...

Programando com Orientação a Objetos

by user

on
Category: Documents
9

views

Report

Comments

Transcript

Programando com Orientação a Objetos
PHP
Programando com Orientação a Objetos
Pablo Dall’Oglio
Novatec
Copyright © 2007, 2009, 2016 da Novatec Editora Ltda.
Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta
obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do autor e da Editora.
Editor: Rubens Prates MP20151117
Assistente editorial: Priscila A. Yoshimatsu
Editoração eletrônica: Carolina Kuwabata
Revisão gramatical: Jussara Rodrigues Gomes
Capa: Pablo Dall’Oglio e Rodolpho Lopes
ISBN: 978-85-7522-465-6
Histórico de impressões:
Novembro/2015
Abril/2009
Setembro/2007
Terceira edição
Segunda edição (ISBN: 978-85-7522-200-3)
Primeira edição (ISBN: 978-85-7522-137-2)
Novatec Editora Ltda.
Rua Luís Antônio dos Santos 110
02460-000 – São Paulo, SP – Brasil
Tel.: +55 11 2959-6529
Email: [email protected]
Site: www.novatec.com.br
Twitter: twitter.com/novateceditora
Facebook: facebook.com/novatec
LinkedIn: linkedin.com/in/novatec
PHP
Programando com Orientação a Objetos
3a edição
capítulo 1
Introdução ao PHP
A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios...
Por isso, cante, ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida,
antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos...
Charles Chaplin
Ao longo deste livro utilizaremos diversas funções, comandos e estruturas de
controle básicos da linguagem PHP, que apresentaremos neste capítulo. Conheceremos as estruturas básicas da linguagem, suas variáveis e seus operadores e
também um conjunto de funções para manipulação de strings, arquivos, arrays,
bancos de dados, entre outros.
1.1 O que é o PHP?
A linguagem de programação PHP, que no início significava Personal Home Page
Tools, foi criada no outono de 1994 por Rasmus Lerdorf. Essa linguagem era
formada por um conjunto de scripts escritos em linguagem C, voltados à criação
de páginas dinâmicas que Rasmus utilizava para monitorar o acesso ao seu currículo na internet. Com o tempo, mais pessoas passaram a utilizá-la e Rasmus
adicionou vários recursos, como a interação com bancos de dados. Em 1995, o
código-fonte do PHP foi liberado, e com isso mais desenvolvedores puderam se
juntar ao projeto. Naquela época, por um breve período de tempo, o PHP foi
chamado de FI (Forms Interpreter).
O PHP passou por várias reescritas de código ao longo do tempo e nunca parou de
conquistar novos adeptos. Uma segunda versão foi lançada em novembro de 1997,
sob o nome PHP/FI 2.0. Naquele momento, aproximadamente 60 mil domínios, ou
1% da internet, já utilizavam PHP, que era mantido principalmente por Rasmus.
21
22
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
No mesmo ano Andi Gutmans e Zeev Suraski, dois estudantes que utilizavam essa
linguagem em um projeto acadêmico de comércio eletrônico, resolveram cooperar
com Rasmus para aprimorar o PHP. Para tanto, reescreveram todo o código-fonte,
com base no PHP/FI 2, dando início assim ao PHP 3, disponibilizado oficialmente em junho de 1998. Entre as principais características do PHP 3 estavam a
extensibilidade, a possibilidade de conexão com vários bancos de dados, novos
protocolos, uma sintaxe mais consistente, suporte à orientação a objetos e uma
nova API, que possibilitava a criação de novos módulos e que acabou por atrair
vários desenvolvedores ao PHP. No final de 1998, o PHP já estava presente em
cerca de 10% dos domínios da internet. Nessa época o significado da sigla PHP
mudou para PHP: Hypertext Preprocessor, retratando, assim, a nova realidade de
uma linguagem com propósitos mais amplos.
No inverno de 1998, Zeev e Andi começaram a trabalhar em uma reescrita do
núcleo do PHP, tendo em vista melhorar seu desempenho e sua modularidade em
aplicações complexas. O nome foi rebatizado para Zend Engine (Zeev + Andi).
O PHP 4, já baseado nesse mecanismo, foi lançado em maio de 2000, trazendo
melhorias como seções, suporte a diversos servidores web, além da abstração de
sua API, permitindo inclusive ser utilizado como linguagem para shell script.
Apesar de todos os esforços, o PHP ainda necessitava de maior suporte à orientação a objetos. Esses recursos foram trazidos pelo PHP 5, após um longo período
de desenvolvimento que culminou com sua disponibilização oficial em julho de
2004. Ao longo de mais de uma década, o PHP vem adicionando mais e mais
recursos e se consolida ano após ano como uma das linguagens de programação
orientadas a objetos que mais crescem no mundo. Estima-se que o PHP seja utilizado em mais de 80% dos servidores web existentes, tornando-a disparadamente
a linguagem mais utilizada para desenvolvimento web. Ao longo do livro, veremos
esses recursos empregados em exemplos práticos.
Fonte: PHP Group (http://php.net/history.php)
Capítulo 1 ■ Introdução ao PHP
23
1.2 Um programa PHP
1.2.1 Estrutura do código-fonte
Normalmente um programa PHP tem a extensão .php. Entretanto não é incomum
encontrarmos extensões como .class.php para armazenar classes ou .inc.php, em
projetos mais antigos, para representar simplesmente arquivos a serem incluídos.
O código de um programa escrito em PHP deve iniciar com <?php, veja:
<?php
// código;
// código;
// código;
Observação: a finalização da maioria dos comandos se dá por ponto e vírgula (;).
1.2.2 Configuração
Ao iniciarmos com o PHP, é importante sabermos configurar o ambiente. Nesse
sentido a função phpinfo() é muito importante, pois ela apresenta uma tabela com a
configuração atual do PHP, como níveis de erro, extensões instaladas, entre outros.
<?php
phpinfo();
O arquivo de configuração do PHP é o php.ini, cuja localização varia conforme a
instalação utilizada. Mas sua localização pode ser descoberta pela função phpinfo(),
conforme visto na figura 1.1. A partir da localização do php.ini podemos realizar
algumas configurações iniciais. No exemplo a seguir definimos o timezone (usado
em funções com cálculo de tempo) habilitando o display_errors (para que todos os
erros que ocorrerem sejam exibidos), o log_errors (para que os erros sejam registrados em um arquivo), definindo o arquivo de registro de erros com o error_log, bem
como ligando simplesmente todos os níveis de erro, por meio do error_reporting.
Essas definições são voltadas mais para um ambiente de desenvolvimento. Em
produção, geralmente desligamos o display_errors.
date.timezone = America/Sao_Paulo
display_errors = On
log_errors = On
error_log = /tmp/php_errors.log
error_reporting = E_ALL
63
Capítulo 1 ■ Introdução ao PHP
Resultado:
O Leão roeu a roupa do rei de Roma
1.11 Manipulação de arrays
A manipulação de arrays no PHP é, sem dúvida, um dos recursos mais poderosos dessa linguagem. O programador que assimilar bem esta parte terá muito
mais produtividade no seu dia a dia. Isso porque os arrays no PHP servem como
verdadeiros contêineres, armazenando números, strings, objetos, entre outros,
de forma dinâmica. Além disso, o PHP nos oferece uma gama de funções para
manipulá-los, as quais serão vistas a seguir.
1.11.1 Criando um array
Arrays são acessados mediante uma posição, como um índice numérico. Para
criar um array, pode-se utilizar a função array([chave =>] valor , ... ) ou a sintaxe
resumida entre [].
$cores = array(0=>'vermelho', 1=>'azul', 2=>'verde', 3=>'amarelo');
ou
$cores = array('vermelho', 'azul', 'verde', 'amarelo');
ou
$cores = [ 'vermelho', 'azul', 'verde', 'amarelo' ];
Outra forma de criar um array é simplesmente adicionando-lhe valores com a
seguinte sintaxe:
$nomes[]
$nomes[]
$nomes[]
$nomes[]
=
=
=
=
'maria';
'joão';
'carlos';
'josé';
De qualquer forma, para acessar o array indexado, basta indicar o seu índice
entre colchetes:
echo
echo
echo
echo
$cores[0];
$cores[1];
$cores[2];
$cores[3];
//
//
//
//
resultado
resultado
resultado
resultado
=
=
=
=
vermelho
azul
verde
amarelo
75
Capítulo 1 ■ Introdução ao PHP
1.12.2 Exemplos
Para exemplificar o acesso ao banco de dados, criaremos dois programas. O primeiro deles será responsável por inserir dados em um banco de dados PostgreSQL; o
segundo irá listar os resultados inseridos pelo primeiro programa. Para criar o banco de dados utilizado nos exemplos, certifique-se de que você tem o PostgreSQL
instalado em sua máquina e utilize os seguintes comandos:
# createdb livro
# psql livro
livro=# CREATE TABLE famosos (codigo integer, nome varchar(40));
CREATE TABLE
livro=# \q
Observação: é possível criar a base de dados utilizando o software PgAdmin (www.
pgadmin.org), que apresenta uma interface totalmente gráfica para gerenciar o banco
de dados.
