...

rede de atendimento social: uma ação possível?

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

rede de atendimento social: uma ação possível?
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
Marília Nogueira Neves*
RESUMO
Este artigo aborda, ainda que amplamente, a Rede de Atendimento Social na perspectiva do
profissional do Serviço Social. Para tanto, elucida alguns conceitos sobre redes, caracterizando suas
estruturas e categorias, analisando a mudança do paradigma das necessidades para a concepção dos
direitos fundamentais. Ressalta a importância, para os usuários dos serviços sociais e para os
programas e/ou organizações de atendimento aos mesmos, da organização/efetivação de uma rede
formal de atendimento social.
PALAVRAS-CHAVES: Serviço Social. Rede de atendimento social. Atendimento socioassistencial.
Operacionalização do atendimento social integrado.
1. INTRODUÇÃO
O presente trabalho visa possibilitar a melhor compreensão da importância
relativa à rede de atendimento social sob a ótica do Serviço Social. Busca-se direcionamentos
pautados na sucinta demonstração das possibilidades de ampliação relativas ao atendimento
social através da disponível rede que pode viabilizar os respectivos atendimentos.
Através dos interesses compartilhados e de situações vivenciadas por determinada
parcela da população torna-se possível a compreensão do ser humano inserido num
determinado ambiente, além da possibilidade de intervenções diversas. Neste sentido, a
necessidade de otimização da rede de atendimento social pode possibilitar um atendimento
com mais qualidade, de forma a aprimorar a utilização dos recursos disponíveis e,
consequentemente, resultar no atendimento de um maior número de usuários.
Assim como ressalta Flusser (1998, p.23) “sociedade significa a estratégia, graças
à qual esperamos realizar-nos através da troca de informações com os outros”. Deste modo, a
partir da estrutura referente ao atendimento em rede, pode-se vislumbrar uma possibilidade
que alarga o exercício da cidadania nas suas diferentes vertentes e as relações, assim como os
atendimentos sociais passam a ganhar novos significados.
A nova sociedade que se projeta refere-se à sociedade da informação e foi
definida por Flusser (1998, p.21) como “uma forma de estar na qual o interesse existencial se
*
Especialista em Políticas do Serviço Social e Assistente Social. Professora do Curso de Serviço Social da
Faculdade Católica de Uberlândia. Atua na Secretaria de Educação da Prefeitura de Uberlândia.
E-mail: [email protected]
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
147
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
concentra na troca de informações com os outros [...]”. Este perfil social revela as
possibilidades infinitas de realização, na medida em que se instauram novas possibilidades de
interações, baseadas nas trocas de informações.
Assim, pode-se melhor compreender a importância da interação significativa entre
as organizações, grupos e indivíduos vinculados às ações além dos movimentos
reivindicatórios, visando à mobilização de recursos, o intercâmbio de dados, a efetivação das
experiências junto à formulação de políticas públicas e importantes projetos sociais.
A integração de ações coletivas pode ainda ser realizada por meio do intercâmbio
entre as categorias profissionais, aspecto que facilita a viabilização do fluxo de informações,
juntamente às intervenções sociais passíveis de maior sucesso.
Em consideração à metodologia, este artigo é resultado de um estudo
fundamentado na compilação de dados, através de referências bibliográficas (fontes
secundárias), cujo objetivo centrou-se na estruturação de direcionamentos advindos da prática
profissional institucional, integrada às observações do tempo, dos recursos humanos,
financeiros, comunitários, dentre outros fatores, os quais podem ser empreendidos,
positivamente, através de uma proposta democrática, condizente à realização do trabalho
coletivo.
Quanto ao fato de transformar a realidade, Amyr Klink (apud Almeida, 2000,
p.26) faz uma reflexão interessante e bastante construtiva quando diz que "é uma necessidade
do ser humano não transformar o mundo, mas sentir que colaborou com a feitura de algo”.
Os pilares que sustentaram a proposta de pesquisa neste estudo foram
considerados a partir dos pressupostos científicos fundamentais, vislumbrados diante da
possibilidade de ser desenvolvido de modo coerente e capaz de promover a reflexão, a análise
crítica e a conclusão.
2. CONCEITUAÇÃO DE REDE
Como definição básica, o termo rede origina-se do latim retis, e é definido pelos
dicionários da língua portuguesa como o entrelaçamento de fios com aberturas regulares,
capazes de formar uma espécie de tecido. A partir da noção de entrelaçamento, assim como da
estrutura reticulada, a palavra rede foi ganhando novos significados, de modo a caracterizar-se
diante das mais diferenciadas situações.
Os diversos sentidos de “rede” foram enfatizados ainda no artigo de Loiola e
Moura (2000 p.54). As autoras buscaram evidenciar a natureza e ressaltar as vantagens e
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
148
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
definições do termo, fator que auxiliou e serviu de base para identificar, por comparação, os
sentidos convergentes e divergentes relacionados às redes de atendimento, possibilitando o
destaque de aspectos atuais, vinculados à utilização do conceito.
Ressaltando as várias implicações, as quais permeiam o sentido do termo em
destaque, para as autoras anteriores, tal termo nos remete às diferentes vertentes, tais como
armadilha (rede de pesca); instrumento amortecedor ou protetor (rede de circo, tela de arame);
idéia de fluxo e de circulação (enfatizando pontos de origem e destino, tal como a energia
elétrica). Em consideração a determinados fluxos, estes ocorrem sem que haja
necessariamente um centro propulsor e as várias unidades constituem a rede, como no caso da
internet.
