...

Técnica de Sialometria para uso na prática clínica diária

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Técnica de Sialometria para uso na prática clínica diária
Técnica de Sialometria para uso na prática clínica diária
Sialometry Technique for use in daily clinical practice
• Maurício Duarte da Conceição
Especialista em Dentística Restauradora pela Universidade de São Paulo/Bauru.
• Luciana Sassa Marocchio
Mestre em Patologia Bucal pela Universidade de São Paulo/Bauru.
• Rosiene Lima Fagundes
Especialista em Estomatologia pelo Hospital Heliópolis – São Paulo/SP.
Resumo: O propósito deste artigo é descrever uma nova técnica para medição do fluxo salivar. Ela é prática, rápida, de
baixo custo e fácil execução, produz resultados fiéis e, sobretudo, pode ser prontamente utilizada na prática clínica
diária. Além disso, como permite uma análise quantitativa e qualitativa do fluxo salivar, ela representa um método
diagnóstico auxiliar importante, especialmente para detectar inúmeras alterações patológicas, bem como sinais e
sintomas clínicos comumente associados a distúrbios bucais e sistêmicos.
Descritores: Saliva, Xerostomia, Halitose, Glândulas salivares.
Abstract : The aim of this article is to describe a new technique for measuring salivary flow rate. It is practical, fast,
lowcost, easy to perform, gives accurate results and, most importantly, can be readily used in daily clinical practice.
Furthermore, as it allows quantitative and qualitative analyses of salivary flow, it represents an important new diagnostic
aid, especially for detecting a large number of pathological alterations as well as clinical signs and symptoms usually
associated with oral and nonoral disorders.
Descriptors: Saliva, Xerostomia, Halitosis, Salivary glands.
Introdução
A saliva desempenha uma gama de funções na cavidade bucal, que implicam na lubrificação dos alimentos
e da mucosa, o controle de uma boa higiene bucal assim como a manutenção e proteção dos dentes, gengiva e
1
periodonto de suporte .
Entre seus constituintes se incluem compostos orgânicos considerados protetores dos elementos dentais tais como os
fatores antimicrobianos e anticorpos, substratos nitrogenados (uréia e peptídios arginina) para síntese de compostos
básicos da placa e glicoproteínas para formação da película adquirida.
Além disso, componentes inorgânicos também podem ser protetores, como a água para diluição e limpeza dos ácidos da
placa e carboidratos da dieta, a capacidade tampão para limitar ou reverter a acidez da placa (sobretudo através do
bicarbonato) e o cálcio e íons fosfato para manter a saturação salivar favorecendo a integridade da fase mineral dos
dentes2.
A hipossalivação (ou diminuição do fluxo salivar) pode ocorrer por inúmeros fatores como, por exemplo,
o uso de medicamentos, estresse crônico excessivo, radioterapia em cabeça e pescoço, doenças sistêmicas como a
Síndrome de Sjögren e diabetes e alterações patológicas de glândulas salivares. Assim,
essa condição pode gerar desequilíbrios bucais, favorecendo o aparecimento de cáries rampantes2, disfagia e disgeusia,
Síndrome da Ardência Bucal e uma superinfecção por bactérias normalmente consideradas comensais, causando a
doença periodontal, amidalite e faringite7.
Somando-se a estes fatores, a hipossalivação é um dos maiores contribuintes para a halitose, pois debilita o mecanismo
normal de autolimpeza da boca e predispõe à proliferação de um microbiota bucal que favorece os microorganismos
Gram negativos responsáveis pela halitose4,5, com a formação da saburra lingual e dos cáseos amidalianos.
É comum que pacientes com queixa de amidalite caseosa e halitose procurem um otorrinolaringologista e
este recomende a amidalectomia para sanar o problema, o que nem sempre ocorre, pois a hipossalivação era a
responsável por ambas as queixas por propiciar, além da formação dos cáseos, a de saburra.
Indubitavelmente a avaliação do fluxo salivar, através de um teste de sialometria, se torna imprescindível
na prática clínica diária, para o controle e prevenção de doenças que acometem a cavidade bucal e estruturas
adjacentes.
Proposição
A finalidade deste artigo é relatar uma técnica de sialometria de fácil aferição e
execução, confortável ao paciente e com resultados fiéis e reproduzíveis. Isso a
torna viável para a prática clínica diária, para o uso em metodologia científica ou
ainda, quando for necessário, para o uso por pacientes, que podem vir a realizar o
procedimento em sua residência, devido à praticidade da técnica proposta.
Apresentação da técnica
A técnica abaixo descrita, denominada Hálito fresco, foi desenvolvida em parceria
com a empresa Hálito fresco®.
