...

Manual de Verificação - Verification Handbook

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Manual de Verificação - Verification Handbook
Sobre
OManualdeVerificaçãoéumrecursonovoeinovadorparajornalistaseequipesde
socorro,comorientaçõespasso-a-passoparaautilizaçãodeconteúdogeradopelo
usuário(UGC,doinglêsUserGeneratedContent)emsituaçõesdeemergência.
Emumasituaçãodecrise,asredessociaisficamsobrecarregadascomatualizações,
pedidosdesocorro,relatosdenovosacontecimentoseinformaçõessobreresgate.
Muitasvezes,relatarainformaçãocorretaéumpassocríticoparaaformulaçãode
respostas do público e dos técnicos de ajuda humanitária; pode ser, literalmente,
umaquestãodevidaoumorte.
O Manual dá conselhos de melhores práticas sobre como verificar e utilizar as
informações fornecidas pelas massas, além de recomendações práticas para
facilitaropreparodasredaçõesparaacoberturadedesastres.
Aindaquesejavoltadoprincipalmenteparajornalistasesocorristas,oManualpode
serusadoporqualquerpessoa.Seuaconselhamentoeorientaçãosãovaliososseja
você um jornalista, cidadão repórter, trabalhador de ajuda humanitária, voluntário,
estudantedejornalismo,especialistaemcomunicaçãodeemergênciaouacadêmico
pesquisandomídiassociais.
O Manual é desenvolvido e gerido peloCentroEuropeudeJornalismo (EJC, da sigla
em inglês), com sede na Holanda, como parte de sua iniciativa deEmergency
Journalism. Esse trabalho está sob licença internacionalCreative Commons
Atribuição-NãoComercialSemDerivados4.0.
Editoresdomanual
Editor:CraigSilverman,ThePoynterInstitute
Revisor:MerrillPerlman,theAmericanCopyEditorsSociety(ACES)
Produção
EuropeanJournalismCentre
EmergencyJournalism
Patrocinadores
MinisterievanOnderwijs,CultuurenWetenschap
AfricanMediaInitiative
TraduçãoPT-BR
A versão em português do Brasil foi produzida pela agênciaParadox Zero, com a
colaboraçãodeLuísaFerreira,MorenoOsórioePauloRebêlo.
Parceiros
UNHCR-TheUNRegufeeAgency
UnitedNationsAllianceofCivilizations(UNAOC)
UnitedNationsDevelopmentProgramme
Poynter
EthicalJournalismNetwork
Meedan
HumanityRoad
WITNESS
DartCentreEurope
ParadoxZero
Contato
RinaTsubaki
E-mail:[email protected]
EuropeanJournalismCentre
Oranjeplein106
6224KVMaastricht
TheNetherlands
Tel.:+31433254030
Fax:+3224004220
NoBrasil
ParadoxZero
E-mail:[email protected]
Tel.:+55(11)3280-4139ou+55(61)4042-3280
Prefácio
No ambiente digital de hoje em dia, onde boatos e conteúdos falsos circulam,
jornalistas precisam ser capazes de diferenciar materiais autênticos dos forjados.
Essemanualinovadoréleituraobrigatóriaparajornalistasquelidamcomtodotipo
de conteúdo gerado por usuários. Wilfried Ruetten, Diretor, Centro Europeu de
Jornalismo(EJC)
Informações precisas podem ser um recurso que salva vidas durante uma crise
humanitária, mas as circunstâncias em que essas crises surgem costumam ser as
mais difíceis para obter informações confiáveis. Esse livro vai ajudar não só
jornalistas,masqualquerpessoatrabalhandoemsituaçõesdeajudahumanitária,a
verificarosfatosemcampo.William Spindler, Porta-voz, Alto Comissariado das
NaçõesUnidasParaRefugiados(ACNUR)
Esse manual será essencial para que jornalistas cobrindo conflitos religiosos e
étnicos informem de forma mais balanceada, transparente e precisa, ajudando a
diminuirtensõesentreedentrodascomunidades.MatthewHodes,Diretor,Aliança
dasCivilizaçõesdasNaçõesUnidas(UNAOC)
Nos dias de hoje, saber o que é verdade e como verificar notícias e outras
informações é essencial. Esse manual oferece ferramentas essenciais para todo
mundo, jornalistas e consumidores. Howard Finberg, Diretor de Parcerias de
Treinamento,ThePoynterInstitute
Obter os fatos corretos é um princípio básico do jornalismo, mas os meios de
comunicaçãotêmdificuldadeparaseréticosquandosurgeumagrandenotícia.Esse
manualajudaosjornalistasamanterafénorelatodaverdade-mesmoquandoa
especulação online está desenfreada. Aidan White, Diretor, The Ethical
JournalismNetwork(EJN)
Tudo se resume à informação certa, na hora certa e no lugar certo. Quando há
acesso limitado às áreas afetadas por desastres, é crucial para a equipe de ajuda
humanitária obter informações através das redes sociais de forma efetiva. Esse
manual é útil para trabalhadores de ajuda humanitária trabalhando in loco, assim
como para voluntários online. Christoph Dennenmoser, Líder de Equipe de
NecessidadesUrgentes,HumanityRoadInc.
Capítulo1
Quandosurgeumanotíciadeemergência
Craig Silverman é um jornalista empreendedor, fundador e
editor doRegret the Error, um blog do Poynter Institute sobre
erros da mídia, precisão e verificação de informações. Ele
também desenvolveu umcurso sobre checagem de dados na
era digital para a Poynter News University. Além disso, Craig
Silverman atua como diretor de conteúdo daSpundge, uma
plataforma que permite aos profissionais crescer e monetizar
seus conhecimentos através de conteúdo. Anteriormente,
Silverman ajudou a lançar a OpenFile, uma startup de notícias
online que publicava reportagens locais em seis cidades
canadenses. Ele é o autor de "Regret The Error: How Media Mistakes Pollute the
Press and Imperil Free Speech" ("Lamente o erro: como erros da mídia poluem a
imprensa e põem em risco a liberdade de expressão", em tradução livre) e seu
trabalho foi reconhecido por instituições como U.S. National Press Club, Mirror
Awards,CrimeWritersofCanadaeNationalMagazineAwards(Canadá).SeuTwitter
é@craigsilverman.
Rina Tsubaki lidera e administra as iniciativas "Verification
Handbook" e "Emergency Journalism" noEuropean Journalism
CentrenaHolanda.EmergencyJournalismreúnerecursospara
profissionais de mídia e comunicação que noticiam sobre
situações voláteis na era digital. Tsubaki tem falado com
frequência sobre esses tópicos em vários eventos, incluindo
uma reunião da ONU e o Festival Internacional de Jornalismo.
Anteriormente,elagerenciouváriosprojetoscomfoconopapel
dos cidadãos no cenário em transformação da mídia e, em
2011, ela foi a principal colaboradora doInternews Europe's
report sobre o papel da comunicação durante o terremoto que ocorreu em março
daquele ano no Japão. Ela também colaborou com o Hokkaido Shimbun, um jornal
diárioregionaljaponês.OTwitterdelaé@wildflyingpanda.
“…Existeumanecessidadedapartedetodososjornalistasdenuncasupornada
e sempre confirmar e verificar tudo, de modo a permanecer como fontes
confiáveis de notícias e informações” —Santiago Lyon, vice-presidente e
diretordefotografia,TheAssociatedPress
***
Depois que um terremoto de magnitude 8.1 graus atingiu o norte da Índia, não
demorouatéquecirculasseainformaçãodeque4milprédioshaviamdesabadoem
uma única cidade, causando "inúmeras mortes". Outros relatos diziam que o
principal edifício de uma universidade e o da Suprema Corte da região também
teriamdesabado.
Foiumasituaçãoparecidadequandoumterremotode9.0grausatingiuonordeste
doJapão.Aspessoasouviramdizerquechuvatóxicaiacairdevidoaumaexplosão
nas premissas de uma companhia de petróleo e que agências de socorro não
podiamusaraviõesparamandarabastecimentoparaopaís.
Todosessasinformaçõeseramfalsas,baseadasemboatos.
Boatos e desinformação sempre acompanham situações de crise e emergência.
AqueleterremotonaÍndia?Foiem1934,muitoantesdainternetedasredessociais.
JáodoJapãoocorreuem2011.
Ambososterremotosresultaramemboatosporqueaincertezaeaansiedade-dois
elementosbásicosdecrisesesituaçõesdeemergência-fazemcomqueaspessoas
inventemerepitaminformaçõesquestionáveis.
"Em suma, boatos surgem e se espalham quando as pessoas estão inseguras e
ansiosassobreumassuntoderelevânciapessoal;etambémquandoparececrível,
dadaasensibilidadedaspessoasenvolvidasnapropagação",escrevemosautores
de“RumorMills:TheSocialImpactofRumorandLegend”("Moinhosderumores:o
impacto social de boatos e lendas", em tradução livre).Um artigo na Psychology
Today abordou a questão de outra forma: “o medo alimenta boatos. Quanto mais
ansiedade coletiva um grupo tem, mais inclinado ele está a começar o moinho de
boatos(rumormill)".
No mundo conectado de hoje, as pessoas espalham informações falsas e boatos
intencionalmente, como se fosse uma piada, para conseguir mais "curtidas" e
seguidoresousimplesmenteparacausarpânico.
Como resultado, o trabalho de checagem talvez seja mais difícil justamente nas
situações em que é mais importante fornecer informações precisas. Em um
desastre, seja por causas naturais ou humanas, os riscos de imprecisão são
ampliados.Podesetornar,literalmente,umaquestãodevidaoumorte.
Aindaassim,emmeioaoruídoeaosboatos,existesempreumfortesinalquetrazà
luzinformaçõesvaliosaseimportantes.
QuandoumvoodaUSAirwaysfoiforçadoapousarnoRioHudson,umhomemnuma
balsa foi a fonte de uma imagem urgente e reveladora que só uma testemunha
ocularpoderiatercapturadonaquelemomento:
linkoriginal
linkoriginal
Aspessoasnolocaldoocorridosãoaindamaisvaliosasemlugaresondejornalistas
têmpoucoounenhumacessoeondeagênciasdeajudanãoforamcapazesdeatuar.
Hoje, essas testemunhas fequentemente pegam o telefone para documentar e
compartilharoqueveem.Podeserumatestemunhaocularemumbarconorioou
umhomemqueacaboudeescapardeumacidentedeavião,comonesseexemplo
de2013:
O público depende de fontes oficiais como veículos de comunicação, serviços de
atendimentoaemergênciaseagênciasgovernamentaisparafornecerinformações
confiáveisemtempohábil.
Mas, ao mesmo tempo, essas organizações e instituições cada vez mais se voltam
aopúblico,àsmassas,parafornecernovasinformaçõesedarperspectivaecontexto
aos fatos. Quando isso funciona, cria-se um círculo virtuoso: fontes de informação
oficiaiseestabelecidas-agênciasgovernamentais,ONGs,veículosdecomunicaçãooferecem informação crítica em momentos de necessidade e trabalham de perto
com pessoas que estão no local do acontecimento e são as primeiras a ver e
documentarumacriseouemergência.
Paraconseguirisso,jornalistaseagentesdeajudahumanitáriaprecisamsehabituar
a usar mídias sociais e outras fontes para reunir, triangular e verificar as
informações, muitas vezes contraditórias, que surgem durante um desastre. Eles
precisam dominar processos demonstrados, ferramentas confiáveis e técnicas
experimentadas. Acima de tudo, eles precisam conseguir tudo isso antes que uma
criseaconteça.
Um desastre não é o momento para tentar verificar informações em tempo real.
Tampoucoéomomentoparadeterminarquaissãoasnormasepráticasparalidar
cominformaçõesfornecidaspelasmassas.Emesmoassim,éexatamenteissoque
muitasredaçõeseoutrasorganizaçõesfazem.
Felizmente,nosúltimosanosforamdesenvolvidasváriasferramentas,tecnologiase
melhorespráticasparapermitiraqualquerumdominaranovaartedachecagemde
informações.Emuitasoutrasestãosendocriadasotempointeiro.
O objetivo, no fim das contas, é alcançar a harmonia de dois elementos centrais:
preparar, treinar e coordenar pessoas com antecedência e durante uma
emergência;eforneceraelasrecursosqueaspossibilitemaproveitaraomáximoas
ferramentasquepermitemachecagemequeestãosempreemdesenvolvimento.
Acombinaçãodohumanoedotecnológicocomumsentidodedireçãoediligênciaé,
afinal, o que ajuda a acelerar e aperfeiçoar a verificação. No entanto, essa é uma
novacombinação,easferramentasetecnologiaspodemmudarrapidamente.
Este livro sintetiza os melhores conselhos e experiências com base nos
conhecimentos de importantes profissionais de alguns dos maiores veículos de
comunicação, ONGs e organizações técnicas e de voluntariado do mundo, até
mesmo das Nações Unidas. Ele oferece orientação, ferramentas e processos
essenciais para ajudar organizações e profissionais a fornecer ao público
informaçõesrápidaseconfiáveisquandoelassãomaisnecessárias.
**
A verdade é que bons profissionais frequentemente deixam-se enganar por
informações ruins e a tecnologia pode nos desviar do caminho tanto quanto pode
nos ajudar. Isso pode ser ainda mais verdadeiro quando tanta informação é
transmitidaaumritmotãorápidoquantohojeequandotantasredaçõeseempresas
deixam de ter programas e processos formais de treinamento para verificação de
dados.
"O empreendimento de checar e desmascarar conteúdo fornecido pelo público
depende muito mais de palpites jornalísticos do que de tecnologias da moda”,
escreveuDavidTurneremumartigona NiemanReportssobreaplataformadaBBC
de recebimento de conteúdos fornecidos pelo público, chamado de BBC User
Generated Content Hub. "Enquanto alguns chamam essa nova especialização em
jornalismo de 'informação forense', não é preciso ser um especialista em TI ou
possuir equipamentos especiais para questionar e responder às perguntas
fundamentaisusadasparajulgarseumasituaçãoémontadaounão".
Essa compreensão de que não existe uma solução milagrosa ou teste perfeito é o
ponto de partida para qualquer análise da verificação de informações e para o
trabalho de oferecer informações confiáveis durante um desastre. Isso exige que
jornalistas e outros profissionais observem primeiro os pontos fundamentais da
checagemdefatos,queexistemhádécadasenãovãosetornarobsoletos.
Emseucapítulonestelivro,SteveButtryseconcentraemumaquestãobásicaque
estánonúcleodachecagem.Háaindaaseguintelistadepontosfundamentais:
Antesquedesastresenotíciasurgentesaconteçam,determineumasériede
procedimentosaseremseguidos.
Crieedesenvolvafonteshumanas.
Entreemcontatocomaspessoas,falecomelas.
Sejacéticoquandoalgumacoisapareceboademaisparaserverdade.
Consultefontesconfiáveis.
Familiarize-se com métodos de busca e pesquisa, além de novas
ferramentas.
Comunique-se e trabalhe em cooperação com outros profissionais checageméumesportedeequipe.
Outra máxima que foi acrescentada à lista acima nos últimos anos é que, quando
você estiver tentando avaliar a veracidade de uma informação, seja ela uma
imagem,umtweet,umvídeoououtrotipodeconteúdo,vocêdeveverificarafontee
oconteúdo.
Quando a Associated Press promoveu Fergus Bell para liderar a criação e
desenvolvimentodoseuprocessoparaverificarvídeosproduzidosporcidadãos,ele
inicialmenterecorreuàstradicionaisorientaçõesdaorganizaçãoparachecagemde
informação,emvezdeprocurarnovasferramentasetecnologia.
“A AP sempre teve seus padrões e eles não mudaram muito. Foi através desses
padrõesqueconseguimosdesenvolverfluxosdetrabalhoemelhorespráticaspara
lidar com mídias sociais", disse Bell. “A AP sempre se esforçou para encontrar a
fonte original para basear as reportagens. E essa é sempre a forma que usamos
para verificar conteúdos gerados pelos usuários. Na maioria dos casos, não
podemoschecaralgumacoisaanãoserquefalemoscomapessoaqueacriou".
Partindodessesprincípios,asorganizaçõespodemcomeçaraconstruirumprocesso
confiávelereplicávelparaverificarinformaçãoemsituaçõesdeemergência.Checar
informaçõesemredessociais,sejamelasdeclaraçõessobrefatos,fotosouvídeos,
torna-se mais fácil uma vez que você conhece seus procedimentos e sabe como
aplicá-los.
Dessa forma é possível aproveitar da melhor maneira ferramentas como leitores
EXIF,plug-insdeanálisedefotos,buscaavançadadoTwitter,pesquisasdedomínios
whois/lookupeoutrasferramentasdescritasnestelivro.
Além desse conjunto de ferramentas e os processos e padrões que definem como
usá-las,existetambémoelementocríticodo"crowdsourcing":atrairopúblicopara
esse processo e trabalhar com ele para garantir que todos tenham melhores
informaçõesnosmomentosemqueelassãomaisnecessárias.
AndyCarvin,querecentementedeixouseuempregodeestrategistasocialsêniorna
NPR, é talvez o profissional mais celebrado e experiente em checagem de
informaçãogeradapor"crowdsourcing".Eledissequeosegredoétrabalharcomas
massaspara,comodizolemadaNPR,“criarumpúblicomaisinformado”.
“Quandoumagrandenotíciasurge,nãodeveríamosapenasusarmídiassociaispara
enviar as últimas manchetes ou pedir a opinião das pessoas depois do fato", disse
CarvinempalestranoFestivalInternacionaldeJornalismo.
Ele acrescentou: "nós não deveríamos simplesmente pedir a ajuda deles quando
estamos tentando cobrir uma grande história. Deveríamos ser mais transparentes
sobreoquesabemoseoquenãosabemos.Deveríamosabordardeformaativaos
boatosquecirculamonline.Emvezdefingirqueelesnãoestãocirculando,ouque
não são da nossa conta, deveríamos enfrentá-los de frente, desafiando o público a
questioná-los,analisá-loseentenderdeondeelespodemtervindoeporquê."
Estelivroéummanualparaajudaratodosnós—jornalistas,trabalhadoresdeajuda
humanitária,repórterescidadãosequalqueroutrapessoa—aadquirirhabilidadese
conhecimentonecessáriosparatrabalharjuntosduranteacontecimentoscríticos,de
modo a separar as notícias dos rumores e finalmente melhorar a qualidade da
informaçãodisponívelnanossasociedadequandoelaémaisimportante.
Estudodecaso1.1
SeparandorumoresdefatosemumazonadeconflitonaNigéria
StéphanieDurandgerenciaparceriasestratégicasdemídiae
umasériedeprojetosdaAliançadeCivilizaçõesdasNações
UnidasemNovaYork.Elaéencarregadadeorganizar
treinamentosdemídia,convocarencontrosdeespecialistase
editores,desenvolverprojetosmultimídiaegerenciarum
portfóliocommaisde80parceiros.ElajátrabalhounaSciences
PoPariscomodiretora-adjuntadoCentroAmericanoedepois
napós-graduaçãodeJornalismo,ondedesenvolveuaestratégia
internacional.Deorigemfranco-germânica,Durandpossui
diplomasdebacharelemestrapelaSciencesPoParisede
mestraemRelaçõesInternacionaispelaLondonSchoolofEconomics.SeuTwitteré
@steffidurand.
***
AregiãodeJos,naáreacentraldaNigéria,étradicionalmenteconhecidacomo"Lar
daPazedoTurismo”.Hojeemdia,ejáháalgumtempo,essaáreatemsidopalcode
umaguerraemandamentorelacionadaaquestõesreligiosasesectárias.
Josficanafronteiranorte-suldaNigéria.Apartenortedopaísépredominantemente
muçulmana,enquantoosulémajoritariamentecristão.
A crise em Jos gerou manchetes alarmantes como “Assaltantes islâmicos matam
centenas de cristãos perto de Jos" e "Muçulmanos assassinam cristãos na Nigéria
Central".Essasmancheteseoutrassemelhanteslevaramalgunslíderesreligiososa
culparamídiaporincitaçãoàviolênciareligiosa,devidoànaturezaprovocativadas
matérias.
Masexiste,sim,violênciamortalemJoseaimprensadevecontaressahistóriade
formaprecisa.Paratanto,elesprecisamfiltrarumnúmerocrescentedeboatosque
seespalhampormensagensdetexto,redessociaiseblogs,alémdetomarcuidado
paraevitarpublicarfalsasinformaçõesqueinflamemaindamaisasituação.
Jornalistas locais também estão expostos a intimidação, autocensura e medo de
retaliações por parte de autoridades governamentais ou militantes. Além disso, a
mídia internacional enfrenta outros desafios por causa da redução de recursos,
resultando em correspondentes que precisam trabalhar sozinhos para cobrir uma
regiãointeira.
Isso pode afetar o conhecimento e a sensibilidade desses correspondentes em
relação ao contexto local, além de aumentar a dependência deles em relação a
conteúdos reunidos e distribuídos por testemunhas presentes no lugar dos
acontecimentos - muitas vezes desconhecidas. Jornalistas devem ter o cuidado de
verificar o que descobrem, ou correm o risco de aumentar as tensões e gerar
ataquesderetaliaçãocombaseemboatos.
Em janeiro de 2010, quando veículos de comunicação começaram a noticiar outro
grandeconflitoemJos,começaramacircularboatossobrequadrilhasarmadascom
facas e facões em volta de casas, mesquitas e igrejas. Testemunhas atribuíram
diferentes causas para o conflito: algumas afirmaram que se devia à reconstrução
decasasdestruídasdurantemotinsem2008,enquantooutrosfalaramdeumabriga
duranteumapartidadefuteboloudaqueimadeumaigreja.
Mensagens de texto também tiveram um papel importante ao incitar violência
diretamentecommensagenscomo"mate-osantesqueelesomatem".
Aomesmotempo,blogsmostravamregularmentefotosdevítimasdeviolência.
Oprocessodechecagemdasinformaçõesémaiscrucialdoquenuncaemsituações
ondeomedoeasimpressõeserradasseespalhamportodososlados.Éessencial
que os jornalistas se distanciem das paixões das pessoas envolvidas na situação e
verifiquem a precisão de relatos que narram ou mostram visualmente violência
étnicaoureligiosa.Desmascararumboatosobreumasériedeassassinatosouuma
criseiminentepode,literalmente,salvarvidas.
Assim como em outros lugares, em Jos as mídias sociais perpetuam a
desinformação, ao mesmo tempo em que permitem aos jornalistas conectar-se e
interagir com membros do público como parte do seu trabalho. As redes sociais
tambémoferecemumaplataformapararesponderaboatoseverificarinformações,
criandootipodeconfiançaetransparêncianecessáriasparaevitaraintensificação
deumconflito.
EmJos,aaplicaçãodachecagememcolaboraçãocomoscidadãosajudaamídiaa
atenuar tensões e conter conflitos. Ela resulta e encoraja uma cobertura midiática
justaeprecisaqueéextremamentenecessária.
Enquanto essa certamente não é a única resposta necessária para aliviar tensões,
tais coberturas jornalísticas desempenham um importante papel em direção à
dissipaçãodemedos,suspeitaseódioqueestãonocoraçãodosconflitosétnicose
religiosos.
Capítulo2
Obásicodaverificação:regrasparaseguir
Steve Buttry é editor de Transformação Digital na Digital First
Media.Elejáfoieditor,repórterewritingcoachdesetejornais
dosEstadosUnidoseocupoupapéisdeliderançanoTBD.come
no Instituto Americano de Imprensa. Buttry liderou mais de 40
seminários, workshops e webinários sobre ética ao redor do
mundo. Também foi nomeadoEditor do Ano em 2010 pela
revista Editor & Publisher. Nos seus 42 anos de carreira
jornalística,trabalhouemváriaspartesdosEstadosUnidosedo
Canadá e em países como Irlanda, Venezuela, México,
Alemanha, Japão, Arábia Saudita, Equador, Sibéria, França e
Itália. O blog dele éstevebuttry.wordpress.com e sua conta no Twitter é
@stevebuttry.
***
Em 1996, eu fiz um projeto sobre otime de basquete feminino de uma escola
americana que, 25 anos antes, havia ganho o campeonato estadual de Iowa.
Entrevisteitodosos12membrosdotimeFarragut,alémdaestrelaetreinadorado
Mediapolis,equipequeoFarragutderrotounafinal.
Perguntei a todas elas como o Farragut tinha ganho o jogo. Todas ofereceram
relatos diferentes, muitos deles bastante vívidos, da mesma história: a estrela do
Mediapolis, Barb Wischmeier, que tinha 1,80m de altura, marcou facilmente vários
pontos,noiníciodojogo,contraasmeninasdoFarragut,queerammaisbaixas.
Assim,oMediapolisassumiualiderança.
AtreinadoradoFarragutcolocounojogoTanyaBopp,quenãotinhamaisde1,50m,
para marcar Wischmeier. Bopp cometeu várias faltas (algumas jogadoras
lembravam especificamente que foram três ou quatro) contra a garota mais alta,
queficouconfusaemenosagressiva.OFarragutacabouganhandoojogo.
Não questionei essas consistentes lembranças durante a apuração, mas descobri
quase acidentalmente que elas haviam sido exageradas. Uma das garotas me
emprestou um vídeo da partida. Assisti o jogo inteiro, procurando detalhes que
contribuíssemparaminhareportagem.Eunãoestavaquestionandoaslembranças
deninguém,masquandotermineiafita,penseiquedeviaterdeixadoalgumacoisa
passar.Entãoviojogotodooutravez.
ApequenaTanyaBoppcometeuapenasumafaltanagarotamaisalta.Issodefato
deixouaestreladoMediapolisconfusaefezcomqueojogovirasse,masaconteceu
apenasumavez.Todosaquelesrelatosemprimeirapessoaqueeuhaviaescutado
eramimprecisos,alimentadospelasemoções(alegriaouangústia)deummomento
importantenavidadelas,moldadospelalendaqueseformouapartirdaquelejogo.
Alenda-eaoportunidadedehonrá-lamostrandoaverdade-forneceramumótimo
fio condutor paraminha matéria], mas também me ensinaram uma lição sobre
checagem: não confie nem mesmo em testemunhas honestas. Procure
documentação.
Lendas são legais e até mesmo divertidas para atletas e fãs revivendo os dias
gloriosos de uma equipe esportiva. Mas jornalistas, ativistas e defensores dos
direitoshumanosdevemlidarcomaverdadeedevemestarsemprecomprometidos
emencontrarecontaraverdade,especialmenteemumasituaçãodeemergêcia.
Não importa se estamos reconstituindo a história de um desastre natural, uma
notícia de última hora ou alguma crença popular. Como contadores de histórias,
temos que nos lembrar que escutamos um produto de memórias falhas ou
perspectivaslimitadas.Senossoobjetivoécontaraverdade,verificarosfatostem
deserumanorma.
Precisamos ouvir com seriedade as histórias contadas por nossas fontes,
permanecendo atentos a oportunidades para verificá-las. Por exemplo, será que
essafontetemumvídeo,umafoto,umacartaouumdocumento(velhoounovo)que
possa oferecer mais detalhes, ajudar a verificar os fatos ou talvez corrigir uma
lembrança confusa? E ao receber esse material, especialmente em situações de
emergência, quando o tempo é curto, precisamos investigá-los e aplicar os pontos
básicosdachecagemdeinformações.
Independentemente do momento e do seu papel nele, os princípios da verificação
sãoatemporaisepodemseraplicadosaqualquersituação,quersejaumanotíciade
última hora, um desastre natural ou a narração de uma história apócrifa de um
quartodeséculoantes.
Aessênciadaverificação
Um dos clichês mais importantes do jornalismo, declamado pomposamente por
editores experientes que cortam outros clichês de reportagens sem piedade, é o
seguinte:"sesuamãedizqueoama,verifique".
Masoclichênãodizaojornalistaouaotrabalhadorhumanitáriocomoverificá-lo.A
verificaçãoéabasedojornalismo,mastambémilustraadificuldadedaprofissãoea
necessidadedemanteraltospadrões,jáqueocaminhoatéaverificaçãopodevariar
deacordocomcadafato.
Este manual não vai apresentar a jornalistas, defensores de direitos humanos e
outrosprofissionaisatuantesememergênciasumasériedepassosuniversaispara
a verificação. O que ele trará são estratégias para checar os fatos, quaisquer que
sejamelesequalquerquesejasuamotivaçãooupapel.
Aperguntaprincipaldaverificaçãoé:"comovocêsabedisso?"
Repórteres precisam fazer essa pergunta às fontes; editores precisam fazê-la aos
repórteres. Repórteres, editores, produtores e defensores dos direitos humanos
precisam fazer a pergunta em terceira pessoa sobre fontes que não podem ser
questionadasdiretamente:comoelessabemdisso?
A consultora em redações Rosalie Stemer acrescenta uma segunda pergunta que
ilustraoprocessocomplexodeverificaçãoeaéticadepersistênciaehabilidadeque
averificaçãoexige:dequeoutraformavocêsabedisso?
Quandoquestionamosfontesemateriais,equandonossoscolegasnosquestionam,
precisamos procurar múltiplas fontes de verificação, múltiplos caminhos para a
verdade.(Ouencontrarfurosnasinformaçõesounahistóriaantesdeagir.)
