...

Associação entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

Associação entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis
Associação entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis, Comunicação
Interventricular e Forma Incomum de Estenose Subaórtica Membranosa
em Paciente Adulta.
ISSN 1984 - 3038
Relato de Caso
Association between dextrocardia in situs inversus totalis, interventricular
communication, and unusual form of membranous subaortic stenosis in adult
patient.
Mauro de Deus Passos1, Karen Anelize Toso2, José Sebastião de Miranda3, Oscar Francisco Sánchez Osella4
RESUMO
Descreve-se o caso de uma paciente gestante de 22 anos, com uma associação incomum de anormalidades congênitas: dextrocardia em situs
inversus totalis, estenose subaórtica membranosa (ESAM) e comunicação interventricular (CIV) do tipo perimembranosa. A membrana
subaórtica estava aderida ao septo, estendendo-se até o anel mitral, sem envolvimento do folheto anterior mitral, apresentando mobilidade
independente e obstruindo, significativamente, a via de saída do ventrículo esquerdo. O septo membranoso era aneurismático, protruindo para
o ventrículo direito e apresentando comunicação interventricular. A valva aórtica apresentava insuficiência de grau discreto a moderado. Os
achados foram diagnosticados por ecocardiograma transtorácico, transesofágico e, posteriormente, confirmados por estudo hemodinâmico.
Não apresentava anomalias ou obstruções coronarianas. Não foi encontrado, na literatura, associação da ESAM com alteração do situs
cardíaco.
Descritores: Dextrocardia, Cardiopatias Congênitas, Estenose Subaórtica Fixa, Situs Inversus.
SUMMARY
Case description of a 22-year old, pregnant patient with an unusual association of congenital abnormalities: Dextrocardia in situs inversus
totalis, membranous subaortic stenosis (MSAS), and perimembranous-type interventricular communication (IVC). The subaortic membrane
was joined to the septum, extending to the mitral ring without the mitral anterior leaflet, showing independent mobility, with significant left
ventricle out-flow tract obstruction. Aneurismal membranous septum was projecting to the right ventricle and presenting interventricular
communication. Aortic valve with mild to moderate insufficiency. The findings were made through transthoracic, transesophagic
echocardiogram and subsequently confirmed by hemodynamic study. No coronary obstructions or abnormalities were found. MSAS
associated with change in cardiac situs has not been found in any specialized literature.
Descriptors: Dextrocardia; Heart Defects,Congenital; Discrete Subaortic Stenosis; Situs Inversus
Introdução
Descreve-se o caso inusitado de uma paciente
com dextrocardia em situs inversus totalis, estenose subaórtica, por membrana redundante e móvel,
e comunicação interventricular perimembranosa,
diagnosticadas na fase adulta, no curso de uma gestação. Conforme será visto adiante, a presença de
uma membrana fina, vista à ecocardiografia, é comInstituição
Hospital São Camilo
Avenida Bosque nº 13 – Centro
CEP: 73801-340 – Formosa – GO
Correspondência
Avenida Bosque nº 13 – Centro
CEP: 73801-340 – Formosa – GO
Telefone / Fax (61) 3631-6016
[email protected]
patível com a forma membranosa da estenose subaórtica, denominada fixa. Neste caso, a membrana
apresentava-se redundante e móvel.
Relato do caso
Paciente de 22 anos, na oitava semana de gestação, atendida com queixas de dispnéia de repouso e
tosse seca, iniciadas uma semana antes. No exame
1- Especialista em Medicina Interna e Cardiologia. HSC - Hospital São Camilo – Formosa – GO.
HRS - Hospital Regional de Sobradinho – Sobradinho – DF
2- Especialista em Ginecologia e Obstetrícia HSC – Hospital São Camilo – Formosa – GO
3- Especialista em Ginecologia e Obstetrícia HSC – Hospital São Camilo – Formosa – GO
4- Doutor em Medicina Especialista em Medicina Interna, Cardiologia e Ecocardiografia – Centro
Clínico e Ecocardiográfico de Brasília (Clineco) – Brasília – DF
Recebido em: 20/04/2009 - Aceito em: 26/04/2009
43
Rev bras ecocardiogr imagem cardiovasc 22 (4): 43 - 46, 2009.
