...

manual dermo crystal

by user

on
Category: Documents
9

views

Report

Comments

Transcript

manual dermo crystal
MANUAL DO EQUIPAMENTO
REGISTRO ANVISA N° 80212480024
HTM Indústria de Equipamentos Eletro-Eletrônicos Ltda.
Av. Rio Nilo, 209 Jd. Figueira CEP 13904-380 Amparo-SP Brasil
Tel/Fax (19) 3808-7741 CNPJ: 03.271.206/0001-44 IE: 168.041.609.112
www.htm.ind.br Autoriz. Func. ANVISA: U9M2213X0165 (802.124-8)
Engº Téc. Resp.: Paulo G. S. Lopes CREA/SP. nº 50.604.839-88
Téc. Resp. Subst.: Rafael de Camargo Stefano CREA/SP. nº 50.639.120-39
Revisão: 01 – 16/03/2015
1
ÍNDICE
________________________
1
________________________
APRESENTAÇÃO .................................................................................................................5
1.1 CARO CLIENTE .................................................................................................. 5
1.2 O MANUAL.......................................................................................................... 5
1.3 SOBRE O EQUIPAMENTO Dermo Crystal ......................................................... 6
1.4 DESEMPENHO ESSENCIAL .............................................................................. 6
2
CUIDADOS TÉCNICOS E AVISOS DE ADVERTÊNCIA ......................................................7
2.1 CUIDADOS TÉCNICOS ...................................................................................... 7
2.2 CUIDADOS COM A LIMPEZA ............................................................................ 8
2.3 CUIDADOS NO ARMAZENAMENTO ................................................................. 8
2.4 CUIDADOS NO TRANSPORTE .......................................................................... 8
3
ACESSÓRIOS DO EQUIPAMENTO....................................................................................10
3.1 ACESSÓRIOS QUE ACOMPANHAM O EQUIPAMENTO Dermo Crystal......... 10
3.1 ACESSÓRIOS OPCIONAIS (NÃO ACOMPANHAM) O EQUIPAMENTO Dermo
Crystal ............................................................................................................. 13
4
INSTALAÇÃO ......................................................................................................................15
4.1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal .......................................... 15
4.2 FILTRO DE PROTEÇÃO................................................................................... 16
4.3 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA ......................................................... 17
4.4 LISTA DE ACESSÓRIOS EM CONFORMIDADE COM OS REQUISITOS DA
NORMA NBR IEC 60601-1-2 .......................................................................... 19
5
CONSIDERAÇÕES SOBRE A VACUOTERAPIA ...............................................................20
5.1 EFEITOS FISIOLÓGICOS ................................................................................ 20
5.2 INDICAÇÕES .................................................................................................... 21
5.3 CONTRAINDICAÇÕES ..................................................................................... 21
6
CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICRODERMOABRASÃO ................................................23
6.1 EFEITOS FISIOLÓGICOS ................................................................................ 24
6.2 INDICAÇÕES .................................................................................................... 24
6.3 CONTRAINDICAÇÕES - Lesões de acne e pústulas ...................................... 24
6.4 FATORES QUE INFLUEMCIAM O PROCEDIMENTO ..................................... 24
6.5 REAÇÕES ADVERSAS .................................................................................... 25
6.6 CUIDADOS ESPECIAIS.................................................................................... 25
6.7 BIBLIOGRAFIA ................................................................................................. 25
2
7
COMANDOS E INDICAÇÕES DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal ....................................28
7.1 PAINEL DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal .................................................... 28
7.1.1 Descrição dos Comandos e Indicações do Equipamento Dermo Crystal ....... 29
7.2 PARTE POSTERIOR DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal ............................... 30
7.2.1 Descrição da Parte Posterior do Equipamento Dermo Crystal ....................... 30
8
OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO .......................................................................................31
8.1 OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal ............................................. 31
8.1.1 Ligando o equipamento. ................................................................................. 31
8.1.2 Selecionando o Tratamento. .......................................................................... 31
8.1.3 Configurando os Parâmetros do tratamento de Peeling Crystal..................... 32
8.1.3 Configurando os Parâmetros do tratamento de Vacuoterapia........................ 33
8.1.3 Encerramento da aplicação. ........................................................................... 35
9
MANUTENÇÃO DO EQUIPAMENTO..................................................................................37
9.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA ........................................................................... 37
9.2 MANUTENÇÃO PREVENTIVA ......................................................................... 38
9.2.1 CABOS DE CONEXÃO E ALIMENTAÇÃO .................................................... 38
9.2.2 LIMPEZA DO GABINETE............................................................................... 38
9.2.3 LIMPEZA DAS VENTOSAS ........................................................................... 38
9.2.4 CALIBRAÇÃO ................................................................................................ 39
9.3 ENVIO DE EQUIPAMENTO A ASSISTÊNCIA TÉCNICA ................................. 39
9.4 MEIO AMBIENTE .............................................................................................. 39
10 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO EQUIPAMENTO........................................................40
10.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal .......... 40
10.2 EMISSÕES ELETROMAGNÉTICAS PARA O Dermo Crystal ......................... 42
10.3 IMUNIDADE ELETROMAGNÉTICAS PARA O Dermo Crystal ....................... 43
10.4 DISTÂNCIAS DE SEPARAÇÃO RECOMENDADAS ENTRE
EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO DE RF, PORTÁTIL E MÓVEL E O
Dermo Crystal ................................................................................................. 45
10.5 FUNCIONAMENTO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal................................ 46
10.6 CLASSIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal QUANTO A NORMA
NBR IEC 60601-1 ........................................................................................... 46
10.7 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NESTE MANUAL .............. 47
10.8 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NO EQUIPAMENTO.......... 48
10.9 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NA EMBALAGEM .............. 49
10.10 ESQUEMAS DE CIRCUITOS, LISTA DE PEÇAS, COMPONENTES E
INSTRUÇÕES DE CALIBRAÇÃO .................................................................. 50
3
10.11 DECLARAÇÃO DE BIOCOMPATIBILIDADE ................................................ 50
11 CERTIFICADO DE GARANTIA ..........................................................................................51
11.1 NÚMERO DE SÉRIE / DATA DE INÍCÍO DA GARANTIA ............................... 51
4
1
APRESENTAÇÃO
1.1 CARO CLIENTE
Parabéns!!! Você agora possui um equipamento
de alta tecnologia e de qualidade excepcional que, aliado
a seus conhecimentos, produzirá excelentes
resultados em seus tratamentos.
Contudo, para que você possa explorar ao máximo os recursos do
equipamento, garantindo sua segurança e a de seus pacientes, é
imprescindível que você leia este manual e siga corretamente suas instruções.
Assim, você desempenhará a função de um profissional com
elevado padrão de atendimento.
Nós, da HTM Eletrônica, estamos prontos para esclarecer quaisquer dúvidas
sobre a operação do equipamento e também para ouvir sua opinião e suas
sugestões sobre o mesmo.
1.2 O MANUAL
Este manual descreve todo processo de instalação, montagem, operação
e características técnicas do equipamento Dermo Crystal, além de importantes
considerações sobre a VACUOTERAPIA e MICRODERMOABRASÃO, no que
tange a sua característica, indicações, contraindicações, entre outras
informações.
Este manual contém as informações necessárias para o
uso correto do equipamento Dermo Crystal. Ele foi
elaborado por profissionais treinados e com qualificação
técnica necessária para esse tipo de literatura
5
1.3 SOBRE O EQUIPAMENTO Dermo Crystal
O Dermo Crystal é um equipamento com controle digital, através de
microcontrolador que incorpora as mais recentes tecnologias para a geração e
controle da VACUOTERAPIA e MICRODERMOABRASÃO, proporcionando maior
precisão e manutenção dos parâmetros de tratamentos pré-estabelecidos.
Caracteriza-se ainda por apresentar as seguintes vantagens:
þÉ
um equipamento com design revolucionário, oferecendo a sua clínica um
visual estético totalmente diferenciado;
þ
É um equipamento capaz de gerar elevadas pressões negativas, mantendo
sua mobilidade e portabilidade;
þ Oferece a terapia de microdermoabrasão utilizando Óxido de Alumínio (AL2O3)
como agente abrasivo;
þ
Controle de pressão de sucção para os tratamentos de VACUOTERAPIA e
MICRODERMOABRASÃO;
þ
Regulagem do fluxo de Cristais de Óxido de Alumínio (AL2O3), reduzindo os
resíduos depositados na pele e promovendo maior conforto e economia na
aplicação;
þ Oferece a terapia através do vácuo contínuo e pulsado;
þ É desenvolvido com a mais alta tecnologia digital,
obtendo um elevado
rendimento;
þ Microcontrolado com controles de parâmetros digitais;
þ Oferece os melhores aplicadores corporais e faciais;
þ Possui teclas soft touch em relevo e display gráfico,
para operação e
visualização dos parâmetros de operação;
þ
Equipamento projetado para atender as necessidades referentes ao
fornecimento de vácuo (pressão negativa), atendendo a Norma Geral ABNT NBR
IEC 60601-1 exigida para certificação de conformidade INMETRO.
