...

FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
Rua Airosa Galvão,45- Fone (011) 3862-0749 e FAX (011) 3673-0497
CNPJ nº 62.348.875/0001-36 - SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062
ENTIDADE OFICIAL – FUNDADA EM 17 DE ABRIL DE 1958
www.fpj.com.br
Seminário Estadual de Arbitragem – 2015
Local: Teatro Mauá – SP
Data: 07 de fevereiro de 2015.
01. Pegada (kumi Kata):
01.1. Normal (Ortodoxa) = Válida:
01.2. Regulamentada, será Válida se ocorrer um ataque real/efetivo imediato;
01.3. “Pistola” e “Agarre de Gato”, será Válido se ocorrer uma ataque real/efetivo
imediato;
01.4. Pegada na saia com o “judogui arrumado” = Shido;
Obs. Segurar com objetivo de bloquear = Hansoku Make.
01.5. Segurar o pulso ou entrelaçar os dedos = Shido;
Obs. No caso de segurar o pulso e imediatamente realizar um ataque
real/efetivo = Válido.
01.6. Passada da cabeça, sem um ataque efetivo/real, já na primeira vez = Shido;
01.7. Pegada defensiva, exemplo: uma só pegada, escondendo a outra = Shido,
escondendo a gola = Shido;
01.8. “Abraço de Urso” direto = Shido;
Obs. Havendo uma pegada “antes”, quer do Tori e/ou Uke = Válido.
01.9. Pegada na faixa, Obi, se não houver ataque imediato = Shido;
01.10. Pegada cruzada nas costas, executando uma enganchada/trançada na perna do
seu oponente, sem objetivo de ataque, bloqueio, e se o competidor executa
isso de uma forma repetida, 3ª vez, punir com Shido;
01.11. Aplicação do O Goshi, quando o Tori abraça abaixo da linha da faixa = Ok;
01.12. Ataque com uma só pegada, não é considerado um ataque efetivo/real. E a sua
repetição, 3ª vez = Shido.
Saída de Área:
01.13. Uma técnica aplicada dentro e projetada fora = Válido e imediatamente ocorre
um Ossae/kansetsu/Shime = Válido, bem como a sua reversão, obviamente
desde que seja imediato;
01.14. Saída com os 02 (dois) pés = Shido;
01.15. Saída com os 02 (dois) pés, em virtude do Uke fintar um ataque do Tori = OK e
havendo um ataque imediato = Válido;
01.16. Situação de imobilização (Ossae Komi), iniciada dentro e alcança a área vizinha
ou a Quadra (chão), se form o Tori o causador = Matte e se for o Uke o causador
= Matte/Ippon;
01.17. Saída com 01 (um) pé, se voltar ou efetuar um ataque efetivo/real = Ok.
FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
Rua Airosa Galvão,45- Fone (011) 3862-0749 e FAX (011) 3673-0497
CNPJ nº 62.348.875/0001-36 - SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062
ENTIDADE OFICIAL – FUNDADA EM 17 DE ABRIL DE 1958
www.fpj.com.br
02. Mundial:
02.1. Atuação efetiva do árbitro central, tatame, e auxilio rápido dos árbitros laterais,
mesa.
Obs. Recomendação ao árbitro de tatame, não utilizar o rádio para consultar
sobre uma penalização e/ou pontuação.
02.2. Situação de Hansoku Make, com unanimidade do trio, consultar o
Comissionado;
02.3. Atuação dos Comissionados, quando ocorrer uma diferença de avaliação de 02
(dois) níveis, por exemplo: Ippon - Yuko!!
02.4. Sangramento, atendimento fora do tatame, com acompanhamento do árbitro
lateral.
Obs. Recomendação ao Procedimento, no caso de Sangramento:
1. Árbitro central, “chama” o médico e olhar para os árbitros de mesa;
2. Encaminha, com gesto e acompanha o competidor até a borda do tatame;
3. Aguarda o árbitro lateral chegar e na Quadra o competidor é atendido;
4. Árbitro central retorna a sua marca.
