...

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA A arte de ouvir Ouvir

by user

on
Category: Documents
4

views

Report

Comments

Transcript

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA A arte de ouvir Ouvir
Prezado (a) candidato (a):
Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo. Na folha de resposta,
preencha com traços firmes, o espaço reservado a cada opção.
Nº.de
Inscrição
Nome
PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA
A arte de ouvir
Ouvir é estar atento aos pequenos detalhes
Luis Carlos Cabrera*
Sempre que me perguntam quais são os atributos diferenciados de um líder,
procuro ressaltar dois: estar disponível e saber ouvir. A meu ver, são os
essenciais. Manter-se disponível exige disciplina, generosidade e, principalmente,
sentir desejo de estar com as pessoas. Quem se esconde atrás da agenda lotada
não é líder. Ela serve de desculpa para não ter de apoiar, educar, elogiar e para
não ter de ouvir!
A complexidade do mundo moderno exige que os problemas sejam abordados
coletivamente. Praticar a arte de ouvir quer dizer estar atento aos detalhes de
cada questão apresentada, às sutilezas de cada problema e ao que cada situação
tem de única. Essa prática exige concentração, disponibilidade, rapidez de
raciocínio e poder de síntese. Olhe em sua volta. Quem é a pessoa com quem
você gosta de conversar quando precisa de uma opinião? Provavelmente, a
resposta será um bom ouvinte. Aliás, é preciso aprender a ouvir ativamente.
Porque também existem os ouvintes passivos, que olham para você como se
estivessem prestando atenção, mas que estão com a cabeça em outro lugar.
Quem ouve ativamente participa da conversa, indaga, estimula, pede explicações
mais detalhadas. Quem ouve atentamente torna digna e respeitosa a conversa. E
por que toda essa preocupação com esse importante atributo da liderança?
Porque estamos nos tornando surdos. Diariamente, lemos e respondemos e-mails
calados. Nos ligamos a mais pessoas nas redes sociais, lemos o que elas
escrevem e elas nos leem. Mas não as ouvimos! Algumas tecnologias de
comunicação oral estão crescendo e o exercício de ouvir começa a voltar
lentamente, mesmo doendo nos ouvidos.
Procure exercitar sua audição. No lugar do e-mail, vá até a pessoa com quem
deseja falar, que às vezes está na sala ao lado. Faça isso periodicamente e
exercite sua capacidade de ouvir. Mostre interesse. Essa combinação de
disponibilidade associada ao ato de ouvir serve para tudo. Melhora as relações
pessoais afina o respeito e cria uma consciência de parceria, que é fundamental
no complexo mundo moderno. Você me ouviu?
(Revista Você/SA. Editora Abril- Outubro de 2009, p. 104. * professor da Eaesp –
FGV, diretor da PMC consultores e membro da Amrop Hever Group)
QUESTÃO 01
O propósito comunicativo do texto A Arte de Ouvir é, sobretudo:
a)
b)
c)
d)
divulgar atributos da arte de ouvir.
informar quais são as melhores técnicas em saber ouvir.
explicar sobre os benefícios de ser bom ouvinte.
esclarecer o significado do verbo ouvir.
QUESTÃO 02
A idéia expressa pela palavra em destaque está CORRETAMENTE indicada entre
colchetes, na alternativa:
a) “ ( ... ) atributos diferenciados de um líder...” ( qualidade maior )
b) “ ( ... ) às sutilezas de cada problema...”
( transparência )
c)” Quem ouve ativamente participa da conversa, indaga, estimula...”
( mordazmente)
d) “ Quem ouve atentamente torna digna e respeitosa a pergunta”. ( ética )
QUESTÃO 03
O conectivo “ e “, nos enunciados seguintes, indica idéia de adição, EXCETO em:
a) “ ( ... ) estar disponível e saber ouvir”.
b) “ E por que toda essa preocupação com esse importante atributo de
liderança?”
c) “ Quem ouve atentamente torna digna e respeitosa a conversa”.
d) ( ... ) lemos e respondemos e-mails”.
QUESTÃO 04
Sobre o emprego dos sinais de pontuação, julgue as afirmativas a seguir, nos
trechos:
I – “ ( ...) atributos diferenciados de líder, procuro ressaltar dois: estar disponível e
saber ouvir”. Os dois pontos marcam uma sequência que explica a ideia anterior.
II- “ Ela serve de desculpa para não ter de apoiar, educar, elogiar e para não ter de
ouvir!” o ponto de exclamação denota ênfase e, no contexto, pode ser substituído,
por um ponto final.
III- “ Aliás, é preciso aprender a ouvir ativamente”. A vírgula foi utilizada para isolar
expressão de caráter retificado ou corretivo.
IV- “ E por que toda essa preocupação com esse importante atributo de
liderança?” o ponto de interrogação marca um enunciado em que o autor expressa
surpresa.
