...

telhado verde: sistema construtivo de maior eficiência e menor

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

telhado verde: sistema construtivo de maior eficiência e menor
Universidade Federal de Minas Gerais
Escola de Engenharia
Departamento de Engenharia de Materiais e Construção
Curso de Especialização em Construção Civil
11
Monografia
"TELHADO VERDE: SISTEMA CONSTRUTIVO DE MAIOR EFICIÊNCIA E
MENOR IMPACTO AMBIENTAL"
Autora: Neusiane da Costa Silva
Orientadora: Adriana Guerra Gumieri
Agosto/2011
NEUSIANE DA COSTA SILVA
"TELHADO VERDE: SISTEMA CONSTRUTIVO DE MAIOR EFICIÊNCIA E
MENOR IMPACTO AMBIENTAL"
Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Construção Civil
da Escola de Engenharia UFMG
Ênfase: Tecnologia e produtividade das construções
Orientadora: Adriana Guerra Gumieri
Belo Horizonte
Escola de Engenharia da UFMG
2011
Silva, Neusiane da Costa.
S586t
Telhado verde [manuscrito] : sistema construtivo de maior eficiência e
menor impacto ambiental / Neusiane da Costa Silva. – 2011.
60 f., enc.: il.
Orientadora: Adriana Guerra Gumieri.
Monografia apresentada ao Curso de Especialização em
Construção Civil da Escola de Engenharia UFMG.
Bibliografia: f.56-60
1. Construção civil. 2. Telhados. 3. Meio ambiente. I. Gumieri,
Adriana Guerra. II. Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de
Engenharia. III.Título.
CDU: 691
AGRADECIMENTOS
A Deus pela saúde e força;
Ao meu marido pelo apoio, incentivo e dedicação;
Aos amigos e colegas que fiz durante curso com quem compartilhei bons momentos,
conhecimento e amizade;
A orientadora, Adriana Guerra Gumieri, por compartilhar seu conhecimento e pela
dedicação do seu tempo para a finalização deste estudo.
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................................... 11
1.1 Objetivos ........................................................................................................................ 12
1.1.1 Geral ........................................................................................................................... 12
1.1.2 Específicos.................................................................................................................. 12
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA................................................................................................. 13
2.1 Telhado verde ................................................................................................................ 13
2.2 Contexto Histórico ......................................................................................................... 14
2.3 Benefícios ...................................................................................................................... 16
2.3.1 Estéticos, terapêuticos, lazer e social ........................................................................ 16
2.3.2 Produção de alimentos ............................................................................................... 17
2.3.3 Econômicos ................................................................................................................ 18
2.3.3.1 Vida útil da cobertura............................................................................................... 18
2.3.3.2 Eficiência energética ............................................................................................... 19
2.3.4 Ambientais .................................................................................................................. 21
2.3.4.1 Biodiversidade ......................................................................................................... 22
2.3.4.2 Retenção de água ................................................................................................... 22
2.3.4.3 Poluição atmosférica ............................................................................................... 23
2.4 Aplicabilidade ................................................................................................................. 24
2.5 Estrutura de composição do telhado............................................................................. 24
2.5.1 Camada Impermeabilizante ....................................................................................... 25
2.5.2 Camada drenante ....................................................................................................... 25
2.5.3 Camada filtrante ......................................................................................................... 25
2.5.4 Solo e Substrato ......................................................................................................... 25
2.5.5 Membrana de proteção contra raízes ........................................................................ 26
2.5.6 Vegetação ................................................................................................................... 26
2.6 Tipos de telhado verde .................................................................................................. 26
2.6.1 Extensivo .................................................................................................................... 27
2.6.1.1 Exemplo de telhado verde extensivo ...................................................................... 28
2.6.2 Intensivo ...................................................................................................................... 28
2.6.2.1 Exemplo de telhado verde intensivo ....................................................................... 29
2.6.3 Semi-intensivo ............................................................................................................ 29
2.6.3.1 Exemplos de telhados verdes semi-intensivos ....................................................... 29
2.7 Sistema de aplicação e construção .............................................................................. 30
2.7.1 Contínua ..................................................................................................................... 30
2.7.2 Módulos pré-elaborados ............................................................................................. 31
2.7.2.1 Modular .................................................................................................................... 31
2.7.2.1.1 Estrutura e aplicação do Sistema Modular .......................................................... 33
2.7.2.2 Alvéolar .................................................................................................................... 35
2.7.2.2.1 Estrutura do sistema............................................................................................. 36
2.7.2.2.2 Aplicação do Sistema Alveolar ............................................................................. 37
2.7.2.3 Lâminar .................................................................................................................... 38
2.7.2.3.1 Estrutura do sistema............................................................................................. 39
2.7.2.4 Aplicação do Sistema Laminar ................................................................................ 39
2.7.3 Cobertura aérea.......................................................................................................... 40
2.8 Vegetação ...................................................................................................................... 41
2.8.1 Tipos de plantas ......................................................................................................... 44
2.9 Manutenção ................................................................................................................... 47
2.10 Cuidados especiais...................................................................................................... 49
2.11 Políticas públicas ......................................................................................................... 49
2.12 Custos .......................................................................................................................... 50
3. EXPERIÊNCIAS UTILIZANDO COBERTURAS VERDE .................................................... 51
3.1 Ponto de ônibus com cobertura verde .......................................................................... 51
3.2 Cortina Verde no Japão................................................................................................. 52
3.3 Banco com cobertura verde no Japão .......................................................................... 53
3.4 Ônibus com cobertura verde ......................................................................................... 53
4. CONCLUSÃO ....................................................................................................................... 54
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................................... 56
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 - Crescimento anual médio do PIB da construção e do PIB Brasileiro. ................... 16
Figura 2 - Exemplo de telhado verde ornamental.................................................................... 17
Figura 3 - Comparação da temperatura interna de materiais utilizados em telhados. ........... 21
Figura 4 - Gráfico comparativo Volume acumulado x Tempo. ................................................ 23
Figura 5 - Corte esquemático de telhado verde extensivo. ..................................................... 25
Figura 6 - Corte esquemático de telhado verde extensivo. ..................................................... 28
Figura 7 - Telhado verde extensivo.......................................................................................... 28
Figura 8 - Edifício da prefeitura de Chicago, USA. .................................................................. 29
Figura 9 - Hotel Fairmount em Vancouver, Canadá. ............................................................... 30
Figura 10 - Telhado verde com sistema modular. ................................................................... 31
Figura 11 - Telhado verde implantada Colégio Estadual Erich Walter no Rio de Janeiro...... 32
Figura 12 - Impermeabilização e proteção mecânica. ............................................................. 33
Figura 13 - Elementos de drenagem. ...................................................................................... 33
Figura 14 - Camada de filtragem e separação. ....................................................................... 33
Figura 15 - Caixa de proteção para drenos. ............................................................................ 34
Figura 16 - Substrato de argila expandida. .............................................................................. 34
Figura 17 - Bordas de drenagem. Acabamento em pedra São Tomé. ................................... 34
Figura 18 - Plantio de mudas "in loco". .................................................................................... 34
Figura 19 - Mudas recém-plantadas. ....................................................................................... 35
Figura 20 - Jardim suspenso com seis meses após plantio. ................................................... 35
Figura 21 - Jardim suspenso um ano após plantio. ................................................................. 35
Figura 22 - Esquema estrutural alvéolar do telhado verde. .................................................... 36
Figura 23 - Colocação da membrana de retenção sobre a membrana antirraízes. ............... 37
Figura 24 - Colocação da membrana de retenção. ................................................................. 37
Figura 25 - A membrana alveolar é cortada e aplicada........................................................... 37
Figura 26 - Sistema alveolar Ecotelhado recém colocado em Niterói. ................................... 38
Figura 27 - Esquema de reúso de água do telhado verde. ..................................................... 38
Figura 28 - Esquema estrutural laminar do telhado verde Ecotelhado. .................................. 39
Figura 29 - Módulos sobre laje impermeabilizada e colocação da membrana de retenção. . 39
Figura 30 - Colocação de substrato leve fibroso e os feixes de grama são encaixadas. ....... 40
Figura 31- Detalhe da lâmina de água subterrânea com dreno lateral e sistema instalado. . 40
Figura 32 - Sistema recém-colocado numa residência em Porto Alegre (RS). ...................... 40
Figura 33 - Manacá da Serra, testada e enraizada. ................................................................ 42
Figura 34 - Tipos de plantas cultivadas em coberturas verdes e suas características. ......... 43
Figura 35 - Nome científico: Sedum acre. Nome popular: Estrelinha dourada. ..................... 44
Figura 36 - Nome científico: Sedum sp1. Nome popular: Mosquitinho. .................................. 44
Figura 37 - Nome científico: Zoyzia japonica. Nome popular: Grama esmeralda. ................. 45
Figura 38 - Nome científico: Bulbine frutescens. Nome popular: Bulbine. .............................. 45
Figura 39 - Nome científico: Arachis repens. Nome popular: Grama amendoim. .................. 45
Figura 40 - Nome científico: Ophiopogon japonicus. Nome popular: Grama preta ................ 45
Figura 41 - Nome científico: Zephyranthes Candida. Nome popular: Lírio ventos branco ..... 46
Figura 42 - Nome científico: Festuca glauca. Nome popular: Capim azul .............................. 46
Figura 43 - Nome científico: Lobularia maritima. Nome popular: Alyssum ............................. 46
Figura 44 - Nome científico: Aptenia cordifolia. Nome popular: Rosinha de sol ..................... 46
Figura 45 - Nome científico: Tulbaghia violacea. Nome popular: Alho social ......................... 47
Figura 46 - Nome científico: Russelia equisetiforme. Nome popular: Russelia ...................... 47
Figura 47 - Telhado verde em morro carioca. Cuidado envolve rega das plantas. ................ 48
Figura 48 - Ponto de ônibus com telhado de grama em Sheffield, Inglaterra. ....................... 51
Figura 49 - Parada de Ônibus Ecológica utilizando sistema alveolar, Porto Alegre/RS. ....... 51
Figura 50 - Japoneses usam cortina feita de pepino e plantas para fugir do calor. ............... 52
Figura 51 - Banco com cobertura de grama no Japão. ........................................................... 53
Figura 52 - Primeiro ônibus com teto verde em Nova York, USA. .......................................... 53
LISTA DE TABELAS
Tabela 1.1: Características dos tipos de telhado verde..........................................................27
LISTA DE NOTAÇÕES, ABREVIATURAS
a.a.
