...

ILUMINAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NOS USUÁRIOS DA

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

ILUMINAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NOS USUÁRIOS DA
45
ILUMINAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NOS USUÁRIOS DA EDIFICAÇÃO:
O BOM E O MAU PROJETO1
Juliana Cassiano Martins2
Samara Aparecida Belenki3
Henrique Luis de Carvalho Sanches4
RESUMO: O presente artigo propõe um estudo sobre a iluminação, pois para que
um ambiente seja iluminado não basta apenas determinar certa quantidade de luz
no espaço, mas sim criar condições para que a luz torne-se algo significante,
eficiente e confortável ao usuário da edificação. Para que isso seja possível, deve-se
conhecer as propriedades da luz, e sua influência na qualidade de vida, nas
condições de trabalho, tornando o ambiente seguro e confortável.
PALAVRAS-CHAVE: Iluminância. Conforto. Lâmpada. Luz. Danos Ocupacionais.
ABSTRACT: This project proposes a study on the lighting because for an
environment that is not enough to determine lit right amount of light in place, but to
create conditions in which the light becomes something significant and more efficient
and user-friendly way of building. But for this to be possible, one must know the
properties of light and its influence on quality of life, working conditions, making it
even more secure and comfortable our lives are an indisputable right of people
KEY WORDS: Illuminance. Comfort. Lamp. Light. Occupational injuries.
1. INTRODUÇÃO
A luz é indispensável e um elemento de extrema importância no
ambiente construído. Por esse motivo é vista como algo natural, passando
despercebida na maioria das vezes, fazendo com que não se note seu real valor.
1
Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso Superior em Tecnologia de Design de
Interiores, como requisito parcial à obtenção do título de Tecnólogo em Design de Interiores, da
Faculdade do Norte Novo de Apucarana – FACNOPAR.
2
Acadêmica do Curso de Tecnologia em Design de Interiores da FACNOPAR Faculdade do Norte
Novo de Apucarana. E-mail: [email protected]
3
Acadêmica do Curso de Tecnologia em Design de Interiores da FACNOPAR Faculdade do Norte
Novo de Apucarana. E-mail: [email protected]
4
Arquiteto. Professor da FACNOPAR e do SENAI Arapongas. Especialização em Arquitetura e
Urbanismo pelo Centro Universitário Filadélfia (UNIFIL). Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela
Universidade Norte do Paraná (UNOPAR).
46
Devido a tais fatores foram desenvolvidos muitos sistemas para uma iluminação
eficiente, duradoura, e mais econômica.
Sabe-se que a qualidade da luz é algo indispensável e decisivo para
uma qualidade de vida ideal para o usuário da edificação, tanto no aspecto de
desempenho de atividades, quanto na influência do bem estar e qualidade
emocional do ser humano.
Sendo assim, conhecer bem o tipo de iluminação ideal, controlar a
qualidade e quantidade, buscar alternativas disponíveis, é algo que se considera
precioso para o sucesso de um projeto.
Segundo a NBR 5413, (1992), uma iluminância adequada depende
das características da tarefa a ser executada e do observador. As variáveis que
compõem essas características são: a velocidade e precisão do trabalho a ser
realizado, a idade dos usuários e a refletância do fundo da tarefa. Além disso, um
bom projeto luminotécnico depende da escolha apropriada dos aparelhos de
iluminação, da cor da luz e seu rendimento e das características de execução do
teto, piso e parede.
Considerando a importância, a influência e os efeitos que a luz
artificial tem na vida dos seres humanos, no bem-estar, no desempenho, na saúde,
na fisiologia e psicologia, é necessário o uso correto da luz, por isso existe uma série
de fatores a serem considerados para que se tenha um local adequadamente
iluminado.
Por outro lado, o mau aproveitamento da iluminação artificial, tal
como sua falta, ou até mesmo a iluminação em excesso, são problemas que podem
causar danos aos usuários da edificação como desconforto e fadiga visual, dor de
cabeça, ofuscamento, redução da eficiência visual ou mesmo acidentes e baixa
produtividade nas tarefas.
Em vista disso, por meio de pesquisas bibliográficas, este trabalho
propõe- se a mostrar os benefícios de uma iluminação adequada e os problemas
que uma iluminação inadequada pode causar.
Será apresentado também o tipo de iluminação necessária a cada
ambiente, em função das atividades a serem executadas nos mesmos.