Está ( ão ) CORRETA ( s ) a ( s ) afirmativa( s ):
a)
b)
c)
d)
Somente I
Somente II
Somente I,III e IV
I,II,III,IV
QUESTÃO 05
Fazendo um paralelo entre o título e o fechamento do texto, podemos afirmar que
há um ( a ):
a)
b)
c)
d)
convite à reflexão.
gradação de idéias.
oposição de defesas.
desconstrução do verbo ouvir.
QUESTÃO 06
Na frase “(...) que olham para você como se estivessem prestando atenção, mas
que estão com a cabeça em outro lugar”. O termo destacado estabelece com a
oração anterior uma relação semântica de:
a)
b)
c)
d)
Causa
Conseqüência
Contraste
Condição
QUESTÃO 07
Assinale a CORRETA correspondência entre o pronome em negrito e o
substantivo a que ele se refere:
a)
b)
c)
d)
“ Porque estamos nos tornando surdos “ ( líderes ).
“ Ela serve de desculpa para não ter de apoiar, educar...” ( agenda ).
“ ( ... ) lemos o que elas escrevem...” ( redes ).
“ Mas não as ouvimos!” ( tecnologias ).
QUESTÃO 08
Marque o enunciado cuja formulação está adequada ao nível de linguagem formal:
a) ( ... ) estão com a cabeça em outro lugar”.
b) “ Nos ligamos a mais pessoas na rede “.
c) “ ( ... ) o exercício de ouvir começa a voltar lentamente, mesmo doendo os
ouvidos”.
d) “ Mas não as ouvimos “.
Leia, atentamente, o texto II para responder às questões de 09 a 15:
TEXTO II
UM OUVIDO PARA CADA SOM
Estudo mostra que se ouve melhor música do lado esquerdo e frases do
lado direito.
A aptidão musical de algumas pessoas, enquanto outras não conseguem
cantar no chuveiro sem causar a ira dos vizinhos, sempre intrigou os cientistas. A
resposta desse mistério pode estar no lugar mais óbvio: o ouvido, de acordo com
uma pesquisa recente. Segundo o estudo da escola de medicina da Universidade
da Califórnia, publicado na revista cientifica americana Science, o ouvido humano
é especializado: o direito capta melhor as palavras e o esquerdo, os sons
musicais. Durante seis anos, os pesquisadores fizeram testes com um aparelho
que emite sons em mais de 3000 recém –nascidos, antes que eles saíssem do
hospital. Um dos sons era parecido com o ritmo de um discurso. O outro era de
tons musicais. Os bebês reagiram melhor ao escutar os sons parecidos com
música no ouvido esquerdo e ao ouvir sons semelhantes a conversas no direito.
As diferenças entre os lados do corpo não são novidade, mas nunca se
havia percebido que isso inclui a especialização da percepção auditiva. No fim do
século XIX, o médico francês Paul Broca elaborou a teoria de que o hemisfério
direito do cérebro, associado à criatividade e à aptidão musical, controla o lado
esquerdo, associado à capacidade analítica e à fala, controla o lado direito.
Pesquisas científicas realizadas no século seguinte comprovam que Broca estava
certo. O que se vê agora, com o trabalho dos pesquisadores da Universidade da
Califórnia, é que esse tipo de organização das funções cerebrais tem conexões
ainda mais amplas. “O estudo mostrou que o processo auditivo ocorre primeiro no
ouvido e só depois vai para os hemisférios cerebrais”, diz a pesquisadora Barbara
Cone-Wesson, uma das responsáveis pelo trabalho. “Desde o nascimento, o
ouvido está preparado para distinguir todos os tipos de som e enviá-los para o
lado correto do cérebro”.
Uma pesquisa anterior tinha observado que crianças com problemas de
audição no ouvido direito têm maior dificuldade de aprendizado que aquelas com
problemas no ouvido esquerdo _ mas faltava uma explicação para essa diferença.
Outro estudo, este da Universidade Estadual Sam Houston, no Texas, havia
concluído que frases com grande carga emocional, como declarações de amor e
críticas, são mais bem lembradas se ditas no ouvido esquerdo. “As descobertas
podem ajudar a desenvolver aparelhos auditivos específicos para captar melhor as
palavras ou a música, de acordo com a necessidade do deficiente auditivo”, diz a
médica Yvonne Sininger, que coordenou o trabalho da Universidade da Califórnia.
( Revista Veja, ano 2006- Caderno Ciência )
QUESTÃO 09
Compare o texto II com o texto I e avalie as afirmativas:
I- No primeiro, o enunciador é um profissional ligado à área da lingüística.
II- O texto II confirma a importância do ato de ouvir e a consciência que se deve
despertar em cada um dos ouvidos.
III- Analisando-se os dois temas, percebe-se que apresentam pontos de vistas
semelhantes.