= ao ano
AES
= advanced encryption standard
EVA
= etil vinil acetato
FSP
= Faculdade de Saúde Pública
IGRA
= International Green Roof Association
IPTU
= Imposto Predial Territorial Urbano
LEED
= Leadership in Energy and Environmental Design
ONU
= Organização das Nações Unidas
PEAD
= polietileno de alta densidade
USGBC = United States Green Building Council
RESUMO
Esta monografia apresenta uma revisão bibliográfica sobre telhados verdes como
sistema construtivo eficiente no planejamento urbano. Caracteriza-se pelo cultivo de plantas
sobre lajes ou telhados que precisarão de impermeabilização e de drenagem adequados
trazendo uma variedade de benefícios na adoção do sistema para o meio ambiente, para a
sociedade, contribui para a estética do meio urbano entre outras. Dessa forma, esse
trabalho pretende mostrar os benefícios, as limitações e cuidados que devem ser tomados
na instalação do telhado verde.
Palavras-chave: telhado verde; sistema construtivo; eficiência energética; meio
ambiente.
11
1. INTRODUÇÃO
O impacto ambiental está relacionado diretamente aos efeitos da ação do homem
sobre o meio ambiente.
A questão da importância entre a conservação ambiental e o desenvolvimento foi
lançada com a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento
Humano, a RIO 92.
Com
a inovação tecnológica o mercado construtivo tem
buscado novas
possibilidades para o desenvolvimento de todo o país. O que é certo dizer é que a
construção civil exerce um grande impacto no meio ambiente.
Ceotto (2006) destaca dados importantes sobre o impacto da construção civil no
meio ambiente: “a construção e reforma dos edifícios produzem anualmente perto de 400 kg
por habitante, volume quase igual ao do lixo urbano”, referindo-se aos resíduos gerados
pela população.
Para minimizar esses efeitos e compensar o meio ambiente o telhado verde é uma
solução eficiente que está sendo adotada em muitas partes do mundo, principalmente na
Europa, como um meio de minimizar os impactos impostos pela impermeabilização das
grandes cidades.
No Brasil, esse sistema construtivo ainda é muito tímido, sendo mais utilizado em
São Paulo e no Rio Grande do Sul.
O tema é muito vasto e não se tem dúvidas sobre os benefícios que o sistema traz
para o meio ambiente e para a sociedade, mas medidas devem ser adotadas para um bom
funcionamento do telhado verde, como estrutura adequada lembrando-se da necessidade
do cálculo estrutural, pois embora o sistema seja considerado leve ainda existe uma
sobrecarga na estrutura, a impermeabilização da laje e um sistema de drenagem adequado.
12
1.1 Objetivos
1.1.1 Geral
Mostrar e divulgar a técnica do telhado verde como um sistema construtivo eficaz na
busca de novas ideias para minimizar o impacto que a construção civil causa no meio
ambiente.
1.1.2 Específicos
- Definir e apresentar os tipos de telhado verde;
- Mostrar os benefícios da construção de um telhado verde;
- Mostrar a aplicação do sistema construtivo bem como sua manutenção;
- Servir como fonte de pesquisa para os profissionais da área mostrando os
benefícios e limitações do sistema, na instalação e manutenção dos telhados verdes.
13
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
O processo de desenvolvimento e execução da pesquisa para a monografia foi
baseado em levantamento bibliográfico e pesquisas documentais. Serão apresentados
dados técnicos sobre o sistema construtivo bem como a estrutura e a manutenção de um
telhado verde.
Serão relacionadas informações históricas sobre a utilização do sistema na
construção civil no mundo e no Brasil. Por fim, será feita uma análise crítica sobre o tema
com o objetivo de ressaltar a eficiência do sistema.
2.1 Telhado verde
Telhado verde, cobertura verde ou jardim suspenso é um sistema construtivo que
consiste em uma cobertura vegetal feita com grama ou plantas e pode ser instalada em lajes
ou sobre telhados convencionais e proporcionam conforto térmico e acústico nos ambientes
internos.
“Geralmente são aplicados em telhados praticamente planos com
inclinação aproximadamente de 5º para permitir o escoamento não
muito rápido da água. Para telhados acima de 20º deverão ser
tomadas outras providências para deter o fluxo de água como
barreiras ou outras estruturas” (TOMAZ, 2008).
O telhado verde tem função de aumentar as áreas verdes melhorando o meio
ambiente diminuindo a ilha de calor.
Segundo Spangenberg (2004) “o custo- benefício da solução compensa.” Em sua
pesquisa em convênio coma Universidade de São Paulo “... a utilização em larga escala dos
telhados verdes poderia reduzir 1oC ou 2oC a temperatura nas grandes cidades.”
Após a instalação de uma cobertura verde em uma laje, a temperatura da superfície
reduz cerca de 15°C influenciando no conforto térmico dos ambientes e, dependendo do tipo
14
de telhado, da vegetação e da capacidade da área, a redução de carga térmica para o ar
condicionado se aproxima de 240 kWh/m². (SPANGENBERG, 2004)
Para implantação do sistema, a obra exige a instalação de uma estrutura específica
na cobertura da casa. Se o telhado for simplesmente uma laje, é preciso impermeabilizá-la;
se for feito de telhas de cerâmica, é preciso retirá-las e colocar placas de compensado que
servirão de base para a cobertura vegetal. Ali serão colocados a terra e o adubo para o
crescimento das plantas. Mantas onduladas, para impedir que o substrato escorra, mantas
de impermeabilização para evitar infiltrações na casa, e dutos de irrigação e drenagem
também fazem parte do projeto de um telhado verde.
A manutenção do telhado verde deve ser feita uma ou duas vezes ao ano
dependendo do telhado aplicado. Os telhados verdes intensivos requerem maior
manutenção e serviço durante o ano, pois o solo tem de 150 mm a 300 mm e pode ter
várias espécies de plantas e árvores. O prédio deve prever cargas que varia de 400kg/m2 a
750kg/m². Já a vegetação extensiva, tem maiores aplicações. O solo varia de 25 mm a 127
mm de espessura e a carga necessária para a estrutura varia de 50kg/m2 a 250kg/m².
Segundo Araújo (2007), dá-se preferência a plantas locais mais resistentes à chuva e
à estiagem e que exijam pouca rega e poda.
Plantas de porte baixo e crescimento lento também podem facilitar a manutenção,
que é parecida com a de um jardim comum.
2.2 Contexto Histórico
Os registros históricos mostram que o telhado verde é uma técnica construtiva antiga
primeiramente usado pelos zigurates da antiga Mesopotâmia, atual sul do Iraque e na
Babilônia, por causa do desempenho térmico proporcionado.
Os Jardins Suspensos da Babilônia estavam localizados no lado leste do Eufrates,
num antigo bairro da cidade, entre as margens do rio e os palácios reais. São uma das sete
maravilhas do mundo e a menos conhecida já que não foi encontrado algum vestígio do
monumento nos sítios arqueológicos, tendo como única “suspeita” um poço fora dos
15
padrões que imagina-se ter sido usado para bombear água. (DISCOVERY CHANNEL,
2009).
Posteriormente, os telhados verdes foram amplamente difundidos, no Império
Romano onde árvores eram cultivadas na cobertura de edifícios; no período renascentista
na Itália, pré-colombiano no México, na Índia entre os séculos XVI e XVII e em algumas
cidades da Espanha, na França a partir do século XVIII e na Escandinávia no início do
século XIX (ARAÚJO, 2007).
Nos anos 50, a Alemanha foi pioneira em pesquisas científicas sobre o tema que
tinha como objetivo a conservação das águas e energia através desse sistema construtivo.
Com investimento do governo nesse setor, muitas técnicas de construção foram
desenvolvidas e nos anos 70 materiais foram introduzidos nesse sistema como materiais
drenantes, membranas impermeabilizantes, agentes antirraízes, entre outros. Nos anos 80,
houve aumento nas construções de 15 a 20% a.a, totalizando dez milhões de metros
quadrados de telhados verdes na Alemanha em 1996; crescimento possível por leis de
subsidio municipais, estaduais e federais (PECK, 1999A apud ARAÚJO, 2007).