Averificaçãousaumamisturadetrêsfatores:
1. Ahabilidade,apersistênciaeoceticismodoprofissional
2. O conhecimento, a honestidade e a confiabilidade da fonte e o número e
variedadedefontesquevocêconsegueencontrarepersuadirafalar
3. Documentação
A tecnologia mudou a forma de como aplicamos esses três fatores: o ciclo de
notícias de 24h e a ascenção das mídias sociais e dos conteúdos gerados por
usuários exigem que façamos a apuração e divulgação das notícias ao mesmo
tempoemqueoseventosacontecem,decidindorapidamenteseumainformaçãofoi
suficientemente verificada; ferramentas digitais nos oferecem novas formas de
encontrar e contactar fontes; bancos de dados e os onipresentes celulares com
câmeras nos fornecem quantidades altíssimas de documentação. Uma verificação
bem-sucedidaresultadousoeficazdatecnologia,assimcomodocomprometimento
compadrõesimutáveisdeprecisão.
Anecessidadedechecagemcomeçacomosimplesfatodequemuitasdasnossas
fontes de informação estão erradas. Elas podem mentir maliciosamente ou
transmitir informações incorretas de forma inocente; podem ter lembranças
imprecisasoucarecerdecontextooucompreensão.Elastambémpodemestarem
perigoouimpossibilitadasdeinformartudooquesabemoudeterumavisãoampla
dosacontecimentosenquantoelessedesdobram.
Nosso trabalho não é reproduzir o que as fontes dizem e o material que elas
oferecem, e sim questioná-las, triangular o que elas oferecem com outras fontes
confiáveis e verificar o que é verdade, eliminando do nosso trabalho (antes de
publicar,mapearoutransmitir)oqueéfalsoounãofoiadequadamenteverificado.
Cadaumadasmuitasformasdeverificaçãoquepodemosescolhertemsuasfalhas:
em muitos casos, e especialmente em situações de emergências, somos
apresentados a uma quantidade cada vez maior de fontes oficiais e não
conseguimos encontrar fontes primárias, as pessoas que de fato viram os
acontecimentos em questão ou mesmo participaram deles. Mas esses relatos
podemterfalhas.
Em 2006, o governador do Estado norte-americano de West Virginia, Joe Manchin,
falou a repórteres que 12 dos 13 mineiros presos debaixo da terra haviam sido
resgatadosdaminaSago.Qualjornalistanãopublicariaessanotícia?
Masogovernadorestavaerrado.Dozedosmineirosmorreram;sóumfoiresgatado.
Ele se baseou em informações de terceiros e não foi questionado pelos jornalistas
presentes sobre como ele sabia que os mineiros estavam vivos. Precisamos
questionar fontes aparentemente confiáveis tão agressivamente quanto quaisquer
outras.
Novasferramentas
O processo de documentação mudou com a tecnologia. O vídeo que me ajudou a
desmascararalendaem1996nãoestariadisponívelpormeiodeumdosmembros
do time se eu tivesse tentado apurar a reportagem 15 anos antes (mesmo que eu
pudesse ter assistido ao vídeo nos arquivos do canal de TV). E nos anos que se
passaram desde que usei aquele vídeo para verificação, a disponibilidade de
celularesecâmerasdesegurançaaumentouaquantidadeeaimportânciadavídeodocumentação. Por outro lado, a facilidade da edição digital de vídeos aumenta a
importânciadoceticismo.Eéclaroquequalquervídeoregistraapenasumaparteda
história.
Atecnologiatambémmudouojeitodeencontrarelidarcomfonteseinformações.
Conformeparticipantesetestemunhasdeacontecimentosnoticiososcompartilham
seus relatos pela publicação de textos, fotos e vídeos em redes sociais e blogs,
jornalistas podem encontrar e conectar-se mais rapidamente com pessoas que
viram as notícias se desenrolarem, tanto usando ferramentas de busca e outras
tecnologias,etambémpelocrowdsourcing.
Podemos usar novas ferramentas de forma mais eficaz aplicando aquelas antigas
perguntas:comoelessabemdisso?Dequeoutraformaelessabemdisso?
Quanto ao velho clichê sobre verificar o amor da sua mãe, eu verifiquei a fonte (o
antigoChicagoCityNewsBureau)apartirdeváriasfontesonline:oChicagoTribune ,
AJR eThe New York Times . Até aí, no entanto, a lenda complica a verificação. Um
artigode1999publicadonoBaltimoreSunporMichaelPakenhamdiziaqueaafrase
já era atribuída a um antigo editor de plantão,ArnoldDornfeld (assim como dizem
três dos artigos linkados acima), mas “Dornie disse que foi outro antigo editor da
redação,EdEulenberg,quemdefatodisseissoprimeiro”.
Sua mãe provavelmente o ama como ela diz. Você pode verificar entrevistando os
amigos, familiares ou procurando fotos e vídeos onde ela expressa seu amor.
Encontre cartas ou atualizações de status do Facebook onde ela demonstre seu
afeto. Documente os presentes e ações que mostram seu amor. E então faça a
mesmacoisaemtodasasreportagens,todososacontecimentosetodososprojetos.
Estudodecaso2.1
Usandoredessociaiscomorádio-escuta
AnthonyDeRosaéeditor-chefedaCirca,umaorganizaçãode
notíciascomfocoemtecnologiasmóveis.Eleatuoucomoeditor
deredessociaisdaReutersetemmaisde15anosde
experiênciacomoespecialistaemtecnologiaemempresas
comoNewmarkKnight-Frank,MerrillLynch,Bristol-Myers
SquibbeReutersMedia.Em2011,ganhouoprêmiodeBest
StorytellingInnovationdaReuterspelacoberturade
acontecimentosemtemporealusandoblogseredessociais.
Recentemente,foiagraciadocomumprêmiodejornalismodoEl
Mundo.OTwitterdeleé:@AntDeRosa.
***
O meio pelo qual conseguimos informações pode mudar, mas os princípios de
verificação sempre se aplicam. Questionar o que você vê e escuta, procurar e
verificarafonte,alémdefalarcomfontesoficiaiseprimárias,continuamsendoos
melhoresmétodosparainformarcomprecisão.
No Circa, nós monitoramos as últimas notícias do mundo inteiro, mas publicamos
apenas o que podemos confirmar. Isso exige que usemos redes sociais para
monitorar as notícias enquanto elas acontecem, de modo que possamos aplicar a
verificação.
Lembre-se que as informações nas redes sociais devem ser tratadas da mesma
formaqueaquelasvindasdequalqueroutrafonte:comextremoceticismo.
Em geral, vejo a informação da mesma forma que encararia um fato que ouvi em
uma rádio-escuta da polícia. Absorvo muito e retransmito muito pouco. Uso a
informação como uma pista para seguir de forma mais tradicional. Faço ligações
telefônicas, envio e-mails e entro em contato com fontes primárias que possam
confirmar(ounão)oqueestouvendoeouvindo.
No caso do tiroteio de 2013 no aeroporto de Los Angeles, por exemplo, nós
observamos relatos vindos de testemunhas oculares e contactamos o LAPD, o
escritório local do FBI e o investigador do condado de Los Angeles (LA county
coroner). Se não pudéssemos verificar de forma independente o que ouvimos e
vimos,atrasávamosapublicaçãodanotícia.
Mesmo quando grandes empresas de comunicação já estavam divulgando a
informação, nós esperávamos até poder confirmar com fontes primárias.
Frequentemente,essesveículoscitamfontespoliciaisnão-identificadas.Comovimos
nocasodoatentadonaMaratonadeBoston,notiroteionaMarinhadeWashingtone
emoutrassituações,fontesanônimasligadasàsautoridadespoliciaismuitasvezes
nãosãoconfiáveis.
UsandooTweetDeckparamonitoraratualizações
Se as redes sociais são uma rádio-escuta, o TweetDeck é o seu rádio. Existem
algumasmaneirasdecriarseuprópriopainelemonitorarofluxodeatualizações.
Eu monto listas no Twitter, com antecedência, para usos específicos. Meus tópicos
incluem polícias, repórteres e veículos de comunicação locais confiáveis, além de
repórteres especializados. Posso colocar essas listas sob a forma de colunas no
TweetDeck e fazer buscas nelas, ou simplesmente deixá-las como um feed de
monitoramento.
AviãodepequenoporteaterrissanoBronx
FoiassimqueuseiasbuscasnoTweetDeckduranteopousodeemergênciadeum
pequenoaviãonoBronx,emjaneirode2014,paradescobrirnotíciasdeúltimahora,
triangulareverificaroqueencontrei.
Vários tweets apareceram na minha linha do tempo (timeline) mencionando a
aterrissagemdeumaviãonaMajorDeeganExpressway,noBronx,emNovaYork,o
quenãoéumacontecimentonormal.
Oaviãopousouporvoltadas15h30nohoráriolocaldeNovaYork(otweetestácom
o fuso-horário padrão do Pacífico, ou Pacific Standard Time). Esse foi um dos
primeirostweetsquemencionaramaaterrissagem.SigoalgumascontasdeTwitter
na região de Nova York, que atuam como um tipo de rádio-escuta policial do que
acontecenaárea.Nãoreproduzoasinformaçõesatépoderconfirmá-las,maséútil
teressasfontescomoumalertaempotencial,paraapartirdaíinvestigarmais.
Depois de ver os primeiros relatos, comecei uma busca no TweetDeck usando o
recursodemostrartweetsquesótêmimagensouvídeos.Useiostermosdebusca
"smallplane"("pequenoavião")e"Bronx".
Os resultados acima mostram que fontes de
notícia locais e confiáveis estavam noticiando a
aterrissagem do avião e que elas tinham
imagens do acontecimento. Também encontrei
outras informações e imagens através de uma
buscamaisampladetodosostweetsusandoum
filtrodelocalização(até8kmdeNovaYork)eas
palavras-chave"pequenoavião"e"Bronx":
Também busquei na minha lista especializada,
formada por contas verificadas pertencentes a
agênciasgovernamentaisdoEstadoedacidade
de Nova York, usando novamente o filtro de
localização. Essas fontes confiáveis (abaixo) me
ajudaramaconfirmaroacontecimento.
Aessaaltura,entreiemcontatocomoescritório
deinformaçõespúblicasdoCorpodeBombeiros
deNovaYork(FDNY)paraconfirmaroquehavia
visto e perguntar sobre qualquer outro detalhe
que eles tivessem. Disseram que havia três
pessoas a bordo: dois passageiros e um piloto.
Depois, fomos informados sobre a marca e o
modelodoavião,onomedapessoacomoqualo
avião havia sido registrado e o hospital para
ondeopilotoeospassageirosforamlevados.As
redes sociais nos levaram ao acontecimento,
mastivemosqueiratrásdosdetalhesdaforma
tradicional.
Sentindo que havíamos compilado uma
quantidadesuficientedeinformaçõesconfiáveis
para começar, apresentamos nossa matéria
(veja abaixo). O aplicativo Circa oferece aos
leitores a opção de "seguir" uma notícia e
receber atualizações à medida em que mais
informações são adicionadas. Nosso processo
consiste em publicar uma notícia o mais rápido
possível com informações verificadas e
continuar acrescentando atualizações. O
TweetDecknospermitesairnafrentecomuma
notícia ainda em desenvolvimento e procurar
pessoas confiáveis (forças policiais, fontes
primárias)quepossamconfirmaravalidadedas
atualizaçõesdasredessociais.Emalgunscasos,
contactamos a pessoa que enviou a informação
no Twitter e tentamos determinar se ela é
confiável.
Construindoumconjuntodeprovas
As informações que você vê nas redes sociais
deveriam ser o primeiro passo para tentar
verificaroquerealmenteaconteceu,nãoapalavra
finalemtermosdenotícia.
Osegredoéobservaromáximopossível,absorver
informações e compará-las a outros conteúdos
para construir um conjunto de provas. Encontre
formas de corroborar o que você achou
contactando diretamente e verificando a
confiabilidade das pessoas que estão conectadas
aoconteúdoquevocêencontrar.
Como havia dito, trate as redes sociais como
rádio-escuta.
Capítulo3
Verificandoconteúdogeradoporusuário
Claire Wardle é pesquisadora convidada do Tow Center da
Columbia University, trabalhando em um grande projeto de
conteúdo gerado por usuário e noticiário de TV. Ela criou o
programa de treinamento de mídias sociais para a BBC em
2009 e viajou o mundo treinando jornalistas em verificação de
notíciasviaredessociais.Dedoisanosparacá,Clairetrabalha
n aStoryful. Claire é Ph.D em Comunicação pela Annenberg
School for Communication na University of Pennsylvania. Ela
mantém o perfil @cward1e no Twitter e possui um blog em
clairewardle.com.
***
Em menos de uma década, a apuração de notícias foi modificada por duas
importantestransformações.
A primeira é a tecnologia móvel. No verão de 2013, um importante marco foi
alcançado. Pela primeira vez,mais da metade (55%) de todos os telefones móveis
vendidosforamsmartphones.
Pordefinição,umsmartphonepossuiumacâmeradealtaqualidadequetirafotose
faz vídeos, além de permitir que o usuário se conecte facilmente à internet para
disseminar o material criado. Como resultado, mais e mais pessoas carregam no
bolso a tecnologia necessária para filmar rapidamente eventos que acontecem ao
seu redor, compartilhando o conteúdo diretamente com pessoas que podem se
interessarpeloassunto,inclusivedemaneiraaindamaisamplaviaredessociais.
Asegundatransformaçãofoiodesenvolvimentodachamadawebsocial.Quandoo
UserGeneratorContentHubdaBBCteveinício,nocomeçode2005,elesesperavam
que as pessoas mandassem conteúdo para um endereço centralizado de e-mail.
Naquelemomento,oFacebooktinhaapenaspoucomaisde5milhõesdeusuários;
hoje, possui mais de um bilhão. O YouTube e o Twitter ainda nem haviam sido
lançados. Agora, a cada minuto,100horasdevídeosãoenviadasaoYouTube , 250
mil tweets são publicados e 2,4 milhões de postagens são compartilhadas no
Facebook.1Ocomportamentodaaudiênciamudousubstancialmente.
Emvezdefilmaralgoe,quandosolicitado,enviaroconteúdoàimprensa,aspessoas
filmam o que elas vêem e publicam no Facebook, YouTube ou Twitter. Pesquisas
mostraram que uma parcela muito pequena da audiência possui entendimento
suficiente do processo noticioso para considerar suas filmagens relevantes o
bastanteparaenviá-las,semquesejasolicitado,aumveículodenotíciasouaoutra
entidade2.Naverdade,elesenviamoconteúdoparacompartilharaexperiênciacom
amigosefamiliares.
Cadavezmais,emqualquereventoaoredordomundo,há“jornalistasacidentais”:
pessoasnolugarcertoenahoracertacomumsmartphonenasmãos.AnthonyDe
Rosa, ex-editor de mídias sociais da Reuters e atual editor do Circa,escreve o
seguinte: “o primeiro pensamento de quem filma ou fotografa não é: ‘eu preciso
compartilhar isso com uma grande emissora de TV’. Porque eles não se importam
com as tradicionais redes de TV ou, o que é provável, nunca tenham ouvido falar
delas.Noentanto,elesconhecemainterneteéláondeelesdecidemcompartilharo
seuconteúdocomomundo.”
Demodosimilar,duranteumasituaçãodeurgência,aaudiênciatendeabuscaras
redes sociais para obter informação, já que os próprios serviços de emergência
estão utilizando as redes. Infelizmente, notícias desse tipo são um convite para a
circulação de falsas informações, seja de forma deliberada ou não. Portanto,
jornalistas e profissionais de ajuda humanitária devem sempre ter em mente, logo
de início, que o conteúdo é incorreto. Durante emergências, quando a informação
pode literalmente afetar vidas, a verificação é uma parte crítica da apuração
noticiosaedoprocessodedisseminaçãodainformação.
Aimportânciadaverificação
Ofatodequalquerpessoapoderpublicarconteúdo,classificando-ooudescrevendoo como parte de determinado evento, deixa muitos jornalistas, particularmente
editores, aterrorizados com a possibilidade de serem enganados ou de publicar
conteúdofalso.
Algumas pessoas procuram enganar propositalmente a imprensa criando websites
falsos, inventando contas de Twitter, alterando imagens no Photoshop ou editando
vídeos.Noentanto,muitasvezesoserrosnãosãodeliberados.Aspessoas,aotentar
ajudar,àsvezesachamconteúdoantigoerroneamenteatribuídoaoqueestásendo
noticiadoeocompartilham.Abaixoestáumexemplodeumhomemsedesculpando
depois detuitar uma foto enviada por email a ele por sua esposa. Ela disse que o
tufão Usagi estava indo em direção a Hong Kong; na verdade, era uma imagem
antigadeoutrasituação.
AspessoasbaixamvídeosdoYouTubeepublicamemsuasprópriascontas,dizendo
ser delas, o que causa outros problemas. Não se trata de tentar enganar – isso é
conhecido como “scrape” na expressão em inglês, ou “raspagem”, em português –
masdificultaaindamaisotrabalhodeacharquemfezouploadoriginaldoconteúdo.
A dificuldade de achar filmagens originais foi demonstrada quando o Comitê de
Inteligência do Senado americanodivulgou uma lista de 13 vídeos que tinham
originalmenteaparecidonoYouTube.Essalistafoiusadaporelesparaprocurarpor
evidênciasrelacionadasaoataquecomarmasquímicasnolestedeGouta,naSíria,
em 2013. Uma parte desses vídeos foi retirada de um conhecido canal sírio no
YouTube que regularmente republica vídeos dos canais de outras pessoas. Isso
sugerequeosvídeosdaplaylistnãoeramvídeosoriginais,esim“scrapes”.Usando
vários tipos de técnicas de verificação, Félim McMahon, da agência Storyful,
conseguiudescobrirasversõesoriginais.Eleescreveusobreoprocessoaqui.Oque
esse exemplo mostra é que essas questões já não são mais uma preocupação
apenasparaacomunidadejornalística.
Processodeverificação
Verificação é uma habilidade-chave, tornada possível por meio de ferramentas
online gratuitas e antigas técnicas jornalísticas. Nenhuma tecnologia pode verificar
automaticamente um conteúdo gerado por usuário com 100% de certeza. No
entanto,oolhohumanoouastradicionaisinvestigaçõestambémnãosãosuficientes.
Éacombinaçãodasduasquefazadiferença.
Quandoumjornalistaouumprofissionaldeajudahumanitáriaachaumainformação
ou um conteúdo via mídias sociais, ou os recebe de alguém, há quatro elementos
parachecareconfirmar:
1. Proveniência:oconteúdoéoriginal?
2. Fonte:quemfezouploaddoconteúdo?
3. Data:quandooconteúdofoicriado?
4. Local:ondeoconteúdofoicriado?
1.Proveniência:confirmandoaautenticidadedeumconteúdo
Sevocêencontraalgonumperfildemídiassociais,vocêdevecumprirumchecklist
paratercertezadequesetratadeumperfilreal.
Fiqueatentoporqueositelemmetweetthatforyou.comconseguefazerumtuítefalso
comextremafacilidadeequepodesercompartilhadocomoumaimagem.
Outro jeito de espalhar falsa informação no Twitter é inserindo informações falsas
emumretweet(RT).Porexemplo:“[email protected]’mannoucingmyretirement
from politics.” (Na tradução do inglês: “Estou me retirando da política”, teria dito o
vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.) Isso faz parecer que você esteja
apenasdandoretweetnoconteúdooriginal.
OutraartimanhaéadicionaramarcaazuldeverificaçãodoperfildoTwitternafoto
decapadeumperfilfalso,demodoaparecerqueeleélegítimo.Parachecarseuma
conta é realmente verificada, passe o mouse na marca e você verá que o texto
“contadaverificada”semexe.Senãoacontecerisso,nãoéumacontaverificada.
OFacebookintroduziuumprogramadeverificaçãosimilar,usandoamesmamarca
azul, para celebridades, jornalistas e autoridades políticas. Essas marcas azuis
podem aparecer em páginas no Facebook ou em perfis pessoais. Assim como o
Twitter, o Facebook gerencia o programa de verificação e decide quais pedidos de
verificaçãoaceitar.EmpáginasdoFacebook,comoadoUsainBolt(abaixo),amarca
apareceembaixodafotodecapa,próximoaonomedapessoa.
Emperfispessoais,amarcaaparecenafotodecapa.AquiestáoperfildeLizHeron,
editorademídiasemergentesdoTheWallStreetJournal:
É interessante notar que, assim como no Twitter, as pessoas estão aprendendo a
usaroPhotoshopparacolocarasmarcasazuisemsuasfotosdecapa.Então,assim
como no Twitter, se você passar o mouse por cima da marca azul, a frase “perfil
verificado”vaiaparecer.
Mas,assimcomonoTwitter,lembre-sequeoprocessodeverificaçãoestálongede
ser transparente. Logo, com pessoas menos famosas, pode não ficar claro se uma
contanãofoiverificadaouseéfalsa,ouseaspessoasnãosãofamosasosuficiente
paraseremverificadas!
Mesmo com os programas oficiais de verificação, não há jeito rápido de checar se
uma conta é real. É preciso uma meticulosa checagem de todos os detalhes
disponíveis no perfil. Itens a ser conferidos incluem websites relacionados,
localização, imagens e vídeos anteriores, atualizações de status ou tweets antigos.
Quemsãoseusamigoseseguidores?Quemelesestãoseguindo?Elesaparecemem
listasdeoutraspessoas?
Se você estiver verificando um conteúdo rico em informações, como uma foto ou
vídeo,umadasprimeirasquestõesésaberseafotoouovídeosãooriginais.Usando
ferramentas de pesquisa reversa de imagens, como o TinEye ou Google Images 3,
vocêpodesabersealgojáfoipublicadoantes.(Paramaisdetalhessobrecomousar
essasferramentas,vejaocapítulo4destelivro.)
Apesar de boatos propositais serem raros, eles ocorrem. Em anos recentes,
apareceram vídeos – em geral inofensivos – produzidos porempresas de relações
públicas buscando aparecer, e porestudantes fazendo um trabalhos de escola.
Também houve tentativas deliberadas de criar falso conteúdo, particularmente na
SíriaenoEgito,ondedesacreditaro“inimigo”podesignificarcompartilharconteúdo
aparentementeverdadeiroemcanaisdemídiassociais.
Algumas técnicas incluem criar um website falso, porém visualmente idêntico, ese
responsabilizarporumataqueabombaouencenarumincidentehorríveleculparo
outro lado. Manipulação é relativamente fácil de se fazer hoje e se você é Nancy
Pelositentandocriarumafotografiadetodasasdeputadas,mesmoquandoalgumas
delasestãoatrasadas,ouumgrupodeativistassírioscompartilhandoovídeodeum
homemaparentementesendoenterradovivo,qualquerjornalistaouprofissionalde
ajuda humanitária deve partir do princípio de que aquele conteúdo gerado por
usuárioéfalso.(Vejaocapítulo5destelivroparamaisdetalhessobreverificaçãode
vídeo.)
2.Confirmandoafonte
O objetivo final ao tentar verificar conteúdo gerado por usuário é identificar quem
originalmentefezouploadeentraremcontatocomele.
Neste ponto, é importante descobrir onde ele estava posicionado quando fez a
filmagem,oqueelepodiavereotipodecâmerausada.Essasquestõesfornecemos
dados essenciais para responder à pergunta “como você sabe disso?”, que Steve
Buttryapresentounocapítuloanterior.
Se alguém está tentando passar adiante falsas informações, deliberadamente ou
não,fazerperguntasdiretasobrigaráapessoaaadmitirque,naverdade,nãoéelaa
autora da filmagem. Adicionalmente, é possível cruzar referências, comparando as
respostasaessasquestõescominformaçõesobtidasaoexaminarosdadosEXIFde
umafoto,oucomparandoovídeodeumlocalespecíficocomoGeoogleStreetView,
situaçãoquevamosdetalharnoscapítulossubsequentes.
Mas,primeiro,vocêprecisaacharapessoaresponsávelpeloconteúdo.Pesquisara
históriadequemfezouploadpodelembrarumaantigainvestigaçãopolicialetalvez
façavocêparecermaisumstalkerdoqueumjornalistaoupesquisador.
Algumaspessoascolocamumgrandenúmerodeinformaçõesemseusperfiseum
nome real (especialmente um que não seja muito comum) pode fornecer um bom
númerodeinformações.Aspessoasusamdiferentesredessociaiseemgeralnão
se dão conta de como combinações de informações obtidas em diferentes lugares
podem construir um dossiê substancial. Um perfil no YouTube com poucas
informaçõespessoais,mascontendoapenasaURLdeumsite,ofereceaojornalista
achancedeobterendereço,emailetelefonepessoalpeloserviçodewho.is4
3.Confirmandoadatadoevento
Checar a data de um vídeo pode ser um dos elementos mais difíceis de verificar.
Algunsativistasestãocientesdessadificuldadeevãomostrarumjornaldaqueledia,
com a data claramente visível quando eles compartilharem suas filmagens. Isso
obviamentenãoéinfalível,masseumapessoaquefazuploadssetornaconhecidae
confiáveldasorganizações,sejamelasnoticiosasouhumanitárias,issopodeajudar
bastante.
SaibaqueoYouTubedataseusvídeosusandooPacificStandardTime.Destemodo,
podedaraimpressãodequeovídeofoipublicadoantesdeoeventoacontecer.
Outrojeitodeajudaradeterminaradataéusandoinformaçõesmeteorológicas.O
WolframAlphaéumferramentadeconhecimentocomputacionalque,entreoutras
coisas, permite que você cheque o clima em uma determinada data. Apenas digite
uma frase - em inglês - do tipo “como estava o tempo em Caracas em 24 de
setembrode2013”paraobterumresultado.Issopodesercombinadocomtweetsou
dadosobtidosdesitesdemeteorologialocais,assimcomooutrosuploadsdomesmo
localenomesmodia,parafazerumcruzamentodeinformaçõesmeteorológicas.
4.Confirmandoalocalização
Apenasumapequenaporcentagemdoconteúdoéautomaticamentegeolocalizada,
masplataformasdemapas–GoogleMaps,GoogleEarth,Wikimapia–permitemque
você se posicione perto de onde a câmera estava. Este é um das primeiras
checagensimportantesparaverificarvídeosefotos,eérealmenteincríveloquese
podedescobrir.5Geolocalizarumafotoésempremaisdifícil,sobretudoseaimagem
éumpoucomaisantigaeemlocaiscomoaSíria,ondesãoconstanteosdanospor
bombasoumorteiros,ouLongIslandapósapassagemdofuracãoSandy.
Ativistas que estão cientes dos desafios da verificação muitas vezes fazem uma
panorâmica antes ou depois de filmar. O objetivo é identificar uma construção que
podeserlocalizadaemummapa,àsvezesumatorrealta,umminareteoucatedral,
oupostedesinalização.Emparte,issoéresultadodasorganizaçõesdemídia,que
pedem para que eles façam isso6, ou dospróprios ativistas, que compartilham
conselhossobreasmelhorespráticasaofazeruploaddeconteúdo.
Verificaçãocomoprocesso
Infelizmente, as pessoas muitas vezes enxergam a verificação como uma simples
açãosim/não:algofoiverificadoounão.
Na prática, como descrito acima e nos capítulos subsequentes, verificação é um
processo. É relativamente raro que todas essas checagens forneçam respostas
claras. É, antes de tudo, uma decisão editorial sobre usar ou não um conteúdo
provenientedeumatestemunha.
DoisrecentesestudosacadêmicosanalisaramoconteúdopublicadopelaBBCepela
Al Jazeera em árabe. Eles descobriram que, enquanto as verificações eram feitas
pela equipe editorial, e consideradas absolutamente necessárias, os resultados
dessasverificaçõesraramenteeramcompartilhadoscomaaudiência.
ComoJulietteHarkinconcluiuemseuestudo,em2012,“nemaBBCárabenemaAl
Jazeera árabe mencionaram explicitamente em nenhum de seus programas ou
vídeosavaliadosseasfontesforamverificadasouseeramconfiáveis.Aexplicação
“estafilmagemnãopodeserverificada”,comumnoconteúdocolocadoaoar,esteve
ausenteemtodooconteúdoavaliadopeloestudo”.7
Há movimentações recentes para aumentar a transparência sobre as verificações
feitas por jornalistas quando um conteúdo gerado por usuário é usado por uma
organizaçãodenotícias.AAPeaBBCestãotrabalhandoparatornarseusprocessos
de verificação mais claros; em agosto de 2013, a BBCdisse que, desdeum estudo
compreensivo sobre o uso de conteúdo gerado por usuário durante a Primavera
Árabe, “a BBC adotou uma nova forma de redigir notícias sobre todos os vídeos
gerados por usuário em que a verificação independente não foi possível”, fazendo
comquesuaaudiênciasoubesseoqueelessabem.
Éprovávelque,dentrodealgunsanos,umanovagramáticadeverificaçãovenhaà
tona,comaaudiênciaesperandosaberoqueéconhecidoeoquenãoéconhecido
sobreumconteúdogeradoporusuárioretiradodasmídiassociais.Comaaudiência
capazdeassistiràmesmafilmagemqueasorganizaçõesnoticiosasedeoutrosque
apuramconteúdo,esteníveldetransparênciaeresponsabilidadeénecessário.
Estudodecaso3.1
MonitoramentoeverificaçãoduranteasEleiçõesParlamentaresna
Ucrânia
Anahi Ayala Iacucci é conselheira-sênior para inovação no
Internews Center for Innovation & Learning e no Internews
Humanitarian Media Project. Nos últimos quatro anos, ela
trabalhou na aplicação de tecnologia e inovação em crises
humanitárias,desenvolvimentodemídia,prevençãodeconflitos
edireitoshumanosaoredordomundoparaorganizaçõescomo
Banco Mundial, ONU, NDI e Freedom House, entre outras. Ela
mantém
o
bloganahiayala.com
e
o
perfil
[@anahi_ayala](https://twitter.com/anahi_ayala)noTwitter.
***
Durante as eleições parlamentares ucranianas no outono de 2012, aInternews
Ukraine, uma ONG local mantida pela organização global sem fins lucrativos
Internews, conduziu um programa de monitoramento do pleito chamado Elect.UA.