PASSOS MD et al, Associação Entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis, Comunicação
Interventricular e Forma Incomum de Estenose Subaórtica Membranosa em Paciente Adulta
físico, apresentava sopro sistólico, com intensidade
(Figura 2) mostrou obstrução sistólica importante
de 3+ / 6+, em barra, melhor audível no 4º espaço
da via de saída durante a sístole, com intensa turbuintercostal direito e sopro sistólico ejetivo de 3+ /
lência do fluxo englobando a valva aórtica e shunt
6+, melhor audível, no segundo espaço intercostal esquerdo e com irradiação para os vasos Figura 1 - Ecocardiograma transesofágico mostrando a membrana
e sua relação com a valva mitral e aórtica em dois
cervicais. O eletrocardiograma de repouso mos- subaórtica
momentos da sístole. Ecocardiograma transesofágico mostrando
trou sinais sugestivos de dextrocardia (onda P a membrana subaórtica e sua relação com a valva mitral e aórtica,
negativa em D1 e positiva em aVR, onda Q em dois momentos da sístole.
profunda em D1 e aVL) e sinais de sobrecarga
do ventrículo funcionalmente esquerdo.
A radiografia do tórax mostrou silhueta
cardíaca com ápex voltado para a direita, arco
costal, à esquerda, e bolha gástrica, à direita. A
ultrassonografia abdominal evidenciou inversão
do situs visceral. No ecocardiograma transtorácico, além da confirmação de que o coração estava posicionado à direita, em situs inversus, era
possível observar hipertrofia concêntrica do ventrículo esquerdo (VE) de grau moderado e com Figura 2 - Ecocardiograma transesofágico: Local da estenose
função sistólica conservada, uma comunicação subaórtica, da comunicação interventricular e o fluxo a esses
interventricular (CIV) do tipo perimembranosa níveis.
e uma membrana redundante, localizada na via
de saída do ventrículo esquerdo (VSVE), bastante móvel e capaz de produzir obstrução significativa, bloqueando a via de saída, em forma
dinâmica, com gradiente de pico de 77mmHg.
A gestação foi interrompida, com 34 semanas, por meio de cesárea, sem complicações.
Ecocardiograma transtorácico realizado no recém-nascido foi normal.
O ecocardiograma transesofágico, realizado
posteriormente na paciente, permitiu observar
que a membrana originada, principalmente, no
Figura 3 - Corte apical de 5 câmaras mostrando a localização
septo interventricular, estendia-se até parte do da CIV e a incursão da membrana subaórtica na sístole (A) e na
anel mitral, sem comprometer a válvula mitral diástole (B). Imagem (C) evidenciando insuficiência aórtica e shunt
pela CIV durante a diástole.
(Figura 1). A membrana movimentava em direção ao VE, na diástole e à válvula aórtica na
sístole. A valva mitral estava afastada da valva
aórtica, aproximadamente, 15mm, por interposição de, tecido com aspecto denso A membrana no lado septal, estava afastada aproximadamente, 6mm da valva aórtica, formando uma
câmara acessória na via de saída.
Nesse nível, era possível observar um aneurisma protruindo para o ventrículo direito (VD),
com uma CIV. A análise com Doppler colorido
44
Rev bras ecocardiogr imagem cardiovasc 22 (4): 43 - 46, 2009.
esquerdo direito pela CIV. Na diástole, a valva aórtica apresentava insuficiência discreta a moderada,
enchendo a câmara acessória, provocando novamente shunt pela CIV, agora diastólico, empurrando a membrana, que se deslocava na mesodiástole,
em direção à cavidade ventricular. (Figura 3)
Após o término da gestação, foi realizado cateterismo cardíaco, o qual confirmou os achados do
estudo ecodopplercardiográfico, sendo normal a
cineangiocoronariografia. A paciente foi medicada
com beta-bloqueador (Metoprolol 50mg/dia), com
acentuado alívio dos sintomas, enquanto aguarda
para a correção cirúrgica.
