...

Estratégia de operações: um modelo conceitual baseado nas áreas

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Estratégia de operações: um modelo conceitual baseado nas áreas
Estratégia de operações: um modelo conceitual baseado nas áreas de
decisão
Suzana Beatriz Fila (FAE) [email protected]
Everton Drohomeretski (FAE) [email protected]
Resumo:
A importância e a dificuldade do alinhamento entre a estratégia empresarial e as decisões tomadas
pelas áreas de operações tem sido fruto de vários estudos nos últimos anos. As decisões operacionais
são norteadas pela estratégia de operações (EO) desenhada pelas organizações e devem ser alinhadas
com a estratégia empresarial. Desta forma, a literatura de EO divide em oito as áreas de decisão que
devem ser analisadas neste contexto. Neste sentido, o presente artigo objetiva propor um modelo
conceitual que integra as oito áreas de decisão com a EO e a estratégia empresarial. Para atingir o
objetivo proposto, o estudo utilizou-se do método teórico conceitual, sendo que a coleta de dados foi
realizada com base no levantamento de referências relacionadas à EO. Os principais resultados do
estudo são a proposição de um modelo integrador da EO com a estratégia empresarial e o mapeamento
das questões a serem levantadas para cada área de decisão.
Palavras chave: Estratégia de operações, Áreas da decisão, Modelo Conceitual.
Operations strategy: a conceptual model based on decision areas
Abstract
The importance and difficulty of alignment between business strategy and operational decision areas
has been the result of several studies in the last few years. Operational decisions are guided by
operations strategy (OE) designed for organizations and should be aligned with business strategy. In
this way, the OE literature divided into eight decision areas that must be analyzed in this context. In
this sense, the aim of this paper is to propose a conceptual model that integrates the eight decision
areas with OE and business strategy. This study used the theoretical and conceptual frameworks to
achieve this purpose, and data collection was based on survey references related to OE. The main
results of the study are to propose an integrative model of OE with the business strategy and mapping
of questions to be raised for each decision areas.
Keywords: Operations strategy, Decision areas, Conceptual model.
1. Introdução
Na década de 1980 a indústria americana “de produção em massa” começava a se reorganizar
em seus pontos de vista, pois as vendas de suas empresas estavam sendo ameaçados pelos
produtos das indústrias japonesas (HAYES e PISANO, 1995). Começando assim a implantar
uma ideia que veio com Skinner em 1969, que mostrou a utilização da EO para coordenar a
quantidade de produção assim como muitas empresas e também seus gestores não tinham
consciência que as decisões tomadas em seu produtos poderia vir a limitar as opções
estratégicas da empresa, sendo elas instalação, equipamentos, pessoal e controles básicos
necessitando da empresa progredir em suas opiniões relacionadas a estratégia.
Explica-nos Platts (1994) o processo de fabricação depende das decisões tomadas pela
separação das áreas de decisão e também da realização das metas explícitas nos critérios
desempenho (objetivos de desempenho). É preciso primeiramente identificar estes critérios
priorizando-os em ganhadores, qualificadores e menos importantes e relaciona-los com as
áreas da decisão formando assim o processo. As áreas de decisão são a estrutura e
infraestrutura da empresa, o que ela necessita para funcionar. Temos como exemplo das áreas
a capacidade, qualidade, nível de verticalização, recursos humanos, entre outros. De acordo
com Pires e Agostinho (1994), após ser definidos os objetivos de desempenho (prioridades
competitivas), é preciso então definir uma estratégia de operações com suas áreas da decisão.
Muitos dos autores, como Slack et al. (2004); Slack et al. (2011) e Corrêa (1993), nos
mostram a importância de analisar as áreas de decisão, sendo que se referem às áreas de
decisão da estratégia de produção como sendo um guia na utilização dos recursos disponíveis
na empresa. No caso de Corrêa (1998), sua observação é a de que as áreas de decisão são úteis
para analisar determinadas estratégias em algumas operações, podendo eliminar assim risco
de investimentos e se preparar as mudanças que serão necessárias ao longo da implantação.