Para analisar a campanha eleitoral e possíveis violações ou adulterações de
resultados,ainiciativausouumamisturadecrowdsourcing,telefonecelular,mídias
sociais,monitoramentoeleitoralprofissionalemonitoramentodemídia.
O projeto foi desenvolvido a partir uma estrutura consideravelmente complexa: 36
jornalistasaoredordopaíscobriramacampanhaeleitoraleodiadaseleições.Ao
mesmo tempo, três diferentes organizações de monitoramento eleitoral tinham
funcionáriosusandoSMS,formuláriosonlineee-mails.AElect.UAtambémconvidou
ucranianos a compartilhar suas experiências nas eleições usando mídias sociais
(Twitter e Facebook), tecnologias móveis (SMS e uma linha hotline), um app para
smartphone,umformulárioonlineoue-mail.
Todas as informações provenientes de jornalistas treinados pela Internews e de
monitoreseleitoraiseramautomaticamentetagueadascomoverificadas,enquanto
mensagensprovenientesdopúblicoemgeraleramexaminadasporumaequipede
16pessoasemKiev,capitaldaUcrânia.
Paraasmensagensquechegavamdopúblico,aequiperesponsáveldesenvolveuum
protocolodeverificaçãobaseadonafontedainformação:tecnologiamóvel,mídias
sociais,formuláriosonlineoue-mail.
Para cada fonte, a equipe tentaria verificar quem enviou a informação (quando
possível),oconteúdodainformaçãoeocontexto.Paracadaumdesseselementos,a
equipe tentaria estabelecer se algo poderia ser 100% verificado ou apenas
parcialmenteverificado.
Parainformaçõesprovenientesdemídiassociais,aimagemabaixomostraomodelo
deárvorededecisõesusadapelaequipedoprocessodeverificação.
Cliqueparaverodiagramacompleto
O primeiro passo era fazer uma pesquisa online das informações repassadas e de
suafonte,paraassimidentificartodosospossíveisrastrosdigitaisdaquelapessoae
daqueleconteúdo.Porexemplo,nósexaminamosperfisderedessociais,citaçõesna
mídia,informaçõessobreauniversidade,ligaçõesetc.Abuscatinhacomoobjetivo
determinar se a pessoa era uma fonte confiável e se havia rastros da informação
fornecidaemoutroslugaresnainternet.
O segundo passo era usar as informações obtidas para construir um perfil da
pessoa, assim como um perfil do conteúdo que elas forneciam. Para cada 5 Qs –
quem,oque,quando,emquelugareporquê–aequipeprecisavacuidadosamente
determinaroquepodiaserprovadoeoquenãopodia.
Paramaterialmultimídia,oprotocolodeverificaçãodafonteeraomesmo,masnós
tínhamos um caminho diferente para o conteúdo. Fotos e vídeos eram verificados
buscando-seporqualquerpontodereferênciaidentificávelnasimagensetambém
pela análise do áudio (ouvindo a língua, dialetos, gírias, barulhos de fundo etc.),
roupaseluz(artificialounatural),entreoutroselementos.
Quandoumainformaçãonãopodiaserverificadacomumsuficientegraudecerteza,
osdadoseramenviadosdevoltaparaummonitoreleitoralourepórterqueestava
naruaparaverificaçãopessoalemtemporeal.
Por exemplo, no dia 28 de setembro de 2012, a Elect.UA recebeu uma mensagem
anônima, pelo site, de que o candidato ao parlamento Leonid Datsenko, após uma
discussãocomumestranho,foiintimidadoeforçadoaseretirardaseleições.
No dia seguinte, os administradores da plataforma descobriramuma matéria, em
umafonteconfiáveldaimprensa,queregistrouocaso.Nósmantivemosofatoem
verificaçãoenodia1deoutubrojornalistaslocaisdivulgaram,emumaconferência
de imprensa, o incidente. Os jornalistas locais da Elect.UA também conduziram
entrevistascomforçasdesegurançalocais,queconfirmaramaveracidadedocaso.
De maneira geral, a equipe da Elect.UA verificou uma incrível quantidade de
informação usando esses protocolos e também percebeu que quanto mais os
administradores se tornavam familiarizados com o processo de verificação, mais
rápido eles trabalhavam. Isso prova que a verificação do conteúdo gerado pelo
usuário é uma habilidade que pode ser sistematizada e aprendida, resultando em
resultadosconfiáveiseeficientes.
Capítulo4
Verificandoimagens
Trushar Barot é editor-assistente de mídias sociais e de
conteúdogeradoporusuárionaBBCNews .Eletemtrabalhado
namídiabritânicanosúltimos15anos,entrejornais,TV,rádio,
online, social e digital. Nos últimos quatro anos, ajudou a
desenvolver e implementar a estratégia de mídias sociais da
BBCesua“redaçãosocial”nanovasedenocentrodeLondres.
Elemanté[email protected]
***
Umaimagempoderosapodedefinirumanotícia.
CertamentefoiocasoparaaequipedoUserGeneratedContentHubdaBBCNews
nocomeçodejulhode2005.Faziaumasemanaqueotimepilotohaviasereunido
paraconferiroconteúdoenviadoàBBCNewspelaaudiênciaetambémparaajudar
asepararomelhormaterialparamostrarnaTV,rádioeinternet.
Entãoocorreramosatentadosde7dejulhoemLondres.
Naquela manhã, enquanto a BBC e outras mídias noticiavam uma oscilação de
energia no metrô de Londres, o time de conteúdo gerado por usuário começou a
notardiferenteshistóriasdoqueeraenviadoàBBCNewspelaprópriaaudiência.
Foto:AlexanderChadwick
Essafoiumadasprimeirasimagensqueaequiperecebeu.Antesdeiraoar,afoto
foiexaminadadepertoeapessoaqueaenvioufoicontactadaparaquesuahistória
fosse verificada e para que ela detalhasse o que havia visto. Foi um dos primeiros
exemplos de verificação de imagens enviadas por usuários, processo que, desde
então,setornouumapráticapadrãonomeiojornalístico.
Aquela imagem, e outras parecidas, mostraram o terror e o caos em Londres
durante os momentos logo após os ataques. Como resultado, assegurou-se que o
foco da história mudasse rapidamente. Foi o primeiro exemplo significativo de
conteúdogeradoporusuárioqueforneceuumaajudaessencialparaaBBCcontar
melhoredeformamaisrápidaeprecisaumahistóriaimportante.
Hoje,aequipedeconteúdogeradoporusuárioestánocoraçãodaredaçãodaBBC.
Seus20jornalistastrabalhamcomTV,rádio,onlineeplataformasdemídiassociais
paraproduzirconteúdocujafontediretaéaaudiênciadaBBCoudainternet.
Verificação é crucial para o sucesso do que essa equipe produz. A tecnologia
avançou consideravelmente desde 2005, ocasionando crescimento exponencial do
usoderedessociaisedopoderdostelefonescelulares.Essasmudançasoferecem
grandesbenefíciosnosprocessosdeapuração,particularmenteembreakingnews;
eigualmentetrazemgrandesdesafios.
SejaumaorganizaçãodereputaçãoglobalcomoaBBCouumprofissionaldeajuda
humanitáriatrabalhandonolocaldosacontecimentos,anecessidadedeserrápido
aoobteredisseminarimagensimportantesdeveserequilibradacomacertezade
que tais imagens são críveis e genuínas. Também deve-se assegurar que o direito
autoral(copyright)estejaprotegidoequeasdevidaspermissõesforamsolicitadas.
Desde aquele dia em 2005, a equipe de conteúdo gerado por usuário desenvolveu
vários métodos para ajudar nesse processo. Enquanto a tecnologia continuará a
mudar – assim como as ferramentas que nós usamos – os princípios básicos de
verificação de imagens seguem os mesmos:1. Estabelecer o autor/origem da
imagem. 2. Corroborar a localização, data e hora aproximada que a imagem foi
tirada.3.Confirmarqueaimageméoqueelaaparenta/sugereestarmostrando.4.
Obterpermissãodoautor/origemparausaraimagem.
Vamosobservaressespontosmaisdetalhadamente.
1.Estabeleceroautor/origemdaimagem
Ojeitoóbvio–egeralmentemaiseficaz–defazerissoéentraremcontatocoma
pessoaquefezouploadeperguntarsefoielaquemrealmentetirouafoto.
Chegaràpessoaquefezouploadpormeiodacontadaredesocialouendereçode
e-mail usados para compartilhar a imagem é o primeiro passo, mas também é
importante tentar ter o máximo de certeza possível a respeito da identidade de
quemfezoupload.Essesdetalhespodemajudaradeterminarseapessoaédefato
afonteoriginaldaimagem.
Comomostradonocapítuloanterior,muitasvezesépossívelqueaspessoastentem
ser úteis republicando imagens que elas viram em outro lugar. Isso ocorre
frequentementecomveículosdecomunicação–imagenssãoenviadasporpessoas
bem intencionadas para ajudar a contar uma notícia. Apenas perguntar a quem
enviouseaimagemédelapodepouparumbomtempodoprocessodeverificação.
Embora a procura pela a fonte de uma imagem comece com a pessoa que fez o
upload, muitas vezes termina com uma pessoa diferente – aquela que realmente
capturouaimagem.
Comofoiditoemumcapítuloanterior,umpassoimportanteéusarumserviçocomo
Busca de Imagens Reversas do Google ouTinEye. Cole a URL da imagem ou uma
cópiadelaemambososserviçoseelesvãoescanearainternetparaverseháalgo
coincidente. Se muitos links para a mesma imagem aparecerem, clique em
“visualizaroutrostamanhos"(viewothersizes)parainvestigarmaisafundo.
Geralmente, a imagem com a maior resolução/tamanho deve levar você à fonte
original. No Google Imagens, a resolução de cada resultado é listada ao lado da
própriaimagem.Vocêpode,então,checarnovamenteaimagemquetememmãos
paraverseafonteaparentaserautêntica.
Em notícias urgentes, muitas vezes não haverá imagens de pessoas que você
procura para ilustrar a matéria, sobretudo se o fato envolve pessoas comuns. De
formaalternativa,vocêpodequererconfirmarseaquelaimagemquevocêtemde
alguémédefatodelaenãodealguémcomomesmonome.
Eu descobri que o Pipl.com é particularmente útil, pois permite que você cruze
nomes,usernames/logins,endereçosdee-mail,enúmerosdetelefonecomosperfis
online das pessoas. Para pesquisas internacionais, WebMii é um recurso que pode
ajudar. LinkedIn também vem se mostrando uma boa maneira de verificar
identidades,muitasvezesfornecendopistasadicionaispararastreá-las,pormeiode
empresas/organizaçõesqueestãoouforamassociadas.
2.Confirmaralocalização,dataehoraaproximadaqueaimagemfoitirada
Aquiestãodicasjornalísticasetécnicasúteisparaseobterinformaçõescomodata,
localizaçãoeoutrosdetalhesimportantes.Umjeitofundamentaldeconseguiressas
informaçõeséquandovocêfalacomocriadordaimagemoucomapessoaquefezo
upload.Essascincoquestõesresistemaotempo:
Quemsãoeles?
Ondeestãoeles?
Quandoeleschegaramlá?
Oqueelesviram(eoqueafotodelesmostra)?
Porqueelesestãolá?
Destaco um aspecto importante: se a imagem é de um local perigoso, sempre
cheque se a pessoa com a qual você está falando está em segurança para dar
informações. Também esteja atento a questões referentes à identificação da fonte
atravésdedetalhesquevocêdivulgasobreelaousuasimagens.
DanossaexperiêncianaBBC,pessoasquerealmenteestavamnolocaldofatovão
dar respostas visuais, muitas vezes descrevendo detalhes no tempo presente do
verbo:“euestounomeiodaruaX;eupossovereescutarY”.Quandomaisvagafora
resposta, mais atenção você deve ter sobre o que aquela fonte está dizendo para
você.
Outra técnica útil é pedir para a pessoa enviar outra imagem tirada no mesmo
momento.Éraroquealguémtenhatiradoapenasumafotodeumasituaçãovaliosa
jornalisticamente.Termaisdeumaimagempossibilitaquevocêsaibamaissobreos
eventosemquestão.
Umavezquevocêconfirmoucomafontecomoaimagemfoitirada,trabalhepara
confirmar informações adicionais. Dois métodos primários podem ser usados para
investigarosconteúdosdafotoetriangulá-loscomoquefoiditopelafonte.
Primeiro, cheque se a imagem possui metadados. Metadados, também conhecidos
como dados EXIF em imagens digitais, refere-se às informações embutidas na
imagem, diretamente no arquivo. Se a imagem é original, há uma boa chance de
você obter informações sobre o modelo da câmera, o timestamp da imagem (seja
cuidadoso,noentanto–seháum,elepodeestarcompadrãodefábricaouemoutro
fusohorário)easdimensõesdaimagemoriginal,entreoutrosdetalhes.Vocêpode
usar softwares como o Photoshop (vá em informações do arquivo) ou usar
ferramentas gratuitas comoFotoforensics.com ouFindexif.com para gerar um
relatórioEXIF.
Faça o upload e o leitor EXIF vai retornar qualquer informação que a imagem
contenha. Algumas das informações são úteis para aqueles que tenham um maior
entendimento técnico sobre fotografia digital. Mas, para uma pessoa com
conhecimentosmédios,dadoscomoadataqueafotofoioriginalmentetiradaouo
tipo de câmera que fez a imagem, às vezes podem expor uma fonte que esteja
mentindo.
Um aviso importante: a maioria das redes sociais que aceitam imagens, como
Twitter,FacebookeInstagram,retiragrandepartedosmetadadosoriginais,senão
todos, quando é feito o upload em suas plataformas. O Flickr parece ser uma
exceçãoaisso.
Em segundo lugar, cruze as referências da imagem com outras fontes. Desperte o
investigadorqueháemvocê,examinandoaimagemdeperto.Muitasvezeshaverá
pistasquepodemajudaraverificaralocalizaçãoeomomentoemqueelafoitirada.
Placasdoscarros
Condiçõesmeteorológicas
Tipoderoupas
Placas/anúncios
Háumalojaouconstruçãoidentificável?
Qualotipodeterreno/ambientedocenário?
3.Confirmeseaimageméaquiloquediz/sugereestarmostrando
Umaimagempodeserautêntica,maspodeestaridentificadademaneiraimprecisa.
Porexemplo,duranteofuracãoSandy,estaimagemseespalhoupeloTwitterefoi
descritacomoumafotodetrêssoldadosquepermaneceramdeguardanoTúmulo
doSoldadoDesconhecidoduranteatempestade:
Aimagemestavacorreta,realmentemostravasoldadosnoTúmulo.Mashaviasido
feitaummêsantes,nãoduranteoSandy.AfotofoipostadanapáginadoFacebook
daPrimeiraDivisãodoExércitodoLeste.
Além de verificar a data, hora e localização aproximada da imagem, é também
importante confirmar que a imagem é o que ela se propõe a ser. Uma imagem
autênticapodesercolocadaemumfalsocontexto.
U s eGoogle Maps, Bing Maps ouWikimapia para ajudar a verificar localidades.
Atualmente, imagens de usuários estão sendo cada vez mais tagueadas nesses
serviços e elas podem apontar caminhos interessantes, assim como diferentes
ângulos de locais que você está investigando. Saiba mais como usar serviços de
mapasparaverificaçãonocapítulo5.
Use sites de meteorologia que podem fornecer boletins precisos das condições do
tempoemdatasdiferenteseemlocalidadesquevocêprecisaparaconfirmarseo
climanaimageméomesmo.Comovistonocapítuloanterior,WolframAlphaémuito
bomparabuscarboletinsmeteorológicosemlugaresedatasespecíficos.
Seháumletreiro(porexemplo,umaplaca)emumalínguadiferentenaimagem,use
o Google Translate para ver se você consegue outra pista da localização. A
ferramenta de leitura de caracteres ópticosfree-ocr.com também pode ser útil se
você quiser extrair texto de uma imagem – para depois passar para um tradutor
online.
Serviços de localização em redes sociais comoGeofeedia eBan.jo também podem
ajudarasaberolocaldeondefoifeitoouploaddaimagem.Essesserviçosusamos
dadosdeGPSdosaparelhosmóveisquepublicaramafoto.Emboraelesatualmente
capturem apenas uma porcentagem pequena do conteúdo publicado nas mídias
sociaisdeumadeterminadalocalidade,elesfornecemumfiltroinicialútil.Aimagem
abaixoéumexemplodealgumasfotoscapturadaspeloGeofeedialogodepoisdas
explosõesdamaratonadeBoston.
Além dessas ferramentas e técnicas, também é útil checar se imagens similares
estãosendodistribuídaspororganizaçõesoficiaisdenotíciasouagências.Hámuitas
outras imagens daquela localidade sendo publicadas nas mídias sociais por outras
pessoas? Se elas mostram uma cena similar por um ângulo diferente, isso pode
ajudaraestabeleceracredibilidadedaimagem.
Por fim, em uma grande história, é sempre válido dobrar os procedimentos de
checagem se uma imagem que você está verificando aparecer noSnopes, site
especializadoemderrubarlendasurbanasedesinformaçãonainternet.
4.Obtenhapermissãodoautor/origemparaousodaimagem
Sempre é interessante pedir permissão para o detentor dos direitos autorais
(copyright) das imagens. Além disso, leis de copyright de muitos países estão cada
vezmaisclarasaodizerqueousodeumafotosempermissãodoautorépassívelde
processolegal.
Termos e condições em relação ao copyright do conteúdo publicado em sites de
mídias sociais variam de serviço para serviço. Alguns, como o Flickr, mostram
claramentejuntodaimagemseofotógrafopossuitodoocopyrightouseelepermite
ousoporCreativeCommons.ÉbomleraslicençasCreativeCommonsparasabera
diferençaentreelas.
Aobuscarpermissão,éimportanteteralgunsdetalhesemmente:
Sejaclarosobrequalimagemvocêquerusar.
Expliquecomoaimagemseráusada.
Deixeclarocomoofotógrafoquersercreditado(nome,username,etc.e
tenhaemmenteque,emalgunscasos,eletalvezdesejepermanecer
anônimo.
Maisimportante,lembrequesevocêpassarpelosprocessosacimaeaindaestiver
emdúvida–nãouseaimagem!
Estudodecaso4.1
Verificandoumabizarrabolainflávelduranteumatempestade
PhilippaLaw eCarolineBannock lideram o GuardianWitness, a
plataformadejornalismoabertodoGuardian,porondeleitores
compartilham vídeos, imagens e histórias. Bannock foi
produtora-sênior de notícias e editora internacional para o
Channel4News.Elausaoperfi[email protected] carlanine no Twitter.Law foi
produtora da rádio da BBC e tem Ph.D. em participação de
audiência em mídias de línguas minoritárias. Ela mantém o
[email protected]
***
Aforçadosventoseachuvadeumatempestadecausaraminundaçõesequedasde
energia,nosuldoReinoUnido,emoutubrode2013.Comoissoafetoumuitagente,
paraampliareenriqueceracoberturadoGuardian,pedimosaosnossosleitoresque
compartilhassemfotos,vídeosehistóriaspelanossaplataformadeconteúdogerado
pelousuário,oGuardianWitness.
Entre as contribuições que recebemos estavauma foto bizarra do que parecia ser
uma bola inflável gigante e multicolorida (beach ball), com ao menos duas vezes o
tamanhodeumônibusdedoisandares,perdidanomeiodaOldStreet,emLondres.
Estaédaquelasimagensqueimediatamenteevocamaquestão:“issoémuitobom
paraserverdade?”Nósestávamosmuitocientesdequepoderiaserumafotofalsa.
Começamos a verificar a foto do usuário usando a busca de imagens reversas do
GoogleeoserviçoTinEyeparaverificarseaquelaimagemnãohaviasidoobtidade
outro site. Usuários frequentemente tentam nos apresentar uma história enviando
imagensquejáforampublicadasemoutrossitesdenotíciasoucompartilhadasno
TwittereFacebook.Porisso,umabuscadeimagensreversasésempreaprimeira
checagemquenósfazemos.
No caso do inflável galopante (como estávamos chamando a bola multicolorida), o
Googlenãoretornounenhumregistro–oquesugerequeafotooueraoriginalou
haviasidoobtidadeoutrasorganizaçõesdenotíciasmuitorecentemente.Conteúdo
bomépublicadomuitorápido!
Anossaferramentamaisimportantedeverificaçãoéconversardiretamentecomo
usuário. Cada pessoa que contribui com o GuardianWitness precisa fornecer um
endereço de email, embora não haja garantias de que seja o correto. Então,
tentamos fazer contato. Nesse meio tempo, seguimos com o nosso processo de
verificação.
Geralmente,tentamosverificarafotocomparando-acomimagensdoGoogleStreet
View,mascomonossotimeconheceaáreadaOldStreet,nósreconhecemosoquea
foto mostrava e confiamos que a foto havia sido tirada lá. Embora tivéssemos
conhecimentodaárea,nãolembrávamosdetermosvistoumabolagigante–então,
pesquisamos para tentar encontrar evidências anteriores. Descobrimos que ela
estavapresanotopodeumprédiopróximo.Issosignificavaqueaimagemparecia
umpoucomenosfalsadoinicialmenteaparentava.
FomosaoTwitterprocurarporpostsquefaziamreferênciaàbolanaquelamanhãe
conseguimos confirmar que outras pessoas viram o mesmo objeto mais ou menos
namesmahoraqueousuáriodissetertiradoafoto.NossabuscanoTwitterrevelou
umafototiradamaistarde,deoutrousuário,comabolajámurcha.
Finalmente, o usuário entrou em contato conosco e, conversando pelo telefone,
conseguimosconfirmarqueelehaviadefatotiradoafoto.
Seguindo todos esses passos para verificar a imagem, ficamos contentes em
segurarahistóriaparaverificaçãoantesdepublicá-la.Aestranhaimagemdeuma
bola inflável em fuga durante a chuva intensa foi publicada no blog do Guardian e
amplamentecompartilhadanasredessociais.
Estudodecaso4.2
Verificandodois“tubarõesderua”suspeitosduranteofuracão
Sandy
TomPhillips é redator-sênior noBuzzFeedUK. Ele já trabalhou
paraojornalbritânicoMetro,foieditordeinternacionalnoMSN
emaisrecentementeajudoualançaroUsVsTh3m,umastartup
experimental e focada no social da Trinity Mirror, uma das
maiores editoras do Reino Unido. Em seu tempo livre, entre
outras coisas, ele atualiza oIs Twitter Wrong?, uma tentativa
ocasional de sucesso em verificar em tempo real imagens e
tweetsvirais.Elemanté[email protected]
***
Quando o furacão Sandy atingiu Nova York e Nova Jersey, eu mantinha um blog
chamado“IsTwitterWrong?”,umainiciativaexperimentaldeverificaçãodeimagens
virais.
Quando um grande desastre natural atinge uma área densamente povoada e com
muitos usuários de mídias sociais – e empresas de mídia – um resultado é um
númeroenormedeimagensparafiltrar.Deumahoraparaoutra,separarascoisas
boasdasruinsvaiparaotopodaagendaeditorial.
Um caso particular que se tornou viral foi o de duas imagens de tubarões que
supostamente estavam nadando em uma rua inundada de Nova Jersey. Conversei
comAlexisMadrigal,daAtlantic,paratentarverificaressasimagens.
Umaspectodasimagens,mostradasabaixo,équeelaseramestranhasosuficiente
parafazervocêsuspeitar,masnãoimplausíveisosuficienteparadeixá-lasdelado.
Nofimdascontas,elassemostrarambemdifíceisdedefinitivamentedesacreditar.
Imagenspré-existenteserroneamenteatribuídasadeterminadofato(talvezaforma
mais comum de “fake”) podem, com frequência, ser descobertas em poucos
segundos com uma pesquisa de imagens reversas. E, muitas vezes, imagens de
fatos importantes podem ser ao menos parcialmente verificadas quando se acha
outrasimagensdomesmoevento,masdeoutrasfontes.
Masnadadissovaifuncionarparaumaimagemquepodesertantoumafotooriginal
quantoumboatooriginal.Minhaexperiênciaéqueumaverificaçãodeimagensque
nãopodeserfeitaempoucosminutos,tenderáalevarbastantetempo.
Nofimdascontas,àsvezes,paraverificarimagensnãohásubstitutoparaotrabalho
braçalqueconsomeumbomtempo:mapearocaminhodafotonasmídiassociais
paraacharaoriginal;“caminhar”nasruasdoGoogleStreetViewparaidentificara
localizaçãoaproximada;e/ounavegarpelaspáginasderesultadosdeumabuscano
Google Imagens por uma palavra-chave em particular, procurando por possíveis
fontes.
Nestecaso,apesquisanoGoogleImagensresolveuaquestão.Conseguimosachara
imagem exata de uma barbatana de tubarão que foi manipulada digitalmente
("photoshopada”)emumadasimagens.
Mesmo assim, não conseguimos provar que a outra imagem era definitivamente
falsa.Foiusadoumtubarãodiferente.
Nossas tentativas de achar a origem de ambos os tubarões parou nas pessoas
dandodeclaraçõesvagasdequeaimagemera“doFacebook”.Nósatéachamosa
postagemoriginalnoFacebookpormeiodeumtweetquenosdirecionouaumsite
de notícias que dava crédito à fonte. Tanto a notícia quanto os posts do Facebook
foram retirados da web. Isso também não ajudou muito, já que as outras fotos da
página do usuário eram de imagens reais das enchentes no mesmo lugar,
Brigantine,NovaJersey.Alémdisso,eleinsistiuaoresponderaseusamigosqueas
fotos dos tubarões eram reais. (Em retrospecto, ele parecia querer mais aparecer
entreseusamigosdoquealardearumaimagemfalsaportodaainternet.)
Ofatodeeledizerqueumaimagemindiscutivelmentefakeerarealfoiosuficiente
paracolocarmosaoutraimagemnacategoria“quasecertamentefalsa”.Masainda
nãotínhamoscerteza.Somentenodiaseguinte,quandoositedeverificaçãodefatos
Snopes identificou a fonte da imagem, que nós conseguimos ter 100% de certeza.
Estafoiaimagemdetubarãorealusadaparacriarofake.
AquilotalvezsejaamaiorliçãodoSandy:principalmenteemsituaçõesqueocorrem
rapidamente,averificaçãomuitasvezestemmenosavercomtercertezaabsolutae
mais com julgar o nível de plausibilidade aceitável. Esteja aberto às suas próprias
incertezas, mostre o seu trabalho para outros e deixe claro para o leitor que você
estáestimandooerroquandopublicaumaimagem.
Fotos:ScotttheHobo
Capítulo5
Verificandovídeos
Malachy Browne é editor daStoryful, a primeira agência de
notícias da era das redes sociais. Sediada em Dublin e com
equipes na Ásia e nos Estados Unidos, Storyful ajuda seus
clientes a descobrir, verificar e distribuir os mais valiosos
conteúdos gerados por usuários através de mídias sociais.
Antes de Storyful, Browne criou e editou oPolitico.ie, um site
irlandês de política e arquivo de notícias. Ele trabalhou para a
revistadepolíticairlandesaVillageentre2006e2008,alémde
ter sido editor do site da revista, Village.ie. Tendo trabalhado
anteriormentecomoprogramador,Browneacreditafirmemente
em inovações nas redações e na capacidade da tecnologia para fortalecer o
jornalismo.EleénaturaldacidadedeBroadford,noCondadodeLimerick,eviveem
Dublin.SeuTwitteré@malachybrowne.
***
A convergência entre smartphones e câmeras a preços acessíveis, internet
onipresente e mídias sociais é, em grande parte, responsável pela explosão na
coberturadenotíciasapartirdecontribuiçõesdoscidadãos.Umsubprodutodissoé
aenormequantidadedevídeossendocarregadosecompartilhadosacadaminuto.
Arevoluçãonatecnologiadainformaçãonãoacaboueovolumedeconteúdogerado
pelos usuários, com valor noticioso, só vai crescer. Os jornalistas têm uma nova
responsabilidade:reunir,verificaredeterminarosdireitosdeusodessesconteúdos
rapidamente. Os valores tradicionais de investigação continuam válidos, mas um
novoconjuntodehabilidadesénecessárioparalidarcommídiascomovídeos.
Inicialmente, verificar vídeos de uma fonte desconhecida em redes sociais pode
parecerintimidador,masnãoénadadeoutromundo.
Vocêprecisadetrêscoisasparacompletaratarefa:determinaçãoparainvestigaros
bastidores do conteúdo, um nível saudável de ceticismo e familiaridade com a
infinidadedeferramentasgratuitasquepodemajudaradeterminarfatossobreum
vídeo.Estecapítulovaiajudaraprepará-locomtodasastrês.
Um primeiro aspecto a entender, sobre a verificação de vídeos gerados pelos
usuários,équeelesseespalhampelasmídiassociaisdeumjeitotalqueaversão
quevocêvêprovavelmentenãoéaoriginal.Vídeospodemsercortados,emendados
e republicados com um contexto diferente. Aspectos importantes do vídeo original
podemdesaparecer.Oseutrabalhoéidentificarosfatosqueconfirmamounegam
aquiloqueessevídeopretendemostrar.
Comoemqualquernotícia,comececomasperguntasbásicas:quem,oquê,quando,
ondeeporquê.Nestecontexto,osmetadadosassociadosaumvídeopodemajudar
a responder a algumas dessas perguntas, fornecendo detalhes sobre a fonte
original,dataelocaldagravação.
Umaregra,noentanto,équeumaúnicaprovaéinsuficienteparaverificarumvídeo;
geralmente, uma série de pistas precisa ser coletada para que você consiga
informações completas. Prepare-se para aquela descarga de adrenalina quando o
quebra-cabeçaformontado.
