...

segurança do paciente

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

segurança do paciente
HC-UFTM
Núcleo de Segurança
do Paciente
SEGURANÇA DO PACIENTE
Expediente
Presidente do Núcleo de Segurança do Paciente:
Profª Drª Cristina Hueb Barata
Supervisora da CCIH e membro do Núcleo de Segurança do Paciente:
Eva Cláudia Venâncio de Senne
Psicóloga do HC-UFTM e membro do Núcleo de Segurança do Paciente:
Tânia Maria Rocha Pimenta
Enfermeira da CCIH e membro do Núcleo de Segurança do Paciente:
Luciana Paiva
Acadêmica do Curso de Enfermagem/UFTM :
Damiana Aparecida Trindade Monteiro
Jornalista
João Pedro Vicente
Arte final e diagramação:
Luiz Vieira
Direção HC-UFTM
Superintendente:
Luiz Antônio Pertili Rodrigues de Resende
Gerente de Atenção à Saúde:
Daniel Ferreira da Cunha
Direção Clínica:
Sônia Beatriz Félix Ribeiro
Versão digital gerada em
2 set.2014
Elioenai Amuy/UFTM
O NSP é composto por uma equipe multiprofissional,
capacitada em conceitos de melhoria da qualidade da
segurança do paciente.
2
Núcleo de Segurança do Paciente (NSP)
NSP é “a instância criada para promover e apoiar a
implementação de ações voltadas à segurança do paciente”.
O que é segurança do paciente?
Redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano
desnecessário associado à atenção à saúde.
O que é dano ao paciente?
Dano é definido como prejuízo temporário ou permanente da
função ou estrutura do corpo: física, emocional, ou psicológica,
seguida ou não de dor, requerendo uma intervenção.
Metas da Organização Mundial de Sáude
Elioenai Amuy/UFTM
IDENTIFICAÇÃO
CORRETA DO PACIENTE
Edmundo Gomide/UFTM
CIRURGIA
SEGURA
Luis Adolfo/UFTM
COMUNICAÇÃO
EFETIVA
Luis Adolfo/UFTM
PREVENÇÃO DO RISCO
DE INFECÇÕES
Elioenai Amuy/UFTM
USO SEGURO DE
MEDICAMENTOS
Elioenai Amuy/UFTM
REDUZIR RISCO DE
QUEDAS E ÚLCERAS
DE PRESSÃO
3
IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO PACIENTE
É considerada o fundamento do cuidado seguro ao paciente e
consiste na utilização de tecnologias, como pulseiras de
identificação, essenciais à prevenção de erros durante o cuidado à
saúde.
Deve-se conferir a identidade do
paciente antes de qualquer
cuidado ou tratamento.
O paciente tem direito de ser identificado e
tratado pelo seu nome e sobrenome, não
devendo ser identificado somente por
números ou códigos.
4
COMUNICAÇÃO EFETIVA
Luis Adolfo/UFTM
A troca de informações, a disseminação de boas ideias e
resultados entre os diferentes setores do hospital são necessários
para envolver as equipes e promover a cultura de segurança.
O paciente recebe cuidados de diversos
profissionais e em diferentes locais
tornando imprescindível a comunicação
eficaz entre os envolvidos numa equipe
multiprofissional e humanizada.
5
Medidas sugeridas:
Transmitir as informações entre os profissionais
respeitando a individualidade de cada um.
Comunicar as condições clínicas ao paciente e família,
os resultados dos exames, a possível previsão do
tratamento, as recomendações sobre os cuidados
especiais, alterações significativas em sua evolução, tipo
de cirurgia específica a ser submetido.
Expressar as ideias de modo claro para o
entendimento do paciente e familiar ou
responsável imediato.
Utilizar a fala adequada a cada situação,
garantindo o entendimento.
O trabalho em equipe favorece a segurança