Desta forma, o presente trabalho tem por objetivo objetiva propor um modelo conceitual que
integra as oito áreas de decisão com a EO e a estratégia empresarial, tendo como expectativas
deste modelo ser base para futuras pesquisas e orientar as organizações no que tange a tomar
ações operacionais que estejam alinhadas com as suas perspectivas estratégicas.
2. Método de pesquisa
O presente estudo é de abordagem qualitativa e utiliza-se do método teórico conceitual. De
acordo com Van Bommel (2011) a construção de modelos conceituais objetiva a formulação e
o desenvolvimento da teoria. Partindo do objetivo que foi o desenvolvimento de um modelo
conceitual integrando as oito áreas de decisão com a EO, a base inicial para o presente estudo
foi a publicação de Skinner (1969) que define a estratégia da produção e a sua integração com
a estratégia empresarial.
Após, iniciou-se a pesquisa de referências que abordam a estratégia de operações e as áreas de
decisão. Com isso, para desenvolver o modelo baseou-se principalmente nos autores
Wheelwright e Hayes (1985), Platts (1994), Pires e Agostinho (1994), Slack et al. (2004),
Slack et al. (2011), Hayes e Pisano (1995), Corrêa e Corrêa (2005) que nos auxiliam nas
principais teorias da EO, e a relacionam com as oito áreas da decisão que foram utilizadas
para o desenvolvimento do modelo conceitual. Foram utilizados, para isso, principalmente os
autores Ward e Duray (2000), Hill (2002), Corrêa (1993) e Moreira (2009) como também os
já citados acima.
3. Referencial Teórico
A presente seção objetiva descrever os conceitos ligados a Estratégia de Operações (EO),
objetivos de desempenho e descrever as oito áreas da decisão.
3.1 Estratégia de operações
Cerra et al (2009) é destacado que a Estratégia de Operações (EO) é uma aplicação prática
que será baseada na Estratégia Competitiva, ou seja, a base para a empresa elaborar uma
estratégia de operações é primeiramente os objetivos de desempenho.
Já Skinner (1969) apresenta três argumentos sobre estratégia de produção: 1) cada empresa
tem uma estratégia diferente, assim como diferentes estratégias competitivas; 2) cada empresa
tem um sistema de produção diferenciado, tem características de produção diferentes das
demais; e 3) é preciso criar um sistema de produção compatível com o interesse e
funcionamento da empresa.
Por sua vez Wheelwright e Hayes (1985) explicam que a estratégia como não podendo ser
realizada apenas na área de operações, é preciso que toda a empresa esteja igualmente
empenha. Sendo assim a empresa tem uma estratégia própria para que a produção consiga
cumprir os resultados que serão previstas na estratégia. Eles separam estas estratégias como:
estratégia corporativa, estratégia de negócios, e estratégia funcional.
A EO já foi adotada de várias formas, são eles: estratégia de manufatura, estratégia de
produção e atualmente como estratégia de operações. O primeiro registro físico deste tipo de
estratégia foi de Skinner (1969), mostrando a falta de preocupação com a área de produção da
empresa, interferindo assim nos resultados ao longo do período. Skinner (1969) relata que os
gestor se preocupavam basicamente em baixa de custos e alta eficiência, identificando ao
longo do tempo que estas não lhes dava o controle exato para o retorno esperado. Tendo isso
em vista, começou a se estudar a área de produção sendo incorporada na estratégia
corporativa como estratégia de produção, ou como é conhecida atualmente estratégia de
operações.
Após os estudos iniciais outros autores que ficaram conhecidos por seus estudos nestas áreas,
desenvolveram técnicas ou teorias que podem ser desenvolvidas na prática para se utilizar dos
seus benefícios estratégicos. Um dos autores são Hayes e Pisano (1995), que nos revela que
somente a partir de 1980 que os gestores reconheceram e implantaram a EO em suas
indústrias, pelo fato de serem empresas com “sistemas americanos de produção”, ou seja,
produção em massa. Estes pensavam apenas em produzir em grande quantidade sem se
importar com os recursos que poderiam ser desperdiçados ou até mesmo com a visão
diferenciada de seus consumidores. E foi principalmente por estas incógnitas que a partir da
data mencionada acima desenvolveram estratégia de produção que atenda as expectativas dos
clientes e em paralelo reduzir o consumo exagerado de recursos.