Aquitemosumguiapasso-a-passoparaverificarvídeosdemídiassociais.
Proveniência
Identificaraorigemdovídeoéoprimeiropasso.Àsvezes,éóbvioqueelepertenceà
contadoFacebookouYouTubeondevocêodescobriu.Noentanto,comodetalhado
no Capítulo 3, você deve sempre partir do pressuposto de que um vídeo foi
remendadoouduplicado.
A maioria dos vídeos vem com uma descrição, palavra-chave (tag), comentário ou
algum tipo de texto que ajude a identificá-los. Extraia palavras-chave úteis a partir
dessas informações para começar sua busca. Siglas e nomes de lugares, por
exemplo, são boas palavras-chave. Se a descrição estiver escrita em uma língua
estrangeira,coleotextonoGoogleTradutorparadestacaressaspalavras.
Procure os primeiros vídeos que correspondem a essas palavras-chave usando o
filtro de data para ordenar os resultados. No YouTube, olhe diretamente abaixo da
barradebuscadomenuFilters(Filtros)eselecioneUploadDate(DatadeUpload),
como na imagem abaixo. Vimeo, Youku e outras plataformas de vídeo têm filtros
semelhantes. Percorra os resultados e compare miniaturas de vídeo (thumbnails)
para encontrar a versão mais antiga - as miniaturas de vídeos originais e as
modificadascostumamcorresponderumascomasoutras.
Outro método para encontrar a versão mais antiga de um vídeo é realizar uma
Outro método para encontrar a versão mais antiga de um vídeo é realizar uma
pesquisadeimagensdaminiaturadovídeo(thumbnail)usandooGoogleImagensou
oTinEye,comoexplicadonocapítuloanterior.Issopodeidentificaraprimeiraversão
de vídeos e imagens. A utilidade dessas ferramentas depende da qualidade da
imagem; um forte contraste no vídeo e um esquema de cores diferente também
ajudam.
Depoisdeencontraraorigemdovídeo,entreemcontatocomafonteparainiciara
próximaetapa.
Verifiqueafonte
Éhoradeexaminaraorigemdovídeodamesmaformaquevocêencarariaqualquer
fonte mais tradicional de informações. Na verdade, muitas vezes há muito mais
informação disponível sobre uma fonte online do que sobre uma fonte tradicional
quetelefonaparafazerumadenúncia,porexemplo.
Perfisonlinedeixamuma"pegadadigital"quenospermiteexaminarohistóricoeas
atividadesdapessoa.Amaioriadasplataformasnospermiteentraremcontatocom
os usuários responsáveis pela publicação de um conteúdo, o que é um passo
essencial.Procuramosconversarcomele,fazerperguntaseassegurar-nosdeque
foielemesmoquegravouasimagens.
Estasperguntassãoúteisaoexaminara"pegadadigital"deumusuárioqueenviou
conteúdosonline:
Estamosfamiliarizadoscomestaconta?Oconteúdodotitulardaconta
mostrou-seconfiávelnopassado?
Ondeacontaestáregistrada?
Ondeelevive,deacordocomohistóricodaconta?
Asdescriçõesdosvídeossãoconsistenteseamaioriavemdeumlocal
específico?Osvídeostêmdata?
Casoosvídeosdessacontausemumlogotipo,eleéconsistenteemtodosos
vídeos?EstádeacordocomoavatardacontadoYouTubeouVimeo?
Oautorcostumaremendar/modificarvídeosdeempresasdenotíciase
outrascontasdoYouTube,oufazapenasuploaddeconteúdopróprio?
Ousuárioescreveusandogíriasoudialetosidentificáveisnanarraçãodo
vídeo?
Osvídeosnessacontatêmumaqualidadeconsistente?(NoYouTube,clique
emSettings(Configurações)edepoisemQuality(Qualidade)paradeterminar
amelhorqualidadedisponível).
Asdescriçõesdosvídeostêmextensõesdearquivocomo.AVIou.MP4no
título?Issopodeindicarqueovídeofoicarregadodiretamentedeum
dispositivo.
AdescriçãodeumvídeodoYouTubediz:"arquivoenviadoviaCapturado
YouTube"?Issopodeindicarqueelefoifilmadocomumsmartphone.
Reunirasrespostasaestasperguntasajudaacriarumperfildafonte,incluindoseu
históricoonlineeotipodeconteúdoqueelacompartilha.Apartirdaí,éimportante
tentar conectar a atividade dessa conta a qualquer outra conta online que a fonte
mantém.Abaixocitamosalgumasações/perguntasparaorientaresseprocesso.
ProcurenoTwitterouFacebookocódigoúnicodovídeo(uniquevideocode)-
existemcontasafiliadas?Cadaconteúdogeradopelousuárioéidentificado
porumcódigoúnicoqueaparecenaURL.NoYouTubeeFacebook,por
exemplo,ocódigoécolocadoentre"v="eopróximo"&"naURL.)
Existemoutrascontas-GooglePlus,umblogousite-listadasnoperfilou
associadasdealgumaoutraformaaesteupload?
Queinformaçõespresentesnascontasassociadasindicamlocalização
recente,atividade,confiabilidadeouparcialidadedotitulardaconta?
Háquantotempoessascontasestãoativas?Quãoativaselassão?
Aquemascontasdemídiasociaisestãoconectadaseoqueissonosdiz
sobreessapessoa?
Podemosencontrarinformaçõeswhoisparaumsiteafiliado?
Apessoaestálistadaemlistastelefônicaslocaisoucatálogosdecontatos
comoSpokeo,Pipl.com,WebMiiounoLinkedIn?
Oscírculossociaisonlinedafonteindicamproximidadecomahistória/local?
Fazeressasperguntaserespondê-lasnosdáumanoçãodafiabilidadedeumafonte
deconteúdo,alémdefornecerummeiodecontatocomousuárioparafazermais
perguntasebuscarorientaçõessobrecomoovídeopodeserutilizadoporveículos
decomunicação.
Aofalarcomafonte,nãoseesqueçadeperguntarsobrealgumasdasinformações
comasquaisvocêsedeparou.Seráqueasrespostasseconfirmam?Seafontenão
for honesta com você sobre a informação, então você deve ficar bastante
desconfiadoemrelaçãoaoconteúdo.
Localizeovídeo
Comafonteidentificadaeexaminada,éhoradetentarverificaroconteúdodovídeo
emsi.Oprimeiropassoéconfirmaroudeterminaralocalizaçãodovídeo.
Verificar onde um vídeo foi filmado depende muito das pistas que ele apresenta.
Uma paisagem característica, edifícios, igrejas, árvores, montanhas, minaretes e
pontessãotodospontosdereferênciaquepodemsercomparadoscomimagensde
satéliteefotografiasgeolocalizadas.Seacâmeramostraonomedeumaempresa,
elapodeestarlistadaemclassificadosonlineoulocais.Umaplacaderuapodedar
pistassobrealocalizaçãoprecisa.Placasdecarroououtdoorsdepublicidadepodem
indicar a cidade ou Estado. A luz solar, sombras e a hora aproximada do
acontecimentotambémpodemserúteis.Eseovídeocontémdiálogos,observese
ossotaquesoudialetoscorrespondemàscircunstânciasqueelerepresenta.
O ponto de partida, mais uma vez, é examinar qualquer texto que acompanha o
vídeoequalquerpistasnasimagens.Concentre-senolocalusandooGoogleMapse
tentemapearalocalizaçãodovídeo.Sepossível,apliquezoomnoStreetViewpara
obteroângulodacâmera.SeoStreetViewnãoestiverdisponível,escolhaaopção
"Fotos"noGoogleMapseverifiqueseasfotografiasgeolocalizadascoincidemcomo
local do vídeo. Fotos geolocalizadas também podem ser pesquisadas usando os
recursosdepesquisaavançadanoFlickr,PicasaeTwitter.
Seovídeoforemlínguaestrangeira,digiteotextonoGoogleTranslateeidentifique
onomedolugar,masestejacientedequeoGoogleTranslatemuitasvezescomete
erros de tradução. No caso de nomes árabes, por exemplo, o ideal é colocá-los no
GoogleMapsemárabe,emvezdetraduzi-los.Aimagemabaixomostrabuscasno
GoogleTranslateenoGoogleMaps.
Aotraduzir,useascompetênciaslinguísticasdosseuscolegasecontatos.Traduzir
caracteresjaponesesparacoreanooumandarimproduzumatraduçãomaisprecisa
do que de japonês para português ou inglês. Então, se você conhecer alguém que
falacoreanooumandarim,peçaaeleparaanalisarastraduçõesparavocê.
OWikimapiaéumaversãodoGoogleMapsproduzidaatravésdecrowdsourcing,na
qual os edifícios, bairros, terrenos militares e outros pontos de interesse são
esboçadosedescritos.Issoéútilparaobterocontextodeumaáreaeidentificaros
locais, embora esta informação deva ser corroborada por outras, já que é possível
encontrarerrosouinformaçõesdeliberadamenteenganosas.
Um exemplo de como o Wikimapia pode ser útil é o caso de um dia de
"desobediência civil" em Port Said, no Egito, em fevereiro de 2013. Manifestantes
foramfilmadosmarchandojuntoàFaculdadedeEducaçãodaUniversidadedePort
Said, de acordo com um usuário do YouTube. A paisagem urbana era difícil de
identificar no Google Maps no meio das ruas cheias de Port Said. No entanto, a
Faculdade de Educação (
‫ ) ا‬está marcada no Wikimapia; ao encontrar e
examinaressepontodereferênciafoipossívelconfirmarolocaldademonstração,
comomostradoabaixo.
OGoogleEarthéoutraferramentaútil,namedidaemqueforneceumhistóricode
imagens de satélite. É útil quando se examina vídeos mais antigos, onde o terreno
podetermudado.
EsserecursodoGoogleEarthtambéméimportantequandoseexaminaoterrenoe
as dimensões relativas dos edifícios. Recentemente, quando a equipe da Storyful
estavaconsiderandoumvídeocomoprovadeumsupostoataqueisraelensesobrea
Síria, a visão de montanhas ao norte de Damasco pelo do Google Earth ajudou a
verificar a localização de um usuário do YouTube, como você pode ver na
comparaçãoabaixo.
Verifiqueadata
Confirmar a data de vídeos enviados a partir de um evento planejado, como uma
manifestação ou comício político, geralmente é simples. É provável que existam
outros vídeos do mesmo evento devido a reportagens. Imagens que corroboram o
fatogeralmentesãocompartilhadasnoTwitter,Facebook,Instagrameoutrasredes
sociais. Pesquisar nessas plataformas com palavras-chave e hashtags relevantes
geralmente é suficiente para descobrir pistas como edifícios ou mobiliário urbano
característicos,cartazesoucondiçõesmeteorológicas.
Noentanto,paravídeosmaisobscuros,adatageralmenteéapartemaisdifícilde
verificar. Vídeos do YouTube ficam registrados no Horário Padrão do Pacífico (PST)
desde o momento em que o upload começa. Isso levou o Ministério das Relações
Exteriores da Rússiaa duvidar de vídeos que mostravam um ataque com armas
químicas em Ghouta, perto de Damasco. Os vídeos foram enviados nas primeiras
horasde21deagosto,e,portanto,foramdatadosnoYouTubecomo20deagosto.A
ignorância em relação a esse fato levou o Ministério das Relações Exteriores e
outrosaafirmarqueosvídeoshaviamsidoencenadoseenviadosantesdohorário
emqueaconteceuoataque.
Boletins meteorológicos são, por si sós, insuficientes para verificar datas, mas
ajudam. Como descrito anteriormente, o Wolfram Alpha fornece informações
meteorológicassobreumlugaremumadeterminadadata.DepoisdeRitaKrillenviar
oquepretendiaserumvídeoincríveldeumraioemseuquintalnaFlórida,em5de
outubrode2012,aWolframAlphamostrouqueastempestadesestavamativasna
área. E uma busca no Twitter pela cidade de Naples, na Flórida, naquela data,
mostrouummeteorologistalocalpedindoaseusseguidoresparaenviarimagensde
nuvens carregadas. Abaixo estão uma imagem da busca com o Wolfram Alpha e
umadotweet.
Checagensfinais:oqueaparecenovídeo?
Agoraéhoradetrazertodososseusdadosefazerasperguntasóbvias:ovídeofaz
sentido, dado o contexto em que foi filmado? Alguma coisa nele mexe com meu
instinto jornalístico? Alguma coisa parece estar fora do lugar? Há indícios de
ilegitimidade?Algumdosdetalhesdafonteourespostasparaasminhasperguntas
nãoencaixam?Lembre-sedepartirdopressupostodequeovídeoéfalso.Asprovas
confirmamourefutamessasuposição?
Quando se trata de vídeos, tenha em mente que fraudes elaboradas já foram e
continuam a ser usadas. Um exemplo infame é o vídeo falso produzido por
estudantes canadenses mostrandouma águia voando baixo em um parque em
Montreal e carregando um bebê. Isso foi desmascarado ao dividir o vídeo em
quadros individuais e observar que a sombra da água estava faltando em alguns
quadros. Pessoas mais técnicas podem usar softwares de edição de vídeo como o
VLCmediaplayer ou oAvidemux video editor, que são gratuitos, ou ainda oVegas
Pro,queépago,paradividirumvídeoemseusquadrosconstituintesquandohouver
dúvidassobreasuaconstrução.
Estudodecaso5.1
VerificandoumvídeocrucialdoatentadodeBoston
Malachy Browne é editor daStoryful, a primeira agência de
notícias da era das redes sociais. Sediada em Dublin e com
equipes na Ásia e nos Estados Unidos, Storyful ajuda seus
clientes a descobrir, verificar e distribuir os mais valiosos
conteúdos gerados por usuários através de mídias sociais.
Antes de Storyful, Browne criou e editou oPolitico.ie, um site
irlandês de política e arquivo de notícias. Ele trabalhou para a
revistadepolíticairlandesaVillageentre2006e2008,alémde
ter sido editor do site da revista, Village.ie. Tendo trabalhado
anteriormentecomoprogramador,Browneacreditafirmemente
em inovações nas redações e na capacidade da tecnologia para fortalecer o
jornalismo.EleénaturaldacidadedeBroadford,noCondadodeLimerick,eviveem
Dublin.SeuTwitteré@malachybrowne.
***
Um dosvídeosicônicos do trágico atentado na Maratona de Boston, em 2013, foi
filmado por uma atleta correndo seu último quilômetro da maratona. Enquanto ela
seaproximavadalinhadechegadanaruaBoylston,asegundabombafoidetonada
poucosmetrosàfrente.Eraumvídeoconvincente,masprecisávamosverificá-lo.
Uma foto mostrando o momento da explosão foi publicada pelo jornalista Dan
Boston Lampariello (abaixo), membro de uma das nossas listas de Twitter préverificadasefamiliarcomoStoryful.OtweetdeLampariellofoigeolocalizadoparaa
ruaBoylston;essainformação,queveiodeumafonteconfiável,ajudouaconfirmaro
localdaexplosãoetambémnosdeuumpontodereferênciaparausarcomoquefoi
mostradonovídeodaatleta.
AsimagensdoGoogleStreetViewdaruaBoylston(abaixo)confirmaramtantoafoto
deDanLamparielloquantoopontodevistadaatletaconformeelaseaproximavada
linha de chegada. De fato, observando com atenção verifica-se que alguns dos
atletasfilmadosnovídeosãovistosnafotodeLampariello.
Esseprocessoconfirmouoconteúdodovídeo.Encontrarsuafonteoriginal,poroutro
lado,foimaiscomplicado.
OvídeofoicarregadoparaumacontadoYouTubesemdetalhesdeidentificaçãoe
com um nome de usuário obscuro, NekoAngel3Wolf. Uma busca no Twitter pelo
código único do vídeo nos levou a um usuário que o estava compartilhando sob a
alcunhadeNightNeko3,maisumavezsemdadospessoais.Areferência"Neko"em
ambososperfissugeriuquehaviaumaligaçãoentreeles.
Procurando perfis semelhantes em redes sociais, encontramos uma conta do
PinteresttambémregistradacomoNightNeko3,naqualconstavaonomeverdadeiro
MorganTreacy.NossaequipenaStoryfullocalizourapidamenteacontadoFacebook
de Morgan Treacy, uma adolescente cujas publicações vinham, de acordo com a
geolocalização,deBallstonSpa,noEstadodeNovaIorque.
MorgandescreveuovídeonoTwittercomaperspectivadaexplosãovistapelasua
mãe. Sabendo que uma maratona de prestígio como a de Boston provavelmente
registraria o tempo dos atletas, verificamos o sobrenome "Treacy" na página de
registro da Boston Athletic Association. Um só resultado foi encontrado: Jennifer
Treacy, de 45 a 49 anos, do Estado de Nova York. Os registros sobre o tempo de
JenniferTreacymostravamqueelaultrapassouamarcade40kmàs14h38,masnão
cruzoualinhadechegadadoisquilômetrosdepois.Jenniferestavacorrendoauma
média de 10 minutos por milha, então teria estado próxima à explosão às 14h50,
quandoasbombasexplodiram.
OsitedebuscadepessoasSpokeo.comnosdeuumresultadoparaonomeJennifer
L. Treacy, 47, com um endereço em Ballston Spa, Nova Iorque. No LinkedIn,
encontramos um perfil de Jennifer Treacy de Ballston Spa, funcionária do
DepartamentodeSaúdedoEstadodeNovaYork.
Umaúltimapistaconfirmounossainvestigação.UmhomemchamadoGerardQuinn
era amigo no Facebook de Morgan Treacy, que agora tínhamos quase 100% de
certezaqueeraafilhadeJennifer.Quinnjáhaviadeixadocomentáriosemvídeosde
famíliapostadosporMorgan.Entãohaviaumaligaçãoentreeleeafamília.Vimosno
perfildeFacebookdeQuinn(abaixo)queelehaviaexpressadoorgulhopelofatode
suasobrinha,Jennifer,teridocorreramaratonadeBoston.Elehaviacolocadolinks
para o mapa do seu percurso na maratona e para os registros do seu tempo de
corrida. Ele também comentou mais tarde no Facebook que Jennifer estava OK
depoisdaexplosãoeacaminhodecasa.
Em uma lista telefônica pública, encontramos um número de telefone que nos
permitiufalardiretamentecomJenniferTreacy.Elaconfirmouqueovídeoeradelae
queosmeiosdecomunicaçãoestavamautorizadosausá-lo.Elatambémdisseque
haviainformadoasautoridadessobreaexistênciadovídeo.
Resumindo, todos os dados que confirmavam a veracidade daquele vídeo estavam
disponíveis online através de ferramentas gratuitas: informações de localização,
relatos do acontecimento, o histórico digital de quem fez o upload do vídeo e
informaçõesdecontatodoproprietário.Afamiliaridadecomessasferramentasnos
permitiuverificarovídeoemcercade10minutos.
1. http://www.cjr.org/behind_the_news/is_this_the_worlds_best_twitter_account.php?
page=all↩
2. http://storify.com/acarvin/how-to-debunk-a-geopolitical-rumor-with-yourtwitt2↩
3. http://atwar.blogs.nytimes.com/2011/06/10/following-up-part-i-battlefieldrefuse-social-media-and-qaddafis-cluster-bombs/↩
4. http://www.theguardian.com/world/2013/mar/21/frontroom-blogger-analysesweapons-syria-frontline↩
5. VejaestepostsobreageolocalizaçãodeumaexplosãodeumtanquenaSíria:
http://blog.storyful.com/2013/03/13/the-changing-nature-of-conflict-and-
technology/↩
6. VejaoestudoHarkin↩
7. VejaestudoHarkin,p.31↩
Estudodecaso5.2
InvestigandoumsupostomassacrenaCostadoMarfim
Malachy Browne é editor daStoryful, a primeira agência de
notícias da era das redes sociais. Sediada em Dublin e com
equipes na Ásia e nos Estados Unidos, Storyful ajuda seus
clientes a descobrir, verificar e distribuir os mais valiosos
conteúdos gerados por usuários através de mídias sociais.
Antes de Storyful, Browne criou e editou oPolitico.ie, um site
irlandês de política e arquivo de notícias. Ele trabalhou para a
revistadepolíticairlandesaVillageentre2006e2008,alémde
ter sido editor do site da revista, Village.ie. Tendo trabalhado
anteriormentecomoprogramador,Browneacreditafirmemente
em inovações nas redações e na capacidade da tecnologia para fortalecer o
jornalismo.EleénaturaldacidadedeBroadford,noCondadodeLimerick,eviveem
Dublin.SeuTwitteré@malachybrowne.
***
Emmarçode2011,umvídeopublicadonoYouTubemostravaoqueseafirmavaser
o assassinato de pelo menos seis mulheres, cometido por forças de segurança da
Costa do Marfim (FDS) durante um protesto em Abobo. A manifestação ocorreu
durante um período de agitação social, quando o presidente Laurent Gbagbo
continuounopoderdepoisdeserderrotadonaseleiçõespresidenciaisdenovembro
doanoanterior.
A pedido de um cliente, a Storyful começou a verificar o vídeo dois anos após o
acontecimento.Asimagensmostramumgrandegrupodemulheresgritando"ADO",
uma referência a Alassane Dramane Ouattara, rival de Gbagbo. Depois, aos 3
minutose32segundos,veículosblindadosaparecemnoenquadramentoearmasde
grandecalibresãodisparadas.Váriaspessoasparecemestarferidasmortalmente.
Naépoca,algunsmarfinensesafirmaramqueosferimentoshaviamsidoencenados.
OMinistrodeDefesadopaíscolocouovídeoemdúvidaeosapoiadoresdeGbagbo
afirmaram,emreconstruçõesnoYouTube,queeleerafalso(aquieaqui).
Verificar vídeos de uma notícia de última hora é, em certos aspectos, mais fácil do
que essa forma de investigação retroativa. Informações que corroboram ou
desmascaram um vídeo são mais acessíveis num período de tempo recente;
informações relacionadas a um acontecimento mais antigo muitas vezes estão
escondidas nas profundezas das redes sociais. Pesquisas de arquivo podem ser
difíceisouimpossíveis.
Com essas limitações em mente, procederei a explicar como trabalhei para tentar
verificarovídeo.
Coletarinformaçõessobreocontextodoevento
Eu não conhecia os detalhes do suposto massacre, então pesquisei no Google os
termos"WomenkilledGbagboMarch32011”("MulheresmortasGbagbo3demarço
2011"). Apareceram diversos textos ( aqui eaqui eaqui) descrevendo o local
aproximadodoacontecimentoeasequênciadeeventos.Essabuscatambémtrouxe
c omoresultado uma declaração feita pelo então Ministro da Defesa do país,
afirmandoqueascenasforamencenadas.
É importante ressaltar que os resultados também trouxeram palavras-chave que
pudeusarparaexecutarumabuscamaisfocada.Usandoessestermosparafazer
umapesquisahistóricanoTwitterenoYouTube,desenterreirelatosdetestemunhas
oculares e conteúdos enviados por cidadãos. (Sempre tente se colocar no lugar da
pessoa que faz upload dos vídeos e imaginar que "tags" ela usaria e como ela
descreveriaovídeo,entreoutrasinformações.)
Localização
Segundo relatos, a manifestação e o tiroteio aconteceram em uma rotatória nas
proximidadesdeAbobo,umdistritononortedeAbidjan.Maisespecificamente,um
relato afirmava que o fato havia ocorrido em um grande cruzamento/rotatória na
Autoroute d'Abobo, ao lado da área conhecida como Abobo Gare. Nele, uma
testemunha descreveu que as forças de segurança passaram por uma rotatória,
viraram para trás e dispararam em direção às mulheres "antes de voltar para
Adjamé".AdjaméficaaosuldeAbobo,oquenosdavaumapistasobreosentidodo
tráfego.
De acordo com umrelato da época publicado no Le Patriot em 8 de março,
manifestantes se reuniram "na interseção rotatória de Banco" (mapeada abaixo).
Pesquisasemumfórumlocalmostraramquearotatóriafoipalcodemanifestações
semelhantesanteriormente.
OGoogleMapsmostraduasgrandesrotatórias.Umadelas,aCarrefourBanco,fica
noextremosuldeAbobo,emdireçãoaAdjamé.Elacorrespondiaaorelatoanterior,
entãoautilizeicomopontodepartida.
Aposiçãodepostesesemáforoseoalinhamentodasárvoresfilmadasnovídeoa
partir dos quatro minutos estavam de acordo com a visão de satélite da esquina
noroestedoCarrefourBanco,comomostradonoscírculosbrancosacima.Ogrande
edifíciocomduassaliênciasproeminentessobreotelhado(circuladoemvermelho)
também se alinha com um edifício que vemos a distância enquanto o comboio de
veículos de segurança desaparece de vista. Isso coincide com a direção do tráfego
mostradanaimagemdesatéliteacimaecomorelatodeumatestemunhaocularde
queosveículosiamparaosul,emdireçãoaAdjamé.
Umaimagemdovídeo(acima),noentanto,nãocorrespondiaàsimagensdesatélite.
Contamos três grandes árvores de folha caduca enquanto o comboio entrava na
rotatória, mas o Google Maps mostrava apenas duas dessas árvores. O vídeo foi
filmado em 2011 e as imagens de satélite datavam de 2013; por isso, talvez uma
árvorehouvessesidocortada.Entãonósolhamosimagenshistóricasdesatéliteno
GoogleEarth.Imagensde2009mostramtrêsgrandesárvoresdefolhacaducanesta
esquina.
A terceira árvore, que não consta nas imagens de satélite 2013, está circulada na
imagemabaixo.Elafoigiradaem180grausdenorteasul.Porestepontodevista,
podemos ver que a posição da câmera estava do outro lado da estrada.
Posteriormente, falei com uma fonte respeitável, conhecida da equipe de Storyful,
que conhecia bem o vídeo e que havia visitado Abobo para informar sobre o
"massacre".Afonteconfirmouqueesseeraoângulodacâmera.
Data
A data do tiroteio é corroborada por vários depoimentos independentes e vídeos
compartilhados nas redes sociais. Esses são encontrados de forma retroativa
atravésdeumavariedadedebuscas:noTwitter,noTopsyouTopsyPro(quepermite
queumintervalodedatasejadefinido)enoYouTubecomresultadosordenadospor
datadeupload.
Algunsdospassosqueeusegui:
UseiabuscahistóricadoTwitterparagerarpistasanalisandoresultadosa
partirde3demarçode2011.
Examineitweetseperguntassobreoacontecimentoeencontreiesta
respostaeesta.Essasfontessãotestemunhasempotencial,oupessoasque
poderiamidentificartestemunhas.Aprimeirafonteinformasualocalização
comosendoCocody,Abidjan,easegundacomoAbidjan.
Tambémlocalizeiestapessoa,queenviouumvídeodeAboboedecomícios
anterioresdoRHDP.Aochecaroutrostwitvidsnessaconta,chegueiaum
vídeoenviadonodiadoprotesto.
ExamineiemmaisdetalheessalinhadotemponoTwittereencontreioutras
referênciasaoRHDPnaqueledia.Issomelevouaoutroslinks,comoesta
reportagemsobreoacontecimento.Elaincluíaumafotocreditadaàagência
Reuters,quemostravavítimasqueeramsimilaresàsqueapareciamno
nossovídeo.
AousarabuscadeimagensnoGooglenessaimagem,confirmamosqueela
nãohaviasidousadaantesdodia3demarço.Noentanto,osresultados
tambémmostraramqueumamatériapublicadanoTheGuardiancreditavaa
agênciaAFP/GettyImages,emvezdaReuters.Issosignificaqueumfotógrafo
confiávelestavanolocal.
Meaprofundeimaisnaanálisedafoto,mostradaabaixo.
Aimageméconsistentecomaimagemdavítimaaos5minutose30segundosno
vídeoprincipal.Avítimaestácobertaporroupasefolhasverdesusadaspormuitos
dos manifestantes. Observe a camisa apertada azul escuro usada pela vítima e o
vestuário característico com uma estampa xadrez de linhas vermelhas, laranjas,
brancaseescuras,mostradoaseguiremumaaproximação.
OsiteFrance24Observateurstambémrecebeufotosdoacontecimentoapartirde
fontesemAbidjan.NósdaStoryfulconfirmamosissocomeles.
Outras buscas desvendaram um foto-diário publicadoaqui por um jornalista da
agência France-Presse, Issouf Sanogo. Ele entrevistou uma mulher chamada Sirah
Drane,queafirmaterajudadoaorganizaramanifestaçãonodia3demarço.Drane
dizqueestavasegurandoummegafoneparasedirigiràmultidãoquesereuniuem
uma rotatória em Abobo. Uma mulher com descrição correspondente é vista no
vídeo.
O vídeo se relaciona com outros três vídeos do evento. Eles foram documentados
peloStoryfulnaépocaedepoispuderamserencontradosatravésdeumabuscano
YouTube,usandotermosdepesquisaidentificadosanteriormente.
Oprimeirovídeofoienviadonodiadotiroteio,porumacontadoYouTuberegistrada
na Costa do Marfim que foi criada especificamente para isso. Não havia nenhuma
outraatividadenacontaquepudesseoferecerinformaçõesemrelaçãoàfonte.As
mesmasmulheresferidassãofilmadasnovídeo,assimcomooedifícioquadradono
planodefundo.
Um segundo vídeo foi enviado a outra conta de YouTube registrada na Costa do
Marfimnamanhãde4demarçoàs09:06:37GMT.Ousuáriodescreveovídeocomo
"váriasmulheresmortas"na"manifestaçãodoRHDPdeontem",ouseja,3demarço.