47
2. O QUE É LUZ?
De acordo com MICHAELIS (2008), a luz pode ser definida como
uma onda eletromagnética, na qual o comprimento de ondas possui intervalos,
tornando-se sensível aos olhos e atuando nos órgãos visuais, produzindo a
sensação da visão.
Ela é emitida por objetos energéticos ou quentes como, por
exemplo, o Sol e o fogo, e é refletida por objetos não luminosos.
Um psicólogo que estude a sensação visual não apenas examinaria
a estrutura física do olho e suas reações à energia luminosa, mas também tentaria
estabelecer de que maneira as experiências sensoriais se relacionam tanto ao
estímulo da luz ambiental quanto ao funcionamento do olho (SCHIFFMAN, 2005,
p35 ).
2.1 LUZ NATURAL E ARTIFICIAL
A luz natural como o próprio nome diz, é gerada naturalmente sem
influências do homem. É uma luz benéfica e saudável ao ser humano, pois
Figura 1- Luz Natural
Fonte: http://exercicioesaude.blogs.sapo.pt/tag/luz+natural
48
faz com que o organismo produza vitamina D, além disso, é ela que aumenta a
energia e regulariza o metabolismo. Isso tudo depende de que se tenha uma
exposição moderada a ela, pois uma exposição em excesso à luz solar causa
prejuízos, podendo acarretar em câncer de pele, danos aos olhos, resultando em
cataratas.
A luz solar, diferente da luz artificial, não pode ser regulada
conforme as necessidades humanas e sua intensidade e variação de radiação são
difíceis de simular com iluminação artificial.
“O Sol ilumina a vida e deve ser usado como tal na concepção de
qualquer casa” (WRIGHT, 1943, p. 53).
Por outro lado, a luz artificial é gerada por fontes de energia não
naturais e ao contrário da luz natural não possui o mesmo espectro de cores e os
comprimentos de onda. Com isso ela se torna menos benéfica, fazendo com que
seus efeitos causem danos nas plantas e animais, pois possui uma qualidade
inferior. Portanto, os seres vivos que ficarem muito tempo expostos a essa luz irão
sofrer degeneração ou morte celular com mais frequência e intensidade do que as
plantas e animais que ficarem expostos apenas à luz natural.
O homem tornou-se dependente das fontes alternativas de luz, pois
sem elas a maioria das atividades não seria possível. O ponto positivo para essa luz
é a facilidade de ser controlada conforme as necessidades diárias, podendo alterar
sua intensidade, quantidade e qualidade da luz, conforme a situação.
2.2 PROPRIEDADES DO OLHO EM RELAÇÃO À LUZ
Segundo Viana, Gonçalves o olho humano apresenta as seguintes
propriedades (2004, p. 91):
•Seletividade - a retina não é sensível a todas as radiações. As que produzem
sensação visual são as que estão entre 0,380 e 0,780 microns.
49
•Maior e menor Sensibilidade - a maior sensibilidade do olho encontra- se no
comprimento de onda correspondente a 0,55 microns (amarelo- esverdeado) e a
menor para as cores roxo e violeta (extremos do espectro).
•Percepção das cores - a percepção de cores é uma característica de seletividade
do olho - é a sensação causada pelos distintos comprimentos de onda entre 0,38µm
a 0,78µm. A cor é, portanto, uma característica da sensação.
•Acomodação – corresponde a capacidade que o olho tem de ajustar-se às
distâncias diferentes dos objetos, formando assim uma imagem nítida na retina. Este
ajuste se faz variando a curvatura do cristalino e com ele a distância focal por
contração ou distensão dos músculos ciliares.
•Acuidade - capacidade que o olho tem de reconhecer com nitidez e precisão os
objetos; a habilidade do olho de ver detalhes. Normalmente, é definida como um
valor que expressa a proporção entre o tamanho do detalhe critico da tarefa e a
distância desta até o olho.
•Cores- a sensibilidade dos olhos para as cores presume também uma sensibilidade
na percepção de diferentes luminosidades das mesmas cores.
Se cada uma das radiações que contem a luz branca chegasse ao
olho separadamente, este as captaria em suas diversas cores com distintas
intensidades, devido ao fato de que a sensibilidade dos cones da retina é diferente
para cada cor (ALOY, 1943, p.12).
• Adaptação- é a capacidade que o olho tem de se ajustar automaticamente as
diferentes luminâncias dos objetos. A adaptação do olho à luz e às cores é um
processo fisiológico complexo. O que se vê depende não somente da qualidade de
luz ou da cor presente, mas também do estado dos olhos na hora da visão e da
quantidade de experiência visual.
