...

HISTÓRIA GERAL DAS RELIGIÕES Karina Bezerra

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

HISTÓRIA GERAL DAS RELIGIÕES Karina Bezerra
HISTÓRIA GERAL DAS RELIGIÕES
Karina Bezerra
A RELIGIÃO NA PRÉ-HISTÓRIA
É preciso, antes de tratarmos sobre o tema, saber sobre o período descrito. Préhistória designa tudo o que se passou desde o aparecimento do primeiro ser com postura
ereta, até o tempo em que surgi a escrita. O termo foi cunhado com o pré-conceito de
que, se não houvesse escrita, não haveria história para contar. No entanto, há muito
tempo já não se pensa mais desse modo. O desenvolvimento da arqueologia,
paleontologia, antropologia, e várias outras logias, possibilitaram o estudo e
compreensão da vida do homem pré-histórico, mesmo que embrenhada em nevoeiros e
barrancos. As dificuldades são muito grandes, mas, devemos lembrar que, mesmo os
textos escritos, são passiveis de enganos, pois, a versão de quem escreve, não é verdade
absoluta.
Para melhor compreensão desse longo tempo histórico, dividiu-se ele em
período Paleolítico e Neolítico. O primeiro se inicia com o surgimento dos hominídeos
por volta de 4 a 2 milhões de anos até, 10.000 a.c, data em que o gelo das extremidades
do globo derreteu, mudando o clima do planeta. O segundo, se conta dessa mudança
climática até a produção da escrita, por volta de 4.000 a.c.
Outro ponto a esclarecer é que a cronologia adotada, ou seja, a utilizada pelos
acadêmicos, é baseada nos primeiros eventos ocorridos no globo. Por exemplo, quando
dizemos que a pré-história acaba com a utilização da escrita, automaticamente,
declaramos que alguns indígenas brasileiros até pouco tempo viviam na pré-história.
Mas, isso não denota inferioridade em relação a nossos indígenas. É importante
compreender, que cada grupo humano em seu território geográfico, se desenvolveu do
seu modo, de acordo com suas necessidades. Um grupo não é superior ao outro por
possuir mais tecnologia. A condição climática, geográfica, hidrográfica, entre outros, do
território habitado, é que conduz as atividades humanas. A terra do Brasil oferecia ao
índio, uma rica diversidade natural, dando-o privilégio de uma vida farta, sem maiores
complicações.
1
O indicio mais antigo de prática relacionada à religião do homem e mulher préhistórico, é o sepultamento. Que esta intimamente ligada, as fontes mais antigas e
numerosas da pré-história, que são as ossadas. A prática da inumação revela uma
preocupação com a vida após a morte. Isso é mais ressaltado ainda, nos detalhes de
preparação e adereços encontrados em inúmeras sepulturas. Por exemplo, o ocre
vermelho salpicado em cadáveres, é universalmente encontrado, podendo ser substituto
ritual do sangue, símbolo da vida. A posição que o corpo é encontrado, também é
coberta de significado. Ele é virado para o leste, marcando a intenção de tornar o
destino da alma solidário com o curso do Sol, portanto a esperança de um renascimento.
E também é posto em forma fetal, tendo a terra, no caso a cova, o simbolismo do útero.
Oferendas de alimentos e diversos objetos de adorno como colares, são
encontrados depositados em túmulos. Encontraram também, cuidadosamente dispostas
em torno e sobre os cadáveres, conchas de moluscos. Essas conchas possuem a forma
de vagina, parecendo estar associadas a algum tipo primitivo de adoração da deidade
feminina.
As formas mais numerosas, evidentes e explicitas de culto religioso feito pelo
homem e mulher do Paleolítico até o momento é datado por volta de 35.000 ac. Foram
elas, as grutas/santuários com suas pinturas e as inúmeras estatuetas femininas. Como as
pinturas se encontram muito longe da entrada da gruta, sendo muito delas inabitáveis,
com dificuldades de acesso, os pesquisadores concluíram que elas são uma espécie de
santuário. As pinturas revelam ainda mais o caráter sagrado e ritualístico do lugar. Duas
temáticas decifradas e discutidas por pesquisadores são a de danças rituais e seções
xamânicas. As estatuetas femininas representam o “culto da fertilidade” praticado por
esses humanos. Esculpidas em pedra, osso ou marfim, possuem nádegas, seios e
barrigas volumosas, além de terem a vulva sempre à mostra. Representam a “Grande
Mãe” a “Deusa”. André Leroi-Gourhan constata que a arte desse período expressa
alguma forma incipiente de religião, na qual figuras e símbolos femininos ocupam
posição central. Esse pensamento vai ser corroborado quando das descobertas referentes
ao período Neolítico.
As geleiras recuaram, o clima do planeta esquentou, e sua paisagem mudou.
Fauna e flora modificadas aconteceu a maior revolução da história do homem. Ocorreu
a domesticação das plantas, ou seja, a invenção da agricultura, a domesticação de
animais e o sedentarismo. Mas, a criatividade religiosa no neolítico foi despertada
menos pelo fenômeno empírico da agricultura, do que pelo mistério do nascimento, da
2
morte e do renascimento identificado no ritmo da vegetação. As crises que põem a
colheita em perigo (inundações, secas etc.) serão traduzidas, para serem compreendidas,
aceitas e dominadas, em dramas mitológicos. A mulher teve um papel decisivo para a
domesticação das plantas, ela que conhecia o “mistério” da criação. Fértil e fecunda
como a terra, foi responsável pela abundancia das colheitas.
Em todos os sítios arqueológicos do neolítico encontramos a religião centrada no
culto à Deusa. Por exemplo, em Catal Huyuk,
A principal divindade é a deusa, apresentada sob três aspectos: mulher
jovem, mãe dando à luz um filho (ou um touro), e velha
(acompanhadas as vezes de uma ave de rapina). A divindade
masculina aparece sob a forma de uma rapaz adolescente – o filho ou
o amante da deusa – e de um adulto barbudo, ocasionalmente montado
sobre um animal sagrado, o touro. (ELIADE, 2010, p.55).
A longa viagem...
Os grupos humanos empreitaram longas viagens em busca de sobreviverem as
intempéries da jornada da vida, que naquele tempo eram muito mais cheias de mistérios
a desbravar. O frio da Era do gelo, somados a escassez de alimento e o perigo constante
da morte, tornava a vida recheada de desafios a vencer. É assim que aos poucos nossos
antepassados vão criando a cultura.
