...

Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-85, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais
mecanismos antioxidantes
Consequences of production of reactive oxygen species in reproduction and main antioxidant mechanisms
E.R. Andrade1,4, F.A. Melo-Sterza2,3, M.M. Seneda3, A.A. Alfieri1
1
Dep. de Medicina Veterinária Preventiva; Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil
Unidade Universitária de Aquidauana; Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, MS, Brasil;
3
Dep. de Clínica Veterinária, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil
4
Correspondência: [email protected]
2
Resumo
O estresse oxidativo é consequência de um desequilíbrio na quantidade de espécies reativas de oxigênio
(ERO), as quais são também comumente denominadas radicais livres. Para reverter o quadro de estresse
oxidativo, é preciso reduzir a produção de ERO ou aumentar a quantidade de antioxidantes disponíveis. Na
reprodução, o estresse oxidativo pode provocar efeitos deletérios tanto ao sistema reprodutor feminino como ao
masculino. O objetivo desta revisão é apresentar a influência do estresse oxidativo na reprodução animal bem
como estratégias que possam ser realizadas para impedir o seu acontecimento, entre elas o uso de compostos
antioxidantes como o ácido ascórbico, o tocoferol e o ácido α-lipoico.
Palavras-chave: estresse oxidativo, ERO, antioxidante, reprodução
Abstract
Oxidative stress is a consequence of an imbalance in the amount of reactive oxygen species (ROS),
which are also commonly known as free radicals. To reverse the oxidative stress framework is needed to reduce
the production of ROS's or increase the amount of antioxidants available. In reproduction, oxidative stress, can
cause deleterious effects to both the reproductive system of male and female. The objective of this review is to
present the influence of oxidative stress in animal reproduction as well as strategies that may be made to prevent
its occurrence, including the use of antioxidant compounds like ascorbic acid, tocopherol and the α-lipoic acid.
Keywords: oxidative stress, ROS, antioxidant, reproduction
Introdução
Em condições fisiológicas, as espécies reativas de oxigênio (ERO) e os antioxidantes encontram-se em
uma situação de equilíbrio. Quando este equilíbrio é quebrado e uma quantidade excessiva de ERO é liberada,
ocorre o estresse oxidativo.
Na reprodução, o estresse oxidativo pode provocar efeitos deletérios tanto ao sistema reprodutor
feminino como ao masculino. No que diz respeito às fêmeas, os problemas podem ocorrer desde o processo de
maturação do oócito até à gestação, e nos machos os distúrbios podem ocorrer durante as várias etapas da
espermatogênese. O estresse oxidativo também pode ocasionar lesões ao DNA das células da linha germinativa
de ambos os sexos, e se tal processo não for contido, os descendentes do indivíduo em questão poderão
apresentar defeitos de diversas ordens. O estresse oxidativo também pode influenciar a eficiência da produção in
vitro de embriões. Consequências desse estresse podem provocar alterações negativas nos processos de
maturação e fecundação dos oócitos bem como de cultivo dos prováveis embriões. Para reverter o quadro de
estresse oxidativo, é preciso reduzir a produção de ERO ou aumentar a quantidade de antioxidantes disponíveis.
Nesse sentido, vários estudos têm sido desenvolvidos.
O objetivo desta revisão é apresentar a influência do estresse oxidativo na reprodução animal bem como
estratégias que possam ser realizadas para impedir o seu acontecimento, entre elas o uso de compostos
antioxidantes como o ácido ascórbico, o tocoferol e o ácido α-lipóico.
Estresse oxidativo
O estresse oxidativo é consequência de um desequilíbrio na quantidade de espécies reativas de oxigênio
(ERO), as quais são também comumente denominadas radicais livres. Esse desequilíbrio pode ser causado por
diversos fatores relacionados com o aumento da produção de ERO e/ou a redução da disponibilidade de
antioxidantes. Entre eles, pode-se citar, como exemplo, a nutrição inadequada e a permanência dos animais em
condições de estresse.
_________________________________________
Recebido: 17 de maio de 2009
Aceito: 27 de agosto de 2010
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
O termo radical livre não é considerado o mais adequado, pois nem todas as espécies reativas do
oxigênio são radicais livres, e estes nem sempre são oxidantes (Maia, 2006). Quimicamente, os radicais livres
são átomos, moléculas ou íons que apresentam um elétron desemparelhado, reativo e instável, o qual, para
alcançar a estabilidade, tende a se ligar a outro elétron (Souza e Ferreira, 2007).
Espécies reativas de oxigênio (ERO)
As ERO incluem todos os radicais e não radicais derivados do oxigênio, os quais são eletronicamente
instáveis e, por isso, altamente reativos, tendo a capacidade de reagir com um grande número de compostos que
estejam próximos. Eles podem exercer a função de agentes oxidantes, atuando como receptores de elétrons, ou
de agentes redutores, atuando como doadores de elétrons (Agarwal et al., 2005).