As redes podem ainda ser consideradas como sistemas organizacionais capazes de
reunir indivíduos e instituições, de forma democrática e participativa, em torno de objetivos
ou realizações comuns.
Segundo informações do site rits (2007) o conceito de rede transformou-se, nas
últimas duas décadas, em uma alternativa prática de organização, capaz de possibilitar e
responder às demandas de flexibilidade, conectividade e descentralização das esferas de
atuação e articulação social diversas.
Dentre tantas vertentes, uma que realmente nos interessa por ocasião, refere-se
àquela direcionada às ciências sociais, enfatizando as áreas relativas à Sociologia, juntamente
ao Serviço Social, o qual se preocupa com o estudo do ser humano em suas inter-relações
contextualizando-o ao ambiente em que vive.
No sentido de estudar e trabalhar em rede parte-se do conceito fundamental,
diante do qual a Sociologia aborda as redes sociais, agregando-as ao mundo dos negócios;
estes, por sua vez, caracterizam-se a partir de algumas definições, considerando as interrelações, associações encadeadas, interações, vínculos não hierarquizados, todos estes
aspectos envolvendo relações de comunicação, assim como o intercâmbio de informações e
trocas diversas.
Faz-se necessário relacionar, segundo Amaral (2007) que “a rede refere-se a um
sistema aberto & fechado, cujos elementos encontram-se intrinsecamente relacionados por
regras, dispositivos, artefatos e situações de comunicação não subordinada”. Deste modo
compreende-se que as redes compartilham objetivos e tarefas comuns e, na conectividade,
geram dinâmicas capazes de promover a auto-organização.
No jargão das Organizações Não Governamentais - ONGs, o termo rede
refere-se às pessoas de uma organização, as quais se comunicam com outros integrantes de
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
149
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
uma instituição diferenciada ou movimento, através de qualquer meio, objetivando articular
uma ação. Redes de ONGs podem ser consideradas, portanto, um modo estratégico de
articulação.
Figura 1 – Caracterização dos tipos de rede no campo dos negócios e nas ciências sociais
Campo
Rede
Sistêmica
Caracterização
agrupamento de organizações que tomam decisões conjuntas e articulam esforços
para produzir produtos ou serviços
Secundária
Negócios
surgiram em resposta às necessidades específicas para fornecer serviços
particulares
Estratégica
conjunto de relações complexas recíprocas, de caráter mais cooperativo do que
competitivo
Ciências
Sociais
Urbana
indica níveis de interdependência e de fluxos entre as cidades
Primária
indica formas específicas de interação entre os indivíduos de determinados
agrupamentos
Fonte: Elaborada pela autora, baseada em Loiola e Moura, 2000
A igualdade e a complementariedade entre as partes, entendendo por este termo
todas as organizações, programas governamentais ou não governamentais representam
aspectos básicos, onde cada organização institucional que compõe a rede de atendimento
social apresenta-se como fundamental para o todo, mas só formam a rede se ligadas e interrelacionadas.
Importa ressaltar que não há diferenças hierárquicas significativas a serem
priorizadas dentre as redes, uma vez que parte-se da importância das informações, as quais
transitam através dos canais que interligam os vários integrantes ou colaboradores de uma
determinada instituição organizacional. Verifica-se ainda que as informações transitadas pela
rede de atendimento social deverão circular livremente, tendo como alvo e principal meta o
atendimento às demandas dos usuários finais do serviço considerado.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
150
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
No plano das políticas públicas, mais especificamente na política de assistência
social, a rede socioassistencial constitui-se de ação articulada e integrada entre as diversas
organizações governamentais e não governamentais que atuam nas políticas sociais. Só existe
a rede na medida em que ela integra e articula diferentes ações.
A rede de atendimento socioassistencial constitui em uma salvaguarda, para o
apoio e a proteção social destinadas aos usuários dos serviços sociais, e que deverão receber
dessa rede o amparo e o atendimento aos seus direitos.
Para ser uma rede os pontos precisam estar bem “amarrados”, ou seja, integrados
e articulados para que a rede consiga cumprir o seu papel, a sua função, ou seja, a rede de
atendimento socioassistencial estará sendo tecida na proporção direta da integração e
articulação de seus diversos pontos, ou seja, das diversas ações desenvolvidas pelas
organizações que integram a política social pública.
3. ESTRUTURAÇÃO E CATEGORIAS DAS REDES
Observa-se que o padrão organizacional de rede refere-se a um dos modelos de
organização da vida, o qual se remete ao caráter de continuidade, articulando-se como um
ciclo, elemento básico destacado por Amaral (2007) que caracteriza a estrutura de rede,
considerando-a como a manifestação de um sistema tanto aberto quanto fechado.
O ciclo aberto advém do conhecimento dos sistemas vivos e dinâmicos, assim
como também da cibernética. Por ser aberta, a referente dinâmica deve considerar as
abordagens sistêmicas que possibilitem a visão de contexto, emergências e mudanças
qualitativas.
Os fatores que diferenciam as redes sociais das redes espontâneas referem-se aos
objetivos, juntamente à intencionalidade nos relacionamentos comuns, conscientes e
compartilhados.