Melhor dizendo, eles vão criando aS culturas, pois, em suas grandes caminhadas,
cada grupo vai se instalando em um território, ou dá continuidade ao trajeto, em busca
de um abrigo melhor. Quando um grupo se sedentariza em determinada região, ele
começa a criar raízes com esse lugar. Cria uma interação tão grande, que até sua
aparência física começa a se adaptar a terra. Por exemplo, seus olhos e peles se tornam
claros, se o sol for fraco, e seu corpo não precisar mais produzir melanina para se
proteger. O grupo que aos poucos desenvolveu sua linguagem para se comunicar,
começa a ensinar as crianças como eles compreendem a vida. E essa compreensão vai
variar, de grupo para grupo, ou seja, de povo para povo. Uma aldeia na África, no
deserto do Saara, não vai entender o mundo do mesmo jeito que os esquimós, no gelo
da Sibéria. São paisagens muito diferentes, portanto, seus mitos, seus deuses, suas leis,
suas noções de certo e errado, serão também muito diferentes. Ou seja, suas
culturas/religiões serão muito diferentes. E nenhuma é melhor ou pior do que a outra,
elas são apenas diferentes.
3
É desse modo, que desejamos, que vocês leitores compreendam as religiões.
Cada qual produto do seu meio, com suas diversas verdades, que atendem seus diversos
fieis. O modo que julgamos melhor apresentá-las, foi dividi-las por seus respectivos
continentes de origem. Assim, escapamos incorrer em classificações inadequadas.
ÁFRICA
1. AS RELIGIÕES DOS AFRICANOS
A África é o continente onde se originou o homo sapiens. Portanto, a história da
humanidade se inicia lá. Ao contrário do que se pensa, na África antes da chegada dos
europeus, não só havia povos organizados em tribos. Houve além do Egito, diversos
reinos e impérios bastante desenvolvidos, em vários aspectos, tais como, tecnológicos,
econômicos, educacionais, culturais, e religiosos. Foram alguns deles, no Sudão
ocidental, os reinos de Mali e Gao; no Sudão central, os estados Hausa e Kanem-Bornu;
no golfo de Guiné, os reinos Yoruba e Benin; na África central, o reino do Congo; na
costa oriental da África, várias cidades-estado; e mais tarde, no Zimbábue, o reino
Monomotapa, que haveria de acolher a população do Grande Zimbábue. Esses reinos
tinham suas próprias religiões. Assim, quando o comércio de escravos foi travado entre
portugueses no Brasil, e chefes africanos, diversas religiões africanas foram
introduzidas em terras brasileiras, e ganharam ao decorrer dos séculos, a identidade afro
brasileira.
Na ÁFRICA OCIDENTAL se encontra a religião africana que predominou no
Brasil, a religião dos iorubas. É uma religião iniciática, e possui no centro
cosmológico: Onila, Grande Deusa Mãe do ile, que é o “mundo” elementar no estado
caótico, antes de organizar-se. O ile opõe-se, por um lado, ao orum, que é o céu
enquanto princípio organizado, e, por outro, ao aiyê, o mundo habitado, proveniente da
intervenção do orum no ile. Enquanto todos conhecem os aspectos assumidos pelos
habitantes do orum, os orixás, e o deus otiosus Olorum, que não é cultuado, a presença
do ile na vida dos iorubas é carregada do inquietante mistério da ambivalência feminina.
4
Na morte, as componentes do ser humano retornam para os orixás que as
redistribuem através dos recém-nascidos. Há, porém, componentes imortais, pois os
espíritos podem voltar para a terra e tomar posse de um dançarino Egungum.
A ÁFRICA ORIENTAL comporta 100 milhões de habitantes pertencentes aos
quatro grandes grupos lingüísticos de toda a África. Mas a maioria das pessoas fala
línguas bantos. As características comuns das religiões dos povos bantos são o caráter
de deus otiosus do criador, as divindades ativas são os heróis e os ancestrais,
consultados em seus santuários por médiuns em estado de transe. Os espíritos dos
mortos também podem possuir os médiuns e recebem oferendas periódicas.
Todos os povos da África Oriental conhecem a iniciação pubertária e a maioria
dos povos bantos pratica a circuncisão e a clitoridectomia ou a labiectomia.
Na ÁFRICA CENTRAL, vivem cerca de dez milhões de bantos, e os pigmeus
da floresta tropical formam três grupos principais. Um deles são os mbutis, eles
acreditam que deus é o habitat, a mata. Não possuem sacerdote e não praticam
adivinhação e tem ritos de passagem para os rapazes e moças.
Na ÁFRICA DO SUL, também emigraram vários grupos bantos. Na mitologia
karanga, a realeza sagrada realizava o equilíbrio dos contrários: o calor e a umidade,
simbolizados pelas princesas de vagina úmida e pelas princesas de vagina seca. As
primeiras deviam copular com a grande serpente aquática, às vezes chamada de serpente
Arco-Íris, que é um ser sobrenatural presente entre muitos povos da África Ocidental e
Meridional. As princesas de vagina seca eram as vestais que alimentavam o fogo ritual.
Em tempos de seca, sacrificava-se uma princesa de vagina úmida para obter-se chuva.
Hoje, o continente africano abriga numerosos povos que falam mais de 800
línguas (das quais 730 estão classificadas). E as fronteiras religiosas não acompanham o
contorno das fronteiras lingüísticas. Pois, hoje em dia basicamente “três religiões”
dominam a África moderna. As religiões autóctones, o cristianismo e o islamismo.
2. A RELIGIÃO DOS EGIPCIOS
Os egípcios são um povo bastante explorado na mídia. Sua cultura é alvo de uma
grande comercialização. No entanto, poucos se interessam em saber sobre o que eles
pensavam e sentiam sobre a vida, além dos produtos materiais que criaram.
Todos os segmentos sociais praticavam a religião egípcia, no entanto, cada
cidade prestava atenção maior aos seus “próprios” deuses. Geralmente, cada templo das
5
grandes cidades, sedes do poder, criava sua própria cosmogonia com o deus local no
ápice da hierarquia. Então, aqui, também encontramos mais de um mito sobre a criação.
Um dos mais importantes e antigos conta que, no principio era Nu, o oceano celestial
com sua característica de imobilidade e totalmente estático. Do seu interior surgiu
Atum, que criou Shu (ar) Tefnut (umidade), esse casal produz Geb (terra) e Nut (céu).