3. NÍVEL DE ILUMINÂNCIA
Segundo a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF- 2010), a luz
que uma lâmpada irradia, relacionada à superfície a qual incide, define uma nova
50
grandeza luminotécnica denominada de iluminamento, nível de iluminação ou
iluminância.
A iluminância é a sensação de claridade provocada no olho por uma
fonte de luz ou por uma superfície iluminada em uma dada direção, representa a
intensidade luminosa da superfície dividida pela sua área aparente, dada pela
posição do observador, dependendo também das características de reflexão da
superfície.
Na medição da luz usa-se um instrumento, o medidor de luz, ou
luxímetro, que mede a energia não diretamente, mas da forma como é vista pelo
olho. O olho não vê as radiações infravermelha ou ultravioleta, assim o luxímetro
não reage a estes comprimentos de onda. Os luxímetros de melhor qualidade
correspondem de forma mais sensível às características do olho humano.
A escala a que este instrumento está graduado é o Lux, que é uma
unidade de medida que indica o fluxo luminoso de uma fonte de luz que incide sobre
a superfície situada a certa distância dessa fonte.
Um luxímetro consiste numa superfície sensível protegida, ou
fotocélula, ligada eletricamente a um medidor.
Assim a NBR 5413, (1992) especificou o valor mínimo de iluminância
média, para ambientes diferenciados pela atividade exercida relacionada ao conforto
visual. Pois, quanto maior for à exigência visual da atividade maior deverá ser o
valor da iluminância média.
51
Figura 2 – Iluminância
Fonte: Catálogo comercial OSRAM (2010/2011).
Tabela 1 – luminâncias por classe de tarefas visuais
Fonte: NBR 5413 (1992)
Grandjean (1998, p.10) afirma que a iluminação muito alta é
inconveniente, visto que iluminação de 1000 Lux aumenta o risco de reflexos
perturbadores, de sombras pronunciadas ou outros contrastes exagerados.
52
A figura a seguir representa o fluxo luminoso de uma fonte de luz
que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância desta fonte. A seguir,
a NBR 5413 (1992) determina conforme demonstrado nas tabelas em sequência,
níveis de iluminância para alguns ambientes e tarefas.
NÍVEIS MÍNIMOS DE ILUMINÂNCIA POR CLASSE DE TAREFAS VISUAIS
AMBIENTE DE TRABALHO
Desenho, engenharia, mecânica e
arquitetura
Sala de Espera
Bibliotecas – salas de leitura
Vitrines e balcões
(centrocomerciais de grandes cidades)
Sala de aula
Bancos atendimentos ao público
Bibliotecas / salas de laitura
LUX
750/150C
100 / 200 C
300 / 750
750/150
200 / 500
300/750
300 – 500 - 750
Tabela 2 – Nível de Luminância
Fonte: NBR 5413 (19992)
Nessa tabela estão especificados alguns ambientes, definindo- se o
Lux mínimo e máximo para que se possa ter uma iluminação adequada sem causar
nenhum dano ao usuário.
4. SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO
Segundo OSRAM (2014), basicamente existem dois tipos de sistema
de iluminação: o sistema principal, para as necessidades funcionais, e o sistema
secundário que evidencia a personalidade do ambiente e seu design. Sistema
principal: é dividido em iluminação geral e iluminação localizada.
Iluminação geral: é a distribuição regular das luminárias pelo teto,
apesar de oferecer uma maior flexibilidade na disposição interna do ambiente, essa
não atende as necessidades específicas de locais que requerem níveis de
iluminância elevados, apresentando um grande consumo de energia e em certos
casos desfavorecendo o controle de ofuscamento - cegueira momentânea causada
53
pelo excesso de luz em nossos olhos - este sistema se emprega geralmente em
salas de aula, fábricas, oficinas.
Figura 3 – Iluminação Geral
Fonte: http://work-security.blogspot.com.br/2011/06/iluminacao-no-ambiente-de-trabalho.html
supermercados ou mesmo em ambientes residenciais, conforme
representa a figura a seguir.
Iluminação localizada: concentração da luminária em locais de
principal interesse, esse tipo de iluminação é útil para áreas restritas em trabalho em
fabricas, devendo ser instaladas altas o suficiente para cobrir a superfície adjacente,
para que seja possível um alto nível de iluminância sobre o plano de trabalho,
oferecendo uma maior economia de energia, com um posicionamento que evite o
ofuscamento.