Na obra “redes sociais e redes naturais: a dinâmica da vida” a autora realiza uma
significativa caracterização destas formas de rede, destacando:
[...] apesar das características especiais, a forma de operar das redes sociais,
assim como das espontâneas traduz princípios semelhantes aos que regem os
sistemas vivos. Deste modo, um passo importante para entender as
dinâmicas próprias do trabalho em rede é conhecer os sistemas vivos,
entender como a vida se sustenta e se autoproduz. Uma diferença essencial
entre os dois sistemas é que os fluxos e ciclos das redes sociais estão
permeados, representam canais de circulação de informação, conhecimentos
e valores representados pelos sistemas simbólicos. (AMARAL 2007, p 02)
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
151
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
A rede, ao caracterizar-se como um sistema fechado, manifesta-se em função dos
seus objetivos, foco, perfil de integrantes, regras, trama de interações e vínculos entre os
componentes, uma vez considerando os territórios biogeográficos que normalmente abrange.
Acionar uma rede consiste deste modo, em criar um processo comum de
comunicação para todos os que estão envolvidos no problema e possuem um objetivo comum.
A efetivação da rede implica na comunicação estruturada e ainda na estratégia viável e eficaz
para articulação, intervenção e gestão dos processos.
A rede, processo estruturado de comunicação de forma reticular, segundo Amara
(2007), apresenta as seguintes características: articula pontos que estão em lugares diferentes;
policêntrico; não hierárquico; não linear; múltiplos níveis de organização; auto-organização;
objetivos compartilhados, construídos coletivamente; múltiplos níveis de organização e ação;
dinamismo e intencionalidade dos envolvidos; coexistência de diferentes; produção, reedição
e circulação de informação; empoderamento dos participantes; desconcentração do poder;
multi-iniciativas; tensão entre estruturas verticais e processos horizontais; tensão entre
comportamento de competição/cooperação/compartilhamento; composição multi-setorial;
formação permanente; ambiente fértil para parcerias; oportunidade para relações multilaterais;
evolução coletiva e individual para a complexidade e configuração dinâmica e mutante.
Tornar a rede produtiva implica em ações conjuntas, requer investimentos
financeiros, de tempo, dentre outros, pois as pessoas precisam conviver e se integrar,
desenvolvendo a confiança recíproca, devem concordar em relação aos objetivos e as
realizações, além da possibilidade de desenvolver um sentimento de que fazem parte da rede.
Tais pessoas devem constituir um grupo capaz de agir coletivamente e, para os representantes
e colaboradores das organizações os objetivos da rede e as regras de convivência necessitam
ser significativamente claros.
Amaral (2007) enfatiza que as redes manifestam um desejo coletivo de inovação
quanto às formas de organização política, numa desorganização consciente e intencional de
estruturas que não mais correspondem às demandas e aspirações do grupo; revelam a
existência de problemas que não conseguem ser resolvidos através das antigas estruturas e
formas de gestão. A autora destaca que o padrão rede pode trazer vários benefícios, tais como,
[...] a comunicação estruturada com públicos estratégicos; transparência;
desenvolvimento de uma cultura de cooperação; desenvolvimento do
protagonismo; descentralização das gestões; um ambiente/campo estruturado
para possibilitar parcerias mais seguras e confiáveis; democratização das
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
152
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
relações, regidas pelo par representado pela autonomia-interdependência; um
espaço estruturado de interação social para as pessoas e organizações com
objetivos comuns, além de um padrão organizacional cujas características
são, por si, potencialmente facilitadoras de integração e democracia.
(AMARAL, 2007 p. 02).
Vale ressaltar ainda alguns aspectos que constituem o incremento referente ao
capital social com foco no objetivo da rede, na aprendizagem individual e coletiva, além da
soma relativa à produção e difusão de informações estratégicas direcionadas aos objetivos.
Uma vez considerando que as redes sociais dividem-se em organizacional
piramidal e estrutura em rede, faz-se necessário destacar as idéias de Whitaker (2007) que
define muito bem as redes nas duas estruturas alternativas de organização ressaltadas
anteriormente.
Embora algumas redes muitas vezes surjam como uma reação aos problemas
originados a partir das estruturas piramidais, essas novas redes não pretendem substituir ou se
contrapor às estruturas relacionadas. Em algumas situações, a estrutura em rede pode ser mais
favorável à realização dos objetivos perseguidos e, deste modo, verifica-se que o melhor seria
exatamente a combinação de ambas as estruturas.
Para Whitaker (2007, p.03) “Os elos básicos - os fios - que dão consistência a uma
rede são as informações que transitam pelos canais que interligam seus integrantes. Inclusive
podem se organizar redes com o único objetivo de intercâmbio de informações”.
O autor destaca que a informação implica em poder, sendo que nas pirâmides, o
poder se concentra, por isso também a informação permanece guardada para ser usada no
momento oportuno, com vistas a se acumular e se concentrar cada vez mais.
Nas redes, o poder se desconcentra, por isso também a informação se distribui
e a livre intercomunicação horizontal torna-se uma exigência essencial para o bom
funcionamento de uma rede. Todos os seus membros têm que ter acesso a todas as
informações que nela circulem pelos canais que os interliguem.