Nenhumdessesvídeosoufotosexistiaantesdodia3demarço,sugerindocomum
altograudecertezaqueessafoiadatadoevento.
Enviooriginal
O vídeo foi enviado para o YouTube em 4 de março de 2011. No entanto, é muito
provávelqueeletenhaseoriginadoemumacontadoFacebookoudeoutrolugare
tenhasidoremendadoparaoYouTube.
A conta do YouTube está registrada nos Estados Unidos e está ligada a um site
extinto, onemendo.com. A conta parecia ser operada por alguém ligado a
emigrantes jamaicanos que vivem em Nova York ou Nova Jersey, porque continha
materialpromocionaldeumaboatelocal,DanceHallReggae.com.
Vídeos publicados na mesma época, em uma conta afiliada no Vimeo, indicam que
eles estão baseados em Rochester, Nova York. Uma conta de Facebook afiliada
tambémcontémlinksparamúsicasdeDJsjamaicanos,masnãodámaispistassobre
asorigensdovídeoenãofoipostadoumlinkparaelenodia3demarçode2011.
VídeosdeumanovelasenegalesatambémforampublicadosnacontadoYouTube.
Ovídeoéautêntico?
Osindíciosacimaconfirmamalocalizaçãoeestabelecemqueadatadovídeomuito
provavelmente era 3 de março. No entanto, a questão central é: o vídeo mostra
mulheresqueparticipavamdoprotestosendomortasatirospelaFDSnaqueledia?
Houveafirmações de que os assassinatos são encenados e que corpos foram
colocadosnaruadepoisqueasforçasdesegurançaforamembora.Essasquestões
sãosériasemerecemumainvestigação.
Nesta declaração, o Ministro de Defesa de Gbagbo, Alain Dogou, se referiu ao
surgimentodessevídeoamadornodia4demarço.Eledissequeumamulherhavia
sidoinstruídaadeitar-senochão(edefatoouvimos"deite,deite"novídeo).Dogou
dissequeé"difícildizer"seovídeofoifilmadonolocalrelatadoporjornalistas.(Nós
confirmamosolocal).Eletambémdissequejornalistasinternacionaisnãoestavam
cobrindo o protesto porque estavam participando de uma coletiva de imprensa da
UNOCI ou outro evento relacionado ao Conselho de Ministros. Finalmente, ele
reconheceuqueumaMarchadeMulheresaconteceuemAbobonaqueladata.
Perguntassériasquesurgiram:
Porqueacâmeraapontouparalongedaspessoasferidasportantotempo
enquantoocomboioentravanarotatória?
Todasasvítimasteriamrecebidoostirosapoucosmetrosumasdasoutras?
Todaselasteriamcaídocomorostoparabaixo,comofizeramnovídeo?
Osrostosrapidamenteobscurecidosporroupas.Porqueissoacontece?
Novídeo,alguémdizaumamulherensanguentadaquedeite-senochão,
comodescritopeloMinistrodaDefesa.Porqueissoacontece?Devidoà
preocupaçãocomseuestadodesaúdeouparaencenarumferimento?
O"massacre"criaumfrenesideemoçãonovídeo;issoérealouosoutros
manifestantesforamenganadosoucúmplicesdeum"massacre"encenado?
Várias testemunhas deram relatos convincentes de que os ferimentos foram
realmenteresultadodosupostomassacre.UmmédicodoHospitaldeSouthAboboé
citado nas páginas 63 e 64 desseRelatório da Human Rights Watch. Ele diz ter
atendido vítimas do tiroteio: um médico que tratou muitas mulheres que não
sobreviveramdissequesuaslesõeseramclaramentecausadas​ ​ porarmaspesadas,
enãoporbalas.OmédicoeduastestemunhasdisseramàHumanRightsWatchque
a cabeça de uma das vítimas havia sido completamente separada de seu corpo.
Outrasvítimas,duasdasquaisnãosobreviveramdevidoàgravidadedosferimentos,
foramferidasportirosdemetralhadora.
(Ovídeorealmenteparecemostrarumavítimacujacabeçafoiexplodida.)
AreportagemdoNewYorkTimestrouxefalasdeduastestemunhas:
"O tanque da frente começou a atirar", disse um morador de Abobo, Idrissa
Diarrassouba. "Imediatamente, seis mulheres foram mortas. Eu estava bem ali, ao
ladodelas.Elassimplesmentecaíram."
“Houve uma explosão de tiros de metralhadora”, disse [a testemunha, Idrissa
Sissoko].Eletambémafirmoutervistoseismulheresserematingidasportiros.“Euvi
seiscorposjogadosnochão,derepente”,disseele.Deacordocomesserelato,uma
fontemilitardisseaumjornalistadaReutersqueotiroteiofoiumacidenteresultante
donervosismodasforçasdesegurançaapósconfrontosanteriores.
Conclusão
Podemos dizer que a data e o local estão confirmados com um alto grau de
segurança. A fonte original, por outro lado, não está, então não conseguimos falar
comapessoaquegravouovídeo.
Emúltimaanálise,ovídeomostraoqueafirmamostrar?
Não podemos determinar com 100% de certeza com o material que foi coletado.
Além de conseguir contactar e entrevistar a pessoa que fez o upload, seria
importante reunir mais depoimentos de testemunhas, médicos que trataram as
vítimasedasfamíliasdasvítimas.Paraidentificarasvítimas,nóspoderíamostentar
fazer uma investigação mais detalhada do primeiro vídeo, dividindo-o quadro a
quadro nos momentos-chave do tiroteio para tentar encontrar maneiras de
identificá-lasedepoisderastrearpessoasrelacionadasaelasquesobreviveram.
Mesmocomtodososfatoscomprobatórioseinformaçõesquefuicapazdereunir,o
vereditosobreestevídeoaindanãoédefinitivo.
EstudodeCaso5.3
Confirmandoalocalizaçãoeoconteúdodeumvídeo
Christoph Koettl é o gerente de respostas a emergências
(emergency response) da Anistia Internacional nos EUA. Ele é
especialista na utilização de imagens de satélite, tecnologia
móvelejornalismocidadãoparapesquisaedefesadosdireitos
humanos. Suas especialidades são direito internacional
humanitário, análise de conflitos, mapeamento de crises e
validação de vídeos, e frequentemente ele ministra palestras
sobre tecnologia e direitos humanos, incluindo naSXSW 2014.
Koettl foi testemunha sobre crimes de guerra no Sri Lanka
frenteaoCongressodosEstadosUnidos.Numerososmeiosde
comunicação nacionais e internacionais, incluindo AP, BBC, CNN, Al Jazeera e
Reuters,cobremoseutrabalhoregularmente.OTwitterdeleé@ckoettl.
***
Durante os violentos conflitos no Cairo, em agosto de 2013, houve umvídeo do
YouTubeemparticularquerecebeumuitaatençãodamídia.Posteriormente,ovídeo
original foi removido do YouTube, mas também pode ser visto aqui. A descrição
amplamenteusadaparaessevídeo,queapareceu,porexemplo,notítulodeumpost
de um blog doWashingtonPost, era de que manifestantes haviam empurrado um
carrodepolíciaparaforadeumapontenoCairo.
Comportamentos violentos demonstrados pelos manifestantes são, obviamente,
relevantesnahoradeinvestigarcasosdeusodesproporcionaldaforçapelapolícia,
como fazemos na Anistia Internacional. Também trabalhamos para verificar vídeos
comoobjetivodedeterminarseaconteceramabusosdedireitoshumanos.Porisso,
essevídeocontinhaimagensqueprecisavamdeumaanálisecuidadosa.
Oquesedestacavanovídeo,emcontrastecomadescriçãoeotítulo,eraqueem
nenhum momento os manifestantes podiam ser vistos realmente empurrando o
carro para fora da ponte. Uma análise mais atenta era claramente necessária. A
seguir,explicooquefizparaavaliaroconteúdodovídeoedeterminaralocalização
exatadoincidente:
Um dos primeiros passos para validar um vídeo gravado por usuários é buscar
outros conteúdos que mostrem o mesmo incidente1. Costumo fazer uma busca no
YouTube, no painel do Storyful (um serviço pago) e na seção de notícias aberta do
Storyfulparaencontraroutrosconteúdosemvídeo.Comoobservadonocapítulo5,
eu filtro minhas buscas do Youtube por data de envio para diminuir o número de
resultados.Usandoessasferramentas,encontreiumsegundovídeoquefoifilmado
deumângulodiferente.Eleparecetersidogravadoapartirdeumarranha-céunas
proximidades e, portanto, oferece uma ótima visão de toda a cena. A filmagem
mostraqueninguémrealmenteempurrouocarrodapolíciaparaforadaponte.Em
vez disso, o carro parece ter colidido com outro veículo, o que fez com que ele
rolasse para trás e caísse da ponte. Este segundo vídeo confirmou que o incidente
erareal,mastambémrevelouqueadescrição(eotítulo)eramimprecisos.
Com o novo ponto de vista proporcionado pelo segundo vídeo, tornou-se mais fácil
encontrar o local exato do incidente. O artigo do Washington Post afirmava que a
"Pontede6deOutubro"eraocenáriodovídeo.Ésuficienteparacomeçar,jáqueé
fácil encontrar a ponte em mapas online. No entanto, na verdade ela uma estrada
elevadamuitolongaqueatravessagrandepartedacidade,oquetornoumaisdifícil
encontrarolocalexato.
Ao analisar cuidadosamente o segundo vídeo, um marco se destacou: um estádio
esportivo. Ao encontrar a Ponte de 6 de Outubro no Google Earth, fui capaz de
identificardoisestádiosqueficambempróximos.Depoisdegiraravisualizaçãono
GoogleEarthparaencontraraprovávellocalizaçãoealinhadevisãodapessoaque
estavafilmando,encontreiumlocalquecorrespondiaaosegundoestádio.Depoisde
confirmar a localização geral, foi fácil identificar os arranha-céus com vista para o
incidente. Usando a ferramenta de mapeamento do Google Earth Pro, produzi um
mapageralsimplesmostrandoalocalizaçãodosdoisvídeos,oscamposdevisãoe
marcoshistóricosrelevantes:
Coordenadasdovídeoprincipal:30.058807,31.303089
Por fim, mais duas características confirmaram a localização: uma torre de
transmissão é visível no fundo do vídeo e também nasimagens de satélite. Além
disso, ativei a camada de fotos do Panoramio no Google Earth para procurar
imagens geradas pelos usuários. A camada Panoramio contém fotos
georeferenciadas e geradas pelos usuários que oferecem uma visão do terreno e,
consequentemente, um alto nível de detalhes. Também existem várias fotos feitas
desde a parte de baixo da ponte, onde o carro foi parar, e os pilares da ponte
correspondemperfeitamenteaoqueévistonovídeo.
Graças a uma combinação de buscas de vídeos, Google Earth e Google Maps, fui
capazdeverificarondeovídeofoifilmadoetambémdedesmascararumadescrição
errôneaquepoderiatertidosériasconsequênciasparaosmanifestantesdoCairo.
No final, depois que a história verdadeira sobre por que o carro de polícia caiu da
pontefoiesclarecida,oWashingtonPostpublicouumsegundoposteumacorreção..
Capítulo6
Colocandoasmultidõesparatrabalhar
MathewIngram é um premiado jornalista e consultor de mídia
que passou as últimas duas décadas escrevendo sobre
negócios,tecnologiaenovasmídias,alémdeprestarconsultoria
a empresas sobre estratégia de mídias sociais. Atualmente, é
repórter-sênior da rede de blogsGigaOM, baseada em São
Francisco, onde escreve sobre a evolução da mídia e sobre a
cultura da web. Antes disso, ele foi o primeiro "editor de
comunidades" do mundo - especializando-se em
desenvolvimento e estratégia de mídias sociais - para o jornal
canadenseTheGlobeandMail,ondedesenvolveuaabordagem
do jornal para comentários online, começou a página do veículo no Facebook e
lançou dezenas de repórteres e editores no Twitter. Sua conta no Twitter é
@mathewi.
***
Aideiadeusaropoderdasmassas,deformacolaborativa,paraverificarnotíciase
informações sobre emergências não é tão nova. Os cidadãos, de modo geral,
sempre foram parte crucial de como as notícias são formadas e compreendidas.
Ocorre que as tecnologias sociais como Twitter, Facebook, YouTube e outras
permitem que nos envolvamos diretamente nesse processo de tomada de decisão
compartilhada,emumaescalamuitomaioremaisampla,alémdebemmaisrápida.
Isso não quer dizer que não haja falhas no processo, porque elas existem, mas no
balançogeralprovavelmenteestamosmelhordoqueantes.
Bastapensaremcomoosfatosenotíciaseramdeterminadosnumpassadonãotão
distante: quando uma guerra começava, um furacão atingia uma cidade ou uma
bombaexplodiaemalgumlugar,muitasvezeshaviapoucosjornalistasaoredor,a
não ser por casualidade. Fontes presentes no local retransmitiam as informações
paraumveículodecomunicaçãoeentãoometiculosoprocessodeverificaçãodos
acontecimentoscomeçava,combaseementrevistascomtestemunhas,telefonemas
eassimpordiante.
Agora, temos as mesmas chances de descobrir notícias - principalmente eventos
repentinos e imprevisíveis como terremotos ou atentados - no Twitter, poucos
minutosoumesmosegundosdepoisdoacontecimento.Eemvezdeapenasumaou
duasobservaçõesdeespectadoresetestemunhas,podemosobtercentenasouaté
milhares de relatos. Alguns deles provavelmente são errôneos, como vimos no
atentadodeBostoneoutrassituaçõesdeemergênciasemelhantes,masnogeralé
possívelterumaideiabastanteprecisadoqueaconteceuecomo-emaisrápidodo
quenunca.
A seguir, abordamos alguns dos melhores hábitos para a prática emergente de
verificaçãocombasenasmassas,comopraticadoporinovadorescomoAndyCarvin,
umex-estrategistasêniordaNPR,entreoutros.
Identifique,verifiqueeentreemcontatocomasfontes
Namaioriadoscasos,opontodepartidaéidentificarasfontesquesãoconfiáveis​ ​ e
entãofazerumacuradoria,agregá-laseverificarainformaçãoqueoferecem.Andy
Carvin,daNationalPublicRadio(NPR),construiuoqueelechamoude"redaçãodo
Twitter"apartirdefontesnoOrienteMédioduranteaPrimaveraÁrabe,começando
com pessoas que ele conhecia pessoalmente e usando-as como um meio de
descobriroutrasfontes.
"Oqueeuachorealmenteimportanteéprestaratençãoaoqueessaspessoasestão
falando no Twitter e ocasionalmente no Facebook", disse Carvin a Craig Silverman
emumaentrevistade2011."TantonocasodaTunísiaquantonodoEgito,eujáhavia
conhecidoumameiadúziadefontesemcadapaís."
Carvintambémpediuàspessoasqueconheciapararecomendarouverificaroutras
fontes que ele encontrava através de buscas no Twitter e seguindo hashtags
específicas.Comotempo,elegeroulistascomcentenasdefontesvaliosas.
Essas listas, por sua vez, tornaram-se o motor que permitiu a Carvin twittar em
temporealduranteumasériedeguerras-recebendoinformações,republicando-as,
pedindo ajuda a seus seguidores e fontes para verificá-las, e então postando os
resultados.Emmuitosaspectos,foiumprocessocaótico,masbem-sucedido.
Para gerenciar todos esses contatos, ele construiu listas no Twitter de modo a
organizá-losemgruposlógicoscombaseemtemasoulocalizaçãogeográfica.Hoje,
isso também poderia ser feito com listas de interesse no Facebook, círculos no
Google Plus e outras ferramentas, ou assinando contas do YouTube e construindo
listasdereprodução,entreoutrasopções.
Carvin também tomava outra atitude muito importante, que era entrar em contato
com muitas das suas fontes diretamente ou conhecê-las pessoalmente, para
desenvolver um relacionamento com elas. Muitas pessoas viram apenas o que ele
estava fazendo em sua conta no Twitter, mas ele também passou muito tempo se
comunicando com as pessoas através de Skype, e-mail e outros meios para
confirmarsuasidentidades.
Comodetalhadonoscapítulosanteriores,essestiposdefonteseasinformaçõesque
elas oferecem devem ser verificadas. Depois de usar a pesquisa avançada do
Twitter, a busca do YouTube e outros recursos para encontrar as pessoas e
organizações locais ou com acesso a informações relevantes, você precisa se
esforçarparacontactá-laseverificardeondeainformaçãoestávindo.
Quantomaisvocêinteragircomsuasfonteseaprendersobreelas,maisvocêvaiver
os pontos fortes, fraquezas e parcialidades delas, além de outros fatores que
precisam ser mensurados ao considerar a informação que elas compartilham.
Conformesualistadefontescresce,vocêtambémcomeçaaidentificarpadrõesno
queelasveem,compartilhamerelatam.Eissoforneceamatéria-primanecessária
paratriangularedeterminarexatamenteoqueestáeoquenãoestáacontecendo.
"Algumasdessaspessoasestãotrabalhandoativamenteparaderrubarosgovernos
locais",disseCarvinsobreasfontesqueelecontactouduranteaPrimaveraÁrabe2.
"Só tenho que estar ciente disso o tempo inteiro. Talvez a resposta seja
transparência, de modo que uma determinada pessoa pode estar me dando boas
informações,maseununcadevoesquecerqueelafazpartedaoposição."
Provocandooengajamentodassuasfontes
Em um determinado momento durante a violência na Líbia em 2011, Carvin foi
contactadoporalguémnoTwitterquelhepediu-e,porextensão,àsua"redaçãodo
Twitter"-paraajudaraverificarsemorteirosisraelensesestavamsendousados​ ​ na
Líbia.EledetalhouoqueaconteceuemumStorify3:
A partir dessa pista, Carvin alistou seus seguidores, pedindo-lhes para ajudar a
confirmar se a arma era israelense. Eles responderam com um mix de dicas e
opiniões úteis, além de alguns becos sem saída. Eventualmente, ele recebeu
informaçõesespecíficasqueajudaramaresponderàpergunta:
Nofimdascontas,aarmanãoeraisraelita,esimindiana.Enãoeraummorteiro.
Carvindissequesabiaqueestavarecebendoinformaçõescorretasporqueouviude
váriasfontesqueelesabiaquenãotinhamrelaçãoentresi.
"No caso do que fizemos sobre as supostas armas israelenses, havia muita gente
dandobasicamenteamesmainformaçãoeessaspessoasnãoseconheciam,então
captureialgunsdostweetsnomeuStorify",disse.
É importante lembrar que uma coisa que ajudou Andy Carvin a fazer o que fez foi
recorreraoutraspessoasparapedirajudadeumaformamuitohumanaeacessível.
Ele também tratou as pessoas com quem entrou em contato como colegas, e não
apenasfontesqueelepodiacomandarparafazeroqueelemandasse.Jornalistase
outros profissionais que simplesmente dão ordens recebem muito pouco como
resposta;trataraspessoascomosereshumanosfaztodaadiferença.
OrepórterdeguerradoNewYorkTimesC.J.Chiversusouumaabordagemsimilarà
deCavinparaverificarbombasusadasemváriosconflitosediz 4quenesseprocesso
chega-seàverdademuitomaisrápidodoqueteriasidopossívelnopassado.
Comqualquertipodeinformação,éprovávelquehajapessoasemseucírculosocial
(ou na rede de conexões mais amplas da internet) que sabem a verdade sobre
aqueleincidenteouacontecimento.Vocêapenastemqueencontrá-las.
Chiversdisse:"nessecaso,aprovatornou-sepossívelcomaajudadasferramentas
padrão de cobertura de guerras in loco: a vontade de trabalhar no local dos
acontecimentos, uma câmera digital, uma conexão de internet via satélite, um
laptop,umacontadee-maileumgrupodefontescomconhecimentoespecializado.
Mashouveumareviravolta,queéumreflexodenovasmaneirasemqueaguerra
pode ser examinada em tempo real, usando ferramentas de mídias sociais para
formarmultidõesdeespecialistasemumaredesocial".
O jornalista também celebrou as conquistas de um "jornalista cidadão"5 britânico
conhecidopelonomedeBrownMoses.Eleéumblogueirocujonomeverdadeiroé
Eliot Higgins e que tornou-se especialista em armas químicas assistindo e
verificandomilharesdevídeosdoconflitonaSírianoYouTube.
Higgins não tinha treinamento em jornalismo ou equipamentos militares, mas
tornou-se um elo fundamental na cadeia de verificação, a tal ponto que jornalistas
profissionaiscomoChiverseatémesmoagênciasdeajudahumanitáriarecorreram
a ele. Fontes novas e importantes como Moses podem surgir em determinadas
situações, ou porque se dedicaram a um tema ao longo do tempo ou porque
estavamnolugarcerto(ouerrado)nahoracerta.
"Crowdsourcing"responsável
Umacoisaquequalquerpessoaqueestejatentandocoletareverificarinformações
durante uma crise, seja ela jornalista ou não, precisa ter em mente é que você
também é uma fonte de informação para os outros ao usar redes sociais como
Twitter, Facebook ou Google Plus. Isso significa que qualquer informação sem
fundamento que você postar enquanto faz o seu trabalho de verificação pode
contribuirparaaumentaraconfusãoemtornodoacontecimento.
Tenhaissoemmenteaotwittaroupostardetalheseprocurarconfirmação.Amelhor
abordagem é ser o mais aberto possível sobre o que está acontecendo e lembrar
repetidamente seus seguidores ou conexões sociais de que você está procurando
ajuda,enãoapenaspropagandoinformaçõesnãoconfirmadas.
Paraevitarconfusão,sejaomaisclaropossívelsobreoquevocêsabeeoquevocê
não sabe e sobre que tipo de informação você necessita ajuda para confirmar. No
caso de alguns detalhes sensíveis ou polêmicos, é melhor tentar confirmá-los por
métodosofflineantesdeusarredessociaisououtrosrecursosonline.Vocêpode​ ​ ter
ocuidadodesinalizarainformaçãocomo"nãoconfirmada"ou"rumor",masesses
avisos muitas vezes podem desaparecer quando as informações começarem a se
espalhar. Todos nós temos a responsabilidade de levar em consideração essa
realidadeeevitarcontribuirparamaisconfusãooudesinformaçãoemumasituação
decrise.
Opoderdasmassas
Algoritmos e buscas automatizadas podem gerar uma enorme quantidade de
conteúdo quando se trata de fatos noticiosos, conforme detalhado no próximo
capítulo. Mas, sem dúvida, só os seres humanos podem vasculhar e dar sentido a
todoesseconteúdodeformaeficienteeemtemporeal.ExemploscomoAndyCarvin
eBrownMosestêmnosmostradoqueamelhorferramentaparafazerissoéuma
rededefontesconfiáveis​ ​ queestãofocadasemumaáreatemáticaespecíficaouem
umlocalfísicoespecífico-umaredequevocêpodeusarcomosuaprópriaredação
colaborativa.
No entanto, esse tipo de relacionamento com as fontes deve ser tomado com
seriedade.Nãosetrataapenasdeumaferramentaouumprocessoquelhepermite
fazeroseutrabalhooucompletarumatarefadeformamaisrápidaeeficiente;éum
esforço colaborativo, e você deve estar preparado para fornecer tanto quanto
recebe.
1. http://www.cjr.org/behind_the_news/is_this_the_worlds_best_twitter_account.php?
page=all↩
2. http://www.cjr.org/behind_the_news/is_this_the_worlds_best_twitter_account.php?
page=all↩
3. http://storify.com/acarvin/how-to-debunk-a-geopolitical-rumor-with-yourtwitt2↩
4. http://atwar.blogs.nytimes.com/2011/06/10/following-up-part-i-battlefieldrefuse-social-media-and-qaddafis-cluster-bombs/↩
5. http://www.theguardian.com/world/2013/mar/21/frontroom-blogger-analysesweapons-syria-frontline↩
Estudodecaso6.1
Desmascaradopelagramáticaárabe
Tom Trewinnard é o gerente de pesquisa e comunicação da
Meedan, uma organização sem fins lucrativos de tecnologia
social que trabalha no projeto Checkdesk, desenvolvendo
ferramentasparaverificaçãocolaborativaonline.Otwitterdele
é[@Tom_El_Rumi](https://twitter.com/Tom_El_Rumi).
M.SH. é co-fundador do grupo de mídia Shabab Souria
( JuventudeSíria),queelecrioucomamigosdepoisdeanalisara
dinâmicaentrejornalismocidadãoemídiademassaduranteas
manifestaçõesnaTunísia,noEgitoenaLíbianoiníciode2011.
***
ShababSouria( JuventudeSíria)éumarededesíriosquevivemdentroeforadaSíria
e colaboram usando ferramentas online para verificar e publicar atualizações a
partirdeváriaspartedopaís.Seufuncionamentoseassemelhaaodeumgrupode
Facebook aberto, mas bem administrado, e seus membros verificam de forma
colaborativaascentenasdenotíciasqueemergemdiariamentedasmídiasoficiaise
redes sociais. Em seguida, eles publicam o conteúdo verificado em árabe e inglês
usandooCheckdesk.
Checkdesk é uma plataforma de código aberto para redações e coletivos de mídia
para verificar e publicar materiais em mídia digital sobre fatos noticiosos. O
Checkdesk foi lançado pela Meedan em julho de 2013, tendo como parceiras seis
importantes organizações de mídia do Oriente Médio. Todas elas conduziram uma
sériedeoficinasdentrodesuascomunidadesparaformarcidadãosemusocrítico
damídia,conhecimentodefontesetécnicasdeverificaçãodigitais.
UmbomexemplodecomoaShababSouriafuncionaparadesmascarareverificar
informaçõesaconteceuem5dedezembrode2013.Umapessoaqueseidentificava
comoShamal-OroubapostouumvídeodoYouTubenogrupodaShababSouriano
Facebook. No vídeo, um homem barbudo era identificado como membro do grupo
jihadista Seyoof al Islam e afirmava que o grupo havia realizado ataques contra a
comunidadecristãdeSaydnaeomosteiroDeirQuerubins.
Suanarrativadossupostosataqueseraintercaladacomimagenspouconítidasque
mostravam o que aparentavam ser danos a um edifício no topo de um morro e a
umaestátuadeJesusCristo.AoapresentarovídeoparaaredeShababSouria,AlOroubafezumaperguntasimples:"confirmadoounegado?"
OmembroMohammadFakhrEddin(todososmembrosdogrupousampseudônimos
paraseproteger)respondeurapidamente,observandoqueincorreçõesgramaticais
sutis no árabe do apresentador são atípicas para um jihadista. Com base na sua
experiência de rever centenas de vídeos e outros conteúdos de jihadistas, o grupo
percebe que essas pessoas costumam ser eloquentes na sua utilização da
linguagem.
Outro usuário, Abu Nabil, concordou que o fraco árabe do apresentador o havia
traído, sinalizando que ele não era quem dizia ser. Nabil acrescentou que o Islã
proíbe ataques contra igrejas e outros usuários concordaram que os grupos
jihadistas geralmente não atingem igrejas na Síria, a menos que haja uma forte
razãomilitarparafazê-lo.
Shamya Sy e Mohammad Fakhr Eddin acrescentaram outra informação importante
sobreafonte:elesdisseramqueapessoaqueenviouovídeoparaoYouTube-Nizar
Nayouf - é notoriamente pouco confiável. Eles afirmaram que, no passado, Nayouf
haviasidoresponsávelporfazerpropagandapró-AssadvisandodifamargruposantiAssad.
"Isso não pôde ser confirmado a partir de outras fontes", escreveu Karam Abu alFaraty em um post no grupo. Ninguém conseguiu localizar outros relatos, fotos ou
gravações de Seyoof al Islam ou outros grupos jihadistas atacando Deir Querubins
ouacomunidadecristãnoSaydna.
Com o tempo, membros de um grupo como o Shabab Souria desenvolvem suas
própriasáreasdeespecialização,assimcomoumareputaçãoporseutrabalho.Sye
al-Faraty são conhecidos como bons investigadores: através do seu histórico de
checagem cuidadosa da mídia eles se estabeleceram como experts confiáveis em
matéria de verificação. O fato de que foram eles os responsáveis por identificar a
fontedovídeocomopoucoconfiáveldeumaispesoàinformação.
No final, o grupo demorou menos de três horas para determinar que o vídeo era
falso. Ao reunir a experiência de vários membros, eles foram capazes de procurar
outrascenasourelatoscorroborandoovídeo,examinarequestionaracredibilidade
dafonte,analisaroconteúdodagravaçãoeidentificaraspectosquequestionavam
suaautenticidade.
Sete usuários diferentes colaboraram para verificar o vídeo. Se ele fosse
consideradoverdadeiro,ofalsorelatóriojihadistapoderiatercontribuídoparauma
guerradepropagandacontínuaqueinfluenciarianãosóoscivisdentrodaSíria,mas
também políticos no exterior. Como escreveu um usuário na lista de discussão: "O
problema é que sabemos que isso é falso, mas a mídia ocidental vai considerá-lo
real."
Tudo isso ocorreu num momento em que uma intervenção militar internacional
parecia uma possibilidade real. Por isso, era essencial que o vídeo fosse
desmascarado e que fosse anunciado publicamente que ele era falso, através das
mídiassociaisquetornaram-setãocruciaisparaofluxodeinformaçõesnoconflito
daSíria.
Capítulo7
Adicionandoamultidãodigitalàmultidãohumana
Patrick Meier (Ph.D.) é internacionalmente reconhecido como
lídernaaplicaçãodenovastecnologiasparaajudahumanitária.
