...

regulamento federativo de licenças

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

regulamento federativo de licenças
FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO
REGULAMENTO
DE
LICENÇAS FEDERATIVAS
18 DE JANEIRO DE 2012
FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO
REGULAMENTO DE LICENÇAS FEDERATIVAS
Preâmbulo
O Regulamento de Licenças Federativas é um dos regulamentos estruturantes
da actividade da F.P.T., uma vez que define e regulamenta os parâmetros de
atribuição das diversas Licenças Federativas que permitem a prática das
modalidades tuteladas pela F.P.T. e estabelece o âmbito de cada uma.
Dentro deste quadro, decidiu-se congregar neste Regulamento todas as
matérias atinentes às Licenças Federativas quer se trate de Licenças para a prática
de tiro desportivo com armas de fogo e armas de ar comprimido de aquisição
condicionada, ou se trate da Licença para a prática de tiro desportivo com armas
de ar comprimido de aquisição livre.
Nesse sentido, introduziu-se neste Regulamento a Licença Federativa que
permite, exclusivamente, a prática de tiro com armas de ar comprimido de
aquisição livre (Licença Federativa TAC), tendo em vista a captação de um vasto
leque de atletas que pretendem iniciar-se no tiro desportivo praticando,
exclusivamente, tiro com armas de ar comprimido de aquisição livre, e incentivar a
prática das atinentes disciplinas olímpicas.
Acresce que a iniciação no tiro desportivo pela prática do tiro com armas de ar
comprimido de aquisição livre, vai permitir uma melhor formação dos atletas de
tiro desportivo que, no futuro, queiram iniciar-se no tiro desportivo com armas de
fogo, ou com armas de ar comprimido de aquisição condicionada, permitindo-lhes
cimentar os conhecimentos necessários para se habilitarem ao exame de acesso às
licenças A e D.
Introduziu-se também neste Regulamento toda a matéria relativa aos cursos e
exames de tiro MLAIC e IPSC, que permitem a prática dessas disciplinas,
respectivamente, aos titulares das Licenças Federativas B e C.
Reestruturou-se, explicitou-se e ampliou-se a matéria da regulamentação das
licenças, vertendo-se no Regulamento algumas das normas legais ainda não
transcritas para o mesmo, especificando as disciplinas, e respectivas pontuações,
2
que permitem, cumpridos os restantes requisitos, o acesso às Licenças Federativas
B e C, excluindo-se, por incongruente, do leque das disciplinas que permitem o
acesso à Licença Federativa C, as disciplinas praticadas com armas de ar
comprimido.
Por último, fixou-se um quadro de taxas das Licenças Federativas que,
conjugado com as novas taxas de inscrição em provas, vai permitir um aumento
substancial da prática de tiro desportivo com armas de ar comprimido de
aquisição livre e assim incentivar o desenvolvimento das modalidades olímpicas
praticadas com esse tipo de armas.
Capítulo I
Das Licenças em Geral
Artigo 1º
Emissão de Licença Federativa
1. Por cada Atleta de tiro desportivo regularmente inscrito na Federação
Portuguesa de Tiro (FPT), será emitida e entregue uma Licença Federativa (LF),
pessoal, intransmissível, válida até ao último dia do ano civil em que foi
concedida.
2. Da Licença constarão, obrigatoriamente, o nome e o Clube do Atleta de tiro
desportivo, a época desportiva a que se reporta, o número e o tipo de Licença
Federativa e, no caso das Licenças Federativas dos tipos A, B, C e D, o número da
Licença de Tiro Desportivo.
Artigo 2º
Dos Direitos dos Titulares de Licença Federativa
Com excepção das provas internacionais organizadas sob a égide da FPT, apenas
os Atleta de tiro desportivo titulares de LF em vigor, cujos Clubes se mostrem
3
regularmente inscritos na FPT, poderão participar nas provas do calendário oficial
da FPT que o seu tipo de licença federativa permita.