Iluminação de tarefa: luminária posicionada próxima à tarefa visual,
iluminando uma área muito pequena, possibilitando maio controle do efeito da
iluminação e também uma maior economia de energia.
Sistema secundário: divide-se em luz de destaque, luz de efeito e
luz decorativa.
Luz de destaque: a iluminação chama atenção do olhar para um
objeto ou uma superfície, esse efeito geralmente é obtido com o uso de spots ou
com o posicionamento da luz muito próximo à superfície a ser iluminada. Pode ser
usada em paredes, gôndolas, quadros etc.
A figura 4 representa um exemplo de luz de destaque localizada no
painel da sala.
54
Figura 4 – Luz de destaque
Fonte: http://www.natalianoleto.com.br/page/58/
Figura 5 – Luz de efeito
Fonte: http://www.cassol.com.br/blog/iluminacao-para-valorizar-a-decoracao/
Luz de efeito: o objeto de interesse é a própria luz. Contraste de luz
e sombras, fachos nas paredes, luz colorida, etc.
55
Luz decorativa: o principal objetivo dessa iluminação é destacar o
objeto que a emite como, por exemplo: lustres, arandelas, velas,etc. A seguir na
figura 6, um evento com iluminação decorativa
Figura 6 – Luz decorativa
Fonte: http://www.rdlsomeluz.com.br/fotos_luz_decorativa_ambiente.asp
4.1 EFEITOS DE LUZ
De acordo com CLIQUE ARQUITETURA (2014), a iluminação
interfere diretamente na maneira de ver e sentir o espaço. Cores e texturas devem
ser pensadas junto com a luz e seus efeitos.
Através da luminotécnica é possível ampliar ou reduzir a sensação
de tamanho de um cômodo, valorizar produtos em uma loja, gerar a sensação de
conforto ou até mesmo direcionar circulações.
Segundo GURGEL a luz pode ser utilizada para várias finalidades.
Seu efeito é importante para obter a atmosfera desejada, a compreensão do
ambiente e essencial para a escolha do tipo de iluminação necessária. GURGEL cita
dois tipos de efeito da iluminação, segundo a orientação do facho e conforme a
luminária (2004, p. 230-233)
Segundo a orientação do facho está dividido em: iluminação direta,
direta de efeito, indireta, built-in, difusa e wall-washing, conforme figura 7.
56
•Direta- é orientada para uma superfície em forma de facho aberto, gerando sombra.
•Direta de efeito- lâmpadas de facho fechado e concentrado realçam a textura, o
volume e a cor de superfícies ou objetos.
Figura 7 – Efeito da luz segundo orientação do f acho
Fonte: GURGEL, 2004, p.232
•Indireta- ilumina por meio da reflexão da luz nas paredes ou no teto. Amplia-se
visualmente um pé-direito baixo jogand o a luz toda para o teto.
•Built-in (in direta embutida)- pode estar embutid a ou incorporada à arquitetura,
ou a peças do mobiliário.
•Difusa- a lu z espalha-se uniformemente pelo o ambiente
•Wall-washi ng- esse efeito é obtido ao se ilumina r uma parede com lâmpada
halogena bipolar e refletores específicos.
Conforme a luminária: difusa geral, direta- indireta, semidireta, semiindireta, indireta e direta, como se especifica na figura 8.
•Difusa geral- distribui a luz de forma homogênea em todas as direções.
•Direta- indireta - dirige a luz em facho para cima e para baixo.
•Semidireta- emite de 10% a 40% da luz para cim a e o restante, para baixo.
•Semi-indireta- distribui de 60% a 90% para cima e o restante, para baixo.
57
Figura 8 – Efeito da luz segundo orientação da luminária
Fonte: GURGEL, 2004, p.233.
•Indireta- joga praticamente toda a luz para o teto.
•Direta- o facho de luz é dirigido totalmente para baixo.
5. CONFORTO AMBIENTAL
Dentro da conceituação proposta pela Organização Mundial da
Saúde (OMS, 2014), o conforto é função da relação que o homem estabelece com
seu meio-ambiente. Relação esta que é dependente daquilo que o meio possibilita
ao indivíduo em termos de luz, som, calor, uso do espaço e das experiências
próprias de cada pessoa. Experiências que, por sua vez, vão também orientar suas
respostas aos estímulos recebidos, suas necessidades e aspirações.
Trata- se da necessidade de um ambiente estar adequado ao dia-adia do homem, pois quanto menor for o esforço de adaptação do indivíduo, maior
será sua sensação de conforto.
