...

Formação discursiva e discurso em Michel Foucault

by user

on
Category: Documents
10

views

Report

Comments

Transcript

Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
Discursive training and speech and Michel Foucault
Sara Dionizia Rodrigues de Azevedo1
Resumo: O presente artigo discorrerá sobre os conceitos de formação discursiva e discursos nos
textos Arqueologia do saber (1969) de Paul Michel Foucault Arqueologia das Ciências e
História dos Sistemas de Pensamento (1966),no intuito de analisar a função que essas noções
desempenham no interior de sua filosofia. Para Foucault os elementos históricos são
fundamentais para compreender a constituição da formação discursiva e dos discursos na
sociedade contemporânea. O ponto de partida de sua investigação é o conceito de episteme que,
segundo ele, apresenta-se como paradigma comum aos diversos saberes. Segundo Foucault os
diversos discursos estão fundamentados sem uma mesma estrutura e, por isso, compartilham as
mesmas características gerais, chegando a quase anular suas diferenças específicas. Foucault
concebe o conceito de episteme como um conjunto de enunciados ou de discursos baseados
num certo instrumento conceitual que organiza a linguagem e o pensamento e lhes fornece o
sentido de que as palavras correspondem às coisas. A partir da interpretação dos textos de
Michel Foucault já citados, particularmente na obra Arqueologia do Saber (1969) e textos de
comentadores dessa obra, desenvolveremos nosso trabalho sobre a formação discursiva e os
discursos e sua relação com a história.
Palavras-chave: Formação Discursiva. Discursos. Arqueologia.
Abstract: This article will discuss the concepts of discourse and discursive formation in the text
Archaeology of Knowledge (1969) Paul Michel Foucault and Archaeology of Sciences and
History of Systems of Thought (1966), in order to examine the role that these notions play
inside of his philosophy. For Foucault the historical elements are key to understanding the
formation of discursive formation and discourse in contemporary society. The starting point of
his research is the concept of episteme, which he presents as a common paradigm for diverse
knowledge. According to Foucault the various speeches are grounded without the same
structure and, therefore, share the same general characteristics, to nearly cancel their specific
characteristics. Foucault conceives the concept of episteme as a set of statements or speeches
based on a certain conceptual tool that organizes language and thought, and gives them the
sense that the words correspond to things. From the interpretation of texts by Michel Foucault
already mentioned, particularly in the work Archaeology of Knowledge (1969) and texts of
commentators this work, we will develop our work on the discursive formation and speeches
and their relationship to the story.
Keywords: Discursive Formation. Speeches. Archaeology.
***
1
Graduanda em Filosofia da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Email:
[email protected]
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
Introdução
Em sua obra A Arqueologia do Saber (1969) o filósofo Francês Paul Michel
Foucault apresenta uma série de estudos que têm por objetivo estabelecer um método de
investigação que nos proporciona construção para um novo pensamento. Todo o seu
trabalho foi desenvolvido em uma arqueologia do saber filosófico, da experiência
literária e da análise do discurso. Interpretando, a Arqueologia pode ser compreendida
como um texto que pertence ao que denominamos de estudo científico das civilizações
antigas, onde possa elaborar uma reflexão original que abre a possibilidade de pensar
uma ciência em geral2.
O uso da palavra arqueologia remete ao procedimento de escavar verticalmente
as camadas descontínuas dos discursos pronunciados sem, no entanto procurar
depreender as estruturas universais presentes em qualquer conhecimento ou qualquer
ação moral. O que está em pauta na análise foucaultiano dos discursos é a articulação
acerca do que pensamos, dizemos e fazemos caracterizando determinado período, uma
vês em que o acontecimento discursivo são acontecimentos históricos. O procedimento
arqueológico caracteriza o domínio do “ser-saber”. Um saber é aquilo que podemos
falar em uma prática discursiva que se encontra assim especificada, é o espaço em que o
sujeito pode tomar posição para falar dos objetos de que se ocupam seus discursos. É
também o campo dos enunciados em que os conceitos aparecem se define, se aplicam e
se transformam. Sendo assim, esse domínio de define por possibilidades de utilização e
de apropriação oferecidas pelo discurso.
O filósofo usa saberes no sentido de possibilidade de conhecimento,
instrumento de análise dos discursos, não se tratando apenas do conhecimento
científico, mas a virtude o saber prático. Foucault nos oferece um saber como
construção histórica, e como tal, produz verdades que se instalam e se revelam nas
práticas discursivas. E é nesse sentido que para o filósofo o conhecimento e a verdade
são questões históricas, são produções sistemáticas que manifestam também por meio
de discursos científicos tidos por verdadeiros, positivos e, por isso, aceitos e tomados
em toda sua positividade.