1.4 DESEMPENHO ESSENCIAL
Entende-se como desempenho essencial do equipamento Dermo Crystal a
geração e fornecimento de vácuo (pressão negativa), para fins estéticos dentro
das características e exatidões declaradas no item 10 - “Especificações Técnicas”
deste manual de instruções. Ainda todas as funções do equipamento foram
ensaiadas de acordo com as prescrições de imunidade da norma NBR IEC
60601-1-2: Norma Colateral: Compatibilidade Eletromagnética - Prescrições e
Ensaios.
6
2
CUIDADOS TÉCNICOS E AVISOS DE ADVERTÊNCIA
2.1 CUIDADOS TÉCNICOS
þ Antes de ligar o equipamento, certifique-se que está ligando-o conforme as
especificações técnicas localizadas na etiqueta do equipamento ou no item
Especificações Técnicas do Equipamento Dermo Crystal;
þ Não abra o equipamento em hipótese alguma, pois, além de perder a garantia,
você estará pondo em risco a sua segurança e poderá danificar
componentes caros. Qualquer defeito contate a HTM Eletrônica que
informará a Assistência Técnica Autorizada HTM Eletrônica mais próxima
de você;
þ
O aparelho Dermo Crystal bem como seus acessórios não devem
passar por assistência ou manutenção durante a utilização com um
paciente;
þ
Não substitua o fusível por outro de valor diferente do especificado no item
Especificações Técnicas do Equipamento ou na etiqueta do equipamento;
þ Não introduza objetos nos orifícios do equipamento, ventosas e
canetas e não apoie recipientes com líquidos sobre o equipamento;
þ Nunca desconecte o plugue da tomada puxando pelo cabo de força;
þ Para desconectar as mangueiras, siga as instruções descritas no
item 4.1
deste manual;
þ
Manuseie as ventosas e as canetas com cuidado, pois impactos
mecânicos podem danificá-los;
þ Inspecione constantemente o cabo de força, verificando se existe presença de
cortes na isolação dos mesmos. Verifique também as mangueiras de conexão.
Percebendo qualquer problema siga os procedimentos descritos para
manutenção do equipamento;
þ Não utilize o equipamento empilhado ou adjacente a outro equipamento.
ADVERTÊNCIA:
permitida.
Nenhuma
modificação
7
neste
equipamento
é
2.2 CUIDADOS COM A LIMPEZA
þ
Para limpar o equipamento, utilize um pano seco. Agindo assim você estará
conservando seu equipamento;
Não utilize os acessórios sem a devida higienização dos mesmos!
þ Após cada utilização, lave as ventosas com água corrente e
detergente neutro para remover o excesso de géis e/ou produtos
cosméticos utilizados, evitando que tais sustâncias sequem ou fiquem
incrustados nos mesmos, danificando sua aplicabilidade;
þ Para limpar o filtro de ar do modo Vacuum (parte posterior do gabinete),
remova-o do gabinete, girando o reservatório no sentido horário, lave-o com água
corrente e detergente neutro. Aguarde secar e recoloque no local girando no
sentido anti-horário e exercendo ligeira pressão para evitar a perda de vácuo.
þ Para realizar a limpeza do reservatório de cristal usado: remova o reservatório
do gabinete girando-o no sentido horário, descarte o óxido usado e limpe o filtro
de plástico micro poroso com auxílio de um pincel macio. Adicionalmente os
reservatórios (cristal limpo e cristal usado) poderão ser lavados com água. Após
este procedimento, certifique-se de secá-los totalmente, pois na presença de
umidade os cristais poderão se aglomerar e criar pequenas pedras que podem
danificar o equipamento.
2.3 CUIDADOS NO ARMAZENAMENTO
þ Não armazene o equipamento em locais úmidos ou sujeitos a condensação;
þ Não armazene o equipamento em ambiente com temperatura superior a 60ºC
ou inferior a -20ºC;
þNão exponha o equipamento direto aos raios de sol, chuva ou umidade
excessiva.
2.4 CUIDADOS NO TRANSPORTE
þ
Se houver necessidade de transportar o equipamento, utilize o mesmo
processo de embalagem utilizado pela HTM Eletrônica. Procedendo desta forma,
você estará garantindo a integridade do equipamento. Para isso, aconselha-se
que a embalagem do equipamento seja guardada;
þ Na remessa de equipamento entre localidades, recomendamos o uso de
transportadoras para os seguintes modelos*:
- DIATHERAPIC MICROWAVE;
- LÍMINE®;
Dermo Crystal;
- Beauty Dermo;
- EFFECT;
- Light Pulse;
- PLURIA;
- ULTRAFOCUS;
- VIBRIA®.
8
NOTA!
* Estes modelos citados são os que estavam em linha no momento da publicação
desta revisão do manual do usuário. Para obter a lista atualizada dos
equipamentos que recomendamos o uso de transportadoras para envio entre em
contato com a HTM ELETRÔNICA.
Demais equipamentos podem ser transportados, também, pelos Correios.
É importante enfatizar o uso dos materiais de embalagem em todos os
casos de transporte do equipamento.
9
3
ACESSÓRIOS DO EQUIPAMENTO
3.1 ACESSÓRIOS QUE ACOMPANHAM O EQUIPAMENTO Dermo Crystal
þ 01 DVD com o Manual de
þ 01 Cabo de força;
Instruções do equipamento Dermo
Crystal.
þ 01 Adaptador de engate vácuo;
þ 01 Cabo extensor;
þ 01 Mangueira para conexão e aplicação no modo Vacuum;
Imagens meramente ilustrativas!
10
þ 01 Aplicador com capa de silicone e þ 01 Ventosa Corporal tipo Rolete (grande)*;
anel
para
encaixe
de
filtro;
þ
01
Ventosa
Luneta 12mm*;
Facial þ 01 Ventosa þ 01 Ventosa Corporal Sino Boro*;
Facial Bico de
Pato*;
þ 01 Pote Óxido de Alumínio (AL2O3) #100
þ 01 Aplicador para Peeling Cristal*;
fino 150µm;
Imagens meramente ilustrativas!
11
þ 01 Reservatório para Óxido de Alumínio þ 01 Reservatório para deposição de Óxido
(AL2O3) #100 fino 150µm;
de Alumínio (AL2O3) usado (descarte);
þ 01 Funil para abastecimento de AL2O3;
þ 01 Rack de metal;
þ 02 ponteiras Cristal;
þ 01 Peneira;
þ 01 ponteira de 0.7
e 01 ponteira de 1.
Imagens meramente ilustrativas!
12
þ 01 Suporte para caneta aplicadora;
þ 02 Porcas borboleta para fixação do
gabinete no rack metálico;
þ 08 Parafusos M3,5 x 12mm para fixação do
þ 01 Chave Philips para montagem dos
suporte do aplicador e dos reservatórios no rack
metálico;
reservatórios e suporte*;
Imagens meramente ilustrativas!
3.1 ACESSÓRIOS OPCIONAIS (NÃO ACOMPANHAM) O EQUIPAMENTO
Dermo Crystal
þ 01 Ventosa Corporal - tipo Rolete
þ 01 Ventosa Facial Passarinho*;
(pequeno)*;
þ Kit para Peeling diamante com 3
þ Kit para Peeling diamante com 5
ponteiras*;
ponteiras*;
13
þ 01 Ventosa Facial Luneta 18mm*;
þ 01 Ventosa Facial Passarinho reto*;
Imagens meramente ilustrativas
þ Suporte para descanso.
* Estes acessórios são classificados como PARTE APLICADA de acordo com
a NBR IEC 60601-1.
Imagens meramente ilustrativas!