Por sua vez, os últimos dão origem a Osíris e Ísis e a Set e Néftis. Segue este mito o de
Osíris, na qual o mesmo reinava de modo justo, com sua irmã-esposa sobre o Egito. Seu
irmão Set enciumado o matou, mas Ísis logo fez uma múmia do seu marido, e com seus
poderes mágicos, devolveu a vida a Osíris. Com o qual teve um filho, Hórus. Este se
tornou rei do Egito, e os faraós o sucederam. Osíris tornou-se rei dos mortos, todos que
morrem passam pelo seu tribunal.
Esse povo era obcecado pela vida eterna e pela perpetuação da alma. As tumbas
são mais importantes que as casas mais suntuosas e é impensável economizar em
detrimento dos sacerdotes funerários. É perceptível isso nas tão conhecidas pirâmides
que eram os túmulos dos faraós. Quanto mais rico fosse o egípcio mais complexo seria
o funeral.
Os sacerdotes e sacerdotisas realizavam diariamente cultos nos diversos templos
espalhados pelo Egito. Preparavam as oferendas, em boa parte alimentos, como também
flores e incenso, e entoavam cânticos. Encantamentos são encontrados para diversas
finalidades, como amor e saúde, mas, também utilizavam nos ritos funerários.
AMÉRICA
1. AS RELIGIÕES DOS INDÍGENAS BRASILEIROS
A História dos povos indígenas brasileiros ainda é pouco estudada e debatida.
No consenso popular, apenas se imagina os índios deitados em redes, caçando e
morando em ocas. Poucos conhecem a rica Arte indígena, que em grande parte tem
motivos religiosos. Poucos sabem que apenas em um Parque do Piauí, existem 737
sítios arqueológicos identificados. Onde são encontradas urnas funerárias e pinturas de
rituais de caça. Ainda, inscrições rupestres como as da Pedra Lavrada no Ingá na
6
Paraíba, contem representações de diversos astros. Indicando a riqueza cultural e
religiosa dos indígenas brasileiros.
No tempo do descobrimento estima-se que existiam mais de mil povos,
reduzidos hoje a cerca de 200 povos diferentes, com 170 línguas. Desse modo,
salientamos que não encontramos uma religião indígena, e sim várias religiões
indígenas.
Nessas religiões indígenas, uma figura destacada e de traços comuns é o pajé.
Ele pode chegar a ser um emblema da tribo. O Pajé voa aos céus, desce as profundezas
subterrâneas, transforma-se em animais, se expressa em línguas incompreensíveis, vê
almas de mortos, causam e curam doenças e males, entre outros.
Delineado esse traço comum das religiões indígenas, agora devemos
compreender que religião e vida social, nesses povos não têm distinção, pois
Para os índios são os mitos que contêm a verdadeira história do
mundo. Os mitos não são fantasia ou ficção, e sim a explicação do
universo: a origem do cosmos, da humanidade, da sexualidade, dos
astros, da caça, da agricultura, das mulheres, da arte e da música, de
tudo que é possível conceber. Cerimônias, festas, rezas, cantos,
proibições, regras de comportamento – tudo aquilo que faz parte do
que costumamos chamar de religião – têm como chão um corpo
mítico, inerente ao cotidiano, sem nítida distinção entre o sagrado e o
profano, familiar para todos, embora os pajés detenham um
conhecimento mais profundo e a prerrogativa das viagens místicas.
(MINDLIN, 2009, p.203).
Em termos de criação, entre diversos mitos indígenas os criadores do universo
costumam ser um par de companheiros ou irmãos, identificados freqüentemente com a
lua e o sol. Como também têm uma Criadora de Tudo. Ainda, se Tupã era, para muitos
grupos, a suprema divindade, outros adoravam um estranho taumaturgo de singulares
poderes, conhecido de norte a sul, conforme a região, pelos nomes de Sumé, Tumé ou
Zumé e que geralmente, era descrito como um homem de pele clara e longas barbas,
que a exemplo dos deuses mexicanos Kukulkan e Quetzalcoatl e, ainda, do deus
peruano Viracocha, partiu um dia, prometendo que voltaria para restaurar o primado da
razão e da não violência.
O caminho para o mundo dos mortos geralmente é descrito como tortuoso e
cheio de monstros. E no mundo dos vivos, estes convivem com seres fantasmagóricos,
que podem ser enganados.
7
As religiões dos indígenas são ricas em Ritos de Passagens. Infelizmente hoje
em dia, o trabalho proselitista de missionários evangélicos e católicos, tem destruído
suas religiões, e em muitas tribos seus ritos estão sendo esquecidos, quando não
sincretizados. Por isso precisa-se o quanto antes de mais e mais pesquisas sobre essas
tão belas e importantes religiões, que fazem parte de nossa história.
2. A RELIGIÃO DOS MAIAS
A civilização Maia não foi um estado centralizado, mais um aglomerado de
cidades-estados, das quais algumas ganharam mais notoriedade, como por exemplo,
Chichén Itzá. Um dos principais elementos da religião maia eram o sacrifício humano e
animal. Acreditava-se que o sangue era primordial para o funcionamento do universo.
Inclusive os reis realizam o auto-sacrifício, na qual era retirado sangue de várias partes
de seu corpo. Os maias possuíram uma escrita hieroglífica, um calendário complexo, e
grandes pirâmides. Tinham uma concepção de tempo cíclico e deram bastante
importância aos augúrios e às profecias.
Os dois deuses maias principais eram um par cósmico, do qual todas as outras
divindades descenderam. O mais importante deus masculino era Itzamná, representado
na arte como um homem velho e descrito como a divindade da escrita e do aprendizado.
Sua consorte era Ix Chel, no período maia clássico, ela foi associada a lua, representada
como uma mulher velha tendo cobras no lugar dos cabelos e adepta da feitiçaria. Já no
final da época pós-clássica ela foi associada a medicina, e responsável pela gravidez e
pelos partos. Além desses, existem diversas outras divindades maias.
3. A RELIGIÃO DOS ASTECAS
Os astecas eram um povo dominado, até que guiados pelo guerreiro cósmico
Huitzilopochtli à procura da Terra Prometida, alojam-se por volta de 1325 d.C, no lago
Texcoco no vale do México, onde fundaram a cidade de Tenochtitlán, e formaram um
grandioso império.