Tendo estas duas incógnitas em destaque pode-se elaborar uma EO baseada em objetivos de
desempenho e áreas da decisão. Para atender as expectativas dos clientes, é necessário elencar
os objetivos de desempenho encontrados na empresa com certo grau de importância,
classificando-os como ganhadores de pedidos, qualificadores e os menos importantes. Após
está classificação é determinado os recursos que serão utilizados para atender os objetivos
encontrados. Estes recursos são medidos com as áreas da decisão, sendo elas estruturais
(Integração vertical, Capacidade, Instalação e Tecnologia) e infraestruturais (Planejamento e
Controle da Produção, Recursos humanos ou Força de trabalho, Organização e Qualidade).
Podemos identificar esta relação quando o Boyer e Lewis (2002) declaram que os objetivos de
desempenho (prioridades competitivas) são uma variável de decisão importante para os
gerentes de operações, sendo que os objetivos denotam certa capacidade de produção que
pode ser medida pelas áreas da decisão, que geram um melhor posicionamento com relação ao
mercado. Eles relatam a importância de identificar as áreas de decisão para os objetivos de
desempenho identificados gerando assim a vantagem competitiva.
Porém antes desta separação de objetivos elencando áreas, é preciso que a organização esteja
toda ela envolvida na estratégia corporativa, ou seja, antes de se fazer uma EO é preciso tem
bem definido a estratégia de toda a empresa. De acordo com Skinner (1969),
WHEELWRIGHT e HAYES (1985) e Cerra et al.(2009), a EO só funciona se toda a empresa
estiver integrada e comprometida com a estratégia organizacional, assim como sua estratégia
competitiva.
Entretanto esta estratégia pode ser dividida em três formas: Estratégia Corporativa, o mapa
por onde a empresa pretende seguir, ela é posta antes das demais. A Estratégia de Negócios
determina os negócios que a empresa julga de maior competitividade, maior vantagem ou
oportunidade. E Estratégia Funcional, estratégica de cada um dos setores, entre eles:
Financeiro, RH, Marketing, Vendas, Compras, e, nosso foco para este trabalho, produção
(WHEELWRIGHT; HAYES, 1985).
Tendo então uma estratégia corporativa bem definida, sabendo qual é sua estratégia de
negócios, faremos então a estratégia funcional, ou a EO. Para isso é necessário definir os
objetivos de desempenho pertinentes a empresa e também as áreas da decisão para cada
objetivo.
3.2 Objetivos de desempenho
Os objetivos de desempenho podem ser citados também como prioridades competitivas. Eles
são especificamente as características pela qual o consumidor optou em comprar o seu
produto/serviço. Os mais mencionados e de maior importância são: Custo, Qualidade,
Confiabilidade, Flexibilidade e Rapidez. Estes são citados pela maioria dos autores que
discorrem sobre esta literatura. Alguns deles são Hill (2002), Corrêa e Corrêa (2005) e Slack
et al. (2011).
Esses objetivos por sua vez são então alocados de acordo com sua importância. A maneira
muitas vezes utilizada é o método apresentado por Hill (2002), classificando os objetivos de
desempenho em Ganhadores de pedido, Qualificadores e Menos importante. Slack et al.
(2011) é um dos idealizadores deste estudo, tanto que propôs uma “matriz importância x
desempenho”.