Em seus estudos o autor enfatiza ainda o fato de que quando pessoas ou entidades
se associam para realizar determinados objetivos, estes precisam se organizar, sendo que a
estrutura de organização mais usualmente adotada é a piramidal. Outra estrutura de
organização que vem sendo cada vez mais experimentada, principalmente nos países do
Primeiro Mundo se refere à estrutura horizontal em rede.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
153
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
Assim, o mais importante da rede refere-se à distribuição de responsabilidades
e as redes sociais partem do conceito básico de horizontalidade, como uma malha, fios ligados
horizontalmente, sem ganchos de sustentação.
Abaixo, destaca-se uma comparação entre as duas estruturas destacadas,
relacionando-as a partir de alguns conceitos significativos, os quais fazem referências ao
contexto social das organizações. Pode-se observar, a partir da ilustração, o modo como os
conceitos básicos relativos a um trabalho em equipe são muito mais democráticos na estrutura
em rede do que na estrutura organizacional piramidal, a qual trabalha com maior rigidez,
concentração de poder e hierarquia.
Figura 2 - Relação comparativa entre a estrutura organizacional piramidal e a estrutura em rede
ESTRUTURA
ORGANIZACIONAL
PIRAMIDAL
ESTRUTURA EM REDE
CONCEITOS
Depende do modo como são
escolhidos seus dirigentes
Democracia
Medem-se pela abertura à entrada
de novos membros, pela liberdade
de circulação de informações em
seu interior, pela inexistência de
censuras, controles,
hierarquizações ou manipulações da
respectiva circulação
de articulação
Participação – os modos
de inserção dos atores
em uma rede
constrangem ou abrem
possibilidades
direcionadas à
capacidade de ação
Representação
e
Delegação de poder
Depende da aceitação dos
membros em relação ao poder
de quem coordena, além da
legitimidade e a forma de
condução do processo
Representação
Realização do objetivo perseguido,
de modo que este seja vital para
quem participa da ação; o objetivo
só pode ser alcançado se houver
efetiva participação
Não são estabelecidos níveis de
poder, mas sim tipos de
responsabilidades, com vistas à
realização dos objetivos
perseguidos; não existe
representação; o poder pertence a
todos os integrantes e refere-se ao
“poder conjunto”
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
154
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
Superpõem-se níveis de poder
de decisão:
na base: muitos com pouco
poder e menos
responsabilidade;
no topo: poucos, com muito
poder e muita
responsabilidade
Estrutura
Disciplina e comando
Obediência e
Concentração de poder
Seus integrantes se ligam
horizontalmente a todos os demais,
diretamente ou através dos que o
cercam. Todos têm o mesmo poder
de decisão, pois decidem sobre sua
própria ação; co-responsabilidade.
O poder se desconcentra
Conta com a lealdade de cada um
para com todos, baseada na coresponsabilidade e na capacidade
de iniciativa individual
Fonte: Elaborada pela autora, baseada em Whitaker, 2007.
Para Silva (2007) caracterizando-se como estruturas flexíveis e cadenciadas, as
redes devem se estabelecer por relações horizontais, através de uma interconexão e em
dinâmicas que supõem o trabalho colaborativo e participativo. Sustentam-se através da
vontade e afinidade de seus integrantes, revelando um significativo recurso organizacional,
tanto para as relações pessoais quanto para a estruturação social.
Partindo-se dos pressupostos fundamentais capazes de caracterizar as várias
possibilidades de integração quanto ao ambiente de rede podem ser considerados como
integrantes do referido processo as pessoas e as entidades organizacionais, elementos que se
encontram destacados na figura a seguir.
Figura 3 - Componentes que podem ser interligados pelas redes
Pessoas
Pessoas e
entidades
Entidades
Fonte: Elaborada pela autora, 2007.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
155
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
Na estrutura em rede pode-se relacionar pessoas, juntamente às entidades
organizacionais, interligar colaboradores de uma mesma organização, ou ainda unir
organizações ou entidades diferenciadas. Deste modo é possível checar programas, assim
como projetos semelhantes e trabalhar o diferencial dos mesmos, redimensionando-os em
função dos usuários dos serviços sociais, evitando a sobreposição de ações e, sobretudo,
vislumbrando o significativo aumento de recursos financeiros, humanos e materiais
direcionados em benefício das ações existentes e dos objetivos pretendidos.
Uma entidade organizacional tem que ter conhecimento do que é feito pelas
outras organizações para poder acionar ou encaminhar o usuário que atende para outros
serviços de atendimento social.
Não é incomum encontrar em uma entidade organizacional com grande
variedade de serviços, a existência de um total desconhecimento e uma falta de integração
entre seus próprios serviços.
As redes sociais, em suas diferentes configurações indicam uma nova forma de
organizar e vivenciar espaços de poder e segundo as afirmações de Amaral (2007) a expressão
denominada “horizontalidade das relações resulta em princípios, os quais devem se revelar
através da gestão e nas relações caracterizadas pela descentralização, insubordinação,
conectividade, multi-liderança, autonomia, transparência, cooperação e interdependência”.
Cada rede possui uma configuração particular, dependente do ambiente onde se
forma e atua, depende ainda da cultura política dos membros e, em especial, daqueles
considerados como os facilitadores, além dos objetivos compartilhados.
Verifica-se que as configurações e dinâmicas das redes podem ser delineadas
como significativamente variáveis. O que há em comum são os princípios sistêmicos do
padrão organizacional em rede, por isso faz-se essencial entender tal padrão, juntamente com
os seus princípios.