Esse ambiente deve ser confortável para que as pessoas que
passam ali horas trabalhando, tornem-se dispostas, bem humoradas e estimuladas a
trabalhar.
58
Além do ambiente de trabalho, deve-se pensar também no conforto
dos consumidores ou visitantes, já que eles podem ser essenciais para o
fechamento de negócios e aumento dos lucros da empresa.
O conforto ambiental não é influenciado apenas por um fator, pode
ser obtido também por meio de boa iluminação, ventilação, cores agradáveis e que
atuem de modo positivo nas pessoas, elementos arquitetônicos que explorem
sensações e os sentidos, tornando-se ferramentas que devem ser colocadas em
prática e exploradas ao máximo.
“A qualidade do espaço é medida pela sua temperatura, sua
iluminação, seu ambiente, e o modo pelo qual o espaço é servido de luz, ar e som
devem ser incorporados ao conceito de espaço em si” (KAHN, 1940, p.22).
Entende-se que luz causa um grande impacto psicofisiológico nos
seres humanos interferindo em seus sentimentos podendo causar diversos efeitos,
desde um clima romântico até uma compra de um objeto em uma loja. Uma
iluminação inadequada pode ser prejudicial causando alguns problemas como baixa
produção, baixo aprendizado, acidentes, stress entre outros danos. Mas do mesmo
modo que uma iluminação inadequada é prejudicial uma iluminação adequada traz
inúmeros benefícios.
“O objetivo de qualquer iluminação é proporcionar o ótimo
desempenho de uma tarefa visual, seja ela qual for” (VIANA, GONCALVES, 2004,
p.45).
O esforço realizado para ver todos os dias causa uma boa parte do
cansaço físico. Utilizando o exemplo de uma escola, a atividade de ler e escrever
exige uma boa iluminação, e segundo a norma ABNT 5413 (1992), são exigidos 300
lux como mínimo e 500 lux como ótimo.
5.1. ILUMINAÇÃO INADEQUADA
A utilização da luz envolve não só o campo das ciências exata
aplicadas, como também o das ciências humanas como fisiologia, a psicóloga, a
segurança, a arte... Desta forma, o estudioso em iluminação deverá dedicar-se não
só ao formulismo matemático, mas também aos efeitos comportamentais do
59
indivíduo frente a um sistema de iluminação, ou seja, dos efeitos sobre o indivíduo e
o ato de ver (COSTA, 2005, p. 13).
Estudos
comprovaram
que
a
iluminação
inadequada
está
relacionada a diversos problemas de saúde humana. Uma longa exposição à
iluminação inadequada, durante o dia e à noite contribui para a perda de ordem
temporal interna ou perturbação cronológica. Além disso, também podem estar
associados
a
problemas
como
depressão,
insônia,
câncer
e
doenças
cardiovasculares.
Segundo a OMS (2014), a forte exposição à luz está relacionada
com alterações nas taxas metabólicas, resultando em obesidade, diabetes tipo II e
doenças cardíacas. Além disso, estudos procuram uma relação de causa e efeito
entre alterações no sistema imunológico, alguns casos de câncer com exposição
exagerada à luz e a baixos níveis de melatonina.
Concluiu- se que além dos efeitos prejudiciais à saúde pelo estilo de
vida das pessoas (sedentarismo, má alimentação, estresse), a poluição luminosa
também é preocupante. Por esse motivo, a International Lighting Association (ILA) associação que através de técnicas e tecnologias busca mostrar como a luz pode
causar reações no organismo - sugere que sejam evitadas iluminações incoerentes
que podem causar desordem ao sistema vital como: luminosidade sem indução de
soletrol (hormônio benéfico à produção de vitamina D e proteção provável contra
alguns tipos de câncer), claridade excessiva à noite, e a exposição à claridade por
longos períodos no inverno. Sugere ainda uma iluminação artificial ideal,
empregando temperatura de cores abaixo de 3000K, com espectro contínuo, sem
mercúrio, sem frequências moduladas e sem distúrbios eletromagnéticos.
Em síntese, uma iluminação inadequada pode causar ao usuário da
edificação: fadiga visual, dor de cabeça, redução da eficiência visual, ofuscamento,
acidentes, baixo rendimento, desconforto.
5.2.O PROJETO DE ILUMINAÇÃO EFICIENTE E ADEQUADO
A iluminação pode ser uma peça chave para valorizar o projeto de
um espaço. Deve-se considerar que a luz necessita de superfícies que a
60
reflita, assim a mesma será transmitida para o ambiente, para isso
uma boa opção é conciliar a cor e a luz.