Também Corrêa e Corrêa (2005) explicam a definição do que seria esta classificação, o que
são cada uma delas. Os Critérios Qualificadores são os critérios que o consumidor irá definir
que te enquadrará a empresa em um nível de vantagem oferecida, algumas destas vantagens
dos quais ele não abriria mão, ou seja, para aquele consumidor para a empresa atende-lo é
preciso pelo menos que a empresa ofereça algumas vantagens exiga. Os Critérios Ganhadores
de Pedidos são as qualidades que o cliente opte escolher a sua empresa dentre as demais que
ele julgou qualificadas a atendê-lo. Os Critérios Menos Importantes são as demais vantagens
oferecidas pela empresa que não irá afetar a preferencia de seu cliente. Observa-se que a
empresa precisa realizar um estudo de quem é o consumidor de empresa, levantando dados
em pesquisas para se descobrir o que estes consumidores esperam da minha organização.
Slack et al (2011) tende a ligar os objetivos de desempenho as vantagens competitivas da
empresa. Ele nos apresenta os cinco objetivos de desempenho citados acima que são ligados a
decisões que diretores e gerentes se submetem para contribuir com a competitividade da
empresa, sendo que esta é adota por ele com o nome de “vantagem baseada em produção”. O
autor utiliza perguntas relacionada a cada objetivo, como ferramenta para adquirir estas
vantagem competitivas. Esta relação é melhor apresentada na Figura 1.
Fonte: Slack (2011).
Figura 1 – Objetivos de desempenho e a vantagem competitiva
Respondendo estas simples questões da Figura 1, é possível conseguir vários níveis de
vantagem competitiva na empresa, que pode agregar muito valor ao seu produto final, e tornar
a empresa uma ganhadora de pedidos.
3.2 Áreas da decisão
As áreas da decisão são utilizadas para o levantamento do que necessitará de estrutura e
infraestrutura dentro da empresa para conseguir atender os objetivos de desempenho definidos
pela empresa. Estas têm duas ramificações, exatamente as áreas estruturais e as áreas
infraestruturais. Há muitas discussões sobre a distribuição das áreas dentro destes dois grupos.
Muitos também incluir ou excluir algumas áreas, como é o caso de Slack et al.(2011) que tem
uma lista de áreas ampla, onde ele desmembra as principais, tornando-as mais abrangentes.
Também temos Corrêa e Corrêa (2005) e Hayes e Pisano (1995) que dividem as áreas de
maneira diferenciada, muitos autores só dividem uma área em duas. Wheelwright e Hayes
(1985) relatam que as áreas de decisão são separadas em dois conjuntos: estrutural e
infraestrutural. A estrutural seria as áreas de maior risco de reaver, de maior prazo e com alto
valor monetário, podemos usar como exemplo a estrutura física que se construída em local
inadequado, será muito tempo desperdiçado e muito custoso. E a infraestruturais, que não tem
muito custo de reversão, e já mais facilmente removidas. Podemos utilizar como exemplo
recursos humanos. Uma pessoal que foi contratada sem necessidade, pode muito bem ser
realoca em outra área ou até mesmo dispensada.
Mas basicamente todos os autores e empregadores deste modelo se baseam nas áreas
definidas por Wheelwright e Hayes (1985), que definiram as seguintes áreas para fazer parte
de cada grupo. As estruturais seriam: Capacidade, Instalações, Tecnologia e Integração
Vertical. E as infraestruturais seriam: Força de trabalho (Recursos humanos), Organização,
Qualidade e Planejamento e Controle de Produção. A Figura 2 ilustra as oito áreas de decisão.
Na visão de Hayes e Pisano (1995), as áreas de decisões não são apenas importantes na visão
estrutural mais sim funcional da empresa. Ela não foi pensada apenas como mais uma teoria e
sim como algo para ser posto em prática. Também nos relatam que a escolhe de uma planta de
produção, que atenda as companhias da organização e as estratégias de negócios, correndo o
risco de fragmentar seus setores essenciais.
Fonte: Wheelwright e Hayes, 1985.