2
Podemos conceber o desenvolvimento intelectual de Foucault da seguinte maneira: a primeira fase de
seu trabalho foi denominada arqueologia, desenvolvida onde o sujeito será compreendido como algo
produzido por diferentes tipos de saberes. Sendo nesta fase que minha pesquisa se insere. A segunda parte
denominada genealogia, por relações de poder. E a terceira parte influenciada por Friedrich Nietzsche a
ética por relações do sujeito consigo mesmo.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
149
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
A arqueologia busca definir não os pensamentos, as representações, as
imagens, os temas, as obsessões que se ocultam ou se manifestam nos
discursos; mas os próprios discursos, enquanto práticas que obedecem
a regras. Ela não trata o discurso como documento, como signo de
alguma coisa, como elemento que deveria ser transparente, mas cuja
opacidade importuna é preciso atravessar frequentemente para
reencontrar, enfim, aí onde se mantém a parte, a profundidade do
essencial; ela se dirige ao discurso em seu volume próprio, na
qualidade de monumento. Não se trata de uma disciplina
interpretativa: não busca um “outro” discurso mais oculto. Recusa-se a
ser “alegórica”. (FOUCAULT, 1969, p. 159)
O que Foucault indica nessa importante passagem da Arqueologia do saber é
como tradicionalmente ocorre a produção dos saberes científicos e dos discursos que
justificam esses saberes. Em sua concepção os saberes científicos apresentam-se como
válidos em si mesmo desprezando o importante papel que os discursos desempenham na
construção das imagens e práticas desenvolvidas pelas ciências. Foucault se ocupou
centralmente em analisar as gêneses e as transformações dos saberes no campo das
ciências humanas, o ser-saber, cujo método é a arqueologia. Tendo grande influência de
Nietzsche a arqueologia e a genealogia são métodos que Foucault tomou emprestado
para desenvolver suas análises históricas3.
A intenção do arqueólogo é de investigar a regularidade dos enunciados e a
descrição dos fatos os quais se encontram em seus arquivos. A preocupação em expor a
formação discursiva revela que, segundo a análise foucaultiana, os discursos e saberes
configuram históricos que devem ser expostos e compreendidos.
A proposta deste artigo tem como objetivo apresentar de forma teórica uma
interpretação dos conceitos trabalhados por Foucault em suas pesquisas. Na medida em
que percebemos a importância de compreender os conceitos funcionais da filosofia, e a
abertura que a linguagem nos proporciona ao conhecimento, sendo também uma
colaboração para estudos filosóficos acerca da filosofia de Foucault, especialmente, para
aqueles estudos que investigam as regularidades do discurso e a análise das fases de
formação discursivas compreendendo o percurso da filosofia de Foucault.
3
Referência da influência de Nietzsche. Veiga-Neto Foucault & a Educação/Alfredo Veiga Neto. – 2 ed.
– Belo Horizonte: Autêntica, 2004 (Pensadores & Educação).
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
150
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
1. Compreendendo Foucault: história e linguagem
A filosofia de Foucault pode ser caracterizada por três fases: arqueológica,
genealógica e ética. A fase arqueológica do saber inaugura sua ruptura com a tradição
filosófica, uma tradição de dualidade entre linguagem e discurso. O saber representado
pelas ciências do homem, e o poder pelas relações históricas. E a ética caracteriza-se por
um sujeito que é produzido por diferentes tipos de saberes, por relações de poder e por
relações do sujeito consigo mesmo. Tomando a nota feita antes Foucault foi um leitor
de Nietszche e seus trabalhos o influenciaram contribuindo para os avanços nas
pesquisas tomado em consideração Foucault valorizou a literatura, precisamente a
linguagem literária, como alternativa ao homem considerado a priori histórico dos
saberes moderno. Tomemos relevância a afirmação de Alfredo.