A mitocôndria é o principal local de produção das ERO (Barja, 2007). Grande parte da energia
produzida no organismo é gerada por meio de fosforilação oxidativa, o que implica cinco complexos enzimáticos
(Blier et al., 2001). Os complexos de I a IV (cadeia de transporte de elétrons) estão envolvidos no transporte de
elétrons através de uma série de proteínas via reações REDOX (reduções oxidativas), tendo como destino final
uma molécula de oxigênio. Em circunstâncias normais, o oxigênio é, então, convertido em água no complexo IV,
e a energia é estocada e usada para a produção de ATP no complexo V. Porém, durante esse processo, uma
pequena porcentagem do oxigênio consumido pela mitocôndria no complexo IV, é convertida em uma das várias
ERO, em vez de água. Portanto, paradoxalmente, um processo fundamental para o desenvolvimento da vida dos
eucariotos (fosforilação oxidativa) é também um dos principais responsáveis pela produção de ERO. Essas
espécies são produzidas, ainda, por outras reações REDOX, como aquelas envolvidas em mecanismos de defesa
contra patógenos, por exemplo o caso da oxidase NADPH (Downling e Simmons, 2009).
A formação de radicais derivados do oxigênio em vários processos metabólicos exerce um papel
importante no funcionamento do organismo. Eles são dose dependentes e, quando em baixas concentrações, são
responsáveis pelo transporte de elétrons na cadeia respiratória, atuando como moléculas sinalizadoras (Downling
e Simmons, 2009). As ERO passam a ter um efeito prejudicial ao organismo quando ocorre um aumento
excessivo na sua produção ou quando há diminuição de agentes oxidantes.
Os três principais tipos de ERO são: superóxido (O2-), peróxido de hidrogênio (H2O2) e hidroxila (OH°),
os quais serão brevemente descritos a seguir.
Radical superóxido (O2-)
É um radical livre, formado a partir do oxigênio molecular pela adição de um elétron. Sua formação
ocorre espontaneamente em quase todas as células aeróbicas, especialmente na membrana mitocondrial, por
meio da cadeia respiratória (Ferreira e Matsubara, 1997; Nordberg e Arnér, 2001). É um radical pouco reativo e
não tem habilidade de penetrar membranas lipídicas, agindo, portanto, apenas no compartimento onde é
produzido (Nordberg e Arnér, 2001).
Radical hidroxila (OH°)
É considerado o radical livre mais reativo em sistemas biológicos, sendo capaz de causar mais danos do
que qualquer outra ERO. É formado a partir do peróxido de hidrogênio, em uma reação catalisada por íons
metais (Fe++ ou Cu+), denominada reação de Fenton (Ferreira e Matsubara, 1997; Nordberg e Arnér, 2001; Maia,
2006). Este radical hidroxila também pode iniciar a oxidação dos ácidos graxos poli-insaturados das membranas
celulares (lipoperoxidação).
Peróxido de hidrogênio (H2O2)
O H2O2 não é um radical livre, mas um metabólito do oxigênio extremamente deletério, porque participa
como intermediário na reação que produz o OH°. Tem vida longa e é capaz de atravessar membranas biológicas
(Ferreira e Matsubara, 1997; Nordberg e Arnér, 2001; Maia, 2006).
Influência do estresse oxidativo no sistema reprodutor masculino
A ocorrência do estresse oxidativo na linha germinativa é profundamente influenciada pela presença de
antioxidantes nas secreções do trato reprodutivo masculino. Esses antioxidantes incluem enzimas protetoras
altamente especializadas que são secretadas no espaço extracelular. Alguns exemplos são: glutationa peroxidase
(GPx) e a desmutase superóxida extracelular (SOD), produzidas na cabeça e cauda do epidídimo,
respectivamente (Vernet et al., 1996, 1997). O plasma seminal também possui removedores de radicais livres,
tais como o ácido ascórbico, o tocoferol, a taurina, a hipotaurina e o ácido úrico, que contribuem
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
80
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
significativamente para a proteção antioxidante do espermatozoide (van Overveld et al., 2000).
O espermatozoide é um organismo aeróbio, sendo o oxigênio um elemento essencial para manutenção
de suas funções. Porém, este elemento pode ocasionar sérios danos à célula espermática, caso esteja presente em
elevadas concentrações, o que ocorre, por exemplo, quando da elevada elaboração de ERO. Os danos
provocados pelo excesso de ERO afetam a qualidade do sêmen, incluindo perda da motilidade de forma
irreversível, inibição de respiração espermática, lesões ao DNA espermático e mitocondrial e perda de enzimas
intracelulares, interferindo na capacidade fecundante do espermatozoide (Irvine et al., 2000; Valença e Guerra,
2007).
Há muito tempo, correlacionou-se a perda de motilidade espermática a efeitos do estresse oxidativo.
Jones et al. (1979) demonstraram que os mecanismos responsáveis por esse fenômeno em mamíferos envolvem a
indução de danos peroxidativos à membrana plasmática do espermatozoide, composta por ácidos graxos poliinsaturados que são essenciais para dar à membrana a permeabilidade necessária para participar da fecundação.
Estudos têm demonstrado que o espermatozoide e os leucócitos presentes no sêmen são capazes de gerar ERO e
que os danos causados na célula espermática advêm de uma alta quantidade de ácidos graxos poli-insaturados
oxidáveis. A elevada porcentagem destes elementos torna-os vulneráveis à atuação de agentes oxidantes, como
os radicais livres, e, desse modo, torna-os também sensíveis à peroxidação lipídica. (Bilodeu et al., 2002).
