entre o
imaginário, o real e suas representações, como fez Foucault.
A ressignificação operada a partir da obra também será responsável por
sua transformação, por exemplo, em mercadoria como ocorre nas lojas de
museus. vindo até a ser vendida estampada em camisetas com opções de
legenda, em francês ou inglês'°. Por outro lado, tal divergência entre a legenda e a
imagem pode ser simplesmente ignorada por outros espectadores. Em todos
esses casos, é possível compreender o papel exercido pela imagem no
documento, independentemente do conhecimento da existência da obra.
· Uma ampla gama de ofertas de obras de artes transpostas para os mais diversos materiais, como
---gravatas, cinzeiros, jóias etc. pode ser vista no Expo-shop.
Em obra posterior (La trahison des images, 1935), Magritte fez um outro não cahimbo, similar ao
primeiro, porém traduzindo o texto "Ceci n'est pas une pipe" para o inglês. A reprodução da obra em
camisetas está dispon ível para o consumidor em T -Shirt Magritte.
10
FORMAÇÃO
DE
..
PROFESSORES
Introdução ao
Estudo de
História
Outro tipo de aproveitamento é a adaptação da idéia, construindo novas
imagens, porém criando um vínculo com a pintura original. A compreensão do
significado do novo documento só é possível mediante um conhecimento prévio,
como ocorre no caso da reconfiguração da imagem pelo próprio Magritte
executada 21 anos depois, reafirmando que um cachimbo desenhado continuava a
não ser um cachimbo real. A variação nas significações é responsável, em última
análise, pela transformação das articulações entre as representações simbólicas e
o real operada pelo quadro de Magritte. Cabe destacarmos que o que ocorre com
a imagem do cachimbo (ou do não-cachimbo) de Magritte é uma intensa
reciclagem. No entanto, em
cada uma delas está sendo produzido um novo e
diferente documento: o quadro original; cada uma de suas diversas reproduções
nos livros, na Internet, na camiseta, nas charges etc.
Essa perspectiva relacional pressupõe os documentos imagéticos tanto na
sua organização como na sua utilização para a pesquisa histórica nessa relação
entre os elementos representacionais e a concretude da sociedade. A imagem
utilizada como evidência no diálogo produzido pelo historiador ao longo de uma
pesquisa não pode ser compreendida isoladamente. Em primeiro lugar, é
necessário que se estabeleça uma distinção entre a imagem e o próprio
documento, impondo uma
análise do documento imagético a partir da
compreensão dos motivos que nortearam sua produção. O pesquisador deve ser
sensível às múltiplas reciclagens de informação imagética. Cada reciclagem é
responsável pela produção de um documento distinto, a despeito veicular
informações visuais similares, ou idênticas. A dupla característica dos documentos
imagéticos que são ao mesmo tempo um registro administrativo e uma expressão
artística costuma direcionar a pesquisa para a valorização dos conteúdos da
imagem, relegando os aspectos ligados ao contexto de produção documental
(quem produziu? E para que finalidades?). As características de registro de uma
determinada forma de expressão sociocultural e de registro adm inistrativo são
indissociadas, porém a compreensão da primeira só é possível como uma
atividade posterior à contextualização do documento dentro do contexto que levou
a sua produção.
No caso dos documentos imagéticos, a distinção entre o documento e
a informação por ele veiculada tende a não ser percebida facilmente. A imagem
apresenta em relação ao documento textual uma tendência maior a ser
reproduzida desvinculada das informações sobre a origem administrativa do
documento. Assim, por exemplo, uma lista de presença escolar sempre estará
associada a sua função inicial, independentemente de ter sido classificada com
base na sua informação primária, digamos, por registrar a presença de
determinado indivíduo famoso, enquanto aluno. Mesmo que partamos dessa
informação (a assinatura de Or. Fulano), sempre será possível relacionar o
documento com sua atividade produtiva, registro de presença em aulas, e com sua
instituição produtora, a escola ou faculdade em questão. Nesse caso, o
afastamento dos dados relativos à produção do documento (quem produziu e
porque) ocorre em função de sua dissociação dos demais documentos
constituintes da mesma atividade isto é: as demais listas que não trazem a
assinatura de Or. Fulano, e da separação dos outros documentos gerados pela
mesma atividade no exemplo, os diários de classe, os registros de presença na
sessão administrativa encarregada etc.
parEm se tratando de documentos imagéticos, essa questão se
complexifica. Para ilustrar melhor, seguimos com a hipotética figura ilustre Or.