Seja como for, o que me parece importante é averiguar se as
ferramentas da arqueologia, da genealogia e das tecnologias do eu –
que Foucault tomou emprestado de Nietzsche e desenvolveu em suas
próprias pesquisas são de fato adequadas e úteis para aquilo que
pretendemos fazer em nossas investigações e interrogações. (VEIGA
NETO, 2004, p. 24)
É de suma importância compreender o surgimento do movimento intelectual
francês ocorrido na segunda metade da década de 1960. Este movimento surgiu na
conjuntura política, marcada pela conjunção entre filosofia e prática política, já como
um campo transdisciplinar, atravessou fronteiras e movimentou o campo das ciências
humanas, constituindo-se hoje em disciplina transversal caracterizando em movimento
estrutural francês, que reúne pensadores de diversas áreas das ciências humanas, este
estruturalismo como método de análise dos acontecimentos, esse método consiste em
construir modelos explicativos de realidade. Foucault foi um dos mais influentes
pensadores franceses contemporâneos, identificado inicialmente com o estruturalismo
do qual sofreu a influencia, marcada naquela época.
O estruturalismo é uma construção teórica que fundamentou uma das correntes
filosóficas que animaram a segunda metade do século XX, compreendida como estudos
organizacionais e decisivos este estruturalismo não nega as condicionantes históricas.
Há métodos estruturados na forma de linguagem, estruturas discursivas,mitos modernos
e literatura. Estrutura fundamental como conceito e metodológico.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
151
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
Pode-se considerar o estruturalismo como uma das principais
correntes do pensamento, sobretudo nas ciências humanas, no século
XX. O método estruturalista de investigação cientifica foi estabelecido
pelo linguista suíço Ferdinand de Saussurre (1857–1913), que afirma
ver na linguagem “a predominância do sistema sobre os elementos,
visando extrair a estrutura do sistema através da análise das relações
entre os elementos”. (JAPIASSÚ, 1934, p. 96)
O ponto de partida da linguística de caráter estruturalista é a ideia de que a
linguagem não pode ser limitada às relações entre as palavras e as coisas, o
estruturalismo como método de conhecimento científico permanece limitado em suas
aplicações e parcial a um tratamento do homem como ser social. Este movimento
permitiu pensar e expor reflexões sobre a linguagem. Essa relação se dá no campo da
linguística, estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios
internos e transformação, das relações entre a linguagem e os outros sistemas de signos
e símbolos ou outros sistema de comunicação.
Em Foucault a linguagem torna-se um conceito filosófico importante na
medida em que, a partir do pensamento moderno, passa a considerá-la como elemento
estruturador da relação do homem com o real, radicaliza o estruturalismo ao historicizar
a ilusão contida na ideia de que o homem é o sujeito de sua própria história, o autor se
desloca das epistemes4 para as práticas discursivas.
A análise histórica esta acompanhada de um método que podemos chamar de
estrutural. Ou seja, os registros, documentos são trabalhados dentro de uma perspectiva
que concebe a história como uma coleção de fatos que vão constituindo a "identidade"
das sociedades e seus indivíduos. Em outros termos, não se trata apenas de uma história,
mas de certa interpretação dos registros e fatos históricos para constituir um esboço de
nossas instituições e, por consequência, de nós mesmos. Talvez a história que Foucault
faz é na intenção de dar condição de possibilidades de conhecimento.
Foucault discorre pormenorizadamente sobre as noções de história continua e
descontínua e ao ler sobre a história necessitamos de uma interpretação, pois o filósofo
faz filosofia investigando a história, considerando seu duplo papel: indispensável para a
análise (a priori histórico) dos discursos e como material produzido pelas relações entre
saber e poder.
4
O termo grego episteme, que significa ciência, por oposição a doxa (opinião) e a techné (arte,
habilidade), foi reintroduzido na linguagem filosófica por Michel Foucault com um sentido novo, para
designar o “espaço” historicamente situado onde se reparte o conjunto de enunciados que se referem a
territórios empíricos constituindo o objeto de um conhecimento positivo (não científico). Fazer a
arqueologia dessa episteme é descobrir as regras de organização mantidas por tais
enunciados.(JAPIASSÚ, 1934, p. 87).
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
152
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
O processo histórico pensado por Foucault instiga de maneira geral os tipos de
mentalidades do século XIX, a transformação, e a revolução nada mais é do que uma
tomada de consciência. A história das continuidades história tradicional a história
contínua é aquela que constitui o projeto de uma história global, contínuo de sua
evolução e de significação.
Para Foucault, a história é essencialmente descontínua. De fato, foi a noção de
descontinuidade que mudou o estatuto. A descontinuidade era o estigma da dispersão
temporal que o historiador se encarregava de suprimir da história “a história das
relações que o pensamento mantém com a verdade”. Uma importante dimensão do
pensamento do filósofo é a reflexão sobre a representação, o discurso e o conhecimento
estão envolvidos com práticas sociais. A descontinuidade era esse estigma da dispersão
temporal que o historiador tinha o encargo de suprir da história. Assim cabe a
explicação da história descontinua e da história contínua.