Quando as espécies reativas de oxigênio atacam as duplas ligações associadas aos ácidos graxos insaturados,
uma reação em cadeia de peroxidação lipídica é iniciada, a qual, não sendo paralisada, leva a uma perda da
permeabilidade da membrana e consequentemente da função espermática (Aitken e Krausz, 2001).
Sabe-se que a criopreservação induz à formação de ERO, as quais diminuem o desempenho espermático
(Watson, 2000). O efeito da oxidação sobre o DNA mitocondrial e sobre a arquitetura da membrana espermática
pode ser considerado o principal fator de redução da motilidade espermática e fertilidade do sêmen
criopreservado (Cummins et al., 1994). O efeito protetor dos antioxidantes adicionados ao sêmen suíno antes da
congelação permite a manutenção funcional das mitocôndrias (Peña et al., 2003).
Durante a descongelação, ocorre um aumento na elaboração de ERO (Chatterjee et al., 2001) devido a
um acréscimo na síntese de superóxido, o qual está relacionado a uma queda nos níveis de atividade da
superóxido dismutase (SOD) e a uma redução da concentração de glutationa. A redução na concentração de
glutationa intracelular e a elevação na concentração de ERO podem desencadear a peroxidação lipídica e
consequentemente promover a perda da função espermática (Valença e Guerra, 2007).
Influência do estresse oxidativo no sistema reprodutor feminino
As ERO promovem ações fisiológicas e deletérias no trato reprodutivo da fêmea. Esses radicais estão
presentes nos ovários, na tuba uterina e nos embriões, e estão envolvidos nos processos fisiológicos, como
maturação oocitária, esteroidogênese, e nas funções do corpo lúteo (Agarwal et al., 2005). O papel das ERO na
patogênese da infertilidade dos machos já está bem definido, porém, nas fêmeas, sua função permanece incerta.
Acredita-se que a esteroidogênese esteja relacionada com a atividade enzimática antioxidante e que o
oócito dentro do folículo esteja naturalmente exposto a um certo nível de estresse oxidativo. Altas concentrações
de estrógeno contribuem para uma maior atividade antioxidante; por outro lado, o estresse oxidativo apresenta
impacto na produção de hormônios esteroides produzidos pelas células da granulosa, principalmente o estrógeno.
Dessa maneira, o estresse oxidativo contribui ainda para uma redução da atividade antioxidante, o que dificulta,
então, o controle do estresse. Fenômenos de peroxidação lipídica parecem estar envolvidos nesse processo,
influenciando também a produção de outras glicoproteínas produzidas pelas células da granulosa, como a inibina
A, a inibina B, a ativina A e o hormônio antimuelleriano, os quais têm sido investigados como marcadores da
resposta ovariana e sua reserva folicular (Appasamy et al., 2007).
Diversos fatores, como o consumo de oxigênio, a interferência da luz, os próprios espermatozoides e
leucócitos, bem como a ativação oocitária mediada pelo espermatozoide e a ativação do genoma embrionário,
podem aumentar a produção de ERO (Wang et al., 2002; Livingston et al., 2009). O estresse oxidativo parece
danificar os embriões por levar à peroxidação dos fosfolipídios de membrana e à alteração de grande parte dos
tipos de moléculas celulares, tais como lipídios, proteínas e ácidos nucleicos. As consequências desses danos
incluem alterações mitocondriais, bloqueio do desenvolvimento embrionário e apoptose (Wang et al., 2002).
Oócitos e embriões parecem estar protegidos do estresse oxidativo pela presença de antioxidantes dos fluidos
folicular e do oviduto. Porém, quando os oócitos são tirados de seu ambiente natural, para a participação na
produção in vitro de embriões, eles perdem a sua defesa natural, e, portanto, cuidados especiais, como a adição
de antioxidantes ao meio de cultivo, devem ser tomados para evitar que o estresse oxidativo ocorra e reduza a
eficiência da produção in vitro de embriões (PIVE; Wang et al., 2002). Livingston et al. (2009) sugeriram a
existência de um reservatório de enzimas antioxidantes no oócito, as quais são armazenadas na forma de mRNA,
presumivelmente para prevenir o estresse oxidativo e garantir o desenvolvimento futuro.
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
81
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
Antioxidantes
Segundo Halliwell e Gutteridge (1999), antioxidante pode ser definido como qualquer substância que,
quando presente em baixas concentrações comparadas àquela do substrato oxidável, retarda ou previne,
significativamente, a oxidação daquele substrato. Em condições normais, os antioxidantes convertem ERO em
água para prevenir a superprodução destes compostos. Existem dois sistemas de defesa antioxidantes: os
antioxidantes enzimáticos e os não enzimáticos.
Antioxidantes enzimáticos
São conhecidos como antioxidantes naturais. Eles neutralizam as ERO excessivas e previnem danos da
estrutura celular. São compostos pelas enzimas: superóxido dismutase (SOD); catalase (CAT), peroxirredoxinas
(Prx), glutationa (GSH), glutationa redutase (GR) e glutationa peroxidase (GPx).