Artigo 3º
Tipos de Licenças Federativas
1. Para a prática de tiro desportivo, no âmbito da FPT, serão emitidas Licenças
Federativas para a prática de tiro desportivo com armas de ar comprimido de
aquisição livre e para a prática de tiro desportivo com armas de fogo e com
armas de ar comprimido de aquisição condicionada.
2. A Licença Federativa para Tiro Desportivo com Armas de Ar Comprimido de
aquisição livre (Licença Federativa TAC), será passada aos cidadãos que,
aprovados em exame prévio realizado pela FPT, pretendam, exclusivamente,
praticar tiro desportivo com armas de ar comprimido de aquisição livre.
3. As Licenças Federativas para a prática de tiro desportivo com armas de fogo e
com armas de ar comprimido de aquisição condicionada, são de quatro tipos:
a) Tipo A – concedida a todos os que pretendam praticar tiro desportivo de
competição com armas de fogo ou com armas de ar comprimido de
aquisição condicionada, que obtenham aprovação no exame de acesso à
Licença A;
b) Tipo B – concedida aos atletas de tiro desportivo, inscritos regularmente na
FPT, que cumpram o disposto no art.º 8º do presente Regulamento.
c) Tipo C – concedida ao Atleta de tiro desportivo, inscritos regularmente na
FPT, que cumpram o disposto no art.º 10º do presente Regulamento.
d) Tipo D – concedida a todos os que pretendam praticar tiro desportivo de
recreio com armas de fogo ou com armas de ar comprimido de aquisição
condicionada, que obtenham aprovação no exame de acesso à Licença D.
Capitulo II
Das Licenças em Especial
Secção I
Da Concessão das Licenças
4
Artigo 4º
Da Inscrição Provisória para acesso às Licenças TAC, A e D
1. Todos os cidadãos que pretendam praticar tiro desportivo no âmbito da FPT,
pela primeira vez, terão que efectuar uma inscrição provisória, para poderem
aceder aos exames de acesso às licenças TAC, A e D.
2. Se esses cidadãos forem menores de 18 anos, o pedido de inscrição provisória
na FPT terá que ser acompanhado de uma autorização de quem exerce o poder
paternal sobre os mesmos, em que expressamente autorize a prática de tiro
desportivo.
3. A inscrição provisória na FPT para acesso ao exame à licença TAC, só é
permitida a cidadãos maiores de 10 anos.
4. A inscrição provisória para acesso aos exames às licenças A ou D, só é permitida
a cidadãos maiores de 14 anos.
Artigo 5º
Das Licenças Provisórias do Tipo A ou D
1. Aos cidadãos que forem aprovados nos exames de acesso às Licenças
Federativas A ou D, será emitida uma Licença provisória do tipo A ou D,
respectivamente, que só se converterá em definitiva quando for concedida ao
seu titular Licença de Tiro Desportivo, nos termos da Lei 42/2006, de 25 de
Agosto.
2. A concessão da Licença provisória A ou D, não permite ao seu titular a prática de
tiro desportivo com armas de fogo ou com armas de ar comprimido de aquisição
condicionada.
3. Os titulares das Licenças provisórias A ou D, podem praticar tiro desportivo com
armas de ar comprimido de aquisição livre.
Artigo 6º
Do exame de acesso à Licença Federativa TAC
5
1. Os exames de acesso à Licença Federativa TAC terão, em regra, uma
periodicidade trimestral, e serão presididos por um elemento nomeado pela
Direcção da FPT, que a representa para todos os efeitos.
2. O exame, a que se refere o número anterior, versará sobre normas elementares
de utilização e segurança das armas de ar comprimido.
3. O exame será oral e terá uma componente de prática de manuseamento de uma
arma de ar comprimido.
4. A FPT emitirá um documento contendo as perguntas tipo do teste oral.
Artigo 7º
Do exame de acesso às Licenças Federativas dos Tipos A e D
1. Os exames de acesso à Licença Federativa A e D terão, em regra, uma
periodicidade trimestral, e serão presididos por um elemento nomeado pela
Direcção da FPT, que a representa para todos os efeitos.
2. O exame versará sobre as seguintes matérias:
a) Regime jurídico das armas e suas munições;
b) Regulamentação da utilização das armas para fins desportivos;
c) Segurança no manuseamento;
d) Noções de balística e de balística de efeitos.