Figura 2 – Áreas de decisão da estratégia de operações
Cada área aborda um seguimento diferente na empresa que precisa ser observado para
qulaquer mudança, a seguir a descrição de cada área:
− Capacidade: A capacidade representa o teto de produção da empresa, ou seja, define
quanto é possível produzir com o maquinário fabril e a mão de obra em um determinado
período de tempo. De acordo com Moreira (2009) a capacidade é a quantidade que pode
ser produzida em um determinado período, podendo ser influenciada por vários fatores, os
mais importantes são instalações, composição dos produtos/serviços, o projeto do
processo, fatores humanos, fatores operacionais e fatores externos;
− Instalação: A instalação industrial tem relação com a localização propriamente dita, seu
tamanho, as diversidades de produtos/ serviços, seus processos produtivos, volume de
produção e grau de especialização dos seus recursos (PIRES; AGOSTINHO, 1994).
Também necessitasse observar o tamanho da planta fabril que será construída, pois nem
sempre a menor planta será a de menor custo. Mas as plantas de tamanho menor, quando
bem organizadas e estruturadas são mais eficientes que as maiores;
− Tecnologia: A tecnologia industrial tem relação com tudo que for utilizado pela empresa
que tenha algum avanço tecnológico, no sentido de máquinas e equipamentos, assim como
instrumentos de transporte interno, métodos de armazenamento, softwares internos,
relacionados a controle, comunicação e informação. é possível tornar o processo mais
rápido, diminuindo risco de erros e consequentemente de custo, para isso também contasse
com a máxima utilização dos recursos. É possível também aumentar a qualidade de seus
produtos/serviços, diminuindo margem de erro e melhorando o acabamento (BARROS
NETO, 1999);
− Integração Vertical: A integração significa a gama de produtos ou matéria-prima deste
produto final a empresa em questão realiza sozinha. Ou seja, o que ela produz? Ela só
monta o produto e terceiriza o vertical restante? Ou a própria empresa fabrica a matériaprima necessária para seu produto final? Barros Neto (1999) que se refere a esta área como
o relacionamento com clientes e fornecedores assim como o posicionamento deste mesma
relação. Podendo assim, baseando-se nesses dois fatores ter a proporção exata a qual pode
sucumbir à terceirização de seus produtos, tendo conhecimento do potencial de seus
fornecedores, assim como prazo e qualidade exigida de seus clientes;
− Organização: A organização tem relação com a organização do nível hierárquico da
empresa e a coordenação e distribuição das tarefas a serem realizadas. De acordo com Da
Silva (2003), o organização é estruturada pela divisão da tarefa, níveis hierárquicos ou
posições individuais e centralização ou descentralização das interrelações. A organização
também tem que ser relacionada a escolha do arranjo físico ou layout, são encontrados de
quatro modelos: arranjo físico em linha, arranjo físico celular, arranjo físico por projetos
ou matricial e também arranjo por posição fixa (SILVA, 2003);
− Qualidade: A gestão da qualidade tem relação com forma de controle de qualidade dos
produtos/ serviços e também dos processos, ferramentas e sistemas (PIRES, 1995). De
acordo com Boyer e Lewis (2002), a principal vantagem competitiva que uma empresa
pode ter é a sua qualidade, e conseguir demonstrar esta qualidade para seus clientes. É
importante não somente implantar conceito e métodos de qualidade na empresa precisa ser
divulgado a qualidade da empresa como um marketing, e atender esta perspectiva gerada
pela sua divulgação. Assim como Barros Neto (1999), esta área é a mais exigidas pelos
clientes, a mais perceptível;
− Força de trabalho: A força de trabalho é denominada de recursos humanos e o que tem
relação aos recursos dentro da empresa. De acordo com Barros Neto (1999) as decisões
que tem relação com o elemento humano entra nesta área, como recrutamento, seleção,
contratação, treinamento, promoção, remuneração, motivação. De acordo com Pires
(1995), os recursos humanos estão sendo ao mesmo tempo os mais difíceis de administrar
e também o mais importante recursos da organização, eles tornam a empresa mais
competitiva que a outra;
− Planejamento e Controle de Produção: O controle da produção é feito por sistemas
eficazes, que tem suas falhas, mais que são incrivelmente úteis quando se quer controlar o
chão de fábrica e inventários. De acordo com Barros Neto (1999), a maior preocupação do
PCP é entrega ao cliente seu pedido na data pré-estabelecida, com as características,
qualidade e preço exigido. Se preocupando em paralelo com que programa utilizar, de que
melhor maneira e com que recursos. Porém Slack (2004), demostra que nenhuma outra
área na empresa tem tanta importância quanto o setor de produção, e é incumbido de vários
objetivos como qualidade, variedade, responsabilidade e ao mesmo tempo a redução dos
custos.
