...

fatores que afetam a qualidade da cebola na agricultura familiar

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

fatores que afetam a qualidade da cebola na agricultura familiar
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura
Empresa de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural de Santa Catarina
Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina
FATORES QUE AFETAM A
QUALIDADE DA CEBOLA NA
AGRICULTURA FAMILIAR
CATARINENSE
Julho/2002
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
ESTADO DE SANTA CATARINA
GOVERNADOR DO ESTADO
Esperidião Amin Helou Filho
VICE-GOVERNADOR
Paulo Roberto Bauer
SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA
Otto Luiz Kiehn
SECRETÁRIO EXECUTIVO DO INSTITUTO CEPA/SC
Djalma Rogério Guimarães
ELABORAÇÃO
Guido Boeing
COLABORAÇÃO
- Carlos L. Gandin
- Djalma Rogério Guimarães
- José Jânio Kahl
- João Manoel Anderson
- Saturnino Claudino dos Santos
REVISÃO/EDITORAÇÃO
- Joares A. Segalin
- José Maria Paul
- Sidaura Lessa Graciosa
- Zélia Alves Silvestrini
BOEING, Guido.
Fatores que afetam a qualidade da cebola na agricultura
familiar catarinense. Florianópolis : Instituto Cepa/SC, 2002. 80p.
ISBN 85-88974-03-7
1.Cebola – qualidade – SC. 2. Competitividade – cebola – SC.
I. Gandin, C. Luiz. (colab.). II. Instituto Cepa/SC. III. Título.
CDU 635.25
Instituto Cepa/SC – Rod. Admar Gonzaga,1486 – Itacorubi – Cep 88034-001-Florianópolis – SC – BR
C. Postal 1587 – Tel (48) 239.3900 – Fax (48) 334.2311 – www.icepa.com.br
Instituto Cepa/SC
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
APRESENTAÇÃO
Em Santa Catarina, de acordo com as estimativas baseadas nos critérios de classificação
do Pronaf, o segmento Agricultura Familiar representa um universo de 180 mil famílias, ou
seja, mais de 90% da população rural. Estas famílias, apesar de ocuparem apenas 41% da
área rural, são responsáveis por mais de 70% da produção agrícola e pesqueira do estado.
A cebola apresenta grande importância no desenvolvimento do estado. Envolve mais de 18
mil famílias rurais, que a têm como principal atividade econômica em suas propriedades e
que fazem do estado de Santa Catarina o principal produtor nacional. O valor bruto da
produção catarinense já supera R$ 100 milhões, o que demonstra a importância da
atividade na economia regional e estadual.
Com a implantação do Mercosul, a partir de 1990, a atividade em Santa Catarina passou a
sofrer uma forte competição com a cebola argentina, que apresenta melhor qualidade. Esta
vantagem comparativa chegou, em determinados momentos, a descapitalizar e
desestabilizar o setor ceboleiro do estado, que em algumas safras comercializou o produto a
preços inferiores ao próprio custo de produção.
Mesmo atingindo níveis de produtividade média satisfatórios para as condições
catarinenses, a cebola ainda carece de qualidade quando comparada com a cebola
argentina, fazendo com que a sua competitividade seja, muitas vezes, prejudicada. Diante
desta situação, o Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina Instituto Cepa/SC -, em parceria com o MDA/Pronaf, propôs -se analisar os fatores que
afetam a qualidade da cebola na agricultura familiar.
Este trabalho foi desenvolvido com o envolvimento de importantes componentes do setor,
inclusive os agricultores e seus representantes, passando pelo comércio dos insumos e da
produção e pelos consumidores, mediante estudos e análises dos cenários, do mercado e
dos preços, além dos diversos segmentos do sistema produtivo da atividade no estado, no
Brasil e no Mercosul.
Destina-se à sociedade em geral. Em particular, a todo setor diretamente envolvido com a
cebolicultura catarinense, ou seja, produtores, técnicos e operadores comerciais do produto.
Representa uma contribuição para a busca do desenvolvimento desta importante atividade
agrícola.
Djalma Rogério Guimarães
Secretário Executivo do Instituto Cepa/SC
Instituto Cepa/SC
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Verso Apresentação
Instituto Cepa/SC
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO......................................................................................................................................7
OBJETIVO GERAL ..............................................................................................................................9
OBJETIVO ESPECÍFICO....................................................................................................................9
METODOLOGIA APLICADA ...........................................................................................................11
1. PRODUÇÃO...................................................................................................................................13
1.1. Produção Mundial.......................................................................................................................13
1.2. Produção no Mercosul...............................................................................................................14
1.3. Produção no Brasil.....................................................................................................................16
1.4. Produção em Santa Catarina ...................................................................................................20
2. O PROCESSO PRODUTIVO ......................................................................................................28
2.1. O Sistema de Produção Utilizado............................................................................................ 28
2.2. O Processo de Colheita, Cura e Armazenamento ................................................................31
3. COMERCIALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM...................................................34
3.1. Comercialização.........................................................................................................................34
3.2. Classificação e Embalagem......................................................................................................39
4. CUSTOS DE PRODUÇÃO ...........................................................................................................40
5. FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DA CEBOLA........................................................43
5.1. Identificação dos Fatores..........................................................................................................43
5.2. Proposições para a Superação dos Principais Fatores que Afetam
Qualidade da Cebola Catarinense.........................................................................................46
6. CENÁRIO – PERSPECTIVAS PARA A CEBOLICULTURA CATARINENSE.....................49
7. CONCLUSÕES..............................................................................................................................50
LITERATURA CONSULTADA .........................................................................................................53
LISTA DE FIGURAS ..........................................................................................................................55
LISTA DE GRÁFICOS .......................................................................................................................55
LISTA DE TABELAS ..........................................................................................................................56
ANEXO I ..............................................................................................................................................57
ANEXO II .............................................................................................................................................65
COMPLEMENTAÇÃO DO ANEXO II ............................................................................................ 77
Instituto Cepa/SC
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Verso Sumário
Instituto Cepa/SC
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
INTRODUÇÃO
A cebola caracteriza-se por ser um produto agrícola de demanda
plástica (não-elástica), em função da natureza de seu uso. É
consumida principalmente "in natura", na forma de saladas e como
condimento ou tempero, na alimentação humana, mas não como
alimento principal. Atualmente, pode-se afirmar que quase todos os
povos a utilizam para fins culinários; como conseqüência, sua
produção e comércio estão distribuídos em todas as regiões do
planeta.
No Brasil também predomina seu consumo i“n natura”, na forma de
saladas, temperos e condimentos. Estima-se que o volume de cebola
industrializada não ultrapasse 6% da produção nacional. Assim, o
consumo per cápita situa-se próximo a 4,7 Kg/ano, enquanto na
Argentina este valor é de 10,0 kg, no Uruguai, 7,7 kg e no Paraguai,
7,0 kg.
A cebola é considerada a terceira cultura olerícola de importância
econômica no Brasil, ficando atrás, apenas, da batata e do tomate. A
quantidade e o valor da produção, quando comparados com os de
outros produtos agrícolas, parecem ser insignificantes, mas a cebola
constitui atividade socioeconômica de grande relevância para os
estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, nos quais
se concentram, aproximadamente, 80% da produção nacional.
A importância social e econômica da ativi dade pode ser mais bem
avaliada pela geração de emprego e renda, pois integra o agricultor e
sua família ao meio rural. De acordo com o Censo Agropecuário do
IBGE (1995/96), envolve, no País, mais de 100 mil famílias que se
dedicam a esta atividade e, em Santa Catarina, aproximadamente 18
mil famílias de agricultores que a têm como atividade principal.
No estado, a cebola destaca-se como a principal hortaliça cultivada,
tanto em termos de área de plantio e volume de produção, como no
valor bruto da produção. Na safra de 99/00, o valor bruto de produção
correspondeu a cerca de R$ 118 milhões e na safra 00/01, a mais de
R$ 131 milhões. Para subsidiar o setor para o desenvolvimento rural
sustentável, foi desenvolvido este trabalho com o objetivo de elaborar
uma análise integrada dos fatores que afetam sua qualidade na
Instituto Cepa/SC
7
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
agricultura familiar, desde a produção até o consumidor, buscando
identificar as oportunidades e ameaças do mercado, bem como os
principais pontos de estrangulamento na cadeia produtiva. Desta
forma, será possível contribuir para viabilizar economicamente as
propriedades agrícolas para que se constituam, para o agricultor e sua
família, em fonte de estabilidade econômica, bem-estar e garantia de
sustentabilidade
Instituto Cepa/SC
8
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
OBJETIVO GERAL
Promover a melhoria da qualidade e, por conseqüência, da
competitividade da cebola catarinense no Mercosul, através de
estudos e análises dos principais fatores que afetam a qualidade dos
bulbos nos diversos segmentos da atividade, proporcionando
informações para a agricultura familiar catarinense.
OBJETIVO ESPECÍFICO
Identificar os principais fatores que afetam a qualidade dos bulbos no
sistema de produção e de armazenamento da cebola, junto aos
produtores e seus representantes, aos técnicos e aos principais
mercados , tanto em nível nacional quanto em nível de Mercosul.
Apresentar à sociedade catarinense em geral e ao setor ceboleiro, em
particular, os resultados dos estudos e as análises dos fatores que
afetam a qualidade da cebola, proporcionando informações seguras
para a melhoria da qualidade dos bulbos na agricultura familiar do
estado.
Instituto Cepa/SC
9
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Verso Objetivos
Instituto Cepa/SC
10
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
METODOLOGIA APLICADA AO PROJETO
Este trabalho foi realizado através do envolvimento dos mais
importantes componentes do setor ceboleiro, quer em nível estadual,
nacional, quer no âmbito dos países integrantes do Mercosul,
incluindo-se, neste contexto, os agricultores e seus representantes
legais, os operadores de insumos e da produção e, naturalmente, os
consumidores, mediante estudos e análises dos cenários, do mercado
e dos preços do produto, além dos diversos segmentos do sistema
produtivo e comercial da atividade.
O projeto buscou ampliar o foco do monitoramento e das análises
para um conjunto de variáveis que afetam a qualidade dos bulbos da
cebola, sob a ótica da competitividade da atividade na agricultura
familiar catarinense frente aos mercados globalizados.
Para um melhor desenvolvimento das ações planejadas, as atividades
foram divididas em várias etapas, precedidas, da respectiva pesquisa
bibliográfica.
Inicialmente, procurou-se identificar os principais fatores que afetam a
qualidade da cebola no sistema de produção e de armazenamento
dos bulbos atualmente praticado na agricultura familiar catarinense.
Em seguida, procedeu-se ao estudo e análise destes fatores e das
variáveis que interferem na atividade, bem como das medidas e das
sugestões a serem adotadas pelo setor público e privado para a
melhoria da qualidade dos bulbos e para a elaboração de políticas
públicas de apoio à agricultura familiar catarinense diretamente
relacionada ao produto.
Para a definição das características qualitativas que conferem
competitividade à cebola e para a identificação dos mecanismos de
controle adotados para atender às demandas do mercado, o primeiro
passo foi buscar n
i tercâmbio técnico-científico junto às organizações
de produtores, comerciantes, técnicos e pesquisadores, que
acumulam larga experiência relacionada aos temas propostos.
A identificação dos fatores que afetam a qualidade da cebola na
agricultura familiar catarinense foi realizada através de uma rede
regional integrada para a coleta das informações nos principais
municípios produtores do estado, formada pela equipe técnica do
projeto e de técnicos que atuam na região ceboleira, composta por
Instituto Cepa/SC
11
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
extensionistas rurais, pesquisadores, técnicos das prefeituras
municipais, de cooperativas e da iniciativa privada. Conhecidas as
variáveis determinantes para um melhor desempenho da atividade no
estado, a equipe de analistas do projeto, com sede no Instituto
Cepa/SC, em Florianópolis, procedeu à sua avaliação, objetivando um
melhor entendimento desses fatores e das ações a serem tomadas
visando à melhoria qualitativa e quantitativa da produção interna,
assim como à elaboração de medidas e sugestões de políticas
públicas relacionadas ao tema.
O monitoramento da qualidade dos bulbos - direcionados aos
principais entrepostos de comercialização atacadista do País - e sua
interação com o comportamento dos valores de mercado foram
executados pelo acompanhamento sistemático da comercialização
registrada nas Centrais de Abastecimento de Porto Alegre,
Florianópolis Curitiba e São Paulo.
A divulgação deste trabalho aos agricultores familiares, técnicos,
lideranças e demais agentes do desenvolvimento rural sustentável de
Santa Catarina contribuirá, certamente, para aumentar a inserção dos
cebolicultores nas ocupações produtivas do agronegócio catarinense
e para a geração de empregos e o aumento da renda do setor; de tal
forma que possam - os produtores e seus familiares - ter na ativi dade
a sua fonte de sustentação e de estabilidade econômica,
indispensável para o pleno exercício da sua cidadania, seu bem-estar
e a garantia de sua liberdade, dignidade e satisfação.
Instituto Cepa/SC
12
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
1- PRODUÇÃO
1.1 PRODUÇÃO MUNDIAL
A produção mundial de cebola dos três últimos anos, de acordo com
as estimativas da FAO, tem oscilado entre 46,3 milhões e 46,8
milhões de toneladas, correspondendo a uma área de cultivo de
aproximadamente 2,7 milhões de hectares/ano. Os maiores
produtores mundiais têm sido os países do continente asiático,
principalmente a China e a Índia, que contribuíram, no período em
análise, com volumes de colheita que representaram entre 35% e
37% da oferta mundial. Estes países têm elevadas produções devido
à grande área plantada, mas a produtividade é relativamente baixa,
comparativamente aos índices observados em outros países
produtores. Tecnologia de produção adequada é empregada nos
Estados Unidos, Canadá, Japão, Áustria, Bélgica, Países Baixos e
Reino Unido, todos com produtividade média superior a 35 t/ha,
enquanto que a média mundial oscila ao redor de 17,0 t/ha, conforme
se pode verificar na tabela 1. De acordo com estas informações, o
Brasil participou, na safra 00/01, com 2,10% da produção mundial.
TABELA 1 - CEBOLA – ÁREA PLANTADA, PRODUÇÃO E RENDIMENTO MUNDIAIS – SAFRA
00/01 (1)
PAÍS
China
Índia
Turquia
Paquistão
Rússia
Brasil
Estados Unidos
Irã
Japão
Espanha
Outros países
TOTAL MUNDIAL
ÀREA PLANTADA
(mil ha)
601
500
110
105
116
62
66
40
27
24
1.088
2.739
PRODUÇÃO COLHIDA
(mil t)
12.438
4.900
2.200
1.496
1.200
982
3.060
1.200
1.000
1.104
17.170
46.750
RENDIMENTO OBTIDO
(kg/ha)
20,7
9,8
20,0
14,2
10,3
15,7
46,4
30,0
37,0
46,6
15,8
17,0
FONTE: FAO.
(1)
Dados sujeitos a modificações.
Na América do Sul, a produção dos últimos anos tem contribuído com
cerca de 7,5% da oferta mundial, destacando-se o Brasil, a Argentina,
Instituto Cepa/SC
13
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
a Colômbia, o Chile, o Peru e a Venezuela, os quais, no conjunto,
representam cerca de 95,0% da produção sul-americana.
1.2 PRODUÇÃO NO MERCOSUL
A oferta de cebola dos países integrantes do Mercosul situou-se, nos
últimos anos, entre 1,69 milhão e 1,90 milhão de toneladas,
destacando-se o Brasil como o principal produtor do bloco comercial.
A área de plantio da cultura, no conjunto dos países, tem oscilado
entre 97 mil e 105 mil hectares; o Brasil tem sido responsável por
aproximadamente 65% da área plantada, seguido pela Argentina, com
27,6% do total. Em termos de volume de produção, Brasil e Argentina
produzem em torno de 96,8% da cebola do Mercosul.
A evolução da cultura nos países componentes deste bloco comercial,
nos últimos anos, apresentou-se de acordo com o demonstrado na
tabela 2.
TABELA 2 - CEBOLA – ÁREA PLANTADA, PRODUTIVIDADE MÉDIA COLHIDA E PRODUÇÃO COLHIDA
NOS PAÍSES DO MERCOSUL – 1998-2001(‘)
ÁREA PLANTADA
(1.000 ha)
PAÍS
1998
1999
2000
2001
Argentina
29,1
30,0
26,5
27,0
Brasil
67,7
66,2
66,3
62,4
Paraguai
5,0
5,0
5,0
5,0
Uruguai
3,1
3,7
2,5
2,5
Total
104,9
104,9
100,3
96,9
PRODUTIVIDADE OBTIDA
(1.000 kg/ha)
Argentina
27,4
28,3
24,9
24,9
Brasil
12,4
14,9
17,2
15,7
Paraguai
6,7
6,7
6,8
6,8
Uruguai
8,1
8,1
8,0
8,0
Média Ponderada
16,1
16,1
17,7
18,8
PRODUÇÃO COLHIDA
(1.000 t)
Argentina
797,8
850,0
660,1
673,0
Brasil
838,2
988,7
1141,8
982,1
Paraguai
33,5
33,5
34,0
34,0
Uruguai
25,0
30,0
20,0
20,0
Total
1.694,5
1.902,2
1.855,9
1.709,1
FONTE: FAO.
(1) Dados sujeitos a modificações.
No Brasil, face à diversidade climática das diversas regiões do País, a
cultura da cebola é desenvolvida ao longo de todos os meses do ano,
com maior ou menor intensidade dependendo do estado produtor. A
particularidade brasileira de possuir várias safras no decorrer do ano
Instituto Cepa/SC
14
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
permite que o mercado nacional seja abastecido periodicamente com
quantidade de cebola em níveis equiva lentes às necessidades de
consumo.
