...

PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM EXIGIR

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM EXIGIR
PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM
EXIGIR INVESTIGAÇÃO POR IMAGEM
A maioria dos médicos sente-se pouco confortável diante das doenças
neurológicas, pois existe a crença generalizada que neurologia é complicada e
obscura e que o exame neurológico é muito difícil e demorado. Em parte isso é
verdade, mas temos que considerar 2 pontos: 1) é impossível fugir das queixas
neurológicas, você goste ou não. Ou seja, só resta encarar o problema se não
quiser passar vergonha ou perder muitos clientes 2) os métodos de imagem
ajudaram a simplificar bastante o diagnóstico neurológico na maioria dos casos
importantes. Por isso, você não precisa mais ser uma enciclopédia de sinais
neurológicos para tomar decisões em doenças neurológicas.
O primeiro passo é desenvolver um exame neurológico básico, que sirva
para uma avaliação rápida, própria de um não especialista (tipo for dummies).
Tenha no “bolso do colete” também alguns testes simples extras, que possam
ser acrescentados ao exame neurológico básico. É claro que o fundo de olho é
importante e tente aprender a executá-lo, mas, que ninguém nos ouça, a maioria
dos neurologistas também não sabe identificar edema de papila (se você for
oftalmologista e não souber fazer um bom fundo de olho aí sim é bom se
preocupar!!). Outra coisa que deixa os médicos gerais apavorados é a
perspectiva de ter que fazer uma punção liquórica, mas vou parar por aqui...
Assim, com um exame neurológico básico “bem treinadinho” e um pouco
de conhecimento das doenças, dá para tomar as decisões na maioria dos casos,
sem recorrer ao neurologista de plantão.
Não tenho a pretensão de ensinar neurologia, mas, apenas para facilitar
nosso curso, vamos dar uma olhadinha nos problemas ou queixas que um nãoespecialista encontra mais frequentemente no dia a dia do ambulatório e nos
plantões (obs. a disciplina de Neurologia no curso de Medicina da UFPr é dada
após sexto período).
1. CEFALÉIA
A dor de cabeça é a queixa mais frequente nos ambulatórios e plantões
gerais. Na maioria das vezes não encontraremos uma etiologia para ela, mas
temos que excluir doenças que possam por em risco a vida do paciente ou que
possam ser tratadas com facilidade. Para facilitar a abordagem, podemos
classificá-la em aguda e crônica.
1.1 Aguda: neste grupo estão doenças graves que podem por em risco a vida
do paciente, se não forem diagnosticadas rapidamente, por isso a utilização dos
métodos de imagem é frequente.
a) Procure sinais de meningismo, que sugerem meningite ou hemorragia
subaracnoidea (HSA). A tomografia computadorizada sem contraste
endovenoso tem uma alta sensibilidade para hemorragia e normalmente está
disponível nos pronto-socorros. Se não houver sangue e meningite for uma
hipótese, vai ser necessário um exame do líquor, pois os exames de imagem
não são suficientemente sensíveis para excluir meningite. Um lembrete, que a
RM é pouco específica para HSA e não substitui a TC.
b) Se uma doença das meninges não é sugerida pela história e exame físico,
outras doenças importantes ainda podem ser a causa. Quase sempre, além da
cefaleia de inicio recente, aparecerão outros sinais neurológicos, como torpor,
confusão mental, paresia de nervos cranianos, etc. b1) A hidrocefalia aguda
pode ser identificada pela dilatação dos ventrículos e, muitas vezes, por edema
periventricular e pode ser diagnosticada pela tomografia sem contraste; b2) A
trombose de seios venosos durais é mais comum em mulheres utilizando
anticoncepcionais, em pacientes com doenças eu favoreçam tromboses ou por
infecções graves das orelhas médias. É um quadro raro, que deve ser lembrado
para procurar ativamente os sinais na TC ou na RM e prosseguir o exame
injetando contraste endovenoso, que confirma a trombose; b3) Hematomas
intraparenquimatosos agudos são facilmente identificados na TC por serem
muito densos (brancos). A RM é também bastante sensível, mas menos
específica.
c) causas frequentes e de bom prognóstico são a enxaqueca e as cefaleias
idiopáticas, que não têm achados característicos. Tenha cuidado ao relacionar
cefaleia às doenças dos seios paranasais. É importante lembrar que velamento
de seios paranasais não é igual a sinusite, acontecendo numa porcentagem
grande da população. Uma causa de cefaleia relacionada à sinusopatia é a
obstrução da via de saída do seio esfenoidal, que pela situação pode gerar
quadros de cefaleia indistinguíveis das causas intracranianas.