14
4
INSTALAÇÃO
4.1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
1. Efetue a montagem do rack conforme as instruções detalhadas no diagrama
de montagem anexo à embalagem do mesmo;
2. Posicione o gabinete do equipamento Dermo Crystal cuidadosamente sobre
o tampo do carinho certificando-se que os pés de borracha do gabinete
sejam devidamente encaixados nos orifícios da chapa superior. Trave o
gabinete rosqueando as porcas borboleta nos parafusos transpassados no
chapa superior do carrinho;
3. Conecte as mangueiras localizadas na parte posterior do equipamento nas
suas respectivas conexões dos recipientes. De maneira intuitiva as
mangueiras e os recipientes são marcados com cores e números para
facilitar;
4. Encaixe o cabo de força na parte posterior do equipamento e conecte-o na
rede de alimentação certificando-se que o valor da tensão da rede elétrica
encontra-se dentro da faixa de 100V~ a 230V~;
þ
O equipamento não precisa ser ligado com filtro de linha, pois possui filtro
interno e nem em estabilizador de tensão;
þ O uso de instalações elétricas precárias pode causar riscos de segurança;
þ Recomenda-se que o equipamento seja instalado em lugares que trabalhem
de acordo com a norma NBR 13534, que diz respeito a instalações de clínicas e
hospitais.
5. Conecte a mangueira para tratamento de vacuoterapia no engate rápido
identificado “Vacuum Output” localizado na parte frontal do equipamento;
15
6. Conecte as mangueiras da caneta aplicadora do tratamento de peeling
cristal nos engates rápidos localizados na parte frontal do equipamento. A
mangueira de cor azul deve ser conectada no engate marcado pela cor azul
e identificado como: “Crystal Output – Clean”. A mangueira de cor verde
deve ser conectada no engate marcado pela cor verde e identificado como
“Crystal Output – Used”. A Figura 1 representa a correta conexão;
Figura 1– Conexão das mangueiras do Peeling Cristal.
7. Retire a tampa do reservatório de óxido limpo (Clean Crystal) girando no
sentido anti-horário. Introduza o funil na abertura, coloque a peneira sobre o
funil e abasteça o reservatório com óxido limpo até o nível desejado.
Importante notar o nível mínimo e máximo marcado no próprio reservatório.
NOTA! Para remover a mangueira pressione a borda do conector de engate
rápido contra a porca de metal e puxe a mangueira para fora conforme explicação
da Figura 2.
Figura 2 - Instrução para desconexão da mangueira.
4.2 FILTRO DE PROTEÇÃO
Para proteger, ainda mais seu equipamento, coloque um filtro para impedir o
acúmulo de cosméticos utilizados. Pode utilizar-se um filtro de papel comum
conforme Figura 3, tipo coador de café. Siga o roteiro abaixo:
16
þ Desrosqueie o aplicador;
þ Retire o anel retentor do filtro;
þ Coloque o filtro;
þ Encaixe novamente o anel retentor;
þ Remova o excesso do filtro de papel.
þ Rosqueie novamente o aplicador.
ATENÇÃO: O filtro deve ser trocado a cada aplicação.
Figura 3 – Instrução para montagem do filtro adicional.
4.3 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA
O equipamento Dermo Crystal não causa interferência significativa em outros
equipamentos, porém, pode sofrer interferência e ter suas funções alteradas se
submetido a campo eletromagnético de grande intensidade. Com base nesta
informação devemos tomar as seguintes precauções:
þ
O equipamento Dermo Crystal não pode ser utilizado muito próximo ou
empilhado sobre outros equipamentos. Caso isso seja necessário, recomenda-se
que o equipamento seja observado para verificar a operação normal na
configuração a qual será utilizado;
þ O Dermo Crystal não deve ser ligado fisicamente próximo a equipamentos de
Diatermia e Motores Elétricos;
þ
O sistema de alimentação (fases e neutro) do Dermo Crystal deve ser
separado do sistema utilizado pelos outros equipamentos;
þ
Este equipamento requer precauções especiais em relação a sua
COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA e precisa ser instalado e colocado em
funcionamento de acordo com as informações sobre COMPATIBILIDADE
ELETROMAGNÉTICA fornecidas neste manual de instruções;
17
þ Equipamentos de RF móveis e portáteis podem afetar o equipamento Dermo
Crystal;
þ ADVERTÊNCIA: O cabo de alimentação e acessórios do equipamento
Dermo Crystal são partes aprovadas e não podem ser substituídas por
outras não especificadas pelo fabricante, de forma a evitar degradação da
segurança e desempenho essencial do equipamento;
þ
A utilização de cabos que não sejam os especificados, à exceção dos
vendidos pelo fabricante do equipamento como peças de reposição, pode resultar
em acréscimo de emissões ou decréscimo da imunidade do equipamento.
NOTA!
“Atenção: Equipamento pretendido para uso somente por profissionais
capacitados das áreas de saúde e beleza. Este equipamento pode causar
rádio interferência ou pode interromper a operação de equipamentos próximos.
Pode ser necessário tomar medidas mitigatórias, como reorientação ou
realocação do equipamento ou blindagem do local”.
PERFIL DO USUÁRIO PRETENDIDO
• Profissionais com formação na área de saúde ou beleza. Não há um nível
de conhecimento máximo do usuário;
• Instruções de utilização estão disponíveis no idioma Português.
• Em relação ao nível de experiência mínima, é necessária a leitura do
manual de instruções. Não há um nível de experiência máxima;
• Leve imperfeição visual para leitura ou visão corrigida por lentes
corretivas, um braço/mão capaz de guiar e segurar um dispositivo e
deficiência auditiva de até 40% resultando em 60% da audição normal
são admissíveis para utilização do equipamento.
POPULAÇÃO DE PACIENTE
• Pacientes acima de 15 anos de idade. Abaixo desta idade somente sob
prescrição médica ou fisioterapêutica;
• Pacientes com mais de 40 Kg;
• Não existem restrições ao uso quanto à nacionalidade;
• Pacientes com nível de consciência e sensibilidade preservada;
CONDIÇÕES DE USO
• Uso profissional, não é indicado para uso domiciliar.
• Este equipamento é reutilizável, e não possui limitações de frequência de
uso.
18
• Este equipamento é considerado móvel.
• O equipamento pode ser utilizado em qualquer região corporal, exceto
sobre os olhos e áreas genitais.
4.4 LISTA DE ACESSÓRIOS EM CONFORMIDADE COM OS REQUISITOS DA
NORMA NBR IEC 60601-1-2.
þ Cabo de Força 2x0,75mm² x 1,5m Plug 180 Fêmea IEC 180.
19
5
CONSIDERAÇÕES SOBRE A VACUOTERAPIA
A massagem mecânica por pressão negativa, também conhecida como
vacuoterapia, endermologia ou dermotonia, consiste basicamente na
utilização da pressão negativa contínua, por meio de aplicadores,
denominados manípulos ou ventosas, que se apresentam em vários modelos
e formatos, destinados a inúmeros procedimentos terapêuticos, corporais e
faciais.
Existem indicativos que desde a antiguidade, egípcios, gregos, chineses e
japoneses já faziam o uso de ventosas com finalidade terapêutica, sendo as
primeiras, feitas com chifres de animais. Recentemente, a técnica foi
desenvolvida na França, na década de 1970, para inicialmente ser utilizada
no alívio de dores musculares, massagens e cicatrizes decorrentes de
queimaduras (ERSEK,1997).
O método é executado como uma massagem mecânica profunda, pois faz
uso de equipamentos motorizados, que utilizam a sucção, promovendo uma
mobilização profunda da pele e do tecido subcutâneo, a fim de simular os
mesmos efeitos de uma massagem manual. (BACELAR,2006).
A massagem profunda quando se dá através da sucção com roletes,
promove uma dobra na pele, denominada “palper-roler” (palpar-rolar),
permitindo desta forma, um incremento na circulação sanguínea,
minimizando as estases microcirculatórias (VOLPI, 2010). Segundo Adcock
(2001), os benefícios da massagem profunda incluem a resolução de
cicatrizes aderentes, recuperação da fadiga muscular, redução da celulite
além de ser utilizada para melhorar o contorno corporal. Outros efeitos
atribuídos à massagem mecânica incluem a melhora do fluxo sanguíneo e
linfático, melhora da nutrição celular e eliminação de detritos metabólicos,
além de promover o aumento da maleabilidade e restruturação do tecido
conjuntivo.
5.1 EFEITOS FISIOLÓGICOS
Por simular mecanicamente a massagem manual ou a drenagem linfática
manual, produz os seguintes efeitos:
- Efeitos reflexos: este efeito reflexo relaciona-se aos receptores sensoriais dos
tecidos superficiais. Os terminais nervosos são estimulados pelas manobras,
exercendo um efeito benéfico indireto sobre outras regiões do corpo. A
conexão se dá por um trajeto reflexo que envolve o sistema nervoso autônomo.