Materiais e Métodos
• Tubo coletor de saliva mililitrado Hálito fresco®
• Sialogogos mecânicos Hálito fresco®
• Cronômetro ou relógio
• Dimeticona (em gotas)
• Espátula para incorporar a dimeticona à saliva
O tubo coletor de saliva Hálito fresco® é autoclavável e pode ser reutilizado
inúmeras vezes; os sialogogos mecânicos Hálito fresco® são dispositivos de
silicone destinados a estimular a produção de saliva através da mastigação.
A dimeticona, que é um agente antiespumante, permite induzir uma rápida
precipitação da espuma salivar.
A espuma costuma ser um dado desprezado em testes de sialometria com
estímulo mecânico ou ainda um impecilho, por acarretar uma demora na leitura
dos resultados quando se opta por esperar a precipitação da mesma. O uso da
dimeticona possibilita que toda a espuma seja contabilizada no resultado final do
teste propiciando um efeito fiel à real produção de saliva (Figura 1).
Esta técnica está contra-indicada para edêntulos que não utilizam próteses totais,
portadores de próteses
mal-adaptadas e pacientes com doença periodontal severa ou distúrbio de ATM7.
A sialometria é um método diagnóstico destinado à aferição quantitativa do
volume do fluxo salivar produzido em repouso, sob estímulo gustatório,
farmacológico ou mecânico. Além disso, este exame nos
permite avaliar qualitativamente a saliva, através de características fundamentais tais como a viscosidade, coloração e
turbidez da saliva.
O método proposto deverá se realizado da seguinte forma:
1. Pedir que o paciente masque o sialogogo mecânico por exatos cinco minutos, não engolindo, e sempre
cuspindo a saliva que for acumulando dentro do tubo coletor até completar os cinco minutos.
2. Verificar a quantidade de saliva e de espuma em ml (mililitros) produzidas durante este período (Figura2)
3. Para a espuma toda se precipitar e converter-se emsaliva pode ser necessário um longo período de espera. Porém, o
uso de algumas gotas de dimeticona faz com que este processo converta-se rapidamente, obtendose um resultado
imediato e preciso da quantidade de saliva produzida. Pingar até cinco gotas de dimeticona (Figuras 3 e 4) mexendo
vigorosamente com uma espátula para incorporá-la à saliva (Figura 5). Usar três gotas até 4 ml de espuma; quatro gotas
até 8 ml; cinco gotas acima de 8 ml de espuma. Cada gota de dimeticona corresponde a 0,02 ml. Assim, a quantia
máxima de cinco gotas corresponderá a apenas 0,1 ml.
4. Dividir o resultado por cinco para obter a quantidade em ml/minuto que foi produzida (Figura 6). A taxa de conversão
de espuma em saliva pode variar, podendo não haver nenhum aumento no volume de saliva ou ainda, ter um aumento
significativo.
Resultados
Avaliaremos quatro aspectos na saliva
coletada: volume, viscosidade, coloração
e turbidez.
Todos os dados relativos à saliva, exceto
o volume, devem ser avaliados e
tabulados antes da adição da dimeticona,
para esta não interferir na leitura e
análise dos parâmetros salivares.
1. Volume
Produção de saliva normal: de 7,5 ml de
saliva até 15 ml em cinco minutos (ou de
1,5 ml/minuto até 3,0 ml/minuto)7.
Hipossalivação leve: de 1,05 a 1,45
ml/minuto.
Hipossalivação moderada: de 0,55 a 1,0
ml/minuto.
Hipossalivação severa: de 0,05 a 0,50
ml/minuto.
Sialorréia: acima de 3,0 ml por minuto.
2. A viscosidade (se há excesso de mucina)
A mucina é uma proteína responsável pela proteção e lubrificação das mucosas e dentes. Quando há redução no fluxo
salivar (fisiológica ou não), a quantidade de mucina presente na saliva permanece praticamente a mesma, agora em um
volume menor de saliva e, assim,
tornando-se mais concentrada em mucina, portanto mais viscosa. A maior concentração de mucina na saliva acarreta
maior aderência da mesma sobre o dorso da língua, além da aderência de células epiteliais descamadas da mucosa
bucal e microorganismos.
Temos ainda um aumento da viscosidade salivar (por aumento da concentração de mucina) em pacientes com fluxo
salivar aparentemente normal. Uma avaliação criteriosa, especialmente dos aspectos emocionais do paciente, indicará
histórico recente de alterações emocionais ou um estresse excessivo. Um indicativo da viscosidade é a espuma
7
produzida; quanto mais espuma, maior a viscosidade .
3. A coloração (se existe presença de sangue ou pigmentos)
A saliva pode revelar a presença de pigmentos (de alcatrão, por exemplo), secreção purulenta, sangue (Figura 7) ou
batom (que deveria ter sido removido antes do teste). Pigmentações peculiares deverão ser investigadas de acordo com
cada caso.