03. Vídeo Replay:
03.1. Árbitros laterais, mesa, terão o acompanhamento em tempo real e havendo
dúvida, ai sim, se recorrer ao vídeo replay, da forma mais rápida possível,
revisar (máximo) duas vezes;
03.2. Padronização: Para fins de verificação/correção, somente o vídeo oficial,
utilizado pela organização do evento, no nosso caso da FPJ, será aceito para
esclarecimento.
Obs. Portanto vídeos de terceiros ou particulares não servirão como
instrumento de recurso.
04. “Sankaku Gatame”:
04.1. Nas Classes: SUB’ 13 e 15, o competidor pode iniciar o movimento/passagem do
Sankaku, mas se o Tori “fechar” as pernas formando o Sankaku (triangulo),
comandar somente MATTE;
04.2. O competidor com habilidade, consegue imobilizar sem executar o triangulo,
esta passagem é VÁLIDA;
04.3. Nas Classes; SUB’ 09 e11, logo no início, comandar MATTE.
05. Golden Score:
05.1. Na Classe: SUB’ 11, não há Golden Score, portanto se a luta terminar empatada
no tempo normal, 02 (dois) minutos, esta luta deverá ser decidida com Hantei;
Obs.(1) Será usado o judogui branco, sendo facultativo o uso do judogui azul;
Obs. (2) Nesta Classe o atendimento médico é Livre.
05.2. Nas Classes SUB’ 13 e acima, há Golden Score, sem limite de tempo e é
obrigatório o uso de judogui branco e azul.
06. Elástico de Cabelo:
FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
Rua Airosa Galvão,45- Fone (011) 3862-0749 e FAX (011) 3673-0497
CNPJ nº 62.348.875/0001-36 - SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062
ENTIDADE OFICIAL – FUNDADA EM 17 DE ABRIL DE 1958
www.fpj.com.br
Se o elástico tiver um “ferrinho”, pode se permitir que o(a) competidor(a) possa
competir, mas se o árbitro julgar que este “ferrinho” é grande e possa causar algum
ferimento, vai se solicitar (somente) a troca deste elástico.
07. Queda em Ponte:
Fica configurado PONTE, a queda com apoio da CABEÇA e os PÉS. Acontecendo isso
deve-se anunciar IPPON.
Obs. A queda com apoio do OMBRO e os PÉS, não é configurado Ponte, portanto não
se deve avaliar como Ippon.
08. Critérios de IPPON:
Critério de Ippon: Força, Velocidade, Controle e Amplamente de Costas. Quando a
aplicação de uma técnica ocorrer em “dois tempos”, de uma forma continua ou
quando o Uke cair “rolando”, esta deverá ser avaliada como Wazari.
09. Dilatador Nasal:
Quando constatado a utilização de Dilatador Nasal em algum competidor, o árbitro
deverá solicitar que se retire. Caso descubra-se que este esta oculto, por exemplo
com esparadrapo, ai sim deve-se punir com Hansoku Make.
Obs. Dilatador Nasal, Protetor Bucal e qualquer outro objeto não permitido que
estejam ocultos, quando observados antes do início da luta, deverão ser solicitados
para serem retirados.
10. Critério do Super Ippon:
Se configura ou se avalia como um SUPER IPPON, quando um golpe é aplicado com
tamanha velocidade ao olho humano, que é difícil de observar se o Uke caiu
amplamente de costas e somente com o auxilio do vídeo replay e em câmera lenta, e
depois de várias repetições, percebe-se que a queda não foi amplamente de costas.
11. Mal Súbito:
Na Classe: SUB’ 18, se o competidor desmaiar decorrente a um Shime Waza, será
impedido de prosseguir na competição, caso seja “chamado” para a repescagem.