20
- Alongamento e liberação de aderências: O efeito essencial do vácuo é
alongar o tecido e a fáscia adjacente. Isso representa o resultado adicional de
reverter qualquer encurtamento dentro desses tecidos, liberando aderências.
- Aumento do aporte circulatório e melhora do retorno venoso: a circulação
local é ativada por um efeito reflexo, que causa a vasodilatação das arteríolas
superficiais. O transporte de nutrientes para os tecidos, portanto, é aumentado
devido à maior perfusão sanguínea e o fluxo venoso também pode ser
aumentado pela direção das manobras que o terapeuta exerce.
- Redução do edema: A ação de bombeamento tende a auxiliar o fluxo linfático
e consequentemente, a reduzir edemas. Drenar o fluido intersticial também
remove os detritos metabólicos dos tecidos.
- Redução da fadiga: Uma vez que aumenta a circulação local, podendo gerar
até leve hipertermia local, combate os efeitos da fadiga e promove a analgesia,
pelo relaxamento e reabsorção de catabólitos do local.
- Emulsificação da gordura: Quando realizado vigorosamente, os movimentos
produzem o efeito de emulsificar a gordura nas células superficiais do tecido
conjuntivo. Em estado emulsificado, os adipócitos têm maior facilidade para
serem metabolizados.
- Inibição da diferenciação do pré adipócito em adipócito.
- Redução da espessura do tecido adiposo.
- Alteração morfológica e funcional de regiões com pouca população de
receptores beta adrenérgicos.
- Reestruturação do tecido de sustentação: aumento da deposição das fibras
de colágeno.
5.2 INDICAÇÕES
- Celulite
- Redução de medidas
- Coadjuvante na redução de peso
- Drenagem linfática
- Fibrose
5.3 CONTRAINDICAÇÕES
- Tumores cutâneos
- Gravidez
- Dermatoses
- Fragilidade capilar
- Doenças infecciosas evolutivas
21
- Reumatismos inflamatórios
- Cardiopatia descompensada
- Portadores de marca-passos cardíacos
- Trombose e tromboflebites
22
6
CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICRODERMOABRASÃO
A microdermoabrasão apresenta-se como uma técnica de esfoliação não
cirúrgica, passível de controle e que pode ser executada de forma não invasiva.
Inúmeras são suas indicações que têm por base o incremento da mitose celular
fisiológica, suscitando efeitos como atenuação de rugas superficiais,
afinamento do tecido epitelial, clareamento das camadas mais superficiais da
epiderme e estrias. (BORGES, 2010).
É considerado um procedimento de esfoliação mecânica progressiva e
controlada, denominado peeling mecânico, que se divide em:
• Peeling de cristal: utiliza-se um circuito de vácuo (loop fechado) para
promover a pulverização de microcristais sobre a pele.
• Peeling de diamante: utiliza-se uma manopla que possui fragmentos de
diamante embutidos no ponto de contato da caneta com a pele. A rugosidade
é controlada pelo tamanho das partículas de diamante no ponto de contato (25,
50, 100, 150 e 200 mícron).
O peeling de diamante, pode ser realizado utilizando-se uma caneta com
diversas ponteiras diamantadas de diferentes granulometrias, onde no centro
da ponteira há um orifício para sucção. A caneta é conectada a um
equipamento gerador de pressão negativa fazendo com que a pele seja
suavemente sugada contra a ponteira, sendo a esfoliação efetuada por meio
dos movimentos executados pelo profissional.
Há também diferentes composições de materiais, utilizados na aplicação do
peeling de cristal, entre eles incluem a abrasão mecânica por meio de jatos de
óxido de zinco ou de cristais de óxido de alumínio. O procedimento consiste na
aplicação direta sobre a pele por meio de um dispositivo mecânico gerador de
pressão negativa e pressão positiva simultâneas, em que são utilizados
microgrânulos de óxido de alumínio jateados pela pressão positiva sobre a
superfície cutânea numa velocidade passível de controle, provocando erosão
nas camadas da epiderme. Sendo ao mesmo tempo sugada pela pressão
negativa, tanto os resquícios dos microcristais como células córneas em
disjunção (BORGES, 2010; (SAVARDEKAR, 2007).
Independentemente da escolha do método, o procedimento auxilia a redução
das rugas superficiais, estimula a regeneração celular, incrementa a produção
de colágeno e melhora a qualidade da pele. Devido à remoção seletiva e
progressiva do estrato córneo, sem oferecer nenhum dano aos tecidos mais
profundos. Também é possível o aumento da permeação para ativos, desde
23
que respeitado o uso do veículo apropriado (hidrofílico) na
dermocosmética selecionada para utilização (FUJIMOTO et al, 2005).
base
6.1 EFEITOS FISIOLÓGICOS
- Estimulação do crescimento epidérmico mediante remoção do estrato córneo
- Indução de reação inflamatória para reparação tecidual
- Estimulação da matriz dérmica
- Diminuição da função barreira
6.2 INDICAÇÕES
- Estrias
- Cicatrizes de acne
- Irregularidades da textura e pigmentação da pele
- Envelhecimento facial
- Rugas superficiais
6.3 CONTRAINDICAÇÕES
- Lesões de acne e pústulas
- Lesões herpéticas: lesões vesículo-bolhosas provocadas por vírus (Herpes vírus
hominis HVH).
- Rosácea
- Fragilidade capilar
- Psoríase
- Dermatites
- Diabetes Mellitus
- Eczema
- Lupus eritematoso
- Câncer de pele
- Lesões vasculares (manchas vinho do porto, hemangiomas)
6.4 FATORES QUE INFLUEMCIAM O PROCEDIMENTO
- Velocidade do movimento.
- Escolha do aplicador.
- Ajuste da pressão.
- Quantidade de passadas na mesma área.
24
6.5 REAÇÕES ADVERSAS
As reações, em geral, são passageiras, permanecendo não mais que 30 ou 40
minutos, entre elas:
- Eritema leve com sensação de ardor;
- Fotossensibilidade cutânea;
- Suave descamação.
6.6 CUIDADOS ESPECIAIS
- Remova lentes de contato, brincos, e outros adereços.
- Proteja os olhos e os ouvidos contra eventual resíduo de óxido.
- Cuidado ao esfregar os olhos, pois os microcristais poderão cair na região
ocular e causar sensação incomoda.
- Utilizar protetor solar diariamente após as sessões.
- Jamais reaproveitar o óxido de Alumínio ou de Zinco.
6.7 BIBLIOGRAFIA
ABDEL-LATIF, A. M.; ELBENDARY, A. S. Treatment of striae distensae with
microdermabrasion: a clinical and molecular study. JEWDS, v. 5, p. 24-30,
2008.
ADCOCK, David et al. Analysis of the effects of deep mechanical massage in the
porcine model. Plastic and reconstructive surgery, v. 108, n. 1, p. 233-240,
2001.
BACELAR, Vanessa Correia Fernandes; VIEIRA, Maria Eugènia Senra.
Importância da vacuoterapia no fibro edema gelóide. Fis. Bras, v. 7, n. 6, p. 440443, 2006.
BHALLA, Mala; THAMI, GURVINDER P. Microdermabrasion: reappraisal and
brief review of literature. Dermatologic surgery, v. 32, n. 6, p. 809-814, 2006.
BORGES, F. S. Fisioterapia Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas nas
Disfunções Estéticas. Editora Phorte. São Paulo, v. 2, p. 114-149, 2010.
CASSAR, Mario-Paul. Manual de massagem terapêutica. Manual de massagem
terapêutica, 2001.
25
DE BARBA, Juliane; RIBEIRO, Elisiê Rossi. Efeito da Microdermoabrasão no
Envelhecimento Facial. A REVISTA, p. 6, 2009.
ERSEK, Robert A. et al. Noninvasive mechanical body contouring: a preliminary
clinical outcome study. Aesthetic plastic surgery, v. 21, n. 2, p. 61-67, 1997.
FERNANDES, Mariane et al. Effects of microdermabrasion on skin
rejuvenation. Journal of Cosmetic and Laser Therapy, v. 16, n. 1, p. 26-31,
2014.
FODOR, Peter Bela. Endermologie (LPG): does it work? Aesthetic plastic
surgery, v. 21, n. 2, p. 68-68, 1997.
FUJIMOTO, Tomoko; SHIRAKAMI, Kohei; TOJO, Kakuji. Effect of
microdermabrasion on barrier capacity of stratum corneum. Chemical &
pharmaceutical bulletin, v. 53, n. 8, p. 1014-1016, 2005.