No Brasil, esse sistema construtivo ainda não é muito usado e começam a surgir leis
de incentivo por parte do governo como forma de disseminação desse sistema. O primeiro
projeto de telhado verde no Brasil foi em 1936, no prédio do MEC e foi construído por
Roberto Burle Marx, depois em 1988 no Banco Safra em São Paulo e em 1992, a arquiteta
Rosa Grená Kliass e Jamil Kfouri projetaram os jardins do Vale do Anhangabaú em São
Paulo (TOMAZ, 2005). A naturação ainda é tímida no Brasil, diz Rola (2005) e explica que o
sistema de naturação vem como uma alternativa real para sanar não só problemas como as
ilhas de calor, mas também de poluição atmosférica. Em São Paulo e no Rio Grande do Sul,
já existem empresas especializadas na aplicação e construção de coberturas verdes.
16
2.3 Benefícios
Segundo levantamento bibliográfico, os telhados verdes trazem contribuições
significativas para a sociedade e para as edificações. Os benefícios vão desde a melhoria
das condições termo acústicas a fatores psicológicos que interferem no bem estar das
pessoas.
2.3.1 Estéticos, terapêuticos, lazer e social
Como forma de suavizar as paisagens dos grandes centros urbanos, o telhado verde
se torna uma solução eficiente para o aumento das áreas verdes havendo a possibilidade de
criar jardins onde antes, não havia espaço. A cadeia da construção civil apresentou nos
últimos quatro anos, um expressivo crescimento, sendo que em 2007, representou 8,5% do
PIB brasileiro, contribuindo com R$ 187 bilhões em 2007 (FGV, 2008). Comparando com o
crescimento do país, de 3,7% entre 2005 a 2006 e 5,4% entre 2006 a 2007, a cadeia da
construção registrou números mais expressivos: 4,6%%, 7,9% e 10,2% respectivamente
entre 2006 a 2009, conforme figura 1 (IBGE, 2008 apud RANK, 2009).
Com esse crescimento, a diminuição das áreas verdes nas grandes cidades e o
crescimento do número de construções com uso de materiais cimentícios e cerâmicos, tem
como consequência o aumento da impermeabilização na superfície do solo.
Figura 1 - Crescimento anual médio do PIB da construção e do PIB Brasileiro.
Fonte: IBGE (2008) apud RANK (2009).
17
Ao invés de enxergarmos além da linha do horizonte apenas grandes construções
como galpões, indústrias, prédios residenciais entre outros, temos a possibilidade de ver
parques e jardins e usufruirmos da beleza que eles poderão trazer para as cidades.
As coberturas verdes como possibilidade de geração de renda com o cultivo de
plantas ornamentais (Figura 2), medicinais e temperos domésticos, já é uma realidade em
alguns países do mundo e possibilita profissionalizar e empregar pessoas, caso os produtos
sejam comercializados, proporcionando um novo segmento sócio econômico.
Figura 2 - Exemplo de telhado verde ornamental.
Fonte: www.envec.com.br (2011).
2.3.2 Produção de alimentos
Segundo Tomaz (2007), o cultivo de alimentos em telhados verdes já é feita na
Rússia, Tailândia, Colômbia, Haiti e Canadá.
O Hotel Fairmont Waterfront, em Vancouver na Columbia, com 2100 m² de jardim, se
tornou um dos primeiros a ter um telhado verde. A economia em seu restaurante é cerca
US$ 30.000 (Trinta mil dólares) e tem mais de sessenta variedades de ervas, legumes,
18
frutas e flores comestíveis bem como mais de dez espécies diferentes de aves no local
(KLINKENBORG, 2009).
A desvantagem dessa produção é que as plantas absorvem facilmente a poluição
atmosférica e em lugares onde o nível de poluição é muito alto, não é recomendado o
consumo desses produtos.
2.3.3 Econômicos
Esse é um dos fatores que tornam o telhado verde um sistema construtivo eficiente,
já que recuperam um espaço desperdiçado e os torna habitáveis ampliando a área útil do
imóvel. Além desse fator relevante, outros se tornam atrativos quantos sua aplicabilidade.
Em São Paulo e no Rio Grande do Sul essa ideia já está sendo difundida tornando possíveis
benefícios em menor escala como economia de energia, diminuição das ilhas de calor e
aproveitamento das águas de chuva. É válido ressaltar que as coberturas verdes podem
gerar benefícios em grande escala o que só será possível se a utilização desse sistema for
mais utilizada.
2.3.3.1 Vida útil da cobertura
Segundo Givoni (1976) apud Araújo (2007), a cobertura é o principal elemento de
exposição ao processo de trocas térmicas entre o interior e o exterior da construção. São
submetidos aos efeitos do clima, que com a radiação solar, as perdas de calor à noite e as
chuvas sofrem mais do que qualquer outra parte da edificação.
Materiais usados na construção civil armazenam radiação solar e reemitem essa
radiação na forma de calor, tornando as cidades até 17º C mais quentes. O acúmulo desse
calor durante o dia devido às propriedades de absorção dos materiais utilizados na
construção
comprometem
a
durabilidade
e
desgaste
consequentemente a vida útil da edificação (PIERGILI, 2007).
dos
mesmos
reduzindo
19
Segundo Heneine (2008), a exposição ao sol pode acelerar o envelhecimento de
materiais betuminosos e a radiação solar muda a composição química e consequente
degradação das propriedades mecânicas desses materiais.
Com a aplicação de telhado verde sobre o telhado convencional, a vida útil da
cobertura é melhorada. Segundo Abreu (2009), “os telhados verdes reduzem também os
efeitos danosos dos raios ultravioletas, extremos de temperatura e os efeitos do vento, uma
vez que nesses telhados a temperatura não passa de 25º C contra 60º C dos telhados
convencionais” e...“ tem um ciclo de vida de 2 a 3 vezes mais longo do que as telhas
utilizadas em telhados convencionais.”
2.3.3.2 Eficiência energética
Segundo Lamberts, Dutra e Pereira (1997),
“A eficiência energética pode ser entendida como a obtenção de um
serviço com baixo dispêndio de energia. Portanto, um edifício é
considerado mais eficiente do que outro se esta edificação oferece
as mesmas condições ambientais com menor consumo de energia.”
Dados informam que da energia elétrica consumida no Brasil, 23% é utilizada em
edificações residenciais, 11% comerciais e 8% públicas, totalizando 42% da energia
nacional e em edifícios comerciais e públicos no Rio de Janeiro, o consumo de energia
elétrica chega a 50% no verão por causa do ar condicionado e a 70% em prédios que
utilizam vidro (LAMBERTS, 1997).
Segundo Lamberts (1997), um quarto pilar deve ser acrescido no triângulo de
Vitrúvio: a eficiência energética.
Dando ênfase a essa declaração, os profissionais da construção civil responsáveis
em fazer projetos, podem assegurar-se que estão especificando além de durabilidade,
beleza e convivência, meios de garantir o consumo de energia. Materiais de construção
como tipo de telha e vidro, decisões quanto a melhor localização de janelas e portas para
20
desfrutar da ventilação cruzada, aproveitamento da luz natural e paisagismo têm forte
influência nas condições do interior dessas edificações.
O problema do consumo de energia é mundial. Percebemos essa problemática
quando foi imposto pelo governo brasileiro o racionamento de energia e todos foram
incentivados a trocar as lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes, a não tomar banho
em horários de pico, etc. No setor civil, foi criado nos EUA em 1993 o selo LEED
(Leadership in Energy and Environmental Design), um sistema de classificação de
edificações desenvolvido pela organização United States Green Building Council (USGBC) a
partir de critérios de sustentabilidade ambiental onde a certificação impõe às construções
medidas ecologicamente corretas como estabelecer nível mínimo de eficiência energética
para a construção e verificação dos sistemas de energia instalados e seu desempenho. No
Brasil, as normas LEED foram iniciadas em 2004 (LAMBERTS, 1997). Embora o custo da
certificação LEED seja caro, cerca de US$ 750 (Setecentos e cinquenta dólares) para obras
até cinco mil metros até US$ 7,5 mil (Sete mil e quinhentos dólares) para obras com mais de
50 mil metros (LAMBERTS, 1997), não permitindo a certificação para a maioria das
empresas, muitas decisões para diminuir desperdícios são tomados ainda no canteiro de
obras. Na era do aquecimento global, muitas ações podem ser tomadas para diminuir o
impacto no planeta, onde toda a cadeia produtiva tem que se engajar numa transformação
que envolve diminuir o consumo de materiais e o desperdício.
Em busca de novas tecnologias para tornar as edificações sustentáveis, o telhado
verde foi resgatado da antiguidade e tem sido um aliado na diminuição das ilhas de calor
nas grandes cidades reduzindo as temperaturas internas das edificações, ajudam a
melhorar a qualidade do ar e a controlar o efeito estufa e favorece o clima do entorno.
Segundo Spangenberg (2004), o telhado verde é eficiente na redução da
temperatura das coberturas em 15º C, dando aos moradores das edificações conforto
térmico com consequente diminuição do uso do ar condicionado e redução do consumo de
energia.
21
Figura 3 - Comparação da temperatura interna de materiais utilizados em telhados.
Fonte: LAAR (2002) apud ARAÚJO (2007).
A idéia de reabilitar edifícios e espaços dando novas funções urbanas e ambientais
às edificações, torna o uso das coberturas verdes uma eficiente possibilidade de
regeneração para a atmosfera que se tornam “pequenos pulmões” por criarem corredores
verdes em meio das grandes muralhas de pedras das cidades (VILELA, 2005).
Spangenberg (2004) diz que os principais benefícios da vegetação em climas
quentes são os de reduzir a radiação solar e de diminuir a temperatura do ar devido ao
sombreamento e evapotranspiração. Temperaturas baixas são essenciais tanto para
melhorar as condições de conforto térmico como também para limitar o uso de energia para
resfriamento.