1.2) Crônica: é o sintoma mais comum da clinica diária e quase nunca tem
tradução nos exames de imagem. A conduta acadêmica diz que não deve ser
usado exame de imagem, a não ser que haja outro sinal neurológico associado
(edema de papila, déficit motor, alteração mental, etc.), mas, muitas vezes, o
paciente cobra do médico um exame que o deixe mais tranquilo quanto a não
haver doença grave. Comumente se solicita uma TC sem contraste venoso como
método de triagem, capaz de excluir causas como hidrocefalia, a maioria dos
tumores e outras lesões expansivas.
2. TONTURAS E ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO
São queixas extremamente frequentes. Primeiro é preciso lembrar que o
equilíbrio e a noção de posição no espaço e deslocamento estão primariamente
relacionados ao aparato vestibular situado na orelha interna, mas a queixa de
tontura e falta de equilíbrio é mais complexa, pois pode envolver também o
sistema cardiocirculatório.
Outra vez, uma boa forma de abordar o problema é dividir em inicio agudo e
crônico. Os quadros crônicos leves são extremamente comuns e na maioria das
vezes associados ao envelhecimento normal ou patológico do nosso sistema
vestibular. A maioria dos pacientes idosos, se questionados, vai contar que sofre
de tonturas eventuais, que dão uma rápida sensação de desequilíbrio,
especialmente ao fazer movimentos um pouco mais bruscos. Eventualmente,
como também há um alentecimento dos reflexos e perda de flexibilidade
muscular, pode ser a causa de quedas. É importante avaliar as condições
cardiocirculatórias, porque, eventualmente, estes sintomas podem ser causados
por hipotensão ortostática (especialmente se o paciente está utilizando
medicação anti-hipertensiva) ou arritmias cardíacas. Se a avaliação neurológica
sugerir uma alteração mais importante do equilíbrio, é importante avaliar também
a audição, pois lembre que o acústico acompanha o nervo vestibular (assim
como o facial) e uma perda lentamente progressiva da audição pode não ser
percebida ou atribuída à idade, mas indicar a presença de uma lesão do ângulo
ponto-cerebelar, como um schwanoma vestibular ou um meningioma.
Os quadros agudos de tontura e desequilíbrio impedem as atividades normais
do paciente, por isso são considerados mais graves pelo paciente e quase
sempre são a queixa principal da consulta. Podem ser causados por
labirintopatias tipo Menière, por polineurites e não esquecer os infartos
cerebelares.
Quando for necessário investigar por imagem, o melhor método é a RM com
injeção de contraste, pois estuda melhor o ouvido interno e a fossa posterior do
encéfalo.
3. DERRAMES OU DEFICTS NEUROLÓGICOS SÚBITOS
Pela sua gravidade e frequência, todo o médico deve estar preparado para
tomar as condutas iniciais frente a um quadro de derrame (ver a aula específica).
Normalmente, inicia-se a investigação por imagem utilizando uma TC sem
contraste, para rapidamente excluir hemorragias e outras causas que simulam
derrame, como hematomas subdurais crônicos e os tumores.
A partir daí, a conduta depende de uma série de fatores relacionados à sua
capacidade de conduzir o caso sem o auxílio de um especialista.
4. CONVULSÕES E DESMAIOS
O paciente e seus acompanhantes podem contar claramente a história de
uma convulsão, especialmente se for do tipo tônico-clônica, mas outras vezes a
história é confusa e parece ter havido um episódio de perda de consciência sem
testemunhas ou com descrição pouco clara.
É importante, inicialmente, separar convulsão de desmaio ou síncope.
Vocês sabem que síncopes são extremamente frequentes e relacionadas à
instabilidade cardio-circulatória, exigindo investigação não neurológica. Se
persistir a possibilidade de convulsão, além do estudo eletroencefalográfico, um
exame de imagem deve ser solicitado para excluir causas como cisticercose,
infartos, tumores, malformações, etc. É ideal iniciar por um RM com injeção de
contraste.
5. ALTERAÇÕES DE CONSCIÊNCIA
Excluídas as causas metabólicas, os exames de imagem podem indicar
causas como derrames, tumores, hidrocefalia, etc. A RM é o método ideal, mas
a TC mostra a maioria das doenças tratáveis.