KARIMIPOUR, Darius J. et al. Microdermabrasion with and without aluminum
oxide crystal abrasion: a comparative molecular analysis of dermal remodeling.
Journal of the American Academy of Dermatology, v. 54, n. 3, p. 405-410,
2006.
KARIMIPOUR, Darius J. et al. Molecular analysis of aggressive
microdermabrasion in photoaged skin. Archives of dermatology, v. 145, n. 10,
p. 1114-1122, 2009.
KUTLUBAY, Zekayi et al. An alternative treatment modality for cellulite: LPG
endermologie. Journal of Cosmetic and Laser Therapy, v. 15, n. 5, p. 266270, 2013.
MARQUES, Marie-Adeline et al. Impact of a mechanical massage on gene
expression profile and lipid mobilization in female gluteofemoral adipose tissue.
Obesity facts, v. 4, n. 2, p. 121, 2011.
MOSELEY, Amanda Louise et al. Endermologie® (With and Without
Compression Bandaging)-A New Treatment Option for Secondary Arm
Lymphedema. Lymphology, v. 40, n. 3, p. 129-137, 2007.
SABATOVICH, O.; KEDE, M. P. V.; SABATOVICH, P. G. Microdermoabrasao
com cristais. KEDE, MPV; SABATOVICH, O. Dermatologia estética. São
Paulo: Atheneu, p. 4, 2004.
26
SAVARDEKAR,
Preeti.
Focus-Microdermabrasion. Indian
Journal
Dermatology, Venereology and Leprology, v. 73, n. 4, p. 277-279, 2007.
of
TANABE, Yoshiyuki et al. Inhibition of adipocyte differentiation by mechanical
stretching through ERK-mediated downregulation of PPARγ2. Journal of cell
science, v. 117, n. 16, p. 3605-3614, 2004.
TÜLIN GÜLEÇ, A. Treatment of cellulite with LPG endermologie. International
journal of dermatology, v. 48, n. 3, p. 265-270, 2009.
VOLPI, Adriana Aparecida Apolari et al. Análise da eficácia da vacuoterapia no
tratamento do fibro edema gelóide por meio da termografia e da
biofotogrametria. Physical Therapy Brazil, p. 70, 2010.
27
7
COMANDOS E INDICAÇÕES DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
7.1 PAINEL DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
Figura 4 – Painel do equipamento Dermo Crystal
28
7.1.1 Descrição dos Comandos e Indicações do Equipamento Dermo
Crystal
A seguir é detalhada a função de cada item do painel do equipamento Dermo
Crystal ilustrados na Figura 4
1 – CRYSTAL FLOW: responsável pelo controle do fluxo de Óxido de Alumínio
no tratamento de Peeling Cristal. Não tem ação no tratamento de Vacuoterapia.
2 – VACUUM INTENSITY: responsável pelo ajuste de pressão nas ventosas do
tratamento de Vacuoterapia. No modo Peeling Cristal ajusta a pressão de sucção
da caneta aplicadora;
3 – Display LCD Gráfico: realiza a interface com o usuário, exibindo informações
do tratamento e tempo de aplicação.
4 – VACUUM METER: vacuômetro utilizado para medição e exibição da pressão
vacuométrica na saída da bomba.
5 – Led ON: quando aceso indica que o equipamento está ligado;
6 – Botão SELECT: responsável pela seleção dos tratamentos e dos parâmetros;
7 – Botão SET+: se o cursor estiver no campo tratamento, o botão SET+, quando
pressionado, altera o tipo de tratamento. Também responsável pelo incremento
do tempo de aplicação e mudança do modo de tratamento na Vacuoterapia.
8 – Botão SET-: se o cursor estiver no campo tratamento, o botão SET-, quando
pressionado, altera o tipo de tratamento. Também responsável pelo decremento
do tempo de aplicação e mudança do modo de tratamento na Vacuoterapia.
9 – Botão START/STOP: início ou interrupção/encerramento do tratamento.
29
7.2 PARTE POSTERIOR DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
Figura 5 – Parte posterior do equipamento Dermo Crystal
7.2.1 Descrição da Parte Posterior do Equipamento Dermo Crystal
Abaixo são detalhados os itens destacados na Figura 5:
10 – Filtro de ar: filtro de ar para o tratamento de Vacuoterapia. As impurezas
contidas na pele, bem como cosméticos utilizados durante o tratamento são
retidos neste filtro, portanto periodicamente/sempre que necessário aconselhase realizar a limpeza do reservatório conforme procedimento detalhado no item
2.2 deste manual;
11 – Adesivo de Especificação Técnica: neste adesivo são encontradas
informações técnicas sobre o equipamento, o seu número de série e ano de
fabricação.
12 – Porta Fusível: fusível de proteção do equipamento;
13 – Entrada para o Cabo de Força: conexão para encaixe do cabo de força;
14 – Chave Liga/Desliga: chave que liga e desliga o equipamento;
15 – Saídas de Ar: saídas de ar para refrigeração do equipamento.
30
8
OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO
8.1 OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
Após instalar o equipamento seguindo os tópicos do capítulo “Instalação”, você
está apto a operar o equipamento. Os modos de operação e configuração do
equipamento Dermo Crystal são descritos nos tópicos a seguir.
8.1.1 Ligando o equipamento.
Ligue o equipamento através da chave Liga-Desliga (14), localizada na parte
posterior do equipamento. Imediatamente o Led On (5) acende e o display gráfico
iniciará a exibição das telas de apresentação. A primeira tela apresenta a
logomarca da HTM Eletrônica conforme Figura 6.
Figura 6 - Tela de apresentação, logomarca HTM Eletrônica
Após alguns instantes uma tela contendo a logomarca do equipamento é
apresentada conforme Figura 7.
Figura 7 – Tela de apresentação, logomarca Dermo Crystal
8.1.2 Selecionando o Tratamento.
Após exibição das telas de apresentação o usuário pode selecionar e configurar o
tratamento desejado. Por padrão, o primeiro tratamento apresentado é o Peeling
Cristal (Crystal) conforme Figura 8. Para trocar o tratamento para o modo
Vacuoterapia (Vacuum), basta pressionar o botão “SELECT (6)” até o campo do
tratamento piscar e em seguida pressiona-se “SET+ (7)” ou “SET- (8)”.
31
Figura 8 – Tela de configuração do Peeling Cristal
8.1.3 Configurando os Parâmetros do tratamento de Peeling Crystal
Após selecionar o tratamento Crystal, o usuário poderá configurar o tempo de
tratamento desejado. Para isso deverá pressionar o botão “SELECT” até o campo
de tempo começar a piscar, então o tempo poderá ser incrementado ou
decrementado utilizando as teclas “SET+” e “SET-” respectivamente.
Para dar início ao tratamento deve-se pressionar a tecla “START/STOP (9)”.
Neste instante a bomba a vácuo entrará em funcionamento, o timer iniciará sua
contagem regressiva e o “bargraph” se movimentará continuamente indicando
que a aplicação está em andamento. A Figura 9 ilustra a tela de aplicação.
Figura 9 – Tela de aplicação Peeling Cristal
É possível ajustar a pressão de sucção e/ou o fluxo de cristais mais adequados
de acordo com a região de aplicação e a sensibilidade da pele a ser tratada. Para
ajustar a pressão, tampe a caneta aplicadora com o dedo conforme Figura 10 e
observe a indicação do “Vacuum Meter (4)”. Movimente o seletor “VACUUM
INTENSITY” no sentido horário para aumentar a pressão e no sentindo antihorário para diminuí-la.
Para ajustar o fluxo de cristais desejado movimente o seletor “CRYSTAL FLOW”
no sentindo horário para aumentar o fluxo e no sentido anti-horário para diminuílo.
NOTA!
þ O menor tempo possível de seleção é 1 minuto e o tempo máximo 60 minutos;
32
þ
A pressão máxima para o tratamento de Peeling Cristal é aproximadamente
300 mmHg. Este valor pode sofrer variação de acordo com a quantidade de
Óxido de Alumínio presente nos reservatórios;
þ
Normalmente um fluxo de cristais menor apresentará maior abrasividade no
tratamento;
þ Durante a aplicação o tempo pode ser incrementado e decrementado sem a
necessidade de interrompê-la.
Figura 10 – Ajuste de Pressão do Tratamento de Peeling Cristal
8.1.3 Configurando os Parâmetros do tratamento de Vacuoterapia
Após selecionar o tratamento “Vacuum” uma tela como ilustrada na Figura 11
será apresentada e o usuário poderá configurar o tempo e o modo de tratamento
desejado.