A implantação do Mercosul, entretanto, possibilitou à Argentina ofertar
ao mercado brasileiro parte da sua produção, conforme demonstrado
no gráfico de número 1, a seguir, que se sobrepõe ao período de
comercialização da cebola produzida no Sul do Brasil e também da
produção de outros estados produtores, especialmente São Paulo,
gerando dificuldades aos produtores de Santa Catarina e aos dos
demais estados da região, assim como, e principalmente, os de São
Paulo.
GRÁFICO 1 - CEBOLA - IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS
350.000
300.000
Importações da Argentina
Total das importações
( t)
250.000
200.000
150.000
100.000
50.000
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
00
01
(ano)
FONTE: MDIC/Secex/Decex (Sistema Alice).
Em termos de produtividade, a Argentina lidera o grupo, com média
aproximada de 26,0 t/ha, enquanto que o rendimento médio do Brasil
tem variado, nos últimos anos, entre 15,0 e 17,0 t/ha.
A maior produtividade do vizinho país resulta da utilização de uma
melhor tecnologia de produção, caracterizada pelo uso dos seguintes
fatores: irrigação por infiltração, alta densidade populacional,
mecanização da cultura, rotação de culturas, disponibilidade de
sementes de boa qualidade, etc., além das condições climáticas
favoráveis. Esta diferença no rendimento reflete-se diretamente no
custo de produção, tornando a cebola argentina teoricamente mais
competitiva.
Os demais países -membros do Mercosul (Uruguai e Paraguai)
apresentam produção inexpressiva, insuficiente, inclusive, ao
atendimento de suas demandas internas.
Instituto Cepa/SC
15
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
1.3 PRODUÇÃO NO BRAS IL
A cebola no Brasil é plantada comercialmente desde a Região Sul até
o Nordeste. Nesta distribuição geográfica, destacam-se os seguintes
estados: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná,
Bahia, Pernambuco e Minas Gerais, responsáveis pela quase
totalidade da produção nacional.
Na tabela 3, é apresentada a evolução da produção brasileira nos
últimos anos.
TABELA 3 - CEBOLA – EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO BRASILEIRA – SAFRAS 97/98 A 00/01 (1)
ESTADO
Santa Catarina
São Paulo
Rio Grande do Sul
Pernambuco
Bahia
Paraná
Minas Gerais
BRASIL
97/98
272.700
200.740
166.147
55.000
66.487
56.239
19.402
838.232
SAFRAS
98/99
99/00
348.630
456.036
245.420
272.560
177.349
181.338
62.351
48.573
58.069
74.667
47.882
59994
43.834
55.556
988.658
1.156.332
00/01
375.551
182.629
180.401
67.249
56.262
57.678
66.220
985.990
FONTE: IBGE.
(1)
Dados sujeitos a modificações.
O total da oferta nacional do bulbo, conforme já destacado e
visualizado no gráfico 2, tem oscilado nos últimos anos entre 840 mil e
1.156 mil toneladas, intervalo sempre muito intimamente relacionado
ao montante da área plantada (normalmente determinado pelos
preços recebidos pelos agricultores) e ao comportamento das
condições climáticas verificadas ao longo do ciclo da cultura.
Em passado bastante recente, os estados de Santa Catarina e São
Paulo alternavam-se na liderança da produção brasileira de cebola;
nas últimas safras, entretanto, esta posição consolidou -se a favor do
estado catarinense.
Instituto Cepa/SC
16
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
GRÁFICO 2 - CEBOLA - EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO
BRASILEIRA
1.200.000
1.000.000
800.000
600.000
400.000
200.000
0
96/97
98/99
00/01
(Safras)
FONTE: IBGE.
Com efeito, desde a safra 96/97, com a modernização dos sistemas
de produção, Santa Catarina vem se distanciando do estado de São
Paulo (Gráfico 3), com incrementos constantes no volume produzido.
GRÁFICO 3 - CEBOLA - DESEMPENHO DA PRODUÇÃO NOS
ESTADOS
500.000
(t)
400.000
300.000
200.000
100.000
0
96/97
FONTE: IBGE.
97/98
(Safras)
98/99
99/00
SC
RS
OUTROS
00/01
SP
PE/BA
Esta diferenciação também se observa no quantitativo da área
plantada nos estados supracitados. Na safra 99/00, por exemplo,
foram cultivados em São Paulo 10.620 hectares, enquanto que em
Santa Catarina foram 24.241 hectares.
Nas safras 99/00 e 00/01, ocorreram algumas modificações no
cenário nacional, principalmente com relação à produção do estado
de Minas Gerais, que atingiu 55,6 mil toneladas e 66,2 mil toneladas,
respectivamente - volumes superiores às ofertas registradas em
tradicionais estados produtores, quais sejam, os de Pernambuco e
Instituto Cepa/SC
17
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Paraná -, numa área de cultivo levemente superior a 2.000 hectares e
com produtividade de aproximadamente 27,0 t/ha.
A análise da produtividade média da cebola obtida nos principais
estados produtores, conforme pode ser verificado na tabela 4, revela
uma variação bastante considerável entre os rendimentos dos
estados. Entre os grandes ofertantes do bulbo, São Paulo se destaca
com o maior rendimento da cultura, acima mesmo da média mundial.
Esta diferenciação de produtividade está relacionada, evidentemente,
entre outros fatores, a características de clima e solo, às tecnologias
produtivas e ao grau de profissionalização dos agricultores.
TABELA 4 - CEBOLA – EVOLUÇÃO DA PRODUTIVIDADE MÉDIA NOS PRINCIPAIS ESTADOS
BRASILEIROS EM DIFERENTES SAFRAS (1)
(kg/ha)
SAFRAS
ESTADO
74/75
79/80
84/85
89/90
94/95
99/00
São Paulo
8,5
16,8
16,5
17,6
22,2
25,67
Santa Catarina
7,6
8,5
10,3
10,8
10,3
18,81
Rio Grande do Sul
7,1
7,4
9,5
7,6
7,8
10,94
Bahia
4,7
10,6
8,1
13,4
13,6
16,53
Pernambuco
8,5
12,5
9,6
12,5
14,0
15,91
Paraná
3,8
5,0
6,0
8,0
8,9
11,52
Minas Gerais
12,7
26,83
BRASIL
6,6
10,4
11,0
11,5
12,4
17,38
FONTE:
IBGE.
(1)
Dados sujeitos a modificações.
A partir da safra 98/99, Santa Catarina passou a ocupar o segundo
lugar no cenário nacional (considerando-se apenas os principais
estados produtores), com produtividade superior à média brasileira e
com tendência de aumentos gradativos e constantes, em função da
adoção de tecnologias adequadas à produção na região.
Cabe lembrar, também, que os estados de São Paulo, Bahia e
Pernambuco adotam, em suas lavouras, um pacote tecnológico que
inclui a irrigação, aliado a altas densidades populacionais por hectare.
Estas práticas, embora amplamente difundidas e recomendadas,
ainda não são utilizadas na sua totalidade nos estados da Região Sul,
quer pela característica minifundiária da maioria dos produtores de
cebola, quer pela insuficiente disponibilidade de recursos financeiros,
ou, ainda, pela topografia da região.
Instituto Cepa/SC
18
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
A diversidade climática que se verifica no Brasil permite uma boa
distribuição de safras, com o plantio de diferentes cultivares, nas
diversas regiões geográficas brasileiras.
Assim, as cultivares de ciclo médio e tardio, com maior pungência,
mais exigentes em fotoperíodo e com boa capacidade de
armazenagem, são cultivadas no Sul do País, enquanto que as
híbridas e de ciclo precoce, mais suaves, que se satisfazem com um
menor comprimento de dia, são plantadas principalmente na Região
Nordeste, no estado de Minas Gerais e no norte de São Paulo, e são
comercializadas imediatamente após a colheita ou a cura de campo,
sem passar pelo processo de armazenamento.
Hoje, praticamente, não há mais entressafra de cebola no Brasil.
Assim, o mercado nacional é normalmente abastecido de maneira
satisfatória durante todo o ano (Tabela 5). No entanto, em
determinadas épocas a oferta de cebola no mercado interno ainda
tem registrado períodos de excesso de oferta, alternados com outros
de escassez do produto. Esta oscilação está relacionada a fatores
climáticos e aos preços recebidos pelos produtores e cria dificuldades
na área do abastecimento. Interfere, também, na tomada de decisão
do produtor quanto à área a ser cultivada na safra subseqüente, pois
ele planeja a produção da safra seguinte levando em consideração o
preço recebido pelo produto naquela safra.
TABELA 5 - CEBOLA - CALENDÁRIO MÉDIO MENSAL DE COMERCIALIZAÇÃO DOS
PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS E DA ARGENTINA (períodos de maiores ofertas)
ESTADO/PAÍS
1
x
x
x
Rio Grande do Sul
Santa Catarina
Paraná
São Paulo:
- Soqueira
- Claras precoces
- Baia periforme
Bahia
Pernambuco
Minas Gerais
Argentina
FONTE: Instituto Cepa/SC.
2
x
x
x
3
x
x
x
4
x
x
MÊS DE COMERCIALIZAÇÃO
5
6
7
8
9
x
x
x
x
x
x
x
x
x
10
x
11
x
x
x
12
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
Outro fator a ser considerado é o dos períodos de falta de cebola no
mercado doméstico.
Nesses momentos, geralmente, ocorrem
importações, facilitadas pela elevação dos preços nos períodos de
escassez do produto. Diversos países têm abastecido o Brasil nestas
Instituto Cepa/SC
19
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
horas, mas a Argentina, por ser vizinho e parceiro do Mercosul, tem
sido o maior fornecedor, principalmente nos meses de março a
setembro, que é o período em que aquele país dispõe de cebola para
exportação. Há, evidentemente, exceções a esta regra; também
ocorrem importações do bulbo, conforme pode ser observado no
gráfico 4, mesmo em períodos de maior oferta interna, tendo em vista
o melhor padrão de tipificação e classificação normalmente
apresentado pelo produto importado de outros tradicionais países
exportadores.
GRÁFICO 4 - CEBOLA - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DAS MÉDIAS
MENSAIS DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS 1994-1999
25
(%)
20
15
10
5
0
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
FONTE: MDIC/Secex/Decex (Sistema Alice).
1.4 PRODUÇÃO EM SANT A CATARINA
Em Santa Catarina, dos 18 mil produtores rurais que cultivam a
cebola, cerca de 78,4% são proprietários e o restante trabalha em
regime de parceria, ocupação e arrendamento.
Com relação à estrutura fundiária do cebolicultor catarinense, o último
censo revelou que 30,6% dos estabelecimentos que cultivam cebola
possuem menos de 10 hectares e 67,8% têm áreas que variam de 10
e menos de 100 hectares. Aqueles, por sua vez, ocupam 87,3% da
área plantada com a cultura e respondem por 87,9% da produção
colhida no estado, conforme pode ser visualizado nas tabelas 6 e 7. O
estrato de área compreendido entre 10 e menos de 100 hectares
ocupa apenas 12,3% do total da área de colheita e contribui com
12,0% da oferta estadual do produto.
Instituto Cepa/SC
20
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
A estrutura fundiária do produtor catarinense de cebola, segundo o
Censo Agropecuário 1995-1996, apresenta-se conforme a tabela 6.
TABELA 6 - CEBOLA - ESTRUTURA FUNDIÁRIA POR GRUPO DE ÁREA TOTAL - SANTA CATARINA
– 1995-1996
GRUPOS DE ÁREA TOTAL
(ha)
Menos de 10
Menos de 1
1 a menos 2
2 a menos 5
5 a menos 10
10 a menos 100
10 a menos 20
20 a menos 50
50 a menos 100
100 a menos 1.000
100 a menos 200
200 a menos 500
500 a menos 1000
1.000 a mais
TOTAL
FONTE: IBGE.
INFORMANTES
(número)
5.538
83
212
1.771
3.472
12.251
6.196
5.102
953
287
204
66
17
5
18.081
PART. TOTAL
(%)
30,6
0,4
1,2
9,8
19,2
67,8
34,3
28,2
5,3
1,6
1,1
0,4
0,1
100,0
PART. POR ESTRATO
(%)
100,0
1,5
3,8
32,0
62,7
100, 0
50,6
41,6
7,8
100,0
71,1
23,0
5,9
100,0
100,0
TABELA 7 - CEBOLA - ESTRUTURA FUNDIÁRIA POR GRUPO DE ÁREA DE COLHEITA – SANTA
CATARINA – 1995 -1996
GRUPOS DE ÁREA
TOTAL
(ha)
Menos de 10
Menos de 1
1 a menos 2
2 a menos 5
5 a menos 10
10 a menos 100
10 a menos 20
20 a menos 50
50 a menos 100
100 a menos 500
100 a menos 200
TOTAL
FONTE: IBGE.
INFORMANTES
(número)
17.866
10.173
2.694
4.102
897
214
191
21
2
1
1
18.081
PART. TOTAL
(%)
87,3
4,2
13,4
46,9
22,8
12,3
9,4
2,4
0,5
0,4
0,4
100,0
PART. POR
ESTRATO
(%)
100,0
4,9
15,4
53,7
26,0
100,0
76,9
19,3
3,8
100,0
100
100,0
O último censo mostrou, ainda, aumento da adoção de novas e mais
modernas tecnologias produtivas, com destaque para a ri rigação, as
quais são as principais responsáveis pelo forte incremento registrado,
nos últimos anos, nos índices de produtividade média e de produção
colhida no estado. Revelou que 75,0% dos produtores adotam
técnicas de cultivo recomendadas, especialmente o uso de
Instituto Cepa/SC
21
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
fertilizantes e defensivos, as quais englobam
totalidade da área plantada com a cultura no estado.
praticamente
a
A grande maioria dos cebolicultores possui imóveis com área inferior a
25 hectares, geralmente de topografia acidentada e cultiva em média
2,0 hectares de cebola/safra. Assim, a atividade caracteriza-se por ser
desenvolvida em regime de economia familiar. Nos períodos de maior
concentração de trabalhos são contratados serviços de terceiros ou é
feita a permuta de serviços entre os agricultores.
O estado de Santa Catarina detém, desde 1986, a maior área
plantada com cebola no Brasil, chegando a cultivar, na safra 91/92,
29.843 hectares. Nos últimos anos, entretanto, o total da área
cultivada, conforme demonstrado no gráfico 5, a tem oscilado entre
22,0 mil e 25,0 mil hectares, representando, portanto, entre 33,0% e
38,0% da área cultivada em nível nacional.
GRÁFICO 5 - CEBOLA - EVOLUÇÃO DO PLANTIO NOS
(ha)
ESTADOS - SAFRAS 96/97 - 00/01
30.000
25.000
20.000
15.000
10.000
5.000
0
96/97
FONTE: IBGE.
97/98
98/99
(Safras)
99/00
00/01
SC
SP
R S
Outros
PE/BA
Na safra 99/00 foram cultivados 24.241 hectares, que proporcionaram
uma produção de 456.036 toneladas (correspondentes a cerca de
40% do total da oferta nacional do produto), resultando num
rendimento inédito de 18,8 t/ha, superior à média brasileira.
No cultivo correspondente ao ano agrícola 00/01, a produção estadual
apresentou-se substancialmente reduzida, relativamente ao montante
colhido na campanha imediatamente anterior, tendo em vista a
ocorrência de uma série de fatores de ordem climática desfavoráveis
à cultura. A oferta interna totalizou apenas 375.551 toneladas, com
redução de 18% frente ao resultado do ano anterior. De qualquer
Instituto Cepa/SC
22
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
forma, a contribuição estadual no total da produção brasileira ainda
continuou extremamente satisfatória, representando o equivalente a
38,0% da oferta nacional.
Atualmente, a cebola é cultivada em quase todos os municípios
catarinenses, concentrando-se nas microrregiões de Ituporanga, Rio
do Sul e Tabuleiro. Os dez maiores municípios produtores totalizam
mais de 85% da produção estadual. A distribuição percentual da
cultura da cebola nesses municípios produtores, em relação ao
estado, considerando-se os valores alcançados na safra 99/00, é,
aproximadamente, a seguinte: Ituporanga – 35%; Alfredo Wagner 15%; Aurora - 9%; Imbuia – 7%; Petrolândia – 5%; Chapadão do
Lageado – 3%; Vidal Ramos – 3%; Leoberto Leal – 3%; Atalanta –
3%.
O volume da produção interna, com raras exceções, tem registrado
um forte crescimento nos últimos anos (Gráfico 6), destacando o
estado de Santa Catarina como líder nacional na oferta do bulbo,
conforme demonstrado no gráfico 7.
GRÁFICO 6 - CEBOLA - COMPORTAMENTO DA
PRODUÇÃO CATARINENSE
500.000
(t)
400.000
300.000
200.000
100.000
0
95/96
FONTE: IBGE.
96/97
97/98
98/99
99/00
00/01
(Safras)
A expans ão do cultivo da cebola no estado deveu-se, principalmente,
aos seguintes fatores:
Instituto Cepa/SC
-
apoio do governo estadual e federal, bem como das
prefeituras municipais, para os investimentos públicos em
assistência técnica, extensão rural e pesquisa agropecuária;
-
maior proximidade dos centros consumidores em relação ao
Rio Grande do Sul, que até 1985 era o principal produtor da
Região Sul;
23
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
GRÁFICO 7 - CEBOLA - PARTICIPAÇÃO ESTADUAL NO TOTAL DA
PRODUÇÃO BRASILEIRA - SAFRA 00/01
PR
6%
Outros
7%
SC
37%
BA
6%
PE
7%
RS
18%
SP
19%
FONTE: IBGE.
-
-
-
disponibilidade de cultivares adaptadas, bem aceitas no
mercado e com boa capacidade de conservação no
armazenamento, principalmente a Crioula Alto Vale e a Bola
Precoce;
maior densidade econômica da cultura, quando comparada
com as demais atividades agrícolas;
infra -estrutura de armazenagem e comercialização instalada
na região produtora;
malha viária estadual, que permite escoamento da safra com
facilidade, independente das condições de clima e tempo;
grau de profissionalização do produtor catarinense, sempre
receptivo em relação à adoção de novas e mais eficientes
tecnologias de cultivo;
finalmente, por ser uma atividade característica da
agricultura familiar, desenvolvida por pequenos agricultores
e suas famílias, com o máximo de empenho e dedicação.