8
Assim como os maias, os astecas também tinham uma cosmologia e calendário
bastante elaborados1. E acreditavam que os sacrifícios humanos eram necessários para
que o Sol mantivesse seu curso e a Quinta Idade do Sol perdurasse. De acordo com seus
cálculos, a quinta era, terminará em 2027.
No principio do cosmos havia Ometeotl. De modo mesoamericano ele tinha um
aspecto feminino e masculino. Dele nasceram os deuses principais, Huitzilopochtli,
Quetzalcoatl e Tezcatlipoca. A Deusa principal é Coatlicue, chamada pelos frades
cristãos de “mãe dos deuses, coração da terra”, segundo um dos mitos de origem dos
astecas ela é mãe de Huitzilopochtl.
4. A RELIGIÃO DO INCAS
O império inca foi a última civilização pré-colombiana, destruída em seu apogeu
pelos conquistadores espanhóis, em 1532. A fundação do império dos incas, se dá por
volta de 1200 d.c. No entanto, sua expansão espetacular só se dá a partir do oitavo
imperador, no inicio do século XV.
Adaptando fés antigas e inventando algumas novas, os incas criaram uma
religião apropriada para o império. Estabeleceu-se que a terra era viva e fundida com a
espiritualidade, animada pelos ancestrais. A fusão da geografia física e sagrada é
evidente em Machu Pichu. No centro da cidade, o pilar entalhado em pedra conhecido
como Intihuatana ou “Lugar do Sol” pode ter tido fins astronômicos, ou com o culto à
montanha, pois está localizado em ponto onde os picos sagrados estão alinhados com os
pontos cardeais.
Possuíam um panteão de deuses. A divindade suprema era Viracocha. Inti, o
deus Sol, era a principal divindade e o ancestral divino da realeza inca. Sua esposa irmã
era a deusa lua Mama Kilya. Esse incesto justifica o casamento entre irmãos praticado
pelo imperador. Sacrifícios de animais e vegetais eram comuns nos ritos religiosos.
Entretanto, em ocasiões especiais eram feitos o capac hucha, ou seja, sacrifícios de
crianças. E algumas acllas, ou “Virgens do Sol” - que eram as mais belas jovens incas
1
O calendário asteca ou Pedra do Sol, é exibido atualmente no Museu de Antropologia, na Cidade do
México. Ele pesa 24 toneladas.
9
que serviam no culto de Inti e cuidavam das múmias reais bem como da família real
atual – eram sacrificadas no fogo.
OCEANIA
1. A RELIGIÃO DOS POVOS OCEÂNICOS
As ilhas do Oceano Pacífico foram tradicionalmente agrupadas em três áreas:
Micronésia, Melanésia e Polinésia. O mais famoso pesquisador das religiões dessa área
foi o inglês etnólogo funcionalista Bronislaw Malinowski. Este concentrou mais seu
trabalho na Ilha de Trobiand. Uma das mais famosas ilhas, é a ilha de Páscoa, com suas
monumentais estátuas de pedra, e sua escrita chamada Rongorongo.
Dois conceitos muito conhecidos das religiões oceânicas são o de mana e tabu.
Mana é uma espécie de propriedade conferida pelos deuses a pessoas, lugares e coisas.
Na sociedade está associado à posição social e a realizações espetaculares. Tabu está
estreitamente vinculado a mana e significa influência divina, sobretudo em seus efeitos
negativos, que tornam certos lugares, certas pessoas e certos objetos inabordáveis ou
perigosos.
A unidade religiosa oceânica é apenas aproximativa, mas a idéia de que a
maioria dos deuses são ancestrais que habitam outro mundo e visitam freqüentemente
os vivos é muito difundida na região. O deus celeste criador é inacessível, mas suas
façanhas são contadas pelos mitos. A multidão de deuses tem influência decisiva sobre
os assuntos humanos. Sua vontade pode ser conhecida pela adivinhação, que exige
conhecimentos especiais, ou pela possessão de espíritos. A morte é seguida de
cerimônias especiais longuíssimas.
2. A RELIGIÃO DOS AUSTRALIANOS
Vivem hoje ainda, na Austrália, seus habitantes primitivos, os chamados
aborígenes (do latim, ab origine: “desde o início”). Hoje eles são cerca de 230 mil, a
maioria nas cidades, mas muitos também em reservas.
10
O aborígine aprende a história sagrada de seu mundo durante iniciações e cultos
secretos iniciáticos.
Existem tribos que acreditam em um Grande Pai - chamado
também de Eterna Juventude. Ele tem pés de ema, e possui mulher e filho – de acordo
com certas tribos, possui várias mulheres e vários filhos. E tanto ele como todos os
outros primitivos habitantes do céu ficam indiferentes com relação ao que acontece na
terra. No entanto, os poderes e forças que formaram a terra, vieram do chão, foram os
grandes espíritos dos ancestrais primitivos, sob a forma de homens ou animais. Sol, lua
e estrelas também foram criados por eles e, de matéria pré-formada, também os homens,
as tribos, os clãs, e ainda os animais. Até que ficando cansados, retornaram à terra.
Alguns afundaram nas águas, outros foram levados para o céu.
Sobre a morte, está é vista como o resultado de malefícios. O ritual fúnebre
comporta a punição do assassino presuntivo.
ÁSIA
1. AS RELIGIÕES DOS SIBERIANOS
O uso do termo siberiano é genérico, pois congrega povos que vivem na vasta
região da Ásia Central e da Sibéria, entre os montes Urais e o Estreito de Behring. São
grupos da etnia amarela sendo os mais conhecidos os mongóis e esquimós. Como são
diversos grupos, que inclusive sofreram influências de outros povos residentes no sul,
tais quais, chineses, hindus e persas, nossa abordagem da religião dos siberianos, será
tão generalizante, quanto convém.
Encontramos a crença na existência de um ser supremo, nem sempre cultuado, e
de espíritos intermediários, assim como, em deuses celestes, em um “senhor das matas”,
nas forças da natureza, na deusa da terra, ou na deusa do mar.
Não existem sacerdotes, nem templos, a experiência religiosa é mística. Dessa
forma, ganha um destaque entre eles a figura do xamã. Aquele que domina a técnica do
êxtase, e com carisma atende sua comunidade curando e aconselhando. Possuem
mitologia, e alguns ritos mais comuns são: os ritos de caça, sacrifícios de animais, culto
do fogo, e ritos agrários.
11
O principal intuito de vida é viver o mais longamente possível, evitando doenças
e incômodos fatais.