O primeiro motivo condena a analise histórica do discurso a ser busca
e repetição de uma origem que escapa a toda determinação histórica; o
outro a destina ser interpretação ou escuta de um já dito que seria, ao
mesmo tempo um não-dito. (FOUCAULT, 1969, p. 28).
Disso se compreende os momentos e as práticas desenvolvidas das regras de
sua ação e dos sistemas de seus discursos míticos. Não se pode falar de qualquer coisa
em qualquer época, é preciso considerar as condições históricas para o aparecimento de
um objeto discursivo que o garantem “dizer alguma coisa” e se relacionar com outros
objetos; o discurso, enquanto um conjunto de enunciados que se apoiam em uma mesma
formação discursiva, não possui apenas um sentido ou uma verdade, ele possui, acima
de tudo, uma história. Esse aparecimento dos longos períodos da história de hoje não é
um retorno às filosofias da história, as grandes era do mundo, sendo interpretada por
uma elaboração metodologicamente organizada.
O conceito de História tomado por Foucault se distingue fundamentalmente da
concepção tradicional atribuída a esta disciplina. Ou seja, a História convencional,
segundo ele, se caracteriza por narrar e não interpretar os fatos notáveis ocorridos numa
dada sociedade, por via da sucessão contínua de eventos e ações, determinando assim a
origem, o aperfeiçoamento e o progresso dos acontecimentos.
Quando Foucault resignifica o termo História, ela o faz como uma
tentativa de ultrapassar esses preceitos habituais da História clássica.
É no método arqueológico que podemos encontrar uma maneira de
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
153
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
abandonar a ideia de causalidade atribuída à História tradicional e
estabelecer o terreno para se pensar a História numa perspectiva
crítica, admitindo suas rupturas, transformações e descontinuidades.
(GUIMARÃES, 2012, p. 10)
A história que o arqueólogo traça é a revelação de como as instituições e seus
processos econômicos e sociais dão lugar a tipos definidos de discursos. A análise
enunciativa assemelha-se, desta forma, a uma análise histórica. “Chamaremos de
discurso um conjunto de enunciados, na medida em que se apoiem na mesma formação
discursiva; ele é constituído de um número limitado de enunciados, para os quais
podemos definir um conjunto de condições de existência (...)” (FOUCAULT, 1960, p.
135-136).
A filosofia moderna é um avanço em relação à gramática geral para autores
contemporâneos que desenvolvem suas pesquisas em torno da compreensão linguística.
A função da linguagem seria, pois, a de representar “refletir” seu pensamento, seu
conhecimento de mundo, o ser humano para essa concepção representa para si o mundo
por meio da linguagem, num determinado espaço, momento é como um espelho no
mundo constitui e é constituído pelo sujeito de linguagem que produz sentidos, no qual
o ser humano encontra diferenças, criando funcionalidades. Em cada época a linguagem
tem um objeto singular, com conceitos e métodos específicos, porque funciona a partir
de regras discursivas determinadas.
O modo filosófico foucaultiano passa por uma metodologia que busca em sua
investigação uma ligação entre filosofia e história, pois nesse motivo para compreender
o trajeto teórico de Foucault é necessário uma análise histórica. É um método filosófico
pautado na investigação histórica.
É bom lembrar que Foucault não se pretendeu historiador, embora
poucos tenham demonstrado um sentido histórico tão forte quanto ele.
Afinal, muito antes do sucesso da “história cultural”, o filósofo insistia
na ideia nietzschiana de que “tudo é histórico”, e, portanto de que
nada do que é humano deve escapar ao campo de visão e de expressão
do historiador. (RAGO, 1995, p. 3).
Não se pode falar de qualquer coisa em qualquer época, é preciso considerar as
condições históricas para o aparecimento de um objeto discursivo que o garantem “dizer
alguma coisa” e se relacionar com outros objetos; o discurso, enquanto um conjunto de
enunciados que se apoiam em uma mesma formação discursiva, não possui apenas um
sentido ou uma verdade, ele possui, acima de tudo, uma história. Esse aparecimento dos
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
154
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
longos períodos da história de hoje não é um retorno às filosofias da história, as grandes
era do mundo, sendo interpretada por uma elaboração metodologicamente organizada.