Baseada na revisão de literatura realizada foi desenvolvido um check list para cadas área de
decisão (Quadro 1). Desta forma, é possível identificar detalhadamente cada área, e os fatores
mais importantes para serem verificados no processo de implantação da EO em organizações
dos diversos setores. Além disso, o check list objetiva também orientar pesquisadores no que
tange a elaboração de roteiros de pesquisa para o desenvolvimento de estudos ligados à áreas
de decisão e EO.
Estrutural
Integração
vertical
A empresa
fabricará
algum
material de
construção
em seus
canteiros?
Quais?
Capacidade
Qual será a
capacidade
operacional da
empresa?
A empresa
trabalhará
com algum
serviço
terceirizado?
Quais?
Qual será a
capacidade de
produção de cada
empreendimento
?
Como a
empresa
controlará
estes
serviços?
Qual será a
capacidade
gerencial da
empresa?
Infra-estrutural
Organização
Qualidade
Qual o tipo e o nível de
automação da tecnologia
de processo, de
movimentação de
materiais e dos sistemas
de informação
(hardware) a ser
escolhida para se
adequar ao desempenho
estratégico da produção?
A tecnologia a ser
adquirida melhora a
terminalidade?, Reduz o
número de visitas num
mesmo serviço?, Reduz o
número de
interferências?
Quais serão as
atribuições dos
engenheiros,
mestres,
encarregados,
estagiários e
outros
profissionais?
Quais serão os
indicadores de
qualidade
utilizados nas
obras?
Quais são as
medidas
necessárias para
proporcionar
maior segurança
a acidentes?
Planejamento e
controle
Como será feita a
ligação da
programação de
obra com a
programação dos
subcontratados?
Há a necessidade
de mudar a
organização da
produção da
empresa em
função da
tecnologia?
Qual será a
periodicidade do
controle da
qualidade?
Que a empresa
deve fazer para
melhorar o
ambiente de
trabalho nas
obras?
Qual sistema e
ferramentas de
planejamento e
controle da
produção ela
deve usar?
Haverá a utilização de
equipamentos
mecanizados nas obras
da empresa, tais como:
grua, plataforma de
carga e descarga, nível
laser, e outros?
Como a empresa
se organizará
para administrar
mais de uma
obra?
Como será
garantida a
qualidade dos
serviços?
Quais serão os
treinamentos
estratégicos para
cada operário?
Quais serão os
canais de
comunicação
utilizados pelas
obras e
escritórios?
Instalação
Tecnologia
A empresa
procurará
restringir a
área de
atuação,
restringindo a
construir em
bairros
próximos ou
não?
Caso a
empresa
resolva
trabalhar com
centrais de
produção
onde elas
deverão se
localizar?
Haverá
padronização
de forma e
tamanho dos
vários itens
das
instalações de
produção?
Quadro 1 - Check list para análise das áreas de decisão
Força de trabalho
4. Modelo para o alinhamento estratégico
Com a revisão da literatura foi possível gerar um modelo de aplicação da EO com a ligação de
cada área de decisão. As áreas de decisão discutidas na seção anterior e desmembradas no
Quadro 1 apresentam alinhamento com os objetivos de desempenho e são retroalimentadas
com base nas medidas de desempenho atreladas para cada área de decisão e também com os
objetivos identificados como qualificadores e ganhadores de pedido. Desta forma, mudanças
estratégias realizadas por iniciativa interna, por reação a ações da concorrência ou por
demanda dos clientes afetaram diretamente as áreas de decisão. Na Figura 3 é possível
observar o modelo conceitual.