Figura 11 – Tela de configuração do Vacuoterapia
Para configurar o tempo deverá pressionar o botão “SELECT” até o campo
correspondente começar a piscar, então o tempo poderá ser incrementado ou
decrementado utilizando as teclas “SET+” e “SET-” respectivamente.
O aparelho Dermo Crystal conta com dois tipos de tratamento no modo Vacuum:
modo contínuo e pulsado. No modo contínuo a pressão gerada pelo sistema
33
através das ventosas é constante dependendo apenas do nível de pressão
ajustado pelo controle “Vacuum Intensity”.
No modo pulsado a pressão gerada pelo sistema através das ventosas sofre
reduções periódicas com duração de aproximadamente 1 segundo (Tempo de
Off) e é restabelecida imediatamente ao fim deste período (Tempo de On). O
número de interrupções por minuto pode ser selecionado de 5 a 50 pulsos/min
com incrementos de 5 pulsos/min.
Para configurar o modo de tratamento, é necessário pressionar o botão
“SELECT” até o campo correspondente começar a piscar, então o modo poderá
ser alterado com as teclas “SET+” e “SET-”.
Para dar início ao tratamento deve-se pressionar a tecla “START/STOP”. Neste
instante a bomba a vácuo entrará em funcionamento, o tempo iniciará sua
contagem regressiva.
O bargraph para o modo “Contínuo” se movimentará continuamente indicando
que a aplicação está em andamento conforme Figura 12.
Figura 12 – Tela de aplicação tratamento Vacuoterapia Contínua
O bargraph do modo pulsado se mantém totalmente preenchido durante o Tempo
de ON.
Figura 13 – Tela de aplicação tratamento Vacuoterapia Pulsado - Tempo On
Durante o tempo de Off o bargraph permanece vazio, as Figura 13 e Figura 14
ilustram as explicações.
34
Para ajustar a pressão do sistema tampe a saída do aplicador e movimente o
controle “VACUUM INTENSITY” no sentido horário para aumentar a pressão, e
no sentindo anti-horário para diminuí-la. Visualize a pressão no Vacuômetro.
Figura 14 – Tela de aplicação tratamento Vacuoterapia Pulsado - Tempo Off
NOTA!
þ O menor tempo possível de seleção é 1 minuto e o tempo máximo 60 minutos;
þ A pressão máxima para o tratamento Vacuoterapia é aproximadamente -550
mmHg. Este valor pode sofrer variação de acordo com a ventosa utilizada e do
contato desta na pele do paciente
þ
Durante a aplicação o tempo e o modo de tratamento (contínuo ou pulsado)
podem ser alterados sem a necessidade de interrompê-la.
8.1.3 Encerramento da aplicação.
Após término do tempo de aplicação, o equipamento interrompe a operação de
maneira segura, emite um sinal sonoro (beep) e exibe uma mensagem na tela
indicando o fim do tratamento (Figura 15). Para o sinal sonoro cessar basta
pressionar qualquer tecla.
Figura 15 – Tela de término de tratamento
35
É possível também interromper a aplicação a qualquer momento bastando para
isso pressionar a tecla “START/STOP” no painel do equipamento, neste momento
o equipamento interrompe a operação de maneira segura.
NOTA!
þ
Durante a aplicação, em momento algum, o paciente deve ser exposto à
pressão que lhe seja desconfortável;
þ Durante as aplicações de vácuo, deve-se garantir um perfeito contato entre a
ventosa e a região de tratamento.
36
9
MANUTENÇÃO DO EQUIPAMENTO
9.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA
A seguir são enumerados alguns problemas que eventualmente podem acontecer
com o equipamento e suas possíveis soluções. Se seu equipamento apresentar
algum dos problemas a seguir, siga as instruções para tentar resolvê-lo. Caso o
problema não seja resolvido, entre em contato com uma Assistência Técnica
HTM Eletrônica.
1º) PROBLEMA: O equipamento não liga.
Motivo 1: A tomada onde o equipamento está ligado não possui energia;
Solução 1: Certifique-se que o equipamento está sendo ligado a uma tomada
com energia. Ligue, por exemplo, outro equipamento na tomada para verificar se
funciona.
Motivo 2: O cabo de alimentação não está corretamente conectado no
equipamento.
Solução 2: Conecte corretamente o cabo de alimentação no equipamento.
Motivo 3: O fusível do equipamento está queimado.
Solução 3:
1) Desconecte o equipamento da rede elétrica;
2) Abra o porta-fusível com uma chave de fenda;
3) Substitua o fusível queimado por um novo de mesmo tipo e valor;
4) Coloque o porta-fusível de volta no equipamento;
5) Ligue o equipamento e verifique sua operação.
Fusível Reserva
Fusível Ativo
2º) PROBLEMA:O equipamento está ligado mas não produz vácuo.
Motivo 1: A mangueira e/ou ventosa não estão conectados corretamente.
Solução 1: Conecte corretamente a mangueira no equipamento e na ventosa.
37
Motivo 2: A tecla de Start não foi acionada.
Solução 2: Acione a tecla Start para liberar o vácuo.
Motivo 3: O filtro externo não está devidamente rosqueado.
Solução 3: Rosqueie o reservatório do filtro, exercendo uma leve pressão.
Motivo 4: A mangueira e/ou o filtro estão entupidos/obstruídos.
Solução 4: Limpar a mangueira e/ou o filtro.
9.2 MANUTENÇÃO PREVENTIVA
9.2.1 CABOS DE CONEXÃO E ALIMENTAÇÃO
O usuário deve inspecionar, diariamente, a mangueira de conexão das ventosas
e da caneta de peeling e o cabo de alimentação para verificar a existência de
possíveis danos (ex.: cortes, ressecamento). Caso apresentem algum tipo de
problema, entre em contato com a HTM ELETRÔNICA para providenciar a
substituição das partes e calibração do equipamento.
9.2.2 LIMPEZA DO GABINETE
Quando necessário, limpe o gabinete de seu equipamento com pano de limpeza
macio. Não use álcool, thinner, benzina ou outros solventes fortes, pois poderão
causar danos ao acabamento do equipamento.
Para limpar o filtro de ar, remova-o do gabinete, girando o reservatório no sentido
horário, lave-o com água corrente e detergente neutro. Aguarde secar e
recoloque no local girando no sentido anti-horário e exercendo ligeira pressão
para evitar a perda de vácuo.
9.2.3 LIMPEZA DAS VENTOSAS
Após cada utilização o usuário deve lavar as ventosas e a ponteira da caneta
peeling com água corrente e detergente neutro antes de guardá-las ou utilizar em
outro paciente, para remover o excesso de géis e/ou produtos cosméticos
utilizados e para evitar que os mesmos sequem ou fiquem incrustados nos eixos
das mesmas danificando sua aplicabilidade.
Não utilize os acessórios sem a devida higienização dos mesmos!
38
9.2.4 CALIBRAÇÃO
O equipamento Dermo Crystal deve ser calibrado pelo menos a cada 12 meses, a
calibração é realizada somente pela HTM ELETRÔNICA para garantir a
manutenção da segurança e desempenho do equipamento e seus acessórios.
9.3 ENVIO DE EQUIPAMENTO A ASSISTÊNCIA TÉCNICA
Caso seu equipamento não esteja funcionando conforme as características deste
manual e após seguir as orientações do item MANUTENÇÃO CORRETIVA sem
êxito, contate a HTM Eletrônica que informará a Assistência Autorizada mais
próxima de você.
Junto com o equipamento deve ser enviada uma carta relatando os problemas
apresentados pelo mesmo, os dados para contato e endereço para envio do
equipamento.
NOTA!
Ao entrar em contato com a HTM Eletrônica, é importante informar os seguintes
dados:
þ Modelo do equipamento;
þ Número de série do equipamento;
þ Descrição do problema que o equipamento está apresentando.
ATENÇÃO!
Não queira consertar o equipamento ou enviá-lo a um técnico não credenciado
pela HTM Eletrônica, pois a remoção do lacre implicará na perda da garantia,
além de oferecer riscos de choques elétricos. Caso queira enviar o equipamento
a um técnico de sua confiança, a HTM Eletrônica pode fornecer as peças para
manutenção, porém não mais se responsabilizará pelo equipamento e os efeitos
por ele causados.
9.4 MEIO AMBIENTE
Quando terminar a vida útil do equipamento e seus acessórios, eliminá-los de
modo a não causar danos ao meio ambiente. Entre em contato com empresas
que trabalham com coleta seletiva para executar procedimento de reciclagem.