2. Conceituando formação discursiva e discursos
A noção de formação discursiva é estabelecida, segundo Foucault, a partir das
seguintes
regularidades
presentes
na
obra
arqueologia:
ordem,
correlação,
funcionamento e transformação, regida por um conjunto de regularidades que
determinam sua homogeneidade e seu fechamento. A formação discursiva apresenta-se
como um conjunto de enunciados que não se reduzem a objetos linguísticos, tal como as
proposições, atos de fala ou frases, mais submetidos a uma mesma regularidade e
dispersão na forma de uma ideologia, ciência, teoria, etc. Essa noção, presente na obra
de Foucault, é derivada do paradigma marxista formação social, formação ideológica, e
a partir daí, formação discursiva. Haja vista, que o que foi definido como “formação
discursiva” esconde o plano geral das coisas ditas no nível específico dos enunciados.
A análise das formações discursivas e de seu sistema de positividade em
relação ao elemento do saber concerne somente a certas determinações dos
acontecimentos discursivos. Segundo Foucault (1969, p.135) “Um enunciado pertence a
uma formação discursiva, como uma frase pertence a um texto, e uma proposição a um
conjunto dedutivo”. Pode-se então agora, dar sentido a definição do “discurso”.
Chamaremos de discurso um conjunto de enunciados, na medida em que se
apoiem na mesma formação discursiva. Visto que:
A lei dos enunciados e o fato de pertencerem à formação discursiva
constituem uma e única mesma coisa; o que não é paradoxal, já que a
formação discursiva se caracteriza não por princípios de construção,
mas por uma dispersão de fato, já que ela é para os enunciados não
uma condição de possibilidades, mas uma lei de coexistência, e já que
os enunciados, troca, não são elementos intercambiáveis, mas
conjuntos caracterizados por sua modalidade de existência.
(FOUCAULT, 1969, p. 135)
Na acepção tradicional, o discurso não é uma simples sequencia de palavras,
mas um modo de pensamento que se opõe à intuição.
O discurso é uma rede de enunciados ou de relações que tornam possível haver
significantes. A palavra discurso tem em si a ideia de percurso de movimento, o objeto
da análise do discurso é estudar a língua em função de sentido. Cada sociedade tem seus
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
155
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
propósitos culturalmente estabelecidos na ordem de diferentes discursos sempre serão
políticos.
As instituições introjetam as regras de controle de forma a consolidar as leis
gerais, como por exemplo, a instituição escolar: permite uma melhor economia no
tempo de aprendizagem dos regulamentos sociais, faz funcionar o espaço pedagógico
como uma fábrica de ensinamentos, mas ao mesmo tempo é eficiente em vigiar,
hierarquizar, recompensar, punir e certificar, independente de o individuo ter atingido os
comportamentos esperados. Ainda, a igreja espaço doutrinário religioso e também
enquanto instituição encontra crise de existência individual. A solução do problema é
visualizada na força suprema, nas divindades e crenças.
A noção de Discurso é empregada como:
Um conjunto de regras anônimas, históricas sempre determinadas no
tempo espaço, que definiram em uma dada época, e para uma área
social, econômica, geográfica, ou linguística dada, as condições de
exercício da função enunciativa. (FOUCAULT, 1960, p. 43).
Dessa forma retoma o discurso praticado em função das condições
estabelecidas entre instituições.
O discurso é uma prática que relaciona a língua com “outras práticas” no
campo social. Ou seja, as práticas discursivas se caracterizam de algum modo como elo
entre discurso e prática. Significa afirmar que este conceito reúne elementos tanto da
fabricação e ajuste dos discursos - compostos por uma unidade de enunciados - quanto
da aplicação e produção destes, nas instituições e nas relações sociais, definindo assim
um saber, além de determinar funções e formas de comportamento numa época. Um
modo de pensamento que se opõe à intuição.
[...] certamente os discursos são feitos de signos; mas o que fazem é
mais que utilizar esses signos para designar coisas. É esse mais que os
torna irredutíveis à língua e ao ato da fala . É esse “mais” que é
preciso fazer aparecer e que é preciso descrever. (FOUCAULT, 1986,
p. 56).
O conceito de discurso, compreendendo um conjunto de enunciados que
ocorrem como performance verbal em função enunciativa, é apresentado considerando a
ideia de práticas discursivas. Assim, amparado por esse modo de analisar os enunciados,
considerando-os instáveis, reconhece-os como objeto de luta, regulados por uma ordem
do dizível, definida no interior de lutas políticas.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
156
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
Deste modo considerando as palavras de Lecourt, discorremos sobre tal
conceito.