3. O processo de avaliação é composto pelas seguintes fases, sucessivas e
eliminatórias:
a) Teste escrito sobre as matérias constantes do número 2;
b) Teste prático de manuseamento, tendo o candidato de executar
correctamente as operações de segurança, de carregar e descarregar uma
pistola e uma carabina de calibre .22 LR, apontar numa direcção segura,
colocar a arma em segurança, verificar a câmara e pousar a arma aberta e
apontada igualmente numa direcção segura.
c) Teste prático de execução técnica, verificando se o candidato é capaz de
executar, em segurança, uma concentração de 10 tiros com 20 cm de
diâmetro, à distância de 10 metros, usando uma pistola de ar comprimido
de aquisição livre, ou de 10 cm de diâmetro, nas mesmas condições,
6
utilizando uma carabina de ar comprimido de aquisição livre com miras
abertas, diopter ou óculo.
4. A instrução prévia dos candidatos, a sua apresentação nos locais determinados
para os exames, bem como a cedência da arma de ar comprimido para
efectuarem o teste prático de execução técnica, é da responsabilidade dos
respectivos Clubes.
5. As datas e local dos testes, bem como a lista dos candidatos são, nos termos da
Lei, previamente comunicados à DN/PSP, que nomeará um elemento para
acompanhar a realização dos testes e garantir o cumprimento da Lei.
6. O exame escrito constará de um teste de escolha múltipla, com 16 perguntas
distribuídas pelos 4 grupos, com o valor de 1,25 pontos cada, tendo o candidato
de obter 15 valores, correspondentes a 75% do total.
7. O exame dos candidatos menores de 18 anos, será delineado por forma a se
adequar às atinentes características etárias.
8. A FPT emitirá um documento contendo as perguntas tipo sobre as várias
matérias que os candidatos poderão encontrar nos testes de exame.
Artigo 8º
Da Concessão da Licença Federativa Tipo B
1. Poderá ser concedida a Licença Federativa do Tipo B, aos atletas de tiro
desportivo, maiores de 18 anos que, cumulativamente, preencham os seguintes
requisitos:
a) Sejam titulares da LF Tipo A há, pelo menos, dois anos civis completos;
b) Tenham participado, em cada uma das duas anteriores épocas desportivas,
em pelo menos duas provas do calendário oficial da FPT, homologadas pela
Direcção da FPT;
c) Não tenha sido alvo, no período de 2 anos antes do pedido de concessão da
Licença B, de sanção federativa por violação de regras de segurança ou por
práticas anti-desportivas.
d) Tenham obtido, pelo menos numa prova do calendário oficial da FPT, cujos
resultados tenham sido homologados pela Direcção da FPT, uma pontuação,
igual ou superior, a uma das seguintes:
7
i. Pistola de Ar Comprimido (PAC):
1) Homens seniores e homens juniores (60 tiros) – 420 pontos
2) Senhores seniores e senhores juniores (40 tiros) – 280 pontos
ii. Pistola Standard ou Pistola Sport – 420 pontos
iii. Pistola Livre - 400 pontos
iv. Pistola de Velocidade - 420 pontos
v. Carabina de Ar Comprimido (CAC):
1) Homens seniores e homens juniores (60 tiros) – 420 pontos
2) Senhoras seniores e senhoras juniores (40 tiros) – 280 pontos
vi. Carabina de Ar Comprimido (CCART) – 290 pontos
vii. Carabina de Ar Comprimido (Field Target) – 50 pontos
viii. Carabina de Bala .22lr (CD 50m) – 420 pontos
ix. Carabina de Bala .22lr (3x40 50m) – 840 pontos
x. Carabina de Bala .22lr (3x20 50m) – 420 pontos
xi. Carabina Standard (recreio)
1) Em pé – 500 pontos
2) Deitado – 520 pontos
xii. Carabina de Bala .22lr (BR50):
1) Light Varmint – 180 pontos
2) International Sporter – 185 pontos
3) Unlimited – 190 pontos
xiii. Silhuetas Metálicas (Carabina .22LR) - 4 pontos
xiv. Arma curta de recreio 25m – 210 pontos
Artigo 9º
Curso e exame de acesso à prática de tiro com armas de
carregamento pela boca
1. Os atletas de tiro desportivo que pretendam praticar tiro com armas de
carregamento pela boca (Tiro MLAIC), têm que obedecer aos seguintes
requisitos cumulativos:
a) Sejam maiores de idade;
b) Sejam titulares de Licença Federativa do Tipo B;
8
c) Tenham frequentado um Curso de Formação (Tiro MLAIC), ministrado por
formador credenciado pela FPT;
d) Tenham obtido aprovação no exame de Tiro MLAIC.