1.4.1 As Cultivares Utilizadas em Santa Catarina
Os produtores catarinenses cultivam cerca de 80% da área da cebola
com cultivares de ciclo médio/tardio e 20% com as de ciclo precoce.
As de ciclo precoce são semeadas em abril/maio e transplantadas em
junho/julho (dependendo do local e da altitude); a colheita ocorre a
partir do final do mês de outubro e se prolonga até ifns do mês de
novembro; são menos exigentes quanto ao comprimento do dia,
Instituto Cepa/SC
24
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
apresentam sabor mais suave e, normalmente, não resistem ao
armazenamento prolongado.
As de ciclo médio/tardio são semeadas em maio/junho e
transplantadas em agosto/setembro (dependendo do local e da
altitude); a colheita estende-se desde o mês de novembro até a
primeira quinzena de janeiro; formam bulbos e amadurecem em dias
mais longos do que as anteriores; têm sabor picante e resistem bem
ao armazenamento.
Até recentemente, os agricultores catarinenses não se preocupavam
quanto à escolha das cultivares mais adequadas. Foi somente ao
longo dos anos 90 que se criou uma consciência de que, para que a
cebolicultura catarinense pudesse continuar se desenvolvendo de
forma sustentável, era necessária a adoção de adequada tecnologia
de produção, incluindo a utilização das cultivares que apresentassem
melhor potencial para a qualidade e a produtividade. Estes fatores
contribuíram decisivamente para a melhoria da produção de cebola,
proporcionando aos produtores maior rendimento e, aos
consumidores, bulbos de melhor qualidade.
O atributo qualidade é de fundamental importância quando se trata de
competitividade e, em cebola, normalmente está associado à
uniformidade e à classificação dos bulbos e à sua apresentação nos
mercados.
A globalização da economia tem provocado grandes alterações nos
sistemas de produção de cebola, que se inicia pela escolha da cultivar
preferida pelos consumidores, cujas características principais são o
formato arredondado ou o globular dos bulbos e as catáfilas (escamas
externas) de coloração avermelhada, semelhante à cor do pinhão.
Além das características qualitativas e quantitativas do bulbo, visando
atender ao mercado consumidor, a escolha da cultivar adequada para
cada região leva em consideração, principalmente, o ciclo e a
respectiva época de plantio, de forma a propiciar o escalonamento e a
melhor distribuição das atividades de transplante e colheita, que
exigem grande quantidade de mão-de-obra na propriedade rural.
Diante da necessidade de se obter cultivares adaptadas às condições
da região ceboleira catarinense, a Secretaria de Estado do
Desenvolvimento Rural e da Agricultura de Santa Catarina, através da
sua vinculada, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural
Instituto Cepa/SC
25
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
do Estado – Epagri -, desenvolveu, na Estação Experimental de
Ituporanga, diversas cultivares adaptadas às condições de produção
da principal região ceboleira do estado, com alto potencial produtivo,
com características desejáveis para o mercado consumidor e com boa
conservação pós-colheita.
Desta forma, surgiram as cultivares Empasc 351 - Seleção Crioula,
Empasc 352 - Bola Precoce, Empasc 353 – Rosada, Empasc 355 –
Juporanga, Epagri 362 – Crioula Alto Vale e Epagri 363 –
Superprecoce.
Além das cultivares desenvolvidas em Santa Catarina, outras também
são utilizadas para cultivo, principalmente as que se adaptam às
condições edafoclimáticas do estado, proporcionando alto rendimento
de bulbos e a qualidade requerida pelos mercados.
Dentre as cultivares atualmente utilizadas, duas destacam-se pela
excelente qualidade dos bulbos, quais sejam: a Epagri 362-Crioula
Alto Vale, de ciclo médio/tardio, e a Empasc 352-Bola Precoce, de
ciclo precoce (Figuras 1 e 2).
Figura 1. Cultivar Epagri 362 – Crioula Alto
Vale
Figura 2. Cultivar Empasc 352 – Bola
Precoce
Por causa das características que apresentam, estas cultivares têm
grande aceitação junto aos produtores e consumidores e, hoje, estão
amplamente difundidas.
Se uma determinada cultivar é ex posta a um fotoperíodo
(comprimento do dia) menor que o requerido para bulbificação
(cultivares de ciclo médio ou tardio em fotoperíodo de dias curtos),
Instituto Cepa/SC
26
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
não há formação de bulbos e as plantas ficam imaturas; vegetam
indefinidamente e não se desenvolvem, dando formação aos
"charutos". Por outro lado, se uma cultivar é submetida a um
fotoperíodo acima do requerido (cultivares de dia curto em fotoperíodo
maior que o nível crítico), a bulbificação iniciará precocemente, antes
que a planta se tenha desenvolvido completamente, podendo haver
formação prematura e indesejável de bulbos de tamanho reduzido e
sem valor comercial.
Como a maior parte da grande região produtora catarinense está
situada na latitude próxima a 27º, o máximo comprimento do dia
durante a fase de produção da cebola (do transplante à colheita) fica
limitado a um pouco mais de 14 horas diárias, em novembro e
dezembro (Tabela 8). Isto explica por que as cultivares tardias, de
dias longos, não produzem bem em Santa Catarina, mas apresentam
ótima produção ao sul do Uruguai, da Argentina e do Chile, em
latitudes próximas a 35º ou acima disso. Nessas regiões, o
fotoperíodo pode atingir de 15 a 17 horas diárias, satisfazendo as
necessidades daquelas cultivares para a bulbificação.
TABELA 8 - FOTOPERÍODO (COMPRIMENTO DO DIA), TEMPERATURA MÉDIA MENSAL (ºC) E
NÚMERO MÉDIO MENSAL DE HORAS DE FRIO (TEMPERATURA INFERIOR A 7ºC), AVALIADOS
DURANTE 13 ANOS, NA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE
ITUPORANGA (EPAGRI/CLIMERH), A 475 M DE ALTITUDE – 27º25’ DE LATITUDE (SUL) E 49º38’ DE
LONGITUDE (OESTE)
FOTOPERÍODO
HORAS DE FRIO
MÊS
TEMPERATURA MÉDIA
(<7,2ºC)
(HORAS)
(ºC)
Janeiro
14,72 a 14,24
22,7
0
Fevereiro
Março
14,23 a 13,52
13,42 a 12,59
22,5
21,6
0
0,2
Abril
12,58 a 11,88
18,9
8,1
Maio
11,85 a 11,37
15,0
29,7
Junho
11,37 a 11,26
12,6
70,0
Julho
11,29 a 11,64
12,5
97,5
Agosto
11,65 a 12,30
14,0
41,7
Setembro
12,31 a 13,07
15,7
14,2
Outubro
13,11 a 13,93
18,1
4,6
Novembro
13,94 a 14,57
20,3
0,6
Dezembro
14,59 a 14,76
22,2
0
FONTE: Epagri/Climerh.
Instituto Cepa/SC
27
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
2- O PROCESSO PRODUTIVO
2.1 O SISTEMA DE PRODUÇÃO UTILIZADO
De forma geral, os cebolicultores catarinenses cultivam, além da
cebola, também milho, feijão, fumo, hortaliças diversas, produtos para
auto-suficiência, e exploram ainda a suinocultura e a bovinocultura de
leite. O milho é cultivado em sucessão à cebola, visando
principalmente ao aproveitamento da adubação residual e à proteção
do solo.
Basicamente, são utilizados dois sistemas de produção para cebola
em Santa Catarina: cultivo convencional e cultivo mínimo. Com a
adoção da tecnologia do cultivo mínimo, ou plantio direto, os
cebolicultores também cultivam adubos verdes, como a mucuna,
crotalária, ervilhaca e aveia, etc., com o objetivo de viabilizar este
sistema.
A primeira fase dos sistemas de produção, que abrange a produção
de mudas em canteiros, é igual, tanto para o cultivo convencional
quanto para o cultivo mínimo. Normalmente, a adubação é quase que
exclusivamente feita por adubos minerais, com tendência crescente
de utilização de adubos orgânicos. No controle de pragas e doenças,
os produtores utilizam grande diversidade de agrotóxicos, visando à
proteção das mudas, sem a preocupação da especificidade do
produto e da dosagem. Mais de 90% dos produtores utilizam
herbicidas para o controle das plantas daninhas, complementado-o
com a prática de capinas manuais.
Na segunda etapa, que inicia com o transplante das mudas, ocorre
uma diferenciação entre os dois sistemas de produção.
No sistema convencional, a utilização da análise do solo como prática
de orientação para correção e fertilização é pouco utilizada. A maioria
das áreas cultivadas com cebola ainda carece de um sistema
integrado de conservação do solo e água. A rotação de culturas é
uma prática que poucos fazem. Aproximadamente 15% dos
produtores utilizam adubação verde para ser incorporada por ocasião
da aração do solo. Geralmente o solo é extremamente pulverizado
para facilitar o transplante das mudas, que é realizado manualmente.
O preparo da linha para o transplante é realizado, basicamente, de
três formas:
Instituto Cepa/SC
28
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
utilizando a semeadeira-adubadeira de tração animal que sulca,
aduba e prepara as linhas para o transplante;
através do uso de enxada-rotativa adaptada com "kit” para plantio
direto, com o preparo de duas linhas simultaneamente;
abertura manual do sulco ou cova, geralmente em favor da
declividade, nas áreas declivosas (esta prática é utilizada somente no
município de Alfredo Wagner).
Normalmente, a adubação com Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio
(K) - (NPK) - é realizada na base, nas linhas de plantio e com
aplicação de N em cobertura, aos 45-60 dias após o transplante, mas
alguns produtores também utilizam NPK em cobertura. O uso de
adubação orgânica, na forma de esterco, ainda é uma prática pouco
utilizada, mas que está em franca expansão.
Os espaçamentos normalmente utilizados são de 40 a 60 centímetros
entre linhas e 10 centímetros entre plantas, perfazendo uma
densidade populacional de 150 mil a 250 mil mudas por hectare.
O controle das plantas daninhas é realizado através do uso de
herbicidas seletivos para a cebola e/ou com capinas manuais e com
capinadeira de tração animal. Com referência a pragas, a que causa
maior dano e a mais freqüente é a trips (Thrips tabaci Lind.), cujo
controle é feito com inseticidas específicos. As doenças de maior
incidência são: o míldio (Peronospora destructor), a alternária
(Alternaria porri), a raiz rosada (Pyrenochaeta terrestris) e,
recentemente, a antracnose foliar (Colletotrichum gloeosporióides sp.
Cepae). Normalmente, o agricultor só faz aplicações de fungicidas
quando as doenças aparecem.
Um dos graves problemas observados na pulverização e manejo de
agrotóxicos é a não-utilização dos equipamentos de proteção
individual, o que tem causado freqüentes intoxicações.
Após a bulbificação, quando a cebola apresenta tombamento da haste
(estalo) em mais de 40% da lavoura, os agricultores normalmente
realizam a colheita. Depois é feita a pré-cura, a campo, em leiras,
prática pela qual os bulbos são cobertos com as próprias folhas para
protegê-los dos raios do sol. Em seguida, a cebola é recolhida e
transportada, em sacos plásticos ou caixas, para os armazéns, onde
aguarda a comercialização.
Instituto Cepa/SC
29
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
O sistema de produção de cultivo mínimo, que vem sendo adotado
nos últimos 15 anos, difere do anterior no preparo do solo, na
adubação e no controle das plantas daninhas. Atualmente, é praticado
por aproximadamente 40% a 50% dos produtores.
Neste sistema, o preparo do solo é realizado com antecedência,
através do plantio de espécies vegetais para cobertura, sendo as mais
utilizadas a aveia preta, a mucuna, a ervilhaca, o capim-doce ou o
consórcio milho+mucuna. Dias antes do transplante, é feito
dessecamento da cobertura verde através de herbicidas e,
posteriormente, o acabamento com rolo-faca. Em seguida, é utilizada
a rotocaster, ou microtrator com enxada rotativa adaptada, para
incorporar o adubo e preparar a linha de transplante. Na seqüência,
faz-se o plantio manual das mudas; o espaçamento entre linhas
depende da distância entre os conjuntos das enxadas rotativas do
equipamento utilizado, que, na maioria dos casos, está ajustado para
40 ou 50 cm, perfazendo a densidade populacional de 200 mil a 250
mil plantas por hectare. As quantidades de adubo mineral usadas são
as mesmas do sistema convencional. Todas as demais práticas
culturais são idênticas às do sistema de produção convencional.
Além destas práticas de cultivo, muito recentemente - no intuito de
tornar a atividade mais competitiva, sobretudo frente à cebola
importada da Argentina -, tem-se trabalhado intensamente em mais
um sistema de produção, qual seja, o de semeadura direta.
Alguns cebolicultores da principal região produtora do estado também
têm investido na introdução das máquinas de alta precisão de
semeadura direta, as quais permitem um maior adensamento de
plantas por unidade de área e, conseqüentemente, uma maior
produtividade e produção por hectare cultivado.
Muitos produtores, especialmente os que dispõem de áreas com
topografia mais favorável, investem nesta nova técnica de cultivo, já
se registrando, na região, mais de uma dezena de máquinas de
semeadura direta, de alta precisão. Estima-se que cerca de 5% do
total da área cultivada com cebola no estado já seja implantada pela
adoção desta nova tecnologia.
Nos últimos anos, também nos cultivos tradicionais, os produtores
registraram um maior adensamento de plantas por hectare cultivado,
resultando em ganhos de produtividade para o setor.
Instituto Cepa/SC
30
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Estas operações estão detalhadas na publicação da Epagri intitulada
Sistema de Produção para a Cebola – Santa Catarina, cuja terceira
edição foi revisada e publicada em 2000.
2.2 O PROCESSO DE COLHEITA, CURA E ARMA ZENAMENTO
A cebola, como as demais hortaliças, é um produto altamente
perecível, o que determina pesadas perdas pós -colheita se não forem
devidamente observadas as técnicas de produção, o ponto de
colheita, uma adequada cura, um eficiente sistema de
armazenamento, os cuidados no manuseio e no transporte, etc.
Todos estes fatores integrados são importantes e interferem na
conservação e na qualidade final do produto, haja vista que os bulbos
são estruturas vivas; mesmo depois de colhidos, continuam os seus
processos fisiológicos.
Em Santa Catarina, a colheita da cebola normalmente ocorre de
novembro a meados de janeiro, com conc entração no mês de
dezembro. A colheita é um dos principais fatores a influir na qualidade
do produto, no período de armazenamento. O bulbo é colhido quando
alcança a maturidade fisiológica, que é manifestada pelo tombamento
ou estalo da planta, devido ao murchamento do pseudocaule. Esta é a
principal indicação de que o bulbo pode ser colhido. Quando a
maturação é desigual, recomenda-se iniciar a colheita quando a
lavoura apresenta mais de 10% de plantas estaladas, desde que os
bulbos estejam bem formados.
Em alguns casos, quando o estalo das plantas não ocorre
naturalmente e a lavoura se apresenta bem desenvolvida, com
produção de bulbos médios e grandes, é provocado o tombamento da
folhagem com rolo de madeira, mangueira de água ou outro
equipamento que não cause danos aos bulbos. O tombamento evita o
acúmulo de água no pseudocaule das plantas, tornando o processo
de cura mais rápido e eficiente, reduzindo a incidência de doenças
pós-colheita.
A cura dos bulbos é providenciada, geralmente, após a colheita. O
processo pode ser natural ou artificial e consiste na secagem das
películas externas (catáfilas) e do pseudocaule (pescoço), tornando o
bulbo mais resistente a danos e a infeções por microorganismos,
Instituto Cepa/SC
31
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
melhorando a qualidade comercial da cebola e aumentando
período de conservação.
seu
A cura serve para eliminar a umidade externa dos bulbos e para secar
as partes verdes, tornando o colo bem-fechado, reduzindo a
respiração e proporcionando a cor característica de cada variedade de
cebola. Bulbos bem-curados podem ser armazenados por longo
período de tempo e transportados a longas distâncias, enquanto a
cebola colhida prematuramente, ou que foi mal-curada, é de difícil
conservação durante o transporte e o armazenamento.
A cura natural é feita no campo, por um período de três a dez dias,
dependendo do tempo. Por ocasião da colheita, os agricultores
deixam os bulbos em molhes sobre o chão, amontoados em fileiras,
com as folhas de uns cobrindo os outros, para protegê-los da
insolação direta, evitando, assim, o desenvolvimento de pigmentação
verde e queimaduras.
Depois de curada a campo, a cebola é recolhida geralmente pela
manhã, quando os bulbos estão mais frios. Para seu transporte até o
armazém, são utilizadas, de preferência, caixas plásticas ou, na falta
destas, sacos que permitam a ventilação. No armazém, a cura se
completa em poucas semanas, obtendo-se um produto seco e de
melhor coloração e facilmente conservado.
Após a cura, os bulbos podem ser imediatamente comercializados ou,
então, armazenados em condições adequadas, para aguardar o
momento oportuno de venda.
A capacidade de conservação dos bulbos no armazenamento
depende do manejo e dos tratos culturais da lavoura no campo, das
condições climáticas durante a colheita, da cura e do manuseio após
a colheita. Bulbos provenientes de lavouras que tiveram severos
ataques de pragas e doenças, ou que apresentem traumatismos
devido ao manejo inadequado antes ou depois da colheita, estão
sujeitos a uma má conservação no armazenamento.
Bulbos grandes, florescidos, ou com pescoço grosso, não se
conservam bem e são eliminados antes da armazenagem, pois
apodrecem e estragam também os bulbos sadios. Bulbos colhidos e
curados com chuva dificilmente se conservam adequadamente, pois
vêm do campo para o armazém com uma maior carga microbiana.