Antioxidantes não enzimáticos
São conhecidos como antioxidantes sintéticos ou suplementos da dieta. Fazem parte do sistema não
enzimático, um grande número de compostos de baixo peso molecular, incluindo o ácido ascórbico, o tocoferol,
diferentes compostos de selênio, ubiquinonas (coenzima Q), ácido úrico, ácido
α -lipoico (Nordberg e Arnér,
2001), zinco, taurinas, hipotaurinas, glutationas, betacaroteno e caroteno (Maia, 2006). Esse sistema pode atuar
em duas linhas: como removedor do agente, antes que ele cause lesão, ou como reparador da lesão ocorrida.
Com exceção da vitamina E, que é um antioxidante estrutural da membrana, a maior parte dos agentes
antioxidantes encontra-se no meio intracelular (Ferreira e Matsubara, 1997).
Dentre os antioxidantes envolvidos diretamente na reprodução, merecem destaque o ácido ascórbico
(vitamina C), o tocoferol (vitamina E) e o ácido α-lipoico, que serão detalhados a seguir.
Ácido ascórbico
O ácido ascórbico, também denominado vitamina C ou ascorbato, é uma vitamina hidrossolúvel que
tem sido considerada o mais importante antioxidante do fluido extracelular (Alvarez et al., 2006; Hossein et al.,
2007). O ácido ascórbico reduz as ERO e age também prevenindo a formação de hidroperóxido de lipídios nas
lipoproteínas plasmáticas, protegendo a célula dos danos oxidativos (Annae e Creppy, 2001; Nordberg e Árner,
2001). Estudos in vitro sugerem que, em altas concentrações, o efeito antioxidante do ácido ascórbico é
diretamente relacionado com a regeneração do tocoferol pela redução dos radicais tocoferil em um ciclo redox
(Chow, 1991; Monteiro et al., 2005).
As três principais funções biológicas do ácido ascórbico (síntese de colágeno, secreção hormonal e
antioxidação) podem explicar muitos dos efeitos conhecidos da vitamina sobre a reprodução. No tocante ao
aparelho reprodutor feminino, foi demonstrado que o ácido ascórbico se acumula nas células da granulosa, da
teca e no citoplasma periférico do oócito com o intuito de inibir o reinício da meiose espontânea em oócitos
imaturos. O acúmulo de ácido ascórbico nas células da granulosa parece ser um processo essencial para o
desenvolvimento folicular, pois ele é necessário para a secreção de colágeno e proteoglicanos no fluido folicular
(Kao et al., 1990; Fisher et al., 1991; Luck et al., 1995). Thomas et al. (2001) testaram a ação do ácido ascórbico
em meio sem soro e relataram um aumento no número de folículos pré-antrais intactos e uma diminuição na
porcentagem de degeneração das células da granulosa e da teca.
Foi sugerido que a atresia folicular tem início como consequência da inadequada proteção das células da
granulosa contra os efeitos prejudiciais das espécies reativas de oxigênio. Os oxidantes induzem a apoptose em
células da granulosa cultivadas, e a adição de antioxidantes, como o ácido ascórbico, inibe esta resposta (Tilly e
Tilly, 1995). A adição do ácido ascórbico ao meio de cultivo reduz a apoptose folicular em ratos, camundongos e
bovinos (Tilly e Tilly, 1995; Eppig et al., 2000; Wang et al., 2002; Kim et al., 2004).
Vários estudos relatam os efeitos diretos da deficiência do ácido ascórbico sobre a fertilidade masculina
em animais de laboratório e em espécies domésticas. Baixas concentrações de ácido ascórbico em sêmen bovino
foram associadas ao mau desempenho reprodutivo, enquanto cobaias sofreram degeneração do epitélio
germinativo testicular (Luck, 1994). Concentrações baixas de ácido ascórbico foram associadas com baixa
contagem espermática, aumento do número de espermatozoides anormais, redução da motilidade e aglutinação
(Dawson et al., 1990). Já Yousef et al. (2007) trabalharam com suplementação de ácido ascórbico em coelhos
machos e verificaram que este antioxidante reduziu significativamente as concentrações de radicais livres e
aumentou a atividade de enzimas antioxidantes (GST, SOD e CAT) em comparação com animais não tratados.
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
82
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
Tocoferol
O tocoferol, ou vitamina E, é conhecido como o principal antioxidante lipossolúvel que protege os
ácidos graxos poli-insaturados dos tecidos contra a peroxidação. Ele é um potente removedor de radicais peroxil
(LOO•) e, provavelmente, o mais importante inibidor da reação em cadeia da lipoperoxidação em animais
(Halliwell e Gutteridge, 1999; Droge, 2002). Faz-se necessário destacar que os efeitos do tocoferol podem variar
com a dose utilizada, pois, de acordo com a quantidade de radicais hidroxilas a serem inativados, o tocoferol
poderá ter o efeito antioxidante ou estimular a oxidação (Cao e Cutler, 1997).
A adição de tocoferol aos ejaculados tem demonstrado efeitos variados, pois o processo de oxidação
atua diferentemente entre as estruturas das células espermáticas das diversas espécies. No sêmen refrigerado de
equinos, Ball et al. (2001) observaram pouco efeito da adição deste antioxidante. No entanto, trabalhando com
sêmen ovino fresco, Sarlos et al. (2002) observaram que a adição de tocoferol prolonga o período de conservação
do sêmen, melhora a motilidade do espermatozoide e reduz o grau de danos celulares. A habilidade do tocoferol
na inibição da lipoperoxidação da membrana espermática também já foi demonstrada no sêmen fresco (Cerolini
et al., 2000) e criopreservado (Breininger et al., 2005) de varrão e no sêmen criopreservado de bovino (Beconi et
al., 1993).
