...

projeto brincos, cantigas e outras brincadeiras

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

projeto brincos, cantigas e outras brincadeiras
PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS
CANTADAS
Rosângela Vitale Mazzanti
Michele de Assis Negri
RESUMO: Este trabalho apresenta o Projeto realizado na
EMEB Dr. Edward Aleixo de Paula, bem como seu
desenvolvimento, participação da família e transformações
ocorridas no âmbito escolar.
Palavras-chave: Projeto, Cultura Popular, Família.
INTRODUÇÃO:
O Projeto nasceu da necessidade de aprimoramento e ampliação do trabalho com
a música e suas diversas formas de expressão na escola e fora dela, da valorização do
acervo cultural oral brasileiro e da busca de intimidade e integração com as famílias dos
alunos. Além das necessidades apresentadas, o projeto também tem a finalidade de
oferecer oportunidade para que a criança, no processo de elaborar sentidos pessoais, se
aproprie de elementos significativos de sua cultura e também estabeleça uma relação
orgânica com o acervo cultural, com as tradições, os saberes e as identidades das
diversas populações.
DESENVOLVIMENTO
A partir de 2008, todas as escolas públicas e privadas do Brasil tiveram que
incluir o ensino de música em suas grades curriculares. A exigência surgiu com a lei nº
11.769, sancionada em 18 de agosto de 2008, que determinou que a música deveria ser
conteúdo obrigatório em toda a Educação Básica. Apesar de, nas palavras de Teca
Alencar, “sermos seres musicais”, quando o assunto é o desenvolvimento de propostas
musicais ricas de sentidos para as crianças, as dúvidas e inseguranças surgem como
notas musicais em uma complexa composição.
A fim de responder a pergunta “Por que trabalhar música na escola?”, Nicolau
(2003) traz a seguinte explanação:
A música e o movimento são as primeiras linguagens a que a criança
tem acesso. Ainda no útero materno a batida do coração e o ritmo da
respiração marcam a pulsação e o sentido da vida imersa na água e na
escuridão. A mãe empresta seu corpo e todo seu ser para que o bebê
possa nascer. Empresta seu colo, seu peito e sua voz para que a
criança, rompendo o cordão umbilical, possa crescer e transformá-lo
em vínculo simbólico-cultural amoroso com a vida, permitindo o
encorajamento para a exploração e ampliação do mundo... (p. 77)
Considera-se também que a parceria e a presença dos pais dentro da creche é de
extrema importância, pois as DCNEIs preconizam que as instituições devem oferecer
experiências que valorizem nossa cultura e também que garantam tempo de
participação, diálogo e escuta cotidiana das famílias. Para isso, foram elencadas uma
série de estratégias que possibilitassem a aproximação dos agentes da escola, alunos e
pais por meio da música. Assim, as cantigas, os brincos e algumas brincadeiras cantadas
foram utilizadas para muitos momentos do trabalho com a música na creche.
Segundo Hortélio (2009),
[...] as brincadeiras cantadas são música da cultura infantil, com
movimento, aliada à representação e a expressão do corpo inteiro. É
uma música para ser brincada próximo ao outro, com o outro, pela
livre vontade de brincar, enriquecida pelas canções que contém as
raízes da identidade de um povo. (p. 78)
Considerando o movimento como indissociável da aprendizagem na educação
infantil, principalmente em se tratando de música, Hortélio ressalta que
As crianças pequenas que conhecem, saboreiam e aprendem as
possibilidades do corpo em movimento poderão, sem dúvida
estabelecer uma forma pessoal e diferenciada de estar no mundo. As
sensações, o prazer, o desprazer, os gostos e desgostos também estão
no corpo: (re)conhecê-los, saber fazer escolhas e comunicar-se com os
outros fazem parte da educação do corpo, pois o corpo é fonte de
autoconhecimento. (2009, p.78)
Desse modo, o desenvolvimento do projeto contou com as seguintes etapas:
1) Levantamento das fragilidades e avanços do trabalho realizado com Musicalização
durante o ano passado: durante esse período foram realizadas discussões em grupo com
o intuito de buscar respostas e estratégias para as dúvidas e fragilidades em relação ao
desenvolvimento da musicalização apresentadas pelo grupo;
2) Sensibilização Musical com a equipe e com as crianças: Em fevereiro deste ano foi
incluído um momento de sensibilização e apreciação musical antes dos encontros
coletivos, a fim de que o movimento de exploração de sons, sentimentos, conteúdos, etc
que a música pudesse oferecer fosse vivenciado pelos educadores, para que despertos,
pudessem levá-los às crianças de um outro lugar interno.
3) Estudo e planejamento em grupos e socialização de boas práticas: detalhamento e
estudo de bibliografias relacionadas ao tema e socialização de propostas planejadas em
grupos.
4) Envolvimento com a família: os pais foram convidados, uma vez ao mês, a virem
brincar com as crianças na hora da saída, num momento denominado por nós como
“Saída musical”. Nesses momentos, as educadoras incentivaram os pais a brincarem
jogos musicais, brincos e cantigas com os filhos. A seleção dessas brincadeiras não se
deu de forma aleatória, já que cada faixa etária possui suas particularidades e
necessidades específicas. Sendo assim, foram escolhidos alguns Brincos para o berçário,
já que nem todos andavam e os pais poderiam segurá-los no colo enquanto brincavam,
diferentemente do grupo 3, em que as crianças , além de terem um domínio motor mais
elaborado, conseguiam simbolizar e imaginar, as brincadeiras envolveram graus de
complexidade maiores, como a Dança do Camaleão, por exemplo.
5) CD e livro com as brincadeiras cantadas para os pais: como o Projeto ainda não foi
finalizado, ao final os pais receberão um CD com as brincadeiras cantadas e um
pequeno manual de instruções de tudo o que foi brincado.
6) CD com todas as músicas usadas durante o Projeto (sensibilização e repertoriação)
para as educadoras: as educadoras receberão, ao final do Projeto, um CD com todas as
canções utilizadas no momento de Sensibilização Musical.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
O desenvolvimento do Projeto demonstrou que esse momento, muito mais do
que ensinar brincadeiras, trabalhar música, proporcionar experiências significativas às
crianças, foi um palco de muito afeto, sensibilização, emoções, abertura e aproximação
entre adultos e crianças e entre adultos, crianças e música.
Referências Bibliográficas
ALENCAR, Teca. A música na Educação Infantil. São Paulo: Peirópolis, 2003.
BRASIL, Ministério da Educação, (2009). Diretrizes Curriculares Nacionais
para a educação Infantil. Brasília, MEC/SEF.
BRASIL, Ministério da Educação, (2012). Brinquedos e brincadeiras de
creches: manual de orientação pedagógica.Brasília, MEC/SEF.
CENPEC . O brinquedo e a brincadeira na Infância. São Paulo, 2009
JUNDIAÍ, Secretaria de Educação, (2013). Diretrizes Pedagógicas Fundamentais
Iniciais da SME: “Educação Como Ação Política Transformadora”. Jundiaí, SME.
KISHIMOTO, T. Brinquedos e brincadeiras na educação infantil. Disponível
em:http://educacao.diadema.sp.gov.br acesso em 25/11/2014.
OLIVEIRA,Z. O currículo na educação infantil: O que propõem as novas
Diretrizes Nacionais?Disponível em:http://educacao.diadema.sp.gov.br
acesso em 1/12/2014.
Fly UP