Está ( ão ) CORRETAS a ( s ) afirmativa( s ):
a)
b)
c)
d)
Apenas II e III
Apenas I e II
Apenas I e III
I,II e III
QUESTÃO 10
As evidências reunidas pelos cientistas indicam que:
a) Ambos os ouvidos captam igualmente sons iguais.
b) Os testes realizados em mais de 3000 recém-nascidos provaram que bebês
captam sons semelhantes.
c) Pesquisadores da universidade da Califórnia defenderam que o som primeiro
é captado pelo ouvido e a seguir para os hemisférios cerebrais.
d) Os hemisférios cerebrais são os responsáveis pela captação imediata dos
sons, segundo pesquisadores texanos.
QUESTÃO 11
Os estudos a que se refere o texto constataram, principalmente, que o ouvido:
a)
b)
c)
d)
direito capta melhor sons musicais.
esquerdo capta melhor frases com conteúdo emocional.
direito é associado à criatividade.
esquerdo associa-se à linguagem e ao raciocínio.
QUESTÃO 12
Observe:
I – “ A aptidão musical ( ... ) sempre intrigou os cientistas “. ( tendência )
II – “ ( ... ) isso inclui a especialização da percepção auditiva”.( acuidade )
III “ ( ... ) esse tipo de organização das funções cerebrais tem conexões ainda
mais amplas”. ( ligação )
As palavras entre parênteses substituem as grifadas sem alterar o sentido em:
a)
b)
c)
d)
I , II e III.
II somente.
I e II.
I somente.
QUESTÃO 13
Assinale o único elemento que NÃO participa da organização do texto:
a)
b)
c)
d)
Discurso de autoridade.
Exposição argumentativa de idéias.
Recorrência a citações explícitas.
Simples narração dos fatos.
QUESTÃO 14
Leia o fragmento para responder o que se pede:
A aptidão musical de algumas pessoas, enquanto outras não conseguem cantar
no chuveiro sem causar a ira dos vizinhos, sempre intrigou os cientistas. A
resposta desse mistério pode estar no lugar mais óbvio: o ouvido, de acordo com
uma pesquisa recente.
Assinale a alternativa que apresenta uma informação CORRETA em relação ao
fragmento:
a) Para estruturar o texto de forma coesa e coerente e evitar repetições, o
vocábulo “ outras” foi responsável pela substituição do termo “ pessoas”.
b) O termo “enquanto “ desequilibra a informação e o texto se torna ambíguo.
c) As duas vírgulas são responsáveis pelo termo explicativo comparativo.
d) O uso do termo “sempre” foi inadequado à idéia do comparativo “ enquanto”.
QUESTÃO 15
Pode-se inferir, a propósito do título “ Um Ouvido Para Cada Som” e dos contextos
das idéias, EXCETO:
a) Os ouvidos captam sons e cada um deles se torna responsável por
percepções diferenciadas.
b) Ambos os ouvidos captam igualmente as informações, independentemente, de
quais sejam.
c) Os pesquisadores utilizaram recém-nascidos para testes e os resultados
demonstraram diferenças de percepção entre ouvido direito e esquerdo.
d) O título do texto se justifica pela síntese das idéias defendidas.
Leia o fragmento para responder o que se pede nas questões de 16 a 20.
“ Por que ouvimos zumbidos? ‘ ora direis zumbidos’, quase escreveu Olavo Bilac.
Pois 1 em cada 6 terráqueos escuta regularmente aquele som agudo e incômodo
lá dentro do ouvido. Felizmente, a maioria dos casos tem cura simples: basta o
sujeito atormentado mudar alguns hábitos, principalmente alimentares. Mas
problemas emocionais também geram ruídos: vítimas da depressão têm reflexos
alucinatórios, como vozes de outras pessoas e – surpresa- zumbidos. É, na
verdade, uma reação inconsciente para não se sentirem sozinhos. Há também
relatórios de zumbidos causados pelo consumo em excesso de alguns
medicamentos – nesses casos, claro, o barulho é só o menor dos problemas”.
( OLIVEIRA, Anderson Fernandes. Revista Supernovas- Stembro de 2010, p. 42 )
QUESTÃO 16
A expressão “ ora direis, ouvir zumbidos”, justifica-se pelo processo intertextual da:
a)
b)
c)
d)
paródia
epígrafe
citação
referência
QUESTÃO 17
Na expressão “ Há também relatórios de zumbidos causados pelo consumo em
excesso de alguns medicamentos...”
A palavra em destaque serve para:
a)
b)
c)
d)
Realçar a frase.
Elucidar uma conseqüência do que foi informado anteriormente.
Adicionar informações.
Ratificar idéias anteriores.