Instituto Cepa/SC
32
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Nas operações de colheita, transporte e carregamento do armazém
há necessidade do máximo cuidado para não machucar a cebola,
nem mesmo romper a película, pois qualquer ferimento ou abertura na
casca servirá de porta de entrada para contaminação de
microorganismos que vão provocar apodrecimentos, principalmente a
“camisa d’água”, que provoca apodrecimento da parte externa do
bulbo.
As cultivares normalmente utilizadas no Alto Vale do Itajaí, em Santa
Catarina, assim como as plantadas no Rio Grande do Sul e no Paraná
são naturalmente resistentes à armazenagem e podem ser bemconservadas por quatro a cinco meses no sistema convencional de
armazenamento em estaleiros. Em outros estados, como São Paulo,
Minas Gerais, Bahia e Pernambuco, são utilizadas cultivares de
menor teor de matéria seca, que não podem ser armazenadas por
muito tempo, porque apodrecem facilmente.
As construções usadas para o armazenamento da cebola variam
desde galpões abertos, cuja única finalidade é proteger os bulbos da
chuva e do sol, até as construções equipadas com controle de
ventilação e temperatura. Nos galpões tradicionais, os bulbos são
colocados a granel sobre estaleiros, deixando espaços entre os
ripados que sustentam as camadas, para permitir a livre passagem do
ar. O espaço entre um estaleiro e outro é, geralmente, de 50
centímetros de altura. A cebola é depositada sobre os estaleiros, em
camadas, permanecendo assim até a comercialização.
Independentemente das condições de armazenamento, a duração
máxima de conservação dos bulbos fica limitada pela perda de peso
(desidratação), flacidez (falta de turgescência), doenças, brotação e
enraizamento, as quais ocorrem com maior ou menor intensidade de
acordo com as mudanças climáticas que acontecem desde a colheita
até a comercialização da cebola, por causa das mudanças das
estações do ano (verão – outono – inverno).
3 COMERCIALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM
3.1 COMERCIALIZAÇÃO
O crescimento registrado na produção catarinense de cebola nos
últimos anos, com excedentes exportáveis crescentes a cada ano, os
Instituto Cepa/SC
33
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
quais, em períodos recentes, superaram o elevado montante de 300
mil toneladas, resultou num aumento da oferta interna do produto.
Diante de um quadro de consumo estabilizado (estimado entre 70 mil
e 80 mil toneladas/mês), face à perda do poder de compra da
população e à abertura do mercado brasileiro aos demais países do
Mercosul (o qual resultou na importação de expressivas quantidades
do produto argentino), a comercialização do produto no mercado
interno brasileiro tem apresentado alguns contratempos, provocando,
por vezes, valores de venda em nível de produtor inferiores aos das
expectativas.
Nos dois últimos anos, em função das mudanças no câmbio, que
resultaram na desvalorização do real frente ao dólar, as compras
externas, de certa forma, foram dificultadas em vista do
encarecimento do produto, registrando-se sensível diminuição dos
volumes importados anualmente pelo Brasil. Não houve, todavia,
interrupção definitiva das aquisições, as quais sempre ocorrem, em
maior volume, quando o preço do produto nacional é elevado,
principalmente nos momentos de déficit. Como exemplo, pode-se citar
a situação normalmente registrada nos últimos anos, qual seja, que os
importadores brasileiros normalmente iniciam as operações de
comércio exterior quando os preços internos atingem valores entre
R$ 0,60 e R$ 0,70/kg no mercado atacadista.
Cabe ainda registrar que os valores de mercado do produto importado
sempre se apresentam, conforme demonstrado no gráfico 8, em
patamar substancialmente maior que o registrado para o produto
nacional, seja em virtude dos elevados gastos despendidos para a
sua internalização no País, especialmente os custos do transporte
rodoviário, seja pelo melhor padrão de qualidade e tipificação do bulbo
de procedência exterior.
Instituto Cepa/SC
34
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
GRÁFICO 8 - CEBOLA - PREÇOS MÉDIOS MENSAIS NA
CEAGESP - 2001
25,00
20,00
15,00
10,00
5,00
0,00
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
(mês de comercialização)
FONTE: Ceagesp.
nacional
importada
A disponibilidade de bulbos produzidos nos demais estados da Região
Sul, onde o período de comercialização coincide com o de venda de
Santa Catarina, provoca também, em determinados períodos, um
excesso de oferta do produto no País e gera, conseqüentemente,
enormes dificuldades no escoamento da safra. Como decorrência,
agravam-se os problemas relacionados à comercialização,
acarretando redução dos valores médios mensais de venda, perdas
de produção no processo pós-colheita e prejuízos financeiros aos
produtores.
O comportamento dos preços médios mensais de comercialização,
registrados nos últimos anos na Ceagesp, é mostrado no gráfico 9.
Instituto Cepa/SC
35
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
GRÁFICO 9 - CEBOLA - PREÇOS MÉDIOS MENSAIS NA
CEAGESP
18,00
16,00
14,00
12,00
10,00
8,00
6,00
4,00
2,00
0,00
Jan
Fev
Mar
A b r
M a i
Jun
Jul
(mês)
FONTE: Ceagesp.
A g o
Set
Out
N o v
1999
Dez
2000
2001
Apesar de não se dispor de n
i formações precisas acerca do descarte
de produto no processo pós-colheita e de armazenamento da cebola
em Santa Catarina, estima-se que, dependendo do ano, possa chegar
a 30% do total da produção colhida.
Por esta razão, nas últimas safras, a disponibilidade líquida do bulbo
catarinense destinado à comercialização em todos os estados
brasileiros foi estimada entre 260,0 mil e 320,0 mil toneladas, ou seja,
um volume correspondente a cerca de 29,0% a 35,0% da demanda
prevista em nível nacional.
Os valores de comercialização recebidos pelos produtores locais, não
obstante o crescimento registrado nas últimas safras nos custos de
produção do bulbo, têm-se mostrado extremamente atrativos, de vez
que permitiram uma remuneração superior a 50,0% sobre os custos
de implantação da cultura.
O comportamento dos preços médios anuais recebidos pelos
agricultores locais nas últimas campanhas é mostrado no gráfico 10.
A oferta catarinense de cebola aos grandes centros de consumo do
País ocorre, em geral, no período compreendido entre os meses de
novembro e junho. Mantidas as exceções determinadas pelo mercado
no momento da venda do produto, próprias
de cada ano de
comercialização, normalmente obedece ao escalonamento mensal
demonstrado na tabela 9.
Instituto Cepa/SC
36
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
(R$/sc de 20 kg)
GRÁFICO 10 - CEBOLA - PREÇOS MÉDIOS RECEBIDOS PELOS
PRODUTORES - SANTA CATARINA
SAFRAS 94/95 - 00/01
15,00
10,00
5,00
0,00
94/95
95/96
FONTE: Instituto Cepa/SC.
96/97
97/98
98/99
99/00
00/01
(Safra)
TABELA 9 - CEBOLA – PERCENTUAL DE ESCALONAMENTO MENSAL DE OFERTA DE
CEBOLA EM SANTA CATARINA
MÊS
ESCALONAMENTO MENSAL
Outubro
1,0
Novembro
8,0
Dezembro
15,0
Janeiro
17,0
Fevereiro
20,0
Março
20,0
Abril
13,0
Maio
5,0
Junho
1,0
TOTAL
100,0
FONTE: Instituto Cepa/SC.
A comercialização da cebola no estado realiza-se através de
atacadistas da região produtora ou de outros estados, além de
cooperativas de produtores ou através da venda direta pelos próprios
produtores.
O destino da produção local obedece, em geral, à distribuição
mostrada na tabela 10 e no fluxograma da figura 3, conforme o agente
de comercialização.
Instituto Cepa/SC
37
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
TABELA 10 - CEBOLA - AGENTES DE COMERCIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA 1996
DESTINO DA PRODUÇÃO
(%)
Consumo no estabelecimento
1,0
Entregue a indústria
0,5
Entregue a atacadistas locais
70,0
Entregue a atacadistas de outros estados
27,2
Venda direta ao consumidor
1,3
FONTE: IBGE.
FIGURA 3 - FLUXOGRAMA DOS CANAIS DE COMERCIALIZAÇÃO DA CEBOLA DE SANTA
CATARINA
PRODUTOR
VENDA DIRETA DO CONSUMIDOR
ATACADISTAS
COOPERATIVA
IINDÚSTRIA
ATACADISTAS DOS
GRANDES CENTROS
CONSUMIDORES
ATACADISTAS DOS
OUTROS CENTROS
CONSUMIDORES
• COLHEITA E PRÉ-CURA
• RECOLHIMENTO
• CURA
• LIMPEZA E PRÉ-ESCOLHA
• CORTE DO TALO
• ENSACAMENTO
• CARGA
• TRANSPORTE
• DESCARGA
COLETA
• LIMPEZA
• PADRONIZAÇÃO
• CLASSIFICAÇÃO
• ENSACAMENTO
BENEFICIAMENTO
• CARGA
• TRANSPORTE
TRANSPORTE PARA
MERCADO
• DESCARGA
• CONSIGNAÇÃO
• CORRETAGEM
• VENDA
• EMBALAGEM
•EM
CARGA
OPERAÇÃO
COMERCIAL
• TRANSPORTE
SUPERMERCADOS
FEIRAS LIVRES
ARMAZÉNS
QUITANDAS
AMBULANTES
CONSUMIDOR
Instituto Cepa/SC
• DESCARGA
• OPERAÇÃO COMERCIAL
• EMBALAGEM
• CARGA
• TRANSPORTE
• DESCARGA
• OPERAÇÃO COMERCIAL
• EMBALAGEM
38
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
3.2 CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM
As normas de identidade, qualidade, acondicionamento, embalagem e
apresentação da cebola, atualmente em vigor no Mercosul, foram
estabelecidas pelo Ministério da Agricultura e Abastecimento, através
da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária, Departamento
Nacional de Produção e Defesa Agropecuária, e constam da Portaria
Ministerial de N.º 529, de 18/8/95, publicada no Diário Oficial da União
em 1º/9/95 (Anexo 1).
Estas normas têm por objetivo definir as características de identidade,
qualidade, acondicionamento, embalagem e apresentação da cebola
destinada ao consumo in natura , a ser comercializada entre os
países-membros do Mercosul, bem como no mercado interno.
Os mercados dos grandes centros consumidores estão cada vez mais
exigentes quanto aos aspectos de apresentação do produto. Assim,
aos poucos, os fornecedores, tanto os produtores quanto os
distribuidores (comerciantes atacadistas), estão se adaptando à
legislação em vigor.
Dentro deste enfoque, a Associação Nacional dos Produtores de
Cebola – Anace -, a Associação dos Produtores de Cebola do Médio
São Francisco – Aprocesf -, a Associação Catarinense dos Produtores
de Cebola – Acaproce -, a Associação dos Produtores de Cebola de
Santa Catarina – Aprocesc -, a Associação dos Cebolicultores do Vale
do Rio Pardo/SP – Acevarp -, em reunião nacional realizada no dia 23
de fevereiro de 2000, em Juazeiro, na Bahia, aprovaram a norma de
classificação do Programa Brasileiro de Melhoria dos Padrões
Comerciais e Embalagens de Hortigranjeiros, desenvolvido pela
Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São
Paulo – Ceagesp -, e admitiram um ano de prazo para adequação das
máquinas de classificação do produto.
Recentemente, mais precisamente no mês de agosto/01, em
solenidade promovida na região produtora de Piedade, em São Paulo,
foi realizado o lançamento oficial do novo padrão da cebola para
1
comercialização no mercado interno .
1
A proposta de alteração da portaria em vigor está no anexo II.
Instituto Cepa/SC
39
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Os novos padrões não contradizem, mas alteram ligeiramente as
normas constantes da Portaria nº 529, de 18 de março de 1995, do
Ministério da Agricultura e do Abastecimento, atualmente em vigor no
Brasil e nos demais países do Mercosul, especialmente nos itens
relativos a “classes ou calibres” e “tipos”, assim como no aspecto
relativo aos percentuais de defeitos (graves e leves) porventura
encontrados nos bulbos a serem comercializados.
Pelas novas normas, a cebola passa a ser classificada em sete
classes, de acordo com o maior diâmetro transversal do bulbo.
É permitido, dentro de uma mesma embalagem, misturar até 10% de
bulbos de classe imediatamente superior ou inferior à classe indicada
no rótulo da embalagem.
Com relação ao “tipo” ou “categoria”, os novos padrões classificam a
cebola em Extra, Categoria I, Categoria II e Categoria III, conforme o
maior ou menor percentual de defeitos graves e/ou leves.
A norma de classificação de cebola é o seu instrumento de
caracterização, a sua linguagem de qualidade. A adoção das novas
normas pelos produtores é um passo imprescindível para a utilização
de métodos modernos de comercialização; é necessário para a
construção de um sistema confiável de informação de mercado; é
requerido para a adequada destinação do produto, cada qual para o
seu nicho de mercado; é indispensável para a transparência na
comercialização e para a promoção comercial do produto. É, por fim,
o caminho correto para uma maior agregação de valor ao produto,
assim como para tornar o setor ainda mais competitivo. Se
devidamente aplicada, proporcionará a solução para muitos dos
problemas que afetam a qualidade da cebola proveniente da
agricultura familiar.
4 CUSTOS DE PRODUÇÃO
Os custos de produção da cebola catarinense contemplam a
remuneração de todos os fatores de produção utilizados pelos
agricultores, de forma que podem ser também analisados, em termos
comparativos, com o custo de produção de outros estados brasileiros
e, também, com o custo dos demais países do Mercosul.
Instituto Cepa/SC
40
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Para a composição dos custos de produção são considerados os
custos variáveis (insumos e serviços ) e os custos fixos. No entanto,
este cálculo representa uma média dos sistemas de produção mais
utilizados na região ceboleira, pois há uma grande variação entre as
propriedades, tanto do ponto de vista agronômico como em termos
quantitativos, e foram determinados considerando-se o registro de
condições climáticas normais para o desenvolvimento da cultura.
Para efeito de ilustração, apresenta-se, no gráfico 11, o percentual de
custo dos principais insumos e fatores de produção despendidos na
implantação de um hectare de cebola em Santa Catarina. Considerouse um cultivo tradicional, com produtividade média de 15.000 kg/ha,
ou seja, um campo produtivo representativo da cultura regional.
GRÁFICO 11 - CEBOLA - CUSTO DE PRODUÇÃO SANTA CATARINA - MARÇO/02
Custos
Muda
Fixos
O. Custos
11%
12%
Adubos e
corretivos
7%
13%
Op.
máquinas
Defensivos
8%
21%
Mão-de-obra
Fonte: Instituto Cepa/SC.
28%
INDICADORES:PRODUTIVIDADE LÍQUIDA: 15 t/ha (750 sc)
Custo Total/ha - R$ 3.037,90
Receita Bruta/ha - R$ 4.908,75
Custo Variável/ha - R$ 2.675,05
Receita Líquida/ha - R$ 1.870,85
Custo Unitário/sc - (R$ 4,05)
Receita Líquida/sc - (R$ 2,49)
Custo Unitário/kg - (R$ 0,20)
Receita Líquida/kg - (R$ 0,12)
Na tabela 11 são apresentados três custos de produção para Santa
Catarina, os quais contemplam os sistemas de produção vigentes na
principal região produtora do estado.
Os custos de produção dos demais países do Mercosul (Argentina,
Uruguai e Paraguai) são ligeiramente inferiores aos custos dos
estados brasileiros porque esses países produzem em regiões menos
exigentes em insumos, principalmente agrotóxicos e fertilizantes, os
quais encarecem a produção. No Brasil, principalmente na Região
Sul, é necessário utilizar grandes quantidades de adubos para
Instituto Cepa/SC
41
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
melhorar a fertilidade do solo e grande quantidade de agrotóxicos,
principalmente de fungicidas, para proteger as lavouras contra as
doenças foliares, por causa do clima úmido.
TABELA 11 – CEBOLA - CUSTO MÉDIO DE PRODUÇÃO PARA OS PRINCIPAIS SISTEMAS
UTILIZADOS EM SANTA CATARINA – MARÇO/02
SISTEMA DE PRODUÇÃO UTILIZADO
UNIDADE
Cultivo
Cultivo
DISCRIMINAÇÃO
Cultivo
Mínimo
DE
Mínimo
Mínimo
MEDIDA
(Microtrator
(Trator)
(Trator)
1 - Caracterização:
1.1 Área média cultivada
ha
2
8
1.2 Rend. médio estimado
kg/ha
15000
25000
35000
2 - Planilha de custos
2.1 Custos variáveis
R$/ha
2.675,05
4.371,99
5.544,84
Insumos
R$/ha
1.393,87
1.728,71
2.146,54
Mão-de-obra
R$/ha
816,62
1.075,97
1.461,67
Serviços mecânicos
R$/ha
246,91
1.025,42
1.223,70
Despesas gerais
R$/ha
24,57
38,30
48,32
Assistência técnica
R$/ha
0,00
77,37
97,60
Juro sobre financiamento
R$/ha
66,02
180,42
227,61
Juro sobre capital de giro
R$/ha
0,00
34,04
42,95
Despesas comercialização
R$/ha
127,05
211,75
296,45
2.2 Custos fixos
R$/ha
362,85
519,20
649,65
Manutenção de benfeitorias
R$/ha
10,43
13,04
17,67
Depreciação de benfeitorias
R$/ha
37,54
46,93
63,62
Impostos e taxas
R$/ha
9,49
9,49
9,49
Remun. do capital fixo
R$/ha
34,41
43,02
58,31
Mão-de-obra fixa
R$/ha
214,00
349,76
443,59
Remuneração da terra
R$/ha
56,96
56,96
56,96
2.3 Custo total
R$/ha
3.037,90
4.891,19
6.194,49
3 – Dados para análise
Custo variável médio
R$/sc 20kg
3,57
3,50
3,17
Custo fixo médio
R$/sc 20 kg
0,48
0,42
0,37
Custo total médio
R$/sc 20 kg
4,05
3,91
3,54
Custo final por kg
R$/kg
0,2025
0,1955
0,1770
FONTE: Instituto Cepa/SC.