Neste primeiro exemplo o programa se conectará ao banco de dados local livro,
localizado em localhost, com o usuário postgres. Em seguida irá inserir dados de
algumas pessoas famosas na base de dados. Por fim, ele fechará a conexão ao
banco de dados.
ÛÛ pgsql_insere.php
<?php
// abre conexão com Postgres
$conn = pg_connect("host=localhost port=5432 dbname=livro user=postgres password=");
// insere vários registros
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
pg_query($conn, "INSERT INTO
famosos
famosos
famosos
famosos
famosos
famosos
famosos
(codigo,
(codigo,
(codigo,
(codigo,
(codigo,
(codigo,
(codigo,
nome)
nome)
nome)
nome)
nome)
nome)
nome)
VALUES
VALUES
VALUES
VALUES
VALUES
VALUES
VALUES
(1,
(2,
(3,
(4,
(5,
(6,
(7,
'Érico Veríssimo')");
'John Lennon')");
'Mahatma Gandhi')");
'Ayrton Senna')");
'Charlie Chaplin')");
'Anita Garibaldi')");
'Mário Quintana')");
// fecha a conexão
pg_close($conn);
No próximo exemplo, o programa se conectará ao mesmo banco de dados do exemplo anterior, chamado livro, localizado em localhost. Em seguida ele irá selecionar
código e nome de famosos existentes nesse banco de dados, exibindo-os em tela.
capítulo 2
Fundamentos de orientação a objetos
No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação,
não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem-feita ou não faz.
Ayrton Senna
A orientação a objetos é um paradigma que representa uma filosofia para construção de sistemas. Em vez de construir um sistema formado por um conjunto
de procedimentos e variáveis nem sempre agrupadas de acordo com o contexto,
como se fazia em linguagens estruturadas (Cobol, Clipper, Pascal), na orientação
a objetos utilizamos uma ótica mais próxima do mundo real. Lidamos com objetos: estruturas que carregam dados e comportamento próprio, além de trocarem
mensagens entre si com o objetivo de formar algo maior, um sistema.
Orientação a objetos é uma abordagem para concepção de sistemas, um paradigma
de programação. Atualmente é a abordagem mais utilizada para concepção de
sistemas. Entretanto nem sempre foi assim. Para entender o que é a orientação a
objetos e como ela é utilizada, primeiro é importante compreender como era o
desenvolvimento antes de a orientação a objetos se tornar o paradigma vigente.
2.1 Programação procedural
A abordagem mais usada durante muito tempo foi a programação procedural. Esta
ocorre quando o programa é construído com base em um conjunto de procedimentos (procedures). Um procedimento (que no PHP pode ser construído com uma function), basicamente é uma unidade de código que pode ser reaproveitada em diversas
situações. Como já vimos como declarar funções em PHP, você já compreende que
uma função é uma unidade de código que recebe parâmetros de entrada, realiza
determinado procedimento e devolve um retorno para quem a chamou.
88
Capítulo 2 ■ Orientação a objetos
105
Conceitualmente existe uma associação entre um produto e seu fabricante, em
que um produto está relacionado a um fabricante e, por sua vez, um fabricante
pode fabricar diferentes produtos; a figura 2.5 procura ilustrar esse relacionamento
pelo diagrama de classes. No exemplo a seguir criaremos uma associação entre
as classes Produto e Fabricante. A classe Fabricante terá como atributos: nome, endereco e
documento. Em seu método construtor, ela receberá via parâmetro esses dados para
já ser inicializada com conteúdo. Para poupar espaço aqui, criaremos somente o
método getter getNome().
Figura 2.5 – Relacionamento de associação.
ÛÛ classes/Fabricante.php
<?php
class Fabricante {
private $nome;
private $endereco;
private $documento;
public function __construct( $nome, $endereco, $documento ) {
$this->nome
= $nome;
$this->endereco = $endereco;
$this->documento = $documento;
}
public function getNome() {
return $this->nome;
}
}
A associação entre as classes Produto e Fabricante se estabelece a partir da classe
Produto. A classe Produto terá como atributos: descricao, estoque, preco e fabricante.
Enquanto os primeiros são atributos escalares (variáveis escalares são as que
contêm integer, float, string ou boolean), o atributo fabricante é, na verdade, um objeto, ou seja, ele apontará para um objeto da classe Fabricante. Para estabelecer o
vínculo (associação) entre as duas classes, criaremos os métodos setFabricante()
108
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 2.6 – Relacionamento de composição.
Inicialmente será criada a classe Caracteristica. Uma característica terá apenas dois
atributos: nome e valor. São exemplos de nomes: “cor”, “peso”, “tamanho” e “potência”. São exemplos de valores: “branco”, “20 kg”, “200 watts” e assim por diante.
ÛÛ classes/Caracteristica.php
<?php
class Caracteristica {
private $nome;
private $valor;
public function __construct( $nome, $valor ) {
$this->nome = $nome;
$this->valor = $valor;
}
public function getNome() {
return $this->nome;
}
public function getValor() {
return $this->valor;
}
}
Em seguida, alteraremos a classe Produto para que ela tenha os métodos para compor características. Inicialmente precisaremos declarar um atributo $caracteristicas, que será um vetor interno que armazenará uma ou mais instâncias contendo
objetos da classe Caracteristica. Escreveremos o método addCaracteristica(), que
receberá os parâmetros $nome e $valor e criará internamente um objeto da classe
Caracteristica para armazenar esses dois dados. O objeto criado será adicionado
ao vetor ($this->caracteristicas). Já o método getCaracteristicas() simplesmente retornará o vetor de características.
Capítulo 2 ■ Orientação a objetos
111
ou seja, somente poderá receber objetos da classe Produto. A classe Cesta contará
também com o método getItens(), que por sua vez retornará os itens da cesta.
Figura 2.7 – Relacionamento de agregação.
ÛÛ classes/Cesta.php
<?php
class Cesta {
private $time;
private $itens;
public function __construct( ) {
$this->time = date('Y-m-d H:i:s');
$this->itens = array();
}
public function addItem( Produto $p ) {
$this->itens[] = $p;
}
public function getItens() {
return $this->itens;
}
public function getTime() {
return $this->time;
}
}
Agora iremos demonstrar o relacionamento de agregação na prática. Para tal,
inicialmente vamos importar as classes necessárias (require_once). Em seguida instanciaremos um objeto da classe Cesta. Depois disso iremos agregar por três vezes
os objetos da classe Produto dentro da Cesta ($c1) por meio do método addItem(). Veja
que, diferentemente da composição, na agregação o método que cria as “partes”
já recebe as instâncias prontas, externas ao escopo da classe. Assim no escopo
principal do programa temos quatro objetos em memória ($c1, $p1, $p2, $p3) e,
122
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 2.9 – Encapsulamento.
Para atingir o encapsulamento, uma das formas é definir a visibilidade das propriedades e dos métodos de um objeto. A visibilidade define a forma como essas
propriedades devem ser acessadas. Existem três formas de acesso:
VisibilidadeDescrição
public
private
protected
Membros declarados como public poderão ser acessados livremente a
partir da própria classe em que foram declarados, a partir de classes
descendentes e a partir do programa que faz uso dessa classe (manipulando o objeto em si). Na UML, simbolizamos com um + na frente
da propriedade.
Membros declarados como private somente podem ser acessados dentro
da própria classe em que foram declarados. Não poderão ser acessados
a partir de classes descendentes nem a partir do programa que faz uso
dessa classe (manipulando o objeto). Na UML, simbolizamos com
um - na frente da propriedade.
Membros declarados como protected somente podem ser acessados
dentro da própria classe em que foram declarados e a partir de classes
descendentes, mas não poderão ser acessados a partir do programa que
faz uso dessa classe (manipulando o objeto em si). Na UML, simbolizamos com um caractere # na frente da propriedade.
Observação: a visibilidade foi introduzida pelo PHP5 e, para manter compatibilidade
com versões anteriores, quando a visibilidade de uma propriedade ou de um método
não for definida, automaticamente será tratada como public.
2.11.1 Public
Demonstrar a visibilidade public é uma tarefa simples, pois um atributo declarado
como public pode ser alterado de qualquer parte, ou seja, tanto de dentro da classe
Capítulo 2 ■ Orientação a objetos
153
biblioteca e encontrou a maravilhosa PHPMailer. Entretanto você percebeu que
os métodos da PHPMailer (IsSMTP, MsgHTML, AddAttachment) eram diferentes dos métodos da biblioteca que você utilizava (setUseSmtp, setHtmlBody, addAttach) e percebeu
também que iria ter trabalho para adaptar todas as chamadas, visto que existiam
diversos pontos do seu sistema que já enviavam email.
Figura 2.14 – Estrutura de um Adapter.
Para resolver esse problema, podemos usar o Design Pattern Adapter para converter os métodos da PHPMailer para o formato de chamada de métodos que
você espera em sua aplicação. Vamos construir a classe PHPMailerAdapter, que se
trata de uma camada fina ao redor da PHPMailer para converter o formato de
chamada de métodos. Assim IsSMTP() se transformará em setUseSmtp(), MsgHTML() se
transformará em setHtmlBody() e AddAttachment() se transformará em addAttach(), entre
outros. A seguir temos a classe PHPMailerAdapter. Trata-se de uma classe funcional,
que só precisa da PHPMailer para funcionar.