2. AS RELIGIÕES DA ANTIGA MESOPOTÂMIA
A palavra “Mesopotâmia” é de origem grega, significa “entre rios”. Pois é
localizada onde hoje é o Iraque, portanto cortada pelos importantes rios Tigre e
Eufrates. Três regiões compunham a Mesopotâmia. Ao norte, a Assíria, ao centro a
Acádia, e ao sul a Suméria.
Fazia parte do cotidiano dos sumérios 3.600 deuses, devidamente registrados por
eles. Esse povo desenvolveu os primeiros documentos escritos, foi uma civilização
literária, com um complexo sistema de governo, e hierarquia religiosa, administrativa e
social. O mito da criação diz que, a Deusa Nammu – mar primordial- gera o primeiro
casal An (o céu) e Ki (a terra), dessa união nasce En-li (deus da atmosfera), que separa
seus pais. Seus textos também evocam o mito da perfeição e bem-aventurança dos
“primeiros tempos” e o mito do dilúvio. A mais popular das divindades era Inanna.
Aparecendo em diversos mitos, ela era o planeta Vênus e seus domínios a fertilidade, o
amor e a guerra. Outro deus importante além de An e En-li, é Tamuz deus da fertilidade.
A adivinhação era bastante recorrente, inclusive antes de campanhas militares.
Era feita pelo exame de víscera de animais, observações astronômicas, ou por
interpretações de sonhos. A doença era relacionada a pecados ou à possessão
demoníaca. Era curada por encantadores, que ao mesmo tempo eram médicos que
também prescreviam remédios.
O rei era o reflexo de Deus, mas não o próprio. No entanto, na festa de Ano
Novo, era realizado o rito do matrimonio sagrado, onde o rei desposava a Deusa Inanna,
para garantir a prosperidade do país no ano seguinte. O foco da religião Suméria era o
templo, arquitetura monumental, residência dos deuses. Em sua consagração, todos se
tornavam iguais perante a divindade e a lei. A adoração publica era realizada fora do
templo, no grande pátio.
Após a supremacia dos acadianos sobre as cidades sumérias, houve uma
simbiose sumério-acadiana. Inanna se tornou Isthar, e Marduk deus da cidade da
babilônia se torna supremo. Mais tarde, o deus Epônimo da Assíria suplanta Marduk.
12
3. A RELIGIÃO DOS CANANEUS
Escavações realizadas em 1929, trouxeram de volta à luz a antiga cidade de Ugarit,
representante da civilização cananéia no fim da Idade do Bronze (1365-1175 a.C). O
culto cananeu concentrava-se em dois casais divinos: El e Asherat, soberanos do outro
mundo e Baal e Anat, soberanos deste mundo. O primeiro casal foi o primordial, El, que
significa “deus” era o chefe do panteão, o “poderoso”, “pai dos deuses e homens”. Até
que foi se tornando um deus otiosus. Pois, um deus mais “especializado” Baal
promoveu-se a categoria suprema. Baal significa “Senhor”, ele é fonte e principio de
fertilidade, mas também guerreiro, tal como sua irmã e esposa Anat é, ao mesmo tempo,
deusa do amor e da guerra. Um dos mitos de combate pelo trono entre Baal e Yamm,
um monstro marinho, lembra evidentemente, a derrota do monstro marinho Tiamat,
vencido pelo deus mesopotâmico Marduk, segundo a quarta tábua da Gênese
babilônica, Enuma Elish, assim como a vitória de Javé sobre o mar em certos Salmos e
em Jó 26, 12-13.
4. A RELIGIÃO DA ANTIGA CHINA
A cultura chinesa original foi marcada pelo xamanismo, em cujo centro se
encontrava a veneração dos ancestrais e os ritos. A arte divinatória era feita pelo uso de
ossos de tartarugas ou omoplatas de gado. Esses ossos eras expostos ao fogo e
aquecidos, até surgirem fraturas e riscos, que então eram interpretados. A leitura dos
oráculos, assim como da astrologia era feita pelo rei (wang), soberano político e chefe
militar, muitas vezes atuava também como supremo xamã e sacerdote. No entanto, não
reivindicava uma natureza divina, era um mediador. Normalmente o ritual era realizado
na corte, muitas vezes associado a sacrifícios de animais. Envolvia também música,
dança, transe e muito vinho.
A mitologia chinesa foi preservada de uma forma fragmentária. Os mitos mais
antigos, envolvendo a criação, por exemplo, foram encontrados depois da criação do
confucionismo. Shandi (上帝) é considerado a divindade suprema, ser distante e
transcendente. E Nu Kua (女媧) é a deusa que criou a humanidade, seu companheiro —
irmão e marido — era Fu Xi (伏羲). Estes dois seres às vezes são adorados como os
13
primeiros antepassados dos seres humanos. Eles são muitas vezes representados como
criaturas metade-serpente, metade-humana.
4.1 TAOÍSMO
Por volta de 600-500 a.C, Lao-Tzu, escreveu um livrinho chamado Tao Tê
Ching, ou Livro da Lei do Universo e Sua Virtude. Tao significa caminho, mas também
o Ser supremo ao qual o caminho conduz. O Tao é uma força mística, impessoal e
imanente que dá a vida e a harmonia. É um caminho de observação da natureza, de seus
ritmos e fluxos. O taoísmo implica passividade, simplicidade, intervenção mínima na
natureza, e a busca pela longevidade, através de estudo, da ação correta, da dieta e
exercícios.
Posteriormente esse caminho foi fundido com antigos rituais folclóricos e
crenças chinesas, chegando a ser em 444 da era cristã religião oficial. O taoísmo tem
seus próprios deuses, templos, sacerdotes e monges. Rituais complexos, como
procissões, oferendas, e cerimônias de honra dos vivos e dos mortos.
4.2 CONFUCIONISMO
Confúcio ou Kung-fu-Tzu (551 a.C. – 479 a.C) foi uma espécie de filósofo e
educador, que ensinou um código social de comportamento rígido e completo, baseado
nos costumes, que buscava manter a harmonia na sociedade. A virtude era dever de
todos, e em especial dos governantes. Ele ensinou a “regra de prata” do “não faça aos
outros o que você não quer que façam a você”. Confúcio não especulou sobre a
metafísica, mas considerou o ritual importante, sendo um meio de codificar valores.