2. O Curso de Formação referido no número 1, terá os seguintes conteúdos:
a) Conhecimento dos regulamentos do MLAIC;
b) Conhecimento dos regulamentos da FPT para o Tiro MLAIC;
c) Conhecimentos e aplicação dos procedimentos de segurança;
d) Conhecimento e aplicação dos procedimentos de carregamento, utilização e
descarregamento das armas;
3. O exame de Tiro MLAIC terá as seguintes componentes:
a) Parte Teórica:
i. 25 Questões sobre as regras do MLAIC;
ii. Duração de 45 minutos;
iii. Teste de escolha múltipla.
b) Parte Prática:
i. Carregamento de armas curtas e longas em qualquer um dos sistemas
de ignição;
ii. Tiro com arma curta a 25m e com longa a 50m;
iii. Resolução de problemas (falha de ignição, falta de pólvora, etc).
4. A aprovação no exame depende da obtenção cumulativa dos seguintes
resultados:
a) 80% de respostas certas na prova teórica;
b) Nota de apto no carregamento e tiro com armas;
c) c)Nota de apto na resolução de problemas.
5. Os cursos de formação poderão ser organizados por iniciativa da FPT, e
mediante autorização da FPT, pelas Associações Regionais de Clubes ou Clubes.
6. A prova da frequência do Curso de Formação referido no n.º1, será
documentada por diploma emitido pela entidade organizadora do curso,
devidamente assinado pelo formador que o ministrou.
7. Os exames realizar-se-ão, pelo menos duas vezes por ano, em data e local a
designar pela Direcção da FPT, que definirá o número de candidatos a admitir a
cada exame, as taxas devidas e o prazo para inscrição no mesmo.
9
Artigo 10º
Da Concessão Licença Federativa Tipo C
1. Poderá ser concedida a Licença Federativa do Tipo C, aos atletas de tiro
desportivo, maiores de 18 anos que, cumulativamente, preencham os seguintes
requisitos:
a) Sejam titulares da LF Tipo B há, pelo menos, dois anos civis completos;
b) Tenham participado, em cada uma das duas anteriores épocas desportivas,
em pelo menos duas provas do calendário oficial da FPT, homologadas pela
Direcção da FPT;
c) Não tenha sido alvo, no período de 3 anos antes do pedido de concessão da
Licença C, de sanção federativa por violação de regras de segurança ou por
práticas anti-desportivas.
d) Tenham obtido, pelo menos numa prova do calendário oficial da FPT, cujos
resultados tenham sido homologados pela Direcção da FPT, uma pontuação,
igual ou superior, a uma das seguintes:
i. Pistola Standart, Pistola de Percussão Central ou Pistola Sport – 480
pontos
ii. Pistola Livre - 460 pontos
iii. Pistola de Velocidade – 480 pontos
iv. Carabina de Bala .22lr (CD 50m) – 480 pontos
v. Carabina de Bala .22lr (homens 3x40 50m) – 960 pontos
vi. Carabina de Bala .22lr (senhoras 3x20 50m) – 480 pontos
vii. Carabina Standard (recreio):
1) Em pé – 520 pontos
2) Deitado – 540 pontos
viii. Carabina de Bala .22lr (BR50):
1) Light Varmint – 190 pontos
2) International Sporter – 195 pontos
3) Unlimited – 200 pontos
ix. Carabina de percussão central:
1) CD 300m – 450 pontos
2) 3x20 300m – 400 pontos
x. Silhuetas Metálicas (Carabina .22lr) 8 pontos
10
xi. MLAIC
1) Kuchenreuter - 82 pontos
2) Mariette - 82 pontos
3) Vetterli - 84 pontos
Artigo 11º
Curso e exame de acesso à prática de tiro dinâmico
1. Os atletas de tiro desportivo que pretendam praticar tiro dinâmico (Tiro IPSC),
têm que obedecer aos seguintes requisitos cumulativos:
a) Sejam maiores de idade;
b) Sejam titulares de Licença Federativa do Tipo C;
c) Tenham frequentado um Curso de Formação (Tiro IPSC), ministrado por
formador credenciado pela FPT;
d) Tenham obtido aprovação no exame de Tiro IPSC.