ÛÛ classes/PHPMailerAdapter.php
<?php
class PHPMailerAdapter {
private $pm;
public function __construct() {
$this->pm = new PHPMailer;
$this->pm-> CharSet = 'utf-8';
}
capítulo 3
Tópicos especiais em orientação a objetos
A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.
Peter Drucker
A orientação a objetos é um assunto bastante extenso para ser tratado em apenas
um capítulo. Por isso, no capítulo anterior estudamos como implementar no PHP
os principais conceitos da orientação a objetos: encapsulamento, herança, associação, agregação, composição, polimorfismo, abstração e interfaces. Neste capítulo
vamos abordar uma série de tópicos especiais que podem ser vistos de maneira
isolada: métodos mágicos, exceções, SPL, Reflection, Traits, Namespaces e PDO.
Muitos desses tópicos diferenciam mais o PHP de outras linguagens orientadas
a objetos por oferecer recursos específicos não encontrados em outras linguagens
da mesma forma ou com a mesma sintaxe.
3.1 Tratamento de erros
Existem diversas formas de realizar tratamento de erros em PHP. Nesta seção
veremos as formas mais comuns utilizadas, desde a simplória função die() até o
refinado tratamento de exceções.
3.1.1 O cenário proposto
Antes de estudarmos algumas formas de tratamento de erros no PHP, vamos
propor um cenário. Esse cenário consiste em demonstrar uma operação que pode
resultar em falha em algum ponto do processo, e essa falha precisa ser tratada.
Dessa forma vamos criar uma classe que efetua a leitura de arquivos no formato
158
164
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Observação: poderíamos fazer o método em questão retornar diferentes valores para
ter um controle mais apurado (ex.: 1, 2, 3). Porém, isso não será necessário visto que
o PHP tem o tratamento de exceções.
3.1.4 Tratamento de exceções
Vimos que a função die() oferece uma abordagem bastante simplória ao abortar
a execução do programa de maneira abrupta. Vimos também que o retorno de
flags permite que o programa prossiga a execução, porém oferece um controle
ainda limitado quanto às mensagens de erro. Poderíamos melhorar o retorno de
flags para retornar códigos de erro. Porém essa estratégia não é indicada, pois em
alguns casos nosso método terá de retornar valores válidos que podem conflitar
com os códigos de erro.
Para oferecer um tratamento de erros mais refinado, o PHP implementa o conceito
de tratamento de exceções de maneira bastante similar a outras linguagens como
C++ ou Java. Tratamento de exceções é um processo dividido em duas etapas:
emitir e tratar uma exceção. Por um lado, sempre que uma rotina passar por um
ponto de falha, deverá emitir uma exceção. Por outro lado, a rotina que está chamando e aguardando a resposta deverá tratar essa exceção. Uma exceção é uma
ocorrência de programação que se sobressai à execução normal do programa,
parando a execução no momento em que ela é emitida e continuando a execução
diretamente para o ponto em que ela é tratada.
Para entendermos como as exceções funcionam, primeiro precisamos compreender que uma exceção em PHP é um objeto especial, derivado da classe Exception,
que contém alguns métodos para informar ao programador um relato do que
aconteceu. A seguir você confere esses métodos:
MétodoDescrição
getMessage()
getCode()
getFile()
getLine()
getTrace()
getTraceAsString()
Retorna a mensagem de erro.
Retorna o código de erro.
Retorna o arquivo no qual ocorreu o erro.
Retorna a linha na qual ocorreu o erro.
Retorna um array com as ações até o erro.
Retorna as ações em forma de string.
Utilizar o tratamento de exceções não é muito complicado. Em um primeiro
momento reescrevemos nosso método parse(), que é o local em que uma falha
pode ocorrer, e substituímos o tratamento de erros existente por lançamentos
168
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
[line] => 10
[function] => parse
[class] => CSVParser
[type] => ->
[args] => Array ( )
)
)
Arquivo não encontrado
3.2 Métodos mágicos
Alguns fatores que tornam o PHP uma linguagem tão atraente são a sua flexibilidade e a sua dinamicidade. Já vimos até o momento o quão fácil é trabalhar
com arrays e também objetos. Mas as facilidades não param por aí. No que diz
respeito à orientação a objetos, o PHP implementa uma série de métodos que
realizam interceptação de operações, também conhecidos por “métodos mágicos”.
Esse termo não é à toa. Existem diversos métodos mágicos no PHP e todos eles
iniciam com __, como: __construct(), __destruct(), __call(), __get(), __set(), __isset(),
__unset(), entre outros. Enquanto o método __construct() é executado automaticamente durante a construção do objeto e o método __destruct() é executado
automaticamente durante a destruição do objeto, outros métodos são executados
automaticamente em algumas circunstâncias. Veremos a seguir exemplos de uso
para cada um dos principais métodos mágicos.
3.2.1 Introdução aos métodos mágicos
Os métodos __set(), __get(), __isset() e __unset() são utilizados para definir um
comportamento para o objeto sempre que houver uma tentativa de acesso a uma
propriedade não acessível (private, não existente etc.). Para entender melhor os
“comportamentos mágicos”, vamos começar com uma classe Titulo na qual todos
os seus atributos são private. Como ela não oferece nenhum método de acesso,
logo esses atributos são inacessíveis. Se houver uma tentativa de leitura do atributo
valor, um Fatal Error ocorrerá como pode ser percebido a seguir.
ÛÛ magic_intro.php
<?php
class Titulo {
private $dt_vencimento;
190
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
nome=>Mato Grosso
capital=>Cuiabá
3.4 Manipulação de XML com DOM
Ao utilizarmos a SimpleXML vimos que ela oferece uma API simples para acessar
documentos XML simples e percorrer estruturas. Porém ela tem algumas limitações quanto à manipulação de documentos. A SimpleXML contém funcionalidades
limitadas para percorrer os elementos. Por outro lado, o PHP oferece a DOM, que
é uma implementação em conformidade com os padrões do W3C e portanto
apresenta consistência entre diferentes linguagens de programação, além de uma
quantidade muito maior de funcionalidades que permitem diferentes meios de
acesso aos nodos e formas de rearranjá-los conforme a necessidade. Apesar de a
DOM ser mais poderosa, a SimpleXML atende bem a maioria dos casos em que
a demanda por leitura e manipulação de XML é pequena.
3.4.1 Leitura de conteúdo
Inicialmente vamos ler um arquivo XML usando a implementação DOM. Para
tal, vamos declarar o arquivo a seguir que contém uma lista de bases de dados.
Cada base de dados tem um ID, que é um atributo da tag, e tags filhas, como name,
host, type e user. Precisaríamos de mais informações para conectar em uma base
de dados, mas aqui o foco não é esse.
ÛÛ bases.xml
<bases>
<base id="1">
<name>teste</name>
<host>192.168.0.1</host>
<type>mysql</type>
<user>mary</user>
</base>
<base id="2">
<name>producao</name>
<host>192.168.0.2</host>
<type>pgsql</type>
<user>admin</user>
</base>
</bases>
193
Capítulo 3 ■ Manipulação de dados
$base->appendChild($dom->createElement('name',
$base->appendChild($dom->createElement('host',
$base->appendChild($dom->createElement('type',
$base->appendChild($dom->createElement('user',
echo $dom->saveXML($bases);
'teste'));
'192.168.0.1'));
'mysql'));
'mary'));
:Resultado:
<bases>
<base id="1">
<name>teste</name>
<host>192.168.0.1</host>
<type>mysql</type>
<user>mary</user>
</base>
</bases>
Observação: caso esteja rodando o PHP no browser, veja o XML pelo código-fonte
da página.
3.5 SPL
SPL é um conjunto de classes e interfaces que fornece ao desenvolvedor uma API
padronizada para resolver problemas comuns e também criar classes com maior
potencial de interoperabilidade.
O PHP sempre ofereceu muitas funções para manipulação de arquivos (file, basename,
fopen, file_get_contents, file_put_contents, copy, unlink, rename, filesize, fwrite, pathinfo),
manipulação de vetores (array_diff, array_merge, array_shift, array_pop, array_unshift,
array_push, array_keys. array_values), entre outros. Antes do PHP 5, quando a SPL ainda
não existia, mesmo tendo esse arsenal de funções à disposição, sempre existiram
programadores que preferiam fazer tudo de maneira orientada a objetos. Assim
muitos acabaram criando classes que "agrupavam" funcionalidades em comum
para fornecer um meio orientado a objetos de resolver problemas. O que a SPL
oferece é um conjunto de classes com funcionalidades comuns, como manipulação
de arquivos, vetores, pilhas e filas de maneira padronizada.
204
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Item: linguado
Item: salmão
Item: tilápia
x:i:0;a:10:{i:10;s:4:"atum";i:9;s:8:"bacalhau";i:3;s:6:"badejo";i:8;s:5:"bagre";
i:7;s:6:"cavala";i:6;s:7:"corvina";i:5;s:7:"dourado";i:2;s:8:"linguado";
i:0;s:7:"salmão";i:1;s:8:"tilápia";};m:a:0:{}
3.6 Reflection
Reflection (Reflexão) é uma API formada por um conjunto de classes que permite
que um programa possa obter informações sobre sua própria estrutura, suas classes, interfaces, seus métodos, suas funções, entre outros. Entre essas informações
podemos descobrir as constantes, os atributos e métodos de uma classe, descobrir se um método é abstrato, privado ou final, descobrir informações sobre os
parâmetros de um método, entre outros.