Não deve ser lançado diretamente no meio ambiente, pois alguns dos materiais
utilizados possuem substâncias químicas que podem ser prejudiciais ao mesmo.
39
10
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO EQUIPAMENTO
10.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
Dermo Crystal
Equipamento:
Origem:
HTM Indústria de Equipamentos Eletro-Eletrônicos LTDA
Nome técnico e função:
Bomba de vácuo para estética
Tensão AC de Alimentação:
100-230V~ ±10%
Frequência da Tensão de Alimentação:
50/60Hz ±10%
Fusível de Proteção (20 x 5mm) 20AG-T:
2A / 250V~
Potência de Entrada:
195VA ±10%
Modo de Operação:
- Vacuoterapia: Contínuo / Pulsado
- Peeling Cristal
Frequência do Modo Pulsado:
5 à 50 pulsos/min
Pressão de Saída:
-10 à -550 mmHg
Timer:
1 à 60min ±10%
Peso do Equipamento com rack (sem outros acessórios):
Dimensões (LxAxP):
3,350Kg
410x1060x415mm
40
Temperatura de Operação:
10°C a 40°C
Temperatura de Armazenagem:
-20°C a 60°C
Embalagem para Transporte:
Utilizar a original
1 Canal Vacuoterapia
1 Canal Peeling Cristal
Número de Canais de Saída:
Faixa de umidade relativa do ar recomendada para
armazenamento e transporte:
41
10 a 60%
10.2 EMISSÕES ELETROMAGNÉTICAS PARA O Dermo Crystal
Guia e Declaração do Fabricante - Emissões Eletromagnéticas
O Dermo
Crystal é destinado para utilização em ambiente eletromagnético especificado abaixo.
Recomenda-se que o cliente ou usuário do Dermo Crystal garanta que ele seja utilizado em tal
ambiente.
Emissão de RF
ABNT NBR IEC CISPR 11
Grupo 1
Emissão de RF
ABNT NBR IEC CISPR 11
Classe A
Emissões de harmônicos
IEC 61000-3-2
Classe A
Flutuações de tensão / Emissões
de Flicker
IEC 61000-3-3
O Dermo Crystal utiliza energia
RF apenas para sua função
interna.
Entretanto,
suas
emissões de RF são muito baixas
e não é provável causar qualquer
interferência em equipamento
eletrônico próximo
O Dermo Crystal é adequado para
utilização
em
todos
os
estabelecimentos que não sejam
residenciais
e
aqueles
diretamente conectados à rede
pública de distribuição de energia
elétrica de baixa tensão que
alimente
edificações
para
utilização doméstica.
Conforme
42
10.3 IMUNIDADE ELETROMAGNÉTICAS PARA O Dermo Crystal
Guia e Declaração do Fabricante - Imunidade Eletromagnética
O Dermo Crystal é destinado para utilização em ambiente eletromagnético especificado abaixo. Recomendase que o cliente ou usuário do Dermo Crystal garanta que ele seja utilizado em tal ambiente.
Ensaio de Imunidade
Nível de Ensaio da
ABNT NBR IEC 60601
Nível de Conformidade
Descarga
eletrostática (ESD)
IEC 61000-4-2
±6kV por contato
±8kV pelo ar
±6kV por contato
±8kV pelo ar
Transitórios elétricos
rápidos / Trem de
pulsos ("Burst")
IEC 61000-4-4
±2kV nas linhas de
alimentação
±1kV nas linhas de
entrada/saída
±2kV nas linhas de
alimentação
±1kV nas linhas de
entrada/saída
Surtos
IEC 61000-4-5
±1kV linha(s) a linha(s)
±2kV linha(s) a terra
±1kV linha(s) a linha(s)
Quedas de tensão,
interrupções, curtas e
variações de tensão
nas linhas de entrada
de alimentação
IEC 61000-4-11
< 5% UT (> 95% de
queda de tensão em
UT) por 0,5 ciclo.40%
UT (60% de queda de
tensão em UT) por 5
ciclos.
70% UT (30% de
queda de tensão em
UT) por 25 ciclos.< 5%
UT (> 95% de queda
de tensão em UT) por
5 segundos.
< 5% UT (> 95% de
queda de tensão em
UT) por 0,5 ciclo.
40% UT (60% de
queda de tensão em
UT) por 5 ciclos.
70% UT (30% de
queda de tensão em
UT) por 25 ciclos.< 5%
UT (> 95% de queda
de tensão em UT) por
5 segundos.
Campo magnético na
frequência de
alimentação
(50/60Hz)
IEC 61000-4-8
3A/m
3A/m
43
Ambiente
Eletromagnético
Diretrizes.
Piso deveria ser de
madeira, concreto ou
cerâmica. Se os pisos
forem
cobertos
com
material
sintético,
a
umidade relativa deveria
ser de pelo menos 30%.
Recomenda-se que a
qualidade
do
fornecimento de energia
seja aquela de um
ambiente hospitalar ou
comercial típico. Não
possui linhas de saída.
Recomenda-se que a
qualidade
do
fornecimento de energia
seja aquela de um
ambiente hospitalar ou
comercial típico.
Recomenda-se que a
qualidade
do
fornecimento de energia
seja aquela de um
ambiente hospitalar ou
comercial típico. Se o
usuário do Dermo Crystal
exige
operação
continuada
durante
interrupção de energia, é
recomendado
que
o
Dermo
Crystal
seja
alimentado por uma fonte
de
alimentação
ininterrupta.
Campos magnéticos na
frequência
da
alimentação
deveriam
estar
em
níveis
característicos de um
local típico em um local
típico em um ambiente
hospitalar ou comercial
típico.
Guia e Declaração do Fabricante - Imunidade Eletromagnética
O Dermo Crystal é destinado para utilização em ambiente eletromagnético especificado abaixo. Recomendase que o cliente ou usuário do Dermo Crystal garanta que ele seja utilizado em tal ambiente.
Ensaio de
Imunidade
Nível de
Ensaio da
ABNT NBR
IEC 60601
Nível de
Conformidade
Ambiente Eletromagnético Diretrizes.
Recomenda-se que equipamento de comunicação
por RF portátil ou móvel não sejam usados próximos
a qualquer parte do Dermo Crystal incluindo cabos,
com distância de separação menor que a
recomendada, calculada a partir da equação
aplicável à frequência do transmissor.
Distância de separação recomendada:
RF Conduzida
IEC 61000-4-6
3 Vrms
150kHz até
80MHz
d=1,2 ( P )1/2
d=1,2 ( P )1/2 80MHz até 800MHz
3 Vrms
d=2,3 ( P )1/2 800MHz até 2,5GHz
RF Radiada
IEC 61000-4-3
3 V/m
80MHz até
2,5GHz
onde P é a potência máxima nominal de saída do
transmissor em Watts (W), de acordo com o
fabricante do transmissor, e d é a distância de
separação recomendada em metros (m). É
recomendada que a intensidade de campo
estabelecida pelo transmissor de RF, como
determinada
através
de
uma
inspeção
eletromagnética no local, seja menor que o nível de
conformidade em cada faixa de frequência. Pode
ocorrer interferência ao redor do equipamento
3 V/m
marcado com o seguinte símbolo:
NOTA 1 Em 80 MHz e 800MHz, aplica se a faixa de frequência mais alta.
NOTA 2 Estas diretrizes podem não ser aplicáveis em todas as situações. A propagação eletromagnética é
afetada pela absorção e reflexão de estruturas, objetos e pessoas.
a As intensidades de campo estabelecidas pelos transmissores fixos, tais como estações rádio base, telefone
(celular/sem fio) rádios móveis terrestres, rádio amador, transmissão rádio AM e FM e transmissão de TV não
podem ser previstos teoricamente com precisão. Para avaliar o ambiente eletromagnético devido a
transmissores de RF fixos, recomenda-se considerar uma inspeção eletromagnética do local. Se a medida da
intensidade de campo no local em que o Dermo Crystal é usado excede o nível de conformidade de RF aplicável
acima, o Dermo Crystal deveria ser observado para verificar se a operação está Normal. Se um desempenho
anormal for observado, procedimentos adicionais podem ser necessários, tais como a reorientação ou
recolocação do Dermo Crystal b Acima da faixa de frequência de 150kHz até 80 MHz, a intensidade do campo
deveria ser menor que 3 V/m.