Para que isso ocorra deve-se elaborar um projeto de iluminação
complexo e de fácil entendimento. Assim, é essencial que o profissional responsável
pelo projeto tenha um conhecimento bastante acentuado, pois quanto maior o
ambiente maior o cuidado, para poder obter um projeto adequado e eficiente de
iluminação, conforme apresentado nos anexos A, B, C, D e E.
A luz, como meio óptico, é fundamental na criação de efeitos
particulares e deve ser explorada como diferencial no projeto de interiores. Pode ser
utilizada para realçar elementos, criando pontos de interesse; para criar diferentes
atmosferas; ou simplesmente iluminar. É útil ainda para dar maior sensação de
aconchego, entristecer, estimular ou acalmar os sentimentos (GURGEL, 2004,
p.225).
Gurgel descreve várias maneiras e aspectos que devem ser
pensados em um projeto de iluminação adequado: (2004 p.234, 241-242).
•Que atividades e tarefas serão exercidas no ambiente. Deve-se analisar se um
mesmo tipo de iluminação é suficiente para todas elas.
•Cores e texturas. Cores muito escuras e fortes dificultam a iluminação e cores mais
claras e suaves refletem melhor a luz.
•Dimensões e pé direito. Para diminuir visualmente a altura de ambiente ou a largura
de um corredor por exemplo. Valorizar os elementos estruturais é um diferencial.
•É preciso atentar-se à idade dos usuários. É notável que uma pessoa de 60 anos
necessite de muito mais iluminação do que uma criança de 10 anos.
•Como é a iluminação natural do ambiente e o que é possível fazer para melhorar.
•Locais que devem ser instaladas as tomadas e interruptores para um melhor
conforto e praticidade, independente da idade dos usuários.
•O excesso de luz solar deve ser controlado com cortinas e persianas e outros
artifícios.
Hoje a iluminação de interiores valoriza a sensação que a luz cria e
não a luminária ou lâmpada que a emite. As luminárias devem ser valorizadas
quando exibem um design interessante, são antiguidades ou têm um valor
sentimental especial. (GURGEL, 2004, p. 242).
Atualmente, nos projetos de iluminação residencial, encontramos
cinco tipos principais de lâmpadas: halógenas, incandescentes, fluorescentes,
61
fluorescentes compactas e as lâmpadas de Led. Cada uma delas é mais indicada
para um tipo de ambiente, Conforme relata a arquiteta Kelly Mroczkoski Rocha em
seu site, PDI Arquitetura.
AMBIENTE
LÂMPADAS
Quartos
Nos quartos é indicado o plafon para a
iluminação geral com lâmpada incandescente.
Para a leitura, são indicados os abajures e as
luminárias, com luzes frias na cor amarela, de
preferência.
Nas cozinhas, iluminação geral com plafons e
lâmpadas fluorescentes. Iluminação de bancada
de trabalho direcionada.
Lâmpadas fluorescentes compactas são as
indicadas para a iluminação geral neste
ambiente. Para criar um efeito especial nos
espelhos e facilitar o barbear dos homens e a
maquiagem das mulheres, o ideal é utilizar
lâmpadas dicróicas direcionadas para o rosto em
frente ao espelho.
A iluminação geral deste ambiente pode ser feita
através de uma peça central, com lâmpadas
incandescentes, ou com lâmpadas fluorescentes
distribuídas em um forro de gesso. Para destacar
elementos decorativos e móveis, vale utilizar
uma iluminação mais direcionada e pontual,com
lâmpadas halógenas ou mesmo Led.
O pendente sobre a mesa é uma ótima opção de
iluminação e de decoração. Com eles, luzes
halógenas ou incandescente caem muito bem.
Cozinha
Banheiros
Sala de estar
Sala de jantar
Tabela 3- Lâmpadas para cada ambiente
Fonte: http://pdiarquitetura.blogspot.com.br/
5.3. ILUMINAÇÃO PARA AMBIENTES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS
Com base nas afirmações de GURGEL (2004) que apresenta
algumas dicas e cuidados que é de fundamental importância para obter uma melhor
iluminação, foi elaborada uma síntese de alguns ambientes.
a) Lojas:
A iluminação deve ser bem cuidada para criar um ambiente
agradável, e deve estar de acordo com a identidade da loja, pois é essencial no
processo de vendas, podendo influenciar os consumidores.