3.6.1 ReflectionClass
A API Reflection pode ser aplicada sobre código-fonte construído pelo desenvolvedor, mas também sobre classes nativas do PHP, como as classes da SPL. Para
demonstrar algumas funcionalidades, vamos declarar uma pequena classe somente
para propósito didático. No código a seguir teremos as classes Veiculo e Automovel com
alguns atributos e métodos definidos. O próximo passo será investigar essa classe.
ÛÛ veiculo.php
<?php
class Veiculo
protected
protected
protected
protected
{
$ano;
$cor;
$marca;
$parts;
public function getParts() {}
public function setMarca($marca) {}
}
class Automovel extends Veiculo {
private $placa;
const RODAS=4;
218
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
• Uma parte inicial do Namespace corresponderá ao diretório-base de onde
as classes serão carregadas. Subníveis do Namespace corresponderão a
subdiretórios.
• Para que a classe seja carregada apropriadamente, o arquivo em que ela é
salva deve ter exatamente o mesmo nome que a classe, acrescido do sufixo
".php". Ex.: classe \Livro\Widgets\Form\Field => Lib/Livro/Widgets/Form/Field.php.
• Os arquivos devem ser armazenados no formato UTF-8.
• As classes devem ser representadas no formato StudlyCaps (ex.: FormField).
• Os métodos devem ser representados no formato camelCase (ex.: getData()).
• Deve existir pelo menos uma linha em branco antes da declaração do Namespace e também antes da declaração de uso (use).
• Namespaces e classes devem seguir um autoloader-padrão.
Ainda existem diversas diretrizes que definem padrão de abertura de chaves,
de declaração de visibilidade de métodos, tamanho de linhas, indentação, entre
outros. Mas o objetivo aqui não é transcrever toda a PSR.
As classes do livro seguem os padrões da PSR em sua grande maioria. Da mesma
maneira, o carregamento das classes é realizado por um mecanismo de carga
(Autoloader) que segue as diretrizes da PSR-4 que, no momento da escrita desta
edição, era a PSR mais atual sobre esse assunto.
3.10 Namespaces
Quando o PHP surgiu não existiam classes. Depois de algumas versões foram
criadas as classes e os programadores começaram a criar códigos orientados a
objetos em PHP. No PHP3 já era possível declarar classes e criar objetos a partir
delas. Mas naquela época o suporte à orientação a objetos no PHP não era robusto e os objetos eram tratados internamente como vetores associativos. Apesar
de ter suporte à orientação a objetos, a maioria ainda programava de maneira
estruturada, declarando funções e usando os comandos include/require para incluir
arquivos e reaproveitar código.
O PHP4 melhorou algumas coisas, mas foi o PHP5 que causou uma revolução. No
PHP5 foram introduzidas grandes funcionalidades como passagem de objetos por
referência, métodos mágicos, interfaces, classes e métodos abstratos, visibilidade,
__construct() e __destruct(), autoload, static, exceções, SimpleXML, SPL, entre outras.
Capítulo 3 ■ Manipulação de dados
229
Por fim temos uma variação do exemplo anterior, na qual solicitaremos que
determinada classe registre ela mesma o seu método de carregamento de classes. Neste caso instanciaremos a classe de carga ApplicationLoader e solicitaremos
o método register(). O método register() por sua vez irá executar a função
spl_autoload_register() para registrar o método $this->loadClass() como autoloader.
Essa abordagem é interessante, pois permite que a classe de carregamento altere
não somente o algoritmo de carga, mas também o próprio nome do método de
carga (loadClass) sem interferir na chamada externa (register).
ÛÛ spl_autoload3.php
<?php
$al = new ApplicationLoader;
$al->register();
class ApplicationLoader {
public function register() {
spl_autoload_register(array($this, 'loadClass'));
}
public function loadClass($class) {
if (file_exists("App/{$class}.php")) {
require_once "App/{$class}.php";
return TRUE;
}
}
}
Observação: por motivos de simplificação colocamos a declaração da classe
(ApplicationLoader), bem como sua chamada, no mesmo arquivo, porém essa não é uma
boa prática. Na realidade a classe deverá estar localizada em um arquivo próprio, que
contenha somente a sua definição, enquanto sua instanciação e consequente chamada
(register) normalmente estará no principal arquivo da aplicação (index.php), já que
as requisições para as demais classes do projeto partem dele.
3.12 PDO – PHP Data Objects
O PHP é, em sua maioria, um projeto voluntário cujos colaboradores estão distribuídos geograficamente ao redor de todo o planeta. Como resultado, o PHP
evoluiu baseado em necessidades individuais para resolver problemas pontuais,
movidos por razões diversas. Por um lado essas colaborações fizeram o PHP crescer rapidamente, por outro geraram uma fragmentação das extensões de acesso
capítulo 4
Persistência
O homem está sempre disposto a negar tudo aquilo que não compreende.
Blaise Pascal
Ao programarmos de maneira orientada a objetos, nossa aplicação deve ser formada exclusivamente por um conjunto de objetos relacionados. Quando trabalhamos com um conjunto de objetos em memória, em algum momento precisamos
persistir esses objetos na base de dados, ou seja, armazená-los e permitir que
sejam posteriormente carregados a partir do banco de dados para a memória.
Pensando nisso, estudaremos as técnicas mais utilizadas para persistência de
objetos em bases de dados relacionais, assim como criaremos uma API orientada
a objetos que irá permitir que façamos tudo isso de forma transparente, sem nos
preocuparmos com os detalhes internos de implementação.
4.1 Introdução
De modo geral, persistência significa continuar a existir, perseverar, durar longo
tempo ou permanecer. No contexto de uma aplicação de negócios, na qual temos
objetos representando as mais diversas entidades a serem manipuladas (pessoas,
mercadorias, livros, clientes, arquivos etc.), persistência significa a possibilidade
de esses objetos existirem em um meio externo à aplicação que os criou, de modo
que esse meio deve permitir que o objeto perdure, ou seja, não deve ser um meio
volátil. Os bancos de dados relacionais são o meio mais utilizado para isso (embora não seja o único). Com o auxílio de mecanismos sofisticados específicos de
cada fornecedor, esses bancos de dados oferecem vários recursos que permitem
armazenar e manipular, por meio da linguagem SQL, os dados neles contidos.
235
238
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
conhecer essa interface para manipular as informações. O acesso aos dados via
linguagem SQL, por exemplo, fica contido nessa camada. Dessa forma evitamos
ter a manipulação de dados espalhada pelo código-fonte da aplicação, podendo
inclusive estruturar a equipe de desenvolvimento para que os mais talentosos em
SQL sejam responsáveis pelas classes de acesso aos dados.
Existem alguns Gateways que implementam o acesso às estruturas de dados. A
seguir estudaremos alguns dos mais utilizados, que são Table Data Gateway, Row
Data Gateway, Active Record e Data Mapper.
4.2.1 Table Data Gateway
O objetivo do Design Pattern Table Data Gateway é oferecer uma interface de
comunicação com o banco de dados que permita operações de inserção, alteração,
exclusão e busca de registros. Essa interface pode ser implementada por uma classe
responsável por persistir e retornar dados do banco de dados. Para isso existem
métodos específicos que traduzem sua função em instruções SQL.
No Design Pattern Table Data Gateway, existe uma classe para manipulação de
cada tabela do banco de dados, e apenas uma instância dessa classe irá manipular
todos os registros da tabela, por isso é necessário sempre identificar o registro sobre
o qual o método estará operando. Uma classe Table Data Gateway é por natureza
stateless, ou seja, não mantém o estado de suas propriedades; atua simplesmente
como ponte entre o objeto de negócios e o banco de dados. Na figura 4.1 vemos
a representação de uma classe Table Data Gateway.
Figura 4.1 – Table Data Gateway.
No programa a seguir estamos criando a classe ProdutoGateway. Essa classe, que
implementa o Design Pattern Table Data Gateway, contém métodos para gravação
(save), exclusão (delete) e busca (find, all) de registros em base de dados. Antes de
mais nada, é preciso criar um método para receber a conexão ativa (setConnection).
Esse método implementa uma injeção de dependência, pois os demais métodos
Capítulo 4 ■ Mapeamento Objeto-Relacional
247
os valores novamente via parâmetros em métodos como delete() ou save(), como
era necessário para o Table Data Gateway em virtude da sua natureza stateless.
Uma desvantagem é que em alguns cenários o consumo de memória poderá ser
superior, pois instanciamos naturalmente mais objetos no nosso sistema, tendo
em vista que cada objeto agora representará um único registro da tabela. Apesar
dessa desvantagem, esse Design Pattern retrata com mais fidelidade o modelo de
orientação a objetos, sendo aceitável essa pequena perda de desempenho para
atingirmos maior clareza e entendimento do código-fonte.
Figura 4.3 – Row Data Gateway.
Um Row Data Gateway deve prover métodos que permitam construir um objeto
e posteriormente armazená-lo no banco de dados, além de métodos estáticos que
permitam carregar um objeto ou um conjunto de objetos do banco de dados.