Atualmente, ele é o diretor de inovação social do Instituto de
PesquisaemComputaçãodaFundaçãoQatar(QCRI,doinglês),
onde desenvolve protótipos deTecnologias Humanitárias da
Próxima Geração. Antes de ingressar no QCRI, Patrick foi
cofundadorecodiretordoProgramadeMapeamentodeCrises
eAlertasRápidosdaHHIeatuoucomodiretordemapeamento
decrisesemUshahidi.SeublogiRevolutionjárecebeumaisde1
milhãodevisitas.OTwitterdePatrické:@patrickmeier.
***
Jornalistasinvestigativoseprofissionaisdaáreadedireitoshumanostêmusadohá
décadasumacombinaçãodeestratégiasparaverificarinformaçõesemsituaçõesde
emergência e notícias de última hora. Esse tipo de experiência é ainda mais
valorizadacomocrescimentodonúmerodeconteúdosgeradospelosusuários.
Noentanto,muitosestãosevoltandocadavezmaisparaa"computaçãoavançada"
para acelerar e possivelmente automatizar o processo de verificação. Tal como
acontece com qualquer outra técnica, usar computação avançada para verificar o
conteúdo de mídias sociais em tempo quase real traz tanto promessas quanto
armadilhas.
A computação avançada consiste em dois elementos: computação de máquina e
computação humana. A primeira utiliza técnicas de processamento de linguagem
natural e aprendizado de máquina, enquanto a última se baseia em métodos de
"crowdsourcing"e"microtasking".
Atualmente,aaplicaçãodecomputaçãoavançadaparaverificarconteúdosgerados
pelosusuáriosélimitadaporqueocampodepesquisaaindaénovoeasplataformas
e técnicas de verificação descritas abaixo ainda estão sendo desenvolvidas e
testadas. Como resultado, ainda não se sabe exatamente quanto elas irão
acrescentar ao processo de verificação, mas os avanços na tecnologia devem
continuar trazendo novas maneiras de ajudar a automatizar os elementos do
processodeverificação.
Estamos em um momento importante na aplicação de computação avançada para
verificar o conteúdo gerado pelos usuários, pois estão sendo desenvolvidos três
novos projetos nessa área. Este capítulo fornece uma visão geral deles e um
backgroundsobreaformaemqueacomputaçãohumanaedemáquinaestãosendo
usadas​ ​ (ecombinadas)noprocessodeverificação.Antes,deixe-meacrescentarum
aviso: eu liderei os esforços de resposta humanitária digitais descritos abaixo para
Haiti, Filipinas e Paquistão. Além disso, também estou envolvido no projeto Verily e
com a criação do Credibility Plugin (Plugin de Credibilidade) para o Twitter, que
tambémserãomencionadosaseguir.
Computaçãohumana
Na computação humana, também conhecida como "crowd computing", uma
máquina terceiriza certas tarefas a uma ou várias pessoas. Posteriormente, ela
coletaeanalisaastarefasprocessadas.
Umdosprimeirosusosdecomputaçãohumanaemcasosdeemergênciafoiapóso
terremoto no Haiti, em 2010.A Ushahidi Inc. criou uma plataforma de computação
humana online para gerar micro divisões na tradução de mensagens de texto
urgentes em crioulo haitiano para o inglês. Essas mensagens vinham de
comunidadesafetadaspordesastresemPortoPríncipeearredores.Emseguida,os
textos traduzidos passavam por uma triagem e eram acrescentados ao Mapa de
CrisenoHaitidaUshahidi.Atraduçãodostextosfoiaprimeiraeúnicavezemquea
Ushahidi usou uma plataforma de computação humana para administrar
informações relacionadas a uma crise, mas o sucesso dessa técnica informática
chamouatençãoparaoquãovaliosaelaéemrespostasadesastres.
Depoisdisso,acomputaçãohumanafoiusadanovamenteem2012,emrespostaao
Tufão Pablo, nas Filipinas. A pedido das Nações Unidas, a Digital Humanitarian
Network (DHN, ou Rede Humanitária Digital, em tradução livre)coletou e analisou
todosostweetspostadosduranteasprimeiras48horasdepoisqueotufãoatingiua
terra. Mais especificamente, os voluntários da DHN foram convidados a identificar
todasasimagensevídeospostadosnoTwitterquerevelavamdanoscausados​ ​ pelos
fortes ventos e chuva. Para realizar a operação, a DHN usou uma plataforma de
microtasking livre e de código aberto, aCrowdCrafting, para marcar tweets e
imagensindividuais.Emseguida,osdadosprocessados​ ​ foramusadosparacriarum
mapacomosdanosdecorrentesdodesastre.
O sucesso da resposta da computação humana ao Tufão Pablo motivou o
lançamento de uma nova plataforma de microtasking chamada MicroMappers.
Desenvolvida com um software CrowdCrafting, a MicroMappersfoi usada pela
primeiravezemsetembrode2013paraatribuir"tags"atweetseimagenspostadas
onlinedepoisdoterremotonoBaluchistão.EssaoperaçãofoirealizadapelaDHNem
respostaaumpedidodaONUnoPaquistão.
Emsuma,acomputaçãohumanaestácomeçandoaganharforçanacomunidadede
ajuda humanitária, mas até agora ainda não tem sido usada para verificar o
conteúdodemídiassociais.
PlataformaVerily
A plataforma Verily, que estou ajudando a desenvolver, usa computação humana
parafazercrowdsourcingrapidamentedeindíciosquecorroboramoudescreditam
informações postadas nas redes sociais.Esperamos que o Verily seja usado para
ajudaraorganizarrelatosconflitantessobreestragosquefrequentementesurgem
depois de um grande desastre. A plataforma também poderia ser usada para
verificarimagensevídeos.
OVerilyfoiinspiradonoRedBalloonChallenge(DesafiodoBalãoVermelho),lançado
em 2009 pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada do Departamento de
Defesa dos EUA (DARPA). O desafio requeria que participantes identificassem
corretamente a localização de 10 balões meteorológicos vermelhos plantados nos
EstadosUnidos.Otimevencedor,doMIT,encontroutodososbalõesemmenosde
novehorassemseafastardosseuscomputadores.Naverdade,elesrecorreramàs
redessociais-principalmenteaoTwitter-paramobilizaropúblico.Depoisdoinício
dacompetição,aequipeanunciouqueseganhasse,emvezdeficarcomoprêmiode
40mildólaresiacompartilhá-locomosmembrosdopúblicoqueajudaramnabusca
dosbalões.Alémdisso,elesincentivaramaspessoasaconvidarmembrosdesuas
redes sociais para se unir à busca,escrevendo: “estamos dando 2 mil dólares por
balãoparaaprimeirapessoaquenosenviarascoordenadascorretas,masissonão
étudo-tambémvamosdarmildólaresàpessoaqueaconvidou.Evamosdar500
dólaresparaquemconvidouessapessoae250aquemconvidouessaoutraeassim
pordiante.
AplataformaVerilyusaomesmomecanismodeincentivosobaformadepontos.Em
vezdeprocurarbalõesporumpaísinteiro,noentanto,elafacilitaaverificaçãodos
relatospublicadosemredessociaisduranteosdesastresdemodoacobrirumaárea
geográficamuitomenor-normalmenteumacidade.
PensenoVerilycomoummuraldoPinterestcomitensqueconsistememperguntas
dotipo"simounão".Porexemplo:"apontedoBrooklynfoibloqueadaporcausado
Furacão Sandy?". Os usuários do Verily podem compartilhar esse pedido de
verificaçãonoTwitterounoFacebooketambémenviare-mailsàspessoasqueeles
conhecemquevivemnasproximidades.
Quem tem indícios para responder à questão contribui com o mural do Verily, que
tem duas seções: uma para postagens que respondem à pergunta de verificação
afirmativamenteeoutraparaasquefornecemumarespostanegativa.
Ostiposdeprovasquepodemserpostadasincluemtexto,imagensevídeos.Cada
indícioenviadoparaomuraldoVerilydeveseracompanhadoporumaexplicaçãoda
pessoaquefezapostagemsobreporqueaquelaprovaérelevanteecredível.
Como tal, um objetivo paralelo do projeto Verily é fazer crowdsourcing do
pensamentocrítico.AplataformaVerilydeveserlançadanapáginawww.Veri.lyem
2014.
Computaçãodemáquina
Oterremotode8,8grausdemagnitudequeatingiuoChileem2010foiamplamente
divulgadonoTwitter.Comocostumaacontecer,juntoaostweetsveioumaondade
rumoreseinformaçõesfalsas.
Um dos boatos foi de um alerta de tsunami em Valparaíso e outro foi o relato de
saques em alguns bairros de Santiago. Embora esse tipo de boato se espalhe,
pesquisas empíricas recentes demonstraram que o Twitter tem um mecanismo de
autocorreção. Umestudo de tweets postados pouco depois do terremoto chileno
concluiu que usuários do Twitter costumam rejeitar tweets não confiáveis,
questionandosuacredibilidade.
Analisando esse fenômeno, pesquisadores demonstraram que a credibilidade dos
tweets poderia ser prognosticada. Pesquisas relacionadas tambémrevelaram que
tweets com certas características frequentemente são falsos. Por exemplo, o
tamanho dos tweets, o sentimento das palavras usadas e o número de hashtags e
emoticons utilizados fornecem indicadores sobre a provável credibilidade de
mensagenspublicadasnoTwitter.Omesmovaleparatweetsqueincluemlinkspara
imagens ou vídeos — a linguagem contida nos tweets que contêm links para
conteúdos multimídia pode ser usada para determinar se aquele conteúdo é crível
ounão.
Tomados em conjunto, esses dados fornecem às máquinas os parâmetros e a
inteligência que elas precisam para começar a prever a precisão de tweets e de
outros conteúdos publicados em redes sociais. Isso abre as portas para que a
automação passe a ter um papel maior no processo de verificação durante
desastreseoutrassituaçõesdeemergênciaedenotíciasdeúltimahora.
Em termos de aplicações práticas, essas descobertas têm sido usadas para
desenvolverum“CredibilityPlugin”(PlugindeCredibilidade,emtraduçãolivre)parao
Twitter.Paraesseprojeto,minhaequipedoInstitutodePesquisaemComputaçãoda
Fundação Qatar está trabalhando em parceria com o Instituto de Tecnologia da
InformaçãoIndraprasthaemDeli,naÍndia.
Essepluginvaiavaliartweetsnumaescalade0a100combasenaprobabilidadede
que o conteúdo de cada um deles seja considerado digno de crédito e deve ser
lançado ainda em 2014. A principal vantagem desta solução de computação de
máquinaéqueelaétotalmenteautomatizadae,portanto,maisescaláveldoquea
plataformadecomputaçãohumanaVerily.
Computaçãohíbrida
A plataforma Artificial Intelligence for Disaster Response (AIDR, ou "Inteligência
Artificial para Resposta a Desastres", em tradução livre) é um híbrido dos modelos
decomputaçãohumanaedemáquina.
Ela combina a computação humana (microtasking) com a computação de máquina
(machinelearning)."Microtasking"significapegarumatarefagrandeedividi-laem
uma série de tarefas menores. "Machine learning", ou aprendizado de máquina,
envolveensinarumcomputadoraexecutarumatarefaespecífica.
AAIDRpermiteaosusuáriosensinaraumalgoritmocomoencontrarinformaçõesde
interessenoTwitter.Oprocessodeensinoéfeitousandomicrotasking.Porexemplo,
se a Cruz Vermelha estivesse interessada em monitorar o Twitter para detectar
referências a danos de infraestrutura após um desastre, eles poderiam usar a
interfacedemicrotaskingdaAIDRparamarcar(selecionar)tweetsquesereferema
danos. O algoritmo iria, então, aprender com este processo e automaticamente
encontraroutrostweetsquetambémfazemreferênciaaoassunto.
Essa abordagem de computação híbrida pode ser utilizada para identificar
automaticamenterumoresbaseadosemumconjuntoinicialdetweetsreferentesa
eles. Essa identificação rápida dos rumores e sua fonte é um componente
importante da verificação de conteúdos gerados pelos cidadãos. Isso permite aos
jornalistaseprofissionaisdeajudahumanitáriarastrearafontedasinformaçõese
saberquemcontactarparadaropróximopassoparaverificá-las.
No entanto, o objetivo não deve ser apenas identificar informações falsas ou
enganosasnasredessociais,mastambémcombaterecorrigirainformaçãoomais
rápidopossível.AprimeiraversãodoAIDRfoilançadaemnovembrode2013.
Acelerandooprocessodeverificação
Como observado anteriormente, as plataformas de verificação movidas a
computaçãoavançadaaindaestãonosseusestágiosiniciais,oquesignificaquesua
realcontribuiçãoparaaverificaçãodeconteúdosgeradospelosusuáriosaindanão
está clara. Mesmo que essas plataformas sejam frutíferas, seus primeiros passos
enfrentarão restrições importantes, mas este trabalho inicial é essencial para que
possamos nos mover em direção a aplicações significativas da computação
avançadanoprocessodeverificação.
Uma limitação atual é que a AIDR e o Credibility Plugin, descritos acima, são
totalmente dependentes de uma só fonte: o Twitter. Plataformas de verificação
através de diferentes mídias são necessárias para triangular relatórios em
diferentes fontes, meios de comunicação e linguagens. O Veri.ly chega perto de
cumpriressanecessidade,masdependeinteiramentedeintervençãohumana,não
sendopossívelaumentarsuaescalafacilmente.
De qualquer forma, essas soluções estão longe de ser a grande saída que tantos
procuramemtermosdeverificação.Assimcomooutrasplataformasdeinformação,
elas também podem ser sabotadas com tempo e esforço suficientes. Ainda assim,
essasferramentasoferecemapossibilidadedeaceleraroprocessodeverificaçãoe
é provável que continuem avançando na medida em que mais esforços
einvestimentossãofeitosnessaárea.
Estudodecaso7.1
ComooOpenStreetMapusoupessoasemáquinasparamapear
áreasafetadasdepoisdoTufãoHaiyan
DanStowellécientistadacomputação,especialistaemanálise
deáudio.EletambémécolaboradorregulardoOpenStreetMap
e participa da Equipe Humanitária do OpenStreetMap, uma
iniciativa que projeta mapas digitais, convoca pessoas para
trabalhar em campo e cria softwares personalizados para
reduzir o risco de desastres. Ele tem experiência em
desenvolvimentodesoftwareslivreseaprendizadodemáquina
eatuacomopesquisadordaQueenMaryUniversitydoLondon’s
CentreforDigitalMusic.Seusitepodeserencontradoaqui.
***
O OpenStreetMap é um banco de dados de mapas construído com um modelo de
colaboraçãoecopyleftquemuitosreconhecemporcausadaWikipédia.Elefornece
alguns dos mapas mais detalhados disponíveis para acesso público, especialmente
paramuitospaísesemdesenvolvimento.
Quando o tufão Haiyan atingiu as Filipinas em 2013, um grupo de mapeadores
voluntários se reuniu para mapear e validar os danos provocados na área. Ele foi
coordenadopelaEquipeHumanitáriadoOpenStreetMap(HOT,dasiglaeminglês),
querespondeaincidenteshumanitáriosconvocandovoluntáriosparamapearáreas
afetadas de forma rápida. O trabalho combina validação humana com análises
automatizadas para obter resultados que são usados por organizações como Cruz
VermelhaeMédicosSemFronteirasparaorientarasequipespresentesnolocaldos
acontecimentos.
A HOT mantém uma rede de voluntários coordenados através de uma lista de
discussãoedeoutrosmeios.Vinteequatrohorasantesdeotufãoatingiroslocais
afetados, os membros discutiram as áreas suscetíveis de serem atingidas e
avaliaram a qualidade dos dados existentes, preparando-se para uma resposta
rápida.
Quando o tufão atingiu as Filipinas e foi confirmado como um "incidente
humanitário",aequipedaHOTconvocousuarededevoluntáriosparacontribuircom
o mapeamento da área, incluindo prioridades de mapeamento específicas
solicitadas por agências de ajuda humanitária. Havia dois objetivos principais: o
primeiroerafornecerummapageraldetalhadodeáreaspovoadaseestradas;eo
segundoeraobterumanoçãodecomoestavaasituaçãonolocalapósodesastre.
Ondehaviaedifíciosdanificadosoudestruídos?Quaisponteshaviamcaído?
O trabalho foi coordenado e priorizado através do Gerenciador de Tarefas da HOT
(fotoabaixo),umaplataformamultitarefaparaaelaboraçãodemapas.Elepermite
que os administradores da HOT especifiquem uma série de tarefas a serem
executadas-comomapearasestradaseedifíciosdentrodeumaáreadefinida-e
divide cada tarefa em pequenos quadrados, cada um deles gerenciável por um
mapeadorvoluntárioapartirdeimagensaéreas.
DurantearespostaaoHaiyan,maisde1.500mapeadorescontribuíram,comaté100
deles usando o gerenciador de tarefas ao mesmo tempo. Dividir cada tarefa foi
crucialparafazermelhorusodessesesforçoscombinados.
Depois de reivindicar uma tarefa, um usuário edita sua área do OpenStreetMap e
então pode marcar seu quadrado de tarefa como "concluída" (os quadrados
vermelhosnafoto).Noentanto,ogerenciadordetarefasrequerqueumasegunda
pessoa, mais experiente, examine o trabalho feito antes que o item possa ser
marcado como "validado" (verde). Se a tarefa não tiver sido feita corretamente, o
status de "concluída" é removido pela segunda pessoa. Os mapeadores podem
deixar comentários na página da tarefa, explicando razões para invalidá-la ou
destacandoquaisquerproblemasencontradosnomapeamento.
Imagens aéreas são cruciais para permitir que os "mapeadores de poltrona"
contribuam remotamente traçando estradas, edifícios e outras infraestruturas. A
MicrosoftforneceimagensglobaisdoBingparausodoseditoresdoOpenStreetMap
eelasforamutilizadasduranteoTufãoHaiyan.
Representantes da HOT também entraram em contato com agências e empresas
comoaNASA,aUSGSeaDigitalGlobeparaobterimagensaéreasdealtaresolução.
Quandoelasficaramdisponíveis,aequipedaHOTcriounovospostosdetrabalhono
gerenciador de tarefas, pedindo aos voluntários para validar mais e melhorar o
mapadasFilipinasusadocomobase.
OGerenciadordeTarefaséaetapadevalidaçãomaisvisível,masoecossistemado
OpenStreetMap também apresenta muita validação automática (orientada por
máquinas). Softwares de edição de mapas ("JOSM") validam automaticamente as
ediçõesdeumusuárioantesdoupload,alertandosobredadosimprováveis,tais
comoedifíciossobrepostosouriosquesecruzamsemseencontrar.
Outras ferramentas automatizadas verificam regularmente o banco de dados do
OpenStreetMap e destacam possíveis problemas. Cartógrafos experientes muitas
vezes as utilizam para pós-moderação: eles podem corrigir ou reverter edições
problemáticasouentraremcontatodiretamentecomousuário.
Esse fluxo de trabalho (combinado com uma coordenação permanente e
comunicaçãovialistasdee-mail,blogsewikis)forneceumaestruturadevalidação
adicional em relação ao modelo do OpenStreetMap, que é de uma comunidade
gerenciadaporpessoas.
O modelo permanece extremamente aberto, sem pré-moderação e com uma
hierarquia semiformal de validadores; no entanto, ele produz rapidamente mapas
altamente detalhados que são muito valiosos para as agências internacionais de
ajudahumanitária.
Já que os dados estão abertos, as agências que respondiam às necessidades no
período que se seguiu ao Tufão Haiyan foram capazes de usá-los de muitas
maneiras diferentes: elas os imprimiram como mapas; fizeram download para
unidades SatNav de equipes de resposta; os usaram para localizar centros
populacionais como vilas e aldeias; e os analisaram para compreender os padrões
desurtodedoenças.
Esses dados do mapa, atualizados rapidamente, também podem ser usados por
jornalistas com algum conhecimento de dados geográficos; por exemplo, para
fornecer informações contextuais geolocalizadas sobre dados vindos de outras
fontes, como o Twitter, para ajudar a validar relatos sobre impactos em diferentes
áreasouparaproduzirinfográficossobreoimpactoeapropagaçãodeumdesastre.
Capítulo8
Preparando-separaacoberturadedesastres
Sarah Knight é a diretora de conteúdo regional da rede de
rádios públicasABCLocalRadio na Austrália. Em seus 25 anos
na Australian Broadcasting Corporation (ABC), Sarah foi
responsável pela cobertura de diversas emergências para a
Local Radio, incluindo os incêndios em Roleystone Kelmscott e
noMargaretRiverem2011eociclonetropicalRustyem2013,
entre muitas outras. Ela tem sido uma das líderes no
treinamento em práticas de cobertura de emergências dentro
da organização. Knight é responsável por equipes em seis
estações de rádio no oeste da Austrália, desde o sul, que é
propenso a incêndios e inundações, ao norte, onde costumam ocorrer ciclones,
incêndioseinundações.
***
Veículosdecomunicaçãotradicionalmentetêmtidodoispapéisbásicosduranteuma
situação de crise. O primeiro é proporcionar às pessoas as informações de que
precisamparareagiraumevento.Essasinformaçõesdevemserclaras,oportunase
inequívocas. Muitas vezes, elas vêm diretamente de órgaos do governo, exército,
bombeiros,políciaououtrafonteoficial.
Osegundopapeléoqueasredaçõespraticam(oudeveriampraticar)todososdias:
compartilhar informações críticas de forma justa e sem parcialidade ou
preconceitos.
Hoje em dia, existe também uma terceira função. As pessoas hoje muitas vezes
ficamsabendosobreaameaçadeumdesastrenaturalououtrotipodeemergência
através das redes sociais. Em vez de serem os primeiros a informar as pessoas
sobre um acontecimento do tipo, redações jornalísticas e outras organizações
frequentemente se encontram agindo como uma segunda fonte crítica de
verificação;umfiltroqueseparainformaçõesvaliosasdosruídosdecomunicaçãoe
boatos.
Apreparaçãoéachaveparaobterinformaçõesprecisasparaaspessoasquedelas
necessitam e para garantir que você não transmita informações falsas
acidentalmente.
O que você pode fazer para se certificar de obter as informações de que precisa
paramanteraspessoasseguraseserafonteconfiáveldurantemomentosdecaose
confusão?Nestecapítulo,veremosalgumasmaneirassimplesdeseprepararpara
oferecerinformaçõesrápidasedequalidadeduranteumaemergência.
Princípiosdepreparação
Aprimeiracoisaadecidiréquepapelinformativosuaempresavaiexercer.Vocêvai
fazer reportagens e/ou ajudar a comunidade com emissão de alertas e conselhos
imediatos? A Australian Broadcasting Corporation separa os dois papéis. Nossas
reportagenseprogramasnasemissorasdaLocalRadio,eatécertopontoonosso
canaldenotícias24horas,oNews24,emitemalertaseconselhosoficiaiseexibem
reportagensmaiscompletasposteriormente.
AspolíticasdaABCdeterminamqueadifusãoemcasosdeemergênciaconsisteem
transmitiravisosformaiseoficiaisrelacionadosaumacontecimentoeinformações
fornecidas por outras fontes, incluindo chamadas de ouvintes e mídias sociais e o
quechamamosde"recoverybroadcasting",queconsistenatransmissãodehistórias
humanas,depessoascomuns,comoobjetivodeajudá-lasaserecuperar.
Informaçãolocal
Depois de definir os papéis, o próximo passo é armar sua equipe com as
informaçõeslocaisdequeprecisampararesponderrapidamenteeparaentenderas
implicações de uma possível ameaça. Isso significa analisar que tipos de situações
deemergênciapodemocorreremsuaregiãoeseprepararparaelas.
Algumasperguntasaconsiderar:
Quaissãoosdesastresnaturaismaiscomunsemsuaregião?
Quetipodecrimeouemergênciacostumaocorrer?
Quaissãoasestruturascríticasnaárea(estradas,pontesetc.)?
Háagênciasdogovernoouinstalaçõesmilitaresquepoderiamseralvosde
ataques?
Quaissãoasestradaseoutroselementosdeinfraestruturamaisarriscados,
quefrequentementesãocenáriosdeincidentes?
Quebairros/regiõessãopreferidosporgangues,gruposrebeldesetc.?
Agora que você já identificou algumas das situações mais prováveis, comece a
construirumalistadefontesconfiáveis​ ​ -tantooficiaisquantonão-oficiais-queterão
informaçõesimportanteseúteis.
Issoincluisocorristas(elesestãonoTwitter?EnoFacebook?Vocêpodemontaruma
lista com os perfis para tê-la pronta quando necessário?), bem como especialistas
locais em universidades, ONGs e órgãos do governo, além dos reponsáveis por
comunicaçãoemimportantesagências,empresaseoutrasorganizações.
Reúna números de telefone, contas de Twitter e Facebook e coloque tudo em um
formatoúnicoeacessível,sejaumbancodedados,planilhacompartilhadaououtra
formaquepreferir.Organizeseuscontatosdeacordocomotipodesituaçãoemque
elespodemsermaisúteis.
Construindorelacionamentos
Todo jornalista ou trabalhador de ajuda humanitária precisa de contatos. Mas isso
não significa apenas números de telefone e outros detalhes - é preciso construir
relacionamentos. Fontes confiáveis para as quais você pode ligar para obter
informaçõesdequalidade.Fontesqueconfiamemvocê.
Essaconfiançanãovaisedesenvolverinstantaneamenteduranteumaemergência.
Vocêprecisaserproativo.Sepossível,encontresuasfontescaraacara.Convide-as
para conhecer sua redação, escritório ou outras instalações. Mostre a elas o que
você faz com as informações que elas fornecem. Explique como você irá ajudar a
fazeramensagemchegaratéaspessoasquedelanecessitam.Tireumtempopara
visitá-lasevercomoelastrabalhamduranteumaemergência.Entendaosprocessos
e as pressões sobre elas. Conhecer suas fontes pessoalmente vai lhe ajudar a ter
prioridadequandoelasestiveremocupadaslidandocomváriassolicitações.
Além das relações com pessoas-chave em serviços que atendem a emergências e
outrasorganizações/agências,dêatençãoaorelacionamentocomoseupúblico.
Seráqueelessabemquevocêvaifornecerinformaçõesrapidamente?Seráqueeles
sabem quando eles provavelmente vão ouvir ou ver essa informação? Será que
sabem quais os serviços que você oferece - e não oferece - durante uma
emergência?
Pararedações,pautasproduzidassãoumaformadecomunicaramensagemdeque
vocêvaiserumafontedeinformaçõesquepodemajudarapopulação.Porexemplo,
na ABC publicamos matérias quedão uma ideia de como a próxima época de
incêndios vai ser, além deguias para montar um kit de sobrevivência em
emergências. Esse tipo de conteúdo pode ser oferecido por redações jornalísticas,
agências de ajuda humanitária e outras organizações, e ajuda a dar uma ideia de
comovocêpodeserútilparaopúblico.
Tambéméimportanteestimularofluxodeinformaçõesnooutrosentido.Seupúblico
será uma valiosa fonte de informação durante uma emergência. Incentive os
cidadãos a ligar, mandar e-mails ou enviar SMS com informações. Isso pode
começar com situações cotidianas como engarrafamentos, fotos das condições
meteorológicas,entreoutrascoisas.
Treinandoaequipe
Na ABC, nós começamos com um Plano de Transmissão em Emergências. Nesse
plano há instruções claras sobre como tratar avisos oficiais no ar, além de
informaçõescomomapasdecoberturadetransmissão,paracertificar-sedequeas
advertênciascheguemàspessoasafetadas.
Também faz parte desse plano uma série de informações que os âncoras podem
usar no ar para ajudar as pessoas, vindas de várias agências de gestão de
emergências.Porexemplo:"enchasuabanheiracomáguaparaquevocêpossausála para apagar incêndios no local, se a pressão da água cair", ou "aperte todas as
telasdesegurançacontraciclones.Bloqueiejanelasexpostasusandotábuasoufitas
isolantesresistentes."
Partedesuapreparaçãotambémdeveincluircompilarrecomendaçõesquepodem
ser oferecidas ao público quando ocorre uma catástrofe. Isso pode ser coletado
quandovocêentraremcontatocomsuasfontescomantecedência.
Certifique-se de criar processos internos que exigem se reconectar com as fontes
para garantir que essas informações sejam atuais. Essa atualização pode ser
programada,casosuaregiãosejapropensaasituaçõesdeemergênciarelacionadas
comoclima.
NonortedaAustrália,porexemplo,osciclonessãoumagrandepreocupação.Eles
tambémsãorelativamenteprevisíveis,jáqueháumaestaçãoemqueaocorrência
delesémaisprovável.Antesdessatemporada,nossosplanoslocaissãoatualizados
e as agências de atendimento a emergências são contactadas para que possamos
verificar se as informações e os contatos ainda estão corretos. Os funcionários se
reúnemparaexecutartodososprocedimentosempequenosgrupos.
Isso não só garante que as informações contidas no plano sejam atuais, mas
também ajuda a restabelecer os relacionamentos com fontes que possam ter sido
negligenciadosduranteumperíodomaiscalmo.
Uma ferramenta que nós achamos útil ao treinar funcionários são hipóteses com
base nas experiências anteriores. As hipóteses forçam a equipe a pensar o que
fariam nesse cenário e às vezes podem levar a grandes discussões sobre as
melhorespráticas.Tecnologiaeferramentasmudamrapidamente,entãoestapode
serumaótimamaneiradegarantirquevocêsestejamatualizados.
Nóslançamosessashipótesesemdiferentesníveis,porexemplo:
Oquefazerquandoumeventoclimáticocatastróficoéprevisto?
Oquevocêfazquandoéconvidadoaevacuaroestúdio?
Esevocêestánoseuturnodetrabalhonormalechegaumalerta?