8
Na tabela 12 são apresentados os custos de produção estimados para
os principais es tados produtores do Brasil e os países do Mercosul.
A redução do custo de produção da cebola pode ser conseguida por
meio do aumento de produtividade, o que já vem sendo feito
gradualmente. Na safra 98/99 houve um incremento do rendimento
médio de cerca de 50%, chegando a 16,0 t/ha e, na safra 99/00, mais
um acréscimo de 17,7%, chegando a 18,8 t/ha. Além disso, as
propriedades agrícolas que investiram em tecnologia nas últimas
safras têm obtido produtividade de 40 a 60 t/ha em lavouras
experimentais e de 20 a 40 t/ha em lavouras comerciais.
Instituto Cepa/SC
42
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
TABELA 12 - CEBOLA – CUSTO MÉDIO DE PRODUÇÃO NOS PRINCIPAIS ESTADOS
BRASILEIROS E NOS PAÍSES DO MERCOSUL
ESTADO/PAÍS
Santa Catarina
Rio Grande do Sul
Paraná
São Paulo
Argentina
Uruguai (2)
Paraguai (2)
CUSTO
(R$/kg)
0,20
0,20
0,20
0,20
0,07 (1)
0,07 (1)
0,07 (1)
FONTE: Instituto Cepa/SC, Emater/RS, Deral/PR, Cati/SP, Cadena Agroalimentaria de Cebolla Fundação IDR – Instituto Desarollo Rural – Mendoza/Argentina.
(1)
(2)
Valor em US$.
Valores projetados pelo Icepa/SC.
5 FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DA CEBOLA
5.1 IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES
Na análise global e integrada da atividade, predominam diversos
fatores que, isoladamente ou em conjunto, afetam a qualidade da
cebola na agricultura familiar catarinense. Estes fatores ocorrem, tanto
em nível da propriedade agrícola quanto a montante e a jusante da
propriedade.
Muitos destes fatores já foram levantados pelo grupo de trabalho
coordenado pela Epagri, na elaboração do Estudo da Cadeia
Produtiva da Cebola. Pela complexidade destes fatores, para fins de
análise, eles são agrupados de acordo com o âmbito, podendo ser:
político, social, ambiental, econômico e técnico.
No âmbito político, o setor ceboleiro carece de políticas próprias,
princ ipalmente no que se refere a:
• dificuldade de planejamento da produção;
• dificuldade de fiscalização da aplicação das normas e
padrões de classificação;
• falta de crédito rural (custeio e investimentos), visando à
adoção de tecnologias que proporcionem redução do custo
de produção e melhoria da qualidade;
• falta de um seguro da produção.
Instituto Cepa/SC
43
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Dentro do contexto social, destacam-se:
• baixo nível de escolaridade dos produtores, dificultando o
entendimento e a adoção de novas tecnologias, bem como a
sua própria organização e o associativismo;
• falta de políticas públicas adequadas para a saúde na zona
rural;
• idade média avançada dos produtores.
Do ponto de vista ambiental, destacam-se:
• predominância de minifúndios montanhosos, que, com a
mecanização excessiva e inadequada, têm acelerado a
erosão, assoreando e poluindo os rios, com impacto
negativo para o meio ambiente;
• clima excessivamente úmido, que induz ao uso intensivo,
inadequado e abusivo de agrotóxicos para a proteção das
lavouras;
• grande quantidade de descarte durante o armazenamento,
principalmente por apodrecimento, bem como os resíduos
do beneficiamento, que se tem constituído numa fonte
poluidora dos rios;
• destino inadequado das embalagens de agrotóxicos, que
contribuem para o desequilíbrio e a poluição ambiental e
causam intoxicações nos agricultores;
• insustentabilidade do atual modelo produtivo pelo excessivo
uso de insumos.
Do ponto de vista econômico há:
• falta de controle, por parte do agricultor, dos preços pagos
pelos insumos e dos preços recebidos pela produção;
• concentração da produção no período de comercialização
da safra catarinense;
• falta de uma estrutura eficiente de distribuição de energia
elétrica que permita eficiência nos sistemas de irrigação e de
armazenamento;
• falta de uma estrutura eficiente de telefonia rural;
• risco de calote, uma vez que a maioria das transações
comerciais é feita informalmente, para pagamento a prazo,
num período que varia de 30 a 40 dias.
Do ponto de vista técnico, os principais fatores são:
• falta de um planejamento de safra, tanto no nível nacional,
quanto no estadual e nas propriedades agrícolas;
Instituto Cepa/SC
44
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
• falta de um programa específico de irrigação e de um
sistema eficiente de armazenagem;
• falta de profissionalização do produtor;
• inexistência de uma padronização nacional das normas de
produção de sementes, que é o principal insumo produtivo;
• custo elevado de máquinas e equipamentos;
• baixa adoção de tecnologia adequada ao desenvolvimento
sustentável.
Do ponto de vista técnico-científico, há ainda a considerar: a
necessidade urgente de um arrojado trabalho na área de
melhoramento e de produção de sementes, objetivando desenvolver
cultivares adequadas às mais diversas exigências de mercado, tais
como cultivares com fins industriais, destinadas à exportação, ou
ainda cultivares de cebola doce; o desenvolvimento de cultivares
tolerantes ou resistentes ao ataque das principais doenças e pragas; a
utilização da biotecnologia no processo de melhoramento; a
introdução de novos materiais como fonte de melhoria genética.
Há, também, carência de informações tecnológicas e, portanto,
necessidade premente de parâmetros de soluções nas seguintes
áreas: uso correto da irrigação, ajustes dos níveis e épocas de
adubação, desenvolvimento de tecnologias não-agressivas ao meio
ambiente no manejo de pragas, doenças e plantas daninhas,
desenvolvimento de maquinário apropriado para o preparo do solo,
transplante de mudas, colheita e beneficiamento dos bulbos, pesquisa
no uso e manejo do plantio direto e adubos orgânicos, definição do
ponto ideal de colheita, pesquisa na área de armazenamento e
manejo do produto, desenvolvimento de pesquisas na área
mercadológica, especialmente naquelas voltadas à qualidade do
bulbo e à agregação de valor final ao produto.
5.2 PROPOSIÇÕES PARA A SUPERAÇÃO DOS PRINCIPAIS
FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DA CEBOLA
CATARINENSE
As informações referentes ao levantamento dos fatores que afetam a
qualidade da cebolicultura catarinense permitem propor ao setor
produtivo sugestões visando à melhoria da qualidade dos bulbos e,
ao serviço público, sugestões para elaborar políticas públicas de apoio
à agricultura familiar.
Instituto Cepa/SC
45
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Em uma abordagem genérica acerca dos entraves inerentes à
cebolicultura do estado, pode-se concluir que as oportunidades que se
apresentam para a cebola catarinense são melhorar a qualidade e
reduzir custos, para que se consolide no mercado nacional e se
projete no âmbito internacional. Além disso, estratégias de marketing,
com inovações na forma de apresentação do produto ao consumidor
final, desenvolvendo embalagens menores e mais atrativas,
juntamente com a promoção de campanhas que visem ao aumento do
consumo “per cápita”, explorando as qualidades nutricionais e
medicinais do bulbo e viabilizando formas de industrialização da
cebola, são alternativas que se apresentam.
Deve, também, ser considerada a produção de cebola orgânica,
visando atender às novas demandas da sociedade por produtos
naturais, de maior valor agregado e a produção de variedades
diferenciadas, como a branca e a roxa, que apresentam nichos
específicos de mercado bastante atraentes.
A maioria dos problemas enfrentados pelo setor produtivo para a
melhoria da qualidade poderia ser superada através do
associativismo, do cooperativismo e da profissionalização dos
produtores. Os agricultores, individualment e, enfrentam muitas
dificuldades que poderão ser resolvidas mediante o trabalho em
grupo, principalmente para o comércio dos insumos e da produção.
No entanto, a Cravil, que é a cooperativa que cobre a área da cebola
e que atendia aos cebolicultores da região produtora, recentemente se
retirou do setor devido à falta de demanda. Os agricultores preferem
adquirir os insumos para a produção através da infra-estrutura de
comércio instalada na região e entregar sua produção aos
intermediários e distribuidores, que na época da safra se instalam na
região para o comércio da cebola.
Desta forma, os produtores passam a depender de decisões
tomadas a montante e a jusante das propriedades; na maioria das
vezes, adquirem os insumos a preços extremamente altos (muito valor
agregado) e vendem a produção por preços baixos (sem nenhum
valor agregado), tornando-se reféns do sistema. Com isso, acabam
desestimulados e não prezam pela qualidade do produto ofertado ao
mercado.
Especificamente, devem ainda ser enfocados os seguintes aspectos:
• No âmbito político e ambiental:
Instituto Cepa/SC
46
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
-
-
-
-
-
-
maior entrosamento entre a associação nacional e as
associações estaduais de cebola, objetivando planejar a
produção interna de forma a possibilitar safras estaduais
solidárias, com menor déficit e excesso de oferta e,
conseqüentemente,
menores
prejuízos
ao
setor
decorrentes de financiamentos improdutivos, oscilações
de preços de mercado ou das elevadas perdas
normalmente registradas em nível de produtor;
maior envolvimento do Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento e das empresas públicas estaduais no
cumprimento efetivo das normas de padrão de
classificação e de comercialização interna do produto;
criação de linhas específicas de crédito de investimento
para a geração e difusão de novas tecnologias de
produção para elevar os atuais índices de produtividade e
de qualidade do produto;
implantação de linhas de crédito para a melhoria da infraestrutura do setor primário, assim como para a instalação
de agroindústrias para beneficiamento e industrialização
do excedente de produção;
disponibilização de linha de crédito específica para
promover a reconversão do setor, pelo grande número de
pequenos produtores que certamente deverá ser excluído
da atividade em razão da ineficiência produtiva,
determinada pelas condições de topografia da
propriedade e pela escassez de recursos necessários à
adoção de melhores tecnologias produtivas e de
comercialização;
intensificação da assistência técnica aos agricultores
catarinenses.
• No âmbito econômico e técnico:
- buscar soluções agrícolas substitutivas da cultura da
cebola e estimular os produtores para esse
direcionamento, haja vista o excedente de produção da
Região Sul do Brasil;
- buscar novas alternativas de mercado para a produção
catarinense;
- direcionar a pesquisa e a assistência técnica para a
produção de cebolas através de métodos agroecológicos
ou orgânicos, livres de agrotóxicos, visando atender a
Instituto Cepa/SC
47
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
-
-
nichos específicos de consumidores, assim como para
suprir a demanda cada vez maior deste tipo de produto;
maior envolvimento da pesquisa e da extensão rural para
o fim de agilizar tecnologias que garantam a melhoria da
qualidade, da apresentação do produto e do aumento da
produtividade, através da melhoria genética de cultivares
disponíveis e do desenvolvimento de novas cultivares;
direcionar a pesquisa para a obtenção de tecnologias
poupadoras de insumos, de redução do uso de
agrotóxicos e de melhor utilização do solo e da água,
promovendo uma maior proteção ao meio ambiente e
produção de maior valor nutricional.
A elaboração de políticas públicas para o apoio aos cebolicultores em
especial, e à agricultura familiar catarinense em geral, envolve a
disponibilidade de crédito para custeio e investimentos em infraestrutura na propriedade agrícola, em quantidade adequada e na
época oportuna. Afinal, além da terra e da mão-de-obra, o agricultor
precisa de dinheiro para poder produzir. Desta forma, o crédito rural
visa a disponibilizar recursos financeiros com baixas taxas de juros,
para atender à demanda de custeio e investimentos para a
implantação e/ou ampliação de atividades geradoras de renda e
agregadoras de valor.
Além do financiamento da produção e da infra-estrutura para o
beneficiamento e a comercialização, também são necessários os
componentes de apoio tecnológico e capacitação gerencial dos
agricultores, para melhorar a viabilidade da produção. O objetivo é,
basicamente, aprimorar os conhecimentos e habilidades profissionais
de agricultores, técnicos, lideranças, comerciantes e demais atores do
desenvolvimento. Afinal, busca-se a elevação do nível de capacitação,
de acordo com a estratégia do desenvolvimento sustentável e a
elevação da qualificação técnico-profissional dos agricultores em
produção, beneficiamento, agroindustrialização e comercialização.
Quanto à profissionalização dos agricultores, a Epagri, em parceria
com o Pronaf, está atendendo, em parte, às demandas da região
através dos cursos de capacitação, realizados no Centro de
Treinamento de Agronômica e na Estação Experimental de
Ituporanga.
Além disso, torna-se importante acompanhar a divulgação periódica e
constante das informações referentes à tomada de decisão para a
melhoria da qualidade da cebola em Santa Catarina, relacionadas ao
Instituto Cepa/SC
48
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
contexto da produção das demais regiões do País e do Mercosul. O
Observatório do Agronegócio é um projeto-piloto do Instituto Cepa/SC,
em parceria com o Pronaf, que tem por objetivo servir de apoio à
comercialização
de
produtos
da
agricultura
familiar,
ao
desenvolvimento de micro, pequenos e médios agronegócios que
permitam agregar renda aos agricultores familiares e melhorar sua
competitividade.
6- CENÁRIO – PERSPECTIVAS PARA A
CEBOLICULTURA CATARINENSE
O consumo de cebola no Brasil, nos últimos anos, está praticamente
estabilizado entre 750 mil e 850 mil toneladas/ano. Desse total, o País
tem importado entre 75 mil e 330 mil toneladas/ano, volume que varia
em função de reduções da oferta interna, seja por condições
climáticas adversas, seja por menor competitividade de mercado em
razão do baixo nível de tipificação e padronização da cebola
brasileira.
Para o próximo qüinqüênio, confirmando-se as previsões do Instituto
Cepa/SC sobre o desempenho da economia brasileira (crescimento
do PIB de 3,0%aa e de 8,14% da renda per cápita até 2005) e
considerando-se um coeficiente elasticidade-renda de 0,174 para a
cebola, pode-se projetar para o País um consumo da ordem de 850
mil a 950 mil toneladas em 2005, ou seja, um crescimento de
aproximadamente 12,1% sobre a demanda atual. Para 2010, caso se
confirmem os índices de crescimento da economia interna e
considerando-se o aumento populacional do Brasil, a demanda
poderá situar-se entre 930 mil e 1.050 mil toneladas anuais.
O estado de Santa Catarina responde, atualmente, por cerca de
37,0% da oferta nacional de cebola, com uma produção de bulbos
significativamente diferenciada da produção dos demais estados
produtores, diferenças estas (coloração, tipificação) que determinam
uma melhor aceitação pelo mercado.
Se houver continuidade nos esforços de pesquisa e desenvolvimento
visando ao aumento da produtividade e da melhoria da qualidade da
cebola e se mantiver inalterado o atual quadro de produção no estado
do Rio Grande do Sul (sérias deficiências em infra-estrutura de
estocagem, baixa produtividade e qualidade do produto e lavouras
Instituto Cepa/SC
49
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
situadas em áreas de risco climático), Santa Catarina poderá
aumentar sua participação relativa na produção nacional em cerca de
25,0%.
A expansão da produção catarinense deverá ocorrer pelo aumento da
área cultivada por produtor e pela melhoria de produtividade. A
tendência é que a produção continue concentrada nas tradicionais
regiões produtoras do Alto Vale do Itajaí e que haja um ligeiro
decréscimo do número de produtores comerciais de cebola.
7- CONCLUSÕES
Dada a dinamicidade do setor, os fatores identificados ao longo da
cadeia produtiva e que afetam a qualidade da cebola devem ser
freqüentemente estudados, visando à constante busca de alternativas
para a melhoria da competitividade da atividade.
A cebola catarinense, dadas as peculiaridades do sistema de
produção e das cultivares utilizadas, apresenta uma qualidade que se
destaca no cenário atual: permite um longo período de
armazenamento, mantendo praticamente inalteradas as suas
características, ou seja, os aspectos que lhe permitem uma boa
apresentação nos mercados, com pequenas perdas na qualidade.
Qualidade em cebola significa a obtenção e comercialização de
bulbos que se enquadrem dentro das normas de padronização e de
classificação do produto, determinadas pelo Ministério da Agricultura e
do Abastecimento do Brasil. Desta forma, além dos aspectos
relacionados exclusivamente aos fatores agronômicos de qualidade
do produto, não será permitida a comercialização de bulbos em mau
estado de conservação, com aspecto generalizado de mofo e
ou/fermentação e, sobretudo, de cebolas que apresentem resíduos de
produtos fitossanitários, teor de micotoxinas e outros contaminantes e
substâncias nocivas à saúde humana acima dos limites estabelecidos
pela legislação específica vigente.
A cebola é um produto altamente perecível que, após a colheita,
registra perdas qualitativas e quantitativas se não forem devidamente
observadas as técnicas de produção, de colheita, cura e
armazenamento, os cuidados no manuseio e no transporte, etc. Todos
estes fatores, integrados, são importantes, porque afetam a qualidade
Instituto Cepa/SC
50
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
dos bulbos, que, mesmo depois de colhidos, são estruturas vivas que
continuam seus processos fisiológicos.
As ameaças à competitividade da cebolicultura catarinense apontam
para uma cebola produzida na Região Sul do Brasil ou na Argentina,
cujas safras coincidem com o período de comercialização e cultivam
variedades semelhantes em termos de qualidade.
Santa Catarina se destaca na Região Sul do Brasil pelo volume
produzido e pela qualidade da cebola, que se armazena melhor
durante o longo período de comercialização. Quando se comparam as
qualidades do produto ofertado pelos estados do Sul com as do
produto argentino, percebe-se uma nítida vantagem deste último, em
função da tradição de exportador daquele país e da profissionalização
de seus agricultores, que prezam pela qualidade dos bulbos que
colocam no mercado e, sobretudo, pelas vantagens determinadas
pelas características de clima e solo.