2. O Curso de Formação referido no número 1, terá os seguintes conteúdos:
a) Conhecimento dos regulamentos da IPSC;
b) Conhecimento dos regulamentos da FPT para o Tiro IPSC;
c) Conhecimentos e aplicação dos procedimentos de segurança;
d) Conhecimento das vozes de comando;
e) Conhecimento do sistema de pontuação;
f) Conhecimento da utilização da arma;
g) Conhecimento da utilização do equipamento.
3. O exame de Tiro IPSC terá as seguintes componentes:
a) Parte Teórica:
i.25 Questões sobre as regras da IPSC;
ii.Duração de 45 minutos;
iii.Teste de escolha múltipla.
b) Parte Prática:
i. Manejo da arma com e sem vozes de comando
ii. Realização de uma pista curta:
1) Uma posição de tiro
2) Quatro alvos clássicos
11
3) 10 metros de distância
4) Dois tiros por alvo
5) Início com a arma em Ready no coldre
6) Pontuação Virgínia
iii. Realização de uma pista média:
1) Três posições de tiro
2) Oito alvos clássicos
3) Três alvos a 15 metros, três alvos a 10 metros e dois alvos a 5
metros
4) 7,5 metros de distância entre cada posição de tiro
5) Deslocação ao longo de uma Linha de Penalidade paralela ao párabalas principal.
6) Dois tiros por alvo
7) Início com a arma em Ready no coldre
8) Pontuação Comstock
4. A aprovação no exame depende da obtenção cumulativa dos seguintes
resultados:
a) 80% de respostas certas na prova teórica;
b) Nota de apto no manejo da arma com e sem vozes de comando;
c) Hit factor igual ou superior a 1,2, na realização da pista curta;
d) Hit factor igual ou superior a 1,2, na realização da pista média.
5. Os cursos de formação poderão ser organizados por iniciativa da FPT, e
mediante autorização da FPT, pelas Associações Regionais de Clubes ou Clubes.
6. A prova da frequência do Curso de Formação referido no n.º1, será
documentada por diploma emitido pela entidade organizadora do curso,
devidamente assinado pelo formador que o ministrou.
7. Os exames realizar-se-ão, pelo menos duas vezes por ano, em data e local a
designar pela Direcção da FPT, que definirá o número de candidatos a admitir a
cada exame, as taxas devidas e o prazo para inscrição no mesmo.
Artigo 12º
Dos Membros das Forças Armadas e das forças e serviços de segurança ou
equiparadas
12
1. Os Membros das Forças Armadas e forças e serviços de segurança, ou
equiparadas por lei, podem aceder directamente à Licença Federativa tipo C,
independentemente da titularidade de outras Licenças Federativas.
2. A emissão dessa Licença está sujeita a aprovação prévia em exame efectuado
pela FPT.
3. A emissão da Licença C, não permite aos seus titulares a prática de modalidades
ou disciplinas que estejam sujeitas à prévia aprovação nos atinentes exames,
sem que obtenham a aprovação nos mesmos.
4. O exame referido no n.º 2, será realizado nos termos do disposto no art.º 7º.
Secção II
Do âmbito das Licenças
Artigo 13º
Licença Federativa TAC
A Licença Federativa TAC permite, exclusivamente, a prática de tiro desportivo
com armas de ar comprimido de aquisição livre, nas modalidades de PAC, PAC 5
tiros, CAC CCART, Runing Target, Field Target e BenchRest.