e fortalece a comunicação.
6
USO SEGURO DE MEDICAMENTOS
Princípios da administração de medicamentos:
1 - PACIENTE CERTO
2 - MEDICAMENTO
CERTO
3 - VIA CERTA
4 - HORA CERTA
5 - DOSE CERTA
6 - CHECAGEM CERTA
7- INDICAÇÃO CERTA
8 - FORMA CERTA
9 - RESPOSTA CERTA
7
CIRURGIA SEGURA
Edmundo Gomide/UFTM
Rumo à cirurgia segura - cuidados com o paciente
1 - Realize exames pré-operatórios.
2 - Faça a avaliação pré-anestésica.
3 - Preencha o termo de consentimento.
4 - Siga as orientações quanto a higiene pessoal.
5 - Informe se tem alguma alergia.
8
Rumo à cirurgia segura - Entrada ao Bloco Cirúrgico
6 - Higienização das mãos por toda equipe.
Elioenai Amuy/UFTM
7 - Checagem de segurança.
•
•
•
•
•
Identificação do paciente
Exames pré- anestésicos
Demarcação da área cirúrgica
Procedimento a ser realizado
Materiais, medicamentos e máquinas
8 - Apresentação da equipe.
9 - Anotações completas.
10 - Contagem de instrumentais, compressas e agulhas.
Houve intercorrência na cirurgia?
Rumo à cirurgia Segura - Saída do Bloco Cirúrgico -Orientações
para equipe médica e paciente
11 - Transporte seguro.
12 - Siga as orientações da equipe.
9
PREVENÇÃO DO RISCO DE INFECÇÕES
Luis Adolfo/UFTM
O primeiro Desafio Global para Segurança do Paciente pela
OMS é a prevenção de infecções associadas à assistência à saúde
e existe uma medida muito simples que pode reduzir as infecções
hospitalares: a higienização das mãos .
Fique atento! Deve-se higienizar
as mãos sempre!
10
Reprodução: Anvisa
11
REDUZIR RISCO DE QUEDAS E ÚLCERAS DE PRESSÃO
Prevenção de úlcera por pressão:
As úlceras de pressão, antigamente conhecidas como
escaras, em pacientes hospitalizados são um grande problema de
saúde. Elas podem acarretar:
Desconforto físico para o paciente,
aumento de custos no tratamento,
necessidade de cuidados intensivos de
enfermagem, internação hospitalar
prolongada.
Aumento do risco para o
desenvolvimento de complicações
adicionais.
Necessidade de cirurgia corretiva e
efeitos na taxa de mortalidade.
12
O desenvolvimento das úlceras por pressão pode estar relacionado a:
•
•
•
•
Dificuldades de se movimentar;
Atrito e pressão constante, contra uma cama, cadeira, lençol;
Pele sempre úmida;
Doenças como diabetes.
Evite ficar períodos longos na mesma posição.
O paciente deve ser trocado de posição a cada duas horas.
13
REDUZIR RISCO DE QUEDAS E ÚLCERAS DE PRESSÃO
Elioenai Amuy/UFTM
Prevenção de queda:
A identificação do risco de queda pela equipe de Enfermagem
é obrigatória. Siga as instruções:
14
Preste atenção a qualquer tubo,
cateter, etc, que podem interferir
quando você for caminhar.
Para ajudá-lo a ficar estável, apoiese somente em objetos fixos;
Elioenai Amuy/UFTM
Alguns medicamentos podem provocar
fraqueza ou tonturas. Informe o
enfermeiro caso perceba qualquer um
desses eventos. Não tente se levantar
sozinho.
15
TRANSFUSÃO DE SANGUE
Você já autorizou?
Converse com o seu médico!
“Para que o paciente decida se um tratamento médico lhe é aceitável segundo
suas crenças, aspirações e valores, precisa ser informado das intenções e
recomendações de seu médico. É dada ao paciente a possibilidade de consentir
ou não no tratamento proposto.” (SOUZA, Zelita da Silva; MORAES, Maria Isabel
Dias Miorim de. A ética médica e o respeito às crenças religiosas. Bioética, v.6,
n.1 , p. 89-93, 1 998.)
Fly UP