QUESTÃO 18
As correlações entre as substâncias que provocam
adequadamente traduzidas entre parênteses, EXCETO:
zumbidos
foram
a) substâncias químicas que dificultam a oxigenação no organismo e falta de
oxigênio no ouvido causa falhas de audição e ruídos. ( cigarro )
b) o excesso de insulina pode prejudicar os estímulos elétricos das vias neurais –
o que inclui aquelas que levam informações do ouvido para o cérebro. ( açúcar )
c) faz o cérebro passar e receber informações erradas sobre nossa posição no
espaço. Do chão rodando para vertigem e ruídos, bastam alguns goles. ( álcool )
d) em muita quantidade, este estimulante aumenta o fluxo sanguíneo. Quando o
do ouvido acelera muito, pode causar distúrbios auditivos. ( colesterol )
QUESTÃO 19
Julgue o emprego dos sinais de pontuação a seguir:
I – “ ( ... ) problemas emocionais também geram ruídos: vítimas da depressão têm
reflexos alucinatórios...” os dois pontos serviram para anunciar a explicação ao
termo anterior.
II- “ ( ... ) como vozes de outras pessoas e- surpresa- zumbidos.
Os travessões substituíram as vírgulas.
III - “ É, na verdade, uma reação inconsciente...” as vírgulas foram usadas para
separar um adjunto adverbial de tempo.
Está ( ão ) CORRETA ( as ) a ( s ) afirmativa( s )
a)
b)
c)
d)
Apenas I e II.
Apenas a II.
Apenas a III.
I,II e III.
QUESTÃO 20
A inferência à pergunta, no início do fragmento, “ Por que ouvimos zumbidos?”
está adequada em:
a) Porque todos os terráqueos têm problemas de audição.
b) Porque os zumbidos são provocados por fatores variados aos mencionados
no fragmento.
c) Porque não se pode discernir entre um barulho externo e um zumbido.
d) Porque os zumbidos são causados pelos fatores internos, tais como idade
avançada.
PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA O CARGO DE
PROFESSOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE – LETRAS
Uma imagem vale mais do que mil palavras?
Fernando Mariano Placides
Recentemente, o jornal americano The New York Times publicou um
artigo no qual afirmava ter descoberto o culpado pela infindável e, aparentemente
perdida, guerra no Afeganistão: o programa PowerPoint, da Microsoft. Segundo o
jornal, uma pesquisa havia revelado que a maioria dos oficiais americanos naquele
país consumiam grande parte de seu tempo preparando apresentações tão
complexas e intrincadas sobre as estratégias para vencer a guerra que acabavam
mais por confundir que esclarecer, tanto o alto comando do exército quanto seus
subordinados. O tempo gasto devia-se não só ao conteúdo altamente elaborado
das apresentações, mas, sobretudo, à forma dessas, ou seja, à utilização dos
infinitos recursos do programa, que vão desde a simples edição do texto até o uso
de musiquinhas, efeitos brilhosos e palavras que tomam a tela fazendo piruetas.
Podemos dizer que vivemos uma febre semelhante na educação. Muitas
vezes, vemos professores e alunos exagerarem no uso desse recurso, achando
que ele, por si só, fará da apresentação ou da aula algo extraordinário. É inegável
a facilidade e praticidade que o programa – e outros semelhantes – trouxeram ao
processo educativo, facilitando e incrementando as apresentações pelo uso da
imagem e do som. Contudo, este deve ser o seu papel: ajudar nas apresentações
e não tornar-se o protagonista delas, seja pelo exagero na utilização dos recursos
ou pela simples ideia de que concatenar tópicos e imagens em sequência,
fazendo a sua leitura diante de uma plateia, já é o suficiente para uma boa
apresentação ou aula.
Costumo brincar com meus alunos afirmando que, para ler o que está
projetado, basta saber ler! A fala, o olhar, os exemplos, o auxílio na construção de
um raciocínio ou no entendimento de uma questão, ou até mesmo um caso
corriqueiro, é o que recheia de vida e entusiasmo uma aula ou apresentação e
podem ajudar a quebrar a aridez e tecnicidade inevitável de muitas disciplinas.
Devemos usar, em nossas aulas e apresentações, todos os recursos tecnológicos
disponíveis, mas sem exageros ou excesso de firulas, sob pena de entrarmos em
uma guerra perdida.
Vale ressaltar que, por mais avançados que sejam os recursos atuais,
nada substitui uma boa explicação. É nesse sentido que ouso afirmar que uma
palavra pode valer mais do que mil imagens.
(Depto Filosofia, Folha do Professor /PUCMinas, 25/10/2010)
QUESTÃO 21
Avalie as seguintes afirmações sobre o texto acima:
I - Ao dizer que o programa Powerpoint, da Microsoft, é o responsável pela perda
ou pelo prolongamento da guerra, podem ser feitas duas leituras - uma irônica,
outra hiperbólica - desta afirmação.
II - O articulista afirma que os oficiais priorizavam a forma dos textos em
detrimento do conteúdo, daí a perda do foco nas estratégias bélicas.