6. ALTERAÇÃO DE MEMÓRIA E DEMÊNCIA
Hoje em dia, a sensação de perda de memória é uma queixa
extremamente frequente, que muitas vezes é só uma manifestação do declínio
normal da memória própria da idade associada ao estresse ou a depressão. Mas
como este é um problema bastante complexo, é melhor que seja avaliado por
um especialista, pois testar a memória e as outras funções cognitivas é bastante
complicado.
Vale lembrar que os métodos de imagem têm um papel bastante limitado
nesta área, pois as alterações morfológicas do encéfalo têm correlação muito
frágil com as alterações funcionais, especialmente nas doenças degenerativas.
Ou seja, tenha cuidado ao solicitar uma RM (TC tem pouca utilidade) para
investigar perda de memória, pois você pode acabar com um exame cujo
resultado pode mais complicar do que ajudar a definição do diagnóstico.
Quando a alteração de memória é mais aguda ela não é uma demência e é
investigada como alteração de consciência.
7. TRAUMA
Essa é uma das poucas situações em neurologia cuja avaliação é simples.
Se houve, ou pode ter havido, trauma craniano e o paciente apresenta qualquer
sintoma ou sinal neurológico ou teve perda de consciência é importante solicitar
uma tomografia computadorizada sem contraste. A partir daí passa a ser assunto
para especialista.
8. AMORTECIMENTO / PARESTESIAS
Também é uma queixa extremamente frequente e que pode ter diversas
causas. Está entre as queixas psicossomáticas mais comuns. O paciente conta
amortecimentos e formigamentos transitórios e que não seguem padrões
anatômicos claros. O problema é que se você atribuir todas as queixas deste tipo
a “psicadas” vai acabar errando, pois doenças como esclerose múltipla e infartos
podem começar com estas queixas.
É claro que é importante que o exame físico avalie a possibilidade de
neuropatias periféricas, outra causa importante desta queixa.
Se você achar que vale a pena pedir um exame de imagem, solicite uma
RM com contraste, que pode identificar com facilidade lesões da esclerose
múltipla e infartos.
9. LESÕES DE NERVOS CRANIANOS
A clínica depende do nervo envolvido. A mais comum é a neuralgia do
trigêmeo (V nervo), que é investigada por RM, que na maioria das vezes não se
demonstra a causa da dor.
Diplopia também é frequente (III, IV e VI), assim como a paralisia facial
(VII) e a surdez neuro-sensorial (VIII). Também nestes casos, a RM com
contraste é o melhor método de imagem.
10. PROBLEMAS NEUROPEDIÁTRICOS
Problemas como atraso do desenvolvimento, mal desempenho escolar e
hiperatividade são comuns no consultório do pediatra. A maioria das vezes, os
exames de imagem não têm importância na investigação, pois a chance de achar
causas estruturais para estas queixas é muito pequena, mas o pediatra é
obrigado a solicitar um exame para acalmar os pais.
Neste caso, a RM sem contraste é o melhor método, pois além de mais
sensível, não utiliza radiação ionizante, porém devemos lembrar que exames em
criança, na maioria das vezes exigem sedação e cada caso deve-se pesar os
riscos em relação aos benefícios.
PARA ENTENDER DAS IMAGENS
Como já dissemos o objetivo da disciplina não é ensinar como interpretar
exames, mas a entender o papel do diagnóstico morfológico como auxilio ao
diagnóstico clínico-laboratorial, além de apresentar o algoritmo de investigação
por imagem nas doenças mais comuns dos diversos aparelhos e sistemas.
Entretanto, para que as aulas práticas fiquem mais interessantes, em
muitas aulas utilizaremos, como forma de motivação, casos clínicos e exames
de imagem completos, sempre tentando mostrar que as alterações anatômicas
causadas pelas doenças podem ser muito úteis para chegar mais perto do
diagnóstico correto do problema do paciente, quando associadas às informações
clínicas e laboratoriais.
No sistema nervoso central (SNC), pelas suas características anatômicas,
os melhores métodos de imagem são a ressonância magnética (RM) e a
tomografia computadorizada (TC), como veremos neste módulo do curso. Como
são métodos caros e que trazem algum risco para o paciente, devem ser
solicitados com critério, tendo em vista sempre a relação custo/benefício.
