...

Interesses particulares e económicos não podem prejudicar saúde

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Interesses particulares e económicos não podem prejudicar saúde
Secção Regional do Norte
Gabinete de Comunicação
[email protected]
Nota de Imprensa 22/11/2014
Falta de Medicamentos
Interesses particulares e económicos não
podem prejudicar saúde dos doentes
Mais uma vez, foram recentemente revelados dados aos quais o Conselho Regional do Norte
da Ordem dos Médicos (CRNOM) não pode ser indiferente.
O medicamento inovador para a hepatite C que o Ministério da Saúde disponibilizou em
Setembro a 150 doentes ainda não chegou a metade dos doentes mais graves. Isto enquanto
tutela e indústria discutem preços do medicamento, de modo a alargar o acesso do
medicamento a mais doentes.
Por outro lado, muitos doentes com cancro da bexiga estão desde Junho sem acesso ao
medicamento BCG- Medac, que se encontra em ruptura de stock e sem data prevista para a
sua reposição no mercado. Estamos a falar de um medicamento que diminui a probabilidade
de reaparecimento de tumores da bexiga e a sua progressão.
O CRNOM lamenta que estes constrangimentos ainda se mantenham e que as negociações
entre o Ministério da Saúde e os representantes da indústria farmacêutica estejam limitadas
apenas a números. Entendemos que se trata de uma matéria sensível, no entanto, não
podemos aceitar que prevaleçam critérios estritamente económicos quando está em causa o
supremo interesse dos doentes e, no limite, a sua sobrevivência. O sentido de
responsabilidade deve presidir às negociações e as partes envolvidas devem colocar o
interesse comum acima de qualquer interesse particular.
A Ordem dos Médicos tem-se manifestado contrária a uma visão contabilística que parece
estar a tomar conta da Saúde em Portugal. Os números não devem ser o primeiro argumento
disponível na hora de tratar um doente.
Neste sentido, e de acordo com as últimas notícias divulgadas, apelamos ao bom senso do
Ministério da Saúde e dos representantes da indústria farmacêutica para que, com carácter de
urgência, os medicamentos em falta cheguem rapidamente aos doentes e o seu preço não
seja uma condicionante ao tratamento digno e humano que cada doente merece.
O Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos
Porto, 22 de Novembro de 2014
Secção Regional do Norte | Gabinete de Comunicação | [email protected]
Rua Delfim Maia, 405 4200 - Porto | Tel: 22 507 01 00 Fax: 22 550 25 47
Fly UP