As relações discursivas não são internas ao discurso, não são ligações
que existem entre os conceitos e as palavras, frases ou proposições;
mas também não lhe são igualmente externas, não são
«circunstâncias» exteriores que fariam pressão sobre o discurso; elo
contrário, elas determinam o feixe de relações que o discurso deve
efetuar para poder discorrer sobre certos objetos, para poder trabalhar,
nomear, analisar, classificar, explicar, etc.(LECOURT,1980, p. 91)
Essas relações que ligam a fala, o discurso com o que referimos a algo, objeto
ou material, contextual e cotidiano.
Analisando os próprios discursos, nota-se o desfazer dos laços fortemente
ligados entre as palavras e as coisas, o que implica esse desfeixe é o confronto entre a
realidade e a língua como práticas que formam o objeto de quem fala, de modo que
relaciona a pronuncia com o objeto, significação e aos valores de verdade destacando
um conjunto de regras próprias da prática e das formas de organização. Nascemos em
um mundo que já é de linguagem e que os discursos já estão em prática na sociedade, e
nós tornamos sujeitos derivados desses discursos, e que em casos pessoais entender uma
linguagem implica entender uma nova maneira o próprio conhecimento.
Certamente os discursos são feitos de signos; mas o que fazem é mais
que utilizar esses signos para designar coisas. É esse mais que os torna
irredutíveis à língua e o ato de quem fala. É esse mais que é preciso
fazer aparecer e que é preciso descrever. (FOUCAULT, 1960, p. 56)
Pode parecer confuso, mas há distinção de grandes tipos de discurso ou formas
que opõem um ás outras, na ciência, literatura, filosofia, religião, história entre outros,
ou seja, talvez de termos linguísticos tratados no âmbito colocado, portanto, dependeria
o chamado discurso das práticas, que significa a fala segundo determinadas regras;
contudo suas pesquisas são permeadas de uma definição inovadora de discurso, uma vez
em que o passar dos anos houve transformações e reproduções que predominam
atualmente os significados das palavras pronunciadas e os modos de articularem em seu
meio.
Ao invés de trabalhar com as unidades tradicionais de teoria, ideologia ou
ciência, preferiu designar como discurso, conjunto de enunciados que podem ser
associados a um mesmo sistema de regras. O que para o autor interpreta por prática
discursiva.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
157
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
[...] um conjunto de regras anônimas, históricas, sempre determinadas
no tempo e no espaço, que definiram, em uma dada época e para uma
determinada área social, econômica, geográfica ou linguística, as
condições de exercício da função enunciativa. (FOUCAULT, 1969,
p.136)
Compreende o discurso como um conjunto de enunciados na medida em que
eles provêm da mesma formação discursiva. Entre vários estudos acerca de temas que
envolvem a linguística os termos de formação discursiva e discursos, temos que
ressaltar alguns comentadores que contribuem para a discussão, em outra visão que
complementa e auxilia para compreensão. Trata-se de compreender as regras que
permitem que algo apareça como objeto do discurso, analisando as regras torna-se
possível a existência de enunciações diversas na constituição de um discurso. Tal como
um comentador interpreta.
Para Foucault essas relações caracterizam não a língua que o discurso
utiliza, nem as circunstâncias em que esse discurso se desenvolve, mas
o próprio discurso enquanto prática. A partir dessas relações é que se
institui a noção de regra e regularidade discursivas. (BOAS, 1993, p.
63)
A linguagem revela uma característica importante dos discursos. De fato o é,
pois sendo a linguagem atividade própria do homem, é um tipo de poder que o ser
humano tem de se comunicar, trocar experiências, estabelecer vínculos sociais,
recorrendo aos saberes e crenças que articulam na sociedade, levando em conta o
cenário do discurso, ou seja, raciocinar discernir. Refere-se à materialidade objetiva que
o sujeito está submetido, no sentido da produção intelectual do momento. O conceito de
discurso, tal como desenvolvido nas abordagens contemporâneas de análise social e
política, tem as suas origens nas recentes reformulações que se deram no interior do
estruturalismo para uma perspectiva que analistas chamam de pós-estruturalismo. A
perspectiva comum destas revisões tem sido basicamente questionar a noção da
linguagem como uma totalidade fechada, que foi destaque do estruturalismo clássico. A
teoria estruturalista relaciona com um discurso de alienação, valorização da ciência,
tendo vários pensadores que muito se dedicaram e destacaram por colocar-se em
oposição, deixando-nos heranças em relação ao estudo do discurso.