A TC é de interpretação direta, pois todas as imagens são formadas com
base na mesma propriedade física, o coeficiente de atenuação dos raios-x. Já
na RM, as imagens podem ser formadas a partir de propriedades diferentes dos
tecidos e, se isso é uma de suas principais vantagens, também é a causa de
muitas dificuldades na interpretação, pois precisamos comparar imagens
baseadas em propriedades diferentes da mesma parte do SNC e de acordo com
a comparação entender o que está acontecendo no tecido nervoso e seus
envoltórios com maior precisão.
Os quadros abaixo tentam resumir conceitos importantes para entender
os exame de RM e TC do encéfalo e os termos que são mais comumente
utilizados nas duas técnicas.
MACETES PARA INTERPRETAR EXAMES DE
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ENCÉFALO
1. CONHECER A ANATOMIA
2. SABER COMO O EXAME FOI FEITO (PLANO DE CORTE /
ESPESSURA DO CORTE / USO DE MEIOS DE CONTRASTE / ETC)
3. IDENTIFICAR OS ESPAÇOS LÍQUIDOS (VENTRÍCULOS E
ESPAÇO SUBARACNÓIDE). OS CONTORNOS SÃO DADOS PELO
CONTATO ENTRE O LIQUOR E O PARÊNQUIMA ENCEFÁLICO.
4. COMPARAR A SIMETRIA DAS ESTRUTURAS DO ENCÉFALO
(MAS LEMBRE QUE ELA NÃO É ABSOLUTA).
5. IDENTIFICAR IMAGENS SUSPEITAS. OLHAR O CORTE
ANTERIOR E POSTERIOR
6. DESCARTAR ARTEFATOS (MOVIMENTO / VOLUME PARCIAL)
7. TENTAR CLASSIFICAR AS LESÕES EM EXPANSIVAS (REDUZ OS
ESPAÇOS LÍQUIDOS / CAUSA HERNIAÇÕES) E LESÕES
RETRÁTEIS OU CICATRIZES (AUMENTA OS ESPAÇOS
LÍQUIDOS).
8. TENTAR DEFINIR SE A LESÃO ESTÁ DENTRO DO PARÊNQUIMA
(INTRA-AXIAL) OU FORA (EXTRA-AXIAL).
9. SE EXISTEM CALCIFICAÇÕES (DENSIDADE ALTA COMO O
OSSO) E SE PODEM SER FISIOLÓGICAS (PLEXOS CORÓIDES /
PINEAL / DURA-MATER)
10. PROCURAR ÁREAS COM DENSIDADE DIFERENTE DO
PARÊNQUIMA: MAIS ESCURA MAIS ÁGUA (EDEMA / TUMOR /
INFARTO) MAIS BRANCA (CALCIFICAÇÃO / HEMORRAGIA /
IMPREGNAÇÃO PELO MEIO DE CONTRASTE).
11. FAZER A LISTA DAS DOENÇAS MAIS PROVÁVEIS
MACETES PARA INTERPRETAR EXAMES DE
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO ENCÉFALO:
1. CONHECER A ANATOMIA
2. SABER COMO O EXAME FOI FEITO (TIPO DE CONTRASTE (T1, T2,
T2*, FLAIR, etc)/ PLANO DE CORTE / ESPESSURA DO CORTE /
USO DE MEIOS DE CONTRASTE / ETC)
3. IDENTIFICAR OS ESPAÇOS LÍQUIDOS (VENTRÍCULOS E
ESPAÇO SUBARACNÓIDE). OS CONTORNOS SÃO DADOS PELO
CONTATO ENTRE O LIQUOR E O PARÊNQUIMA ENCEFÁLICO.
4. APROVEITAR A SIMETRIA DAS ESTRUTURAS DO ENCÉFALO
(LEMBRE QUE ELA NÃO É ABSOLUTA).
5. IDENTIFICAR IMAGENS SUSPEITAS. OLHAR O CORTE
ANTERIOR E POSTERIOR
6. DESCARTAR ARTEFATOS (MOVIMENTO / VOLUME PARCIAL /
FLUXO)
7. TENTAR CLASSIFICAR AS LESÕES EM EXPANSIVAS (REDUZ OS
ESPAÇOS LÍQUIDOS / CAUSA HERNIAÇÕES) E LESÕES
RETRÁTEIS OU CICATRIZES (AUMENTA OS ESPAÇOS
LÍQUIDOS).