Fulano em sua formação. Um positivo fotográfico, digamos da formatura dessa
personalidade, quando isolada, perde todos os referenciais que o configuram como
documento, restando apenas as informações relacionadas à descrição do
conteúdo imagético. 00 ponto de vista da informação primária, essa imagem pode
apresentar os mesmos elementos que diversas outras, por exemplo, o Or. Fulano
de beca, recebendo seu diploma na formatura. Mas existem diferenças gritantes,
tanto do ponto de vista informativo como documental conforme quem tenha
produzido e/ou acumulado esse documento. O centro acadêmico para registro da
cerimônia? Familiares ou pessoas d o círculo pessoal de Or. Fulano? A própria
instituição de ensino para registro? A comissão de formatura, para posterior venda
de cópias? Em cada um desses casos, além do documento imagético responder a
funções geradoras distintas, os demais documentos a que se relaciona também
serão igualmente diferenciados.
No caso de documentos imagéticos isolados, a eloqüência observada nos
documentos típicos de arquivo é perdida, sendo mister recuperá-Ia através de
informações complementares tanto do titular quanto dos documentos anexos que
se referem à produção e à utilização da imagem. O simples fato de uma imagem
isolada normalmente não veicular uma informação precisa acerca do document o
faz com que tenhamos que recorrer a outros elementos para podermos
compreendê-Ia. Para a organização desses documentos, os profissionais
costumam recorrer às próprias experiência pessoais, ou evocar seu supostos
conhecimentos sobre o evento, para realizar uma identificação da referida
imagem. Muitas vezes, esse conhecimento se impõe de modo quase que
automático e desapercebido. Resulta daí a ilusão de que a imagem, por si só,
pode dar as informações que permitam contextualizá-Ia. Na realidade, toda a
informação contextual de um documento imagético sempre será de "segunda
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
EAD
CAPÍTULO 6
Utilização de Documentos
Imagéticos na Pesquisa em
História
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
mão", isto é, obtida de modo indireto. A eloqüência de um documento
administrativo típico contrapõe-se à total mudez de uma imagem quanto aos
aspectos de sua produção institucional. Esse silêncio amplia as possibilidades
interpretativas dos documentos imagéticos, uma vez que faltam outras referências
Introdução ao
Estudo de
História
capazes de direcionar nossa análise, além da nossa própria experiência visual.
Nos documentos fotográficos, o maior problema em relação à tendência de
sua organização baseada nos conteúdos informativos, em detrimento da
contextualização, parece ocorrer em função da ampla reciclagem da informação
veiculad a, somada à facilidade de reprodução dessa informação. Deste modo,
uma pequena confusão pode ser criada quando não é mais possível determinar
com exatidão não apenas o propósito e o produtor iniciais, mas, principalmente,
qual é o documento pertencente àquele produtor específico.
A reciclagem da informação promovida pela utilização posterior do
documento não pode ser confundida com a função para a qual ele foi produzido.
Desse modo, a partir do momento em que um banco de imagens recontextualiza
uma imagem de acordo com os interesses de seus pesquisadores, ele está
produzindo, na realidade, um novo documento, ao invés de apenas estar
disponibilizando uma informação de um fundo privado para os consulentes. Muitas
vezes a atitude é inevitável e, nesse caso, deve-se comunicar aos usuários do
arquivo que aqueles documentos não estão arquivisticamente contextualizados,
porém descritos conforme o conteúdo de sua informação primária.