Stakeholders
Concorrência
Estratégia
Corporativa
Estratégia de
Negócios
Estratégia
Financeira
Estratégia de
Compras
Estratégia de
Operações
Critérios
Competitivos
Estratégia de
Vendas
Estratégia de
RH
Estratégia de
Marketing
Áreas da
decisão
Instalação
Objetivos de
Desempenho
Infraestrutura
Ganhadores de
pedidos
Integração
vertical
Capacidade
Tecnologia
Qualidade
Organização
Força de
trabalho
Planejamento e
Controle de
Produção
Custo
Flexibilidade
Qualificadores
Qualidade
Menos
importantes
Estrutura
Confiabilidade
Rapidez
Medidores de desempenho
Figura 3 - Modelo para o alinhamento das áreas de decisão com a estratégia de operações
O modelo proposto foi desenvolvido com o intuito de auxiliar na implantação de novos
setores ou processos em ambientes industriais, porém este método pode ser aplicado para
qualquer tipo de organização, seja ela uma indústria, comércio ou prestadora de serviços, a
lógica do processo decorrente no modelo é funcional para qualquer tipo de empresa.
Além disso, o modelo pode auxiliar para que as organizações implantem um modelo de EO
integrado com a estratégia de negócios e para que pesquisas sejam realizadas para testar o
alinhamento estratégico de cada área de decisão com a EO e com a estratégia de negócios.
Vale destacar que mudanças estratégicas geram diferentes impactos em cada área de decisão.
Por exemplo, uma mudança estratégica que enfatize inovação incremental para aumentar a
velocidade (objetivo de rapidez) impactará fortemente as áreas de decisão Tecnologia, Força
de Trabalho e Capacidade. No entanto, poderá gerar um impacto menor na área de decisão
Qualidade.
Vale ainda destacar que mudanças geradas em uma área de decisão podem impactar
diretamente em outra área de decisão. Por exemplo, a aquisição de um equipamento com alta
tecnologia impactará na área de decisão Tecnologia e possivelmente poderá exigir
investimento na qualificação da mão de obra (Força de Trabalho), gerando assim um trade-off
a ser avaliado.
5. Conclusão
O objetivo do presente trabalho foi propor um modelo teórico conceitual relacionadas com
estratégia de operação integrando objetivos de desempenho e áreas da decisão. Com base na
Figura 3, pode-se verificar que o objetivo principal foi atingido.
Um segundo objetivo – secundário – atingido foi a identificação das principais questões a
serem avaliadas para cada área de decisão (estruturais e de infraestrutura). Com base no
Quadro 1 é possível orientar a condução de pesquisas ligadas a área de EO e também
organizações que busquem alinhar as ações operacionais com a estratégia organizacional.
Essas decisões podem estar relacionadas a aquisição de novos equipamentos, inserção de
novos processos, implantação de novas unidades produtivas ou a realização de diagnóstico
para alinhamento.
Desta forma, o presente artigo contribui tanto para a academia como para a prática
empresarial em diversos segmentos da economia. Pois, ações que busquem o alinhamento
estratégico geram impactos diretos no desempenho competitivo das organizações, o que pode
gerar vantagem em relação aos cocorrentes o que permitirá a sua sobrevivência, crescimento e
alcance da vantagem competitiva sustentável.
A principal limitação do estudo está no fato que o mesmo trata-se de um estudo teórico e os
seus resultados estão fundamentados na literatura utilizada. No entanto, levando-se em
consideração que foram utilizadas referências que apresentam importante impacto para área
de estratégia de operações o modelo proposto pode ser considerado relevante no que diz
respeito a sua contribuição para os estudos de estratégia de operações.
Para pesquisas futuras ligadas ao tema estudado, sugere-se as seguintes questões de pesquisa:
1) Quais as mudanças necessárias nas políticas das oito áreas de decisão da estratégia de
operações para a implantação de novos processos?