2.3.4 Ambientais
Como solução parcial para vários problemas ambientais comuns nas grandes
cidades, o telhado verde ajuda na redução da poluição, melhora a qualidade do ar, reduz os
efeitos das ilhas de calor, diminui a poluição sonora além de ser uma iniciativa sustentável
eficiente na busca por mais espaços verdes nos centros urbanos.
22
2.3.4.1 Biodiversidade
A vegetação contribui de forma significativa para o estabelecimento de microclimas e
também para equilibrar o clima do seu entorno, absorvendo energia e favorecendo a
manutenção do ciclo oxigênio-gás carbônico que é essencial para a renovação do ar
atmosférico (DIMOUDI & NIKOLOPOULOU, 2003 apud ARAÚJO, 2007). Dessa forma, há
um aumento da biodiversidade nesses locais atraindo pássaros, insetos, besouros,
borboletas entre outros.
A pesquisa bibliográfica mostrou unanimidade nas espécies de plantas como a
Portulaca Grandiflora
(Onze-horas), Tracescantia Pallida
(Coração-roxo), Aspargus
Densiflorus (Aspargo rabo de gato) e Senico Confusos (Margaridão), como as mais
resistentes ao clima tropical e se adaptam bem em telhados verdes extensivos assim
também outras espécies como cebolinha, louro, magnólia, amor-perfeito, orquídeas entre
outras.
2.3.4.2 Retenção de água
Para cumprir a função da terra que a urbanização enterrou com asfalto, as áreas
naturadas podem reter de 15 a 17% do volume das águas de chuva reduzindo a ocorrência
de enchentes em regiões de chuva intensa.
Di Giovanni e Cruz (2010), a partir de um protótipo de um telhado verde com o
objetivo de medir várias vazões de água lançadas sobre o mesmo simulando intensidades
de chuvas, concluiu que, com a construção e utilização do protótipo, os resultados foram
satisfatórios e promissores, onde se observou eficiência do sistema com retenção
significativa de água, como mostra Figura 4. Baseado nesses dados esse estudo de caso
terá continuidade já que o tema pode ser uma alternativa no combate a ocorrência de
enchentes nas grandes metrópoles.
23
Figura 4 - Gráfico comparativo Volume acumulado x Tempo.
Fonte: Di Giovanni e Cruz (2010).
O aproveitamento da água de chuva associado ao telhado verde, consiste
basicamente na coleta da água pluvial através de calhas e condutores direcionado a um
reservatório de acumulação.
Com um bom sistema de condução, a água dos chuveiros e das pias é filtrada e
armazenada num reservatório que é bombeada até o telhado verde para a rega das plantas
onde é novamente filtrada através da camada do substrato, areia e brita e redirecionada
para outro reservatório que será reutilizado nas descargas.
2.3.4.3 Poluição atmosférica
Segundo Leal, Farias e Araújo (2008), “O desenvolvimento industrial e urbano tem
originado em todo o mundo um aumento crescente da emissão de poluentes atmosféricos.
O acréscimo das concentrações atmosféricas destas substâncias, a sua deposição no solo,
nos vegetais e nos materiais é responsável pela redução da produção agrícola, danos nas
florestas, degradação de construções e obras de arte e de uma forma geral origina
desequilíbrios nos ecossistemas.”
“O clima também é afetado pela poluição do ar. O fenômeno do efeito estufa está
aumentando a temperatura em nosso planeta” que ocorre quando...“os gases poluentes
24
formam uma camada de poluição na atmosfera, bloqueando a dissipação do calor. Desta
forma, o calor fica concentrado na atmosfera, provocando mudanças climáticas.” (LEAL,
FARIAS e ARAUJO, 2008).
Com todos os efeitos que a poluição atmosférica tem trazido para o mundo e com o
desmatamento que está acontecendo, a popularização do telhado verde pode ser uma
solução eficiente para os grandes centros urbanos reduzindo a emissão de carbono
atenuando a poluição do ar, filtrando a poluição, o gás carbônico e os poluentes e metais
pesados da água da chuva.
2.4 Aplicabilidade
As primeiras cidades apareceram a mais de 3.500 anos a.C., mas o processo de
urbanização moderno só teve início no século XVIII, em decorrência da Revolução
Industrial.
Dessa forma, o processo de urbanização modifica a paisagem por meio da alteração
do uso da superfície, e o que antes era coberto por vegetação, hoje vemos grandes
construções residenciais, galpões industriais e comerciais.
Para amenizar os efeitos que essa mudança traz para o meio ambiente, o telhado
verde pode ser uma solução eficiente, já que pode ser aplicada em telhados e lajes tendo
como pré-requisitos a impermeabilização da superfície, drenagem dimensionada, inclinação
mínima de 2% e máxima de 35% (até 75% com travamento e barreiras) e estrutura que
suporte a sobrecarga (CATÁLOGO REVESTIMENTOS VIVOS, 2011).
Ainda que pouco popular no Brasil, já existe empresas especializadas nesse
segmento e possuem alternativas para o aumento das áreas verdes.
2.5 Estrutura de composição do telhado
O telhado verde é composto por 5 camadas, conforme descritas na figura 5.
25
Figura 5 - Corte esquemático de telhado verde extensivo.
Fonte: Zinco (2000) apud Araújo (2007). (Houve alteração na ilustração com acréscimo de legenda, fins
didáticos).
2.5.1 Camada Impermeabilizante
Tem função de proteger a laje contra infiltrações. Há diversos materiais para
impermeabilizar a estrutura como betuminosos e sintéticos.
2.5.2 Camada drenante
Servi para drenar a água da chuva dando vazão ao excesso de água e também
como filtro separando os poluentes. Esta camada pode ser constituída de brita, seixos,
argila expandida e tem espessura de 7 a 10 cm.
2.5.3 Camada filtrante
Retêm partículas que seriam levadas pela água da chuva.
2.5.4 Solo e Substrato
Para telhados verde onde haverá pisoteio e uso intenso, existe no mercado uma
tecnologia onde todos os componentes estruturais (drenagem, filtro e reservatório) estão
numa mesma peça com encaixe lateral, onde o substrato é leve e há um adequado
desenvolvimento radicular.
26
2.5.5 Membrana de proteção contra raízes
Controla o crescimento das raízes que seriam danosas para o sistema.
2.5.6 Vegetação
A escolha das plantas vai depender do quanto a estrutura da edificação pode receber
de carga e do objetivo do telhado.
Esteticamente, um jardim bonito deve conter plantas ornamentais e grama além de
seixos, cascas de árvores entre outros para compor o jardim tornando o ambiente
confortável.
Outra condição para a escolha das plantas é o clima do local, devendo dar
preferência para plantas regionais que são acostumadas com o clima.
As coberturas verdes extensivas quase não têm variedade e sistematicamente usase grama por causa da manutenção baixa e são duráveis. Já as intensivas, pode-se
escolher entre uma variedade.
2.6 Tipos de telhado verde
Essa tipologia depende do tipo de laje onde deverá ser instalado o sistema
construtivo e o objetivo que quer ser alcançado. Dessa forma, após avaliação estrutural, o
telhado poderá ser extensivos, intensivos ou semi-intensivos.
Para a IGRA, International Green Roof Association, (2011), os critérios descritos na
tabela 1, podem ser utilizados para caracterizar três formas diferentes de Telhados Verdes:
27
Tabela 1 - Características dos tipos de telhado verde
Telhado Verde
extensivo
Telhado Verde
semi-intensivo
Telhado Verde
intensivo
Baixo
Periodicamente
Alto
Irrigação
Não
Periodicamente
Regularmente
Plantas
Sedum, ervas e
gramíneas
Gramas, ervas e
arbustos
Gramado, arbustos e
árvores
60 - 200 mm
120 - 250 mm
150-400 mm
60-150 kg / m 2
120-200 kg / m 2
180-500 kg / m 2
Baixo
Meio
Alto
Camada de proteção
ecológica
Projetado para ser
um telhado verde
Parque igual a um
jardim
Itens
Manutenção
Altura do sistema
Peso
Custos
Uso
Fonte: www.igra-world.com (2011) - Site traduzido.
2.6.1 Extensivo
Geralmente são aplicados onde o ambiente será visitado ou visto por pessoas e tem
sua beleza espelhada em um parque gramado.
Tem como principal característica o cultivo de plantas rasteiras de pequeno porte,
conforme figura 6, e necessitam de um volume de água menor e pouca manutenção.
O sistema se caracteriza por ter vegetação de solo médio com filtro geotêxtil sintético
de drenagem e retenção de umidade, sistema de isolamento, barreira de proteção da
camada de superfície com membrana impermeável.
Por esses motivos tem um impacto menor de sobrecarga sobre os elementos da
cobertura, dos pilares e da fundação (VECCHIA, 2005).
As empresas especializadas na instalação e manutenção dos telhados verdes,
concordam que o solo extensivo tem de 5 a 15 cm de espessura e a vegetação de 5 a 13
cm, conforme figuras abaixo, e a carga estrutural necessária varia de 80 Kg/m² a 150 Kg/m²,
conforme figura 6.
28
Figura 6 - Corte esquemático de telhado verde extensivo.
Fonte: Auckland (1998) apud Tomaz (2005).
2.6.1.1 Exemplo de telhado verde extensivo
Seu uso é muito comum em terraços. É válido lembrar que deve haver uma pesquisa
na estrutura em ambientes reformados onde irá receber o telhado verde por causa do peso
que a instalação requer.