A classe ProdutoGateway a seguir demonstra a implementação de um Row Data
Gateway. A classe utiliza os métodos mágicos __set() e __get() para armazenar
atributos no vetor $this->data. O método estático setConnection() é utilizado para
receber a conexão PDO com a base de dados. Os métodos estáticos find() e all() são
utilizados para buscar respectivamente um registro e um conjunto de registros.
Os métodos find() e all() sempre retornarão objetos da classe ProdutoGateway, o que
é alcançado pelo uso da constante __CLASS__ nos métodos fetch() e fetchAll(). A
constante __CLASS__ representa a própria classe em que é utilizada. Como o Row
Data Gateway armazena seus atributos internamente no vetor $this->data, esses
atributos estarão disponíveis no momento de realizar operações como delete() e
save(). Assim, essas operações não precisarão receber parâmetros para indicar o
registro sobre o qual as operações serão realizadas, bastando coletar esses dados
do vetor $this->data.
Observação: neste exemplo as propriedades serão armazenadas em um array chamado
$data. Isso porque estamos utilizando os métodos __get() e __set() para interceptar
os acessos aos atributos do objeto.
248
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
ÛÛ classes/rdg/ProdutoGateway.php
<?php
class ProdutoGateway {
private static $conn;
private $data;
function __get($prop) {
return $this->data[$prop];
}
function __set($prop, $value) {
$this->data[$prop] = $value;
}
public static function setConnection( PDO $conn ) {
self::$conn = $conn;
}
public static function find($id) {
$sql = "SELECT * FROM produto where id = '$id' ";
print "$sql <br>\n";
$result = self::$conn->query($sql);
return $result->fetchObject(__CLASS__);
}
public static function all($filter = '') {
$sql = "SELECT * FROM produto ";
if ($filter) {
$sql .= "where $filter";
}
print "$sql <br>\n";
$result = self::$conn->query($sql);
return $result->fetchAll(PDO::FETCH_CLASS, __CLASS__);
}
public function delete() {
$sql = "DELETE FROM produto where id = '{$this->id}' ";
print "$sql <br>\n";
return self::$conn->query($sql);
}
public function save() {
if (empty($this->data['id'])) {
$id = $this->getLastId() +1;
$sql = "INSERT INTO produto (id, descricao, estoque, preco_custo, ".
258
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 4.5 – Data Mapper.
Para demonstrar esse Design Pattern, vamos criar algumas classes bastante simples. Inicialmente precisamos de uma classe para representar um produto. Fica
claro aqui que a classe proposta é uma classe incompleta, pois carece de métodos
de negócio.
ÛÛ classes/dm/Produto.php
<?php
class Produto {
private $data;
function __get($prop) {
return $this->data[$prop];
}
function __set($prop, $value) {
$this->data[$prop] = $value;
}
}
Agora vamos criar uma classe para representar uma venda. Essa classe terá
métodos para atribur e retornar um ID, bem como adicionar (addItem) e retornar
(getItens) itens (produtos).
ÛÛ classes/dm/Venda.php
<?php
class Venda {
private $id;
282
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 4.9 – Classe Record e a camada de domínio.
ÛÛ classes/api/Record.php
<?php
abstract class Record {
protected $data; // array contendo os dados do objeto
public function __construct($id = NULL) {
if ($id) { // se o ID for informado
// carrega o objeto correspondente
$object = $this->load($id);
if ($object)
{
$this->fromArray($object->toArray());
}
}
}
O método __clone() será executado sempre que um objeto for clonado. Nesses
casos em que um Active Record é clonado, ele deve manter todas as suas propriedades, com exceção de seu ID, por isso estamos limpando o ID do clone. Caso
mantivéssemos o mesmo ID, teríamos dois objetos Active Record com o mesmo ID
no sistema, o que causaria erros na persistência do objeto. Limpar o ID fará com
que um novo ID seja gerado para o clone no momento em que ele for persistido
na base de dados.
public function __clone() {
unset($this->data['id']);
}
capítulo 5
Apresentação e controle
Aquele que conhece os outros é sábio; mas quem conhece a si mesmo é iluminado! Aquele
que vence os outros é forte; mas aquele que vence a si mesmo é poderoso! Seja humilde e
permanecerás íntegro.
Lao-Tsé
Nos capítulos anteriores vimos fundamentos de orientação a objetos, acesso à
base de dados e persistência de objetos. Agora que já concluímos essa camada da
aplicação, precisamos nos preocupar com outros aspectos, como a sua interface
com o usuário, a interpretação e a execução de ações (fluxo de controle). Neste
capítulo, desenvolveremos uma série de classes com o objetivo de construir o
visual da aplicação e também de interpretar as ações solicitadas pelo usuário,
coordenando o fluxo de execução da aplicação. Como vamos criar uma grande
quantidade de classes, precisaremos antes organizá-las sob uma estrutura de
diretórios e Namespaces. Para começar, vamos abordar o padrão MVC.
5.1 Padrão MVC
Model View Controller (MVC) é um Design Pattern que está entre os mais conhecidos. Seus conceitos remontam à plataforma Smaltalk na década de 1970.
Basicamente uma aplicação que segue o Design Pattern Model View Controller
tem as suas classes separadas em três grandes grupos de responsabilidades. A
intenção principal ao utilizarmos o Design Pattern MVC é não misturarmos em
uma mesma classe responsabilidades diferentes. A seguir veremos quais são essas
responsabilidades.
320
322
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 5.1 – Modelo MVC.
Ao utilizarmos o padrão MVC, alguns cuidados devem ser tomados, por exemplo:
• Uma classe de modelo não deve emitir mensagens ao usuário por meio de
comandos como print, muito menos gerar mensagens contendo marcações
como HTML. Exibir informações ao usuário por meio de uma linguagem
de marcação é uma tarefa de uma classe de visualização.
• Uma classe de controle não deve executar diretamente comandos de acesso a
dados como SQL. Buscar e atualizar dados relativos ao modelo de domínio
são tarefas de uma classe de modelo.
• Uma classe de visualização não deve conter regras de negócio, nem decidir
o que deve ser executado em determinado momento. Regras de negócio
são de responsabilidade de uma classe de modelo, e decidir o que deve ser
executado é de responsabilidade de uma classe de controle.
Observação: um sistema MVC clássico terá uma classe Controller para cada View
existente, mas essa abordagem não é a única. Alguns frameworks frequentemente
mesclam View e Controller na mesma camada, deixando-as diretamente vinculadas.
5.2 Organização de Namespaces e diretórios
Estamos criando uma grande quantidade de classes. No capítulo anterior, classes
relativas à persistência e log foram criadas. Neste capítulo criaremos classes para
apresentação de informações e para controle de execução de ações. Assim, é fundamental organizarmos as classes em uma estrutura de diretórios que reflita a responsabilidade de cada grupo de classes. Então, vamos separar para melhor organizar.
326
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Os arquivos de configuração, que compreendem, entre outras coisas, as definições
de acesso às bases de dados, estarão localizados na pasta App/Config. No arquivo a
seguir temos como exemplo a definição de acesso a uma base de dados chamada
livro, que por sua vez representa um banco de dados SQLite.
ÛÛ App/Config/livro.ini
host
name
user
pass
type
= localhost
= App/Database/livro.db
=
=
= sqlite
5.3 SPL Autoloaders
Não basta definirmos um conjunto de classes, é preciso carregá-las apropriadamente
no momento de sua utilização. Antigamente, quando o recurso de Namespaces
não existia no PHP, um simples require era suficiente. Agora, com uma estrutura
organizada em torno de Namespaces, é preciso um algoritmo mais robusto para
carregamento de classes. Assim, seguindo as recomendações da PSR, vamos utilizar
um carregador de classes utilizando a SPL, como demonstrado no capítulo 3.
Para realizar o carregamento das classes, criaremos dois algoritmos distintos. O
primeiro fará o carregamento das classes do framework (a partir da pasta /Lib) e
o outro fará o carregamento das classes da aplicação (a partir da pasta /App). Esses
dois carregadores (loaders) serão muito úteis e serão posteriormente executados
a partir do index da aplicação, pois todas as requisições passarão pelo index, o que
será demonstrado na próxima seção.
5.3.1 Library Loader
Sempre que precisarmos utilizar uma classe de nosso pequeno framework (a
partir da pasta /Lib), utilizaremos a classe ClassLoader. Essa classe executará um
algoritmo de carregamento de classes. No capítulo 3 abordamos a SPL e, dentro de
suas características, vimos a função spl_autoload_register(), que registra um método
de carregamento de classes em uma pilha de execução. Podemos executar essa
função diversas vezes, e a cada vez “registraremos” uma função para carregamento.
A classe ClassLoader terá o método register() que irá registrar como método de carregamento de classes o método loadClass(), que por sua vez receberá via parâmetro
330
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
ÛÛ exemplo_loader.php
<?php
require_once 'Lib/Livro/Core/ClassLoader.php';
$al= new Livro\Core\ClassLoader;
$al->addNamespace('Livro', 'Lib/Livro');
$al->register();
use Livro\Database\Connection;
$obj1 = Connection::open('livro');
var_dump($obj1);
Resultado:
object(PDO)#2 (0) { }
5.4 Padrões de controle
Na seção anterior, vimos como realizar o carregamento das classes de nossa
aplicação. Agora que organizamos as classes em estruturas de diretórios e Namespaces, o próximo passo será implementarmos a interação do usuário com a
aplicação, o que é feito pela interpretação de ações que normalmente são requisitadas a partir de uma URL no protocolo HTTP. Inicialmente vamos estudar os
principais padrões utilizados para organizar o fluxo de controle de uma página:
Page Controller e Front Controller.