O documento textual institucional, mesmo dissociado de seu contexto de
produção, traz consigo elementos (em maior ou menor evidência) que possibilitam
uma reconstituição dessa origem. Nos referimos a informações como a espécie
documental (que já traduz por si mesma algumas funções primárias), cabeçalhos
de identificação (indicativos do organismo produtor) data, autoria e, sobretudo, um
direcionamento direto para sua finalidade. Nos documentos imagéticos de modo
geral, essa organicidade só existe à medida que ele mantenha relacionamentos
diretos com o organismo produtor e com as
atividades para as quais foi produzido. Fora desse contexto, ele se torna um
documento vazio.
Em outras palavras, a imagem fixada em um documento situa-se no
centro de uma relação na qual influem diversos elementos, desde o percurso
técnico sofrido pela organização que disponibilizou o documento para a pesquisa
até as múltiplas mensagens, interpretações e apropriações simbólicas. O
documento imagético não existe em abstrato, ou em absoluto. Ele é uma prova
mediada por diversas relações: de um lado a sua geração/uso administrativo, de
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
EAD
outro lado a interpretação e tradução dessas funções na classificação documental;
de um lado tudo aquilo que ela carrega enquanto índice (traço) do real e, do outro,
sua leitura/interpretação feita pelo pesquisador. De um lado, o documento é
resultante de uma vontade administrativa, fruto de uma determinada
CAPÍTULO 6
concepção de mundo; porém, ao mesmo tempo, é vetor tanto de novas
Utilização de Documentos
Imagéticos na Pesquisa em
História
ações administrativas, quanto do entendimento da concepção de mundo.
anotações
77
FORMAÇÃO
DE
PROFESSORES
Introdução ao
Estudo de
História
REFERÊNCIAS
CARUCCI, Paola. 11 documento contemporaneo: diplomatica e criteri di
edizione. Roma: La Nuova Italia Scientifica, 1987.
DEBRAY, Régis. Vida y muerte de Ia imagen: historia de Ia mirada en
Occidente. Trad. Ramón Hervás. Barcelona: Paidós, 1994.
Expo-shop: art related gifs. Disponível em: <http://www.expo-shop.com>.
Acesso em: 24 maio 2000.
FOUCAUL T, Michel. Esto no es una pipa: ensayo sobre Magritte. Barcelona:
Anagrama, 1993.
MAGRITTE, René François-Ghislain. La trahison des images [1929]. In:
Relcom Company / PEIlKOM. Kiarchive/KMapxMB: <pa~IloBbl~ apXll1B
npoBa~Aepa "PeIlKoM.,QC". Disponível em:
<http://www.kiarchive.ru:8090/pub/misc/ images/painters/magritte/pipe.jpg>.
Acesso em: 24 maio 2000.
PRADO, Maria Lígia Coelho. Natureza e identidade nacional nas Américas. In:
. América latina no século XIX: tramas, telas e textos. São Paulo:
Edusp; Bauru: Edusc, 1999.
T-SHIRT Magritte: this is not a pipe. In: Image exchange. Disponível em:
<http://www.imageexchange.com/art2wear/t-shirts/6653.shtml>. Acesso em: 23
maio 2000.
PROPOSTA DE ATIVIDADES
1 - Procure relacionar o exercício com o quadro de Magritte.
2 - Como uma legenda ou um comentário influencia o que estou olhando?
3
-
Em um jornal, as imagens (fotos, desenhos, gráficos) estão totalmente relacionadas
com as notícias? Escolha algumas matérias jornalísticas nas quais são usadas
imagens e textos. Você concorda com o uso da imagem? A foto foi produzida
para aquela matéria? E o texto, concorda com a imagem ou a imagem serve
apenas para ilustrar o texto?
4 - Escolha um livro didático. Analise as figuras que nele aparecem. Compare,
como no exercício anterior, a relação das imagens com os textos.
Fly UP