Discussão
A dextrocardia é a má-formação cardíaca, na qual o
maior eixo do coração (eixo base-ápex) aponta à direita,
não como consequência de anormalidades extracardíacas, mas como resultado de um mau posicionamento
congênito. Trata-se de uma anomalia congênita rara,
que ocorre em uma para, aproximadamente 12.000
gestações1. A associação com situs inversus é a mais frequente, sendo encontrada em 39,2% dos casos, seguida
do situs solitus (34,4%) e do situs ambigus (24,6%)1.
Garg et al2 encontraram frequência semelhante.
Em 73,4% dos pacientes com dextrocardia e situs
inversus, a conexão átrio-ventricular é concordante
e, destes, 72,2% apresentam, também, concordância ventrículo-arterial1. Existe uma associação em
25% dos casos de dextrocardia com situs inversus
totalis com sinusite e bronquiectasias, denominada
Síndrome de Kartagener3.
Apesar de a dextrocardia estar associada com
múltiplas e complexas anormalidades cardíacas, somente, em 2 a 5% dos pacientes com situs inversus
totalis são observadas outras más-formações do sistema cardiovascular4. Dessa forma, o termo dextrocardia com imagem em espelho ou em situs inversus
totalis, em muitos casos, é aplicado para corações
normais, em indivíduos com situs inversus.
A estenose aórtica congênita representa de 3 a 5%
de todas as cardiopatias congênitas5. Em um terço dos
casos, a estenose aórtica é subvalvar6, sendo possível
observar as formas dinâmicas e fixas. A obstrução dinâmica é produzida pela cardiomiopatia hipertrófica.
PASSOS MD et al, Associação Entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis, Comunicação
Interventricular e Forma Incomum de Estenose Subaórtica Membranosa em Paciente Adulta
A estenose subaórtica fixa foi descrita, pela primeira
vez, em 1842, por Chevers*, correspondendo de 8 a
20% das estenoses aórticas subvalvares7, ou 0,5% de
todas as cardiopatias congênitas5, podendo ser dividida
nas formas em túnel, em colar e em membrana 8,9.
A estenose subaórtica membranosa (ESAM) é
geralmente referida, na literatura, como estenose
subaórtica discreta, o que, à primeira vista, pode
sugerir um caráter benigno à doença. A ESAM
ocorreria como consequência de uma falha, na fase
embrionária, da absorção da prega bulboventricular
e do conus subaórtico, podendo permanecer uma
estrutura fibromuscular, separando a valva aórtica
da mitral, como aconteceu nesta paciente10. Para
outros autores11,12, na presença de CIV, a formação
da membrana ocorreria como parte do mecanismo
de fechamento do defeito septal. As características
da membrana, no caso apresentado, sugerem a participação desse mecanismo na sua formação.
A etiologia da ESAM poderia ser uma combinação de fatores que incluem predisposição genética,
turbulência na VSVE e várias alterações anatômicas
e geométricas da VSVE. Atualmente, considera-se
que seja uma condição adquirida, surgindo como
a complicação evolutiva de um substrato embriológico anormal. Um achado que colabora com essa
idéia é que, raramente, é diagnosticada antes do primeiro ano de vida.
Na casuística de Horta et al11, o diagnóstico da
ESAM ocorreu após o primeiro ano de vida em
90,4% dos pacientes, com predomínio do sexo masculino em proporção de 2:1. Contudo, por tratar-se
de um distúrbio da embriogênese, embora de manifestação tardia, a maioria dos autores classificam-na
dentro das cardiopatias congênitas.