Em consideração às contribuições do padrão rede, para os bons resultados
ocorrerem faz-se necessário que a operação da rede, sua facilitação, permita o
desenvolvimento de dinâmicas de opostos (contraditórias) e emergências (surgimento do
novo).
Para Amaral (2007) “gerir uma dinâmica de opostos implica abordagens dialéticas
e dialógicas, em conseguir conviver com contradições sem cair no erro da simplificação, em
buscar a descentralização, o desejo de colaboração e a capacidade para enfrentar a novidade”.
As redes sociais, nos últimos anos, definem-se como um padrão organizacional
capaz de expressar, em seu arranjo de relações, as idéias políticas e econômicas inovadoras, as
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
156
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
quais surgiram a partir do desejo de resolver problemas atuais. Representam um grau de
complexidade política de uma determinada comunidade ou grupo e não podem ser criadas
artificialmente, pois emergem de processos culturais e políticos.
A partir da contextualização em destaque, cumpre ainda considerar que o Serviço
Social trabalha com o que é chamado de redes sociais. Estas mesclam as categorias de redes
vistas anteriormente, pois, as atividades possuem como foco o indivíduo e passam deste modo
a constituir uma proposta democrática de realização do trabalho coletivo indispensável aos
vários modos de transformações sociais.
Na perspectiva de formular um referencial analítico para a inter-relação entre as
diferentes redes, Baptista, (2000) localiza e destaca os vários espaços e âmbitos nos quais tais
redes se configuram, sendo que as características em destaque encontram-se ilustradas abaixo
Figura 4 - Quadro referente às caracterizações das diferenciadas formas de redes
REDES SOCIAIS
ESPONTÂNEAS
Relações primárias, interpessoais e espontâneas (família, amigos, vizinhança,
trabalho, dentre outras). Sua ação concretiza-se através das relações de
reciprocidade, circulação de informações e prestação de serviços imediatos
REDES DE SERVIÇOS
SÓCIOCOMUNITÁRIOS
Produzem serviços assistenciais de caráter mutualista, tais como mutirões para
a construção de moradias, festas comunitárias, eventos culturais, esportivos,
dentre outros
REDES SETORIAIS
PÚBLICAS
OU INSTITUCIONAIS OU
SÓCIOGOVERNAMENTAIS
REDES SETORIAIS
PRIVADAS
No campo do Estado as redes representam formas de articulação entre agências
governamentais, juntamente com as redes sociais e implementam-se através das
políticas públicas. Estruturam-se a partir do espaço público em função de
necessidades tidas como direitos dos indivíduos (educação, saúde, habitação,
etc). Representam ainda coordenações ou comissões formais que reagrupam
instituições engajadas nas mesmas políticas. A composição e missão são,
geralmente, impostas por uma regulamentação, sendo que ocorre ainda a
constituição de espaços públicos de negociação e participação da cidadania na
gestão local, devido ao processo de democratização nas relações entre Estado e
sociedade civil
Por serem de caráter privado, seguem as leis do mercado, oferecendo seus
serviços mediante pagamento. As relações sociais que caracterizam as mesmas
são definidas por normas precisas, por funções e papéis atribuídos aos
indivíduos para realização de serviços. Nestas redes ocorre um nível avançado
de formalização
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
157
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
REDES SOCIAIS
MOVIMENTALISTAS
Movimento social de defesa, garantia de direitos, de vigilância e luta
reivindicatória por melhores condições de vida, além da afirmação de direitos.
Constituem-se a partir da articulação de grupos e organizações sociais de
naturezas e funções diversas, ligados através de relações institucionais e
interpessoais. Estas redes oxigenam todas as demais, assumindo o papel de
instituintes das novas demandas de justiça, mudanças de paradigmas, evolução
sócioeducacional e promoção humana
Fonte: Elaborada pela autora, baseada em Baptista (2000)
Considerando as idéias de Néri (2004) pode-se melhor compreender o fato de
que as várias redes de relações sociais, assim como o apoio social representam pressupostos,
os quais devem ser considerados como inseridos nos âmbitos de outras áreas científicohumanas que se encontram inter-relacionadas de forma complexa, tais como a psicologia, a
sociologia, a pedagogia, dentre outras, sendo que todas possuem ações, direcionamentos e
fundamentações teóricas que muito contribuem para os estudos e efetivação da promoção
relativa ao bem-estar da população em geral.
Importa ressaltar que o interesse pelo desenvolvimento das teorias relacionadas
ao suporte social aumentou significativamente e ainda encontra-se vinculado às redes de
atendimento social, aspecto que se fundamentou a partir da década de 1970, com destaque
para os estudos de Matsukura; Marturano; Oishi, (2002) tendo em vista, particularmente a
relação entre suporte social e os indicadores de presença ou ausência de vários desajustes
sociais, além de diversas doenças, bem como a relação de suporte com as previsões de
diagnóstico e restabelecimento pessoal.
Os autores enfatizam o fato de que o suporte social ajuda a aumentar a
competência adaptativa, através do manejo e contribuição para o maior direcionamento e
equilíbrio como um todo, fatores que se encontram vinculados à dependência de influências
ambientais e sociais às quais os indivíduos encontram-se expostos.
4. A CONCEPÇÃO DO CIDADÃO ENQUANTO SUJEITO DE DIREITO
O cidadão, sujeito de direitos, que chega para ser atendido em uma situação de
vulnerabilidade social, via de regra, apresenta um conjunto variado de necessidades sociais.