Figura 7 - Telhado verde extensivo.
Fonte: www.umahku.com/architecture-concept/green-building-design-in-urban-areas (2010).
2.6.2 Intensivo
Conforme a Associação Internacional Telhado Verde (2011), os telhados verdes
intensivo por comportarem plantas de nível médio a grande, precisam de uma estrutura que
comportem maior capacidade de carga, pois precisam de uma camada de solo que varia
entre 15 a 40 cm e a carga prevista varia entre 180 Kg/m² a 500 Kg/m².
29
A vegetação varia desde pequenas plantas a árvores frutíferas e a manutenção exige
cuidados específicos, similares à aos empregados num jardim comum.
Neste tipo de vegetação, o telhado verde também protege a cobertura da radiação
ultravioleta aumentando sua vida útil.
2.6.2.1 Exemplo de telhado verde intensivo
O edifício da prefeitura de Chicago, USA, com seu teto verde, ameniza a temperatura
numa cidade onde possui muitas construções de aço e alvenaria.
Figura 8 - Edifício da prefeitura de Chicago, USA.
Fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic (2009).
2.6.3 Semi-intensivo
Este tipo de telhado reúnem as características dos telhados verdes intensivos e
extensivos.
2.6.3.1 Exemplos de telhados verdes semi-intensivos
Um bom exemplo deste tipo de telhado é o Hotel Fairmount em Vancouver, figura 9,
que poupa 30 mil dólares por ano plantando frutas, flores, verduras, temperos e ervas no
seu telhado verde.
30
Figura 9 - Hotel Fairmount em Vancouver, Canadá.
Fonte: www.usatoday.com (2008).
2.7 Sistema de aplicação e construção
Segundo Pereira (2007), quanto aos sistemas de aplicação e construção, o telhado
verde encontra-se dividido em três tipos básicos: aplicação contínua, com módulos préelaborados e aérea e serão detalhadas a seguir conforme artigo.
2.7.1 Contínua
Tipo de cobertura mais antiga e difundida onde o substrato é aplicado diretamente
sobre a base impermeabilizada com todas as outras diferentes camadas.
Ainda segundo Pereira (2007), “as camadas se alteram de acordo com a base
utilizada e o tipo de clima da região”. Em regiões de clima frio, para evitar a condensação de
vapor d’água, é necessário uma camada que fará o papel de uma membrana isolante. Já
em regiões de clima tropical, encontra-se a camada impermeabilizante, a de drenagem, de
filtragem e camada onde será plantada a vegetação.
31
2.7.2 Módulos pré-elaborados
Cobertura comercializada por empresas especializadas que através de pequenos
módulos prontos compostos de bandejas rígidas, substrato e com a vegetação já crescida é
de fácil manuseio e é aplicada através de um sistema de encaixe que permite um resultado
imediato.
Figura 10 - Telhado verde com sistema modular.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010).
Dentro desse sistema de aplicação e construção, os módulos pré-elaborados podem
se subdividir em sistema modular, alveolar e laminar. Empresas especializadas fabricam
tipos de materiais recicláveis como fibra de coco, solas de sapato, garrafas pet entre outros,
para a confecção dos módulos.
2.7.2.1 Modular
No mercado, existem módulos fabricados por empresas especializadas que são
compostos por material biodegradável e pode ser utilizado em coberturas planas ou
inclinadas. Há versões que contêm um reservatório interno de água garantindo até 44 dias
sem irrigação nos meses de inverno e algumas suculentas suportam até 88 dias
praticamente dispensando água na manutenção. Um modelo específico de módulo, tem
peso saturado de 80 Kg/m², mede 400 mm x 500 mm x 50 mm e capacidade de
armazenamento de 16 L/m² por módulo, havendo variações de tamanho e forma
dependendo do fornecedor. Em cidades como Brasília, com baixa umidade de ar e onde os
períodos de seca chegam a ficar até 5 meses, o telhado verde demanda de irrigação
complementar e devem seguir orientações específicas.
32
Alguns módulos são fabricados com fibra de coco que se decompõem com o passar
do tempo e se incorporam ao substrato.
No Rio de Janeiro, entrou em funcionamento no mês de maio deste ano, a primeira
escola verde da América Latina e é também a primeira pública do mundo, o Colégio
Estadual Erich Walter. Com incentivo da empresa ThyssenKrupp CSA, foi possível promover
uma estrutura escolar sustentável e inovadora. Sistemas construtivos como telhado verde,
ecopavimento e brise vegetal – foram fundamentais para a conquista da certificação LEED
School (CICLO VIVO, 2011).
Segundo Gerolimich (2011), “o telhado verde é construído com resíduos industriais e
solas de sapato. É 100% reciclável.”
Figura 11 - Telhado verde implantada Colégio Estadual Erich Walter no Rio de Janeiro.
Fonte: www.arktos.arq.br/projetos (2011).
33
2.7.2.1.1 Estrutura e aplicação do Sistema Modular
Os projetos de telhados verdes intensivos são mais complexos e costumam ser
planejados com exclusividade.
Detalhamento em sequência de instalação de um jardim suspenso numa cobertura
intensiva, figuras de 12 a 21.
Figura 12 - Impermeabilização e proteção mecânica.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 13 - Elementos de drenagem.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 14 - Camada de filtragem e separação.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
34
Figura 15 - Caixa de proteção para drenos.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 16 - Substrato de argila expandida.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 17 - Bordas de drenagem. Acabamento em pedra São Tomé.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 18 - Plantio de mudas "in loco".
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
35
Figura 19 - Mudas recém-plantadas.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 20 - Jardim suspenso com seis meses após plantio.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 21 - Jardim suspenso um ano após plantio.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
2.7.2.2 Alvéolar
Este sistema também se caracteriza pela utilização de módulos, que podem ter na
sua composição resíduos de EVA (etil vinil acetato) moídos e aglutinados com cimento, são
preenchidos com substrato nutritivo e funcionam como um xaxim artificial. O peso saturado
é de 60 a 80 kg/m².
36
Permite uma maior variedade de plantas inclusive as nativas e a diferença deste
sistema para o laminar é que este vem acrescido de três membranas: a antirraízes de
polietileno de alta densidade, alveolar que retem a água e por baixo forma canais drenantes
e a filtrante que retem os nutrientes. Segundo Feijó (2011),
“quando saturada a planta, ela deixa vazar o excedente pelas laterais
das placas, que possui espaços vazios na parte inferior, conduzindo
esse excedente em toda a extensão da laje até o ralo de drenagem.
Assim a laje se mantém sem umidade ficando a água toda retida na
parte superior da placa.”
2.7.2.2.1 Estrutura do sistema
Seguindo a numeração da figura 22, a estrutura é detalhada de 1 a 5:
1-
Membrana anti-raízes;
2-
Membrana alveolar com 2 cm. Tem função de reter água e formar canais
drenantes por baixo da mesma;
3-
Membrana de retenção de nutrientes;
4-
Módulo com função de evitar a erosão e a compactação do solo e faz a
aeração do substrato;
5-
Substrato com 1 cm ou mais. Cada 10 litros/m² correspondem a 1 cm de
altura.
Figura 22 - Esquema estrutural alvéolar do telhado verde.
Fonte: www.ecotelhado.com.br (2010).
37
2.7.2.2.2 Aplicação do Sistema Alveolar
Figura 23 - Colocação da membrana de retenção sobre a membrana antirraízes.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 24 - Colocação da membrana de retenção.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 25 - A membrana alveolar é cortada e aplicada.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
38
Figura 26 - Sistema alveolar Ecotelhado recém colocado em Niterói.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
2.7.2.3 Lâminar
Guimarães (2010), diz que esse sistema “se caracteriza pela utilização de uma
lâmina d’água sob um piso elevado feito de módulos de sustentação, garantindo suprimento
de água de até 40 l/m² e só devem se usados em telhados completamente planos.”
O sistema também pode ter vários tipos de forrações e pequenos arbustos. Tem
peso total de 120 Kg/m² saturado e pode sofrer variação por causa do tamanho da
vegetação escolhida.
“Ideal para telhado gramado porque mantém a umidade ideal da lâmina d’água e
permite a purificação de águas cinzas para posterior reutilização...” (GUIMARÃES, 2010),
conforme mostra figura 27.
Figura 27 - Esquema de reúso de água do telhado verde.
Fonte: www.ecotelhado.com.br (2010).
39
2.7.2.3.1 Estrutura do sistema
Segundo Guimarães (2010) a respeito da montagem de um sistema laminar,
conforme figura 28:
“Os módulos (1) são posicionados sobre a laje impermeabilizada com
os vasos para baixo. Eles são cobertos com uma manta que os
separa das raízes, sobre a qual se dispõe uma camada de substrato
fibroso (2) onde será plantada a grama. Porosos, os módulos são
feitos de um material rígido que retém a umidade e os nutrientes e
permite a passagem da água. Regulada por um ladrão (3), a lâmina
de água mantém-se em 4 cm. Para facilitar a manutenção, que deve
ocorrer duas vezes ao ano, o ralo sifonado fica dentro de uma caixa
de inspeção (4). O sistema tem, no total, 16 cm de espessura e pesa
em torno de 120 kg/m².”
Figura 28 - Esquema estrutural laminar do telhado verde Ecotelhado.
Fonte: www.ecotelhado.com.br (2010).