4. A turbidez (se está normal ou se está turva - Figura 8)
Quanto mais turva, maior a presença de células descamadas da mucosa bucal em suspensão na saliva. Esse fato pode
ocorrer por onicofagia, bruxismo, respiração bucal, uso de aparelho ortodôntico com braquetes, hábitos de
mordiscamento da mucosa jugal, lábios, dedos, uso de bebida alcoólica e/ou de enxaguatório com álcool, fumo, drogas,
alterações hormonais da menstruação e menopausa e deficiência de vitaminas A e D7.
Discussão
Na literatura científica não existem muitos artigos referentes à técnicas de sialometria. Existem, porém, algumas técnicas
mais conhecidas, entre as quais podemos citar:
1. Draining - Na qual deve-se posicionar a cabeça para frente e deixar que toda saliva formada escorra em um
recipiente.
2. Spitting - Na qual deve-se cuspir em um recipiente toda a saliva formada.
3. Sucção - Na qual toda a saliva formada no assoalho bucal é retirada por sucção e acumulada em um recipiente.
4. Swabbing - Chumaços de algodão com o peso já estabelecidos são embebidos na saliva neoformada e pesados
6
posteriormente .
Embora sejam métodos aceitos internacionalmente são pouco utilizados. As razões que provocam essa relutância na
utilização desses métodos provavelmente se referem à perda de tempo clínico e ao incômodo que causam ao paciente8.
Contudo, podemos afirmar que esse é um aspecto fundamental na anamnese do paciente, especialmente quando
avaliamos o papel fisiológico que a saliva desempenha na cavidade bucal e pela infinidade de pesquisas baseadas nos
componentes
confirmação
salivares
na
detecção
e
de
alterações
patológicas.
Podemos medir o fluxo salivar de duas formas:
em repouso e sob estímulo. Segundo Jornet,
Fenoll3 (1995), a sialometria em repouso não
estimulada pode sofrer variações em seus
resultados, pois fatores psicológicos, idade, sexo
e número de ausência de dentes influenciam
diretamente na secreção salivar espontânea,
tornando-o assim um exame pouco preciso.
Baseado nesse fato, a sialometria estimulada
passa a ser a melhor opção de obter um exame
fiel para obtenção de informações de alterações
nos padrões salivares.
Ela pode ser realizada através de estímulos
mecânicos (tabletes de parafina, goma de mascar
e sialogogos de silicone), gustatório (ácido cítrico)
ou farmacológico (pilocarpina, betanecol)5,6,7.
A escolha dos sialogogos mecânicos de silicone para a presente técnica deve-se
ao fato destes serem atóxicos, insípidos e inodoros, com ausência de efeitos
colaterais, tendo formatos variados e uma dureza adequada à estimulação da
produção de saliva, sendo esterilizáveis. O tubo coletor de saliva, por possuir
uma escala precisa em mililitros, oferece praticidade e rapidez mediante uma
leitura imediata dos resultados, além de um baixo custo por teste de sialometria
realizado, sendo um método acessível
aos cirurgiões-dentistas e médicos que queiram utilizá-lo como um método
diagnóstico auxiliar.
Conclusão
Com a publicação da técnica acima descrita, esperamos que médicos e
cirurgiões dentistas possam lançar mão de um importante meio de diagnóstico,
de fácil aplicação e baixo custo, possibilitando empregá-la como rotina na prática
clínica diária.
Referências
1.Alamoud N, Farsi N, Faris J, Masoud I, Merdad K, Meisha D. Salivary
characteristics of children and its relation to oral microorganism and lip mucosa
dryness.The Journal of Clinical Pediatric Dentistry 2004;28(3):239-48.
2.Edgar WM, Higham SM, Manning RH. Saliva stimulation and Caries
prevention.Adv Dent Res 1994;8(2):239-45.
3.Jornet PL, Fenoll AB. Sialométrie sur 159 sujets sains. Facteurs physiologiques
qui influencent la sécrétion salivaire nonstimulée. Rev Stomatol Chir Maxillofac
1995;96(5 :342-6.l
4.Koshimune S, Awano S, Gohara K, Kurihara E, Ansai T, Takehara T. Low
salivary and volatile sulfur compounds in mouth air. Oral Sug Oral med Oral
Radiol Endod 2003;96(1):38-41.
5.Mulligan R, Navazech M, Wood G. A pilot study comparing salivary collection
methods in an adult population with salivary gland hypofunction. Spec Care Dentistry 1995;15(4):154-7.
6.Pupo DB, Bussoloti IF, Liquidato BM, Korn GP. Proposta de um método prático de sialometria. Rev bras
Otorrinolaringol 2002;68(2):219-22.
7. Tárzia O. Halitose - Um desafio que tem cura. Rio de Janeiro: Epub; 2003.
8. Wolff A, Herscovico D, Rosenberg M. A simple technique for determination of salivary gland hipofunction. Oral Sug
Oral med Oral Radiol Endod 2002;94(2):175-8.
Fly UP