Hoje, porém, a principal vantagem de Santa Catarina está na menor
distância dos centros consumidores. Apesar de o custo de produção
da cebola catarinense ser maior que o da Argentina, o custo de
beneficiamento, transporte e comercialização da Argentina fazem com
que o produto chegue ao consumidor brasileiro por custos superiores.
Desta forma, em geral as importações brasileiras, seja da Argentina
ou mesmo de outras regiões do planeta, somente ocorrem quando o
preço da cebola nacional alcança valores entre R$ 12,00 e R$
14,00/sc de 20 quilos no mercado atacadista. A partir deste preço, os
grandes distribuidores nacionais importam cebola dos países cuja
safra está disponível.
Assim, as oportunidades que se apresentam para a cebola
catarinense são melhorar a qualidade e reduzir os custos, para que se
consolide no mercado nacional e se projete no âmbito internacional.
Além disso, representam alternativas novas estratégias de marketing,
com inovações na forma de apresentação do produto ao consumidor
final, desenvolvendo embalagens menores e atrativas, juntamente
com a promoção de campanhas que visem ao aumento do consumo
"per cápita", explorando as qualidades nutricionais e medicinais da
cebola e viabilizando novas formas de industrialização.
Instituto Cepa/SC
51
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Verso texto
Instituto Cepa/SC
52
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
LITERATURA CONSULTADA
ACOSTA, A.; GAVIOLA, J.C.; GALMARINI, C. Producción de semilla de cebolla. Argentina:
Asociación Cooperadora EEA La Consulta, 1993. 83 p.
ARGENTINA. Fundaçión IDR. Instituto de Desarollo Rural. Cadena agroalimentaria de Cebolla.
Mendoza, 2001.
ARGENTINA. Secretaria de Agricultura, Ganaderia y Pesca. Diretoria de Economia Agrária y Asuntos
Internacionales. Economia del ajo y cebolla en el contexto del Mercosur. Buenos Aires, 1992. 45p.
ARGENTINA. Secretaria de Agricultura, Ganadeira, Pesca y Alimentación. Directoria de Mercados de
Productos No Tradicionales. Situación y perspectivasdel mercado de papa, ajo y cebolla. Informe de
Conyuntura, Buenos Aires, mar. 1996.
BOEING, G. Cebola. Florianópolis: Instituto Cepa/SC, 1995. 85p. (INSTITUTO CEPA/SC. Estudo de
Economia e Mercado de Produtos Agrícolas, 1).
BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Diagnóstico da cebola : versão preliminar.
Brasília, 1992. 27p.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio. Secretaria de Comércio Exterior.
Departamento de Operações de Comércio Exterior. Sistema Alice.
CEAGESP – Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo. Programa
brasileiro para a melhoria dos padrões comerciais e de embalagens de hortigranjeiros. São
Paulo, 2001.
CENSO AGROPECUPÁRIO – BRASIL-1995-1996. Rio de Janeiro: IBGE, 1997.
COOPERATIVA REGIONAL AGROPECUÁRIA DO ALTO VALE DO ITAJAÍ. Análise estratégica; doc.
1: situação da agropecuária regional. Rio do Sul, 1993. 38p.
CRIVELA, G. Diagnóstico agroeconômico da cebola no Rio Grande do Sul. Porto Alegre:
Secretaria de Agricultura e Abastecimento/CEPA, 1993. 60p.
CUNHA, C. J. C. de A. A competitividade do agricultor brasileiro no MERCOSUL; estudo de casos.
Florianópolis: UFSC/Núcleo de Estudos Estratégicos, 1993. 117p. Relatório final.
DEBARBA, J.F.; THOMAZELLI, L.F.; GANDIN, C.L. ; SILVA, E. Cadeias produtivas do Estado de
Santa Catarina: Cebola. Florianópolis: Epagri, 1998. 115p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 96).
EPAGRI. Sistema de produção para a cebola: Santa Catarina (3.ª revisão). Florianópolis, 2000. 91
p. (Epagri. Sistemas de Produção, 16).
FAGUNDES, W.C. Projeto de restruturação e reconversão das atividades agropecuárias e
agroindustriais ; cebola (Allium cepa L.) Ituporanga: 1993. 1v. (Relatório encomendado pelo BID.
Documento BID. Ituporang a - SC, 1993).
Instituto Cepa/SC
53
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
FAO - Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. Faostat Database
Results. Disponível em:http://www.fao.org Acesso em 25 de abril de 2002.
FELDENS, A. M. Produção e mercado da cebola no Brasil. Porto Alegre: UFRGS/FCE/CEPE, 1993.
96p. Relatório final.
GALMARINI., C.R. Manual del cultivo de la cebola. Mendoza,Argentina: INTA/Centro Regional Cuyo,
1997. 128p.
GANDIN, C.L.; GUIMARÃES, D.R.; THOMAZELLI, L.F.; BIASI, J.; FAORO, I.D.; BECKER, V.F.; SILVA,
A.C.F.da; VIZZOTO, V.J.; MÜLLER, J.J.V. EMPASC 356-Rosada: nova cultivar de cebola para Santa
Catarina. Pesquisa Agropecuária Catarinense, v. 3, n.1, p. 19-21, 1990.
GANDIN, C.L.; SILVA, E.; TEIXEIRA, L.A.J. ;THOMAZELLI, L.F. Future prospects and policy issues for
onion production in Santa Catarina State, South Brazil. Onion Newsletter for the tropics , n. 6, p. 1416, 1994.
GANDIN, C.L.; THOMAZELLI, L.F.; ZIMMERMANN FILHO, A.A.; STRADIOTO NETO, J.; OLIVEIRA, S.
O. de; ROSSET, V.; BIASI, J.; GARCIA, A.; ZANINI NETO, J.A.; DEBARBA, J.F. Novas cultivares de
cebola para Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, v.11, n.1, p. 5-7, 1998.
GANDIN, C.L.;YOKOYAMA, S.;GUIMARÃES, D.R.;THOMAZELLI, L.F.;FAORO, I.D.;BUSATO, M.V.
EMPASC 352-Bola Precoce, nova cultivar de cebola para Santa Catarina. Florianópolis; EMPASC,
1986. 9p. (EMPASC. Comunicado Técnico, 108).
GANDIN, C.L.; YOKOYAMA, S.; THOMAZELLI, L.F.; GUIMARÃES, D.R.; BIASI, J.; BECKER, W.F.;
FAORO, I.D.; ZANINI NETO, J.A.; PIANA, Z.; MÜLLER, J.J.V.; SILVA, A.C.F.da; VIZZOTTO, V.J. Nova
cultivar de cebola de ciclo médio para Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, v. 2, n. 1, p. 40-42,
1989.
LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Rio de Janeiro:IBGE, fev. 2002.
JONES, H.A.;MANN, L.K. Onion and their allies. New York: Interscience, 1963. 283 p.
MÜLLER, J.J.V.; CASALI, V.W.D. Produção de sementes de cebola . Florianópolis:EMPASC, 1982.
64 p. (EMPASC, Boletim Técnico, 16).
ONION DISEASES. Saticoy, CA, USA: Seminis Vegetable Seeds, s.d.
Instituto Cepa/SC
54
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
LISTA DE FIGURAS
1. Cultivar Epagri 362 – Crioula Alto Vale ................................................................................26
2. Cultivar Empasc 352 – Bola Precoce...................................................................................26
3. Fluxograma dos canais de comercialização da cebola de Santa Catarina....................38
LISTA DE GRÁFICOS
1. Importações brasileiras ..........................................................................................................15
2. Evolução da produção brasileira ...........................................................................................17
3. Desempenho da produção nos estados .............................................................................17
4. Distribuição percentual das médias mensais das importações brasileiras –
1994-1999.................................................................................................................................20
5. Evolução do plantio nos estados - Safras 96/97 - 00/01...................................................22
6. Comportamento da produção catarinense..........................................................................23
7. Participação estadual no total da produção brasileira - Safra 00/01...............................24
8. Preços médios mensais na Ceagesp – 2001......................................................................35
9. Preços médios mensais na Ceagesp...................................................................................36
10. Preços médios recebidos pelos produtores - Santa Catarina Safras 94/95 - 00/01).............................................................................................................37
11. Custo de produção - Santa Catarina - Março/02..............................................................41
Instituto Cepa/SC
55
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
LISTA DE TABELAS
1. Área plantada, produção e rendimento mundiais – safra 00/01 .....................................13
2. Área plantada, produtividade média colhida e produção colhida nos países do
mercosul - 1998-2001...............................................................................................................14
3. Evolução da p rodução brasileira – safras 97/98 a 00/01.................................................16
4. Evolução da produtividade média nos principais estados brasileiros em diferentes
Safras ......................................................................................................................................18
5. Calendário médio mensal de comercialização dos principais estados brasileiros
e da Argentina (períodos de maiores ofertas)..................................................................... 19
6. Estrutura fundiária por grupo de área total - Santa Catarina – 1995-1996 ...................21
7. Estrutura fundiária por grupo de área de colheita – Santa Catarina – 1995-1996 ......21
8. Fotoperíodo (comprimento do dia), temperatura média mensal (ºc) e número
médio mensal de horas de frio (temperatura inferior a 7ºc), avaliados durante 13 anos,
na estação meteorológica da estação experimental de Ituporanga (Epagri/Climerh),
a 475 m de altitude, – 27º25’ de latitude (sul) e – 49º38’ de longitude (oeste) ..............27
9. Percentual de escalonamento mensal de oferta de cebola em Santa Catarina...........37
10. Agentes de comercialização em Santa Catarina – 1996 ...............................................38
11. Custo médio de produção para os principais sistemas utilizados em Santa Catarina –
Março/02..................................................................................................................................42
12. Custo médio de produção nos principais estados brasileiros e nos países do
mercosul..................................................................................................................................43
Instituto Cepa/SC
56
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
ANEXO I
PORTARIA Nº 529, DE 18 DE AGOSTO DE 1995
O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA
REFORMA AGRÁRIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, Parágrafo Único,
inciso II, da Constituição da república, e tendo em vista o disposto na Lei nº 6.305, de
dezembro de 1975, no Decreto nº 82.110, de 14 de agosto de 1978, e
Considerando a aprovação no Regulamento técnico MERCOSUL de Identidade e
Qualidade da Cebola, através da Resolução MERCOSUL/GMC/RES nº 100/94, resolve:
Art. 1º Aprovar a anexa norma de Identidade, Qualidade, Acondicionamento e
Embalagem da Cebola, para fins de comercialização.
Art. 2º Esta portaria entra em vigor 10 (dez) dias após a data de sua publicação,
revogando -se a Portaria MAARA nº 83, de 28 de março de 1994 e demais disposições em
contrário.
JOSÉ EDUARDO DE ANDRADE VIEIRA
NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM
E APRESENTAÇÃO DA CEBOLA
1. OBJETIVO
Esta Norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade,
acondicionamento, embalagem e apresentação da cebola destinada ao consumo “In natura”
a ser comercializada entre os países do MERCOSUL, bem como no mercado interno. Esta
Norma não se aplica à cebola destinada ao uso industrial, nem à cebola verde.
2. DEFINIÇÕES
2.1. Cebola: é o bulbo que pertence à espécie Allium cepa L.
2.2. Defeitos Graves: talo grosso, brotado, podridão, mancha negra e mofado.
2.2.1. Talo Grosso: união das catáfilas do colo do bulbo apresentando uma abertura maior
que a normal, devido ao alongamento do talo pelo interior do mesmo.
Instituto Cepa/SC
57
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
2.2.2. Brotado: bulbo que apresenta emissão de broto visível acima do colo.
2.2.3. Podridão: dano patológico e/ou fisiológico que implique em qualquer grau de
decomposição, desintegração ou fermentação dos tecidos.
2.2.4. Mancha Negra: área enegrecida em virtude do ataque de fungos nas catáfilas
externas ou no colo do bulbo, detectadas visualmente.
2.2.5. Mofado: o que apresenta fungo nas catáfilas externas.
2.3. Defeitos leves: colo mal formado, deformado, falta de catáfilas externas, flacidez,
descoloração e dano mecânico.
2.3.1. Colo Mal Formado: formação incompleta do colo do bulbo.
2.3.2. Deformado: o que apresenta formato diferente do típico da cultivar, incluindo
crescimentos secundários, ou seja, bulbos unidos pelo talo, apresentando
externamente uma catáfila envolvente.
2.3.3. Falta de catáfilas externas: é a ausência de catáfilas em mais de 30% (trinta por
cento) da superfície do bulbo.
2.3.4. Flacidez (falta de turgescência): ausência de rigidez normal do bulbo.
2.3.5. Descoloração: desvio parcial ou total na cor característica da cultivar, incluindo o
esverdeamento, ou seja, o bulbo com as catáfilas externas verdes. Considerandose defeito quando atingir mais de 20% (vinte por cento) da superfície do bulbo.
2.3.6. Dano Mecânico: lesão de origem mecânica, observada nas catáfilas do bulbo.
Nota: Os defeitos intitulados talo grosso e falta de catáfilas, não serão considerados quando
tratar-se de cebolas precoces.
3. CLASSIFICAÇÃO
A cebola será classificada em:
; CLASSES OU CALIBRES: de acordo com o maior diâmetro transversal do
bulbo.
; TIPOS OU GRAUS DE SELEÇÃO: de acordo com a qualidade dos bulbos.
3.1.1. Classes ou calibres: de acordo com o maior diâmetro transversal do bulbo, será
classificada em 04 (quatro) classes, conforme estabelecido na Tabela I.
Instituto Cepa/SC
58
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Tabela I - Classes de cebola, conforme diâmetro transversal do bulbo expresso em
milímetros.
Classe
Maior diâmetro transversal do
bulbo (mm)
maior que 35 até 50
maior que 50 até 70
maior que 70 até 90
maior que 90
2
3
4
5
3.1.1.1. As cebolas cujos diâmetros dos bulbos forem maiores que 90 mm, serão agrupadas
de tal forma que, dentro de uma mesma embalagem, não contenham bulbos, cujo
diferença entre o diâmetro do maior bulbo e do menor seja superior a 20 mm.
3.1.1.2. Permite-se a mistura de classe dentro de uma mesma embalagem, desde que a
somatória das unidades não supere 10% (dez por cento) e pertençam as classes
imediatamente superior e/ou inferior.
3.1.1.3. O número de embalagens que superar a tolerância para mistura de classes não
poderá exceder a 10% (dez por cento) do número de unidades amostradas.
3.1.1.4. Não se admitirá classes de bulbos de formatos e cores diferentes.
3.1.2. Tipos ou graus de seleção: de acordo com os índices de ocorrência de defeitos na
amostra, a cebola será classificada nos tipos ou graus de seleção estabelecidos na
Tabela II.
Tabela II - Limites máximos de defeitos por tipo, expressos em percentagem de unidade na
amostra.
Tipo
Extra
Categoria I ou Especial
ou Selecionado
Categoria II ou
Comercial
Defeitos graves
Talo
Brotada Podridão
grosso
0
0
0
3
0
1
5
3
1
Mancha
negra
2
3
5
Total de defeitos
Mofada Graves Leves
2
3
2
5
5
10
5
10
15
3.1.2.1. Em se tratando do mercado interno, a cebola poderá ser comercializada em réstia e,
neste caso, será classificada apenas em tipos, de acordo com o estabelecido na
tabela II desta Norma. Não será permitida, entretanto, a comercialização de
cebolas em réstia, entre Países membros do MERCOSUL.
Instituto Cepa/SC
59
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
3.1.3. Requisitos gerais: Os bulbos deverão possuir as características típicas da cultivar,
serem sãos, secos, limpos e apresentarem as raízes cortadas rente à base. O ta lo
deverá apresentar-se retorcido e estar cortado a um comprimento não superior a 4
cm.
3.2. A cebola que não atender os requisitos previstos nesta Norma será classificada como
“FORA DO PADRÃO”, podendo ser:
3.2.1 Comercializada como tal, desde que devidamente identificada com a expressão
“FORA DO PADRÃO”, em local de destaque, de fácil visualização.
3.2.2. Rebeneficiada, desdobrada, recomposta, reembalada, remarcada, reetiquetada e
reclassificada, para efeito de enquadramento na Norma.
3.3. O disposto na alínea 3.2.1. desta Norma aplica-se único e exclusivamente à
comercialização da cebola no mercado interno e não nas transações comerciais
entre os Países membros do MERCOSUL ou das importações de outros países,
onde será observado o estabelecido na alínea 3.2.2.
3.4. Será “DESCLASSIFICADA” e proibida a comercialização de toda a cebola que
apresentar uma ou mais características abaixo descriminadas:
a) resíduos de substâncias nocivas à saúde, que estejam acima dos limites da tolerância
admitida no âmbito do MERCOSUL.
b) mau estado de conservação, sabor e/ou odor estranho ao produto.
4. EMBALAGEM
As cebolas deverão estar em embalagens novas, limpas e secas, que não
transmitam odor ou sabor estranho ao produto, podendo ser sacos ou caixas, com
capacidade para conter até 25 kg líquidos, de bulbos.
4.1. Admite -se uma tolerância de até 8% (oito por cento) a maior e 2% (dois por cento) a
menor no peso indicado.
4.1.1. O número de embalagens que não cumprir com a tolerância admitida para o peso não
poderá exercer a 20% (vinte por cento) do número de unidades amostradas
especificados.
5. MARCAÇÃO OU ROTULAGEM
As embalagens deverão ser rotuladas ou etiquetadas, em local de fácil visualização
e de difícil remoção contendo no mínimo as seguintes informações:
; nome do produto;
; nome da cultivar;
Instituto Cepa/SC
60
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
;
;
;
;
;
;
;
;
;
classe ou calibre; (*)
tipo; (*)
peso líquido(*)
nome e domicílio do importador; (*), (**)
nome e domicílio do embalador; (*), (**)
nome ou domicílio do exportador; (*), (**)
país de origem;
zona de produção;
data de acondicionamento; (*), (**)
(*) Admite-se o uso de carimbo ou etiquetas auto-adesivas para indicar estas informações.