8. TENTAR DEFINIR SE A LESÃO ESTÁ DENTRO DO PARÊNQUIMA
(INTRA-AXIAL) OU FORA (EXTRA-AXIAL).
9. PROCURAR ÁREAS COM SINAL DIFERENTE DO PARÊNQUIMA:
T1 = MAIS ESCURA MAIS ÁGUA (EDEMA / TUMOR / INFARTO)
MAIS BRANCA (HEMORRAGIA / IMPREGNAÇÃO PELO MEIO DE
CONTRASTE) T2 = MAIS BRANCA MAIS ÁGUA (EDEMA/ TUMOR/
INFARTO); MAIS ESCURA = SANGUE / CALCIFICAÇÃO / FLUXO.
10. FAZER A LISTA DAS DOENÇAS MAIS PROVÁVEIS
TERMOS USADOS NA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
TR: tempo de repetição entre os pulsos de radiofreqüência. É
medida em milisegundos (ms).
TE: tempo após o qual o sinal vai ser captado na bobina (para
isto, é aplicado um pulso, que faz os spins inverterem seu
sentido, num tempo igual a TE/2)
T2: tempo de relaxamento 2 ou “spin-spin”. As lesões com mais
água ficam mais branca, o que o torna muito sensível para
demonstrar lesões no SNC.
T2*: tempo de relaxamento T2 sem a correção das
inomogenidades do campo, o que o torna muito mais curto que
o T2. É usado para identificar calcificações e depósitos de
sangue.
T1: tempo de relaxamento 1 ou “spin-latice” As lesões com mais
água ficam mais escuras. Mostra a anatomia com mais detalhes,
embora menos sensível para lesões. A impregnação pelo
gadolínio só aparece nas imagens baseadas em T1.
DIFUSÃO: capacidade das moléculas de água se movimentarem
nos diversos tecidos. É possível obter imagens baseadas na
difusão (DWI e ADC)
SEQÜÊNCIA: conjunto de imagens obtidas simultaneamente,
num determinado plano (axial, coronal, sagital) utilizando um
conjunto de parâmetros (TR, TE, etc) de modo a ter contraste
baseado numa das propriedades dos tecidos (T1, T2, densidade
de prótons, etc).
FLAIR: seqüência com contraste T2 em que se inibe os sinais da
água livre (ex. liquor) tornando mais fácil identificar lesões
superficiais e periventriculares, além de ressaltar o contraste do
parênquima para lesões com mais água tecidual.
SATURAÇÃO DE GORDURA: técnica usada para suprimir o sinal
(alto) da gordura que pode impedir a identificação de
impregnações pelo gadolínio.
SINAL NA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ÁGUA LIVRE: líquido não ligado às proteínas, como o líquor, cistos,
etc.
ÁGUA TECIDUAL: as moléculas de água que “envolvem” as proteínas
ou estão nos espaços intracelular e extravascular dos tecidos. Esta
água não é suprimida na sequência FLAIR.
GORDURA: os hidrogênios ligados à gordura têm frequência de
precessão pouco diferente da água. A gordura costuma ser “branca”
tanto em T1 quanto em T2 (use a gordura do subcutâneo como
referência).
OSSO CORTICAL: sempre escuro, pois não tem prótons livres. Olhar
sempre se a cortical próxima a uma lesão está íntegra ou não.
OSSO ESPONJOSO: nos adultos predomina a medula amarela
(gordura), aparecendo hiperintensa em T1 e T2.
SANGUE: o hematoma pode ser qualquer sinal. Lembre de hematoma
com lesões que tenham componentes muito escuros em T2 e brancos
em T1.
VEIA: a velocidade do fluxo varia muito. Pode ser branca ou negra.
Depende do tipo de sequência.
ARTÉRIA: fluxo rápido, que pelo efeito flow void deixa a artéria escura,
mas algumas sequências podem mostrar artérias brancas.
CALCIFICAÇÕES: diferente da TC, são difíceis de demonstrar,
aparecendo melhor nas sequências baseadas em T2* ou em
susceptibilidade magnética (SWI)
SINAL NA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
T1
ÁGUA LIVRE
ÁGUA TECIDUAL
GORDURA
OSSO CORTICAL
OSSO ESPONJOSO
SANGUE
VEIA
ARTÉRIA
T2
FLAIR
Fly UP