Artigo 14º
Licença Federativa do Tipo A
A LF do Tipo A permite a prática do tiro desportivo de precisão, em que se
utilizam revólveres, pistolas ou carabinas de ar comprimido, de aquisição livre e de
aquisição condicionada, de calibre até 5,5 mm e de revólveres, pistolas ou
carabinas de calibre até .22, desde que a munição seja de percussão anelar.
Artigo 15º
Licença Federativa do Tipo B
13
1. A LF do Tipo B permite a prática das disciplinas de tiro desportivo de precisão,
referidas nos art.ºs 13º e 14º, e as em que se utilizem carabinas de calibre entre
6mm e 8 mm e pistolas e revólveres dos calibres .32 S&W Long Wadcutter ou
.38 Special Wadcutter com comprimento total não inferior a 220mm.
2. Os titulares da Licença Federativa do Tipo B, que tenham sido aprovados em
exame de Tiro MLAIC, homologado pela Direcção da FPT, poderão ainda
praticar modalidades de tiro desportivo com armas de carregamento pela boca
(Tiro MLAIC).
Artigo 16º
Licença Federativa do Tipo C
1. A LF do Tipo C permite a prática das disciplinas de tiro desportivo de precisão,
referidas nos art.ºs 13 a 15º, e ainda a prática das disciplinas de Tiro de Precisão
em que se utilizem pistolas ou revólveres dos calibres até 11,4mm ou .45.
2. Os titulares da Licença Federativa do Tipo C, que tenham sido aprovados em
exame de Tiro MLAIC, homologado pela Direcção da FPT, poderão ainda
praticar modalidades de tiro desportivo com armas de carregamento pela boca
(Tiro MLAIC).
3. Os titulares da LF do Tipo C, que tenham obtido aprovação em exame de tiro
dinâmico (IPSC), homologado pela Direcção da FPT, podem ainda praticar tiro
dinâmico, utilizando pistolas ou revólveres dos calibres até 11,4mm ou .45.
Artigo 17º
Licença Federativa do Tipo D
A LF do Tipo D permite a prática do tiro desportivo de recreio, em que se
utilizam revólveres, pistolas ou carabinas de ar comprimido, de aquisição livre e de
aquisição condicionada, de calibre até 5,5mm, bem como de revólveres, pistolas ou
carabinas de calibre até .22, desde que a munição seja de percussão anelar, e ainda
de espingardas de cano de alma lisa de calibre até 12 mm.
Secção III
14
Da renovação, revogação, caducidade, suspensão das Licenças Federativas
Artigo 18º
Da renovação das Licenças
1. A renovação da Licença Federativa TAC não está condicionada à participação em
qualquer competição oficial.
2. A renovação das Licenças Federativas dos Tipos A e D está dependente da
participação pelo seu titular, em cada época desportiva, numa prova do
calendário oficial da FPT, homologada pela Direcção da FPT.
3. A renovação das Licenças Federativas dos Tipos B e C está dependente da
participação, pelo seu titular, em cada época desportiva, em duas provas do
calendário oficial da FPT, homologadas pela Direcção da FPT.
4. Sem prejuízo do disposto no número anterior, os titulares da Licença Federativa
do Tipo C, que estejam habilitados para a prática de tiro dinâmico e queiram
participar em provas dessa modalidade na época desportiva seguinte, têm que
participar na época desportiva anterior em pelo menos duas provas de tiro
dinâmico com 8 ou mais pistas, que tenham sido homologadas pela Direcção da
FPT, ou em provas internacionais registadas no calendário oficial da IPSC, com
excepção dos atletas de tiro desportivo veteranos, que apenas têm que
participar em pelo menos numa dessas provas.
5. O não cumprimento do disposto no número anterior, implica a caducidade da
validade do exame de tiro dinâmico (Tiro IPSC).