(**) Optativo de acordo com os valores de cada país.
5.1. Em se tratando de produto nacional para comercialização no mercado interno, as
informações obrigatórias serão as seguintes:
; identificação do responsável pelo produto (nome, razão social e endereços);
; número do registro do estabelecimento, no Ministério da Agricultura, do Abastecimento
e da Reforma Agrária ;
; origem do produto;
; classe;
; tipo;
; peso líquido; e
; data de acondicionamento.
5.2. Na comercialização feita no varejo e a granel, o produto exposto deverá ser identificado
em lugar de destaque e de fácil visualização, contendo no mínimo as seguintes
informações:
; identificação do responsável;
; classe; e
; tipo.
6. ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE
6.1. A cebola deverá ser embalada em locais cobertos, secos, limpos, ventilados, com
dimensões de acordo com volumes a serem acondicionados e de fácil higienização,
afim de evitar efeitos prejudiciais à qualidade e conservação do mesmo.
6.2. O transporte deve assegurar uma conservação adequada ao produto.
Instituto Cepa/SC
61
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
7. AMOSTRAGEM
A tomada da amostra no lote, será feita de acordo com o Regulamento
MERCOSUL específico para amostragem. No entanto, até que o mesmo seja definido, a
amostragem será feita de acordo com o estabelecido na Tabela III.
Tabela III
Número de unidades que compõem o lote
001 a 010
011 a 100
101 a 300
301 a 500
501 a 10.000
Mais de 10.000
Número mínimo de unidades a retirar
01 unidade
02 unidades
04 unidades
05 unidades
1 % do lote
raiz quadrada do número de unidades do lote
7.1. Obtenção da amostragem de trabalho
7.1.1. No caso de se obter um número de unidades entre 1 e 4, homogeneiza-se o conteúdo
das embalagens e extrai-se 100 (cem) bulbos, ao acaso, para constituir-se na
amostra a ser analisada.
7.1.2. Para 5 ou mais unidades, retira-se no mínimo 30 bulbos de cada unidade, os quais
serão homogeneizados, donde serão extraídos 100 (cem) bulbos para análise.
7.2. O restante dos bulbos, e também as amostras de trabalho deverão ser devolvidos ao
interessado.
7.3. O interessado terá direito de contestar o resultado da classificação, para o que terá um
prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas constatadas a partir do término da
análise da amostra. E, neste caso, procede-se a uma nova amostragem e análise.
7.4. Especificamente, para o mercado interno e em se tratando de comercialização de
cebola no varejo, quando embalada, independentemente do peso ou tamanho do
volume, a tomada de lote dar-se-a também de acordo com a tabela III, e todos os
volumes amostrados serão analisados. E, neste caso, o cálculo dos percentuais de
defeitos, por ventura encontrados será efetuado através da relação entre o peso dos
bulbos com defeitos e o peso dos bulbos amostrados.
7.5. Também apenas no mercado interno, quando tratar -se de produto a granel,
comercializado no varejo, retiram-se 100 (cem) bulbos ao acaso para constituir a
amostra de trabalho. Quando o lote for inferior a 100 (cem) bulbos, o próprio lote
constituir-se-á na amostra de trabalho. E, neste caso, a determinação dos
percentuais de defeitos será feita pelo número de bulbos.
7.6. Também, exclusivamente para o mercado interno, e no caso de cebola em réstia, a
amostragem dar-se-a igualmente de acordo com a Tabela III, e todas as réstias
Instituto Cepa/SC
62
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
serão analisadas. O cálculo dos percentuais de defeitos neste caso será efetuado
através da relação entre o número de bulbos com defeitos e o total de bulbos
contidos nas réstias amostradas.
8. CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO
O Certificado de Classificação, quando solicitado, será emitido pelo Órgão Oficial
de Classificação, devidamente credenciado pelo Ministério da Agricultura, do Abastecimento
e da Reforma Agrária, de acordo com a legislação especifica, devendo constar no mesmo
todos os dados da classificação.
8.1. A validade do Certificado de Classificação será de 15 (quinze) dias, contados a partir da
data da sua emissão, que deverá ser a mesma da classificação.
9. FRAUDE
Será considerada fraude, toda a adulteração dolosa de qualquer ordem ou
natureza praticada na classificação, na embalagem, no acondicionamento, no transporte
bem como nos documentos de qualidade do produto, conforme legislação específica.
10. DISPOSIÇÕES GERAIS
É de com petência exclusiva do Órgão Técnico Específico do Ministério da
Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, resolver os casos omissos, por
ventura surgidos na aplicação desta Norma.
Instituto Cepa/SC
63
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Verso Anexo I
Instituto Cepa/SC
64
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
ANEXO II
PROGRAMA BRASILEIRO PARA A MELHORIA DOS PADRÕES COMERCIAIS E
EMBALAGENS DE HORTIGRANJEIROS.
PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA PORTARIA N.º 529, DE 18 DE AGOSTO DE 1995
REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E DE QUALIDADE PARA A
CLASSIFICAÇÃO DA CEBOLA
1. OBJETIVO
O presente Regulamento tem por objetivo, definir as características de Identidade e de
Qualidade para fins de classificação da Cebola "in natura”.
2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO
O presente Regulamento Técnico será aplicado para atender a obrigatoriedade de
classificação prevista nos incisos I, II e III, do Art. 1º da Lei n.º 9.972, de 25 de maio de
2000.
3. DEFINIÇÃO DO PRODUTO
Entende-se por cebola, o bulbo pertencente à espécie Allium cepa L.
4. CONCEITOS
Para efeito deste Regulamento, considera-se:
4.1. Isento de substâncias nocivas à saúde: quando o produto apresenta contaminação cujo
valor se verifica dentro dos limites máximos previstos na legislação específica vigente.
4.2.Fisiologicamente desenvolvido (maduro): quando o bulbo atinge o seu desenvolvimento
fisiológico completo, característico da cultivar e está em condições de ser colhido.
4.2.1.Os bulbos deverão ainda se apresentar são, secos, limpos e com as raízes cortadas
rente à base. O talo deverá se apresentar retorcido e estar cortado a um comprimento não
superior a quatr o cm.
Instituto Cepa/SC
65
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
4.3.Defeitos graves: são aqueles cuja incidência sobre o bulbo compromete seriamente sua
aparência, uso, conservação e qualidade tais como: talo grosso, brotado, podridão, mancha
negra e mofado.
4.3.1.Talo grosso: união das catáfilas do colo do bulbo apresentando uma abertura maior
que a normal, devido ao alongamento do talo pelo interior do mesmo.
4.3.1.1.Este defeito não será considerado quando se tratar de cebola precoce.
4.3.2.Brotado: bulbo que apresenta emissão do broto visível acima do colo .
4.3.3.Podridão: dano patológico e/ou fisiológico que implique em qualquer grau de
decomposição, desintegração ou fermentação dos tecidos.
4.3.4.Mancha negra: área enegrecida em virtude do ataque de fungos nas catáfilas externas
ou no colo do bulbo, detectada visualmente.
4.3.5.Mofado: bulbo que apresenta fungo nas catáfilas externas.
4.4.Defeitos leves: alterações que prejudicam a aparência de bulbo, tais como: colo mal
formado deformado, falta de catáfilas externas, flacidez, descoloração e dano mecânico.
4.4.1.Colo mal formado: formação incompleta do colo do bulbo.
4.4.2.Deformado: bulbo que apresenta formato diferente do típico da cultivar, incluindo
crescimentos secundários, ou seja, bulbos unidos pelo talo, apresentando externamente
uma catáfila envolvente.
4.4.3.Falta de catáfilas externas: ausência de catáfilas em mais de 30% (trinta por cento) da
superfície do bulbo.
4.4.3.1.Este defeito não será considerado quando se tratar de cebola precoce.
4.4.4.Flacidez (falta de turgescência): ausênc ia da rigidez normal do bulbo.
4.4.5.Descoloração: desvio parcial ou total na cor característica da cultivar, incluindo o
esverdeamento, ou seja, bulbo com catáfilas externas verdes. Considera-se defeito quando
atingir mais de 20% (vinte por cento) da superfície do bulbo.
4.4.6.Dano mecânico: lesão de origem mecânica, observada nas catáfilas do bulbo.
4.5. Lote: quantidade de produtos com as mesmas especificações de identidade, qualidade
e apresentação, processados pelo mesmo fabricante ou fracionador, em um espaço de
tempo determinado, sob condições essencialmente iguais.
Instituto Cepa/SC
66
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
4.6.Embalagem: recipiente pacote ou envoltório, destinado a garantir a conservação, e a
facilitar o transporte e o manuseio dos produtos.
4.7.Produto embalado: produto que está contido em uma embalagem pronto para ser
oferecido ao consumidor.
4.8.Fora de Categoria: produto que não atende, em um ou mais aspectos, às especificações
de qualidade previstas na Tabela de Tolerância constante neste Regulamento Técnico.
4.9. Contaminantes ou substâncias nocivas à saúde: substâncias ou agentes estranhos de
origem biológica, química ou física que se saiba ou se presuma, serem nocivas a saúde.
5. CLASSIFICAÇÃO:
5.1. A cebola será classificada em GRUPO, SUBGRUPO, PUNGÊNCIA, CLASSES OU
CALIBRES E TIPOS OU CATEGORIAS.
5.2. GRUPO:de acordo com o formato do bulbo
5.2.1. Grupo 1 (Redondo, Oblongo ou Periforme): constituído por variedades de cebola
cujos bulbos possuem altura igual ou maior que o diâmetro transversal.
5.2.2 . Grupo 2 (Achatado): constituído por variedades de cebola cujos bulbos possuem a
altura menor que o diâmetro transversal.
5.3. SUBGRUPO: de acordo com a cor das catáfilas dos bulbos.
5.3.1. Subgrupo 1 ou Brancas : constituído por variedades que apresentam as catáfilas
brancas.
5.3.2. Subgrupo 2 ou Amarelas: constituído por variedades que apresentam as catáfilas
amarelas.
5.3.3. Subgrupo 3 ou Roxa: constituído por variedades que apresentam as catáfilas roxas.
5.3.4 . Subgrupo 4 ou Vermelhas, ou Pinhão ou Baia: constituído por variedades que
apresentam as catáfilas roxas.
5.4. CLASSES OU CALIBRES: de acordo com o maior diâmetro transversal do bulbo, a
cebola será classificada em 07 (sete) classes, conforme o estabelecido na tabela a seguir.
Instituto Cepa/SC
67
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
TABELA 1 - CEBOLA - CLASSES OU CALIBRES DE CEBOLA CONFORME O MAIOR DIÂMETRO
TRANSVERSAL DO BULBO, EXPRESSO EM MILÍMETROS
CLASSES OU CALIBRES
0
1 ou 15
2 ou 35
3 ou 50
3 cheio ou 60
4 ou 70
5 ou 90
MAIOR DIÂMETRO TRANVERSAL DO BULBO (mm)
Menor que 15
Maior que 15 até 35
Maior que 35 até 50
Maior que 50 até 60
Maior que 60 até 70
Maior que 70 até 90
Maior que 90
5.4.1. As cebolas cujos diâmetros dos bulbos forem maiores que 90 mm, serão agrupadas
de tal forma que, dentro de uma mesma embalagem não contenham bulbos cuja diferença
entre o diâmetro do maior e do menor seja superior a 20 mm.
5.4.2. Permite-se a mistura de classes dentro de uma mesma embalagem, desde que o
somatório das unidades não supere a 10% (dez por cento) e pertençam às classes
imediatamente superior e/ou inferior.
5.4.3. O número de embalagens que superar a tolerância para mistura de classes não
poderá exceder a 10% (dez por cento) do número de unidades amostradas.
5.4.4. Não se admitirá a mistura de bulbos de formatos e cores diferentes.
5.5. TIPOS OU CATEGORIA DE QUALIDADE: de acordo com a qualidade, o produto
receberá as denominações de Extra, Categoria I , Categoria II e Categoria III; o tipo ou a
categoria serão definidos de acordo com os limites máximos de tolerância de defeitos e a
cebola será classificada nos tipos ou graus de seleção estabelecidos na tabela a seguir.
TABELA 2 – CEBOLA – LIMITES MÁXIMOS EM PERCENTUAIS DE TOLERÂNCIA DE DEFEITO
POR TIPO
TOTAL DE
DEFEITOS
DEFEITOS GRAVES
TIPO
Extra
Categoria I ou Especial ou
Selecionado
Categoria II ou Comercial
Instituto Cepa/SC
Talo Grosso
Brotado
Mancha
Negra
Podridão
Mofado Graves Leves
0
0
0
2
2
2
5
3
0
0
3
3
5
10
5
3
1
5
5
10
15
68
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
5.5. FORA DE CATEGORIA
5.5.1. Será classificada como Fora de Categoria a cebola que apresentar os percentuais de
ocorrência de defeitos nos bulbos, excedendo os limites máximos de tolerância
especificados para a Categoria II ou Comercial, estabelecidos na Tabela 2.
5.5.1.1.Não será admitida a internalização e a comercialização da cebola classificada como
Fora de Categoria, por defeitos graves, devendo neste caso ser previamente rebeneficiada,
para enquadramento na Categoria.
5.5.1.2.No caso da cebola classificada como Fora de Categoria por defeitos leves,
quaisquer que seja o motivo determinante deverão ser observados os seguintes
critérios/procedimentos:
5.5.1.2.1.As informações de identidade e qualidade, bem como as demais declarações
sobre o produto, deverão atender às disposições específicas, referentes a sua marcação ou
rotulagem, estabelecidas no item 7 deste Regulamento.
5.5.1.2.2.Poderá ser comercializada como tal, desde que atendidas as exigências referidas
no item anterior.
5.5.1.2.3.Poderá ser rebeneficiada, desdobrada ou recomposta, para efeito de
enquadramento em tipo.
5.6. DESCLASSIFICAÇÃO
5.6.1. Será desclassificada a cebola que apresentar uma ou mais das características
indicadas abaixo, sendo proibida a sua comercialização para a alimentação humana. São
elas:
5.6.1.1. Mau estado de conservação.
5.6.1.2.Aspecto generalizado de mofo e/ou fermentação.
5.6.1.3.Resíduos de produtos fitossanitários, teor de micotoxinas e outros contaminantes e
substâncias nocivas à saúde acima do limite estabelecido por legislação específica vigente.
5.6.1.4.Odor estranho de qualquer natureza, impróprio ao produto.
5.6.2. Sempre que julgar necessário, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
ou a pessoa jurídica responsável pela classificação poderá requerer a análise laboratorial
prévia, dos produtos suspeitos de contaminação, visando certificar-se de sua impropriedade
para o consumo humano.
Instituto Cepa/SC
69
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
5.6.2.1.As análises laboratoriais serão realizadas por laboratórios credenciados pelo
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com o respectivo ônus para o detentor
do produto.
5.6.3. A pessoa jurídica responsável pela classificação deverá comunicar imediatamente ao
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a ocorrência de produto
desclassificado, para as providências cabíveis, junto ao setor técnico competente.
5.6.4. Caberá ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a decisão quanto ao
destino do produto desclassificado, podendo, para isso, articular-se, onde couber, com
outros órgãos oficiais.
5.6.4.1.No caso da permissão ou autorização de utilização do produto desclassificado para
outros fins, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento deverá estabelecer, ainda,
todos os procedimentos necessários ao acompanhamento do produto até a sua completa
desnaturação ou destruição, cabendo ao proprietário do produto ou ao seu preposto, além
de arcar com os custos pertinentes à operação, ser o seu depositário e responsável pela
inviolabilidade e indivisibilidade do lote, em todas as fases de manipulação, imputando-lhe
as ações civis e penais cabíveis, em caso de irregularidades ou de uso não autorizado do
produto nestas condições.
5.7. SUBSTÂNCIAS NOCIVAS À SAÚDE
5.7.1. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento poderá, sempre que julgar
necessário, em ação de caráter temporário ou por tempo indeterminado, exigir a análise de
micotoxinas, resíduos e outros contaminantes da Cebola posta à comercialização,
independentemente do resultado de sua classificação.
5.7.2. O ressarcimento dos custos das análises a que se refere o item 5.6.1., correrá por
conta do interessado.
5.7.3. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, juntamente com outros órgãos
oficiais, as pessoas jurídicas responsáveis pela classificação, Instituições de pesquisa,
redes de laboratórios credenciados e em parceria com o setor privado, poderá desenvolver
programas específicos de monitoramento de micotoxinas, resíduos e outros contaminantes
na cebola, visando controle e à garantia de sua qualidade para a alimentação humana.
6. EMBALAGENS
6.1. As embalagens, utilizadas no acondicionamento da cebola, poderão ser sacos ou
caixas.
6.2. A capacidade, em peso líquido de produto, deve ser de até 25kg (vinte e cinco
quilogramas).
Instituto Cepa/SC
70
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
6.3. As embalagens, de cebola quando comercializada no varejo, devem obedecer ás
legislações es pecíficas vigentes.
6.4. Dentro de um mesmo lote, será obrigatório que todas as embalagens sejam do mesmo
material e tenham idêntica capacidade de acondicionamento.
6.5. Admite-se uma tolerância de até 8% (oito por cento) a mais e 2% (dois por cento) a
menos no peso indicado.
6.6. O número de embalagens que não cumprir com a tolerância admitida para o peso não
poderá exceder a 20% (vinte por cento) do número de unidades amostradas.
6.7. Não será permitida a reutilização de embalagens.
7. MARCAÇÃO OU ROTULAGEM
7.1. As especificações de qualidade do produto, contidas na marcação ou rotulagem, e na
identificação do lote, deverão estar em consonância com o seu respectivo Certificado de
Classificação.
7.2. Todo lote ou embalagem deve trazer as especificações qualitativas, marcadas ou
rotuladas, na vista principal, em lugar de destaque, de fácil visualização e de difícil remoção.