62
Uma iluminação inadequada pode ser totalmente prejudicial a uma
empresa, “impedindo vendas e até mesmo expulsando a clientela” (GURGEL, 2005,
p.39).
A vitrine é uma área da loja e deve ser elaborada com cuidado e
dedicação, pois, sendo preparada de tal forma para que possa chamar a atenção
dos clientes ao ponto de despertar a curiosidade e encantar, portanto, atraí-los para
o interior da loja.
Para que isso seja possível é aconselhável o uso de uma iluminação
adequada, pois é a manipulação da luz que a transforma. É necessário ter uma
flexibilidade na iluminação, pois normalmente a vitrine troca de cenários com
frequência e pode variar a iluminação.
As prateleiras também devem ter uma atenção especial. Uma
iluminação adequada é fundamental para evitar ofuscamento da vista, e ter uma boa
visualização dos produtos, a luz não pode alterar a cor dos produtos. Para essas
áreas deve-se utilizar lâmpadas que tenha uma boa reflexão. É indicado harmonizar
a cor do produto com a da iluminação.
Os provadores são uns dos lugares de grande importância, pois é
por onde geralmente o cliente passa para decidir a compra. Deve-se utilizar a
iluminação igual à geral, que tenha uma ótima reprodução e temperatura de cor.
b) Escritório:
No escritório é fundamental que a iluminação crie conforto e
condições visuais para que tenha uma ótima produtividade. O excesso de luz
geralmente não significa que é luz adequada, podendo atrapalhar o usuário.
Normalmente as mesas de escritório necessitam de uma iluminação
localizada. Em salas de reuniões o interessante é usar uma iluminação que
possibilite criações de varias atmosfera dependendo da reunião.
Alguns cuidados devem ser tomados quanto à iluminação de
escritórios:
•É aconselhável que a mobília e pintura sejam em tons claros, isso também diminui
o cansaço visual.
•O tipo e posicionamento das luminárias deve ser escolhido de modo que evite
ofuscamento direto ou refletido.
•Deve-se ter cuidado com as telas de computadores para que não receba luz
natural. Ela pode ser contida com cortinas ou persianas para evitar o desconforto.
63
c) Cozinha:
Para a cozinha é aconselhável aproveitar a luz natural, pois é
agradável. Caso a cozinha seja escura é possível simular a claridade do dia com
lâmpadas fluorescentes brancas. Como esse tipo de lâmpada pode distorcer a cor
dos alimentos, geralmente são acrescentadas lâmpadas fluorescentes compactas
amarelas ou lâmpadas incandescentes. É importante considerar diferentes
interruptores para os diferentes tipos de iluminação,
Os planos de trabalho devem ser bem iluminados sendo ideal a
instalação de spots no teto, direcionando fachos para as bancadas. Uma iluminação
no topo dos armários altos pode aumentar visualmente um ambiente com pé direito
pequeno.
É importante considerar diferentes interruptores para os diferentes
tipos de iluminação, separe a iluminação de tarefa da geral.
d) Dormitório:
Para os dormitórios é indicada uma iluminação geral, uma de efeito
e outra de tarefa, com acendimentos independentes. Para as áreas de leituras devese dar preferência as lâmpadas fluorescentes compactas. As arandelas são ótimas
opções para os dormitórios, pois elas oferecem uma atmosfera aconchegante.
Para iluminação geral pode ser usado uma luminária com iluminação
indireta, no ponto central do ambiente. Podem ser usados spots para uma
iluminação periférica, iluminando os armários e a circulação.
Deve-se pensar no acendimento da lâmpada independente da idade
dos usuários, o ideal é que o acendimento seja feito em paralelo que significa junto a
porta de entrada e ao lado da cama, dessa maneira ira proporcionar mais
comodidade ao usuário.
A iluminação é uma das principais ferramentas utilizadas para iludir
nosso olhar, simular alterações nos espaços ou ainda tapear nossos sentidos
(GURGEL, 2005, p. 39).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
64
Para que a iluminação torne-se correta e otimizada, é necessário
que se verifique uma grande quantidade de informações e, além disso, a realização
de alguns procedimentos e análises.
Porém, nem sempre se conhece ou se dá importância necessária a
esse tipo de projeto. Um sistema de iluminação inadequado pode causar acidentes,
erros de trabalho, fadiga, cefaleia e irritabilidade, os quais apresentarão como
consequência diminuição da atividade produtiva.