Uma quantidade significativa de tocoferol está presente no ovário e no fluido folicular, o que sugere sua
ação sobre o sistema reprodutor feminino (Attaran et al., 2000). A adição de tocoferol ao meio de cultivo de
embriões bovinos melhorou a competência de desenvolvimento ao estádio de blastocisto (Olson e Seidel, 2000),
além de suprimir os danos oxidativos e potencializar o desenvolvimento de embriões suínos (Kitagawa et al.,
2004). Das e Chowdhury (1999) alimentaram ratas com uma dieta deficiente em vitamina E por 70 dias. Entre
seus achados, eles mostraram que houve aumento significativo de folículos ovarianos degenerados. Além disso,
Vierk et al. (1998) trataram ovinos com doses luteolíticas de PGF2α no dia 10 do ciclo estral; nos ovinos que
receberam doses sistêmicas de vitamina E, os tecidos luteínicos apresentaram mínimas evidências de apoptose, o
que foi evidenciado pela diminuição da fragmentação do DNA. Coletivamente, os resultados destes
investigadores sugerem que a vitamina E é um componente vital da fisiologia ovariana normal.
Ácido α-lipoico
O ácido α-lipoico (ALA - nome químico: ácido 1,2 ditiolano-3-valérico ou ácido 6,8-ditio-octanoico) é
um composto natural conhecido por suas complexas propriedades antioxidantes (Moini et al., 2002; Bilska e
Wlodek, 2005; Guibu et al., 2009). O ALA pode ser obtido a partir da dieta e pela síntese mitocondrial (Teichert
et al., 2005). O ALA exógeno é rapidamente absorvido e transportado para o compartimento intracelular, sendo
reduzido a ácido dihidrolipoico (DHLA). O processo de redução resulta em dois grupos tiol livres, que são
responsáveis pelo efeito antioxidante superior da forma reduzida (DHLA) em comparação com a forma oxidada
(ALA; Guibu et al., 2009).
ALA e DHLA parecem ser uma dupla antioxidante ideal devido a várias de suas propriedades: i) têm a
capacidade de sequestrar algumas espécies reativas, (ii) podem reduzir as formas oxidadas do ácido ascórbico,
glutationa e coenzima Q10, que são capazes de regenerar o tocoferol oxidado, formando uma rede antioxidante,
e (iii) ambos têm atividade quelante de metal (Packer et al., 1995; Biewenga et al., 1997). A capacidade do ALA
de atravessar a barreira hematoencefálica também é uma vantagem porque o cérebro é um importante alvo para a
intoxicação por chumbo (Gurer et al., 1999).
Atualmente, apenas a forma oxidada (ALA) é utilizada (Melli et al., 2008). Vários estudos têm
mostrado que o ALA exerce múltiplas ações farmacológicas capazes de prevenir a degeneração nervosa em
modelos experimentais de doenças como diabetes (Vincent et al., 2005), Parkinson (Bharat et al., 2002),
Alzheimer (Abdul e Butterfield, 2007) e síndrome metabólica (Guibu et al., 2009). Ele também inibe o estresse
oxidativo na infecção por HIV em estudos experimentais (Packer et al., 1995) e reduz danos decorrentes de
isquemia e reperfusão no sistema nervoso central e sistema cardiovascular em estudos com animais (Cao e
Phillis, 1995; Freisleben, 2000).
Em um estudo recente, foi demonstrado que o pré-tratamento com ALA atenua a isquemia-reperfusão
induzida por peroxidação lipídica, previne a isquemia ovariana pós-lesão e mantém a morfologia ovariana após
torção ovariana em ratos (Cosar et al., 2007). Já Gurer et al. (1999) avaliaram a eficácia in vitro do ALA contra o
efeito citotóxico do chumbo em ovários de hamster e observaram uma diminuição da peroxidação lipídica nas
células ovarianas, resultando em considerável aumento da sobrevivência celular. Estes resultados obtidos com
ovários estão de acordo com estudos prévios que mostram que o ALA reduz a injúria por reperfusão em vários
tecidos (Scott et al., 1994; Biewenga et al., 1996; Guimarães et al., 2007).
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
83
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
Perspectivas
O potencial reprodutivo dos animais é diretamente influenciado pelos danos causados pelo estresse
oxidativo. Os resultados obtidos sobre os benefícios proporcionados pelos antioxidantes sobre a viabilidade do
sêmen fresco ou congelado, bem como sobre o desenvolvimento oocitário e embrionário, são de extrema
importância para o direcionamento de trabalhos futuros que visem ao delineamento de protocolos alternativos de
preservação espermática e ao cultivo folicular e embrionário que viabilizem as biotécnicas reprodutivas ao ponto
de passarem a ser economicamente viáveis e empregadas de forma rotineira no Brasil. Por outro lado, é
fundamental que mais estudos sejam realizados sobre o estresse oxidativo e as estratégias para que ele seja
tratado ou evitado em animais de produção, especialmente no que diz respeito ao sistema reprodutor feminino.