III – Ao dizer que “para ler o que está projetado, basta saber ler”, o articulista
refere-se à decodificação, que é necessária, porém insuficiente no ato de ler.
Estão CORRETAS, de acordo com o texto, as afirmativas:
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas I e III.
d) I, II, III.
QUESTÃO 22
O autor afirma que "vivemos uma febre semelhante na educação". Com isso, ele
deixa entrever que
a) A tecnologia, quando bem utilizada, presta um serviço ao aprendiz e pode
substituir o docente.
b) As apresentações calcadas em tecnologia apropriada podem funcionar como
protagonistas de um processo educativo.
c) A concatenação de imagens, com auxílios sonoros e outros, faz prescindir de
inserções por parte do professor.
d) Uma imagem vale mais que mil palavras: na prática docente, esse ditado,
contextualizado, pode até ter dimensão oposta.
Atente para o excerto abaixo para responder às questões 23 e24:
Os PCN, em relação às especificidades do texto literário, asseveram que:
”O texto literário constitui uma forma peculiar de representação e estilo em que
predominam a força criativa da imaginação e a intenção estética. Não é mera
fantasia que nada tem a ver com o que se entende por realidade, nem é puro
exercício lúdico sobre as formas e sentidos da linguagem e da língua."
QUESTÃO 23
Avalie as afirmações feitas sobre os textos desta esfera discursiva:
I - São dotados de relativa autonomia, pois não se prendem à dimensão da
fatualidade.
II - Constituem outra mediação possível de sentidos entre o sujeito e o mundo.
III - Buscam uma inevitável reconstrução da linguagem (jogos de palavras e
exploração da conotação).
IV - São potencialmente transgressores, permitindo reinterpretação do mundo
concreto.
Estão CORRETAS as afirmativas:
a) apenas I, II, III.
b) apenas II, III, IV.
c) apenas I, III, IV
d) apenas I, II, IV
QUESTÃO 24
São equívocos normalmente relacionados à didatização do texto literário na
escola, atualmente, EXCETO:
a) Utilizá-lo como pretexto para tratamento de questões de natureza cultural, moral
ou ética.
b) Evidenciar as singularidades e propriedades que matizam um tipo particular de
uso da linguagem, marcado por sutilezas ou reinvenções sintáticas e lexicais.
c) Tematizar poemas ou outros textos literários como fonte de extração de
segmentos para análise linguística.
d) Preterir textos de cunho artístico e popular em favor de fragmentos textos
clássicos de autores brasileiros renomados.
QUESTÃO 25
Para Monteiro (in MORAIS, 2007),
"quando se passou a compreender que escrever não é apenas grafar
corretamente e o trabalho com o texto passou a ser visto como elemento essencial
para o desenvolvimento da leitura e da escrita, começou a pairar entre os
educadores uma série de questionamentos no que se refere ao trabalho com a
ortografia."
São afirmações corretas, em relação ao sistema de escrita do português,
EXCETO:
a) Ao analisar as concepções da criança, na aquisição da escrita, Emília Ferreiro
constatou que, para esta, a menor unidade é a sílaba; este é, de fato, o princípio
básico de aprendizagem das complexas relações sons/letras.
b) As formas passíveis de serem aprendidas por meio de regras e
sistematicamente ensinadas são aquelas determinadas pela posição.
c) Há casos, na língua portuguesa, tanto de correspondência biunívoca
(fonema/grafema) quanto de correspondência cruzada (em que não há
correspondência estrita entre unidade gráfica e unidade sonora).
d) O grande número de erros de grafia em alunos com vários anos de
escolarização indica que, por um lado, estes não se apropriam devidamente de
várias regras ortográficas (algumas bem previsíveis) e, por outro lado, a escola
carece de estratégias mais eficazes de ensino.
Atente para o excerto abaixo para responder as questões 26 e 27:
MORAIS (2007), em artigo sobre o ensino de ortografia, relata o seguinte episódio:
"Certa vez, numa pesquisa, fiz com as crianças uma tarefa de "escrever errado de
propósito". Tarsila, uma aluna da 3 série, que tinha ótima ortografia, inventou
muitos erros intencionais como "gozadu", "famozo" e "orisonti", Ao lhe perguntar
se existe uma regrinha para sabermos por que "gozado" não se escreve com U,
ela refletiu um pouco e me confessou: - "Minha professora nunca me disse",
Quando insisti, perguntando como ela sabia que a gente tem de pôr O no final da
palavra "gozado", ela novamente hesitou, até me explicar: "- Não sei...é gozádu
(...) Não é gozadú"."
QUESTÃO 26
O autor conclui dizendo que a criança, inadvertidamente, tinha descoberto a
causa. Esta Consiste em:
a) regra de uso do O e do U, que é previsível.
b) tonicidade das palavras na língua portuguesa.
c) regra de formação da palavra, que deriva de "gozo".
d) número de sílabas das palavras do português.