5.4.1 Page Controller
Para Martin Fowler, um Page Controller é “um objeto que controla uma requisição
para uma página ou ação específica”. Esse objeto pode ser representado por uma
classe que representa uma página e decide qual ação (método) executar para cada
requisição HTTP realizada.
Quando começamos a estudar o mundo da web, suas páginas HTML e posteriormente os programas em PHP, temos tendência a resumir tudo em termos de
scripts, de modo que um script representa um programa ou mesmo uma pequena funcionalidade de um programa. Para executar uma página, você passa para
o servidor a localização do script, que é processado, e então obtém o retorno
desse processamento. Se exagerarmos, podemos ter vários scripts para o mesmo
programa, como na listagem a seguir, na qual cada script pode representar uma
funcionalidade de um cadastro, por exemplo.
Capítulo 5 ■ Apresentação e controle
339
que solicita algo ao serviço. Um “Client” pode ser desenvolvido em qualquer
linguagem de programação que tenha suporte a Web Services e pode rodar em
um ambiente desktop, servidor, dispositivos móveis, e outros. Além disso, temos o
servidor de Web Service que fornece o serviço e se comunica com o “Client” por
meio de um pacote descrito no protocolo SOAP sobre HTTP. A figura 5.6 procura
ilustrar essa comunicação.
Figura 5.6 – Visão geral de Web Services.
5.4.3.2 Remote Facade
Como exposto no início desta seção, precisamos disponibilizar algumas funcionalidades de nossa aplicação para aplicações externas. Para tal, precisamos construir
uma interface que concentre a responsabilidade no lado da aplicação servidora
e seja responsável internamente por diversas chamadas a métodos internos da
camada de modelo. Essa alternativa permite que a aplicação cliente faça reduzidas chamadas à aplicação servidora. Em vez de invocarmos vários métodos para
atingir determinado objetivo, concentramos a lógica na aplicação servidora em
uma camada a qual damos o nome de Fachada (Facade). Como estamos em um
cenário com execuções remotas, esse Design Pattern é chamado de Remote Facade.
Remote Facades são ideais para utilizar em um ambiente distribuído, em que temos uma aplicação cliente e uma aplicação servidora. Em aplicações de negócio,
as aplicações cliente precisam abrir muitas transações com a base de dados para
inserir, alterar, excluir e listar registros. Colocar o código transacional no lado da
aplicação cliente diminui a eficiência da aplicação, além de aumentar o tráfego
Capítulo 5 ■ Apresentação e controle
345
• Not found – A URL do serviço não foi localizada. Verifique a localização
(parâmetro location).
• Permission denied – Exceção gerada pelo servidor ao indicar que a classe solicitada pela URL (?class) não está na lista de classes permitidas.
• Método “xyz” não encontrado – O método que foi executado sobre o objeto SoapClient não foi localizado no lado só servidor dentro da classe de serviço
solicitada (?class).
Observação: ao trabalhar com Web Services, mais do que nunca é muito importante
observar os logs de erros gerados pelo PHP. Portanto, verifique se no php.ini a cláusula
de log está ligada (log_errors = On) e se o arquivo de log está indicado (error_log = /
tmp/php_errors.log). Se o programa não funcionar, ligue e monitore os logs, pois eles
indicarão onde está o problema.
5.5 Padrões de apresentação
Antes de ler este livro, provavelmente você já escreveu em algum momento um
código-fonte que misturava diferentes tecnologias, como PHP, HTML, SQL, JavaScript, em um mesmo arquivo. Com o tempo, você vai percebendo que não é muito
produtivo trabalhar dessa maneira e que, apesar de inicialmente funcionar, ao
longo do tempo acabam criando-se códigos de difícil manutenção e interpretação,
justamente por misturar diferentes aspectos de desenvolvimento (apresentação,
lógica, regras de negócio).
Ao criarmos códigos que misturam diferentes aspectos, ficamos de certa maneira
“presos” a determinadas escolhas. O código a seguir mostra justamente como não
devemos implementar. O código tem a configuração de acesso ao banco de dados
explícita, e ela deveria estar isolada da implementação. Temos também a consulta
SQL, que deveria estar concentrada em uma classe, espalhada no código. Temos
também o uso de funções específicas (pg_*) do banco PostgreSQL, o que nos
deixa presos a essa tecnologia. Por fim, usamos diretamente HTML para exibir
os resultados em uma tabela.
O cenário que hoje funciona bem pode se tornar desastroso em questão de alguns
meses. Ao decidirmos realocar o banco de dados, precisaremos editar muitos
arquivos para realizar essa substituição. Se precisarmos trocar a tecnologia de
banco de dados, teremos um trabalho enorme ao editar muitos arquivos. Por
fim, se resolvermos trocar as tabelas (<table>) por outras tags utilizando alguma
biblioteca visual como a Bootstrap, por exemplo, teremos novamente muitos
capítulo 6
Formulários e listagens
Uma sociedade só será democrática quando ninguém for tão rico que possa comprar
alguém e ninguém for tão pobre que tenha de se vender a alguém.
Jacques Rousseau
Neste capítulo iremos nos concentrar em alguns dos componentes que estão entre
os mais utilizados na maioria das aplicações: formulários e listagens. Utilizamos
formulários para as mais diversas formas de entrada de dados na aplicação, como
para a inserção de novos registros, definição de preferências do sistema ou de
parâmetros para filtragem de um relatório, entre outras. Utilizamos listagens para
exibir os dados da aplicação para simples conferência, em relatórios, ou ainda
para editar e excluir registros. Neste capítulo criaremos componentes que visam
facilitar a implementação de formulários e listagens de forma orientada a objetos.
6.1 Formulários
No final do capítulo 1 criamos alguns exemplos simples de utilização de formulários em PHP. Naqueles exemplos, construímos os formulários utilizando simplesmente HTML. No capítulo anterior abordamos os benefícios que a utilização
de componentes e templates nos proporciona para a criação de interfaces, sendo
o principal deles o maior isolamento entre a apresentação e a lógica da aplicação.
Nesta seção utilizaremos os conhecimentos adquiridos no capítulo anterior para
desenvolver um conjunto de classes que permitirão a criação e manipulação de
formulários de maneira totalmente orientada a objetos.
Aplicações de negócio frequentemente utilizam diversas telas para entrada de
dados por meio de formulários. Ao projetar um sistema, temos de pensar no reaproveitamento de código. A abordagem tradicional, vista no capítulo 1, minimiza
385
Capítulo 6 ■ Formulários e listagens
387
oferecer. Entre essas operações, podemos citar: definir o nome do campo, definir
um rótulo (label) para o campo, definir um valor para o campo, definir se o campo
será editável, entre outros.
Para montar um formulário, utilizaremos um relacionamento de agregação entre
a classe Form e a classe Field. Dessa forma, será possível adicionar ao formulário
quaisquer objetos filhos de Field. Para tal, será criado na classe Form, um método
que permitirá adicionar campos (objetos Field) em sua estrutura. Veja na figura
6.1 o diagrama de classes resumido.
Figura 6.1 – Estrutura de classes para formulários.
A partir de então, podemos começar a construir as classes que farão parte desse
ecossistema de objetos inter-relacionados que é o formulário.
6.1.1 Classe para formulários
A primeira classe que criaremos representará um formulário e será também a
mais importante, tendo em vista que ela centralizará as chamadas para as demais.
Assim, para agruparmos todos os tipos de campo que vimos anteriormente (input
texto, combo, radio, check etc.), será necessário criar uma estrutura que represente
um formulário. Essa estrutura deverá criar a tag <form> do HTML e agrupar vários
elementos (campos). Para isso, criaremos a classe Form. Essa classe será filha de
Element, classe que criamos para elaborar a estrutura de um elemento HTML.
Capítulo 6 ■ Formulários e listagens
429
ao comportamento, como se fosse uma nova camada.
Figura 6.20 – Camadas de decoração.
6.1.4.1 Form Wrappers com Decorator Pattern
Vamos utilizar a ideia do Design Pattern Decorator e escrever uma nova classe para
montagem de formulários chamada FormWrapper, que irá “transformar” a classe já
existente. A nova classe irá atuar sobre um objeto da classe Form já instanciado e
irá percorrer os objetos que fazem parte do formulário, gerando uma nova saída
de HTML, dessa vez no formato esperado pela biblioteca Bootstrap.
Observação: para a demonstração do Design Pattern Decorator, foi escolhida a
biblioteca Bootstrap por ser muito difundida no momento da escrita dessa edição.
Mas a partir do momento que você entender o conceito poderá aplicar o mesmo
Design Pattern para realizar outros tipos de transformação.
Para iniciar, a classe FormWrapper irá receber em seu método construtor uma instância
já existente da classe Form, sobre a qual irá realizar as transformações necessárias
para adequar a estrutura do formulário existente e convertê-la na estrutura que a
biblioteca Bootstrap espera. A instância já existente será armazenada no atributo
$decorated.