44
10.4
DISTÂNCIAS
DE
SEPARAÇÃO
RECOMENDADAS
ENTRE
EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO DE RF, PORTÁTIL E MÓVEL E O
Dermo Crystal
Distâncias de separação recomendadas entre equipamentos de comunicação de RF, portátil e
móvel, e o Dermo Crystal
O Dermo Crystal é destinado para utilização em ambiente eletromagnético no qual perturbações de RF radiadas
são controladas. O cliente ou usuário do Dermo Crystal deve ajudar a prevenir interferência eletromagnética
mantendo uma distância mínima entre os equipamentos de comunicação de RF portátil e móvel (transmissores)
e o Dermo Crystal como recomendado abaixo, de acordo com a potência máxima de saída dos equipamentos
de comunicação.
Potência máxima
nominal de saída do
transmissor W
Distância de separação de acordo com a frequência do transmissor
M
150kHz até 80MHz d=1,2
( P )1/2
80MHz até 800MHz
d=1,2 ( P )1/2
800MHzaté 2,5GHz
d=2,3 ( P )1/2
0,01
0,12
0,12
0,23
0,1
0,38
0,38
0,73
1
1,2
1,2
2,3
10
3,8
3,8
7,3
100
12
12
23
Para transmissores com uma potência máxima nominal de saída não listada acima, a distância de separação
recomendada d em metros (m) pode ser determinada utilizando-se a equação aplicável a frequência do
transmissor, onde P é a potência máxima nominal de saída do transformador em watts (W), de acordo com o
fabricante do transmissor.
NOTA 1 Em 80MHz e 800MHz aplica-se a distância de separação para a faixa de frequência mais alta.
NOTA 2 Estas diretrizes podem não se aplicar a todas as situações. A propagação eletromagnética é afetada
pela absorção e reflexão de estruturas, objetos e pessoas.
45
10.5 FUNCIONAMENTO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal
O funcionamento do equipamento Dermo Crystal pode ser entendido através do
diagrama em blocos da Figura 16.
Interface Usuário
LCD Gráfico
Rede Elétrica
AC
Conversor
AC/DC
Circuito
de
Controle
Seleção
Saída
de
Tratamento
Bomba Vácuo
Figura 16 - Diagrama em Blocos do Aparelho Dermo Crystal
10.6 CLASSIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO Dermo Crystal QUANTO A
NORMA NBR IEC 60601-1
1) De acordo com o tipo de proteção contra choque elétrico:
Equipamento classe lI;
2) De acordo com o grau de proteção contra choque elétrico:
Parte aplicada tipo BF;
3) De acordo com o grau de proteção contra penetração nociva de água:
Equipamento comum IPX0 - (equipamento fechado sem proteção contra
penetração de água);
4) De acordo com o grau de segurança em presença de uma mistura
anestésica inflamável com ar, oxigênio ou óxido nitroso:
Equipamento não adequado ao uso na presença de uma mistura anestésica
inflamável com ar, oxigênio ou óxido nitroso;
5) De acordo com o modo de operação:
Equipamento para operação contínua.
6) Vida útil esperada de 5 anos
Nada impede de o equipamento continuar a ser utilizado normalmente sem
nenhum risco ao usuário e paciente desde que passe por revisão geral na fábrica
periódica após esse período conforme descrito no item 9.2 - Manutenção
Preventiva.
46
10.7 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NESTE MANUAL
Símbolo
Descrição
Símbolo geral de advertência: significa que há algum perigo.
Símbolo geral de proibição: significa que o usuário não deve realizar
determinada ação.
Símbolo geral de ação obrigatória: significa que o usuário deve realizar
determinada ação.
47
10.8 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NO EQUIPAMENTO
Símbolo
Descrição
Símbolo geral de advertência
PARTE APLICADA TIPO BF
EQUIPAMENTO DE CLASSE II
0
I
Desligado! Equipamento Desligado com Interrupção nas Duas Fases
Ligado (com alimentação elétrica)
Corrente Alternada
Tecla de seleção.
Tecla para incremento dos parâmetros e navegação no display
Tecla para decremento dos parâmetros e navegação no display
Tecla para iniciar/interromper a aplicação
48
10.9 DESCRIÇÃO DAS SIMBOLOGIAS UTILIZADAS NA EMBALAGEM
Símbolo
Descrição
Este lado para cima
Frágil
6 0°C m ax
Limite de Temperatura
-2 0°C m im
Proteja contra a chuva
6
Empilhamento Máximo 6 caixas (Parte Superior)
6
Empilhamento Máximo 6 caixas (Parte Inferior - Rack)
Mantenha Afastado da Luz Solar
Não descartar em Lixo Doméstico
Embalagem Reciclável
49
10.10 ESQUEMAS DE CIRCUITOS, LISTA DE PEÇAS, COMPONENTES E
INSTRUÇÕES DE CALIBRAÇÃO
A HTM Ind. de Equip. Eletro-Eletrônicos Ltda disponibiliza, mediante acordo com
usuário, esquemas de circuitos, lista de peças, componentes e instruções de
calibração e demais informações necessárias ao pessoal técnico qualificado do
usuário para reparar partes do Equipamento que são designadas pela HTM como
reparáveis.
10.11 DECLARAÇÃO DE BIOCOMPATIBILIDADE
Declaramos sob nossa inteira responsabilidade, que todos os materiais utilizados
em PARTES APLICADAS (conforme definição da norma NBR IEC 60601-1) no
Equipamento Dermo Crystal têm sido amplamente utilizados na área médica ao
longo do tempo garantindo assim sua biocompatibilidade.
50
11
CERTIFICADO DE GARANTIA
11.1 NÚMERO DE SÉRIE / DATA DE INÍCÍO DA GARANTIA
O seu equipamento HTM Eletrônica é garantido contra defeitos de fabricação,
respeitando-se as considerações estabelecidas neste manual, pelo prazo de 18
meses corridos, sendo estes meses divididos em:
3 primeiros meses: garantia legal.
15 meses restantes: garantia adicional concedida pela HTM Eletrônica.
A garantia terá seu início a partir da data de liberação do equipamento pelo
departamento de expedição da HTM Eletrônica.
Todos os serviços de garantia do equipamento devem ser prestados pela HTM
Eletrônica ou por uma a Assistência Técnica por ela autorizada sem custo algum
para o cliente.
A garantia deixa de ter validade se:
þ O equipamento for utilizado fora das especificações técnicas citadas neste
manual.
þ O número de série do equipamento for retirado ou alterado.
þ O equipamento sofrer quedas, for molhado, riscado, ou sofrer maus tratos.
þO lacre do equipamento estiver violado ou se a Assistência Técnica HTM
Eletrônica constatar que o equipamento sofreu alterações ou consertos por
técnicos não credenciados pela HTM Eletrônica.
Transporte do equipamento durante o período de garantia legal:
þ Durante o período de garantia legal, a HTM Eletrônica é responsável pelo
transporte. Contudo, para obtenção desse benefício, é necessário o contato
prévio com a HTM Eletrônica para orientação sobre a melhor forma de envio e
para autorização dos custos desse transporte.
þ Se o equipamento, na avaliação da Assistência Técnica HTM, não apresentar
defeitos de fabricação, a manutenção e as despesas com transporte serão
cobradas.
A garantia legal (3 meses) cobre:
þ Transporte do equipamento para conserto (Com autorização prévia da HTM).
þ Defeitos de fabricação do aparelho e dos acessórios que o acompanham.
51
A garantia adicional (15 meses) cobre:
þDefeitos de fabricação do aparelho.
A garantia adicional não cobre:
þTodos os termos não cobertos pela garantia legal.
þTransporte do equipamento para conserto.
Alguns exemplos de danos que a garantia não cobre:
þDanos no equipamento devido a acidentes de transporte e manuseio. Entre
esses danos pode-se citar: riscos, amassados, placa de circuito impresso
quebrada, gabinete trincado, etc.
þDanos causados por catástrofes da natureza (ex: descargas atmosféricas).
þ Deslocamento de um técnico da HTM Eletrônica para outros municípios na
intenção de realizar a manutenção do equipamento.
þ Eletrodos, cabos de aplicação ou qualquer outro acessório sujeito a desgastes
naturais durante o uso ou manuseio.
NOTA!
þA HTM Eletrônica não autoriza nenhuma pessoa ou entidade a assumir
qualquer outra responsabilidade relativa a seus produtos além das especificadas
neste termo.
þ Para sua tranquilidade, guarde este Certificado de Garantia e Manual.
þA HTM Eletrônica reserva o direito de alterar as características de seus
manuais e produtos sem prévio aviso.
52
Fly UP