QUESTÃO 27
Com relação à atividade proposta por Morais, é CORRETO afirmar:
a) Trata-se de uma pesquisa, portanto não tem fundamento pedagógico.
b) Presta um desserviço, pois incentiva a escrever errado.
c) Leva as crianças a refletirem sobre os casos de grafia sujeita a regras.
d) Ajuda à memorização das palavras inventadas, pois o aluno as escolhe.
QUESTÃO 28
Para Kleiman (in Gêneros Textuais e Ensino, 2005),
“embora tenha havido uma mudança no ensino de língua materna, nas últimas
décadas, "as práticas escolares ainda não são, na maioria dos casos,
fundamentadas por uma visão de linguagem que sustente a operacionalização de
atividades baseadas no pressuposto da centralidade do texto no processo de
ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa. Em outras palavras, o que se
observa no trabalho desenvolvido nas escolas é um forte predomínio de atividades
que ainda valorizam o texto como produto isolado de seu processo de produção".
Esta postura ainda equivocada se manifesta nas seguintes práticas, EXCETO:
a) análise e classificação de aspectos estruturais do texto.
b) aspectos materiais e visuais que caracterizam cada gênero textual.
c) avaliação do tipo de linguagem característico e do tipo de leitor-alvo.
d) análise da situação de linguagem que condiciona a produção (ou recepção)
textual.
QUESTÃO 29
Como afirma SOARES (1996, p. 85),
“[...] do ponto de vista individual, o aprender a ler e escrever - alfabetizar-se, deixar
de ser analfabeto, tornar-se alfabetizado, adquirir a 'tecnologia' do ler e escrever e
envolver-se nas práticas sociais de leitura e de escrita – tem consequências sobre
o indivíduo, e altera seu estado ou condição em aspectos sociais, psíquicos,
culturais, políticos, cognitivos, linguísticos e até mesmo econômicos; do ponto de
vista social, a introdução da escrita em um grupo até então ágrafo tem sobre esse
grupo efeitos de natureza social, cultural, política, econômica, linguística. [...]
Letramento é, pois, (...) o estado ou a condição que adquire um grupo social ou
um indivíduo como consequência de ter-se apropriado da escrita.”
A partir do excerto acima, assinale a afirmativa CORRETA:
a) O letramento não prescinde da aquisição dos mecanismos da leitura e da
escrita, mas não se confunde com o estado de alfabetismo.
b) Letramento tem conotação individual, pois é algo obtido apenas neste âmbito.
c) A inserção da tecnologia do ler e escrever altera o status de uma comunidade
ágrafa, até então tida como sem nenhum grau de letramento.
d) O fato de o indivíduo se alfabetizar (dominar a tecnologia do ler/escrever)
reverte-se, diretamente, na ampliação de renda e ascensão socioeconômica.
QUESTÃO 30
Ainda que os usos da linguagem sejam predominantemente procedimentais,
também supõem conhecimentos conceituais e atitudinais, e todos esses
conhecimentos são produto de uma construção social e precisam, portanto, ser
aprendidos.
Considerando-se o exposto, afirma-se:
I - O trabalho do professor de língua portuguesa deve prever a exploração desses
conhecimentos, em função do que os alunos já sabem e do que ainda precisam
aprender, desenvolvendo gradualmente capacidades mais complexas.
II - A organização das atividades deve voltar-se para um eixo horizontal (interação
conceitual) e vertical (aprofundamento dos conteúdos), para permitir a construção
gradual de conhecimentos e o desenvolvimento de competências requeridas pelas
próprias práticas de linguagem, incluindo as de análise, reflexão e crítica.
III - O domínio, pelo aluno, de competências como a observação e a comparação
entre aspectos semelhantes e diferentes e a elaboração de generalizações deve
ser tarefa de responsabilidade do professor de Língua Portuguesa, mas também
trabalhado pelos professores das outras disciplinas de forma integrada.
IV - Visto que o desenvolvimento das habilidades de leitura, de escrita e de
oralidade é essencial para a aquisição dos demais conteúdos curriculares
(Matemática, História, Geografia, etc), para que os alunos leiam e compreendam
qualquer tipo de texto, os professores destas disciplinas é que têm competência
para indicar ao professor de Língua Portuguesa os gêneros e textos que gostariam
de que fossem trabalhados com seus alunos.
Estão CORRETAS as afirmativas:
a) apenas I, II e III.
b) apenas II, III e IV.
c) apenas I, II, IV.
d) I, II, III, IV.