5. RELIGIÃO DO JAPÃO/XINTOISMO
O xintoísmo é a religião autóctone do Japão, um sistema de crenças muito
antigo, sem fundador, ou livro sagrado. É o caminho do kami (deuses). O kami é a
natureza, o sol, a lua, os animais, as plantas etc. E pode ser também, um ser humano
iluminado que se tornou imortal. Existe a lenda que diz que a linhagem imperial do
Japão originou-se de Amaterasu, a deusa do sol. Existem diversos santuários, onde as
14
pessoas buscam pelas bênçãos dos kami, e realizam os festivais de Ano-Novo,
primavera/plantio e outono/colheita do arroz
6. A RELIGIÃO DA ANTIGA INDIA
Por volta de 2.500 a.C, uma civilização se estendeu muito além do vale do Indo.
Era uma civilização urbana razoavelmente adiantada, ao mesmo tempo mercantil e
“teocrática”. Foram escavadas duas cidades, provavelmente as capitais do “império” da
civilização harapiana. Sua tecnologia é considerada como igual à do Egito e
Mesopotâmia, mas carece de imaginação. O que indica que os Harapa não se
concentravam nas coisas desse mundo.
Eles faziam culto a uma deusa-mãe, e a um grande deus, esse parece ser um
protótipo de Xiva - uma figura itifálica sentada numa postura “iogue” e rodeada de
animais ferozes. Dedicavam sacrifícios também a diferentes espíritos de árvores. Nas
escavações também encontraram o “Grande Bath” que lembra as “piscinas” dos templos
hindus de nossos dias. Por volta de 1700 a.C, essa civilização entrou em decadência e
deram lugar as investidas dos povos indo-europeus.
6.1 HINDUISMO
Os povos indo-europeus fizeram um amalgama da sua cultura com a dos
autóctones, assim gerando a civilização védica. Está é assim denominada porque foi
nesta época que os Vedas – conjunto de textos religiosos - foram compilados. A religião
védica é precursora do hinduísmo moderno.
O hinduísmo é tão multifacetado, que seria mais cabível falarmos de
hinduísmos. A diversidade de práticas é reflexo da variedade de tradições étnicas, que
enriquecem a religião. Mas, além do elemento territorial e familiar que congrega está
religião, a aceitação das escrituras védicas é imprescindível para denominar-se
hinduísta. No entanto, como boa parte da população indiana é analfabeta, o que mais
importa são os inúmeros ritos religiosos. Essa constatação também é evidente, na
persistência popular pelas figuras divinas vivas e concretas, quando as especulações nos
escritos filosóficos dos Upanixades (escritos por volta de 600 a.C, marca o fim dos
Vedas) mostravam que o homem precisava romper a superfície visível das coisas e
15
olhar para dentro de si mesmo. Os Upanixades também introduzem a noção de Atmã,
alma, e Brahman, a força que permeia todo universo, uma divindade impessoal.
Alguns princípios que unem os hinduístas são, a pertença ao sistema de castas, a
adoração a vaca, e a crença no carma e na reencarnação. As principais divindades
adoradas são o deus Vishnu e seu avatar Krishna, e o deus Shiva. Além de inúmeras
deusas, ganhando destaque a deusa Kali.
Por volta de 550 a.C, seguindo a linha filosófica dos Upanixades, surgem dois
reformadores radicais na Índia. Sidartha Gautama, que cria o BUDISMO e Mahavira,
que cria o JAINISMO. Bem posteriormente, em 1499, na região da Índia, hoje
denominada Paquistão, um Guru chamado Nanak, cria o SIQUISMO. Que é uma
tentativa de conciliar o hinduísmo e o islamismo.
7. A RELIGIÃO DOS PERSAS/ZOROATRISMO
Indianos e iranianos tiveram um povo ancestral comum os proto-indo-iranianos,
que por sua vez, é um ramo da família indo-européia. Quando se separaram
desenvolveram línguas diferentes, no entanto, conservaram alguns pontos em comuns,
como o domínio da sociedade por uma aristocracia guerreira e pelos sacerdotes, e
algumas práticas religiosas. Algumas delas foram o sacrifício de animais, e o uso da
bebida alucinógena chamada haoma, além da divisão dos seres divinos em ahuras
(senhores) e devas (deuses).
Zoroastro viveu entre 1500 e 1000 a.C, no entanto, as fontes do zoroastrismo
foram redigidas apenas a partir do século IV d.C, apesar de ter sido religião oficial do
Império Persa (VI-IV a.C), e dos reinos subseqüentes até século VII d.C. Segundo a
tradição, ele era sacerdote e aos 30 anos teve uma visão. Suas idéias entraram em
conflito com a religião tradicional. Sua doutrina oferecia iniciação e salvação para
todos, independente de classe social, contanto que levassem um vida justa e honrada.
Combinou monoteísmo e dualismo numa síntese original. Ahura Mazda, o Senhor
Supremo, tem dois filhos gêmeos, Spenta Mainyu (espírito benfazejo) e Angra Mainyu
(espírito negador) que devem escolher entre a ordem da verdade (asha) e a mentira
(drug). O homem tem o livre arbítrio para escolher seu caminho. Existem sete
intermediários para o espírito benfazejo, que são os Amesha Spentas (imortais
benfazejos) tais como “Bom pensamento”, “Verdade perfeita” etc. Existem também os
16
devas (aqui considerados demônios) que escolhem o drug. Segundo sua escolha o
homem irá para o paraíso, inferno, ou Misvan Gatu (lugar dos misturados). Três dias
depois da morte do corpo, o espírito passa por um tribunal, em seguida para um dos três
lugares mencionados. No entanto, ainda haverá o julgamento final, e enfim a
ressurreição e imortalidade dos corpos dos bons.
Os cultos são realizados sempre na presença de um fogo sagrado (símbolo de
pureza), mantido nos Templos do Fogo. Algumas características dos rituais são a
purificação da mente e do corpo e a luta contra Angra Mainyu. E a obrigação de cinco
orações diárias individuais, iniciada com a limpeza do rosto, mão e pés.
EUROPA
AS RELIGIÕES DOS INDO-EUROPEUS
As tribos indo-européias, seminômades de guerreiros patriarcais, vindos da
região ao norte do mar Negro, entre os Cárpatos e o Cáucaso, denominados de cultura
dos Kurgans. Dispersaram-se para Europa e Ásia de tal modo, que por volta do primeiro
milênio a.C, a indo-europeização da Índia, da península itálica, da península balcânica e
das regiões cárpato-danubianas, da Europa central, setentrional e ocidental – desde o
Vístula até o mar Báltico e o Atlântico -, estava ou concluída, ou consideravelmente
adiantada.