Referências bibliográficas
Abdul HM, Butterfield DA. Involvement of PI3K/PKG/ERK1/2 signaling pathways in cortical neurons to
trigger protection by cotreatment of acetyl-Lcarnitine and alpha-lipoic acid against HNE-mediated oxidative
stress and neurotoxicity: implications for Alzheimer's disease. Free Radic Biol Med, v.42, p.371-384, 2007.
Agarwal A, Gupta S, Sharma RK. Role of oxidative stress in female reproduction. Reprod Biol Endocrinol,
v.3:28, 2005.
Aitken RJ, Krausz C. Oxidative stress, DNA damage and the Y chromosome. Reproduction, v.122, p.497-506,
2001.
Alvarez CA, Moraes GV, Scapinello C, Martins EN, Cardozo RM, Marcela Mataveli M, Kioshima RS.
Efeito da suplementação de selenometionina e vitamina C sobre a morfopatologia espermática do sêmen de
coelho. Acta Sci Anim Sci, v.28, p.165-175, 2006.
Annae R, Creppy EE. Lipid peroxidation as pathway of aluminium cytotoxicity in human skin fibroblast
cultures: prevention by superoxide dismutase + catalase and vitamin E and C. Hum Exp Toxicol, v.20, p.477481, 2001.
Appasamy M, Jauniaux E, Serhal P, Al-Qahtani A, Groome NP, Muttukrishna S. Evaluation of the
relationship between follicular fluid oxidative stress, ovarian hormones, and response to gonadotropin
stimulation. Fertil Steril, v.89, p.912-921, 2007.
Attaran M, Pasqualotto E, Falcone T, Goldberg J, Miller K, Agarwal A, Sharma RK. The effect of
follicular fluid reactive oxygen species on outcome of in vitro fertilization. Int J Fertil, v.45, p.314-320, 2000.
Ball BA, Medina V, Gravance CG, Baumbe J. Effects of antioxidants on preservation of motility, viability and
acrosomal integrity of equine spermatozoa during storage at 5ºC. Theriogenology, v.56, p.577-589, 2001.
Barja G. Mitochondrial oxygen consumption and reactive oxygen species production are independently
modulated: implications for aging studies. Rejuvenation Res, v.10, p. 215-223, 2007.
Beconi MT, Francia CR, Mora NG, Affranchio MA. Effect of natural antioxidants on frozen bovine semen
preservation. Theriogenology, v.40, p.841-851, 1993.
Bharat S, Cochran BC, Hsu M, Liu J, Ames BN, Andersen JK. Pre-treatment with R-lipoic acid alleviates
the effects of GSH depletion in PC12 cells: implications for Parkinson's disease therapy. Neurotoxicology, v.23,
p.479-486, 2002.
Biewenga GP, Dorstijn MA, Verhagen JV, Haenen GR, Bast A. Reduction of lipoic acid by lipoamide
dehydrogenase. Biochem Pharmac, v.51, p.233-238, 1996.
Biewenga GP, Haenen GRMM, Bast A. The pharmacology of the antioxidant lipoic acid. Gen Pharmacol,
v.29, p.315-331, 1997.
Bilodeu JF, Blanchete S, Cormier N, Sirad MA. Reactive oxygen species-mediated loss of bovine sperm
motility in egg yolk Tris exyender: protection by pyruvate, metal chelators and bovine liver or oviductal fluid
catalase. Theriogenology, v.57, p.1105-1122, 2002.
Bilska A, Wlodek L. Lipoic acid-the drug of the future? Pharmacol Rep, v.57, p.570-577, 2005.
Blier PU, Dufresne F, Burton RS. Natural selection and the evolution of mtDNA-encoded peptides: evidence
for intergenomic co-adaptation. Trends Genet, v.17, p. 400-406, 2001.
Breininger E, Beorlegui NB, O’Flaherty CM, Beconi MT. Alpha-tocopherol improves biochemical and
dynamic parameters in cryopreserved boar semen. Theriogenology, v.63, p.2126-2135, 2005.
Cao G, Cutler RG. High concentration of antioxidants may not improvedefense against oxidative stress. Arch
Gerontol Geriatr, v.17, p.189-201, 1997.
Cao X, Phillis JW. The free radical scavenger, alpha-lipoic acid, protects against cerebral ischemia-reperfusion
injury in gerbils. Free Radic Res, v.23, p.365-370, 1995.
Cerolini S, Maldjian A, Surai P, Noble R. Viability, susceptibility to peroxidation and fatty acid composition
of boar semen during liquid storage. Anim Reprod Sci, v.58, p.99-111, 2000.
Chatterjee S, de Lamirande E, Gragnon C. Criopreservation alters membrane sulfhydryl status of bull
spermatozoa: protection by oxidized glutathione. Mol Reprod Dev, v.60, p.498-506, 2001.
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
84
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
Chow CK. Vitamin E and oxidative stress. Free Radic Biol Med, v.11, p.215-232, 1991.
Cosar E, Sahin FK, Köken G, Toy H, Basarali K, Büyükbas S. The protective effect of lipoic acid in
experimental ovarian ischaemia-reperfusion injury. Aust N Z J Obstet Gynaecol, v.47, p.499-503, 2007.