QUESTÃO 31
"A proposta dos PCN de fundamentar o ensino da língua materna, tanto oral
quanto escrita nos gêneros do discurso, desencadeou uma relevante e
significativa atividade de pesquisa visando, primeiro, descrever uma diversidade
considerável de gêneros a partir dos heterogêneos textos que os atualizam e,
segundo, apresentar sugestões didáticas para o uso dos textos enquanto
exemplares e fonte de referência de um determinado gênero. Ambos são objetivos
louváveis - tanto o linguistico-discursivo como o educacional - , que contribuem
para tornar uma tarefa sempre presente no cotidiano do professor - como escolher
um "bom" texto - numa atividade menos ambígua, menos árdua, menos onerosa.
(Kleiman, 2005, p.7)
De acordo com esse excerto e com base nos estudos da linguística moderna,
assinale a afirmativa CORRETA:
a) A escola prescinde de ensinar gêneros orais (como debate, seminário), uma vez
que o aprendiz, ao chegar na escola, ja domina bastantes práticas discursivas de
oralidade.
b) cultura letrada é o foco de atuação da Escola, no entanto é fundamental inserir
em seu currículo aspectos da cultura popular, em suas nuances artísticas,
linguísticas e outras.
c) A proposta pedagógica dos PCN, imposta pelos orgãos governamentais,
sobrecarrega o profissional da área de Letras, que passa a ter uma exigência a
mais, qual seja, a de procurar e selecionar textos de diferentes gêneros e esferas
discursivas.
d) A linguística dos gêneros, saída da academia para os intramuros das escolas,
veio a substituir a linguística do sistema, visto que se percebeu a desnecessidade
de se ensinar analise gramatical aos aprendizes. O trabalho com a tipologia textual
e sua metalinguagem supre as demandas da educação básica.
QUESTÃO 32
Atente para o fragmento:
"Isso não significa, entretanto, que é apenas essa predisposição natural a
contextualizar que nos permite agir com eficiência no complexo mundo social, que
se apresenta com distintas esferas de atividades, segundo as distintas instituições
em que os eventos sociais acontecem"(Kleiman, 2005)
Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o fragmento:
a) O nexo linguístico "entretanto" introduz uma contraposição de ideias.
b) os pronomes "isso" e "essa" são anafóricos, sinalizando algo já apresentado no
discurso.
c) o conectivo "que", nas quatro ocorrências, funciona como pronome relativo,
retomando termos mencionados.
d) O item "segundo" funciona como conector e introduz ideia de conformidade.
As questões 33 a 35 relacionam-se ao gênero verbete:
"verbete: /ê/ s.m (1881 cf.CA) 1. nota ou comentário que foi registrado, anotado;
apontamento, nota, anotação , registro; 2. (1881) pequeno papel em que se
escreve um apontamento 3. ficha arquivo (p.ex., em biblioteca) 4. (a1947) em
lexicografia, os conjuntos das acepções, exemplos e outras informações
pertinentes contido numa entrada de dicionário, enciclopédia, glossário, etc. ETIM.
verbo + -ete; ver verb(i/o)- HOM verbete (fl. verbetar)
(Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, 2001, apud DIONISIO, Angela P.,
2005, p.125)
QUESTÃO 33
Sobre este gênero, afirma-se:
I - Foca-se no conteúdo e no código, exercendo funções metalinguística e
referencial.
II - Promove compartilhamento de saberes entre autor (lexicógrafo ou
enciclopedista) e leitor.
III - Representa um discurso da esfera pedagógica.
IV - Seus suportes restringem-se a dicionários, glossários ou enciclopédias.
Estão CORRETAS as afirmativas:
a) apenas I, II, III.
b) apenas II, III, IV.
c) apenas I, III, IV.
d) I, II, III, IV.
QUESTÃO 34
No verbete em análise, considere o conjunto de itens: apontamento, nota,
anotação, registro. Há entre eles uma relação semântica denominada:
a) antonímia.
b) homonímia.
c) sinonímia.
d) hiponímia.
QUESTÃO 35
Com relação ao ensino deste gênero, observando-se o que é preconizado nos
PCN, estão corretas as afirmativas, EXCETO:
a) Pode-se planejar atividades de elaboração de verbetes por área temática, o que
ensejaria a construção de projetos interdisciplinares.
b) A leitura do(s) suporte(s) em que este gênero se inscreve obedece a uma forma
de organização particular, baseada em sistema numérico ou alfabético.
c) No gênero verbete, forma (estrutura) e função (uso) estão visceralmente
interligadas e constituem a própria essência do texto.
d) Destinando-se a explicações de ordem referencial, não se presta a uso para
definições conotativas ou imagéticas.
QUESTÃO 36
Analise a piadinha abaixo:
Um turista brasileiro, no aeroporto de Lisboa, tenta fotografar uma bela tela em
exposição, o que é proibido. Sempre que se posiciona para tirar a foto, um
segurança se aproxima e o impede. Cansado, ele pergunta:
- Mas será possível que não poderei tirar esta foto de recordação?
O segurança responde:
- Só se eu não vir...
E ele responde:
- Mas o senhor vem sempre....