Os principais traços das sociedades indo-européias foram o nomadismo pastoril,
a estrutura patriarcal de família, e o gosto pela organização militar. Tanto é que as “três
funções” dessa sociedade eram a sacerdotal, guerreira, e produtiva. O (deus do) Céu é
acima de tudo o pai: cf. o indiano Dyauspitar, o grego Zεύçπατηφ, o ilírio Daipatures, o
latim Jupiter, o cita Zeus-papaios, o traço-frigio Zeus-pappos. A hierofania celeste
também é percebida na designação de deuses pelo nome de trovão: germânico Thôrr,
celta Taranos, báltico Perkûnas, protoeslavo Perun etc. O fogo, provocado pelo
relâmpago, era considerado de origem celeste, e tinha seu culto. O deus solar teve culto
desde a proto-história, e a mãe terra foi tomada de empréstimo dos povos aos quais eles
incorporavam. É bom lembrarmos que nenhuma tradição religiosa se prolonga
17
indefinidamente sem modificações, produzidas seja por novas criações espirituais, seja
por empréstimo, simbiose ou eliminação.
A RELIGIÃO DOS GREGOS ANTIGOS
Religião Minoica: Ilha de Creta 2700 -1400 a.C
A civilização cretense caracterizou-se pelos vastos complexos de palácios, por sua
arte que celebrava a natureza e por suas duas formas de escrita. Os estudos apontam
para uma civilização pacífica, e matrifocal. A maioria dos documentos iconográficos
tinha um sentido religioso, e o culto estava centralizado nos mistérios da vida, da morte
e renascimento, comportando ritos de iniciação. Assim, a principal divindade era uma
Grande Deusa, às vezes acompanhada de seu frágil parceiro masculino, um deus
adolescente. Temos aqui uma hierogamia, típico das religiões agrárias e de mistérios. O
culto era celebrado nos cumes das montanhas, nas capelas dos palácios ou no recinto
dos lares. Também era realizado o culto aos mortos. Por todas as partes as deusas
acham-se no centro da atividade religiosa.
Ocorre primeiro a invasão dos povos micênicos (1400-1200 a.C). Estes deixaram
escritos em grego arcaico, que revelaram panteões locais com divindades cultuadas
posteriormente como, Zeus, Hera, Poseidon, Ártemis, Dionisio. O período seguinte
(1200-800 a.C) marca o fim da civilização micênica e a chegada dos povos do norte e
leste. Cuja principal fonte de informação são as obras de Homero, Ilíada e Odisseia.
Finalmente, temos a religião da Grécia arcaica/clássica/helenística/românica (800 a.C380 d.C)..
A autonomia das cidades-estados gregas se refletiu em sua religião. Em cada
cidade, ou mesmo nos altares domésticos, encontrava-se uma religiosidade grega. Os
gregos praticavam um culto politeísta antropomórfico, em que os deuses poderiam se
envolver em aventuras fantásticas, tendo, também, a participação de heróis (Hércules,
Teseu, Perseu, Édipo). Não havia dogmas, os deuses possuíam tanto virtudes quanto
defeitos, o que os assemelhava aos mortais no aspecto de personalidade. Para relatar os
feitos dos deuses e dos heróis, os gregos criaram uma rica Mitologia.
A Teogonia de Hesíodo apresenta o nascimento das forças naturais e dos deuses
a partir do Caos primordial, da Terra (Gaia), do Tártaro e de Eros (amor), dos antigos
18
Titãs seguidos pela geração de Cronos (tempo), que castra o pai Uranos (céu), e pela de
Zeus, que vence o pai Cronos, e o exila em algum lugar da terra.
Acreditavam que dos rituais dependessem a sorte dos humanos. Tudo girava em
torno do altar de sacrifícios. Existiam altares sem edifício, mas nunca o contrário. A
palavra sacrifício significa festa religiosa. Uma das principais festas era os jogos
olímpicos, que teve inicio em 776 a.C, ou seja, no inicio do período arcaico. A origem
do teatro também foi de cunho religioso, com representações da saga de Dionísio, deus
do vinho. Além dos grandes santuários como os de Delfos, Olímpia e Epidauro, havia
os oráculos que também recebiam grandes multidões, pois lá se acreditava receber
mensagens diretamente dos deuses.
A RELIGIÃO DOS GERMANOS
Entende-se por germânicos, grupos de populações localizadas entre a
Escandinávia Meridional, a Jutlândia, a costa meridional do Báltico e a Europa Central,
entre o Reno, os Alpes e a Vístula.
Possuíam uma espécie de “especialistas do sagrado” que influenciavam a ordem
social, e a quem competia a prática da adivinhação. Havia um culto comum ás diversas
tribos, dedicado à deusa Nerthus. Os templos eram espaços e áreas sagradas, como o
bosque sagrado, sede da deusa Nerthus. Escritos que falam do transporte dessa deusa
em um carro guardado no bosque, indica a existência de imagens, no entanto, estatuas
são raríssimas. Praticavam sacrifício animal e humano.
O panteão germânico é repartido entre dois grupos divinos: os Ases e os Vanes.
Os principais entre os Ases são, Odin/Wodan, Thor e Thyr. Entre os Vanes destacam-se
Njordhr/Nerthus, Freyr e Freya. Os dois grupos guerreiam, e quando da reconciliação
definitiva, as principais divindades Vanes, instalam-se entre os Ases. Existem também
as Valquírias, senhoras guerreiras do cortejo dos deuses, e toda uma multidão de
espíritos ocultos e furtivos, os Elfos, os Silfos, e os Pigmeus.
A mitologia germânica é cíclica, existe uma cosmogonia que é seguida de uma
escatologia. Do gelo e do fogo nascem dois seres: o gigante Ymir e a vaca Audumla,
que amamenta o primeiro e cria um homem, Buri, que desposa a filha de um gigante,
que tem três filhos: Odin, Vili, e Vé. Esta trindade mata o gigante Ymir e, de seu corpo,
eles criam nove mundos. No fim do mundo, Ragnarok, a terra afundará no oceano. Será
19
o fim de um ciclo e o começo de outro: a grande árvore Yggdrasill abrir-se-á e de dentro
dela surgirão um homem, Lif e uma mulher, Lifthrasir, que repovoarão a Terra.