Cummins JM, Jequier AM, Kan R. Molecular biology of the human male infertility: links with aging,
mitochondrial genetics and oxidative stress. Mol Reprod, v.37, p.345-362, 1994.
Das P, Chowdhury M. Vitamin E-deficiency induced changes in ovary and uterus. Mol Cell Biochem, v.198,
p.151-159, 1999.
Dawson EB, Harris WA, Powell LC. Relationship between ascorbic acid and male fertility. World Rev Nutr
Diet, v.62, p.1-26, 1990.
Dowling DK, Simmons LW . Reactive oxygen species as universal constraints in life-history evolution. Proc R
Soc Lond B, v.276, p.1737-1745, 2009.
Droge W. Free radicals in the physiological control of cell function. Physiol Rev, v.82, p.47-95, 2002.
Eppig JJ, Hosoe M, O’Brien MJ, Pendola FM, Requena A, Watanabe S. Conditions that affect acquisition
of developmental competence by mouse oocytes in vitro: FSH, insulin, glucose and ascorbic acid. Mol Cell
Endocrinol, v.163, p.109-16, 2000.
Ferreira ALA, Matsubara LS. Radicais livres: conceitos, doenças relacionadas, sistema de defesa e estresse
oxidativo. Rev Assoc Med Bras, v.43, p.1-16, 1997.
Fisher E, McLennan SV, Tada H, Heffernan S, Yue DK, Turtle JR. Interaction of ascorbic acid and glucose
on production of collagen and proteoglycan by fibroblasts. Diabetes, v.40, p.371-376, 1991.
Freisleben HJ. Lipoic acid reduces ischemia–reperfusion injury in animal models. Toxicology, v.148, p.159171, 2000.
Ghibu S, Lauzier B, Delemasure S, Amoureux S, Sicard P, Vergely C, Muresan A, Mogosan C, Rochette
L. Antioxidant properties of alpha-lipoic acid: effects on red blood membrane permeability and adaptation of
isolated rat heart to reversible ischemia. Mol Cell Biochem, v.320, p.141-148, 2009.
Guimaraes SB, Santos JMV, Aragao AA, Kimura OS, Barbosa PHU, Vasconcelos PRL. Protective effect of
lipoic acid in experimental spermatic cord torsion. Nutrition, v.23, p.76-80, 2007.
Gurer H, Ozgunes H, Oztezcan S, Ercal N. Antioxidant role of a-lipoic acid in lead toxicity. Free Radic Biol
Med, v.27, p.75-81, 1999.
Halliwell B, Gutteridge JMC. Free radicals in biology and medicine. 3.ed. New York: Oxford, 1999.
Hossein MS, Hashem MA, Jeong YW, Lee MS, Kim S, Kim JH, Koo OJ, Park SM, Lee EG, Park SW,
Kang SK, Lee BC, Hwang WS. Temporal effects of _-tocopherol and l ascorbic acid on in vitro fertilized
porcine embryo development. Anim Reprod Sci, v.100, p.107-117, 2007.
Irvine DS, Twigg J, Gordon E, Fulton N, Milne P, Aitken RJ. DNA integrity in human spermatozoa:
relationship with semen quality. J Androl, v.21, p. 33-44, 2000.
Jones R, Mann T, Sherins RJ. Peroxidative breakdown of phospholipids in human spermatozoa: spermicidal
effects of fatty acid peroxides and protective action of seminal plasma. Fertil Steril, v.31, p. 531-537, 1979.
Kao J, Huey G, Kao R, Stern R. Ascorbic acid stimulates production of glycosaminoglycans in cultured
fibroblasts. Exp Mol Pathol, v.53, p.1-10, 1990.
Kim SS, Yang HW, Kang HG, Lee HH, Lee HC, Ko DS, Gosden RG. Quantitative assessment of ischemic
tissue damage in ovarian cortical tissue with or without antioxidant (ascorbic acid) treatment. Fertil Steril, v.82,
p.679-685, 2004.
Kitagawa Y, Suzuki K, Yoneda A, Watanabe T. Effects of oxygen concentration and antioxidants on the in
vitro developmental ability, production of reactive oxygen species (ROS), and DNA fragmentation in porcine
embryos. Theriogenology, v.62, p.1186-1197, 2004.
Livingston T, Rich K, MacKenzie S, Godkin JD. Glutathione content and antioxidant enzyme expression of in
vivo matured sheep oocytes. Anim Reprod Sci, 116, p.265-273, 2009.
Luck MR.The gonadal extra-cellular matrix. Oxf Rev Rep Biol, v.16, p.33-85, 1994.
Luck MR, Jeyaseelan I, Scholes RA. Minireview: ascorbic acid and fertility. Biol Reprod, v.52, p.262-266,
1995.
Maia MS. Viabilidade espermática e geração de metabólitos Reativos do Oxigênio (ROS) no semen ovino
criopreservado em diluidor aditivado de Lauril Sulfato de Sódio (OEP), Trolox-C e Catalase. 2006. Tese
(doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Botucatu, 2006.
Melli G, Taiana M, Camozzi F, Triolo D, Podini P, Quattrini A, Taroni F, Lauria G. Alpha-lipoic acid
prevents mitochondrial damage and neurotoxicity in experimental chemotherapy neuropathy. Exp Neurol, v.214,
p.276-284, 2008.