No campo complexo de leituras que temos e nas informações adquiridas,
percebo que há mais uma interpretação necessária a fazer. Refere-se à concepção
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
158
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
ideológica que é trabalhado também em arqueologia do saber esse termo ideologia é
desenvolvido de maneira diferente em Foucault, para ele ideologia é um saber, não há
dicotomia entre ciência e ideologia. “a ideologia não exclui a cientificidade”
(FOUCAULT, 1960, p. 210). Afastando-se desse termo, Foucault, favorece as questões
como forma histórica. Sua filosofia diz que todo e qualquer discurso está impregnado
de poder, e, portanto, estabelece a relação de opressão, já que esta é produto da outra.
A questão da ideologia concebida em Karl Marx é em um sentido crítico, para
o marxismo o motor da história é a luta de classes, uma revolução, que promoveria uma
ruptura na estrutura da sociedade, cujo, o resultado seria o desaparecimento da classe
dominante enquanto tal. Os pensamentos dominantes nada mais são do que a expressão
ideológica das relações materiais dominantes concebidas sob a forma de pensamentos,
por conseguinte os pensamentos de sua dominação. É diretamente entrelaçada com a
atividade material e com as relações do homem. Foucault, por sua vez, contesta essa
concepção de história como continuidade, discorda da ideia de ruptura. Ao invés de
ideologia ele trabalha como a constituição de saberes/poderes. O filósofo pretende
destacar que sua investigação, além do uso da metodologia, manifesta-se também como
prática que procura diferenciar-se das tradicionais análises do pensamento.
Considerando que ao percorrermos o trajeto histórico para compreender a
historicidade presente na compreensão da obra, a linguagem em geral, e discorremos
sobre termos importantes ao longo da pesquisa, chegamos a um ponto em que após
analisar toda teoria presente nas obras e pesquisas teóricas podemos dissertar sobre o
que foi compreendido a respeito do tema do artigo.
O Tema dessa pesquisa direciona nossa interpretação a cerca de produções de
conhecimento, são conceitos chaves para compreender a estrutura arqueológica e
teórica. Discursos trabalhados por Foucault em sua obra refletem o funcionamento da
sociedade, como o discurso das epistemes, a descrição dessas epistemes permite
compreender a existência de outras ciências saindo do seu conhecimento comum que,
no entanto parecia ser o limite de um tipo de raciocínio de uma época, assim o discurso
passa por uma visão de mundo a todos os conhecimentos e impõe em um determinado
momento, em uma época o modo transformador que gera também em torno de produção
subjetiva, centrando o homem como produção de sujeito no mundo exterior com
práticas discursivas, promovendo a construção de saberes envolvendo pluralidade de
discursos. Falar de Sujeito implica investigações a cerca de varias relações em que eles
estão posicionados, mais que não será investigado aqui por foco de pesquisa, mas que
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
159
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
pode ser desenvolvida em outra oportunidade. Formações discursivas são enunciados
limitados para que possamos definir as condições de existência não deixa de ser
discursos mais tal como prática, assim reconhecendo o modo de analisar os enunciados,
reconhece-os como objeto de partida. Entendida como principio regulador.
Na perspectiva de realizar essa pesquisa pretendi levantar esse esboço,
desenvolvido em cima de leituras e dados bibliográficos, pensando no mundo
contemporâneo que para estudantes de filosofia é necessário compreender a estrutura
linguística que envolve o modo de pensar de um filósofo, e para uma proposta de
trabalho acadêmico o trabalho se destina a interpretar o que foi dito, raciocinar e
provocar curiosidade, pois essa atividade nos possibilita ao conhecimento, pela
curiosidade é que desenvolvemos teorias acerca de determinados temas considerando a
reflexão que o autor fez condicionando sua época vivida e suas influencias para que
assim compreendermos o período moderno.
Considerações finais
A intenção foi realmente mostrar o que os conceitos formação discursiva
enquanto saber é a possibilidade de uso e apropriação de um discurso por quem possui
ou adquire a competência para produzir enunciados e discursos para Foucault, e para
alguns filósofos que também analisaram esses termos, compreendendo a interioridade
dos fatos, Foucault cria uma história de diferentes modos pelos quais os seres humanos
tornam-se sujeitos, efeitos da linguagem. E para entender o Sujeito como indivíduo
social, é necessário percorrer em seu trajeto histórico a atividade “arqueológica”.