7.3. Os rótulos dos produtos embalados não deverão apresentar vocábulos, símbolos,
emblemas, ilustrações ou outras representações gráficas que possam induzir o consumidor
a equívoco, erro, confusão ou engano em relação a sua qualidade.
7.4. No nível de atacado, para o produto ensacado ou em caixas, a marcação do lote deve
trazer, no mínimo, as seguintes indicações:
7.4.1. Identificação do lote.
7.4.2. Classe ou calibre.
7.4.3. Tipo ou grau de seleção.
7.4.4. Safra de produção, de acordo com a declaração do responsável pelo produto.
7.4.5. Identificação do responsável pelo produto (nome ou razão social e endereço
completo).
7.4.6. Peso líquido.
7.4.7. Órgão responsável pela fiscalização da classificação: MAPA
Instituto Cepa/SC
71
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
7.5. No nível de varejo, a marcação ou rotulagem das especificações de qualidade, quando
o produto encontrar-se acondicionado em caixas, será feita, na posição horizontal em
relação à borda superior ou inferior da embalagem a qual deverá conter, no mínimo, as
seguintes indicações, no idioma oficial do País de consumo:
7.5.1. Denominação de venda do produto.
7.5.2. Identificação do lote.
7.5.3. Identificação da origem (deverá ser indicado o nome ou a razão social, o endereço
completo e o CNPJ do produtor ou embalador, conforme o caso, assim como a localidade, o
Estado e o País de origem, onde couber).
7.5.4. Data de validade.
7.5.5. Peso líquido.
7.5.6. Classe ou calibre.
7.5.7. Tipo ou grau de seleção.
7.5.8. Informações específicas sobre a condição qualitativa, manuseio, uso, estocagem ou
consumo para o produto classificado como Fora de Categoria.
7.5.9. Órgão responsável pela fiscalização da classificação: MAPA
7.6. Todo rótulo deverá ter impresso, gravado ou marcado de qualquer outro modo, uma
indicação em código ou linguagem clara, que permita identificar o lote a que pertence o
alimento de forma visível, legível e indelével.
7.6.1. O lote será determinado em cada caso, pelo produtor, fabricante, fracionador ou
embalador do produto, onde couber, segundo seus critérios.
7.6.2. Para indicação do lote poderá ser utilizado:
7.6.2.1.Um código chave precedido da letra "L". Este código deverá estar a disposição da
autoridade competente e constar da documentação comercial, quando ocorrer comércio
nacional e internacional.
7.6.2.2.A data de fabricação, embalagem ou prazo de validade, sempre que seja(m)
indicado(s) claramente, pelo menos, o dia e o mês ou mês e o ano, nesta ordem, conforme
o Regulamento Técnico específico para rotulagem de alimentos embalados.
7.7. As expressões qualitativas referentes ao tipo ou grau de seleção, devem ser grafadas
por extenso e o indicativo da classe, em algarismo arábico, e quando for o caso, com a
expressão Fora de Categoria, também por extenso.
Instituto Cepa/SC
72
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
7.8. No caso da comercialização feita à granel, o produto exposto deverá ser identificado, e
a identificação colocada em lugar de destaque, de fácil visualização, contendo, no mínimo,
as s eguintes indicações:
7.8.1. Denominação de venda do produto.
7.8.2. Classe ou calibre.
7.8.3. Tipo ou grau de seleção.
7.8.4. Identificação da origem (deverá ser indicado o nome ou a razão social, o endereço
completo e o CNPJ do produtor ou embalador, conforme o caso, assim como a localidade, o
Estado e o País de origem, onde couber).
7.8.5. No caso do produto classificado como Fora de Categoria, ao nível do consumidor,
observar o mesmo procedimento previsto no item 7.5.8, deste Regulamento.
8. AMOSTRAGEM
8.1. Previamente à amostragem, deverão ser observadas as condições gerais do lote do
produto. E em caso de verificação de qualquer anormalidade, ou a existência de quaisquer
das características desclassificantes, adotar os procedimentos específicos previstas neste
Regulamento.
8.2. A tomada da amostra no lote, será feita de acordo com o estabelecido na tabela a
seguir.
TABELA 3 - CEBOLA – AMOSTRAGEM PARA EMBALAGEM DE CEBOLA, CONFORME
O TAMANHO DO LOTE
Número de embalagens que compõem o lote
001 a 010
011 a 100
101 a 300
301 a 500
501 a 10.000
Mais de 10.000
Número mínimo de embalagens a retirar
01 unidade
02 unidades
04 unidades
05 unidades
1% do lote
raiz quadrada do número de embalagens que compõem o lote
8.3. Obtenção da Amostra de Trabalho:
8.3.1. No caso de se obter um número de embalagens entre 1 e 4, homogeniza-se o
conteúdo das mesmas e extrai-se 100 (cem) bulbos, ao acaso, que constituirão a amostra a
ser analisada.
8.3.2. Para 5 ou mais embalagens, retira-se, no mínimo, 30 bulbos de cada, os quais serão
homogeneizados, extraindo -se 100 (cem) bulbos para análise.
Instituto Cepa/SC
73
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
8.3.3. O restante dos bulbos, e também a amostra de trabalho deverão ser devolvidos ao
interessado.
8.3.4. Em se tratando da comercialização da cebola no varejo, quando embalada,
independentemente do peso ou tamanho do volume, a tomada de amostra no lote dar -se-á
também de acordo com a Tabela 3, e todos os volumes amostrados serão analisados.
Neste caso, o cálculo dos percentuais de defeitos, porventura encontrados , será efetuado
através da relação entre o peso dos bulbos com defeitos e o peso dos bulbos amostrados.
8.3.5. Quando tratar-se de produto a granel, comercializado no varejo, retira-se 100(cem)
bulbos ao acaso para constituir a amostra de trabalho. Quando o lote for inferior a 100 (cem)
bulbos, o próprio lote constituir-se-á na amostra de trabalho. Neste caso, a determinação
dos percentuais de defeitos será feita pela relação entre o número de bulbos com defeitos e
o número de bulbos amostrados.
8.3.6. Quando a amostra for coletada e enviada pelo interessado, deverão ser observadas
os mesmos critérios e procedimentos de amostragem previstos neste Regulamento, visando
garantir a identificação da mesma com o lote ou volume do qual se originou sendo o coletor
o responsável legal pela sua representatividade.
9. CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO
9.1. O Certificado de Classificação será emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento ou pelas pessoas jurídicas, devidamente credenciadas pelo mesmo, de
acordo com a legislação vigente.
9.2. O Certificado de Classificação é o documento hábil para comprovar a realização da
classificação, correspondendo a um determinado lote do produto classificado.
9.3. O Certificado somente será considerado válido quando possuir a identificação do
classificador (carimbo e assinatura), pessoa física, devidamente habilitada e registrada no
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
9.4. A validade do Certificado de Classificação será de 24 (vinte e quatro) horas, contada a
partir de sua emissão.
9.4.1. A validade, a que se refere o item anterior, aplica-se à validação do serviço de
classificação, ou seja o prazo em que se pode questionar administrativamente o resultado
apresentado ( laudo e Certificado emitidos) e será averiguada, se necessário, com uma
nova amostra e análise do produto, caso o lote em questão se mantenha inalterado nos
aspectos qualitativos e quantitativo.
9.5. No Certificado de Classificação deverão constar, além das informações estabelecidas
no Regulamento Técnico específico, as seguintes indicações:
Instituto Cepa/SC
74
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
9.5.1. Discriminação dos resultados de cada análise efetuada e dos percentuais
encontrados para cada determinação de qualidade da cebola, estabelecidos no item 5 deste
Regulamento, bem como as informações conclusivas (enquadramento em classe ou calibre
e tipo ou grau de seleção), que serão transcritos do seu respectivo laudo de classificação.
9.5.2. Os motivos que determinaram a classificação do produto como Fora de Categoria.
9.5.3. Os motivos que determinaram a desclassificação do produto.
9.5.4. As percentagens de cada uma das classes.
10. ARMAZENAGEM E MEIOS DE TRANSPORTE
10.1. Os estabelecimentos destinados à armazenagem da cebola e os meios de transporte
devem oferecer plena segurança e condições técnicas imprescindíveis à sua perfeita
conservação, respeitada a Legislação específica em vigor.
11. FRAUDE
11.1. Considerar-se-á fraude toda a alteração dolosa, de qualquer ordem ou natureza,
praticada na classificação, no acondicionamento, no transporte e na armazenagem, bem
como nos documentos de qualidade do produto.
11.2. Será também considerada fraude, a comercialização da cebola em desacordo com o
estabelecido neste Regulamento.
12. ROTEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE CEBOLA
12.1. Coletar a amostra de acordo com a Tabela 3 deste Regulamento Técnico;
12.1.1.No caso de se obter um número de embalagens entre 1 (um) e 4 (quatro),
homogeneizar o conteúdo das mesmas e extrair 100 (cem) bulbos, ao acaso, para constituir
na amostra a ser analisada.
12.1.2.Para 5 (cinco) ou mais embalagens, retira-se, no mínimo, 30 (trinta) bulbos de cada,
os quais serão homogeneizados, extraindo-se 100 (cem) bulbos para análise.
12.2. Para a cebola comercializada no varejo, quando embalada, o calculo dos percen tuais
de defeitos, será efetuado através da relação entre o peso dos bulbos com defeitos e o peso
dos bulbos amostrados.
12.2.1.Pesar toda a amostra a ser classificada.
12.3. Para a cebola comercializada a granel, utiliza-se 100 (cem) bulbos coletados
aleatoriamente do lote, os quais comporão a amostra de trabalho.
Instituto Cepa/SC
75
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
12.3.1.Quando o lote for inferior a 100 (cem) bulbos, o próprio lote constituir-se-á na
amostra de trabalho. Neste caso, a determinação dos percentuais de defeitos será feita pelo
número de bulbos.
12.4. Para a determinação da Classe, utilizar o paquímetro ou anéis calibradores.
12.4.1.Para a cebola comercializada no varejo, quando embalada, a determinação da classe
é feita em relação ao peso.
12.4.2.Para a cebola comercializada a granel, a determinação da classe, cada bulbo
corresponde a um por cento.
12.5. Recompor a amostra e proceder a identificação dos defeitos graves: talo grosso,
brotado, podridão, mancha negra, mofado e dos defeitos leves: colo mal formado,
deformado, falta de catáfilas externas, flacidez, descoloração e dano mecânico.
12.5.1.Pesar os bulbos avariados enquadrando na sua respectiva categoria de defeito e
anotar no laudo o peso e a percentagem de cada um.
12.5.2.Para o enquadramento em tipo considerar isoladamente os defeitos: talo grosso,
brotado, podridão, mancha negra, mofado, bem como o total máximo de defeitos graves e
de defeitos leves. Observar a tolerância máxima estabelecida na Tabela 2 deste
Regulamento Técnico.
12.5.3.Enquadrar o produto em função do pior tipo encontrado.
12.5.4.O lote que não atender as especificações qualitativas estabelecidas neste
Regulamento Técnico é considerado Fora de Categoria.
12.5.5.Constar no Certificado de Classificação os motivos que levaram o produto a se
enquadrar como Fora de Categoria e Desclassificado.
12.6. Carimbar o laudo e Certificado de Classificação com o nome do classificador e o
numero do registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, datar e assinar.
12.7. O restante da amostra deverá ser devolvido ao interessado.
13. DISPOSIÇÕES GERAIS
13.1. Este Regulamento Técnico será também aplicável, quanto à classificação aos
produtos orgânicos e aos transgênicos, desde que os mesmos tenham cumprido
previamente os trâmites necessários a sua identificação ou certificação, atestando-os como
tal e ainda, tenham atendido as disposições específicas vigentes.
13.2. Será de competência exclusiva do Órgão Técnico do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento resolver os casos omissos porventura surgidos na utilização do
presente Regulamento.
Instituto Cepa/SC
76
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
COMPLEMENTAÇÃO DO ANEXO II
Cebola
Presente nas cozinhas do mundo inteiro
A cebola é designada pela origem. Na Europa, as cebolas são espanholas, francesas,
italianas, inglesas, americanas, holandesas e japonesas. No Brasil, o Entreposto Terminal
de São Paulo identifica a cebola como de São Paulo, de Pernambuco, do Rio Grande do
Sul, de Santa Catarina, de Minas, do Paraná e da Argentina.
Oriunda do Oriente, Ásia Ocidental, é muito cultivada na Europa e nas Américas. A cebola
está presente na alimentação, e no tempero, das cozinhas do mundo inteiro. No Brasil é
parte integrante da culinária do cotidiano nacional. Os produtores de cebola, brasileiros e
argentinos, garantem cebola fresca durante todo o ano para o consumidor brasileiro.
O produtor brasileiro de cebola é bom de briga, mostrando a sua competência ao aumentar
a produção em 22% nos últimos 10 anos e a oferta do produto em meses tradicionalmente
ocupados pela produção argentina.
Pesquisa realizada pelo Ministério de Integração Nacional mostrou que nos supermercados
paulistas a cebola responde por 25,2% do volume das hortaliças comercializadas.
Cebola é diversidade. É possível encontrar 4 cores de casca, 2 formatos, 3 sabores, além
de 4 categorias de qualidade e 7 classes de tamanho. As instituições de pesquisa e
empresas de sementes investem na oferta de diversidade, para atender às exigências do
mercado. Somente a norma de classificação permite a caracterização dessa diversidade.
Cebola é também parceria, associativismo. A ANACE - Associação Nacional dos Produtores
de Cebola, a ACAPROCE - Associação Catarinense dos Produtores de Cebola, a
APROCESC - Associação dos Produtores de Cebola de Santa Catarina, APROCESF Associação dos Produtores de Cebola do Médio São Francisco, a ACERVARP - Associação
dos Cebolicultores do Vale do Rio Pardo - SP, em reunião nacional realizada no dia 23 de
fevereiro de 2000, aprovaram a norma de classificação da cebola do Programa Brasileiro e
admitiram um ano de prazo para adequ ação das máquinas de classificação do produto.
A norma de classificação de cebola é o seu instrumento de caracterização, a sua linguagem
de qualidade.
A adoção da norma é passo imprescindível para a utilização de métodos modernos de
comercialização, para a construção de um sistema confiável de informações de mercado,
Instituto Cepa/SC
77
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
para a colocação de cada lote no seu melhor nicho de mercado. É indispensável para a
implantação da transparência na comercialização e da promoção comercial do produto.
A cebola nacional entra no século XXI preparada para competir.
CLASSIFICAÇÃO
Instituto Cepa/SC
78
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Classificação é a separação do produto por tamanho e qualidade. Utilizar a classificação da
CEBOLA é unificar a linguagem do mercado. Produtores, atacadistas, varejistas e
consumidores devem ter os mesmos padrões para determinar a qualidade do produto. Só
assim, obteremos transparência na comercialização, melhores preços para produtores e
consumidores, menores perdas e melhor qualidade.
GRUPOS (Formato)
SUB-GRUPOS (Coloração)
Instituto Cepa/SC
79
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
SABOR
O sabor e o odor característico da cebola são oriundos de compostos de enxofre voláteis,
liberados no corte ou na ocorrência de qualquer injuria ao tecido da cebola. A volatização do
composto de enxofre gera ácido pirúvico. A pungência, mais que a doçura, determina se o
sabor da cebola é doce ou picante. O quadro abaixo classifica o sabor da cebola em
picante, suave ou doce e apresenta da ANACE – Associação Nacional dos Produtores de
Cebola para o uso de diferentes cores de rótulos para cada sabor.
SABOR
Picante
Suave
Doce
RÓTULO
Vermelho
Amarelo
Laranja
CLASSES OU CALIBRES
CLASSE (t)
0
1
2
3
3 cheio
4
5
CALIBRE
Maior que 10 mm
Maior que 15 até 35 mm
Maior que 35 até 50 mm
Maior que 50 até 60 mm
Maior que 60 até 70 mm
Maior que 70 até 90 mm
Maior que 90 mm
CLASSE (2)
10
15
35
50
60
70
90
(1) Designação de classe que segue a portaria 529/18.03.95 do MMA.
(2) Designação complementar da classe e de uso não obrigatório, que estabelece
referência ao menor calibre de cada cebola.
Permite-se dentro de uma mesma embalagem a mistura de até 10% de bulbos de
classe imediatamente superior ou inferior á classe indicada no rótulo da embalagem.
Instituto Cepa/SC
80
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
DEFEITOS
Defeitos Graves
Instituto Cepa/SC
81
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Defeitos Leves:
Instituto Cepa/SC
82
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
TIPOS ou CATEGORIAS
O tipo ou categoria é determinado pela ocorrência de defeitos graves e leves no lote.
CATEGORIA
Defeitos
Talo grosso
Brotado
Podridão
Mofado
Mancha negra
Total graves
Total leves
TOTAL GERAL
EXTRA
I
II
III
0%
0%
0%
2%
2%
2%
5%
3%
0%
0%
3%
3%
5%
10%
5%
3%
1%
5%
5%
10%
15%
20%
10%
1%
5%
5%
20%
100%
5%
10%
15%
100%
EMBALAGEM
As cebolas deverão estar acondicionadas em embalagens novas, limpas e secas que não
transmitam odor ou sabor estranhos ao produto, podendo ser sacos ou caixas, contendo até
25 kg líquidos de bulbos.
MORFOLOGIA
A cebola é um bulbo tunicado simples
Catáfilo também conhecido como túnica ou escama.
Casca também conhecida como catáfilo externo ou película envolvente.
Prato também conhecido como caule.
Instituto Cepa/SC
83
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
RÓTULO
O rótulo é o certificado de origem do produto e garante a sua rastreabilidade. A rotulagem é
de uso obrigatório e regulamentado pelo Governo Federal. O código de barras é utilizado
para captura dos dados nos processos automatizados.
Instituto Cepa/SC
84
Fatores que Afetam a Qualidade da Cebola na Agricultura Familiar Catarinense
Instituto Cepa/SC
85
Fly UP