Como a ideia do Design Pattern é adicionar comportamento a um objeto já existente, não podemos “anular” os comportamentos (métodos) já existentes. Também
não vamos reescrevê-los aqui. Métodos da classe Form, como setName(), addField(),
addAction(), entre outros, devem continuar funcionando a partir da classe nova.
Para que eles continuem a funcionar, sempre que o desenvolvedor executar um
método não encontrado na classe FormWrapper, automaticamente a execução será
redirecionada para o objeto “decorado”, representado pelo atributo $decorated. Esse
redirecionamento de chamadas é obtido pelo método __call(), automaticamente
executado sempre que um método não encontrado na classe atual for executado.
Nesses casos a execução é redirecionada por meio da função call_user_func_array()
para o objeto decorado.
432
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
seguida, devemos alterar a declaração do formulário (Form), declarando um
objeto da nova classe (FormWrapper) no lugar deste, mas passando o formulário
existente como parâmetro do construtor da nova classe conforme a sintaxe:
new FormWrapper(new Form('form_contato')). Dessa forma, passaremos a utilizar a nova
classe (FormWrapper), mas as chamadas aos métodos não encontrados serão automaticamente direcionadas ao objeto “decorado” que foi recebido como parâmetro.
É importante lembrar que esse redirecionamento é feito pelo método __call().
ÛÛ App/Control/ContatoFormWrapper.php
<?php
use Livro\Control\Page;
use Livro\Control\Action;
use Livro\Widgets\Form\Form;
use Livro\Widgets\Form\Entry;
use Livro\Widgets\Form\Combo;
use Livro\Widgets\Form\Text;
use Livro\Widgets\Container\Panel;
use Livro\Widgets\Wrapper\FormWrapper;
class ContatoFormWrapper extends Page {
private $form;
function __construct() {
parent::__construct();
// instancia um formulário
$this->form = new FormWrapper(new Form('form_contato'));
$this->form->style = 'display:block; margin:20px;';
// cria os campos do formulário
$nome
= new Entry('nome');
$email
= new Entry('email');
$assunto = new Combo('assunto');
$mensagem = new Text('mensagem');
$this->form->addField('Nome', $nome, 300);
$this->form->addField('E-mail', $email, 300);
$this->form->addField('Assunto', $assunto, 300);
$this->form->addField('Mensagem', $mensagem, 300);
// define alguns atributos
$assunto->addItems( array('1' => 'Sugestão',
'2' => 'Reclamação',
'3' => 'Suporte técnico',
Capítulo 6 ■ Formulários e listagens
433
'4' => 'Cobrança',
'5' => 'Outro') );
$mensagem->setSize(300, 80);
$this->form->addAction('Enviar', new Action(array($this, 'onSend')));
$panel = new Panel('Formulário de contato');
$panel->add($this->form);
// adiciona o painel à página
parent::add($panel);
}
public function onSend() {
// ...
}
}
A figura 6.21 demonstra a utilização do programa recém-criado. Para acioná-lo,
basta acessarmos pela URL index.php?class=ContatoFormWrapper, onde quer que
esteja rodando nosso servidor de páginas. É possível perceber imediatamente a
transformação realizada, desde que a biblioteca Bootstrap esteja carregada, o que
é garantido no arquivo index.php.
Figura 6.21 – Transformação de formulário.
6.2 Listagens
Até o momento, vimos como implementar formulários de uma maneira orientada
a objetos. Usamos formulários para cadastrar novos registros, bem como editar
registros existentes. Porém, antes de chegarmos a uma tela contendo um formulário,
440
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
// incrementa o contador de linhas
$this->rowcount ++;
}
}
6.2.2 Colunas da Datagrid
A classe DatagridColumn será utilizada para representar as características que fazem
parte de uma coluna em uma listagem. Para tal, essa classe receberá em seu método construtor o nome do campo do banco de dados que a coluna exibirá ($name),
o rótulo de texto que será exibido no título da coluna ($label), o alinhamento
da coluna ($align) e a largura da coluna ($width). Os métodos getName(), getLabel(),
getAlign() e getWidth() serão utilizados para retornar essas propriedades definidas
pelo método construtor. Veja na figura 6.24 a classe DatagridColumn.
Figura 6.24 – Classe DatagridColumn.
ÛÛ Lib/Livro/Widgets/Datagrid/DatagridColumn.php
<?php
namespace Livro\Widgets\Datagrid;
use Livro\Control\Action;
class DatagridColumn {
private $name;
private $label;
private $align;
capítulo 7
Criando uma aplicação
Quando morremos, nada pode ser levado conosco, com a exceção das
sementes lançadas por nosso trabalho e do nosso conhecimento.
Dalai Lama
Ao longo desta obra, criamos uma série de classes para automatizar desde a conexão com banco de dados, transações, persistência de objetos e manipulação de
coleções de objetos, até a criação de componentes para interface como diálogos,
formulários, listagens, e outros. Ao longo de cada capítulo procuramos dar exemplos da utilização de cada classe criada e agora chegou o momento de utilizar esse
conhecimento para construir algo maior, uma aplicação completa.
7.1 Aplicação
O objetivo deste capítulo é a construção de uma aplicação para controle de vendas.
Essa aplicação contará com cadastros básicos como clientes, cidades, produtos,
fabricantes, processo de registro de vendas, e também relatórios de vendas e de
contas geradas. Com isso, pretendemos mostrar como construir diferentes tipos
de interface e interação entre o usuário e a aplicação. A aplicação criada será
de pequeno porte, e não terá como objetivo o uso em um ambiente real, afinal
é somente um protótipo voltado para o aprendizado. Ao compreender como o
protótipo foi construído, você poderá construir aplicações maiores.
A aplicação proposta contará com as seguintes funcionalidades:
• Cadastro de cidades – Oferecer um cadastro de cidades, com informações como:
nome da cidade e estado.
466
Capítulo 7 ■ Criando uma aplicação
467
• Cadastro de fabricantes – Oferecer um cadastro de fabricantes, com informações
como: nome e site.
• Cadastro de produtos – Oferecer um cadastro de produtos, com informações
como: descrição, estoque, preço de custo, preço de venda, fabricante, tipo
(máquina, acessório) e unidade de medida.
• Cadastro de pessoas – Oferecer um cadastro de pessoas, com informações como:
nome, endereço, bairro, telefone, email, cidade e grupo (cliente, fornecedor,
revendedor, colaborador).
• Registro de vendas – Oferecer uma tela para registro das vendas ocorridas,
podendo informar uma série de itens (produtos) vendidos com suas respectivas quantidades, e permitir finalizar a venda informando os dados do
cliente, descontos, acréscimos, observação e parcelamento financeiro.
• Relatório de vendas – Oferecer um relatório de vendas, permitindo filtrar as
vendas ocorridas por datas, e listar cada venda ocorrida agrupada pelo
cliente, totalizando o valor da venda.
• Relatório de contas – Oferecer um relatório de contas a receber, permitindo
filtrar as contas por datas, e listar cada uma das contas com informações
como: emissão, vencimento, cliente, valor etc.
7.1.1 Index
No capítulo 5 abordamos o Design Pattern Front Controller pela primeira vez. É
importante lembrar que para Martin Fowler um Front Controller é “um controlador que manipula todas as requisições do sistema”. Para implementar um Front
Controller, utilizamos o próprio index.php. A partir daquele instante, convencionamos que, para executar alguma classe controladora específica, seria necessário
acessar index.php?class=ClienteControl. Porém, para executar uma ação específica,
seria necessário acessar index.php?class=ClienteControl&method=listar, por exemplo.
Em um sistema grande, existem tarefas comuns a todas as páginas do sistema,
como: verificação de permissão, carregamento das classes (Autoloader), carregamento do template do sistema, entre outras. Essas tarefas comuns podem ser
realizadas justamente no index.php. O index.php a seguir, que será utilizado para
a nova aplicação, define os Autoloaders, responsáveis pelo carregamento dos
componentes construídos no diretório Lib (ClassLoader) e também para as classes
da aplicação construídas no diretório App (AppLoader). Em seguida, verifica se há
alguma requisição ($_GET). Se há uma requisição e se existe um parâmetro chamado
468
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
class, ele instanciará a classe correspondente identificada pela URL e executará
seu método show() sobre essa classe. O método show() deverá decidir qual método
deve ser executado internamente na classe.
Para desenvolver a nova aplicação proposta neste capítulo, vamos realizar uma melhoria no index.php construído no capítulo 5 para “encaixar” o conteúdo gerado por
uma página dentro de um “template”, ou seja, um layout predefinido em HTML,
com alguns conteúdos como cabeçalho da página, menus de opções, entre outros.
A figura 7.1 mostra o template escolhido, que também é baseado na biblioteca
Bootstrap. Veja que na parte central do template será exibido o conteúdo da página
(classe de controle) que por sua vez é identificada na URL em cada requisição.
Figura 7.1 – Template.
Para “encaixar” o conteúdo do programa dentro do template é relativamente simples. Veja no programa a seguir que é realizada a leitura do conteúdo do arquivo
de template que está localizado em App/Templates/template.html. O conteúdo desse
arquivo é armazenado na variável $template. Logo em seguida, é verificado se há
alguma requisição ($_GET) informando uma classe ($_GET['class']). Caso exista
alguma requisição desse tipo, o conteúdo da página é exibido no momento em
que executamos o seu método show(). Todo esse processo está “protegido” por um
controle de exceções try/catch.