O exercício de entender a fala, o lugar que se fala e a estrutura que se tem é o
propósito desenvolvido da arqueologia, pois em uma determinada época não havia
conhecimento de modernidade sujeito – objeto o que existia e o que era praticado era a
repetição das coisas entre si sem ordem e sentido de tudo que se repetiam. Esse impacto
do pensamento de Foucault gerou a fundamentação do sujeito de mudança e diferenças
dos objetos, quando falamos de mudanças, englobamos todos os aspectos que foram
possíveis mudar, tais como método de acesso ao conhecimento, possibilitando uma
nova forma de pensar. Caracteriza-se por temas da vida, do trabalho e da linguagem, e
analisa a mudança dos saberes da época clássica para a época moderna, se destaca por
essa linha de estudo.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
160
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
O filósofo coloca a linguagem em movimento pelos discursos, pois só vão
existir a partir do momento em que foram constituídos por uma prática inserida na
sociedade. O que se pode concluir que o sujeito é uma posição discursiva, uma função
dos discursos. Foram esses contextos analisados em sua obra Arqueologia do Saber,
nessa forma de organização. A obra arqueologia do Saber possibilita ao leitor uma
interpretação completa dos diferentes modos de compreender uma ciência, e o
nascimento de diversas intuições dos saberes, pensada para dominação dos indivíduos.
A noção de discurso nos condiciona a produções, e formação discursiva é uma
prática em produção de sentidos, ambos os conceitos são desenvolvidos juntamente,
mas trabalhados de maneiras distintas que no final a compreensão seja clara. A
formação discursiva é uma pratica determinada de ações subjetivas e objetivamente
implicando possibilidades novas de se conhecer a estrutura humana em seus aspectos
gerais na ciência. Enfim que tudo caminhe em uma direção pela qual nos próprios
devemos ter consciência do mundo real que estamos vivendo, e refletir sobre que rumo
direciona cada escolha. Refiro-me as transformações sociais e humanas, a ruptura do
senso comum com as ciências, e não as repetições das coisas como se elas andassem
sozinhas, mais como seres humanos que as movimenta juntamente com o passar dos
anos, que cada época transforme-se, de modo que a linguagem seja uma técnica e
prática para o individuo se socializar.
Para compreender os termos principais desse artigo, tivemos que desenvolver
um plano geral em torno de varias condições teórica que nos sustentaram no discurso,
condicionando aos saberes construídos que nossa investigação desenvolveu que foi
discorrer sobre o pensamento de Michel Foucault. Filósofo contemporâneo que com
seus escritos deixados contribui para novas pesquisas.
Referências
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1981.
BOAS, C. T. V. Para ler Michel Foucault. Ouro Preto: Imprensa Universitária da
UFOP, 1993.
DOSSE, F. História do estruturalismo. São Paulo: EDUSC, 2007.
FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
HAROCHE, C; PÊCHEUX, M; HENRY, P. Saussuriano: língua, linguagem, discurso.
In: Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação
discursiva. 1Ed. São Carlos: Pedro & João editores, 2007.
JAPIASSÚ, H. Dicionário de Filosofia/ Hilton. 5 d. Rio de Janeiro : Jorge Zahar,
1934.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
161
Formação discursiva e discurso em Michel Foucault
LECOURT, Dominique. Para uma crítica epistemológica. Lisboa. Assírio & Alvim
Editores, 1980.
MOTTA, M. B. Arqueologia das Ciências e Histórias dos Sistemas de Pensamento/
organização e seleção de textos. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.
MURICY, K. O que nos faz pensar. Cadernos do Departamento de Filosofia. Rio de
Janeiro: PUC-Rio, 2012.
PÊCHEUX, M. La sémantiqueet la coupuresaussurienne: langue, langage, discours.
Paris: RevueLangages, 1971.
______. O discurso. Estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1990.
RAGO, M. The effect-Foucault in Brazilian historiography. Tempo Social; Rev. Sociol.
São Paulo, v. 7, n.1, p. 67-82, October. 1995.
VEIGA-NETO, A. Pensadores e educadores. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
WESTON, A. A Arte de Argumentar. Edições Gradiva, Lisboa, 1996, p. 13-14.
Disponível em: http://ideias-em-movimento.blogs.sapo.pt/5715.html.
Vol. 6, nº 2, 2013.
www.marilia.unesp.br/filogenese
162
Fly UP