A CIV, especialmente a perimembranosa, pode
desenvolver estenose aórtica em 20% dos casos, durante sua evolução natural, sendo, em geral, fixa e
do tipo em membrana13. A CIV perimembranosa
representa 88% dos casos de defeito do septo ventricular14. A ESAM é condição predisponente para endocardite bacteriana, usualmente afetando a válvula
aórtica e a VSVE. O tratamento mais comumente
empregado é a ressecção da membrana subaórtica,
acompanhada de uma miomectomia septal, porém
ainda com índices de recorrência expressivos15.
45
Rev bras ecocardiogr imagem cardiovasc 22 (4): 43 - 46, 2009.
Referências
1) Bohun CM, Potts JE, Casey BM, Sandor GG. A population-based study of cardiac malformations and
outcomes associated with dextrocardia. Am J Cardiol.
2007;100:305-9.
2) Garg N, Agarwal BL, Modi N, Radhakrishnan, Sinha N.
Dextrocardia: an analysis of cardiac strututes in 125 patients. Int J Cardiol. 2003;88:143-55.
3) Maldjian PD, Saric M. Approach to dextrocardia in
adults: review. AJR Am J Roentgenol. 2007;188:S39-49.
4) Ellis K, Fleming RJ, Griffiths SP, Jameson G. New concepts in dextrocardia: angiographic considerations. AJR
Am J Roentgenol.1966;97:295–313.
5) Olorón PM, Ibarra CR, Aguilar VA. Incidence of congenital heart disease in Navarra (1989-1998). Rev Esp
Cardiol. 2005;58:1428-34.
6) Chiariello L, Agosti J, Vlad P. Subramanian S. Congenital aortic stenosis: experience with 43 patients. J Thorac
Cardiovasc Surg. 1976;72:182-3.
7) Katz NM, Buckley MJ, Liberthson RR. Discrete membranous subaortic stenosis: report of 31 patients, review
of literature, and delineation of management. Circulation. 1977;56:1034-8.
8) Rhodes JF, Hijazi ZM, Sommer RJ. Pathoohysiology of
congenital heart disease in the adult. part II: simple obstructive lesions. Circulation .2008;177:1228-37.
46
PASSOS MD et al, Associação Entre Dextrocardia em Situs Inversus Totalis, Comunicação
Interventricular e Forma Incomum de Estenose Subaórtica Membranosa em Paciente Adulta
9) Hardesty RL, Griffith BP, Mathews RA, Siewers RD, Neches WH, Park SC, Discrete subvalvular aortic stenosis:
an evaluation of operative therapy. J Thorac Cardiovasc
Surg. 1977:74:352-61.
10) Medeiros Sobrinho JH, Fontes VF, Pontes Jr SC, eds Cardiopatias congênitas. São Paulo: Sarvier, 1990.
11) Horta MGC, Faria CAF, Rezende DF, Masci TL, Rabelo
CCC, Katina T, et al. Subaortic stenosis associated with
perimembranous ventricular septal defect: clinical followup of 36 patients. Arq Bras Cardiol. 2005;84:103-7.
12) Zielinsky, P. Correlação morfológico-ecocardiográfica
bidimensional na detecção dos mecanismos responsáveis
pela diminuição do diâmetro da comunicação interventricular perimembranosa. [Tese] Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 1988.
13) Vogel M, Smallhorn JF, Freedom RM, Coles J, Williams
WG, Trusler GA.. An echocardiographic study of the association of ventricular septal defect and right ventricular
muscle bundles with a fixed subaortic abnormality. Am J
Cardiol .1988;61:857-60.
14) Bendriss L, Sedrati M, Haddour L, Arharbi M. Ventricular septal defects: anatomic, clinical, therapeutic and prognostic aspects. 44 cases. Presse Med.
2006;35:593-7.
15) Darcin OT, Yagdi T, Atay Y, Engin C, Levent E, Buket S,
et al. Discrete subaortic stenosis: surgical outcomes and
follow-up results. Tex Heart Inst J. 2003;30:286-92.
Fly UP