Moini H, Packer L, Saris NE. Antioxidant and prooxidant activities of alpha-lipoic acid and dihydrolipoic acid.
Toxicol Appl Pharmacol, v.182, p.84-90, 2002.
Monteiro SC, Matté C, Bavaresco CS, Netto CA, Wyse ATS. Vitamins E and C pretreatment prevents
ovariectomy-induced memory deficits in water maze. Neurobiol Learn Mem, v.84, p.192-199, 2005.
Nordberg J, Árner ESJ. Reactive oxygen species, antioxidants, and the mammalian thioredoxin system. Free
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
85
Andrade et al. Consequências da produção das espécies reativas de oxigênio na reprodução e principais mecanismos
antioxidantes.
Radic Biol Med, v.31, p.1287-1312, 2001.
Olson SE, Seidel Jr GE. Culture of in vitro-produced bovine embryos with Vitamin E improves development in
vitro and after transfer to recipients. Biol Reprod, v.62, p.248-252, 2000.
Packer L, Witt EH, Tritschler HJ. Alpha-lipoic acid as a biological antioxidant. Free Radic Biol Med, v.19,
p.227-250, 1995.
Peña FJ, Johannisson A, Wallgren M, Rodriguez-Martinez H. Antioxidante supplementation in vitro
improves boar sperm motility and mitochondrial membrane potential after cryopreservation of different fractions
of the ejaculate. Anim Reprod Sci, v.78, p.85-98, 2003.
Sarlos P, Molnar A, Kokai M, Gabor GY, Rátky J. Comparative evaluation of the effect of antioxidants in the
conservation of ram semen. Acta Vet Hung, v.50, p.235-245, 2002.
Scott BC, Aruoma OI, Evans PJ. Lipoic acid and dihydrolipoic acids as antioxidants: A critical evaluation.
Free Radic Res, v.20, p.119-133, 1994.
Souza JDS, Ferreira WM. O papel da vitamina e na nutrição e reprodução animal - meios de defesa contra os
radicais livres. Rev Eletr Nutr, v.4, p.456-461, 2007.
Teichert J, Tuemmers T, Achenbach H, Preiss C, Hermann R, Ruus P, Preiss R. Pharmacokinetics of _lipoic acid in subjects with severe kidney damage and end-stage renal disease. J Clin Pharmacol, v.45, p.313328, 2005.
Thomas FH, Leask R, V. Srsen V, Riley SC, Spears N, Telfer EE. Effect of ascorbic acid on health and
morphology of bovine preantral follicles during long-term culture. Reproduction, v.122, p.487-495, 2001.
Tilly JL, Tilly KI. Inhibitors of oxidative stress mimic the ability of follicle stimulating hormone to suppress
apoptosis in cultured rat ovarian follicles. Endocrinology, v.136, p.242-252, 1995.
Valença RMB, Guerra MMP. Espécies Reativas ao Oxigênio (ROS) e a utilização de antioxidantes na
criopreservação do sêmen suíno. Rev Bras Reprod Anim, v.31, p.47-53, 2007.
van Overveld FW, Haenen GR, Rhemrev J, Vermeiden JP, Bast A. Tyrosine as important contributor to the
antioxidant capacity of seminal plasma. Chem Biol Interact, v.127, p.151-161, 2000.
Vernet P, Faure J, Dufaure JP, Drevet JR. Tissue and developmental distribution, dependence upon testicular
factors and attachment to spermatozoa of GPX5, a murine epididymis-specific glutathione peroxidase. Mol
Reprod Dev, v.47, p.87-98, 1997.
Vernet P, Rigaudiere N, Ghyselinck N, Dufaure JP , Drevet JR. In vitro expression of a mouse tissue-specific
glutathione peroxidase protein lacking selenocysteine can protect stably transfected mammalian cells against
oxidative damage. Biochem Cell Biol, v.74, p.125-131, 1996.
Vierk JE, Hansen TR, Austin KJ, Van Kirk EA, Hess BW, Murdoch WJ. Inhibition by tocopherol of
prostaglandin-induced apoptosis in ovine corpora lutea. Prostaglandins Other Lipid Mediat, v.56, p.265-276,
1998.
Vincent AM, Stevens MJ, Backus C, McLean LL, Feldman EL. Cell culture modeling to test therapies
against hyperglycemia-mediated oxidative stress and injury. Antioxid Redox Signal, v.7, p.1494-1506, 2005.
Wang X, Falcone T, Attaran M, Goldberg JM, Agarwal A, Sharma RK. Vitamin C and Vitamin E
supplementation reduce oxidative stress-induced embryo toxicity and improve the blastocyst development rate.
Fertil Steril, v.78, p.1272-1277, 2002.
Watson PF. The causes of reduced fertility with cryopreserved semen. Anim Reprod Sci, v.60/61, p.481-492,
2000.
Yousef MI, Awad TI, Elhag FA, Khaled FA. Study of the protective effect of ascorbic acid against the toxicity
of stannous chloride on oxidative damage, antioxidant enzymes and biochemical parameters in rabbits.
Toxicology, v.235, p.194-202, 2007.
Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.79-86, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br
86
Fly UP