...

Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de Paciente Pediátrico Portador de
Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
______________________________________________________________ Reabilitação e Neurologia
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de
Paciente Pediátrico Portador de Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
Centro de Tratamento e Pesquisas em Fisioterapia, Rio de Janeiro,
[email protected]
Resumo: mielomeningocele é uma anomalia congênita complexa da coluna
que causa vários graus de malformação da coluna espinal, ou mielodisplasia.
É comumente referida como espinha bífida e é classificada como um defeito
do tubo neural. Pacientes com essa desordem apresentam-se com um espectro
de imperfeições, mas os déficit funcionais primários são a paralisia da coluna
lombar e a perda sensorial, disfunção da bexiga e do intestino, e a disfunção
cognitiva. Problemas médico-cirúrgicos e de reabilitação surgem no paciente
com mielomeningocele desde o nascimento até a idade adulta. Esse trabalho
apresentará a avaliação da terapia física adaptada no tratamento de
pacientes pediátricos que possuam mielomelingocele.
Palavras-chave: Mielomelingocele. Mielodisplasia. Fisioterapia. Pediatria.
Avaluation of The Physiotherapic Approach Inthe Treatment
of Pediatric Patient That Has Myelomeningocele
Abstract: myelomeningocele is a complex congenital spinal anomaly that
causes varying degrees of spinal cord malformation, or myelodysplasia. It is
commonly referred as spina bifida and is classified as a defect of the neural
tube. Patients with this disorder present with a spectrum of impairments, but
the primary functional deficits are lower limp paralysis and sensory loss,
bladder and bowel dysfunction, and cognitive dysfunction. Medical surgical,
and rehabilitation issues arise in the patient with myelomeningocele from
birth through adulthood. This work will present the evaluation of the physical
therapy approach in the treatment of pediatric patients that has
myelomeningocele.
Keywords: Myelomeningocele. Myelodysplasia. Physiotherapy. Pediatry
Rev. de Saúde, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 01-06, jan./mar., 2010
1
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de Paciente Pediátrico Portador de
Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
______________________________________________________________ Reabilitação e Neurologia
Introdução
As doenças que envolvem o tubo neural são responsáveis por um número considerável
de pacientes a serem tratados com fisioterapia. Dentre essas doenças, encontramos a
mielomeningocele, que é uma forma de disrafismo espinhal, ocasionada por falha na
fusão dos arcos vertebrais posteriores e displasia (crescimento anormal) da medula
espinhal e membranas que a envolvem, provocando uma deficiência neurológica
(sensitiva e motora) abaixo da lesão que pode gerar paralisias e hipoestesias de
membros inferiores [Vinck et al., 2009; Thompson, 2009].
Essa patologia é a segunda maior causa de deficiências crônicas do aparelho locomotor
em crianças. Tem a etiologia desconhecida pela maioria dos autores, mas estudos
recentes associam fatores como: genética, ambiente e nutrição [McLone, 1996; Fletcher
et al., 2005; Lindquist et al., 2009].
Os sintomas dependem da localização e do grau de extensão da medula espinhal, se
manifestam através de alterações motoras, sensitivas, tróficas e esfincterianas como
diminuição da força muscular, paralisia flácida, hidrocefalia, incontinência dos
esfíncteres do reto e bexiga [Dias, 2005; Vinck et al., 2006; Lindquist et al., 2009].
O prognóstico está ligado ao nível de lesão e se agrava com a presença de hidrocefalia,
deformidades da coluna ou lesões adicionais. O diagnóstico pode ser feito ainda
intrauterinamente, o que aumenta as chances de tratamento. Servem de exames
complementares: radiografia simples, tomografia computadorizada e ressonância
magnética; que identificam malformações anatômicas [CDCP, 2004].
O tratamento engloba uma equipe multidisciplinar, pois os problemas decorrentes não
podem ser tratados isoladamente. Há a necessidade de um tratamento cirúrgico para
fechamento da lesão, implantação de um shunt ventrículo-peritoneal para drenar o
líquido cefalorraquidiano do ventrículo lateral ao peritônio, onde será reabsorvido
[Hetherington et al., 2006; Ausili et al., 2008].