Este conjunto ou é desconsiderado, em uma negação do tipo “aqui a gente não atende isso” ou
se desqualifica esse o usuário dos serviços sociais – sujeito de direitos – com uma fala mais
ou menos assim “você já está recebendo isso que é bem melhor do que nada”.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
158
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
Observa-se, portanto que se faz indispensável a coerência e a compatibilidade
entre os meios, instrumentos e seus respectivos campos de aplicação. Isto significa que o
esboço desse atendimento em rede deverá levar em conta as limitações, as possibilidades
estruturais e institucionais das conjunturas nos diferentes níveis ou esferas de programas que
constituem projetos federais, estaduais ou municipais, tendo como objetivo maior a qualidade
do atendimento prestado ao usuário dos serviços sociais e a despersonalização das ações dos
profissionais envolvidos, passando-as ao patamar da institucionalização pois, só assim,
efetiva-se os direitos sociais dos usuários, entendendo esse usuário como sujeito de direitos
inteiro ou seja, ele não é pontual, fragmentado e separado em partes. Isto quer dizer que, as
necessidades sociais do usuário não existem segmentadas, separadas.
Na prática cotidiana e enquanto profissional do Serviço Social observa-se, quanto
à rede de atendimento social, uma grave falácia, um “vício”, por tal rede revelar-se
personalista e não institucionalizada.
A grande diferença de uma ação institucionalizada consiste que esta independe do
profissional, enquanto pessoa, ou seja, daquele que esteja encaminhando o usuário para o
atendimento. Enquanto o atendimento em rede não institucionalizada permanece intimamente
ligado a “quem indica” ou encaminha o usuário, estas ações fazem parte das relações
interpessoais deste profissional e não condizem às necessidades do órgão ou programa ao qual
o usuário encontra-se vinculado.
Deste modo, as ações deveriam ser realizadas de modo que, o profissional
priorizasse os atendimentos por ordem de necessidade e, ao ser substituído por outro
profissional, do mesmo órgão ou programa, pudesse dar sequência aos atendimentos,
priorizando os casos mais urgentes e prosseguindo com os encaminhamentos necessários à
rede de atendimento social, os quais deveriam fluir naturalmente.
A questão fundamental condizente à compreensão das redes, assim como a
eficácia da operacionalização de políticas públicas reside no compartilhamento de recursos, os
quais têm por objetivos a viabilização da interação social, assim como a criação de
mecanismos de coordenação e pressão entre os diversos serviços que caracterizam as
diferentes
organizações
dedicadas
ao
enfrentamento
das
questões
sociais
e
ao
desenvolvimento de outras instituições que se fizerem necessário.
Encontrar o papel mais adequado a cada organização no conjunto de articulações
possíveis é um desafio a ser superado pela sociedade atual e as reformas pelas quais a
sociedade tem passado levam à redução das responsabilidades do Estado no campo das
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
159
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
políticas públicas, o que tem significado uma deterioração dos serviços sociais desta natureza,
comprometendo a qualidade e a equidade dos mesmos.
Deste modo, o caminho das mudanças faz-se extremamente lento e contraditório,
com retração de investimentos, não equacionamento da precariedade das práticas, as quais
permanecem sem conexão, tanto em relação às propostas políticas, quanto à superação dos
limites impostos por essa conjuntura, caminhando na contramão dos direitos sociais
assegurados pela Constituição Federal de 1988 e regulamentados através da Lei Orgânica da
Assistência Social - LOAS, da Política Nacional do Idoso, do Estatuto da Criança e do
Adolescente - ECA, dentre outros.
5. IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO DE UMA REDE (FORMAL) DE
ATENDIMENTO SOCIAL
No sentido de organizar o adequado funcionamento de uma rede formal,
algumas considerações devem ser realizadas objetivando o adequado planejamento para o
desenvolvimento das atividades e ações direcionadoras dos objetivos a serem atingidos, além
da significativa distribuição das funções a serem priorizadas.
A possibilidade da efetiva circulação das informações deve realizar-se de forma
significativa, uma vez que os colaboradores integrantes da rede devem saber a quem solicitar
e a quem enviar as informações necessárias em tempo hábil.
A infra-estrutura refere-se a outro aspecto que deve ser programado, com base no
suporte administrativo, junto à determinação legal de leis e estatutos socialmente vigentes.
Faz-se importante destacar o processo de interdependência organizacional em
rede, considerando os estudos de Gonçalves (1991) segundo o qual o processo de
interdependência organizacional em rede implica em fatores condicionantes do trabalho em
evidência. O autor relata enquanto prioridades.
[...] o papel institucional: organização de referência que garante identidade e
legitimidade institucional; o papel facilitador/articulador: técnicos
encarregados de informar sobre o que está acontecendo e facilitar a
socialização do conhecimento e da informação; o papel coordenador/gestor:
que deve garantir congruência das prioridades entre a decisão e a ação; o
papel operacional: que procura garantir “conectividade” entre os processos,
produtos e compatibilidade orçamentária. (GONÇALVES 1991 p. 07-10)
Torna-se fundamental ressaltar a importância da participação assumida, livre e
consciente de todos os membros que realizam uma ação coletiva, sendo que estas ações são
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
160
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
válidas para todos os tipos característicos de redes e terão maior relevância, quanto mais
significativos se revelarem os fatores referentes à realização dos objetivos, junto à
participação e colaboração dos diversos contribuintes para as várias realizações a serem
alcançadas.