A consequência desse descaso é a falta de planejamento, e
distribuição luminosa incorreta, baixos níveis de iluminância, sistemas de baixa
eficiência luminosa ou com problemas de ofuscamento.
Com base nas análises e pesquisas, e levando em consideração os
aspectos expostos pode-se afirmar que a iluminação se mostra importante não
apenas no que diz respeito à decoração, mas também no conforto, bem estar e
desempenho do usuário da edificação.
REFERÊNCIAS
ALOY, Flo, B.D. Manual de Luminotécnica. Madrid: Labor SA, 1943.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5461. Iluminação
(terminologia). Rio de janeiro: ABNT, 1992.
______. NBR 5413. Iluminação de interiores. Rio de janeiro: ABNT, 1992.
______. NBR 5382. Verificação de iluminâncias de interiores. Rio de janeiro: ABNT,
1985.
CLIQUE ARQUITETURA. Conforto visual: iluminação. Disponível em:
http://www.cliquearquitetura.com.br/portal/dicas/view/conforto-visual- iluminacao/35 >
Acesso em 15 de abril de 2014.
COSTA, Gilberto J.C. Iluminação econômica: Calculo e avaliação. 3. ed. Porto
Alegre: EDIPUCRS, 2005.
65
DEMETRESCO, Sylvia. Vitrina: Construções de encenações. 2. ed. São Paulo:
SENAC, 2004.
FERREIRA, A. B. H. Aurélio século XXI: o dicionário da Língua Portuguesa. 3. ed.
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
GRANDJEAN, Etienne, Manual de ergonomia: Porto Alegre, 1998.
GURGEL, Miriam. Projetando espaços: Guia de arquitetura de interiores para áreas
residenciais. 2. ed. São Paulo: Senac, 2004.
GURGEL, Miriam. Projetando espaços: Guia de arquitetura de interiores para áreas
comerciais. 3. Ed. São Paulo: Senac, 2005.
INTERNATIONAL LIGHTING ASSOCIATION (ILA). Conteúdo de mídia livre:
Disponível em:http://www. http://www.international-light-association.eu/. Acesso em
03 de julho de 2014.
KAHN, Louis. Forma de design. São Paulo: Martins Fontes, 2010
LIMA, Mariana Regina Coimbra de; SAN MARTIN, Ramon. Percepção lumínica.
Revista Lume Arquitetura, São Paulo: De Maio Com. e editora Ltda, n. 36, p 5257,209.
MANCUSO, Clarice. Arquitetura de interiores e decoração: A arte de viver bem.
5.ed. Porto Alegre: Sulina, 2004.
MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em:
< http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php >. Acesso em 15 julho de
2014.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. (OMS) Disponível em:
<http://www.onu.org.br/onu-no-brasil/opas-oms/>. Acesso em: 10 de fevereiro de
2014.
OSRAM. Iluminação: conceito e projetos. Disponível em:
http://www.usp.br/fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aut0262/Af_
Apostila_Conceitos_e_Projetos.pdf> Acesso em 11 de junho de 2014.
66
OSRAM. Manual Luminotécnico Prático. Online. 2006. Disponível em:
<http://www.osram.com.br/download/manual/MANUAL.PDF>Acesso em 10 de
março de 2014.
PDI ARQUITETURA PESQUISA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO EM
PROJETOS ARQUITETÔNICO: Lâmpadas. Disponível em:
< http://pdiarquitetura.blogspot.com.br > Acesso em 03 de julho de 2014.
SCHIFFMAN, Harvey. R. Sensação e percepção: livros técnicos e científicos. Rio
de Janeiro: S.A., 2005.
SILVA, Luiz Felipe; MENDES, René. Exposição combinada entre ruído e vibração e
seus efeitos sobre a audição de trabalhadores. Revista de Saúde Pública, São
Paulo, v. 39, n. 1, p. 9-17, jan. 2005.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (UFJF- 2010): Manual de
luminotécnica. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ramoieee/files/2010/08/ManualLuminotecnica.pdf> Acesso em 15 de junho de 2014.
VIANNA, Nelson S & GONÇALVES, J.C .S. Iluminação e Arquitetura. 2. ed. São
Paulo: Geros s/c Ltda, 2004.
WRIGHT, Frank Lloyd. Uma Autobiografia, Nova Iorque: Duell, Sloan and Pearce,
1943
67
ANEXO A
68
ANEXO B
69
ANEXO C
70
ANEXO D
71
ANEXO E
Fly UP