2) Qual o impacto gerado nas áreas de decisão com a mudança dos objetivos qualificadores e
ganhadores de pedido?
3) Como empresas industriais operacionalizam a interface entre as estratégia empresarial,
estratégia de operações e as áreas de decisão?
Pode-se concluir que a área de operações tem uma importância acadêmica cada vez maior e os
conceitos e modelos de estratégia de operações tem apresentado significativo
desenvolvimento nos últimos anos. No entanto, afirmações realizadas por Skinner em 1969
continuam válidas e a necessidade de que as organização vejam a área de operações como um
fator relevante para o sucesso da organização é cada vez maior, tendo em vista a crescente
demanda dos consumidores por atributos como qualidade, velocidade, confiabilidade e custos.
Aliado a isso, o aumento numérico e qualitativo da concorrência em várias setores.
Referências
BARROS NETO, J. P. Proposta de um modelo de formulação de estratégias de produção para pequenas
empresas de construção habitacional. 1999. 326p. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, 1999.
BOYER, K.; LEWIS, M. Competitive Priorities: Investigating the need for trade-offs in operations strategy.
Production and operations Management, v. 11, n. 1, p. 9-19, 2002.
CERRA, A. L.; et al. Estratégias de operações e tecnológicas de empresas do setor de linha branca. Revista
Gestão Industrial, v.05, n.02, p.159-175, 2009.
CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração de produção e de operações: Manufatura e serviços: uma
abordagem estratégica. São Paulo: Atlas, 2005.
CORRÊA, H. L. Flexibilidade nos sistemas de produção. RAE – Revista de Administração de Empresas, v.
33, n.3, p. 22-35, mai./jun. 1993.
HAYES, R.; PISANO, G.. B. World-Class: The New Manufacturing Strategy. In: Harvard Business Review,
p. 79-86, jan./feb. 1994.
HAYES, R.; PISANO, G.. Manufacturing Strategy: At the intersection of two paradigm shifts. In: Production
and Operations Management, v. 5, n. 1, p. 25-41, may/jul. 1995.
HILL, A.; et al. Research opportunities in service process desigh. In: Journal of Operations Management, v.
286, p.1-14, 2002.
MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da produção e Operações. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning,
2009.
PIRES, S.; AGOSTINHO, O. Estratégias Competitivas e Prioridades Competitivas da Manufatura: Um estudo
exploratório. Produção. v. 4, n. 1, p. 23-32, jun. 1994.
PIRES, S. Gestão Estratégica da Produção. Piracicaba: Editora UNIMEP, 1995.
PLATTS, K. W. Characteristics of methodologies for manufacturing strategy formulation. In: Computer
Integrated Manufacturing Systems. v. 7, n.2, p. 93-99, 1994.
PLATTS, Ken; et al. Realizing Strategy through Measurement. International Journal of Operations &
Production Management. v. 14, n.3, p. 140-152, 1994.
SILVA, E. M. (2003). Alinhamento das estratégias competitivas com as estratégias de produção: estudo
decasos no pólo moveleiro de Votuporanga - SP. 163p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia de São
Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos (SP).
SKINNER, Wickham. Manufacturing-missing link in corporate strategy. Harvand Business Review, p.136-145,
may/jun.1969.
SLACK, N.; LEWIS, M.; BATES, H.. The two worls of operations management research and practice: Can they
meet, should they meet?. International Journal of Operations & Production Management. v.24, n.4, p. 372387, 2004.
SLACK, N.; et al. Administração da Produção. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
VAN BOMMEL, H. W. M. A conceptual framework for analyzing sustainability strategies in industrial supply
networks from an innovation perspective. Journal of Cleaner Production, v. 19, n. 8, p. 895-904, 2011.
WARD, P.; DURAY, R. Manufacturing strategy in context: environment, competitive strategy and
manufacturing strategy. Journal of Operations Management. v.18, p. 123-138, 2000.
WHEELWRIGHT, S.; HAYES, R.. Competing through manufacturing. Harvard Business Review,. jan./feb,
p. 99-111, 1985.
Fly UP