6 – REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL
As ações em parcerias, realizadas por unidades operacionais independentes
credenciadas e interdependentes em relação aos processos operacionais que compartilham se
traduzem em vínculos horizontais, interconectando agentes, serviços, produtos e os diversos
tipos de organizações.
Neste sentido, seria necessário desenvolver uma nova perspectiva de compreensão
dos elementos que compõem a questão social específica e melhor direcionar o sistema de
apoio existente, implantando novas ações ou, simplesmente, viabilizando outras a partir das
necessidades relativas aos usuários dos serviços sociais, redimensionando a prestação desses
serviços. Esta perspectiva ultrapassa a noção presente no senso comum e na burocracia do
Estado, caracteriza-se através de cadeia de serviços similares, subordinados em geral a uma
organização que exerce a gestão de forma centralizada e hierárquica.
O atendimento em rede se constitui pela articulação em torno de interesses
comuns, de um conjunto amplo e dinâmico de organizações diversas, governamentais, não
governamentais, assim como ainda de empresas fornecedoras de produtos e serviços à rede de
atendimento social, com expectativas e valores culturais compartilhados, os quais realizam
ações complementares em um processo unitário e coerente de decisões, estratégias e esforços.
Todos os fatores ressaltados devem ter sempre presente o caráter nacional e
integral da questão. Estes aspectos significam uma integração crítica às políticas, às metas, às
estratégias e aos programas estabelecidos nos diferentes níveis do sistema de atendimento do
país.
A efetividade desse tipo de ação irá depender de sua consistência e legitimidade
em relação às condições gerais e às demandas da sociedade, esta precisa ser compatível, tanto
com o contexto histórico, cultural e político no qual precisa operar, quanto em relação à
política social mais ampla, destinada a assegurar a elevação progressiva dos níveis de vida da
população.
Todas
as
implicações evidenciadas apresentam-se como componentes
necessários dessa articulação, objetivando as ações decorrentes das políticas sociais básicas
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
161
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
(educação, saúde, assistência social, habitação) através do profissional da área de Serviço
Social e dos programas e campos especializados, constituídos por uma agregação simultânea
de ações próprias dos poderes executivos.
Nessa perspectiva, é possível considerar que o trabalho dos assistentes sociais é
determinado pela contraditória dinâmica institucional e complexa rede de operacionalização,
avaliando-se as correlações de forças presentes em cada conjuntura, pelo confronto
estabelecido entre os sujeitos sociais, a partir dos seus projetos societários.
A mediação entre a intervenção profissional e os significados políticos das ações
executadas são aspectos que fazem parte de um processo protagonizado por diferentes sujeitos
coletivos, dentre os quais se situam os assistentes sociais. Nessa direção, a intervenção destes
profissionais é orientada pelo projeto ético-político da categoria, no sentido de se trabalhar
para a ampliação e consolidação dos direitos sociais.
Embora a atenção prestada pelas organizações governamentais e não
governamentais possa estar motivada por princípios humanizadores, não há como negar que
essas práticas precisam ser revitalizadas com novos conceitos, novos valores e diretrizes
humanizantes.
As ações pontuais e desarticuladas não conseguiram alterar a dinâmica das
vulnerabilidades sociais a que os usuários dos serviços sociais ficavam e ficam sujeitados.
A perspectiva de rede estabelece para quem atua nas políticas sociais novos
parâmetros e vetores que deverão contribuir na humanização do atendimento aos seus
usuários.
Ter em vista o homem inteiro repõe eticamente a posição e o papel de cada uma
das organizações e das pessoas que dedicam as horas de suas vidas ao trabalho social.
Essa nova perspectiva ética exige que seja ultrapassado a linha da intervenção
para além da atenção imediata “face a face” com o usuário abrangendo o patamar dos direitos
sociais e da promoção humana.
Faz-se necessário e imprescindível o conhecimento da rede existente no bairro e
na cidade onde a organização está inserida assim como ter uma visão ampla, “além muros”,
ou seja, conhecer os programas/organizações nos demais níveis federativos e ainda, precisa-se
conhecer o usuário e suas necessidades.
Esse conhecimento potencializará a ação do Assistente Social com o usuário da
política social, encaminhando-o para outras organizações que poderão atendê-lo, quando for o
caso. Cada organização deve se tornar uma porta de entrada da rede de atendimento social,
uma vez que pode permitir que o usuário acesse a rede em sua amplitude.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
162
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O atendimento em rede possibilita a perspectiva para que a instituição
organizacional, órgão ou programa seja responsável pela operacionalização das ações,
viabilizando as várias realizações de forma significativamente imparcial, justa, diminuindo
custos e maximizando os recursos destacados ao longo da teoria desenvolvida anteriormente.
Em consideração às práticas cotidianas verifica-se, quanto à caracterização dos
atendimentos sociais, que estes se revelam personalistas, não institucionalizados e passíveis
de falhas significativas, as quais poderiam ser solucionadas, a partir da colaboração de toda
uma equipe capaz de compor a rede de atendimento social. Deste modo, as redes devem ser
consideradas e representadas como alguns pressupostos fundamentais que derivam da
sociabilidade e das relações inerentes às atividades humanas.