2.7.2.4 Aplicação do Sistema Laminar
Figura 29 - Módulos sobre laje impermeabilizada e colocação da membrana de retenção.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
40
Figura 30 - Colocação de substrato leve fibroso e os feixes de grama são encaixadas.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 31- Detalhe da lâmina de água subterrânea com dreno lateral e sistema instalado.
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
Figura 32 - Sistema recém-colocado numa residência em Porto Alegre (RS).
Fonte: www.revistatechne.com.br/engenharia-civil (2011).
2.7.3 Cobertura aérea
Sistema que se caracteriza pela separação da vegetação da sua base, ou melhor, a
vegetação precisa de um suporte que não é um substrato ou solo, e sim uma tela que
servirá como base para seu crescimento. Tem como vantagem a não sobrecarga estrutural
e o uso de plantas frutíferas como pepino, maracujá ou trepadeiras, mas também o efeito
isolante é menor do que nos outros sistemas.
Um exemplo desse sistema foi sua implantação na Faculdade de Saúde Pública
(FSP) da USP. “Esta cúpula provocava muito barulho nos dias de chuva, além de produzir
41
muito calor”...“o telhado verde deu fim a esses desconfortos, pois as plantas amortecem o
peso da chuva sobre a cúpula e filtram os raios de sol, deixando a sensação térmica mais
agradável para quem trabalha no prédio da Faculdade” (VASCONCELLOS, 2007).
Implantado sobre a cúpula do prédio do Centro de Educação Permanente em Saúde
Pública, sua estrutura utilizou nove estruturas metálicas, com telas por onde a vegetação
escolhida, o maracujá, cobriu o telhado de fibra de vidro, conforme figura 33. A escolha
dessa espécie foi escolhida pelo seu rápido crescimento e por servir como alimento para os
funcionários da instituição. A cobertura vegetal tem como principais objetivos a redução do
calor e a diminuição do nível de ruído provocado em dias de chuva dentro do edifício, além
melhorar a qualidade do ar do entorno da região do bairro de pinheiros (CONCEPT, 2007).
Figura 33 - Telhado verde na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP.
Fonte: www.conpet.gov.br/noticias (2007).
2.8 Vegetação
Spangenberg (2004) diz que a “vegetação é um elemento de design importante na
melhoria do microclima urbano e conforto térmico em espaços urbanos ao ar livre em climas
quentes.”
42
Existem diferentes tipos de plantas que podem ser cultivadas no telhado verde, mas
a seleção deve ser feita pensando no clima da região aplicada, a aparência que deve ter o
telhado e a manutenção que será disponibilizada.
Segundo Pereira (2007), outros aspectos devem ser levados em consideração ao se
implantar um telhado verde, tais como incidência solar, índices pluviométricos, temperatura
do local, ventos dominantes, inclinação do telhado e a necessidade de retenção de água
pela vegetação.
Deve-se ter devido cuidado com a retenção de água que a inclinação do telhado
deve ter por causa do apodrecimento das raízes.
“Tecnicamente, é possível colocar qualquer tipo de planta, como a jabuticaba e o
bambu, mais isso vai depender do projeto paisagístico e da carga que a estrutura do telhado
pode suportar”, diz Rocha (2010). E para que o cliente tenha um projeto personalizado,
escolhendo as plantas, fazendo caminhos e para que seja possível a colocação de bancos,
é necessário que haja uma proteção mecânica para evitar que a força da raiz provoque
perfuração da superfície impermeabilizada, completa Rocha (2010).
Segundo Cardim (2010), sobre uma empresa especialista em telhado verde:
se...“investe em pesquisa para adaptar plantas nativas em espaços urbanos. Um exemplo
dessa pesquisa foi o teste da planta Manacá da serra, árvore típica da floresta paulistana,”
conforme figura 33.
Figura 33 - Manacá da Serra, testada e enraizada.
Fonte: http://envecbrasil.wordpress.com (2010).
43
Uma tabela detalhada com características específicas de irrigação, luminosidade,
manutenção, adubação e resistência ao vento e os tipos de plantas aplicáveis nesse
sistema construtivo, encontra-se na figura 34.
Figura 34 - Tipos de plantas cultivadas em coberturas verdes e suas características.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
44
2.8.1 Tipos de plantas
Em pesquisa realizada na Carolina do Norte, USA, cinco foram as plantas avaliadas
mais resistentes no cultivo de um telhado verde: Reflexum, Sedum Álbum, Sedum Álbum
Murale e Sedum Sexangulare.
Algumas empresas preferem plantar as suculentas de forração, que asseguram a
máxima sustentabilidade por se tratarem de plantas pequenas do deserto, do gênero sedum
e se adaptam ao clima do Brasil. São plantas resistentes tanto ao clima seco quanto ao
úmido. Outra opção é a grama esmeralda, que tem crescimento rápido e necessita de poda
e consome mais nutrientes. Dessa forma, é necessário irrigá-lo a cada 20 dias e adubá-lo
com maior frequência.
A seguir, as figuras 35 a 46 exemplificam algumas plantas pequenas e de fácil cultivo
e manutenção.
Figura 35 - Nome científico: Sedum acre. Nome popular: Estrelinha dourada.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 36 - Nome científico: Sedum sp1. Nome popular: Mosquitinho.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
45
Figura 37 - Nome científico: Zoyzia japonica. Nome popular: Grama esmeralda.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 38 - Nome científico: Bulbine frutescens. Nome popular: Bulbine.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 39 - Nome científico: Arachis repens. Nome popular: Grama amendoim.
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
.
Figura 40 - Nome científico: Ophiopogon japonicus. Nome popular: Grama preta
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
46
Figura 41 - Nome científico: Zephyranthes Candida. Nome popular: Lírio ventos branco
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 42 - Nome científico: Festuca glauca. Nome popular: Capim azul
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 43 - Nome científico: Lobularia maritima. Nome popular: Alyssum
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 44 - Nome científico: Aptenia cordifolia. Nome popular: Rosinha de sol
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
47
Figura 45 - Nome científico: Tulbaghia violacea. Nome popular: Alho social
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
Figura 46 - Nome científico: Russelia equisetiforme. Nome popular: Russelia
Fonte: Instituto Cidade Jardim (2010, 2011).
2.9 Manutenção
Mais difícil do que fazer um jardim, é conseguir mantê-lo. Dessa forma, o jardim
deverá ser planejado detalhando quais os tipos de planta que deverão ser cultivados, a
melhor forma de impermeabilização a ser aplicada e a devida vazão para escoamento das
águas da rega e chuva. A partir desse momento, o nível de manutenção será definido.
Os principais cuidados de manutenção são as regas e podas, que devem ser mais
frequentes de acordo com o tipo de jardim escolhido.
Cuidados devem ser tomados desde a escolha das plantas até às doenças que
podem contaminar o jardim.
As plantas devem ser semelhantes já que evitam que a rega seja feita planta a
planta. Para facilitar o processo, elas devem ser molhadas ao mesmo tempo (Figura 47).
48
O mesmo cuidado deve-se tomar com a poda. Escolher plantas com crescimento
semelhante diminui a manutenção do jardim. O controle de ervas daninhas é outra
preocupação relevante. Embora cresçam espontaneamente sendo levadas pelo vento ou
por pássaros, elas tiram os nutrientes do solo e prejudicam a luz do sol no jardim. Por isso, a
melhor opção ainda é arrancá-las e de preferência manualmente.
Insetos e pragas são comuns em jardins, mas a presença deles não significa que
devam ser mortos, em sua maioria, trazem benefícios às plantas. Os insetos devem ser
controlados quando prejudicam o jardim ou quando representam risco às pessoas ou
animais, como aranhas e escorpiões, assim como também o uso de inseticidas é
desaconselhável.
Para evitar doenças nas plantas, que na maioria das vezes é causada por fungos
que surgem favorecidos por altas umidades e calor, deve-se evitar regas excessivas ou falta
de sol. Caso a doença persista, pode ser um indício de que a planta não é capaz de se
adaptar ao jardim.
Figura 47 - Telhado verde em morro carioca. Cuidado envolve rega das plantas.
Fonte: http://ecotelhado.blog.br/ (2011).
49
2.10 Cuidados especiais
Para Seigneur (2009), para que as coberturas verdes garantam longevidade às
camadas de impermeabilização, cuidados deverão ser tomados nessa fase de implantação.
Segundo ele, a impermeabilização “pode ser feita com manta de PEAD (polietileno de alta
densidade), cimento polimérico ou manta geotêxtil”, entre outros e por prevenir o
rompimento da impermeabilização já que se eliminam os efeitos destrutivos da constante
dilatação e contração das superfícies devido às mudanças de temperatura e insolação, o
telhado verde também serve como camada de isolamento.
Outra preocupação é em relação às águas de chuva. “Para que não se acumulem
provocando infiltrações, transbordamentos, trincas estruturais e até o colapso da estrutura, a
resistência da laje deve ser equivalente ao acúmulo de água e ao peso total da cobertura
verde”, diz Seigneur (2009). Por isso as estruturas subjacentes da edificação, como pilares e
vigas, também devem ser estudadas tanto para um projeto novo de edificação quanto para
um projeto de reforma devendo ter reforço na sua estrutura caso necessário.
A vegetação também pode trazer problemas se não forem bem escolhidas. Plantas
com raízes agressivas, como a figueira, penetram na impermeabilização danificando o
sistema.
2.11 Políticas públicas
No Brasil, as políticas de incentivos fiscais para práticas sustentáveis ainda são
muito tímidas, sendo ainda uma iniciativa voluntária quer em busca de certificação,
tendências de mercado ou estético.