Tratamento
Abordaremos o tratamento fisioterapêutico, de elevada importância na recuperação dos
sintomas instalados, que tem como objetivos, promover independência funcional,
prevenir deformidades secundárias, prevenir úlceras de decúbito, prevenir deficiências
cognitivas secundárias, corrigir deformidades, promover aprendizado das habilidades
motoras, ajustes posturais, deambulação independente ou treinamento do uso de cadeira
de rodas, fortalecimento muscular, enfim, promover qualidade de vida durante as fases
de desenvolvimento dessa criança [Ausili et al., 2008].
A anamnese deve ser realizada com todo o cuidado e atenção, para promover um
tratamento precoce e atrativo à criança. Ao avaliar uma criança com esta patologia,
deveremos abordar larga possibilidade de testes, como, teste muscular manual para
determinar a extensão da paralisia motora; avaliação da amplitude de movimento para
identificação de possíveis contraturas presentes; teste de reflexos em que se verifica a
presença de atividade reflexa normal e a integração de reflexos primitivos e suas reações
Rev. de Saúde, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 01-06, jan./mar., 2010
2
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de Paciente Pediátrico Portador de
Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
______________________________________________________________ Reabilitação e Neurologia
mais maduras; avaliação do desenvolvimento funcional para verificar se há
componentes normais de postura, padrões de movimento e mobilidade; avaliações
perceptivas e cognitivas que abrangem escalas próprias relacionadas à idade da criança
[Greve et al, 2001; Verhoeff et al., 2006]
O tratamento deve começar rapidamente e ser dividido de acordo com as fases do
indivíduo.
Período neonatal - É importante o fisioterapeuta avaliar a sensibilidade, motricidade,
postura em repouso, movimentos ativos, anormalidades, deformidades e reflexos, para
programar um programa de reabilitação adequado, pois o desenvolvimento do paciente
tende a ficar prejudicado, devido ao fato de a criança permanecer em hospitais, para
fazer as cirurgias necessárias. Logo, os estímulos são importantíssimos e devem ser
feitos diariamente, até pela mãe, que ao carregar a criança de maneira correta, começa a
estimular o controle cervical. Nessa fase, as deformidades mais esperadas são o pé
eqüino varo e a luxação congênita de quadril. Uma das deformidades mais graves,
encontrada em grande número nos lactentes, é a cifose que se manifesta desde o
nascimento, na região correspondente à espinha bífida, e se agrava enquanto a criança
cresce, acima da cifose se desenvolve a lordose compensatória. Qualquer movimento
presente deve ser observado, estimulado, e se houver qualquer sensação nos membros
inferiores, isto pode ser usado para estimular o movimento, através da palpação e
toques. Os movimentos de membros superiores podem ser iniciados assim que a criança
responde e exercita o estiramento da cintura escapular, que é gradativamente
introduzido [Mancini et al., 2002].
Período Pré-escolar - O fisioterapeuta deve pesquisar os grupamentos musculares
ativos para ter conhecimentos dos músculos que poderão utilizar para promover a
independência e de quais recursos precisará. A criança deve ser estimulada diariamente
e colocada em todas as posições para promover desenvolvimento das demais
musculaturas. As dificuldades de percepção, função de mão e indiscriminação de
lateralidade são responsáveis também por dificultar a deambulação, portanto, estratégias
devem ser implementadas, como, colocar a criança em posição ortostática, ainda que a
marcha não seja atingida. A abolição da sensibilidade nem sempre corresponde à
deficiência da motricidade, costuma ser difícil determiná-la exatamente, e acarreta dois
problemas: risco de traumatismo dos tecidos moles, devido à incapacidade de perceber
dor, temperatura e pressão e perda das informações e da retroalimentação normalmente
transmitidas pelos diversos órgãos dos sentidos [Lopes et al., 2009].
Período Escolar - A criança pode preferir usar a cadeira de rodas para facilitar seu
deslocamento, e desse modo, cabe ao fisioterapeuta ensinar-lhe as habilidades
necessárias para a sua independência. Outra questão a ser discutida é a incontinência de
reto e bexiga, pelo fato de a bexiga nunca se esvaziar completamente, o que resulta em a
urina começa a gotejar e a criança não perceber, se isso ocorrer, deve-se treinar a criança
para a realização da drenagem vesical. O treinamento da evacuação também é bem
sucedido, pois o paciente passa a ser capaz de evacuar em intervalos regulares [Long
and Cintas, 2009].