A RELIGIÃO DOS CELTAS
Grande parte da população da Europa ocidental, antes da conquista romana,
pertencia às etnias celtas. No entanto, o lugar que preservou por mais tempo a cultura
Celta, foi a Irlanda.
O panteão Celta possui as deusas da fertilidade, ou mãe dos deuses, as matronae,
com grande difusão de culto, sendo chamada de Danu, na Irlanda e Dôn na região das
Gálias, por exemplo. Tem o deus Cernunnos, identificado como “o senhor das coisas
selvagens”. Existem os deuses Teutates, Esus e Taranis, interpretados na ordem como,
“o homem da tribo”, optimus, e deus do trovão. Um importante deus que atravessa todo
universo celta é Lug, “senhor de todas as artes”.
Os celtas possuíram quatro principais celebrações. Estas dividiam o ano em
metade escuro e metade clara. O ano se iniciava em Samhain, quando começava a
metade escura, na virada de 31 de outubro. Seguia-se Imbolc, em 1º de fevereiro, era
uma festa de purificações. Para introduzir a metade clara do ano, celebrava-se Beltane
(fogo de Belenus- deus do sol), em 1º de maio. Seguia-se Lugnasad, em 1º de agosto,
celebração da colheita.
Existia uma elite sacerdotal intelectual, depositários do saber tradicional, os
druidas. A formação dos druidas demorava muito tempo e era mnemônica de
longuíssimas seqüências de versos, transmitido oralmente. Eles atuaram na astrologia,
cosmologia, teologia, adivinhação, aplicação da justiça, na música (os bardos) e etc. Um
dos ensinamentos dos druidas considerava a transmigração das almas de um corpo a
outro depois da morte, e a passagem por um tempo na Terra da Juventude.
A RELIGIÃO DOS ROMANOS
Antes de se tornar o grande império romano, Roma era apenas uma, entre as
diversas cidades da península itálica. Indo-europeus de origem, os romanos eram
circundados por diversas etnias como os sabinos e etruscos. Logo tiveram enorme
20
influência da religião etrusca, que por sua vez, entre os século VIII e VII, se
helenizaram. Roma tomou de empréstimo características de diversas religiões, inclusive
fez isso também, por meio da evocatio, que consiste no pronunciamento feito na cidade
inimiga, para convidar os deuses a abandoná-la e dirigir-se a Roma, onde receberia
honra maiores. No entanto, a religião romana só podia ser praticada por um cidadão
romano, e tinha suas próprias características.
Para os romanos qualquer anomalia, implicava um retorno ao caos, ou seja, uma
crise nas relações entre os deuses e os homens. Dessa forma, eles davam importância
apreciável às técnicas divinatórias, e desenvolveram entidades regentes de vários
aspectos da vida, e ritos para apaziguá-los. Existia o culto público, subordinado ao
estado, e o culto privado ou doméstico, destinado aos antepassados.
A princípio os deuses romanos iniciavam com o deus-padroeiro dos “começos”
Jano, seguido da tríade Júpiter, Marte, e Quirino, e no fim, Vesta, protetora da cidade. A
influencia etrusca mudou a tríade para Júpiter, Juno e Minerva. No século V, Roma
assimila divindades gregas, como Hermes-Mercúrio, Apolo-Febo, Afrodite-Vênus,
Ártemis-Diana. E em 205-204 a.C, introduz a primeira divindade asiática Cíbele, a
Grande Mãe de Pessinonte. Em 186 a.C, o culto de Dionísio, em Roma denominado
bacanalias, é descoberto e perseguido pelo estado, pois, representa um perigo a ordem,
visto que ele escapa ao controle do estado.
AS RELIGIÕES HOJE
No decorrer dos anos do desenvolvimento das religiões, elas foram sendo
influenciadas por religiões dos diversos povos em que entravam em contato. Assim
como, começaram a migrar para fora de seu país de origem, chegando até continentes
diferentes e distantes. Com o desenvolvimento dos transportes e posteriormente dos
meios de comunicação, o sincretismo e práticas de religiões estrangeiras se tornaram
mais intenso e comum.
Hoje no século XXI, a dinâmica do sincretismo e da importação e exportação de
religiões ainda é muito forte. É mediante isso, que conseguimos agrupar no nosso Kit,
30 religiões distintas na região metropolitana do Recife. No entanto, deixamos claro,
que esse numero é muito inferior a quantidade de religiões existentes no lugar
mencionado. E que a escolha das denominações religiosas, não presume superioridade
21
sobre as não escaladas. Mas, apenas uma tentativa de seleção de designações religiosas,
dispares em seu conteúdo, e com disponibilidade para atender o Fórum Inter-religioso.
Bibliografia
ADRIANI, Maurilio. História das religiões. Lisboa: Edições 70, 1988.
ELIADE, Mircea. História das crenças e das idéias religiosas, volume I: da idade da
pedra aos mistérios de Elêusis. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010.
______. História das crenças e das idéias religiosas, Tomo II, de Gautama Buda ao
triunfo do cristianismo. volume I, das religiões da China antiga à síntese hinduísta. Rio
de Janeiro: Zahar Editores, 1979.
ELIADE, Mircea; COULIANO, Ioan P. Dicionário das religiões. 2 ed. São Paulo:
Martins Fontes, 2009.
EISLER, Riane. O Cálice e a espada: nosso passado, nosso futuro. São Paulo: Palas
Athena, 2007.
FUNARI, Pedro Paulo (org). As religiões que o mundo esqueceu: como egípcios,
gregos, celtas, astecas, e outros povos cultuavam seus deuses. São Paulo: Contexto,
2009.
GAARDER, Jostein; HELLERN, Victor; NOTAKER, Henry. O livro das religiões.
São Paulo: Companhia das letras, 2005.
KUNG, Hans. Religiões do mundo: em busca dos pontos comuns. Campinas, SP:
Verus Editora, 2004.
LEROI-GOURHAN, André. As religiões da pré-história. Lisboa: Edições 70, 2007.
O´DONNELL, Kevin. Conhecendo as religiões do mundo. São Paulo: Edições Rosari,
2007.
SAUNDERS, Nicholas J. Américas Antigas: as grandes civilizações. São Paulo:
Madras, 2005.
SCARPI, Paolo. Politeísmos: as religiões do mundo antigo. São Paulo: Hedra, 2004.
VALETT, Odon. Uma outra história das religiões. São Paulo: Globo, 2002.
ZILLES, Urbano. Religião: crenças e crendices. 3 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.
22
Fly UP