Para “capturar” o conteúdo gerado por uma página, usamos o controle de output
do PHP, com as funções ob_start(), ob_get_contents() e ob_end_clean(), que “capturam”
o conteúdo gerado por comandos como echo ou print. Dessa forma, a execução do
472
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
(classes de modelo, arquivos de configuração etc.) localizados principalmente
na pasta App. A segunda forma é baixar uma estrutura pronta que preparamos
para a criação de novos projetos que contém somente as classes criadas da pasta
Lib, os arquivos do diretório principal e a pasta App somente com os diretórios
vazios. Para isso, basta clonar o seguinte repositório público e iniciar o projeto a
partir da estrutura criada:
git clone https://github.com/pablodalloglio/phpoo.git
7.2 Modelo
Para desenvolver nossa aplicação de vendas proposta neste capítulo, precisamos
criar um modelo coerente e compreensível, que facilite o posterior desenvolvimento do mesmo. Vamos então criar um modelo de classes, que demonstrará o
relacionamento entre os objetos da aplicação, e em seguida convertê-lo em um
modelo relacional, com os relacionamentos entre as tabelas de um banco de dados.
7.2.1 Modelo de classes
A figura 7.2 apresenta o modelo de classes da aplicação proposta.
Figura 7.2 – Modelo de classes.
Temos a classe Pessoa, que armazenará os clientes do sistema. Pessoa tem associação
com Cidade e esta com Estado. Uma Pessoa poderá ter vários grupos, por isso a agregação com a classe Grupo. Objetos da classe Conta estarão associados com a Pessoa
para qual aquela Conta deve ser paga. Objetos da classe Venda estarão associados
474
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
7.2.2 Modelo relacional
Para armazenar os dados da aplicação de vendas, é fundamental modelarmos a
estrutura de dados. Para tal, foi definido o modelo relacional apresentado pela
figura 7.3.
Figura 7.3 – Modelo relacional.
Para converter o modelo de classes no modelo relacional, é importante utilizar
técnicas de mapeamento objeto relacional. Neste cenário proposto, essas técnicas
se resumem em aplicar os seguintes padrões:
• Chaves primárias – Cada classe, ao ser representada por uma tabela, recebe
uma chave primária. Assim, é possível visualizar a presença do campo id
em cada uma das tabelas geradas.
• Associações – Relacionamentos de associação, presente entre várias classes como:
Pessoa e Cidade, Cidade e Estado, Produto e Tipo, e várias outras, são convertidos
automaticamente em chaves estrangeiras. Neste modelo usamos o padrão
id_<tabela>. A direção da chave estrangeira segue a direção da associação, ou
seja, parte sempre do objeto que contém a referência para o outro.
• Composições – Como a presente entre as classes Venda e VendaItem, são convertidas automaticamente em chaves estrangeiras, em que a direção da chave
estrangeira parte sempre do objeto que representa a “parte” (VendaItem) para
o objeto que representa o “todo” (Venda).
500
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
formato esperado pelo componente CheckGroup. Em seguida, o objeto é utilizado
para preencher o formulário por meio do método setData().
public function onEdit($param) {
try {
if (isset($param['key'])) {
$id = $param['id']; // obtém a chave
Transaction::open('livro'); // inicia transação com o BD
$pessoa = Pessoa::find($id);
$pessoa->ids_grupos = $pessoa->getIdsGrupos();
$this->form->setData($pessoa); // lança os dados da pessoa no formulário
Transaction::close(); // finaliza a transação
}
}
catch (Exception $e) {
// exibe a mensagem gerada pela exceção
new Message('error', '<b>Erro</b>' . $e->getMessage());
// desfaz todas alterações no banco de dados
Transaction::rollback();
}
}
Na figura 7.4 é apresentado o resultado final do formulário construído. O formulário em questão está no modo de edição.
Figura 7.4 – Formulário de pessoas.
506
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
Figura 7.5 – Listagem de pessoas.
7.4.2 Criando Traits para ações comuns
Ao criarmos programas para cadastrar e listar registros do banco de dados, como
foi o caso dos programas PessoasForm e PessoasList, criamos uma série de métodos
para realizar ações comuns. No formulário de cadastro criamos ações para salvar
(onSave) e editar (onEdit) registros. Na listagem criamos métodos para carregar
(onReload) e excluir (onDelete, Delete) registros. Ao analisar os códigos desenvolvidos
podemos concluir que é possível reaproveitar grandes porções de código-fonte
desses métodos criados para criar novas classes. Podemos concluir que bastaria
apenas “copiar e colar” (perdão pelo uso da expressão) essas classes alterando
algumas pequenas definições, como é o caso do nome da conexão (livro), que
pode ser diferente em outro caso, bem como o nome da classe de modelo (Pessoa),
que certamente será diferente em outros casos. Porém “copiar e colar” certamente
não é uma boa estratégia para ganhar produtividade, pois mesmo ganhando velocidade inicial, à medida que precisarmos realizar uma manutenção, teremos de
lembrar de realizá-la em inúmeros locais. Uma estratégia melhor para reaproveitar
trechos são os Traits.
Como vimos no capítulo 3, para atender à necessidade de compartilhar pequenos
comportamentos entre diferentes classes, independentemente da hierarquia (superclasses), é implementado no PHP o conceito de Traits (traços). Um Trait é formado
528
PHP ■ Programando com Orientação a Objetos
return $_SESSION[$var];
}
}
public static function freeSession() {
$_SESSION = array();
session_destroy();
}
}
7.4.6 Registro de vendas
O próximo passo no desenvolvimento de nossa aplicação é criar uma interface
para o registro de vendas. O processo de vendas será dividido em duas etapas. A
primeira etapa terá uma interface que permitirá ao usuário adicionar itens (produtos) à uma lista de objetos armazenada na sessão. A figura 7.9 demonstra essa
interface na qual o usuário informa o código do produto, a quantidade e adiciona-os em uma lista armazenada em sessão. Essa classe será chamada de VendasForm.
Figura 7.9 – Formulário de registro de venda.
A partir do momento em que o usuário clicar no botão “Terminar”, será direcionado à outra interface, que por sua vez permitirá que o mesmo informe detalhes
Capítulo 7 ■ Criando uma aplicação
529
da transação para que a mesma seja armazenada no banco de dados. Nesta etapa,
ele informará: cliente, descontos, acréscimos, parcelamento e observação. A figura
7.10 demonstra essa tela de finalização, que irá registrar a venda na base de dados,
bem como gerar as parcelas financeiras. Esta classe será chamada de ConcluiVendaForm.
Figura 7.10 – Formulário de conclusão de venda.
7.4.6.1 Registro de itens da venda
Iniciaremos o desenvolvimento pela primeira tela, na qual o usuário informará
os produtos e suas respectivas quantidades, que serão armazenados na sessão
e exibidos em uma Datagrid. Essa classe inicia com a definição das classes necessárias, bem como de seus Namespaces. No método construtor, começamos
iniciando a sessão ao instanciarmos a classe Session. Em seguida, criamos um
formulário que será utilizado para informar os produtos que serão vendidos.
Esse formulário terá dois campos: id_produto e quantidade, e duas ações: “Adicionar”,
que está vinculada ao método onAdiciona(), que receberá os dados do formulário
e os adicionará à sessão, e “Terminar”, que está vinculada ao método onLoad() da
classe ConcluiVendaForm. Como esse método pertence à outra classe, provocará uma
troca de tela no momento do clique, ou seja, o usuário será transportado para a
classe ConcluiVendaForm.
Capítulo 7 ■ Criando uma aplicação
539
7.4.7 Relatório de contas
Nas últimas seções, construímos programas que realizam cadastros, como o cadastro de produtos (ProdutosForm), e que também registram atividades de um processo,
como o registro de vendas (VendasForm, ConcluiVendaForm). Agora chegou o momento de
prepararmos a “saída” de informações para o usuário por meio de relatórios. Para
tal, construiremos a classe ContasReport, que terá como responsabilidade gerar um
relatório de contas com base em um intervalo de datas informadas pelo usuário.
Observação: neste livro abordamos de maneira superficial a geração de relatórios.
Caso queira ver em maior grau de profundidade, procure pelo livro Criando relatórios
com PHP também publicado pela Novatec Editora. Ele aborda bibliotecas para geração
de relatórios HTML, PDF, RTF e gráficos, relatórios tabulares, com filtros, seleção
de colunas e ordenação, relatórios hierárquicos (quebras) e matriciais (cross-tab
reports), gráficos gerenciais reais e documentos (notas fiscais e cartas), entre outros.
Para gerar um relatório de contas no formato HTML, utilizaremos a biblioteca
de templates Twig, já abordada no capítulo 5. A interface do programa será como
demonstrado na figura 7.12.
Figura 7.12 – Relatório de contas.
Na parte superior da tela teremos um formulário perguntando duas datas (inicial e final de vencimento). Com base nas datas informadas (que são opcionais)
o programa irá gerar uma listagem no formato HTML sobre as contas com
Fly UP