Asaúdeeasegurançanotrabalhosãopreocupaçõescentrais.Certifique-sedeque
sua equipe tenha a formação adequada para estar em zonas perigosas. Na
Austrália, por exemplo, as autoridades de incêndio e de emergência realizam
sessõesdeformaçãoparaosmeiosdecomunicaçãosobrecomotransmitirnotícias
a partir de zonas de incêndio; funcionários não são enviados para tais locais sem
concluirotreinamento.
Agências de atendimento a emergências muitas vezes executam sessões de
treinamentodemídiaparajornalistas-sobreosperigosdeiratélocaisdeincêndios,
por exemplo. Isso pode ser especialmente importante se apenas jornalistas
credenciados com essa formação forem capazes de passar por barreiras para
relatar a história. Além disso, o treinamento em si é outra maneira de o jornalista
fazer contatos dentro da organização de emergência e começar a construir
confiança. Para as organizações de ajuda humanitária, treinar a equipe é
especialmente importante, pois eles podem permanecer no local dos
acontecimentosporlongosperíodosdetempo.
Por fim, não negligencie os novos membros de sua equipe. Temos uma política de
treinar o pessoal sobre os procedimentos para noticiar emergências em até duas
semanas depois da sua entrada na empresa. Emergências infelizmente não
esperamporumasessãodetreinamentoanual!
Comunicaçãointerna
Não basta ter vias de comunicação rápida com as partes interessadas externas.
Vocêtambémprecisaelaborarumfluxodetrabalhoecomunicaçãoparavocêeseus
colegastrabalharemjuntos.
Algumasquestõesimportantesaconsiderarearesponderincluem:
Comovocêvaicomunicaroqueestáfazendoaorestodaempresa?
Queméoencarregadodetomarasdecisõesfinaissobreoqueé
compartilhado/publicado/transmitido?
Existeumpaywall(cobrançapeloacessoaediçõesdigitais)queprecisaser
desativadoduranteumaemergência?
Vocêsvãoterumaseçãoespecíficanosite?
Oqueasuaequipedesuportetécnicoprecisasaber/fazer?Equantoaosseus
desenvolvedoresdesites?Eoseditoresderedessociais?
Seustransmissoreseoutrasinfraestruturasimportantesestãoseguros?
Na ABC, desenvolvemos um Relatório de Situação que é distribuído amplamente,
atravésdonossosistemadee-mails,quandoháumaemergênciasignificativa.Isso
garantequetodostenhamumaideiadaameaçaedarespostadaABCedequem
estágerindoasituaçãodeemergênciainternamente.
O"Sitrep"éumaferramentaútilnãoapenasparasecomunicarinternamente,mas
tambémcomoumalistadeverificaçãoparaosgestoresquandoexisteoperigode
paralisiadevidoàsobrecargadeinformação.1
2Para saber mais sobre isso, consulte a publicação “The Checklist Manifesto”, por
AtulGawande
Grupos de distribuição por e-mail com as pessoas-chave das equipes em cada
Estadoforamcriadosesãomantidosregularmenteparafacilitaradistribuição.Você
tambémpodeusarlistasdeenviodeSMSeoutrasformasdecompartilhamentode
informaçõescomseusfuncionários.NósusamosoWhispir,umaferramentainterna
dee-mail/textoquepodeemitiralertasdeemergênciaparanotíciasdeúltimahora.
Durante uma grande emergência, como os recentes incêndios florestais de New
South Wales, pedimos ao resto da rede para não entrar em contato com a equipe
que está lidando com a situação para pedir entrevistas sobre o acontecimento.
Pedimos também que as equipes de fora da área afetada não liguem para as
autoridades de emergência, para que elas não fiquem sobrecarregadas. Às vezes
alocamos alguém para lidar especificamente com os pedidos de fora, para que
nossa equipe possa se dedicar a oferecer informações úteis para as pessoas sob
ameaça.
Quandosetratadeverificação,ofator-chaveparasecomunicaréofluxodetrabalho
deacordocomoqualasinformaçõesserãoreunidas,verificadasedepoisaprovadas
ou negadas para publicação. Quem faz a verificação e quem revisa esse trabalho?
Comovocêgarantequecadapartedoconteúdosejaanalisadapormuitosolhosao
mesmo tempo em que consegue avançar rapidamente e transmitir informações
importantes?
Broadcastingderecuperação
Osveículosdecomunicaçãosemprequeremcobrireresponderaumaemergência
durante o auge do desastre, mas as comunidades afetadas podem levar muitos
meses ou anos para se recuperar. As redações devem se planejar para ir a esses
lugaresdepoisdoacontecimentoparaapoiarascomunidadescominformaçõesque
eles possam usar. Essa questão não é tanto um problema para organizações de
ajudahumanitária,quecostumamencararesseaspectocomprioridade.
Estar lá durante esse momento pode construir a confiança em relação à
organização. Uma das queixas mais comuns nas situações posteriores a uma
emergênciaésobreumsentimentodeabandono.
Você também precisa ajudar na recuperação de sua equipe. Uma conversa
("debrief")apósaemergênciaéessencialparapermitirqueaspessoasdesabafeme
para certificar-se de que você entendeu o que aconteceu, a fim de melhorar o seu
serviçonapróximavez.Nãotenhadúvida:haveráumapróximavez.
Os membros da equipe também devem receber atenção individual. Muitas vezes,
essesacontecimentospodemsertraumáticos,enãoapenasparaaquelesquevão
fisicamente à zona do desastre. Os funcionários podem ter sido afetados
pessoalmente,commembrosdafamíliaemrisco,porexemplo.
Depois dos incêndios florestais "Black Saturday" que aconteceram em Victoria, na
Austrália,em2009,muitosfuncionáriosrelataramsentir-seimpotentesapósreceber
inúmerostelefonemasdepessoasdesesperadasqueviviamnaszonasdeincêndio.
AnosdepoisdasinundaçõesdeQueenslandde2011,aequipeque"aguentoufirme"
relatou sintomas de estresse pós-traumático. É importante que a equipe e os
gerentes reconheçam os sintomas de estresse no local de trabalho e tenham as
ferramentasourecursosàmãoparaajudar.
Vocêpodecobrirumaemergênciasempreparação,masasuacoberturaserámais
eficaz e menos estressante para a equipe se você criar um plano, desenvolver
relacionamentos com as partes interessadas, estabelecer os caminhos de
comunicaçãodentrodesuaorganizaçãoeassegurarobem-estardopessoalatravés
de treinamento, oferecendo apoio durante um evento emergencial e tendo
conversaseficazesposteriormente.
Dicaparaasorganizaçõesdeajuda
As organizações de ajuda humanitária precisam considerar o público-alvo das
informações. Seu objetivo é obter informações e fornecê-las para seu pessoal
presentenolocal,paradirecionarseusesforços?Vocêestáoferecendoinformações
para a mídia ou para o governo? Você está se comunicando diretamente com o
públicopormeiodasredessociais?
Lembre-se que se você não disser às pessoas o que a sua organização está
fazendo...quemvaidizer?Alguémvai,eessapessoapodenãosermuitoespecífica.
Certifique-sedequenãohajaumvácuodeinformação.
1. http://www.cjr.org/behind_the_news/is_this_the_worlds_best_twitter_account.php?
page=all↩
2. http://www.cjr.org/behind_the_news/is_this_the_worlds_best_twitter_account.php?
page=all↩
Estudodecaso8.1
ComoaNHKNewsaprendeucomacoberturadoterremotode2011
noJapão
Takashi Ōtsuki é o vice-diretor do Centro de Meteorologia e
Desastres noNHKNews , onde é responsável pela preparação
prévia e cobertura de desastres em grande escala.
Anteriormente, ele trabalhou nas unidades regionais do NHK,
nosdepartamentosTVNewseCityNews,cobrindováriostipos
dedesastresnaturais,incluindoaerupçãodoMonteOyamana
Ilha Miyake e do Monte Usu no norte do Japão, e o terremoto
İzmitde1999naTurquia.
***
QuandoumterremotoatingiuoJapãonatardede11demarçode2011,aNHK,única
emissora pública do país, estava transmitindo um debate ao vivo no seu canal
principal.
A Agência Meteorológica do Japão ( JMA, do inglês) emitiu um alerta 30 segundos
depoisdequeoterremotofoidetectadoeaNHKreagiuimediatamenteinserindoa
imagemdeummapa(verabaixo)quemostravaoepicentrodoterremotoeindicava
áreas onde poderia haver tremores. O gráfico também era acompanhado por um
aviso sonoro. A JMA emite alertas e avisos baseados em dados de sismógrafos
colocadosportodooJapão.
Um minuto depois do alerta da JMA, todos os programas de TV e rádio da NHK
mudaramparaacoberturaaovivo,diretodoestúdio,sobreoterremotoeoalertade
tsunamirelacionadoaele.
ANHKtrabalhaemestreitacolaboraçãocomaJMAparagarantirumaltopadrãode
prevenção de catástrofes e de rápida comunicação dos acontecimentos. A NHK
desenvolveu um sistema que nos permite criar gráficos rapidamente e produzir
automaticamente os scripts de notícias para a equipe no ar. Também realizamos
treinamentostodososdias,depoisdameia-noite,quandonãoháprogramassendo
veiculados. Isso ocorre porque estamos constantemente monitorando e falando
sobre terremotos. Esse compromisso com o preparo para catástrofes fez com que
fôssemos capazes de começar a cobertura ao vivo logo após a detecção do
terremoto.
ApreparaçãoparadesastresnaNHKnãosebaseiaapenasnosalertasdaJMA.Nós
também operamos e monitoramos filmagens de 500 câmeras-robô instaladas nas
grandes cidades, em zonas costeiras e ao redor de usinas nucleares. Isso nos
proporcionaumaincrívelquantidadedeimagensaovivoemcasodedesastres.Por
exemplo,duranteoterremoto,umacâmeracapturouumaondatsunami30minutos
depoisqueotremorfoidetectado(mostradoabaixo).
Além das câmeras, a NHK usou imagens aéreas captadas a partir de helicópteros
para mostrar os efeitos do terremoto e do tsunami. Assim, fomos capazes de
transmitiraovivoimagensinesquecíveisdeumtsunamidestruindocasasemSendai
apenasumahoradepoisdoterremoto(vejaabaixo).
Em2014,teremos15helicópterosestacionadosem12locaisaoredordoJapão.Isso
irá nos permitir alcançar e transmitir a partir de qualquer local do país dentro de
umahora.
A NHK também fez um esforço para levar a cobertura do terremoto a diferentes
plataformas.Transmissõesdetelevisãoerádioaovivoforamemitidaspormeiode
plataformascomoUstreameNiconicoLive.Recebemosmuitospedidosdepessoas
queprocuravaminformaçõessobreasegurançadeseusentesqueridos.Parafazer
isso em escala, a NHK colocou todas as informações que possuíamos noGoogle
PersonFinder,que"ajudaaspessoasasereconectarcomamigoseentesqueridos
apósdesastresnaturaisehumanitários".
Adaptaçãoemelhoria
Apósoterremoto,aNHKadaptounossaabordagemdecoberturadedesastrespara
melhorar as áreas de fraqueza e aprimorar o que já fazíamos. Aqui estão cinco
novasiniciativasquelançamos:
1 . Melhoramos as reportagens sobre desastres para garantir que possam ser
entendidas tanto visualmente quanto auditivamente. Antes, nossas coberturas
enfatizavam uma abordagem factual focada principalmente em comunicar os
detalhes de um terremoto, como seu epicentro, a altura esperada de um tsunami
etc. Hoje, no caso de uma grande emergência, um apresentador irá pedir
imediatamente aos telespectadores para evacuar os locais onde estejam, quando
necessário.Osrepórterestambémenfatizamanecessidadedefazeressasaídacom
calma, de modo a não causar pânico. Além disso, usamos uma arte que pode
aparecer sempre que há uma chamada para a evacuação imediata (veja abaixo).
Isso garante que as pessoas com deficiência auditiva recebam a informação
essencial.
2 . Na sequência do terremoto de 2011, muitos veículos de comunicação se
basearamemcomunicadosdeimprensadogovernoedaempresadefornecimento
energéticopararelatarasituaçãodasusinasnucleares.Issofoi,emparte,resultado
deumacessolimitadoàsplantasnuclearesesignificouquenãofomoscapazesde
verificarasinformaçõesdeformaindependente.Paraseprepararmelhoregarantir
quepossamosapresentarinformaçõesoficiaisemumcontextomaispreciso,agora
formamosjornalistasemtemascientíficoseespecializados.Tambémprocuramose
apresentamosasopiniõesdeváriosespecialistasemostramosprevisõesdoimpacto
deumterremotoedequaisqueracidentesemusinasnucleares.
3 . Pessoas em áreas afetadas por desastres usaram as redes sociais para se
conectarcomjornais,rádioslocaiseumascomasoutras.Paragarantirquenossos
repórteres usem as mídias sociais de forma eficaz ao cobrir um desastre, a NHK
desenvolveu novas diretrizes que fornecem protocolos para lidar com conteúdos
gerados pelos usuários, tais como a inclusão de advertências relacionadas com o
nível de verificação que pudemos aplicar a uma determinada informação. As
diretrizestambémincluemconselhossobrecomoidentificarinformaçõesfalsas.
Além disso, estabelecemos uma equipe de "Escuta Social" que se concentra no
monitoramentoeverificaçãodemídiassociais.Aequipe(mostradaabaixo)fazuso
pesadodelistasdoTwitterparapré-estabelecerumarededefontesconfiáveispara
ummelhoracompanhamentoeverificaçãodosfatosquandoalgoacontece.
4.ANHKdesenvolveusuaprópriaplataformadeconteúdogeradopelosusuários,a
NHKScoopBox.Aplataformareúnedetalhespessoaiselocalizaçãodequemenvia
um conteúdo, tornando mais fácil entrar em contato diretamente com a pessoa e
confirmar as informações. Quando um tornado atingiu a região de Kanto em
setembrode2013,aScoopBoxnospermitiuidentificarafonteeverificar14itensde
conteúdo gerado por usuários, que foram usados em transmissões nacionais e
locais.
5 . No período posterior ao terremoto, perdemos as imagens de várias de nossas
câmeras-robôdepoisqueumafaltadeenergiaatingiuáreasafetadaspelotsunami.
DevidoàextensãodosdanoseàsrestriçõesdesegurançaemFukushima,equipes
da NHK foram incapazes de recarregar as câmeras. Para evitar isso no futuro,
desenvolvemos um sistema para gerar energia através de energia eólica e solar e
armazená-la de forma mais segura nas câmeras-robô. (Veja abaixo imagens que
mostram uma câmera da NHK e os painéis solares que ajudam a mantê-la
funcionando.)
Capítulo9
Criandoumprocessoeumachecklistdeverificação
Craig Silverman é um jornalista empreendedor e fundador e
editor doRegret the Error, um blog do Poynter Institute sobre
erros da mídia, precisão e verificação de informações. Ele
também desenvolveu umcurso sobre checagem de dados na
era digital para a Poynter News University. Além disso, Craig
Silverman atua como diretor de conteúdo daSpundge, uma
plataforma que permite aos profissionais crescer e monetizar
seus conhecimentos através de conteúdo. Anteriormente,
Silverman ajudou a lançar a OpenFile, uma startup de notícias
online que publicava reportagens locais em seis cidades
canadenses. Ele é o autor de "Regret The Error: How Media Mistakes Pollute the
Press and Imperil Free Speech" ("Lamente o erro: Como erros da mídia poluem a
imprensa e põem em risco a liberdade de expressão", em tradução livre) e seu
trabalho foi reconhecido por instituições como U.S. National Press Club, Mirror
Awards,CrimeWritersofCanadaeNationalMagazineAwards(Canadá).SeuTwitter
é@craigsilverman.
Rina Tsubaki lidera e administra as iniciativas "Verification
Handbook" e "Emergency Journalism" noEuropean Journalism
CentrenaHolanda.EmergencyJournalismreúnerecursospara
profissionais de mídia e comunicação que noticiam sobre
situações voláteis na era digital, e Tsubaki tem falado com
frequência sobre esses tópicos em vários eventos, incluindo
uma reunião da ONU e o Festival Internacional de Jornalismo.
Anteriormente,elagerenciouváriosprojetoscomfoconopapel
doscidadãosnocenárioemtransformaçãodamídia,eem2011
ela foi a principal colaboradora doInternews Europe's report
sobreopapeldacomunicaçãoduranteoterremotoqueocorreuemmarçodaquele
ano no Japão. Ela também colaborou com o Hokkaido Shimbun, um jornal diário
regionaljaponês.OTwitterdelaé@wildflyingpanda.
***
Fundamentosdaverificação
Estabeleçaumplanoeprocedimentosparaverificaçãoantesqueocorram
desastresenotíciasdeúltimahora.
Verificaçãoéumprocessoepodevariardeacordocomcadafato.
Verifiqueafonteeoconteúdoqueelafornece.
Nuncareproduzadiretamenteouconfieemfontes,sejamelastestemunhas,
vítimasouautoridades.Relatosemprimeiramãopodemserimprecisosou
manipuladores,alimentadospelaemoçãooumoldadosporfalhasde
memóriaouperspectivaslimitadas.
Desafieasfontes,perguntando"comovocêsabedisso?"e"dequeoutra
formavocêsabedisso?"
Trianguleoqueelasafirmamcomoutrasfontesconfiáveis​ ​ ,incluindo
documentação,taiscomofotosegravaçõesdeáudio/vídeo.
Pergunteasimesmo:"euseiosuficienteparaverificá-lo?"Vocêtem
conhecimentosuficientesobreostemasqueexigemacompreensãode
complexidadesétnicas,religiosaseculturais?
Trabalheemconjuntocomsuaequipeecomespecialistas;nãofaçatudo
sozinho.
Verificandoconteúdogeradospelousuários
Partadopressupostodequeoconteúdoéimprecisooufoiremendado,
cortado,editado,duplicadoe/oureenviadosobumcontextodiferente.
Sigaestespassosaoverificarconteúdogeradopelosusuários(UGC):
1.Identifiqueeverifiqueafonteoriginaleoconteúdo,incluindolocal,datae
horaaproximada.
2.Trianguleedesafieafonte.
3.Obtenhapermissãodo(s)autor(es)parautilizaroconteúdo(fotos,vídeos,
áudio).
Semprecoleteinformaçõessobrequemenviouoconteúdoeverifiqueo
máximopossívelantesdeentraremcontatoeperguntardiretamenteseas
pessoassãodefatovítimas,testemunhasoucriadoresdoconteúdo.
1.Identifiqueeverifiqueafonteoriginaleoconteúdo,incluindolocal,datae
horaaproximada
Procedência
A primeira etapa da verificação de UGC (conteúdo gerado pelos usuários) é
identificaroconteúdooriginal,sejaeleumtweet,imagem,vídeo,mensagemdetexto
etc.Algumasperguntasparacomeçar:
Vocêpodeencontraromesmoconteúdo/mensagemousimilaremoutro
lugaronline?
Quandoaprimeiraversãodelefoicarregada/filmada/compartilhada?
Vocêconsegueidentificarolocal?Oconteúdoestágeolocalizado?
Existemsiteslinkadosapartirdele?
Vocêconsegueidentificarapessoaquecompartilhou/enviouoUGCe
contactá-laparaobtermaisinformações?(Consulteaseção"Fonte"abaixo.)
Aolidarcomimagensevídeos,useoGoogleImageSearchouoTinEyepararealizar
uma busca reversa da imagem/vídeo. Se vários links para a mesma imagem
aparecerem, clique em "Ver outros tamanhos" para encontrar a mais alta
resolução/tamanhodisponível,quenormalmenteéaimagemoriginal.
Paraverificaraprocedênciadeimagens:
UseoGoogleImageSearchouoTinEyepararealizarumabuscadeimagem
reversa.Sevárioslinksparaamesmaimagemaparecerem,cliqueem"Ver
outrostamanhos"paraencontraramaiorresolução/tamanho,que
normalmenteéaimagemoriginal.
VerifiqueseaimagemtemtodososdadosEXIF(metadados).Useum
softwarecomooPhotoshopouferramentasgratuitascomoo
Fotoforensics.comouFindexif.comparaverinformaçõessobreomodeloda
câmera,adataehoradaimagem(atenção:osdadospodeminformar
configurações-padrãodofabricante)easdimensõesdaimagemoriginal.
RedessociaiscomoTwitter,FacebookeInstagramremovemamaioriados
metadados.OFlickréumaexceção.ExperimenteusarGeofeediaeBan.jo
paraidentificarosdadosdeGPSdodispositivomóvelquecarregoua
imagem.
Paraverificaraprocedênciadevídeos:
Usesiglas,nomesdelugareseoutrostermosparafazerumaboapesquisa
depalavras-chaveemplataformasdecompartilhamentodevídeocomo
YouTube,VimeoeYouku.
UseoGoogleTranslateaolidarcomconteúdoemumalínguaestrangeira.
Useofiltrodedataparaencontrarosprimeirosvídeosquecorrespondemàs
palavras-chave.
UseoGoogleImageSearchouoTinEyepararealizarumabuscareversade
miniaturasdevídeo(thumbnail).
Fonte
Depoisdeidentificaroconteúdooriginal,reúnainformaçõessobreseu(s)autor(es).
Oobjetivoéconfirmarseapessoaportrásdacontaéumafonteconfiável.Examine
a"pegadadigital"deumuploadfazendoasseguintesperguntas:
Vocêpodeconfirmaraidentidadeeocontatodapessoa?
Vocêestáfamiliarizadocomestaconta?Oconteúdoeareportagemsobreela
semostraramconfiáveisnopassado?
Verifiqueohistóricodouploadernaredesocial:
Quãoativoeleénaconta?Sobreoqueelefalaeoquecompartilha?
Queinformaçõesbiográficassãoevidentesnaconta?Existemlinksparaoutro
lugar?
Quetipodeconteúdoelehaviacarregadoantes?
Ondeouploadermora,ajulgarpelohistóricodaconta?
Verifiqueaquemelesestãoconectadosnaredesocial:
Quemsãoosseusamigoseseguidores?
Quemelesestãoseguindo?
Comquemelesinteragem?
Elesestãonaslistasdemaisalguém?
Tenteencontraroutrascontasassociadascomomesmonome/loginde
usuárioemoutrasredessociais,afimdeencontrarmaisinformações:
Sevocêencontrarumnomereal,useasferramentasdepesquisadepessoas
(Spokeo,WhitePages,Pipl.comeWebMii,porexemplo)paraencontrar
informaçõescomoendereço,e-mailenúmerodetelefone.
Confiraoutrasredessociais,comooLinkedIn,parasabermaissobrea
experiênciaprofissionaldapessoa.
ConfiraseacontadoTwitteroudoFacebookéverificada,passandoomouse
sobreo"tique"azul.SeacontahouversidoverificadapeloTwitterou
Facebook,umpop-upirádizer"contaverificada"ou"páginaverificada".
Ao lidar com imagens e vídeos, adote a perspectiva da pessoa que os registrou.
Essasperguntastambémfuncionamparaverificarinformaçõestextuais.Façaparasi
mesmoasseguintesperguntassobreafonteparaverificarasuacredibilidade:
Quemsãoeles?
Ondeelesestão?
Quandoeleschegaramlá?
Oqueviram(eoqueémostradoemsuafoto/vídeo)?
Ondeelesseposicionam?
Porqueelesestãolá?
Conecte a atividade deles com quaisquer outras contas online que eles tenham
fazendoestasperguntas:
PesquisenoTwitterouFacebookqualéocódigoúnicodovídeo-existem
contasfiliadas?
Existemoutrascontas-GooglePlus,umblogousite-listadasnoperfilde
vídeoouassociadasaesteuploaddealgumaoutraforma?
Quaisinformaçõesexistentesnascontasdeassociadosindicamlocalização
recente,atividade,confiabilidade,predisposiçõesouinteressespessoais
relacionadosaotema?
Háquantotempoestascontasestãoativas?Quãoativoselessão?(Quanto
maistempoemaisativos,maisconfiáveiselesdevemser.)
Comquemascontasderedessociaissãorelacionadaseoqueissonosdiz
sobreouploader?
Podemosencontrarinformaçõeswhoisdeumsiteafiliado?
ApessoaestálistadaemlistastelefônicaslocaisouemsitescomoSpokeo,
Pipl.comouWebMiiounoLinkedIn?
Seuscírculossociaisonlineindicamqueelesestãopertodo
acontecimento/local?
Conteúdo
Data
Verifique a data e a hora aproximadas, particularmente quando se trata de
fotos/vídeos:
Observeasinformaçõessobreoclimanodiaenolocalondeoevento
aconteceu.Ascondiçõesclimáticassãoasmesmasdasprevisõesdotempo
locaisedeoutrosconteúdossobreomesmoacontecimento?UseoWolfram
Alphapararealizarumapesquisa(porexemplo,"comoestavaoclimaem
Londres,Inglaterra,em20dejaneirode2014?").
Procureemfontesdenotíciasreportagenssobreosacontecimentosdesse
dia.
Usandopesquisasdeimagemevídeo(YouTube,Google,TinEyeetc.)vejase
conteúdosanterioresdomesmoacontecimentoantecedemseuexemplo.
(EstejacientedequeoYouTubedeterminaadataehorausandoohorário
padrãodoPacíficoapartirdomomentoemqueoenviocomeça.)
Paraimagensevídeo,procurequaisquerelementosidentificadoresque
indiquemadata/hora,comorelógios,telasdetelevisão,páginasdejornaletc.
Localização
Outroaspectocrucialdaverificaçãoéidentificaralocalizaçãodoconteúdo:
Oconteúdoincluiinformaçõesautomáticasdegeolocalização?(Serviços
comoFlickr,PicasaeTwitteroferecemaopçãodeincluirlocalização,embora
issonãosejainfalível.)
Encontrepontosdereferênciaparacompararcomasimagensdesatélitee
fotografiasgeolocalizadas,taiscomo:
Placas/letreirosemprédios,placasderua,placasdecarro,outdoorsetc.Use
oGoogleTranslateoufree.orc.comparatraduçãoonline.
Elementosdapaisagemcomoserras,gruposdeárvores,penhascos,riosetc.
Edifícioseconstruçõescomoigrejas,minaretes,estádios,pontesetc.
Useafunção"fotos"doGoogleStreetViewouGoogleMapsparaverificarse
asfotografiasgeolocalizadascoincidemcomalocalizaçãodaimagem/vídeo.
UseoGoogleEarthparaexaminarimagens/vídeosmaisantigos,jáqueele
forneceumhistóricodeimagensdesatélite.Useavisãodeterrenodo
GoogleEarth.
UseWikimapia,aversão"crowdsourced"doGoogleMaps,paraidentificar
pontosdereferência.
Usecondiçõesmeteorológicas,taiscomoluzdosolousombras,para
determinarohorárioaproximado.UseoWolframAlphaparapesquisar
previsõesdotempoemumlugarehorárioespecíficos.
Placasdeveículos.
Roupas.
Paravídeos:
Examineo(s)idioma(s)falado(s)novídeo.Verifiquesesotaquesedialetos
correspondemàlocalizaçãogeográfica.Lembre-sequeoGoogleTranslate
nãooferecetraduçõescorretasparaalgunsidiomas.Peçaajudaapessoas
quefalamalíngua.
Asdescriçõesdevídeosãoconsistenteseseoriginampredominantemente
dealgumlocalespecífico?
Osvídeostêmdata?
Casoosvídeosemumacontausemumlogotipo,eleéomesmoemtodos
vídeos?EstádeacordocomoavatarnacontadoYouTubeouVimeo?
Ouploader"raspa"(fazremendos/cortes)vídeosdeveículosdecomunicação
eoutrascontasdoYouTubeousófazuploaddeconteúdosgeradospelo
usuário?
Ouploaderescreveusandoumagíriaoudialetoidentificávelnanarraçãodo
vídeo?
Osvídeosnestacontatêmumaqualidadeconsistente?(NoYouTube,vápara
ConfiguraçõesedepoisQualidadeparadeterminaramelhorqualidade
disponível.)
Asdescriçõesdevídeotêmextensõesdearquivocomo.AVIou.MP4notítulo?
Istopodeindicarqueovídeofoicarregadodiretamentedeumdispositivo.
AdescriçãodeumvídeonoYouTubediz"EnviadoviaCapturadoYouTube"?
Issopodeindicarqueovídeofoifilmadoemumsmartphone.
2.Trianguleedesafieafonte
Depoisdeseguirospassosacima,pergunteasimesmo:
Asimagens/vídeos/conteúdofazemsentidodadoocontextoemqueforam
registrados?
Algumacoisaaparentaestarforadolugar?
Algumdosdetalhesdafonteourespostasparaasminhasperguntasnão
batem?
Algumveículodecomunicaçãodistribuiuimagens/vídeossemelhantes?
ExistealgonoSnopesrelacionadoaisso?
Algumacoisapareceestranhaouboademaisparaserverdade?
Quando entrar em contato com a fonte, faça perguntas diretas e compare as
respostas com informações que você obteve através de sua própria investigação.
Certifique-sedequeasrespostasdelescorrespondemàssuasdescobertas.
Paraimagens:
Aofazerasperguntas,reflitasobreoquevocêsabeapartirdosdadosEXIF
e/ouinformaçõesdegeolocalizaçãodeferramentascomoGoogleStreetView
eGoogleMaps.
Peça-lhesparaenviaroutrasimagensquetenhamsidotiradasantesedepois
daimagememquestão.
Seaimagemfordeumlocalperigoso,verifiquesempreseapessoapode
falarcomvocêemsegurança.
Paravídeos:
Sevocêtiverdúvidassobreaconstruçãodovídeo,usesoftwaresdeedição
comooVLCmediaplayer(gratuito),Avidemux(gratuito)ouVegasPro(pago)
paradividirumvídeoemquadros.