6. Os titulares das Licenças Federativas dos Tipos B e C, que não cumpram com o
disposto no n.º3, mas tenham efectuado uma prova do calendário oficial da FPT,
transitam, respectivamente, para a Licença Federativa tipo A e B.
7. Nos casos devidamente justificados, a Direcção da FPT pode, por decisão
fundamentada, renovar as licenças acima referidas sem que o seu titular tenha
realizado as provas do calendário oficial da FPT necessárias para a renovação da
respectiva licença ou para manutenção da validade do exame de tiro dinâmico.
Artigo 19º
15
Da Suspensão das Licenças Federativas
1. As Licenças Federativas podem ser suspensas pela Direcção da F.P.T., nos
seguintes casos:
a) Quando seja imputável ao Atleta de tiro desportivo, arguido em processo
disciplinar, infracção grave que possa conduzir à revogação da Licença
Federativa;
b) Quando o titular de Licença Federativa, não apresente o atestado do exame
médico-desportivo a que se refere o Despacho 11318/2009, do Secretario
de Estado da Juventude e Desporto, publicado no D.R. 2ª Série, de 08 de
Maio de 2009, até ao final do mês seguinte ao do seu aniversário;
c) Em outros casos previstos na Lei ou em Regulamento Federativo.
Artigo 20º
Da Caducidade das Licenças Federativas
1. As licenças federativas caducam quando:
a) Não sejam renovadas até à data do seu termo;
b) Não seja emitida ou cesse, por qualquer motivo, a licença de tiro desportivo
referida na alínea a) do artigo 3.º da Lei 42/2006 de 25 de Agosto;
c) Ocorra a dissolução do Clube em que o titular se mostre filiado, sem que
este se transfira para um outro, dentro dos 30 dias subsequentes.
Artigo 21º
Da Revogação das Licenças Federativas
1.
As Licenças Federativas podem ser revogadas nos seguintes casos:
a) Se o seu titular for alvo de sanção disciplinar federativa por violação grave
das regras de segurança ou por práticas anti-desportivas graves;
b) Se o seu titular não tiver cumprido as determinações legais relativas à sua
manutenção;
c) Se o seu titular cessar a actividade desportiva;
d) Em outros casos previstos na Lei ou em Regulamento Federativo.
16
Artigo 22º
Da interrupção da prática de tiro desportivo
1. Sem prejuízo do disposto nos artigos 18º a 21º, os Atletas de tiro desportivo que
interrompam temporariamente, e justificadamente, a prática regular da
modalidade, mas que continuem a manter a sua situação regularizada junto da
Federação Portuguesa de Tiro, manterão o direito, quando cesse a interrupção,
à licença federativa de que eram titulares à data da interrupção temporária.
2. A interrupção temporária não pode estender-se para além duas épocas
desportivas, e o impedimento temporário deve ser comunicado à FPT logo que
ocorra.
Capitulo III
Das taxas
Artigo 23º
Das taxas
1. As taxas a cobrar pela emissão das Licenças Federativas, por cada época
desportiva, são as seguintes:
a) Licença TAC - €10;
b) Licença A e D - €25;
c) Licença B - €25;
d) Licença C - €25.
2. As taxas das Licenças Federativas A e D serão reduzidas, nos seguintes casos:
a) A devida pela emissão da Licença Federativa D, será reduzida para €12,5,
quando requerida pelos titulares das Licenças Federativas A, B ou C;
b) A devida pela emissão da Licença Federativa A, será reduzida a €12,5,
quando requerida por titular da Licença Federativa D.
3. Os atletas juniores estão isentos do pagamento de taxa de licença federativa.
Capitulo IV
17
Disposições finais e transitórias
Artigo 24º
Direitos adquiridos
Os atletas de tiro desportivo mantêm os direitos adquiridos ao abrigo do
anterior Regulamento de Licenças.
Artigo 25º
Norma Revogatória
É revogado o anterior Regulamento de Licenças da FPT.
Artigo 26º
Entrada em vigor
O presente Regulamento entra em vigor, na data da publicitação na página
oficial de internet da FPT da sua aprovação pela Direcção da FPT.
18
Fly UP