Para apreender o humor da piada, é fundamental que o ouvinte/leitor perceba que:
a) o brasileiro é teimoso e insubordinado.
b) o turista confunde o emprego de dois verbos irregulares do português.
c) o segurança fala um português padrão e incompreensível ao brasileiro.
d) o segurança é arrogante e insensível.
QUESTÃO 37
Quanto ao aspecto verbal, Travaglia afirma:
“é uma categoria de tempo, não dêitica, que marca a duração da situação e/ou
suas fases, sendo que estas podem ser consideradas sob diferentes pontos de
vista, a saber, o da realização da situação, do seu desenvolvimento e do seu
completamento”
(Gramática, Ensino Plural. p.169)
Sobre esse assunto, assinale a assertiva INCORRETA:
a) “Cheguei cedo”. Nesta oração o aspecto é pontual e acabado.
b) Maria brincava sozinha” Nesta sentença, o verbo apresenta aspecto durativo.
c) “Acordo às 7h” Nesta sentença, o verbo indica ação contínua e durativa.
d) “A torneira o verbo evidencia aspecto iterativo.gotejava irritantemente.”
QUESTÃO 38
Segundo Travaglia (2003), em “Gramática, Ensino Plural”, é correto afirmar,
EXCETO:
a) O objetivo de desenvolver o raciocínio lógico e a capacidade de pensar, de
ensinar a fazer ciência é objetivo precípuo do ensino de língua materna.
b) Desenvolver, durante as aulas de língua materna, uma habilidade de
independência intelectual daria aos aprendizes a possibilidade de questionar fatos
e ou fenômenos do mundo natural e social, percebendo que a verdade sobre os
mesmos não está pronta em livros ou dita por autoridades incontestáveis.
c) A reflexão gramatical pode conduzir à percepção de que as normas sociais para
uso da língua, assim como as regras de etiqueta, não são leis imutáveis, mas
portadoras de dinamicidade e servem como marcas identitárias.
d) O professor de língua portuguesa tem a vantagem de contar com amplo
material didático à disposição, pois virtualmente são inesgotáveis os gêneros que
circulam socialmente e que poderão ser didatizados, tomados como alvo de
investigação nas aulas de língua materna.
QUESTÃO 39
O verbo é o elemento estruturante da oração e a seu estudo é importante dedicar
tempo e reflexão. Sobre essa classe de palavras, está correto afirmar, EXCETO:
a) O modo imperativo pode expressar ordem, pedido, aconselhamento, proibição
ou prescrição.
b) As modalizações verbais podem ser indicadas tanto por formas verbais (como
indicativo x subjuntivo), como pelo uso de auxiliares (ex: poder x dever), ou ainda
pelo uso de advérbios (ex: felizmente).
c) Em relação à flexão verbal, devem-se conjugar verbos das três conjugações,
regulares e irregulares, até que os alunos memorizem e utilizem em todas as suas
produções textuais as marcas de concordância número-pessoal.
d) O trabalho com os tempos verbais deve evidenciar que a, além das marcações
temporais simples, perífrases verbais podem também indicar traços aspectuais.
QUESTÃO 40
As classes de palavras nem sempre são caracterizadas, na gramática tradicional,
de forma coerente e completa. Atente para as definições sob uma perspectiva
funcionalista, extraídas de Perini, 2006:
Palavra: vocábulo fonológico / morfológico: “forma individual com representação
fonológica ou gráfica única”)
Lexema (“classe de palavras relacionadas de determinada maneira” - ex: flor,
flores: duas palavras, um lexema; bebi e beberrão são dois lexemas)
Sintagma (“constituinte menor do que a oração, composto de uma ou mais
palavras”):
1. Cada sintagma tem constituição, funcionamento e propriedades (semânticas e
sintáticas) particulares – ex: sintagma nominal / sintagma adjetival
2. A oração é também um tipo de sintagma: ex: Pedro espera que os problemas
sejam resolvidos. Pedro espera a resolução de todos os problemas.
3. Os sintagmas se associam para compor estruturas maiores: ex – SN + SV =
oração; [de todos os problemas = preposição + SN]
(PERINI, Mário A. Princípios de Linguística Descritiva. São Paulo: Parábola, 2006,
capítulo 11)
Com base nas definições, assinale a afirmativa INCORRETA:
a) Cheguei cedo, mas tu chegaste muito tarde. Os itens destacados pertencem
ao mesmo lexema.
b) Eu assisti a um filme que me emocionou muito. A oração destacada é um
sintagma com função adverbial.
c) “Deixa isso dendapia, Maria”. – No dialeto mineiro, há muitas palavras
fonológicas que não correspondem a apenas um vocábulo morfológico.
d) “Um aluno não, vários alunos leram o livro”. Sendo flexão de número, os
itens destacados pertencem ao mesmo lexema.
Fly UP