Mas surgem os primeiros passos já que começam a surgir iniciativas nessa direção.
No dia 2 de junho deste ano, no seminário realizado na Câmara Municipal de São
Paulo, ambientalistas, engenheiros e representantes do poder público se reuniram para
discutir aspectos como custo da implantação de telhados verdes entre outros, do Projeto de
50
Lei no 115/09 da Vereadora Sandra Tadeu do DEM/SP, que trata sobre a obrigatoriedade
da instalação dos telhados verdes em novas edificações no município (LIMA, 2011).
Outro exemplo de iniciativa pública, foi comentada por Spitzcovsky (2011), que
divulga as diretrizes do programa IPTU Verde em São Paulo, na cidade de Guarulhos,
estabelecido pela Lei Municipal 6.793/2011, que tem como objetivo uma série de benefícios
fiscais para os donos de imóveis que adotarem princípios de sustentabilidade, como
acessibilidade nas calçadas, sistema de captação de água da chuva, telhado verde,
separação de resíduos sólidos, utilização de energia solar e eólica e arborização do terreno,
prevendo desconto de até 20% no valor anual do IPTU.
E para obter esse benefício fiscal, Spitzcovsky (2011) diz que os proprietários de
imóveis em Guarulhos devem solicitar o desconto do IPTU Verde na Secretaria de Finanças
do município comprovando a implantação das medidas sustentáveis declaradas. O
abatimento no valor do IPTU é válido por cinco anos e já é uma realidade em outras cidades
do Brasil, como Campinas, São Carlos e Araraquara, em São Paulo, e Vila Velha, no
Espírito Santo.
2.12 Custos
No Brasil, os custos variam dependendo do tipo de telhado, intensivo ou extensivo,
do sistema a ser implantado, contínuo, módulos pré elaborados (modular, alveolar ou
laminar) ou aérea, podendo variar de no mínimo R$ 80 a R$ 120 por m².
Segundo a IGRA (2011), “alguns conselhos municipais e autoridades locais
concedem apoio financeiro direto a projetos de telhado verde. Em muitos casos, os
subsídios financeiros variam entre 10 € e 20 € por m2. Outras comunidades pagam um
montante fixo para todo o telhado verde, que varia entre 25% e 100% do material e custos
de instalação.”
“Hoje em dia é possível gastar praticamente o mesmo valor usado em um telhado
normal”, explicou Feijó (2011) a respeito do custo de um telhado verde.
51
3. EXPERIÊNCIAS UTILIZANDO COBERTURAS VERDE
Com o objetivo de divulgar a eficiência do telhado verde, algumas empresas e
órgãos públicos estão tomando iniciativas para incentivar e divulgar esse sistema
construtivo. Exemplo disso, são algumas idéias criativas que estão surgindo no mundo como
forma de chamar a atenção da população para os danos ao planeta.
3.1 Ponto de ônibus com cobertura verde
Figura 48 - Ponto de ônibus com telhado de grama em Sheffield, Inglaterra.
Fonte: www.mastchulbule.com (2011).
Figura 49 - Parada de Ônibus Ecológica utilizando sistema alveolar, Porto Alegre/RS.
Fonte: Marco Milazzo & Associados (2010).
52
3.2 Cortina Verde no Japão
Para enfrentar o calor onde as temperaturas foram as mais altas da história em 23
cidades, os japoneses estão adotando uma solução simples e ecológica: uma cortina verde
cortina verde feita de pepino e outras plantas que alcançará 28 metros conforme figura 50.
Figura 50 - Japoneses usam cortina feita de pepino e plantas para fugir do calor.
Fonte: Jornal Nacional (2011).
O motivo para os japoneses enfrentarem essas altas temperaturas altas sem o uso
do ar-condicionado foi o acidente na usina nuclear de Fukushima, que reduziu a produção
de energia no país.
Segundo Kovalick (2011), em uma reportagem sobre a cortina no Japão, “o esforço
tem dado certo. Painéis nas estações de trem mostram que, com medidas como essas, o
consumo de energia está bem abaixo do limite.”
Para estudar o efeito da cortina, uma câmera termográfica mostrou que, na parte do
prédio sem a cortina, o calor era de 40,5°C e sob a cortina, 32,9°C, mas acrescenta
Kovalick, que o benefício não é só térmico. A cortina produz sombra e alimentos.
Com esse resultado, as prefeituras do Japão estão distribuindo mudas para a
população para incentivar o cultivo dessa cortina.
53
3.3 Banco com cobertura verde no Japão
Empresa japonesa lançou uma linha de bancos verdes. A novidade está sendo
implantada e o interessante é a demonstração do gramado que permite inclinações até
então impossíveis.
Figura 51 - Banco com cobertura de grama no Japão.
Fonte: http://envecbrasil.wordpress.com (2011).
3.4 Ônibus com cobertura verde
Cidades como Nova York, não possuem mais espaço para o áreas verdes. O Bus
Roots (Figura 52), criado pelo designer Marco Antonio Cosio, veio com o objetivo de
solucionar esse problema além de ajudar na diminuição do aquecimento urbano, na
absorção de CO2 e trazer a natureza às cidades melhorando a qualidade de vida das
pessoas (SOUZA, 2010).
“O intuito do designer é conseguir plantar, em média, 15 hectares de plantas em
4500 ônibus de Nova York, EUA. A ideia surgiu para uma competição conhecida como
Design Wala Grand Idea Competition e conquistou o segundo lugar na premiação.”
(SOUZA, 2010).
Figura 52 - Primeiro ônibus com teto verde em Nova York, USA.
Fonte: http://ciclovivo.com.br (2010).
54
4. CONCLUSÃO
Como responsável por parte dos problemas ambientais, a construção civil está
buscando soluções para minimizar efeitos danosos ao meio ambiente.
A construção civil é a atividade humana que mais impacta o meio ambiente,
consumindo cerca de 75% dos insumos do planeta e mais de 30% dos gases do efeito
estufa são resultado dessa atividade.
Pensando em trabalhar juntamente gestão ambiental e as novas construções, alguns
projetos estão buscando atender requisitos do selo LEED, servindo como exemplo de
construção ecologicamente correta, como o Colégio Estadual Erich Walter, no Rio de
Janeiro que é a primeira escola a conseguir certificação LEED School, própria para escolas
com projeto sustentável.
Observando criteriosamente todos os pontos destacados neste estudo, o telhado
verde como sistema construtivo é uma opção eficaz para o problema ambiental mundial.
Buscar soluções para ajudar na recuperação do meio ambiente não está somente
nas mãos das grandes construtoras e incorporadoras. Todos podem fazer algo para
contribuir com essa melhora. O emprego de tintas hidrossolúveis que não agridem o
ambiente ou coberturas brancas que promovem conforto interno nas edificações reduzindo o
consumo de ar condicionado e a instalação de telhados verdes ao invés de telhados
tradicionais são soluções práticas que podem ser adotadas.
Outro aspecto importante é que com a instalação de telhados verde, as cidades se
tornam ambientes habitáveis, recuperando espaços e trazendo o benefício da convivência
de espécies não comumente vistas nas grandes cidades como formigas, aranhas, besouros,
maçaricos, entre outros, além de espécies de plantas como as orquídeas que, em Zurique
na Suíça, numa cobertura verde de 95 anos, é um refúgio para novas espécies.
55
Nesse sentido, os profissionais da construção civil passam a ter um compromisso
com o meio ambiente, indicando e aplicando em seus projetos ações que potencializem a
recuperação e equilíbrio do meio nos grandes centros urbanos.
Embora a solução eficaz apresentada neste estudo, a aplicação de telhados verdes
como forma de minimizar os impactos ambientais, de início seja um acréscimo no custo da
obra, a economia de energia gerada pós construção, a retenção e o aproveitamento das
águas de chuva prevenindo enchentes, os benefícios psicológicos e sociais entre outros,
justificam o investimento inicial.
56
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABREU, Carmosa. Telhados verdes. 2009. Disponível em: <http://obviousmag.org
/archives/2009/06/telhadosverdes.html>. Acesso em: 21 abr. 2010.
ALMEIDA, Cristina. Jardim é terapia. Revista Viva Saúde, ed.75. 2009. Disponível em:
http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/75/artigo142171-1.asp> Acesso em:03
maio 2011.
ARAÚJO, Sidney Rocha de. As funções dos telhados verdes no meio urbano, na gestão
e no planejamento de recursos hídricos. Soropédica, RJ, 2007.p.5
AUCKLAND, 1998 apud TOMAZ, 2008. Cobertura Verde. 2008. In: Curso de manuseio de
águas pluviais. Capítulo 51.
CARTER,
Kelly.
A
tendência
de
alimentos
orgânicos.
2008.
Disponível
em:
http://www.usatoday.com/travel/hotels/2008-04-17-local-food-hotels_N.htm. Acesso em:
31 de julho de 2011.
CECCHIN, Maiara. Os telhados verdes como alternativa ao meio urbano. 2010.
Disponível em:<www.faculdadedombosco.edu.br/>. Acesso em: 13 jul. 2011.
CICLO VIVO. Rio de Janeiro ganha primeira escola pública sustentável do país.
Disponível
em:
<http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/2143/rio_de_janeiro_ganha_
primeira_ escola_p>. Acesso em: 2 de jun. 2011.
CONPET. Telhado verde é solução em prédio da USP. 2007. Disponível em:
http://www.conpet.gov.br/noticias/jnoticia.php?segmento=&id_noticia=1096. Acesso em:
11 maio 2011.