O atendimento social considerado a partir do sistema de rede facilita a circulação
de informação, promove uma tomada de consciência coletiva, além de possibilitar uma visão
geral, incluindo o levantamento de recursos, potencialidades e demais fatores capazes de
permitir a melhor efetivação das ações norteadoras do sucesso referente ao desempenho
institucional direcionado ao atendimento social.
A rede manifesta-se como objeto útil e indicador do planejamento, execução,
acompanhamento e avaliação da ação, entre os parceiros sociais; facilita a participação dos
excluídos nos processos de desenvolvimento das ações e possibilita a utilização do
conhecimento necessário às estratégias de atuação e solução de impasses.
A rede em destaque pode então funcionar como um elemento mediador, capaz de
auxiliar e realizar a “ponte com o outro”, de induzir a anulação da incompreensão, com
objetivos pautados na destruição de resistências às comunicações diversas, facilitando a
circulação das interações pessoais como um todo mas, jamais, priorizando-as em detrimento
das políticas de atendimento institucionais e tendo como objetivo o atendimento com
qualidade ao usuário dos serviços sociais.
Os atos de pensar e agir são ações necessárias ao exercício do Serviço Social e
passa pela interação indispensável ao atendimento e melhor compreensão do outro, ou seja,
daquele que representa o usuário dos serviços em questão.
A partir da teoria desenvolvida e das análises consideradas observa-se que os
estudos efetuados nos campos sociais confirmam o fato de que o atendimento social
articulado através das redes possibilita ainda as interações horizontais, capazes de melhor
efetivar a descentralização das gestões, a comunicação estruturada, a ajuda mútua, assim
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
163
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
como a transparência quanto às ações. Surge deste modo o desenvolvimento da cooperação
recíproca, indispensável à aprendizagem contínua e à busca da excelência quanto às ações
direcionadoras do exercício profissional democrático e contínuo.
Faz-se necessário criar mecanismos de institucionalização da rede de
atendimento social para que ultrapasse o patamar das relações pessoais dos profissionais
embora não baste a legislação “impor” a rede e, por consequência o reordenamento das ações.
É preciso que a rede e o reordenamento sejam buscados com uma determinação e motivação
ética e política de cada órgão que compõe as políticas sociais.
Os desafios são grandes e encontram-se relacionados às necessidade de mudanças
e transformações culturais, organizacionais, políticas, dentre outras, as quais representam as
dinâmicas que integram a sociedade como um todo. Estas ações referem-se aos padrões que
reproduzimos consciente e inconscientemente, porém, de alguma forma, a conscientização
dos mesmos representa o primeiro passo em direção ao indispensável processo de mudanças
no campo do atendimento social.
A construção da história das políticas sociais é feita por omissão ou açõa mas,
sobretudo, deve compreender a integralidade do ser humano.
A rede de atendimento social não só é possível como imprescindível à efetiva
conquista da integração das políticas sociais.
REFERÊNCIAS
ALMEIDA, S. Gestão de sonhos: riscos e oportunidades. Bahia: Casa da Qualidade, 2000.
AMARAL,
V.
Rede:
uma
abordagem
operativa.
Disponível
<http://www.portaldoenvelhecimento.net/artigos/artigo2287.htm>. Acesso em 06 de Jan. 2007.
em:
___________ Redes sociais e redes naturais: a dinâmica da vida. Disponível em:
<http://www.marketinghacker.com.br/index.php?itemid=2938>. Acesso em 06 de Jan. 2008.
FLUSSER, V. Agrupamento ou Interconexão? In C. Giannetti (Ed.), ARS Telemática Telecomunicação, Internet e Ciberespaço. Lisboa: Relógio D´Água Editores, p.21-28, 1998.
GONÇALVES, M. A. O processo de interdependência organizacional em rede. São Paulo,
FUNDAP, 1991.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
164
REDE DE ATENDIMENTO SOCIAL: UMA AÇÃO POSSÍVEL?
BAPTISTA, M. V. A intervenção em rede: o que é e o que precisa ser? Elementos para pensar
propostas alternativas de prática junto ao adolescente com processo por prática infracional. Margem
Revista de Trabajo Social, Buenos Aires, 2000.
LOIOLA, E.; Moura S.“Análise de Redes: uma contribuição aos estudos organizacionais”. In:
FISCHER, T. (org.). Gestão contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. 2. ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2000, p. 53 – 68.
MATSUKURA, T. S.; MARTURANO, E. M.; OISHI, J. O questionário de Suporte Social (SSQ):
estudos da adaptação para o português. Revista Latino-Americana de Enfermagem, set./out. 2002,
p. 675-681.
NERI, A. L.; CACHIONI, M. "Velhice bem sucedida e educação". In: NERI, A. L.; DEBERT, G. G.
Velhice e sociedade. Campinas, SP: Papirus, 2004, p.113-140.
SILVA,
Carlos
Antônio.
O
que
são
redes?
<http://www.rits.org.br/redes_teste/rd_oqredes.cfm>. Acesso em 06 Jan. 2008.
Disponível
em
WHITAKER, F. Rede: uma estrutura alternativa de organização. Disponível em
<http//www.inforum.insite.com.br/arquivos/2591/estrutura_alternativa_organizacao.PDF –>. Acesso
em 10 Dez. 2007.
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 147-165, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
165
Fly UP