Rev. de Saúde, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 01-06, jan./mar., 2010
3
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de Paciente Pediátrico Portador de
Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
______________________________________________________________ Reabilitação e Neurologia
Adolescência - Nessa fase, os problemas associados à coluna vertebral voltam a
preocupar e passa a ser necessário o uso de órteses [Stokes, 2000].
Fase adulta - Nessa fase, os profissionais que acompanharam o paciente até aqui,
passam apenas a espectadores e realizam algumas orientações e adaptações, quando
necessárias [Stokes, 2000].
Conclusão
A mielomeningocele permite às crianças atingir a fase adulta, logo, é de extrema valia
uma equipe multidisciplinar, para proporcionar qualidade de vida e amenizar os danos a
que estão suscetíveis. O desempenho motor da criança paraplégica deve ser considerado
como sendo adaptativo e residual e não como deficiente. Muitas Pesquisas seriam
favoráveis na buscar de adaptações mais eficazes para certos músculos e conse
aprendizagem dos comportamentos adequados.
Rev. de Saúde, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 01-06, jan./mar., 2010
4
Avaliação da Abordagem Fisioterapêutica no Tratamento de Paciente Pediátrico Portador de
Mielomeningocele
Fabiana Azevedo Santos
______________________________________________________________ Reabilitação e Neurologia
Referências
Ausili E., Focarelli B, Tabacco F, Fortunelli G, Caradonna P, Masssimi L, et al.
Bonemineral density and body composition in a myelomeningocele children
population: effects of walking ability and sport activity. Eur Rev Med Pharmacol
Sci. 2008;12:349-354.
CDCP, Centers for Disease, Control and Prevention. Spina bifida and anencephaly
before and after folic acid mandate – United States, 1995-1996 and 1999-2000.
MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2004; 53:362-365.
Dias MS. Neurosurgical causes of scoliosis in patients with myelomeningocele: an
evidence-based literature review. J Neurosurg. 2005; 103:24-25.
Fletcher JM, Copeland K, Frederick JA et al. Spinal lesion level in spina bifida: a source
of neural and cognitive heterogeneity. J Neurosurg. 102:268-279, 2005.
Greve et al. Diagnóstico e Tratamento da Lesão Medula Espinhal. 1ª ed. São Paulo:
Roca, 2001;
Hetherington R, Dennis M, Barnes M, et al. Functional outcome in young adults with
spina bifida and hydrocephalus. Childs Nerv Syst. 2006;22:117-124.
Lindquist B, Uvebrant P, Rehn E, Carlsson G. Cognitive functions in children with
myelomeningocele without hydrocephalus. Childs Nerv Syst. 2009
Long TM. & Cintas HL. Manual de Fisioterapia Pediátrica. Revinter, Rio de Janeiro,
2001.
Lopez, Fábio Ancona, Jr, Dioclécio Campos. Tratado de Pediatria. Editora Manole,
2009, São Paulo.
Mancini MC, Teixeira S, Araújo LG, Paixão ML, Magalhães LC, Coelho ZAC, et al.
Estudo do desenvolvimento da função motora aos 8 e 12 meses de idade em crianças
nascidas pré-termo e a termo. Arq Neuropsiquiatr. 2002; 60(4): 974-80.
McLone DG. Myelomeningocele. In: Youmans
Philadelphia:WB Saunders; 1996. p.843-60
JR.
Neurological
surgery.
Stokes M. Neurologia para Fisioterapeuta. 1ª ed. São Paulo: Editorial Premier: 2000.
Thompson DN. Postnatal management and outcome for neural tube defects including
spina bifida and encephalocoeles. Prenat Diagn. 2009
Verhoef M, Bart HA, Post MW, et al. Functional independence among young adults
with spine bifida, in relation to hydrocephalus and level of lesion. Dev Med Child
Neurol. 2006;48:114-119
Vinck A, Maassen B, Mullaart R, Rotteveel J. Arnol- Chiari malformation and cognitive
functioning in spina bifida. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2006;77(9):1083-6.
Vinck A, Niijhuis-van der Sanden MW, Roeleveld NJ, Mullaart RA, Rotteveel JJ,
Maassen BA. Motor profile and cognitive functioning in children with spina bifida.
Eur J Paediatr Neurol. 2009
Rev. de Saúde, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 01-06, jan./mar., 2010
5
Fly UP