3.Obtenhapermissãodoautorparautilizaroconteúdo
Leisdedireitosautoraisvariamdepaísparapaíseostermosdeusosãodiferentes
de serviço para serviço. Obter permissão para usar imagens, vídeos e outros
conteúdoséessencial.
Aoprocurarpermissão:
1. Sejaclarosobrequalimagem/vídeoquevocêdesejausar.
2. Expliquecomooconteúdoseráusado.
3. Esclareçacomoapessoadesejasercreditada.Elapreferequevocêuseum
nomereal,umnomedeusuárioouqueacrediteanonimamente?
4. Considerequaisquerconsequênciasdeutilizaroconteúdoe/ouonomeda
pessoa.Énecessáriodesfocarosrostosporrazõesdesegurançae
privacidade?Seráqueapessoaqueproduziuouenviouoconteúdopodeser
colocadaemperigosevocêacreditarcomseunomereal?
Preparando-se para uma verificação de sucesso em desastres e situações de
notíciasdeúltimahora
Aquiestãoalgumasdicasparacriarummelhorprocessodeverificação:
1.Construaemantenhaumarededefontesconfiáveis
Crieumalistadefontesconfiáveis​ ​ incluindooficiaisenãooficiais,como
socorristas,especialistasacadêmicos,ONGs,órgãosgovernamentaisetc.
Reúnaemumbancodedados/planilhacompartilhadanãosomenteascontas
deredessociais,mastambémnúmerosdetelefoneee-mails.
CrielistasdeTwitterorganizadasemgruposlógicoscombaseemtópicosou
localizaçãogeográfica.Encontreasfontesconfiáveis​ ​ atravésdepesquisas
avançadasnoTwittereseguindohashtagsespecíficas.Vocêtambémpode
usaraslistasdeinteressedoFacebookecírculosdoGooglePlus,assinaros
canaisdoYouTubeecriarlistasdereprodução.
Nuncatrateaquelescomquemvocêsedeparaemredessociaiscomo
apenasfontes.Trate-oscomosereshumanoseseenvolva.Elessãoseus
colegas.
Nomeiodamultidão,háfontesconfiáveisquedesenvolveram,seja
profissionalmenteounão-profissionalmente,experiênciaemumaárea
temáticaespecífica.Háambémfontesemumlocalespecífico.
Construaaconfiançausandoredessociaiseconhecendoaspessoas
pessoalmente.Peça-lhespararecomendare/ouajudá-loaverificarasfontes.
Aointeragircomelas,vocêvaiaprenderquaissãoseuspontosfortes,pontos
fracos,preconceitoseoutrosfatores.
2 . Identifique o papel que você/sua organização vai desempenhar no momento e
quaisquerpossíveissituaçõesdecatástrofes
Identifiqueoseupapelnacomunicaçãodedesastres.
Determinecomovocêdevesecomunicardemodoeficazemcasode
emergência.
Pensesobrequemvocêquersecomunicar,quaissãoasinformaçõesúteis
paraessesgrupos-alvoeotipodelinguagemquevocêdeveusarpara
aconselhá-los.
Estruturesuacomunicaçãointernaeexterna.
3.Treine,converseeapóiesuaequipeeseuscolegas
Estabeleçaoconjuntodeferramentas,fluxodetrabalhoeprocedimentosde
comunicaçãoparausaremsituaçõesdecatástrofes.
Forneçatreinamentosituacional,especialmenteparaaquelesquevivemna
áreaondeseesperaquecertostiposdedesastresaconteçam.
Forneçaparasuaequipeapossibilidadedeparticiparemprogramasde
treinamentosobredesastresoferecidospelosserviçosdeemergência.
Preparescripts/mensagensqueserãousadosemsituaçõesespecíficasde
desastre.
Planejecontatosregularescomasprincipaisfontesparaassegurarquesuas
informaçõesdecontatoestejamatualizadas.
Conversecomsuaequipeapósacoberturaeajusteseusplanosde
emergênciaetreinamentoparaadaptar-seanovosaprendizados.
Nãosubestime"traumas"e"estresses"resultantesdacoberturadecrises.
Ofereçaapoioquandonecessário.
Box9.1
Avaliandoeminimizandoriscosaousarconteúdogeradopelos
usuários
Como curadora do canal de direitos humanos na WITNESS,
Madeleine Bair lidera uma equipe que obtém, verifica e
contextualiza vídeos produzidos por cidadãos registrando
abusos de direitos humanos no mundo todo. Antes disso, ela
viajou pelo mundo por quase uma década como repórter de
jornal impresso, rádio e multimídia. Suas matérias foram
publicadas no The Washington Post, San Francisco Chronicle e
Orionetransmitidasno"TheWorld"e"POV",daPRI.
***
Fotosevídeosvindosdeáreasdomundorepletasderepressãoeviolênciapolítica
ouquedocumentampopulaçõesvulneráveis​ ​ incluemriscosalémdapossibilidadede
queoconteúdotenhasidofabricadooumanipulado.Nessassituações,osindivíduos
atrás e na frente da câmera podem enfrentar risco de prisão, perseguição, tortura
ou morte. Esse perigo pode aumentar se a mídia internacional tiver acesso à
filmagem.
Vimos isso durante a Revolução Verde de 2009 no Irã, quando aGuarda
RevolucionáriaIslâmicausoufotosestillsdevídeoencontradosonlineparaatingiros
manifestantes e montou um processo colaborativo para identificá-los - ações que
preocuparamacomunidadeativista.
A exposição de identidadecoloca os indivíduos sob o risco de represálias por
autoridades repressoras e pode levar a estigma social, com consequências
potencialmente graves. Assim como as organizações noticiosas aderem a padrões
deproteçãodaprivacidadedasvítimasdeestupro,osjornalistasdevemconsiderar
osmesmospadrõesaousarvídeosqueexpõempessoasvulneráveis,especialmente
seelesparecemtersidoregistradossemoseuconsentimento.
Porexemplo,em2013,organizaçõesnorte-americanasdemídiaonlineededefesa
dos direitos humanos informaram sobre alarmantes abusos visando a judentude
LBGT na Rússia. Muitos de seus artigos incluíam fotografias e vídeos feitos por
criminosos que abusaram de suas vítimas - exposição quepoderia perpetuar os
danoseoestigmasocialparaessaspessoas.
Jornalistas e outros indivíduos não devem censurar vídeos feitos por ativistas que,
conscientemente, assumiram riscos de falar ou documentar sua comunidade. Mas
eles devem tomar medidas básicas para identificar e minimizar os danos para
aquelesquepodemnãoestarcientesdessesriscos,ouquenãotêmacapacidadede
dar consentimento informado para a gravação. No caso do vídeo russo sobre
abusos,éclaroqueasvítimasnãoconsentiramparticipardasimagens.
Avalieopotencialdedanofuturo
Primeiro, você deve avaliar se uma imagem ou vídeo pode causar danos aos
envolvidos. Eles estão em uma parte perigosa do mundo? Será que eles correm o
risco de represálias por compartilhar esta informação ou por serem mostrados?
Você pode supor com segurança que as pessoas mostradas na imagem/vídeo
consentiramemserfilmadas?
Seexisteumriscorealdedanos,vocêtemduasopções:
1. Nãouseaimagem/filmagem.Sóporqueelaexiste,nãosignificaqueprecisa
sercompartilhada/transmitida/publicada.Podemosinformarsobreissode
outrasformaseusá-lacomofontedeinformaçãoparanossotrabalho.
2. Embaceosrostos.Redaçõesdetelevisãomuitasvezesdesfocamrostosde
indivíduosvulneráveis​ ​ quandotransmitemsuasimagens.Asfotografias
podemserfacilmenteeditadasparafazerisso.Nocasodevídeosonline,você
podefazeruploaddomaterialparaoYouTubenovamenteeusarafunçãode
desfocamentoderostos(faceblurring).Comoexplicadoaqui,aferramenta
foicriadaparaprotegeraidentidadedepessoasvulneráveisemvídeose
podeserencontradacomoum"recursoadicional"quandovocêclicarna
ferramentadeMelhoriasdevídeoparaeditarumconteúdoenviado.
Umacrençafundamentalnoscódigosdeéticadosjornalistas,dosprofissionaisque
atuam em situações de crise e dos ativistas de direitos humanos é a de minimizar
danos. Dedicar tempo para avaliar e reduzir os danos causados aos indivíduos ao
usar mídias cidadãs é uma maneira de colocar esse credo em prática na
comunicaçãodoséculo21.
Box9.2
Dicasparalidarcomimagenstraumáticas
Gavin Rees, jornalista e cineasta, é diretor doDart Centre
Europe.OcentroéumprojetodaEscoladePós-Graduaçãoem
Jornalismo da Universidade de Columbia em Nova York e
dedica-se a promover abordagens éticas e inovadoras para a
cobertura de traumas e violência. Antes disso, Gavin produziu
notícias sobre políticas e negócios para canais de televisão
norte-americanos,britânicosejaponesesetrabalhouemfilmes
edocumentáriosparaaBBC,oChannel4eempresasdefilmes
independentes. Gavin também é pesquisador visitante na
Universidade de Bournemouth e membro da diretoria da
European Society of Traumatic Stress Studies (Sociedade Europeia de Estudos do
EstresseTraumático)edaUKPsychologicalTraumaSociety(SociedadedeTrauma
PsicológicodoReinoUnido).
***
Imagensdezonasdeguerra,cenasdecrimesedesastresnaturaismuitasvezessão
horríveiseangustiantes.Quandoaimagemétraumática,acontecimentosdistantes
podemnosdarasensaçãodequeestãoinvadindonossoespaço.Reaçõesnegativas
comorepulsa,ansiedadeeimpotêncianãosãoincomunsparajornalistaseanalistas
forensesquetrabalhamcomessetipodeimagens.
Estudosapontamqueprofissionaisdemídiasãoaltamenteresilientes:aexposiçãoa
quantidades limitadas de imagens traumáticas não costuma causar mais do que
uma angústia passageira. No entanto, os riscos do que psicólogos chamam de
traumatizaçãosecundáriaouindiretatornam-sesignificativosnassituaçõesemque
aexposiçãoérepetida,emefeitodeconta-gotas.Omesmoacontecequandoháuma
conexãopessoalcomosacontecimentos-se,porexemplo,elesenvolvemdanosa
alguémquevocêconheça.
Aqui estão seis coisas práticas que trabalhadores de ajuda humanitária e
profissionaisdamídiapodemfazerparalidarmelhorcomimagenstraumáticas:
1. Entendacomoquevocêestálidando.Oprimeiropassodequalquerdefesa
éconheceroinimigo:considereasimagenstraumáticasdeforma
semelhanteàradiação:comoumasubstânciatóxicacujoefeitodependeda
dose.Osjornalistaseequipesdesocorro,assimcomoquemtrabalhaem
zonasnucleares,têmumtrabalhoafazer;aomesmotempo,elesdevem
tomarmedidasrazoáveis​ ​ paraminimizaraexposiçãodesnecessária.
2. Elimineexposiçõesdesnecessárias.Repenseseusprocedimentosde
triagemecategorizaçãoesuasformasdeorganizararquivosdigitaise
pastas,entreoutrosprocedimentos,parareduziravisualização
desnecessária.Aoverificarimagenscomparando-ascomdiferentesfontes,
tomarnotasporescritodecaracterísticasespecíficaspodeajudara
minimizarafrequênciacomquevocêprecisarecorrernovamenteàimagem
original.
3. Tenteajustaroambientedevisualização.Reduzirotamanhodajanelae
ajustarobrilhoearesoluçãodatelapodemdiminuiroimpactopercebido.
Tambémtentedesligarosomquandopuder-muitasvezeseleéapartemais
comoventedeumvídeo.
4. Experimentediferentesestratégiasparacriarumasensaçãodedistância
quandovocêvêasimagens.Algumaspessoasachamqueseconcentrarem
certosdetalhes,comoroupas,eevitaroutros,comoorosto,ajuda.Considere
aaplicaçãodeumacamadafoscaoumáscaratemporáriasobreáreas
angustiantesdaimagem.Editoresdevídeodevemevitarusarafunçãode
reproduçãoemloopingaoeditarimagensviolentasounosegundoexatode
mortesnovídeoouusá-laomínimopossível.
5. Façapausasfrequentes.Olheparaalgoagradável,passeie,alongue-seou
busquecontatocomanatureza(plantas,arfrescoetc.)Tudoissopodeajudar
aamorteceroestressedocorpo.Evitetrabalharcomimagensangustiantes
poucoantesdeirdormir,poisnessemomentoémaisfácilqueelas
preenchamoseuespaçomental.
6. Desenvolvaumplanoparacuidardesimesmo.Podesertentadorse
esforçarduas,trêsouquatrovezesmaisdoqueonormalparaterminaruma
reportagemouprojetourgente.Noentanto,éimportantepreservarum
espaçoderelaxamentoparasimesmoforadotrabalho.Pessoasaltamente
resistentesatraumassãomaispropensasaseexercitarregularmente,
manterinteressesexternosematividadesdequegostameinvestirtempoem
suasconexõessociaisquandolidamcomestressesrelacionadosatraumas.
Algumasdicasadicionaisparaeditoresegestores:
1. Todososmembrosdeumaequipedevemserinformadossobrereações
normaisaotrauma.Osmembrosdaequipedevemcompreenderqueas
pessoaslidamdeformadiferentecomassituações,alémdesabercomoo
impactopodeseacumularaolongodotempoecomoreconhecerquando
elesmesmosouseuscolegasprecisamsecuidarmais.
2. Estabeleçadiretrizesclarassobrecomoomaterialgráficoéarmazenado
edistribuído.Feeds,arquivosecomunicaçõesinternasrelacionadoscom
imagenstraumáticasdevemserclaramentesinalizadosedistribuídosapenas
paraaquelesqueprecisamdomaterial.Ninguémdeveserforçadoaassistir
aimagensquenuncavãosertransmitidas.
3. Oambienteimporta.Sepossível,oslocaisdetrabalhoondeselidacom
imagensviolentasdevemterjanelascomvistaparaoexterior;plantase
outroselementosnaturaistambémpodemajudar.
Capítulo10
Ferramentasdeverificação
Verificandoaidentidade:
Useessasferramentasdeverificaçãoonlineparaencontrarinformaçõesdecontato
eperfisdeusuáriosquesãoativosnasredessociais
AnyWho:umdiretóriodetelefonesgratuitocomafunçãodebuscareversa,
disponívelnosEUA.
AllAreaCodes:permiteaosusuáriosbuscarqualquernomeeendereçolistado
apartirdeumnúmerodetelefone.Oserviçoégratuitoseonúmeroestiver
listadoemlistastelefônicaseoferecedetalhessobrenúmerosnão-listados
porumbaixopreço.TambémdisponívelnosEUA.
BuscaSocialdoFacebook:disponívelapenaseminglês,forneceummétodo
simplificadoparalocalizarindivíduoseverificarinformações.Jornalistasnão
precisamsaberonomedapessoaqueelesestãoprocurando;emvezdisso,
elespodempesquisarcombaseemoutroscritériosconhecidos,taiscomo
localização,ocupaçãoeidade.
GeoSocialFootprint:umsiteondesepoderastrearas"pegadas"das
localizaçõesdosusuáriosapartirdetweetsecheck-insemredessociaiscom
GPShabilitado,alémdebuscasporgeocodificaçãoeanálisedeperfis.
Hoverme:esseplug-inparaoGoogleChromemostraosperfisdosusuários
deredessociaisemoutrasredesapartirdofeeddenotíciasdelesno
Facebook.
Identify:esseplug-inparaFirefoxcriaumperfildasidentidadesemredes
sociaisdealguémapartirdequalquerpágina.
Linkedin:atravésdohistóricodetrabalhoedasconexões,oLinkedinpode
fornecermeiosadicionaispararastrearumindivíduoeverificaraidentidade
ouahistóriadealguém.
MuckRack:listamilharesdejornalistasnoTwitter,Facebook,Tumblr,Quora,
Google+eLinkedIn.ElessãoavaliadosporumaequipedeeditoresdoMuck
Rack.
Numberway:umdiretóriodelistastelefônicasinternacionais.
PersonFinder:umdosbancosdedadosdecódigoabertomaisconhecidos
paraindivíduospublicaremeprocurareminformaçõessobrepessoas
afetadasporumdesastre.Semprequeumacatástrofeacontece,aEquipede
RespostaaCrisesdoGoogleconfiguraumlocalizadordepessoas.
Pipl.com:buscaa"pegada"onlinedeumindivíduoepodeidentificarvárias
contasderedessociais,registrospúblicoseinformaçõesdecontato.
Rapportive:esseplug-inparaoGmailofereceaosusuáriosumperfildosseus
contatos,incluindocontasemredessociais,localizaçãoeemprego.
Spokeo:ummecanismodebuscadepessoasquepodeencontrarindivíduos
pornome,e-mail,telefoneenomedeusuário.Osresultadossãoreunidos
paracriaçãodeumperfilmostrandogênero,idade,informaçõesdecontato,
ocupação,formação,estadocivil,históricofamiliar,perfileconômicoefotos.
WebMii:procuralinksqueserelacionemcomonomedeumindivíduoou
podeidentificarpessoasnãoespecificadasapartirdepalavras-chave.Ele
ofereceumapontuaçãodevisibilidadenaweb,quepodeserusadapara
identificarperfisfalsos.
WHOIS:encontraosusuáriosregistradosdeumdomínioedetalhaadatade
registro,alocalizaçãoeoscontatosdapessoaqueseregistrououdeoutra
pessoadesignada.
Verificandolugares:
Aquilorealmenteaconteceuondeaspessoasdisseramqueaconteceu?
Flickr:buscafotosgeolocalizadas.
free-ocr.com:extraitextodeimagens,queentãopodesercolocadono
GoogleTranslateouembuscasgeográficas.
GoogleMaps:ummapaonlinequeforneceimagensaéreasoudesatélitede
altaresolução.ElecobregrandepartedaTerra,comexceçãodeáreasao
redordospolos.Incluiumasériedeopçõesdevisualização,taiscomo
terreno,informaçõessobreoclimaeumavistade360​ ​ grausaoníveldarua.
GoogleTranslate:podeserutilizadoparadesvendarpistassobrea
localização(porexemplo,placas)escritasemoutraslínguas.
Météo-France:aagênciameteorológicadaFrançadisponibilizagratuitamente
imagensderadaresesatélitesfocadosnaEuropa,assimcomomapase
informaçõessobreoclima
NASAEarthObservatory:oEarthObservatory(ObservatóriodaTerra)foi
criadoparacompartilharcomopúblicoimagenseinformaçõesdesatélites.
Elefuncionacomoumrepositóriodeimagensglobais,commapas,fotose
basesdedadosgratuitos.
Panoramio:essesitedecompartilhamentodefotospossuimilhõesde
imagensgeolocalizadaseintegradasaoGoogleMaps.
Picasa:buscadefotosgeolocalizadas.
UnitedStatesZIPCodes:ummapaonlinedosEstadosUnidosdeacordocom
oscódigospostais.Osusuáriospodemprocurarumcódigopostalespecífico,
ouentãoexploraromapaparaobterinformaçõessobrediferentescódigos
postais.
Wikimapia:versãodoGoogleMapsfeitaatravésdecrowdsourcing,contendo
pontosdeinteresseedescrições.
WolframAlpha:ummecanismoderespostacomputadorizadoquerespondea
perguntasusandodadosestruturadoseselecionadosapartirdesuabasede
dados.Aocontráriodosmotoresdebusca,quefornecemumalistadesites
relevantes,WolframAlphafornecerespostasfactuaisediretase
visualizaçõesrelevantes.
Verificandoimagens:
Essaimageméumarepresentaçãorealdoqueestáacontecendo?
Findexif.com:outraferramentaquepodeserusadapararevelarinformações
emEXIF.
FotoForensics:essesiteutilizaanálisedenívelderro(ELA,dasiglaeminglês)
paraindicarpartesdeumaimagemquepodemtersidoalteradas.Aanálise
ELAprocuradiferençasnosníveisdequalidadedaimagem,chamando
atençãoparaaspartesondepodemtersidofeitasalterações.
BuscadeimagensdoGoogle:fazendouploadoudigitandoaURLdeuma
imagem,usuáriospodemencontrarconteúdoscomooutrasfotos
relacionadasousimilaresousiteseoutraspáginasusandoaquelaimagem
específica.
Jeffrey’sExifViewer:umaferramentaonlinequerevelaasinformaçõesEXIF
deumafotodigital,oqueincluidataehora,configuraçõesdacâmerae,em
algunscasos,localizaçãoemGPS.
JPEGSnoop:umaaplicaçãogratuita,disponívelapenasparaWindows,que
podedetectarseumaimagemfoieditada.Apesardoseunome,elapode
abrirarquivosemformatosAVI,DNG,PDF,THMeJPEG.Elatambémrecupera
metadados,incluindodata,tipodecâmera,configuraçõesdalenteetc.
TinEye:ummecanismodebuscadeimagensreversaqueconectaimagens
aosseuscriadorespermitindoaosusuáriosdescobrirondeasfotostiveram
origem,comoforamusadaseseexistemversõesmodificadasecópiasde
resoluçãomaisalta.
Outrasferramentasúteis
PlataformaAIDR:usamonitoramentohumanoecomputadorizadopara
eliminarrumoresnoTwitter.
Ban.jo:agregatodasasredessociaisemumaplataforma,permitindoque
imagenseacontecimentossejamchecadosunscontraosoutros.
Geofeedia:permitequeumusuáriobusqueemonitoreconteúdosdemídias
sociaisporlocalização.Aoselecionarumalocalização,conteúdospublicados
porcidadãosnoTwitter,Flickr,Youtube,InstagramePicasanaquelaáreasão
reunidosemtemporeal.Geofeediapodeajudarnoprocessodeverificação,
atravésdachecagemcruzadadepublicaçõesemumadeterminadaárea
paraverseosdetalhescorrespondem.
HuriSearch:lhepermitepesquisarconteúdodemaisde5milsites
relacionadosadireitoshumanosefiltrá-losrapidamenteparaencontrar
fontesverificáveis.
InformaCam:oaplicativoabordaodesafiodaverificaçãoatravésda
mobilizaçãodemetadadospararevelarahora,adataeolocaldefotosou
vídeos.Osusuáriospodemenviarseusarquivosdemídiaeseusmetadadosa
terceirosusandoassinaturasdigitais,criptografia(PGP)eservidoresseguros
TOR.
PeopleBrowsr:umaplataformaeferramentanaqualamultidãopode
monitoraresintetizarmídiassociaisenotíciasemumasequênciade
localizaçãoetempoqueentãopodeserfiltrada.Aplataformatambéminclui
umrankingdecredibilidadequemedeainfluênciaeoalcancedeumusuário
nasredessociais.
SearchSystems.net:umdiretóriointernacionalderegistrospúblicos.
Snopes.com:umsitededicadoadesmascararfraudesnainternet,quepode
serusadoparachecarconteúdosproduzidosporusuários.
Verily:permiteaosusuáriosfazerperguntasespecíficaseoferecerindíciosa
favorecontraumquestionamento.
YouTubeFaceBlur:desenvolvidadevidoàpreocupaçãocomoanonimatodos
indivíduosqueaparecememvídeosemsituaçõesdealtorisco,essa
ferramentapermiteaosuáriosdesfocarrostosdaspessoasretratadasnos
vídeosenviadosparaoYouTube.Parausá-la,quandoforfazerouploadde
umvídeonositecliqueemMelhorias(Enhancements)edepoisemEfeitos
Especiais.Lávocêpodeescolherdesfocartodososrostosdovídeo.
Apêndice
VISUALIZEJUSTICE:umguiadecampoparaaprimorarovalorde
evidênciajudicialdevídeosparadireitoshumanos
Comovimosapartirdosestudosdecasoehistóriascontidasneste
inestimávelguia,conteúdosgeradospelousuáriopodemser
fundamentaisparachamaratençãoparaviolaçõesdedireitos
humanos,seelesforemverificáveis.Masmuitosvideomakerse
ativistasqueremqueseusvídeosfaçammaisdoqueisso.Elestêma
expectativasubjacentedequefilmagemcomcenasdeabusopossa
ajudaratrazerjustiça.Infelizmente,aqualidadedovídeoedeoutros
conteúdosproduzidospeloscidadãosraramenteésuficientepara
servircomoprovaemtribunais.
Noentanto,comlevesmelhorias,asfilmagensquecidadãoseativistasmuitasvezes
arriscamsuasvidasparacapturar,podemfazermaisdoqueexporainjustiça-elas
tambémpodemservircomoprovajudicial.Oguia"VisualizeJustice:AFieldGuideto
Enhancing the Evidentiary Value of Video for Human Rights" ("Visualize justiça: Um
guia de campo para aprimorar o valor de evidência judicial de vídeos para direitos
humanos", em tradução livre) pretende servir como manual de referência para
cidadãos e ativistas de direitos humanos que querem usar vídeos não só para
documentar violações, mas também para o ambicioso objetivo final de fazer com
queosresponsáveissejamlevados​ ​ àjustiça.
Porqueumguiadecampo?
Éfácilmanipularimagensecriarumfalsocontexto.Porisso,simplesmentefilmare
compartilharjánãoésuficienteparaexporinjustiças.Ativistasproduzindoimagens
que esperam que sejam usadas, não apenas por jornalistas, mas também por
investigadoresetribunais,devemconsiderarasquestõesfundamentaislevantadas
no"GuiadeVerificação":essevídeopodeserverificado?Estáclaroondeequandoo
vídeo foi filmado? Ele foi adulterado ou editado? Além disso, deve-se considerar
outrasquestõesmaispertinentesparaaJustiça:ovídeoérelevanteparaumcrime
dedireitoshumanos?Suaproveniênciapodeserprovada?Suautilidadeemgarantir
ajustiçasuperaoseupotencialparasolaparajustiça?
Aquemelesedestina?
O principal público-alvo do guia é formado por pessoas que trabalham na área de
direitos humanos e que gravam ou podem gravar vídeos retratando abusos. Essas
pessoas podem ser jornalistas cidadãos, ativistas, repórteres comunitários ou
investigadores de direitos humanos. Alguns podem já estar filmando tais abusos
comopartedoseutrabalhoepoderiamusaraorientaçãodeaumentarovalorlegal
dosvídeosquecriam.Outrospodemestarinvestigandoabusosdedireitoshumanos
pelos meios tradicionais, mas querem incorporar vídeos em seus relatórios como
formademelhoraracoletadeprovas.
Oguia“VisualizeJustice”,produzidopelaWITNESSemcolaboraçãocomcolegasda
áreadedireitoshumanos,aborda:
OpapeldovídeonosistemadeJustiça
Técnicasdefilmagemaprimorandovalordosvídeoscomoprovaslegais
Comopriorizarqueconteúdosfilmar
Gerenciamentodemídiaparapreservarahierarquiadecustódia
Estudosdecasoilustrandocomovídeosforamusadosemjulgamentos
Jornalismoejustiça
Enquantoeste"GuiadeVerificação"forneceprocessosinovadoresparajornalistase
socorristas analisarem vídeos dos usuários, o "Visualize Justice" aborda o mesmo
problemadooutroladodamoeda,fornecendoaquemgravaosvídeososmétodos
paraqueasimagenscaptadaspossamsermaisvaliosasparaexporabusosetrazer
justiça. Juntos, esses dois recursos ajudam a garantir que mais câmeras em mais
mãospossamlevaraummelhorjornalismoeamaisjustiça.
Paramaisinformações
Paramanter-seinformadosobreomanual,fiqueatentoaositedaWITNESS.
Sumário
Sobre
2
Prefácio
5
Capítulo1Quandosurgeumanotíciadeemergência
6
Estudodecaso1.1Separandorumoresdefatosemumazonade
conflitonaNigéria
13
Capítulo2Obásicodaverificação:regrasparaseguir
15
Estudodecaso2.1Usandoredessociaiscomorádio-escuta
19
Capítulo3Verificandoconteúdogeradoporusuário
25
Estudodecaso3.1Monitoramentoeverificaçãoduranteas
EleiçõesParlamentaresnaUcrânia
33
Capítulo4Verificandoimagens
37
Estudodecaso4.1Verificandoumabizarrabolainfláveldurante
umatempestade
44
Estudodecaso4.2Verificandodois“tubarõesderua”suspeitos
duranteofuracãoSandy
47
Capítulo5Verificandovídeos
52
Estudodecaso5.1Verificandoumvídeocrucialdoatentadode
Boston
61
Estudodecaso5.2InvestigandoumsupostomassacrenaCosta
doMarfim
68
EstudodeCaso5.3Confirmandoalocalizaçãoeoconteúdode
umvídeo
78
Capítulo6Colocandoasmultidõesparatrabalhar
81
Estudodecaso6.1Desmascaradopelagramáticaárabe
87
Capítulo7Adicionandoamultidãodigitalàmultidãohumana
89
Estudodecaso7.1ComooOpenStreetMapusoupessoase
máquinasparamapearáreasafetadasdepoisdoTufãoHaiyan
94
Capítulo8Preparando-separaacoberturadedesastres
97
Estudodecaso8.1ComoaNHKNewsaprendeucomacobertura
103
doterremotode2011noJapão
Capítulo9Criandoumprocessoeumachecklistdeverificação
110
Box9.1Avaliandoeminimizandoriscosaousarconteúdogerado
117
pelosusuários
Box9.2Dicasparalidarcomimagenstraumáticas
119
Capítulo10Ferramentasdeverificação
121
ApêndiceVISUALIZEJUSTICE:umguiadecampoparaaprimoraro
124
valordeevidênciajudicialdevídeosparadireitoshumanos
Fly UP