Obs. Estes casos de desmaios por Shime Waza, são considerados como “Mal Súbito” e
portanto o atleta, não deverá retornar à competição. Precaução adotada para a
preservação da saúde/integridade física do atleta e desencorajar a não “pedir” Maitá,
em casos extremos.
12. Situações de Ne Waza:
12.1. Observar a luta em solo, Ne Waza, havendo evolução/progresso, deve-se
deixar a luta prosseguir;
12.2. Nos casos de Kansetsu Waza e Shime Waza, quando o Uke suspende o Tori do
solo, e este apresenta amplo domínio na aplicação de sua técnica, deve-se se
FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
Rua Airosa Galvão,45- Fone (011) 3862-0749 e FAX (011) 3673-0497
CNPJ nº 62.348.875/0001-36 - SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062
ENTIDADE OFICIAL – FUNDADA EM 17 DE ABRIL DE 1958
www.fpj.com.br
dar mais uma chance/tempo, para finalizar, portanto não se deve anunciar
imediatamente Matte. Caso este tempo tenha passado, ai sim MATTE;
12.3. Critérios para se anunciar Ossae komi: posição Kessa, Shiho e Ura.
13. Critérios para convocação de árbitros:
• Inter Regional e 1ª Fase-Paulista = Regional;
• Paulista Aspirante e por Faixas = Estadual
• Paulista: SUB’ 11, SUB’ 13 e Beneméritos = Estadual;
• Paulista: SUB’ 15, SUB’ 18 e Copa São Paulo = Nacional “C”;
• Paulista: SUB’ 21 e SUB’ 23 = Nacional “B”;
• Paulista para a Classe: Sênior = Nacional “A”.
14. Situações de Causas Externas:
Qualquer acidente por causa externa, queda sobre a mesa de controle, por exemplo, o
atendimento médico deverá ser ilimitado e um novo combate/luta deverá ser iniciado.
15. Postura dos competidores:
Não é mais aceito a postura defensiva do(s) competidor(es), Jigo Tai, se isso ocorrer,
punir.
Obs. Atenção em verificar se o competidor “fica” em Jigo Tai, para um ataque em
seguida!!!
16. Postura do Árbitro:
16.1. Postura Natural;
16.2. Caminhar, portanto de forma natural;
16.3. Sensibilidade em observar a luta com:
16.3.1. “Judô positivo”, quando os competidores buscam efetivamente decidir a
luta, com postura, golpes bem elaborados, neste caso o árbitro deve ser
mais tolerante e deixar que os competidores decidam a luta;
16.3.2. “Judô Negativo”, quando os competidores não buscam efetivamente
decidir a luta, com postura defensiva, “quase que se jogando ao tatame”,
com golpe muito mal elaborados, neste caso o árbitro deve ser mais
rigoroso, exigente e atuante;
16.3.3. “Coerente 1”, não deixar para penalizar só no final do tempo de luta, sendo
que, esta mesma situação já ocorreu anteriormente e vc, árbitro não
penalizou!!!
16.3.4. “Coerente 2”, aplicar o gesto correto a penalização que ocorreu, por
exemplo: o(s) competidor(es) esta(ão) lutando com uma só pegada e
penalizar(los) com o gesto de Falta de Combatividade!!!
FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ
Rua Airosa Galvão,45- Fone (011) 3862-0749 e FAX (011) 3673-0497
CNPJ nº 62.348.875/0001-36 - SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062
ENTIDADE OFICIAL – FUNDADA EM 17 DE ABRIL DE 1958
www.fpj.com.br
17. Situação de Hansoku Make:
17.1. Hansoku por ataque/bloqueio, abaixo da linha da faixa, tem que ficar evidente
a AÇÃO ( competidor se beneficia desta ação!!) = Hansoku Make;
17.2. Hansoku por ataque/bloqueio, abaixo da linha da faixa, só o toque ou um ato
involuntário/reflexo = Normal (não se penaliza);
17.3. Para se aplicar tem que haver unanimidade do trio!!!
Fly UP