D`ELIA, Renata. Telhados verdes. 2009. Editora Pini Ltda, ed. 148. Disponível em:
http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/148/imprime144157.aspAcesso em 05 jun. 2011.
30/07/2011.
57
DI GIOVANNI, Rodrigo; CRUZ, Taison de Assis ds. Telhado verde: Estudo de caso. são
Paulo,(2010).
DIMOUDI & NIKOLOPOULOU, 2003 apud ARAÚJO,
Sidney Rocha de. Conforto
ambiental. Soropédica, RJ. 2007.
DISCOVERY, Channel. As Sete Maravilhas da Antiguidade. 2009. Disponível em:
<http://discoverydocs.net/2010/01/download-the-history-channel-as-sete-maravilhas-daantiguidade-dublado/>. Acesso em: 29 jun. 2011.
FEIJÓ, João Manuel. Seminário desmistifica questão dos custos para implantação do
telhado verde em SP. São Paulo, 2011. Disponível em: <http://www.sandratadeu.
com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=190:seminario-desmistificaquestao-dos-custos-para-implantacao-do-telhado-verde-em-sp&catid=15:noticias&
Itemid=103>. Acesso em: 07 maio 2011.
FGV, 2006. Perfil da Cadeia Produtiva da Construção Civil e da Indústria de Materiais.
São Paulo, FGV Projetos.
GEROLIMICH. Maria José de Mello. Sustentabilidade. Entrevistador: Leda Nagle. Rio de
Janeiro, 2011. Entrevista concedida ao Programa Sem Censura.
GIVONI, 1976 apud ARAÚJO, Sidney Rocha de. Conforto ambiental. Soropédica, RJ.
2007.
GUIMARÃES, Henrique E. M. Sistema laminar. Porto Alegre, RS. 2010. Disponível em: <
http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:M8Nx6-7ZGfoJ:www.ecotelhado.com.br
/ManuaiseEspecificacoes>. Acesso em: 17 jun. 2011.
HENEINE, Maria Cristian de Souza. Cobertura verde. Belo Horizonte, UFMG.2008.
Monografia do curso de especialização em construção civil.p.12.
http://ciclovivo.com.br>. Acesso em: 2 de jun. 2011.
http://envecbrasil.wordpress.com/>. Acesso 01 maio 2011.
58
http://envecbrasil.wordpress.com/fotos-telhado-verde-e-jardim-elevado-skygarden/>. Acesso
01 maio 2011.
http://mastchulbule.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
IBGE, 2008 apud RANK, Liliane. Relatório prospectivo setorial: 2009. Brasília: Centro de
gestão e estudos estratégicos. Brasília, 2009. 210 p, 104: il.
IGRA.
Rede
global
para
talhados
verdes.
Disponível
em:
<http://www.igra-
world.com/&ei=Iwc2TuOZOend0QHtooSfDA&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=1&
sqi=2&ved=0CCYQ7gEwAA&prev=/search%3Fq%3Dgreen%2Broof%2Bassociation%2
6hl%3Dpt-BR%26qscrl%3D1%26nord%3D1%26rlz%3D1T4GGLL_pt-BRBR379BR379
%26biw%3D1280%26bih%3D552%26site%3Dwebhp%26prmd%3Divns> Site traduzido.
Acesso em: 22 jun.2011.
IGRA. Tipos de telhado verde. Disponível em: <http://www.igra-world.com/types_
of_green_roofs/index.php&usg=ALkJrhgWFj3IEH_1lUcawjYeBWckBIjFYg>.Site
traduzido. Acesso em: 22 jun. 2011.
KLINKENBORG, Verlyn. O céu é verde. A idéia dos jardins suspensos floresce em
cidades cujas alturas permitem esses espaços naturais. 2009. Disponível em:
<http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/edicao-110/>. Acesso em: 01 jun 2011.
KOVALICK, Roberto. Japoneses usam cortina feita de pepino e plantas para fugir do
calor. Japão, 2011. Entrevista feita por Jornal Nacional. Disponível em: <http://
g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/06/japoneses-usam-cortina-feita-de-pepino-eplantas-para-fugir-do-calor.html> Acesso em: 24 jun. 2011.
LAAR, 2002 apud ARAÚJO, Sidney Rocha de. Conforto ambiental. Soropédica, RJ. 2007.
LAMBERTS, Roberto, DUTRA, Luciano, PEREIRA, Fernando O. R. Eficiência energética
na arquitetura. Ilustrações de Luciano Dutra. São Paulo: P.W., 1997. 192p.
LEAL, Georla Cristina Souza de Gois, FARIAS; Maria S.S. de; ARAÚJO, Aline de Farias. O
processo de industrialização e seus impactos no meio ambiente urbano. 2008.
Disponível em:<http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/viewFile /128/101>
Acesso em: 25 jun. 2011.
59
PECK, 1999 apud ARAÚJO, Sidney Rocha de. Conforto ambiental. Soropédica, RJ.
2007. PEREIRA. Manoela de Freitas. Teto verde: o uso de coberturas vegetais em
edificações. Rio de Janeiro. 2007, p.1 a 11. Disponível em: <http:/ /www.pucrio.br/pibic/ relatorio_resumo2007/relatorios/art/art_manoela_de_freitas_ferreira .pdf>.
Aceso em: 20 jun.2011.
PIERGILI, Alexander Van Parys. Por que utilizar telhados verdes? São Paulo. 2007.
Disponível em: <http://sitiogralhaazul.net/dev15/index.php?option=com_content&view
=article&id=42:por-que-utilizar-telhados-verdes&catid=30:design-ecologico>.
Acesso
em: 29 jun. 2011.
RANK, Liliane. Relatório prospectivo setorial: 2009. Brasília: Centro de gestão e
estudos estratégicos. Brasília, 2009. 210 p, 104: il.
ROLA, Sylvia. Telhados verdes: pequenos pulmões para grandes cidades. Disponível
em: <www.dw-world.de/dw/article/0,,1772334_page_2,00.html>. Acesso em: 03 jun.
2011.
SOUZA, Natália Almeida. Primeiro ônibus com sistema de telhado verde circula em
Nova York. 2010. Disponível em: <http://ciclovivo.com.br/noticia.php/1265/primeiro_
onibus_ com_sistema_de_telhado_verde_circula_em_nova_york />. Acesso em: 01 jun.
2011.
SOUZA, Natália Almeida. Telhado verde chega também aos morros cariocas. 2011.
Disponível em: <http://ecotelhado.blog.br/>. Acesso em: 20 de jul. 2011.
SPANGENBERG, Jörg. Melhoria do clima urbano nas metrópoles tropicais - Estudo de
caso. Disponível em: < http:// www.basis id.de /site2006/ science/01 _ Spangenberg _
IMPROVEMENT%20OF%20URBAN%20MICROCLIMATE%20IN%20TROPICAL%20M
ETROPOLIS.pdf> – Site traduzido. Acesso em: 30 maio 2011.
SPITZCOVSKY. Débora. Guarulhos implanta IPTU Verde. Editora Abril S.A. São
Paulo.Disponível
em:<http://planetasustentavel.abril.com.br/noticias/desconto-iptu-
verde-guarulhos-beneficio-fiscal-sustentabilidade-moradias-632838.shtml>. Acesso em:
22 jul. de 2011.
60
SUA
PESQUISA.
COM.
Revolução
industrial.
2011.
Disponível
em:
<http://
www.suapesquisa.com/industrial/>. Acesso em: 07 maio 2011.
TÓFOLI, Daniela. Moradores usam "telhado vivo" contra calor. Folha de São PauloCotidiano. (12/2/2006)
TOMAZ, 2005. Telhado verde. 2005. Capítulo 10.
TOMAZ, 2008. Cobertura Verde. 2008. In: Curso de manuseio de águas pluviais. Capítulo
51.
VASCONCELLOS, Maria da Penha. Telhado verde é solução em prédio da USP. 2007.
Disponível em: <http://www.conpet.gov.br/noticias/jnoticia.php?segmento=&id_noticia
=1096. Acesso em: 11 maio 2011.
VECCHIA, Francisco. Cobertura verde leve (CVL): Ensaio experimental. In: ENCONTRO
NACIONAL
ENCONTRO
DE
CONFORTO
NO AMBIENTE
LATINO-AMERICANO
SOBRE
CONSTRUIDO
CONFORTO
(ENCAC) E
NO
IV
AMBIENTE
CONSTRUÍDO (ELACAC). Maceió. Anais... .2005.
VILELA, Soraia. Telhados verdes: pequenos pulmões para grandes cidades. Disponível
em: <www.dw-world.de/dw/article/0,,1772334_page_2,00.html>. Acesso em: 10 jun.
2011.
www.flickr.com/photos/milazzo2010/4298766052/sizes/l/in/photostream/>. Acesso em: 04
maio 2011.
www.umahku.com/architecture-concept/green-building-design-in-urban-reas/attachment
/green-building-design-in-urban-areas4>. Acesso em: 2 de jun. 2011.
ZINCO, 2000 apud ARAÚJO, Sidney Rocha de. Conforto ambiental. Soropédica, RJ. 2007.
ZINCO, 2007. Zinco Green Roof Systems. Disponível em: <http://www.ecobuild.co.uk
/var/uploads/exhibitor/19/green_roof_brochure_dec_07_low_res_2.pdf>. Acesso em: 19
de maio de 2010.
Fly UP